2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de Segurança Operacional. 09 a 11 de novembro de 2010

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de Segurança Operacional. 09 a 11 de novembro de 2010"

Transcrição

1 2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de 17 a 19 de novembro de 2009 Segurança Operacional 09 a 11 de novembro de 2010

2 Programas de Confiabilidade e Segurança: Semelhanças e Diferenças entre Setores Sydnei Marssal

3 Relex Software Corporation Incorporated in 1986 and acquired by PTC in 2009 Complete, truly integrated suite of reliability, availability, maintainability and safety applications Reliability engineering organization ASQ CRE s in all departments t Publish technical papers and books Provide training, i consulting and implementation services

4 Thousands of Satisfied Customers

5 Aerospace and Defense Dominance Lockheed Martin ITT BAE Systems General Dynamics Northrop Grumman Boeing Raytheon EADS Rockwell Collins Smiths Aerospace DRS CTC CAE Goodrich NASA Airbus Galileo Avionica Rheinmettal General Atomics Thales Naval Surface L3 Selex Warfare Center Sukhoi Oerlikon Contraves Honeywell Tenix Defense Marshall s s Aerospace MEADS Wyle Labs SAIC MBDA Sikorsky Saab Bell Helicopter Orbital Sciences Eaton Aerospace Augusta Westland

6 Histórico: 1939 a 1945

7 Histórico: AEC (Atomic Energy Commision) cria o Advisory Committee on Reactor Safeguards (ACRS) DoD publishes MIL-P-1629 FMEA/FMECA

8 Histórico: 1951 a : 7 estudos de caso sobre a distrib. de Weibull 1952: DoD cria o AGREE (Advisory Group on Reliability Electronic Equipment) ARINC-CapturaC t e análise de dados d de campo (válvula) Army Signal Corps, Cornel University, Vitro Corp. e Bell Labs 1953:Testes de vida de B. Epstein e M. Sobel 1954: Conferência para Qualidade e Confiabilidade 1956: RCA (Radio Corporation of America), publica seu trabalho sobre predição TR1100

9 Histórico: 1951 a 1957 Junho de 1957: Relatório AGREE Reliability of Military Electronic Equipment Fundação da disciplina de confiabilidade 1957: 1 a planta termonuclear comercial (Pittsburgh) WASH-740, Theoretical Possibilities and Consequences of Major Accidents in Large Nuclear Power Plants, AEC

10 Histórico: 58 a 69

11 Histórico: Década de : Equipe do Prof. Norman Rasmussen publica a WASH1400, Reactor Safety Study sobre PRA TMI

12 Objetivos 1. Identificar as principais similaridades e dissimilaridades entre os programas de Confiabilidade e Segurança entre os principais setores. 2. Avaliar potencial harmonização entre os setores analisados considerando d desenvolvedores d de sistemas críticos embarcados This program was designed to help U.S. defense companies diversify their operations; the firms were encouraged to produce so-called dual-use use products that could also be sold in the commercial sector. Source: DoD Acquisition Strategy, 2002

13 Programas de Confiabilidade e Segurança Espaço Militar Nuclear Aeronáutico Médico Ferroviário

14 Análise dos Programas Órgão Internacional Referência Documentos Internacionais Referência Órgão Nacional Especializado Principais normas geradas pelo setor Certificação Obrigatória Space Aeronautics Nuclear Military Rail Medical NASA ESA ICAO IAEA DoD ERA FDA DOC 9859 SF-1 NASA PRA ARP 4761 NSG 2.11 MIL STD 882 EN ISO Guide ARP 5150 SSG 3 e 4 MIL HDBK ARP 4754 NUREG 6823 IFI ANAC CNEN IFI ANTT Anvisa YES YES YES YES NO NO NO YES YES NO NO YES

15 1. Performance Based Approach Defense Acquisition Reform: DOD promoted performance-based contracting, as well as the use of acquisition reform pilot programs to test the effectiveness of some reform initiatives; one such example is missionoriented program management. Performance-based contracting defines work to be performed in measurable, mission-related terms. Source: DoD Acquisition Strategy, 2002 Performance-based requirements involve quantitative measures of product performance such as the number of failures over time, life expectancy, and time to repair a product within specified environmental Source: NASA-STD-8729 Planning, Developing and Managing an Effective Reliability and Maintainability (R&M) Program, 1998

16 2. CRM - Continuous Risk Management Source: NASA - Probabilistic Risk Assessment Procedures Guide for NASA Managers and Practitioners

17 3. Systemic Vision Source: IAEA Safety Standards

18 4. Life Cycle Understanding

19 6. Human Factor Assessment Human Error Risk Assessment Human Factors Human Factors Engineering Human Factors Task Analysis Human Reliability Analysis (HRA) Source: NASA-STD-8729 Planning, Developing and Managing an Effective Reliability and Maintainability (R&M) Program, 1998 Source: NASA - Probabilistic Risk Assessment Procedures Guide for NASA Managers and Practitioners

20 7. Multi-Level Orientation Operation and Maintenance Other Operators Authority Manufacturer Other Manufacturers Other Authorities Supplier 01 Supplier N Other Suppliers

21 8. Multiple Scope Source: NASA - Probabilistic Risk Assessment Procedures Guide for NASA Managers and Practitioners

22 Getting the Measure of Risk Potential accident sequences associated with a hazard (ETA) Failure Conditions (FHA) Determine the severity Two different approaches: Estimate probability of accident, and hence get a measure of accident risk then decide whether estimated risk is acceptable Used in many domains, including rail, military and space Establish acceptable risk, and set probability targets Civil aerospace approach (ARPs etc.)

23 Risk Classif.: Aeronautics Severidade FAA JAA Catastrophic Extremamente Improvável Extremamente Improvável Probabilidade por hora de missão P < E-9 Hazardous Extremamente Improvável Remoto P < E-7 Major Remoto P < E-5 Minor Provável Razoavelmente Provável P < E-3 Frequente P < 1 Source: SAE ARP 4761

24 Risk Classif.: Military, Space Frequency of Occurrence Hazard Severity Categories IV - Negligible III - Marginal II - Critical I - Catastrophic Frequent MEDIUM HIGH HIGH HIGH Probable LOW MEDIUM HIGH HIGH Occasional LOW MEDIUM HIGH HIGH Remote LOW LOW MEDIUM HIGH Improbable LOW LOW LOW MEDIUM Source: MIL-STD-882C

25 Risk Classif.: Rail Occurrence of a hazardous event Risk Levels Frequent Undesirable Intolerable Intolerable Intolerable Probable Tolerable Undesirable Intolerable Intolerable Occasional Negligible ibl Undesirable Undesirable Intolerable Remote Negligible Tolerable Undesirable Undesirable Improbable Negligible Negligible Tolerable Tolerable Incredible Negligible ibl Negligible ibl Negligible ibl Negligible ibl Insignificant Marginal Critical Catastrophic Severity Level of Hazard Consequence Risk Category Intolerable Undesirable Tolerable Negligible Actions to be applied against each category Shall be eliminated Shall only be accepted when risk reduction is impracticable and with the agreement of the Railway Authority or the Safety Regulatory Authority, as appropriate Acceptable with adequate control and with the agreement of the Railway Authority Acceptable with the agreement of the Railway Authority Source: EN Railway Applications - The Specification and Demonstration of Reliability, Availability, Maintainability and Safety (RAMS)

26 Risk Classif.: Medical Devices ANVISA RDC n 185/ Quanto a Classe de risco: Classe I baixo risco; Classe II médio risco; Classe III alto risco; e Classe IV máximo risco. Requisitos Essenciais de Segurança e Eficácia de Equipamentos Médicos Source: Manual para Regularização de Equipamentos Médicos na ANVISA, 2009

27 Risk Classif.: Medical Devices Source: Manual para Regularização de Equipamentos Médicos na ANVISA, 2009

28 Risk Classif.: Medical Devices Source: ISO Medical devices - Application of risk management to medical devices

29 Risk Classif.: Nuclear

30 Risk Classif.: Nuclear Source: WASH 1400, 1975

31 Análise das Técnicas Analysis Military Space Aeronautics Nuclear Rail Medical Techniques FMEA / FMECA OK OK* OK NO OK CIT 2 Reliability Prediction OK CIT CIT NO CIT OK 2 Event Tree OK OK OK OK OK OK 2 Fault Tree OK OK OK OK 3 OK OK 2 Weibull OK OK OK OK 3 CIT NO Reliability Growth OK OK OK NO NO NO Monte Carlo OK OK OK OK 3 CIT NO Markov OK NO OK OK 3 OK NO Dependency/ Block Diagrams OK OK OK NO CIT NO CCF Analysis OK OK OK CIT CIT CIT 2

32 Closed Loop: Aeronautics (ARP 5150) Source: ARP 5150 Safety Assessment of Transport Airplanes in Commercial Service, 2003

33 Closed Loop: Nuclear Source: A system for the feedback of experience from events in Nuclear Installations, 2006

34 Closed Loop: Militar, Rail, Space FAILURE REPORTING ANALYSIS CORRECTIVE ACTION SYSTEM Source: FRACAS Application Guidelines, RiAC, 1999

35 Closed Loop: Medical Devices CAPA: Corretive Action Preventive Action Initiate t CAPA Verify / Validate Define the Problem Implement Investigate Cause Conduct Effectiveness Check Solution (Action Plan) Close CAPA Source:

36 High Integrated Systems: Aeronautics ED-80/DO-254 Design Assurance Guidance for Airborne Electronic Hardware ED-12/DO Software Considerations in Airborne Systems and Equipment Certification ED 79/ARP 4754 C tifi ti C id ti f Hi hl I t t d ED-79/ARP-4754 Certification Considerations for Highly-Integrated or Complex Aircraft Systems

37 High Integrated Systems: Military, Space MIL-HDBK-338B Electronic Reliability Design Handbook MIL-STD-2167 Defense System Software Development

38 High Integrated Systems: Nuclear IEC Nuclear Power Plants - Instrumentation and Control important to safety Classification of instrumentation and control functions IEC Nuclear Power Plants - Instrumentation and Control for systems important to safety General requirements for systems IEC N l P Pl t I t t ti d C t l f IEC Nuclear Power Plants - Instrumentation and Control for systems important to safety Software aspects for computer-based systems performing category A functions

39 High Integrated Systems: Rail EN Railway applications - Communications, signaling and processing systems Software for railway control and protection systems EN Railway applications - Communications, signaling and processing systems Safety related electronic systems for signaling EN R il li ti C i ti i li d EN Railway applications - Communications, signaling and processing systems. Part 1: Safety related communication in closed transmission systems Part 2: Safety related communication in open transmission systems

40 High Integrated Systems: Medical IEC Dependability management - Part 3: Application guide Section 9: Risk analysis of technological systems IEC/TR Fundamental aspects of safety standards for medical electrical equipment IEC Medical electrical equipment Part 1: General requirements for basic safety and essential performance IEC Medical electrical l equipment Part 1-4: General requirements for safety Collateral standard: Programmable electrical medical systems IEC Medical electrical equipment Part 1-6: General requirements for safety Collateral standard: Usability IEC Medical electrical equipment Part 1-8: General requirements for basic safety and essential performance Collateral standard: General requirements, tests and guidance for alarm systems in medical electrical equipment and medical electrical systems

41 Conclusões 1. É incrível que em todos os setores a quantificação do risco seja tratada exatamente do mesmo modo. 2. Os programas maduros de apresentam mais similaridades que dissimilaridades 3. Alguns programas não são tão diretos na abordagem de confiabilidade e segurança, o que dificulta o entendimento da metodologia a ser seguida 4. As normas de terceiro nível mais utilizadas são as militares, contudo existe um movimento claro para que a IEC tenha normas similares e que sejam independentes de setor 5. O encontro entre setores pode trazer benefícios para os setores 5. O encontro entre setores pode trazer benefícios para os setores menos maduros, como é o caso de equipamentos médicos

GESTÃO DE ATIVOS E O PAS 55 UM NOVO PARADIGMA? Valéria Simões de Marco Engenheira Eletricista

GESTÃO DE ATIVOS E O PAS 55 UM NOVO PARADIGMA? Valéria Simões de Marco Engenheira Eletricista GESTÃO DE ATIVOS E O PAS 55 UM NOVO PARADIGMA? Valéria Simões de Marco Engenheira Eletricista RESUMO O documento PAS 55 é uma especificação disponível publicamente, que foi emitida em 2004 pela British

Leia mais

COMPONENTES DO SMS RISCOS PERIGOS MITIGAÇÕES

COMPONENTES DO SMS RISCOS PERIGOS MITIGAÇÕES GABINETE DE SEGURANÇA DO AEROPORTO DE LISBOA - 2014 1 COMPONENTES DO SMS RISCOS PERIGOS MITIGAÇÕES COMPONENTES DO SMS SMS COMPONENTES DO SMS CORRIGIR... CORRIGIR... CORRIGIR... CORRIGIR... SUMÁRIO Introdução

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS BOAS PRÁTICAS DE ENGENHARIA APLICADAS À GESTÃO DOS SISTEMAS INSTRUMENTADOS DE SEGURANÇA: UMA ABORDAGEM DE SIL

INTRODUÇÃO ÀS BOAS PRÁTICAS DE ENGENHARIA APLICADAS À GESTÃO DOS SISTEMAS INSTRUMENTADOS DE SEGURANÇA: UMA ABORDAGEM DE SIL INTRODUÇÃO ÀS BOAS PRÁTICAS DE ENGENHARIA APLICADAS À GESTÃO DOS SISTEMAS INSTRUMENTADOS DE SEGURANÇA: UMA ABORDAGEM DE SIL Ana Cristina Costa Almeida Risk and Reliability Senior Consultant DNV Energy

Leia mais

Gerenciando a Cadeia de Suprimentos (Managing the Supply Chain) A Experiência Cargill ( Cargill s Experience)

Gerenciando a Cadeia de Suprimentos (Managing the Supply Chain) A Experiência Cargill ( Cargill s Experience) Gerenciando a Cadeia de Suprimentos (Managing the Supply Chain) A Experiência Cargill ( Cargill s Experience) 1 Jose de Ribamar, Ger Qualidade e Food Safety Cargill Amidos e Adoçantes América do Sul jose_ribamar@cargill.com

Leia mais

Safety Ariane 5 European Space Agency(ESA) - 1996

Safety Ariane 5 European Space Agency(ESA) - 1996 Realização Apoio Patrocínio Qualificações de Software para VANTs: Visão geral da RTCA DO-178B Marina Mendonça Natalino Zenun Motivação Uso crescente e Complexidade Tecnologia está mudando rapidamente Tem

Leia mais

Probabilistic Risk Assessment (PRA)

Probabilistic Risk Assessment (PRA) Probabilistic Risk Assessment (PRA) 08 de Setembro de 2009 Renan Fernandes Vazquez renan.vazquez@tmktbrasil.com.br Objetivo Motivação Dificuldade Conceito Gerenciamento na NASA O PRA na NASA Esforços de

Leia mais

Protective circuitry, protective measures, building mains feed, lighting and intercom systems

Protective circuitry, protective measures, building mains feed, lighting and intercom systems Tecnologia de instalações electrónicas Training systems / trainers for electrical wiring/building management systems: Protective circuitry, protective measures, building mains feed, lighting and intercom

Leia mais

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER Theinformationcontainedinthisdocumentcannotbechangedormodifiedinanywayand shouldserveonlythepurposeofpromotingexchangeofexperience,knowledgedissemination

Leia mais

Seminário Anexo 19 Gestão de Segurança Operacional

Seminário Anexo 19 Gestão de Segurança Operacional Seminário Anexo 19 Gestão de Segurança Operacional SMS - Desafios de Implementação 2014/01/30 Conteúdos Origens Enquadramento Regulamentar Safety Culture Identificação de perigos Matriz de Risco Safety

Leia mais

Information technology specialist (systems integration) Especialista em tecnologia da informação (integração de sistemas)

Information technology specialist (systems integration) Especialista em tecnologia da informação (integração de sistemas) Information technology specialist (systems integration) Especialista em tecnologia da informação (integração de sistemas) Professional activities/tasks Design and produce complex ICT systems by integrating

Leia mais

ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 versão DIS Principais alterações

ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 versão DIS Principais alterações ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 versão DIS Principais alterações Raquel Silva 02 Outubro 2014 ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 PUBLICAÇÃO DIS: - Draft International Standard

Leia mais

Programa de Auditoria Única em Produtos para Saúde Medical Device Single Audit Program MDSAP Etapa Piloto Fernanda Maia

Programa de Auditoria Única em Produtos para Saúde Medical Device Single Audit Program MDSAP Etapa Piloto Fernanda Maia Programa de Auditoria Única em Produtos para Saúde Medical Device Single Audit Program MDSAP Etapa Piloto Fernanda Maia São Paulo, 22 de maio de 2014. Fórum Internacional de Reguladores em Produtos para

Leia mais

A Norma ISO 50.001 de Gestão da Energia. novidades e futuro

A Norma ISO 50.001 de Gestão da Energia. novidades e futuro A Norma ISO 50.001 de Gestão da Energia novidades e futuro Alberto J. Fossa ICA/Procobre São Paulo Julho - 2011 Motivação, Histórico, Justificativas O Sistema de Gestão da Energia Cenário e Perspectivas

Leia mais

Manutenção e inspeção baseadas em risco aplicadas a balsas de serviço offshore: proposição de método para a tomada de decisão

Manutenção e inspeção baseadas em risco aplicadas a balsas de serviço offshore: proposição de método para a tomada de decisão Mauro Augusto Martins Júnior Manutenção e inspeção baseadas em risco aplicadas a balsas de serviço offshore: proposição de método para a tomada de decisão Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada

Leia mais

T Ã O B O M Q U A N T O N O V O

T Ã O B O M Q U A N T O N O V O D I S S E R T A Ç Ã O D E M E S T R A D O M A S T E R I N G D I S S E R T A T I O N A V A L I A Ç Ã O D A C O N D I Ç Ã O D E T Ã O B O M Q U A N T O N O V O U M A A P L I C A Ç Ã O E N V O L V E N D O

Leia mais

A Cloud Computing Architecture for Large Scale Video Data Processing

A Cloud Computing Architecture for Large Scale Video Data Processing Marcello de Lima Azambuja A Cloud Computing Architecture for Large Scale Video Data Processing Dissertação de Mestrado Dissertation presented to the Postgraduate Program in Informatics of the Departamento

Leia mais

A NORMA ISO11783 COMO PADRÃO INTERNACIONAL E A SUA UTILIZAÇÃO NA AGRICULTURA

A NORMA ISO11783 COMO PADRÃO INTERNACIONAL E A SUA UTILIZAÇÃO NA AGRICULTURA A NORMA ISO11783 COMO PADRÃO INTERNACIONAL E A SUA UTILIZAÇÃO NA AGRICULTURA ALEXANDRE DE A. GUIMARÃES 1 ANTÔNIO M. SARAIVA 2 RESUMO Considerando-se os impactos relacionados ao aumento da eletrônica embarcada

Leia mais

GLÁUCIO SANTOS Tecnologia, Universidade Mackenzie, 1991 CONSIDERAÇÕES DO AMBIENTE ELETROMAGNÉTICO URBANO NA ANÁLISE

GLÁUCIO SANTOS Tecnologia, Universidade Mackenzie, 1991 CONSIDERAÇÕES DO AMBIENTE ELETROMAGNÉTICO URBANO NA ANÁLISE GLÁUCIO SANTOS Tecnologia, Universidade Mackenzie, 1991 CONSIDERAÇÕES DO AMBIENTE ELETROMAGNÉTICO URBANO NA ANÁLISE DE INTERFERÊNCIAS EM VEÍCULOS AUTOMOTORES Dissertação apresentada à Escola Politécnica

Leia mais

www.apncf.pt 1ª fase de candidaturas alargada até final de Abril de 2008

www.apncf.pt 1ª fase de candidaturas alargada até final de Abril de 2008 enews@apncf Newsletter Março 2008 www.apncf.pt Projecto APNCF Organismo Notificado (ON) Candidaturas para constituição da Bolsa de Avaliadores 1ª fase de candidaturas alargada até final de Abril de 2008

Leia mais

PROJECTO ÂNCORA QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO NO SECTOR DAS TICE. Qualificação e Certificação em Gestão de Serviços de TI

PROJECTO ÂNCORA QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO NO SECTOR DAS TICE. Qualificação e Certificação em Gestão de Serviços de TI Pólo de Competitividade das Tecnologias de Informação, Comunicação e Electrónica TICE.PT PROJECTO ÂNCORA QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO NO SECTOR DAS TICE Qualificação e Certificação em Gestão de Serviços

Leia mais

IT Governance e ISO/IEC 20000. Susana Velez

IT Governance e ISO/IEC 20000. Susana Velez IT Governance e ISO/IEC 20000 Susana Velez Desafios de TI Manter TI disponível Entregar valor aos clientes Gerir os custos de TI Gerir a complexidade Alinhar TI com o negócio Garantir conformidade com

Leia mais

Introduction to Network Design and Planning

Introduction to Network Design and Planning Introduction to Network Design and Planning Joao.Neves@fe.up.pt 1 In the Beginning... The project of a Network was the result of the inspiration of a guru or an "artist" (after all was considered an art...)

Leia mais

ISO 14000 E LICENCIAMENTO NUCLEAR. Nádia Soido Falcão Martins

ISO 14000 E LICENCIAMENTO NUCLEAR. Nádia Soido Falcão Martins ISO 14000 E LICENCIAMENTO NUCLEAR Nádia Soido Falcão Martins Instituto de Radioproteção e Dosimetria, CNEN Av. Salvador Allende s/n 0, Jacarepaguá 22780-160, Rio de Janeiro, Brasil RESUMO Nos dias de hoje,

Leia mais

Ficha da Unidade Curricular

Ficha da Unidade Curricular ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE FELGUEIRAS Ficha da Unidade Curricular CURSO Mestrado em U.C. SISTEMAS INTEGRADOS DE Gestão Integrada da Qualidade,Ambiente e Segurança GESTÃO Horas presenciais

Leia mais

The Brazil United States Consumer Product Safety Conference Brazil United States Joint Press Statement June 10, 2011 Rio de Janeiro, Brazil Common Interests Ensuring a high level of consumer product safety

Leia mais

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos.

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos. A GESTÃO DE PROJETOS EXISTENTE NA NORMA DO-178B Matheus da Silva Souza, matheusdasilvasouza@gmail.com Prof. Dr. Luiz Alberto Vieira Dias, vdias@ita.br Instituto Tecnológico de Aeronáutica Praça Marechal

Leia mais

2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de Segurança Operacional. 09 a 11 de novembro de 2010

2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de Segurança Operacional. 09 a 11 de novembro de 2010 2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de 17 a 19 de novembro de 2009 Segurança Operacional 09 a 11 de novembro de 2010 Norma NBR de Diretrizes para a Integração do SGSO com outros Sistemas

Leia mais

Um laboratório de calibração ou de ensaio, para ser

Um laboratório de calibração ou de ensaio, para ser Os requisitos para os programas: um por todos e todos por um? É importante comparar os documentos que orientam os laboratórios para a acreditação de provedores de ensaios de proficiência, exemplifica pequenas

Leia mais

Uma Abordagem para a Avaliação de Processos de Desenvolvimento de Software Baseada em Risco e Conformidade

Uma Abordagem para a Avaliação de Processos de Desenvolvimento de Software Baseada em Risco e Conformidade Rafael de Souza Lima Espinha Uma Abordagem para a Avaliação de Processos de Desenvolvimento de Software Baseada em Risco e Conformidade Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial

Leia mais

METODOLOGIA PARA PROJETO DE INTERFACES E EQUIPAMENTOS NUCLEARES COM ABORDAGEM CENTRADA NOS USUÁRIOS E NA SUA ATIVIDADE

METODOLOGIA PARA PROJETO DE INTERFACES E EQUIPAMENTOS NUCLEARES COM ABORDAGEM CENTRADA NOS USUÁRIOS E NA SUA ATIVIDADE 6 Disponibilizado no endereço http://www.acaoergonomica.ergonomia.ufrj.br Ação Ergonômica vol 3 nº. 1 (2007) pp. 01-06 METODOLOGIA PARA PROJETO DE INTERFACES E EQUIPAMENTOS NUCLEARES COM ABORDAGEM CENTRADA

Leia mais

INAC 2009, Rio de Janeiro, RJ, Brazil.

INAC 2009, Rio de Janeiro, RJ, Brazil. 2009 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2009 Rio de Janeiro,RJ, Brazil, September27 to October 2, 2009 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-03-8 IMPLEMENTAÇÃO

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORAÇÃO RADIOLÓGICA AMBIENTAL

PROGRAMA DE MONITORAÇÃO RADIOLÓGICA AMBIENTAL POSIÇÃO REGULATÓRIA 3.01/008:2011 PROGRAMA DE MONITORAÇÃO RADIOLÓGICA AMBIENTAL 1. REQUISITO DA NORMA SOB INTERPRETAÇÃO Esta Posição Regulatória refere se ao requisito da Norma CNEN NN 3.01 Diretrizes

Leia mais

Regulador Integrado TA-956 - Rev.0. Regulador Integrado TA-956 Integrated Regulator TA-956

Regulador Integrado TA-956 - Rev.0. Regulador Integrado TA-956 Integrated Regulator TA-956 Regulador Integrado TA-956 - Rev.0 Regulador Integrado TA-956 Integrated Regulator TA-956 Tormene Brasil Americana S.A. Conteúdo Contents.: 02 03. 04. Especificações Técnicas Manufacturing Specifications

Leia mais

A Inspeção Baseada em Risco como uma Ferramenta no Gerenciamento dos Riscos de Processo

A Inspeção Baseada em Risco como uma Ferramenta no Gerenciamento dos Riscos de Processo A Inspeção Baseada em Risco como uma Ferramenta no Gerenciamento dos Riscos de Processo Autor: Davi Roberto Ohlweiler davi.ohlweiler@braskem.com.br Fone: 51 3457 6470 Resumo: O gerenciamento de riscos

Leia mais

SWEBOK. Guide to the Software Engineering Body Of Knowledge. Teresa Maciel tmmaciel@gmail.com DEINFO/UFRPE

SWEBOK. Guide to the Software Engineering Body Of Knowledge. Teresa Maciel tmmaciel@gmail.com DEINFO/UFRPE SWEBOK Guide to the Engineering Body Of Knowledge Teresa Maciel tmmaciel@gmail.com DEINFO/UFRPE 1 Iniciativa do IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers) Computer Society. (www.ieee.org)

Leia mais

Unidade curricular: Sistemas de Informação para a Gestão Nº horas: 75 ECTS: 7 1.º ano

Unidade curricular: Sistemas de Informação para a Gestão Nº horas: 75 ECTS: 7 1.º ano Licenciatura em Gestão (1º ciclo) First Cycle Degree in Management Unidade curricular: Sistemas de Informação para a Gestão Nº horas: 75 ECTS: 7 1.º ano Curricular Unit: Information Systems for Management

Leia mais

Sistema Integrado de Gerenciamento da Segurança Operacional

Sistema Integrado de Gerenciamento da Segurança Operacional Sistema Integrado de Gerenciamento da Segurança Operacional OBJETIVO APRESENTAR AÇÕES DE IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE SEGURANÇA OPERACIONAL NA TAM ROTEIRO PROGRAMAS DE PREVENÇÃO DE ACIDENTE

Leia mais

SAP Multinacional alemã de tecnologia, líder global em software de gestão de processos, contrata:

SAP Multinacional alemã de tecnologia, líder global em software de gestão de processos, contrata: SAP Multinacional alemã de tecnologia, líder global em software de gestão de processos, contrata: Vaga: Estagiário Área Jurídica Área: Legal Department O Departamento Jurídico é uma área dinâmica que possui

Leia mais

IV PETROBRAS DAY A certificação de Competências Pessoais para instalações Elétricas, de Instrumentação e de Automação para Atmosferas Explosivas

IV PETROBRAS DAY A certificação de Competências Pessoais para instalações Elétricas, de Instrumentação e de Automação para Atmosferas Explosivas IV PETROBRAS DAY A certificação de Competências Pessoais para instalações Elétricas, de Instrumentação e de Automação para Atmosferas Explosivas O necessário ponto de vista do usuário do ciclo total de

Leia mais

Sumário. IHST Brasil. Iniciativas, Atividades e Ferramentas Acessíveis de Prevenção 19/01/2013

Sumário. IHST Brasil. Iniciativas, Atividades e Ferramentas Acessíveis de Prevenção 19/01/2013 IHST Brasil Iniciativas, Atividades e Ferramentas Acessíveis de Prevenção JHSAT Co-Chair Industria: Ana Claudia Malagrino Galvão 1 1 Sumário Iniciativa IHST - Introdução Atividades e Resultados do IHST

Leia mais

Integrated Network Operations Support System ISO 9001 Certified A Plataforma Integradora Integrated Platform O INOSS V2 é uma poderosa plataforma de operação e gestão centralizada de redes e serviços de

Leia mais

Company Presentation COMPANY

Company Presentation COMPANY COMPANY ATRIA is a integrator of systems of Automation enclosing the most diverse segments of market. We count on the excellency technique and more than 15 years experience of our team in the Industrial

Leia mais

Gestão da Continuidade de Negócios

Gestão da Continuidade de Negócios Gestão da Continuidade de Negócios Fernando José Karl, AMBCI, CISSP, CISM fernando.karl@gmail.com 12/08/11 UNISINOS 2011-2 1 Competências da Disciplina Elaborar projetos e estratégias de continuidade de

Leia mais

INFORMATION SECURITY IN ORGANIZATIONS

INFORMATION SECURITY IN ORGANIZATIONS INFORMATION SECURITY IN ORGANIZATIONS Ana Helena da Silva, MCI12017 Cristiana Coelho, MCI12013 2 SUMMARY 1. Introduction 2. The importance of IT in Organizations 3. Principles of Security 4. Information

Leia mais

TÍTULO: UM ESTUDO CONCEITUAL SOBRE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE EMBARCADO AERONÁUTICO

TÍTULO: UM ESTUDO CONCEITUAL SOBRE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE EMBARCADO AERONÁUTICO TÍTULO: UM ESTUDO CONCEITUAL SOBRE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE EMBARCADO AERONÁUTICO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA

Leia mais

Definição do Modelo de Processo

Definição do Modelo de Processo Definição do Modelo de Processo 1. Introdução 1.1. Finalidade Mapear práticas sugeridas (i) pelo Padrão para Gestão de Portfólio do PMI, (ii) pelo Modelo de Referência do MPS.BR e (iii) pela Norma ISO/IEC

Leia mais

Session 8 The Economy of Information and Information Strategy for e-business

Session 8 The Economy of Information and Information Strategy for e-business Session 8 The Economy of Information and Information Strategy for e-business Information economics Internet strategic positioning Price discrimination Versioning Price matching The future of B2C InformationManagement

Leia mais

Certificação - Software Embarcado -

Certificação - Software Embarcado - Certificação - Software Embarcado - CTA IFI - CAvC ESW 19 22 Set 2005 Tópicos Referências Siglas Introdução Descrição Conformidade Integração RCE Contexto de Atuação Casos Reais / Conclusão Informações

Leia mais

Implementação de CMMi SAM com Six Sigma

Implementação de CMMi SAM com Six Sigma Implementação de CMMi SAM com Six Sigma Caso de sucesso na Motorola Brasil Jose Mario Lima Gerente de Qualidade e Six Sigma Six Sigma Black Belt A Motorola no Brasil Definição do problema O Desafio A oportunidade

Leia mais

Gestão de Serviços. Mário Lavado itsmf Portugal. Guimarães 18 de Novembro 2010. itsmf Portugal 1

Gestão de Serviços. Mário Lavado itsmf Portugal. Guimarães 18 de Novembro 2010. itsmf Portugal 1 Gestão de Serviços Mário Lavado itsmf Portugal Guimarães 18 de Novembro 2010 itsmf Portugal 1 Agenda 1. O que é o itsmf? 2. A Gestão de Serviços e o ITIL 3. A ISO 20000 4. A certificação ISO 20000 itsmf

Leia mais

Software product lines. Paulo Borba Informatics Center Federal University of Pernambuco

Software product lines. Paulo Borba Informatics Center Federal University of Pernambuco Software product lines Paulo Borba Informatics Center Federal University of Pernambuco Software product lines basic concepts Paulo Borba Informatics Center Federal University of Pernambuco Um produto www.usm.maine.edu

Leia mais

Taxonomia de banco de dados de confiabilidade para a distribuição de gás natural

Taxonomia de banco de dados de confiabilidade para a distribuição de gás natural Taxonomia de banco de dados de confiabilidade para a distribuição de gás natural Adriano Nonato Cruz de Souza (UFBA) adriano@ambseg.com.br Enrique Lopez Droguett (UFPE) ealopez@ufpe.br Resumo Técnicas

Leia mais

Maria Segurado Fátima, 25 de Fevereiro de 2008

Maria Segurado Fátima, 25 de Fevereiro de 2008 Alterações da norma OHSAS 18001:2007 Ricardo Teixeira Gestor de Cliente Coordenador Revisão da norma Objectivos da revisão danorma: Esclarecimento da 1.ª edição; Alinhamento com a ISO 14001; Melhoria da

Leia mais

Geração automática de suíte de teste para GUI a partir de Rede de Petri

Geração automática de suíte de teste para GUI a partir de Rede de Petri Raquel Jauffret Guilhon Geração automática de suíte de teste para GUI a partir de Rede de Petri Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre pelo

Leia mais

Otimização geral de processos (OEE) Fabian Prehn Campinas Setembro 2014

Otimização geral de processos (OEE) Fabian Prehn Campinas Setembro 2014 Otimização geral de processos (OEE) Fabian Prehn Campinas Setembro 2014 Agenda Agenda Futuro da produção farmacêutica Future of pharmaceutical production Compressão como principal ponto no processo de

Leia mais

ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS

ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS THE CAPITAL STRUCTURE: AN ANALYSE ON INSURANCE COMPANIES FREDERIKE MONIKA BUDINER METTE MARCO ANTÔNIO DOS SANTOS MARTINS PAULA FERNANDA BUTZEN

Leia mais

ICS-GT INTEGRATED CONTROL SYSTEM FOR GAS TURBINE

ICS-GT INTEGRATED CONTROL SYSTEM FOR GAS TURBINE ICS-GT INTEGRATED CONTROL SYSTEM FOR GAS TURBINE ICS Gas Turbine Complete Control ICS-GT control system is an plc-based, integrated solution for gas turbine control and protection. The ICS-GT control system

Leia mais

Grupo de Trabalho WG3 Privacidade, Segurança e Qualidade

Grupo de Trabalho WG3 Privacidade, Segurança e Qualidade Encontro Sistemas de Informação para a Saúde: Normas e Recomendações Europeias Grupo de Trabalho WG3 Privacidade, Segurança e Qualidade Caparica, 3 de Dezembro de 2015 Comissão Técnica CT199 - Sistemas

Leia mais

O Compromisso Crescimento Verde e a Sustentabilidade na Secil

O Compromisso Crescimento Verde e a Sustentabilidade na Secil O Compromisso Crescimento e a Sustentabilidade na Secil GONÇALO SALAZAR LEITE CEO GRACE - Encontro Temático Crescimento 1 Ponto de Partida O cimento é um bem essencial ao conforto, segurança e património

Leia mais

SMS. Risk Assessment. Instruction and training Flights

SMS. Risk Assessment. Instruction and training Flights SMS Risk Assessment Instruction and training Flights SMS Componentes Operacionais Identificação de hazards (situações de risco) Estão identificados os principais factores de risco com que lidamos no dia

Leia mais

Sistema de Evacuação por Voz. Justificação, descrição e normalização

Sistema de Evacuação por Voz. Justificação, descrição e normalização Sistema de Evacuação por Voz Justificação, descrição e normalização Sumário Porquê um sistema de evacuação por voz O que é um sistema de evacuação por voz Normas e regras O presente e o futuro Porquê um

Leia mais

Pensar o futuro. Acreditação dos Serviços de Anatomia Patológica.

Pensar o futuro. Acreditação dos Serviços de Anatomia Patológica. Pensar o futuro. Acreditação dos Serviços de Anatomia Patológica. INSA-PNAEQ/Labquality Oy/Ordem dos Médicos Rui Manuel Santos Silva Farmacêutico Analista Clínico Consultor A GARANTIA DA QUALIDADE É UM

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DAS INDÚSTRIAS AEROESPACIAIS DO BRASIL. Pág.: 1

ASSOCIAÇÃO DAS INDÚSTRIAS AEROESPACIAIS DO BRASIL. Pág.: 1 ASSOCIAÇÃO DAS INDÚSTRIAS AEROESPACIAIS DO BRASIL Pág.: 1 Pág.: 2 Relatório de Ocorrências Aeronáuticas Sistema de comunicação vigente no Brasil (ANAC) Sistema de comunicação vigente nos EUA (FAA) Integração

Leia mais

Transportes. Transportation. Semestre do plano de estudos 1

Transportes. Transportation. Semestre do plano de estudos 1 Nome UC Transportes CU Name Código UC 706 Curso MEC Semestre do plano de estudos 1 Área científica Engenharia Civil Duração Semestral Horas de trabalho 120 ECTS 4.5 Horas de contacto T - 22,5; TP - 22,5

Leia mais

Análise Probabilística de Semântica Latente aplicada a sistemas de recomendação

Análise Probabilística de Semântica Latente aplicada a sistemas de recomendação Diogo Silveira Mendonça Análise Probabilística de Semântica Latente aplicada a sistemas de recomendação Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título de

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE UM MODELO DE CONFIABILIDADE PARA UMBILICAIS DE CONTROLE DE PRODUÇÃO OFFSHORE

CONSTRUÇÃO DE UM MODELO DE CONFIABILIDADE PARA UMBILICAIS DE CONTROLE DE PRODUÇÃO OFFSHORE A pesquisa Operacional e os Recursos Renováveis 4 a 7 de novembro de 2003, Natal-RN CONSTRUÇÃO DE UM MODELO DE CONFIABILIDADE PARA UMBILICAIS DE CONTROLE DE PRODUÇÃO OFFSHORE João Marcelo Silva de Melo

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO OPERACIONAL

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO OPERACIONAL RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO OPERACIONAL AERONAVE EA500 (ECLIPSE AEROSPACE INC., ICAO EA50) RIO DE JANEIRO, BRASIL ORIGINAL OUTUBRO, 2012 ANAC, Rio de Janeiro, Brasil 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 4 2. RESUMO DESCRITIVO

Leia mais

Salud Brasil SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE

Salud Brasil SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Salud Brasil SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE IV EXPOEPI International Perspectives on Air Quality: Risk Management Principles for Oficina de Trabalho: Os Desafios e Perspectivas da Vigilância Ambiental

Leia mais

Slide do Prof. Silvio Meira. http://www.innosight.com/documents/diprimer.pdf

Slide do Prof. Silvio Meira. http://www.innosight.com/documents/diprimer.pdf Slide do Prof. Silvio Meira http://www.innosight.com/documents/diprimer.pdf Slide do Prof. Silvio Meira http://www.innosight.com/documents/diprimer.pdf Slide do Prof. Silvio Meira Slide do Prof. Silvio

Leia mais

APRESENTAÇÃO. ABNT CB-3 Comitê Brasileiro de Eletricidade Comissão de Estudo CE 03:064.01 Instalações Elétricas de Baixa Tensão NBR 5410

APRESENTAÇÃO. ABNT CB-3 Comitê Brasileiro de Eletricidade Comissão de Estudo CE 03:064.01 Instalações Elétricas de Baixa Tensão NBR 5410 APRESENTAÇÃO ABNT CB-3 Comitê Brasileiro de Eletricidade Comissão de Estudo CE 03:064.01 Instalações Elétricas de Baixa Tensão NBR 5410 Instalações elétricas de baixa tensão NBR 5410:1997 NBR 5410:2004

Leia mais

Tendências da pesquisa acadêmica na àrea de Marketing

Tendências da pesquisa acadêmica na àrea de Marketing Tendências da pesquisa acadêmica na àrea de Marketing Wagner A. Kamakura Ford Motor Company Professor of Global Marketing Duke University Outline A Pesquisa academica na area de Marketing O Marketing como

Leia mais

ESTUDO SOBRE O PLANEJAMENTO DA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE DE PRODUTOS QUÍMICOS E GERENCIAMENTO DE SUAS OPERAÇÕES EM UMA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA

ESTUDO SOBRE O PLANEJAMENTO DA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE DE PRODUTOS QUÍMICOS E GERENCIAMENTO DE SUAS OPERAÇÕES EM UMA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA CRISTINA ZAK RIBEIRO ESTUDO SOBRE O PLANEJAMENTO DA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE DE PRODUTOS QUÍMICOS E GERENCIAMENTO DE SUAS OPERAÇÕES EM UMA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA São Paulo 2007 CRISTINA ZAK RIBEIRO

Leia mais

CoP COMUNIDADES DE PRÁTICA

CoP COMUNIDADES DE PRÁTICA CoP COMUNIDADES DE PRÁTICA MOTIVAÇÃO PARA AS EMPRESAS Lucro/ Despesas com intangíveis Em qual empresa você investiria? A ou B? A } BSC BSC ERP }P&D B BSC ERP P&D Design }CRM BSC ERP P&D Design CRM Mkt

Leia mais

Desenvolvimento Ágil 1

Desenvolvimento Ágil 1 Desenvolvimento Ágil 1 Just-in-Time Custo = Espaço + Publicidade + Pessoal De que forma poderiamos bater a concorrência se um destes factores fosse zero? 2 Just-in-time Inventory is waste. Custo de armazenamento

Leia mais

Design de Multimédia e Interacção

Design de Multimédia e Interacção índice 1. Interacção 1.1 Definições 2.1 Definições 2.2 Definições - diagrama 1 2.3 Definições - sumário 2.4 Princípios - diagrama 2 2.5 So, What is Interaction Design? Bibliografia 1. Interacção 1.1 Definições

Leia mais

Verificação e Validação de Sistemas de Software para Projetos Espaciais

Verificação e Validação de Sistemas de Software para Projetos Espaciais Verificação e Validação de Sistemas de Software para Projetos Espaciais Coordenador: Carlos H.N. Lahoz Equipe: Miriam C. B. Alves Martha A. D. Abdala Luciene Bianca Alves (bolsista DTI) Tópicos: 1- Objetivo

Leia mais

BRIGHAM AND EHRHARDT PDF

BRIGHAM AND EHRHARDT PDF BRIGHAM AND EHRHARDT PDF ==> Download: BRIGHAM AND EHRHARDT PDF BRIGHAM AND EHRHARDT PDF - Are you searching for Brigham And Ehrhardt Books? Now, you will be happy that at this time Brigham And Ehrhardt

Leia mais

desenvolvimento de software em indústria, comunidades acadêmicas e científicas uma fábrica de software?... joa@ufrpe.br silvio@cesar.org.

desenvolvimento de software em indústria, comunidades acadêmicas e científicas uma fábrica de software?... joa@ufrpe.br silvio@cesar.org. desenvolvimento de software em indústria, comunidades acadêmicas e científicas uma fábrica de software?... joa@ufrpe.br silvio@cesar.org.br laboratórios de desenvolvimento... Produção de Software: histórico

Leia mais

Peter Øye, CEO & President, Markleen AS. Response and Containment systems

Peter Øye, CEO & President, Markleen AS. Response and Containment systems Peter Øye, CEO & President, Markleen AS Response and Containment systems What we do: Markleen supplies complete Oil Spill Response Systems for PSVs to NOFO and Petrobras standards. Oil Booms Skimmer Fast

Leia mais

REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AUDITOR DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NBR 15100

REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AUDITOR DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NBR 15100 REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AUDITOR DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NBR 15100 NORMA Nº NIT-DICOR-062 APROVADA EM ABR/07 Nº 01/05 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Histórico

Leia mais

Competências Gerenciais

Competências Gerenciais Gerenciais usando o PMCD para alavancar sua carreira Ayres set 2015 1 Ayres, MsC*, PMP, MBA, ITIL, ISO 20000, COBIT Consultor, professor e palestrante nas áreas de governança, gestão e projetos. Mestrando

Leia mais

Governança de TI: Aspectos Gerenciais

Governança de TI: Aspectos Gerenciais Governança de TI: Aspectos Gerenciais Governança de TI: Aspectos Gerenciais 1 Governança de TI: Aspectos Gerenciais Governança de TI: Aspectos Gerenciais Governança é a forma como a estrutura organizacionalestá

Leia mais

Competence Skill Knowledge He/She is able to collect data from customers. Ele / Ela é capaz de coletar dados de clientes.

Competence Skill Knowledge He/She is able to collect data from customers. Ele / Ela é capaz de coletar dados de clientes. Automation and process engineer Engenheiro de automação e processo Professional activities/tasks Collecting data for planning A coleta de dados para o planejamento Collecting data from customers Coleta

Leia mais

Uma Abordagem para Condução de Iniciativas de Melhoria de Processos de Software

Uma Abordagem para Condução de Iniciativas de Melhoria de Processos de Software Uma Abordagem para Condução de Iniciativas de Melhoria de Processos de Software Mariano Montoni, Cristina Cerdeiral, David Zanetti, Ana Regina Rocha COPPE/UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro

Leia mais

Iony Patriota de Siqueira K.1

Iony Patriota de Siqueira K.1 Apresentação Agenda Força-Tarefa Manutenção Centrada na Confiabilidade de Subestações Primeira Reunião /0/00 Abertura Objetivos Comunicação Atividades do Cigré Termo de Referência Bibliografia de Referência

Leia mais

The Challenges of Global Food Supply Chains Os Desafios da Cadeia Global de Alimentos. David Acheson, MD Leavitt Partners LLC

The Challenges of Global Food Supply Chains Os Desafios da Cadeia Global de Alimentos. David Acheson, MD Leavitt Partners LLC The Challenges of Global Food Supply Chains Os Desafios da Cadeia Global de Alimentos David Acheson, MD Leavitt Partners LLC Outline Esboço Factors Driving Changes Fatores que impulsionam as mudanças Challenges

Leia mais

DevOps. Carlos Eduardo Buzeto (@_buzeto) IT Specialist IBM Software, Rational Agosto 2013. Accelerating Product and Service Innovation

DevOps. Carlos Eduardo Buzeto (@_buzeto) IT Specialist IBM Software, Rational Agosto 2013. Accelerating Product and Service Innovation DevOps Carlos Eduardo Buzeto (@_buzeto) IT Specialist IBM Software, Rational Agosto 2013 1 O desenvolvedor O mundo mágico de operações Como o desenvolvedor vê operações Como operações vê uma nova release

Leia mais

SPICE e ISO 15504. Jorge H C Fernandes 2004

SPICE e ISO 15504. Jorge H C Fernandes 2004 SPICE e ISO 15504 Jorge H C Fernandes 2004 SPICE: Um Framework para a Avaliação Integrada de Processos de Software [SPICE 1] Process Identifies changes to Is examined by Process Assessment Identifies capability

Leia mais

User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing

User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing Kern, Bryan; B.S.; The State University of New York at Oswego kern@oswego.edu Tavares, Tatiana; PhD;

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 21-002 Revisão A

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 21-002 Revisão A Aprovação: Assunto: INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 21-002 Portaria nº 2.031/SAR, de 4 de outubro de 2012, publicada no Diário Oficial da União nº 194, S/1, pág. 26, de 5 de outubro de 2012. Retificada

Leia mais

Systems Engineering. Luís Carlos Catarino

Systems Engineering. Luís Carlos Catarino Concurrent Design & Systems Engineering Luís Carlos Catarino CSE-200-4 Introdução à 29/05/2012 Agenda Engenharia de Sistemas Engenharia Simultânea Projeto Simultâneo Exemplo: Concurrent Design Facility

Leia mais

EPLNA_2012. Ciclo de Garantia da Qualidade Analítica: tendências e etapas fundamentais para a fornecer resultados confiáveis

EPLNA_2012. Ciclo de Garantia da Qualidade Analítica: tendências e etapas fundamentais para a fornecer resultados confiáveis Ciclo de Garantia da Qualidade Analítica: tendências e etapas fundamentais para a fornecer resultados confiáveis Prof. Dr. Igor Renato Bertoni Olivares Top 02 in analytical chemistry Impact Factor - 6,6

Leia mais

LEGISLAÇÃO EM CENTRAL DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO. Enfermeira Ana Miranda Hospital Santa Isabel/Santa Casa SP

LEGISLAÇÃO EM CENTRAL DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO. Enfermeira Ana Miranda Hospital Santa Isabel/Santa Casa SP LEGISLAÇÃO EM CENTRAL DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO Enfermeira Ana Miranda Hospital Santa Isabel/Santa Casa SP LEGISLAÇÃO EM CME - ATUAL RDC n. 156 de 11 de agosto de 2006 Dispõe sobre registro,rotulagem

Leia mais

Consórcio do Politecnico di Milano. Fevereiro 2013

Consórcio do Politecnico di Milano. Fevereiro 2013 Consórcio do Politecnico di Milano Fevereiro 2013 DESIGN DEFINITIONS SENAI & POLI.design Fevereiro 2013 Design como uma atividade específica no processo de P&D que visa a projetação dos aspectos funcionais

Leia mais

A sua Organização já está preparada para o novo Código dos Contratos Públicos (CCP, DL 18/2008)?

<Insert Picture Here> A sua Organização já está preparada para o novo Código dos Contratos Públicos (CCP, DL 18/2008)? A sua Organização já está preparada para o novo Código dos Contratos Públicos (CCP, DL 18/2008)? Sessão Aberta Homero Silveira - Sector Público e Saúde Contratação Pública agenda

Leia mais

CMMI for Services. 3º Edição. Alessandro Almeida www.alessandroalmeida.com

CMMI for Services. 3º Edição. Alessandro Almeida www.alessandroalmeida.com CMMI for Services 3º Edição Alessandro Almeida www.alessandroalmeida.com Agenda Objetivo Pré-requisito : O que é o CMMI? Motivação CMMI for Services Um pouco de história... Entrando em detalhes Opção :

Leia mais

MIT Portugal Program Engineering systems in action

MIT Portugal Program Engineering systems in action MIT Portugal Program Engineering systems in action Paulo Ferrão, MPP Director in Portugal Engineering Systems: Achievements and Challenges MIT, June 15-17, 2009 Our knowledge-creation model An Engineering

Leia mais

TECHNICAL SPECIFICATION CORRELATION OF BRAZILIAN AND INTERNATIONAL STANDARDS

TECHNICAL SPECIFICATION CORRELATION OF BRAZILIAN AND INTERNATIONAL STANDARDS TECHNICAL SPECIFICATION CORRELATION OF BRAZILIAN AND INTERNATIONAL STANDARDS ET-DD-022/2010 Pág. 1 de 5 1. OBJECTIVE 1.1. Establishment of correlation between the Brazilian Technical Standards (ABNT) and

Leia mais

A Aviação no Comércio Europeu de Licenças de Emissão Especificidades para pequenos emissores

A Aviação no Comércio Europeu de Licenças de Emissão Especificidades para pequenos emissores A Aviação no Comércio Europeu de Licenças de Emissão Especificidades para pequenos emissores Departamento de Alterações Climáticas, Ar e Ruído (DACAR) Divisão de Poluição Atmosférica e Alterações Climáticas

Leia mais