Contexto económico internacional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Contexto económico internacional"

Transcrição

1

2 1 ENQUADRAMento MACroeConóMICO

3 1 ENQUADRAMento MACroeConóMICO Contexto económico internacional O ano de 21 ficou marcado pela crise do risco soberano na Zona Euro e pela necessidade de ajuda externa à Grécia e à Irlanda. Enquanto no caso da Grécia esta necessidade foi em grande parte resultado do forte desequilíbrio das contas públicas, no caso da Irlanda foi consequência das dificuldades do sector financeiro afectando assim as respectivas contas públicas. A necessidade de apoio financeiro da União Europeia ( UE ) e do Fundo Monetário Internacional ( FMI ) a estas economias alimentou um receio de contágio às economias da periferia da Zona Euro, em particular a Portugal e Espanha. A revisão em baixa dos ratings soberanos dos países da periferia da Zona Euro e os receios sobre a deterioração da qualidade do crédito, tanto ao nível da dívida soberana como do crédito hipotecário, penalizaram o financiamento, verificando-se uma deteriorização das condições do mesmo, o acesso por parte dos governos, empresas e sector financeiro. Reflectindo a quebra de confiança dos investidores: (1) os spreads da dívida soberana a 1 anos da Grécia, Portugal e Espanha aumentaram 58, 321 e 162 pontos base, respectivamente, com os investidores a solicitarem yields de 11,3%, 7,% e 5,4% para cada país; (2) o spread dos credit default swaps dos índices itraxx Generic Corporations e Índices Financeiros aumentaram 29 e 12 pontos base em 21 para 15 e 177 pontos base, respectivamente, resultando no aumento do gap entre empresas e instituições financeiras; (3) o Euro registou uma depreciação de 6,7% face ao dólar ao longo de 21, cotando-se em Eur/USD 1,336, e (4) os mercados de capitais da Zona Euro estiveram também sob pressão, particularmente os da periferia da Zona Euro (CAC4, IBEX-2 e PSI2 desvalorizaram 3,3%, 17,4% e 1,3%, respectivamente). Em contraste, reflectindo o desempenho favorável da economia Alemã, o DAX valorizou 16,1% em 21 e teve um impacto positivo no Eurostoxx 6, que valorizou 8,8% em 21. Crescimento do PIB (%) 9,6 9,1 1,3 7,5, 5,1 3,9 2,9 1,7,5 -,2-1,2-2,6-4,1-5,2 EUA ZONA EURO CHINA BRASIL JAPÃO Fonte: IMF, Institutos Nacionais de Estatistica 16 PORTUGAL TELECOM RELATÓRIO & CONTAS CONSOLIDADAS 21

4 Apesar da instabilidade acima referida, 21 foi também marcado por uma melhoria do desempenho económico face a 29. O PIB cresceu 3,6% na Alemanha, 1,7% na Zona Euro e 2,9% nos E.U.A, reflectindo um impacto tardio dos estímulos dados através de políticas económicas e monetárias na procura doméstica e, especialmente, nos fluxos de comércio internacional. Neste contexto, em 21, o Dow Jones, Nasdaq e S&P5 valorizaram 11,%, 16,9% e 12,8%, respectivamente. Este desempenho beneficiou também de uma posição expansionista da política monetária da reserva federal Americana. As maiores economias emergentes mantiveram a sua dinâmica de crescimento sólido, registando um crescimento de 1,3% e 7,5% na China e no Brasil, respectivamente. Spreads das yields dos títulos de dívida pública a 1 anos vs. Alemanha, economias seleccionadas (pb) Pontos base GRÉCIA IRLANDA PORTUGAL ITÁLIA ESPANHA OUT. 27 ABR. 28 OUT. 28 ABR. 29 OUT. 29 ABR. 21 OUT. 21 Em 21 a inflação tornou-se uma forte preocupação, particularmente no final do ano, devido à expectativa de aumento da procura global que levou ao aumento dos preços das matérias-primas. Em 21 o preço do petróleo (Brent Oil) aumentou 18,7% para 92,5 dólares por barril. Adicionalmente, algumas restrições da oferta, em parte relacionadas com condições meteorológicas adversas, tiveram também impacto neste aumento de preços. Em 21, o índice de commodities (Jefferies TR/J CRB commodity excess return index) aumentou 15,8% face ao mesmo período do ano anterior. EVOLUÇÃO DOS PRINCIPAIS ÍNDICES BOLSISTAS EM 21 9,% 11,% 12,8% 16,1% 16,9% 1,% 3,% -3,3% -1,3% -17,4% IBEX PSI2 CAC BOVESPA DJ TELECOM FOOTSIE DOW JONES S&P 5 DAX NASDAQ PORTUGAL TELECOM RELATÓRIO & CONTAS CONSOLIDADAS 21 17

5 1 ENQUADRAMENTO MACroeCONÓMICO Contexto económico internacional Brent Índice Commodities 14 BRENT 12 1 Pontos base USD/ Barril ÍNDICE COMMODITIES Estados Unidos da América Num cenário de grande incerteza e após uma contracção de 2,6% do PIB em 29, a economia Norte- Americana cresceu 2,9% em 21. No 1S1, este desempenho resultou principalmente de uma marcada política económica expansionista seguida pelo governo e pela Reserva Federal Americana após a recessão de 29, que incluiu: (1) a aquisição de títulos pela Reserva Federal; (2) um novo programa para a aquisição de treasuries de maturidades longas, no montante de 6 mil milhões de dólares, com o objectivo de manter um ambiente de baixas taxas de juro de longo prazo, e (3) novos incentivos fiscais à procura interna, incluindo o prolongamento dos pacotes existentes, numa verba superior a 8 mil milhões de dólares. Estas medidas foram mais sentidas no final de 29 e no 1º semestre de 21. Apesar deste esforço, durante o 1º semestre de 21, a persistência de uma elevada capacidade produtiva excedente e uma relativamente alta, embora em declínio, taxa de desemprego (9,5% da população activa no final do 1º semestre de 21) contribuíram para um ambiente de decrescimento e inflação baixa. No inicio do Verão, o receio de ocorrência de uma nova recessão e dos riscos acrescidos de uma conjuntura de deflação tornaram-se mais visíveis. No 2º semestre de 21, as medidas tomadas pelas autoridades públicas levaram a uma inversão do sentimento negativo do mercado, embora tenham criado algum receio de futuras pressões inflacionistas dada a manutenção de uma política monetária expansionista. Esta tendência foi consolidada durante o semestre enquanto os indicadores económicos mais relevantes sugeriam a redução da probabilidade de uma dupla recessão e de uma conjuntura de deflação. Até ao fim de 21, e contra uma evolução favorável dos resultados das empresas, tanto no 18 PORTUGAL TELECOM RELATÓRIO & CONTAS CONSOLIDADAS 21

6 sector financeiro como no sector não financeiro, houve uma maior propensão dos bancos Norte- Americanos para financiarem o sector empresarial. Neste contexto, o PIB Norte-Americano registou um crescimento anualizado de 2,6% e de 3,2% no 3º trimestre de 21 e no 4º trimestre de 21, suportado pelo consumo privado (crescimento anualizado de 4,4% no 4º trimestre de 21). EUR/ USD 1,7 1,6 1,5 1,4 EUR / USD 1,3 1,2 1,1 1,9, União Económica e Monetária Zona Euro Durante 21 a economia na Zona Euro consolidou uma recuperação iniciada no 2º semestre de 29, marcando o fim da recessão que começou no 2º trimestre de 28. Em 21, o PIB aumentou 1,7%, face ao mesmo período do ano anterior, após uma contracção de 4,1% em 29, face ao mesmo período do ano anterior. Esta melhoria do desempenho foi devida a : (1) um forte desempenho das exportações, beneficiando da dinâmica dos fluxos de comércio internacional e, em particular, da procura oriunda das economias emergentes, que exerceu um efeito bastante favorável na produção industrial; (2) uma melhoria do consumo privado, e (3) um declínio mais moderado do investimento seguido por uma melhoria dos níveis de confiança e da normalização das condições de financiamento nas principais economias. procura externa zona euro INDEX (PONTOS) PORTUGAL TELECOM RELATÓRIO & CONTAS CONSOLIDADAS 21 19

7 1 ENQUADRAMENTO MACroeCONÓMICO Contexto económico internacional No entanto, a recuperação económica na Zona Euro não foi uniforme, demonstrando uma heterogeneidade evidente entre os seus Estados-membros. Foi notável o desempenho da economia Alemã, que cresceu 3,6% em 21 face ao mesmo período do ano anterior, obtendo o crescimento mais acelerado desde a sua reunificação, com uma forte contribuição das exportações e do investimento em equipamento. Este desempenho favorável contrasta com a desaceleração, ou mesmo contracção, registada pelas economias periféricas da Zona Euro como a Grécia (-4,5% face ao mesmo período no ano anterior), a Irlanda (-,5% face ao mesmo período no ano anterior) e a Espanha (-,1% face ao mesmo período no ano anterior), em resultado de um esforço, em curso, de consolidação fiscal nestes Estados membros. No plano dos preços, a taxa de inflação média anual foi de 1,4%, após registar,3% em 29, um aumento que foi originado principalmente pelos componentes de energia, transportes e alimentação. No entanto, a taxa de inflação subjacente, que exclui os componentes referidos, registou um decréscimo face ao ano anterior, reflectindo a ausência de pressões inflacionistas, algo patente também na elevada capacidade instalada não utilizada e no aumento da taxa de desemprego, que ficou nos 1% da população activa. Neste contexto, o Banco Central Europeu manteve inalterada, durante todo o ano, a taxa de juro de referência em 1%, o nível a que se encontra desde Maio de 29, fornecendo simultaneamente uma ampla liquidez ao sistema bancário e participando, ocasionalmente, no mercado secundário de títulos de dívida pública, visando reduzir as tensões observadas em alguns mercados, particularmente nos Estados periféricos. TAXAS REFI E EURIBOR ZONA EURO (%) 5,5 5, 4,5 4, 3,5 % 3, 2,5 2, 1,5 1,,5 EURIBOR A 6 MESES EURIBOR A 3 MESES EURIBOR A 1 MÊS REFI, JAN.7 JUL.7 JAN.8 JUL.8 JAN.9 JUL.9 JAN.1 JUL.1 2 PORTUGAL TELECOM RELATÓRIO & CONTAS CONSOLIDADAS 21

8 Actividade económica nas principais geografias onde a PT está presente Portugal O ano de 21 ficou marcado pela deterioração das condições financeiras da economia Portuguesa, em resultado da maior aversão ao risco dos investidores face à periferia da Zona Euro e, sobretudo, na sequência de um downgrade da República Portuguesa, em dois graus para A-, levado a cabo em Abril de 21 por uma das agências de rating. O spread dos títulos de dívida pública a 1 anos, face ao benchmark Alemão, subiu 296 pontos base para 364 pontos base, decaindo ligeiramente após atingir um máximo de 46 pontos base em meados de Novembro de 21. Estas condições adversas também se propagaram para o sector empresarial da economia, tanto financeiro como não financeiro. Apesar de uma situação sólida a nível de solvabilidade, os bancos Portugueses enfrentaram algumas restrições de financiamento, facto que levou ao ajustamento das condições de financiamento da actividade económica interna. Apesar deste contexto adverso, a economia Portuguesa registou um crescimento anual de 1,4% em 21, acima das expectativas, beneficiando, em particular, do dinamismo das exportações que mais do que compensou a evolução adversa do consumo e do investimento no 2º semestre de 21. Este desempenho contrasta, favoravelmente, com outras economias periféricas, nomeadamente com Espanha, Irlanda e Grécia, o que reflecte o facto da procura interna em Portugal não ter sido afectada por efeitos-riqueza negativos associados a fortes correcções do mercado imobiliário. No contexto de crise do risco soberano da Zona Euro, a política fiscal em 21 incluiu a adopção de medidas restritivas, destinadas a reduzir o deficit de 9,3% do PIB em 29 para 4,6% do PIB em 211. Estas medidas incluíram um aumento da carga fiscal, particularmente nos impostos sobre o rendimento e sobre o consumo (aumento do IVA de 2% para 21% em Julho de 21 e de 21% para 23% a partir de Janeiro de 211). Do lado da despesa estão também a ser implementadas várias medidas: (1) redução de salários na função pública; (2) congelamento das admissões na administração pública; (3) cortes nas despesas sociais, e (4) cortes no investimento. Em 21, o défice das administrações públicas reduziu-se para um valor em torno dos 6,9% do PIB, um desempenho melhor que a estimativa inicial de 7,3%. Em 21, a dívida pública subiu de 76.1% para 82.1% do PIB, mantendo-se abaixo da média da Zona Euro, de 84,1% do PIB. O aumento da taxa média de desemprego de 9,5% para 1,8% da população activa em 21 e a perspectiva de menos rendimento disponível penalizou a confiança dos consumidores levando a uma desaceleração na procura interna na parte final do ano. No entanto, no conjunto de 21, o consumo privado cresceu cerca de 2,%, reflectindo também, de alguma forma, a antecipação das decisões de consumo devido ao aumento planeado do IVA. Em termos médios anuais, a inflação no consumo passou de menos,8% para 1,4%, observando-se uma aceleração mais visível dos preços nos últimos meses do ano, sobretudo em função da subida dos preços da energia. A taxa de inflação atingiu 2,5% em Dezembro de 21. O ambiente adverso da procura interna e externa, os elevados níveis de incerteza e as condições mais restritivas de financiamento levaram a uma queda do investimento de perto de 5,6% em 21, não apenas da administração pública mas também das famílias e empresas. As exportações registaram um crescimento de cerca de 8,7%, suportado pelas exportações associadas à indústria transformadora, que beneficiaram da recuperação da procura e da actividade industrial a um nível global e que também se reflecte nos principais parceiros comerciais de Portugal. O desempenho favorável das exportações e o progressivo ajustamento da procura interna, que reduz as exportações, contribuíram para a redução do défice externo. Em 21, o saldo conjunto das balanças, corrente e de capital, que reflecte as necessidades líquidas de financiamento da economia, reduziu-se de 1,1% do PIB em 29 para 8,7% do PIB em 21. O processo de desalavancagem em curso na economia Portuguesa foi também visível no recuo do stock de responsabilidades externas líquidas, de 111,1% do PIB em 29 para 18,5% em 21. PORTUGAL TELECOM RELATÓRIO & CONTAS CONSOLIDADAS 21 21

9 1 ENQUADRAMENTO MACroeCONÓMICO Actividade económica nas principais geografias onde a PT está presente Principais indicadores económicos Taxas de crescimento real (%), excepto quando indicado E PIB -,9 1,6,8 1,4 2,4, -2,5 1,4 Consumo Privado -,2 2,7 1,7 1,8 2,5 1,8-1, 2, Consumo Público,4 2,4 3,3 -,7,5 1,1 3,4 3,2 Investimento -7,9 3,7 -,9 -,6 2, -,5-14, -5,6 Exportações 3,6 4,1,2 11,6 7,6 -,3-11,6 8,7 Importações -,5 7,6 2,3 7,2 5,5 2,8-1,6 5,3 Inflação (IPC) 3,3 2,4 2,3 3,1 2,5 2,6 -,8 1,4 Saldo Orçamental (% do PIB) -3, -3,4-5,9-4,1-2,8-2,9-9,3-6,9 Dívida Pública (% do PIB) 55,1 56,5 61,7 63,9 62,7 65,3 76,1 82,1 Desemprego (% da população activa) 6,4 6,7 7,6 7,7 8, 7,6 9,5 1,8 Saldo Bal. Corrente e Capital (% do PIB) -4,1-6, -8,2-9,1-8,9-11,1-9,4-8,7 Fontes: INE, Banco de Portugal, Ministério das Finanças, Comissão Europeia, OCDE, ES Research. Brasil A economia Brasileira cresceu 7,5% em 21, sobretudo devido ao elevado dinamismo da procura interna. A inflação ficou nos 5,9% no final de 21, reflectindo: (1) a capacidade excedente quase esgotada; (2) o aumento nos preços das commodities, e (3) o reajustamento dos preços do sector dos serviços em resposta ao dinamismo da procura interna. Neste contexto, o Banco Central decidiu ajustar o benchmark das taxas de juro a partir de Abril de 21, revertendo parte do estímulo monetário introduzido após a crise financeira de 28. A taxa SELIC aumentou assim de 8,75% para 1,75%. BRL/USD, BRL/EUR e spread dos CDS 5 anos (pb) USD/ BRL (RHS) 5Y CDS (LHS) EUR/ BRL (RHS) 4, 3,5 Spread CDS , 2,5 2, USD/ BRL; EUR/ BRL ,5 Em 21, o real valorizou em relação ao dólar de 1,74 USD/BRL para 1,66 USD/BRL. Este desempenho foi principalmente devido: (1) a uma perspectiva de crescimento economico sólida, e (2) ao aumento nas taxas de juro de benchmark. Tudo isto traduziu-se, não só num aumento do investimento externo liquido, mas também num aumento do volume das reservas internacionais, que no final do ano eram perto de 3 mil milhões de dólares, um valor bastante superior à divida externa total (pública e privada) do país, consolidando assim a posição liquida de credor da economia Brasileira. Em resumo, em 21, o Brasil consolidou-se como uma região económica de crescente importância no panorama global. Os últimos dois anos demonstraram que o Brasil tem fundamentais económicos que permitem superar panoramas económicos difíceis com menos dificuldades do que no passado. 22 PORTUGAL TELECOM RELATÓRIO & CONTAS CONSOLIDADAS 21

10 Angola Depois da forte desaceleração observada em 29, com o PIB a cair de 5,6% para 2,5%, o conjunto das economias Africanas registaram uma recuperação significativa. Este desempenho favorável foi sobretudo assente na melhoria da conjuntura dos mercados das commodities, em particular ao nível da energia. Os países exportadores de petróleo da África Subsaariana, incluindo Angola, Camarões, Chade, República do Congo, Guiné Equatorial, Gabão e Nigéria registaram um crescimento acima dos 6%, alavancado no preço do petróleo e na crescente procura, em parte baseada na Ásia emergente. CRESCIMENTO PIB E DOS SECTORES NÃO PETROLÍFEROS PIB SECTOR NÃO PETROLÍFERO % P Fonte: FMI, Bloomberg No caso especifico de Angola, a aceleração da actividade económica em 21 foi baseada no aumento das receitas do petróleo e no aumento do dinamismo dos sectores não energéticos (construção, serviços, agricultura, etc.). Este desempenho foi conseguido num contexto de uma política fiscal mais restritiva. Em 21, a economia Angolana cresceu ligeiramente acima dos 2%, demonstrando uma aceleração comparada com a observada em 29 (,7%). A evolução dos preços, em 21, foi condicionada por: (1) a estabilidade do Kwanza Angolano em relação ao dólar Norte-Americano, mesmo seguindo as decisões das autoridades monetárias para abandonar o câmbio para o dólar (USD/AOA teve uma flutuação entre 9-94), o que levou à depreciação em relação ao Euro; (2) o desempenho dos preços da alimentação, e (3) o aumento dos preços internacionais de commodities, que também exerceram uma forte influência na taxa de inflação. Neste contexto, a taxa média anual da inflação aumentou para ligeiramente acima dos 15% em 21. Em termos de política monetária, e pela primeira vez em dois anos, o Banco Nacional de Angola reduziu a taxa de juro que cobra aos bancos comerciais para empréstimos de curto-prazo, procurando apoio para estimular a actividade económica. Em 21, a taxa de redesconto caiu 5pp para 25%. AOA/ USD E EUR/ AOA EUR/AOA and USD/AOA EUR/AOA USD/AOA PORTUGAL TELECOM RELATÓRIO & CONTAS CONSOLIDADAS 21 23

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

PORTUGAL TELECOM RELATÓRIO & CONTAS CONSOLIDADAS 2010 1

PORTUGAL TELECOM RELATÓRIO & CONTAS CONSOLIDADAS 2010 1 PORTUGAL TELECOM RELATÓRIO & CONTAS CONSOLIDADAS 2010 1 Portugal Telecom, SGPS, SA Sociedade aberta Capital social 26.895.375 euros Matrícula na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa e de Pessoa

Leia mais

A economia Angolana não entrará em recessão: Esta é a frase de ordem! (1parte)

A economia Angolana não entrará em recessão: Esta é a frase de ordem! (1parte) 1 26 de Outubro de 2015 A economia Angolana não entrará em recessão: Esta é a frase de ordem! (1parte) Em Outubro de 2014 o Orçamento Geral do Estado (OGE) para 2015 previa uma taxa de crescimento real

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 05 Maio 2015 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

01 Junho de 2015. Política de compra de activos do BCE

01 Junho de 2015. Política de compra de activos do BCE 01 Junho de 2015 Política de compra de activos do BCE A Zona euro tendo experimentado algumas dificuldades no que se refere ao nível de crescimento das economias, reflectido no crescimento moderado da

Leia mais

Relatório da Organização dos Países Exportadores de Petróleo

Relatório da Organização dos Países Exportadores de Petróleo 1 27 de Abril de 2015 Relatório da Organização dos Países Exportadores de Petróleo Foi divulgado o quarto relatório da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) em 2015, com destaque para

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDU STRIAL PORTU GU ESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL. Análise de Conjuntura

ASSOCIAÇÃO INDU STRIAL PORTU GU ESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL. Análise de Conjuntura ASSOCIAÇÃO INDU STRIAL PORTU GU ESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL Análise de Conjuntura Maio 2008 Indicador de Sentimento Económico O clima económico na União Europeia volta a deteriorar-se em Abril. Comparativamente

Leia mais

1. ECONOMIA E MERCADOS FINANCEIROS

1. ECONOMIA E MERCADOS FINANCEIROS 1. ECONOMIA E MERCADOS FINANCEIROS 1.1. CONTEXTO MACROECONÓMICO INTERNACIONAL O enquadramento internacional em 13 foi marcado por uma recuperação gradual da atividade, com um crescimento mais expressivo

Leia mais

O relatório da Organização dos Países Exportadores de Petróleo de Julho

O relatório da Organização dos Países Exportadores de Petróleo de Julho 1 2 Julho de 215 O relatório da Organização dos Países Exportadores de Petróleo de Julho Foi divulgado o relatório de Julho da Organização dos Países Exportadores do Petróleo, em que são analisadas as

Leia mais

Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro

Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro Clara Synek * Resumo O aumento da incerteza relativo às perspectivas económicas, do mercado de trabalho,

Leia mais

Razões do reajuste do AKZ no Mercado Cambial

Razões do reajuste do AKZ no Mercado Cambial 15 Junho de 2015 Razões do reajuste do AKZ no Mercado Cambial Assistiu-se a uma desvalorização do AKZ na última sexta-feira, dia 5 de Junho, de aproximadamente 110,582 AKZ para 117,47 AKZ por unidade de

Leia mais

Indicadores Económicos & Financeiros Julho 2013. Banco de Cabo Verde

Indicadores Económicos & Financeiros Julho 2013. Banco de Cabo Verde Indicadores Económicos & Financeiros Julho 2013 Banco de Cabo Verde BANCO DE CABO VERDE Departamento de Estudos Económicos e Estatísticas Avenida Amílcar Cabral, 27 CP 7600-101 - Praia - Cabo Verde Tel:

Leia mais

Fundo de Pensões Aberto. Banif Reforma Senior. Relatório e Contas Anual

Fundo de Pensões Aberto. Banif Reforma Senior. Relatório e Contas Anual Fundo de Pensões Aberto Banif Reforma Senior Relatório e Contas Anual 2013 Índice 1 Enquadramento Macroeconómico... 3 1.1 Conjuntura Internacional... 3 1.2 Enquadramento Nacional... 6 1.3 Mercado de Trabalho...

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 As projeções para a economia portuguesa em 2015-2017 apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte de projeção. Após um crescimento

Leia mais

Relatório Económico do Fundo Monetário Internacional

Relatório Económico do Fundo Monetário Internacional 1 de Novembro de 214 Relatório Económico do Fundo Monetário Internacional O Fundo Monetário Internacional (FMI) indica no seu último relatório que a economia mundial deverá apresentar um crescimento na

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

A evolução do Mercado Imobiliário português

A evolução do Mercado Imobiliário português A evolução do Mercado Imobiliário português Introdução Neste artigo será feita uma leitura da evolução do mercado imobiliário português desde 2008, altura em que ocorreu a crise da dívida subprime, período

Leia mais

Conjuntura semanal. Itaú Personnalité. Semana de 12 a 16 de Agosto. Fatores externos e internos elevaram o dólar para perto de R$ 2,40;

Conjuntura semanal. Itaú Personnalité. Semana de 12 a 16 de Agosto. Fatores externos e internos elevaram o dólar para perto de R$ 2,40; Semana de 12 a 16 de Agosto Fatores externos e internos elevaram o dólar para perto de R$ 2,40; Curva de juros voltou a precificar mais aumentos de 0,5 p.p. para a taxa Selic; Com a presente semana muito

Leia mais

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS Julho de RESULTADOS DOS INVESTIMENTOS Saldos Financeiros Saldos Segregados por Planos (em R$ mil) PGA PB TOTAL CC FI DI/RF FI IRFM1 FI IMAB5 SUBTOTAL CC FI DI/RF FI IRFM1 FI

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

18,0 16,0 14,0 12,0 10,0 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0. milhares 159500

18,0 16,0 14,0 12,0 10,0 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0. milhares 159500 Comentário Semanal Estudos Económicos e Financeiros Telef. 21 31 11 86 Fax: 21 353 56 94 Email: deef@bancobpi.pt 16 de Maio de 216 Agostinho Leal Alves EUA: a criação de emprego está no limite? Os números

Leia mais

PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO

PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO PORTUGAL PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO Actualização para o período 2005-2007 Dezembro 2004 Programa de Estabilidade e Crescimento 2005-2007 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO...1 II. ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO...2

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Junho de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Junho de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Junho de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Reunião do FOMC...Pág.3 Europa: Grécia...Pág.4 China: Condições

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal março 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

Banco Central de S. Tomé e Príncipe

Banco Central de S. Tomé e Príncipe Banco Central de S. Tomé e Príncipe CONJUNTURA MACROECONÓMICA IIIº Trimestre 2015 Disponível em: www.bcstp.st/publicações 1 ÍNDICE 1. RESUMO EXECUTIVO... 5 2. CONJUNTURA ECONÓMICA INTERNACIONAL... 6 2.1

Leia mais

A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS

A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS PORTUGAL A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS Maria Celeste Hagatong Comissão Executiva do Banco BPI Lisboa, 3 de Junho

Leia mais

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros .2 Situação patrimonial dos setores não financeiros No primeiro semestre de 203, prosseguiu o processo de ajustamento gradual dos desequilíbrios no balanço dos particulares 3 Nos primeiros seis meses de

Leia mais

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea SUMÁRIO

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea SUMÁRIO 7 ECONOMIA MUNDIAL SUMÁRIO A situação econômica mundial evoluiu de maneira favorável no final de 2013, consolidando sinais de recuperação do crescimento nos países desenvolvidos. Mesmo que o desempenho

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 22 de maio de 2015

INFORME ECONÔMICO 22 de maio de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Setor de construção surpreende positivamente nos EUA. Cenário de atividade fraca no Brasil impacta o mercado de trabalho. Nos EUA, os indicadores do setor de construção registraram

Leia mais

A relação de Angola com o FMI após seis anos do acordo Stand-By

A relação de Angola com o FMI após seis anos do acordo Stand-By nov-5 abr-6 set-6 fev-7 jul-7 dez-7 mai-8 out-8 mar-9 ago-9 jan-1 jun-1 nov-1 abr-11 set-11 fev-12 jul-12 dez-12 mai-13 out-13 mar-14 ago-14 jan-15 jun-15 nov-15 abr-16 Dep. Estudos Económicos e Financeiros

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal novembro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

Economia Portuguesa. GPEARI - Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais (MFAP)

Economia Portuguesa. GPEARI - Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais (MFAP) Economia Portuguesa 2009 GPEARI - Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais (MFAP) MFAP GPEARI Unidade de Política Económica i i Ficha Técnica Título Economia Portuguesa

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal maio 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos).

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos). Mai-04 Mai-05 Mai-06 Mai-07 Mai-08 Mai-09 Mai-10 Mai-11 Mai-12 Análise de Conjuntura Junho 2014 Indicador de Sentimento Económico Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União

Leia mais

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 Abrandamento da atividade económica mundial ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1.1. Evolução da conjuntura internacional A atividade económica mundial manteve o abrandamento

Leia mais

CAIXAGEST IMOBILIÁRIO FUNDO DE FUNDOS

CAIXAGEST IMOBILIÁRIO FUNDO DE FUNDOS Fundo Especial de Investimento CAIXAGEST IMOBILIÁRIO FUNDO DE FUNDOS RELATÓRIO & CONTAS 2005 ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO MACRO ECONÓMICO 2 2. MERCADOS FINANCEIROS 7 3. MERCADO DE FUNDOS MOBILIÁRIOS EM PORTUGAL

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016

Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016 Projeções para a Economia Portuguesa: 2014-2016 1 Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016 As projeções para a economia portuguesa apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte.

Leia mais

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro.

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro. Abr-04 Abr-05 Abr-06 Abr-07 Abr-08 Abr-09 Abr-10 Abr-11 Abr-12 Análise de Conjuntura Maio 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos

Leia mais

set/12 mai/12 jun/12 jul/11 1-30 jan/13

set/12 mai/12 jun/12 jul/11 1-30 jan/13 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 jan/12 fev/12 mar/12 abr/12 mai/12 jun/12 jul/12 ago/12 set/12 out/12 nov/12 1-30 jan/13 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 jan/12 fev/12 mar/12 abr/12

Leia mais

Semana com dólar em forte queda, alta da Bolsa e menor pressão nos juros futuros; Programa de intervenção do BCB no câmbio vem surtindo efeito;

Semana com dólar em forte queda, alta da Bolsa e menor pressão nos juros futuros; Programa de intervenção do BCB no câmbio vem surtindo efeito; 06-set-2013 Semana com dólar em forte queda, alta da Bolsa e menor pressão nos juros futuros; Programa de intervenção do BCB no câmbio vem surtindo efeito; Ata do Copom referendou nosso novo cenário para

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Janeiro de 2016. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Janeiro de 2016. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Janeiro de 2016 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Fraqueza da indústria... Pág.3 Japão: Juros negativos...

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria Análise de Conjuntura Maio 2011 Indicador de Sentimento Económico Os indicadores de sentimento económico da União Europeia e da Área

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 24 de abril de 2015

INFORME ECONÔMICO 24 de abril de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Economia global não dá sinais de retomada da atividade. No Brasil, o relatório de crédito apresentou leve melhora em março. Nos EUA, os dados de atividade seguem compatíveis

Leia mais

Espaço para expansão fiscal e PIB um pouco melhor no Brasil. Taxa de câmbio volta a superar 2,30 reais por dólar

Espaço para expansão fiscal e PIB um pouco melhor no Brasil. Taxa de câmbio volta a superar 2,30 reais por dólar Espaço para expansão fiscal e PIB um pouco melhor no Brasil Publicamos nesta semana nossa revisão mensal de cenários (acesse aqui). No Brasil, entendemos que o espaço para expansão adicional da política

Leia mais

As mudanças estruturais da economia brasileira. Henrique de Campos Meirelles

As mudanças estruturais da economia brasileira. Henrique de Campos Meirelles As mudanças estruturais da economia brasileira Henrique de Campos Meirelles Julho de 20 Inflação 18 16 14 12 8 6 4 2 IPCA (acumulado em doze meses) projeção de mercado 0 03 06 11 Fontes: IBGE e Banco Central

Leia mais

Relatório Econômico Mensal ABRIL/14

Relatório Econômico Mensal ABRIL/14 Relatório Econômico Mensal ABRIL/14 Índice INDICADORES FINANCEIROS 3 PROJEÇÕES 4 CENÁRIO EXTERNO 5 CENÁRIO DOMÉSTICO 7 RENDA FIXA 8 RENDA VARIÁVEL 9 Indicadores Financeiros BOLSA DE VALORES AMÉRICAS mês

Leia mais

ABRIL/2015 RELATÓRIO ECONÔMICO

ABRIL/2015 RELATÓRIO ECONÔMICO ABRIL/2015 RELATÓRIO ECONÔMICO ÍNDICE Indicadores Financeiros Pág. 3 Projeções Pág. 4-5 Cenário Externo Pág. 6 Cenário Doméstico Pág. 7 Renda Fixa e Renda Variável Pág. 8 INDICADORES FINANCEIROS BOLSA

Leia mais

Financiamento, Investimento e Competitividade

Financiamento, Investimento e Competitividade Financiamento, Investimento e Competitividade João Leão Departamento de Economia ISCTE- Instituto Universitário de Lisboa Conferência Fundação Gulbenkian "Afirmar o Futuro Políticas Públicas para Portugal

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o 101, de

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o. 101, de 4 de maio

Leia mais

Portugal Forte crescimento no início do ano

Portugal Forte crescimento no início do ano 8 Abr ANÁLISE ECONÓMICA Portugal Forte crescimento no início do ano Miguel Jiménez / Agustín García / Diego Torres / Massimo Trento Nos primeiros meses do ano, a retoma do consumo privado teria impulsionado

Leia mais

A queda das bolsas chinesas e o seu impacto

A queda das bolsas chinesas e o seu impacto A queda das bolsas chinesas e o seu impacto 31 Agosto de 215 No dia 24 de Agosto a bolsa de Shangai registou a maior queda dos últimos 8 anos, ganhando rótulo de black monday. O índice composto de Shangai

Leia mais

A China desvalorizou o Yuan

A China desvalorizou o Yuan A China desvalorizou o Yuan 17Agosto de 215 O Popular da China desvalorizou a taxa de câmbio de referência diária yuan em 1,86 no dia 11 de Agosto, e no dia seguinte por,96, ten se situa nos 6,325 CNY

Leia mais

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013 Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013 Política e Economia Atividade Econômica: Os indicadores de atividade, de forma geral, apresentaram bom desempenho em abril. A produção industrial

Leia mais

Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1. Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5

Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1. Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5 Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1 Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5 Introdução No início de 2007 surgiram os primeiros sinais de uma aguda crise

Leia mais

Banco Emitente: BANCO SANTANDER TOTTA, S.A.

Banco Emitente: BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. Banco Emitente: BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. Sede: Rua Áurea, 88 1100-060 LISBOA Capital Social: 656.723.284 Número de Matricula na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa (1ª) e de Contribuinte: 500

Leia mais

POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S.

POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S. POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S. Souza e Silva ** Nos últimos anos, tem crescido a expectativa em torno de uma possível

Leia mais

Dinâmica Internacional: EUA e Europa estagnados e ascensão da China

Dinâmica Internacional: EUA e Europa estagnados e ascensão da China Dinâmica Internacional: EUA e Europa estagnados e ascensão da China Eduardo Costa Pinto Técnico de pesquisa e planejamento DINTE/IPEA 05 de outubro de 2011 Salvador/Ba Estrutura da Apresentação Parte I

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO FEPICOP - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais

Leia mais

Boletim de Risco Ano III. Nº 22. Agosto/2015

Boletim de Risco Ano III. Nº 22. Agosto/2015 Boletim de Risco Ano III. Nº. Agosto/ Cenário O mês de julho foi marcado por uma nova rodada de turbulências políticas e macroeconômicas que resultaram numa expressiva alta do CDS soberano brasileiro (gráfico.),

Leia mais

DOCUMENTO INFORMATIVO (RECTIFICAÇÃO) BES CRESCIMENTO OUTUBRO 2009 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

DOCUMENTO INFORMATIVO (RECTIFICAÇÃO) BES CRESCIMENTO OUTUBRO 2009 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO DOCUMENTO INFORMATIVO (RECTIFICAÇÃO) BES CRESCIMENTO OUTUBRO 2009 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Advertências ao investidor: 100% do capital investido garantido na maturidade Remuneração não garantida Possibilidade

Leia mais

COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÓMICOS, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL PARECER

COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÓMICOS, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL PARECER COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÓMICOS, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL PARECER PROPOSTA DE LEI N.º 162/X/3ª ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2008 PARTE I - CONSIDERANDOS 1. Nota Introdutória O Governo apresentou

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria Análise de Conjuntura Abril 2012 Indicador de Sentimento Económico Após uma melhoria em Janeiro e Fevereiro, o indicador de sentimento

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro.

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro. Julho 2012 Jun-02 Jun-03 Jun-04 Jun-05 Jun-06 Jun-07 Jun-08 Jun-09 Jun-10 Jun-11 Jun-12 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia

Leia mais

A Situação Financeira Portuguesa 1986-2009. 1986-2010: a Economia Portuguesa na União Europeia Universidade de Coimbra 28 de Abril 2010

A Situação Financeira Portuguesa 1986-2009. 1986-2010: a Economia Portuguesa na União Europeia Universidade de Coimbra 28 de Abril 2010 A Situação Financeira Portuguesa 1986-29 1986-21: a Economia Portuguesa na União Europeia Universidade de Coimbra 28 de Abril 21 Estrutura de Balanço Como evoluiu em Portugal PORTUGAL (1986) APLICAÇÃO

Leia mais

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1.

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1. Jan-04 Jan-05 Jan-06 Jan-07 Jan-08 Jan-09 Jan-10 Jan-11 Jan-12 Análise de Conjuntura Fevereiro 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9

Leia mais

RELATÓRIO ECONÔMICO MENSAL JANEIRO DE 2013

RELATÓRIO ECONÔMICO MENSAL JANEIRO DE 2013 RELATÓRIO ECONÔMICO MENSAL JANEIRO DE 2013 1 TÓPICOS Economia Americana: GDP...Pág.3 Economia Global: Europa...Pág.4 Economia Brasileira: A Inflação, o Setor Elétrico e a Gasolina...Pág.5 Mercados:Bolsas,RendaFixaeMoedas...Págs.6,7,8

Leia mais

CONFERÊNCIA LUSOFONIA ECONÓMICA PLATAFORMAS CPLP

CONFERÊNCIA LUSOFONIA ECONÓMICA PLATAFORMAS CPLP CONFERÊNCIA LUSOFONIA ECONÓMICA PLATAFORMAS CPLP 19 de Março de 2013 Centro de Congressos de Lisboa A- A evolução e o comportamento do sector exportador superaram todas as previsões e análises prospectivas

Leia mais

2009 BIAC Business Roundtable. Responding to the global economic crisis OECD s role in promoting open markets and job creation. 21 de Maio de 2009

2009 BIAC Business Roundtable. Responding to the global economic crisis OECD s role in promoting open markets and job creation. 21 de Maio de 2009 2009 BIAC Business Roundtable Responding to the global economic crisis OECD s role in promoting open markets and job creation 21 de Maio de 2009 Intervenção do Ministro de Estado e das Finanças Fernando

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV CENÁRIO ECONÔMICO EM OUTUBRO São Paulo, 04 de novembro de 2010. O mês de outubro foi marcado pela continuidade do processo de lenta recuperação das economias maduras, porém com bons resultados no setor

Leia mais

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001 Economia dos EUA e Comparação com os períodos de - e - Clara Synek* O actual período de abrandamento da economia dos EUA, iniciado em e previsto acentuar-se no decurso dos anos /9, resulta fundamentalmente

Leia mais

Indicadores de Conjuntura 4 2009. Disponível em www.bportugal.pt Publicações

Indicadores de Conjuntura 4 2009. Disponível em www.bportugal.pt Publicações Indicadores de Conjuntura 2009 Disponível em www.bportugal.pt Publicações ENQUADRAMENTO DA ECONOMIA PORTUGUESA Na reunião de 2 de Abril, o Conselho do Banco Central Europeu (BCE) reduziu as taxas de juro

Leia mais

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Mudanças recentes na situação socioeconómica portuguesa A evolução recente da economia portuguesa têm-se caracterizado por um

Leia mais

Política Monetária no G3 Estados Unidos, Japão e Área do Euro

Política Monetária no G3 Estados Unidos, Japão e Área do Euro Política Monetária no G3 Estados Unidos, Japão e Área do Euro Nos primeiros anos desta década, os bancos centrais, em diversas economias, introduziram políticas monetárias acomodatícias como forma de evitar

Leia mais

Brexit: factor de incerteza com efeitos disruptores, pelo menos no curto-prazo

Brexit: factor de incerteza com efeitos disruptores, pelo menos no curto-prazo Comentário Semanal Estudos Económicos e Financeiros Telef. 21 31 11 86 Fax: 21 353 56 94 Email: deef@bancobpi.pt 2 de Junho de 216 Teresa Gil Pinheiro Brexit: factor de incerteza com efeitos disruptores,

Leia mais

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos).

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos). Nov-02 Nov-03 Nov-04 Nov-05 Nov-06 Nov-07 Nov-08 Nov-09 Nov-10 Nov-12 Análise de Conjuntura Dezembro 2012 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal julho 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV São Paulo, 07 de março de 2012. CENÁRIO ECONÔMICO EM FEVEREIRO O mês de fevereiro foi marcado pela continuidade do movimento de alta dos mercados de ações em todo o mundo, ainda que em um ritmo bem menor

Leia mais

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS. Setembro de 2015

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS. Setembro de 2015 RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS Setembro de 2015 1 RESULTADOS DOS INVESTIMENTOS 1.1. Saldos Financeiros Saldos Segregados por Planos (em R$ mil) DATA CC FI DI/RF PGA FI IRFM1 FI IMAB5 SUBTOTAL CC FI DI/RF FI

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

ECONOMIA E MERCADOS FINANCEIROS EM 2010

ECONOMIA E MERCADOS FINANCEIROS EM 2010 ECONOMIA E MERCADOS FINANCEIROS EM 1 ENQUADRAMENTO INTERNACIONAL Depois de uma das maiores recessões da história recente, 1 foi um ano de recuperação económica. Segundo a estimativa da Comissão Europeia,

Leia mais

2015: Mais austeridade ou início de prosperidade económica?

2015: Mais austeridade ou início de prosperidade económica? 1 26 de Janeiro de 2015 2015: Mais austeridade ou início de prosperidade económica? A actual conjectura económica torna inevitável a seguinte questão: 2015, será um ano de mais medidas de austeridade ou

Leia mais

Previsões macroeconómicas subjacentes ao Programa de Estabilidade 2016-2020. Parecer do Conselho das Finanças Públicas

Previsões macroeconómicas subjacentes ao Programa de Estabilidade 2016-2020. Parecer do Conselho das Finanças Públicas Previsões macroeconómicas subjacentes ao Programa de Estabilidade 2016-2020 Parecer do Conselho das Finanças Públicas 20 de abril de 2016 O Conselho das Finanças Públicas é um órgão independente, criado

Leia mais

BOLETIM ECONÓMICO. Abril 2014 BANCO DE PORTUGAL. BOLETIM ECONÓMICO Inverno 2014

BOLETIM ECONÓMICO. Abril 2014 BANCO DE PORTUGAL. BOLETIM ECONÓMICO Inverno 2014 BOLETIM ECONÓMICO BANCO DE PORTUGAL BOLETIM ECONÓMICO Inverno 2014 EUROSISTEMA Abril 2014 BOLETIM ECONÓMICO Abril 2014 Lisboa, 2014 www.bportugal.pt BOLETIM ECONÓMICO Abril 2014 Banco de Portugal Av.

Leia mais

Angola Breve Caracterização. Julho 2007

Angola Breve Caracterização. Julho 2007 Breve Caracterização Julho 2007 I. Actividade e Preços. Após o final da guerra civil em 2002, e num contexto de relativa estabilidade política, tornou-se numa das economias de mais elevado crescimento

Leia mais

BRASIL Julio Setiembre 2015

BRASIL Julio Setiembre 2015 Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julio Setiembre 2015 Prof. Dr. Rubens Sawaya Assistente: Eline Emanoeli PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Petróleo: Preços de referência atingiram os 50 USD

Petróleo: Preços de referência atingiram os 50 USD 1 9 de Fevereiro de 2015 Petróleo: Preços de referência atingiram os 50 USD Os preços de referência do crude (WTI e Brent) estão a transaccionar acima dos 50 USD, o que poderá representar um momento de

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 15/2015

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 15/2015 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 15/2015 Data: 10/08/2015 Participantes Efetivos: Wagner de Jesus Soares Presidente, Mariana Machado de Azevedo Economista, Rosangela Pereira

Leia mais

Análise de Conjuntura

Análise de Conjuntura Análise de Conjuntura Novembro 2006 Associação Industrial Portuguesa Confederação Empresarial Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico de Outubro de 2006 apresenta uma melhoria

Leia mais

ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India

ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India EMITENTE DATA República da India 12 de Dezembro de 2014 RATINGS EMITENTE - MOEDA ESTRANGEIRA Médio e Longo Prazo BBB+ (BBB+,

Leia mais

CIRCULAR N/REFª : 09/2015 DATA: 09/01/15. ASSUNTO: Conjuntura Económica 3º Trimestre de 2014. Exmos. Senhores,

CIRCULAR N/REFª : 09/2015 DATA: 09/01/15. ASSUNTO: Conjuntura Económica 3º Trimestre de 2014. Exmos. Senhores, CIRCULAR N/REFª : 09/2015 DATA: 09/01/15 ASSUNTO: Conjuntura Económica 3º Trimestre de 2014 Exmos. Senhores, Junto se envia a Conjuntura Económica, elaborada pelo Gabinete de Estudos e Projectos, relativa

Leia mais

Prazo das concessões e a crise econômica

Prazo das concessões e a crise econômica Prazo das concessões e a crise econômica ABCE 25 de Setembro de 2012 1 1. Economia Internacional 2. Economia Brasileira 3. O crescimento a médio prazo e a infraestrutura 2 Cenário internacional continua

Leia mais

Euro em valor mínimo dos últimos 12 anos face ao USD

Euro em valor mínimo dos últimos 12 anos face ao USD 1 16 de Março de 2015 Euro em valor mínimo dos últimos 12 anos face ao USD O Euro transaccionou a 1,0696 USD, o nível mais baixo dos últimos 12 anos, e só em 2015 acumula uma depreciação de cerca de 12.

Leia mais

BRASIL: SUPERANDO A CRISE

BRASIL: SUPERANDO A CRISE BRASIL: SUPERANDO A CRISE Min. GUIDO MANTEGA Setembro de 2009 1 DEIXANDO A CRISE PARA TRÁS A quebra do Lehman Brothers explicitava a maior crise dos últimos 80 anos Um ano depois o Brasil é um dos primeiros

Leia mais

Economia e mercados. Abril 2012

Economia e mercados. Abril 2012 Economia e mercados Abril 2012 Economia e mercados 1. Como o economista é visto; 2. O papel do economista; 3. O que projetar e como projetar: onde investir hoje? [CONFIDENCIAL] 2 A imagem do economista

Leia mais

12º FÓRUM PERSPECTIVAS DE INVESTIMENTOS 2016. The asset manager for a changing world

12º FÓRUM PERSPECTIVAS DE INVESTIMENTOS 2016. The asset manager for a changing world 12º FÓRUM PERSPECTIVAS DE INVESTIMENTOS 2016 The asset manager for a changing world CENÁRIO ECONÔMICO EDUARDO YUKI ECONOMISTA CHEFE The asset manager for a changing world RITMO DE CRESCIMENTO MUNDIAL ESTÁ

Leia mais

ARC Ratings atribui notação a curto prazo de B, com tendência positiva, ao Grupo Visabeira

ARC Ratings atribui notação a curto prazo de B, com tendência positiva, ao Grupo Visabeira ARC Ratings atribui notação a curto prazo de B, com tendência positiva, ao Grupo Visabeira EMITENTE Grupo Visabeira SGPS, S.A. RATING DE EMITENTE Médio e Longo Prazo BB+ (BB+, com tendência estável) B

Leia mais