ANEXO V ESTRUTURA TARIFÁRIA, SERVIÇOS COMPLEMENTARES E MULTAS 1 INTRODUÇÃO ESTRUTURA TARIFÁRIA SERVIÇOS COMPLEMENTARES...

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANEXO V ESTRUTURA TARIFÁRIA, SERVIÇOS COMPLEMENTARES E MULTAS 1 INTRODUÇÃO... 2 2 ESTRUTURA TARIFÁRIA... 3 3 SERVIÇOS COMPLEMENTARES..."

Transcrição

1 ANEXO V ESTRUTURA TARIFÁRIA, SERVIÇOS COMPLEMENTARES E MULTAS 1 INTRODUÇÃO ESTRUTURA TARIFÁRIA TARIFA MÍNIMA TARIFAÇÃO REGRAS DE ESTIMATIVA DE CONSUMO TARIFA SOCIAL SERVIÇOS COMPLEMENTARES MULTAS E INFRAÇÕES... 6

2 1 INTRODUÇÃO A CONCESSIONÁRIA será remunerada pela cobrança das TARIFAS decorrentes dos SERVIÇOS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO prestados na ÁREA DA CONCESSÃO, bem como pela cobrança dos preços relativos à execução dos SERVIÇOS COMPLEMENTARES e de eventuais multas cobradas dos USUÁRIOS. A estrutura tarifaria que será utilizada prevê a classificação dos USUÁRIOS nas seguintes categorias de consumo, segundo os critérios de classificação definidos na Portaria da Fundação Rio-Águas nº [ ]. I. Domiciliar II. Comercial III. Industrial 1 IV. Pública A determinação do volume de esgotos incidirá sobre os imóveis servidos por redes públicas de esgotamento sanitário e será feita pelos seguintes critérios: 1. Correspondente ao volume de água consumido, real ou estimado pela CONCESSIONÁRIA, considerando: a. o abastecimento de água pelo prestador de serviços; b. o abastecimento por meio de fonte alternativa de água por parte do USUÁRIO; c. a utilização de água como insumo em processos produtivos. 2. Apurado em medidor do volume de esgotos coletado instalado na unidade usuária. A prestação dos SERVIÇOS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO será cobrada com base na aplicação das TARIFAS ao volume medido através de hidrômetro instalado na ligação predial ou, no caso de eventual impossibilidade de medição, no volume estimado com base nos métodos de estimativa definidos neste anexo. As TARIFAS serão cobradas mensalmente, mediante a emissão de faturas, e compreendem: a) Tarifa mínima - valor equivalente aos custos fixos; b) Acima da tarifa mínima - valor do consumo medido de água ou valor do consumo estimado para a categoria de uso - cobrado pelo consumo de água registrado pelo hidrômetro, ou pelo consumo presumido, quando não existir medidor; c) Parcelamentos, receitas recuperadas e sanções. O cálculo de a) e b) obedece aos seguintes fatores: 1 A cobrança pela recepção de efluente não doméstico na rede coletora de esgotos considera, além da aplicação da tarifa correspondente ao volume de efluente lançado, a carga poluidora do efluente, conforme o estabelecido no Decreto Municipal n [ ]

3 1. Categoria do imóvel (comercial, industrial, residencial ou público) 2. Volume de água medido ou estimado 3. Valor da tarifa Acréscimos por impontualidade: 2% como multa de mora do total da conta em atraso, independente do período 1% ao mês Pro Rata Die como juros de mora Os valores referentes aos SERVIÇOS COMPLEMENTATES e às sanções serão cobrados de acordo com as tabelas apresentadas neste Anexo. 2 ESTRUTURA TARIFÁRIA 2.1 TARIFA MÍNIMA Será cobrada uma tarifa mínima, mesmo nos casos em que não haja nenhum consumo por qualquer período. Essa tarifa é referente ao consumo mensal de 15m 3 para USUÁRIOS domiciliares ou públicos e 20 m 3 para USUÁRIOS comerciais e industriais. 2.2 TARIFAÇÃO TARIFA MÍNIMA CATEGORIA MULTIPLICADOR TARIFA R$/m3 VALOR R$ DOMICILIAR 1,00 1, ,41 COMERCIAL 3,90 5, ,38 INDUSTRIAL 5,38 8, ,87 PÚBLICO 1,32 1, ,58 TARIFAS CATEGORIA FAIXA MULTIPLICADOR TARIFA R$/m 3 DOMICILIAR COMERCIAL INDUSTRIAL PÚBLICA ,00 1, ,20 3, ,00 5, ,00 10,2685 >60 8,00 13, ,40 5, ,99 10,2514 >30 6,40 10, ,70 8, ,70 8, ,40 9,2416 >130 5,70 9, ,32 2,2591 >15 2,92 4,9973

4 2.3 REGRAS DE ESTIMATIVA DE CONSUMO No caso das unidades residenciais, o consumo é estimado de acordo com o número de quartos do imóvel (incluindo o quarto de empregados), atribuindo-se a cada um o valor correspondente a 500 litros por dia, ou 15 m 3 por mês de 30 dias. Número de Quartos Consumo estimado l/por dia e > Piscina 200 m3/mês O consumo estimado também é adotado para as unidades comerciais, industriais ou públicas desprovidas de hidrômetro. Aqui, no entanto, o cálculo para cobrança é feito em função da área construída, em metros quadrados (m²), ou, para áreas de construção superiores a 80m 2, pela vazão do ramal. Área Construída Consumo estimado m 3 /mês <30m a 40 m a 50 m a 60 m a 70 m a 80 m 2 80 >80 m 2 Cobrar pelo diâmetro do ramal Diâmetro do Ramal (polegadas) Consumo Estimado (m3/mês) ½ 60 ¾ ½ TARIFA SOCIAL Comunidades carentes e conjuntos habitacionais destinados a moradores de baixa renda, que apresentarem documentação em atendimento a Portaria da Fundação Rio-Águas nº ], terão o benefício de uma tarifa diferenciada chamada Tarifa Social. Esta tarifa será aplicada a cada

5 economia até um consumo de 21,24m 3 por mês. O excedente do volume máximo estipulado será cobrado pela tarifa domiciliar comum, na faixa correspondente da tabela progressiva. Para consumos superiores a este volume mensal, o valor a ser cobrado pelos SERVIÇOS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO é de R$ 8,35. TARIFAS CATEGORIA FAIXA TARIFA TARIFA SOCIAL 0-21,24m 3 R$ 8,35 >21,24m 3 Aplicar tabela progressiva domiciliar comum 3 SERVIÇOS COMPLEMENTARES A realização pela CONCESSIONÁRIA de SERVIÇOS COMPLEMENTARES para os USUÁRIOS, como realização de vistoria, execução de ligação predial, entre outros, será remunerada mediante a cobrança do correspondente preço do SERVIÇO COMPLEMENTAR. Tabela de Serviços Serviços Vistoria 30,15 Interrupção e Religação No registro de gaveta com selagem 27,47 No cavalete com CAP 60,58 No registro de derivação de ligação até 2'' Rua sem pavimentação Com levantamento parcial do ramal (TC52) Com levantamento total do ramal (TC52) Forma de Cobrança R$ % 140,36 Rua pavimentada 558,01 Com levantamento ramal de chumbo parcial ou total(tc52) Substituição de LC por hidrômetro 30,16 Supressão de ligação (levantamento definitivo do ramal até 1'') 187,13 50% da ligação nova 100% da ligação nova 100% da ligação nova Instalação de Ligação (R$) Localização do Distribuidor Diâmetro Passeio Na Pista de Rolamento Terra Asfalto Paralelepípedo 100 mm Ferro Fundido Rocha 1030, , , , mm Ferro Fundido Terra 465,58 834, ,58 807, mm Vidrado Rocha 726, , , ,97

6 100 mm Vidrado Terra 188,64 309,66 599,99 332, mm Ferro Fundido Rocha 1251, , , , mm Ferro Fundido Terra 713, , , , mm Vidrado Rocha 742, , , , mm Vidrado Terra 204,50 344,96 622,73 365, mm Vidrado Rocha 806, , , , mm Vidrado Terra 268,06 447,64 715,52 457, mm Vidrado Rocha 863, , , , mm Vidrado Terra 325,44 557,22 857,82 558, mm Vidrado Rocha 1008, , , , mm Vidrado Terra 470,47 786, ,58 764,52 VALORES PARA A COBRANÇA DE INDENIZAÇÃO DE HIDRÔMETROS Capacidade Diâmetro R$ 3 m³/h ½ 80,193 3 m³/h ¾ 83,930 5 m³/h ¾ 98,288 7 m³/h 1'' 229, m³/h 1'' 248, m³/h 1 ½ 388, m³/h 2'' 1801, m³/h 3'' 2506, m³/h 4'' 3507, m³/h 6'' 6613,655 4 MULTAS E INFRAÇÕES Sem prejuízo das demais sanções previstas em lei e no CONTRATO, em virtude das infrações abaixo descritas os USUÁRIOS deverão pagar as correspondentes multas, conforme a tabela a seguir: Tipo de Infração Ligação de qualquer canalização as redes públicas de água, bem como intervenção ramal predial Dom Valor (R$) Com/Ind/Pub 1/2'' 198,54 496,34 3/4'' 397,07 992,68 1'' 893, ,53 1 1/2'' 2283, ,90 2'' ou mais 3474, ,93 Derivação de instalação predial para outro imóvel 893, ,53

7 Intercalação de dispositivo na alimentador predial que prejudique o abastecimento de água 893, ,53 Violação/ Reirada de LC 893, ,53 Violação/Retirada de hidrômetro Violação do corte Qualquer modificação ou execução da instalação para esgotar 1/2'' 198,54 496,34 3/4'' 397,07 992,68 1'' 893, ,53 1 1/2'' 2283, ,90 2'' ou mais 3474, ,93 1/2'' 198,54 496,34 3/4'' 397,07 992,68 1'' 893, ,53 1 1/2'' 2283, ,90 2'' ou mais 3474, ,93 até 5 vasos de 6 a 20 vasos de 21 a 200 vasos mais de 200 vasos 268,02 446,71 536,05 893, , , , ,82 Ligação clandestina de esgoto a RES 3474, ,93 Qualquer modificação ou execução de canalização primária de esgotos não destinada a receber contribuição de vasos Qualquer modificação ou execução de esgoto secundário 536,05 893,41 268,02 446,71 Ligação de águas pluviais a rede de esgotos 3474, ,93 Ligação de águas industriais, óleos ou gorduras à rede de esgotos Lançamento nas instalações de esgotos de qualquer material que obtrua ou prejudique a rede de esgotos 3474, , , ,93 Emprego nas instalações de esgotos de qualquer materiais, peças e dispositivos não aprovados pela CONCESSIONÁRIA 893, ,53 Não cumprimento de intimações 161,46 403,66 Início de obras e de serviços de instalações de água ou esgotos ou modificações nas existentes em loteamentos ou grupamentos de edificações sem a autorização da CONCESSIONÁRIA 1786, ,05

8 Qualquer intervenção ou dano nas instalações de água ou esgoto localizados em áreas públicas, além de cobrança dos serviços que se fizerem necessários 3474, ,93 Infrações não previstas nos itens acima 3474, ,93 "By-pass"instalado no ramal predial de água (contornando o hidrômetro) 1/2'' 198,54 496,34 3/4'' 397,07 992,68 1'' 893, ,53 1 1/2'' 2283, ,90 2'' ou mais 3474, ,93 Interconexão de sistemas / CONCESSIONÁRIA 893, ,53 Violação de selo de virola 161,46 403,66

ANEXO V ESTRUTURA TARIFÁRIA, SERVIÇOS COMPLEMENTARES E MULTAS 1 INTRODUÇÃO ESTRUTURA TARIFÁRIA SERVIÇOS COMPLEMENTARES...

ANEXO V ESTRUTURA TARIFÁRIA, SERVIÇOS COMPLEMENTARES E MULTAS 1 INTRODUÇÃO ESTRUTURA TARIFÁRIA SERVIÇOS COMPLEMENTARES... ANEXO V ESTRUTURA TARIFÁRIA, SERVIÇOS COMPLEMENTARES E MULTAS 1 INTRODUÇÃO... 2 2 ESTRUTURA TARIFÁRIA... 3 2.1 TARIFA MÍNIMA... 3 TARIFAÇÃO... 3 2.3 REGRAS DE ESTIMATIVA DE CONSUMO... 4 2.4 TARIFA SOCIAL...

Leia mais

Circular 003/15-SUCOM/DC Porto Alegre, 01 de julho de 2015

Circular 003/15-SUCOM/DC Porto Alegre, 01 de julho de 2015 Circular 003/15-SUCOM/DC Porto Alegre, 01 de julho de 2015 Senhor Chefe, Informamos a seguir a estrutura tarifária sintética, utilizada no faturamento da Unidade de Erechim, a partir de Julho/2015 (emissão

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE GASPAR

PREFEITURA MUNICIPAL DE GASPAR DECRETO Nº 4876, DE 08 DE MARÇO DE 2012. FIXA NOVA TABELA PARA TARIFAS E SERVIÇOS DIVERSOS DO SAMAE, E DA OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PEDRO CELSO ZUCHI, Prefeito Municipal de Gaspar, Estado de Santa Catarina,

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ - SP DECRETO Nº 24.162, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2012

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ - SP DECRETO Nº 24.162, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2012 DECRETO Nº 24.162, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2012 MIGUEL HADDAD, Prefeito do Município de Jundiaí, Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais e, em especial, ao que consta do art. 10 da Lei Municipal

Leia mais

PORTARIA N O/RIO-ÁGUAS/PRE Nº. 001 DE 17 DE AGOSTO DE 2011

PORTARIA N O/RIO-ÁGUAS/PRE Nº. 001 DE 17 DE AGOSTO DE 2011 PORTARIA N O/RIO-ÁGUAS/PRE Nº. 001 DE 17 DE AGOSTO DE 2011 Dispõe sobre a regulamentação do serviço de esgotamento sanitário do Município do Rio de Janeiro aplicável à Área de Planejamento-5 (AP-5) O PRESIDENTE

Leia mais

OBJETO 1 DO CONTRATO 2 Prestação dos serviços de abastecimento de água, recolha de águas residuais e gestão de resíduos.

OBJETO 1 DO CONTRATO 2 Prestação dos serviços de abastecimento de água, recolha de águas residuais e gestão de resíduos. OBJETO 1 DO CONTRATO 2 Prestação dos serviços de abastecimento de água, recolha de águas residuais e gestão de resíduos. VIGÊNCIA DO CONTRATO 1- O contrato de abastecimento de água, recolha de águas residuais

Leia mais

TABELA II RECEITA INDIRETA DOS SERVIÇOS ITEM SERVIÇOS VALOR EM R$

TABELA II RECEITA INDIRETA DOS SERVIÇOS ITEM SERVIÇOS VALOR EM R$ TABELA II RECEITA INDIRETA DOS SERVIÇOS ITEM SERVIÇOS VALOR EM R$ 1 Aferição de hidrômetros 35,53 2 Desobstrução de esgoto 61,64 3 Acréscimo por impontualidade Vide Obs 4 Serviço de Religação de água (Social)

Leia mais

RIVIERA DE SANTA CRISTINA XIII REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO (SAADES)

RIVIERA DE SANTA CRISTINA XIII REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO (SAADES) RIVIERA DE SANTA CRISTINA XIII REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO (SAADES) 1. Objetivo e Definições 1.1. O presente Regulamento objetiva

Leia mais

Decreta: I - Categoria Residencial/Pública Até 10 m³ mensais (mínimo)... R$ 15,88 Acima de 10 até 20 m³... R$ 2,09 p/m³ excedente

Decreta: I - Categoria Residencial/Pública Até 10 m³ mensais (mínimo)... R$ 15,88 Acima de 10 até 20 m³... R$ 2,09 p/m³ excedente DECRETO Nº 4.019, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013. Dispõe sobre a alteração dos preços públicos de água e demais serviços prestados pela Divisão de Água e Saneamento e dá outras providências. NICOLAU FINAMORE

Leia mais

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A ISO 9001:2000

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A ISO 9001:2000 CONTRATO ESPECIAL DE FIDELIDADE PARA FORNECIMENTO DE ÁGUA POTÁVEL, COLETA/ AFASTAMENTO E TRATAMENTO DE ESGOTO, QUE ENTRE SI CELEBRAM A SOCIEDADE DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO - SANASA CAMPINAS

Leia mais

Município de Cuba Tarifário dos Serviços de Abastecimento de Água, Saneamento de Águas Residuais e de Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos.

Município de Cuba Tarifário dos Serviços de Abastecimento de Água, Saneamento de Águas Residuais e de Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos. Tarifário dos Serviços de Abastecimento de Água, Saneamento de Águas Residuais e de Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos Secção I Abastecimento de Água Subsecção I Tarifas de Abastecimento de Água 1 - Utilizadores

Leia mais

COMUSA Serviços de Água e Esgoto de Novo Hamburgo

COMUSA Serviços de Água e Esgoto de Novo Hamburgo 2011 PREFEITO MUNICIPAL DE NOVO HAMBURGO Sr. Tarcísio João Zimmermann DIRETOR GERAL DA COMUSA Eng. Arnaldo Luiz Dutra DIRETOR TÉCNICO DA COMUSA Eng. Júlio César Macedo COORDENADOR DE PROJETOS E OBRAS Eng.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRAS Estado de Minas Gerais Rua Antônio Moreira Barros, nº 101

PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRAS Estado de Minas Gerais Rua Antônio Moreira Barros, nº 101 LEI MUNICIPAL N.º 1.163/2002, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2002. Estabelece o preço público para o uso e/ou a ocupação, como forma de remuneração do espaço territorial das zonas urbana e rural das vias públicas

Leia mais

RESOLUÇÃO TARIFÁRIA n.º 01/05

RESOLUÇÃO TARIFÁRIA n.º 01/05 RESOLUÇÃO TARIFÁRIA n.º 01/05 LUIZ AUGUSTO CASTRILLON DE AQUINO, PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SOCIEDADE DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO S/A SANASA - CAMPINAS, no uso de suas atribuições

Leia mais

CLÁUSULA SEGUNDA Este contrato entrará em vigor por prazo indeterminado após sua publicação e registro em Ofício de Notas competente.

CLÁUSULA SEGUNDA Este contrato entrará em vigor por prazo indeterminado após sua publicação e registro em Ofício de Notas competente. Pelo presente instrumento particular, a COMPANHIA DE ÁGUAS E ESGOTOS DO RIO GRANDE DO NORTE (CAERN), inscrita no CNPJ n.º 08.334.385/0001-35, com sede na Avenida Sen. Salgado Filho, n 1555, bairro Tirol,

Leia mais

ANEXO II ESTRUTURA TARIFÁRIA E VALOR DOS SERVIÇOS

ANEXO II ESTRUTURA TARIFÁRIA E VALOR DOS SERVIÇOS ANEXO II ESTRUTURA TARIFÁRIA E VALOR DOS SERVIÇOS Os valores a serem cobrados dos clientes, resultam na aplicação dos valores da Tarifa Referencial de Água (TRA) e da Tarifa Referencial de Esgoto (TRE),

Leia mais

COMBATE AS VIOLAÇÕES

COMBATE AS VIOLAÇÕES TÍTULO: COMBATE AS VIOLAÇÕES AUTORES: VALÉRIA TARTARI Gerente Comercial desde 2003. Pedagoga com pós-graduação em Administração Financeira e cursando pósgraduação em Marketing, ambas pela Unifei S.B.C.

Leia mais

DECRETO Nº 4.364 TÍTULO I - DO OBJETO

DECRETO Nº 4.364 TÍTULO I - DO OBJETO DECRETO Nº 4.364 Regulamenta a prestação dos serviços de água e esgotos pelo Departamento Municipal de Água, Esgoto e Saneamento - DMAES e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Ponte Nova, no

Leia mais

ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL 1. INTRODUÇÃO Este anexo objetiva apresentar as informações necessárias a orientar a LICITANTE quanto à apresentação e conteúdo da sua PROPOSTA

Leia mais

Gestão social da valorização fundiária urbana

Gestão social da valorização fundiária urbana Gestão social da valorização fundiária urbana Audiência Pública PL n 5.015/2013 Ministério das Cidades Brasília, 20 de novembro de 2013 O que é a gestão social da valorização fundiária urbana? Ações e

Leia mais

DECRETO Nº 1.874 de 24 de junho de 1.998

DECRETO Nº 1.874 de 24 de junho de 1.998 DECRETO Nº 1.874 de 24 de junho de 1.998 Alterações: Decretos 2001 de 24 de Novembro de 1999 Decreto 2.154 de 01 de Junho de 2001 Decreto 2. 605 de 17/03/2005 Decreto 2.651/05 de 13/07/2005 Decreto 2961/07

Leia mais

PREÂMBULO. Artigo 1.º Competências para o tratamento da rede de efluentes

PREÂMBULO. Artigo 1.º Competências para o tratamento da rede de efluentes PREÂMBULO O sistema de tratamento de efluentes domésticos, comerciais e industriais a jusante do sistema de captação tratamento e armazenamento de água potável, tem vindo a ser implementado de acordo com

Leia mais

NORMA TÉCNICA GEPRO/ESGOTO 001/2015 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSANITÁRIOS POR TERCEIROS

NORMA TÉCNICA GEPRO/ESGOTO 001/2015 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSANITÁRIOS POR TERCEIROS NORMA TÉCNICA GEPRO/ESGOTO 001/2015 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSANITÁRIOS POR TERCEIROS ÍNDICE 1. OBJETIVOS... 1 2. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 1 3. EMPREENDIMENTOS DE INTERESSE... 2 4.

Leia mais

Análise das Tarifas e Progressividade da conta de água em 13 Estados brasileiros

Análise das Tarifas e Progressividade da conta de água em 13 Estados brasileiros Análise das Tarifas e Progressividade da conta de água em 13 Estados brasileiros Análise das Tarifas de Água OBJETIVO: O objetivo desse trabalho é comparar e analisar as tarifas de água cobradas em diversos

Leia mais

PLANO BÁSICO DE SERVIÇO LOCAL - STFC

PLANO BÁSICO DE SERVIÇO LOCAL - STFC PLANO BÁSICO DE SERVIÇO LOCAL - STFC Este Plano Básico de Serviço visa oferecer aos assinantes do Serviço de Telefonia Fixa Comutada (STFC), a possibilidade de realizar chamadas na modalidade Local, através

Leia mais

JUNTAS DE FREGUESIA, INSTITUIÇÕES E AGREMIAÇÕES PRIVADAS DE BENEFICÊNCIA, CULTURAIS, DESPORTIVAS E OUTRAS DE INTERESSE PÚBLICO. Escalão único 2,1103

JUNTAS DE FREGUESIA, INSTITUIÇÕES E AGREMIAÇÕES PRIVADAS DE BENEFICÊNCIA, CULTURAIS, DESPORTIVAS E OUTRAS DE INTERESSE PÚBLICO. Escalão único 2,1103 ÁGUA* CONSUMO DE ÁGUA CONSUMO DOMÉSTICO 1º Escalão (0 5 m 3 /mês) 0,4578 2º Escalão (6 15 m 3 /mês) 0,8330 3º Escalão (16 a 25 m 3 /mês) 1,3841 4º Escalão (superior a 25 m 3 /mês) 2,2301 COMÉRCIO, INDÚSTRIA,

Leia mais

Aprenda a calcular corretamente o valor da sua conta de água seguindo as instruções do SAE:

Aprenda a calcular corretamente o valor da sua conta de água seguindo as instruções do SAE: Cálculo da conta SUPERINTENDÊNCIA DE ÁGUA ESGOTO Aprenda a calcular corretamente o valor da sua conta de água seguindo as instruções do SAE: 1 Calcule consumo de água em metros cúbicos (m³) para uma economia

Leia mais

RESOLUÇÃO 02/2006 CAPÍTULO I DO OBJETIVO

RESOLUÇÃO 02/2006 CAPÍTULO I DO OBJETIVO RESOLUÇÃO 02/2006 Estabelece as condições gerais na prestação e utilização dos serviços públicos de abastecimento de água tratada e esgotamento sanitário do Município de Fortaleza. CAPÍTULO I DO OBJETIVO

Leia mais

PLANO BÁSICO DE SERVIÇO LONGA DISTÂNCIA NACIONAL - STFC

PLANO BÁSICO DE SERVIÇO LONGA DISTÂNCIA NACIONAL - STFC PLANO BÁSICO DE SERVIÇO LONGA DISTÂNCIA NACIONAL - STFC Este Plano Básico de Serviço visa oferecer aos assinantes do Serviço de Telefonia Fixa Comutada (STFC), a possibilidade de realizar chamadas na modalidade

Leia mais

LEI Nº 653 DE 15 DE DEZEMBRO DE 2006.

LEI Nº 653 DE 15 DE DEZEMBRO DE 2006. LEI Nº 653 DE 15 DE DEZEMBRO DE 2006. Regulamenta os serviços públicos de água e esgoto operados pelo Departamento Municipal de Água e Esgoto de Monte Carmelo DMAE, e dá outras providências. O povo do

Leia mais

COMPANHIA RIOGRANDENSE DE SANEAMENTO - CORSAN REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE ÁGUA E ESGOTO

COMPANHIA RIOGRANDENSE DE SANEAMENTO - CORSAN REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE ÁGUA E ESGOTO 1 REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE ÁGUA E ESGOTO 2 0 0 1 2 Í N D I C E pag. CAPITULO I - DO OBJETIVO... 04 CAPITULO II - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 04 CAPITULO III - CARACTERÍSTICAS GERAIS DO ATENDIMENTO...

Leia mais

ANEXO VI REGULAMENTO DO SERVIÇO PÚBLICO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE IMBITUBA. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

ANEXO VI REGULAMENTO DO SERVIÇO PÚBLICO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE IMBITUBA. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES ANEXO VI REGULAMENTO DO SERVIÇO PÚBLICO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE IMBITUBA. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Seção I Objetivo Art. 1. Este Regulamento tem como

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DE SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO DO MUNICÍPIO DO NATAL. RESOLUÇÃO Nº 004/2008, de 19 de junho de 2008.

AGÊNCIA REGULADORA DE SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO DO MUNICÍPIO DO NATAL. RESOLUÇÃO Nº 004/2008, de 19 de junho de 2008. AGÊNCIA REGULADORA DE SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO DO MUNICÍPIO DO NATAL RESOLUÇÃO Nº 004/2008, de 19 de junho de 2008. Estabelece as condições gerais na prestação dos serviços públicos de abastecimento

Leia mais

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 60, DE 28 DE JULHO DE 2014

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 60, DE 28 DE JULHO DE 2014 Dispõe sobre o reajuste dos valores das Tarifas de Água e Esgoto, fixa os valores dos Preços Públicos dos demais serviços prestados e das infrações aplicadas pelo SAAE-Pedreira, a serem praticados no Município

Leia mais

DECRETO Nº 43.753, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2004

DECRETO Nº 43.753, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2004 DECRETO Nº 43.753, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2004 Regulamenta a prestação de serviços públicos de água e esgoto pela Companhia de Saneamento de Minas Gerais COPASA MG e dá outras providências. O GOVERNADOR

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças 1. DO OBJETO: Governo do Estado do Rio de Janeiro Código de Classificação: 13.02.01.15 TERMO DE REFERÊNCIA Outorga de permissão de uso, com encargos, de área localizada no prédio sede da, situado na Avenida

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO PUBLICADO EM PLACAR Em / / PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS LEI COMPLEMENTAR Nº 173, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2008. Faço saber que: Dispõe sobre permissão de uso, de espaço público, aéreo e subsolo, para instalação

Leia mais

LIGAÇÃO NOVA E AUMENTO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM ENTRADAS COLETIVAS EXISTENTES (PADRÃO ANTIGO)

LIGAÇÃO NOVA E AUMENTO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM ENTRADAS COLETIVAS EXISTENTES (PADRÃO ANTIGO) LIGAÇÃO NOVA E AUMENTO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM ENTRADAS COLETIVAS EXISTENTES (PADRÃO ANTIGO) Condições de atendimento Diretoria de Distribuição Gerência de Engenharia da Distribuição

Leia mais

DECRETO Nº 17.007, DE 02 DE JULHO DE 2007 APROVA O REGULAMENTO DO SERVIÇO AUTONÔMO DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE ARACRUZ - ES

DECRETO Nº 17.007, DE 02 DE JULHO DE 2007 APROVA O REGULAMENTO DO SERVIÇO AUTONÔMO DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE ARACRUZ - ES DECRETO Nº 17.007, DE 02 DE JULHO DE 2007 APROVA O REGULAMENTO DO SERVIÇO AUTONÔMO DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE ARACRUZ - ES O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACRUZ, ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, NO USO DE SUAS

Leia mais

TÍTULO I DO OBJETIVO TÍTULO II DA TERMINOLOGIA

TÍTULO I DO OBJETIVO TÍTULO II DA TERMINOLOGIA DECRETO N. 5.405 - DE 15 DE ABRIL DE 2004 Dispõe sobre o Regulamento da Superintendência de Água e Esgotos de Ituiutaba - SAE, e dá outras providências. O Prefeito de Ituiutaba no uso de suas atribuições

Leia mais

Água: responsabilidade de todos. Proteja seu hidrômetro

Água: responsabilidade de todos. Proteja seu hidrômetro Água: responsabilidade de todos Proteja seu hidrômetro 2005 Saiba por que é preciso proteger seu hidrômetro Sr.(a) Usuário(a), leia com atenção as instruções abaixo: -A ligação e a religação de água serão

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº. 2. O hidrômetro individual será instalado em local de fácil acesso, tanto ao condômino como ao aferidor.

PROJETO DE LEI Nº. 2. O hidrômetro individual será instalado em local de fácil acesso, tanto ao condômino como ao aferidor. PROJETO DE LEI Nº DISPÕE SOBRE A INSTALAÇÃO DE HIDRÔMETROS INDIVIDUAIS EM CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS E COMERCIAIS, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Art. 1º. Os projetos e construções de novos edifícios a serem

Leia mais

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DA NAZARÉ PRECÁRIO DOS SERVIÇOS PRESTADOS PARA O ANO DE 2015 (Preços a vigorar entre 01 de Janeiro e 31 de Dezembro)

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DA NAZARÉ PRECÁRIO DOS SERVIÇOS PRESTADOS PARA O ANO DE 2015 (Preços a vigorar entre 01 de Janeiro e 31 de Dezembro) (s a vigorar entre 01 de Janeiro e 31 de Dezembro) PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA, SANEAMENTO E GESTÃO DE RSU Escalão Água Saneamento RSU Doméstico 1º Escalão - 5m 3 / 30 dias 0,7291 0,6209-2º

Leia mais

O Conselho de Gestão da Agência Goiana de Regulação, Controle e Fiscalização de Serviços Públicos - AGR, no uso de suas atribuições legais e,

O Conselho de Gestão da Agência Goiana de Regulação, Controle e Fiscalização de Serviços Públicos - AGR, no uso de suas atribuições legais e, RESOLUÇÃO N 247 /2009 - CG. 1 Estabelece as condições gerais na prestação e utilização dos serviços públicos de abastecimento de água e esgotamento sanitário, conforme processo n.º 200900029008579. O Conselho

Leia mais

DECRETO N 40.156, DE 17 DE OUTUBRO DE 2006

DECRETO N 40.156, DE 17 DE OUTUBRO DE 2006 DECRETO N 40.156, DE 17 DE OUTUBRO DE 2006 ESTABELECE OS PROCEDIMENTOS TÉCNICOS E ADMINISTRATIVOS PARA A REGULARIZAÇÃO DOS USOS DE ÁGUA SUPERFICIAL E SUBTERRÂNEA, BEM COMO, PARA AÇÃO INTEGRADA DE FISCALIZAÇÃO

Leia mais

Normativo 7 Parte Específica AÇÕES DE REÚSO DE EFLUENTES TRATADOS

Normativo 7 Parte Específica AÇÕES DE REÚSO DE EFLUENTES TRATADOS SECRETARIA DE ESTADO DE SANEAMENTO E ENERGIA REÁGUA PROGRAMA ESTADUAL DE APOIO À RECUPERAÇÃO DAS ÁGUAS Normativo 7 Parte Específica COMPONENTE INCREMENTO DA DISPONIBILIDADE DE ÁGUA SUBCOMPONENTE REÚSO

Leia mais

Declaração de Saída Definitiva

Declaração de Saída Definitiva 1 de 5 1/3/2011 07:29 Declaração Declaração de Saída Definitiva Obrigatoriedade Comunicação de Saída Definitiva x Declaração de Saída Definitiva do País Prazo e local de entrega da Declaração de Saída

Leia mais

LEI N.º 4.598/15 DE 28 DE JULHO DE 2015

LEI N.º 4.598/15 DE 28 DE JULHO DE 2015 LEI N.º 4.598/15 DE 28 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre condomínios por unidades autônomas e dá outras providências... TEODORA BERTA SOUILLJEE LÜTKEMEYER, PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NÃO-ME-TOQUE/RS. FAÇO SABER

Leia mais

A Câmara Municipal de Capim Branco, Estado de Minas Gerais, por seus Vereadores, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

A Câmara Municipal de Capim Branco, Estado de Minas Gerais, por seus Vereadores, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.242 / 2012 ALTERA AS LEIS N 1078/2006, QUE DISPÕE SOBRE O PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE CAPIM BRANCO/MG, E NELA INCLUI DISPOSIÇÕES RELATIVOS A ZONEAMENTO URBANO E PARCELAMENTO DO SOLO. A Câmara

Leia mais

DICAS PARA CONDÔMINOS

DICAS PARA CONDÔMINOS DICAS PARA CONDÔMINOS Área Privativa: É a unidade de cada proprietário incluindo a vaga de garagem. Áreas Comuns: São utilizadas por todos os moradores, como playground, jardins, elevadores, corredores,

Leia mais

O Conselho Deliberativo do Serviço Autônomo de Água e Esgoto, usando de suas atribuições legais aprova e o Presidente promulga a seguinte RESOLUÇÃO.

O Conselho Deliberativo do Serviço Autônomo de Água e Esgoto, usando de suas atribuições legais aprova e o Presidente promulga a seguinte RESOLUÇÃO. Resolução N. 004/68 O Conselho Deliberativo do Serviço Autônomo de Água e Esgoto, usando de suas atribuições legais aprova e o Presidente promulga a seguinte RESOLUÇÃO. Artigo 1 - Fica aprovado o Regulamento

Leia mais

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 90, DE 02 DE JULHO DE 2015

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 90, DE 02 DE JULHO DE 2015 RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 90, DE 02 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre o reajuste dos valores das Tarifas de Água e Esgoto a serem aplicados pela Companhia de Saneamento Ambiental de Atibaia SAAE, no Município

Leia mais

ESCORAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 3

ESCORAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 3 ESCORAMENTO PÁGINA 1/16 MOS 4ª Edição ESPECIFICAÇÕES MÓDULO 05 VERSÃO 00 DATA jun/2012 SUMÁRIO OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 3 0501 ESCORAMENTO DE MADEIRA... 3 0502

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Município de Caxias do Sul

Estado do Rio Grande do Sul Município de Caxias do Sul DECRETO Nº 16.809, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2013. Estabelece novos valores tarifários, preços dos serviços a serem cobrados pelo Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto (SAMAE), valores de contratos de

Leia mais

EDITAL TARIFÁRIO DE ÁGUA

EDITAL TARIFÁRIO DE ÁGUA EDITAL ---------- DR. JOSÉ ARTUR FONTES CASCAREJO, Presidente da Câmara Municipal do Concelho de Alijó:------------------------------------------------------------------------------------------- ----------

Leia mais

Prolagos S.A. Companhia Aberta CNPJ nº 02.382.073/0001-10 NIRE: 33.300.167.285 Código CVM 2346-9. Destaques

Prolagos S.A. Companhia Aberta CNPJ nº 02.382.073/0001-10 NIRE: 33.300.167.285 Código CVM 2346-9. Destaques Prolagos S.A. Companhia Aberta CNPJ nº 02.382.073/0001-10 NIRE: 33.300.167.285 Código CVM 2346-9 Receita Líquida¹ no 1T16 atinge R$69,6 milhões, alta de 24,8% em comparação ao mesmo período do ano anterior

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 34/2004

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 34/2004 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros SUMÁRIO INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 34/2004 Hidrante Urbano ANEXOS Hidrante Urbano 1 Objetivo 2

Leia mais

REGULAMENTO PARA LANÇAMENTO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS EM REDE DE ESGOTO FORNECIDA PELA COMPANHIA DE DISTRITOS INDUSTRIAIS DE GOIÁS GOIASINDUSTRIAL.

REGULAMENTO PARA LANÇAMENTO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS EM REDE DE ESGOTO FORNECIDA PELA COMPANHIA DE DISTRITOS INDUSTRIAIS DE GOIÁS GOIASINDUSTRIAL. REGULAMENTO PARA LANÇAMENTO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS EM REDE DE ESGOTO FORNECIDA PELA COMPANHIA DE DISTRITOS INDUSTRIAIS DE GOIÁS GOIASINDUSTRIAL. Art. 1º - O Presidente da Companhia de Distritos Industriais

Leia mais

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 58, DE 10 DE JULHO DE 2014

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 58, DE 10 DE JULHO DE 2014 RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 58, DE 10 DE JULHO DE 2014 Dispõe sobre o reajuste dos valores das Tarifas de Água e Esgoto a serem aplicados pela Companhia de Saneamento Ambiental de Atibaia SAAE, no Município

Leia mais

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I DO OBJETIVO

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I DO OBJETIVO REGULAMENTO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE ÁGUA, ESGOTO PRESTADOS PELO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE ITABIRITO/MG, A QUE SE REFERE O DECRETO MUNICIPAL Nº 9219, de 07 de abril de 2011. TÍTULO

Leia mais

DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 180, de 08-11-2010

DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 180, de 08-11-2010 LIBERAÇÃO ARSESP Nº 80, de 08--200 Homologa a inclusão de novos serviços na Tabela de preços e prazos de serviços da SABESP, homologada pelas Deliberações ARSESP 53 e 54/200 A Diretoria Colegiada da Agência

Leia mais

Minuta de resolução alterando a Resolução nº 14, de 2011, que estabelece as condições da prestação e utilização dos serviços públicos de água e de

Minuta de resolução alterando a Resolução nº 14, de 2011, que estabelece as condições da prestação e utilização dos serviços públicos de água e de Minuta de resolução alterando a Resolução nº 14, de 2011, que estabelece as condições da prestação e utilização dos serviços públicos de água e de esgoto no DF Ressarcimento de danos Nova Redação: Art.

Leia mais

ANEXO VI - INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL SUMÁRIO. Seção I Informações Gerais... Erro! Indicador não definido.

ANEXO VI - INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL SUMÁRIO. Seção I Informações Gerais... Erro! Indicador não definido. ANEXO VI - INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL SUMÁRIO Seção I Informações Gerais... Erro! Indicador não definido. Seção II Aspectos da Proposta Comercial... Erro! Indicador não definido.

Leia mais

QUADRO DE MEDIDORES PARA PRÉDIO DE MÚLTIPLAS UNIDADES CONSUMIDORAS NTD-23

QUADRO DE MEDIDORES PARA PRÉDIO DE MÚLTIPLAS UNIDADES CONSUMIDORAS NTD-23 QUADRO DE MEDIDORES PARA PRÉDIO DE MÚLTIPLAS UNIDADES CONSUMIDORAS NTD-23 INDICE 1- OBJETIVO... 03 2- CONDIÇÕES GERAIS... 03 2.1- GENERALIDADES... 03 2.2- IDENTIFICAÇÃO... 03 3- CONDIÇÕES ESPECÍFICAS...

Leia mais

ANEXO III REMUNERAÇÃO, PRAZOS E FORMA DE PAGAMENTO APLICADOS A PROJETOS PARA EDIFICAÇÕES NOVAS, REFORMAS E/OU AMPLIAÇÕES EM GERAL

ANEXO III REMUNERAÇÃO, PRAZOS E FORMA DE PAGAMENTO APLICADOS A PROJETOS PARA EDIFICAÇÕES NOVAS, REFORMAS E/OU AMPLIAÇÕES EM GERAL NEXO III REMUNERÇÃO, PRZOS E FORM DE PGMENTO PLICDOS PROJETOS PR EDIFICÇÕES NOVS, REFORMS E/OU MPLIÇÕES EM GERL 1. CONSIDERÇÕES PRELIMINRES 1.1. Enquadram-se como edificações novas as construções a serem

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 005/2010 SRE/ADASA

NOTA TÉCNICA Nº 005/2010 SRE/ADASA NOTA TÉCNICA Nº 005/2010 SRE/ADASA Resultados parciais da 1ª Revisão Periódica das tarifas dos serviços públicos de abastecimento de água e esgotamento sanitário prestados pela CAESB ANEXO XII FATOR X

Leia mais

SUMÁRIO. Elaboração Revisão Aprovado (ou Aprovação) Data aprovação Maturino Rabello Jr Marco Antônio W. Rocha Carmen T. Fantinel

SUMÁRIO. Elaboração Revisão Aprovado (ou Aprovação) Data aprovação Maturino Rabello Jr Marco Antônio W. Rocha Carmen T. Fantinel SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 3.1 Hidrômetro...2 3.2 A.R.T...2 3.3 Ramal predial de água...2 4. Procedimentos e Responsabilidades...3 4.1 Generalidades...3

Leia mais

ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS

ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS 1 Sumário 1. Equilíbrio econômico-financeiro metropolitano...3 2. Proposta econômico-financeira

Leia mais

Questionamentos e Respostas

Questionamentos e Respostas Edital de Solicitação de cotação SDC Nº 21309/2013 Projeto BRA/13/003 - Contratação de serviços de limpeza, vigilância e brigadista no âmbito das áreas do Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha e

Leia mais

FACÇÃO TECIDO PLANO. 1 - Introdução. 2- Mercado

FACÇÃO TECIDO PLANO. 1 - Introdução. 2- Mercado FACÇÃO TECIDO PLANO 1 - Introdução Nesta apresentação o empreendedor encontra indicações dos conhecimentos que aumentam e melhoram suas chances de sucesso, desde a identificação da oportunidade, riscos

Leia mais

Tarifário autarquias/instituições/associações (artigo 121.º R.S.A.P.A. Saneam. Águas Res. Urb.) Escalão único..

Tarifário autarquias/instituições/associações (artigo 121.º R.S.A.P.A. Saneam. Águas Res. Urb.) Escalão único.. 1 - Abastecimento de água 1.1 Tarifa variável - por m 3 Tarifário doméstico (artigo 108.º Reg. Serv. Abast. Público Água Saneam. Águas Res. Urb.) 1.º escalão (0 a 5 m 3 ).. 0,3546 (a) 2.º escalão (5 a

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015 2016

PARECER Nº, DE 2015 2016 PARECER Nº, DE 2015 2016 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, sobre o Projeto de Lei do Senado (PLS) nº 180, de 2010, da Senadora Kátia Abreu, que acrescenta o art. 41-A a Lei nº 8.078, de 11 de setembro

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 433

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 433 ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 433 Dispõe sobre o reajuste dos valores das tarifas de água e esgoto a serem aplicadas no Município de Santa Gertrudes. A Diretoria da ARSESP, considerando os

Leia mais

Termo de Situação Física das Áreas

Termo de Situação Física das Áreas Termo de Situação Física das Áreas O presente termo apresenta características físicas e tem a finalidade de informar ao Licitante as adequações necessárias nas áreas objeto da concessão, destinadas à exploração

Leia mais

Inicialmente, divide esses serviços em dois grupos:

Inicialmente, divide esses serviços em dois grupos: COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO 1 PROJETO DE LEI N o 787, DE 2003 Institui diretrizes nacionais para a cobrança de tarifas para a prestação dos serviços de abastecimento de água e dá outras providências.

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO RURALCEL

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO RURALCEL CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO RURALCEL Pelo presente instrumento particular, a TELEFÔNICA BRASIL S.A., Concessionária do Serviço Telefônico Fixo Comutado, CNPJ/MF sob o n 02.558.157/0001-62, com sede

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO 1.1. Registro de preço, POR LOTES, para eventual aquisição de adesivos e recipientes (lixeiras) para acondicionamento de materiais recicláveis e materiais não recicláveis

Leia mais

ANEXO V MODELO DE CARTA-CONSULTA. Estimativa do nº de usuários a serem beneficiados na área de intervenção: habitantes

ANEXO V MODELO DE CARTA-CONSULTA. Estimativa do nº de usuários a serem beneficiados na área de intervenção: habitantes Informações sobre o Município beneficiado ANEXO V MODELO DE CARTA-CONSULTA Município Beneficiado: População Beneficiada Estimativa do nº de usuários a serem beneficiados na área de intervenção: habitantes

Leia mais

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO - PAS 085 Local PLANO ALTERNATIVO N 085 - LC

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO - PAS 085 Local PLANO ALTERNATIVO N 085 - LC EMPRESA PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO - PAS 085 Local PLANO ALTERNATIVO N 085 - LC Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. EMBRATEL. NOME DO PLANO Plano PAS 085 Local - PAS 085 - LC MODALIDADE DO STFC

Leia mais

PÁGINA 40 - sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

PÁGINA 40 - sexta-feira, 28 de dezembro de 2012 PÁGINA 40 - sexta-feira, 28 de dezembro de 2012 serviços prestados pela empresa de 5% (cinco por cento) para 2,5% (dois vírgula cinco por cento) por 5 (cinco) anos. Art. 2º. Para o início da fruição e

Leia mais

E, objetivando levar à sociedade informações sobre o gás natural, direitos e deveres dos consumidores e o papel da Arsal na regulação do serviço de

E, objetivando levar à sociedade informações sobre o gás natural, direitos e deveres dos consumidores e o papel da Arsal na regulação do serviço de A Gerência de Regulação do Gás Canalizado é responsável por regular a distribuição de gás canalizado no estado de Alagoas e fiscalizar o serviço prestado pela concessionária Gás de Alagoas S.A. Algás.

Leia mais

I-162 - SISTEMA DE BONIFICAÇÃO PELO USO DA ÁGUA NO BAIRRO JESUS DE NAZARETH - UMA PROPOSTA PILOTO PARA REGIÃO METROPOLITANA DA GRANDE VITÓRIA.

I-162 - SISTEMA DE BONIFICAÇÃO PELO USO DA ÁGUA NO BAIRRO JESUS DE NAZARETH - UMA PROPOSTA PILOTO PARA REGIÃO METROPOLITANA DA GRANDE VITÓRIA. I-162 - SISTEMA DE BONIFICAÇÃO PELO USO DA ÁGUA NO BAIRRO JESUS DE NAZARETH - UMA PROPOSTA PILOTO PARA REGIÃO METROPOLITANA DA GRANDE VITÓRIA. Eliane Amite Alabrin (1) Janaina Anita Marques Gonçalves Graduanda

Leia mais

Companhia de Saneamento Municipal. Taxas de Ligações e Outros Serviços

Companhia de Saneamento Municipal. Taxas de Ligações e Outros Serviços Companhia de Saneamento Municipal Taxas de Ligações e Outros Serviços PAVIMENTO SERVIÇOS À VISTA Nº Nº Nº PARCELAS VALOR PARCELAS VALOR PARCELAS VALOR REDE LOCALIZADA NA RUA TERRA LIGAÇÃO DE ÁGUA 1/2"

Leia mais

Nota Técnica 113/2007 SRD/SRE/ANEEL Metodologia para Projeção de Investimentos para o Cálculo do Fator X Contribuição da Audiência Publica 052/2007

Nota Técnica 113/2007 SRD/SRE/ANEEL Metodologia para Projeção de Investimentos para o Cálculo do Fator X Contribuição da Audiência Publica 052/2007 Nota Técnica 113/2007 SRD/SRE/ANEEL Metodologia para Projeção de Investimentos para o Cálculo do Fator X Contribuição da Audiência Publica 052/2007 1 1. Estrutura do Trabalho : De forma que se pudesse

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 458, DE 8 DE FEVEREIRO DE 2007.

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 458, DE 8 DE FEVEREIRO DE 2007. ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 458, DE 8 DE FEVEREIRO DE 2007. REGULAMENTO DE REMUNERAÇÃO PELO USO DE REDES DE PRESTADORAS DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO - STFC TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I DO

Leia mais

Termos de uso. Ao usuário do E aí, vizinho?

Termos de uso. Ao usuário do E aí, vizinho? Termos de uso Ao usuário do E aí, vizinho? Estes Termos e Condições Gerais aplicam-se ao uso dos serviços oferecidos pela plataforma/site E aí, vizinho? É muito importante que conheça as nossas políticas

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº120/2013

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº120/2013 Ressaltamos a necessidade de contratação pelas distribuidoras no Leilão A-1 de 2013da quantidade de energia correspondente à exposição involuntária decorrente do cancelamento do Leilão A-1 de 2012 e da

Leia mais

Plano alternativo específico para a modalidade LDN (Longa Distância Nacional) utilizando o CSP (Código de Seleção da Prestadora) 17 da Transit.

Plano alternativo específico para a modalidade LDN (Longa Distância Nacional) utilizando o CSP (Código de Seleção da Prestadora) 17 da Transit. A. NOME DA EMPRESA Transit do Brasil S.A. B. NOME DO PLANO Plano Alternativo de Serviço LDN (Longa Distância Nacional). C. IDENTIFICAÇÃO PARA A ANATEL PA-28 - LDN (LONGA DISTÂNCIA NACIONAL). D. MODALIDADE

Leia mais

Disciplina: Instalações Hidráulicas Instalações prediais de esgoto

Disciplina: Instalações Hidráulicas Instalações prediais de esgoto Disciplina: Instalações Hidráulicas Instalações prediais de esgoto Prof. Ms. José Benedito Gianelli Filho Nesta Unidade da Disciplina, tentaremos compreender a questão da problemática envolvida nas instalações

Leia mais

Lei Municipal N.º 1414

Lei Municipal N.º 1414 Câmara Municipal de Volta Redonda Estado do Rio de Janeiro Lei Municipal N.º 1414 Art. 126 - Para que seja concedido habite-se parcial ou total é necessário o registro prévio de declaração do autor do

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 348/2009

PROJETO DE LEI Nº 348/2009 PROJETO DE LEI Nº 348/2009 Dispõe sobre a instalação individualizada de hidrômetro nas edificações verticais residenciais e nas de uso misto e nos condomínios residenciais do Estado do Espírito Santo,

Leia mais

DECRETO EXECUTIVO Nº 087/2015.

DECRETO EXECUTIVO Nº 087/2015. DECRETO EXECUTIVO Nº 087/2015. Regulamenta Política de Saneamento e estabelece as diretrizes técnicas para implantação de sistemas individuais e coletivos de tratamento de efluente sanitário no município

Leia mais

NORMA INTERNA - NI. 3.02 Hidrômetro - Equipamento destinado a medir e registrar, continuamente, o volume de água que o atravessa;

NORMA INTERNA - NI. 3.02 Hidrômetro - Equipamento destinado a medir e registrar, continuamente, o volume de água que o atravessa; 1 de 18 1. PROPÓSITO Estabelecer condições Técnicas e Comerciais que possibilitem emissão de faturas individuais de água e/ou esgoto para condomínios residenciais ou comerciais. 2. CAMPO DE APLICAÇÃO Esta

Leia mais

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 82, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2015.

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 82, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2015. RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 82, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2015. Dispõe sobre o reajuste dos valores das Tarifas de Água e Esgoto e dos Preços Públicos dos serviços prestados, a serem aplicadas no Município de Nova

Leia mais

COMUNICADO. Seu fornecimento de água mudou.

COMUNICADO. Seu fornecimento de água mudou. COMUNICADO Seu fornecimento de água mudou. A partir de agosto, a água que chega a sua torneira é de responsabilidade da CAEPA Companhia de Água e Esgoto de Paraibuna. O novo atendimento será na sede da

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PROGRAMA DE SUBVENÇÃO E APADRINHAMENTO DE ENTIDADE FILANTRÓPICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

CONDIÇÕES GERAIS DO PROGRAMA DE SUBVENÇÃO E APADRINHAMENTO DE ENTIDADE FILANTRÓPICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CONDIÇÕES GERAIS DO PROGRAMA DE SUBVENÇÃO E APADRINHAMENTO DE ENTIDADE FILANTRÓPICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Documento registrado no Cartório do 2º Ofício de Registro de Títulos e Documentos de Belo Horizonte,

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 2.805, DE 07 DE DEZEMBRO DE 2009. Altera disposições do Código Tributário Municipal e dá outras providências.

LEI COMPLEMENTAR Nº 2.805, DE 07 DE DEZEMBRO DE 2009. Altera disposições do Código Tributário Municipal e dá outras providências. LEI COMPLEMENTAR Nº 2.805, DE 07 DE DEZEMBRO DE 2009 Altera disposições do Código Tributário Municipal e dá outras providências. Projeto de Lei nº 104/09 Autoria: Executivo JOÃO BATISTA DE ANDRADE, Prefeito

Leia mais

Resoluções da ACFOR para os Serviços Públicos Delegados de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário

Resoluções da ACFOR para os Serviços Públicos Delegados de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário Resoluções da ACFOR para os Serviços Públicos Delegados de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário - 2 - RESOLUÇÕES DA ACFOR PARA OS SERVIÇOS DELEGADOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO

Leia mais

Concepção de um Sistema de Abastecimento de Água

Concepção de um Sistema de Abastecimento de Água Concepção de um Sistema de Abastecimento de Água Introdução Em geral, não há uma solução única para um projeto de sistema de abastecimento de água Uma mesma opção pode admitir diferentes: variantes, formas

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA AS NOVAS ZONAS E LOTEAMENTOS INDUSTRIAIS. Nota justificativa

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA AS NOVAS ZONAS E LOTEAMENTOS INDUSTRIAIS. Nota justificativa PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA AS NOVAS ZONAS E LOTEAMENTOS INDUSTRIAIS Nota justificativa A criação de novas Zonas e loteamentos Industriais tem como principal finalidade

Leia mais