DESENVOLVIMENTO-DO-RACIOCÍNIO-MATEMÁTICO-E-AS- PRÁTICAS-DE-COMUNICAÇÃO-NUMA-AULA 1 -

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESENVOLVIMENTO-DO-RACIOCÍNIO-MATEMÁTICO-E-AS- PRÁTICAS-DE-COMUNICAÇÃO-NUMA-AULA 1 -"

Transcrição

1 PráticasdeEnsinodaMatemática DESENVOLVIMENTODORACIOCÍNIOMATEMÁTICOEAS PRÁTICASDECOMUNICAÇÃONUMAAULA 1 CláudiaDomingues Escola#Secundária#de#Caldas#das#Taipas# MariaHelenaMartinho CIEd# #Universidade#do#Minho# Resumo:Esteartigoanalisaaspráticascomunicacionaispresentesnumaauladematemática inseridanumestudosobreodesenvolvimentodoraciocíniomatemáticodosalunosdeuma turmade9ºano.paratal,apresentamgseosraciocíniosnarealizaçãodeumatarefadeuma aula e analisamgse as práticas comunicacionais envolvidas nessa aula. O estudo seguiu uma metodologiainterpretativacomumaestratégiadeinvestigaçãodeestudodecasoemqueo caso foi a turma. Os raciocínios dos alunos foram analisados com base em categorias referentesao#processode#generalizaçãoeaoprocesso#deprova.verificougsequeoprocesso de conjeturar dos alunos foi acompanhado de justificação e que houve alunos que se convenceram com base em argumentos empíricos enquanto outros alunos produziram uma provaapartirdosraciocíniosdedutivosrealizadosnaexploração.constatougseaimportância da discussão coletiva para o desenvolvimento de noção de prova matemática dos alunos. ConcluiuGse, ainda, a importância do desenvolvimento da comunicação na explicitação dos raciocíniosnodesenvolvimentodacapacidadederaciocinarmatematicamente. Palavras]chave:Raciocíniomatemático,comunicaçãomatemáticaepráticasletivas Introdução Apartilhaderaciocíniosentretodosospresentesnumaauladematemáticatemporbasea comunicação desses mesmos raciocínios, facto pelo qual as capacidades de raciocinar e de comunicarmatematicamenteestãointrinsecamenterelacionadas. É objetivo deste artigo analisar a forma como o raciocínio matemático se desenvolve em relaçãocomaspráticascomunicacionaisnaauladematemática. Paratal,aprimeiraautoradoartigoapresentaalgunsraciocíniosmatemáticosdosseusalunos realizadosduranteumaaula,noanoletivo2009/10,comumaturmade9.ºanoeasegunda autoradoartigoanalisaacomunicaçãomatemáticaenvolvida.aaulaapresentadafezpartedo estudorealizadopelaprofessoranaqualfoiimplementadaatarefaa#área#de#um#retângulo# especialinseridanaunidadedeensino equaçõesde2ºgrau.aprofessorafoipelaprimeira vezprofessoradaturmanaqueleanoletivo. 1 Trabalho realizado no âmbito doprojecto# PPPM# T# Práticas# Profissionais# de# Professores# de Matemática, apoiado pelafctgfundaçãoparaaciênciaetecnologia(contratoptdc/cpeced/098931/2008). CláudiaDomingueseMariaHelenaMartinho 321

2 PráticasdeEnsinodaMatemática Raciocíniomatemáticoecomunicaçãomatemáticanasaladeaula Paraqueasaulasdematemáticapromovamodesenvolvimentodoraciocíniomatemáticodos alunosénecessáriorefletirsobreoqueéoraciocínioequaisasmelhoresestratégiasparao desenvolver.oatualprogramadematemáticadoensinobásico(ponte,etal.,2007)aocolocar oraciocíniomatemáticocomoumacapacidadetransversal,podecontribuirparaaumentara preocupação dos professores em como agir para desenvolver o raciocínio matemático dos seus alunos. No entanto, não é a mera leitura do programa que modifica as práticas, razão pelaqualaprofessorasentiunecessidadedeprocurarosfundamentosemquesebaseiamas orientações programáticas. Na procura de compreensão sobre o que é o raciocínio matemático encontrou o raciocínio distinguido pela sua natureza (indutivo, abdutivo, por analogiaededutivo)etambémadescriçãodosprocessosderaciocínioqueocorremdesdea formulação de conjeturas até à prova dasdescobertasrealizadascomosefundamentaa seguir. Osprocessosqueocorremduranteafasedegeneralização,comapreocupaçãodeencontrar as justificações matemáticas que acompanham essas mesmas conjeturas, são descritos por Mason,BurtoneStacey(1985).AsvantagensapresentadasporPolya(1968)sobreousodo raciocínioplausívelnaconstruçãodeconhecimentodosalunosapoiamaideiadeenvolveros alunosnadescobertamatemática. Para que a aula facilite o desenvolvimento do raciocínio matemático é necessário que o professor proponha aos alunos tarefas, adequadas ao seu nível de desenvolvimento, que proporcionemaconstruçãodeconjeturaseacompreensãodo porqueseráassim (Masonet# al., 1985; Tall, 1999). Segundo Balacheff (1988), a passagem de uma verdade assente em afirmaçõesdefactosparaumaverdadeassenteemrazõesencontra,frequentemente,como obstáculo a natureza da conceção das ideias matemáticas dos alunos e/ou dos meios linguísticos que possuem. Garuti, Boero e Lemut (1998) concluíram que a existência de unidade cognitiva entre a fase de conjeturar e a fase da construção da prova é favorável à promoçãodaatividadededescobertanaaula.dessemodo,osalunossentemnecessidadede reorganizarosargumentosformulados,tornandogosmaiscoerenteselógicos(mariotti,2006). Os níveis de prova (empirismo naïf, experiência crucial, exemplo genérico e experiência conceptual)debalacheffaferemodesenvolvimentocognitivodeprovaatravésdaformacomo osalunosseconvencemdavalidadedeumaafirmaçãoousoluçãoproduzida(balacheff,1987). Estesquatroníveisajudamacompreenderseoalunoseconvencecombaseemargumentos empíricosougeraisedequeformaéqueofaz.balacheff(1987)afirmaserentreoexemplo# genéricoeaexperiência#conceptualqueocorreapassagemdaprovapragmáticaparaaprova conceptual, passagem essa que é feita através da linguagem com referência apenas às qualidadesgenéricasdasituação. StylianideseStylianides(2008),considerandoqueumargumentoválidoparaserqualificado deprovausaraciocíniodedutivo,esclarecemqueesseusonãoestárelacionadocomonívelde formalização e exemplificam com três diferentes formas válidas de apresentar uma prova: linguagem pictórica, linguagem verbal e linguagem algébrica. Definem, assim, prova matemática como um argumento matemático que: usa afirmações aceites sem mais justificação, aplica formas de raciocínio (modos de argumentação) válidas e conhecidas, e é comunicado at ravés de formas de expressão (modos de representação de argumentos) adequadaseconhecidasdentrodoalcanceconceptualdacomunidadeturma. A comunicação presente numa aula de matemática tem um papel fundamental no desenvolvimentodoraciocínio.paraqueessacomunicaçãosejaprodutiva,énecessárioque professor e alunos compreendam e aceitem as posições e argumentos dos outros, reconhecendo quais as perspetivas partilhadas (Alrø & Skovsmose, 2002). Os diferentes 322 CláudiaDomingueseMariaHelenaMartinho

3 PráticasdeEnsinodaMatemática significados são construídos através das interações ao longo do processo de ensinog aprendizagem.aprocuradeconsensossóépossívelseforemincentivadosaargumentar,a explicitarosraciocínios,arefutareacontestaraquiloqueépartilhado. Segundo Ruthven, Hofmann e Mercer (2011), os momentos de discussão coletiva após a realização de trabalho de grupo revelamgse importantes para o desenvolvimento da compreensão matemática. Se os alunos forem incentivados a apresentar e ouvir diferentes pontosdevista,odiálogoconstituiumapoiodopensamentonosentidodedarsignificadoàs aprendizagens. OestudoreferidofoirealizadonoâmbitodadissertaçãodemestradodeDomingues(2011) cujo objetivo principal de investigação consistiu em compreender como raciocinavam os alunosdeumaturmade9.ºano.ametodologiadeestudoseguiuomodelodeinvestigação interpretativodeabordagemdeinteracionismosimbólicocomumaestratégiadeinvestigação deestudodecaso(bogdan&biklen,1994;cohen&manion,1994;ponte,2006).ocasofoia turma, constituída por quinze raparigas e quatro rapazes, com quatro alunos selecionados como subcasos (Yin, 2005). Os instrumentos de recolha de dados foram: a observação participante, registos escritos em forma de notas da professora/investigadora, os registos escritos dos alunos, questionário, entrevista semiestruturada e gravações áudio e vídeo. Na experiência foram aplicadas várias tarefas, planificadas para diagnosticar e promover o desenvolvimento do raciocínio matemático, das quais aqui se trabalha uma: um retângulo especial. Aatividadedosalunosfoiobservadarelativamenteaoprocesso#de#generalizaçãoeaoprocesso# deprova.oprocesso#de#generalizaçãofoianalisadodeacordocomascategoriasseguintes:i) processodeconjeturar formacomoosalunosformulamumaconjetura,comoatestame comoareformulamdeacordocomostestesrealizadosecomoscontraexemplosquesurgem ecomogeneralizam(lakatos,1999;mason,burton,&stacey,1985;polya,1968);ii)nívelde aceitaçãodageneralização formacomoosalunosaceitamaconjeturacomoválidadeacordo com o nível de prova de Balacheff (1987); iii) natureza e padrões seguidos nos raciocínios usados(reid&knipping,2010).oprocesso#deprovateveasseguintescategoriasdeanálise:i) questionamento análisedomodocomoosalunosquestionamasgeneralizaçõesquefazem (Mason, 1998; Mason et# al., 1985); ii) construção da prova com toda a turma análiseda atividade matemática conjunta no que concerne a justificar as conjeturas formuladas e a produzir um argumento geral (Balacheff, 1987; Mariotti, 2006; Stylianides & Ball, 2008; Stylianides&Stylianides,2009). Aaulaondefoitrabalhadaatarefa umretânguloespecial,tevedoismomentosdetrabalho: o primeiro de trabalho autónomo em pequeno grupo e o segundo de explicitação dos raciocínios com toda a turma por forma a desenvolver um argumento geral. As categorias finais consideradas foram sendoreformuladas,aolongodoestudo,deacordocoma interpretaçãodosdadosrecolhidoscombasenafundamentaçãoteóricarevista. Metodologiadoestudo Práticaletiva Aspráticasletivasresultamdainteraçãoqueseestabeleceentrealunoseprofessoraealunos na sala de aula, pelo que as ações realizadas dependem, em certa medida, do conjunto de alunos e forma de agir dos mesmos face à Matemática. Este facto faz com que logo que a CláudiaDomingueseMariaHelenaMartinho 323

4 PráticasdeEnsinodaMatemática professoraconheceosseusalunosfaçainterpretaçõessobreosseusatoseajadeacordocom ainterpretaçãoquefazdessesmesmosatos. Os primeiros dados recolhidos, através de questionário e de observação participante, revelaram que a aula de matemática era descrita por grande parte dos alunos como um espaço onde o professor explica e nós fazemos exercícios. Para além disso, o tipo de trabalhopredominanteeraotrabalhoindividualeaparticipaçãovoluntáriaeraquasesempre dascincoalunascommelhoresresultadosnadisciplina.estediagnósticolevouaprofessoraa desenvolver ações para modificar a aula de matemática considerando que as mudanças tinhamdeserconseguidasimplicandoosalunosnoprocessoemostrandoglhesasrazõesque tornavampertinenteamudança.osalunoscompreenderamquearesoluçãodeexercíciosé importante, mas queháoutrotipodetarefascommaiordesafiocognitivonecessáriaspara desenvolver as suas capacidades de raciocínio. Para tal, o trabalho colaborativo em sala de aula tornougse uma necessidade. Assim, ao mesmo tempo que foram propostas diferentes tarefaspararealizaremgrupoesediscutiramasestratégiascomtodaaturma,tambémforam negociadas as normas de sala de aula necessárias para que a turma funcionasse como comunidadematemática.foi,contudo,difícilmodificaropadrãodecomunicaçãoeincentivar os alunos a participar quer nos grupos quer nas discussões com toda a turma. Para que os alunosparticipassem nos grupos, a professora tentou otimizar a constituição dos grupos de trabalho ao longo do ano. Para promover a participação em turma foi necessário que a professora mostrasse aos seus alunos como se devia processar essa participação e lhes sublinhasse as vantagens para a aprendizagem, procurando sempre dar reforços positivos e ajudandogosarelacionardiferentesaprendizagenseconceitos. UmaoutradificuldadedosalunosprendiaGsecomajustificaçãodassuasaçõesmatemáticas. De facto, as justificações dos alunos consistiam essencialmente na explicação dos procedimentos ou no recurso a argumentos de autoridade externa, como por exemplo, a professoradissequeumsistemasefaziaassim.foipossívelconcluirque,paraamaioriados alunosamatemáticaconsistianumconjuntoderegrasaaplicaremdeterminadassituações semquehouvessenecessidadedecompreenderporquê. Alecionaçãodaunidade equaçõesde2ºgrau decorreunosegundoperíodoefoiplanificada tendo por base o diagnóstico referente ao conteúdo e aos processos de raciocínio. A professora havia já diagnosticado que os alunos apresentavam muitas dificuldades de manipulaçãoalgébrica e não aplicavam os casos notáveis lecionados no 8.º ano. Afirmavam nãohavernecessidadeemsabêglosemostravamdesinteresseemcompreendêglos,peloquea professoraresolveuinvestirnaconexãoentreoscasosnotáveiseageometria. A tarefa um retângulo especial foi planificada para promover a compreensão de um caso notável da multiplicação, diferença de quadrados. Esta tarefa pedia explicitamente para provar. Atarefa Umretânguloespecial easuaimplementação Atarefafoiaplicadanumaauladenoventaminutosemqueosalunostrabalharamemcinco gruposdetrêsaquatroelementos. A tarefa continha um diagrama que traduzia o enunciado verbal o que simplificou a sua compreensão.aexplicitaçãodasmedidasdemodogenéricopermitiuidentificaranaturezado raciocíniodosalunos,comoindutivooudedutivo,deacordocomoprocessodeexploraçãoda tarefa. 324 CláudiaDomingueseMariaHelenaMartinho

5 PráticasdeEnsinodaMatemática Figura8:Tarefapropostaaosalunos A professora agrupou os alunos de acordo com uma previsão pensada antes da aula e distribuiuoenunciadodatarefa.colocouumgravadoremcadagrupoepediuaosalunospara registaremoseutrabalhonopapel.foidefinidoumtempodetrintaminutosparatrabalho autónomo e explicou que no fim desse tempo os alunos discutiriamassuasconjeturas.o diagnósticodoníveldegeneralizaçãodecadagrupo,revelougseessencialparaposteriormente aprofessorageriradiscussãocomtodaaturma. Raciocíniomatemáticodosalunos Naanálisedotrabalhorealizadopelosdiferentesgruposfoipossívelsintetizarasestratégias seguidas da seguinte forma: particularização, manipulação algébrica sem relacionar com as áreas,cálculodasáreasparciaisdasfigurasusandomedidasgenéricasemanipulaçãomental da figura. Todas as estratégias utilizadas fizeram emergir a compreensão da situação com exceção do raciocínio de manipulação algébrica sem relação com as áreas da figura. Neste artigo apresentagse os raciocínios, seguidos por dois grupos de alunos, respeitantes à estratégiadeparticularizaçãoemanipulaçãomentaldafigura. Processo#de#generalização# A atividade matemática dos alunos iniciougse com a discussão do enunciado seguida da formulaçãodeconjeturassobrearelaçãoentreasáreasdasduasfiguras.aprimeiraintuição dosalunosfoiadeconsiderarqueasáreas,doquadradoinicialedonovoretângulo,seriam iguais.porém,quandoapresentaramosseusargumentosnogrupocomeçaramaterdúvidase sentiram a necessidade de explorar melhor a situação. Perante as dúvidas, os alunos recorreram menos à professora do que habitual e no seio do grupo exploraram a situação esclarecendoosseuspontosdevista. Osalunosdeumdosgrupos,Paulo(P),Manuel(M)eMiguel(Mi),começamporafirmarqueas áreas são iguais com base na visualização dafiguradoenunciado.posteriormente,ao traduziremasmedidasdoquadradoedoretângulodeformagenérica,manuelapercebegse queasmedidasdasfiguraspodemnãoseriguais.estaconstataçãolevagosaparticularizar. [1]M:Olhaaquidizque:estequadradovaiGsetransformarnesteretângulo.Queoque cresceaqui CláudiaDomingueseMariaHelenaMartinho 325

6 PráticasdeEnsinodaMatemática [2]P:Oqueestáamaisaquivaipassarparaolado [3] M: O que decresce aqui é o mesmo número de unidades. Podemos dizer que este bocadoqueestáaquipassaparaoladodireito,porissodáamesmaárea. ( ) [4]P:Aquivaiser vezes. [5]M:Vaiser menos vezes mais.achoquenãovaidaramesmacoisa [6]P:VaivaiManuel,porqueestamedidaédesteevaidesaparecerdaquievaificaraqui. ( ) [7]P:Olhadámedidasaisto.Esteladoé2.Daquiaquivaiser2edaquiaquivaiser1.(2G 1)x(2+1)dá3. [8]Mi:Nãoseiporquêmasachoqueestamosafazermal.(...)Maseuachoqueaquinãoé 1,porqueistonãoéverdade. Particularizaramdenovoatribuindoovalor3àmedidadoladodoquadradoe1parao valordebcomosepodevernafigura2,concluindoqueaquelasáreasnãosãoiguais. Figura2:particularizaçãodogrupodoMiguel Chamaramaprofessoraeexplicaramoraciocíniorealizadoatéaomomento: [9]M:Storanósestávamosapensarassim achamosqueestebocadinhoquetirouaquie meteuaquiéamesmaárea. [10]Prof:Ecomoéquepodemsaberseéigualounão? [11]P:Estamosadarmedidas. (mostraramoesquemadafigura2,explicandocomopensaram) [12]Prof:Entãonãoéigual?Pensemmelhor. Areaçãodosalunosfoiadereverasituaçãocomosepodelernodiálogoseguinte: [13]M:Não,masolhaestalarguraéamesmaquedaquiaqui. [14]P:Masocomprimentoaquiéquenãoéomesmo. [15]M:Poisnão,masalarguravaiseramesma. [16]Mi:Porquenósvamostirarestedaquieeraomesmoqueestedaquiaquiaofundo, porissoaestevamostirar1.achoquejáestouaperceber. [17]P:Não,vamosterquetirarestelado,tirarestequadrado. [18]M:Não,vamostirar1unidade ouoquadrado. 326 CláudiaDomingueseMariaHelenaMartinho

7 PráticasdeEnsinodaMatemática [19]P:É1porque1x1é1.Tunãosabesasmedidasdaquiaqui. [20]Mi:Eumetiaqui porquenãoseiasmedidasdaquiaqui. [21]M:Játemosaquiasmedidas,nãoépornada,aquié. vezes é" Depoisesteretânguloé vezes émelhormeternúmeros. aoquadrado. OManuelvoltaatentartrabalharcomasmedidasgenéricas,mashesitaedecideexemplificar com o caso apresentado na figura 2. Os alunos chamaram a professora para lhe dizer que aquelescálculosestavamcorretoseaprofessoradepoisdeverificaroscálculosdágseconta queovaloratribuídoabfoioutravez1. [22]Prof:Estãoconvencidos? [23]M:Sim. [24]Prof:Fixaramo como1?experimentemcomoutro.nãodevemficarpresosnum caso,porquepodedarparaumcasoenãodarparaoutro. [25]P:Agorajánãovaidar. [26]M:Vaivai. ( ) [27]M:Então6x4é24;2x4dá8.24G8?Estemaiseste32e36G4dá32.Teatcher. UhuhuhVaidaramesmacoisa.Aquimetemos6edepoisdesteladometemos2evaidar amesmacoisa:estedá36eaquié36g4é32. [28]Prof:Entãoqualéaconclusão? [29]M:Aáreaéamesmamassóquevamosterdetirarestequadrado. [30]P:Aáreadaquelequadradinho. Este grupo convenceugse da sua conjetura de a área do quadrado inicial ser igual à do retângulo tirando um quadradinho com base em alguns casos, mas não generalizaram a medidadessequadradinho. SegundoosníveisdeprovadeBalacheff,estesalunosestãononíveldeempirismo#naïf,pois elesconvenceramgsecombaseemcasosconcretos. NogrupodasalunasMaria(Ma),Rita(R),Beatriz(B)ePaula(Pa)aprimeiraintuiçãofoiade queasáreasdasduasfigurasseriamiguais.porém,odiálogoqueasalunasestabelecemno grupotemnabaseasmedidasgenéricas. [31]Ma:Áreadoquadradoéa 2.Aáreadoretângulo(aGb)(a+b) nãoficaigual. [32]B:Poisnão,adoretânguloémenor. [33]Ma:Nãopodeser,nãoficaigual. [34]Pa:Faltaestaaltura. Seguiram a estratégia de manipulação mental da figura com medidas genéricas e colocaramahipótesedeapenasreferiremqueumaémenordoqueaoutra,maspareceug lhesinsuficiente. [35]Ma:Temosquedizerqualéarelação.Aáreadoretângulo [36]R:Émenorqueaáreadoquadrado. CláudiaDomingueseMariaHelenaMartinho 327

8 PráticasdeEnsinodaMatemática [37]Pa:Ésóparadizerisso?Éparadizerqualéarelação.Evamossódizerqueémenor? Aáreadoretânguloémenordoqueaáreadoquadrado. Leramdenovooenunciadoederamcontaqueestáláapalavra provar.mostraramgse,no entanto, confusas com a introdução desta palavra. Levantaram mesmo a hipótese de necessitaremdeparticularizar. [38] R: E agora prova essa relação para qualquer quadrado... Agora é uma coisa geral. Temossecalharquepensarnoutrosquadradoseverquevaisersempreassim. [39]Ma:Podemosfazeralgunsedepoisescreverumaconjetura.Então? No entanto, não conseguem avançar sem esclarecer a dúvida sobre o que é provar. Chamaramaprofessoraqueexplicaadiferençaentreconcretizareprovar,aproveitandopara daradimensãodeexplicaçãoàprova. [40]Ma:Stora?Éparaprovarmos,comoassim?Ousubstituirosvalores? [41]Prof:Têmqueexplicareconseguirprovarquedáparatodos.Quandoagenteusa valoresestamosadizerquedáparaaquelecaso.issoéconcretizar. [42] B:Vaificarumretângulo,poisumbocadoémaispequenoqueooutro.Quando tirarmosumapartedestequadradoéumapartedeumladoigual,porissonãovaificara mesmaárea. [43]Ma:Comovamosfazer? [44]R:Sósepusermosqueaáreadoretângulonovovaiserigual:pomosestetotalmenos umapartequesevaitiraraqui.agorasepusermosesteigualaesteéporquenãovaiser igual. Asalunascontinuaramoseutrabalhocolocandodeladoaideiadeparticularizar.Noentanto, tiveram dificuldades em decidir qual a estratégia a seguir e discutiram em termos de manipulação da figura. Neste diálogo das alunas percebegse como a forma de apresentar o raciocínioenvolvedecisõesmaiscomplexasdoquepodiapareceràprimeiravista. Decidiram colocar as medidas genéricas a acompanhar os esquemas e foram interpretando essas expressões algébricas com a figura. Este processo permitiuglhes reorganizar o pensamentoeanalisaraspropriedadesdafigura.éanecessidadedemostraroseuraciocínio queasmotivaaprovar. [45]Ma:Sedesenharmosestaparteacrescentadaficaatéaquieestalarguraébeaquié btambém. [46]R:Estavaiserigualaestadaquiatéaofim. [47]Ma:Pronto.Ooutroquadradoéigualaeste,masnãoéeste[todo].Eleéatéaqui. (Mariaapontaparaoquadradonãopreenchido) éaáreadeletodo. [48]R:Aáreadestetodoéqualquercoisadestamenosaspartesquesetiram. [49]Ma:Oqueéqueacham? [50]Pa:Éumahipótese.Vamostentar. [51]Ma:Textooucálculo?CálculoExpressões.Depoispodemospôremfórmulaparase perceber. [52]B:Aáreadoretângulo 328 CláudiaDomingueseMariaHelenaMartinho

9 PráticasdeEnsinodaMatemática [53]Ma:Masaáreadoretânguloemque,seéumaregrageral,emquealargura [54]R:Aáreaoretângulofeitoapartirdoquadradoéigualàáreadoquadradoinicial menosumaporção. [55]B:Menosumaparte. [56]R:Umladodoretângulo.Depoispomosumdesenhinho.LembrasGtedoesquemaque alilianafez?podíamosfazerumesquemadessesparaaspessoasperceberemmelhor. [57]Ma:Éaconstruçãodoquadradoapartirdaspartesdoretângulo.Sim,tuaofazeres istoeporesaliestásaconstruiroquadradocomaspartesdoretângulo. [58]R:Aopôristoaquivaiserpreciso,então.Aquiestamosadizerquenãoé,masé.Ao pormosestapartedaquiparaaquivaificaratéaquievaiserprecisoisto. [59]Ma:Masestamosafazeroraciocínioaocontrário.Aáreadoretânguloapartirdo quadradoéigualàáreadoquadradoinicialmenosumapartequenãoficapreenchidase construirmosoquadradoinicialcomaspartesdoretângulo.éumaconfusão. [60]R:Maisvalianãofazerporescritoefazermosemdesenhos. ARitaformulouaconjetura[54]nãoclarificandooqueentendeporporção.Noentanto,pelo diálogopercebegsequeascolegascompreenderamosignificadoatribuídoporritaaporção. Relativamente ao desenvolvimento do raciocínio surgem ideias contrárias: por um lado queremchegaraoretânguloapartirdoquadradoe,poroutro,queremchegaraoquadradoa partir do retângulo. Esta dicotomia está patente no diálogo, em particular na fala de Maria [98].DecidementãoconstruirumdesenhoePauladáaideiadeumesquemadinâmico. [61]Pa:Eutiveumaideia.Estaparteaquiequeremospôrestapeçaaqui,fazemosuma setadaquiparaaquiedepoisfazemosumigualaestemascomestapeçapintada. Oesquemaqueasalunasfizeramestárepresentadonafigura3,partiramdeumretângulo emostraramcomosepodetransformarparaobteroquadradoinicial. Para além do esquema as alunas concluíram que a relação entre as áreas pode ser traduzidapor + = 2 2. [62]Ma:Eagoraqueconclusãopodemostirardaqui? Que ( + ) éiguala [63]R: 2 2. (Mostraramentãoàprofessora) [64] Ma: Isto foi a 1ª parte: esta parte deslocámos para aqui, a tentar construir o quadrado,efaltouumbocadinhoentãovimosque(agb)x(a+b)=a 2 Gb 2. O processo# de# generalizaçãodasalunasenvolveacompreensãogeométricaealgébricada situaçãoproposta.asalunastrabalharamsemprecomoexemplo#genérico,peloqueapenas usaramraciocíniosdenaturezadedutiva.atravésdoseuesquemadinâmico(figura3)mostram as transformações necessárias para inferir a conclusão sem qualquer recurso a exemplos particulares. AfirmaGse que o nível de prova das alunas se situa ao nível da experiência conceptual com base na apresentação da prova e na análise do processo de descoberta seguido. CláudiaDomingueseMariaHelenaMartinho 329

10 PráticasdeEnsinodaMatemática Aprofessorachamouosgruposparaexplicitaremosraciocíniosrealizados,começandopelo grupo que tinha desenvolvido um trabalho de manipulação algébrica sem significado, e de seguida por aqueles grupos que tinham feito generalizações a partir da particularização de alguns casos tal como o grupo já referido do Manuel. O grupo da Maria foi o último a comunicaràturma. Processo#de#prova# Figura3:EsboçodogrupodaMaria A fase de discussão foi muito importante para a partilha dos diferentes tipos de raciocínio. Perante o trabalho do grupo da Daniela (D), o grupo do Manuel chamou a atenção para a importânciadeprocurarmaiscasoseafirmaramorgulhososquefizerammais. [65]P:Esópusesteessesresultados? [66]D:Sefizéssemosoutrosnúmerosprovavelmente. [67]PeMi:Provavelmente?Deviasterfeito. [68]M:Nósfizemos. Aprofessoraquestionaosalunosnosentidodeexplicitaremarelaçãoparaqualquerquadrado naquelas condições. GeraGse, então, um diálogo entre a professora e os alunos onde é enfatizadaanecessidadedepassarparaocasogeral. [69]Prof:Quantodiminuiu,genericamente? [70]D:4. [71]Prof:Nessecaso4. [72]P:Depende,podediminuir2ou3ou5. [73]Prof:Sequisermosfalargenericamente.Quantodiminuiu? OAntónio,dogrupodaDaniela,respondemetade,oPauloresponde grupodamaria,responde 2. AprofessorareformulaaquestãodeformaaclarificáGla: eabeatriz,alunado [74]Prof:Nessediminuiu4,esseéumcasoconcreto.Masnoexemplogenéricoquando temosumquadradoeaumentamosocomprimento ediminuímosalargura quanto diminuiaárea? [75]B:" 2. [76]Prof:Eondeestá? [77]B:Éoquadradoqueestáporcima possoirlá. (ABeatrizfoiaoquadroeapontaparaoquadradopequenodeladob) ( ) 330 CláudiaDomingueseMariaHelenaMartinho

11 PráticasdeEnsinodaMatemática [78]Prof:Comoéquepodemosfalardetodososcasos? [79]Alunos:Comletras. [80]Prof:Porqueasletraspodemtomarqualquervalor. EraavezdogrupodaMariaexplicaroseutrabalhoecomeçouporseassegurarquetodos tinhamidentificadoosretângulosiguaisnasduasimagens(figura1)comlados e. [81]M:Comoéquesabesqueéob? [82]Prof:AchoqueoManuelnãoestáaperceberporqueéquedizesqueosretângulos sãoiguais.oqueéquevosconvenceuquesãoiguais? ( ) [83]R:Entãocresceubdecresceubeporissooquetemparaoladoéomesmo. [84]Ma:Istoé,istoé eistoaquiéoquê? ". (ApontouparaosladosdemedidaadepoisparaoladodemedidabedepoisperguntouG lhesqualseriaamedidadaalturadoretângulo) Seaquié aquié?quantoé?. Sepusermosistoaqui(girando)quantoéquevaiocupar? ( ).Eistoéquanto?É#.Pronto. O que vocês fizeram com números nós fizemos com letras. Conclusão o que podemos dizer?conclusãofinal:aáreadoretânguloéiguala 2 2. [85]Ma:Estouafazersupostamente,semedisses,mediasaquieera# emcimavaiserbtambém..ok?entãoaqui ( ) Queresqueexpliqueoutravez?Nósnãomedimos. [86]M:Pois,nãotinhasmedidas. A explicitação dos raciocínios pelos diferentes grupos evidenciou as vantagens do exemplo genéricofaceaoscasosconcretos.aconstruçãodeumargumentogeralcomtodaaturmafoi, nesta tarefa, proporcionado pelo trabalho do grupo da Maria. As alunas ao organizarem o raciocíniorelativoàsrelaçõesentreasmedidasgenéricaseasrespetivasáreas,provaram.para organizaremosraciocíniostiveramdedecidirsepartiamdoquadradoemostravamarelação das áreas ao transformargse num retângulo ou se faziam o processo inverso partindo do retângulo. O Manuel pede uma explicação particular à Maria e a professora dizglhe que pode ir explicarglhe. O Manuel volta a perguntarglhe como pode elapensarsemmedidas concretas. Comunicaçãomatemáticanaaula Ao longo de toda a aula a professora procura que o ambiente de trabalho seja desafiador. Tanto nos grupos como na discussão em grande grupo, se nota por vezes que os próprios alunosdesafiamoscolegas,nãoficamsatisfeitoscomqualquerrespostaecolocamquestões. CláudiaDomingueseMariaHelenaMartinho 331

12 PráticasdeEnsinodaMatemática A professora privilegia as discussões em pequeno grupo e incentiva a que os alunos comuniquementresi.issoestápatente,porumladonaopçãopelotrabalhoemgrupoe,por outro, na forma como interage com os grupos. Por exemplo, no diálogo com o grupo do Miguel,quandoosquestiona[10],[12],[22]ou[24]dirigeGseaogruponoseutodo, como podemsaber, pensemmelhor, estãoconvencidos? eapesardafalaanteriorsersempre deumalunoparticular,aprofessoranãosedirigeapenasaessealunomasaogrupo. A procura de estímulos para o desenvolvimento do raciocínio dos alunos é uma constante. AtenteGse na forma como a professora interage com os alunos incentivandogos à argumentação, em particular, no tipo de questões que vai colocando. Por exemplo, na apresentação e discussão em grande grupo, a professora revela cuidado com: a escolha da ordemporqueapresentam;asdúvidasedificuldades;onívelcognitivodotrabalho. Relativamenteàordem#de#apresentaçãodasconclusõesdosgrupos,aprofessoraprocuraque hajaumaevoluçãoaolongodadiscussão,chegandomesmoàconstruçãodeumasíntesecom base nas apresentações dos alunos. AsseguraGse que, de forma natural, se percorram as diferentesconstruçõesdosalunosequesejasemprepossívelacrescentarmaiselementosao que já foi trabalhado antes. Decidiu quem apresenta e por que ordem, de forma a evitar repetições. As dúvidas# e# dificuldadesreveladaspelosalunoserammotivodeatenção,por exemplo,nafala[82]. Apreocupaçãocomotipo#de#explicações#e#raciocínios,estevepatenteemmuitosmomentos daaula.porexemplo,aprofessoraaproveitaodecorrerdasapresentaçõesparafazerevoluir cognitivamenteoníveldosargumentosdosalunos.apósalgumadiscussãoemtornodoscasos particularesedasuadiversidade,aprofessoraavançaparaageneralização,patenteem[69], [74] e [76]. Explicita, recorrendo às falas dos alunos, e acrescenta aquilo que lhe parece fundamental, passando mesmo pela preocupação com a representação em [78G80]. Vai questionandoosalunosparaqueexplicitemmelhorosseusraciocínios,porexemplo,quando perguntaabeatriz ondeestá 2"[76].Procuratambémqueosraciocíniossejamclaros,como em[82].apreocupaçãocomaclarezapareceserumaconstantenasaulas,oquesemanifesta peloempenhodosalunosemsefazerementenderunsaosoutros.emparticular,aritarevela explicitamenteessapreocupação,comosepodevernafala[56]quandodiz paraaspessoas perceberem melhor, ou na fala [60]. Igualmente, Maria propõe pôr em fórmula para se perceber,nafala[51]. Conclusões As conjeturas formuladas pelos alunos trouxeram consigo o porquê das mesmas facilitando assimacompreensãomatemáticadasituação(masonet#al.,1985).dessemodofoipossível reorganizarosargumentosformuladosnoprocesso#de#generalizaçãofacilitandooprocesso#de# prova (Mariotti, 2006).# Os alunos que fizeram raciocínios dedutivos ganharam uma melhor compreensão da situação o que facilitou a construção da prova. No entanto, os alunos que validaram as suas conjeturas com casos particulares não foram capazes de chegar a um argumentogeral,maspuderamconstatarqueargumentosempíricosnãoprovam. ConfirmouGse também que o desenvolvimento da noção de prova matemática pode ser promovido através da orientação, pelo professor, da discussão coletiva após os alunos trabalharem autonomamente. Deste modo, dágseglhes oportunidade de reorganizar os argumentosproduzidosnoprocessodeconjeturaredeconvencerosoutrosdasrazõesqueos validam(masonet#al.,1985;garuti,boero&lemut,1998). OencorajamentoàintervençãoeexplicitaçãodosraciocíniosrevelouGsefundamentalparao desenvolvimentodacompreensão,talcomoapontamruthven,hofmannemercer(2011).a 332 CláudiaDomingueseMariaHelenaMartinho

13 PráticasdeEnsinodaMatemática forma como os alunos se envolvem na aula, discutem em grupo e se preocupam com a elaboraçãodeargumentosválidoseclarosparasercompreendidospeloscolegas,ajudagosa caminharparaumaaprendizagemdamatemáticapelacompreensão. Referências Alrø, H., & Skovsmose, O. (2004). Dialogic learning in collaborative investigation. Nordisk# Matematikkdidaktikk9(2):39G62. Balacheff, N. (1987). Processus de Preuve et situations de validation. Educational# Studies# In# Mathematics,18(2),pp.147G176. Balacheff, N. (1988). Aspects of proof in pupil's practice of school mathematics. In D. Pimm (Ed.), Mathematics#Teachers#and#Children#Londres(pp.216G235).London:Hodderand Stoughton. Bogdan,R.,&Biklen,S.(1994).Investigação#Qualitativa#em#Educação.Porto:PortoEditora. Cohen, L., & Manion, L. (1994). Research# Methods# in# Education. LondoneNewYork: Routledge. Domingues,C.(2011).Desenvolvimento#do#Raciocínio#Matemático:#uma#experiência#com#uma# turma#de#9.º#ano.(dissertaçãodemestrado,universidadedominho). Garuti,R.,Boero,P.,&Lemut,E.(1998).Cognitiveunityoftheoremsanddifficultyofproof. Proceedings# of# the# International# Group# for# the# Psychology# of# Mathematics# Education, PME22,Vol.2(pp.345G352).Stellenbosch,RSA. Hanna,G.(1996).TheOngoingValueofProof.Proceedings#of#the#International#Group#for#the# Psychology#of#Mathematics#Education,PME20,(pp.21G34).Valencia,Spain. Lakatos,I.(1999).Proofs#and#Refutations:#The#Logic#of#Mathematical#Discovery.UnitedStates ofamerica:bembo. Mariotti,M.A.(2006).ProofandProovinginMathematicsEducation.InA.G.(Eds),Handbook# of#research#on#the#psychology#of#mathematics#education:#paste,#present#and#future(pp. 173G204).Rotterdam:SensePublishers. Mason,J.,Burton,L.,&Stacey,K.(1985).Thinking#Mathematically.London:AddisonGWesley PublishingCompany. Polya,G.(1968).Mathematics#and#Plausible#Reasoning:#Induction#and#Analogy#in#Mathematics# (Vol.I).Princeton:UniversityPress. Ponte,J.P.(2006).Estudosdecasoemeducaçãomatemática.Bolema,#25,105G132. Ponte, J. P., Serrazina, L., Guimarães, H., Breda, A., Guimarães, F., H.Sousa, et# al. (2007). Programa#de#Matemática#do#Ensino#Básico.Lisboa:Ministériodaeducação DGIDC. Reid, D. A., & Knipping, C. (2010). Proof# in# Mathematics# Education:# Research,# Learning# and# Teaching.Netherlands:SensePublishers. Ruthven, K., Hofmann, R., & Mercer, N. (2011). In Ubuz, B. (Ed.). Proceedings# of# the# 35th# Conference#of#the#International#Group#for#the#Psychology#of#Mathematics#Education,Vol. 4(pp.81G88).Ankara,Turkey. Stylianides,A.J.,&Ball,D.L.(2008).Understandinganddescribingmathematicalknowledge for teaching: knowledge about proof for engaging students in the activity of proving. Journal#Math#Teacher#Education,11(4),307G332. CláudiaDomingueseMariaHelenaMartinho 333

14 PráticasdeEnsinodaMatemática Stylianides, G., & Stylianides, A. (2008). Proof in school mathematics: Insights from psychological research into students' ability for deductive reasoning. Mathematics# Thinking#and#Learning,10(2),103G133. Stylianides,G.,&Stylianides,A.(2009).Facilitatingthetransitionfromempiricalargumentsto proof.journal#for#research#in#mathematics#education,40(3),314g352. Tall,D.(1999).ThecognitiveDevelopmentofProof:IsMathematicalProofForAllorforSome? InZ.Usiskin(Ed.),Developments#in#School#Mathematics#Education#Around#the#World., Vol.4(pp.111G136).Reston,Virginia:NCTM. Yin,R.K.(2005).Estudo#de#caso:#planejamento#e#métodos.PortoAlegre:Bookman. 334 CláudiaDomingueseMariaHelenaMartinho

A discussão de controvérsias sócio-científicas a partir de documentários em vídeo

A discussão de controvérsias sócio-científicas a partir de documentários em vídeo A discussão de controvérsias sócio-científicas a partir de documentários em vídeo Elisabete Linhares 1 e Pedro Reis 2 1 Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Santarém, Santarém, Portugal,

Leia mais

PENSAMENTO MATEMÁTICO AVANÇADO: UM ESTUDO COM QUESTÕES DE VESTIBULAR

PENSAMENTO MATEMÁTICO AVANÇADO: UM ESTUDO COM QUESTÕES DE VESTIBULAR PENSAMENTO MATEMÁTICO AVANÇADO: UM ESTUDO COM QUESTÕES DE VESTIBULAR Laís Cristina Viel Gereti Universidade Estadual de Londrina laisvielg@hotmail.com Angela Marta Pereira das Dores Savioli Universidade

Leia mais

RELATÓRIO. Oficina de Formação

RELATÓRIO. Oficina de Formação RELATÓRIO Oficina de Formação Exploração e construção de situações de aprendizagem da matemática com programação em Scratch no pré escolar e no 1º ciclo do ensino básico Formadores: Miguel Figueiredo e

Leia mais

A APRENDIZAGEM. processo de construção pessoal e interno. traduz-se. MODIFICAÇÃO DE COMPORTAMENTO relativamente estável

A APRENDIZAGEM. processo de construção pessoal e interno. traduz-se. MODIFICAÇÃO DE COMPORTAMENTO relativamente estável A APRENDIZAGEM processo de construção pessoal e interno traduz-se MODIFICAÇÃO DE COMPORTAMENTO relativamente estável Alarcão e Tavares (1999) DESENVOLVIMENTO APRENDIZAGEM E CONHECIMENTO SÃO PROCESSOS SOCIAIS

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A PRODUÇÃO DE SIGNIFICADO NA MATEMÁTICA ESCOLAR

REFLEXÕES SOBRE A PRODUÇÃO DE SIGNIFICADO NA MATEMÁTICA ESCOLAR REFLEXÕES SOBRE A PRODUÇÃO DE SIGNIFICADO NA MATEMÁTICA ESCOLAR Patrícia Lima da Silva¹ Brunna Sordi Stock² RESUMO No segundo semestre do ano de 2009, em uma das disciplinas obrigatórias do currículo de

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO LABORAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO LABORAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO LABORAL 7ª Classe 1º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO Ficha Técnica TÍTULO: Programa de Educação Laboral - 7ª Classe EDITORA: INIDE IMPRESSÃO: GestGráfica, S.A. TIRAGEM: 2.000 exemplares

Leia mais

A NATUREZA DA TAREFA E OS DESAFIOS DA GESTÃO CURRICULAR

A NATUREZA DA TAREFA E OS DESAFIOS DA GESTÃO CURRICULAR A NATUREZA DA TAREFA E OS DESAFIOS DA GESTÃO CURRICULAR Resumo Cecília Felício e Margarida Rodrigues EB 2,3 de Luísa Todi e ESE de Lisboa cecilia.felicio@sapo.pt, margaridar@eselx.ipl.pt Propomo-nos reflectir

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD Município: Pirassununga Estado: São Paulo Turma: 440 Pólo: Fundação de Ensino de Pirassununga Tutor (a): Inez Nunes Paula

Leia mais

ATIVIDADES INVESTIGATIVAS NO ENSINO DE MATEMÁTICA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

ATIVIDADES INVESTIGATIVAS NO ENSINO DE MATEMÁTICA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA ATIVIDADES INVESTIGATIVAS NO ENSINO DE MATEMÁTICA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA GT 01 - Educação Matemática no Ensino Fundamental: Anos Iniciais e Anos Finais Maria Gorete Nascimento Brum - UNIFRA- mgnb@ibest.com.br

Leia mais

Turma: N. de alunos: Dia de aula: Hora: Sala:

Turma: N. de alunos: Dia de aula: Hora: Sala: 71 17.1. Distinguir os diversos tipos de resíduos. Manual Viva a Terra! 8, páginas 214, 215, 218, 226 e 227. Quais são os tipos de resíduos? Leitura, por um aluno, da informação contida no início da página

Leia mais

DESCOBRINDO ALTURAS POR MEIO DO TEOREMA DE TALES. GT 01 Educação Matemática no Ensino Fundamental: Anos Iniciais e Anos Finais

DESCOBRINDO ALTURAS POR MEIO DO TEOREMA DE TALES. GT 01 Educação Matemática no Ensino Fundamental: Anos Iniciais e Anos Finais DESCOBRINDO ALTURAS POR MEIO DO TEOREMA DE TALES GT 01 Educação Matemática no Ensino Fundamental: Anos Iniciais e Anos Finais Vanessa Faoro UNIJUÍ - vanefaoro@yahoo.com.br Kelly Pereira Duarte UNIJUÍ kelly_duartee@yahoo.com.br

Leia mais

PLANIFICAÇÃO POR UNIDADE TEMÁTICA MATEMÁTICA 5º ANO DISTRIBUIÇÃO ANUAL DAS UNIDADES TEMÁTICAS/ TEMPOS LETIVOS (AULAS DE 45 )

PLANIFICAÇÃO POR UNIDADE TEMÁTICA MATEMÁTICA 5º ANO DISTRIBUIÇÃO ANUAL DAS UNIDADES TEMÁTICAS/ TEMPOS LETIVOS (AULAS DE 45 ) Uma Escola de Cidadania Uma Escola de Qualidade Agrupamento de Escolas Dr. Francisco Sanches PLANIFICAÇÃO POR UNIDADE TEMÁTICA MATEMÁTICA 5º ANO DISTRIBUIÇÃO ANUAL DAS UNIDADES TEMÁTICAS/ TEMPOS LETIVOS

Leia mais

AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES

AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES ESCOLA BÁSICA LUÍS DE STTAU MONTEIRO - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº1 DE LOURES AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES DOMÍNIOS / CRITÉRIOS 2º Ciclo DISCIPLINA COGNITIVO / OPERATIVO E INSTRUMENTAL CONHECIMENTOS

Leia mais

MATEMÁTICA, RACIOCÍNIO LÓGICO E PROCESSOS DE PROVA

MATEMÁTICA, RACIOCÍNIO LÓGICO E PROCESSOS DE PROVA MATEMÁTICA, RACIOCÍNIO LÓGICO E PROCESSOS DE PROVA Aline dos Reis Matheus 1 (alinerm@ime.usp.br) Cláudia Cueva Candido 2 (cueva@ime.usp.br) Resumo: O desenvolvimento do raciocínio lógico é usualmente associado

Leia mais

ESTATÍSTICA BÁSICA NO CURSO DE TÉCNICO INTEGRADO DE SEGURANÇA DO TRABALHO

ESTATÍSTICA BÁSICA NO CURSO DE TÉCNICO INTEGRADO DE SEGURANÇA DO TRABALHO ESTATÍSTICA BÁSICA NO CURSO DE TÉCNICO INTEGRADO DE SEGURANÇA DO TRABALHO Fabíola Nascimento dos Santos Paes Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco fabiola.paes@gmail.com Dorghisllany

Leia mais

A MAGIA DA MATEMÁTICA

A MAGIA DA MATEMÁTICA A MAGIA DA MATEMÁTICA Helena Rocha, Isabel Oitavem Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Nova de Lisboa hcr@fct.unl.pt, oitavem@fct.unl.pt Introdução Todos os professores se preocupam com as

Leia mais

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA LYSNE NÔZENIR DE LIMA LIRA, 1 HSTÉFFANY PEREIRA MUNIZ 2 1. Introdução Este trabalho foi criado a partir da experiência

Leia mais

APRENDER MATEMÁTICA EM AMBIENTES ONLINE

APRENDER MATEMÁTICA EM AMBIENTES ONLINE APRENDER MATEMÁTICA EM AMBIENTES ONLINE Carlos Morais, CIFPEC - Universidade do Minho, ESE - Instituto Politécnico de Bragança, Portugal. Rosa Pereira, Agrupamento de Escolas de Alfena, Portugal. Luísa

Leia mais

AERT CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ-ESCOLAR

AERT CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ-ESCOLAR AERT CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ-ESCOLAR (De acordo com a Circular nº. 4 /DGIDC/DSDC/2011) Disposições Gerais As principais orientações normativas relativas à avaliação na Educação Pré-Escolar

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE CONSERVATÓRIO REGIONAL DE GAIA Ano Letivo 2013 2014 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE Regulamento Artigo 1.º Âmbito 1. O presente Regulamento de Avaliação de Desempenho aplica-se a todos os docentes com

Leia mais

Linhas Orientadoras de Cidadania do Agrupamento de Escolas Engenheiro Fernando Pinto de Oliveira 2014/15

Linhas Orientadoras de Cidadania do Agrupamento de Escolas Engenheiro Fernando Pinto de Oliveira 2014/15 Agrupamento de Escolas Eng. Fernando Pinto de Oliveira Linhas Orientadoras de Cidadania do Agrupamento de Escolas Engenheiro Fernando Pinto de Oliveira 2014/15 A prática da cidadania constitui um processo

Leia mais

Centro de Formação de Associação de Escolas de. Paços de Ferreira, Paredes e Penafiel. Acção de Formação

Centro de Formação de Associação de Escolas de. Paços de Ferreira, Paredes e Penafiel. Acção de Formação Centro de Formação de Associação de Escolas de Paços de Ferreira, Paredes e Penafiel Acção de Formação Geogebra - Uma visita aos programas de Matemática dos 2º e 3º Ciclos Relatório final Pedro José Marques

Leia mais

Centro de Estudos em Avaliação Educacional/UFRJ

Centro de Estudos em Avaliação Educacional/UFRJ CURRÍCULO: CONCEITOS BÁSICOS Centro de Estudos em Avaliação Educacional/UFRJ O termo currículo é encontrado em registros do século XVII, sempre relacionado a um projeto de controle do ensino e da aprendizagem,

Leia mais

Nossa Aula de cada Dia! 1

Nossa Aula de cada Dia! 1 Nossa Aula de cada Dia! 1 O titulo é sugestivo e enseja um olhar bastante critico para a utilização consciente e correta para atingir os objetivos propostos nos pilares e princípios contidos na atual LDB

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR AGOSTINHO DA SILVA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO GRUPO DISCIPLINAR/CICLO: LÍNGUA PORTUGUESA/CEF 3º CICLO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR AGOSTINHO DA SILVA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO GRUPO DISCIPLINAR/CICLO: LÍNGUA PORTUGUESA/CEF 3º CICLO DOMÍNIO DOMÍNIO COGNITIVO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR AGOSTINHO DA SILVA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO GRUPO DISCIPLINAR/CICLO: LÍNGUA PORTUGUESA/CEF 3º CICLO DOMÍNIOS / INDICADORES DE DOMÍNIO INSTRUMENTOS

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CURSO VOCACIONAL 3º CICLO AMGE - Auxiliar de Manutenção e Gestão de Espaços CRITÉRIOS DE Ano Lectivo 2014/15 Coordenador do Curso: José Pedro Moutinho Critérios de Avaliação (14-15) VOCACIONAL C AMGE -

Leia mais

OFICINA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM EMPREENDEDORISMO

OFICINA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM EMPREENDEDORISMO OFICINA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM EMPREENDEDORISMO Modalidade: Oficina de Formação Registo de Acreditação: CCPFC/ACC-79411/14 Duração: 25 horas presenciais + 25 horas não presenciais Destinatários:

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares OFERTA COMPLEMENTAR 1º e 2º anos de escolaridade Ano letivo 2015/2016 l -Introdução No presente ano letivo a Oferta Complementar

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ- ESCOLAR

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ- ESCOLAR CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ- ESCOLAR ANO LETIVO 2013/2014 Departamento do Pré- Escolar 2013/2014 Page 1 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Introdução A avaliação em educação é um elemento integrante

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ABEL SALAZAR 2015-2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ABEL SALAZAR 2015-2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ABEL SALAZAR 2015-2016 1º CICLO - 2º ANO DE ESCOLARIDADE PORTUGUÊS PLANIFICAÇÃO MENSAL DE JANEIRO DOMÍNIOS METAS/OBJETIVOS OPERACIONALIZAÇÃO (DESCRITORES) MATERIAIS/ RECURSOS ORALIDADE

Leia mais

SEQUÊNCIAS E EXPRESSÕES ALGÉBRICAS APRENDIZAGEM DA RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES A PARTIR DE IGUALDADES NUMÉRICAS

SEQUÊNCIAS E EXPRESSÕES ALGÉBRICAS APRENDIZAGEM DA RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES A PARTIR DE IGUALDADES NUMÉRICAS Projecto IMLNA Promover a Aprendizagem Matemática em Números e Álgebra SEQUÊNCIAS E EXPRESSÕES ALGÉBRICAS APRENDIZAGEM DA RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES A PARTIR DE IGUALDADES NUMÉRICAS Tarefas para o 7.º ano de

Leia mais

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente regulamento de avaliação de desempenho aplica-se a todos os docentes que se encontrem integrados na carreira. 2 - A avaliação

Leia mais

AULA. Natércia do Céu Andrade Pesqueira Menezes UNIVERSIDADE PORTUCALENSE. npmeneses@gmail.com. Doutora Sónia Rolland Sobral

AULA. Natércia do Céu Andrade Pesqueira Menezes UNIVERSIDADE PORTUCALENSE. npmeneses@gmail.com. Doutora Sónia Rolland Sobral MOTIVAÇÃO DE ALUNOS COM E SEM UTILIZAÇÃO DAS TIC EM SALA DE AULA Natércia do Céu Andrade Pesqueira Menezes UNIVERSIDADE PORTUCALENSE npmeneses@gmail.com Doutora Sónia Rolland Sobral UNIVERSIDADE PORTUCALENSE

Leia mais

DISCIPLINA: Vivência na Prática Educativa VI PROFESSORA: Ermelinda Nóbrega de M. Melo COMO ELABORAR UM PLANO DE AULA

DISCIPLINA: Vivência na Prática Educativa VI PROFESSORA: Ermelinda Nóbrega de M. Melo COMO ELABORAR UM PLANO DE AULA COMO ELABORAR UM PLANO DE AULA PLANO DE AULA É... Um guia e tem a função de orientar a prática do professor, partindo da própria prática e, portanto, não pode ser um documento rígido e absoluto. Ele é

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Substrutura de EDUCAÇÃO FÍSICA- 2ºciclo Desempenho Motor: desempenho técnico-tático evidenciado nas Unidades Didáticas selecionadas para cada período, progressão na aprendizagem; autonomia; estratégia

Leia mais

Provas Matemáticas no Ensino Médio: um estudo de caso.

Provas Matemáticas no Ensino Médio: um estudo de caso. Provas Matemáticas no Ensino Médio: um estudo de caso. Ednaldo José Leandro 1 GD3 Educação Matemática no Ensino Médio Resumo do trabalho. O presente trabalho refere-se à pesquisa de Dissertação de Mestrado,

Leia mais

POTENCIALIDADES E LIMITAÇÕES DE DISCUSSÕES DE CONTROVÉRSIAS SOCIOCIENTÍFICAS COM RECURSO À PLATAFORMA MOODLE PARA A PROMOÇÃO DA ARGUMENTAÇÃO

POTENCIALIDADES E LIMITAÇÕES DE DISCUSSÕES DE CONTROVÉRSIAS SOCIOCIENTÍFICAS COM RECURSO À PLATAFORMA MOODLE PARA A PROMOÇÃO DA ARGUMENTAÇÃO POTENCIALIDADES E LIMITAÇÕES DE DISCUSSÕES DE CONTROVÉRSIAS SOCIOCIENTÍFICAS COM RECURSO À PLATAFORMA MOODLE PARA A PROMOÇÃO DA ARGUMENTAÇÃO José Fanica Agrupamento de escolas de Romeu Correia joseffanica@hotmail.com

Leia mais

O Significado do Sinal de Igualdade na Jornada pelos Três Mundos da Matemática

O Significado do Sinal de Igualdade na Jornada pelos Três Mundos da Matemática O Significado do Sinal de Igualdade na Jornada pelos Três Mundos da Matemática Josias Nogueira Badaró 1 Rosana Nogueira de Lima 2 Programa de Estudos Pós- Graduados em Educação Matemática Universidade

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Departamento de Línguas Grupos: 220; 300; 320; 330; 350 ESCOLA BÁSICA DO 2º CICLO DE PINHEL Critérios de Avaliação de Língua Portuguesa- 2º Ciclo O R A L I D A D E Componente Cognitiva

Leia mais

A LITERATURA INFANTIL PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES

A LITERATURA INFANTIL PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES A LITERATURA INFANTIL PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES Mércia Rodrigues Gonçalves Pinheiro, UESB RESUMO O presente trabalho foi articulado através de pesquisa de campo, utilizando observação direta e entrevista

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º Ciclo 2015/16

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º Ciclo 2015/16 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º Ciclo 2015/16 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º CICLO Quadro de síntese 3º Ciclo Domínios da Avaliação 0 Saber 70% Português 0 Saber Fazer 20% "0 Ser / Saber Ser" " O Saber 75% Inglês

Leia mais

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO EFECTIVIDADE DA AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS PROJECTO ESSE Orientações para as visitas às escolas 1 Introdução As visitas às escolas realizadas segundo o modelo

Leia mais

INVESTIGANDO O DESEMPENHO DE JOVENS E ADULTOS NA CONSTRUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE GRÁFICOS

INVESTIGANDO O DESEMPENHO DE JOVENS E ADULTOS NA CONSTRUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE GRÁFICOS INVESTIGANDO O DESEMPENHO DE JOVENS E ADULTOS NA CONSTRUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE GRÁFICOS Izauriana Borges Lima 1 Universidade Federal de Pernambuco dainha.borges@hotmail.com Ana Coêlho Vieira Selva 2 Universidade

Leia mais

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 2º Momento

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 2º Momento 4.1.8. Orientação específica de codificação: Entrevista a educadoras de infância (2º momento) (2001) GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA 2º Momento I. Questões sobre a modalidade de prática pedagógica

Leia mais

Anexo VI Transcrição da entrevista realizada à equipa técnicopedagógica

Anexo VI Transcrição da entrevista realizada à equipa técnicopedagógica Anexo VI Transcrição da entrevista realizada à equipa técnicopedagógica do CNOGE (Grupo2) Entrevistados: Entrevista Grupo 2 E6 Formadora de Linguagem e Comunicação e de Cidadania e Empregabilidade E7 Formadora

Leia mais

TRABALHO LABORATORIAL NO ENSINO DAS CIÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE AS PRÁTICAS DE FUTUROS PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA

TRABALHO LABORATORIAL NO ENSINO DAS CIÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE AS PRÁTICAS DE FUTUROS PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA TRABALHO LABORATORIAL NO ENSINO DAS CIÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE AS PRÁTICAS DE FUTUROS PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA DOURADO, LUÍS Instituto de Educação e Psicologia, Universidade do Minho. Palavras

Leia mais

Critérios de Avaliação. Departamento Educação Pré-Escolar

Critérios de Avaliação. Departamento Educação Pré-Escolar Critérios de Avaliação Departamento Educação Pré-Escolar 2015/2016 Critérios de Avaliação As principais diretrizes normativas referentes à avaliação na Educação Pré-Escolar estão consagradas no Despacho

Leia mais

PLANIFICAÇÃO POR UNIDADE TEMÁTICA MATEMÁTICA 6.º ANO 2015/2016

PLANIFICAÇÃO POR UNIDADE TEMÁTICA MATEMÁTICA 6.º ANO 2015/2016 Uma Escola de Cidadania Uma Escola de Qualidade Agrupamento de Escolas Dr. Francisco Sanches PLANIFICAÇÃO POR UNIDADE TEMÁTICA MATEMÁTICA 6.º ANO 2015/2016 Tema 1: Números naturais. Potências de expoente

Leia mais

Whatsquestions Tire dúvidas online

Whatsquestions Tire dúvidas online Whatsquestions Tire dúvidas online Caio Souza Costa 1,Allison Silva 2, João Souza 3, Antônio Souza Magalhães 4, Cynara Carvalho Souza 5 Departamento de Computação Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas Serra da Gardunha - Fundão Ano Lectivo 2010/2011 Ensino Básico A avaliação escolar tem como finalidade essencial informar o aluno, o encarregado de educação e o próprio professor,

Leia mais

UMA ANÁLISE DO USO DE TECNOLOGIAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA NO ENSINO BÁSICO

UMA ANÁLISE DO USO DE TECNOLOGIAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA NO ENSINO BÁSICO UMA ANÁLISE DO USO DE TECNOLOGIAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA NO ENSINO BÁSICO Bernardete Maria Andreazza Gregio Universidade Federal do Mato Grosso do Sul bernardetegregio@gmail.com

Leia mais

Lógicas de Supervisão Pedagógica em Contexto de Avaliação de Desempenho Docente. ENTREVISTA - Professor Avaliado - E 5

Lógicas de Supervisão Pedagógica em Contexto de Avaliação de Desempenho Docente. ENTREVISTA - Professor Avaliado - E 5 Sexo Idade Grupo de Anos de Escola docência serviço Feminino 46 Filosofia 22 Distrito do Porto A professora, da disciplina de Filosofia, disponibilizou-se para conversar comigo sobre o processo de avaliação

Leia mais

ASPECTOS DIDÁCTICOS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS

ASPECTOS DIDÁCTICOS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS ASPECTOS DIDÁCTICOS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Paulo Carvalho, IEC Universidade do Minho, paulojfrcarvalho@net.sapo.pt Dores Ferreira, IEC Universidade do Minho, doresferreira@iec.uminho.pt Ema Mamede,

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIACÃO

CRITÉRIOS DE AVALIACÃO CRITÉRIOS DE AVALIACÃO Educação Visual 5º Ano Educação Visual 6º Ano Educação Tecnológica 5º Ano Educação Tecnológica 6º Ano ANO ESCOLAR 2015 / 2016 Ano letivo de 2015 / 2016 INTRODUÇÃO Sendo a avaliação

Leia mais

Puzzle de Investigação

Puzzle de Investigação Atividades: Puzzle de Investigação Nivel de ensino: 9º, 10º, 11º e 12º Duração: 30 min de preparação + 30 minutos de atividade Objetivos: Figura 1- Esquema acerca do processo de investigação Compreender

Leia mais

Planificação. Alexandra Baldaque

Planificação. Alexandra Baldaque Planificação Alexandra Baldaque Sumário Modelos de planificação Razões para planificar Fases da planificação Períodos de planificação Instrumentos de planificação Planificação A planificação passa pela

Leia mais

Contexto. Rosana Jorge Monteiro Magni

Contexto. Rosana Jorge Monteiro Magni Título MUDANÇAS DE CONCEPÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE GEOMETRIA EM UM CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA PROFESSORES DE MATEMÁTICA DA EDUCAÇÃO BÁSICA Doutoranda da Universidade Anhangura/ Uniban

Leia mais

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 Claudemir Monteiro Lima Secretária de Educação do Estado de São Paulo claudemirmonteiro@terra.com.br João

Leia mais

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância 1 Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância Mariana Atanásio, Nº 2036909. Universidade da Madeira, Centro de Competência das Ciências Sociais, Departamento

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 GESTÃO DA APRENDIZAGEM ESCOLAR EM MATEMÁTICA RELATO DE EXPERIÊNCIA NO PROGRAMA GESTAR II Sidnei Luís da Silva Escola Municipal Vereador Benedito Batista Congatem - MG sidneiluisdasilva@yahoo.com.br Camila

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 4 DE ÉVORA. Critérios específicos de avaliação História

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 4 DE ÉVORA. Critérios específicos de avaliação História Critérios específicos de avaliação História Ponto 1 : Informações gerais Os elementos de avaliação serão classificados de forma qualitativa, de acordo com a terminologia que a seguir se indica. A classificação

Leia mais

Resolução de Tarefas com Padrões em Contextos Figurativos: exemplos de sala de aula

Resolução de Tarefas com Padrões em Contextos Figurativos: exemplos de sala de aula Resolução de Tarefas com Padrões em Contextos Figurativos: exemplos de sala de aula Isabel Vale Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Viana do Castelo, Portugal isabel.vale@ese.ipvc.pt

Leia mais

Explorações de alunos

Explorações de alunos A partir dos exemplos sugeridos e explorados pelos alunos pretende-se que possam conjecturar que, dadas duas funções reais de variável real f e g, o domínio da função quociente pode ser dado por: f f g

Leia mais

O CIRCO (RE)CRIADO POR CRIANÇAS DA 2ª SÉRIE

O CIRCO (RE)CRIADO POR CRIANÇAS DA 2ª SÉRIE O CIRCO (RE)CRIADO POR CRIANÇAS DA 2ª SÉRIE VANESSA CRISTINA SCARINGI (UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA ). Resumo O tema central deste projeto diz respeito a inserção e interação de um aluno circense numa

Leia mais

DE PAR EM PAR NA U. PORTO

DE PAR EM PAR NA U. PORTO J. P. Pêgo et al. 1 DE PAR EM PAR NA U. PORTO Um programa multidisciplinar de observação de aulas em parceria 1 João Pedro Pêgo, 1 José Manuel Martins Ferreira, 2 Amélia Lopes, 2 Ana Mouraz 1 Universidade

Leia mais

Desde 1995, tem sido desenvolvido no Centro Municipal de Juventude, um espaço no âmbito da dança contemporânea, através da ESCOLA DE DANÇA.

Desde 1995, tem sido desenvolvido no Centro Municipal de Juventude, um espaço no âmbito da dança contemporânea, através da ESCOLA DE DANÇA. Desde 1995, tem sido desenvolvido no Centro Municipal de Juventude, um espaço no âmbito da dança contemporânea, através da ESCOLA DE DANÇA. Destinando a formação a alunos de todas as idades, o ensino da

Leia mais

Mestre Profissional em Ensino de Matemática pela PUC-SP; emaildaraquel@uol.com.br 2

Mestre Profissional em Ensino de Matemática pela PUC-SP; emaildaraquel@uol.com.br 2 Estudo da reta em geometria analítica: uma proposta de atividades para o Ensino Médio a partir de conversões de registros de representação semiótica com o uso do software GeoGebra Raquel Santos Silva 1

Leia mais

Conceções de professores de Matemática sobre a prova matemática

Conceções de professores de Matemática sobre a prova matemática Floriano Viseu CIEd-IE, Universidade do Minho Portugal fviseu@ie.uminho.pt Alexandra Gomes CIEC-IE, Universidade do Minho Portugal magomes@ie.uminho.pt Luís Menezes CI&DETS do Instituto Politécnico de

Leia mais

1.º Ciclo do Ensino Básico Critérios de Avaliação

1.º Ciclo do Ensino Básico Critérios de Avaliação 1.º Ciclo do Ensino Básico Critérios de Avaliação PORTUGUÊS Domínios em Domínios/Competências Fatores de ponderação Instrumentos de Domínio Cognitivo Compreensão oral 20% Registos e grelhas de observação

Leia mais

Educação Infantil - Ensino Fundamental - Ensino Médio. Atividade: Reflexão sobre Bullying e Uso consciente da internet

Educação Infantil - Ensino Fundamental - Ensino Médio. Atividade: Reflexão sobre Bullying e Uso consciente da internet Educação Infantil - Ensino Fundamental - Ensino Médio Atividade: Reflexão sobre Bullying e Uso consciente da internet Público: Sétimos anos Data: 25/5/2012 Proposta: Sensibilizar e esclarecer os alunos

Leia mais

Avaliação De Desempenho de Educadores e de Professores Princípios orientadores

Avaliação De Desempenho de Educadores e de Professores Princípios orientadores Avaliação De Desempenho de Educadores e de Professores Princípios orientadores O Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário, recentemente aprovado,

Leia mais

Rotas da Leitura. Biblioteca Municipal de Beja. Cristina Taquelim. Introdução

Rotas da Leitura. Biblioteca Municipal de Beja. Cristina Taquelim. Introdução Rotas da Leitura Biblioteca Municipal de Beja Cristina Taquelim Introdução A promoção da leitura nas bibliotecas portuguesas públicas sofreu nos últimos anos uma forte expansão e alberga hoje um conjunto

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES E ENSINO DE MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA EM GRUPO

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES E ENSINO DE MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA EM GRUPO FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES E ENSINO DE MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA EM GRUPO MONIKE CRISTINA SILVA BERTUCCI Universidade Federal de São Carlos mobertucci@yahoo.com.br RESUMO Este artigo relata uma

Leia mais

Inquérito aos Alunos que frequentaram o AEGE

Inquérito aos Alunos que frequentaram o AEGE Inquérito aos Alunos que frequentaram o AEGE Inquérito em outubro de 2015 Índice I- INTRODUÇÃO... 3 II- OUTROS ESTUDOS EFETUADOS ANTERIORMENTE... 3 III- OBJETIVOS... 4 IV- METODOLOGIA... 4 V- ANÁLISE DOS

Leia mais

PROGRESSÕES GEOMÉTRICAS E O ESTUDO DA MATEMÁTICA FINANCEIRA

PROGRESSÕES GEOMÉTRICAS E O ESTUDO DA MATEMÁTICA FINANCEIRA 205, NÚMERO, VOLUME 3 ISSN 239-023X PROGRESSÕES GEOMÉTRICAS E O ESTUDO DA MATEMÁTICA FINANCEIRA Márcio Lúcio Rodrigues E. E. Professor Pascoal Grecco e Colégio Lantagi COC Vitor

Leia mais

Entrevistas clínicas para estudar a flexibilidade no cálculo numérico

Entrevistas clínicas para estudar a flexibilidade no cálculo numérico Entrevistas clínicas para estudar a flexibilidade no cálculo numérico Joana Brocardo Fátima Mendes Catarina Delgado Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal Introdução No âmbito

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PEDROUÇOS. Planificação de Português

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PEDROUÇOS. Planificação de Português AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PEDROUÇOS Escola Básica 2/3 de Pedrouços Planificação de Português 7. 7ºano de escolaridade Ano letivo 2012/2013 Expressão oral Compreensão oral 1. o Período (+-64 aulas ) ))))))))646464+66666646

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR MANUAL DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA EM GEOGRAFIA

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR MANUAL DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA EM GEOGRAFIA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E SOCIEDADE CURSO DE LICENCIATURA EM GEOGRAFIA MANUAL DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA EM GEOGRAFIA Nova

Leia mais

Avaliação para a Aprendizagem e Alunos com Necessidades Educativas Especiais

Avaliação para a Aprendizagem e Alunos com Necessidades Educativas Especiais PROCESSO DE AVALIAÇÃO EM CONTEXTOS INCLUSIVOS PT Avaliação para a Aprendizagem e Alunos com Necessidades Educativas Especiais O objectivo deste artigo é disponibilizar uma síntese das questões-chave que

Leia mais

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA INICIANDO A CONVERSA APROFUNDANDO O TEMA Por que ensinar gêneros textuais na escola? Registro

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu Mestrado Profissional em Ensino de Ciências Campus Nilópolis Ana Paula Inacio Diório AS MÍDIAS

Leia mais

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL E O ESPAÇO DE INTERVENÇÃO DOS PROFESSORES SEGUNDO OS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL E O ESPAÇO DE INTERVENÇÃO DOS PROFESSORES SEGUNDO OS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS A EDUCAÇÃO AMBIENTAL E O ESPAÇO DE INTERVENÇÃO DOS PROFESSORES SEGUNDO OS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS INVERNIZZI, Mara Cristina C.(UNIMEP) CARNEIRO TOMAZELLO, Maria Guiomar (UNIMEP) Introdução O

Leia mais

Language descriptors in Portuguese Portuguese listening - Descritores para a Compreensão do Oral em História e Matemática

Language descriptors in Portuguese Portuguese listening - Descritores para a Compreensão do Oral em História e Matemática Language descriptors in Portuguese Portuguese listening - Descritores para a Compreensão do Oral em História e Matemática Compreender informação factual e explicações Compreender instruções e orientações

Leia mais

Oficina - Álgebra 1. Oficina de CNI EM / Álgebra 1 Material do Monitor. Setor de Educação de Jovens e Adultos. Caro monitor,

Oficina - Álgebra 1. Oficina de CNI EM / Álgebra 1 Material do Monitor. Setor de Educação de Jovens e Adultos. Caro monitor, Oficina - Álgebra 1 Caro monitor, As situações de aprendizagem apresentadas nessa atividade têm como objetivo desenvolver o raciocínio algébrico, e assim, proporcionar que o educando realize a representação

Leia mais

COMO ALUNOS DO 9.º ANO APRENDEM, COM RECURSO À TECNOLOGIA, O TEMA ÂNGULOS NUMA CIRCUNFERÊNCIA

COMO ALUNOS DO 9.º ANO APRENDEM, COM RECURSO À TECNOLOGIA, O TEMA ÂNGULOS NUMA CIRCUNFERÊNCIA COMO ALUNOS DO 9.º ANO APRENDEM, COM RECURSO À TECNOLOGIA, O TEMA ÂNGULOS NUMA CIRCUNFERÊNCIA Floriano Viseu Universidade do Minho fviseu@iep.uminho.pt Daniela Nogueira Escola Secundária Padre Benjamim

Leia mais

Conteúdo. Como ler artigos científicos... 2

Conteúdo. Como ler artigos científicos... 2 Comol era r t i gos c i ent íc os Conteúdo Como ler artigos científicos... 2 Dicas de como ler o artigo... 4 Guia de como ler um artigo:... 5 Atividade 1... 7 Etapa 1... 7 Etapa 2... 8 Etapa 3... 8 Etapa

Leia mais

INVESTIGANDO A VAZÃO MÁXIMA SUPORTADA POR UMA CALHA COM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO

INVESTIGANDO A VAZÃO MÁXIMA SUPORTADA POR UMA CALHA COM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO ISSN 2316-7785 INVESTIGANDO A VAZÃO MÁXIMA SUPORTADA POR UMA CALHA COM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO Edmilson Ferreira Pereira Junior Universidade Federal do Recôncavo da Bahia edmascarenhas@hotmail.com Alielton

Leia mais

Compreensão/Expressão oral

Compreensão/Expressão oral ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL 3º C.E.B DISCIPLINA: Português ANO: 7º ANO : 2011/2012 SEQUÊNCIA 1 COMPETÊNCIAS/ Compreensão/Expressão oral Dispor-se a escutar. LEITURA

Leia mais

O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL Telma Maria Pereira dos Santos Graduada em Pedagogia pela Universidade do Estado da Bahia UNEB e Pós-graduada em Educação

Leia mais

PRINCIPAIS DIFICULDADES E ERROS COMETIDOS POR ALUNOS UNIVERSITÁRIOS NA INTERPRETAÇÃO E ANÁLISE DE CONCEITOS DE ESTATÍSTICA BÁSICA

PRINCIPAIS DIFICULDADES E ERROS COMETIDOS POR ALUNOS UNIVERSITÁRIOS NA INTERPRETAÇÃO E ANÁLISE DE CONCEITOS DE ESTATÍSTICA BÁSICA PRINCIPAIS DIFICULDADES E ERROS COMETIDOS POR ALUNOS UNIVERSITÁRIOS NA INTERPRETAÇÃO E ANÁLISE DE CONCEITOS DE ESTATÍSTICA BÁSICA Arno Bayer bayer@ulbra.br Universidade Luterana do Brasil, Brasil Simone

Leia mais

PSICOPEDAGOGO: QUAL É A SUA FUNÇÃO?

PSICOPEDAGOGO: QUAL É A SUA FUNÇÃO? PSICOPEDAGOGO: QUAL É A SUA FUNÇÃO? Élida Mara de Jesus Dias (PUC-SP) Resumo Este artigo tem como objetivo analisar a atuação do psicopedagogo frente às dificuldades no processo ensino-aprendizagem na

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria 2015l2017 ÍNDICE ÍNDICE: INTRODUÇÃO... 3 ÁREAS DE AÇÃO DE MELHORIA.... 4 PLANOS DE AÇÃO DE MELHORIA.. 5 CONCLUSÃO...

Leia mais

Raciocinar em Matemática Significado e importância

Raciocinar em Matemática Significado e importância Significado e importância Programa de Formação Contínua em Matemática para professores dos 1º. e 2º. ciclos do Ensino Básico da Escola Superior de Educação de Setúbal, 2010/2011 Raciocínio matemático:

Leia mais

Plano de melhoria do sucesso escolar

Plano de melhoria do sucesso escolar Abrantes, novembro de 2012 Escola Secundária Dr. Solano de Abreu Plano de melhoria do sucesso escolar Ano letivo 2012/2013 PLANO DE MELHORIA DO SUCESSO ESCOLAR 2012/2013 Introdução O plano de melhoria

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO PPP COMO OPORTUNIDADE PARA O ENSINO DE ESTATÍSTICA

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO PPP COMO OPORTUNIDADE PARA O ENSINO DE ESTATÍSTICA Encontro Nacional de Educação Matemática A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO PPP COMO OPORTUNIDADE PARA O ENSINO DE ESTATÍSTICA Thiarla avier Dal-Cin Zanon Prefeitura Municipal de Castelo/ES Universidade

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. Departamento de Expressões Educação Especial

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. Departamento de Expressões Educação Especial CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Departamento de Expressões Educação Especial INTRODUÇÃO A Educação Especial, através dos Docentes de Educação Especial (DEE), intervêm na realidade escolar, realizando ações diversificadas

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE MAQUETES COMO ESTRATÉGIA DE ENSINO- APRENDIZAGEM: CONTRIBUIÇÕES PARA FORMAÇÃO INICIAL DE PEDAGOGOS

CONSTRUÇÃO DE MAQUETES COMO ESTRATÉGIA DE ENSINO- APRENDIZAGEM: CONTRIBUIÇÕES PARA FORMAÇÃO INICIAL DE PEDAGOGOS CONSTRUÇÃO DE MAQUETES COMO ESTRATÉGIA DE ENSINO- APRENDIZAGEM: CONTRIBUIÇÕES PARA FORMAÇÃO INICIAL DE PEDAGOGOS Autor: Claudio Wagner Locatelli Mestrando do Programa de Ensino, História e Filosofia das

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO PIBID BIOLOGIA NO PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM DE ALUNOS DE UMA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: RELATO DE EXPERIÊNCIA

CONTRIBUIÇÕES DO PIBID BIOLOGIA NO PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM DE ALUNOS DE UMA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: RELATO DE EXPERIÊNCIA CONTRIBUIÇÕES DO PIBID BIOLOGIA NO PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM DE ALUNOS DE UMA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: RELATO DE EXPERIÊNCIA José Carlos da Silva Souza (1), Kélvia Vieira dos Santos (2), Maria

Leia mais

b : nas representações gráficas de funções do tipo

b : nas representações gráficas de funções do tipo do as suas escolhas a partir daí. Nesta situação, tendem a identificar as assímptotas verticais, as assímptotas horizontais e a associar as representações analítica e gráfica que têm estas características

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA SEGUNDO A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA CRÍTICA. PÚBLICO ALVO: professores de Matemática dos ensinos Fundamental, Médio ou Superior.

MODELAGEM MATEMÁTICA SEGUNDO A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA CRÍTICA. PÚBLICO ALVO: professores de Matemática dos ensinos Fundamental, Médio ou Superior. MODELAGEM MATEMÁTICA SEGUNDO A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA CRÍTICA Jussara de Loiola Araújo Universidade Federal de Minas Gerais jussara@mat.ufmg.br PÚBLICO ALVO: professores de Matemática dos ensinos Fundamental,

Leia mais