Aspectos Qualitativos das Águas em Sergipe.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aspectos Qualitativos das Águas em Sergipe."

Transcrição

1 Aspectos Qualitativos das Águas em Sergipe. Dra. Maria Nogueira Marques Pesquisadora DCR CNPq no ITPS

2 Introdução Sumário Objetivo Metodologia Índice de Qualidade de Água desenvolvido por Brown e NSF (Fundação Nacional de Saneamento dos EUA) utilizado pela ANA ( Agencia Nacional de Águas) e CETESB (Companhia de Tecnologia e Saneamento Ambiental - SP). Índice de Qualidade de Água desenvolvido por CCME (Conselho Canadense do Ministério do Meio Ambiente) Índice do Estado Trófico Resultados Considerações

3 Regiões Hidrográficas Brasileiras Amazônica Tocantins-Araguaia Atlântico NE Ocidental Parnaíba Atlântico NE Oriental São Francisco Atlântico Leste Atlântico Sudeste Costeira Sul Uruguai Paraná Paraguai A vazão média anual dos rios em território brasileiro é de 179 mil m 3 /s, o que corresponde a aproximadamente 12% da disponibilidade hídrica superficial mundial, que é de 1,5 milhão de m 3 /s ( km 3 /ano) (Shiklomanov,1998 apud ANA, 2009).

4 ANA. Relatório da Conjuntura dos Recursos Hídricos, H 2009

5 O Estado de Sergipe

6 O Estado de Sergipe possui,atualmente de norte a sul, oito bacias hidrográficas. OBS: Onde, Grupo de bacias Costeiras 1 (GC1) e Grupo de bacias Costeiras 2 (GC2) Secretaria de Recursos Hídricos - < mar/2011

7 O Estado de Sergipe, anteriormente, era dividido em seis bacias hidrográficas. SRH. Relatório final do enquadramento dos cursos d água de Sergipe, 2003

8 ANA. Relatório da Conjuntura dos Recursos Hídricos, H 2009

9 Objetivo O objetivo deste trabalho é avaliar a qualidade ambiental da água nas Bacias Hidrográficas do Estado de Sergipe utilizando como ferramenta os índices: IQA-NSF desenvolvido por Brown na década d de 70 em parceria com a Fundação Nacional de Saneamento dos Estados Unidos (NSF - National Sanitation Fondation ); IQA-CCME desenvolvido pelo Conselho Canadense do Ministério do Meio Ambiente (CCME - Canadian Council of Ministers of the Enviroment); Índice do Estado Trófico (IET) o clássico introduzido por Carlson modificado por Toledo et al.

10 Metodologia Estabelecimento dos pontos de coleta foi realizado em função dos corpos d ád água e os uso de suas águas, procurando contemplar as seis Bacias Hidrográficas bem como os oito territórios, rios, divididos pela secretaria de planejamento,em função das atividades antrópicas do Estado. Sul Sergipano Centro - Sul Sergipano Grande Aracaju Leste Sergipano Agreste Central Sergipano Baixo São Francisco Sergipano Médio Sertão Sergipano Secretaria de Estado do Planejamento, 2009 Alto Sertão Sergipano

11 Metodologia SF-01 R. S. Francisco Canindé do S. Francisco SF-03 Rch.. dos Cachorros Monte Alegre de Sergipe SF-02 R. Jacaré Poço Redondo SF-04 Rch.. Pilões Japoatã SF-05 R. S. Francisco Neópolis SRH. Relatório final do enquadramento dos cursos d`água de Sergipe, 2003

12 Metodologia JP-02 R. Japartuba - Japaratuba JP-08 R. Japaratuba Mirim Muribeca JP-07 R. Japaratuba Carmópolis JP-06 R. Japaratuba Pirambu SRH. Relatório final do enquadramento dos cursos d`água de Sergipe, 2003

13 Metodologia SE-01 R. Sergipe Feira Nova SE-03 R. Jacarecica Moita Bonita SE-06 R. Cotingiba Nossa Senhora do Socorro SE-07 R. Poxim São Cristóvão SE-09 Rch. Pucabi Malhador SE-08 R. Sergipe Nossa Senhora das Dores SRH. Relatório final do enquadramento dos cursos d`água de Sergipe, 2003

14 Metodologia VB-01 R. Vaza Barris Pedra Mole VB-02 Rch.. Traíras ras Campo do Brito VB-04 R. Vaza Barris Itaporanga D`Ajuda SRH. Relatório final do enquadramento dos cursos d`água de Sergipe, 2003

15 Metodologia PI-02 R. Piauí Lagarto PI-03 R. Piauitinga Estância PI-06 R. Ariquitiba Santa Luzia do Itanhi PI-07 R. S. Indiaroba Indiaroba SRH. Relatório final do enquadramento dos cursos d`água de Sergipe, 2003

16 Metodologia RE-06 R. Real Poço Verde RE-04 Rch. Ingu Tobias Barreto RE-07 R. Real Tobias Barreto RE-02 R. Itamirim Umbauba SRH. Relatório final do enquadramento dos cursos d`água de Sergipe, 2003

17 Metodologia 15/12/09

18 Metodologia Coletas: foram realizadas, até o momento, nove campanhas de coletas. Período Novembro de 2008 Março e abril de 2009 Maio e junho de 2009 Agosto e setembro de 2009 Novembro e dezembro de 2009 Janeiro de 2010 Maio de 2010 Agosto de 2010 Novembro de 2010 Nº de Pontos Nº amostras Totalizando 214 amostras coletadas resultado de 197 amostras

19 Parâmetros avaliados: Metodologia Foram analisados 41 parâmetros, onde 27 são contemplados na Resolu lução CONAMA n 357/05. n Coliformes Totais e Termotolerantes Método Técnica T de Tubos Múltiplos M recomendada pelo Standard Methodos for the Examination of Water and Wastewater (APHA, 1995). Parâmetros contemplados pela Resolução CONAMA nº n 357/05 para água doce classe 2: DBO, Coliformes Termotolerantes, Turbidez,, Cor Aparente, ph, OD, Clorofila, Solidos Dissolvidos Totais, óleos e graxas, Fósforo F Total, Nitrogênio Amoniacal, Li +, F -, Cl -, NO 2-, Br -, NO 3-, SO 2-4, PO 3-4, Cu, Mn, Fe, Cr, Ni, Cd, Pb, Zn, Glifosato e COT

20 Metodologia Índice de Qualidade da Água IQA-NSF NSF-ANA Para o cálculo c do IQA, são consideradas variáveis veis de qualidade que indicam o lançamento amento de efluentes sanitários para o corpo d ád água, fornecendo uma visão geral sobre as condições de qualidade das águas superficiais. Variáveis de qualidade de águas utilizadas para o cálculo c do IQA - Temperatura, ph, oxigênio dissolvido, demanda bioquímica de oxigênio, coliformes termotolerantes,, nitrogênio total, fósforo f total, resíduos totais e turbidez. Parâmetro Peso Wi Oxigênio Dissolvido (mgo 2 /L) 0,17 Coliformes fecais (NPM/100ml) 0,15 ph 0,12 DBO (mg/l) 0,10 Nitrogênio Total (mg/l Nt) 0,10 Fósforo Total (mg/l PO 4 ) 0,10 Temperatura ( C) 0,10 Níveil de Qualidade Faixa do IQA Ótima 80 IQA 100 Boa 52 IQA < 80 Aceitável 37 IQA < 52 Ruim 20 IQA < 37 Péssima 0 IQA < 20 Turbidez (NTU) 0,08 Sólidos totais (mg/l) 0,08 CETESB. Relatório de qualidade das águas interiores do Estado de São Paulo, 2003 e 2008

21 Metodologia Índice de Qualidade da Água IQA-CCME Índice versátil, pois permite mudar as variáveis veis analisadas de acordo com o interesse do estudo e/ou do tipo de água ou corpo d`água avaliado. Variáveis de qualidade de águas utilizadas para o cálculo c do IQA - Parâmetros estabelecidos pela Resolução CONAMA n n , de acordo com a classificação do corpo d`água segundo o Relatório final do enquadramento dos cursos d água de Sergipe (SRH, 2003). O índice é baseado em uma combinação de três fatores: Nível de Qualidade Faixa do IQA Excelente 95 IQA 100 Bom 80 IQA 94 Regular 65 IQA 79 Ruim 45 IQA 64 Péssimo 0 IQA o número n de variáveis veis que apresentaram valores fora dos padrões, (Espectro); 2. a freqüência com que valores das análises apresentam-se fora dos padrões, (freqüência); 3. o quanto estes valores se distanciam dos valores padrão, (amplitude). Estes são combinados para produzir um único valor (entre 0 e 100) que descreva a qualidade de água. CCME. Water Qual. Res. J. Canada. v. 40, n. 4, p , 456, 2005 Marques, M.N. Exacta,, 5. (1), pp. 5-8,

22 Águas doces Metodologia Parâmetros analisados (CONAMA N 357/05 (CONAMA N 357/05) Classe 1 Classe 2 Classe 1 DBO (mg/l) 3 5 Coliformes Termo. (NMP/100mL) Turb. (NTU) virt. ause. Cor Aparente (Hz) - 75 virt. ause. ph 6,0 a 9,0 6,0 a 9,1 6,5 a 8,5 OD (mg/l) Clorofila (ug/l) 10ug/L 30ug/L Óleos e Graxas (mg/l) virt. ause. virt. ause. virt. ause. Sol.Dissol Totais (mg/l) <x< Fósforo Total (mg P/L) 0,1 0,1 0,124 Nitrogênio Amoniacal N - NH 3 (mg /L) 2,0 mg/l 2,0 mg/l 0,40 Li + (mg/l) 2,5 2,5 F - (mg/l) 1,4 1,4 1,4 Cl - (mg/l) NO - 2 (mg/l) 1 1 0,07 NO 3 - (mg/l) ,4 SO 4 2- (mg/l) Águas Salobra PO 3-4 (mg/l) 0,06 Glifosato (mg/l) 0,065 0,065 - Cu (mg/l) 0,009 0,009 0,005 Mn (mg/l) 0,1 0,1 0,1 Fe (mg/l) 0,3 0,3 0,3 Cr (mg/l) 0,05 0,05 0,05 Ni (mg/l) 0,025 0,025 0,025 Cd (mg/l) 0,001 0,001 0,005 Pb (mg/l) 0,01 0,01 0,01 Zn (mg/l) 0,18 0,18 0,09 TOC (mg/l) 3 Total de Parâmetros analisados

23 Metodologia índice do estado trófico - IET O IET tem por finalidade classificar os corpos d ád água em diferentes graus de trofia,, ou seja, avalia a qualidade da água quanto ao enriquecimento por nutrientes e seu efeito relacionado ao crescimento excessivo das algas ou ao aumento da infestação de macrófitas aquáticas. Variáveis de qualidade de águas utilizadas para o cálculo c do IET - Clorofila a e fósforo f total.

24 Resultados

25 Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco SRH. Relatório final do enquadramento dos cursos d`água de Sergipe, 2003

26 Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco IQA - ANA Classificação do IQA Ótima Boa Aceitável Ruim Péssima Município Canindé do S. Francisco Poço Redondo Monte Alegre de Sergipe Japoatã Neópolis SF-03 Rch. SF-04 Riacho SF-05 S. Data/Rio SF-01 S. Francisco SF-02 Jacaré Cachorro Pilões Francisco mar/abr/ seco maio/jun/ ago/set/ nov/dez/ jan/ mai/ ago/ * 63 79* 74 nov/

27 Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco IQA - CCME Classificaçãodo IQA Excelente Bom Regular Ruim Péssimo Município Canindé do S. Francisco Poço Redondo Monte Alegre de Sergipe Japoatã Neópolis Data/Rio SF-01 S. Francisco SF-02 Jacaré SF-03 Rch. Cachorro SF-04 Riacho Pilões SF-05 S. Francisco mar/abr/ Seco maio/jun/ ago/set/ nov/dez/ jan/ mai/ ago/ nov/ classe Doce 2 Salobra 1 Salobra 1 Doce 2 Doce 2

28 Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco IET Classificação do IET Ultraoligotrófico Oligotrófico Mesotrófico Eutrófico Supertrófico Hipertrófico Municípios Canindé Poço Redondo Monte Alegre Japoatã Neopolis Data/Rio SF-01 S. Francisco SF-02 Jacaré SF-03 Rcho Cachorro SF-04 Rcho Pilões SF-05 S. Francisco mar/ Seco maio/jun/ ago/set/ nov/dez/ jan/ * mai/ ago/ nov/ * calculado somente com a variável fósforo

29 Bacia Hidrográfica do Rio Japaratuba SRH. Relatório final do enquadramento dos cursos d`água de Sergipe, 2003

30 Bacia Hidrográfica do Rio Japaratuba IQA - ANA Classificação do IQA Ótima Boa Aceitável Ruim Péssima Município Japaratuba Pirambu Carmopolis Muribeca Data/Rio JP-02 R. Japaratuba JP-06 R. Japaratuba JP-07 R. Japaratuba JP-08 R. Jap. Mirim nov/08 NC NC NC NC mar/abr/2009 NC maio/jun/ ago/set/ nov/dez/ jan/ mai/ ago/ nov/

31 Bacia Hidrográfica do Rio Japaratuba IQA - CCME Classificação do IQA Excelente Bom Regular Ruim Péssimo Município Japaratuba Pirambu Carmopolis Muribeca Data/Rio JP-02 R. Japaratuba JP-06 R. Japaratuba JP-07 R. Japaratuba JP-08 R. Jap. Mirim mar/09 NC maio/jun/ ago/set/ nov/dez/ jan/ mai/ ago/ nov/ classe Doce 2 Salobra 1 Doce 2 Doce 2

32 Bacia Hidrográfica do Rio Japaratuba IET Classificação do IET Ultraoligotrófico Oligotrófico Mesotrófico Eutrófico Supertrófico Hipertrófico Município Japaratuba Pirambu Carmopolis Muribeca Data/ Rio JP-02 R. Japaratuba JP-06 R. Japaratuba JP-07 R. Japaratuba JP-08 R. Jap. Mirim mar/09 NC maio/jun/ ago/set/ nov/dez/ jan/ mai/ ago/ nov/

33 Bacia Hidrográfica do Rio Sergipe SRH. Relatório final do enquadramento dos cursos d`água de Sergipe, 2003

34 IQA - ANA Bacia Hidrográfica do Rio Sergipe Classificação do IQA Ótima Boa Aceitável Ruim Péssima Município Feira Nova Moita Bonita N. S.do Socorro S. Cristovão N. S. das Dores Malhador Data/Rio SE-01 R. Sergipe SE-03 R. Jacarecica SE-06 R. Cotinguiba SE-07 R. Poxim SE-08 R. Sergipe SE-09 Rch. Pucabi nov/ NC NC NC NC mar/abr/ Seco maio/jun/ ago/set/ nov/dez/ jan/10 62 seco mai/ ago/ nov/

35 Bacia Hidrográfica do Rio Sergipe IQA - CCME Classificação IQA Excelente Bom Regular Ruim Péssimo Município Feira Nova Moita Bonita N. S.do Socorro S. Cristovão N. S. das Dores Malhador Data/Rio SE-01 R. Sergipe SE-03 R. Jacarecica SE-06 R. Cotinguiba SE-07 R. Poxim SE-08 R. Sergipe SE-09 Rch. Pucabi nov/ NC NC NC NC mar/abr/09 62 Seco maio/jun/ ago/set/ nov/dez/ jan/10 84 Seco mai/ ago/ nov/ classe Salobra 1 Doce 1 Salobra 1 Doce 1 Salobra 1 Doce 1

36 Bacia Hidrográfica do Rio Sergipe IET Classificação do IET Ultraoligotrófico Oligotrófico Mesotrófico Eutrófico Supertrófico Hipertrófico Municípios Feira Nova Moita Bonita N.S. dosocorro S. Cristovão N.S. das Dores Malhador Data/Rio SE-01 R. Sergipe SE-03 Jacarecica SE-06R. Cotinguiba SE-07 R. Poxim SE-08 R. Sergipe SE-09 Rch Pucabi nov/ NC NC NC NC mar/09 67 Seco maio/jun/ ago/set/ nov/dez/ jan/10 61 seco mai/ ago/ nov/

37 Bacia Hidrográfica do Rio Vaza Barris SRH. Relatório final do enquadramento dos cursos d`água de Sergipe, 2003

38 Bacia Hidrográfica do Rio Vaza Barris IQA - ANA Classificação do IQA Ótima Boa Aceitável Ruim Péssima Município Pedra Mole Campo do Brito Itaporanga d`ajuda VB-01 R. Vaza VB-02 Rch. Data/Rio Barris Traíras VB-04 R. Vaza Barris nov/ mar/abr/2009 NC maio/jun/ ago/set/ nov/dez/ jan/ mai/ ago/ nov/

39 Bacia Hidrográfica do Rio Vaza Barris IQA - CCME Classificação do IQA Excelente Bom Regular Ruim Péssimo Município Pedra Mole Campo do Brito Itaporanga d`ajuda Data/Rio VB-01 R. Vaza Barris VB-02 Rch. Traíras VB-04 R. Vaza Barris nov/ mar/abr/2009 NC maio/jun/ ago/set/ nov/dez/ jan/ mai/ ago/ nov/ Classe Salobra 1 Salobra 1 Salobra 1

40 Bacia Hidrográfica do Rio Vaza Barris IET Classificação do IET Ultraoligotrófico Oligotrófico Mesotrófico Eutrófico Supertrófico Hipertrófico Municípios Pedra Mole Campo do Brito Itaporanga d`ajuda Data/Rio VB-01 R. Vaza Barris VB-02 Rch. Traíras VB-04 R. Vaza Barris nov/ mar/09 NC maio/jun/ ago/set/ nov/dez/ jan/ mai/ ago/ nov/

41 Bacia Hidrográfica do Rio Piauí SRH. Relatório final do enquadramento dos cursos d`água de Sergipe, 2003

42 Bacia Hidrográfica do Rio Piauí IQA - ANA Classificação do IQA Ótima Boa Aceitável Ruim Péssima Município Lagarto Estância Sta Luzia do Itanhi Indiaroba Data/Rio R. Piauí R. Piauitinga R. Ariquitiba R. Indiaroba nov/ NC NC mar/abr/ maio/jun/ ago/set/ nov/dez/ jan/ mai/ ago/ nov/

43 IQA - CCME Bacia Hidrográfica do Rio Piauí Classificação do IQA Excelente Bom Regular Ruim Péssimo Município Lagarto Estância Sta Luzia do Itanhi Indiaroba Data/Rio PI-02 R. Piauí PI-03 R. Piauitinga PI-06 R. Ariquitiba PI-07 R. Indiaroba nov/ NC NC mar/abr/ maio/jun/ ago/set/ nov/dez/ jan/ mai/ ago/ nov/ classe Doce 2 Doce 2 Doce 2 Doce 2

44 Bacia Hidrográfica do Rio Piauí IET Classificação do IET Ultraoligotrófico Oligotrófico Mesotrófico Eutrófico Supertrófico Hipertrófico Municípios Lagarto Estância Santa Luzia Indiaroba Data/Rio PI-02 Piauí PI-03 Piauitinga PI-06 Ariquitiba PI-07 Indiaroba nov/ NC NC mar/ maio/jun/ ago/set/ nov/dez/ jan/ mai/ ago/ nov/

45 Bacia Hidrográfica do Rio Real SRH. Relatório final do enquadramento dos cursos d`água de Sergipe, 2003

46 IQA - ANA Bacia Hidrográfica do Rio Real Classificação do IQA Ótima Boa Aceitável Ruim Péssima Município Umbauba Tobias Barreto Poço Verde Tobias Barreto Data/Rio RE-02 R. Itamirim RE-04 Rch. Ingu RE-06 R.Real RE-07 R.Real nov/08 78 NC NC NC mar/abr/2009 NC Seco Seco 50 maio/jun/09 NC NC ago/set/09 NC nov/dez/09 NC 75 Seco 59 jan/10 55 seco seco 58* mai/ * seco 58* ago/ NC 66 nov/10 66 seco NC 42

47 IQA - CCME Bacia Hidrográfica do Rio Real Classificação do IQA Excelente Bom Regular Ruim Péssimo Município Umbauba Tobias Barreto Poço Verde Tobias Barreto Data/Rio RE-02 R. Itamirim RE-04 Rch. Ingu RE-06 R.Real RE-07 R.Real nov/08 75 NC NC NC mar/abr/2009 NC Seco Seco 58 maio/jun/09 NC NC ago/set/09 NC nov/dez/09 NC 76 Seco 61 jan/10 69 Seco Seco 58 mai/ Seco 70 ago/ NC 77 nov/10 88 Seco 55 Classe Salobra 1 Doce 2 Salobra 1 Doce 2

48 Bacia Hidrográfica do Rio Real IET Classificação do IET Ultraoligotrófico Oligotrófico Mesotrófico Eutrófico Supertrófico Hipertrófico Municípios Umbauba Tobias Barreto Poço Verde Tobias Barreto Data/Rio RE-02 Itamirim RE-04 Rch. Ingu RE-06 Real RE-07 Real nov/08 37 NC NC NC mar/abr/09 NC Seco Seco 78 maio/jun/09 NC NC ago/set/09 NC nov/dez/09 NC 51 Seco 88 jan/10 57 Seco Seco 99* mai/ Seco 78 ago/ NC 62 nov/10 51 seco NC 75

49 Pontos críticos de coleta Considerações Gerais SF-02 R. Jacaré Poço o Redondo RE-07 R. Real Tobias Barreto

50 IQA-ANA ANA Níveil de Qualidade Faixa do IQA Ótima 80 IQA 100 Boa 52 IQA < 80 Considerações Gerais Aceitável 37 IQA < 52 Ruim 20 IQA < 37 Péssima 0 IQA < 20 IQA-CCME Nível de Qualidade Faixa do IQA Excelente 95 IQA 100 Bom 80 IQA 94 Regular 65 IQA 79 Ruim 45 IQA 64 Péssimo 0 IQA 44 IQA - ANA IAQ - CCME 14% 3% 1% 3% Ótima Boa Aceitável Ruim Péssima 24% 15% 1% 16% 44% Excelente Bom Regular Ruim Péssimo 79%

51 Considerações Gerais IET Índice de Estado Trófico 7% 11% 16% 31% 18% 17% Ultraoligotrófico Oligotrófico Mesotrófico Eutrófico Supertrófico Hipertrófico

52 Referências Bibliográfica Almeida, A. A. Dissertação, Universidade Federal do Mato Grosso ALVES, J.P.H. (organizador) Rio Sergipe importância, vulnerabilidade e preservação ão.. Editora ós.. Aracaju, SE. AMIR ALI KHAN, ANNETTE TOBIN, RENÉE E PATERSON, HASEEN KHAN and RICHARD WARREN. Application of CCME procedures for deriving site-specific specific water quality guidelines for the CCME water quality index. Water Qual. Res. J. Canada. v. 40, n. 4, p , 456, ANA. Relatório da Conjuntura dos Recursos Hídricos. H CETESB. Relatório de qualidade das águas interiores do Estado de São Paulo e 2008 CONAMA Ministério de desenvolvimento urbano e meio ambiente. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução n n 357 de 17/03/2005. MARQUES, M.N.; DAUDE, L.F.; SOUZA, R.M.G.L., CONTRIM, M.E.; PIRES, M.A.F. (2007). Avaliação de um índice dinâmico de qualidade de água para abastecimento. Um estudo de caso. Exacta,, 5. (1), pp SRH. Relatório final do enquadramento dos cursos d`água de Sergipe, 2003

53 Agradecimentos

54 A água de boa qualidade é como a saúde ou a liberdade. Só tem valor quando acaba. Guimarães Rosa Muito Obrigada! Maria Nogueira Marques

MONITORAMENTO DOS RECURSOS HIDRICOS DO ESTADO DE SERGIPE

MONITORAMENTO DOS RECURSOS HIDRICOS DO ESTADO DE SERGIPE MONITORAMENTO DOS RECURSOS HIDRICOS DO ESTADO DE SERGIPE Lúcia Calumby B. de Macedo 1, Edjane Matos de Abreu², Simone Lessa Marques³, Renilda Gomes de Souza 4, Lucas Cruz Fonseca 5, José do Patrocínio

Leia mais

Avaliação da Qualidade da Água do Rio Sergipe no Município de Laranjeiras, Sergipe- Brasil

Avaliação da Qualidade da Água do Rio Sergipe no Município de Laranjeiras, Sergipe- Brasil Avaliação da Qualidade da Água do Rio Sergipe no Município de Laranjeiras, Sergipe- Brasil 1 Majane Marques Dias Lessa 2 Ana Alexandrina Gama da Silva RESUMO: Este estudo apresenta os resultados obtidos

Leia mais

21º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

21º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental IV-030 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO RIO BAURU DETERMINAÇÃO DO IQA Carlos Alberto Ferreira Rino (1) Engenheiro Especialista em Gestão Ambiental e em Controle da Poluição Ambiental; Mestre em Engenharia

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARAÍBA DO SUL NA CIDADE DE LORENA - SP, BRASIL

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARAÍBA DO SUL NA CIDADE DE LORENA - SP, BRASIL Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARAÍBA DO SUL NA CIDADE DE LORENA - SP, BRASIL CATEGORIA:

Leia mais

CALENDÁRIO 2015 COMARCAS DE ARACAJU E DO INTERIOR DO ESTADO E RESPECTIVOS DISTRITOS JANEIRO

CALENDÁRIO 2015 COMARCAS DE ARACAJU E DO INTERIOR DO ESTADO E RESPECTIVOS DISTRITOS JANEIRO CALENDÁRIO 2015 COMARCAS DE ARACAJU E DO INTERIOR DO ESTADO E RESPECTIVOS DISTRITOS JANEIRO 01/01 Confraternização Universal 15/01 Santo Amaro das Brotas (Padroeiro) 20/01 Poço Verde (Padroeiro) 20/01

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ITAMAMBUCA (UBATUBA-SP): UMA ABORDAGEM VOLTADA AO SANEAMENTO AMBIENTAL

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ITAMAMBUCA (UBATUBA-SP): UMA ABORDAGEM VOLTADA AO SANEAMENTO AMBIENTAL DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ITAMAMBUCA (UBATUBA-SP): UMA ABORDAGEM VOLTADA AO SANEAMENTO AMBIENTAL Graduando: André Muller Marinho Orientador: Marcos Eduardo Cordeiro Bernardes UNIVERSIDADE

Leia mais

CALENDÁRIO 2016 COMARCAS DE ARACAJU E DO INTERIOR DO ESTADO E RESPECTIVOS DISTRITOS JANEIRO

CALENDÁRIO 2016 COMARCAS DE ARACAJU E DO INTERIOR DO ESTADO E RESPECTIVOS DISTRITOS JANEIRO CALENDÁRIO 2016 COMARCAS DE ARACAJU E DO INTERIOR DO ESTADO E RESPECTIVOS DISTRITOS JANEIRO 01/01 Confraternização Universal 05/01 N. Sra. da Glória (Festa dos Santos Reis) 15/01 Santo Amaro das Brotas

Leia mais

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DA SUB-BACIA DOS RIO JURUENA-ARINOS, MT COM APLICAÇÃO DO ÍNDICE DE QUALIDADE DE ÁGUA (IQA NSF ) PARA OS ANOS DE 2012 E 2013

Leia mais

CALENDÁRIO 2014 COMARCAS DE ARACAJU E DO INTERIOR DO ESTADO E RESPECTIVOS DISTRITOS

CALENDÁRIO 2014 COMARCAS DE ARACAJU E DO INTERIOR DO ESTADO E RESPECTIVOS DISTRITOS CALENDÁRIO 2014 COMARCAS DE ARACAJU E DO INTERIOR DO ESTADO E RESPECTIVOS DISTRITOS JANEIRO 01/01 Confraternização Universal 15/01 Santo Amaro das Brotas (Padroeiro) 20/01 Poço Verde (Padroeiro) 20/01

Leia mais

SISTEMA DE CÁLCULO DA QUALIDADE DA ÁGUA (SCQA) Estabelecimento das Equações do índice de Qualidade das Águas (IQA)

SISTEMA DE CÁLCULO DA QUALIDADE DA ÁGUA (SCQA) Estabelecimento das Equações do índice de Qualidade das Águas (IQA) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DE MINAS GERAIS - SEMAD Unidade de Coordenação Estadual - UCEMG / PNMA II PROGRAMA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina IV-028 - AVALIAÇÃO PRELIMINAR DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO RIACHO DE ÁGUA VERMELHA, MUNICÍPIO

Leia mais

SOBRE OS SISTEMAS LACUSTRES LITORÂNEOS DO MUNICÍPIO DE FORTALEZA

SOBRE OS SISTEMAS LACUSTRES LITORÂNEOS DO MUNICÍPIO DE FORTALEZA SOBRE OS SISTEMAS LACUSTRES LITORÂNEOS DO MUNICÍPIO DE FORTALEZA Magda Maria Marinho Almeida Química Industrial Universidade Federal do Ceará, Mestre em Tecnologia de Alimentos - UFC Fernando José Araújo

Leia mais

3.2.3 IGARASSU. Municípios: Igarassu.

3.2.3 IGARASSU. Municípios: Igarassu. 3.2.3 IGARASSU Agência Estadual de Meio Ambiente 27 Municípios: Igarassu. Constituintes principais: Recebe como principais afluentes pela margem esquerda, o riacho do Paulo, rio Conga e o rio Tabatinga

Leia mais

Anexo III - Demonstrativo Anual - Exercício 2007. Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico - CIDE

Anexo III - Demonstrativo Anual - Exercício 2007. Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico - CIDE SE 07 ; Anexo III; 1 / 5 Processo nº: 50000.061533/2006-30 Anual - Diário Oficial da União em 21 de dezembro de 2006, seção I, página 121 1ª Alteração - Diário Oficial da União em 08 de junho de 2007,

Leia mais

1.2. A inscrição dos conselheiros será realizada pela Sociedade Semear, obedecidos aos critérios estabelecidos neste Edital.

1.2. A inscrição dos conselheiros será realizada pela Sociedade Semear, obedecidos aos critérios estabelecidos neste Edital. EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA INSCRIÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO BÁSICA DA ESCOLA DE CONSELHOS DE SERGIPE PARA CONSELHEIROS TUTELARES E CONSELHEIROS MUNICIPAIS DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE - 2011 A

Leia mais

O SOLO E A ÁGUA NOS AMBIENTES RURAIS E URBANOS. Profa. Nerilde Favaretto UFPR-DSEA nfavaretto@ufpr.br

O SOLO E A ÁGUA NOS AMBIENTES RURAIS E URBANOS. Profa. Nerilde Favaretto UFPR-DSEA nfavaretto@ufpr.br O SOLO E A ÁGUA NOS AMBIENTES RURAIS E URBANOS Profa. Nerilde Favaretto UFPR-DSEA nfavaretto@ufpr.br O SOLO É ESSENCIAL PARA A VIDA NA TERRA serve de fundação a todos os ecossistemas SERVE DE FUNDAMENTAL

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO Governador: José Mendonça Bezerra Filho. SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E MEIO AMBIENTE Secretária: Fátima Brayner

GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO Governador: José Mendonça Bezerra Filho. SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E MEIO AMBIENTE Secretária: Fátima Brayner Agência 1 GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO Governador: José Mendonça Bezerra Filho SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E MEIO AMBIENTE Secretária: Fátima Brayner AGENCIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS

Leia mais

V-019 - ESTUDO TEMPORAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO GUAMÁ. BELÉM-PA.

V-019 - ESTUDO TEMPORAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO GUAMÁ. BELÉM-PA. V-019 - ESTUDO TEMPORAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO GUAMÁ. BELÉM-PA. Vera Nobre Braz (1) Química Industrial. Mestre em Geoquímica pelo Centro de Geociências da UFPA. Coordenadora do Curso de Ciências Ambientais

Leia mais

V-021 - USO E QUALIDADE DA ÁGUA DE DIVERSOS RIOS DO ESTADO DE ALAGOAS

V-021 - USO E QUALIDADE DA ÁGUA DE DIVERSOS RIOS DO ESTADO DE ALAGOAS V-021 - USO E QUALIDADE DA ÁGUA DE DIVERSOS RIOS DO ESTADO DE ALAGOAS Gustavo Silva de Carvalho (1) Engenheiro Civil pela Universidade Federal de Alagoas, Mestre em Hidráulica e Saneamento pela Escola

Leia mais

AVALIAÇÃO DO IMPACTO AMBIENTAL DE AÇÃO ANTROPOGÊNICA SOBRE AS ÁGUAS DA CABECEIRA DO RIO SÃO FRANCISCO

AVALIAÇÃO DO IMPACTO AMBIENTAL DE AÇÃO ANTROPOGÊNICA SOBRE AS ÁGUAS DA CABECEIRA DO RIO SÃO FRANCISCO AVALIAÇÃO DO IMPACTO AMBIENTAL DE AÇÃO ANTROPOGÊNICA SOBRE AS ÁGUAS DA CABECEIRA DO RIO SÃO FRANCISCO Maristela Silva Martinez (1) Bacharel em Química(USP), Mestre e Doutora em Físico-Química (IQSC- USP).

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE DA BACIA METROPOLITANA DE FORTALEZA-CEARÁ-BRASIL

SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE DA BACIA METROPOLITANA DE FORTALEZA-CEARÁ-BRASIL SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE DA BACIA METROPOLITANA DE FORTALEZA-CEARÁ-BRASIL Maria Goretti Gurgel Mota de Castro Engenheira de Pesca - UFC/CE, Especialização em Engenharia Ambiental - Faculdade

Leia mais

Campanha de Amostragem de Água Superficial Rio Joanes / Ponte da Estrada do Côco-

Campanha de Amostragem de Água Superficial Rio Joanes / Ponte da Estrada do Côco- Campanha de Amostragem de Água Superficial Rio Joanes / Ponte da Estrada do Côco Maio 2011 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. AVALIAÇÃO HIDROQUÍMICA... 3 3. CONCLUSÕES... 6 FIGURAS 2.1 PONTO DE COLETA RIO JOANES:

Leia mais

Agência Estadual de Meio Ambiente Diretoria de Gestão Territorial e Recursos Hídricos Unidade de Gestão de Recursos Hídricos

Agência Estadual de Meio Ambiente Diretoria de Gestão Territorial e Recursos Hídricos Unidade de Gestão de Recursos Hídricos 6 1. INTRODUÇÃO O presente relatório disponibiliza o resultado do monitoramento da qualidade das águas nas Bacias Hidrográficas Litorâneas e das captações para abastecimento, realizado pela Agência Estadual

Leia mais

A QUALIDADE DAS ÁGUAS DE REÚSO

A QUALIDADE DAS ÁGUAS DE REÚSO Seminário Ganhos Econômicos e Ambientais com Reúso de Água A QUALIDADE DAS ÁGUAS DE REÚSO Engº. Regis Nieto Gerente do Setor de Avaliação de Sistemas de Saneamento Reúso da Água e Ações da CETESB Controle

Leia mais

QUALIDADE DAS ÁGUAS SUPERFICIAIS DE MINAS GERAIS EM RESUMO EXECUTIVO

QUALIDADE DAS ÁGUAS SUPERFICIAIS DE MINAS GERAIS EM RESUMO EXECUTIVO RESUMO EXECUTIVO QUALIDADE DAS ÁGUAS SUPERFICIAIS DE MINAS GERAIS EM Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Instituto Mineiro de Gestão das Águas Governo do Estado de Minas Gerais Sistema

Leia mais

QUALIDADE AMBIENTAL EM BACIAS HIDROGRÁFICAS: o uso de indicadores ambientais para gestão de qualidade da água em Catalão (GO) Klayre Garcia PORTO

QUALIDADE AMBIENTAL EM BACIAS HIDROGRÁFICAS: o uso de indicadores ambientais para gestão de qualidade da água em Catalão (GO) Klayre Garcia PORTO QUALIDADE AMBIENTAL EM BACIAS HIDROGRÁFICAS: o uso de indicadores ambientais para gestão de qualidade da água em Catalão (GO) Klayre Garcia PORTO Aluna do Programa de Pós-Graduação do Mestrado em Geografia

Leia mais

COMPORTAMENTO DOS ÍNDICES DO ESTADO TRÓFICO DE CARLSON (IET) E MODIFICADO (IET M ) NO RESERVATÓRIO DA UHE LUÍS EDUARDO MAGALHÃES, TOCANTINS BRASIL.

COMPORTAMENTO DOS ÍNDICES DO ESTADO TRÓFICO DE CARLSON (IET) E MODIFICADO (IET M ) NO RESERVATÓRIO DA UHE LUÍS EDUARDO MAGALHÃES, TOCANTINS BRASIL. COMPORTAMENTO DOS ÍNDICES DO ESTADO TRÓFICO DE CARLSON (IET) E MODIFICADO (IET M ) NO RESERVATÓRIO DA UHE LUÍS EDUARDO MAGALHÃES, TOCANTINS BRASIL. Liliana Pena Naval* Doutorada pela Universidad Complutense

Leia mais

V-023 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA A MONTANTE E A JUSANTE DE RESERVATÓRIOS LOCALIZADOS NA BACIA DO RIO SANTA MARIA DA VITÓRIA

V-023 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA A MONTANTE E A JUSANTE DE RESERVATÓRIOS LOCALIZADOS NA BACIA DO RIO SANTA MARIA DA VITÓRIA V023 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA A MONTANTE E A JUSANTE DE RESERVATÓRIOS LOCALIZADOS NA BACIA DO RIO SANTA MARIA DA VITÓRIA Ivo Luís Ferreira Macina (1) Engenheiro Civil pela Universidade Federal do

Leia mais

NORMA TÉCNICA COLIFORMES FECAIS PADRÃO DE LANÇAMENTO PARA EFLUENTES DOMÉSTICOS E/OU INDUSTRIAIS

NORMA TÉCNICA COLIFORMES FECAIS PADRÃO DE LANÇAMENTO PARA EFLUENTES DOMÉSTICOS E/OU INDUSTRIAIS NORMA TÉCNICA COLIFORMES FECAIS PADRÃO DE LANÇAMENTO PARA EFLUENTES DOMÉSTICOS E/OU INDUSTRIAIS CPRH Nº 2007 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÃO 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. PADRÃO DE

Leia mais

COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA EM PONTOS DETERMINADOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIÚ

COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA EM PONTOS DETERMINADOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIÚ COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA EM PONTOS DETERMINADOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIÚ Pietra Quelissa ROBE, Estudante de Controle Ambiental do IFC- Campus Camboriú Yasmin Nunes DA SILVA, Estudante

Leia mais

PRESERVAÇÃO E MONITORAMENTO DE ÁGUA SUBTERRÂNEA PARA ABASTECIMENTO DE ÁGUA

PRESERVAÇÃO E MONITORAMENTO DE ÁGUA SUBTERRÂNEA PARA ABASTECIMENTO DE ÁGUA PRESERVAÇÃO E MONITORAMENTO DE ÁGUA SUBTERRÂNEA PARA ABASTECIMENTO DE ÁGUA Alexandre Matthiensen Embrapa Suínos e Aves alexandre.matthiensen@embrapa.br Perspectiva...» Aumento da população» Aumento na

Leia mais

Anexo IX. Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED. ET Análises de Água e Efluentes

Anexo IX. Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED. ET Análises de Água e Efluentes Anexo I Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED ET Análises de Água e Efluentes Página 1 de 8 Especificações Técnicas / Termos de Referências nº 219/11 e 317/11 A) DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS Os serviços a serem executados

Leia mais

TABELA DA COMPETIÇÃO

TABELA DA COMPETIÇÃO TABELA DA COMPETIÇÃO REGIONAL VI FUTSAL DRE 06 N. S. das Dores 2010 1 SIGLAS DAS CIDADES Legenda Município Legenda Município Legenda Amparo do São Francisco ASF Indiaroba ID Pinhão PI Município Aquidabã

Leia mais

Em atendimento a solicitação da Delegacia de Meio Ambiente (DEMA)

Em atendimento a solicitação da Delegacia de Meio Ambiente (DEMA) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FACULDADE DE QUÍMICA LABORATÓRIO DE QUÍMICA ANALÍTICA E AMBIENTAL Em atendimento a solicitação da Delegacia de Meio Ambiente (DEMA)

Leia mais

Simone Cristina de Oliveira Núcleo Gestor de Araraquara DAAE CESCAR Coletivo Educador de São Carlos, Araraquara, Jaboticabal e Região HISTÓRICO

Simone Cristina de Oliveira Núcleo Gestor de Araraquara DAAE CESCAR Coletivo Educador de São Carlos, Araraquara, Jaboticabal e Região HISTÓRICO Caracterização Histórica e Operacional da Estação de Tratamento de Esgotos Manoel Ferreira Leão Neto do Departamento Autônomo de Águas e Esgotos (DAAE) Araraquara-SP HISTÓRICO Simone Cristina de Oliveira

Leia mais

ANÁLISE DE PARÂMETROS QUE COMPÕEM O ÍNDICE DE QUALIDADE DAS ÁGUAS (IQA) NA PORÇÃO MINEIRA DA BACIA DO RIO PARANAÍBA

ANÁLISE DE PARÂMETROS QUE COMPÕEM O ÍNDICE DE QUALIDADE DAS ÁGUAS (IQA) NA PORÇÃO MINEIRA DA BACIA DO RIO PARANAÍBA ANÁLISE DE PARÂMETROS QUE COMPÕEM O ÍNDICE DE QUALIDADE DAS ÁGUAS (IQA) NA PORÇÃO MINEIRA DA BACIA DO RIO PARANAÍBA Resumo Fernando Barbosa Costa Bacharel em Geografia pela Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

Avaliação da Qualidade das Águas da Bacia da Lagoa da Pampulha. Avaliação dos Resultados do Período de 2006 a 2012. Belo Horizonte, novembro de 2013

Avaliação da Qualidade das Águas da Bacia da Lagoa da Pampulha. Avaliação dos Resultados do Período de 2006 a 2012. Belo Horizonte, novembro de 2013 - Governo do Estado de Minas Gerais Sistema Estadual de Meio Ambiente Instituto Mineiro de Gestão das Águas Gerência de Monitoramento Hidrometeorológico Fonte: Estado de Minas 15/05/2013 Avaliação da Qualidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO BAIXO SÃO FRANCISCO UTILIZANDO UM ÍNDICE DINÂMICO DE QUALIDADE DE ÁGUA

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO BAIXO SÃO FRANCISCO UTILIZANDO UM ÍNDICE DINÂMICO DE QUALIDADE DE ÁGUA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO BAIXO SÃO FRANCISCO UTILIZANDO UM ÍNDICE DINÂMICO DE QUALIDADE DE ÁGUA Maria Nogueira Marque; Mayra Sandrine. Santos; Adnívia Santos Costa; Rosa Cecília Lima Santos; Felipo

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO CONTROLE DE QUALIDADE DA ÁGUA DE CONSUMO HUMANO POÇO ARTESIANO CRISTALLITE TIMÓTEO - MG (MÊS/ANO REF. 10/2014)

RELATÓRIO TÉCNICO CONTROLE DE QUALIDADE DA ÁGUA DE CONSUMO HUMANO POÇO ARTESIANO CRISTALLITE TIMÓTEO - MG (MÊS/ANO REF. 10/2014) RELATÓRIO TÉCNICO CONTROLE DE QUALIDADE DA ÁGUA DE CONSUMO HUMANO POÇO ARTESIANO CRISTALLITE TIMÓTEO - MG (MÊS/ANO REF. 10/2014) 1 RELATÓRIO ANALÍTICO N O 20 10/2014 CONTROLE DE QUALIDADE DA ÁGUA PARA

Leia mais

ANEXO V PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA UNIDADE DEMONSTRATIVA DO MANGARAI

ANEXO V PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA UNIDADE DEMONSTRATIVA DO MANGARAI ANEXO V PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA UNIDADE DEMONSTRATIVA DO MANGARAI MONITORAMENTO AMBIENTAL 1 - Locais a serem monitorados. 1.1- Quatorze seções transversais de córregos e rios para analise de parâmetros

Leia mais

Química das Águas - parte 2

Química das Águas - parte 2 QUÍMICA AMBIENTAL Química das Águas - parte 2 - Parâmetros de qualidade das águas Definições Importância Métodos analíticos Prof. Rafael Sousa Departamento de Química UFJF 1º período de 2015 Recapitulando...

Leia mais

Nome do Autor: Endereço para correspondência:

Nome do Autor: Endereço para correspondência: TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA E SUA RELAÇÃO COM O USO DO SOLO EM DOIS MANANCIAIS DE ABASTECIMENTO DO MUNICÍPIO DE GUARULHOS SP: RESERVATÓRIO DO TANQUE GRANDE E DO CABUÇU Nome do Autor: José Carlos

Leia mais

II- 447 - IMPACTOS GERADOS EM UMA LAGOA FACULTATIVA PELO DERRAMAMENTO CLANDESTINO DE ÓLEOS E GRAXAS (ESTUDO DE CASO)

II- 447 - IMPACTOS GERADOS EM UMA LAGOA FACULTATIVA PELO DERRAMAMENTO CLANDESTINO DE ÓLEOS E GRAXAS (ESTUDO DE CASO) II- 447 - IMPACTOS GERADOS EM UMA LAGOA FACULTATIVA PELO DERRAMAMENTO CLANDESTINO DE ÓLEOS E GRAXAS (ESTUDO DE CASO) Sandra Parreiras Pereira Fonseca (1) Doutora em Recursos Hídricos e Ambientais e Mestre

Leia mais

MONITORAMENTO DOS NÍVEIS DE NITRATO NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM MUNICÍPIO DO OESTE DO PARANÁ

MONITORAMENTO DOS NÍVEIS DE NITRATO NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM MUNICÍPIO DO OESTE DO PARANÁ Universidade Tecnológica Federal do Paraná Programa de Pós-Graduação em Tecnologias Ambientais Campus Medianeira MONITORAMENTO DOS NÍVEIS DE NITRATO NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM MUNICÍPIO DO OESTE DO PARANÁ

Leia mais

Planejamento Estratégico do Governo de Sergipe Aracaju, 31 de março de 2015 Ricardo Lacerda

Planejamento Estratégico do Governo de Sergipe Aracaju, 31 de março de 2015 Ricardo Lacerda Os desequilíbrios territoriais e as Políticas Públicas em Sergipe Planejamento Estratégico do Governo de Sergipe Aracaju, 31 de março de 2015 Ricardo Lacerda MAPA DOS TERRITÓRIOS DE PLANEJAMENTO DE SERGIPE

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 7 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO CETESB - Companhia Ambiental do Estado de São Paulo

Leia mais

VI-027 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL DO RIO CEARÁ-MIRIM

VI-027 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL DO RIO CEARÁ-MIRIM VI-027 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL DO RIO CEARÁ-MIRIM María del Pilar Durante Ingunza (1) Geóloga/Universidad Complutense de Madrid/Espanha, Mestre em Meio Ambiente/Universidad Politécnica de Madrid/Espanha,

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 0735/14 PORTARIA MS 2914

RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 0735/14 PORTARIA MS 2914 DADOS REFERENTE AO LABORATÓRIO NOME: YOFEL SERV. E COM. TRATAMENTO DE ÁGUA LTDA. CNPJ: 05.053.575/0001-96 ENDEREÇO: RUA GASTÃO VIDIGAL, 16 - SANTO ÁNDRE SÁO PAULO. TEL: 4513-7348 TEL: 4513-7348 E-MAIL:

Leia mais

Monitoramento de qualidade e quantidade de água superficial em área de reflorestamento de Pinus taeda e Pinus elliottis

Monitoramento de qualidade e quantidade de água superficial em área de reflorestamento de Pinus taeda e Pinus elliottis ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 Monitoramento de qualidade e quantidade de água superficial em área de reflorestamento de Pinus taeda

Leia mais

REGULAMENTO PARA LANÇAMENTO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS EM REDE DE ESGOTO FORNECIDA PELA COMPANHIA DE DISTRITOS INDUSTRIAIS DE GOIÁS GOIASINDUSTRIAL.

REGULAMENTO PARA LANÇAMENTO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS EM REDE DE ESGOTO FORNECIDA PELA COMPANHIA DE DISTRITOS INDUSTRIAIS DE GOIÁS GOIASINDUSTRIAL. REGULAMENTO PARA LANÇAMENTO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS EM REDE DE ESGOTO FORNECIDA PELA COMPANHIA DE DISTRITOS INDUSTRIAIS DE GOIÁS GOIASINDUSTRIAL. Art. 1º - O Presidente da Companhia de Distritos Industriais

Leia mais

AVALIAÇÃO FÍSICO-QUIMICA E MICROBIOLOGICA DA QUALIDADE DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM DIFERENTES LOCALIDADES NO ESTADO DA PARAÍBA

AVALIAÇÃO FÍSICO-QUIMICA E MICROBIOLOGICA DA QUALIDADE DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM DIFERENTES LOCALIDADES NO ESTADO DA PARAÍBA AVALIAÇÃO FÍSICO-QUIMICA E MICROBIOLOGICA DA QUALIDADE DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM DIFERENTES LOCALIDADES NO ESTADO DA PARAÍBA Priscilla Dantas Rocha 1 ; Márcia Isabel Cirne França 2 ; Rodrigo Vieira Alves

Leia mais

IMPACTO DE UM LIXÃO DESATIVADO NA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS LOCAIS

IMPACTO DE UM LIXÃO DESATIVADO NA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS LOCAIS Castellón, 23-24 de julio de 28. IMPACTO DE UM LIXÃO DESATIVADO NA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS LOCAIS Resumo Nóbrega, C.C.; Souza, I.M.F.; Athayde Júnior, G.B.; Gadelha, C.L.M. Departamento de Engenharia

Leia mais

AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DE COMPOSTOS ORGÂNICOS NATURAIS NA ÁGUA DO RESERVATÓRIO DA BARRAGEM DO RIBEIRÃO JOÃO LEITE

AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DE COMPOSTOS ORGÂNICOS NATURAIS NA ÁGUA DO RESERVATÓRIO DA BARRAGEM DO RIBEIRÃO JOÃO LEITE AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DE COMPOSTOS ORGÂNICOS NATURAIS NA ÁGUA DO RESERVATÓRIO DA BARRAGEM DO RIBEIRÃO JOÃO LEITE Wilma Gomes da Silva CARMO*; Nora Katia SAAVEDRA Escola de Engenharia Civil - Programa de

Leia mais

PVIC/UEG, graduandos do Curso de Ciências Biológicas, UnU Iporá UEG. Orientador, docente do Curso de Ciências Biológicas, UnU Iporá UEG.

PVIC/UEG, graduandos do Curso de Ciências Biológicas, UnU Iporá UEG. Orientador, docente do Curso de Ciências Biológicas, UnU Iporá UEG. ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DAS LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO COMBINADO COM SISTEMA ALAGADO CONSTRUÍDO PARA O TRATAMENTO DO EFLUENTE DO LATICÍNIO LEITBOM LOCALIZADO EM SÃO LUIZ MONTES BELOS GO Fernando Lima Vieira

Leia mais

EXPERIÊNCIA FOZ DO BRASIL LIMEIRA NBR 17025

EXPERIÊNCIA FOZ DO BRASIL LIMEIRA NBR 17025 Consórcio PCJ: A Certificação de Qualidade no Saneamento como Fator de Sustentabilidade no Setor EXPERIÊNCIA FOZ DO BRASIL LIMEIRA NBR 17025 Gilberto Coelho Júnior Americana, 17 de Agosto de 2011 O que

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO CNRH N o 109, DE 13 DE ABRIL DE 2010 (a publicar) Cria Unidades de Gestão de Recursos Hídricos de Bacias Hidrográficas de rios

Leia mais

Lagoa aerada superficialmente: uma solução de baixo custo para o aumento de eficiência

Lagoa aerada superficialmente: uma solução de baixo custo para o aumento de eficiência 28 Hydro Agosto 29 Equipamentos Lagoa aerada superficialmente: uma solução de baixo custo para o aumento de eficiência Marcelo Pohlmann, da Brasworld Consultoria Ambiental, Josué Tadeu Leite França, Carlos

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA DE TRATAMENTO ANAERÓBIO DE DEJETOS SUÍNOS

AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA DE TRATAMENTO ANAERÓBIO DE DEJETOS SUÍNOS AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA DE TRATAMENTO ANAERÓBIO DE DEJETOS SUÍNOS Jaqueline Scapinello 1, Antônio Carlos Munarini 2, Gilza M. de Souza Franco 3 e Jacir Dal Magro 3 Resumo: A suinocultura é uma atividade

Leia mais

I-146 - CARACTERIZAÇÃO DE ÁGUA SUBTERRÂNEA DE POÇOS TUBULARES EM COMUNIDADES RURAIS NA AMAZÔNIA SUJEITAS À INUNDAÇÃO PERIÓDICA

I-146 - CARACTERIZAÇÃO DE ÁGUA SUBTERRÂNEA DE POÇOS TUBULARES EM COMUNIDADES RURAIS NA AMAZÔNIA SUJEITAS À INUNDAÇÃO PERIÓDICA I-146 - CARACTERIZAÇÃO DE ÁGUA SUBTERRÂNEA DE POÇOS TUBULARES EM COMUNIDADES RURAIS NA AMAZÔNIA SUJEITAS À INUNDAÇÃO PERIÓDICA Rainier Pedraça de Azevedo (1) Engenheiro Civil graduado pela Universidade

Leia mais

Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul

Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul Beatriz Durazzo Ruiz CETESB bruiz@sp.gov.br Fábio Netto Moreno CETESB eqai_cetesb@sp.gov.br Nelson Menegon Jr CESTESB eqa_cetesb@sp.gov.br Resumo O monitoramento

Leia mais

reflexões sobre o rio São Francisco

reflexões sobre o rio São Francisco reflexões sobre o rio São Francisco Antenor de Oliveira de Aguiar Netto Professor UFS ARACAJU - SERGIPE DEZEMBRO 2015 Área de drenagem: 636.920 km 2 Municípios: 504 Estados: Minas Gerais, Bahia, Pernambuco,

Leia mais

QUALIDADE DE ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO NO MUNICÍPIO DE BRAGANÇA PA, AMAZÔNIA COSTEIRA

QUALIDADE DE ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO NO MUNICÍPIO DE BRAGANÇA PA, AMAZÔNIA COSTEIRA QUALIDADE DE ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO NO MUNICÍPIO DE BRAGANÇA PA, AMAZÔNIA COSTEIRA Rodrigo Augusto Moreno Santos (*), Luci Cajueiro Carneiro Pereira * Laboratório de Oceanografia Costeira e Estuarina,

Leia mais

GRACCHO FORRO E FOLIA NÃO 0100 PRÉ - CAJU 2009 SIM 0100 PRÉ - CAJU 2009 XVI - VAQUEJADA DE MARUIM 2009 SOCORRO FOLIA 2009 SIM 32.884.

GRACCHO FORRO E FOLIA NÃO 0100 PRÉ - CAJU 2009 SIM 0100 PRÉ - CAJU 2009 XVI - VAQUEJADA DE MARUIM 2009 SOCORRO FOLIA 2009 SIM 32.884. Convenente Emenda Fonte Objeto BLOCOS DE TIO GRACCHO FORRO E FOLIA PRÉ - CAJU 2009 PRÉ - CAJU 2009 X CAVALGADA BRIDOES DE OURO 2009 XVI - VAQUEJADA DE MARUIM 2009 SOCORRO FOLIA 2009 SIM 32.884.108/0001-80

Leia mais

Palavras chaves: Bacteriologia, Monitoramento, Qualidade de água e Águas superficiais.

Palavras chaves: Bacteriologia, Monitoramento, Qualidade de água e Águas superficiais. ESTUDO BACTERIOLÓGICO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO TOCANTINS, NO TRECHO COMPREENDIDO ENTE OS MUNÍCIPIOS DE CORONEL VALENTE E RETIRO (TO), A JUSANTE DA UHE SERRA DA MESA-GO. Ricardo H. P. B. Peixoto* Mestre

Leia mais

SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DA INDÚSTRIA TEXTIL

SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DA INDÚSTRIA TEXTIL SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DA INDÚSTRIA TEXTIL ZANOTELLI, C. T. 1 ; MEDEIROS, R 2.; DESTEFANI, A 3.; MIRANDA, L.M. 4 ; MORATELLI JR, A 5. FISCHER, M. 5 1 Dra. em Engenharia de Produção, Professora

Leia mais

BALNEABILIDADE DAS LAGOAS URBANAS DE SALVADOR - BAHIA

BALNEABILIDADE DAS LAGOAS URBANAS DE SALVADOR - BAHIA BALNEABILIDADE DAS LAGOAS URBANAS DE SALVADOR - BAHIA Juliana Jesus Santos ; Ailton dos Santos Junior ; Maili Correia Campos ; Claudia do Espírito Santo Lima & Eduardo Farias Topázio INTRODUÇÃO Balneabilidade

Leia mais

VAZÃO E MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS URBANAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR

VAZÃO E MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS URBANAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR VAZÃO E MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS URBANAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE JULHO - 2010 Rosane Ferreira de Aquino Carlos Romay Pinto da Silva Cláudia Espírito Santo Jorge Reis Lustosa Eduardo Atahyde

Leia mais

&203(7Ç1&,$ 5(6Ë'82 $*1' $8',Ç1&,$6 )(,726 '(63-8/ $WpÃ,1, 5($7 $54 686 &$37-8/ $1' 0$5& 5($/ 1Ã5($/ 029,0 (;$5 '2Ã72 1ª VARA CÍVEL 568 157 270 419 237 48 4 3 11 0 19 1.670 34 24 10 671 272 2ª VARA CÍVEL

Leia mais

Dispersão de Poluentes em Meio Aquático: Modelagem Matemática e Parâmetros Fuzzy

Dispersão de Poluentes em Meio Aquático: Modelagem Matemática e Parâmetros Fuzzy Dispersão de Poluentes em Meio Aquático: Modelagem Matemática e Parâmetros Fuzzy Denis Cajas Guaca Dra. Elaine Cristina Catapani Poletti 10 de novembro de 2015 Conteúdo 1 Introdução 2 Objetivos 3 Base

Leia mais

BOLETIM DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DA REGIÃO HIDROGRÁFICA III - MÉDIO PARAIBA DO SUL

BOLETIM DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DA REGIÃO HIDROGRÁFICA III - MÉDIO PARAIBA DO SUL REGIÃO HIDROGRÁFICA III - MÉDIO PARAIBA DO SUL Este boletim apresenta os últimos resultados do monitoramento dos corpos de água doce da Região Hidrogáfica III, sendo retratados por meio da aplicação do

Leia mais

ÍNDICE DE QUALIDADE DE ÁGUA IQA DE BACIAS HIDROGRÁFICAS DO MUNICÍPIO DE SÃO FRANCISCO DO SUL - SC

ÍNDICE DE QUALIDADE DE ÁGUA IQA DE BACIAS HIDROGRÁFICAS DO MUNICÍPIO DE SÃO FRANCISCO DO SUL - SC ÍNDICE DE QUALIDADE DE ÁGUA IQA DE BACIAS HIDROGRÁFICAS DO MUNICÍPIO DE SÃO FRANCISCO DO SUL - SC Brayam Luiz Batista Perini (1) Engenheiro Químico (PUC-PR), Mestrando em Engenharia de Processos (UNIVILLE),

Leia mais

CONTAMINAÇÃO DOS SEDIMENTOS DO RIO UBERABINHA, UBERLÂNDIA (MG)

CONTAMINAÇÃO DOS SEDIMENTOS DO RIO UBERABINHA, UBERLÂNDIA (MG) UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA 4ª Semana do Servidor e 5ª Semana Acadêmica 2008 UFU 30 anos CONTAMINAÇÃO DOS SEDIMENTOS DO RIO UBERABINHA, UBERLÂNDIA (MG) Patrícia Bonolo Cruvinel 1 Universidade Federal

Leia mais

Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088

Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088 Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088 Portaria MS 2914 DE 12/12/2011Parcial(Saída de tratamento) Parâmetros Mínimo

Leia mais

uma abordagem estatística

uma abordagem estatística Workshop sobre Monitoramento de Qualidade de Água em Bacias Urbanas / ABRH uma abordagem estatística Marianne Schaefer França (M.Sc.) Cristovão Vicente Scapulatempo Fernandes (Orientador) Eloy Kaviski

Leia mais

Proyecto para la Protección Ambiental y Desarrollo Sostenible del Sistema Acuífero Guaraní

Proyecto para la Protección Ambiental y Desarrollo Sostenible del Sistema Acuífero Guaraní Proyecto para la Protección Ambiental y Desarrollo Sostenible del Sistema Acuífero Guaraní Projeto de Proteção Ambiental e Desenvolvimento Sustentável do Sistema Aquífero Guarani Environmental Protection

Leia mais

Conselhos Tutelares do Estado de Sergipe

Conselhos Tutelares do Estado de Sergipe Conselhos Tutelares do Estado de Sergipe Nº Município/Lei de Criação Endereço/ E-mail Telefone 01 Amparo do São Francisco 09/07 02 Aracaju 1º Distrito 03 Aracaju 2º Distrito 04 Aracaju 3º Distrito 05 Aracaju

Leia mais

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento Folha: 1 de 5 Determinação de Cor Aparente - Espectrometria UV / VIS LQ: 2,5 PtCo/L Determinação de Aspecto - APPPEARANCE LQ: não se aplica Determinação de Turbidez por Turbidimetria LQ: 0,4 NTU Determinação

Leia mais

III-504 - DESAGUAMENTO DE LODO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS ETAS POR LEITO DE DRENAGEM COM MANTAS GEOTÊXTEIS ESCALA REDUZIDA

III-504 - DESAGUAMENTO DE LODO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS ETAS POR LEITO DE DRENAGEM COM MANTAS GEOTÊXTEIS ESCALA REDUZIDA III-504 - DESAGUAMENTO DE LODO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS ETAS POR LEITO DE DRENAGEM COM MANTAS GEOTÊXTEIS ESCALA REDUZIDA Cristiane Silveira Tecnóloga em Gerenciamento Ambiental pela Universidade

Leia mais

ANÁLISE MICROBIOLOGICA FISICO-QUIMICA E IMPORTANCIA DA CONSERVAÇÃO DA ÁGUA EM ESCOLAS PÚBICAS DE NÍVEL FUNDAMENTAL E MÉDIO

ANÁLISE MICROBIOLOGICA FISICO-QUIMICA E IMPORTANCIA DA CONSERVAÇÃO DA ÁGUA EM ESCOLAS PÚBICAS DE NÍVEL FUNDAMENTAL E MÉDIO Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 ANÁLISE MICROBIOLOGICA FISICO-QUIMICA E IMPORTANCIA DA CONSERVAÇÃO DA ÁGUA EM ESCOLAS PÚBICAS DE NÍVEL FUNDAMENTAL E MÉDIO Lucas Blanger Bagnara*, Renata Baldessarini,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O APROVEITAMENTO DE RESÍDUOS DE USINAS TERMELÉTRICAS

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O APROVEITAMENTO DE RESÍDUOS DE USINAS TERMELÉTRICAS 1st International Workshop: Advances in Cleaner Production RELATÓRIO SOBRE EXPERIÊNCIA ORGANIZACIONAL DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O APROVEITAMENTO DE RESÍDUOS DE USINAS TERMELÉTRICAS Denise Alves Fungaro,

Leia mais

SCHUMANN. São Gonçalo, novembro de 2007 1/4

SCHUMANN. São Gonçalo, novembro de 2007 1/4 Laudo sobre os resultados analíticos da água da Fonte da Gameleira, situada no Centro de São Gonçalo dos Campos, Bahia. A coleta e o laudo foram elaborados por profissionais da empresa Schumann Consultoria

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA REÚSO: LEGISLAÇÕES DA AUSTRÁLIA, DO BRASIL, DE ISRAEL E DO MÉXICO

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA REÚSO: LEGISLAÇÕES DA AUSTRÁLIA, DO BRASIL, DE ISRAEL E DO MÉXICO POLÍTICAS PÚBLICAS PARA REÚSO: LEGISLAÇÕES DA AUSTRÁLIA, DO BRASIL, DE ISRAEL E DO MÉXICO Tamires Raquel Gonçalves Silva (1); Antônio Olívio Silveira Britto (1); Juliana de Oliveira Lemos (2); Marjory

Leia mais

A qualidade da água das bacias dos rios Anta Gorda, Brinco e Jirau Sudoeste do Estado do Paraná

A qualidade da água das bacias dos rios Anta Gorda, Brinco e Jirau Sudoeste do Estado do Paraná A qualidade da água das bacias dos rios, e Sudoeste do Estado do Paraná Julio Caetano Tomazoni André Virmond Lima Bittencourt Ernani Francisco da Rosa Filho Luiz Eduardo Mantovani as águas das três bacias

Leia mais

Global Conference Building a Sustainable World. Conferência Global Construindo o Mundo Sustentável. e Eventos Preparatórios e Simultâneos

Global Conference Building a Sustainable World. Conferência Global Construindo o Mundo Sustentável. e Eventos Preparatórios e Simultâneos Global Conference Building a Sustainable World Conferência Global Construindo o Mundo Sustentável e Eventos Preparatórios e Simultâneos Pavilhão Vermelho do Expo Center Norte Rua João Bernardo Pinto, 333

Leia mais

TRATAMENTO: RESÍDUOS DE SUÍNOS

TRATAMENTO: RESÍDUOS DE SUÍNOS CATI - Coordenadoria de Assistência Técnica Integral IAC Instituto Agronômico de Campinas TRATAMENTO: RESDUOS DE SUNOS Eng Agr : Rinaldo 0. Calheiros : IAC Eng Sanit : Luciene Michella Baschiera : CATI

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E DIRETRIZES AMBIENTAIS PARA ENQUARAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS

CLASSIFICAÇÃO E DIRETRIZES AMBIENTAIS PARA ENQUARAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS CLASSIFICAÇÃO E DIRETRIZES AMBIENTAIS PARA ENQUARAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS APROVADA NA CAMÂRA TÉCNICA DE CONTROLE E QUALIDADE AMBIENTAL DO CONAMA-CTCQA Dra. Dorothy Carmen Pinatti Casarini COORDENAÇÃO

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente CERTIFICADO DE CADASTRO DE LABORATÓRIO A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual nº 9.077 de 04/06/90 e com seus Estatutos aprovados pelo Decreto nº 33.765, de 28/12/90, registrado

Leia mais

IV-027 - ASPECTOS HIDROLÓGICOS E QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO CUBATÃO NORTE SANTA CATARINA

IV-027 - ASPECTOS HIDROLÓGICOS E QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO CUBATÃO NORTE SANTA CATARINA 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina IV-027 - ASPECTOS HIDROLÓGICOS E QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO CUBATÃO NORTE SANTA CATARINA

Leia mais

ARTIGO ORIGINAL. Palavras-chave: Água potável. Saúde Ambiental. Colimetria. Abstract

ARTIGO ORIGINAL. Palavras-chave: Água potável. Saúde Ambiental. Colimetria. Abstract Revista Baiana de Saúde Pública ARTIGO ORIGINAL QUALIDADE DA ÁGUA DE MINAS EM ÁREA URBANA NA CIDADE DE UBERABA (MG) Rodrigo Scaliante de Moura a Afonso Pelli a Ana Paula Sarreta Terra b Mônica Hitomi Okura

Leia mais

Revisão sistemática sobre os parâmetros de qualidade de água subterrânea em regiões onde operam cemitérios

Revisão sistemática sobre os parâmetros de qualidade de água subterrânea em regiões onde operam cemitérios VIII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG - campus Bambuí I Seminário dos Estudantes de Pós-graduação Revisão sistemática sobre os parâmetros de qualidade de água subterrânea em regiões onde operam cemitérios

Leia mais

EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DE EFLUENTE DE FECULARIA POR MEIO DE LAGOAS

EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DE EFLUENTE DE FECULARIA POR MEIO DE LAGOAS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DE EFLUENTE DE FECULARIA POR MEIO DE LAGOAS Anna Paola Tonello 1, Paulo Sérgio Lourenço de Freitas 2, Altair Bertonha 3 RESUMO:

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1 / 6 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO CASCARDI SANEAMENTO BÁSICO LTDA S BIOLÓGICOS NORMA E /OU PROCEDIMENTO CONSUMO HUMANO, ÁGUA TRATADA E Contagem Padrão de

Leia mais

Qualidade da água pluvial aproveitada em instalações residenciais no meio urbano: Santana de Parnaíba SP

Qualidade da água pluvial aproveitada em instalações residenciais no meio urbano: Santana de Parnaíba SP CAPTAÇÃO E MANEJO DE ÁGUA DE CHUVA PARA SUSTENTABILIDADE DE ÁREAS RURAIS E URBANAS TECNOLOGIAS E CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA TERESINA, PI, DE 11 A 14 DE JULHO DE 2005 Qualidade da água pluvial aproveitada

Leia mais

Uma visão sistêmica para conservação de água no ambiente construído

Uma visão sistêmica para conservação de água no ambiente construído Uma visão sistêmica para conservação de água no ambiente construído Profa. Dra. Marina S. de Oliveira Ilha FEC/UNICAMP Marina Ilha SBCS08 1 Distribuição da água doce superficial MUNDO CONT. AMERICANO Nordeste

Leia mais

LEIS QUE REGULAM OBRIGAÇÕES DE PEQUENO VALOR 13/01/2015

LEIS QUE REGULAM OBRIGAÇÕES DE PEQUENO VALOR 13/01/2015 LEIS QUE REGULAM OBRIGAÇÕES DE PEQUENO VALOR 13/01/2015 TETO DA PREVIDÊNCIA: R$ 4.663,75 (quatro mil, seiscentos e sessenta e três reais e setenta e cinco centavos) SALÁRIO MÍNIMO: R$ 788,00 (setecentos

Leia mais

QUALIDADE DAS ÁGUAS DOS POÇOS TUBULARES PROFUNDOS DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE ANALISADA EM RELAÇÃO À POTABILIDADE

QUALIDADE DAS ÁGUAS DOS POÇOS TUBULARES PROFUNDOS DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE ANALISADA EM RELAÇÃO À POTABILIDADE QUALIDADE DAS ÁGUAS DOS POÇOS TUBULARES PROFUNDOS DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE ANALISADA EM RELAÇÃO À POTABILIDADE Miriam Suzana Rodrigues Schwarzbach 1 Resumo - Em 1997, o Departamento Municipal de Água

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INDICADOR DE QUALIDADE DE SANEAMENTO AMBIENTAL URBANO E APLICAÇÃO NAS MAIORES CIDADES PARANAENSES

DESENVOLVIMENTO DE INDICADOR DE QUALIDADE DE SANEAMENTO AMBIENTAL URBANO E APLICAÇÃO NAS MAIORES CIDADES PARANAENSES DESENVOLVIMENTO DE INDICADOR DE QUALIDADE DE SANEAMENTO AMBIENTAL URBANO E APLICAÇÃO NAS MAIORES CIDADES PARANAENSES 1 PEREIRA, Máriam Trierveiler & 2 GIMENES, Marcelino Luiz mariam.trier@gmail.com 1.

Leia mais

PROJETO CÓRREGO LIMPO AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS CÓRREGOS SITUADOS EM CAMPO GRANDE - MS

PROJETO CÓRREGO LIMPO AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS CÓRREGOS SITUADOS EM CAMPO GRANDE - MS PROJETO CÓRREGO LIMPO AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS CÓRREGOS SITUADOS EM CAMPO GRANDE - MS Área Temática Saneamento Ambiental Responsável pelo Trabalho Roberta Steffany Stangl Galharte - Endereço:Rua

Leia mais

Análise e diagnóstico da qualidade da água e estado trófico do reservatório de Barra Bonita, SP

Análise e diagnóstico da qualidade da água e estado trófico do reservatório de Barra Bonita, SP ISSN = 198-993X doi:1.4136/198-993x www.ambi-agua.net E-mail: ambi-agua@agro.unitau.br Tel.: (12) 3631-84 ISSN = 198-993X doi:1.4136/198-993x www.ambi-agua.net E-mail: ambi-agua@agro.unitau.br Tel.: (12)

Leia mais

IV Encontro Nacional da Anppas 4,5 e 6 de junho de 2008 Brasília - DF Brasil

IV Encontro Nacional da Anppas 4,5 e 6 de junho de 2008 Brasília - DF Brasil IV Encontro Nacional da Anppas 4,5 e 6 de junho de 2008 Brasília - DF Brasil Qualidade de Vida de Ribeirinhos na Amazônia em Função do Consumo de Água Tereza Cristina Souza de Oliviera (UFAM) Química,

Leia mais