A Festa dos cem livros: uma celebração literária

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Festa dos cem livros: uma celebração literária"

Transcrição

1 A Festa dos cem livros: uma celebração literária Ninguém começa lendo a palavra, porque antes da palavra o que a gente tem para ler a disposição da gente é o mundo. E a gente lê o mundo a medida em que o compreende e o interpreta. Paulo Freire 1 - Justificativa O presente relato consiste na experiência da equipe da organização social Pró-Saber SP, localizada na comunidade de Paraisópolis, na cidade de São Paulo. O projeto envolveu 80 crianças de 6 a 7 anos, e 11 pessoas da equipe (Diretora, Coordenadora pedagógica, Coordenadora da biblioteca e 8 educadores), no período de março de 2014 até o momento atual. Desde a sua inauguração, o Pró-Saber investe na formação de leitores. Temos como foco a alfabetização, e o nosso eixo estruturante é a literatura. Os livros fazem parte de uma série de atividades que, nesse ano de 2014, culminaram na celebração em que as próprias crianças denominaram de A Festa dos cem livros, evento que foi idealizado pela educadora Fernanda junto com a sua turma, e replicado pelas outras turmas, tamanho o interesse dos educandos pelo festejo literário. Temos como preocupação não apenas a alfabetização em si, para que os livros possam ser lidos, mas a sua fruição e ampliação do repertório de autores. O desenvolvimento desse trabalho consiste em um desafio, pois o desenvolvimento de crianças leitoras começa em casa, e muitos dos pais e mães de nossos educandos não possuem o hábito da leitura, ou são analfabetos, pois estamos localizados em uma área de vulnerabilidade social. Como aponta a educadora argentina, Delia Lerner, Pode ser que as crianças, sobretudo as que provêm de meios sociais onde não se produzem leitores, aprendam como se faz, mas não para quê. Nesse caso, terão dificuldade em ver sentido na leitura. Dessa forma, procuramos trabalhar a todo momento junto as crianças sobre o valor sentimental das palavras e despertando o seu interesse no ouvir histórias. Para dar início a esse relato, é necessário contextualizar o leitor sobre a fundação do Pró- Saber SP. O Centro de Estudos Psicopedagógicos Pró-Saber foi fundado em 1987, no Rio de Janeiro, com a missão de trabalhar e difundir alternativas teóricas e práticas que contribuam com respostas diferenciadas aos desafios educacionais de nosso país. Em seu período inicial, as fundadoras do Pró-Saber procuravam atender crianças com dificuldades de 1

2 aprendizagem. Ao longo do tempo, no entanto, foi percebido que havia necessidade de auxiliar os educadores em seu processo de ensino, para que a aprendizagem fosse efetiva. Atualmente, no Rio de Janeiro, o Pró-Saber transformou-se em um curso de ensino superior em Pedagogia, reconhecido pelo MEC, atendendo pessoas das comunidades de modo totalmente gratuito. Em 2003, foi criada a filial do Pró-Saber, em Paraisópolis, atualmente a segunda maior favela da cidade de São Paulo. A missão do Pró-Saber SP é dar concretude ao verso de Mario Quintana, no qual ele diz que Democracia é dar a todos o mesmo ponto de partida. Dessa forma, em uma pesquisa na comunidade, a diretora Maria Cecilia percebeu que havia demanda por educação dentro da comunidade, decidiu abrir uma pequena escola (inicialmente atendia 18 crianças) e investir na formação de educadores locais. Desde a nossa fundação, investimos na concepção democrática de educação, no entendimento do conceito de comunidade, afastando-nos definitivamente de uma visão assistencialista de trabalho e buscando oferecer uma educação integral de qualidade para as crianças e adolescentes da comunidade. Em nossos primeiros anos de existência, o Pró-Saber SP teve como coordenadora pedagógica Madalena Freire, filha do pedagogo Paulo Freire, e autora de importantes obras da área pedagógica. Desde 2011, firmamos uma parceria com uma EMEF (Escola Municipal de Ensino Fundamental), localizada também em Paraisópolis, para recebermos os seus alunos, de 6 a 7 anos, no turno da manhã, disponibilizando um projeto de educação integral. As 80 crianças recebem café da manhã, lanche e almoço, e contam com o aparato de uma estrutura elaborada (biblioteca, sala de jogos, atelier) e equipe técnica especializada. As crianças participam atividades variadas que possuem como eixo central a alfabetização e leitura literária. No turno da tarde, 40 crianças e adolescentes também ocupam o espaço do Pró- Saber, para participarem de oficinas culturais de música, artes cênicas, contação de histórias, dança, jogos e brincadeiras. Atualmente, contamos com a parceria da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania, e do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA), por meio do FUMCAD (Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente) para a realização de nossos programas. 2 Objetivos Partimos do pensamento de Paulo Freire, no qual ele coloca que a leitura de mundo precede a leitura da palavra. Nossa meta não é só a alfabetização das crianças, mas o envolvimento das crianças com os livros. Para realizar esse intento, lançamos mão de uma série de atividades para despertar o interesse das crianças e o sentimento pelas histórias. 2

3 Nosso objetivo é o de alfabetizar, explorando histórias e aproximando as famílias em cada etapa, pois vemos os pais e mães como aliados nessa jornada da descoberta literária. Como relataremos adiante, nos deparamos com alguns obstáculos, mas tivemos uma agradável descoberta nesse caminho. 3 Metodologia Como dito anteriormente, o Pró-Saber SP possui uma parceria com a EMEF Paulo Freire. Diariamente recebemos 80 crianças que ficam em nossa sede na parte da manhã e vão para a escola na parte da tarde, estabelecendo assim uma parceria em educação integral. As crianças são divididas em quatro turmas de vinte alunos, que conta com uma educadora e uma assistente por sala. Logo no começo do ano, as turmas criam um nome para si mesmas. Nesse ano tivemos a turma Jujubalândia, Pica-Pau, Ouro e Diamante. Para formular a estratégia e acompanhamento ao longo do ano, contamos com o apoio da diretora, de uma coordenadora Pedagógica, e de uma assistente de coordenação, que também coordena a biblioteca. A formação de educadores é um ponto muito importante em nosso fazer. Dessa forma, semanalmente é realizada uma reunião da coordenação com todos os educadores, para o alinhamento de práticas e trocas. Toda a equipe também é acompanhada e recebe feedback da coordenadora e diretora com frequência. O alinhamento da equipe é feito com base em seus saberes e o despertar do interesse das educadoras pelos livros é de suma importância. A maioria das educadoras nos relatou, que em escolas em que trabalharam anteriormente, a leitura literária não era um eixo da metodologia. Líamos basicamente contos de fadas, e não havia consistência nessa prática. A leitura era feito quando havia tempo. Desse modo, trabalhamos com a ampliação do repertório de escritores infantis, trabalhando com autores como Ruth Rocha, Tatiana Belinky, Eva Funari, Ana Maria Machado, Michele Iacocca, Anthony Borwne, Arden Druce, George Adams, Silvinha Meireles, Ferreira Gullar, entre outros. É importante que todos conheçam as histórias previamente as aulas. Desde o primeiro dia de aula, as educadora leem uma história diferente por dia, após o recreio em um momento que chamamos de relaxamento. Cada uma, a sua maneira, cria um ambiente especial para o momento de leitura, seja com música clássica, aromas diferentes. A escolha das leituras é feita com critério. Cada uma das salas possui uma mini-biblioteca montada no início do ano por cada educadora. Na prateleira que possui a altura das crianças encontra-se títulos variados, escolhidos pela educadora e pelas crianças (possuímos uma biblioteca, fruto de doações ou adquiridos por meio de verba de parcerias). 3

4 Todas as crianças são incentivadas a realizarem empréstimos na biblioteca duas vezes por semana. Esses empréstimos foram um de nossos obstáculos iniciais, pois os pais tinham medo de que as crianças levassem livros para casa e o estragassem, pois segundo eles, livro é um objeto caro, e havia o temor do prejuízo. Logo tranquilizamos os pais para que isso não fosse uma preocupação, pois acreditamos que livros são feitos para serem usados, manejados. A cada leitura em sala de aula, percebemos o envolvimento das crianças. As atividades são realizadas como desdobramento das leituras que mais se destacaram. Esse ano foi realizada uma atividade de recorte-colagem que durou vários dias, após a leitura do livro Zoologia Bizarra, de Ferreira Gullar. Segundo a professora Fernanda, Ferreira Gullar tornou-se quase uma pessoa presente fisicamente na sala de aula. Seus poemas eram lidos e adorados (colamos alguns no caderno de leitura),. É importante ressaltar que prezamos pela apresentação para as crianças de cada autor trabalhado, assim como os ilustradores. Ao longo do tempo as crianças já sabem o nome de quem escreveu suas histórias preferidas e conseguem reconhecer as semelhanças dos traços e pinturas de ilustradores que apreciam. Na turma Jujubalândia, o livro que causou muita curiosidade e encantamento foi o Mitos Gregos, de Eric A. Kimmel. As crianças produziram um grande painel, reproduzindo com desenhos próprios as ilustrações de deuses gregos. Uma das mães disse que ficou empolgada ao saber que o filho estava conhecendo os mitos gregos, pois era o mesmo tema que ela a mãe- estava aprendendo na escola. Assim, mãe e filho compartilharam o prazer da leitura com um assunto comum a ambos. Porém, a leitura nem sempre foi bem recepcionada pelos pais, por isso procuramos incluí-los em diversas atividades com seus filhos, como cafés-da-manhã literários. Uma de nossas educadoras sugeriu, de forma muito perspicaz, para uma das mães que reclamava do cansaço pós-trabalho, que deixasse que seu filho lesse para ela enquanto ela fazia suas atividades domésticas, como lavar roupa. Assim fomos, aos poucos, criando a abertura para que os familiares recebessem os livros com prazer. Algumas crianças já chegaram a pedir para as educadoras para ficarem mais um dia com o livro que fora emprestado, pois minha mãe gostou muito desse livro!. Após os empréstimos, as crianças fazem a roda da devolução. Nela, cada um mostra o livro lido, as partes que mais gostou e o porquê, e indica para outra crianças. Quando a crianças não gosta do livro, também é incentivada a explicar o motivo. Acreditamos que o leitor tem o direito de não gostar de um livro. Essa postura é importante para que desenvolvam seu gosto literário e suas preferências. As indicações entre as turmas também são estimuladas através da escrita de bilhetes. Cada turma possui sua caixa de correio, na qual as indicações são depositadas. Quando as crianças ainda não possui ainda autonomia para escrever, a educadora serve como relatora e incentiva a utilização de alguns critérios para as indicações. Desse modo, as crianças vão se 4

5 apropriando da linguagem e passam a construir de forma independente as suas próprias indicações. Ao longo do ano, cada sala anotava em um mural ou um livro, os títulos e autores dos livros lidos. Esse registro nunca teve um caráter numérico, de se saber quantos livros haviam sido fruídos. No entanto, uma das educadoras anotava os livros em ordem sequencial, colocando um número na frente. A certa altura do ano, as crianças de sua sala, denominada Pica-Pau, perceberam que estavam chegando perto dos cem livros lidos. Houve uma grande comoção e fascinação pela quantidade de histórias ouvidas e apreciadas: Elas se sentiram muito importante e sabidas ao constatar que leram cem livros, pois sabem que esse número é grande. Orgulhosas com essa informação, a alegria das crianças transformou-se em uma sugestão: Por que não fazemos uma festa?. A professora Fernanda procurou então descobrir entre os alunos, o que eles achavam que uma festa de cem livros lidos deveria ter. A expectativa era alta. Tão alta que a informação de que a turma Pica-Pau estava prestes a atingir uma grande marca se espalhou pelo Pró-Saber SP, e as outras turmas também ficaram empolgadas para saber quantos livros constavam em seus registros. A ideia de uma celebração com suas histórias preferidas era contagiante. Na sala Pica-Pau, foi decidido que na festa as crianças apresentariam todos os livros lidos, isso fez com que as crianças se organizassem para resgatassem os livros que não estavam mais na sala. Um a um eles foram encontrados, e cuidadosamente guardados em caixas, que foram enfeitadas com ilustrações de personagens das histórias, feitas pelas crianças e coladas na parte externa das caixas. Cada criança escolheu o seu livro preferido e criou uma indicação literária por escrito. As indicações, que possuíam desenhos feitos pelas crianças, foram levadas também para a Mostra Cultural de Paraisópolis, evento organizado pela própria comunidade. Pais e mães foram convidados e uma mesa de café-da-manhã foi colocada a disposição, para que todos compartilhassem o alimento e fossem alimentados pela leitura. As outras turmas que foram contagiadas pela Festa dos Cem Livros da turma Pica-Pau, também produziram celebrações, cada uma com um toque diferente. A turma Ouro contou com a participação de uma mãe que contou uma história de bruxa para as crianças, e outra mãe confeccionou em nossa cozinha um delicioso bolo em formato de livro. A turma Jujubalândia contou com uma surpreendente adesão de 100% dos pais, que participaram de uma atividade artística com os filhos, inspirada no livro Caras animalescas, de Ilan Brenmam. A turma Diamante começou o ano letivo um mês após o início das outras turmas e ainda não fez a sua celebração, mas não falta muito para que esse feito seja realizado. 5

6 4 Avaliação A medida em que os meses correram, as crianças passaram a ser não somente ouvintes de histórias, mas contadoras de histórias. Esse ano conseguimos como resultado 95% das crianças alfabéticas. O número de livros lidos, exceto pela turma Diamante, extrapola o número de cem. Tínhamos como meta a alfabetização, fruição dos livros e ampliação do repertório desses pequenos leitores, mas não perseguíamos um número específico. A constatação do número cem deu concretude a um sentimento de orgulho nas crianças, sobre o qual alguns pais relataram acredito que não li nem metade desse número de livros em toda a minha vida. A Festa dos Cem Livros foi uma grande celebração, o reconhecimento do quanto algo prazeroso, como a leitura, é algo que passa sem que nos demos conta. Essa percepção só foi possível com a numeração das leituras e a descoberta dessa quantia. Percebemos o desenvolvimento das crianças ao longo do ano, que participaram da produção da festa do começo ao fim. As indicações de diferentes livros por cada criança só foi possível mediante esse amplo repertório. A participação dos pais também cresceu com o tempo (culminando na participação de 100% dos pais em uma das turmas), assim como a resistência em relação aos empréstimos de livros diminuíram. A equipe esteve alinhada, as reuniões semanais foram realizadas sistematicamente para que as trocas entre as educadoras e coordenação pudessem ser eficientes. Os resultados só foram possíveis com comprometimento e envolvimentos das crianças. Dentro de algumas semanas encerraremos o ano com um café-da-manhã de lançamento dos livros dos próprios alunos. Esse livro consta as preferências de cada um, ilustrações próprias e, como não poderiam faltar, indicações literárias. 6

Gêneros discursivos no ciclo da alfabetização 1º ao 3º ano do ensino fundamental

Gêneros discursivos no ciclo da alfabetização 1º ao 3º ano do ensino fundamental Gêneros discursivos no ciclo da alfabetização 1º ao 3º ano do ensino fundamental Não se aprende por exercícios, mas por práticas significativas. Essa afirmação fica quase óbvia se pensarmos em como uma

Leia mais

PROJETO: CASA DE BRINQUEDO 1 RELATO DO PROCESSO

PROJETO: CASA DE BRINQUEDO 1 RELATO DO PROCESSO PROJETO: CASA DE BRINQUEDO 1 RELATO DO PROCESSO Áreas: Matemática, Artes Plásticas Transversal: Meio Ambiente Faixa etária: 4 a 5 anos Turma com 30 crianças Duração: agosto a outubro/2004 Produto final:

Leia mais

Caracterização da Escola

Caracterização da Escola 28 O CORDEL DOS TIRADENTES Flávia Helena Pontes Carneiro* helena.flavia@gmail.com *Graduada em Pedagogia, Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais, Professora

Leia mais

IFA MIRIM PROJETO: LEIA PARA MIM!

IFA MIRIM PROJETO: LEIA PARA MIM! IFA MIRIM PROJETO: LEIA PARA MIM! Meus filhos terão computadores, sim, mas antes terão livros. Sem livros, sem leitura, os nossos filhos serão incapazes de escrever - inclusive a sua própria história.

Leia mais

Leya Leituras Projeto de Leitura

Leya Leituras Projeto de Leitura Leya Leituras Projeto de Leitura Nome do livro: JAPĨĨ E JAKÃMĨ Uma história de amizade Autor: Yaguarê Yamã Nacionalidade do autor: Brasileira Currículo do autor: Escritor, professor e artista plástico

Leia mais

ESCOLA LEITORA: UM CAMINHO A SER CONSTRUÍDO

ESCOLA LEITORA: UM CAMINHO A SER CONSTRUÍDO ESCOLA LEITORA: UM CAMINHO A SER CONSTRUÍDO 1.JUSTIFICATIVA O Projeto Escola Leitora: um caminho a ser construído, elaborado e desenvolvido coletivamente desde 2013 em todas as modalidades de ensino que

Leia mais

Avaliação-Pibid-Metas

Avaliação-Pibid-Metas Bolsista ID: Claines kremer Avaliação-Pibid-Metas A Inserção Este ano o reingresso na escola foi diferente, pois já estávamos inseridas na mesma há praticamente um ano. Fomos bem recepcionadas por toda

Leia mais

Formas de organização do trabalho de alfabetização e letramento

Formas de organização do trabalho de alfabetização e letramento Formas de organização do trabalho de alfabetização e letramento Isabel Cristina Alves da Silva Frade(1) Introdução Como realizar um planejamento de trabalho de alfabetização e letramento com crianças de

Leia mais

Ao longo deste 2 semestre, a turma dos 1 anos vivenciaram novas experiências e aprendizados que contemplaram suas primeiras conquistas do semestre

Ao longo deste 2 semestre, a turma dos 1 anos vivenciaram novas experiências e aprendizados que contemplaram suas primeiras conquistas do semestre Ao longo deste 2 semestre, a turma dos 1 anos vivenciaram novas experiências e aprendizados que contemplaram suas primeiras conquistas do semestre anterior, dentro de contextos que buscavam enfatizar o

Leia mais

Nome do Projeto: Compartilhando Livros por mais Cultura e Cidadania na Escola e na Comunidade

Nome do Projeto: Compartilhando Livros por mais Cultura e Cidadania na Escola e na Comunidade A escola é o lugar privilegiado da aprendizagem, planejado para educar pessoas mais participativas, solidárias, produtivas e felizes. GUIOMAR NAMO DE MELLO Diretora da EBRAP Escola Brasileira de Professores

Leia mais

Meu nome é Rosângela Gera. Sou médica e mãe de uma garotinha de sete anos que é cega.

Meu nome é Rosângela Gera. Sou médica e mãe de uma garotinha de sete anos que é cega. Prezado Editor, Meu nome é Rosângela Gera. Sou médica e mãe de uma garotinha de sete anos que é cega. Gostaria de compartilhar com os demais leitores desta revista, minha experiência como mãe, vivenciando

Leia mais

Pão, pão, pão. Estêvão Marques, Marina Pittier e Fê Sztok Ionit Zilberman. escrito por. ilustrado por

Pão, pão, pão. Estêvão Marques, Marina Pittier e Fê Sztok Ionit Zilberman. escrito por. ilustrado por elaboração: Tatiana Pita Mestre em Educação pela PUC (SP) Pão, pão, pão escrito por ilustrado por Estêvão Marques, Marina Pittier e Fê Sztok Ionit Zilberman 2 O encanto e as descobertas que o livro nos

Leia mais

MATEMÁTICA: É PRECISO LER, ESCREVER E SE ENVOLVER

MATEMÁTICA: É PRECISO LER, ESCREVER E SE ENVOLVER MATEMÁTICA: É PRECISO LER, ESCREVER E SE ENVOLVER Nilton Cezar Ferreira 1 Por mais de dois séculos já se faz reformas curriculares no Brasil, no entanto nenhuma dessas reformas conseguiu mudar de forma

Leia mais

PRÁTICAS LÚDICAS NO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LÍNGUA ESCRITA DO INFANTIL IV E V DA ESCOLA SIMÃO BARBOSA DE MERUOCA-CE

PRÁTICAS LÚDICAS NO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LÍNGUA ESCRITA DO INFANTIL IV E V DA ESCOLA SIMÃO BARBOSA DE MERUOCA-CE 1 PRÁTICAS LÚDICAS NO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LÍNGUA ESCRITA DO INFANTIL IV E V DA ESCOLA SIMÃO BARBOSA DE MERUOCA-CE 1 Rochelle Lopes da Silva- UVA 2 Andrea Abreu Astigarraga- UVA INTRODUÇÃO De acordo

Leia mais

EXPERIÊNCIAS NO ESTÁGIO DOCENTE: OBSERVAÇÕES ACERCA DO COTIDIANO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL

EXPERIÊNCIAS NO ESTÁGIO DOCENTE: OBSERVAÇÕES ACERCA DO COTIDIANO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL EXPERIÊNCIAS NO ESTÁGIO DOCENTE: OBSERVAÇÕES ACERCA DO COTIDIANO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL Acacia Silva Alcantara Graduanda/UEPB Danielly Muniz de Lima Graduanda/UEPB Glória Mª Leitão de Souza

Leia mais

LITERATURA PARA TODOS: UMA EXPERIÊNCIA DE OFICINAS DE LEITURA NA AMAZÔNIA

LITERATURA PARA TODOS: UMA EXPERIÊNCIA DE OFICINAS DE LEITURA NA AMAZÔNIA 1 LITERATURA PARA TODOS: UMA EXPERIÊNCIA DE OFICINAS DE LEITURA NA AMAZÔNIA Maria de Nazaré da Silva Correa Jediã F. Lima Maria do Carmo S. Pacheco Maria do P. Socorro R. de Lima Maria Rita Brasil Raiolanda

Leia mais

A LEITURA, ESCRITA E JOGOS NO ENSINO DA MATEMÁTICA: o relato de uma experiência na escola pública

A LEITURA, ESCRITA E JOGOS NO ENSINO DA MATEMÁTICA: o relato de uma experiência na escola pública A LEITURA, ESCRITA E JOGOS NO ENSINO DA MATEMÁTICA: o relato de uma experiência na escola pública Luciana Lopes Xavier 1 Odenise Maria Bezerra 2 Resumo O presente trabalho busca relatar uma experiência

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA ESCRITA COMO INSTRUMENTO NORTEADOR PARA O ALFABETIZAR LETRANDO NAS AÇÕES DO PIBID DE PEDAGOGIA DA UFC

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA ESCRITA COMO INSTRUMENTO NORTEADOR PARA O ALFABETIZAR LETRANDO NAS AÇÕES DO PIBID DE PEDAGOGIA DA UFC AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA ESCRITA COMO INSTRUMENTO NORTEADOR PARA O ALFABETIZAR LETRANDO NAS AÇÕES DO PIBID DE PEDAGOGIA DA UFC Antônia Fernandes Ferreira; Gessica Nunes Noronha; Marielle Sâmia de Lima

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL. PRÉ I Professoras Caroline e Ana Lucia Habilidades vivenciadas no 2º bimestre 2011

EDUCAÇÃO INFANTIL. PRÉ I Professoras Caroline e Ana Lucia Habilidades vivenciadas no 2º bimestre 2011 EDUCAÇÃO INFANTIL Prezados Pais e/ou Responsáveis, Estamos vivenciando o segundo bimestre letivo e o processo de aprendizagem representa pra nós, motivo de alegria e conquistas diárias. Confiram as habilidades

Leia mais

PROJETO QUARTA LITERÁRIA

PROJETO QUARTA LITERÁRIA PROJETO QUARTA LITERÁRIA * Francisca Wládia de Medeiros Inocêncio ** Leni Oliveira da Silva Este artigo pretende socializar o Projeto Quarta Literária, desenvolvido no Centro Educacional do Projeto SESC

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA.

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. Rosângela de Fátima Cavalcante França* Universidade Federal de Mato Grosso do Sul RESUMO Este texto apresenta de forma resumida

Leia mais

EMEI PROFº ANTONIO CARLOS PACHECO E SILVA PROJETO PEDAGÓGICO 2012 BRINCAR NÃO É BRINCADEIRA...

EMEI PROFº ANTONIO CARLOS PACHECO E SILVA PROJETO PEDAGÓGICO 2012 BRINCAR NÃO É BRINCADEIRA... EMEI PROFº ANTONIO CARLOS PACHECO E SILVA PROJETO PEDAGÓGICO 2012 BRINCAR NÃO É BRINCADEIRA... JUSTIFICATIVA Desde o nascimento a criança está imersa em um contexto social, que a identifica enquanto ser

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA DA PRÁTICA DE LEITURA SIMULTÂNEA: FORMANDO COMPORTAMENTO LEITOR

RELATO DE EXPERIÊNCIA DA PRÁTICA DE LEITURA SIMULTÂNEA: FORMANDO COMPORTAMENTO LEITOR RELATO DE EXPERIÊNCIA DA PRÁTICA DE LEITURA SIMULTÂNEA: FORMANDO COMPORTAMENTO LEITOR Cristina Marico Matsubara Prefeitura do Município de São Paulo cr.matsubara@gmail.com Emilio Celso de Oliveira Prefeitura

Leia mais

O USO DE PROJETOS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS

O USO DE PROJETOS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS O USO DE PROJETOS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS Andreza Olivieri Lopes Carmignolli1 UNESP Eva Poliana Carlindo2 UNESP Grupo de Trabalho Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora: não

Leia mais

CRECHE MUNICIPAL MACÁRIA MILITONA DE SANTANA PROJETO LITERATURA INFANTIL: "MUNDO ENCANTADOR"

CRECHE MUNICIPAL MACÁRIA MILITONA DE SANTANA PROJETO LITERATURA INFANTIL: MUNDO ENCANTADOR CRECHE MUNICIPAL MACÁRIA MILITONA DE SANTANA PROJETO LITERATURA INFANTIL: "MUNDO ENCANTADOR" CUIABÁ-MT 2015 CRECHE MUNICIPAL MÁCARIA MILITONA DE SANTANA 1- Tema: "Mundo Encantador" 1.2- Faixa etária: 2

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Abril2014

Atividades Pedagógicas. Abril2014 Atividades Pedagógicas Abril2014 I A ADAPTAÇÃO Estamos chegando ao final do período de adaptação do grupo IA e a cada dia conhecemos mais sobre cada bebê. Começamos a perceber o temperamento, as particularidades

Leia mais

METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS

METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS 1 O Método do Caso e o Ensino em Administração O uso do Método do Caso nas escolas de administração no Brasil é relativamente recente, embora não haja

Leia mais

Projeto Jornal Educativo Municipal

Projeto Jornal Educativo Municipal Estado de Goiás Prefeitura Municipal de Santa Bárbara de Goiás Secretaria Municipal da Educação Santa Bárbara de Goiás - GO Projeto Jornal Educativo Municipal Santa Bárbara de Goiás Janeiro/2013 Estado

Leia mais

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA INICIANDO A CONVERSA APROFUNDANDO O TEMA Por que ensinar gêneros textuais na escola? Registro

Leia mais

VIVALEITURA 2014 Rodas de leitura, uma forma de brincar

VIVALEITURA 2014 Rodas de leitura, uma forma de brincar VIVALEITURA 2014 Rodas de leitura, uma forma de brincar Dados Gerais 1. Nome da Organização Grupo Pirilampo 2. Razão Social Grupo Pirilampo 3. CNPJ 08.237.163/0001-02 3. CNPJ da Organização 4. Informação

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL

AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL Sheila Valéria Pereira da Silva (UFPB Campus-IV) sheilavaleria88@yahoo.com.br

Leia mais

A experiência do Baú de leitura

A experiência do Baú de leitura A experiência do Baú de leitura Sueli Maria Gonçalves Hitti 1 Vera Maria Oliveira Carneiro 2 No Baú, qualquer baú, é onde guardamos lembranças, alegres e tristes, objetos preciosos, outros de valor afetivo,

Leia mais

TÍTULO: A LEITURA COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA

TÍTULO: A LEITURA COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA TÍTULO: A LEITURA COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE SÃO VICENTE AUTOR(ES): MARIA DE FATIMA

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez.

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. PROJETO DE LEITURA E ESCRITA Era uma vez... E conte outra vez. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO TEMA; PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. INSTITUIÇÃO Escola Estadual Lino Villachá

Leia mais

TEdAM. Educação Ambiental

TEdAM. Educação Ambiental 290 Educação Ambiental TEdAM Resumo O projeto TEdAm tem como meta principal introduzir novas formas de construção, cooperação e circulação de conhecimentos e informações, capazes de auxiliar o processo

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014 Atividades Pedagógicas Agosto 2014 EM DESTAQUE Acompanhe aqui um pouco do dia-a-dia de nossos alunos em busca de novos aprendizados. ATIVIDADES DE SALA DE AULA GRUPO II A GRUPO II B GRUPO II C GRUPO II

Leia mais

JOGO DE QUÍMICA: UM MÉTODO LÚDICO PARA COMPREENSÃO DE CONCEITOS E INTERAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS.

JOGO DE QUÍMICA: UM MÉTODO LÚDICO PARA COMPREENSÃO DE CONCEITOS E INTERAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS. JOGO DE QUÍMICA: UM MÉTODO LÚDICO PARA COMPREENSÃO DE CONCEITOS E INTERAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS. cibdo@yahoo.com.br Cristiane Barbosa de Oliveira * (PQ) Neusa Maria John Scheid (PG). Palavras-Chave: Educação

Leia mais

Exposição e relato de experiências de Objetos Educacionais Construção de Instrumentos Musicais Artesanais. Rio Verde GO

Exposição e relato de experiências de Objetos Educacionais Construção de Instrumentos Musicais Artesanais. Rio Verde GO EMEFTI PROFESSOR WALDYR EMRICH PORTILHO GESTORA: GERLIANESANTANA GOUVEIA CABRAL COORD. ÁREA: ARISTÓTELES MESQUITA DE LIMA NETTO PROFESSORA SUPERVISORA: ELIZANGELA F. RODRIGUES Exposição e relato de experiências

Leia mais

Os verdadeiros analfabetos são os que aprenderam a ler e não leem. (Mário Quintana).

Os verdadeiros analfabetos são os que aprenderam a ler e não leem. (Mário Quintana). Meus filhos terão computadores, sim, mas antes terão livros. Sem livros, sem leitura, os nossos filhos serão incapazes de escrever - inclusive a sua própria história. (Bill Gates). Os verdadeiros analfabetos

Leia mais

GINCANA MATEMÁTICA, UM JEITO NOVO DE APRENDER MATEMÁTICA!

GINCANA MATEMÁTICA, UM JEITO NOVO DE APRENDER MATEMÁTICA! ISSN 2177-9139 GINCANA MATEMÁTICA, UM JEITO NOVO DE APRENDER MATEMÁTICA! Thaís Eduarda Ávila da Silveira thaisuab3@gmail.com Universidade Federal de Pelotas, Pólo Sapucaia do Sul, 92990-000 Sapucaia do

Leia mais

CONHECIMENTOS E CAPACIDADES ENVOLVIDOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1

CONHECIMENTOS E CAPACIDADES ENVOLVIDOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONHECIMENTOS E CAPACIDADES ENVOLVIDOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E

Leia mais

IMPACTOS E REFLEXOS DA FORMAÇÃO LÚDICA DO EDUCADOR NAS PRÁTICAS COTIDIANAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IMPACTOS E REFLEXOS DA FORMAÇÃO LÚDICA DO EDUCADOR NAS PRÁTICAS COTIDIANAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL IMPACTOS E REFLEXOS DA FORMAÇÃO LÚDICA DO EDUCADOR NAS PRÁTICAS COTIDIANAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL BELO, Milena Domingos - UNIFESP 1 milena_dbelo@hotmail.com PANIZZOLO, Claudia - UNIFESP 2 claudiapanizzolo@uol.com.br

Leia mais

Palavras-chave: jogos de matemática, aprendizagem, dinamicidade

Palavras-chave: jogos de matemática, aprendizagem, dinamicidade O JOGO COMO MÉTODO DE ENSINO NAS AULAS DE MATEMÁTICA Ana Carla da Silva Santos i Ana Paula Araújo da Silva Cledineide Medeiros de Araújo Joedna Loyse de Souza Morais O presente trabalho denominado "O jogo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA PÓLO GUARAI AS PRÁTICAS DE LEITURA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA PÓLO GUARAI AS PRÁTICAS DE LEITURA NA EDUCAÇÃO INFANTIL UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA PÓLO GUARAI AS PRÁTICAS DE LEITURA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Mara Luiza Silva 1 Resumo Este artigo relata o desenvolvimento

Leia mais

Projeto educacional para empresas turbinarem a leitura na vida de muitas crianças!

Projeto educacional para empresas turbinarem a leitura na vida de muitas crianças! Projeto educacional para empresas turbinarem a leitura na vida de muitas crianças! Incentivo à leitura com o objetivo de formar cidadãos capazes de mudar o mundo. O que é o projeto Oferecemos uma solução

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO PPP COMO OPORTUNIDADE PARA O ENSINO DE ESTATÍSTICA

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO PPP COMO OPORTUNIDADE PARA O ENSINO DE ESTATÍSTICA Encontro Nacional de Educação Matemática A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO PPP COMO OPORTUNIDADE PARA O ENSINO DE ESTATÍSTICA Thiarla avier Dal-Cin Zanon Prefeitura Municipal de Castelo/ES Universidade

Leia mais

Projeto de intervenção

Projeto de intervenção Projeto de intervenção Tema: trabalhando com artes na educação infantil. Por: Cristiane Salvador Batista¹ Vivalda de Jesus Souza² INTRODUÇÃO Pretende-se por meio deste projeto Trabalhando Com Artes Na

Leia mais

Palavras-chave: escrita musical, histórias infantis, conto sonoro. Seminário do 16 O. COLE vinculado: V Seminário Linguagens em Educação Infantil.

Palavras-chave: escrita musical, histórias infantis, conto sonoro. Seminário do 16 O. COLE vinculado: V Seminário Linguagens em Educação Infantil. O Conto Sonoro, uma forma de explorar a escrita musical. Renata de Oliveira Pavaneli Frederico, Escola de Educação Infantil Casa da Gente Campinas-SP. musicamed@directnet.com.br reoliveirafred@gmail.com

Leia mais

O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL Telma Maria Pereira dos Santos Graduada em Pedagogia pela Universidade do Estado da Bahia UNEB e Pós-graduada em Educação

Leia mais

A importância da leitura na fase infantil.

A importância da leitura na fase infantil. EDIÇÃO II VOLUME 3 01/04/2011 A importância da leitura na fase infantil. O desenvolvimento de interesses e hábitos permanentes de leitura é um processo constante, que principia no lar, aperfeiçoa-se sistematicamente

Leia mais

Observação na Escolinha EMEI Cebolinha no Dia 02 de setembro de 2015

Observação na Escolinha EMEI Cebolinha no Dia 02 de setembro de 2015 Observação na Escolinha EMEI Cebolinha no Dia 02 de setembro de 2015 Acadêmica: Ewelyn Sampaio Cardoso Ao chegar à Escola EMEI cebolinha ás 08h00min, a professora do pré I já estava na escola com uma aluna

Leia mais

Aula SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS NO ESTUDO DOS GÊNEROS TEXTUAIS. (Fonte: http://aprendafacil.files.wordpress.com).

Aula SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS NO ESTUDO DOS GÊNEROS TEXTUAIS. (Fonte: http://aprendafacil.files.wordpress.com). SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS NO ESTUDO DOS GÊNEROS TEXTUAIS Aula 9 META Destacar a importância da progressão no desenvolvimento dos comportamentos leitores e escritores. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno

Leia mais

O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA

O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Denise Ritter Instituto Federal Farroupilha Campus Júlio de Castilhos deniseritter10@gmail.com Renata da Silva Dessbesel Instituto

Leia mais

ENTREVISTA Alfabetização na inclusão

ENTREVISTA Alfabetização na inclusão ENTREVISTA Alfabetização na inclusão Entrevistadora:Amarílis Hernandes Santos Formação: Aluna da graduação de Pedagogia USP Formada em Ciências Biológicas Mackenzie Contato: amarilishernandes@yahoo.com.br

Leia mais

Cais da Leitura: leitura em ação

Cais da Leitura: leitura em ação Cais da Leitura: leitura em ação Conceição Flores. Universidade Potiguar (UnP). Carla Rosiane C. Andrade. Universidade Potiguar (UnP). Nos últimos tempos, estamos sendo quase que cotidianamente bombardeados

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina

Universidade Estadual de Londrina Universidade Estadual de Londrina Josiane de Freitas Santos Relatório de Estágio em Educação Infantil Londrina 2010 1 Josiane de Freitas Santos Relatório de Estágio em Educação Infantil Relatório final

Leia mais

Programas Vencedores: seis 9º Concurso FNLIJ Os Melhores Programas de Incentivo à Leitura junto a Crianças e Jovens de todo o Brasil 2004

Programas Vencedores: seis 9º Concurso FNLIJ Os Melhores Programas de Incentivo à Leitura junto a Crianças e Jovens de todo o Brasil 2004 Programas Vencedores: seis 9º Concurso FNLIJ Os Melhores Programas de Incentivo à Leitura junto a Crianças e Jovens de todo o Brasil 2004 1º Lugar: Programa Leitura e Ciência. Programa Leitura e Ciência.

Leia mais

Este informativo tem como objetivo apresentar aos pais e responsáveis as características e o

Este informativo tem como objetivo apresentar aos pais e responsáveis as características e o Educar-se é impregnar de sentido cada momento da vida, cada ato do cotidiano. PAULO FREIRE Este informativo tem como objetivo apresentar aos pais e responsáveis as características e o funcionamento do

Leia mais

Tema: Ambiente na Educação Infantil Devolução Observação do Grupo 04 Matutino Professora Rita Landeiro

Tema: Ambiente na Educação Infantil Devolução Observação do Grupo 04 Matutino Professora Rita Landeiro Tema: Ambiente na Educação Infantil Devolução Observação do Grupo 04 Matutino Professora Rita Landeiro Thais Almeida Costa A história dessa devolução começa há mais ou menos há uns 9 anos atrás. História

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES PARA O PRIMEIRO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: FERRAMENTA DE APOIO AO PROFESSOR DA CRIANÇA DE 6 ANOS.

CADERNO DE ATIVIDADES PARA O PRIMEIRO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: FERRAMENTA DE APOIO AO PROFESSOR DA CRIANÇA DE 6 ANOS. CADERNO DE ATIVIDADES PARA O PRIMEIRO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: FERRAMENTA DE APOIO AO PROFESSOR DA CRIANÇA DE 6 ANOS. Elaine Cristina Rodrigues Gomes Vidal. Gruhbas Projetos Educacionais

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo

A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Camila Lacerda Ortigosa Pedagogia/UFU mila.lacerda.g@gmail.com Eixo Temático: Educação Infantil Relato de Experiência Resumo

Leia mais

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO Rebeca Vieira de Queiroz Almeida Faculdade Saberes Introdução O presente texto é um relato da experiência do desenvolvimento do projeto

Leia mais

EXPLORANDO A OBRA (ALUNOS SENTADOS EM CÍRCULO)

EXPLORANDO A OBRA (ALUNOS SENTADOS EM CÍRCULO) Explorando a obra EXPLORANDO A OBRA (ALUNOS SENTADOS EM CÍRCULO) INTRODUÇÃO Antes da leitura Peça para que seus alunos observem a capa por alguns instantes e faça perguntas: Qual é o título desse livro?

Leia mais

RESUMO Sobre o que trata a série?

RESUMO Sobre o que trata a série? TODOS PODEM APRENDER ALER E A ESCREVER Nível de Ensino/Faixa Etária: Série indicada para professores Ensino Fundamental inicial Áreas Conexas: Letramento/Alfabetização Artes Cultura Consultor: Marina Rampazzo

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE PRESIDENTE PRUDENTE FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA A AVALIAÇÃO NA FORMAÇÃO DE EDUCADORES ATRAVÉS DE SUA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE PRESIDENTE PRUDENTE FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA A AVALIAÇÃO NA FORMAÇÃO DE EDUCADORES ATRAVÉS DE SUA Avaliação Da Prática Docente A AVALIAÇÃO NA FORMAÇÃO DE EDUCADORES ATRAVÉS DE SUA PRÁTICA DOCENTE Autora: Maria Peregrina de Fátima Rotta Furlanetti Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Estadual

Leia mais

Jovens e adultos IFFarroupilha- Câmpus São Borja

Jovens e adultos IFFarroupilha- Câmpus São Borja 1 Entre a elevação da escolaridade e a qualificação profissional: Uma experiência com os RESUMO: Jovens e adultos IFFarroupilha- Câmpus São Borja KAEFER, Verle. Maria Teresinha 1 DUTRA, Paim. Isolete 2

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM INCLUSIVAS: ENTRE ENCANTOS E DES(ENCANTOS) PALAVRAS-CHAVE: Estratégias. Aprendizagem. Inclusão

ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM INCLUSIVAS: ENTRE ENCANTOS E DES(ENCANTOS) PALAVRAS-CHAVE: Estratégias. Aprendizagem. Inclusão ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM INCLUSIVAS: ENTRE ENCANTOS E DES(ENCANTOS) Sylmara Karina Silva Sousa Railda da Silva Santos Amélia Maria Araújo Mesquita Universidade Federal do Pará Eixo Temático: Práticas

Leia mais

A prática da Educação Patrimonial:

A prática da Educação Patrimonial: A prática da Educação Patrimonial: uma experiência no município de Restinga Sêca / RS HELIANA DE MORAES ALVES E LAURO CÉSAR FIGUEIREDO Introdução O presente trabalho é um breve relato sobre uma prática

Leia mais

LEITURA LITERÁRIA: REFLEXÕES SOBRE UMA EXPERIÊNCIA NA ESCOLA

LEITURA LITERÁRIA: REFLEXÕES SOBRE UMA EXPERIÊNCIA NA ESCOLA LEITURA LITERÁRIA: REFLEXÕES SOBRE UMA EXPERIÊNCIA NA ESCOLA BORTTOLIN, A. M. P. LITTERA/UNESC SILVEIRA, R. de F. K. da LITTERA/UNESC O presente texto mostra uma experiência de leitura literária na escola

Leia mais

OS INCRÍVEIS DINOSSAUROS. Resumo. Introdução

OS INCRÍVEIS DINOSSAUROS. Resumo. Introdução OS INCRÍVEIS DINOSSAUROS Daviani Roberta Pavão Pelosi davianipavao@ig.com.br Resumo O projeto foi desenvolvido em uma sala de Educação Infantil, denominada Fase 5, composta por crianças de 4 a 5 anos,

Leia mais

30/07 Sessão de Experiência Pedagógica

30/07 Sessão de Experiência Pedagógica 30/07 Sessão de Experiência Pedagógica INICIAÇÃO CIENTÍFICA NO ENSINO FUNDAMENTAL II UM CAMINHO DE PESQUISA Profª Drª Cleuza Pelá (Escola Cidade Jardim SP) Introdução Quando o Projeto de Minimonografia

Leia mais

Projeto Lendo desde Pequeninos : Uma Biblioteca na Escola de Educação Infantil

Projeto Lendo desde Pequeninos : Uma Biblioteca na Escola de Educação Infantil Projeto Lendo desde Pequeninos : Uma Biblioteca na Escola de Educação Infantil - Justificativa: O projeto Lendo desde Pequeninos : Uma Biblioteca na Escola de Educação Infantil iniciou no segundo semestre

Leia mais

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu.

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu. CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: INDICATIVOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE E DA ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO NUM CURSO DE PEDAGOGIA G1 Formação de Professores

Leia mais

Apresentação. Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa. Situação 5 Lendo e vivendo poemas. Recomendada para EF II ou EM. Tempo previsto: 4 aulas

Apresentação. Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa. Situação 5 Lendo e vivendo poemas. Recomendada para EF II ou EM. Tempo previsto: 4 aulas Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa Situação 5 Lendo e vivendo poemas Recomendada para EF II ou EM Tempo previsto: 4 aulas Elaboração: Equipe Técnica da CENP Apresentação Ler é um ato de recriação praticado

Leia mais

Nome: Rosemar Aparecida Santos da Rosa Informações da Escola:

Nome: Rosemar Aparecida Santos da Rosa Informações da Escola: Nome: Rosemar Aparecida Santos da Rosa Informações da Escola: Nome da Escola: Escola Municipal de Ensino Fundamental Genuíno Sampaio Cidade: Campo Bom UF: RS Informações do Projeto: Categoria: (TEMA ESPECIFICO)

Leia mais

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS LINGUAGENS DA CRIANÇA Professor(a), no tema anterior, A criança de seis anos no ensino fundamental, falamos sobre quem são e como são essas crianças que ingressam

Leia mais

CONSTRUÇÃO DA DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL OU NOS ANOS INICIAIS DO EF / EJA

CONSTRUÇÃO DA DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL OU NOS ANOS INICIAIS DO EF / EJA 1 FACULDADE DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIAS E LETRAS CURSO DE PEDAGOGIA TRABALHO ACADÊMICO INTERDISCIPLINAR VII: CONSTRUÇÃO DA DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL OU NOS ANOS INICIAIS DO EF / EJA Autor: Rejane Beatriz

Leia mais

A EDUCAÇAO INFANTIL DA MATEMÁTICA COM A LUDICIDADE EM SALA DE AULA

A EDUCAÇAO INFANTIL DA MATEMÁTICA COM A LUDICIDADE EM SALA DE AULA A EDUCAÇAO INFANTIL DA MATEMÁTICA COM A LUDICIDADE EM SALA DE AULA RODRIGUES, Patrícia Gomes Universidade Estadual de Goiás, campus Iporá patykauan_5@hotmail.com MARQUES, Daniela Cristina de Sousa Universidade

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

Curitiba, 06 de setembro de 2013. Prezados profissionais da educação

Curitiba, 06 de setembro de 2013. Prezados profissionais da educação Curitiba, 06 de setembro de 2013. Prezados profissionais da educação É com satisfação que convidamos representantes de sua instituição para participar do 7.º Seminário Municipal de Educação Infantil de

Leia mais

Informações gerais Colégio Decisão

Informações gerais Colégio Decisão 1 Informações gerais Colégio Decisão 2 Carta da Diretora Colégio Decisão Venha, que estamos de portas abertas para você. Carta da Direção Prezados país e responsáveis, A Organização de uma escola pede

Leia mais

Porquê ler ao meu bebé? Projecto O meu brinquedo é um livro

Porquê ler ao meu bebé? Projecto O meu brinquedo é um livro Porquê ler ao meu bebé? Projecto O meu brinquedo é um livro Porquê ler ao meu bebé? Projecto O meu brinquedo é um livro O meu brinquedo é um livro é um projecto de promoção da leitura proposto pela Associação

Leia mais

Para quê se lê. Para ler são necessárias algumas estratégias de construção de significados. Conheça algumas:

Para quê se lê. Para ler são necessárias algumas estratégias de construção de significados. Conheça algumas: A turminha da Educação Infantil desenvolve semestralmente os projetos de sala, dentre eles está o Projeto Pequenos Leitores, onde os alunos têm a oportunidade de apreciarem literaturas ricas em valores

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. e Alexsandro da Silva. 1 Andréa Carla Agnes e Silva é dinamizadora do Programa "Escola Aberta", sob orientação de Telma Ferraz Leal

1. INTRODUÇÃO. e Alexsandro da Silva. 1 Andréa Carla Agnes e Silva é dinamizadora do Programa Escola Aberta, sob orientação de Telma Ferraz Leal TÍTULO: OFICINA DE LEITURA: UMA PROPOSTA DINÂMICA PARA FORMAÇÃO DE LEITORES AUTORA: Andréa Carla Agnes e Silva 1 INSTITUIÇÃO: Universidade Federal de Pernambuco Escola Aberta ÁREA TEMÁTICA: Educação 1.

Leia mais

Palavras-chave: Letramento. Alfabetização. Ensino-aprendizagem.

Palavras-chave: Letramento. Alfabetização. Ensino-aprendizagem. ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DA LEITURA E ESCRITA NAS SERIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL RESUMO: BARBOSA, Maria Julia de Araújo. Pedagogia - UEPB/Campus

Leia mais

O USO DO BLOG PARA OPORTUNIZAR EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS DE LEITURA E ESCRITA

O USO DO BLOG PARA OPORTUNIZAR EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS DE LEITURA E ESCRITA O USO DO BLOG PARA OPORTUNIZAR EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS DE LEITURA E ESCRITA Tatiana de Oliveira Souza 1 UFRN RESUMO Este artigo apresenta o resultado de pesquisa de natureza qualitativa sobre o projeto

Leia mais

RESUMO. Palavras-chaves: Ensino Fundamental e Médio, Laboratório de Ensino de Matemática, Materiais didáticomanipulativos.

RESUMO. Palavras-chaves: Ensino Fundamental e Médio, Laboratório de Ensino de Matemática, Materiais didáticomanipulativos. UTILIZANDO O LEM PARA REVER OS CONTEÚDOS DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIENCIA COM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO Educação Matemática nos Anos Finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio GT 10 RESUMO Este trabalho

Leia mais

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil.

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. 6. Humanização, diálogo e amorosidade. Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. Santos, Marisa Alff dos 1 Resumo O presente trabalho tem como objetivo refletir sobre as práticas docentes

Leia mais

SUGESTÕES / ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O ORIENTADOR PEDAGÓGICO ACOMPANHAR A RECUPERAÇÃO PARALELA DESENVOLVIDA NA UNIDADE ESCOLAR

SUGESTÕES / ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O ORIENTADOR PEDAGÓGICO ACOMPANHAR A RECUPERAÇÃO PARALELA DESENVOLVIDA NA UNIDADE ESCOLAR SUGESTÕES / ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O ORIENTADOR PEDAGÓGICO ACOMPANHAR A RECUPERAÇÃO PARALELA DESENVOLVIDA NA UNIDADE ESCOLAR Considerando a importância e a complexidade da atuação do orientador pedagógico

Leia mais

UM OLHAR SOBRE AS PRÁTICAS DE LEITURA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA EM 5ª E 8ª SÉRIES

UM OLHAR SOBRE AS PRÁTICAS DE LEITURA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA EM 5ª E 8ª SÉRIES UM OLHAR SOBRE AS PRÁTICAS DE LEITURA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA EM 5ª E 8ª SÉRIES VERA LUCIA MAZUR BENASSI (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA). Resumo O presente texto tem por objetivo apresentar

Leia mais

PROJETO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

PROJETO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL PROJETO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL 1. Tema: Boa alimentação Área de abrangência: (x) Movimento (x) Musicalização (x) Artes Visuais (x) Linguagem Oral e Escrita (x) Natureza e Sociedade (x) Matemática 2. Duração:

Leia mais

PLANO DE TRABALHO TÍTULO: PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA DAS CRIANÇAS

PLANO DE TRABALHO TÍTULO: PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA DAS CRIANÇAS PLANO DE TRABALHO TÍTULO: PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA DAS CRIANÇAS IDENTIFICAÇÃO O presente projeto de intervenção está sendo desenvolvido na Escola Municipal Professor

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO DEPARTAMENTO CIÊNCIA DAINFORMAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO DEPARTAMENTO CIÊNCIA DAINFORMAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO DEPARTAMENTO CIÊNCIA DAINFORMAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA A LITERATURA INFANTIL COMO INSTRUMENTO DE FORMAÇÃO DE LEITORES NA BIBLIOTECA

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO EE. CMT. MAURÍCIO COUTINHO DUTRA

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO EE. CMT. MAURÍCIO COUTINHO DUTRA GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO EE. CMT. MAURÍCIO COUTINHO DUTRA Plano de Ação PROGETEC(Professor Gerenciador de Tecnologias Educacionais e Recursos Midiáticos)/

Leia mais

FORMAÇÃO LEITORA NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Daniela Andrade Coelho da Fonseca 1, Marilani Soares Vanalli 2

FORMAÇÃO LEITORA NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Daniela Andrade Coelho da Fonseca 1, Marilani Soares Vanalli 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1155 FORMAÇÃO LEITORA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Daniela Andrade Coelho da Fonseca 1, Marilani Soares Vanalli 2 1 Mestranda

Leia mais

Maternal B. A adaptação foi um período bastante especial para a turma do Maternal, com muitas novidades.

Maternal B. A adaptação foi um período bastante especial para a turma do Maternal, com muitas novidades. Relatório de Grupo Maternal B 2013 Neste relatório, desejamos compartilhar com vocês o início da história do nosso grupo, contando como foram os primeiros dias e as primeiras descobertas. A adaptação foi

Leia mais

7º Prêmio VIVALEITURA Edição Lúcia Jurema JUSTIFICATIVA

7º Prêmio VIVALEITURA Edição Lúcia Jurema JUSTIFICATIVA JUSTIFICATIVA O projeto denominado LEITURA EM PROGRESSO é uma proposta do Ponto de Cultura NEC e Biblioteca Comunitária Orlando Miranda, localizados no Centro Cultural Fundição Progresso, Lapa - local

Leia mais

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL Viviane Cardoso¹ Resumo: O objetivo desse artigo é refletir como os ideais da pedagogia freireana tem contribuído para as práticas

Leia mais

PREFEITURA DE NOVA VENÉCIA-ES SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO PORTARIA Nº 1612 DE 06 DE FEVEREIRO DE 2015.

PREFEITURA DE NOVA VENÉCIA-ES SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO PORTARIA Nº 1612 DE 06 DE FEVEREIRO DE 2015. PORTARIA Nº 1612 DE 06 DE FEVEREIRO DE 2015. DISPÕE SOBRE O FUNCIONAMENTO E ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DAS UNIDADES DE ENSINO DA EDUCAÇÃO INFANTIL EM TEMPO INTEGRAL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE NOVA VENÉCIA-ES

Leia mais