EMERSON LUIZ BARTOLI CENTRO UNIVERSITÁRIO FMU. Uso de Gonodatrofina Coriônica Humana no Controle Reprodutivo de Éguas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EMERSON LUIZ BARTOLI CENTRO UNIVERSITÁRIO FMU. Uso de Gonodatrofina Coriônica Humana no Controle Reprodutivo de Éguas"

Transcrição

1 EMERSON LUIZ BARTOLI CENTRO UNIVERSITÁRIO FMU Uso de Gonodatrofina Coriônica Humana no Controle Reprodutivo de Éguas SÃO PAULO/ 2009

2 EMERSON LUIZ BARTOLI CENTRO UNIVERSITÁRIO FMU Uso de Gonodatrofina Corionica Humana no controle reprodutivo de Éguas Trabalho de conclusão de curso apresentado no curso de Medicina Veterinária da FMU, sob orientação da Profª Dra. Cynthia Maria Carpigiani Teixeira. SÃO PAULO/ 2009

3 AGRADECIMENTO Primeiramente agradeço a Deus, porque sem Ele eu não chegaria ate aqui. Agradeço aos meus pais Nilton Luiz Bártoli e Marisa Mara Pires Bártoli por terem lutado muito para que eu conseguisse alcançar essa meta. Aos meus irmãos Elton L. Bártoli e Everton L. Bártoli por fazerem parte da minha vida, a minha namorada Gisele por ter me ajudado sempre com paciência. A minha professora Cynthia por ter aceitado ser minha orientadora. Aos componentes da minha banca, aos meus colegas de faculdade e aos animais que mais amo : os cavalos.

4 O cavalo é a mais bela criatura. O melhor mistério é criá-lo, a melhor ocupação é tratá-lo e o melhor prazer é montá-lo. Paula Nascimento

5 SUMÁRIO LiSTA DE FIGURAS... pág. x LISTA DE TABELAS... pág. y INTRODUÇÃO... Pág REVISÃO DE LITERATURA... Pág FISIOLOGIA DO CICLO ESTRAL...Pág NEURO-ENDOCRINOLOGIA DA REPRODUÇÃO... Pág HIPOTALÁMO... Pág HIPÓFISE... Pág MECANISMO DE AÇÃO DOS HORMONIOS... Pág DINÂMICA FOLICULAR... Pág. 7 2.GONODATROFINA CORIONICA HUMANA (hcg)... Pág. 9 3.OBJETIVOS... Pág MATERIAIS E MÉTODOS... Pág RESULTADOS E DISCUSSÃO...,...Pág CONSIDERAÇOES FINAIS... Pág REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... Pág. 13

6 Resumo O hcg é uma molécula de glicoproteina, extraída da urina de mulheres grávidas, e muito utilizada na reprodução de eqüinos para induzir a ovulação. O presente estudo foi realizado no Haras Leni, localizado em.piracaia.., a partir com o inicio da estação de monta em outubro de 2008, examinando-se o trato reprodutivo de éguas por palpação retal e ultra-sonografia. Foi analisado a eficácia do hcg em éguas da raça Mangarlarga e em éguas sem raça definida. O hcg é um indutor de ovulação eficiente, promovendo a indução da ovulação em um período entre 12 e 48 horas após a administração do produto em éguas com folículos maiores que 35 mm, não demonstrando ser eficaz em folículos menores.

7 LISTA DE FIGURAS Fig 1: Controle hormonal do ciclo estral na égua... Pág. 6 Fig 2.Alterações hormonais... Pág. 8 x

8 LISTA DE TABELAS Resultados Esperados... Pág. 12 y

9 Glossário hcg Gonodotrofina corionica eqüina PGF - Prostaglandina LH- Hormônio luteinizante FSH - Hormônio folículo estimulante h - horas ml mililitros IA Inseminação Artificial CL Corpo Lúteo SC sub-cutâneo mm milímetros EF Folículo esquerdo DF Folículo direito

10 Introdução O setor de eqüinocultura, nos últimos cinco anos, vem sofrendo um aumento na comercialização e no numero de criadores. Com isso tem-se difundido cada vez mais o avanço da biotecnologia aplicada a reprodução (MELO, 2006). Como comportamento de poliéstrica estacional, a égua é um animal que apresenta no período de 12 meses distintos as fases quanto ao ciclo reprodutivo. Havendo variações sazonais no ciclo estral em éguas, porém nem todas entram em anestro estacional no inverno ( WINTER et al., 2007). Apesar de várias éguas, no hemisfério norte, apresentarem comportamento de cio em fevereiro, março e abril, durante esta época do ano o cio não é acompanhado de ovulação e a taxa de concepção é baixa. No hemisfério norte, as melhores taxas de concepção ocorrem nas éguas cobertas de maio a julho, sendo que a mesma situação ocorre no hemisfério sul para as correspondentes situações. Aquelas bem alimentadas e estabuladas tende a ciclar o ano todo, portanto no inicio da estação reprodutiva fértil esta intimamente associada ao manejo em que os animais são submetidos ( HAFEZ, 2004). Cada égua, individualmente, pode apresentar uma variabilidade quanto à duração do período de estro, momento da ovulação, bem como do diâmetro folicular e ovulação. A aplicação das modernas biotecnologias na reprodução eqüina, dentre elas a transferência de embrião e a inseminação artificial, requerem um rigoroso controle do ciclo estral (MELO, 2006). O cio da égua dura cerca de 5 a 7 dias e a ovulação ocorre no final deste período, sendo que a inseminação deve ser realizada o mais próximo possível da ovulação. O ideal é que se faça controle folicular com acompanhamento ultrasonográfico de inseminação de eqüinos, a fim de prever a ovulação e decidir o melhor momento para inseminação, limitando assim o número de inseminações ( LEÃO, 2003). Alguns agentes de indução da ovulação são administrados comumente em éguas no estro para estimulação da ovulação, em período programado. Agentes hormonais são usados para que haja esta indução como gonodatrofina corionica humana ( hcg) ( McCUE, 2007). 1

11 Este hormônio é utilizado em éguas onde o folículo ovariano seja igual ou superior a 35 mm, seu efeito primário é a luteinização (ruptura do folículo), fazendo assim a expulsão do ovócito ( BARBACINI, 2000). Objetivo: Analisar o tratamento hormonal com hcg, aplicados a folículos pré-ovulatórios maiores que 35mm. 2

12 1. Revisão de Literatura 1.1 Fisiologia do Ciclo Estral Vários ciclos estrais são manifestados, em éguas, em um determinado período do ano, coincidindo com os dias longos. Durante o ciclo estral, hormônios envolvendo o eixo hipotálamo, hipófise, ovário e útero se inter-relacionam e exercem papel fundamental na ciclicidade, determinando fases específicas do ciclo (MEIRA, 2008). O ciclo estral pode ser definido como intervalo entre o inicio de um estro e o inicio do estro subseqüente, comportamento que se repete de forma cíclica. Cada ciclo apresenta duração de 21 a 22 dias em média, com variação de 16 a 26 dias. É dividido em fases foliculares ou estral e diestro ou progestacional. A fase de estro perdura por cerca de 6 a 7 dias e de diestro de 13 a 15 dias. Durante cada ciclo, observa-se o desenvolvimento e a regressão folicular, que ocorrem de forma dinâmica (CUNNINGHAM, 2004). 1.2 Neuro-Endocrinologia da Reprodução O sistema neuro-endócrino deve manter uma relação direta e harmônica entre os centros hipotalamicos, hipofisario e gonadais, relação essa que deve estar em funcionamento pleno e sincrônico para que os animais manifestem seu potencial reprodutivo, sendo que qualquer interferência nesse processo leva a um transtorno reprodutivo (HAFEZ, 2004). O controle neuro-endocrino ocorre por uma comunicação celular neuroendocrina e endócrina tendo como mensageiro os neurotransmissores, entre eles os hormônios e neurohormonios são essenciais. Outros fatores como os de crescimento são importantes nas fases de desenvolvimento folicular préantral exercendo influencia na inter-relação dos hormônios (CUNNINGHAM, 2004). 3

13 1.2.1 Hipotálamo Ocupando apenas uma porção do cérebro apresenta vasta irrigação e inervação permitindo contato com hormônios circulantes no organismo, interação com informação neuro-endocrinas gerada pelo próprio cérebro (ARANGO & NEWCOMBE, 2007). Segundo MEIRA (2008), o hipotálamo é constituído por neurônios formando núcleos hipotalamicos especializados, cada um com sua função. O de maior interesse no processo reprodutivo é um núcleo arqueado e o ventromedial que constitui o centro tônico de liberação de gonodatrofina como o FSH e o LH, área hipotalamica anterior e principalmente o núcleo pré-ótico e supra isquiático que constitui o centro de liberação pré-ovulatório de gonadotrofina, em que o núcleo supra ótico e paraventricular sintetiza a ocitocina Hipófise É dividida em neurohipofise e adenohipofise, a ultima possui 5 tipos celulares localizados a vasos sanguíneos e secretam 6 hormônios relacionados direta e indiretamente com os processos reprodutivos. As células somatotroficas sintetizam somatotrofinas (GH), cortitotroficas (ACTH), mamotroficas ( prolactina), tireotroficas (TSH) e as células gonadotroficas que sintetizam e liberam FSH e LH (CUNNINGHAM, 2004). A adenohipofise possui sistema de irrigação próprio denominado sistema porta-hipofisário, permitindo a troca de substancias hormonais entre esta e o hipotálamo (MEIRA,2008). 4

14 1.3 Mecanismo de ação dos hormônios A secreção e liberação de gonodatrofina hipofisária se dá pela ligação do GnRH em receptores de proteína-g, localizados na membrana das células gonadotróficas, havendo processos bioquímicos e intra-celulares resultando em síntese e liberação de gonodatrofina ( SQUIRES, 2008). Ocorrem alterações no trato genital feminino, bem como o comportamento sexual são controlados através desses hormônios. O GnRH é um decapeptídio sintetizado e armazenado no hipotálamo, é responsável pela conexão entre o sistema endócrino e nervoso, estimulando a síntese e liberação de LH e FSH pela hipófise anterior ( HAFEZ, 2004). A freqüência dos pulsos de GnRH é mediada, em éguas através da liberação de melatonina. Uma baixa freqüência ocorre durante o anestro devido a alta concentração de melatonina, por causa da baixa luminosidade nos períodos de outono e inverno ( MELO, 2006). A glândula pineal (GP) integra o hipotálamo, mostra-se sensível à luz e secreta um hormônio, a melatonina. Sua secreção é estimulada na ausência de luminosidade e parece interferir na adaptação das funções reprodutivas às condições de luminosidade, especialmente em animais que se reproduzem sazonalmente, possibilitando o nascimento dos filhotes em época mais favorável (CUNNINGHAM, 2004). O hormônio folículo estimulante é responsável pelo crescimento dos folículos ovarianos, e na presença do LH estimula a produção do estrógeno através da sua ligação nas células da granulosa aumentando a sensibilidade das gonodatrofinas. Essa secreção de FSH é estimulada pelo comprimento do dia, sendo que durante a estação de monta as concentrações de FSH atinge dois picos, em intervalo de 10 a 11 dias, como é demonstrado na Figura 1 ( MEIRA, 2008). 5

15 Próximo ao final do estro ocorre o primeiro pico de FSH coincidindo com pico de LH próximo ou após a ovulação e segundo pico na metade do diestro, onde a atividade folicular esta baixa, portanto este pico é responsável pelo desenvolvimento de uma nova onda folicular ( CAMILLO et al. 2002). O limiar pré-ovulatório de LH é responsável pela ruptura da parede do folículo e ovulação, suas concentrações plasmáticas são baixas nos dias de 6 a 15 após a ovulação devido a ação do feedback negativo da progesterona no hipotálamo causando supressão do GnRH. Aumentos de suas concentrações começam próximo ao inicio do estro, quando não existe efeito da progesterona. ( HAFEZ, 2004). Já as concentrações de estrógeno folicular atingem o pico 1 a 2 dias antes da ovulação, decrescendo 2 dias após a ovulação. Na ausência da progesterona o estrógeno secretado pelo folículo pré-ovulatório induz a receptividade sexual, relaxamento da cérvix, estimula a produção de secreções do trato genital, permite a passagem e transporte espermático fazendo com que ocorra a maturação folicular e ovulação ( SQUIRES, 2008). A regulação do FSH se da através da inibina um hormônio gonadal, que é produzido pelas células da granulosa durante a fase folicular ( SAMPER, 2008). 6

16 Fig 1: Controle hormonal do ciclo estral na égua. AP, hipófise anterior; LH, hormônio luteinizante; GnRH, hormônio liberador de gonadotrofina 1.4 Dinâmica Folicular Os eqüídeos possuem ondas foliculares dividida em maiores e menores. As ondas maiores se caracterizam pelo desenvolvimento inicial de um grupo de folículos, em que 1 ou 2 são selecionados e crescendo rapidamente exercendo dominância sobre os demais, essas são subdivididas em primária e secundária. Quando a emergência (crescimento folicular) ocorre durante o cio e inicio de diestro, denomina-se onda folicular secundária dando origem ao folículo dominante de diestro, que pode regredir ou ovular. A emergência da onda no meio de diestro é chamada de onda folicular primária, produzindo o folículo dominante que irá ovular durante o estro ( GINTHER et al, 2008). Com a diferenciação entre dominante e subordinados, o dominante adquiriu a capacidade de refratariedade dos níveis decrescente de FSH. Com a diminuição dos níveis de FSH circulantes, a aquisição de receptores para LH pelas células da granulosa e as mudanças na vascularização folicular parecem ser fundamentais para a continuação do crescimento e diferenciação celular resultando em ovulação, demonstrado no gráfico da Figura 2 ( MOREL & NEWCOMBE, 2007). A fase lútea inicia-se após ovulação e se mantém por cerca de 14 dias. As células foliculares remanescentes após a ovulação se luteinização se transformando em corpo lúteo. Há 2 tipos de células que são observadas no corpo lúteo, as células luteais grandes formadas a partir das células das granulosas e as células luteais que se origina das células da teca, possuindo característica de células secretoras e são responsáveis pela síntese de progesterona ( BEREZOWSKI et. al, 2004). 7

17 Fig 2.Alterações hormonais ocorridas durante do ciclo estral normal de 21 dias na espécie eqüina, as setas demonstram o dia da ovulação. FONTE: GHINTER,

18 2. Gonadotrofina Corionica Humana ( hcg ) A indução da ovulação em éguas é uma biotécnica que permite maior sincronismo entre a ovulação, inseminação ou cobertura (GINTHER et al, 2008). Gonadotrofina Corionica Humana (hcg) é uma glicoproteína formada por uma subunidade alfa e beta com peso molecular de dáltons. A porção alfa possui 92 aminoácidos e 2 cadeias de carboidratos, ela é similar a subunidade alfa do LH em humanos, suínos, ovinos e bovinos, já a subunidade beta possui 145 aminoácidos e 5 cadeias de carboidratos ( HAFEZ, 2004). O papel do β-hcg durante a gravidez, em humanos, é prevenir a desintegração do corpo lúteo do ovário, e desta forma manter a produção de progesterona, que é crítica para o período de gravidez. O β-hcg pode ter funções adicionais, por exemplo acha-se que ele afeta a tolerância imunológica durante a gravidez. Testes de gravidez geralmente são baseados na detecção e medição do β-hcg ( WINTER & RUBIN, 2005). O hcg é extraído da urina de mulheres grávidas. Depois da fertilização do óvulo, o modo de manter os altos níveis de progesterona varia: no caso da mulher, a implantação do embrião induz o endométrio a produzir a gonadotrofina coriônica humana e passa a manter a atividade luteínica (ARANGO & NEWCOMBE, 2007). Por apresentar efeito fisiológico semelhante ao hormônio luteinizante (LH), vem sendo utilizado como hormônio indutor de ovulação, pois sua utilização promove a maturação e ovulação de folículos de forma sincrônica por apresentar longa meia-vida, em torno de 10 horas, sendo provavelmente um dos hormônios mais utilizado no manejo da reprodução eqüina. Quando administrado em éguas, o hcg reduz a duração do estro e aumenta o número de animais que ovulam em até 48h pós-indução ( SQUIRES, 2008). O medicamento utilizado, hcg, deve ser sempre usada parenteralmente, pois após a administração oral, é destruída pelo trato gastrointestinal. Após a aplicação IM, alcança-se um nível plasmático em 6 horas, distribuindo-se primariamente nos ovários das fêmeas ( SAMPER, 2008). Tem sido utilizado por muitos anos para diminuir o período de estro e acelerar a ovulação, sua eficiência é amplamente demonstrada na indução da 9

19 ovulação quando um folículo pré-ovulatório é detectado, a administração do hcg em éguas com um folículo pré-ovulatório de pelo menos 35 mm é capaz de induzir a ovulação em até 48 horas em 80% dos casos ( BEREZOWSKI et al, 2004). Aumenta a probabilidade de um ciclo ovulatório estar associado a uma única cobertura, viabilizando o planejamento do acasalamento. A administração do hcg, em éguas no cio, contendo mais de um folículo pré-ovulatório tem ampliado a possibilidade de ocorrer dupla ovulação ( MOREL & NEWCOMBE, 2007). É utilizada para induzir a ovulação, não existe um padrão ou nível de dose, variando entre 1000UI a 6000UI ou mais, sendo que a maioria das doses utilizadas é entre 2000 a 3000 UI, geralmente de 1 a 2 ml em dose única. (FLEURY, 2007). Devido ao fato de ser uma grande molécula glicoprotéica, induz a uma ação antigênica por parte do sistema imunológico quando utilizado mais do que três vezes na mesma estação reprodutiva, apresenta a inconveniência de induzir a formação de anticorpo após algumas injeções sucessivas ( CAMILLO et al. 2001).Alguns autores demonstram que a formação de anticorpos se inicia após 2 a 5 injeções de hcg. Sendo assim, o uso de análogos do GnRH (deslorelina) e do extrato de pituitária eqüina tem sido uma alternativa ao uso do hcg na sincronização e indução da ovulação em éguas (MEIRA, 2008). O momento da administração do hcg normalmente é ditado pela associação de alguns fatores, dentre eles: a período do ano, comportamento de estro, eco textura uterina, tônus uterino e cervical, eco textura da parede do folículo pré-ovulatório e diâmetro e formato do maior folículo. De todos os fatores citados, a administração do hcg é realizada quando um folículo atinge 35 mm de diâmetro durante a fase folicular (MELO, 2006). 10

20 3. Objetivos O presente trabalho teve como principal objetivo a análise do tratamento hormonal com hcg aplicados em éguas no estro com folículos pré-ovulatórios maiores que 35mm. 4. Materiais e Métodos Foram utilizadas 15 éguas da raça Mangalarga, as quais são doadoras de embriões, e 10 éguas sem raça definida, receptoras de embriões. A estação de monta se iniciou no mês de outubro de 2008 e seu término ocorreu no final de março de 2009, os animais eram palpados diariamente com auxílio de ultra-sonografia, o controle folicular incluía o diâmetro do folículo, flutuação, ao qual foi mensurado de 1 a 5, espessamento da parede folicular e presença de edema uterino. Aqueles animais que possuíam o corpo lúteo, sem presença de folículo primário, recebiam 1 ml de prostaglandina SC, aguardado 4 dias e retornava a ser palpada diariamente. Com a detecção de um folículo dominante pré -ovulatorio, com presença de edema uterino, flutuação 4 5, espessamento de parede folicular e o folículo com diâmetro igual ou superior a 35 mm, foram aplicados 1ml de hcg subcutâneo e realizada a IA 48 h após essa aplicação (FLEURY, 2007) 11

21 5. Resultado e Discussão ANIMAIS Diâmetro folicular Flutuação 1-5 Espessamento de parede folicular Edema uterino Dias Responsiv o ao após aplicação de hcg Bruna EF 48mm d Carlota DF 38mm d Copacabana EF 46mm d Conquista EF 42mm d Chalana EF 40mm 4/ d Diadema DF39mm d Façanha DF 41mm d Gênova EF 44mm d Imperatriz DF 46mm d Modena DF42mm Regrediu Namorada DF 36mm d Nirvana EF45mm d Safira DF 50mm d Tailandinha EF35mm d Tisbe EF 39mm d 240 EF41mm 4/5 + + Regrediu 252 EF47mm d 269 DF 42mm d 345 EF 49mm d 349 DF 36mm d 355 DF 41mm d 358 EF 42mm 4/ d 361 DF 38mm d 388 EF 40mm d 12

22 No presente estudo, 50 % dos animais analisados, responderam ao hcg 48 h após sua aplicação denotando os mesmos princípios previstos por SQUIRES (2008), 10% responderam 12 h após o uso desse hormônio, 20 % ovularam após 70 h de sua administração, ou seja, três dias após a aplicação, e no restante dos animais houve regressão do folículo, portanto não foram responsivos ao tratamento. Analisando o fato ocorrido podemos afirmar que esses 20% dos animais que responderam 70 h após a administração do hormônio, deram resultado errôneo, pois na verdade, esses folículos não responderam ao tratamento, ovulando em um período que seria o mesmo se não tivéssemos aplicado o hcg. Segundo MOREL & NEWCOMBE (2007) a administração do hcg em éguas em cio contendo mais de um folículo pré-ovulatório tem ampliado a possibilidade de ocorrer dupla ovulação, o que não ocorreu nas éguas analisadas no presente estudo, pois éguas que possuíam mais que 1 folículo pré-ovulatório, com a administração do hcg, teve uma regressão folicular de um desses folículos. Devido ao fato de ser uma grande molécula glicoprotéica, induz a uma ação antigênica por parte do sistema imunológico quando utilizado mais do que três vezes, apresenta a inconveniência de induzir a formação de anticorpo após algumas injeções sucessivas ( CAMILLO et al. 2001). Alguns autores demonstram que a formação de anticorpos se inicia após 2 a 5 injeções de hcg. Como a maioria das éguas eram multíparas e utilizadas em estações de monta anteriores, confirma-se a teoria relatada acima. 13

23 6. Considerações Finais A espécie eqüina, dentre os animais domésticos, possui menor eficiência reprodutiva, por esse motivo a utilização de biotécnicas como a inseminação artificial, transferência de embrião e os protocolos hormonais têm valor e permite um incremento nas taxas reprodutivas. E necessário o entendimento correto do ciclo estral das éguas para, que de certa maneira, possamos otimizar as taxas de prenhez. Alguns hormônios são utilizados para que seja feita a inseminação artificial em tempo determinado, facilitando a vida das pessoas envolvidas nesse meio. O hcg é um indutor de ovulação eficiente, promovendo a indução da ovulação em um período entre 12 e 48 horas após a administração do produto em éguas com folículos maiores que 35 mm, não demonstrando efeitos colaterais em folículos menores, porém repetidas aplicações numa mesma estação de monta pode não ter o efeito desejado, pois o hcg é uma glicoproteina em que o organismo vê como um antígeno produzindo assim anticorpos contra tal molécula. 14

24 7. Bibliografia Arango JC, Newcombe JR, Repeatability of preovulatory follicular diameter and uterine edema pattern in two consecutive cycles in the mare and how they are influenced by ovulation inductors, pages 7, Berezowski CJ, Stitch KL, Wendt KM, Clinical Comparison of 3 Products Available to Hasten Ovulation in Cyclic Mares, volume 24, number, Camillo F, Vannozzi I, Rota A, Romagnoli S, Ária G. Comparison of embryo recovery rates from 2-year-old and mature mares In: Proceedings of the 5 th International Symposium on Equine Embryo transf, Cunningham, James G. Tratado de Fisiologia Animal. Editora Guanabara Koogan, Nº de pags: 596, Ed. 3ª,Ano: Fleury P D.C., Alonso M A., Sousa F A.C., Andrade A.F.C., Arruda R. P, Uso da gonadotrofina coriônica humana (hcg) visando melhorar as características reprodutivas e fertilidade de receptoras de embriões eqüinos, Rev Bras Reprod Anim, Belo Horizonte, v.31, n.1, p.27-31, jan./mar Ginther OJ, Beg MA, Gastal EL, Gastal MO, Cooper DA, Treatment with human chorionic gonadotropin (hcg ) for ovulation is associated with na immediate 17beta- estradiol decrease and a more rapid LH increase in mares, pages 7, Hafes ESE, Hafez B, Reprodução Animal, sétima edição, editora Malone ltda

25 McCue PM, Comparison of compounded deslorelin and hcg for induction of ovulation in mares, Meira C, Endocrinologia da Reprodução, Dinâmica Folicular, Superovulação e Transferência de Embriões na Espécie Eqüina, Referente ao Curso Teórico de Inseminação Artificial e Transferência de Embriões em Eqüinos, Botucatu Morel CG, Newcombe JR, The efficacy of different hcg dose rates and the offect of hcg on ovarian activity: Ovulation, multiple ovulation. Pregnancy. Multiple pregnancy. Synchrony of multiple ovulation; in the mare, pages 11, Winter GR, Rubim MI, O ciclo estral e caracteristicas reprodutivas sazonais da egua crioula RS, Samper JC, Induction os estrus and ovulation: Why some mares respond and others do not, pages 3, Squires EL, Hormonal manipulation of the mare, volume 28, pages 11,

Ciclo Sexual ou Estral dos Animais Domésticos Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia Instituto de Biociências de Botucatu

Ciclo Sexual ou Estral dos Animais Domésticos Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia Instituto de Biociências de Botucatu Controle Hormonal da Gametogênese Feminina Ciclo Sexual ou Estral dos Animais Domésticos Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia Instituto de Biociências de Botucatu Ovários Formato

Leia mais

Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) Em Bovinos Leiteiros

Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) Em Bovinos Leiteiros Gado de Leite 1/35 Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) Em Bovinos Leiteiros Erick Fonseca de Castilho Doutor em Reprodução Animal (UFV/MG) efcmv@yahoo.com.br 2/35 Introdução Cronologia dos conceitos

Leia mais

PROGRAMAS DE IATF EM NOVILHAS ZEBUÍNAS

PROGRAMAS DE IATF EM NOVILHAS ZEBUÍNAS ANEXO TÉCNICO DO MANUAL DE SINCRONIZAÇÃO E INSEMINAÇÃO EM TEMPO FIXO EM BOVINOS PROGRAMAS DE IATF EM NOVILHAS ZEBUÍNAS Os protocolos de inseminação artificial em tempo fixo (IATF) são utilizados de forma

Leia mais

Quais hormônios regulam a ovogênese?

Quais hormônios regulam a ovogênese? Controle Endócrino da Ovogênese Ciclo Sexual Feminino Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia 1 Quais hormônios regulam a ovogênese? 2 1 CONTROLE HORMONAL DA OVOGÊNESE A ovogênese

Leia mais

RESPOSTAS REPRODUTIVAS DE OVELHAS SUBMETIDAS A PROTOCOLOS DE INDUÇÃO DE ESTRO DE CURTA E LONGA DURAÇÃO

RESPOSTAS REPRODUTIVAS DE OVELHAS SUBMETIDAS A PROTOCOLOS DE INDUÇÃO DE ESTRO DE CURTA E LONGA DURAÇÃO RESPOSTAS REPRODUTIVAS DE OVELHAS SUBMETIDAS A PROTOCOLOS DE INDUÇÃO DE ESTRO DE CURTA E LONGA DURAÇÃO Josilaine Aparecida da Costa Lima 1 ; Aya Sasa 2 1 Acadêmica do curso de Zootecnia da UEMS, Unidade

Leia mais

OVÁRIOS. Fonte de gametas e hormônios

OVÁRIOS. Fonte de gametas e hormônios OVÁRIOS Fonte de gametas e hormônios OVOGÊNESE No feto células germinativas multiplicamse ovogônias Cresce meiose I para na prófase I ovócito I nascimento milhares de ovócitos primários. Ovócito primário

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana

Anatomia e Fisiologia Humana Introdução Boa parte do funcionamento do corpo humano depende da comunicação entre as células por meio de mensageiros químicos que viajam pelos sangue. Conjunto de células produtoras de hormônios. Hormônios

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Curso Inicial & Integração Novos Representantes 1 SISTEMA REPRODUTOR FEMININO O conjunto de órgãos do sistema reprodutor feminino tem como função principal

Leia mais

Aspectos da Sincronização de Estro em Bovinos de Acordo com a Fase do Ciclo Estral

Aspectos da Sincronização de Estro em Bovinos de Acordo com a Fase do Ciclo Estral Aspectos da Sincronização de Estro em Bovinos de Acordo com a Fase do Ciclo Estral Carlos Antônio de Carvalho Fernandes 1 Faculdade de Medicina Veterinária.- Unifenas. Rod. MG 179 km 0 371300-000 Alfenas

Leia mais

Existem três tipos de glândulas: endócrinas (tireóide, suprarrenal), exócrinas (lacrimais, mamárias) e anfícrinas ou mistas (pâncreas)

Existem três tipos de glândulas: endócrinas (tireóide, suprarrenal), exócrinas (lacrimais, mamárias) e anfícrinas ou mistas (pâncreas) Existem três tipos de glândulas: endócrinas (tireóide, suprarrenal), exócrinas (lacrimais, mamárias) e anfícrinas ou mistas (pâncreas) É formado pelas glândulas endócrinas Essas tem origem no tecido epitelial

Leia mais

Excreção. Manutenção do equilíbrio de sal, água e remoção de excretas nitrogenadas.

Excreção. Manutenção do equilíbrio de sal, água e remoção de excretas nitrogenadas. Fisiologia Animal Excreção Manutenção do equilíbrio de sal, água e remoção de excretas nitrogenadas. Sistema urinario Reabsorção de açucar, Glicose, sais, água. Regula volume sangue ADH: produzido pela

Leia mais

PUBERDADE. Fase fisiológica com duração de 2 a 5 anos, durante a qual ocorre a maturação sexual

PUBERDADE. Fase fisiológica com duração de 2 a 5 anos, durante a qual ocorre a maturação sexual Puberdade PUBERDADE Transição entre a infância e a vida adulta Transformações físicas e psíquicas complexas Fase fisiológica com duração de 2 a 5 anos, durante a qual ocorre a maturação sexual Desenvolvimento

Leia mais

A neurohipófise tem comunicação

A neurohipófise tem comunicação A aula de hoje é sobre o eixo hipotálamohipófise - ovário. Porque que nós vamos falar desse eixo? Porque é ele que rege toda a fisiologia hormonal feminina, então pra nós falarmos do ciclo menstrual, nós

Leia mais

HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA

HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA GLÂNDULAS SEXUAIS GÔNADAS MASCULINAS = TESTÍCULOS GÔNADAS FEMININAS = OVÁRIOS PRODUZEM GAMETAS E HORMÔNIOS SEXUAIS CONTROLE HORMONAL DO SISTEMA TESTÍCULOS

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 SISTEMA ANTILUTEOLÍTICO E MORTE EMBRIONÁRIA EM FÊMEAS BOVINAS JEAN CAIO FIGUEIREDO DE ALMEIDA¹, ANA KELLY MENDES DA SILVA¹, GESSIANE PEREIRA DA SILVA¹, BRENDA JULIANE SILVA DOS SANTOS¹, CAMILA DE ALMEIDA

Leia mais

Mas por que só pode entrar um espermatozóide no óvulo???

Mas por que só pode entrar um espermatozóide no óvulo??? Mas por que só pode entrar um espermatozóide no óvulo??? Lembre-se que os seres humanos só podem ter 46 cromossomos, sendo um par sexual, por exemplo: se dois espermatozóides com cromossomo sexual X e

Leia mais

FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO

FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO 1 UNIVERSIDADE DE CUIABÁ Atividade Presencial: estudo através de Textos e Questionários realizado em sala de aula SOBRE A FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO CADA ESTUDANTE DEVERÁ IMPRIMIR E LEVAR

Leia mais

ASPECTOS PECULIARES DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM OVINOS

ASPECTOS PECULIARES DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM OVINOS ASPECTOS PECULIARES DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM OVINOS Bicudo, S.D.*; Azevedo, H.C.; Silva Maia, M.S.; Sousa, D.B.; Rodello, L. DRARV - FMVZ UNESP Botucatu - *sony@fmvz.unesp.br Características reprodutivas

Leia mais

Ciclo Menstrual. Uma das queixas mais comuns, na clínica ginecológica, são as irregularidades do ciclo menstrual. 400 a 500 óvulos durante a sua vida.

Ciclo Menstrual. Uma das queixas mais comuns, na clínica ginecológica, são as irregularidades do ciclo menstrual. 400 a 500 óvulos durante a sua vida. Profª. Keyla Ruzi Ciclo Menstrual Uma das queixas mais comuns, na clínica ginecológica, são as irregularidades do ciclo menstrual. 400 a 500 óvulos durante a sua vida. Ciclo Menstrual Conceitos iniciais

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GnRH COMO EFEITO SOMATÓRIO NA INDUÇÃO DE OVULAÇÃO DE BOVINOS

UTILIZAÇÃO DE GnRH COMO EFEITO SOMATÓRIO NA INDUÇÃO DE OVULAÇÃO DE BOVINOS UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO PÓS-GRADUAÇÃO EM REPRODUÇÃO E PRODUÇÃO EM BOVINOS UTILIZAÇÃO DE GnRH COMO EFEITO SOMATÓRIO NA INDUÇÃO DE OVULAÇÃO DE BOVINOS MATHEUS GUAPO PAVARINA SÃO JOSÉ DO RIO PRETO SP

Leia mais

CONTROLE E INTEGRAÇÂO

CONTROLE E INTEGRAÇÂO CONTROLE E INTEGRAÇÂO A homeostase é atingida através de uma série de mecanismos reguladores que envolve todos os órgãos do corpo. Dois sistemas, entretanto, são destinados exclusivamente para a regulação

Leia mais

Sistema Endócrino. Introdução. Glândulas e suas secreções. 1. Hipotálamo: 2. Hipófise anterior (adeno-hipófise):

Sistema Endócrino. Introdução. Glândulas e suas secreções. 1. Hipotálamo: 2. Hipófise anterior (adeno-hipófise): Introdução Sistema Endócrino O sistema endócrino é composto por um grupo de tecidos especializados (glândulas) cuja função é produzir e liberar na corrente sanguínea substâncias chamadas Hormônios. Os

Leia mais

Sistema endócrino I. As células produtoras de hormônios estão geralmente reunidas em órgãos denominados glândulas endócrinas.

Sistema endócrino I. As células produtoras de hormônios estão geralmente reunidas em órgãos denominados glândulas endócrinas. RESUMO DE AULA Sistema endócrino I O funcionamento e equilíbrio fisiológico do corpo humano dependem em parte da comunicação entre as células por meio de mensageiros químicos denominados de hormônios.

Leia mais

LICENCIATURA EM ENGª DA PRODUÇÃO ANIMAL ENDOCRINOLOGIA MECANISMO DE ACÇÃO HORMONAL DOCENTE RESPONSÁVEL PAULA AZEVEDO paula.azevedo@esa.ipsantarem.pt 1 MECANISMO DE ACÇÃO HORMONAL Glândula endócrina glândula

Leia mais

ENDOCRINOLOGIA DA REPRODUÇÃO. Elisângela Mirapalheta Madeira Medica Veterinária, MC

ENDOCRINOLOGIA DA REPRODUÇÃO. Elisângela Mirapalheta Madeira Medica Veterinária, MC ENDOCRINOLOGIA DA REPRODUÇÃO Elisângela Mirapalheta Madeira Medica Veterinária, MC Introdução Glândulas Endócrinas Hipotálamo Hipófise Gônadas Glândula pineal Glândulas Endócrinas Hipotálamo Glândulas

Leia mais

Rev Bras Reprod Anim, Belo Horizonte, v.31, n.1, p.27-31, jan./mar. 2007. Disponível em www.cbra.org.br

Rev Bras Reprod Anim, Belo Horizonte, v.31, n.1, p.27-31, jan./mar. 2007. Disponível em www.cbra.org.br Rev Bras Reprod Anim, Belo Horizonte, v.31, n.1, p.27-31, jan./mar. 2007. Disponível em www.cbra.org.br Uso da gonadotrofina coriônica humana (hcg) visando melhorar as características reprodutivas e fertilidade

Leia mais

HIPOTÁLAMO E HIPÓFISE. Introdução à Endocrinologia

HIPOTÁLAMO E HIPÓFISE. Introdução à Endocrinologia HIPOTÁLAMO E HIPÓFISE Introdução à Endocrinologia GENERALIDADES SOBRE HORMÔNIOS CONCEITO Hormônios são substâncias que funcionam como mensageiras inter-celulares CLASSIFICAÇÃO DOS HORMÔNIOS PROTÉICOS Formados

Leia mais

ORGANIZAÇÃO MORFOLÓGICA E FUNCIONAL DO SISTEMA HIPOTALÂMICO HIPOFISÁRIO

ORGANIZAÇÃO MORFOLÓGICA E FUNCIONAL DO SISTEMA HIPOTALÂMICO HIPOFISÁRIO ORGANIZAÇÃO MORFOLÓGICA E FUNCIONAL DO SISTEMA HIPOTALÂMICO HIPOFISÁRIO Laboratório de Neuroendocrinologia Prof. Dr. Celso Rodrigues Franci Fernanda Barbosa Lima Os sistemas nervoso e endócrino regulam

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina VET381 Fisiologia da Reprodução

Programa Analítico de Disciplina VET381 Fisiologia da Reprodução Programa Analítico de Disciplina Departamento de Veterinária - Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Número de créditos: Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 5 Carga horária semanal Períodos

Leia mais

Aparelho Reprodutor Feminino

Aparelho Reprodutor Feminino Aparelho Reprodutor Feminino Profa Elaine C. S. Ovalle Aparelho Reprodutor Feminino Composto por: - ovários - tubas uterinas - útero - vagina - glândulas mamárias 1 Ovários Funções do Sistema Genital Feminino

Leia mais

Precocidade Sexual e a Inseminação Artificial em Tempo Fixo

Precocidade Sexual e a Inseminação Artificial em Tempo Fixo 4º Workshop Precocidade Sexual. Precocidade Sexual e a Inseminação Artificial em Tempo Fixo José Luiz Moraes Vasconcelos DPA FMVZ UNESP Botucatu, SP vasconcelos@fca.unesp.br Precocidade em novilhas Nelore

Leia mais

HISTOLOGIA. Folículos ovarianos

HISTOLOGIA. Folículos ovarianos HISTOLOGIA No ovário identificamos duas porções distintas: a medula do ovário, que é constituída por tecido conjuntivo frouxo, rico em vasos sangüíneos, célula hilares (intersticiais), e a córtex do ovário,

Leia mais

Introdução. estacionalidade reprodutiva é o fotoperíodo, caso a nutrição esteja adequada.

Introdução. estacionalidade reprodutiva é o fotoperíodo, caso a nutrição esteja adequada. !"#"! $"%!! Introdução Durante sua evolução, os ovinos e os caprinos desenvolveram alternativas reprodutivas para assegurar o nascimento de suas crias nos períodos de maior fartura de água e alimentos.

Leia mais

FISIOLOGIA DO EIXO HIPOTÁLAMO - HIPÓFISE OVÁRIO. Rosy Ane de Jesus Pereira Araujo Barros

FISIOLOGIA DO EIXO HIPOTÁLAMO - HIPÓFISE OVÁRIO. Rosy Ane de Jesus Pereira Araujo Barros FISIOLOGIA DO EIXO HIPOTÁLAMO - HIPÓFISE OVÁRIO Rosy Ane de Jesus Pereira Araujo Barros CICLO MENSTRUAL A menstruação é um sangramento genital periódico e temporário na mulher. É um importantes marcador

Leia mais

3) (UFABC/2009) Leia a tirinha:

3) (UFABC/2009) Leia a tirinha: Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Mário Neto Série: 2 Ano Disciplina: Biologia 11) (Fuvest-1998) Uma jovem que sempre foi saudável chegou a um hospital em estado

Leia mais

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO Universidade Federal do Ceará INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO Doutorando: MV Msc Rodrigo Vasconcelos de Oliveira Introdução Bovinocultura=> + eficiência reprodutiva Limitações: Anestro pós-parto longo

Leia mais

(www.gineco.com.br) Com relação às alterações hormonais que ocorrem no ciclo menstrual, é correto afirmar que

(www.gineco.com.br) Com relação às alterações hormonais que ocorrem no ciclo menstrual, é correto afirmar que 01 - (Unicastelo SP) O gráfico representa os níveis de concentração dos diferentes hormônios femininos, no organismo, durante o ciclo menstrual. (www.gineco.com.br) Com relação às alterações hormonais

Leia mais

Profª Leticia Pedroso

Profª Leticia Pedroso Profª Leticia Pedroso Sistema Endócrino O homem apresenta em seu organismo várias glândulas endócrinas (glândulas que secretam hormônios para dentro do sangue). Hormônios são mensageiros químicos responsáveis

Leia mais

[CICLO ESTRAL (CIO) NAS CADELAS]

[CICLO ESTRAL (CIO) NAS CADELAS] [CICLO ESTRAL (CIO) NAS CADELAS] Somente as cadelas possuem ciclo estral e os machos sentem se atraídos pelas que estão no cio; 2 Ciclo estral (cio) nas cadelas O início dos cios nas cadelas sadias ocorre

Leia mais

Aula 23 Sistema endócrino

Aula 23 Sistema endócrino Aula 23 Sistema endócrino O sistema endócrino é formado por órgãos e tecidos que secretam hormônios. Os hormônios são lançados na corrente sangüínea e influenciam a atividade de células, órgãos ou sistemas.

Leia mais

Hipófise (ou glândula Pituitária)

Hipófise (ou glândula Pituitária) Sistema Hormonal Sistema Hormonal O sistema endócrino é formado pelo conjunto de glândulas endócrinas, as quais são responsáveis pela secreção de substância denominadas hormonas. As glândulas endócrinas

Leia mais

10/06/2013 GLÂNDULAS ENDÓCRINAS GLÂNDULAS ENDÓCRINAS (NAV) Tireóide Paratireóide Hipófise Pineal Adrenal Ilhotas pancreáticas Timo

10/06/2013 GLÂNDULAS ENDÓCRINAS GLÂNDULAS ENDÓCRINAS (NAV) Tireóide Paratireóide Hipófise Pineal Adrenal Ilhotas pancreáticas Timo UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Campus Curitibanos Medicina Veterinária ANATOMIA II (NAV) Tireóide Paratireóide Pineal Adrenal Ilhotas pancreáticas Timo Profa. Rosane Silva glândulas de secreção

Leia mais

Classificação: valores

Classificação: valores ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO 1º Teste Sumativo DISCIPLINA DE BIOLOGIA 12ºano Turma A TEMA : Reprodução Humana 20 de Outubro de 2011 90 minutos Nome: Nº Classificação: valores A professora:

Leia mais

PRIMEIRO CIO PÓS-PARTO DAS CABRAS E OVELHAS NO NORDESTE

PRIMEIRO CIO PÓS-PARTO DAS CABRAS E OVELHAS NO NORDESTE PRIMEIRO CIO PÓS-PARTO DAS CABRAS E OVELHAS NO NORDESTE Prof. Adelmo Ferreira de Santana Caprinocultura e Ovinocultura E-mail afs@ufba.br Departamento de Produção Animal Escola de Medicina Veterinária

Leia mais

DA MULHER Manual prático para viver com saúde os melhores anos da vida

DA MULHER Manual prático para viver com saúde os melhores anos da vida Dr. JOSÉ BENTO Médico ginecologista e obstetra A MELHOR IDADE DA MULHER Manual prático para viver com saúde os melhores anos da vida Sumário Apresentação... 7 Introdução... 11 Capítulo 1 Um corpo de mudanças...

Leia mais

Cuidados essenciais para maior produtividade na criação de bovinos

Cuidados essenciais para maior produtividade na criação de bovinos ebook Avanza Cuidados essenciais para maior produtividade na criação de bovinos Sumário 01 02 03 04 05 Introdução - Aumente a produtividade da sua criação Fertilização In Vitro Transferência de Embriões

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 42 APARELHO REPRODUTOR FEMININO

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 42 APARELHO REPRODUTOR FEMININO BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 42 APARELHO REPRODUTOR FEMININO Fixação 1) (UERJ) O gráfico abaixo ilustra um padrão de níveis plasmáticos de vários hormônios durante o ciclo menstrual da mulher. a) Estabeleça

Leia mais

d) uma célula é alvo apenas para um dado hormônio e) uma determinada função pode ser controlada por vários hormônios

d) uma célula é alvo apenas para um dado hormônio e) uma determinada função pode ser controlada por vários hormônios Fisiologia Endócrina - Bloco 1 de exercícios 1. O mecanismo de feedback ou retroação é o principal meio regulador da secreção das glândulas endócrinas. Um exemplo de feedback negativo é: a) aumento da

Leia mais

Indução e sincronização de cio em caprinos

Indução e sincronização de cio em caprinos Indução e sincronização de cio em caprinos Plínio de Oliveira FASSIO 1 ; Larissa de Oliveira FASSIO 2 ; Angélica Campos MARTINS 3 ; Claudiane de Assis SOUZA 3 ; Vanessa Daniela Lázara de ASSIS 3 ; André

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR. Sistema reprodutor feminino

SISTEMA REPRODUTOR. Sistema reprodutor feminino SISTEMA REPRODUTOR A reprodução é de importância tremenda para os seres vivos, pois é por meio dela que os organismos transmitem suas características hereditariamente e garantem a sobrevivência de suas

Leia mais

EMBRIOLOGIA HUMANA. -Disciplina: Genética e Embriologia. -Profª: Ana Cristina Confortin -2014/1

EMBRIOLOGIA HUMANA. -Disciplina: Genética e Embriologia. -Profª: Ana Cristina Confortin -2014/1 EMBRIOLOGIA HUMANA -Disciplina: Genética e Embriologia -Profª: Ana Cristina Confortin -2014/1 ÚTERO * Compreender a estrutura do tero é base para compreensão dos ciclos reprodutivos e da implantação do

Leia mais

Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos

Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos Professor: Aparecido Porto da Costa Disciplina: Caprinovinocultura E-mail: aparecidoport@hotmail.com Introdução Importância Produtividade do rebanho => obter sucesso

Leia mais

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM NA REPRODUÇÃO EQUINA CONTROLE DO ÚTERO. José Carlos de Andrade Moura 1 * RESUMO

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM NA REPRODUÇÃO EQUINA CONTROLE DO ÚTERO. José Carlos de Andrade Moura 1 * RESUMO DIAGNÓSTICO POR IMAGEM NA REPRODUÇÃO EQUINA CONTROLE DO ÚTERO (Ultrasonic Imaging in Equine Reproduction: Ultrasonographic examination of the uterus ) José Carlos de Andrade Moura 1 * 1 Academia Baiana

Leia mais

Fisiologia do Sistema Endócrino-I

Fisiologia do Sistema Endócrino-I Curso Preparatório para Residência em Enfermagem-2012 Fisiologia do Sistema Endócrino-I Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc Glândulas endócrinas: Funções: Secreções de substâncias (hormônios) que atuam

Leia mais

Raniê Ralph GO. 24 de Setembro de 2008. Professor Sobral. Ciclo Menstrual

Raniê Ralph GO. 24 de Setembro de 2008. Professor Sobral. Ciclo Menstrual 24 de Setembro de 2008. Professor Sobral. Ciclo Menstrual Fisiologia O ciclo menstrual para ocorrer depende de uma série de intercomunicações entre diversos compartimentos femininos. Todo o ciclo menstrual

Leia mais

REPRODUÇÃO GERAL NOS MAMÍFEROS DOMÉSTICOS Ismar Araújo de Moraes Fisiologia Veterinária

REPRODUÇÃO GERAL NOS MAMÍFEROS DOMÉSTICOS Ismar Araújo de Moraes Fisiologia Veterinária REPRODUÇÃO GERAL NOS MAMÍFEROS DOMÉSTICOS Ismar Araújo de Moraes Fisiologia Veterinária INTRODUÇÃO REVISÃO DOS ASPECTOS ANATÔMICOS http://www.fao.org/wairdocs/ilri/x5442e/x5442e05.gif 1- corno uterino

Leia mais

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM. Fisiologia Endócrina. Introdução ao Sistema Endócrino

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM. Fisiologia Endócrina. Introdução ao Sistema Endócrino Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM Fisiologia Endócrina Introdução ao Sistema Endócrino Prof. Wagner de Fátima Pereira Departamento de Ciências Básicas Faculdade de Ciências

Leia mais

Sistema Endócrino. Introdução

Sistema Endócrino. Introdução Introdução A coordenação das funções do organismo é feita pelos sistemas nervoso e endócrino. Este é formado pelo conjunto das glândulas, que produzem os hormônios, substâncias lançadas no sangue que influenciam

Leia mais

AVALIAÇÃO DO USO DE CIDR REUTILIZADO E PROGESPON DE PRIMEIRO USO EM NOVILHAS RECEPTORAS DE EMBRIÕES (BOS TAURUS X BOS INDICUS)

AVALIAÇÃO DO USO DE CIDR REUTILIZADO E PROGESPON DE PRIMEIRO USO EM NOVILHAS RECEPTORAS DE EMBRIÕES (BOS TAURUS X BOS INDICUS) REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA - ISSN 1679-7353 PUBLICAÇÃO CI ENTÍFICA DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DE GARÇA/FAMED ANO IV, NÚMERO, 08, JANEIRO DE 2007. PERIODICIDADE:

Leia mais

Manejo reprodutivo de vacas de leite criadas a pasto. José Luiz Moraes Vasconcelos

Manejo reprodutivo de vacas de leite criadas a pasto. José Luiz Moraes Vasconcelos Manejo reprodutivo de vacas de leite criadas a pasto José Luiz Moraes Vasconcelos De que vaca e de que pasto estamos falando? Cenários? Holandesa ou mestiça? Pasto bom ou ruim? Verão ou inverno? Produção

Leia mais

TESTE DE AVALIAÇÃO ESCRITA º 2 MÓDULO 2. Prova Escrita de Consulta da Disciplina de Saúde Infantil

TESTE DE AVALIAÇÃO ESCRITA º 2 MÓDULO 2. Prova Escrita de Consulta da Disciplina de Saúde Infantil TESTE DE AVALIAÇÃO ESCRITA º 2 MÓDULO 2 Curso Profissional de Técnico de Apoio à Infância/Ensino Secundário Prova Escrita de Consulta da Disciplina de Saúde Infantil Turma [I] do 10º Ano de Escolaridade

Leia mais

Diferimento de pastagens para animais desmamados

Diferimento de pastagens para animais desmamados Diferimento de pastagens para animais desmamados Marco Antonio Alvares Balsalobre Eng. Agrônomo doutor em Ciência Animal e Pastagens Diretor de Produto da Bellman Nutrição Animal LTDA Mirella Colombo Moscardini

Leia mais

Sistema Endócrino: controle hormonal

Sistema Endócrino: controle hormonal Sistema Endócrino: controle hormonal Todos os processos fisiológicos estudados até agora, como digestão, respiração, circulação e excreção, estão na dependência do sistema que fabrica os hormônios. O sistema

Leia mais

FISIOLOGIA HUMANA III

FISIOLOGIA HUMANA III FISIOLOGIA HUMANA III UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO Profª Drª Silvia Aparecida Pieta Interação dos sistemas nervoso e endócrino Os sistemas nervoso e

Leia mais

Fisiologia Endócrina do Sistema Reprodutivo

Fisiologia Endócrina do Sistema Reprodutivo Fisiologia Endócrina do Sistema Reprodutivo Profa. Letícia Lotufo Função Reprodutiva: Diferenciação sexual Função Testicular Função Ovariana Antes e durante a gravidez 1 Diferenciação sexual Sexo Genético

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Professor: João Paulo

SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Professor: João Paulo SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Professor: João Paulo SISTEMA REPRODUTOR FEMININO É constituído por: uma vulva (genitália externa), uma vagina, um útero, duas tubas uterinas (ovidutos ou trompas de Falópio),

Leia mais

AVANÇOS NOS PROTOCOLOS DE SUPEROVULAÇÃO DE BOVINOS

AVANÇOS NOS PROTOCOLOS DE SUPEROVULAÇÃO DE BOVINOS AVANÇOS NOS PROTOCOLOS DE SUPEROVULAÇÃO DE BOVINOS Manoel F. Sá Filho, Claudiney M. Martins, José Nélio S. Sales, Roberta M. Ferreira, Pietro S. Baruselli. Departamento de Reprodução Animal, FMVZ-USP,

Leia mais

29/03/2012. Biologia. Principais glândulas endócrinas humanas

29/03/2012. Biologia. Principais glândulas endócrinas humanas Biologia Tema: Módulo 01: Anatomia e fisiologia Marcos Vinícius Introdução É um sistema que juntamente com o sistema nervoso atua no controle das funções gerais do nosso organismo. É representado pelos

Leia mais

Tópicos em Manejo de luz. Alexandre Pires Rosa Elenice Franco

Tópicos em Manejo de luz. Alexandre Pires Rosa Elenice Franco Tópicos em Manejo de luz Alexandre Pires Rosa Elenice Franco PROGRAMAS DE LUZ PARA MATRIZES INSTALAÇÕES Convencional (aberto) Semi-escuro (sombrite) Escuro LATITUDE A duração do dia varia durante o ano

Leia mais

Minha filha está ficando uma moça!

Minha filha está ficando uma moça! Minha filha está ficando uma moça! A UU L AL A O que faz as meninas se transformarem em mulheres? O que acontece com seu corpo? Em geral, todos nós, homens e mulheres, somos capazes de lembrar muito bem

Leia mais

RUTE MARIA DE PAULA OLIVEIRA COMPORTAMENTO SEXUAL DE CABRAS TOGGENBURG DURANTE A ESTAÇÃO REPRODUTIVA APÓS LUTEÓLISE NATURAL OU INDUZIDA

RUTE MARIA DE PAULA OLIVEIRA COMPORTAMENTO SEXUAL DE CABRAS TOGGENBURG DURANTE A ESTAÇÃO REPRODUTIVA APÓS LUTEÓLISE NATURAL OU INDUZIDA RUTE MARIA DE PAULA OLIVEIRA COMPORTAMENTO SEXUAL DE CABRAS TOGGENBURG DURANTE A ESTAÇÃO REPRODUTIVA APÓS LUTEÓLISE NATURAL OU INDUZIDA Dissertação apresentada à Universidade Federal de Minas Gerais, como

Leia mais

Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro Disciplina de Caprinocultura 2013

Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro Disciplina de Caprinocultura 2013 Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro Disciplina de Caprinocultura 2013 Manejo reprodutivo de caprinos Qual a importância de um bom manejo reprodutivo? Determina a eficiência do sistema de produção Estacionalidade

Leia mais

SISTEMA ENDÓCRINO SISTEMA HORMONAL

SISTEMA ENDÓCRINO SISTEMA HORMONAL SISTEMA ENDÓCRINO SISTEMA HORMONAL HORMÔNIOS 1. MENSAGEIROS QUÍMICOS PRODUZIDOS PELAS GLÂNDULAS ENDÓCRINAS. 2. REGULADORES: - (ESTIMULANTES OU INIBIDORES) - (CRESCIMENTO, METABOLISMO, REPRODUÇÃO, ETC.)

Leia mais

INDUÇÃO DA OVULAÇÃO EM ÉGUAS CRIOULAS COM DIFERENTES DOSES DE GONADOTROPINA CORIÔNICA HUMANA

INDUÇÃO DA OVULAÇÃO EM ÉGUAS CRIOULAS COM DIFERENTES DOSES DE GONADOTROPINA CORIÔNICA HUMANA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA INDUÇÃO DA OVULAÇÃO EM ÉGUAS CRIOULAS COM DIFERENTES DOSES DE GONADOTROPINA CORIÔNICA HUMANA

Leia mais

SISTEMA ENDÓCRINO - 1 Figuras desta aula são do livro de Silverthorn

SISTEMA ENDÓCRINO - 1 Figuras desta aula são do livro de Silverthorn SISTEMA ENDÓCRINO - 1 Figuras desta aula são do livro de Silverthorn Bernardo Baldisserotto Departamento de Fisiologia e Farmacologia Universidade Federal de Santa Maria, Brasil Sistema nervoso: usualmente

Leia mais

FISIOLOGIA HUMANA SISTEMA ENDÓCRINO

FISIOLOGIA HUMANA SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA 1 SISTEMA ENDÓCRINO 2 1 Visão geral Sistema endócrino: Grupo de glândulas responsáveis por regular vários órgãos dentro do corpo; Satisfazer as necessidades de crescimento e reprodução

Leia mais

Exercícios de Coordenação Endócrina

Exercícios de Coordenação Endócrina Exercícios de Coordenação Endócrina 1. (UFABC) Leia a tirinha: Material de apoio do Extensivo Enquanto o futuro não chega, diabéticos controlam a glicemia através de injeções diárias de insulina ou mesmo

Leia mais

Neuroendocrinologia. Sistemas neuroendócrinos no cérebro dos peixes. Eixo hipotálamo - hipófise - glândulas-alvo

Neuroendocrinologia. Sistemas neuroendócrinos no cérebro dos peixes. Eixo hipotálamo - hipófise - glândulas-alvo Neuroendocrinologia Sistemas neuroendócrinos no cérebro dos peixes Eixo hipotálamo - hipófise - glândulas-alvo Neuro-endocrinologia O campo de neuro-endocrinologia - papel significante no entendimento

Leia mais

Sistema Endócrino II - Hormônios

Sistema Endócrino II - Hormônios Ciências Morfofuncionais III Sistema Endócrino II - Hormônios Natureza, química e funções Professores: Felipe, Jean-Pierre e Olivia Endocrinologia Estudo das secreções internas do organismo Hormônios São

Leia mais

AVALIAÇÃO DE NOVOS PROTOCOLOS VISANDO INDUZIR E SINCRONIZAR A OVULAÇÃO EM ÉGUAS

AVALIAÇÃO DE NOVOS PROTOCOLOS VISANDO INDUZIR E SINCRONIZAR A OVULAÇÃO EM ÉGUAS i UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA AVALIAÇÃO DE NOVOS PROTOCOLOS VISANDO INDUZIR E SINCRONIZAR A OVULAÇÃO EM ÉGUAS GABRIEL MAKSOUD GRECO Botucatu SP 2010 ii

Leia mais

SINCRONIZAÇÃO DE ESTRO E INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO (IATF) EM OVINOS: RELATO DE CASO

SINCRONIZAÇÃO DE ESTRO E INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO (IATF) EM OVINOS: RELATO DE CASO SINCRONIZAÇÃO DE ESTRO E INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO (IATF) EM OVINOS: RELATO DE CASO ZANATTA, Giliardi 1 ; CORSETTI, Angel 1 ;SOUZA, Déborah Andrade¹;BORGES, Luiz F.K 2. Palavras-chave: Acetato

Leia mais

PLANO DE AULA. Plano de Estudo

PLANO DE AULA. Plano de Estudo PLANO DE AULA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP BOTUCATU FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA FMVZ DISCIPLINA (hipotética): FISIOLOGIA E BIOTECNOLOGIA DA REPRODUÇÃO ANIMAL TÍTULO DA AULA: TRATO

Leia mais

EFICIÊNCIA REPRODUTIVA EMPRENHAR A VACA O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL APÓS O PARTO

EFICIÊNCIA REPRODUTIVA EMPRENHAR A VACA O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL APÓS O PARTO TIAGO LEIVA EFICIÊNCIA REPRODUTIVA EMPRENHAR A VACA O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL APÓS O PARTO Cria em gado de corte: o bezerro é o produto comercializado. Gado de leite (alta produção): a vaca precisa parir

Leia mais

EFEITO DO TAMANHO DO FOLÍCULO DOMINANTE NO MOMENTO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO NA TAXA DE GESTAÇÃO EM VACAS NELORE

EFEITO DO TAMANHO DO FOLÍCULO DOMINANTE NO MOMENTO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO NA TAXA DE GESTAÇÃO EM VACAS NELORE EFEITO DO TAMANHO DO FOLÍCULO DOMINANTE NO MOMENTO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO NA TAXA DE GESTAÇÃO EM VACAS NELORE Éder Augusto Gonçalves 1 ; Fábio Luiz Bim Cavalieri 2 ; José Mauricio Gonçalves

Leia mais

ENDOCRINOLOGIA REPRODUTIVA. M.S. Cássio Cassal Brauner FAEM-UFPel

ENDOCRINOLOGIA REPRODUTIVA. M.S. Cássio Cassal Brauner FAEM-UFPel ENDOCRINOLOGIA REPRODUTIVA M.S. Cássio Cassal Brauner Prof. DZ-FAEM FAEM-UFPel ENDOCRINOLOGIA REPRODUTIVA Endocrinologia é parte das ciências médicas que trata da secreção das glândulas internas (hormônios)

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL - UNISC DEPARTAMENTO DE FARMÁCIA DISCIPLINA DE FISIOLOGIA GERAL HORMÔNIOS MASCULINOS

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL - UNISC DEPARTAMENTO DE FARMÁCIA DISCIPLINA DE FISIOLOGIA GERAL HORMÔNIOS MASCULINOS UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL - UNISC DEPARTAMENTO DE FARMÁCIA DISCIPLINA DE FISIOLOGIA GERAL HORMÔNIOS MASCULINOS Andiara Onizzolo Marques Isadora Schmachtenberg Manoela Zaccani Maristela Ullrich

Leia mais

EXAMES PARA DIAGNÓSTICO DE PUBERDADE PRECOCE

EXAMES PARA DIAGNÓSTICO DE PUBERDADE PRECOCE Data: 04/12/2013 NOTA TÉCNICA 242 /2013 Solicitante: Des. Vanessa Verdolim Hudson Andrade Número do processo: 1.0433.13.017726-7/001 Medicamento Material Procedimento Cobertura X EXAMES PARA DIAGNÓSTICO

Leia mais

22.05. O tipo básico de tecido epitelial é o de revestimento sendo os demais tecidos epiteliais (glandular e neuroepitélio) derivados desse.

22.05. O tipo básico de tecido epitelial é o de revestimento sendo os demais tecidos epiteliais (glandular e neuroepitélio) derivados desse. BIO 8E aula 22 22.01. O tecido epitelial de revestimento é pobre em substância intercelular e avascular. Existe também o tecido epitelial glandular que é derivado do tecido epitelial de revestimento. O

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO. Chronogest CR, 20 mg, esponja vaginal de libertação controlada para ovinos.

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO. Chronogest CR, 20 mg, esponja vaginal de libertação controlada para ovinos. RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Chronogest CR, 20 mg, esponja vaginal de libertação controlada para ovinos. 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada esponja

Leia mais

GAMETOGÊNESES & SISTEMAS REPRODUTORES HUMANOS PROF. CARLOS FREDERICO

GAMETOGÊNESES & SISTEMAS REPRODUTORES HUMANOS PROF. CARLOS FREDERICO GAMETOGÊNESES & SISTEMAS REPRODUTORES HUMANOS PROF. CARLOS FREDERICO GAMETOGÊNESES O processo de formação de gametas, na maioria dos animais, se dád através s da meiose e recebe a denominação de gametogênese..

Leia mais

Sistema endócrino + Sistema nervoso. integração e controle das funções do organismo

Sistema endócrino + Sistema nervoso. integração e controle das funções do organismo Sistema endócrino Sistema endócrino + Sistema nervoso integração e controle das funções do organismo Sistema endócrino Conjunto de glândulas endócrinas que secretam hormônio Relembrando Glândulas que liberam

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Ciências Aeronáuticas. Sistema Endócrino. Prof. Raimundo Júnior M.Sc.

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Ciências Aeronáuticas. Sistema Endócrino. Prof. Raimundo Júnior M.Sc. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Ciências Aeronáuticas Sistema Endócrino Prof. Raimundo Júnior M.Sc. Sistema Hormonal atua como um sistema de controle e regulação (assim como o

Leia mais

GABRIEL FERNANDES CLAUDINO II ASPECTOS DA REPRODUÇÃO EQUINA: INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL E TRANSFERÊNCIA DE EMBRIÕES

GABRIEL FERNANDES CLAUDINO II ASPECTOS DA REPRODUÇÃO EQUINA: INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL E TRANSFERÊNCIA DE EMBRIÕES GABRIEL FERNANDES CLAUDINO II CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS UNIFMU ASPECTOS DA REPRODUÇÃO EQUINA: INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL E TRANSFERÊNCIA DE EMBRIÕES SÃO PAULO 2009 Gabriel Fernandes

Leia mais

Universidade Castelo Branco Bases Anatomofisiológicas do Corpo Humano I Estudo Morfofuncional do Sistema Endócrino (Glândulas Endócrinas) Unidade IV

Universidade Castelo Branco Bases Anatomofisiológicas do Corpo Humano I Estudo Morfofuncional do Sistema Endócrino (Glândulas Endócrinas) Unidade IV 1 Universidade Castelo Branco Bases Anatomofisiológicas do Corpo Humano I Estudo Morfofuncional do Sistema Endócrino (Glândulas Endócrinas) Unidade IV Visão Geral do Sistema das Glândulas Endócrinas Introdução

Leia mais