A aplicação do Registro Geral de Imóveis: alguns objetivos e hipóteses de uma pesquisa em andamento. Pedro Parga Rodrigues *

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A aplicação do Registro Geral de Imóveis: alguns objetivos e hipóteses de uma pesquisa em andamento. Pedro Parga Rodrigues *"

Transcrição

1 A aplicação do Registro Geral de Imóveis: alguns objetivos e hipóteses de uma pesquisa em andamento. Pedro Parga Rodrigues * RESUMO: Trata-se da apresentação do tema da pesquisa que estou desenvolvendo no curso de doutorado, qual seja, os debates sobre a ideia de propriedade ocorridos entre frações da classe senhorial durante a construção, aplicação e a interpretação da Lei Hipotecária de 1864 número A referida norma criava o Registro Geral de Imóveis (RGI), no qual deveriam ser transcritos os contratos de transferência dominiais para que eles passassem a valer contra terceiros. O acordo estabelecido entre o comprador e o vendedor servia apenas para provar a existência da negociação, pendendo ainda de sua transcrição no RGI para a transferência dominial se concretizar. Mas, segundo a Lei 1.237, o registro não servia de prova de propriedade para o adquirente, mantendo o domínio salvo para o seu real dono. A elaboração, aplicação e a interpretação desses dispositivos foram ricas em debates sobre a propriedade. PALAVRAS-CHAVE: Propriedade; Brasil Império; Lei Hipotecária de ABSTRACT: It is about my grad research s subject. I'm studying the discusses about property that was happening at same time different groups of the slaveholder class were creating, reading and using Brazilian Mortgage Law from KEY-WORD: Property; Imperial Brazil; 1864 Brazilian Mortgage Law Introdução Trata-se da apresentação do tema da pesquisa que comecei a desenvolver no curso de doutorado em 2011: os debates sobre a ideia de propriedade ocorridos entre frações da classe senhorial durante a construção, aplicação e a interpretação da Lei Hipotecária de * Doutorando no Programa de Pós graduação da Universidade Federal Fluminense. 1

2 Temos trabalhado em temas relacionados a Lei Hipotecária de 1864 desde o mestrado, mas agora trazemos novas problemáticas que merecem ser consideradas em nossas pesquisas. Durante o mestrado e em pesquisas realizadas após a conclusão deste, temos trabalhado com os debates sobre a ideia de propriedade presentes na construção e interpretação da Lei Hipotecária 1.237, de 1864 (RODRIGUES, 2009). Tratava-se, principalmente de entender as divergências existentes no Estado, em sentido ampliado 1, sobre as noções de domínio manifestadas no processo de institucionalização do Registro Geral de Imóveis, no qual deveriam ser matriculadas as alienações de propriedade e as hipotecas sobre imóveis 2. Apresentamos na dissertação algumas das diferentes propostas elaboradas por integrantes das frações da classe senhorial sobre os modelos do registro das transferências de patrimônios entre vivos e das hipotecas imobiliárias a ser instituídos. Alguns fazendeiros, com empreendimentos mais diversificados, dentre eles Luís Peixoto de Lacerda Werneck, cafeicultor do sul fluminense e comerciante, defendiam que a transcrição 3 do contrato de compra e venda de propriedade imóvel e a inscrição das hipotecas no Registro Geral de Imóveis não deveriam ser obrigatórias. Criticavam, sobretudo, o estabelecimento da coerção da matrícula das hipotecas neste registro público e a obrigatoriedade da individualização dos bens imóveis dados em garantia para estes negócios 4. Tais novidades eram deletérias para empréstimos tradicionais, realizados por estes fazendeiros-negociantes ou parentes deles, nos quais emprestavam com garantia em todos os bens do devedor, sejam eles, presentes ou futuros. Em alguns desses negócios era fornecido dinheiro para a compra de escravos, com 1 Antônio Gramsci (GRAMSCI, Antônio, 1976.) propõe uma noção ampliada de estado, no qual este passa a ser entendido como o somatório da sociedade civil e política, ao invés de ser restringido unicamente a burocracia ou a uma classe política. Para ele, as decisões políticas não podem ser entendidas como produtos de uma base econômica, mas também não podem ser compreendidas como resultados das ações dos indivíduos que atuam na sociedade política. Elas são produtos dos conflitos entre as classes sociais, que se realizam tanto na sociedade civil através da construção de um senso comum no qual uma classe ou uma fração desta detêm a hegemonia, quanto na sociedade política. 2 O Registro Geral de imóveis foi instituído pela Lei Hipotecária de 1864 e o seu regulamento de A transcrição é a matrícula do contrato de compra e venda de imóveis no Registro de Imóveis. É uma formalidade que garante a publicidade para as transferências dominiais. 4 O nome técnico dado no campo do Direito para a individualização dos imóveis dados em garantia de uma hipoteca é especialização. Este princípio jurídico, característico dos Códigos Civis oitocentistas, tem como objetivo dar conhecimento para os credores sobre quais bens estão servindo de garantia para outros empréstimos. Assim, os bancos poderiam emprestar com mais segurança seu capital, sabendo que o bem dado em garantia não teria sido gravado anteriormente por outra hipoteca e, assim, os credores teriam preferência na hora de arrematar o imóvel do devedor inadimplente. Este princípio prescinde do fim das hipotecas gerais, uma forma de empréstimo tradicional garantido por todos os bens do devedor, sejam eles presentes ou futuros. Uma vez que os bens deixados em garantia devem ser individualizados, a hipoteca não pode recair sobre todos os bens daquele a quem se destina o empréstimo. 2

3 pretensão de pagamento para o momento da colheita. Os frutos pendentes da lavoura eram utilizados para saudar essas dívidas. Segundo Muaze (MUAZE, 2006: 195), (...) o que estava em jogo não eram os lucros em si (...) (MUAZE, 2006: 195), mas o fortalecimento da (...) posição de senhor de terras e de homens buscando a reafirmação de um ideal aristocrático e a legitimação de uma hierarquização social excludente. (MUAZE, 2006: 195). Para fazendeiros como Luís Peixoto de Lacerda Werneck, deveriam ser criadas associações comerciais voltadas para o empréstimo de dinheiro à lavoura. Os contratos realizados com base em imóveis feitos por estas instituições não precisariam de matrículas no Registro Geral de Imóveis e valeriam como prova de propriedade. O fazendeiro-negociante não via ou não desejava ver - que as incertezas dos limites territoriais e dos títulos dominiais no oitocentos viravam complicações para o contrato de compra e venda servir de prova de propriedade absoluta do adquirente. Junto aos seus consortes, deixava de lado a possibilidade dos contratos serem utilizados como garantia para alguém que comprasse a propriedade de um vendedor, cujo domínio era incerto, e, por isso, de fato não possuía a totalidade do domínio em transferência. Esses potentados rurais se silenciavam diante das incertezas dominiais, e produziam um pensamento acerca da realidade em que viviam, segundo o qual a grande propriedade era uma regra, e os homens livres pobres só podiam ser enxergados como agregados sem direito a terra. Outros fazendeiros - como Barreto Pedroso de Resende, por exemplo - desejavam a substituição das antigas formas tradicionais de empréstimos pelos dinheiros oferecidos de formas impessoais pelos Bancos. Segundo Stein, as casas bancárias começavam a surgir no sul fluminense no início da segunda metade do XIX, substituindo os comissários e outros agentes, envolvidos em outras formas de empréstimos (STEIN, 1961). O crédito hipotecário, baseado em imóveis, era para esses fazendeiros mais arraigados a lavoura, uma oportunidade para escapar da intermediação dos comissários e dos fazendeiros-negociantes. Sendo independentes desses fornecedores de crédito tradicionais, obteriam capitais com longo prazo e juro módico. Não precisariam comprometer os frutos pendentes da lavoura como garantias. Sem a obrigação de venderem ou transferirem sua produção para esses intermediários, poderiam, então, vendê-la mais caro. Para estes lavradores de médio porte, sobretudo, os que 3

4 vinham buscando novas formas de empréstimos, diante do declínio da produção, o registro público das alienações de propriedades e hipotecas era imprescindível 5. Isto garantiria publicidade às operações realizadas com imóveis e tornaria as negociações mais seguras para os bancos, favorecendo empréstimos aos fazendeiros. Ainda que esses potentados rurais menos abastados não concordassem com os fazendeiros-negociantes sobre qual documento provaria a ocorrência da alienação dominial ou da hipoteca, ambos eram concordes que este deveria implicar em prova de propriedade para os adquirentes de imóveis ou credores de hipotecas cujas dividas não fossem saudadas por seus devedores. Em outras palavras, discordavam se seria necessária a matrícula no Registro Geral de Imóveis ou se bastava o contrato entre as partes contratantes, mas ambos pretendiam dar capacidade de comprovação para essas negociações; Ignoravam, em seus discursos, as dificuldades de identificar os limites territoriais dos domínios daquela época. O silêncio sobre as incertezas dominiais, sobre a existência dos pequenos posseiros e das posses de escravos, reduzindo-os a meros agregados, fazia parte do habitus 6 predominante entre os potentados rurais das duas primeiras décadas do Segundo Reinado. No pensar da fração dos senhores de escravos mais envolvidos com os assuntos da fazenda, (...) coisas e pessoas aparecem apenas como expressão da vontade dele (...) (CHALHOUB, 2003: 26) e, assim, concebiam seus iguais como (...) controladores de uma espécie de economia de concessão e favores (...) (CHALHOUB, 2003: 26). Nesta forma de refletir sobre a realidade rural, não haveria apossamento realizado sem o consentimento dos grandes possuidores. Assim, os pequenos posseiros eram apreendidos por esses potentados locais como invasores. Ignorando as ocupações e cultivos de quem não fosse seus agregados, esses senhores de escravos não enxergavam problema em dar ao contrato de compra e venda, ou a sua 5 Não pretendemos dizer que a decadência atingiu todos os produtores de café desta época, mas a crise da cafeicultura afetava a produção de alguns potentados rurais envolvidos nesta atividade. Sobre isso ver: MUAZE, idem, O termo Habitus, criado por Pierre Bourdieu, é o (...) sistema das disposições, socialmente constituídas que, enquanto estruturas estruturadas e estruturantes, constituem o princípio gerador e unificador do conjunto de práticas e das ideologias características de um grupo de agentes (...). (BOURDIEU, Pierre. Economia das trocas simbólicas. Perspectiva: São Paulo, p 191). Trata-se de uma forma de conceber as práticas e ideologias de um grupo sem cair no erro de (...) dissolver a originalidade criadora reduzindo-a as suas condições sociais de produção (...) (BOURDIEU, Idem, p. 185) ou, ao contrário, de conceber o comportamento individual de forma unicamente individualista. Este conceito é, portanto, plenamente compatível com a relação dialética entre indivíduo e sociedade proposta por Karl Marx e utilizada por intelectuais marxistas que questionaram o estruturalismo althuseriano, tais como Thonpson. 4

5 transcrição, valor comprobatório quanto ao domínio dos adquirentes. Os potentados rurais silenciavam sobre as posses que não fossem feitas por si ou por seus comodatários e, assim, pareciam não enxergar limites para institucionalizar o modelo de transmissão ligado a ideia de propriedade absoluta na Lei Hipotecária de Eles propunham, na prática, uma forma de institucionalização da grilagem, na qual a transferência de domínio possibilitaria ao adquirente provar ter domínio pleno de uma extensão sobre a qual existiam conflitos, posses de terceiros e terras potencialmente públicas 7, ou seja, na qual do domínio de quem transferia a terra era incerto ou até mesmo inexistente. Alguns Estadistas Imperiais 8 discordavam que essas formalidades pudessem servir como prova de domínio para os adquirentes, mas outros acabavam por se aproximar dos interesses dos fazendeiros. Para os primeiros, a matrícula no Registro Geral de Imóveis deveria ser obrigatória. Entretanto, criticavam a ideia, segundo a qual, a transcrição do contrato de compra e venda pudesse ter um caráter comprobatório. Segundo Augusto Teixeira de Freitas, renomado jurisconsulto do Império, caso o governo aceitasse essa proposição dos potentados, estaria abrindo brechas para grilagem. Ele e outros intelectuais apontavam as incertezas dos limites territoriais, a precariedade dos títulos, o costume da posse, a existência da usucapião e a forma como os terratenentes se relacionaram como o registro paroquial de terras, como impedimentos para a proposta dos fazendeiros de garantir para transcrição um peso maior do que a presunção de domínio. Já os segundos, mais afeitos aos interesses de potentados rurais do sul fluminense, dispensavam a necessidade do registro público e pensavam que o contrato poderia agregar valor comprobatório. 7 Utilizo aqui o termo propriedades potencialmente públicas devido à dificuldade de se distinguir as propriedades públicas das privadas na época. A menção a noção de potencialidade serve para deixar clara a dificuldade de saber se o eram de fato. 8 A definição de Estadistas Imperiais foi proposta por Ricardo Salles (SALLES, Ricardo. E o Vale era o escravo. Vassouras - Século XIX. Senhores e escravos no coração do Império. Civilização Brasileira: Rio de Janeiro, 2008.). Ao trabalhar os debates sobre a Lei do Ventre Livre no conselho de estado, o autor relaciona a diferença entre os defensores da reforma e os seus opositores a forma diferenciada de experimentar a crise da escravidão entre os estadistas e os fazendeiros. Os primeiros (...) tinham como foco os interesses gerais do Estado, e não os dos grupos e localidades particulares, ainda que, em momento algum, perdessem esses últimos de vista. (SALLES, p 52) Assim, entre eles havia a noção de que a escravidão estava fadada ao fracasso. O seu conhecimento sobre a revolução no Haiti, sobre as revoltas escravas no Império e sobre outros acontecimentos ocorridos em outros países, tendiam a propor reformas na escravidão. Enquanto os fazendeiros, mais ligados ao dia à dia da fazenda tenderam mais a oposição a reforma. 5

6 Na dissertação apresentamos os debates sobre a propriedade presentes nas discussões relacionadas a promulgação da Lei Hipotecária de Mas as possibilidades de estudos acerca da interpretação da lei que deu origem ao Registro Geral de Imóveis são ricas e pouquíssimo exploradas pelos historiadores. Portanto, agora, nos ocupamos mais sobre a aplicação da norma e sobre o trabalho jurisprudencial sobre a mesma. Aqui falaremos um pouco da nossa pesquisa em torno da aplicação, deixando para falar sobre o debate acerca de sua interpretação em um trabalho futuro. A aplicação Em 1876, o juiz do município de Itajaí em Santa Catarina chamado Manoel Martins Torres comentou a aplicação da Lei Hipotecária de 1864 nessa localidade, dizendo: Em princípios de 1873, quando (...) tivemos de organizar a estatística judiciária do anno anterior desta comarca de Itajahy, oito annos da publicação da lei [de 1864], deixamos de remetter o mapa relativo ás transcripções de immoveis por não constar uma só do livro respectivo, que se achava em branco; quando pelos livros de notas, verificamos que, desde a época da promulgação da lei até aquella data, muitos contractos de transmissões de imóveis entre vivos (além dos particulares) tiveram lugar; faltando, portanto, á todos esses contractos a solenidade importante e garantidora da transcripção, de cuja data, taes contractos, perfeitos e acabados entre as partes contractantes ou seus herdeiros, principiam a operar seus effeitos a respeito de terceiros. (TORRES, 1876: VIII) Em seu texto, o magistrado dizia não existirem até o início de 1873 transcrições no Registro Geral de Imóveis do município de sua jurisdição. Passados oito anos da promulgação da Lei Hipotecária, a obrigatoriedade de transcrever os contratos de compra e venda ainda não eram cumpridas. O motivo não era nenhuma ausência de alienações de propriedade, pois o número de escrituras de compra e venda presentes nos livros de nota daquela comarca contrastavam com as páginas em branco do RGI. Assim, embora tivessem ocorrido transmissões de imóveis entre vivos, os dispositivos da reforma hipotecária de 1864 segundo 6

7 os quais os contratos de compra e venda só passavam a ser perfeitos após a transcrição estavam sendo deixados de lado. Segundo o o juiz de Itajaí, isso não ocorria somente nessa localidade. Escrevera em seu livro, (...) sou informado de que em muitos municípios o livro n. 4 para esse fim destinado, ainda se acha em branco! (TORRES, 1876: VIII). Assim, não era somente em Itajaí a dificuldade em se aplicar a norma jurídica. Em outro trecho de seus escritos, o autor vai ainda mais longe, dizendo que a norma era mal utilizada na maior parte das províncias do Império. Em suas palavras, A Lei n de 24 de setembro de 1864 ( ) e o decreto n de 26 de Abril de 1865 ( ), apesar de longa existência, ainda não são bem e fielmente executados na maior parte dos municípios do Império. (TORRES, 1876: VIII). No entanto, não podemos deduzir que essa era a realidade de todo o território brasileiro. Utilizando Relatórios do Ministério da Justiça pudemos montar a tabela abaixo, contendo o número de transcrições de e inscrições, em alguns anos ainda dizendo quantos foram os imóveis transcritos provenientes das áreas rurais e urbanas: Transcrição Inscrição de hipotecas Imóveis urbanos Imóveis rurais Total Imóveis urbanos Imóveis rurais Total FONTE: Relatório do Ministério da Justiça, Podemos perceber um crescimento, ainda que não seja linear das transcrições e inscrições matriculadas no RGI entre 1866 e Mas antes de tudo, fica claro o fato do registro ter sido utilizado, ainda que isso não seja verdade para todas as localidades. Assim, fica claro que o estudo da legislação deverá ter uma conotação local. Assim, caso o tema, realmente gere interesse em outros pesquisadores, será possível perguntar as fontes: a) As 7

8 transcrições foram realizadas nessa ou naquela localidade? b) Qual o grupo social daqueles que se preocuparam em matricular suas alienações? c) Quais as razões da omissão ou de realizar a transcrição, em cada caso? d) Qual o contraste entre o número de transcrições e de escrituras de contra e venda para cada localidade? Essas e outras perguntas podem ser realizadas para diferentes localidades. Em nossa pesquisa, elencamos dois municípios: Itajaí e o Rio de Janeiro. Dependendo da disponibilidade, facilidade ou dificuldade de acesso à documentação, estudaremos um caso ou outro, ou até mesmo os dois. O contraste entre o número de escrituras e alienações transcritas no RGI, nos ajudará a pensar sobre a seguinte hipótese: Enquanto a Lei de 1864 exigia com que fossem bem definidas as dimensões dos imóveis alienados, o costume entre os fazendeiros e outros agentes sociais era descrever de forma imprecisa os bens alienados. Ao estudar bens inventariados em Alegrete, Rio Grande do Sul, Graciela Bonassa Garcia (GARCIA, 2010) percebeu a presença dessa lógica de mercado ligada aos interesses de grande parte dos potentados rurais. Estudou os bens inventariados nesta localidade e percebeu que 22% dos imóveis legados e/ou comercializados tinham escrito após a descrição o termo mais ou menos (GARCIA, 2010: 84). Possuíam dizeres semelhantes a meia quadra de sesmarias mais ou menos. A ausência de uma extensão precisa das terras legadas podia trazer consigo, segundo a autora, uma estratégia. Em suas palavras, A imprecisão pode também ser uma estratégia para ampliação de domínios sobre as terras vizinhas ou devolutas. O Recorrente mais ou menos incluído após a informação de uma aproximada extensão da terra pode ser mais do que o desconhecimento de sua área. Pode sugerir opção por não limitar a propriedade a uma extensão precisa. (GARCIA, 2010: 88) Segundo Graciela, a precária ou inexistente informação da extensão da terra inventariada não foi nem ao menos questionada pelos herdeiros, credores ou membros do judiciário (GARCIA, 2010: 84). O que nos permite pensar o grau de legitimidade e/ou 8

9 aceitação deste costume na localidade por ela estudada ou por alguns agentes sociais do período. De acordo com a historiadora, isto não acontecia, entretanto, no tocante as outras mercadorias. Ela demonstra como a erva-mate, os tecidos e o açúcar, por exemplo, eram pesados ou medidos com precisão na hora da venda. A forma como uma mesma pessoa da Campanha gaucha podia comprar ou vender uma propriedade imóvel sem se importar com a ausência das informações sobre a sua área, contrastavam com a precisão com que lidavam com as medidas de outros bens (GARCIA, 2010: 85). Assim, nesta época, o sistema métrico é aplicado seletivamente pelos habitantes da Campanha (GARCIA, 2010: 85). Essa falta de preocupação com limites precisos para a propriedade territorial também podia ser encontrada no estado do Rio de Janeiro do século XIX. Em 1867, em Maricá, o Comendador Joaquim Antônio Fernandes Pinheiro e alguns parentes vendiam (...) partes da terra (...) (ARQUIVO NACIONAL. Livro de Notas n 250. Folha p 466.) de uma fazenda que declaravam ser sua, compreendendo entre (...) setecentos a oitocentos braças da guarita mais ou menos (...) (ARQUIVO NACIONAL. Livro de Notas n 250. Folha p 466.). O tabelião Fialho Junqueira que passou a escritura de compra e venda (...) de umas terras na fazenda (...) no livro de notas não pareceu ter demonstrado quaisquer reações negativas quanto a falta de precisão na descrição do objeto dessa alienação. O comprador Vicente Ferraz também não desistiu de comprar o imóvel. Essa e outras alienações imprecisas foram coetâneas de escrituras de compra e venda e anúncios nos classificados de jornais nas quais a propriedade era bem delimitada. Em 1867, Agostinho Pinto de Miranda Leão Lins e sua mulher Dona maria Júlia Leão Lins venderam um terreno a João Manuel com ( ) termos de oito braças de um terreno na rua lateral com vinte nove datas de fundos (...) (ARQUIVO NACIONAL. Livro de Notas n p 97.). Assim, podemos pensar na existência de diferentes formas de se relacionar com os imóveis na segunda metade do XIX. Essas diferentes formas de se relacionar com a propriedade estavam ligadas a lógicas de mercados distintas. Retornando a nossa pesquisa, precisaríamos nos perguntar: 1) Qual era a posição em sociedade daqueles que descreviam de forma imprecisa os domínios nas escrituras no Rio de Janeiro e em Itajaí? 2) Essas pessoas transcreveram essas seus contratos ou sua estratégia foi 9

10 deixar de produzir uma documentação na qual o domínio deveria ser mais bem definido? 3) O que podemos dizer de quem buscava descrever precisamente as terras alienadas? 4) Comparando com o conhecimento que temos do número de transcrições no território nacional, foram realizadas muitas ou poucas transcrições em cada município estudado? 5) Como esses dados se relacionam com o contexto de conflito agrário de cada localidade? Já pudemos perceber que alguns estadistas imperiais questionavam a subutilização de alguns dispositivos da norma em determinadas localidades. Ao avançarmos na nossa pesquisa, poderemos ter mais subsídios para pensar o contexto dessas críticas. Assim, possivelmente saberemos se os conflitos sobre a ideia de propriedade e lógica de mercado também estiveram presentes, ainda que em novos, na aplicação da Lei Hipotecária de BIBIOGRAFIA; ARQUIVO NACIONAL. Livro de Notas n BOURDIEU, Pierre. Economia das trocas simbólicas. Perspectiva: São Paulo, A economia das trocas lingüísticas. EDUSP: São Paulo, BRASIL. Relatórios do Ministério da Justiça CARVALHO, José Murilo. Teatro das sombras. Civilização brasileira, Rio de Janeiro, CHALHOUB, Sidney. Machado de Assis Historiador. Cia das Letras: São Paulo, CONGOST, Rosa. Tierras, leyes, historia: estudos sobre La gran oba de la propriedad. Barcelona: Critica, FREITAS, Augusto Teixeira de. Consolidação das Leis Civis. 2ª ed. Mais aumentada. Typ Universal de Laemmert: Rio de Janeiro

11 GARCIA, Lysippo. O registro de imóveis. Livraria Francisco Alves: Rio de Janeiro, GARCIA, Graciela Bonassa. Terra, Trabalho e propriedade: A estrutura agrária da Campanha rio-grandense nas décadas finais do período imperial ( ). Tese de doutorado. PPGH- UFF. Niterói, GROSSI, Paolo. A propriedade e as propriedades na oficina do Historiador. IN: História da propriedade & Outros Ensaios. Renovar: Rio de Janeiro, MATTOS, Ilmar Rohloff. O tempo Saquarema. Rio de Janeiro: Acess, MOTTA, Márcia Menendes. Teixeira de Freitas: da posse e do direito de possuir. IN: Revista da Faculdade de Direito de Campos. Ano VI, n 7, dezembro Nas fronteiras do poder: conflitos e direito à terra no Brasil do século XIX. Vício de leitura: Rio de Janeiro, MUAZE, Mariana de Aguiar F. O Império do Retrato: família, riqueza e representação social no Brasil Oitocentista ( ). [Tese UFF]: Niterói, NEEDELS, Jeffrey D. Formação dos partidos políticos no Brasil da Regência a conciliação ( ). IN: Almanack braziliense. São Paulo, n o 10, novembro, The party of order. The Conservatives, the State, and Slavery in the Brazilian Monarchy, Stanford: Stanford University Press, SMITH, Roberto. A propriedade da terra e transição: estudo da formação da propriedade privada e transição para o capitalismo no Brasil. Brasiliense: São Paulo, STEIN, Stanley J. Grandeza e decadência do Café no vale do Paraíba. Brasiliense: São Paulo,

12 TORRES, Manoel Martins. Lei Hypothecaria: Lei n de 24 de setembro de 1864 e Decreto n 3453 de 26 de Abril de 1865, completamente annotada. Editor A. A. da Cruz: Rio de Janeiro, RODRIGUES, Pedro Parga. O Império das leis e a jurisprudência sobre a propriedade. [dissertação do PPGH-Unirio]: Rio de Janeiro, SALLES, Ricardo. Nostalgia Imperial: A formação da identidade nacional no Brasil do Segundo Reinado. Rio de Janeiro: Topbooks, E o Vale era o escravo. Vassouras - Século XIX. Senhores e escravos no coração do Império. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, VARELA, Laura Beck. Das Sesmarias à propriedade moderna: um estudo de história do direito brasileiro. Renovar: Rio de Janeiro,

A LEI HIPOTECÁRIA DE 1864 E A PROPRIEDADE NO OITOCENTOS. PALAVRAS-CHAVE: Classe senhorial; Brasil Império; propriedade.

A LEI HIPOTECÁRIA DE 1864 E A PROPRIEDADE NO OITOCENTOS. PALAVRAS-CHAVE: Classe senhorial; Brasil Império; propriedade. A LEI HIPOTECÁRIA DE 1864 E A PROPRIEDADE NO OITOCENTOS 1 PEDRO PARGA RODRIGUES * RESUMO: A Lei de Terras de 1850 e a Reforma Hipotecária de 1864 foram apresentadas por alguns pesquisadores como originadoras

Leia mais

Registro Geral de Imóveis, propriedade e Estado Nacional no Segundo Reinado

Registro Geral de Imóveis, propriedade e Estado Nacional no Segundo Reinado Registro Geral de Imóveis, propriedade e Estado Nacional no Segundo Reinado Property Register and the National State in the Brazilian Second Reign Pedro Parga Rodrigues Mestrando em História pela Universidade

Leia mais

Augusto Teixeira de Freitas e o Registro Geral de Imóveis no Império

Augusto Teixeira de Freitas e o Registro Geral de Imóveis no Império ANPUH XXV SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA Fortaleza, 2009. Augusto Teixeira de Freitas e o Registro Geral de Imóveis no Império Pedro Parga Rodrigues Trata-se de apresentar as concepções de Augusto Teixeira

Leia mais

Securitização De Créditos Imobiliários

Securitização De Créditos Imobiliários Securitização De Créditos Imobiliários Operações Imobiliárias A 1. O que é securitização de créditos imobiliários? Securitização é um processo estruturado, coordenado por uma instituição especializada

Leia mais

A Lei Hipotecária de 1864 e a propriedade no XIX

A Lei Hipotecária de 1864 e a propriedade no XIX A Lei Hipotecária de 1864 e a propriedade no XIX Pedro Parga Rodrigues* PALAVRA CHAVE: Propriedade, Instituição e Hipoteca. KEYWORD: Property, Institution and Mortgage. RESUMO: Trata-se de apresentar resumidamente

Leia mais

CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS CRI

CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS CRI CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS CRI Diversos veículos podem ser utilizados para securitizar recebíveis imobiliários, entretanto o uso dos Certificados de Recebíveis Imobiliários CRI vem caminhando

Leia mais

Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI

Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Diversos veículos podem ser utilizados para securitizar recebíveis imobiliários, entretanto o uso dos Certificados de Recebíveis Imobiliários -CRI- vem caminhando

Leia mais

DIREITO CIVIL Espécies de Contratos

DIREITO CIVIL Espécies de Contratos DIREITO CIVIL Espécies de Contratos Espécies de Contratos a serem estudadas: 1) Compra e venda e contrato estimatório; 2) Doação; 3) Depósito; 4) Mandato; 5) Seguro; 6) Fiança; 7) Empréstimo (mútuo e comodato);

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas

Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas Josely Trevisan Massuquetto Procuradora do INCRA no Paraná. Francisco José Rezende dos Santos Oficial do 4º Reg. Imóveis de Bhte e Presidente

Leia mais

DIREITO FINANCEIRO DIREITO MATERIAL E PROCESSUAL DO TRABALHO

DIREITO FINANCEIRO DIREITO MATERIAL E PROCESSUAL DO TRABALHO DIREITO FINANCEIRO 1) Conceitue e diferencie o papel da lei de diretrizes orçamentárias, do orçamento plurianual e da lei orçamentária, discorrendo sobre suas características e princípios. Conceitue reserva

Leia mais

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026.

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026. Escritura pública de inventário e partilha Documentos Necessários A relação de documentos necessários para uma escritura pública de inventário e partilha, especialmente quando contemplam bens imóveis,

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

DO REGISTRO DA COMPRA E VENDA CONDICIONAL

DO REGISTRO DA COMPRA E VENDA CONDICIONAL DO REGISTRO DA COMPRA E VENDA CONDICIONAL João Pedro Lamana Paiva 1 Resumo: este artigo faz uma abordagem acerca do registro do contrato de compra e venda de imóvel que contenha cláusula que condicione

Leia mais

Estabelecimento Empresarial

Estabelecimento Empresarial Estabelecimento Empresarial É a base física da empresa, que consagra um conjunto de bens corpóreos e incorpóreos, constituindo uma universalidade que pode ser objeto de negócios jurídicos. É todo o complexo

Leia mais

DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS. Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total

DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS. Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS. FINALIDADE. DOS TÍTULOS REGISTRÁVEIS: ESCRITURA

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Os Negócios Jurídicos Da União Estável E Terceiros De Boa-fé Maíta Ponciano Os Casais que vivem união estável DOS NEGÓCIOS JURÍDICOS DA UNIÃO ESTÁVEL E TERCEIROS DE BOA-FÉ. Desde

Leia mais

O Sindicato de trabalhadores rurais de Ubatã e sua contribuição para a defesa dos interesses da classe trabalhadora rural

O Sindicato de trabalhadores rurais de Ubatã e sua contribuição para a defesa dos interesses da classe trabalhadora rural O Sindicato de trabalhadores rurais de Ubatã e sua contribuição para a defesa dos interesses da classe trabalhadora rural Marcos Santos Figueiredo* Introdução A presença dos sindicatos de trabalhadores

Leia mais

1. Compra e Venda Mercantil (art. 481/504 CC) 1. Origem histórica da compra e venda

1. Compra e Venda Mercantil (art. 481/504 CC) 1. Origem histórica da compra e venda 1. Compra e Venda Mercantil (art. 481/504 CC) 1. Origem histórica da compra e venda A compra e venda é o mais importante de todos os contratos, tendo em vista que é pela compra e venda que se dá a circulação

Leia mais

Oficina Porcentagem e Juros

Oficina Porcentagem e Juros Oficina Porcentagem e Juros Esta oficina está dividida em duas partes. A primeira consiste em uma revisão do conceito de porcentagem. Na segunda parte, os alunos deverão aplicar os conceitos vistos na

Leia mais

Terceiro Setor, ONGs e Institutos

Terceiro Setor, ONGs e Institutos Terceiro Setor, ONGs e Institutos Tomáz de Aquino Resende Promotor de Justiça. Coordenador do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Tutela de Fundações de Minas Gerais. Usualmente é chamado de

Leia mais

Direito das Obrigações I 2.º ano A 6 de Janeiro de 2015 2 horas (Correção)

Direito das Obrigações I 2.º ano A 6 de Janeiro de 2015 2 horas (Correção) I Bento e Carlos celebraram um contrato-promessa de compra e venda de um imóvel. De acordo com o disposto no art. 410.º, n.º 2, o contrato-promessa deve ser celebrado sob a forma escrita, uma vez que o

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei: 1 - MP2220/2001 CNDU - http://www.code4557687196.bio.br MEDIDA PROVISÓRIA No 2.220, DE 4 DE SETEMBRO DE 2001. CNDU Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA

Leia mais

LEI Nº 11.441/2007 ESCRITURA PÚBLICA DE INVENTÁRIO E PARTILHA

LEI Nº 11.441/2007 ESCRITURA PÚBLICA DE INVENTÁRIO E PARTILHA SUCESSÕES: LEI Nº 11.441/2007 ESCRITURA PÚBLICA DE INVENTÁRIO E PARTILHA DOCUMENTOS ROTEIRO INTRODUÇÃO DOCUMENTOS NECESSÁRIOS ...una mala política legislativa, consagrada a través del tiempo, no se sabe

Leia mais

TEORIA DO ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL

TEORIA DO ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL TEORIA DO ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL Prof. MSc. Wilson Alberto Zappa Hoog i Resumo: Apresentamos uma breve análise sobre a teoria do estabelecimento empresarial, considerando o seu teorema e axiomas,

Leia mais

DISPÕE SOBRE AS CLASSES DOS BENS, COMPRA E VENDA E LEGITIMAÇÃO DAS TERRAS DO MUNICÍPIO.- CEZAR DOS SANTOS ORTIZ Prefeito Municipal de Soledade.

DISPÕE SOBRE AS CLASSES DOS BENS, COMPRA E VENDA E LEGITIMAÇÃO DAS TERRAS DO MUNICÍPIO.- CEZAR DOS SANTOS ORTIZ Prefeito Municipal de Soledade. LEI N. 120/1952 DISPÕE SOBRE AS CLASSES DOS BENS, COMPRA E VENDA E LEGITIMAÇÃO DAS TERRAS DO MUNICÍPIO.- CEZAR DOS SANTOS ORTIZ Prefeito Municipal de Soledade. Faço saber que a Câmara Municipal de Soledade,

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

Teoria do comércio Internacional

Teoria do comércio Internacional Teoria do comércio Internacional Teoria do comércio Internacional Surgimento de uma economia global; Comércio + ou - = conflito armado; Estado nacional moderno e a economia internacional moderna surgem

Leia mais

Desse modo, esse adquirente

Desse modo, esse adquirente 1-(FCC - 2012 - Prefeitura de São Paulo - SP - Auditor Fiscal do Município) Uma pessoa adquiriu bem imóvel, localizado em área urbana de município paulista, sem exigir que o vendedor lhe exibisse ou entregasse

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAPÁ

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAPÁ PROVIMENTO Nº 0060/97 O Desembargador GILBERTO DE PAULA PINHEIRO, Vice- Presidente/Corregedor-Geral da Justiça do Estado do Amapá, no uso de suas atribuições legais, Considerando que a Lei Federal nº 6.766,

Leia mais

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL Ana Beatriz Nunes Barbosa Em 31.07.2009, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou mais cinco normas contábeis

Leia mais

PRÁTICA CIVIL E PROCESSUAL LEGALE

PRÁTICA CIVIL E PROCESSUAL LEGALE BEM IMOVEL Art. 79. São bens imóveis o solo e tudo quanto se lhe incorporar natural ou artificialmente. Art. 80. Consideram-se imóveis para os efeitos legais: I -os direitos reais sobre imóveis e as ações

Leia mais

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1 1 O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA Élcio Aloisio FRAGOSO 1 Resumo O novo acordo ortográfico já rendeu uma série de discussões sob pontos de vistas bem distintos. O acordo

Leia mais

ICMS/SP - Devolução de Mercadorias - Roteiro de Procedimentos. ICMS/SP - Devolução de Mercadorias - Roteiro de Procedimentos

ICMS/SP - Devolução de Mercadorias - Roteiro de Procedimentos. ICMS/SP - Devolução de Mercadorias - Roteiro de Procedimentos ICMS/SP - Devolução de Mercadorias - Roteiro de Procedimentos Nas relações de comércio é muito comum, por motivos como mercadoria em desacordo com o pedido, qualidade insatisfatória, não observância de

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DO SETOR IMOBILIÁRIO E DA CONSTRUÇÃO CIVIL. Martelene Carvalhaes

TRIBUTAÇÃO DO SETOR IMOBILIÁRIO E DA CONSTRUÇÃO CIVIL. Martelene Carvalhaes TRIBUTAÇÃO DO SETOR IMOBILIÁRIO E DA CONSTRUÇÃO CIVIL Martelene Carvalhaes GESTÃO DE RISCOS O mercado de empreendimentos imobiliários é onde as empresas operam com maior nível de riscos devido às particularidades

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Recuperação Judicial Prof.: Alexandre Gialluca Data: 12/04/2007 RESUMO

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Recuperação Judicial Prof.: Alexandre Gialluca Data: 12/04/2007 RESUMO RESUMO 1) Falência. Continuação. 1.1) Da realização ativo. Art. 108, Lei 11.101/05. O administrador Judicial providenciará a realização do ativo. Pode ser por: leilão; proposta fechada ou pregão O porduto

Leia mais

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas.

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O que é o dever de Consulta Prévia? O dever de consulta prévia é a obrigação do Estado (tanto do Poder Executivo, como do Poder Legislativo)

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

1º ENCONTRO REGINAL DO CORI/MG EM VARGINHA

1º ENCONTRO REGINAL DO CORI/MG EM VARGINHA 1º ENCONTRO REGINAL DO CORI/MG EM VARGINHA DAS CÉDULAS DE CRÉDITO HUMBERTO GOMES DO AMARAL RI MUZAMBINHO rimuzambinho@yahoo.com.br Telefone: 035-3571-5041 1- Cédula de Crédito Bancário Alienação Fiduciária

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção.

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. Modos de Produção O modo de produção é a maneira pela qual a sociedade produz seus

Leia mais

O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político

O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político Jairnilson Paim - define o SUS como um sistema que tem como característica básica o fato de ter sido criado a partir de um movimento

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 249 - Data 12 de setembro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: NORMAS DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA A promessa de compra e venda de

Leia mais

Código de Conduta Voluntário

Código de Conduta Voluntário O Banif, SA, ao formalizar a sua adesão ao Código de Conduta Voluntário do crédito à habitação, no âmbito da Federação Hipotecária Europeia, e de acordo com as recomendações da Comissão Europeia e do Banco

Leia mais

III Seminário de Turismo Rural do Distrito Federal

III Seminário de Turismo Rural do Distrito Federal IDESTUR Instituto de Desenvolvimento do Turismo Rural III Seminário de Turismo Rural do Distrito Federal O Turismo Rural não tem leis e regulamentos específicos que normatizem a sua diversidade, até por

Leia mais

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL Autonomia econômica das mulheres Autonomia econômica das mulheres se refere à capacidade das mulheres de serem provedoras de seu próprio sustento,

Leia mais

Desafios da regularização Fundiária em Mato Grosso

Desafios da regularização Fundiária em Mato Grosso 1 Desafios da regularização Fundiária em Mato Grosso Afonso Dalberto Presidente do Instituto de Terras de Mato Grosso INTERMAT Cuiabá - MT, 19 de agosto de 2009 2 A atual situação fundiária do Estado de

Leia mais

- Crédito trabalhista: obrigação solidária do adquirente e alienante;

- Crédito trabalhista: obrigação solidária do adquirente e alienante; Aula de 02/03/15 5. ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL - Conceito: corresponde ao conjunto de bens reunidos pelo empresário (individual ou sociedade empresária) para a realização de sua atividade econômica; -

Leia mais

Documento base sobre Sistema Nacional de Comércio Justo e Solidário. O que é e para quem é o Comércio Justo e Solidário?

Documento base sobre Sistema Nacional de Comércio Justo e Solidário. O que é e para quem é o Comércio Justo e Solidário? Documento base sobre Sistema Nacional de Comércio Justo e Solidário Este é um documento que objetiva apresentar a proposta do Sistema Nacional de Comércio Justo e Solidário, sua importância, benefícios

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

Direito Empresarial II. Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2

Direito Empresarial II. Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2 Direito Empresarial II Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2 Contratos Aula 18 Contratos: Teoria Geral; Classificação; Requisitos; Objetos; Elementos; Contratos em Espécie: Compra

Leia mais

REESTRUTURAÇÃO DO CADASTRO

REESTRUTURAÇÃO DO CADASTRO REESTRUTURAÇÃO DO CADASTRO VISANDO À MULTIFINALIDADE: Aspectos técnicos, legais e administrativos Profª Andrea F. T. Carneiro Programa de Pós-graduação em Ciências Geodésicas e Tecnologias da Geoinformação

Leia mais

11/11/2010 (Direito Empresarial) Sociedades não-personificadas. Da sociedade em comum

11/11/2010 (Direito Empresarial) Sociedades não-personificadas. Da sociedade em comum 11/11/2010 (Direito Empresarial) Sociedades não-personificadas As sociedades não-personificadas são sociedades que não tem personalidade jurídica própria, classificada em: sociedade em comum e sociedade

Leia mais

1. PODER JUDICIÁRIO DECLARA NULIDADE DE VENDA DE INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR 2. JURISPRUDÊNCIAS SOBRE TRANSFERÊNCIA DE MANTENÇA

1. PODER JUDICIÁRIO DECLARA NULIDADE DE VENDA DE INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR 2. JURISPRUDÊNCIAS SOBRE TRANSFERÊNCIA DE MANTENÇA SIC 29/10* Belo Horizonte, 02 de agosto de 2010. 1. PODER JUDICIÁRIO DECLARA NULIDADE DE VENDA DE INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR 2. JURISPRUDÊNCIAS SOBRE TRANSFERÊNCIA DE MANTENÇA 1. PODER JUDICIÁRIO DECLARA

Leia mais

A responsabilidade pelo pagamento das cotas condominiais em caso de aquisição do imóvel mediante arrematação judicial

A responsabilidade pelo pagamento das cotas condominiais em caso de aquisição do imóvel mediante arrematação judicial A responsabilidade pelo pagamento das cotas condominiais em caso de aquisição do imóvel mediante arrematação judicial Por Maria Angélica Jobim de Oliveira À luz do artigo 1.336, inciso I, do Código Civil,

Leia mais

Giuliana Aparecida Santini, Leonardo de Barros Pinto. Universidade Estadual Paulista/ Campus Experimental de Tupã, São Paulo.

Giuliana Aparecida Santini, Leonardo de Barros Pinto. Universidade Estadual Paulista/ Campus Experimental de Tupã, São Paulo. Entraves à consolidação do Brasil na produção de energias limpas e renováveis Giuliana Aparecida Santini, Leonardo de Barros Pinto Universidade Estadual Paulista/ Campus Experimental de Tupã, São Paulo

Leia mais

Cédula de Crédito Imobiliário - CCI

Cédula de Crédito Imobiliário - CCI Títulos Imobiliários Renda Fixa Cédula de Crédito Imobiliário - CCI Títulos Imobiliários Cédula de Crédito Imobiliário Instrumento que facilita a negociabilidade e a portabilidade do crédito imobiliário

Leia mais

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária D-40 7º 04 04 60

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária D-40 7º 04 04 60 Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária D-40 7º 04 04 60 Turma DIREITO Nome da Disciplina / Curso DIREITO COMERCIAL II D- 32DIREITO COMERCIAL I(EMENTA 2008/01) D- 27 DIREITO COMERCIAL I(EMENTA 2008/02)

Leia mais

Projeto de Pesquisa. Profª Drª Lívia Haygert Pithan Supervisora do Setor de TCC da FADIR livia.pithan@pucrs.br

Projeto de Pesquisa. Profª Drª Lívia Haygert Pithan Supervisora do Setor de TCC da FADIR livia.pithan@pucrs.br PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE DIREITO Projeto de Pesquisa Profª Drª Lívia Haygert Pithan Supervisora do Setor de TCC da FADIR livia.pithan@pucrs.br 1 1. Definição Projeto

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INTRODUÇÃO O objetivo da Administração Financeira é maximizar o patrimônio dos acionistas. A função do administrador financeiro é orientar as decisões de investimentos

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Instituto de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de História Programa de Pós Graduação em História

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Instituto de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de História Programa de Pós Graduação em História UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Instituto de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de História Programa de Pós Graduação em História PEDRO PARGA RODRIGUES AS FRAÇÕES DA CLASSE SENHORIAL E A LEI HIPOTECÁRIA

Leia mais

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA José Ivo dos Santos Pedrosa 1 Objetivo: Conhecer os direitos em saúde e noções de cidadania levando o gestor a contribuir nos processos de formulação de políticas públicas.

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039/2010

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039/2010 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: AES Sul Distribuidora Gaúcha de Energia S.A. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO:

Leia mais

PC MeeiroPolicy ED 13 pt. Meeiropolicy. Documento Explicativo. Válido a partir de: 26/04/2010 Distribuição: Público

PC MeeiroPolicy ED 13 pt. Meeiropolicy. Documento Explicativo. Válido a partir de: 26/04/2010 Distribuição: Público 13 pt Meeiropolicy Documento Explicativo Válido a partir de: 26/04/2010 Distribuição: Público Índice 0 Propósito... 3 1 Área de candidatura... 3 2 Norma... 3 3 Terminologia para o uso deste documento:...

Leia mais

ANEXO À DECLARAÇÃO DO INVESTIDOR FATORES DE RISCO

ANEXO À DECLARAÇÃO DO INVESTIDOR FATORES DE RISCO ANEXO À DECLARAÇÃO DO INVESTIDOR FATORES DE RISCO Antes de tomar a decisão de adquirir as frações imobiliárias hoteleiras do Pestana, potenciais investidores devem considerar cuidadosamente todas as informações

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE A COMPRA DE IMÓVEIS NOS EUA

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE A COMPRA DE IMÓVEIS NOS EUA PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE A COMPRA DE IMÓVEIS NOS EUA É normal as pessoas terem muitas dúvidas quanto ao processo de compra de um imóvel fora do país. Para ajudar, a PROFIT traz para você respostas para

Leia mais

Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico

Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico Boletim Econômico Edição nº 87 outubro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico 1 O papel dos bancos

Leia mais

PATRIMÔNIO E INVENTÁRIO

PATRIMÔNIO E INVENTÁRIO PATRIMÔNIO E INVENTÁRIO Contador José Carlos Garcia de Mello MELLO 1 Controle Patrimonial MELLO 2 PATRIMÔNIO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Conceito Patrimônio Público, segundo Heilio Kohama, "compreende o conjunto

Leia mais

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 Claudemir Monteiro Lima Secretária de Educação do Estado de São Paulo claudemirmonteiro@terra.com.br João

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS DAS DÚVIDAS MAIS FREQUENTES SOBRE O CNIS - SEGURADO ESPECIAL

PERGUNTAS E RESPOSTAS DAS DÚVIDAS MAIS FREQUENTES SOBRE O CNIS - SEGURADO ESPECIAL PERGUNTAS E RESPOSTAS DAS DÚVIDAS MAIS FREQUENTES SOBRE O CNIS - SEGURADO ESPECIAL 1. Quando o sindicato pode começar a fazer o cadastro do segurado especial? Para fazer o cadastro, o sindicato precisa

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO 1 UNIFICAÇÃO DOS MERCADOS DE CÂMBIO

QUADRO COMPARATIVO 1 UNIFICAÇÃO DOS MERCADOS DE CÂMBIO 1 QUADRO COMPARATIVO 1 UNIFICAÇÃO DOS MERCADOS DE CÂMBIO Resolução 3.265, de 4 de março de 2005. (reunião do Mercado de Câmbio de Taxas Livres e do Mercado de Câmbio de Taxas Flutuantes e instituição de

Leia mais

A PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR E A INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA

A PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR E A INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA A PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR E A INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA Matheus Corredato Rossi 1 Publicado originalmente em Fundos de Pensão Revista da ABRAPP / SINDAPP / ICSS. n. 316. São Paulo: mai/06. A importância

Leia mais

SERVIDÃO ADMINISTRATIVA

SERVIDÃO ADMINISTRATIVA Direito Administrativo Aula 06 Professora Giovana Garcia SERVIDÃO ADMINISTRATIVA Definição: é direito real público que autoriza à Administração usar da propriedade imóvel, particular ou pública, limita

Leia mais

Diretoria de Patrimônio - DPA

Diretoria de Patrimônio - DPA Diretoria de Patrimônio - DPA Diretoria de Patrimônio - DPA Finalidade Coordenar, supervisionar, controlar e executar as atividades relativas a administração patrimonial do Estado. (Decreto Estadual nº

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

O ALUNO CEGO NO CONTEXTO DA INCLUSÃO ESCOLAR: OS DESAFIOS NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA RESUMO

O ALUNO CEGO NO CONTEXTO DA INCLUSÃO ESCOLAR: OS DESAFIOS NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA RESUMO O ALUNO CEGO NO CONTEXTO DA INCLUSÃO ESCOLAR: OS DESAFIOS NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA RESUMO Edinéia Terezinha de Jesus Miranda PPGEC - UNESP/Bauru Neia.terezinha@gmail.com Nesse

Leia mais

Sendo manifesto que estas incertezas e insegurança económica sentidas por. milhões de cidadãos Portugueses e Europeus são um sério bloqueio para o

Sendo manifesto que estas incertezas e insegurança económica sentidas por. milhões de cidadãos Portugueses e Europeus são um sério bloqueio para o equilíbrio das famílias, crianças e jovens Europeus e Portugueses. milhões de cidadãos Portugueses e Europeus são um sério bloqueio para o milhões de cidadãos Europeus e Portugueses, o receio quanto ao

Leia mais

OS FUNDOS DE INVESTIMENTO

OS FUNDOS DE INVESTIMENTO OS FUNDOS DE INVESTIMENTO CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 1 Os Fundos de Investimento O que é um Fundo de investimento? Um fundo de investimento é um instrumento financeiro

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

INTERVENÇÃO DO ESTADO NA PROPRIEDADE

INTERVENÇÃO DO ESTADO NA PROPRIEDADE OAB - EXTENSIVO Disciplina: Direito Administrativo Prof. Flávia Cristina Data: 07/10/2009 Aula nº. 04 INTERVENÇÃO DO ESTADO NA PROPRIEDADE 1. Modalidades a) Requisição b) Servidão c) Ocupação Temporária

Leia mais

ORIGEM DATA DE EMISSÃO ENTRADA EM VIGOR PÁGINA DIRETORIA EXECUTIVA 31/07/2015 31/07/2015 1 / 5

ORIGEM DATA DE EMISSÃO ENTRADA EM VIGOR PÁGINA DIRETORIA EXECUTIVA 31/07/2015 31/07/2015 1 / 5 DIRETORIA EXECUTIVA 31/07/2015 31/07/2015 1 / 5 Assunto: ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DIVERSOS RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Estabelece diretrizes socioambientais relativas ao processo de crédito do Banco

Leia mais

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos Transparência para a sociedade istema de Informações de Crédito

Leia mais

A medida da lei de cotas para o ensino superior

A medida da lei de cotas para o ensino superior Versão 2, 1/12/2008 A medida da lei de cotas para o ensino superior Simon Schwartzman Qual o verdadeiro alcance da lei de cotas para o ensino superior aprovada pelo Congresso Nacional no Dia da Consciência

Leia mais

Gabarito oficial preliminar: História

Gabarito oficial preliminar: História 1) Questão 1 Segundo José Bonifácio, o fim do tráfico de escravos significaria uma ameaça à existência do governo porque Geraria uma crise econômica decorrente da diminuição da mão de obra disponível,

Leia mais

Avenida Paulista, 949 22º andar

Avenida Paulista, 949 22º andar Avenida Paulista, 949 22º andar São Paulo, 30 de novembro de 2012 1 I n t r o d u ç ã o 140 CRÉDITO PRODUÇÃO BRASIL Fase de ouro Fase de crise Fase da agricultura de mercado 133 127 162 120 114 117 105

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

MANUAL DE GARANTIAS 1

MANUAL DE GARANTIAS 1 MANUAL DE GARANTIAS 1 Para a obtenção do financiamento junto à FINEP deverão ser apresentadas Garantias Reais e Pessoais cumulativamente, exceto em caso de garantia por fiança bancária e demais casos de

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO

NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 27 Demonstrações

Leia mais

6ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL SUSTENTÁVEL TEXTO BASE 4 QUEM SOMOS NÓS OS POVOS E COMUNIDADES TRADICIONAIS

6ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL SUSTENTÁVEL TEXTO BASE 4 QUEM SOMOS NÓS OS POVOS E COMUNIDADES TRADICIONAIS 6ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL SUSTENTÁVEL TEXTO BASE 4 QUEM SOMOS NÓS OS POVOS E COMUNIDADES TRADICIONAIS Somos os guardiões das origens, somos os conhecedores das tradições

Leia mais

2 - Quem autoriza o acesso é o CGEN ou o povo detentor do conhecimento tradicional?

2 - Quem autoriza o acesso é o CGEN ou o povo detentor do conhecimento tradicional? Dúvidas e pontos polêmicos levantados na discussão sobre o Anteprojeto de Lei de Acesso ao Material Genético e seus Produtos, de Proteção aos Conhecimentos Tradicionais Associados e de Repartição de Benefícios

Leia mais

14. TRIBUTOS EM ESPÉCIE Impostos sobre a Transmissão ITBI e ITCMD

14. TRIBUTOS EM ESPÉCIE Impostos sobre a Transmissão ITBI e ITCMD 14. TRIBUTOS EM ESPÉCIE Impostos sobre a Transmissão ITBI e ITCMD 1 - Imposto sobre transmissão causa mortis e doação, de quaisquer bens ou direitos (ITCMD) Compete privativamente aos Estados a instituição

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - Estudo técnico

TRANSFERÊNCIA DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - Estudo técnico TRANSFERÊNCIA DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - Estudo técnico 1. - Necessidade de existência de mantenedoras das instituições educacionais No Brasil é obrigatório que uma escola, tanto de educação

Leia mais

Limites e Regulação Investidores Institucionais. Aguinaldo Lester Landi Coordenador-Geral de Monitoramento de Investimentos da Previc

Limites e Regulação Investidores Institucionais. Aguinaldo Lester Landi Coordenador-Geral de Monitoramento de Investimentos da Previc Limites e Regulação Investidores Institucionais Aguinaldo Lester Landi Coordenador-Geral de Monitoramento de Investimentos da Previc 1 Programa Classificação de Ativos Limites de Alocação Limites de Concentração

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China CONVENÇÃO SOBRE A LEI APLICÁVEL AOS CONTRATOS DE COMPRA E VENDA INTERNACIONAL DE MERCADORIAS (Concluída em 22 de dezembro de 1986) Os Estados-Partes da presente Convenção, Desejando unificar as regras

Leia mais

Dispõe sobre a Autorização Prévia à Análise Técnica de Plano de Manejo Florestal Sustentável- APAT, e dá outras providências

Dispõe sobre a Autorização Prévia à Análise Técnica de Plano de Manejo Florestal Sustentável- APAT, e dá outras providências INSTRUÇÃO NORMATIVA MMA Nº 4, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2006 Dispõe sobre a Autorização Prévia à Análise Técnica de Plano de Manejo Florestal Sustentável- APAT, e dá outras providências A MINISTRA DE ESTADO

Leia mais