TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE. Prof.: Andrea Macedo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE. Prof.: Andrea Macedo"

Transcrição

1 TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE Prof.: Andrea Macedo

2 PERSONALIDADE Totalidade de traços emocionais e comportamentais. Jeitão de ser: modo de pensar, sentir e agir.

3 Formada a partir de: - Genes - Experiências - Percepções PERSONALIDADE A formação da personalidade é processo gradual, complexo e único a cada indivíduo.

4 TRAÇO DE PERSONALIDADE Aspecto do comportamento duradouro. O que diferencia uma pessoa da outra é a AMPLITUDE e INTENSIDADE com que cada traço é vivenciado.

5 PERSONALIDADE e TRANSTORNO As anormalidades da personalidade estão relacionadas à possibilidade que se tem de classificação das características humanas O normal (esperado?!) seria a pessoa ser "um pouco de tudo", sem prevalecer patologicamente nenhuma delas Quando se destaca um traço marcante torna-se possível a classificação Caso esta característica responsável pela classificação prejudique ou faça sofrer seu portador ou outras pessoas, ao invés de ser um certo tipo de traço de personalidade, fala-se em Transtorno de Personalidade

6 TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE CID 10 Padrões de comportamento permanentes e profundamente arraigados no ser, os quais se manifestam como respostas inflexíveis a uma ampla série de situações pessoais e sociais. Elas representam desvios extremos ou significativos do modo como o indivíduo médio, em uma dada cultura, percebe, pensa, sente e, particularmente, se relaciona com os outros.

7 TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE CID 10 Eixo I: Transtornos clínicos (mentais e condições médicas gerais) Eixo II: Incapacidades (nos cuidados pessoais, com a família, funcionamento ocupacional e social mais amplo) Eixo III: Fatores contextuais (problemas interpessoais, ambientais e outros psicossociais)

8 TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE DSM IV Características de personalidade são padrões duradouros de percepção, relação e pensamento acerca do ambiente e de si mesmo, e são exibidos numa ampla faixa de contextos sociais e pessoais importantes. É somente quando as características de personalidade são inflexíveis e inadaptadas, e causam um comprometimento funcional significativo é que elas constituem os Transtornos da Personalidade.

9 TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE DSM IV Eixo I Transtornos clínicos (crise, adoece, quadro ) Eixo II Transtornos da personalidade e Retardo Mental (jeito de ser) Eixo III Condições médicas gerais Eixo IV Problemas psicossociais e ambientais Eixo V Avaliação global de funcionamento

10 TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE DSM IV Critérios de diagnóstico: A. Comportamento que desvia consideravelmente do que a cultura vigente espera. Manifestado em 2 (ou +) áreas: 1. cognição (auto / outros / de eventos) 2. afeto (intensidade, flexibilidade e conveniência das respostas emocionais) 3. funcionamento interpessoal 4. controle do impulso

11 TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE DSM IV B. O comportamento é inflexível e invasivo, com alcance em diversas situações pessoais e sociais. C. O comportamento leva a um significante desconforto e prejuízo nas áreas de funcionamento social e ocupacional, ou outra área importante de funcionamento. D. O padrão é estável, de longa duração e deve iniciar, pelo menos, na adolescência ou início da idade adulta. E. O comportamento não pode ser identificado como uma manifestação ou conseqüência de outra doença mental. F. O comportamento não pode ser identificado como uma manifestação ou conseqüência de causas fisiológicas como abuso de substâncias ou uma condição médica geral tal como dano cerebral.

12 TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE 10 sinais que podem indicar a presença de T. Pd.: 1) O paciente/familiar relata o problema como sendo severo, disfuncional e persistente: Ele/ela sempre fez assim, desde criança. 2) O paciente é resistente ao regime terapêutico. Embora essa resistência seja comum, a contínua resistência deve ser vista como um sinal para a exploração adicional de questões do Eixo II.

13 TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE 3) A terapia parece parar, repentina e inexplicavelmente. Às vezes, o terapeuta pode ajudar a reduzir ansiedade ou depressão, mas a seguir é bloqueado na continuidade do tratamento. 4) O paciente parece não perceber o efeito de seu comportamento sobre outros. Relata as respostas de outros a si detalhadamente.

14 TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE 5) Há dúvidas sobre a motivação do paciente para mudar. Paciente não tem demanda clara ou não coopera. 6) O paciente fala da boca para fora sobre a terapia e a importância de mudar, mas parece evitar mudanças.

15 TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE 7) Os problemas de personalidade parecem ser aceitáveis e naturais para o paciente: É assim que eu sou. 8) O paciente considera seus problemas o resultado somente de causas externas.

16 TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE 9) Alguns são superficialmente cientes do autoboicote presente em seus problemas de personalidade, mas vêm-se impotentes para efetivamente mudar seus próprios comportamentos. ( Não consigo ) 10) Outros podem reconhecer integralmente seus padrões de comportamento mal-adaptativos e ter a motivação para mudá-los mas não ter as habilidades necessárias. ( Não sei )

17 TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE x CRISES Maneira de atuar permanente X Alterações patológicas que ocorrem à partir de um momento definido (crises). Prejudica a adaptação do indivíduo às situações que enfrenta.

18 Transtorno Pd. X Alteração Pd.

19 TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE & TCC Quando não há T. Pd... os esquemas são constantemente modificados, a fim de facilitar a organização e a compreensão realística do mundo e das relações função. Quando há T. Pd... os indivíduos apresentam habilidade limitada para assimilar ou adaptar esquemas mais funcionais.

20 TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE Mais do que outros transtornos mentais, os transtornos da personalidade apresentam o perigo de uma estigmatização do paciente. Terminologia muitas vezes ligada a juízos morais. Ex.: Meu humor está doente X Eu sou doente. Minha ansiedade está descontrolada X Tenho problemas de relacionamento.

21 TIPOS Paranóide Esquizóide Esquizotípica Agrupamento A Anti-Social Limítrofe / Borderline Histriônica Agrupamento B Narcisista Evitativa / Esquiva (ansiosa) Dependente Agrupamento C Obsessiva-compulsiva Sem outra especificação

22 TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE Não há dois pacientes que apresentem uma mesma combinação de critérios diagnósticos!!! Curiosidade: estudos sugerem que o T.Pd. Borderline tem, potencialmente, 247 combinações possíveis de sintomas.

23 TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE Os transtornos de personalidade afetam: - o modo como o indivíduo vê o mundo, - a maneira como sente e expressa as emoções, - o comportamento / (re)ação. Estilo de vida mal adaptado, inflexível e prejudicial a si e/ou aos conviventes. Essas características, apesar de necessárias, não são suficientes para identificação dos T. Pd. porque são muito vagas! subdivisão em tipos de personalidade patológica.

24 AGRUPAMENTO A * AFETO E INTERAÇÃO EMOCIONAL RESTRITA E ESTRANHA * Paranóide Grave padrão de suspeitas e desconfiança as intenções dos outros seriam sempre maldosas Esquizóide Grave restrição na interação emocional Esquizotípica Grave desconforto na interação emocional, distorções e excentricidade comportamental

25 AGRUPAMENTO B * EGOCÊNTRICOS E EXPRESSIVOS * Borderline Grave experiência íntima de ser rejeitado, abandonado, instabilidade e humor e impulsividade, inclusive em comportamentos auto-mutilação. 2% da população em geral; 60% entre os transtornos DE PERSONALIDADE Diferente de Bipolar (Eixo I). Histriônica Grave necessidade de atenção, comportamentos sexualizados e de busca de atenção Narcisista Grave traço de grandiosidade, busca de admiração, e falta de empatia. Anti-social Grave falta de empatia, desconsideração psicopática dos direitos alheios

26 AGRUPAMENTO C * ANSIOSOS E INIBIDOS * Obsessivo compulsiva (Anancásticos) Grave necessidade de ordem, perfeccionismo e controle Diferente de T.O.C. (Eixo I) Esquiva Grave inibição social e sensibilidade a críticas Dependente Grave submissão ao outro na espera de proteção e cuidados

27 TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE Eles não sentem esses traços de personalidade como disfuncionais; parecem certos aos seus olhos. Tendência em recusar qualquer tipo de ajuda ou mudança.

28 TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE Pouco motivados para tratamento: Os traços de pd. pouco geram sofrimento para eles Perturbam suas relações com outras pessoas Ou eles não percebem o sofrimento (não conseguem) Ou eles não querem perceber o sofrimento Diferentes intenções

29 TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE Raramente buscam psicoterapia Inflexíveis, estáveis e persistentes. Diagnóstico normalmente é estabelecido a partir de uma perspectiva exterior. Amigos e familiares aconselham o tratamento.

30 TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE Em geral, o paciente chega ao tratamento: - Imposição (cônjuge / família) - Quando o comportamento afeta de maneira drástica os relacionamentos pessoais e profissionais - Queixas de depressão e ansiedade Terapeuta - falsa impressão de que está diante de um caso fácil.

31 TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE Pacientes: desafio para terapeuta. Crenças muito rígidas e negativas supergeneralizadas sobre si e sobre os outros Estratégias que eles desenvolveram para lidar com essas crenças são dolorosas e de difícil interação pessoal.

32 TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE & ESQUEMAS Esse modo de ser é tudo o que a pessoa conhece para estabelecer relações com o mundo. Esquemas: quase inquestionável A verdade! Terapeutas: REFORÇAR O QUESTIONAMENTO, A FLEXIBILIDADE, A CABEÇA ABERTA nem sempre diretamente.

33 TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE & TRATAMENTO Uma luta para alcançar a si mesmo Preservação da continuidade do vínculo Ideal equipe terapêutica: psicólogo, psiquiatra, terapias alternativas, terapia familiar... coesão ficar menos vulnerável aos ataques do cliente. Obs.: Estes ataques funcionam como defesa.

34 TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE & TRATAMENTO A TCC usada no tratamento dos T.Pd. é similar ao tratamento de outros transtornos: conceituação e reestruturação cognitiva relação terapêutica colaborativa psicoeducação sessão relativamente estruturada - negociação da estrutura ajuda a fortalecer a aliança terapêutica e a flexibilidade foco na resolução de problemas e objetivos específicos - mutuamente aceitáveis e razoáveis

35 Grandes ensiinamentos! Grandes aprendizados! TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE & Pacientes: TRATAMENTO - dificuldade em discriminar suas próprias percepções das percepções dos outros (o que é normalmente superado na adolescência). Terapeutas: - inicialmente mostra a tendência a lidar com as pessoas como uma audiência imaginária que vê o mundo da mesma forma que ele o vê - depois facilita a percepção de que cada pessoa é um mundo e não uma réplica do que ele pensa - inicia-se o exercício de tentar se colocar no lugar do outro e entender o que ele sente e pensa e dar o direito de sentir e pensar assim - deve-se desafiar a idéia de que ele/as pessoas são imunes ao tempo incentivo à flexibilidade + tolerância à incoerência.

36 TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE & TRATAMENTO Curiosidade: Terapia se torna especialmente difícil quando as crenças são ativadas durante o tratamento. pacientes empregam suas estratégias disfuncionais de enfrentamento na sessão.

37 TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE & Terapeutas: ACOLHER TRATAMENTO TER COMPAIXÃO NÃO JULGAR MOSTRAR FUNÇÃO: distorcer a realidade em certos contextos pode ser mais vantajoso do que promover a leitura acurada dela + RESPONSABILIZAR PELA ESCOLHA

38 TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE & TRATAMENTO As características que definem os TP são opostas as que seriam necessárias para um bom andamento da terapia?! Requerem + tempo, energia e sistemas de apoio, necessitam estar em terapia por um tempo maior Tempo maior não é pior! Reações do terapeuta: empatia X hostilidade, preferência X aversão. Variar para o cliente se perceber e treinar.

39 TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE & Fases: 1) Avaliação e conceituação do caso TRATAMENTO Dificuldade em identificar/avaliar seus pensamentos automáticos risco de invalidação. Questionamento socrático hábil é uma idéia Incentivar os pacientes a coletar e listar evidências a favor e contra a validade de seus esquemas. 2) Mudança do esquema

40 TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE & TRATAMENTO Estratégias: Conceituação cognitiva Permite: Compreender comportamentos passados + Predizer as respostas comportamentais futuras + Explorar os fatores precipitantes dos problemas. Identificação de distorções cognitivas Permite: Testar a função e a validade dos pensamentos/percepções. Obs.: Requer muita habilidade e tato (pacientes podem se sentir invalidados - resistência em compreender suas experiências sob outros pontos de vista).

41 TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE & TRATAMENTO A objetividade da TCC (definição de problemas e metas), pode perder o sentido, pois o paciente pode trazer questões mais amplas e difusas: sensação de vazio + dificuldades se espalhando por diversas áreas da vida e de seus relacionamentos + falta de motivação para o engajamento no processo terapêutico.

42 TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE & TRATAMENTO 1) Diário de rotina e 2) Diário de esquema ou / Adesivos: - Pacientes descrevem situações reais, cognições, emoções, comportamentos, esquemas e cognições e comportamentos (saudáveis ou não).

43 TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE & TRATAMENTO Cartões lembrete + questionamento esquema: 1. Reconhecimento de sentimento atual desadaptativo. 2. Identificação do esquema. 3. Teste de realidade. 4. Instruções Comportamentais.

44 TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE & TRATAMENTO Técnicas vivenciais Permitem: Explorar e modificar o significado das experiências da infância. Obs.: Técnicas para alterar crenças são necessárias. CONTUDO... T. Pd.: relatam que, embora possam ter mudado suas crenças, ainda "sentem" desconforto quando tendenciosamente interpretam um evento negativamente ou lembram de alguma situação Técnicas vivenciais são valiosas para ajudar a entender emocionalmente o que já apreenderam intelectualmente.

45 TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE & Técnicas vivenciais: Pacientes entram em contato com esquemas disfuncionais, a fim de mudá-los. Ex.1: Cartas aos Pais : 1) Paciente convidado a escrever uma carta descrevendo como os pais o prejudicaram - lembranças, emoções e cognições. Também inclui o que o paciente queriam e querem de seus pais. 2) Paciente lê esta carta para o terapeuta. TRATAMENTO Ex.2: Diálogos Imaginários : 1) Pacientes imaginam-se com seus pais em uma situação adversa. 2) Pacientes estimulados a expressar afetos (em terapia) pelos pais, particularmente a raiva. 3) Pacientes estimulados a pensar sobre o que queriam de seus pais. Se fosse assim, o que seria diferente? Já que não foi, dá pra construir hoje?! Ex.3: Cartas sobre si

46 TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE & Relação terapêutica: TRATAMENTO a) terapeuta como um modelo paciente internaliza esquemas saudáveis do terapeuta. b) terapeuta fornece, dentro da razão de funcionalidade, o que os pacientes precisavam mas não receberam de seus pais na infância ( reparenting limitada). c) confrontação empática - mostrar empatia pelos esquemas disfuncionais do paciente + como eles são experimentados pelo terapeuta + ressaltar que esses esquemas são distorcidos ou disfuncionais.

47 TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE & TRATAMENTO Terapeutas reconhecer a natureza delicada deste relacionamento CUIDADO e NÃO CUIDADO!!! Ex.: Apenas dois minutos de atraso para uma sessão com um paciente de personalidade dependente pode evocar a ansiedade sobre o abandono; os mesmos dois minutos, para um paciente paranóide, podem sugerir estar sendo passado para trás.

48 TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE & TRATAMENTO Prevenção de recaída Permite: Aprender estratégias para identificar a reativação de suas crenças e comportamentos disfuncionais e modificá-los.

49 TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE & TRATAMENTO Identificar o nível necessário de mudança esquemática pode incluir: - Construção - construir esquemas onde estes não existiam anteriormente. - Modificação - pequenas mudanças na maneira básica como o indivíduo responde ao mundo, mas mantém a forma geral da estrutura do sistema de esquemas. - Reconstrução - revisão completa do sistema de crenças do indivíduo / desinstalar a estrutura antiga, substituindo-a por uma nova. - Re-interpretação - compreender a origem inicial e a utilidade dos esquemas, e usá-los de uma maneira mais funcional. - Camuflagem - mudanças cosméticas ou superficiais.

50 TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE & TRATAMENTO Apesar das fases e etapas do tratamento estarem delineadas, o terapeuta deve se preparar para enfrentar possíveis resistências do paciente Não há uma rigidez excessiva em relação às técnicas, abrindo espaço para uma maior criatividade do terapeuta na condução do processo.

51 TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE & ATENÇÃO TRATAMENTO Terapeuta: manter uma visão abrangente dos sistemas envolvidos compreender as relações delicadas entre cliente & ambiente.

52 TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE & TRATAMENTO Curso de TERAPIA FOCADA NO ESQUEMA elaborada por Jeffrey Young. Young não propõe um outro conceito de esquema, apenas enfatiza o que considera um nível mais profundo de cognição: os esquemas que vão aparecendo na infância - Esquemas Iniciais Desadaptativos (EIDs).

53 ESTRATÉGIAS O cliente PRECISA estar ciente da conexão entre SEUS pensamentos, emoções e ações & REAÇÃO DOS OUTROS 1. Sessões psico-educativas 2. Questionamento Socrático / Descoberta guiada 3. Role-plays 4. Registro dos pensamentos automáticos 5. Coleta de mais informações - não supor nada avaliação de evidências. 6. Rotular distorções.

54 ESTRATÉGIAS 7. Conscientizar de que os padrões automáticos de pensamento são, muitas vezes, enviesados e não razoáveis. 8. Desafiar afirmações supergeneralizadas ( nunca, sempre, e ninguém ). 9. Examinar alternativas / ver além hierarquização: colocar as experiências em perspectiva e reduzir a tendência de percebê-las isoladamente. 10. Reatribuição de eventos: é especialmente útil ao paciente que atribui responsabilidades de forma estereotipada (responsabilizando unicamente a si ou a outros). 11. Uso de autoinstrução: encoraja e guia o cliente no uso de novos padrões de ação.

55 REFLEXÃO Eu tenho certeza que, daqui a dez anos, existirão novas terapias (...). Eu espero que o futuro das psicoterapias seja integrador. Eu acho que o maior perigo é que as pessoas façam o que eu fiz no início, ou seja, toda vez que você achar uma nova terapia, pensar que esta é a resposta para tudo e depois perceber que esta é somente uma parte da resposta. Eu gostaria que as pessoas começassem a perceber que ser um bom terapeuta é integrar o que você sabe com outras coisas e sempre estar aberto para novas idéias. Eu espero que o futuro das psicoterapias seja entender que, assim como na medicina, cada transtorno precisa de um tipo de tratamento, e que sempre surgirá um tratamento melhor, que o que temos é apenas temporário. Espero que em terapia(...) haja o entendimento de que nós estamos sempre aprendendo coisas novas e que nós temos que seguir ampliando o conhecimento, ao invés de trocar de uma terapia para outra. Se você ficar alternando entre as terapias, há sempre perdas e no final sempre se terá terapias incompletas. Um modelo mais aberto seria manter o que já se sabe, mas sempre adicionando novos conhecimentos e idéias de intervenção. Entrevista do Dr Young (2008) (Pepsic, Scielo ou Range, 2011.)

56 REFERÊNCIAS Beck, Aaron T., Freeman, A., Davis, D.D. & Cols (2005) Terapia Cognitiva dos Transtornos de Personalidade, Porto Alegre: ArtMed. / Beck, J.S. (2005) Terapia Cognitiva dos Transtornos de Personalidade. In Fronteiras da Terapia Cognitiva, Ed. P. M. Salkovskis, Cap. 8. São Paulo: Ed. Casa do Psicólogo. Young, J. Terapia cognitiva para transtornos de personalidade: uma abordagem focada nos esquemas. Porto Alegre: Artes Médicas,2003. Beck, AT, Butler, AC, Brown, GK, Dahlsgaard, KK, Newman, CF, e Beck, JS (2001). Crenças disfuncionais discriminar transtornos de personalidade. Pesquisa de Comportamento e Terapia. 39 (10), Louzã Neto, Mario Rodrigues; Cordás Táki Athanássios (2011). Transtornos da personalidade. Porto Alegre: Artmed. Pretzer, J. (1998). Abordagens cognitivo-comportamentais para o tratamento de transtornos de personalidade.em Perris, C., & McGorry, P. (Eds.), a psicoterapia cognitiva de transtornos psicóticos e de personalidade: Manual de teoria e prática.

57 * OBRIGADA * Andrea Macedo

Tratamento do TCAP. Psicologia: como os processos mentais interferem na vida do sujeito. História individual, singularidade.

Tratamento do TCAP. Psicologia: como os processos mentais interferem na vida do sujeito. História individual, singularidade. Tratamento do TCAP Psicologia: como os processos mentais interferem na vida do sujeito História individual, singularidade Psicoterapia: Tratamento: multidisciplinar Equipe coesa Importância de entender

Leia mais

Transtornos de Personalidade e Implicações Forenses. Personalidade. Personalidade 26/09/2015. PUC Goiás Prof.ª Otília Loth

Transtornos de Personalidade e Implicações Forenses. Personalidade. Personalidade 26/09/2015. PUC Goiás Prof.ª Otília Loth Transtornos de Personalidade e Implicações Forenses PUC Goiás Prof.ª Otília Loth Personalidade Personalidade é uma totalidade relativamente estável e previsível de traços emocionais e comportamentais que

Leia mais

Terapia Cognitivo-Comportamental dos Transtornos Alimentares Psicologia- Ulbra/Guaíba

Terapia Cognitivo-Comportamental dos Transtornos Alimentares Psicologia- Ulbra/Guaíba Terapia Cognitivo-Comportamental dos Transtornos Alimentares Psicologia- Ulbra/Guaíba Profa. Mestre Cláudia Galvão Mazzoni Fabiana Lima Rosinski Lisiane Botelho Ferreira Patrícia dos Santos Silveira Resumo:

Leia mais

TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE. Prof. Me. Jefferson Cabral Azevedo

TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE. Prof. Me. Jefferson Cabral Azevedo TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE Prof. Me. Jefferson Cabral Azevedo PSICOPATOLOGIA Psicopatologia é uma área do conhecimento que objetiva estudar os estados psíquicos relacionados ao sofrimento mental. É a

Leia mais

Processos Borderline: confiança que se estende ao ambiente. Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima 1. Roberta Cury de Paula 2

Processos Borderline: confiança que se estende ao ambiente. Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima 1. Roberta Cury de Paula 2 Processos Borderline: confiança que se estende ao ambiente Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima 1 Roberta Cury de Paula 2 Profa. Dra. Valéria Barbieri 3 Resumo Apesar do amplo estudo dos aspectos biológicos

Leia mais

Estruturas das Sessões em TCC

Estruturas das Sessões em TCC Estruturas das Sessões em TCC Eliana Melcher Martins - Mestre em Ciências pelo Depto. de Psicobiologia da UNIFESP - Especialista em Medicina Comportamental pela UNIFESP - Psicóloga Clínica Cognitivo Comportamental

Leia mais

Como é o Tratamento das Disfunções Sexuais na Terapia Cognitivo- Comportamental?

Como é o Tratamento das Disfunções Sexuais na Terapia Cognitivo- Comportamental? Como é o Tratamento das Disfunções Sexuais na Terapia Cognitivo- Comportamental? Ana Carolina Schmidt de Oliveira Psicóloga CRP 06/99198 Especialista em Dependência Química Pós-Graduação Pós-Graduação

Leia mais

Perturbações da Personalidade: Perturbação da Personalidade Borderline e Perturbação da Personalidade Evitante. Joana Gonçalves

Perturbações da Personalidade: Perturbação da Personalidade Borderline e Perturbação da Personalidade Evitante. Joana Gonçalves Perturbações da Personalidade: Perturbação da Personalidade Borderline e Perturbação da Personalidade Evitante Joana Gonçalves Perturbação da Personalidade Borderline Provavelmente a perturbação de personalidade

Leia mais

Faculdade de Medicina UFRGS Departamento de Psiquiatria e Medicina Legal

Faculdade de Medicina UFRGS Departamento de Psiquiatria e Medicina Legal Faculdade de Medicina UFRGS Departamento de Psiquiatria e Medicina Legal Disciplina: Med 8834 - Psiquiatria Roteiro de Estudo de Caso Prof. Aristides Volpato Cordioli 1. DADOS DA IDENTIDADE DO PACIENTE

Leia mais

Traços de personalidades no ambiente de trabalho. Curitiba Set. 2014

Traços de personalidades no ambiente de trabalho. Curitiba Set. 2014 Traços de personalidades no ambiente de trabalho Curitiba Set. 2014 MD. GABRIEL MONICH JORGE Formação médica na FEPAR Formação residência psiquiatria HC-UFPR Psiquiatra assistente da UNIICA. Atuação em

Leia mais

Suicídio nos pacientes com Transtorno de Personalidade Borderline.

Suicídio nos pacientes com Transtorno de Personalidade Borderline. Suicídio nos pacientes com Transtorno de Personalidade Borderline. Instituto José Frota Messiano Ladislau Nogueira de Sousa Médico Psiquiatra - Formação no Hospital das Clínicas ( HUWC Fortaleza ) Maio

Leia mais

Albert Ellis e a Terapia Racional-Emotiva

Albert Ellis e a Terapia Racional-Emotiva PSICOTERAPIA COGNITIVO- COMPORTAMENTAL - Aspectos Históricos - NERI MAURÍCIO PICCOLOTO Porto Alegre/RS Albert Ellis e a Terapia Racional-Emotiva 1 Albert Ellis Albert Ellis (1955) Insatisfação com prática

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015 PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU Ano: 2014/2015 1 - JUSTIFICATIVA A hospitalização pode ser experienciada como um dos momentos mais delicados e difíceis do processo do adoecer. Isso porque

Leia mais

Teóricos da abordagem fenomenológica. Prof. Roberto Peres Veras

Teóricos da abordagem fenomenológica. Prof. Roberto Peres Veras Teóricos da abordagem fenomenológica Prof. Roberto Peres Veras Psicologia Fenomenológica Técnica Método Teoria Concepção de homem Concepção de mundo Filosofia Fenomenologia - Escola Filosófica Edmund Husserl

Leia mais

Edson Vizzoni Psicólogo Especialista em TCC IBH Julho de 2014

Edson Vizzoni Psicólogo Especialista em TCC IBH Julho de 2014 Edson Vizzoni Psicólogo Especialista em TCC IBH Julho de 2014 "Personalidade é a organização dinâmica dos traços no interior do eu, formados a partir dos genes particulares que herdamos, das existências

Leia mais

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO E- BOOK GRATUITO Olá amigo (a), A depressão é um tema bem complexo, mas que vêm sendo melhor esclarecido à cada dia sobre seu tratamento e alívio. Quase todos os dias novas

Leia mais

CONHECENDO A PSICOTERAPIA

CONHECENDO A PSICOTERAPIA CONHECENDO A PSICOTERAPIA Psicólogo Emilson Lúcio da Silva CRP 12/11028 2015 INTRODUÇÃO Em algum momento da vida você já se sentiu incapaz de lidar com seus problemas? Se a resposta é sim, então você não

Leia mais

Dr. Eduardo Henrique Teixeira

Dr. Eduardo Henrique Teixeira Dr. Eduardo Henrique Teixeira CONCEITO Personalidade normal: Maneira (única) de cada indivíduo de reagir e de se relacionar com outros e com o ambiente. CONCEITO Personalidade anormal: Disposição, inata,

Leia mais

TERAPIA COMPORTAMENTAL DIALÉTICA NO TRANSTORNO DE PERSONALIDADE BORDERLINE

TERAPIA COMPORTAMENTAL DIALÉTICA NO TRANSTORNO DE PERSONALIDADE BORDERLINE TERAPIA COMPORTAMENTAL DIALÉTICA NO TRANSTORNO DE PERSONALIDADE BORDERLINE Priscila Sardi Cerutti Acadêmica do VIII nível do Curso de Psicologia e Bolsista Desempenho da Faculdade Meridional IMED priscilacerutti@yahoo.com.br

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANSIEDADE

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANSIEDADE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANSIEDADE Gabriele Gris Kelly Cristina da Silva Cardoso Luciana

Leia mais

Terapia Cognitivo Comportamental

Terapia Cognitivo Comportamental Terapia Cognitivo Comportamental TRATAMENTO PSICOLÓGICO M. FÁTIMA RATO PADIN Coordenadora do Alamedas -Tratamento e Reabilitação da Dependência Química TRATAMENTO PSICOLÓGICO - Terapia Cognitivo Comportamental

Leia mais

22ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2008 DEPRESSÃO E TRABALHO. MARIA CRISTINA PALHARES MACHADO PSIQUIATRA MÉDICA DO TRABALHO mcris1989@hotmail.

22ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2008 DEPRESSÃO E TRABALHO. MARIA CRISTINA PALHARES MACHADO PSIQUIATRA MÉDICA DO TRABALHO mcris1989@hotmail. 22ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2008 DEPRESSÃO E TRABALHO MARIA CRISTINA PALHARES MACHADO PSIQUIATRA MÉDICA DO TRABALHO mcris1989@hotmail.com DEPRESSÃO 1. Afeta pelo menos 12% das mulheres e 8% dos homens

Leia mais

TEA Módulo 3 Aula 2. Processo diagnóstico do TEA

TEA Módulo 3 Aula 2. Processo diagnóstico do TEA TEA Módulo 3 Aula 2 Processo diagnóstico do TEA Nos processos diagnósticos dos Transtornos do Espectro Autista temos vários caminhos aos quais devemos trilhar em harmonia e concomitantemente para que o

Leia mais

Transtorno de personalidade histriônico. Dra Adriana Justi apjusti@gmail.com 980146154/22631326

Transtorno de personalidade histriônico. Dra Adriana Justi apjusti@gmail.com 980146154/22631326 Transtorno de personalidade histriônico Dra Adriana Justi apjusti@gmail.com 980146154/22631326 A característica essencial do Transtorno da Personalidade Histriônica consiste de um padrão invasivo de emocionalidade

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A figura do delinquente / transtornos da personalidade Vania Carmen de Vasconcelos Gonçalves* 1. INTRODUÇÃO Atualmente é comum nos depararmos diariamente com casos e relatos de violência,

Leia mais

1- É importante conhecer os nossos pensamentos?

1- É importante conhecer os nossos pensamentos? DEFEITOS NO PENSAMENTO. E AGORA? Nosso pensamento ocorre de modo contínuo e automático, continuamos produzindo pensamentos até quando dormimos. São eles que determinam se teremos emoções e comportamentos

Leia mais

REAÇÕES E SENTIMENTOS DE FAMILIARES frente ao suicídio

REAÇÕES E SENTIMENTOS DE FAMILIARES frente ao suicídio REAÇÕES E SENTIMENTOS DE FAMILIARES frente ao suicídio TERAPIA DO LUTO Profa. Dra. Angela Maria Alves e Souza Enfermeira-Docente-UFC o suicídio desencadeia o luto mais difícil de ser enfrentado e resolvido

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Considerando a atuação de um psicólogo em equipe 57 O casal em psicoterapia deverá ser treinado a identificar seus multidisciplinar de saúde de um órgão público e as normas éticas

Leia mais

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET TRAUMA)

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET TRAUMA) TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET TRAUMA) SERVIÇO DE PSIQUIATRIA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE (HCPA) DEPARTAMENTO DE PSIQUIATRIA UNIVERSIDADE

Leia mais

02/03/2011 PERSPECTIVA SINDRÔMICA

02/03/2011 PERSPECTIVA SINDRÔMICA PSICOPATOLOGIA CLASSIFICAÇÕES DIAGNÓSTICAS COMPREENSÃO DAS SÍNDROMES Profa. Dra. Marilene Zimmer Psicologia - FURG 2 Embora a psicopatologia psiquiátrica contemporânea tenda, cada vez mais, a priorizar

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO 1) História da Terapia Ocupacional (30 hs) EMENTA: Marcos históricos que antecederam o surgimento formal da profissão de

Leia mais

TRANSTORNO DE PERSONALIDADE DEPENDENTE características Necessidade global e excessiva de ser cuidado, que leva a um comportamento submisso e aderente e ao medo da separação. características Grande dificuldade

Leia mais

Lu Rochael - Psicóloga e Coach - Todos os direitos reservados

Lu Rochael - Psicóloga e Coach - Todos os direitos reservados Desenvolva e amplie sua autoestima Por que falar de autoestima? Trabalho como terapeuta há 10 anos, período em que pude testemunhar e acompanhar muitos clientes. Qualquer que fosse o motivo pelo qual as

Leia mais

Aspectos da Consciência

Aspectos da Consciência Consciência Aspectos da Consciência Consciência Muitos livros definem a consciência como a percepção atual do indivíduo em relação a estímulos externos e internos isto é, de eventos do ambiente e de sensações

Leia mais

ANAMNESE PSIQUIÁTRICA

ANAMNESE PSIQUIÁTRICA ANAMNESE PSIQUIÁTRICA I) INTRODUÇÃO A anamnese psiquiátrica é o principal instrumento que o psiquiatra clínico tem para conhecer seu paciente, colher sua história de doença, estabelecer um diagnóstico

Leia mais

TERAPIA DE CASAIS. A Terapia Comportamental de Casais (TCC) é uma prática clínica

TERAPIA DE CASAIS. A Terapia Comportamental de Casais (TCC) é uma prática clínica CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO 5PAC016 PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Prof.ª Dra. Maria Luiza Marinho Casanova 1 TERAPIA DE CASAIS

Leia mais

PROVA OBJETIVA. 17 O psicólogo que atua em uma instituição pode fazer. 18 O autocontrole e a disciplina são os elementos que determinam

PROVA OBJETIVA. 17 O psicólogo que atua em uma instituição pode fazer. 18 O autocontrole e a disciplina são os elementos que determinam SESFUBMULT_P_06N8977 De acordo com o comando a que cada um dos itens a seguir se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o

Leia mais

Dia Mundial da Saúde Mental - 10 de Outubro

Dia Mundial da Saúde Mental - 10 de Outubro Não Há Saúde Sem Saúde Mental Dia Mundial da Saúde Mental - 10 de Outubro 1 a 17 de Outubro de 2010 Exposição promovida pelo Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental O QUE É A SAÚDE MENTAL? É sentir-nos

Leia mais

ISBN 978-85-64468-27-6. 1. Psicologia Crianças. I. Título. CDU 159.9-053.2. Catalogação na publicação: Mônica Ballejo Canto CRB 10/1023

ISBN 978-85-64468-27-6. 1. Psicologia Crianças. I. Título. CDU 159.9-053.2. Catalogação na publicação: Mônica Ballejo Canto CRB 10/1023 Pausa no cotidiano L692 Lhullier, Raquel Barboza Pausa no cotidiano: reflexões para pais, educadores e terapeutas / Raquel Barboza Lhullier. Novo Hamburgo : Sinopsys, 2014. 88p. ISBN 978-85-64468-27-6

Leia mais

Objetivos Gerais. Psicólogo. Paciente. tratamento

Objetivos Gerais. Psicólogo. Paciente. tratamento Terapia Cognitivo-Comportamental Avaliação Inicial 1ª. Sessão Eliana Melcher Martins Doutoranda em Ciências pelo depto.psiquiatria da UNIFESP Mestre em Ciências pelo depto de Psicobiologia da UNIFESP Especialista

Leia mais

KratsPsiquê. A depressão está muito ligada ao suicídio. Índices avaliados: níveis de tristeza, insatisfação, culpa, insônia, punição, etc.

KratsPsiquê. A depressão está muito ligada ao suicídio. Índices avaliados: níveis de tristeza, insatisfação, culpa, insônia, punição, etc. DEPRESSÃO A depressão está muito ligada ao suicídio. Índices avaliados: níveis de tristeza, insatisfação, culpa, insônia, punição, etc. BDI- Inventário de Depressão Beck: a medição é feita por escores

Leia mais

Perfil Caliper Smart Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper Smart Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper Smart The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mário Teste Preparada por: Consultora Caliper consultora@caliper.com.br Data: Perfil Caliper Smart The Inner Leader Report Página 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

Aplicação da terapia cognitiva na depressão: análise de caso clínico

Aplicação da terapia cognitiva na depressão: análise de caso clínico Aplicação da terapia cognitiva na depressão: análise de caso clínico * Ana Carolina Diethelm Kley Introdução O objetivo do tratamento em terapia cognitiva no caso dos transtornos afetivos, grupo que engloba

Leia mais

A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira

A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira Transtornos Neuróticos Aspectos históricos A distinção neuroses e psicoses foi, durante

Leia mais

PREVENÇÃO DE RECAÍDA

PREVENÇÃO DE RECAÍDA PREVENÇÃO DE RECAÍDA Alessandro Alves Noventa por cento do sucesso se baseia simplesmente em insistir. Woody Allen A recaída tem sido descrita tanto como um resultado a visão dicotômica de que a pessoa

Leia mais

FUNDAMENTOS TEÓRICOS PARA TREINAMENTO DE HABILIDADES PSICOSSOCIAIS COM CLIENTES BORDERLINE 1

FUNDAMENTOS TEÓRICOS PARA TREINAMENTO DE HABILIDADES PSICOSSOCIAIS COM CLIENTES BORDERLINE 1 FUNDAMENTOS TEÓRICOS PARA TREINAMENTO DE HABILIDADES PSICOSSOCIAIS COM CLIENTES BORDERLINE 1 1 A tualmente, indivíduos que preencham critérios para o transtorno da personalidade borderline (TPB) têm lotado

Leia mais

Orientação à Família de um Adulto Afásico

Orientação à Família de um Adulto Afásico 1 Orientação à Família de um Adulto Afásico Fernanda Papaterra Limongi Nunca é demais enfatizar a importância do aconselhamento familiar quando se trabalha com adultos afásicos. Em geral, o início repentino

Leia mais

Inovação Tecnológica!

Inovação Tecnológica! Inovação Tecnológica! Engraçado, costumam dizer que tenho sorte, só eu sei que quanto mais eu me preparo Mais sorte eu tenho. A nthony Robbins Consultora Cássia Ghelfi Raza Marcelo Como você vai mover-se

Leia mais

PSICÓLOGO - 40H. A. Paranoide. B. Esquizoide. C. Dependente. D. De esquiva. E. Histriônica.

PSICÓLOGO - 40H. A. Paranoide. B. Esquizoide. C. Dependente. D. De esquiva. E. Histriônica. QUESTÃO 01 O suicídio representa hoje um importante problema de saúde pública no Brasil e seus índices vêm crescendo a cada ano. A respeito do suicídio pode-se afirmar que: A. Programas dirigidos para

Leia mais

TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE ( personalidades psicopáticas )

TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE ( personalidades psicopáticas ) 1 TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE ( personalidades psicopáticas ) I) DEFINIÇÃO A personalidade é a totalidade relativamente estável e previsível dos traços emocionais e comportamentais que caracterizam a

Leia mais

Objetivo. Aumentar sua Qualidade de Vida, utilizando a Ansiedade de forma Saudável e Produtiva.

Objetivo. Aumentar sua Qualidade de Vida, utilizando a Ansiedade de forma Saudável e Produtiva. Objetivo Aumentar sua Qualidade de Vida, utilizando a Ansiedade de forma Saudável e Produtiva. Definição da palavra Ansiedade Comoção aflitiva de quem receia que uma coisa suceda ou não. Sofrimento de

Leia mais

o intuito de resolver problemas ligados à aprendizagem / estimulação. AVALIAÇÃO DO PERFIL E DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR:

o intuito de resolver problemas ligados à aprendizagem / estimulação. AVALIAÇÃO DO PERFIL E DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR: Glossário ALUCINAÇÕES: Experiências perceptivas (sensações) tomadas por reais na ausência de estímulo externo correspondente. Para o doente é impossível distinguir as alucinações das verdadeiras percepções.

Leia mais

OS DESAFIOS DO DIAGNÓSTICO/ IDENTIFICAÇÃO DA SUPERDOTAÇÃO

OS DESAFIOS DO DIAGNÓSTICO/ IDENTIFICAÇÃO DA SUPERDOTAÇÃO OS DESAFIOS DO DIAGNÓSTICO/ IDENTIFICAÇÃO DA SUPERDOTAÇÃO TÂNIA GONZAGA GUIMARÃES SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO DF CONBRASD - SÓCIA FUNDADORA Explorando minhas habilidades Nesta coluna, liste tudo

Leia mais

Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas. Carmen Lúcia de A. santos

Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas. Carmen Lúcia de A. santos Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Carmen Lúcia de A. santos 2011 Nosologia e Psicopatologia "Psico-pato-logia" "psychê" = "psíquico", "alma" "pathos" = "sofrimento, "patológico" "logos" "lógica",

Leia mais

ASPECTOS PSICOLÓGICOS RELATIVOS AO ENGAJAMENTO (ADERÊNCIA) DO PACIENTE CRÔNICO E SUA FAMÍLIA AO TRATAMENTO

ASPECTOS PSICOLÓGICOS RELATIVOS AO ENGAJAMENTO (ADERÊNCIA) DO PACIENTE CRÔNICO E SUA FAMÍLIA AO TRATAMENTO ASPECTOS PSICOLÓGICOS RELATIVOS AO ENGAJAMENTO (ADERÊNCIA) DO PACIENTE CRÔNICO E SUA FAMÍLIA AO TRATAMENTO Nêmeton Centro de Estudos e Pesquisas em Psicologia e Saúde Ricardo Werner Sebastiani ricardo@nemeton.com.br

Leia mais

FEEDBACK 1 João Batista Silvério 2

FEEDBACK 1 João Batista Silvério 2 FEEDBACK 1 João Batista Silvério 2 Feedback é um termo da língua inglesa sem um significado preciso em português, usualmente traduzido como realimentação. Inicialmente empregado no campo da mecânica, com

Leia mais

Tratamento da dependência do uso de drogas

Tratamento da dependência do uso de drogas Tratamento da dependência do uso de drogas Daniela Bentes de Freitas 1 O consumo de substâncias psicoativas está relacionado a vários problemas sociais, de saúde e de segurança pública, sendo necessário

Leia mais

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 O COACHING...4 ORIGENS...5 DEFINIÇÕES DE COACHING...6 TERMOS ESPECÍFICOS E SUAS DEFINIÇÕES...7 O QUE FAZ UM COACH?...8 NICHOS DE ATUAÇÃO DO COACHING...9 OBJETIVOS DO COACHING...10

Leia mais

Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F.

Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F. Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F. dos Santos A aids é ainda uma doença ameaçadora. Apesar de todos os avanços no

Leia mais

Legado evolutivo vital que leva um organismo a evitar ameaças, tendo um valor óbvio na sobrevivência.

Legado evolutivo vital que leva um organismo a evitar ameaças, tendo um valor óbvio na sobrevivência. ANSIEDADE E TRANSTORNOS DE ANSIEDADE MEDO E ANSIEDADE MEDO Legado evolutivo vital que leva um organismo a evitar ameaças, tendo um valor óbvio na sobrevivência. É uma emoção produzida pela percepção de

Leia mais

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 INTRODUÇÃO: Durante muitos anos acreditou-se que os adolescentes, assim como as crianças, não eram afetadas pela

Leia mais

IDEAÇÃO E/OU TENTATIVA DE SUICÍDIO NA ADOLESCÊNCIA BEM COMO A UTILIZAÇÃO DE FÁRMACOS EM JOVENS DEPRESSIVOS

IDEAÇÃO E/OU TENTATIVA DE SUICÍDIO NA ADOLESCÊNCIA BEM COMO A UTILIZAÇÃO DE FÁRMACOS EM JOVENS DEPRESSIVOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 IDEAÇÃO E/OU TENTATIVA DE SUICÍDIO NA ADOLESCÊNCIA BEM COMO A UTILIZAÇÃO DE FÁRMACOS EM JOVENS DEPRESSIVOS Suzane da Costa 1 ; Daniele Custódio de Oliveira

Leia mais

Entrevista com Pierre Fédida

Entrevista com Pierre Fédida Rev. Latinoam. Psicopat. Fund., IV, 1, 168-174 Entrevista com Pierre Fédida (Concedida a Paulo Roberto Ceccarelli em Paris, no dia 27 de julho de 2000) 168 Há algum tempo o Sr. tem utilizado a expressão

Leia mais

Prevenção em saúde mental

Prevenção em saúde mental Prevenção em saúde mental Treinar lideranças comunitárias e equipes de saúde para prevenir, identificar e encaminhar problemas relacionados à saúde mental. Essa é a característica principal do projeto

Leia mais

Cuidados Paliativos em Câncer

Cuidados Paliativos em Câncer Cuidados Paliativos em Câncer Temos assistido nas últimas décadas a um envelhecimento progressivo da população, assim como o aumento da prevalência do câncer. O avanço tecnológico alcançado, associado

Leia mais

PSICOTERAPIAS: O QUE HÁ DE NOVO?

PSICOTERAPIAS: O QUE HÁ DE NOVO? PSICOTERAPIAS: O QUE HÁ DE NOVO? Roberto Faustino de Paula (palestra proferida durante seminário promovido pela Associação Pernambucana de Terapia Familiar - APETEF Recife, 24/11/12) Quando alguém julga

Leia mais

apropriados para uma relação terapeuta e cliente possa ser segura.

apropriados para uma relação terapeuta e cliente possa ser segura. QUESTÕES ÉTICAS EM PSICOTERAPIA Dilemas éticos para o século XXI Roberto Faustino de Paula ÉTICA O termo ética vem do grego ethos (caráter, modo de ser de uma pessoa), significando um conjunto de valores

Leia mais

P-06. Revendo o Treinamento Comportamental. Bernardo Leite - bernardo@rhestrategia.com.br www.bernardoleite.com.br

P-06. Revendo o Treinamento Comportamental. Bernardo Leite - bernardo@rhestrategia.com.br www.bernardoleite.com.br P-06 Revendo o Treinamento Comportamental Bernardo Leite - bernardo@rhestrategia.com.br www.bernardoleite.com.br Proposta Refletir e analisar a metodologia de treinamentos comportamentais. O que acontece

Leia mais

Trabalho realizado por: Diva Rafael 12ºA nº15

Trabalho realizado por: Diva Rafael 12ºA nº15 Trabalho realizado por: Diva Rafael 12ºA nº15 Ano Lectivo: 2007/2008 Índice Introdução O que é a psicologia O que é a psicologia clínica Entrevista Conclusão Bibliografia Pág.3 Pág.4 Pág.5 Pág.7 Pág.9

Leia mais

A Pessoa e o Contexto Ocupacional na Prevenção do Burnout. Marcos Ricardo Datti Micheletto

A Pessoa e o Contexto Ocupacional na Prevenção do Burnout. Marcos Ricardo Datti Micheletto A Pessoa e o Contexto Ocupacional na Prevenção do Burnout Marcos Ricardo Datti Micheletto 1 Níveis de Prevenção 22.361 Job Burnout: 11.544 18.829 Job Burnout: 9.618 SIPAT - REITORIA UNESP Burnout Burnout

Leia mais

FENÔMENOS E PROCESSOS PSICOLÓGICOS ENFOQUE PSICODINÂMICO II

FENÔMENOS E PROCESSOS PSICOLÓGICOS ENFOQUE PSICODINÂMICO II FENÔMENOS E PROCESSOS PSICOLÓGICOS ENFOQUE PSICODINÂMICO II SILVIA MARIA BONASSI - DE Adjunto I Psicologia Clínica /UFMS/CPAR FONE: 67-81903430 silviabonassi@gmail.com ORIGEM HISTÓRICA DAS PSICOTERAPIAS

Leia mais

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável.

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável. Transtornos mentais: Desafiando os Preconceitos Durante séculos as pessoas com sofrimento mental foram afastadas do resto da sociedade, algumas vezes encarcerados, em condições precárias, sem direito a

Leia mais

LEITURA: ASAS DA LIBERDADE PROJETO HUMANIZADOR À LUZ DA BIBLIOTERAPIA COM AÇÃO SOCIAL TRANSFORMADORA NOS ENVOLVIDOS

LEITURA: ASAS DA LIBERDADE PROJETO HUMANIZADOR À LUZ DA BIBLIOTERAPIA COM AÇÃO SOCIAL TRANSFORMADORA NOS ENVOLVIDOS LEITURA: ASAS DA LIBERDADE PROJETO HUMANIZADOR À LUZ DA BIBLIOTERAPIA COM AÇÃO SOCIAL TRANSFORMADORA NOS ENVOLVIDOS Tânia de Fátima Gontijo Fonseca Margarita Rodrigues Torres Introdução Brasil / Injustiça

Leia mais

Demência Resumo de diretriz NHG M21 (julho 2012)

Demência Resumo de diretriz NHG M21 (julho 2012) Demência Resumo de diretriz NHG M21 (julho 2012) EMoll van Charante E, Perry M, Vernooij-Dassen MJFJ, Boswijk DFR, Stoffels J, Achthoven L, Luning-Koster MN traduzido do original em holandês por Luiz F.G.

Leia mais

IBH Transtorno de personalidade dependente. Dra. Lislie Schoenstatt

IBH Transtorno de personalidade dependente. Dra. Lislie Schoenstatt IBH Transtorno de personalidade dependente Dra. Lislie Schoenstatt Transtorno de Personalidade Dependente - TPD É uma necessidade invasiva e excessiva de ser cuidado, que leva a um comportamento submisso

Leia mais

DIRETRIZES SOBRE COMORBIDADES PSIQUIÁTRICAS EM DEPENDÊNCIA AO ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ABEAD/2002 TÓPICO 6.

DIRETRIZES SOBRE COMORBIDADES PSIQUIÁTRICAS EM DEPENDÊNCIA AO ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ABEAD/2002 TÓPICO 6. DIRETRIZES SOBRE COMORBIDADES PSIQUIÁTRICAS EM DEPENDÊNCIA AO ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ABEAD/2002 TÓPICO 6. DEPENDÊNCIA AO ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS E TRANSTORNOS DA PERSONALIDADE Apresentação: Dr. Marcos Zaleski

Leia mais

ABA: uma intervenção comportamental eficaz em casos de autismo

ABA: uma intervenção comportamental eficaz em casos de autismo ABA: uma intervenção comportamental eficaz em casos de autismo Por Sabrina Ribeiro O autismo é uma condição crônica, caracterizado pela presença de importantes prejuízos em áreas do desenvolvimento, por

Leia mais

DISTÚRBIOS EMOCIONAIS NA ESCOLA: ALGUMAS CAUSAS E SINAIS

DISTÚRBIOS EMOCIONAIS NA ESCOLA: ALGUMAS CAUSAS E SINAIS DISTÚRBIOS EMOCIONAIS NA ESCOLA: ALGUMAS CAUSAS E SINAIS GISLAINE HOSANA ARAÚJO FERNANDES SAPIENS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS exibidaboutique@gmail.com INTRODUÇÃO A escola é um ambiente onde acontecem

Leia mais

TÍTULO: EXPERIÊNCIA COM OS FAMILIARES DOS PORTADORES DE ESQUIZOFRENIA USUÁRIOS DO SERVIÇO CAPS

TÍTULO: EXPERIÊNCIA COM OS FAMILIARES DOS PORTADORES DE ESQUIZOFRENIA USUÁRIOS DO SERVIÇO CAPS TÍTULO: EXPERIÊNCIA COM OS FAMILIARES DOS PORTADORES DE ESQUIZOFRENIA USUÁRIOS DO SERVIÇO CAPS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DO

Leia mais

1. Eu tenho problema em ter minhas necessidades satisfeitas. 1 2 3 4 5 6

1. Eu tenho problema em ter minhas necessidades satisfeitas. 1 2 3 4 5 6 FIAT Q Questionário de Relacionamento Interpessoal Glenn M. Callaghan Department of Psychology; One Washington Square, San Jose University, San Jose CA 95192-0120 Phone 08) 924-5610 e fax (408) 924 5605.

Leia mais

Terapia Cognitivo- Comportamental para Casais

Terapia Cognitivo- Comportamental para Casais Terapia Cognitivo- Comportamental para Casais Edson Vizzoni Psicólogo Especialista em TCC Terapia Cognitivo-Comportamental para Casais Casal A&B - Crenças irracionais ou expectativas irrealistas. Casal

Leia mais

Aula 1 Uma visão geral das comorbidades e a necessidade da equipe multidisciplinar

Aula 1 Uma visão geral das comorbidades e a necessidade da equipe multidisciplinar Aula 1 Uma visão geral das comorbidades e a necessidade da equipe multidisciplinar Nesta aula, apresentaremos o panorama geral das comorbidades envolvidas na dependência química que serão estudadas ao

Leia mais

POR QUE USAR A TERAPIA COMPORTAMENTAL DIALÉTICA?

POR QUE USAR A TERAPIA COMPORTAMENTAL DIALÉTICA? POR QUE USAR A TERAPIA COMPORTAMENTAL DIALÉTICA? WILSON VIEIRA MELO TCD EM DIFERENTES TRANSTORNOS (wilsonmelo1@gmail.com) 1 TCD NOS TRANSTORNOS DE ANSIEDADE O melhor tratamento para transtornos de ansiedade

Leia mais

TRANSTORNOS PSIQUIÁTRICOS E DA PERSONALIDADE

TRANSTORNOS PSIQUIÁTRICOS E DA PERSONALIDADE 1 TRANSTORNOS PSIQUIÁTRICOS E DA PERSONALIDADE José Henrique Volpi A idéia de buscar fora da pessoa os elementos que explicassem seu comportamento e sua desenvoltura vivencial teve ênfase com as teorias

Leia mais

Afinal de contas, o que é ansiedade? Mas ser ansioso não é normal? Ansiedade é uma doença?

Afinal de contas, o que é ansiedade? Mas ser ansioso não é normal? Ansiedade é uma doença? Afinal de contas, o que é ansiedade? Mas ser ansioso não é normal? Ansiedade é uma doença? Ansiedade = falta de confiança na vida No senso comum, ansiedade é igual a aflição, angústia, nervosismo, perturbação

Leia mais

Estudo Numerológico Escolha de nome de bebê

Estudo Numerológico Escolha de nome de bebê Estudo Numerológico Escolha de nome de bebê Os metafísicos afirmam que a alma escolhe a família antes do nascimento e, intui os pais na escolha do nome que possa refletir suas capacidades. O momento em

Leia mais

ARTETERAPIA na EDUCAÇÃO INCLUSIVA

ARTETERAPIA na EDUCAÇÃO INCLUSIVA GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO DIVISÃO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL Responsável: Denize da Silva Souza ARTETERAPIA na EDUCAÇÃO INCLUSIVA Cristina Dias Allessandrini

Leia mais

estudo Por ViVian Lourenço 7 4 g u i a d a f a r m á c i a

estudo Por ViVian Lourenço 7 4 g u i a d a f a r m á c i a Sentir dor não é normal A dor é sinal de que algo não vai bem no organismo. Os sintomas estão no cotidiano e é essencial saber a diferença entre a dor crônica e a aguda para buscar o tratamento Por Vivian

Leia mais

HANSENÍASE Diagnósticos e prescrições de enfermagem

HANSENÍASE Diagnósticos e prescrições de enfermagem HANSENÍASE Diagnósticos e prescrições de enfermagem HANSENÍASE Causada pela Mycobacterium leprae, ou bacilo de Hansen, que é um parasita intracelular obrigatório, com afinidade por células cutâneas e por

Leia mais

Prática e Pressupostos Teóricos da Terapia Cognitivo- Comportamental

Prática e Pressupostos Teóricos da Terapia Cognitivo- Comportamental Prática e Pressupostos Teóricos da Terapia Cognitivo- Comportamental 1 Priscila Pereira Reis 2 Cláudia Galvão Mazoni RESUMO: A proposta do artigo é contextualizar através de revisão de literatura princípios

Leia mais

SELECIONANDO PROFISSIONAIS POR COMPETÊNCIAS

SELECIONANDO PROFISSIONAIS POR COMPETÊNCIAS Recrutamento e seleção de pessoas dentro de uma organização são de extrema importância, pois as pessoas compõem o principal ativo de uma empresa. Falhas nesse processo comprometem na produtividade do trabalho

Leia mais

O PORTADOR DO TOC E A FAMÍLIA INTRODUÇÃO

O PORTADOR DO TOC E A FAMÍLIA INTRODUÇÃO O PORTADOR DO TOC E A FAMÍLIA INTRODUÇÃO O TOC é um transtorno cujos sintomas, em geral, têm um forte impacto sobre a família, interferindo nos momentos de lazer ou férias, nos compromissos sociais e no

Leia mais

Processo Diagnóstico: CID/DSM/Diagnóstico Diferencial. Módulo 3: Aspectos Diagnósticos

Processo Diagnóstico: CID/DSM/Diagnóstico Diferencial. Módulo 3: Aspectos Diagnósticos + Processo Diagnóstico: CID/DSM/Diagnóstico Diferencial Módulo 3: Aspectos Diagnósticos + Processo Diagnóstico do TEA Suspeita dos pais/cuidadores/professores Avaliação médica e não-médica (escalas de

Leia mais

Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 2º ano Módulo nº5- Semiologia Psíquica Portefólio de Psicopatologia Ana Carrilho- 11ºB

Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 2º ano Módulo nº5- Semiologia Psíquica Portefólio de Psicopatologia Ana Carrilho- 11ºB Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 2º ano Módulo nº5- Semiologia Psíquica Portefólio de Psicopatologia Ana Carrilho- 11ºB A ansiedade social é provavelmente o menos conhecido e o mais

Leia mais

Indicadores do t.p. 25/08/2015. Ciclos cognitivos interpessoais desadaptativos

Indicadores do t.p. 25/08/2015. Ciclos cognitivos interpessoais desadaptativos QUANDO OS ESQUEMAS DO TERAPEUTA CONTRIBUEM PARA A SUA RELAÇÃO COM O PACIENTE Eliane mary de oliveira falcone universidade do estado do rio de janeiro Indicadores do t.p. Presença de muitos problemas interpessoais

Leia mais

TEA Módulo 4 Aula 5. Tics e Síndrome de Tourette

TEA Módulo 4 Aula 5. Tics e Síndrome de Tourette TEA Módulo 4 Aula 5 Tics e Síndrome de Tourette Os tics são um distúrbio de movimento que ocorrem no início da infância e no período escolar. É definido pela presença crônica de múltiplos tics motores,

Leia mais

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Avaliação de: Sr. José Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: 11/06/2014 Perfil Caliper Gerencial e Vendas

Leia mais

A CRIAÇÃO DE DESENHOS-ESTÓRIAS NA PSICOTERAPIA DE UM ADOLESCENTE COM SÍNDROME DE ASPERGER. Bráulio Eloi de Almeida Porto RESUMO

A CRIAÇÃO DE DESENHOS-ESTÓRIAS NA PSICOTERAPIA DE UM ADOLESCENTE COM SÍNDROME DE ASPERGER. Bráulio Eloi de Almeida Porto RESUMO A CRIAÇÃO DE DESENHOS-ESTÓRIAS NA PSICOTERAPIA DE UM ADOLESCENTE COM SÍNDROME DE ASPERGER Bráulio Eloi de Almeida Porto RESUMO A Síndrome de Asperger, patologia do espectro do autismo, mantém preservada

Leia mais

Elaboração do relatório neuropsicológico Professora: PRISCILA COVRE

Elaboração do relatório neuropsicológico Professora: PRISCILA COVRE XVI CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM NEUROPSICOLOGIA (ANO 2015) Elaboração do relatório neuropsicológico Professora: PRISCILA COVRE REALIZAÇÃO: Divisão de Psicologia do Instituto Central do Hospital das Clínicas

Leia mais