Jornalismo, o social e o histórico: Um breve diálogo crítico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Jornalismo, o social e o histórico: Um breve diálogo crítico"

Transcrição

1 Jornalismo, o social e o histórico: Um breve diálogo crítico Andrei Netto e Vinicius Netto Um diálogo eletrônico em 2006: - Queria fazer perguntas que nunca se pode fazer ao vivo ou ao telefone ou por (estranha essa possibilidade dos diálogos eletrônicos então abre espaço pra um leque de pequenas comunicações mensagens que escapam as comunicações baseadas em co-presença, do cotidiano). Quantos textos tu produzes por semana? - Depende da semana. Às vezes, passo duas, três semanas escrevendo uma única reportagem - uma série, por exemplo. Outros dias, escrevo dois na mesma tarde. Mas nesse caso são breves. - Textos sobre fatos mais... Ordinários. Eventos menores? - Isso. Há pouco, por exemplo, entreguei um sobre o estado de saúde de uma menina de 14 anos que sofreu queimaduras naquele ônibus medonho de Rio Grande. Isso é o que a gente chama de "fazer o dia". É o oposto de trabalhar em uma especial. Tem gente que prefere fazer isso o todo dia a passar semanas pesquisando, estudando, investigando alguma história em geral. A matéria do dia é a factual, aquela que aconteceu no dia e precisa estar nas mãos do leitor no dia seguinte. Vinicius: Quero, antes de tudo, fazer aqui um recorte sociológico e temporal para classificar os fatos jornalísticos das matérias longas, especiais ; e das matérias factuais, curtas. Para tanto, esse recorte deve incluir, para a diferenciação entre os dois tipos de descrição jornalística, qualificadores conceitos que nos permitam objetivar a diferença entre a capacidade de descrição de fatos implicando uma diferenciação, de certa forma, ontológica, entre fatos do dia, eventos de implicação mais restrita, aparentemente, as bordas temporais do próprio evento (eventos ou fatos portanto de baixa complexidade, talvez transcorridos mais rapidamente). As descrições jornalísticas do primeiro tipo não têm nenhuma análise do fato como parte de processos sociais isto é, têm menos atenção às condições estruturais dos fatos - no tempo, e no espaço social. A matéria jornalística especial, referente a fatos de alta complexidade, que às vezes revela o que nunca veio à tona antes. Emerge a ponta de um iceberg. Andrei: Mesmo as de alta complexidade às vezes pecam na análise. Bom mesmo é transformar reportagem em livro-reportagem. Aí o espaço é ilimitado. Esse, aliás, é o gênero que mais cresce hoje, mais do que a ficção. V: Vejo aqui uma limitação tremenda na prática do jornalismo: 1) fatos são descritos sem ser demonstrada nenhuma relação com processos sociais etc. que levaram a ele; 2) e sem ser demonstrado o processo histórico, a seqüência de fatos. Grosso modo, esta é uma prática da informação sem memória. Informação fica desconectada da memória e das estruturas sociais e históricas. Jornalismo daí vira, 1

2 nessa versão menos culta e cuidadosa, uma prática de informação de eterno presente. Os eventos não têm passado, nem ligações estruturais. Eventos ficam condenados a serem recortados temporalmente, espacialmente, e socialmente. A: Essa é uma crítica corrente entre os sociólogos que se debruçam sobre a comunicação (sociologia e da filosofia. A escola de Frankfurt continua influente). O argumento contrário é de que um acidente de trânsito, por exemplo, é publicado como um fragmento de uma realidade que é acompanhada e registrada todos os dias no jornal. Nesse caso, uma edição de um jornal diário é desconexa, mas sua história é o próprio registro da história. Aqui, no entanto, a história continua como uma descrição de fragmentos, de fatos isolados. Em contrapartida à escola de Frankfurt, surgiram nos anos 60 os movimentos "culturalistas", alguns dos quais dissidentes de Frankfurt. Morin é um exemplo. Em "A cultura de massa", nos anos 60, ele escreveu, em um nítido rompimento com Frankfurt, "os mídia são o maior avanço do século". Outros importantes são Maffesoli, Pièrre Lévy, o Gianni Vattimo. Lévy é uma espécie de herdeiro a escola de Frankfurt: não abre mão das utopias, das teorias metafísicas. Mas já não tem o pessimismo de Frankfurt. Contudo, o pessimismo do diagnóstico em Frankfurt é da primeira geração de teóricos e críticos. Adorno, Horkheimer, Benjamin - um marginal dentro da escola -, Marcuse e os demais Frankfurtianos foram muitíssimo influenciados pelo clima de entre-guerras e de pós-ii guerra. O que fica de permanente em Frankfurt, mais do que a crítica ideológica da mídia, por exemplo, foi a capacidade de reflexão sobre a modernidade e seus rumos. "A dialética do esclarecimento" abre espaço para o bombardeio que a modernidade passou a sofrer: eram pessimistas quanto à idéia de racionalização, razão etc. V: Nos últimos 35 anos, Habermas desviou o pessimismo instalado já em Weber, antes e fora de Frankfurt. Habermas ajudou a dar fim ao pessimismo, criando uma nova dinastia conceitual, que preserva a crença no iluminismo, na alternativa moderna de construção social. Por isso ele é o grande "opositor" conceitual da pós-modernidade. Ele resolveu as contradições do conceito de razão que Adorno e Weber antes dele se meteram problemas lógicos como a racionalidade levando a processos de massificação, destruição social, ideologias patológicas. Daí as dissidências. Habermas desfez o conceito de racionalidade que a primeira geração de Frankfurt apoiou sua análise uma análise Weberiana, na verdade. Adorno seguiu o diagnóstico Weberiano de que racionalidade e modernidade envolveriam um desencantamento do mundo inevitável, uma parametrização para toda prática na base de uma racionalidade estratégica, que destrói valores e símbolos e tradições (um diagnóstico que parece muito preciso quando olhamos nossa realidade no começo do século XXI). Habermas concorda com esse diagnóstico, mas busca uma solução dentro do próprio paradigma da modernidade voltando à idéia de razão, mas uma razão mais ampla, baseada na sua construção social, na comunicação - no processo psicológico de formação do cognitivo razão comunicativa: a força do melhor argumento, a possibilidade da concordância, a ampliação da esfera pública. 2

3 A: Maffesoli se distancia muito nesse ponto. Para ele, a modernidade abriu mão, ou melhor, negou o que ele chama de irracionalidades e não-racionalidades que são inerentes à condição humana. Ele é um pósestruturalista. V: O projeto moderno é sem dúvida um projeto de racionalização. Nesse projeto (que não é só filosófico, mas molda as práticas econômicas, organizacionais etc. e assumem como modelos princípios de ordem e eficiência racionalizadas). O emocional fica esquecido, juntamente com o corpo, o sensorial, o sensual, o enigmático, o irracional tudo isso foi ignorado nas fundamentações filosóficas, e sobretudo na prática social moderna. Ênfase demais na mente e na capacidade de definir, ordenar, fixar etc. Derrida denuncia isso na filosofia. Na sociologia, Bauman. A: É aí que entra Maffesoli e toda a sociologia culturalista francesa. O homem, como ser que não consegue explicar a própria existência temos então a crítica à "modernidade metafísica", que explica o comportamento e aponta as soluções "de fora", como se um filósofo ou de uma mente pudesse surgir a explicação e os caminhos da humanidade e não pode prescindir do corpo, do emocional, do sensorial, do hedonismo. Talvez a própria tentativa de filosofia já seja um desvio, ou pelo menos uma impossibilidade. Ou uma coisa sem resultado. Mas Maffesoli vira o fio no sentido contrário - suspeito que intencionalmente, para demarcar postura. Para ele, a racionalidade está perdida; o estado, como concepção moderna, falido e desmoralizado. Vem daí a "transfiguração do político", como ele chama. Eis a diferença fundamental - da qual discordo, inclusive. Boa parte dos filósofos franceses não propõe um projeto, eles diagnosticam o fracasso da modernidade. São franco-atiradores da filosofia, da sociologia e da ciência política. Por isso, pós-modernidade. Não é uma construção, mas uma desconstrução. O pós não é nada. É o que vem depois, e antes de algo. V: O movimento pós-estruturalista francês parece, em geral, girar em torno da possibilidade de uma solução através do corpo, no emocional. Em versões mais exacerbadas, na desesperança na idéia de razão, sugere ou permite sugerir uma espécie de retorno ao irracional. (Lefebvre filósofo menor no contexto francês propôs explicitamente uma volta ao emocional como única maneira para um projeto social integrador...) Entretanto, todas as estruturas sociais, o viver socialmente, são construções comunicativas, são baseadas em interpretações e em raciocínios. Qualquer processo de emancipação (ou seja, lá como se queira chamar) precisa passar, ser produzido na dimensão da comunicação! Não quero aqui repetir a velha separação mente-corpo. Na verdade o reencontro com o irracional pode servir de fundamento para interpretações que impliquem em práticas integradoras - mas essas só podem vir através da comunicação desses conteúdos - portanto de uma passagem do irracional e das qualidades do irracional para o mundo da palavra. Não chega a soar patético que os maiores intelectuais do nosso e de outros tempos tenham dividido a concepção de sociedade entre sociedade racional e sociedade irracional ou não-racional? Isso parece vir desde os gregos. Incrível que tudo se reduza, em essência, na suposta dicotomia entre corpo e mente. 3

4 A: A critica pós-moderna é muito necessária: ela não se propõe a nada, mas ela desloca toda a perspectiva. É só assim que se pode encará-la com seriedade, como uma crítica, e não como uma alternativa palpável de poder. Não há essa alternativa. Ao prestar atenção no que ficou no limbo, nos espaços escuros abandonados pela razão e pela concepção de um mundo racionalizado, de ações controladas, ela ensina muita coisa. V: Só que parece ainda faltar uma sistematização que demonstre a importância do irracional, da racionalidade substantiva, do emocional em termos de prática social. Essa parece ser a grande lacuna. Quero dizer: o potencial desse resgate não como um projeto total (aqui cairíamos de novo nas totalizações da razão moderna) mas como práticas, micro-práticas, práticas cotidianas alimentadas do irracional, do emocional, do substantivo etc. Essa passagem da crítica pós-moderna para a prática pósmoderna (que não conseguiu, fique bem claro, destruir as estruturas sociais produzidas na modernidade) é que não está bem explicada. Nessa passagem, todo tipo de esquema interpretativo para resgatar esses valores e esse universo objetivo esquecido deve ser posto em prática via comunicação. E talvez a comunicação pulverizada via Internet seja um caminho. A: Voltando ao Maffesoli, qual é a alternativa, o projeto? O projeto vem sendo moldado pela tribalização global do mundo. É espontâneo - e por isso facilmente confundível com o anarquismo. Mas não é anarquista à medida que não é um projeto ideológico. Para Maffesoli, o homem encontra soluções, sobrevive, luta, tem prazer, conquista, enriquece, ajuda os outros, respeita ou desrespeita os direitos humanos, crê ou descrê apesar do estado democrático de direito. Um movimento espontâneo, paralelo as instituições. É preciso ter em mente que a geração dos críticos de Frankfurt, de certa forma, ainda é influenciada pela organização de estado moderno que levou ao holocausto, por exemplo. É impressionante o quanto, conceitualmente, autores vinculados de alguma forma à escola de Frankfurt ainda são influenciados pelo pós-guerra. Nisso, Frankfurt e os culturalistas se reaproximam, como dois grupos que caminham em círculo e se encontram. Eles descrêem, lutam, abominam o mesmo estado que, em nome da "modernidade", foi capaz de montar indústrias de extermínio. V: Eles estavam horrorizados com essa organização. Acharam-na como fruto direto das práticas racionalizadoras que organizaram a esfera da produção, do estado, que moldaram valores e descartaram outros. Eles vêm no holocausto e na industrialização a mesma lógica, as mesmas técnicas de organização, de produção /extermínio em massa. (Mais que isso, temem, com razão, a idéia de universal e de que um sujeito possa expressar, e eventualmente impor, esse universal ). Só que esse raciocínio parece antes marcar só um fugir da razão, de uma idéia de racionalidade, e de uma capacidade moldada pelos séculos. Esse ignorar da razão na verdade é perigoso... Sem falar que é impossível, já que não se pode desligar essas capacidades cognitivas socialmente, historicamente produzidas, reproduzidas a todo o momento dentro de nossas cabeças, assim, só pela vontade. 4

5 A: Talvez o primeiro a conseguir se desligar dessa questão com maestria foi Macluhan, que levou a discussão sobre comunicação e suas conseqüências sociológicas para outro foco, menos político, muito técnico, mas não menos verdadeiro. Esse é o brilhantismo de Macluhan. Ele não entra no rol dos pósmodernos. Enveredou pela comunicação e, nos anos 60, descobriu que a sociedade em poucas décadas construiria redes de comunicação global que destruiriam os conceitos de fronteiras e de espaço tais como os conhecíamos. Macluhan é a chave do atual. V: Eu sinto que a nossa discussão só repetiu ou um mesmo exercício lógico de leitura de fatos ou seqüências históricas mais ou menos objetivos, ou um pré-conhecimento dos passos de análises anteriores, outros raciocínios publicados 1000 vezes. (O que não é ruim - é um esforço de síntese). Pergunto-me se esses dilemas estão no mundo aí fora mesmo, ou são (re)criações nossas, a partir de leituras anteriores, já que a mente não pode se desligar de significados e descrições já produzidos antes - já que ela é nutrida, acontece, sob forma desses significados ditos tantas vezes. 5

O Filme Matrix, Segundo a Teoria Marxista

O Filme Matrix, Segundo a Teoria Marxista O Filme Matrix, Segundo a Teoria Marxista Fabíola dos Santos Cerqueira O homem tem de viver em dois mundos que se contradizem (...) O espirito afirma o seu direito e a sua dignidade perante a anarquia

Leia mais

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações.

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Família e Escola construindo valores. Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Autor: Fábio Henrique Marques Instituição: Colégio Metodista de Ribeirão Preto

Leia mais

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.)

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) O ATO DE ESTUDAR 1 (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) Paulo Freire, educador da atualidade, aponta a necessidade de se fazer uma prévia reflexão sobre o sentido do estudo. Segundo suas palavras:

Leia mais

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo.

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. Rorty e o realismo como instrumento da emancipação humana Alguns filósofos 1

Leia mais

O céu. Aquela semana tinha sido uma trabalheira! www.interaulaclube.com.br

O céu. Aquela semana tinha sido uma trabalheira! www.interaulaclube.com.br A U A UL LA O céu Atenção Aquela semana tinha sido uma trabalheira! Na gráfica em que Júlio ganhava a vida como encadernador, as coisas iam bem e nunca faltava serviço. Ele gostava do trabalho, mas ficava

Leia mais

Caracterização Cronológica

Caracterização Cronológica Caracterização Cronológica Filosofia Medieval Século V ao XV Ano 0 (zero) Nascimento do Cristo Plotino (204-270) Neoplatônicos Patrística: Os grandes padres da igreja Santo Agostinho ( 354-430) Escolástica:

Leia mais

ESTRUTURA IDEOLÓGICA E POÉTICA NO TEATRO DE GRUPO: QUAL RAZÃO PARA QUE SE CONTINUE? 1 Vinicius Pereira (IC)

ESTRUTURA IDEOLÓGICA E POÉTICA NO TEATRO DE GRUPO: QUAL RAZÃO PARA QUE SE CONTINUE? 1 Vinicius Pereira (IC) 009 ESTRUTURA IDEOLÓGICA E POÉTICA NO TEATRO DE GRUPO: QUAL RAZÃO PARA QUE SE CONTINUE? 1 Vinicius Pereira (IC) André Carreira (Orientador) (UDESC - CNPq) RESUMO: Esta pesquisa busca compreender como a

Leia mais

MÓDULO 5 O SENSO COMUM

MÓDULO 5 O SENSO COMUM MÓDULO 5 O SENSO COMUM Uma das principais metas de alguém que quer escrever boas redações é fugir do senso comum. Basicamente, o senso comum é um julgamento feito com base em ideias simples, ingênuas e,

Leia mais

A INDÚSTRIA CULTURAL E SEU DOMINIO SOBRE A CLASSE TRABALHADORA. Aurius Reginaldo de Freitas Gonçalves

A INDÚSTRIA CULTURAL E SEU DOMINIO SOBRE A CLASSE TRABALHADORA. Aurius Reginaldo de Freitas Gonçalves A INDÚSTRIA CULTURAL E SEU DOMINIO SOBRE A CLASSE TRABALHADORA Aurius Reginaldo de Freitas Gonçalves Estamos vivendo um período extremamente difícil, onde as relações sociais encontram em plena estagnação.

Leia mais

DUNN, James D. G. Jesus em nova perspectiva: o que os estudos sobre o Jesus histórico deixaram para trás. São Paulo: Paulus, 2013.

DUNN, James D. G. Jesus em nova perspectiva: o que os estudos sobre o Jesus histórico deixaram para trás. São Paulo: Paulus, 2013. DUNN, James D. G. Jesus em nova perspectiva: o que os estudos sobre o Jesus histórico deixaram para trás. São Paulo: Paulus, 2013. Resenhado por Bruno Ribeiro Nascimento 1 PPGCOM/UFPB http://lattes.cnpq.br/4210778274129446

Leia mais

GHI052 Cultura Afro-Brasileira 60 Cultura afro-brasileira e resistência escrava no Brasil escravista. Estudo da historiografia sobre o tema.

GHI052 Cultura Afro-Brasileira 60 Cultura afro-brasileira e resistência escrava no Brasil escravista. Estudo da historiografia sobre o tema. Ementas das Disciplinas Optativas GHI050 A Constituição do Homem Moderno 60 A figura do homem moderno. Humanismo, individualismo, racionalismo e as mudanças no comportamento, na cultura e o processo civilizatório

Leia mais

O texto a seguir é referência para as questões 01 e 02.

O texto a seguir é referência para as questões 01 e 02. Comentário Geral Foi uma boa prova! A UFPR manteve o bom nível das questões e manteve também sua qualidade. Apresentou-se uma prova que foi além do conhecimento básico dos textos aludidos. Exigiu-se boa

Leia mais

CONVERSA COM PAULO FREIRE: Linguagem e Poder

CONVERSA COM PAULO FREIRE: Linguagem e Poder CONVERSA COM PAULO FREIRE: Linguagem e Poder Entrevista concedida a Virginia Maria de Figueiredo e Silva e Tânia Maria Piacentini * Paulo Freire esteve em Florianópolis, no dia 8 de junho, a convite da

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS "Onde há pessoas há conflitos."

ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS Onde há pessoas há conflitos. ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS "Onde há pessoas há conflitos." ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS O conflito é um estado de tensão que gera uma mobilização para operar mudanças e obter melhores resultados. Administrar

Leia mais

CINEMA E PÓS-MODERNIDADE

CINEMA E PÓS-MODERNIDADE CINEMA E PÓS-MODERNIDADE Clarissa Souza Palomequé Urbano 2010 www.lusosofia.net Covilhã, 2009 FICHA TÉCNICA Título: Cinema e Pós-modernidade: Brilho eterno de uma mente sem lembranças e os relacionamentos

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias CLASSIFICAÇÕES EPISTEMOLÓGICAS NA EDUCAÇÃO FÍSICA: REDESCRIÇÕES...

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias CLASSIFICAÇÕES EPISTEMOLÓGICAS NA EDUCAÇÃO FÍSICA: REDESCRIÇÕES... 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias CLASSIFICAÇÕES EPISTEMOLÓGICAS NA EDUCAÇÃO FÍSICA: REDESCRIÇÕES... 1 Felipe Quintão de Almeida/UFES/Vitória/fqalmeida@hotmail.com

Leia mais

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN Prof. Helder Salvador 3 - A ANTROPOLOGIA COMO FUNDAMENTO DA PEDAGOGIA. Para Edith Stein existe uma profunda relação entre os termos metafísica, antropologia e pedagogia

Leia mais

A REDAÇÃO PARA O ENEM: COMO FAZER? Professora Maureen

A REDAÇÃO PARA O ENEM: COMO FAZER? Professora Maureen A REDAÇÃO PARA O ENEM: COMO FAZER? Professora Maureen José de Sousa Saramago foi um escritor, argumentista, teatrólogo, ensaísta, jornalista, dramaturgo, contista, romancista e poeta português. Foi galardoado

Leia mais

CONTEXTUALIZANDO AS OPERAÇÕES COM SINAIS DOS NÚMEROS INTEIROS RELATO DE EXPERIÊNCIA.

CONTEXTUALIZANDO AS OPERAÇÕES COM SINAIS DOS NÚMEROS INTEIROS RELATO DE EXPERIÊNCIA. 9 CONTEXTUALIZANDO AS OPERAÇÕES COM SINAIS DOS NÚMEROS INTEIROS RELATO DE EXPERIÊNCIA. Adriana A. Silva Éderson O. Passos INTRODUÇÃO Vergnaud (1982) propôs, em sua Teoria dos Campos Conceituais, que o

Leia mais

Motivar a sua equipe: O grande desafio da Liderança

Motivar a sua equipe: O grande desafio da Liderança Motivar a sua equipe: O grande desafio da Liderança Existem diversos textos sobre Gestão sendo publicados diariamente, e dentre eles, muitos tratam do tema liderança, que certamente é um dos assuntos mais

Leia mais

A educação geográfica na escola: elementos para exercício desafiante da cidadania

A educação geográfica na escola: elementos para exercício desafiante da cidadania A educação geográfica na escola: elementos para exercício desafiante da cidadania Prof. Manoel Martins de Santana Filho[1] Nosso objetivo e desejo face às mediações do trabalho docente A proposta e necessidade

Leia mais

Essas descobertas foram analisadas e testadas, e percebeu-se que podiam ser aplicadas em diversas áreas.

Essas descobertas foram analisadas e testadas, e percebeu-se que podiam ser aplicadas em diversas áreas. AULA 1-) SABER QUERER Olá, amigos! Meu nome é Kau Mascarenhas e sou um arquiteto de gente. Sim, tenho formação acadêmica em Arquitetura mas atualmente trabalho como consultor e conferencista em Desenvolvimento

Leia mais

NOTAS SOBRE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO SOCIAL NO BRASIL (Um clássico da Sociologia da Educação entre nós)

NOTAS SOBRE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO SOCIAL NO BRASIL (Um clássico da Sociologia da Educação entre nós) NOTAS SOBRE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO SOCIAL NO BRASIL (Um clássico da Sociologia da Educação entre nós) Zaia Brandão 1 Conheço Luiz Antonio Cunha desde a década de 1960, quando fomos contemporâneos no

Leia mais

Proposta N o 83 Dezembro/Fevereiro de 1999/00

Proposta N o 83 Dezembro/Fevereiro de 1999/00 Avaliação: face escolar da exclusão social? Maria Teresa Esteban* * Doutora em Educação. Professora da Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense e Pesquisadora do grupo Alfabetização dos

Leia mais

Íntegra do Tópico Ecossistemas Comunicativos

Íntegra do Tópico Ecossistemas Comunicativos Módulo Intermediário - Mídia Rádio Íntegra do Tópico Ecossistemas Comunicativos Rádio e escola: a tecnologia a serviço de ecossistemas comunicativos e do protagonismo juvenil Eliany Salvatierra Doutoranda

Leia mais

PROCESSO DECISÓRIO EM EQUIPE: ARMADILHAS E PREVENÇÕES

PROCESSO DECISÓRIO EM EQUIPE: ARMADILHAS E PREVENÇÕES PROCESSO DECISÓRIO EM EQUIPE: ARMADILHAS E PREVENÇÕES Américo Marques Ferreira A palavra DECIDIR, em sua origem etimológica, significa MATAR ALTERNATIVAS, Portanto, se quisermos tomar uma decisão, precisamos

Leia mais

CAMINHO DAS PEDRAS Renata Neves

CAMINHO DAS PEDRAS Renata Neves CAMINHO DAS PEDRAS Renata Neves Estado de Minas Março de 2001 O método criado pelo professor Fernando Dolabela ensina empreendedorismo a 40 mil alunos por ano. Fernando Dolabela da aula de como abrir um

Leia mais

Romance familiar poesia familiar

Romance familiar poesia familiar Romance familiar poesia familiar Em busca de imagens para uma apresentação, dou com a foto, feita em estúdio, de um garoto de 11 anos de idade chamado Walter Benjamin (1892-1940). Serve de ilustração a

Leia mais

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE Prof. Pablo Antonio Lago Hegel é um dos filósofos mais difíceis de estudar, sendo conhecido pela complexidade de seu pensamento

Leia mais

1. Preconceito e discriminação, 14 Homofobia, 17

1. Preconceito e discriminação, 14 Homofobia, 17 SUMÁRIO Uma breve introdução, 11 PARTE I As principais dúvidas dos pais 1. Preconceito e discriminação, 14 Homofobia, 17 2. O dilema dos pais: um exemplo, 21 Os limites dos pais, 24 Diálogos no consultório,

Leia mais

Mensagem de Prem Rawat

Mensagem de Prem Rawat Mensagem de Prem Rawat na Conferência de Paz Nórdica 2012 Conf. Nórdica, Página 1 Gostaria de falar-vos sobre paz. Eu sei que quase toda a gente tem a sua interpretação do que é a paz. Para mim, a paz

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns VOCÊ ESTÁ PREPARADO PARA CONVIVER COM OS HUMANOS APRIMORADOS? http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=voce-esta-preparado-conviver-humanosaprimorados&id=010850090828 Redação do

Leia mais

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística?

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? Universidade de São Paulo benjamin@usp.br Synergies-Brésil O Sr. foi o representante da Letras junto à CAPES. O Sr. poderia explicar qual

Leia mais

Marco Aurélio dos Santos Departamento de História da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil marcoholtz@uol.com.br

Marco Aurélio dos Santos Departamento de História da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil marcoholtz@uol.com.br Marco Aurélio dos Santos Departamento de História da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil marcoholtz@uol.com.br PIMENTA, João Paulo. A independência do Brasil e a experiência hispanoamericana

Leia mais

Método científico e Atitude cientifica.

Método científico e Atitude cientifica. Texto complementar: Método científico e Atitude cientifica. Extraido de : Física Conceitual (9ª Edição) Paul G. Hewitt O físico Italiano Galileu Galilei e o filósofo inglês Francis Bacon são geralmente

Leia mais

Revista labor n.4 v.1 ano 2010 ISSN: 19835000

Revista labor n.4 v.1 ano 2010 ISSN: 19835000 Como mudar o mundo sem tomar o poder. How to change the world without taking the power Elisabeth Sekulic Thobani 1 O livro Como mudar o mundo sem tomar o poder, do sociólogo e filósofo irlandês, John Holloway,

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

GEGIES. DESAFIOS E REFLEXÕES Sobre o Administrador e a Administração. Antonio VICO Mañas

GEGIES. DESAFIOS E REFLEXÕES Sobre o Administrador e a Administração. Antonio VICO Mañas GEGIES DESAFIOS E REFLEXÕES Sobre o Administrador e a Administração Antonio VICO Mañas Prever Coordenar ou Dirigir Organizar Controlar Prever Coordenar ou Dirigir Organizar Controlar Moral Satisfação Motivação

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI

PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI Introdução O pensamento político moderno, de Hobbes a Hegel, caracteriza-se pela tendência a considerar o Estado ou sociedade

Leia mais

RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009.

RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009. caderno ufs - filosofia RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009. Jadson Teles Silva Graduando em Filosofia UFS Indivíduo

Leia mais

O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres

O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres Introdução O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres Sonia de Alcantara IFRJ/UGB sonia.alcantara@ifrj.edu.br Letícia Mendes Pereira, Lohanna Giovanna Gonçalves da Silva,

Leia mais

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe?

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Trecho do romance Caleidoscópio Capítulo cinco. 05 de novembro de 2012. - Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Caçulinha olha para mim e precisa fazer muita força para isso,

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A ESCOLA INCLUSIVA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A ESCOLA INCLUSIVA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A ESCOLA INCLUSIVA Vera Lúcia de Brito Barbos Mestranda em Educação Lúcia de Araújo R. Martins UFRN 1. INTRODUÇÃO Podemos considerar que estamos atravessando um dos maiores

Leia mais

NARCIZO, Makchwell Coimbra; BERBERT JUNIOR, Carlos Oiti.

NARCIZO, Makchwell Coimbra; BERBERT JUNIOR, Carlos Oiti. A negação do holocausto vista à luz da Teoria da História: Uma análise dos trabalhos negacionistas enquanto História e suas conseqüências para a epistemologia. (De Rassinier ao Historical Review). NARCIZO,

Leia mais

Introdução. De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein

Introdução. De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein Introdução De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein O que a filosofia tem a ver com o dia a dia? Tudo! Na verdade,

Leia mais

Page 1 of 6. http://www2.unifap.br/borges

Page 1 of 6. http://www2.unifap.br/borges Page 1 of 6 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Filosofia da Educação I Educador: João Nascimento Borges Filho Pequena

Leia mais

Exercícios de Revisão - 1

Exercícios de Revisão - 1 Exercícios de Revisão - 1 1. Sobre a relação entre a revolução industrial e o surgimento da sociologia como ciência, assinale o que for incorreto. a) A consolidação do modelo econômico baseado na indústria

Leia mais

Educar é ensinar a pensar

Educar é ensinar a pensar Educar é ensinar a pensar Sara Pain A psicopedagoga argentina condena a transmissão mecânica dos conteúdos e conta como trabalha para formar gente capaz de pesquisar e construir seu próprio conhecimento,

Leia mais

00.035.096/0001-23 242 - - - SP

00.035.096/0001-23 242 - - - SP PAGINA 1 O CARÁTER CRISTÃO 7. O CRISTÃO DEVE TER UMA FÉ OPERANTE (Hebreus 11.1-3) Um leitor menos avisado, ao ler o texto pode chegar à conclusão de que a fé cria coisas pelas quais esperamos. A fé não

Leia mais

O sucesso de hoje não garante o sucesso de amanhã

O sucesso de hoje não garante o sucesso de amanhã Com certeza, esse final de século XX e começo de século XXI mudarão nossas vidas mais do que elas mudaram há 30-40 anos atrás. É muito difícil avaliar como será essa mudança, mas é certo que ela virá e

Leia mais

TEORIA SOCIAL CLÁSSICA E MODERNIDADE: REFLEXÃO À LUZ DE KARL MARX RESUMO

TEORIA SOCIAL CLÁSSICA E MODERNIDADE: REFLEXÃO À LUZ DE KARL MARX RESUMO TEORIA SOCIAL CLÁSSICA E MODERNIDADE: REFLEXÃO À LUZ DE KARL MARX Iara Barbosa de Sousa 1 RESUMO A presente reflexão tem enfoque no debate acerca de um clássico autor nas Ciências Sociais e sua relação

Leia mais

Aluno(a): / / Cidade Polo: E-mail: CPF: Curso: ATIVIDADE AVALIATIVA ÉTICA PROFISSIONAL

Aluno(a): / / Cidade Polo: E-mail: CPF: Curso: ATIVIDADE AVALIATIVA ÉTICA PROFISSIONAL Aluno(a): / / Cidade Polo: E-mail: CPF: Curso: ATIVIDADE AVALIATIVA ÉTICA PROFISSIONAL Preencha o GABARITO: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Observação: Nesta atividade há 10 (dez) questões de múltipla escolha. Para

Leia mais

A jornada do herói. A Jornada do Herói

A jornada do herói. A Jornada do Herói A Jornada do Herói Artigo de Albert Paul Dahoui Joseph Campbell lançou um livro chamado O herói de mil faces. A primeira publicação foi em 1949, sendo o resultado de um longo e minucioso trabalho que Campbell

Leia mais

CHARLES, Sébastien. Cartas sobre a hipermodernidade ou O hipermoderno explicado às crianças. São Paulo: Barcarolla, 2009.

CHARLES, Sébastien. Cartas sobre a hipermodernidade ou O hipermoderno explicado às crianças. São Paulo: Barcarolla, 2009. CHARLES, Sébastien. Cartas sobre a hipermodernidade ou O hipermoderno explicado às crianças. São Paulo: Barcarolla, 2009. 13 Marco Antonio Gonçalves * Num ensaio sobre nossa temporalidade qualificada como

Leia mais

A mediação intercultural e a construção de diálogos entre diferentes: notas soltas para reflexão

A mediação intercultural e a construção de diálogos entre diferentes: notas soltas para reflexão A mediação intercultural e a construção de diálogos entre diferentes: notas soltas para reflexão (Comentário ao Painel: Mediação Intercultural) Maria José Casa-Nova Instituto de Educação, Universidade

Leia mais

CONDOMINIO URBANO DE SANTA IFIGÊNIA

CONDOMINIO URBANO DE SANTA IFIGÊNIA São Paulo - SP, abril de 2009 IDEALIZAÇÃO DA PROPOSTA: CONDOMINIO URBANO DE SANTA IFIGÊNIA Responsável: E. P. Bichara Dabaghie Consultores: Edno Araujo de Oliveira George Washington Texeira António M.

Leia mais

O SUS E O DESAFIO IMPOSTO PELAS DROGAS

O SUS E O DESAFIO IMPOSTO PELAS DROGAS O SUS E O DESAFIO IMPOSTO PELAS DROGAS Rita de Cássia de A. Almeida 1 1 Trabalhadora da Rede de Saúde Mental do SUS. Texto originalmente publicado no blog da autora: http://ritadecassiadeaalmeida.blogspot.com/

Leia mais

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS Victória Junqueira Franco do Amaral -FFCLRP-USP Soraya Maria Romano Pacífico - FFCLRP-USP Para nosso trabalho foram coletadas 8 redações produzidas

Leia mais

Existe espaço para os covers mostrarem seus trabalhos? As pessoas dão oportunidades?

Existe espaço para os covers mostrarem seus trabalhos? As pessoas dão oportunidades? A Estação Pilh@ também traz uma entrevista com Rodrigo Teaser, cover do Michael Jackson reconhecido pela Sony Music. A seguir, você encontra os ingredientes da longa história marcada por grandes shows,

Leia mais

Profissão: Estudantes de Jornalismo

Profissão: Estudantes de Jornalismo Profissão: Estudantes de Jornalismo Gus Vieira O jornalista tem uma função social bem clara: disponibilizar para a sociedade informação ética, de qualidade e democrática, atendendo ao interesse público.

Leia mais

Análise crítica dos textos de Flusser e Key

Análise crítica dos textos de Flusser e Key Análise crítica dos textos de Flusser e Key Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Universidade de São Paulo - FAU USP ECA-0800-Teoria das Mídias Prof. Dr. Mauro Wilton de Souza 4 semestre do Curso de Design

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR 1 A FORMAÇÃO DO PROFESSOR Sidney Maia Rodrigues 1 Sumário: 1. Introdução; 2. Revisão da literatura; 3. Conclusão. 1. INTRODUÇÃO A educação é uma atividade humana com limitado referencial teórico, ou seja,

Leia mais

O PENSAMENTO HEGELIANO: O SISTEMA E A DIALÉTICA. Resumo

O PENSAMENTO HEGELIANO: O SISTEMA E A DIALÉTICA. Resumo 1 O PENSAMENTO HEGELIANO: O SISTEMA E A DIALÉTICA Cassio Donizete Marques 1 Resumo Hegel é considerado um dos pensadores mais complexos de toda a história da filosofia. Seu pensamento estabelece, senão

Leia mais

Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer.

Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer. CAPITULO 3 Ele não é o Homem que eu pensei que era. Ele é como é. Não se julga um Homem pela sua aparência.. Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer. Eu costumava saber como encontrar

Leia mais

Faltam boas entrevistas ao jornalismo diário brasileiro

Faltam boas entrevistas ao jornalismo diário brasileiro 1 www.oxisdaquestao.com.br Faltam boas entrevistas ao jornalismo diário brasileiro Texto de CARLOS CHAPARRO A complexidade dos confrontos da atualidade, em especial nos cenários políticos, justificaria

Leia mais

2. Diálogo com a Literatura

2. Diálogo com a Literatura A DISCIPLINA BIOLOGIA APLICADA: UM ESTUDO SOBRE A SUA CONSTRUÇÃO E AS RELAÇÕES CTS LA ASIGNATURA DE BIOLOGÍA APLICADA: UN ESTUDIO DE SU CONSTRUCCIÓN Y DE SUS RELACIONES CTS Denise de Freitas * (Departamento

Leia mais

MÍDIAS NA EDUCAÇÃO Introdução Mídias na educação

MÍDIAS NA EDUCAÇÃO Introdução Mídias na educação MÍDIAS NA EDUCAÇÃO Michele Gomes Felisberto; Micheli de Oliveira; Simone Pereira; Vagner Lean dos Reis Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha Introdução O mundo em que vivemos

Leia mais

de 8 Que tipo de concurseiro é você? www.concurseirosolitario.com.br

de 8 Que tipo de concurseiro é você? www.concurseirosolitario.com.br de 8 1 Que tipo de concurseiro é você? FASCÍCULO 1 - ABRIL DE 2014 www.concurseirosolitario.com.br [ EDITORIAL] É com muito prazer que o blog do Concurseiro Solitário lança uma nova série de fascículos

Leia mais

ENTREVISTA: "NÃO SE FAZ NOTÍCIA SÓ COM TECNOLOGIA", diz a pesquisadora Thais de Mendonça Jorge

ENTREVISTA: NÃO SE FAZ NOTÍCIA SÓ COM TECNOLOGIA, diz a pesquisadora Thais de Mendonça Jorge ENTREVISTA: "NÃO SE FAZ NOTÍCIA SÓ COM TECNOLOGIA", diz a pesquisadora Thais de INTERVIEW: DON'T MAKE NEWS ONLY WITH TECHNOLOGY, says researcher Thais de Thaisa Cristina Bueno 1 Lucas Santiago Arraes Reino

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 14 Discurso: em encontro com professores

Leia mais

George Kelly (1905-1967) 11 - Kelly. Ponto de Partida. Kelly. O Realismo de Kelly. Universo de Kelly. Estágio Curricular Supervisionado em Física I

George Kelly (1905-1967) 11 - Kelly. Ponto de Partida. Kelly. O Realismo de Kelly. Universo de Kelly. Estágio Curricular Supervisionado em Física I 11 - Kelly George Kelly (1905-1967) Estágio Curricular Supervisionado em Física I www.fisica-interessante.com 1/33 www.fisica-interessante.com 2/33 Kelly Ponto de Partida formou-se em Matemática e Física

Leia mais

MANUAL DE OBSERVAÇÃO PARA O EDUCADOR: CONHECENDO MELHOR A PRÁTICA PROFISSIONAL E MEUS ALUNOS

MANUAL DE OBSERVAÇÃO PARA O EDUCADOR: CONHECENDO MELHOR A PRÁTICA PROFISSIONAL E MEUS ALUNOS MANUAL DE OBSERVAÇÃO PARA O EDUCADOR: CONHECENDO MELHOR A PRÁTICA PROFISSIONAL E MEUS ALUNOS Caro leitor: O objetivo principal deste Manual de Observação para o Educador: conhecendo melhor a prática profissional

Leia mais

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 Claudemir Monteiro Lima Secretária de Educação do Estado de São Paulo claudemirmonteiro@terra.com.br João

Leia mais

O PULO DO GATO. Luiz Carlos Bresser-Pereira

O PULO DO GATO. Luiz Carlos Bresser-Pereira O PULO DO GATO Luiz Carlos Bresser-Pereira Entrevista publicada em Synthesis no.3, maio 1992; 4-9. Melhorar de vida tem sido uma preocupação do homem desde o século X, na Idade Média, quando a invenção

Leia mais

A Educação na Constituinte de 1823. O presente trabalho tem como objetivo estudar os Anais da Assembléia Constituinte

A Educação na Constituinte de 1823. O presente trabalho tem como objetivo estudar os Anais da Assembléia Constituinte A Educação na Constituinte de 1823 Cristiano de Jesus Ferronato 1 - PPG-UFPB O presente trabalho tem como objetivo estudar os Anais da Assembléia Constituinte de 1823, e documentos contemporâneos ao período

Leia mais

IBASE INSTITUTO BRASILEIRO DE ANÁLISES SOCIAIS E ECONÔMICAS

IBASE INSTITUTO BRASILEIRO DE ANÁLISES SOCIAIS E ECONÔMICAS A P R E S E N T A Ç Ã O 6 IBASE INSTITUTO BRASILEIRO DE ANÁLISES SOCIAIS E ECONÔMICAS A presente publicação consolida uma série de informações sobre os balanços sociais de empresas que atuam no Brasil

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA DO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO OBEDUC RANIÉRE ANDRÉ FERNANDES.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA DO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO OBEDUC RANIÉRE ANDRÉ FERNANDES. UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA DO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO OBEDUC RANIÉRE ANDRÉ FERNANDES. ANÁLISE DAS MEMÓRIAS DOS PROFESSORES DA ESCOLA MUNICIPAL DE TEMPO INTERGRAL JARDIM

Leia mais

PARA ALÉM DOS ESTEREÓTIPOS : RELATOS DE USUÁRIOS DE CRACK 1

PARA ALÉM DOS ESTEREÓTIPOS : RELATOS DE USUÁRIOS DE CRACK 1 PARA ALÉM DOS ESTEREÓTIPOS : RELATOS DE USUÁRIOS DE CRACK 1 GIL, Bruna; BOTTON, Andressa 3 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Psicóloga, formada pelo Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria,

Leia mais

Módulo 14 Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas. 14.1. Treinamento é investimento

Módulo 14 Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas. 14.1. Treinamento é investimento Módulo 14 Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas 14.1. Treinamento é investimento O subsistema de desenvolver pessoas é uma das áreas estratégicas do Gerenciamento de Pessoas, entretanto em algumas organizações

Leia mais

Os sintomas como caminho para a transformação e o crescimento

Os sintomas como caminho para a transformação e o crescimento 2 Os sintomas como caminho para a transformação e o crescimento 33 Na relação social é contar com uma presença humana positiva que seja capaz de ver a força e a beleza dessa presença e manifestação do

Leia mais

Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 1ª edição - 1 de agosto de 2015. w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r

Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 1ª edição - 1 de agosto de 2015. w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r EUSPELHO Marcelo Ferrari 1 f i c i n a 1ª edição - 1 de agosto de 2015 w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r EUSPELHO Este livro explica como você pode usar sua realidade para obter autoconhecimento. Boa leitura!

Leia mais

Sebastião Salgado atribui culpa a EUA e Europa por atual crise dos refugiados

Sebastião Salgado atribui culpa a EUA e Europa por atual crise dos refugiados Sebastião Salgado atribui culpa a EUA e Europa por atual crise dos refugiados POR ENTRETEMPOS, JORNAL FOLHA DE SÃO PAULO, 04.10.2015 Tião, como é chamado pelos amigos, não toma café. Ainda assim, motivado

Leia mais

GESTÃO DE CONFLITOS. Prof. Angelo Brigato Ésther angelo.esther@ufjf.edu.br

GESTÃO DE CONFLITOS. Prof. Angelo Brigato Ésther angelo.esther@ufjf.edu.br GESTÃO DE CONFLITOS Prof. Angelo Brigato Ésther angelo.esther@ufjf.edu.br GESTÃO DOS CONFLITOS NAS ORGANIZAÇÕES INTRODUÇÃO O conflito nem sempre foi encarado positivamente pela administração, especialmente

Leia mais

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola Autor: Telma Pantano Data: 30/12/2009 Releitura realizada por Lana Bianchi e Vera Lucia Mietto. A identificação precoce de um

Leia mais

Relatório do estágio de prática de ensino em ciências sociais

Relatório do estágio de prática de ensino em ciências sociais UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS UMANAS IFCH FACULDADE DE EDUCAÇÃO FACED Relatório do estágio de prática de ensino em ciências sociais Curso: Ciências Sociais

Leia mais

O caminho do sucesso FORMAÇÃO: AGORA E SEMPRE

O caminho do sucesso FORMAÇÃO: AGORA E SEMPRE 08 05 06 O caminho do sucesso Independente do que cada pessoa considera sucesso, trilhar uma trajetória vencedora depende de investir em uma sólida formação, da gestão eficiente da carreira e de construir

Leia mais

PREFÁCIO. Vampiro violentou 45 moças manchete do jornal Notícias Populares, de São Paulo, em 05/04/1971.

PREFÁCIO. Vampiro violentou 45 moças manchete do jornal Notícias Populares, de São Paulo, em 05/04/1971. PREFÁCIO Vampiro violentou 45 moças manchete do jornal Notícias Populares, de São Paulo, em 05/04/1971. Queda do dólar afeta o bolso de catadores manchete do jornal Diário Gaúcho, de Porto Alegre, em 12/08/2005.

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ENSINO MÉDIO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ENSINO MÉDIO Sistema de Ensino CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ENSINO MÉDIO UNO Ensino Médio Sociologia 1 Módulo I Nascimento da Sociologia I Do início 1. Da era pré-científica ao Renascimento I. O conhecimento como característica

Leia mais

Preconceito, cultura e subjetividade: uma análise comparativa de dois posicionamentos teóricos

Preconceito, cultura e subjetividade: uma análise comparativa de dois posicionamentos teóricos Preconceito, cultura e subjetividade: uma análise comparativa de dois posicionamentos teóricos Autora: Sheila Ferreira Miranda (Mestranda em Psicologia Social pela UFMG) sheilaze@gmail.com Resumo Pretende-se

Leia mais

A Respeito da Estruturação de Dissertações e Teses em Administração

A Respeito da Estruturação de Dissertações e Teses em Administração A Respeito da Estruturação de Dissertações e Teses em Administração Moema Miranda de Siqueira O artigo de Pedro Lincoln Mattos me instigou, fazendo-me aceitar a proposta para comentá-lo. O interesse se

Leia mais

2 O tempo e o espaço na filosofia moderna e a origem do argumento kantiano

2 O tempo e o espaço na filosofia moderna e a origem do argumento kantiano 2 O tempo e o espaço na filosofia moderna e a origem do argumento kantiano Spinoza nos Pensamentos Metafísicos estabelece a distinção entre duração e tempo, isto é, do ente em ente cuja essência envolve

Leia mais

PEDAGOGIA DE PROJETOS: INTERVENÇÃO NO PRESENTE Lúcia Helena Alvarez Leite** 1. Os Projetos de Trabalho, o Espaço Escolar e a Formação dos Alunos

PEDAGOGIA DE PROJETOS: INTERVENÇÃO NO PRESENTE Lúcia Helena Alvarez Leite** 1. Os Projetos de Trabalho, o Espaço Escolar e a Formação dos Alunos PEDAGOGIA DE PROJETOS: INTERVENÇÃO NO PRESENTE Lúcia Helena Alvarez Leite** A discussão sobre Pedagogia de Projetos não é nova. Ela surge no início do século, com John Dewey e outros representantes da

Leia mais

Existe uma terapia específica para problemas sexuais?

Existe uma terapia específica para problemas sexuais? Existe uma terapia específica para problemas sexuais? Maria de Melo Azevedo Eu acho que a terapia sexual para casos bem específicos até que pode funcionar. Ou, pelo menos, quebra o galho, como se diz.

Leia mais

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 3º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA. 2ª Recuperação Autônoma Questões de SOCIOLOGIA

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 3º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA. 2ª Recuperação Autônoma Questões de SOCIOLOGIA COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 3º ANO DO ENSINO MÉDIO - 23 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA 2ª Recuperação Autônoma Questões de SOCIOLOGIA Questão - Sobre o significado de consciência coletiva

Leia mais

Dicas. para Sair. das Dívidas DEFINITIVAMENTE. Elton Parente. Com Estratégias de Kim e Robert Kyosaki

Dicas. para Sair. das Dívidas DEFINITIVAMENTE. Elton Parente. Com Estratégias de Kim e Robert Kyosaki 10 Dicas para Sair DEFINITIVAMENTE das Dívidas Com Estratégias de Kim e Robert Kyosaki Elton Parente Lições de Kim e Robert Kyosaki sobre Como Sair das Dívidas A seguir estão os 10 passos que Kim e Robert

Leia mais

MEMÓRIAS GEOGRÁFICAS À TONA:

MEMÓRIAS GEOGRÁFICAS À TONA: MEMÓRIAS GEOGRÁFICAS À TONA: Uma retomada da história do Curso de Geografia da UFU a partir de uma entrevista com a Profa. Dra. Suely Regina Del Grossi Revista OBSERVATORIUM: Qual (ais) a (s) razão (ões)

Leia mais