2015/2016. Página 1 de 11 I. NOTA INTRODUTÓRIA 2. EIXOS ESTRATÉGICOS 2.1. OFERTA EDUCATIVA, NOVOS PÚBLICOS, ATRATIVIDADE. Código IMP.EM.EI.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2015/2016. Página 1 de 11 I. NOTA INTRODUTÓRIA 2. EIXOS ESTRATÉGICOS 2.1. OFERTA EDUCATIVA, NOVOS PÚBLICOS, ATRATIVIDADE. Código IMP.EM.EI."

Transcrição

1 2015/2016 I. NOTA INTRODUTÓRIA A missão, os princípios e os valores de uma instituição são fulcrais para a sua definição estratégica, conforme expresso nos seus estatutos. O Instituto Superior de Ciências da Saúde Egas Moniz (ISCSEM) é uma instituição orientada para a criação, transmissão e difusão da cultura, do saber e da ciência e tecnologia, através da articulação do estudo, do ensino, da investigação e do desenvolvimento experimental. Para atingir tais objetivos, num quadro de referência internacional, pretende-se: Respeitar critérios de rigor, competência e inovação que conduzam ao seu reconhecimento como instituição de referência no âmbito do ensino das ciências da saúde; Estimular a atividade científica e pedagógica dos docentes, promovendo o seu aperfeiçoamento constante, traduzido em elevados níveis de qualidade; Participar em atividades de ligação à comunidade, quer na prestação de serviços, quer na difusão de conhecimentos; Fomentar a mobilidade dos seus estudantes, designadamente no espaço europeu de ensino superior, estabelecendo novas parcerias e reforçando as já existentes; Promover a formação intelectual, profissional, cultural e ética dos seus estudantes; Aumentar o intercâmbio de docentes com instituições universitárias de reconhecido prestígio internacional no âmbito do ensino e da investigação científica; Desenvolver parcerias com outras instituições universitárias, nacionais e internacionais Organizar seminários, conferências e cursos de formação e/ou de especialização, no âmbito das ciências da saúde; Afirmar o Centro de Investigação Interdisciplinar Egas Moniz (CiiEM) como unidade de referência para a investigação, desenvolvimento, inovação e formação avançada, na área das Ciências da Saúde e da Vida. Na elaboração do documento recolheram-se dados junto da Direção da Egas Moniz (EM), nomeadamente no que concerne à Gestão e às Infraestruturas, dos Conselhos Científico e Pedagógico do ISCSEM, dos Coordenadores de cursos, do CiiEM, bem como da Associação de Estudantes (AE). O Plano de Atividades ora proposto visa o desenvolvimento sustentado da instituição segundo quatro eixos estratégicos que agregam medidas e ações concretas de aplicação cronologicamente diferenciada. 2. EIXOS ESTRATÉGICOS 2.1. OFERTA EDUCATIVA, NOVOS PÚBLICOS, ATRATIVIDADE O Processo de Bolonha teve fortes implicações na estrutura curricular dos cursos oferecidos pelas instituições de ensino superior e desencadeou um forte acréscimo de mobilidade dos estudantes, ao permitir a legibilidade e comparabilidade dos sistemas de atribuição de graus e diplomas. A oferta educativa de qualquer instituição tem hoje que se basear-se em cursos que deem garantia de qualidade e de procura efetiva pela população estudantil. Sendo o ensino o core business das instituições de ensino superior, o número de estudantes é a variável principal em qualquer modelo que se queira sustentável. Deste modo, importa que, associados à consolidação da oferta de graus e diplomas e à captação de novos públicos, se junte o uso efetivo de sistemas internos de garantia de qualidade, assim como a racionalização de meios humanos e materiais, centrando recursos no fomento da atratividade nacional e internacional. Propomos a revisão da oferta educativa atual e uma análise prospetiva quanto à sustentabilidade dos cursos existentes e dos novos cursos a submeter a acreditação. Página 1 de 11

2 M M1.2_15 M1.1_15 Subjacentes, deverão estar métodos inovadores no processo de ensino e aprendizagem que garantam a aquisição de competências gerais, abrangendo, transversalmente, todos os ciclos de estudos, e de competências específicas da oferta educativa de cada curso, aumentando a sua eficiência pedagógica. Impõem-se a criação célere de cursos de segundo e terceiro ciclos em consonância com o centro de investigação e a sua abertura à cooperação nacional e internacional. Participar na formação ao longo da vida, qualificando a população ativa, quer através de cursos conferentes de grau, quer em cursos de curta duração e dirigidos a áreas específicas do conhecimento. A crescente globalização abre oportunidades de internacionalização das atividades de formação e investigação através da consolidação de relações de parceria e de cooperação. Constituir-se Universidade atrativa implica, também, disponibilizar meios para o desenvolvimento de atividade estudantil extracurricular e para o acesso a eventos culturais num campus universitário que se pretende um espaço de bem-estar. MEDIDA 1 Identificar novas ofertas educativas Mediante a oferta formativa atual apresentar propostas de ofertas educativas interdisciplinares. Promover ações de formação não conferente de grau que prevejam a atribuição de ECTS e a sua creditação em sede de cursos de 2º ciclo. Promover, em articulação com os coordenadores de cada ciclo de estudos, parcerias com Instituições / Empresas, nacionais e estrangeiras, vocacionadas para a Investigação e Desenvolvimento. Promover a sustentabilidade financeira da organização, através de novas ofertas formativas; Concretizar sinergias interdepartamentais, ao enfatizar a multi e interdisciplinaridade, em prol de maior atratividade, competitividade e eficiência no uso de recursos, libertando tempo para o aumento da produção científica. Aumentar o número de cursos e de estudantes em cursos de formação não conferentes de grau; Melhorar a preparação dos alunos, pela oferta de formação não conferente de grau e formação profissional diretamente ligada às necessidades do mercado de trabalho. Aumentar as receitas próprias. Implementar a frequência de módulos curriculares em contexto laboratorial / experimental / laboral de excelência. Página 2 de 11

3 M3.3_15 M3.2_15 M3.1_15 M2.4_15 M2.3_15 M2.2_15 M2.1_15 MEDIDA 2 Reforçar a monitorização pedagógica do ensino e o recurso a novas metodologias Identificar as melhores práticas junto das Instituições de Ensino Superior Europeias com melhor adaptação ao formato de Bolonha. Adotar as melhores práticas para a implementação de novas metodologias de ensino e aprendizagem Realizar reuniões de trabalho periódicas com a Associação de Estudantes e Presidente do Conselho Pedagógico. Atualizar informação e recolher pareceres e propostas. Verificar a conformidade dos Programas das Unidades Curriculares com o estabelecido nas disposições internas. Garantir o cumprimentos das disposições internas em todos os cursos do ISCSEM. Manter uma base de dados com Programas detalhados das Unidades Curriculares. Conhecer os conteúdos programáticos das Unidades Curriculares do ISCSEM para comparação com as de outras IES Nacionais e Internacionais. Facilitar a submissão de processos de autoavaliação à A3ES. MEDIDA 3 Reorganizar a oferta formativa tendo em vista a inserção no mercado de trabalho, o público-alvo e as exigências da A3ES. Promover a adaptação dos conteúdos programáticos dos diversos cursos às necessidades do mercado de trabalho. Adaptar novos conteúdos programáticos às necessidades educativas do mercado de trabalho. Proceder à autoavaliação dos cursos acreditados preliminarmente e submetê-los à apreciação pela A3ES. Garantir uma oferta formativa sólida e de qualidade, capaz de atrair mais estudantes. Harmonizar as áreas científicas dos ciclos de estudo de acordo com as áreas de ensino e formação (CNAEF) estabelecidas na Portaria 256/2005, de 16 de Março. Cumprir requisitos legais e promover uma gestão racional do corpo docente. Página 3 de 11

4 M5.4_15 M5.3_15 M5.2_15 M5.1_15 M4.1_15 M3.4_15 Estudar o abandono escolar e reforçar os instrumentos de apoio pedagógico. Diminuir o abandono escolar. MEDIDA 4 Caracterizar e reorganizar o corpo docente Criar mecanismos para uma distribuição eficiente do corpo docente. Identificar necessidades e racionalizar os recursos humanos disponíveis. MEDIDA 5 Promover estratégias de cooperação nacional e internacional em formação conducente a grau e com atribuição de diplomas de titulação múltipla. Promoção de novos acordos bilaterais com os PALOP. Aumentar o número de estudantes internacionais, beneficiando do novo enquadramento legislativo. Manter a oferta do curso ERASMUS MUNDUS de Mestrado em Tecnologias Laboratoriais em Ciências Forenses. Promover a internacionalização e reforçar as parcerias existentes. Promover e consolidar laços de colaboração com Universidades estrangeiras. Diversificar a oferta formativa e chegar a públicos além fronteiras. Promover programas de formação pós-graduada e conferente de grau, com dupla e tripla titulação, com base quer na circulação de alunos, professores, quer em novos paradigmas de formação. Fomentar a participação do ISCSEM em programas de cooperação nacionais e internacionais que proporcionem não só o aumento do n.º de estudantes, como também novas ofertas de formação pós-graduada e conferente de grau. Página 4 de 11

5 M7.3_15 M7.2_15 M7.1_15 M6.4_15 M6.3_15 M6.2_15 M6.1_15 MEDIDA 6 Criar um plano de imagem de marketing do ISCSEM centrado no ambiente de proximidade vivido no campus e nas boas condições de ensino, desportivas e culturais; dinamizar conceitos criativos e uma imagem institucional em formato multimédia. Criar estratégias de marketing e comunicação para promoção do ISCSEM e dos seus cursos; Identificar os diferentes públicos-alvo das comunicações do ISCSEM. Continuar a aposta na melhoria do sítio da internet com atualização permanente dos seus conteúdos. Dinamizar a página da EM no Facebook. Disponibilizar via web toda a informação relevante dos acontecimentos realizados no ISCSEM. Aumentar a visibilidade da instituição e captar novos alunos. Prestar informação útil no meio de comunicação privilegiado pelos estudantes como forma de os atrair.. Marketing online. Participar em feiras/mostras de ensino superior nacionais e internacionais. Realizar 'Dia Aberto' na Instituição. Fomentar a divulgação da nossa oferta educativa numa ligação mais estreita com os estudantes do ensino secundário e respetivas famílias. MEDIDA 7 Dinamizar a Bolsa de Emprego e incentivar o empreendedorismo dos estudantes. Colocar a Bolsa de Emprego em pleno funcionamento. Apoiar os estudantes na inserção na vida ativa (ex. obtenção do primeiro emprego). Aumentar o número de protocolos com empresas e instituições. Reforçar a colaboração com as várias Ordens e Associações Profissionais e Empresariais. Promover ações de dinamização do empreendedorismo, envolvendo os cursos e os antigos alunos (alumni). Fomentar a ligação da oferta educativa ao mercado de trabalho. Apoiar os estudantes, ex-alunos e outros interessados em criar as suas próprias empresas ou em melhorar a performance de uma empresa existente. Fomentar o empreendedorismo na instituição e na região. Página 5 de 11

6 M10.1_15 M9.1_15 M8.1_15 MEDIDA 8 Valorizar a formação pedagógica dos docentes, de forma a garantir novas dinâmicas de ensino e aprendizagem, privilegiando os métodos alternativos de ensino. Reforçar a oferta formativa disponibilizada aos docentes pelo Gabinete de Formação Pedagógica. Reforçar as capacidades pedagógicas dos docentes. MEDIDA 9 Implementar a plataforma de e-learning (Moodle) Identificar constrangimentos no uso da plataforma e definição de uma estratégia de implementação da sua utilização. Dar suporte e promover novas ofertas educativas através do ensino a distância. MEDIDA 10 Aumentar o número de iniciativas culturais e científicas abertas à comunidade Fomentar iniciativas / eventos científicos e culturais de divulgação, de forma autónoma e em colaboração com as autarquias e outras instituições. Contribuir para a realização da missão da instituição, sua visibilidade e reconhecimento externo CIÊNCIA E TECNOLOGIA A criação de conhecimento através da investigação é uma prioridade do ISCSEM, tendo sido realizado um trabalho francamente meritório nos últimos anos, expresso na avaliação pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT). Ainda assim, um ambiente propício e acolhedor para a investigação, inovação e desenvolvimento tecnológico nas mais variadas áreas científicas, pressupõe novas infraestruturas e equipamentos, a reorganização de meios humanos e a inserção de todos os investigadores no CiiEM, a promoção da mobilidade, a redefinição de linhas prioritárias e de estratégias conducentes à participação em projetos integrados e internacionais, o aumento significativo do número de estudantes bolseiros e a diversificação das fontes de financiamento. Pretende-se reforçar a capacidade do CiiEM, aumentando a interação com a comunidade científica nacional e internacional e redefinindo linhas prioritárias e estratégias conducentes à participação em projetos, incentivando as redes de investigação dentro e fora da comunidade científica do ISCSEM, promovendo a participação de todos os membros colaboradores e efetivos, e fazendo a articulação da investigação com o ensino pós-graduado. Para cumprir este desiderato é necessário criar estruturas de coordenação da investigação profissionais e eficazes. Daqui devem resultar o aumento do número de publicações científicas por docente doutorado, do número de citações por docente doutorado, do número de orientações por docente/investigador, do número de depósitos no Repositório Institucional; do número de projetos e do volume de financiamento de projetos de I&D. Página 6 de 11

7 M13.2_15 M13.1_15 M12.1_15 M11.2_15 M11.1_15 A promoção da certificação de laboratórios que prestam serviços ao exterior, como estratégia de fomentar a cooperação com as empresas e instituições e de criar um aumento significativo das receitas próprias é um trabalho a realizar. MEDIDA 11 Reorganizar a investigação científica, reafirmar as áreas estratégicas de investigação do CiiEM e as colaborações internas e externas Levantamento dos recursos materiais e humanos disponíveis para a investigação científica. Racionalização e rentabilização do capital disponível. Promover fóruns de debate sobre investigação e sua ligação ao ensino, com vista a fomentar a cooperação, no plano interno e externo, visando a partilha de recursos humanos, infraestruturas e equipamentos, assim como o reforço de linhas de investigação interdisciplinares. Identificar e avaliar as áreas estratégicas de investigação e eventuais sinergias entre os docentes. Contribuir para o estreitamento das relações entre o CiiEM e os seus parceiros, quer nacionais, quer internacionais. MEDIDA 12 Apoiar a candidatura de docentes a projetos com financiamento externo Promover a participação dos docentes em projetos com financiamento. Aumentar o número de projetos com bolseiros e a produtividade científica. MEDIDA 13 Promover a divulgação dos resultados da investigação científica, premiando a publicação em jornais científicos e a participação em conferências internacionais de prestígio. Divulgar a produção científica através do Repositório Digital Melhorar o registo das publicações científicas. Continuar a operacionalizar o registo de todos os investigadores na plataforma DeGóis e Orcid. Melhorar os processos de organização científica e a sua difusão, dando resposta a solicitações da FCT. Página 7 de 11

8 M14.1_15 M13.5_15 M13.4_15 M13.3_15 Divulgar, com regularidade, prazos de eventuais candidaturas a bolsas, à apresentação de projetos, à obtenção de apoios, à participação em eventos, etc. Melhorar os processos de organização científica e a sua difusão. Apoiar a realização de eventos de dimensão nacional e internacional Aumentar a divulgação dos resultados das atividades de investigação desenvolvidas na instituição, em eventos nacionais e internacionais da especialidade. Aumentar o número de artigos publicados em revistas com reputação científica. Promover a participação em reuniões científicas internacionais diretamente ligadas às linhas estratégicas (e emergentes) do CiiEM. Melhorar o atual rácio de artigos indexados e a participação em conferências internacionais por doutorado. MEDIDA 14 Operacionalizar uma base de dados do potencial tecnológico e da produção científica (projetos, patentes e outros indicadores de atividade científica), em articulação com o CiiEM Manter organizada a informação sobre projetos em curso e patentes existentes. Atualizar e divulgar a base de dados para organização e partilha de recursos materiais (ex. espaços e equipamentos). Contribuir para a agilização e a gestão racional dos recursos existentes, que se encontram dispersos GESTÃO, AVALIAÇÃO, QUALIDADE Modernização da gestão, planeamento e avaliação em rotina, gestão de recursos humanos, qualidade e certificação são objetivos comuns às instituições de ensino superior prosseguidos pelo ISCSEM através da sua entidade instituidora, a Egas Moniz - Cooperativa de Ensino Superior CRL. Página 8 de 11

9 M16.1_15 M15.5_15 M15.4_15 M15.3_15 M15.2_15 M15.1_15 MEDIDA 15 Reforçar as políticas de gestão da qualidade, incidindo nos recursos humanos, investigação e serviços, com sistemas de auditoria e controlo, adotando medidas de acompanhamento e de melhoria contínua. Manter a disponibilização de questionários aos estudantes e docentes, para apreciação do processo ensino/ aprendizagem, no final de cada semestre (1º e 2º). Apreciação do processo ensino/ aprendizagem no ISCSEM. Atualizar ou criar procedimentos, instruções de trabalho e impressos para registo de incidências decorrentes dos processos de gestão da qualidade. Reduzir o número de reclamações ou não conformidades. Reunir periodicamente os responsáveis dos Processos Ensino e Planeamento. Articular procedimentos e boas práticas. Adaptar o SGQ às exigências da ISO 9001:2015. Atualizar o sistema. Analisar e verificar a conformidade com os referenciais da European Association for Quality Assurance in Higher Education (ENQA). Aproximar as práticas internas aos referenciais internacionais de garantia de qualidade no ensino superior. MEDIDA 16 Definir mecanismos de gestão da qualidade de ensino centrados na eficácia da atividade pedagógica e do processo de ensino-aprendizagem, melhorando indicadores como o sucesso e o abandono escolares. Continuar a Monitorização do Ensino no ISCSEM, em colaboração com os Coordenadores de curso, Conselho Pedagógico, Serviços Académicos, Relações Internacionais e Associação de Estudantes. Melhorar a qualidade do ensino do ISCSEM, aumentando os níveis de eficiência pedagógica, de satisfação e de sucesso escolar. Página 9 de 11

10 M18.1_15 M17.1_15 MEDIDA 17 Submeter a instituição a avaliação interna e externa designadamente pela A3ES e SGS. Executar os procedimentos relativos aos ciclos de estudo em funcionamento acreditados preliminarmente, pela A3ES, que irão ser submetidos a avaliação em finais de 2015; Executar os procedimentos relativos a acreditação de novos ciclos de estudo que possam vir a ser submetidos pelo ISCSEM, a acreditação prévia pela A3ES; Executar os procedimentos inerentes aos ciclos de estudo acreditados condicionalmente pela A3ES; Colaborar na organização da visita das equipas de avaliação externa da A3ES, ao ciclo de estudo em funcionamento acreditado preliminarmente, cujo processo de avaliação foi submetido em 2014 (MAC); Organizar e participar nas auditorias internas e externas ao SGQ. Acreditação/Avaliação pela A3ES. Manutenção da certificação ISO 9001 pela SGS. MEDIDA 18 Promover dinâmicas inovadoras de formação de trabalhadores, envolvendo a participação em ofertas educativas oferecidas pela instituição nas áreas onde desenvolvem a sua atividade, como estratégia de garantir a sua motivação e competitividade. Proceder ao levantamento de necessidades de formação; Elaborar um plano de formação; Preparar conteúdos formativos e executar as ações de formação; Avaliar a eficácia da formação. Promover o aumento de competências específicas direcionadas para a preparação de ações externas de avaliação. Página 10 de 11

11 M21.1_15 M20.1_15 M19.1_15 MEDIDA 19 Manutenção dos resultados líquidos positivos, aumento das receitas próprias e maior diversidade nas fontes de financiamento, como forma de garantir a sustentabilidade da organização, tarefa da competência da EM. Aplicação do capital : 20% - reserva legal; 20% - reserva de educação e formação cooperativa; 20% - reserva para fundo de investimento; 40% - outras reservas. Sustentabilidade da organização. MEDIDA 20 Fazer aprovar junto da tutela o Instituto Universitário Egas Moniz Desencadear as ações necessárias à concretização deste desiderato, na sequência da aprovação pela A3ES de um curso de 3º ciclo e do CiiEM pela FCT. Possibilitar a oferta de cursos de 3º ciclo. Fazer aprovar estatutos em consonância com o RJIES INFRAESTRUTURAS Para consolidar o programa educativo e a qualidade do ensino e da investigação é fundamental proceder ao restauro e conservação do parque de edifícios, à conclusão do apetrechamento dos edifícios já construídos, e à remodelação/adequação de espaços de lecionação e de serviços, atribuições da Egas Moniz - Cooperativa de Ensino Superior, CRL. MEDIDA 21 Promover a conservação e o restauro do parque de edifícios e dos equipamentos Continuar a melhoria das condições do campus e das infraestruturas, materiais e equipamentos indispensáveis à boa lecionação em todos os cursos. Consolidar o programa educativo e a qualidade do ensino e da investigação O Diretor do ISCSEM Prof. Doutor M. Queirós Medeiros Data 28/09/2015 Página 11 de 11

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1. Oferta Formativa 1.1. Dinamizar e consolidar a oferta formativa 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1.1.2. Promover o funcionamento de ciclos de estudos em regime

Leia mais

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015/2016 PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015-2016 POR UM AGRUPAMENTO DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA JI Fojo EB 1/JI Major David Neto EB 2,3 Prof. José Buísel E.S. Manuel Teixeira Gomes

Leia mais

ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS

ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS ENCONTRO DA COMISSÃO SECTORIAL PARA A EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO CS/11 ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS OPORTUNIDADES, DESAFIOS E ESTRATÉGIAS DE QUALIDADE APRESENTAÇÃO DO TRABALHO GT2 - Ensino Superior

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2011

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 PLANO DE ACTIVIDADES 2011 MARÇO DE 2011 Este documento apresenta os objectivos estratégicos e as acções programáticas consideradas prioritárias para o desenvolvimento da ESE no ano 2011. O Plano de Actividades

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA Plano Estratégico de Melhoria 2011-2012 Uma escola de valores, que educa para os valores Sustentabilidade, uma educação de, e para o Futuro 1. Plano Estratégico

Leia mais

Projeto de Intervenção

Projeto de Intervenção Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Projeto de Intervenção 2014/2018 Hortense Lopes dos Santos candidatura a diretora do Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Braga, 17 abril de 2014

Leia mais

Programa para o Departamento de Engenharia Cerâmica e do Vidro Mário Guerreiro Silva Ferreira

Programa para o Departamento de Engenharia Cerâmica e do Vidro Mário Guerreiro Silva Ferreira Programa para o Departamento de Engenharia Cerâmica e do Vidro Mário Guerreiro Silva Ferreira. 2011-2014 1 Programa de acção Um programa de acção para qualquer unidade orgânica deve atender aos objectivos

Leia mais

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR Gabinete do Ministro CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR Breve apresentação da proposta de Orçamento de Estado para 2008 23 de Outubro de 2007 Texto

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria 2015l2017 ÍNDICE ÍNDICE: INTRODUÇÃO... 3 ÁREAS DE AÇÃO DE MELHORIA.... 4 PLANOS DE AÇÃO DE MELHORIA.. 5 CONCLUSÃO...

Leia mais

ÍNDICE ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DE SANTARÉM 1. ÍNDICE 2. PROMULGAÇÃO 3. DESCRIÇÃO DA ESCOLA. 3.1 História. 3.2 Objetivo e Domínio da Certificação

ÍNDICE ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DE SANTARÉM 1. ÍNDICE 2. PROMULGAÇÃO 3. DESCRIÇÃO DA ESCOLA. 3.1 História. 3.2 Objetivo e Domínio da Certificação ÍNDICE 1. ÍNDICE 2. PROMULGAÇÃO 3. DESCRIÇÃO DA ESCOLA 3.1 História 3.2 Objetivo e Domínio da Certificação 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 4.1 Processos 4.2 Requisitos da Documentação 4.3 Controlo dos

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES DA ESTBARREIRO/IPS. Índice

PLANO DE ATIVIDADES DA ESTBARREIRO/IPS. Índice PLANO DE ATIVIDADES 2015 Índice 1. Introdução... 2 1.1. Âmbito e organização... 2 1.2. Enquadramento institucional... 2 2. Objetivos estratégicos e operacionais... 5 3. Metas a alcançar e atividades a

Leia mais

Um Compromisso Sério com a UTAD

Um Compromisso Sério com a UTAD Um Compromisso Sério com a UTAD [MANIFESTO ELEITORAL] A primeira eleição de um Conselho Geral, em fevereiro de 2009, marcou o início de um novo ciclo no governo da UTAD. Esta nova experiência de funcionamento

Leia mais

Plano de Atividades 2014

Plano de Atividades 2014 Plano de Atividades 2014 Escola de Ciências Universidade do Minho 1. Missão A Escola de Ciências tem como missão gerar, difundir e aplicar conhecimento no âmbito das Ciências Exatas e da Natureza e domínios

Leia mais

Projeto do Regulamento Orgânico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

Projeto do Regulamento Orgânico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Projeto do Regulamento Orgânico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa CAPÍTULO I Disposições gerais Art.º 1.º Habilitação O Regulamento Orgânico da FCUL assenta nos preceitos da legislação

Leia mais

Candidato: ANTÓNIO PEREIRA PINTO Professor do Quadro do Agrupamento de Escolas D. Sancho I. Vila Nova de Famalicão, 9 de abril de 2013

Candidato: ANTÓNIO PEREIRA PINTO Professor do Quadro do Agrupamento de Escolas D. Sancho I. Vila Nova de Famalicão, 9 de abril de 2013 PROJETO DE INTERVENÇÃO: Por uma escola centrada na aprendizagem que se repensa e se reconstrói. CANDIDATURA AO CARGO DE DIRETOR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. SANCHO I Aviso de abertura: 4531/2013 de 3 de

Leia mais

I. O CCISP, representando os institutos superiores politécnicos portugueses, está muito atento

I. O CCISP, representando os institutos superiores politécnicos portugueses, está muito atento PROPOSTAS PARA O FUTURO DO ENSINO SUPERIOR POLITÉCNICO PORTUGUÊS I. O CCISP, representando os institutos superiores politécnicos portugueses, está muito atento à realidade portuguesa e internacional, procurando

Leia mais

manual de gestão da qualidade Código: MGQ.01 π Revisão: 0

manual de gestão da qualidade Código: MGQ.01 π Revisão: 0 manual de gestão da qualidade Código: MGQ.01 π Revisão: 0 ÍNDICE 4 CAPÍTULO 1 estrutura 4 1. Objetivo e campo de aplicação 5 2. Organização 5 3. Preparação e aprovação 5 4. Revisão, atualização e edição

Leia mais

Reitoria. No plano orçamental para 2009 foi definida uma provisão no valor de 300.000 euros para o Programa - Qualidade.

Reitoria. No plano orçamental para 2009 foi definida uma provisão no valor de 300.000 euros para o Programa - Qualidade. Reitoria Circular RT-05/2009 Programa Qualidade 2009 Apesar dos constrangimentos financeiros impostos pelo orçamento atribuído para 2009, é importante garantir que são apoiadas as experiências e os projectos

Leia mais

Resposta e fundamentação dos critérios de seleção

Resposta e fundamentação dos critérios de seleção Para aceder à versão editável clique AQUI Programa Operacional Entidade: NIF: Nº Qualidade e diversidade de parcerias ou protocolos com instituições, empresas ou outros agentes a nível regional ou nacional,

Leia mais

ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS

ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS ENCONTRO DA COMISSÃO SECTORIAL PARA A EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO CS/11 ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS OPORTUNIDADES, DESAFIOS E ESTRATÉGIAS DE QUALIDADE APRESENTAÇÃO DO TRABALHO GT2 - Ensino Superior

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento Agrupamento de Escolas da Trofa Plano de Melhoria e Desenvolvimento Biénio 2015/2017 INTRODUÇÃO A autoavaliação e a avaliação externa são procedimentos obrigatórios e enquadrados na Lei n.º 31/2002, de

Leia mais

ACEF/1112/25172 Relatório final da CAE

ACEF/1112/25172 Relatório final da CAE ACEF/1112/25172 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fedrave - Fundação Para O Estudo E Desenvolvimento

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 18 de maio de 2016. Série. Número 89

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 18 de maio de 2016. Série. Número 89 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 18 de maio de 2016 Série Sumário SECRETARIAS REGIONAIS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EDUCAÇÃO Portaria n.º 211/2016 Primeira alteração

Leia mais

Plano de Gestão do Risco (2013-2015)

Plano de Gestão do Risco (2013-2015) Plano de Gestão do Risco (2013-2015) Camões, I.P. Janeiro de 2013 Lisboa, janeiro de 2013 Camões, Instituto da Cooperação e da Língua Av. da Liberdade, 270 1250-149 Lisboa 1 Índice Índice... 2 Acrónimos...

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO. Indicações para Operacionalização 2012-2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO. Indicações para Operacionalização 2012-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO Indicações para Operacionalização 2012-2015 O Plano Anual de Atividades do Agrupamento é relevante para toda a Comunidade Educativa. Por ele se operacionalizam

Leia mais

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM Ano Letivo 2011/2012 Marinha Grande, Setembro de 2011 1. Índice: Índice 2 1. Introdução 3 2. Caracterização

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016

PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016 PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016 1. INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO Nos termos do Artigo 15.º, do Despacho Normativo n.º7/2013, 11 de julho No final de cada ano escolar, o conselho pedagógico avalia o

Leia mais

Introdução. Para a condução de cada ação teremos presentes duas questões importantes:

Introdução. Para a condução de cada ação teremos presentes duas questões importantes: Fevereiro 2014 Introdução A Escola é hoje um mundo onde todos os atores educativos têm voz por isso a facilidade, a celeridade, a clareza e a abertura são as caraterísticas da comunicação que possibilitam

Leia mais

ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Leiria A.1.a. Identificação

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS EDUCATIVAS

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS EDUCATIVAS INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS EDUCATIVAS RELATÓRIO ANUAL (2009/2010) Índice 1 Cumprimento do plano estratégico e do plano anual... 2 1.1. Do plano estratégico... 2 1.1.1. - Desenvolvimento e Inovação

Leia mais

Plano de Atividades 2015

Plano de Atividades 2015 Plano de Atividades 2015 Instituto de Ciências Sociais Universidade do Minho 1. Missão Gerar, difundir e aplicar conhecimento no âmbito das Ciências Sociais e áreas afins, assente na liberdade de pensamento,

Leia mais

NCE/13/00276 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/13/00276 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/13/00276 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Minho A.1.a.

Leia mais

CEF/0910/27086 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/27086 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/27086 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Cofac

Leia mais

ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO. Revisão: 02. Data: 26/01/2015. Pág.: 1/ 08

PROJETO EDUCATIVO. Revisão: 02. Data: 26/01/2015. Pág.: 1/ 08 PROJETO EDUCATIVO Revisão: 02 Data: 26/01/2015 Pág.: 1/ 08 Uma Escola com Identidade FINALIDADES E PRINCIPIOS GERAIS O projeto educativo de uma Escola Profissional mais do que um referencial de ação, nos

Leia mais

Com a publicação dos novos Estatutos da Escola -Diário da República, 2ª série, nº 164, 25 de Agosto de 2009, por iniciativa do Conselho de Direcção,

Com a publicação dos novos Estatutos da Escola -Diário da República, 2ª série, nº 164, 25 de Agosto de 2009, por iniciativa do Conselho de Direcção, Com a publicação dos novos Estatutos da Escola -Diário da República, 2ª série, nº 164, 25 de Agosto de 2009, por iniciativa do Conselho de Direcção, iniciou-se um trabalho de reflexão e discussão, tendo

Leia mais

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES O Plano Plurianual de Atividades é um documento de planeamento que define, em função do Projeto Educativo, os objetivos, as formas de organização e de programação das atividades e que procede à identificação

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

O relatório de avaliação do plano é aprovado pelo Conselho Pedagógico e apresentado na última reunião do ano letivo do Conselho Geral.

O relatório de avaliação do plano é aprovado pelo Conselho Pedagógico e apresentado na última reunião do ano letivo do Conselho Geral. Nos termos do Artigo 15.º, do Despacho Normativo n.º7/2013, 11 de julho No final de cada ano escolar, o conselho pedagógico avalia o impacto que as atividades desenvolvidas tiveram nos resultados escolares

Leia mais

Manual da Qualidade SIGAQUIPAM

Manual da Qualidade SIGAQUIPAM Manual da Qualidade SIGAQUIPAM Índice Preâmbulo... 3 Estrutura do Manual da Qualidade... 5 Revisão do Manual da Qualidade IPAM... 6 1- Objetivos e princípios orientadores... 7 1.1. Missão e objetivos da

Leia mais

A Implementação do Processo de Bolonha em Portugal e os Relatórios Institucionais da sua Concretização uma Análise Exploratória

A Implementação do Processo de Bolonha em Portugal e os Relatórios Institucionais da sua Concretização uma Análise Exploratória A Implementação do Processo de Bolonha em Portugal e os Relatórios Institucionais da sua Concretização uma Análise Exploratória António M. Magalhães CIPES/FPCEUP Apresentação: 1. A implementação do Processo

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Página: 2 Edição: 01 Revisão: 0 ÍNDICE

MANUAL DA QUALIDADE. Página: 2 Edição: 01 Revisão: 0 ÍNDICE Manual da Qualidade Página: 2 ÍNDICE CAP 1 Manual de Gestão da Qualidade 1.1 Objetivo do manual 1.2 Âmbito do Sistema de Gestão da Qualidade 1.2.1 Exclusões 1.3 Terminologia e abreviaturas usadas no manual

Leia mais

INVESTIR EM I&D - PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 CIÊNCIA E INOVAÇÃO -PLANO PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 - NOVA TIPOLOGIA DE PROJECTOS

INVESTIR EM I&D - PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 CIÊNCIA E INOVAÇÃO -PLANO PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 - NOVA TIPOLOGIA DE PROJECTOS CIÊNCIA E INOVAÇÃO -PLANO PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 - NOVA TIPOLOGIA DE PROJECTOS 1 ENQUADRAMENTO - I - Os objectivos delineados na Estratégia de Lisboa e as conclusões do Conselho de Barcelona,

Leia mais

ACEF/1314/03667 Relatório final da CAE

ACEF/1314/03667 Relatório final da CAE ACEF/1314/03667 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Outras

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014 / 2017

PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014 / 2017 PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014 / 2017 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PRADO Plano Estratégico de Melhoria 2014/2017 O Plano de Melhoria da Escola é um instrumento fundamental para potenciar o desempenho

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL TEIXEIRA GOMES

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL TEIXEIRA GOMES Inovação e Qualidade Plano de Ação Estratégico - 2012/2013 ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL TEIXEIRA GOMES PROJECTO DE INTERVENÇÃO PLANO DE ACÇÃO ESTRATÉGICO 2012/2013 Escola de Oportunidades e de Futuro Telmo

Leia mais

Curso Técnico Superior Profissional (CTeSP)

Curso Técnico Superior Profissional (CTeSP) Curso Técnico Superior Profissional (CTeSP) O que é? Integra formação técnica em contexto de trabalho. Porquê? Responde às necessidades do mercado de trabalho; Dispensa a realização de exames nacionais;

Leia mais

Recomendações Encontro Nacional de Juventude 2015

Recomendações Encontro Nacional de Juventude 2015 Recomendações Encontro Nacional de Juventude 2015 O Conselho Nacional de Juventude (CNJ) organizou, de 30 de outubro a 1 de novembro de 2015, em Cascais, na Escola de Hotelaria e Turismo do Estoril, o

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DO BARREIRO / INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DO BARREIRO / INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL PLANO DE ACTIVIDADES 2011 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DO BARREIRO / INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL Dezembro, 2010 PLANO DE ACTIVIDADES 2011 Escola Superior de Tecnologia do Barreiro / Instituto Politécnico

Leia mais

Ministérios da Administração Interna, do Trabalho e da Solidariedade Social e da Educação PROTOCOLO. Entre MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA,

Ministérios da Administração Interna, do Trabalho e da Solidariedade Social e da Educação PROTOCOLO. Entre MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA, PROTOCOLO Entre MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA, MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL e MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO 2/7 A aposta na qualificação dos portugueses constitui uma condição essencial

Leia mais

Programa de atividades 2015

Programa de atividades 2015 Programa de atividades 2015 Programa de atividades 2015 (Documento de trabalho) Lisboa, 2015 Plano Nacional de Formação Financeira www.todoscontam.pt Edição Conselho Nacional de Supervisores Financeiros

Leia mais

A ADEQUAÇÃO DO ENSINO ACADÉMICO ÀS NECESSIDADES DAS EMPRESAS: O CASO DA SIMULAÇÃO EMPRESARIAL EM FINANÇAS NO ISCA-UA

A ADEQUAÇÃO DO ENSINO ACADÉMICO ÀS NECESSIDADES DAS EMPRESAS: O CASO DA SIMULAÇÃO EMPRESARIAL EM FINANÇAS NO ISCA-UA A ADEQUAÇÃO DO ENSINO ACADÉMICO ÀS NECESSIDADES DAS EMPRESAS: O CASO DA SIMULAÇÃO EMPRESARIAL EM FINANÇAS NO ISCA-UA Amândio Antunes Fernando Costa Joaquim Neiva Santos Apresentação 2 1. Introdução 2.

Leia mais

A Eurodesk é uma rede com acesso à informação europeia para os jovens e para os profissionais da área de juventude.

A Eurodesk é uma rede com acesso à informação europeia para os jovens e para os profissionais da área de juventude. www.eurodesk.eu O que é? A Eurodesk é uma rede com acesso à informação europeia para os jovens e para os profissionais da área de juventude. No sítio da rede Eurodesk podes aceder às tuas oportunidades.

Leia mais

Novo Modelo para o Ecossistema Polos e Clusters. Resposta à nova ambição económica

Novo Modelo para o Ecossistema Polos e Clusters. Resposta à nova ambição económica Novo Modelo para o Ecossistema Polos e Clusters Novo Modelo para o Ecossistema Polos e Clusters Resposta à nova ambição económica Resposta à nova ambição económica 02-07-2012 Novo Modelo para o Ecossistema

Leia mais

Artigo 1º (Objecto e âmbito)

Artigo 1º (Objecto e âmbito) Artigo 1º (Objecto e âmbito) 1. O presente Regulamento tem por objectivo complementar o Regulamento de Mestrados (2º Ciclo) do Instituto Superior de Ciências da Saúde Egas Moniz (ISCSEM) com procedimentos

Leia mais

PLANO DE MELHORIA Julho 2014

PLANO DE MELHORIA Julho 2014 PLANO DE MELHORIA Julho 2014 Índice Nota Introdutória... 2 1. Resultados da avaliação externa... 3 2. Áreas e ações de melhoria... 4 3. Acompanhamento e divulgação... 7 AET Plano de melhoria 2014/2015

Leia mais

Plano Estratégico da Universidade Aberta 2011-2015

Plano Estratégico da Universidade Aberta 2011-2015 Plano Estratégico da Universidade Aberta 2011-2015 Paulo Maria Bastos da Silva Dias Índice 1. Nota de Abertura... 1 2. Áreas de Intervenção e Desenvolvimento... 4 2.1 Formação e Aprendizagem ao Longo da

Leia mais

Plano de ação da biblioteca escolar

Plano de ação da biblioteca escolar AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA GAFANHA DA ENCARNÇÃO Plano de ação da biblioteca escolar 2013-2017 O plano de ação constitui-se como um documento orientador de linhas de ação estratégicas, a desenvolver num

Leia mais

Artigo 1.º. Âmbito e objeto

Artigo 1.º. Âmbito e objeto PROJETO DE REGULAMENTO DO CONCURSO PÚBLICO PARA A SELEÇÃO DE INFRAESTRUTURAS DE INVESTIGAÇÃO E SUA INTEGRAÇÃO NO ROTEIRO NACIONAL DE INFRAESTRUTURAS DE INVESTIGAÇÃO DE INTERESSE ESTRATÉGICO Artigo 1.º

Leia mais

Coordenação: Serviços de Planeamento e Desenvolvimento Estratégico do IPBeja. Abril 2014

Coordenação: Serviços de Planeamento e Desenvolvimento Estratégico do IPBeja. Abril 2014 1 Coordenação: Serviços de Planeamento e Desenvolvimento Estratégico do IPBeja Abril 2014 ÍNDICE Sumário Executivo 3 1. A ESTRATÉGIA... 6 2. A MISSÃO E A VISÃO... 7 3. AS METAS... 9 4. ÁREAS ESTRATÉGICAS

Leia mais

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade)

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade) Escola Secundária da Ramada Plano Plurianual de Atividades Pro Qualitate (Pela Qualidade) 2014 A Escola está ao serviço de um Projeto de aprendizagem (Nóvoa, 2006). ii ÍNDICE GERAL Pág. Introdução 1 Dimensões

Leia mais

«Erasmus+» - Perguntas mais frequentes

«Erasmus+» - Perguntas mais frequentes COMISSÃO EUROPEIA NOTA INFORMATIVA Estrasburgo/Bruxelas, 19 de novembro de 2013 «Erasmus+» - Perguntas mais frequentes (ver também IP/13/1110) O que é o «Erasmus+»? O «Erasmus+» é o novo programa da União

Leia mais

CAPÍTULO I. Denominação, Natureza, Âmbito, Duração, Sede e Objecto

CAPÍTULO I. Denominação, Natureza, Âmbito, Duração, Sede e Objecto REGULAMENTO DO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO CAPÍTULO I Denominação, Natureza, Âmbito, Duração, Sede e Objecto Artigo 1º (Denominação, natureza e âmbito) 1. O Instituto Superior de Ciências Educativas e o Instituto

Leia mais

Critérios e metodologia de admissão e de classificação e ordenação dos candidatos

Critérios e metodologia de admissão e de classificação e ordenação dos candidatos CONCURSO DOCUMENTAL PARA UM LUGAR DE PROFESSOR COORDENADOR PARA O SETOR DE ÁREAS DISCIPLINARES DE PSICOLOGIA E CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ÁREA DISCIPLINAR PSICOLOGIA SOCIAL, COMPORTAMENTO E COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL.

Leia mais

Contributo do CENTRO 2020 para a COMPETITIVIDADE e INTERNACIONALIZAÇÃO das PME. Ana Abrunhosa - Presidente CCDRC

Contributo do CENTRO 2020 para a COMPETITIVIDADE e INTERNACIONALIZAÇÃO das PME. Ana Abrunhosa - Presidente CCDRC Contributo do CENTRO 2020 para a COMPETITIVIDADE e INTERNACIONALIZAÇÃO das PME Ana Abrunhosa - Presidente CCDRC O PO Regional Centro 2014-2020 por EIXOS 9,79% 2,48% Eixo 9 Reforçar a rede urbana Eixo 8

Leia mais

GABINETE DO REITOR COORDENAÇÃO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

GABINETE DO REITOR COORDENAÇÃO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS GABINETE DO REITOR COORDENAÇÃO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS PROGRAMA DE GRADUAÇÃO / POSGRADUAÇÃO / MESTRADO E DOUTORADO / PESSOAL ACADEMICO FELLOW-MUNDUS Edital de Seleção de bolsas Fellow Mundus. 01.2015

Leia mais

RELATÓRIO REFERENTE AOS ANOS LECTIVOS 2009.2010 E 2010.2011 DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA DA UCP DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO

RELATÓRIO REFERENTE AOS ANOS LECTIVOS 2009.2010 E 2010.2011 DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA DA UCP DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO RELATÓRIO REFERENTE AOS ANOS LECTIVOS 2009.2010 E 2010.2011 DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA DA UCP DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO (Artigo 66-A.º do Decreto-Lei n.º 107/2008 de 25 de Junho) INSTITUTO SUPERIOR

Leia mais

Candidatura de. António Dourado Pereira Correia. a Director da FCTUC. Programa de acção do Director da FCTUC

Candidatura de. António Dourado Pereira Correia. a Director da FCTUC. Programa de acção do Director da FCTUC Candidatura de António Dourado Pereira Correia a Director da FCTUC Programa de acção do Director da FCTUC No momento em que as regras de gestão da nossa Faculdade se alteram tão profundamente, centrando-a

Leia mais

REGULAMENTO PREÂMBULO

REGULAMENTO PREÂMBULO REGULAMENTO PREÂMBULO A Câmara Municipal do Porto, através do Pelouro da Educação, Organização e Planeamento, reconhece a importância das Associações de Jovens na mobilização e participação cívica em diferentes

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria

AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARRONCHES AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria JANEIRO 2014 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ANÁLISE QUALITATIVA... 1 3.... 5 3.1. Áreas de Melhoria... 5 3.2. Identificação

Leia mais

Sistema de Apoio às Ações Coletivas (SIAC)

Sistema de Apoio às Ações Coletivas (SIAC) Eixo Prioritário I Competitividade, Inovação e Conhecimento Sistema de Apoio às Ações Coletivas (SIAC) Impulso Jovem Aviso de Abertura de Convite Público para Apresentação de Candidaturas Sistema de Apoio

Leia mais

REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO SOCIAL

REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO SOCIAL O presente regulamento foi homologado pelo Presidente da ESEV, a 18 de maio

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Cuba. Plano de Formação

Agrupamento de Escolas de Cuba. Plano de Formação Agrupamento de Escolas de Cuba Plano de Ano Letivo de 2012/2013 Índice Introdução... 3 1- Departamento curricular da educação pré-escolar... 6 2- Departamento curricular do 1º ciclo... 6 3- Departamento

Leia mais

Ministério das Obras Públicas

Ministério das Obras Públicas Ministério das Obras Públicas ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS CAPÍTULO I Natureza e Atribuições Artigo 1.º (Natureza) O Ministério das Obras Públicas é o órgão da administração pública

Leia mais

ACEF/1314/03672 Relatório final da CAE

ACEF/1314/03672 Relatório final da CAE ACEF/1314/03672 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Outras

Leia mais

36070 Diário da República, 2.ª série N.º 245 18 de dezembro de 2013

36070 Diário da República, 2.ª série N.º 245 18 de dezembro de 2013 36070 Diário da República, 2.ª série N.º 245 18 de dezembro de 2013 c) Definição dos serviços a prestar e dos níveis indicativos a assegurar; d) Definição de requisitos e recursos, nomeadamente espaço

Leia mais

REGULAMENTO. Avaliação e Financiamento de Unidades de Investigação

REGULAMENTO. Avaliação e Financiamento de Unidades de Investigação REGULAMENTO Avaliação e Financiamento de Unidades de Investigação Regulamento Avaliação e Financiamento de Unidades de Investigação A Fundação para a Ciência e a Tecnologia I.P. (FCT I.P.) vai proceder

Leia mais

Opções estratégicas e Programa de Ação para o Instituto de Educação (2014-2017)

Opções estratégicas e Programa de Ação para o Instituto de Educação (2014-2017) Opções estratégicas e Programa de Ação para o Instituto de Educação (2014-2017) Candidatura a Diretor de João Pedro Mendes da Ponte Lisboa Fevereiro de 2014 Índice 1. Enquadramento 2 2. Prioridades estratégicas

Leia mais

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Abril/2012 Apresentação O Planejamento Estratégico (PLANES) da UNICAMP é um processo acadêmico/administrativo dinâmico cujo objetivo central é de ampliar

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa Missão e Visão A Missão da Parque Expo consiste na promoção da qualidade da vida urbana e da competitividade do território. Para cumprimento desta Missão, a empresa realiza operações

Leia mais

Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL

Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL Recursos Humanos Financiamento Condições Legais: Lei de Investigação Clínica Fundo para a Investigação em

Leia mais

1.º MÉRITO DO PROJECTO

1.º MÉRITO DO PROJECTO SISTEMA DE APOIO A ENTIDADES DO SISTEMA CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO NACIONAL CRITÉRIOS DE SELECÇÃO O Regulamento do Sistema de Apoio a Entidades do Sistema Científico e Tecnológico Nacional definiu as regras

Leia mais

O GABINETE DE SAÍDAS PROFISSIONAIS EM NÚMEROS

O GABINETE DE SAÍDAS PROFISSIONAIS EM NÚMEROS Desde a sua criação, a Universidade da Beira Interior tem vindo a desempenhar a sua missão como centro de criação, transmissão e difusão de cultura, de ciência e de tecnologia, com uma forte ênfase na

Leia mais

Abordagens comuns do empreendedorismo:

Abordagens comuns do empreendedorismo: Abordagens comuns do empreendedorismo: principalmente do ponto de vista económico, administrativo, organizacional, sociológico, observando as partes da realidade, em detrimento do ponto de vista psicológico,

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR Carta de princípios de orientação para a Fundação para a Ciência e a Tecnologia I.P., FCT Fevereiro 2016 Súmula A aposta no conhecimento representa um desígnio central no programa do Governo e da ação

Leia mais

NCE/10/01386 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/01386 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/01386 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Castelo Branco

Leia mais

ESTATUTO 10 de setembro de 2014

ESTATUTO 10 de setembro de 2014 ESTATUTO 10 de setembro de 2014 ESTRUTURA ORGÂNICA A Escola Artística e Profissional Árvore é um estabelecimento privado de ensino, propriedade da Escola das Virtudes Cooperativa de Ensino Polivalente

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (do Sr. Juscelino Rezende Filho)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (do Sr. Juscelino Rezende Filho) PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (do Sr. Juscelino Rezende Filho) Institui a Política Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico do Setor Farmacêutico. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º A Política

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação e Formação Especialização: E-learning e Formação a Distância (Regime a Distância) 14 15 Edição Instituto

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS. ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA do MARQUÊS

REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS. ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA do MARQUÊS REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA do MARQUÊS Artigo 1º - Definição A Biblioteca Escolar - Centro de Recursos Educativos da Escola Secundária Quinta

Leia mais

AUDITORIA DA A3ES AOS SISTEMAS INTERNOS DE GARANTIA DA QUALIDADE: a experiência do IST

AUDITORIA DA A3ES AOS SISTEMAS INTERNOS DE GARANTIA DA QUALIDADE: a experiência do IST AUDITORIA DA A3ES AOS SISTEMAS INTERNOS DE GARANTIA DA QUALIDADE: a experiência do IST Marta Pile Área de Estudos e Planeamento IPQ, 13 MAR 2013 1 Auditoria A3ES SIQuIST 19-21 set 2012 ORGANIZAÇÃO 1. OBJETIVOS

Leia mais

P L A N O D E A C T I V I D A D E S

P L A N O D E A C T I V I D A D E S Agência Regional de Energia e Ambiente do Norte Alentejano e Tejo P L A N O D E A C T I V I D A D E S = 2008 = Janeiro de 2008 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ACTIVIDADES A DESENVOLVER NO ANO DE 2008... 5

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA ANO LECTIVO 2009/2010 [DEPARTAMENTO de EDUCAÇÃO] [Anabela Sousa Pereira] [Mestrado em Psicologia na especialização de Psicologia Clínica e da Saúde] 1.

Leia mais

O COMPROMISSO DE UMA INSTITUIÇÃO

O COMPROMISSO DE UMA INSTITUIÇÃO O COMPROMISSO DE UMA INSTITUIÇÃO Bem-vindo aos Mestrados do ISAG. A experiência adquirida ao longo dos anos e a atualização de conceitos, permitiu ao ISAG European Business School desenvolver programas

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO TRIÉNIO 2014-2016

PLANO ESTRATÉGICO TRIÉNIO 2014-2016 PLANO ESTRATÉGICO TRIÉNIO 2014-2016 MENSAGEM INICIAL Assimilar um saber, um conteúdo, uma praxis em Terapia da Fala é uma condição sine quo non para que haja uma base científica. Contudo, esta base de

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CONSULTORIA E AUDITORIA ALIMENTAR AUDITOR LÍDER ISO

PÓS-GRADUAÇÃO CONSULTORIA E AUDITORIA ALIMENTAR AUDITOR LÍDER ISO PÓS-GRADUAÇÃO CONSULTORIA E AUDITORIA ALIMENTAR AUDITOR LÍDER ISO 22000:2005 Lead Auditor Training course ENTIDADES PARCEIRAS SGS PORTUGAL SOCIEDADE GERAL DE SUPERINTENDÊNCIA, S.A. O Grupo SGS Société

Leia mais

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Lisboa A.1.a. Outras Instituições

Leia mais

PROMOÇÃO TURISMO 2020 Protocolo de Cooperação. Turismo de Portugal Confederação do Turismo Português

PROMOÇÃO TURISMO 2020 Protocolo de Cooperação. Turismo de Portugal Confederação do Turismo Português PROMOÇÃO TURISMO 2020 Protocolo de Cooperação Turismo de Portugal Confederação do Turismo Português Lisboa, 25 de fevereiro 2015 1 Considerando que: 1. O Turismo é uma atividade estratégica para a economia

Leia mais