Casamento e Maternidade entre Escravas de Angra dos Reis, Século XIX *

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Casamento e Maternidade entre Escravas de Angra dos Reis, Século XIX *"

Transcrição

1 Casamento e Maternidade entre Escravas de Angra dos Reis, Século XIX * Marcia Cristina Roma de Vasconcellos USP Palavras-chave: mulheres escravas, procriação, casamento, família escrava. Na freguesia de Nossa Senhora do Rosário de Mambucaba 1, a população dedicava-se ao cultivo de alimentos, de cana-de-açúcar, conseqüentemente à produção de aguardente, e ao plantio do café que, devido à umidade e temperatura elevadas, era de qualidade inferior ao plantado no vale do Paraíba 2. Ao mesmo tempo, o porto localizado na freguesia era, dentre os existentes em Angra dos Reis, um dos que mais escoava a produção proveniente do vale do Paraíba paulista e fluminense 3. Por decorrência, foram criados armazéns de café 4 superados em número apenas aos localizados no centro de Angra 5. Tratou-se de uma atividade que auxiliou na dinamização da vida econômica local na medida em que trouxe comerciantes e tropeiros, gerando empregos aos moradores e ensejando a venda de excedentes. * Trabalho apresentado no XIII Encontro da Associação Brasileira de Estudos Populacionais, realizado em Ouro Preto, Minas Gerais, Brasil de 4 a 8 de novembro de A Freguesia de Nossa Senhora do Rosário de Mambucaba, criada em 1808, estava localizada em Angra dos Reis na fronteira entre Angra e Parati, no litoral sul-fluminense. Em seu território estão, hoje, a Vila Histórica de Mambucaba e as Usinas Nucleares de Angra dos Reis. 2 Segundo Hebe Maria Mattos de Castro, a expansão e a qualidade do café plantado na região serrana deslocou a produção cafeeira de Capivary (atual Silva Jardim - RJ), uma área de temperatura e umidade elevadas, ao comércio interno. Cf. CASTRO, Hebe Maria Mattos de. Ao Sul da História. Lavradores Pobres na Crise do Trabalho Escravo. São Paulo: Brasiliense, Partimos do princípio que o mesmo se deu em Mambucaba. 3 Sobre o movimento portuário local é interessante ver o Mapa do Arrolamento feito pela Coletoria de Angra dos Reis, contendo informações da origem do café, nome dos seus donos, províncias de procedência e as arrobas embarcadas nos portos de Mambucaba, Jerumerim, Ariró e Itanema. PEREIRA, Waldick. Cana, Café & Laranja. História Econômica de Nova Iguaçu. Rio de Janeiro: FGV, p IPANEMA, Marcello de & IPANEMA, Cybelle de. Angra dos Reis no Segundo Reinado. Angra dos Reis: Prefeitura Municipal, vol 1;. Angra dos Reis no Segundo Reinado. Angra dos Reis: Prefeitura Municipal, vol 2;. Angra dos Reis no Segundo Reinado. Angra dos Reis: Prefeitura Municipal, vol. 3. Tais livros apresentam informações retiradas do Almanaque Laemmert relativas a Angra dos Reis entre os anos de 1844 e Na Freguesia de Nossa Senhora da Conceição de Angra dos Reis, atual centro da cidade.

2 Tal atividade perdeu força quando a Estrada de Ferro D. Pedro II chegou ao vale, por volta da década de , num contexto em que a população do litoral sulfluminense já vivia os impactos do término efetivo do tráfico atlântico, em 1850, até então, principal meio de reposição de mão-de-obra escrava no Brasil. Estes dois elementos conjugados conduziram a um quadro de transformação econômica local 7 que atingiu a população livre e, como extensão, seus cativos. A população livre, que havia crescido entre os anos de 1840 e 1856, em mais de indivíduos, passando de para , entre 1856 e 1872, quando o aumento foi de apenas 689, chegou a Ou seja, a alteração no quadro econômico local, iniciada no contexto da segunda metade do Oitocentos, veio desestimular a ida de forasteiros à região, situação não verificada até Ao mesmo tempo, a população escrava decresceu numericamente, entre , de a 9.659, correspondendo a menos 893 indivíduos e, entre , desapareceram cativos, chegando a A contração do movimento portuário e o fim efetivo do tráfico de escravos criaram cada vez mais condições adversas aos livres que não conseguiam repor a mãode-obra, quer via tráfico interno, quer via nascimentos. Muitos deveriam estar vendendo seus cativos, em momentos de expansão do preço dos escravos, às áreas de ponta na economia imperial tentando, assim, amenizar os impactos de um processo de empobrecimento a que muitos estavam vulneráveis. Tal processo foi verificado mediante a análise de 19 inventários de proprietários de escravos de Mambucaba, quando 60.0% de proprietários com até 3 cativos e 22.2% daqueles com 15 ou mais 6 Por meio das entradas no porto do Rio de Janeiro de embarcações provenientes do litoral sulfluminense, verificamos que: entre , foram 655 entradas; , 727; , 805; e, , 533. As informações a respeito das entradas foram extraídas do Jornal do Comércio, dos meses de março e outubro, entre os anos de 1828 e Seção de Periódicos da Biblioteca Nacional, RJ. Sobre a Estrada de Ferro, cf EL-KAREH, Almir Chaiban. Filha Branca de Mãe Preta: a Companhia da Estrada de Ferro D. Pedro II ( ). Petrópolis: Vozes, Cf. CAPAZ, Camil. Memórias de Angra dos Reis. Rio de Janeiro: edição do autor, 1996; LIMA, Honório. Notícia Histórica e Geográfica de Angra dos Reis. 2 edição. Angra dos Reis: Prefeitura Municipal, 1972; MENDES, Alípio. Ouro, Incenso e Mirra. Angra dos Reis: Gazeta de Angra, Fontes consultadas: Quadro Estatístico da população da província do Rio de Janeiro, segundo as condições, sexos e cores-1840, extraído do Relatório de Presidente de Província do Rio de Janeiro de 1840 e 1841, Recenseamento da população escrava e livre da Província do Rio de Janeiro em 1856, presente no Relatório de Presidente de Província de Seção de Periódicos da Biblioteca Nacional, RJ. Recenseamento Geral do Brasil, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), RJ. 9 Tal movimento também se deu em outras regiões da Província do Rio de Janeiro. Em Capivary, os escravos somavam 5.999, em 1856, enquanto que em 1872 eram CASTRO, H. M. M. de. op.cit, p

3 escravos tinham dívidas superiores aos montes brutos 10. Outros possíveis destinos dos cativos desaparecidos poderia ter sido a alforria, a fuga ou a morte. É nesse contexto que a procriação entre as escravas será analisada. A procriação passava pelo casamento, mas principalmente por uniões consensuais e fortuitas. Entre as mulheres que casaram entre 1830 e 1871, predominaram, em 84.6%, uniões com cônjuges de mesma origem 11. Os africanos, estrangeiros, uma vez que chegavam sem laços de amizade e familiar ligavam-se a outros também identificados na região como estranhos, afinados por ausência de conhecimentos, correspondendo a 61.5% dos registros de casamentos. Eles possuíam maiores possibilidades de localizar, dentro da propriedade a que a sorte os jogou, futuros cônjuges; primeiro porque, eram em número representativo 12, e segundo, porque não tinham laços familiares estabelecidos, o que, a princípio, viabilizava o casamento com qualquer um da propriedade. Os crioulos, por sua vez, também casavam entre si, correspondendo a 23.1%. Estes acabavam sendo menos presentes nas cerimônias, pois tinham maiores dificuldades em localizar parceiros nas propriedades em que viviam, conseqüentemente, buscavam companheiros para além dos limites das propriedades 13. Como o casamento entre escravos de diferentes propriedades era evitado pelos senhores 14, os crioulos tenderam a estabelecer uniões consensuais. Para os africanos, estranhos, o matrimônio significava um dos caminhos para a ressocialização e oferecia aos envolvidos, vantagens emocionais. Mas existiam outros caminhos para a socialização como, uniões consensuais, amizades que iam sendo 10 Inventários post-mortem de proprietários de escravos de Mambucaba, 1840 a Arquivo Nacional e Museu da Justiça do Rio de Janeiro. 11 Esse mesmo padrão foi encontrado para o agro-fluminense entre 1790 e 1830 por FLORENTINO, Manolo Garcia & GÓES, José Roberto. A Paz das Senzalas. Famílias Escravas e Tráfico Atlântico, Rio de Janeiro, c c Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, Por meio da contagem realizada mediante cruzamento de batismos, casamentos e inventários, chegamos a 58.8% de africanos com idades acima de 14 anos e 41.2% de crioulos nas mesmas condições. Para saber os critérios empregados na contagem cf. VASCONCELLOS, Márcia Cristina. Nas Bênçãos de Nossa Senhora do Rosário. Relações Familiares entre Escravos em Mambucaba, Angra dos Reis, 1830 a Niterói: Dissertação (Mestrado em História)-UFF. p Livro de Casamento de Escravos da Freguesia de Mambucaba, Convento do Carmo, Angra dos Reis, RJ. 14 Nenhum dos 96 registros de casamento trabalhados envolviam cativos de proprietários diferentes, o que confirma também para Mambucaba que as escolhas de cônjuges por parte dos cativos tinham restrições impostas pelos limites da propriedade, tal como foram apresentados por FARIA, Sheila de Castro. A Colônia em Movimento. Fortuna e Família no Cotidiano Colonial. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1998 e SLENES, Robert. Na Senzala, uma Flor: as Esperanças e Recordações na Formação da Família Escrava. Rio de Janeiro: Nova Fronteira,

4 estabelecidas no decorrer do dia-a-dia e pelos laços de compadrio que adquiriam, quer seja como pais de batizandos, quer seja como padrinhos. Com isso, o estranho, gradativamente, tornava-se conhecido. Para os crioulos, o casamento geraria a ampliação e confirmação de laços estabelecidos, possíveis também mediante uniões não reconhecidas pela Igreja e o compadrio. Para ambos, a família seria um lugar de criação e preservação de espaços de resistências dentro da sociedade escravista, espaço em que experiências foram passadas aos descendentes e na elaboração de um universo próprio a eles. Para os senhores, representaria um caminho a fim de viverem melhor a escravidão. Porém, dentro desse projeto, estavam excluindo gradativamente, o casamento sancionado pela Igreja, no decorrer do século XIX 15, garantindo a possibilidade de venda de suas escravarias, caso houvesse necessidade 16. Esse tipo de comportamento era coerente no caso de realidades como a de Mambucaba, onde o contexto da segunda metade do século gerou maiores dificuldades para os homens livres, constatadas pelos casos de endividamento. Os escravos, por sua vez, respondiam a essa dificuldade, estabelecendo famílias matrifocais, elevando a ilegitimidade e fazendo do nascimento de filhos um caminho para efetivação de laços de compadrio tendentes a serem estabelecidos com outros escravos, especialmente no caso das madrinhas. Entre as que tiveram filhos, mas na condição de solteiras, as africanas chegaram a 49.2%, embora predominassem ligeiramente as crioulas em 50.8%, entre 1830 e Algumas dessas mulheres, após gerar filhos naturais, acabaram se casando. Nesse caso, incluíam-se 16 mulheres africanas, que se associaram a 14 homens de mesma origem, um homem crioulo e um de origem desconhecida. Das nascidas no Brasil, seis uniram-se a quatro homens também crioulos e dois africanos. Com exceção de uma cerimônia, todas se deram antes de 1849, anos em que o casamento era menos dificultoso 17. Geralmente, essas mulheres, africanas e crioulas, tenderam a gerar apenas 15 Entre , foram 73 registros, enquanto que, entre , foram, apenas, 23. Livro de Registros de Casamentos de Escravos da Freguesia de Mambucaba, Convento do Carmo, Angra dos Reis, RJ. 16 Vale afirmar que a Igreja condenava a separação de casais escravos. 17 Tal afirmação apóia-se na diminuição de registros de casamentos após Livro de Casamento de Escravos da Freguesia de Mambucaba, Convento do Carmo, Angra dos Reis, RJ. 4

5 um filho ilegítimo antes do casamento, situação vivida por 19, em contraposição a duas, que tiveram dois, e uma com três crianças 18. Ligada a constituição das famílias havia uma peça, diga-se de passagem, central, por trazer consigo a consangüinidade e laços como o de compadrio: os filhos. Eles chegavam cedo à vida das mulheres escravas. Nas faixas etárias entre anos, foram 13 mulheres (46.4%); entre anos, sete (25.0%); entre anos, cinco (17.9%); e, com 23 anos ou mais, três (10.7%) 19. Para a realização da contagem, procuramos, nos inventários de proprietários escravistas, as mulheres que, segundo estimativa dos avaliadores dos bens, possuíam até 29 anos 20. Uma vez localizadas, consultamos os registros de batismo a fim de nos certificar do ano de nascimento, informação freqüente em 90.0% das fontes de Mambucaba, do primeiro filho batizado, que nem sempre estava junto à progenitora no ato da avaliação dos bens, resultado, possivelmente, da elevada mortalidade infantil. Com a data que, se não era do primeiro filho nascido, ao menos era a mais próxima à primeira gestação, chegamos às faixas etárias definidas na contagem acima, englobando os anos de 1830 a Embora seja pequena a amostragem, que, inclusive, trata das crioulas solteiras, pois apenas uma mulher era africana, a média encontrada coincide com a anotada por Florentino & Góes. Eles estipularam a mesma idade para o início da procriação escrava, entre os 14 e 16 anos, no caso das crioulas. Entre as africanas, girava por volta dos 16 e 19 anos. Sobre estas, os autores afirmam que é certo que apenas uma entre cada quatro delas chegava ao Brasil antes dos 15 anos, mas também o é que 85% das africanas desembarcavam no porto carioca com idades flutuantes entre cinco ou 29 anos (metade com 19 anos). Ou seja: ao desembarcarem no Brasil, ainda eram portadoras da maior parte de suas potencialidades genésicas Fontes Consultadas: Livro de Registros de Batismos de Escravos da Freguesia de Mambucaba, Convento do Carmo, Angra dos Reis, RJ; Inventários post-mortem de Proprietários Escravistas de Mambucaba. Arquivo Nacional e Museu da Justiça do Rio de Janeiro, RJ. 19 Livro de Registros de Batismo de Escravos de Mambucaba, Convento do Carmo, Angra dos Reis, RJ e Inventários post-mortem de proprietários escravistas de Mambucaba, Arquivo nacional e Museu da Justiça do Rio de Janeiro, RJ. 20 FLORENTINO, M. G. & GÓES, J. R. op. cit, p Tratou-se da mesma idade estipulada pelos autores citados. 21 Ibidem, p

6 Comparativamente, ambas começavam a procriar mais cedo que a mulher inglesa dos séculos XVII e XVIII e até mesmo que a escrava do sul dos Estados Unidos, só para citar alguns exemplos 22. As mulheres escravas de Mambucaba davam à luz cedo e só tinham seus últimos filhos entre os 39 e 42 anos. Foram contabilizadas 28 mulheres, entre 1830 e 1881, distribuídas nas faixas etárias: anos, foram cinco (17.9%); anos, seis (21.4%); entre os anos, 14 (50.0%); e, com 43 anos ou mais, três (10.7%) 23. O procedimento adotado para o somatório foi semelhante ao de elaboração da contagem para o início do período reprodutivo, ou seja, localizamos, nos inventários, aquelas mulheres com idades, anotadas pelos avaliadores, acima dos 40 anos 24 e verificamos, nos registros de batismo, o ano de nascimento do último filho levado ao sacramento, pois aqueles que estavam juntos a elas nos inventários poderiam não ser os filhos mais novos. Aqui, ao contrário, estiveram presentes mães africanas e crioulas, quase todas solteiras. As cativas começavam a procriar cedo e tarde davam fim a esse estágio, mas por quê? Mudando a pergunta, o que significariam os filhos para essa parcela da população? Antes de responder, faz-se necessária a observação dos intervalos entre os nascimentos. Sobre isso, dispomos de um número maior de mulheres encontradas nos registros de batismo de seus filhos. Após rastreá-las, calculamos o intervalo entre os nascimentos das crianças, trabalho do qual resultaram as tabelas a seguir. Observamos apenas que os dados correspondem aos intervalos máximos, pois muitas das mães contabilizadas poderiam ter tido, entre os intervalos calculados, filhos que morreram antes mesmo do batismo. Tabela 1-Intervalos entre nascimentos dos filhos de escravas de Mambucaba a partir de suas origens e condições, Intervalos Solteiras Casadas 22 Ibidem, p Livro de Registros de Batismo de Escravos de Mambucaba, Convento do Carmo, Angra dos Reis, RJ e Inventários post-mortem de proprietários escravistas de Mambucaba, Arquivo nacional e Museu da Justiça do Rio de Janeiro, RJ. 24 FLORENTINO, M. G. & GÓES, J. R. op. cit, p Idade igualmente estipulada pelos autores citados. 6

7 AF % CR % AF % CR % 12m a 1A6m A 7m a 2A total A1m a 2A6m A 7m a 3A total A1m a 3A6m A 7m a 4A total A1m a 4A6m A 7m a 5A total A1m a 5A6m A 7m a 6A total total geral Fonte: Livro de Batismos de Escravos de Mambucaba, Convento do Carmo, Angra dos Reis, RJ. Obs: A letra A refere-se aos anos e m aos meses. AF=Africanas e CR=Crioulas. As africanas solteiras e as crioulas, tanto solteiras quanto casadas, davam à luz entre dois anos e um mês a 3 anos (total 2), o que representava, em percentuais, respectivamente, 35.2%, 36.1% e 58.3%. Ao contrário, no caso das africanas casadas, a tendência era entre os 12 meses a 2 anos (total 1), 38.3%, particularmente, entre 1 ano e 7 meses a 2 anos, ou seja, o período entre um nascimento e outro era menor e, em tese, deveriam ter mais filhos. Por quê? Se levarmos em conta a idade de 19 anos estipulada por Florentino & Góes para o nascimento do primeiro filho entre as africanas, já no Brasil, e calcularmos o período reprodutivo destas, tendo como data final os 42 anos, idade máxima para o fim do período reprodutivo, temos 23 anos, teoricamente, propícios à reprodução, ou 276 meses, que, se considerarmos o intervalo máximo de 24 meses entre um nascimento e 7

8 outro, a africana casada estaria apta a gerar 11.5 filhos. No caso da africana solteira, chegando-se aos mesmos 276 meses, mas, com intervalo de 36 meses entre um filho e outro, a média cairia para 7.7 filhos, ligeiramente abaixo dos 8.7 filhos entre as crioulas solteiras e casadas, calculadas a partir dos 16 anos, idade máxima entre a faixa de 14-16, até 42 anos, idade máxima para o final do período de reprodução, com 26 anos ou 312 meses divididos a intervalos de 36 meses. Disso, concluímos duas coisas: gerar filhos era algo que interessava a comunidade escrava, mais ainda às africanas casadas. Sobre a segunda observação, o fato pode estar associado a um dado empírico localizado para os anos anteriores a 1830, no agro fluminense, que indica, quando do momento da partilha, a maior permanência de famílias constituídas por africanos com filhos, independentemente do contexto do tráfico externo, ao contrário do verificado quando não tinham filhos, a presença de filhos se constituía em fator agregador das famílias escravas, com a consangüinidade dando maior estabilidade aos grupos parentais 25. Famílias legalmente constituídas, africanas e com filhos, tinham um índice de separação menor do que os outros tipos de estrutura familiar, leia-se as matrifocais com mães de duas origens. Cremos que as famílias deveriam conhecer tal tendência, adquirida pela experiência e vivência no regime escravista ao qual respondiam, gerando filhos. As mulheres africanas que, como vimos, contraíam matrimônio com homens africanos, viam na união a expectativa da ressocialização e a busca da estabilidade. Dentro desse projeto, os filhos tornavam-se importante alternativa visando garantir a permanência de suas famílias nucleares, assim como a família seria entendida como espaço necessário para a criação e formação dos descendentes. Da mesma forma, os percentuais encontrados para os diferentes perfis de famílias apontam para a necessidade de procriação. O que poderia ter significado o nascimento de filhos naqueles intervalos? Em primeiro lugar, seria o ponto de partida para a reconstituição de um núcleo familiar anteriormente destruído, quer pelo tráfico externo, pela venda e/ou separação de membros familiares pela partilha, condição inerente ao viver escravo. Além disso, abriria possibilidades de estabelecimento de outros laços, como os de compadrio, tantas vezes quanto nasciam as crianças e, conseqüentemente, de ampliação dos 25 Ibidem, p

9 conhecimentos. Em terceiro, a busca de criação de espaços de solidariedade, trocas, ajudas mútuas, de passagem de experiências, valores e crenças. Uma última questão a ser verificada diz respeito aos intervalos entre africanas de diferentes procedências 26. Sabe-se que os registros paroquiais e cartorários pouco informam sobre as verdadeiras etnias das estrangeiras, deixando transparecer, em geral, os portos de embarque destas, ao mesmo tempo, mediante características físicas, muitos homens da época conseguiam reconhecer, dentro do grau de conhecimento que tinham da África, possíveis procedências, principalmente daquelas comuns no tráfico para o sudeste. Anotada a observação, apresentamos as variações entre os intervalos de escravas africanas provenientes da chamada África Ocidental e da África Central Atlântica. Observamos, claramente, diferentes comportamentos quanto à questão analisada, diferença que não passava pela condição de casada ou solteira, mas a partir da procedência. Tabela 2-Intervalos entre nascimentos dos filhos de mães africanas de Mambucaba a partir da procedência, Intervalos Solteiras Casadas AOC % ACA % AOC % ACA % 12m a 1A6m A 7m a 2A total A1m a 2A6m A 7m a 3A total A1m a 3A6m As procedência, as classificações e as identificações estavam relacionadas a etapas de conquista, relações comerciais, assim como vão desde os nomes das ilhas, portos de embarque, vilas, reinos a pequenos grupos étnicos. SOARES, Mariza de Carvalho. Identidade Étnica, Religiosidade e Escravidão. Os pretos minas no Rio de Janeiro (século XVIII). Niterói: Tese (Doutorado em História)-UFF, p. 87. Ver também: KARASCH, Mary C. A Vida dos Escravos no Rio de Janeiro, São Paulo: Cia das Letras, 2000; FLORENTINO, Manolo Garcia. Em Costas Negras: Uma História do Tráfico Atlântico de Escravos entre a África e o Rio de Janeiro (séculos XVIII e XIX). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1995; RUGENDAS, João Maurício. Viagem Pitoresca através do Brasil. Belo Horizonte/São Paulo: Editora Itatiaia/Edusp,

10 3 A 7m a 4A total A1m a 4A6m A 7m a 5A total A1m a 5A6m A 7m a 6A total total geral Fonte: Livro de Registros de Batismo de Escravos de Mambucaba, Convento do Carmo, Angra dos Reis, RJ. Obs: A letra A refere-se aos anos e m aos meses. AOC=África Ocidental; ACA=África Central Atlântica. Na divisão por procedência, observamos uma diferença de comportamento, quando o assunto era a procriação; diferença que não vinha a partir da condição de solteira ou casada. As cativas da África Ocidental tenderam a ter filhos a intervalos de 12 meses a 2 anos (total 1), enquanto as da África Central Atlântica estendiam o período para entre 2 anos e 1 mês a 3 anos (total 2). Não podemos, por agora, afirmar os motivos que estariam por trás dos dados levantados. Porém, algumas hipóteses podem e devem ser levantadas: a primeira diz respeito aos padrões culturais africanos, ou seja, as diferenças verificadas acerca dos intervalos entre os nascimentos poderiam resultar dos comportamentos reconhecidos e praticados pelas mulheres em suas terras de origem; e a segunda possibilidade de explicação talvez esteja nos padrões culturais oriundos do cativeiro, comportamentos construídos no dia-a-dia. Enfim, algumas dessas mães solteiras, muitas das quais africanas, principalmente antes de 1850, buscaram e conseguiram casar-se. Mulheres que antes de efetivar ou legalizar suas uniões geravam filhos ilegítimos, o que nos fez pensar nos possíveis papéis que a procriação poderia desempenhar para a população escrava. Para os proprietários, particularmente após 1850, a procriação escrava era uma das possibilidades viáveis de reposição, em médio prazo, da mão-de-obra que se perdia, 10

11 reposição que não teria sido suficiente em Mambucaba para garantir um crescimento populacional. Para os escravos, os filhos representavam o ponto de partida para a elaboração de uma nova unidade familiar, a adoção de laços de compadrio e, portanto, a possibilidade de ampliação da família escrava, englobando compadres e comadres escravos, forros e até livres. Os filhos chegavam cedo nas vidas das escravas, basta verificar que, tão logo a fase reprodutiva chegasse, entre os 14 e 16 anos, para as crioulas e quando as africanas chegavam ao Brasil, logo davam à luz. Assim como estendiam essa fase até os 42 anos, mais ou menos. Ou seja, a fase reprodutiva englobava uma média de 26 anos, com filhos que nasciam a intervalos de 12 meses a 2 anos e 2 anos e 1 mês a 3 anos. Fontes e Referências Bibliográficas: CASTRO, Hebe Maria Mattos. Das Cores do Silêncio. Os Significados da Liberdade no Sudeste Escravista-Brasil século XIX. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, FARIA, Sheila de Castro. A Colônia em Movimento. Fortuna e Família no Cotidiano Colonial. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, FLORENTINO, Manolo Garcia & GÓES, José Roberto. A Paz das Senzalas. Famílias Escravas e Tráfico Atlântico, Rio de Janeiro, c c Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, GÓES, José Roberto. O Cativeiro Imperfeito. Um Estudo sobre a Escravidão no Rio de Janeiro da Primeira Metade do século XIX. Vitória: Lineart, Escravos da Paciência. Estudo sobre a Obediência Escrava no Rio de Janeiro ( ). Niterói: Tese (Doutorado em História)-UFF. GRAHAM, Richard. Escravidão, Reforma e Imperialismo. São Paulo: Perspectiva,

12 Inventários post-mortem de Proprietários de Escravos em Mambucaba, abertos em Parati e em Angra dos Reis, Arquivo Nacional e Museu da Justiça do Rio de Janeiro, RJ. Jornal do Comércio, meses de março e outubro, 1828 a Seção de Periódicos da Biblioteca Nacional, RJ. Livro de Batismos de Cativos da Freguesia de Nossa Senhora do Rosário de Mambucaba, Convento do Carmo, Angra dos Reis, RJ. Livro de Casamentos de Cativos da Freguesia de Nossa Senhora do Rosário de Mambucaba, Convento do Carmo, Angra dos Reis, RJ. LUNA, Francisco Vidal & COSTA, Iraci del Nero. Vila Rica: notas sobre Casamentos de Escravos ( ). África. Revista do Centro de Estudos Africanos da USP, São Paulo, n. 4, p , MACHADO, Maria Helena P. T. Em Torno da Autonomia Escrava: uma Nova Direção para a História Social da Escravidão. Revista Brasileira de História, São Paulo, vol. 8, n. 16, p , mar./ago MARCONDES, Renato Leite. O Evolver Demográfico e Econômico nos Espaços Fluminenses ( ). Estudos Econômicos, São Paulo, v. 25, n 2, p , maio/agosto MOTTA, José Flávio. Corpos Escravos, Vontades Livres. Posse de Escravos e Família Escrava em Bananal ( ). São Paulo: Annablume/Fapesp, POPULAÇÃO E FAMÍLIA. São Paulo: CEDHAL/USP/Humanitas, vol. 1, n. 1, jan./jun Recenseamento Geral do Brasil de Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), RJ. Relatório do Presidente de Província do Rio de Janeiro, o Conselheiro Paulino José Soares de Souza na abertura da primeira sessão da terceira legislatura e despesas para o ano de 1840 a Seção de Periódicos da Biblioteca Nacional, RJ. Relatório do Vice-Presidente da Província do Rio de Janeiro Tomás Antônio dos Santos ao Presidente da Província Nicolau Tolentino, Seção de Periódicos da Biblioteca Nacional, RJ. SLENES, Robert. Na Senzala, uma Flor: as Esperanças e Recordações na Formação da Família Escrava. Rio de Janeiro: Nova Fronteira,

13 SOUZA, Marina de Mello e. Parati: a Cidade e as Festas. Rio de Janeiro: EdUFRJ, VASCONCELLOS, Marcia Cristina de. Nas Bênçãos de Nossa Senhora do Rosário. Relações Familiares entre Escravos em Mambucaba, Angra dos Reis, 1830 a 1881.Niterói: Dissertação (Mestrado em História)-UFF. ZALUAR, Augusto Emílio. Peregrinação pela Província de São Paulo ( ). Belo Horizonte/ São Paulo: Itatiaia/ Edusp,

Afro-Ásia ISSN: 0002-0591 revista.afroasia@gmail.com Universidade Federal da Bahia Brasil

Afro-Ásia ISSN: 0002-0591 revista.afroasia@gmail.com Universidade Federal da Bahia Brasil Afro-Ásia ISSN: 0002-0591 revista.afroasia@gmail.com Universidade Federal da Bahia Brasil Vasconcellos, Marcia Cristina de O compadrio entre escravos numa comunidade em transformação (Mambucaba, Angra

Leia mais

ESTRUTURA DE POSSE DE ESCRAVOS EM ANGRA DOS REIS, SÉCULO XIX. Palavras-chave: demografia; estrutura de posse de escravos; século XIX.

ESTRUTURA DE POSSE DE ESCRAVOS EM ANGRA DOS REIS, SÉCULO XIX. Palavras-chave: demografia; estrutura de posse de escravos; século XIX. ESTRUTURA DE POSSE DE ESCRAVOS EM ANGRA DOS REIS, SÉCULO XIX Márcia Cristina de Vasconcellos Doutoranda em História Econômica pela USP Resumo: A presente comunicação busca apresentar os primeiros resultados

Leia mais

Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas

Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas Ricardo Figueiredo Pirola Mestrando UNICAMP No ano de 1832 foi descoberto em Campinas um plano de revolta escrava,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA ECONÔMICA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA ECONÔMICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA ECONÔMICA FAMÍLIAS ESCRAVAS EM ANGRA DOS REIS, 1801-1888 Marcia

Leia mais

ENTRE PADRINHOS E COMPADRES: OS AFRICANOS NOS LIVROS DE BATISMOS EM SERGIPE (1785-1835)

ENTRE PADRINHOS E COMPADRES: OS AFRICANOS NOS LIVROS DE BATISMOS EM SERGIPE (1785-1835) ENTRE PADRINHOS E COMPADRES: OS AFRICANOS NOS LIVROS DE BATISMOS EM SERGIPE (1785-1835) 1 JOCENEIDE CUNHA Nos anos oitenta do século XX, surgiu a chamada nova historiografia da escravidão. Entre os pesquisadores

Leia mais

O Parentesco e a estabilidade das famílias escravas nas Minas Gerais oitocentista Jonis Freire

O Parentesco e a estabilidade das famílias escravas nas Minas Gerais oitocentista Jonis Freire O Parentesco e a estabilidade das famílias escravas nas Minas Gerais oitocentista Jonis Freire Área Temática 01 História econômica e demografia histórica Resumo: O artigo trata das relações familiares

Leia mais

Comércio de escravos em Sant Anna de Mogy das Cruzes na segunda metade do século XIX - 1864-1887

Comércio de escravos em Sant Anna de Mogy das Cruzes na segunda metade do século XIX - 1864-1887 Comércio de escravos em Sant Anna de Mogy das Cruzes na segunda metade do século XIX - 1864-1887 Armando de Melo Servo Constante PUC-SP Na segunda metade do século XIX o tráfico de escravos ruma para o

Leia mais

LUNA, Francisco Vidal & COSTA, Iraci del Nero da. Vila Rica: Nota sobre casamentos de escravos (1727-1826), Revista África, São Paulo, Centro de

LUNA, Francisco Vidal & COSTA, Iraci del Nero da. Vila Rica: Nota sobre casamentos de escravos (1727-1826), Revista África, São Paulo, Centro de LUNA, Francisco Vidal & COSTA, Iraci del Nero da. Vila Rica: Nota sobre casamentos de escravos (1727-1826), Revista África, São Paulo, Centro de Estudos Africanos (USP), (4): 105-109, 1981. VILA RICA:

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

FAMÍLIAS CATIVAS NO PONTAL DO TRIÂNGULO MINEIRO MG: REGISTROS DE BATISMO E MATRIMÔNIO DE ESCRAVOS NO ANTIGO ARRAIAL DE CAMPO BELO, 1835-1875

FAMÍLIAS CATIVAS NO PONTAL DO TRIÂNGULO MINEIRO MG: REGISTROS DE BATISMO E MATRIMÔNIO DE ESCRAVOS NO ANTIGO ARRAIAL DE CAMPO BELO, 1835-1875 FAMÍLIAS CATIVAS NO PONTAL DO TRIÂNGULO MINEIRO MG: REGISTROS DE BATISMO E MATRIMÔNIO DE ESCRAVOS NO ANTIGO ARRAIAL DE CAMPO BELO, 1835-1875 Aurelino José Ferreira Filho 1 Túlio Andrade dos Santos 2 A

Leia mais

MULHERES ESCRAVAS, FILHOS, PADRINHOS E MADRINHAS: ESTRATÉGIAS PRESENTES NA PIA BATISMAL, LITORAL SUL- FLUMINENSE, SÉCULO XIX

MULHERES ESCRAVAS, FILHOS, PADRINHOS E MADRINHAS: ESTRATÉGIAS PRESENTES NA PIA BATISMAL, LITORAL SUL- FLUMINENSE, SÉCULO XIX MULHERES ESCRAVAS, FILHOS, PADRINHOS E MADRINHAS: ESTRATÉGIAS PRESENTES NA PIA BATISMAL, LITORAL SUL- FLUMINENSE, SÉCULO XIX Marcia Cristina de Vasconcellos 1 Resumo: A cerimônia de batismo de crianças

Leia mais

PASSANDO PELOS RITOS SACRAMENTAIS, NASCER E O MORRER: DAS CRIANÇAS ESCRAVIZADAS NA FREGUESIA DE NOSSA SENHORA DO CARMO, VILA DE BELMONTE (1867-1888)

PASSANDO PELOS RITOS SACRAMENTAIS, NASCER E O MORRER: DAS CRIANÇAS ESCRAVIZADAS NA FREGUESIA DE NOSSA SENHORA DO CARMO, VILA DE BELMONTE (1867-1888) PASSANDO PELOS RITOS SACRAMENTAIS, NASCER E O MORRER: DAS CRIANÇAS ESCRAVIZADAS NA FREGUESIA DE NOSSA SENHORA DO CARMO, VILA DE BELMONTE (1867-1888) JAMILLY BISPO LAUREANO 1 Dr.ª JOCENEIDE CUNHA 2 INTRODUÇÃO

Leia mais

1. Portos de Chegada, locais de quarentena e venda

1. Portos de Chegada, locais de quarentena e venda 1. Portos de Chegada, locais de quarentena e venda A execução do tráfico atlântico de africanos escravizados envolveu a construção de portos, locais de quarentena e venda de africanos recém-chegados nas

Leia mais

CRIOULOS E AFRICANOS LIBERTOS EM PORTO ALEGRE: PADRÕES DE ALFORRIA E ATIVIDADES ECONÔMICAS (1800-1835) 1

CRIOULOS E AFRICANOS LIBERTOS EM PORTO ALEGRE: PADRÕES DE ALFORRIA E ATIVIDADES ECONÔMICAS (1800-1835) 1 CRIOULOS E AFRICANOS LIBERTOS EM PORTO ALEGRE: PADRÕES DE ALFORRIA E ATIVIDADES ECONÔMICAS (1800-1835) 1 Gabriel Aladrén O objetivo desta comunicação é apresentar alguns resultados de uma pesquisa sobre

Leia mais

Batismos de Escravos em Iguape (1811-1850)

Batismos de Escravos em Iguape (1811-1850) Batismos de Escravos em Iguape (1811-1850) Introdução Agnaldo Valentin 1 José Flávio Motta 2 Nossa atenção neste artigo recai sobre os batismos das crianças escravas nascidas em Iguape entre 1811 e 1850.

Leia mais

O PARENTESCO RITUAL NA SOCIEDADE ESCRAVISTA RIO-PARDENSE FREGUESIA NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO DO RIO PARDO

O PARENTESCO RITUAL NA SOCIEDADE ESCRAVISTA RIO-PARDENSE FREGUESIA NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO DO RIO PARDO O PARENTESCO RITUAL NA SOCIEDADE ESCRAVISTA RIO-PARDENSE FREGUESIA NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO DO RIO PARDO (1845 a 1865). Roberta França Vieira Zettel Mestranda da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Leia mais

(1871-1888). Desafios e possibilidades Daniela Fagundes Portela 1 Faculdade de Educação da USP. e-mail: danifportela@uol.com.br

(1871-1888). Desafios e possibilidades Daniela Fagundes Portela 1 Faculdade de Educação da USP. e-mail: danifportela@uol.com.br Registros de Batismo da Paróquia Nossa Senhora Penha de França: Uma fonte para o estudo do cotidiano privado das crianças negras livres na província de São Paulo (1871-1888). Desafios e possibilidades

Leia mais

GEOGRAFIA LISTA DE RECUPERAÇÃO - 7º ANO RECUPERAÇÃO FINAL 2015 1. Objetivas:

GEOGRAFIA LISTA DE RECUPERAÇÃO - 7º ANO RECUPERAÇÃO FINAL 2015 1. Objetivas: GEOGRAFIA Objetivas: 01 No último século, o Brasil deixou de ser um país essencialmente rural e se tornou um país urbano-industrial. Nesse processo, foram muitas as mudanças em seu espaço geográfico, especialmente

Leia mais

Batismo e solidariedade na Vila de Sabará, 1723-1757

Batismo e solidariedade na Vila de Sabará, 1723-1757 Batismo e solidariedade na Vila de Sabará, 1723-1757 Ana Luiza de Castro Pereira Batismo: o primeiro de todos os sacramentos cristãos O primeiro dos Sacramentos católicos, o ritual do Batismo é responsável

Leia mais

II Encontro Escravidão e Liberdade no Brasil Meridional

II Encontro Escravidão e Liberdade no Brasil Meridional II Encontro Escravidão e Liberdade no Brasil Meridional Nações Africanas nas Irmandades Negras Mineiras do Século XVIII Juliana Aparecida Lemos Lacet * Introdução Os projetos de conquista da África e do

Leia mais

NOVOS OLHARES SOBRE A ESCRAVIDÃO

NOVOS OLHARES SOBRE A ESCRAVIDÃO NOVOS OLHARES SOBRE A ESCRAVIDÃO Charles Nascimento de SÁ charles.as@superig.com.br FTC/FACSA A escravidão no Brasil tem nos maus tratos e na violência do sistema sua principal afirmação. Ao longo das

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE O TEATRO E O PODER NAS MINAS OITOCENTISTAS.

AS RELAÇÕES ENTRE O TEATRO E O PODER NAS MINAS OITOCENTISTAS. AS RELAÇÕES ENTRE O TEATRO E O PODER NAS MINAS OITOCENTISTAS. Luciano Borges Muniz 1 Flávio Marcus da Silva 2 Resumo Este artigo é parte dos resultados obtidos por pesquisas desenvolvidas a cerca das relações

Leia mais

APEBA - Judiciário/ Relação de 33 Inventários de Santo Antônio de Jesus 1870-1888.

APEBA - Judiciário/ Relação de 33 Inventários de Santo Antônio de Jesus 1870-1888. 1 ARRANJOS FAMILIARES NOS LIMITES DA ESCRAVIDÃO EM SANTO ANTÔNIO DE JESUS BAHIA (1871-1888) ELIETE MARQUES DOS SANTOS VAZ As relações familiares entre cativos assumiram várias formas no Brasil escravista.

Leia mais

1 A autora é aluna do curso de mestrado do Programa de Pós-Graduação em História Comparada da UFRJ, com

1 A autora é aluna do curso de mestrado do Programa de Pós-Graduação em História Comparada da UFRJ, com Demografia e sociabilidades em regiões açucareiras: experiências escravas de Campos dos Goytacazes/Brasil e Matanzas/Cuba 1790-1830 Sirlene de Andrade Rocha 1 Introdução: As últimas décadas do século XVIII

Leia mais

Local: Cais do Valongo Rio de Janeiro - (RJ)

Local: Cais do Valongo Rio de Janeiro - (RJ) Local: Cais do Valongo Rio de Janeiro - (RJ) Em 1774, o Vice-Rei Marquês do Lavradio determinou que passasse a ficar fora dos limites da cidade do Rio de Janeiro o comércio de africanos. O novo local escolhido

Leia mais

Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Ementa da Disciplina. Teleaula 1. Conceitos Básicos.

Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Ementa da Disciplina. Teleaula 1. Conceitos Básicos. Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana Teleaula 1 Profa. Dra. Marcilene Garcia de Souza Grupo Uninter Ementa da Disciplina Contextos e conceitos históricos sobre

Leia mais

A SENZALA EM MOVIMENTO: NOTAS SOBRE OS PRIMÓRDIOS DA FAMÍLIA ESCRAVA NOS CAMPOS DE VIAMÃO (1747-1758)

A SENZALA EM MOVIMENTO: NOTAS SOBRE OS PRIMÓRDIOS DA FAMÍLIA ESCRAVA NOS CAMPOS DE VIAMÃO (1747-1758) A SENZALA EM MOVIMENTO: NOTAS SOBRE OS PRIMÓRDIOS DA FAMÍLIA ESCRAVA NOS CAMPOS DE VIAMÃO (1747-1758) Márcio Munhoz Blanco 1 O presente texto integra o segundo capítulo de minha dissertação de mestrado

Leia mais

CIÊNCIAS SOCIAIS 10/9/2012. I ECONOMIA COLONIAL SÉCULOS XVI a XIX OBJETIVOS: Formação Econômica e Social Brasileira (I)

CIÊNCIAS SOCIAIS 10/9/2012. I ECONOMIA COLONIAL SÉCULOS XVI a XIX OBJETIVOS: Formação Econômica e Social Brasileira (I) CIÊNCIAS SOCIAIS M.I DESENVOLVIMENTO DESIGUAL E COMBINADO DA SOCIEDADE MODERNA Formação Econômica e Social Brasileira (I) Profa. Claudete Pagotto Período 2 2012 2 OBJETIVOS: Abordar as características

Leia mais

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores Capítulo 3 Fichas de Qualificação de Indicadores A Demográficos População total A.1................................... 58 Razão de sexos A.2................................... 60 Taxa de crescimento da

Leia mais

Os batismos entre 1825 a 1840, uma maneira de entender as disputas senhoriais na vila de Paty do Alferes, Rio de Janeiro

Os batismos entre 1825 a 1840, uma maneira de entender as disputas senhoriais na vila de Paty do Alferes, Rio de Janeiro Os batismos entre 1825 a 1840, uma maneira de entender as disputas senhoriais na vila de Paty do Alferes, Rio de Janeiro Alan de Carvalho Souza 1 ppunk_alan@hotmail.com A proposta desse texto é analisar

Leia mais

Os índios Por Marina Mesquita Camisasca

Os índios Por Marina Mesquita Camisasca Os índios Por Marina Mesquita Camisasca Os índios do Novo Mundo não formavam um grupo homogêneo, com características lingüísticas e culturais semelhantes. Ao contrário do que se imagina, existiram vários

Leia mais

Populações Indígenas da Cidade de Manaus Inserção na Cidade e Ligação com a Cultura *

Populações Indígenas da Cidade de Manaus Inserção na Cidade e Ligação com a Cultura * Populações Indígenas da Cidade de Manaus Inserção na Cidade e Ligação com a Cultura * Evelyne Marie Therese Mainbourg FIOCRUZ/Centro Leônidas & Maria Deane Maria Ivanilde Araújo Universidade do Amazonas/

Leia mais

Detetives do passado: escravidão no século 19. Rio de Janeiro: Núcleo de Documentação, História e Memória-NUMEM/UNIRIO, 2009.

Detetives do passado: escravidão no século 19. Rio de Janeiro: Núcleo de Documentação, História e Memória-NUMEM/UNIRIO, 2009. Detetives do passado: escravidão no século 19. Rio de Janeiro: Núcleo de Documentação, História e Memória-NUMEM/UNIRIO, 2009. A carta de alforria trazia as seguintes informações: identidade do dono [...],

Leia mais

Janaina Christina Perrayon Lopes Mestranda UFRJ

Janaina Christina Perrayon Lopes Mestranda UFRJ Casamentos de escravos e forros nas freguesias da Candelária, São Francisco Xavier e Jacarepaguá: uma contribuição aos padrões de sociabilidade marital no Rio de Janeiro (c.1800-c. 1850) Janaina Christina

Leia mais

RACISMO NO BRASIL: O mito da democracia racial FALANDO DE HISTÓRIA: SER PEÇA, SER COISA

RACISMO NO BRASIL: O mito da democracia racial FALANDO DE HISTÓRIA: SER PEÇA, SER COISA RACISMO NO BRASIL: O mito da democracia racial FALANDO DE HISTÓRIA: SER PEÇA, SER COISA Por Neila Cristina N. Ramos Embora vivamos num país em que se tente transmitir uma imagem de igualdade e harmonia

Leia mais

ANAIS da XV SEMANA DE HISTÓRIA: HISTORIA REGIONAL COMO RECORTE DE ENSINO E PESQUISA - 2011 ISSN - 21773157

ANAIS da XV SEMANA DE HISTÓRIA: HISTORIA REGIONAL COMO RECORTE DE ENSINO E PESQUISA - 2011 ISSN - 21773157 ANAIS da XV SEMANA DE HISTÓRIA: HISTORIA REGIONAL COMO RECORTE DE ENSINO E PESQUISA - 2011 ISSN - 21773157 PRODUÇÃO DE ALIMENTOS EM RIBEIRÃO PRETO NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XX Renato Leite MARCONDES

Leia mais

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil Documento do MEJ Internacional Para que a minha alegria esteja em vós Por ocasião dos 100 anos do MEJ O coração do Movimento Eucarístico Juvenil A O coração do MEJ é a amizade com Jesus (Evangelho) B O

Leia mais

Uma reflexão sobre o processo de turismo e suas implicações socioespaciais no município de Angra dos Reis RJ 1

Uma reflexão sobre o processo de turismo e suas implicações socioespaciais no município de Angra dos Reis RJ 1 Uma reflexão sobre o processo de turismo e suas implicações socioespaciais no município de Angra dos Reis RJ 1 Renata da Silva Corrêa 2 É preciso ampliar o conceito de vocação turística de Angra dos Reis

Leia mais

O MUNDO DA ESCRAVA GUILHERMINA

O MUNDO DA ESCRAVA GUILHERMINA 95 O MUNDO DA ESCRAVA GUILHERMINA VALENÇA PROVÍNCIA DO RIO DE JANEIRO Regina Faria Arieira* Lá na úmida senzala, Sentado na estreita sala, Junto ao braseiro, no chão, Entoa o escravo o seu canto, E ao

Leia mais

ANAIS DA V JORNADA SETECENTISTA Curitiba, 26 a 28 de novembro de 2003

ANAIS DA V JORNADA SETECENTISTA Curitiba, 26 a 28 de novembro de 2003 Encontros e escolhas em Desterro: libertos da ilha de Santa Catarina (1800-1819) Ana Paula Wagner * Corria o ano de 1808, quando, em vinte e nove de agosto, na Paróquia de Nossa Senhora do Desterro, casavam-se

Leia mais

O nosso jeito de falar, de gesticular, de cultuar e rezar, de ser e de viver, é profundamente marcado pela presença dos africanos no Brasil.

O nosso jeito de falar, de gesticular, de cultuar e rezar, de ser e de viver, é profundamente marcado pela presença dos africanos no Brasil. ATIVIDADE 01 MANIFESTAÇÕES DA CULTURA AFRO-BRASILEIRA O nosso jeito de falar, de gesticular, de cultuar e rezar, de ser e de viver, é profundamente marcado pela presença dos africanos no Brasil. Com eles

Leia mais

Sobre a cor dos escravos e dos pobres livres da Freguesia de São José dos Pinhais (do século XVIII para o XIX)*

Sobre a cor dos escravos e dos pobres livres da Freguesia de São José dos Pinhais (do século XVIII para o XIX)* Anpuh Rio de Janeiro Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro APERJ Praia de Botafogo, 480 2º andar - Rio de Janeiro RJ CEP 22250-040 Tel.: (21) 9317-5380 Sobre a cor dos escravos e dos pobres livres

Leia mais

Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA

Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA ESCRAVIDÃO ANTIGA A escravidão é um tipo de relação de trabalho que existia há muito tempo na história da humanidade. Na Antiguidade, o código

Leia mais

GUIA DE FONTES PARA HISTÓRIA DE ALAGOAS: OS ARQUIVOS DE PENEDO. 1

GUIA DE FONTES PARA HISTÓRIA DE ALAGOAS: OS ARQUIVOS DE PENEDO. 1 1 GUIA DE FONTES PARA HISTÓRIA DE ALAGOAS: OS ARQUIVOS DE PENEDO. 1 Alex Rolim Graduando em História Bacharelado Bolsista PIBIP-AÇÃO UFAL Universidade Federal de Alagoas Orientador: Prof. Dr. Antonio F.

Leia mais

Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística. 1 - Introdução

Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística. 1 - Introdução Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística Área Temática: Emprego e Mercado de Trabalho, Demografia Econômica. 1 - Introdução Este texto

Leia mais

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL META Refletir sobre as características da população brasileira como fundamento para a compreensão da organização do território e das políticas de planejamento e desenvolvimento

Leia mais

Mineração e a Crise do Sistema Colonial. Prof. Osvaldo

Mineração e a Crise do Sistema Colonial. Prof. Osvaldo Mineração e a Crise do Sistema Colonial Prof. Osvaldo Mineração No final do século XVII, os bandeirantes encontraram ouro na região de Minas Gerais Grande parte do ouro extraído era de aluvião, ou seja,

Leia mais

Universidade de São Paulo, USP, São Paulo, Brasil

Universidade de São Paulo, USP, São Paulo, Brasil CURRÍCULO RESUMIDO Dados Pessoais Nome Carlos de Almeida Prado Bacellar Endereço profissional Universidade de São Paulo, Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas, Departamento de História Av. Professor

Leia mais

FONTES DOCUMENTAIS PARA O ESTUDO

FONTES DOCUMENTAIS PARA O ESTUDO DOSSIÊ ANÁLISES QUANTITATIVAS E INDICADORES SOCIAIS DO I: 10.5433/2176-6665.2013v18n1p206 FONTES DOCUMENTAIS PARA O ESTUDO DA POPULAÇÃO E DA FAMÍLIA ESCRAVA: FRANCA-SP, SÉCULO XIX Maísa Faleiros da Cunha

Leia mais

CODIFICAÇÃO DO BANCO DE DADOS PROJETO AFRICANOS SENHORES DE SUAS CASAS

CODIFICAÇÃO DO BANCO DE DADOS PROJETO AFRICANOS SENHORES DE SUAS CASAS CODIFICAÇÃO DO BANCO DE DADOS PROJETO AFRICANOS SENHORES DE SUAS CASAS A. LIVRO Anotar número do livro. B. FOLHAS Anotar número inicial e final de cada testamento. C. DATA Anotar a data do documento (dia/mês/ano4dígitos).

Leia mais

A legitimidade entre os cativos da Paróquia Nossa Senhora da Conceição de Franca - Século XIX

A legitimidade entre os cativos da Paróquia Nossa Senhora da Conceição de Franca - Século XIX A legitimidade entre os cativos da Paróquia Nossa Senhora da Conceição de Franca - Século XIX Maísa Faleiros da Cunha* Introdução1 Com a expansão das áreas de agro-exportação no Sudeste, aumenta a necessidade

Leia mais

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Leonardo César PEREIRA 1 ; Revalino Antonio FREITAS (orientador) Palavras-chave: trabalho, migração, fronteira,

Leia mais

O Ribeirão de Nossa Senhora do Carmo: a primeira Vila do Ouro e sua população (1723)

O Ribeirão de Nossa Senhora do Carmo: a primeira Vila do Ouro e sua população (1723) Anais do Seminário Nacional de História da Historiografia: historiografia brasileira e modernidade O Ribeirão de Nossa Senhora do Carmo: a primeira Vila do Ouro e sua população (1723) Moacir Rodrigo de

Leia mais

ECONOMIA ESCRAVISTA NO CAMINHO DOS GOIASES SÉCULO XIX *

ECONOMIA ESCRAVISTA NO CAMINHO DOS GOIASES SÉCULO XIX * ECONOMIA ESCRAVISTA NO CAMINHO DOS GOIASES SÉCULO XIX * Leonel de Oliveira Soares Mestre em História Social FFLCH/USP O arrefecimento do bandeirismo de apresamento, por volta da metade do século XVIII,

Leia mais

A CONSTITUIÇÃO DA RIQUEZA DE SÃO SIMÃO: 1865-1895 Fernanda de Cássia Alves PIALARICI 1

A CONSTITUIÇÃO DA RIQUEZA DE SÃO SIMÃO: 1865-1895 Fernanda de Cássia Alves PIALARICI 1 A CONSTITUIÇÃO DA RIQUEZA DE SÃO SIMÃO: 1865-1895 Fernanda de Cássia Alves PIALARICI 1 ORIGEM DO MUNICÍPIO Durante os séculos XVI e XVII, São Paulo viveu extremamente dependente da mão-de-obra indígena,

Leia mais

Memórias de um Brasil holandês. 1. Responda: a) Qual é o período da história do Brasil retratado nesta canção?

Memórias de um Brasil holandês. 1. Responda: a) Qual é o período da história do Brasil retratado nesta canção? Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 3 o Bimestre 4 o ano história Data: / / Nível: Escola: Nome: Memórias de um Brasil holandês Nessa terra

Leia mais

Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé

Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé Os estudos sobre a África e as culturas africanas têm ganhado espaço nas últimas décadas. No Brasil esse estudo começou, basicamente, com Nina Rodrigues em

Leia mais

Racismo na justiça, no trabalho,na rua

Racismo na justiça, no trabalho,na rua FÓRUM QUANDO O PRECONCEITO TEM COR. REFLEXÕES SOBRE O RACISMO PENSES - Movimento pela Despatologização da Vida. Racismo na justiça, no trabalho,na rua Prof. Dr. Ramatis Jacino Nenhuma pessoa branca que

Leia mais

XIX Encontro Regional de História da ANPUH São Paulo

XIX Encontro Regional de História da ANPUH São Paulo XIX Encontro Regional de História da ANPUH São Paulo Autor: Profa Dra Sandra Leila de Paula Título do Trabalho: Análise Sociológica de Desenhos Infantis: uma nova perspectiva de análise para grupos de

Leia mais

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL Autonomia econômica das mulheres Autonomia econômica das mulheres se refere à capacidade das mulheres de serem provedoras de seu próprio sustento,

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

HISTÓRIA - 6º AO 9º ANO

HISTÓRIA - 6º AO 9º ANO A FORMAÇÃO DO CURRÍCULO DA REDE O solicitou-nos uma base para colocar em discussão com os professores de história da rede de São Roque. O ponto de partida foi a grade curricular formulada em 2008 pelos

Leia mais

RELIGIÃO E ALCOOLISMO

RELIGIÃO E ALCOOLISMO RELIGIÃO E ALCOOLISMO Pesquisador: Ricardo Pereira da Costa Universidade Presbiteriana Mackenzie Departamento de graduação em Teologia Eixo Temático: Teologia Prática Categoria: Pôster 1 - TEMA DA PESQUISA

Leia mais

A expansão da América Portuguesa

A expansão da América Portuguesa 8 ANO A/B RESUMO DA UNIDADE 1 DISCIPLINA: HISTÓRIA PROFESSORA: SUELEM *Os índios no Brasil A expansão da América Portuguesa Violência contra os povos indígenas; - Doenças, trabalho forçado; - Foram obrigados

Leia mais

NOTAS SOBRE MIGRAÇÃO E RETORNO: PERFIL BREVE DE PARAIBANOS EM SÃO PAULO E OS RETORNADOS

NOTAS SOBRE MIGRAÇÃO E RETORNO: PERFIL BREVE DE PARAIBANOS EM SÃO PAULO E OS RETORNADOS NOTAS SOBRE MIGRAÇÃO E RETORNO: PERFIL BREVE DE PARAIBANOS EM SÃO PAULO E OS RETORNADOS THIAGO ROMEU DE SOUZA Universidade Federal de Pernambuco/Universidade Federal de Campina Grande thiago_romeu2000@yahoo.com.br

Leia mais

O COTIDIANO DO CASAMENTO CONTEMPORÂNEO A DIFÍCIL E CONFLITIVA DIVISÃO DE TAREFAS E RESPONSABILIDADES ENTRE HOMENS E MULHERES

O COTIDIANO DO CASAMENTO CONTEMPORÂNEO A DIFÍCIL E CONFLITIVA DIVISÃO DE TAREFAS E RESPONSABILIDADES ENTRE HOMENS E MULHERES O COTIDIANO DO CASAMENTO CONTEMPORÂNEO A DIFÍCIL E CONFLITIVA DIVISÃO DE TAREFAS E RESPONSABILIDADES ENTRE HOMENS E MULHERES Aluna: Thays de Azevedo Athayde Mielli de Assis Orientador: Bernardo Jablonski

Leia mais

O PERFIL DO FIÉL NO CULTO AO SANTO POPULAR: O CASO CLODIMAR PEDROSA LÔ EM MARINGÁ.

O PERFIL DO FIÉL NO CULTO AO SANTO POPULAR: O CASO CLODIMAR PEDROSA LÔ EM MARINGÁ. O PERFIL DO FIÉL NO CULTO AO SANTO POPULAR: O CASO CLODIMAR PEDROSA LÔ EM MARINGÁ. VIANA, Roberto dos Santos(LERR/UEM). ANDRADE, Solange Ramos Os estudos das diferentes praticas e manifestações do catolicismo,

Leia mais

A MULHER ESCRAVA NOS ANÚNCIOS DOS JORNAIS DE SÃO LUIS

A MULHER ESCRAVA NOS ANÚNCIOS DOS JORNAIS DE SÃO LUIS A MULHER ESCRAVA NOS ANÚNCIOS DOS JORNAIS DE SÃO LUIS Francinete Poncadilha Pereira 1 Os impressos no Brasil tiveram um papel importante nos debates sobre a escravidão, já que por meio deles se promoviam

Leia mais

TEXTO 1 1. CONJUNTURA BRASILEIRA. 1.1. As Transformações Recentes

TEXTO 1 1. CONJUNTURA BRASILEIRA. 1.1. As Transformações Recentes TEXTO 1 1. CONJUNTURA BRASILEIRA 1.1. As Transformações Recentes O Brasil, do ponto de vista econômico e social, vem sofrendo uma constante mutação em seus principais indicadores básicos como: população;

Leia mais

AS MULHERES NAS IRMANDADES DO ROSÁRIO DOS HOMENS PRETOS DE SERGIPE (1751-1835)

AS MULHERES NAS IRMANDADES DO ROSÁRIO DOS HOMENS PRETOS DE SERGIPE (1751-1835) AS MULHERES NAS IRMANDADES DO ROSÁRIO DOS HOMENS PRETOS DE SERGIPE (1751-1835) Joceneide Cunha (UFBA/UNEB) jocunha@infonet.com.br Nos Setecentos, nasceu na vila sertaneja do Lagarto,em tão remotas distâncias

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL 5 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP ROTEIRO DA UNIDADE 05 FINALIDADE: Com esta UE você terminará de estudar

Leia mais

A Escola Italiana de História das Religiões, diálogos Teóricos e aplicações metodológicas

A Escola Italiana de História das Religiões, diálogos Teóricos e aplicações metodológicas 1 A Escola Italiana de História das Religiões, diálogos Teóricos e aplicações metodológicas Elton de Oliveira Nunes * Resumo Os estudos de religião no Brasil necessitam de uma maior acuidade teórico-metodológica,

Leia mais

ESCRAVIDÃO E RELAÇÕES DE COMPADRIO NA VILA DE ITA- GUAÍ - SÉCULO XIX

ESCRAVIDÃO E RELAÇÕES DE COMPADRIO NA VILA DE ITA- GUAÍ - SÉCULO XIX Escravidão e relações de compádrio... ESCRAVIDÃO E RELAÇÕES DE COMPADRIO NA VILA DE ITA- GUAÍ - SÉCULO XIX KELEN FERNANDES DOS SANTOS SILVA 1 1. Bolsista de Iniciação Científi ca PIBIC/CNPq/UFRuralRJ,

Leia mais

CURSO APOIO HISTÓRIA RESOLUÇÃO

CURSO APOIO HISTÓRIA RESOLUÇÃO HISTÓRIA CURSO APOIO 12. O conflito entre palestinos e israelenses dura mais de seis décadas. O mapa apresenta os territórios ocupados por Israel, durante a Guerra dos Seis Dias, em 1967. a) Qual a atual

Leia mais

A reforma urbana e o subúrbio carioca na historiografia 1

A reforma urbana e o subúrbio carioca na historiografia 1 A reforma urbana e o subúrbio carioca na historiografia 1 CRISTIANE REGINA MIYASAKA 2 Ainda que a historiografia a respeito das reformas urbanas empreendidas no Rio de Janeiro no início do século XX seja

Leia mais

SER CRIANÇA NA VILA RURAL

SER CRIANÇA NA VILA RURAL 20 a 24 de outubro de 2008 SER CRIANÇA NA VILA RURAL Marina Tiemi Kobiyama Sonohara 1 ; Aline Fernanda Sartori Kanegusuku 1 ; Keila Mary Gabriel Ganen 2 RESUMO: Partindo do pressuposto que a vila rural

Leia mais

3.4.2 - Caracterização da População... 1/85. 3.4.2.1 - Aspectos Metodológicos... 1/85. 3.4.2.2 - Considerações Iniciais... 1/85

3.4.2 - Caracterização da População... 1/85. 3.4.2.1 - Aspectos Metodológicos... 1/85. 3.4.2.2 - Considerações Iniciais... 1/85 2818-00-EIA-RL-0001-00 LT 500 KV ESTREITO FERNÃO DIAS ÍNDICE... 1/85 3.4.2.1 - Aspectos Metodológicos... 1/85 3.4.2.2 - Considerações Iniciais... 1/85 3.4.2.3 - Histórico de Criação dos Municípios... 4/85

Leia mais

Grandes empreendedores

Grandes empreendedores aldeia Grandes empreendedores Ao analisar a trajetória de dois grandes empreendedores do século passado, o visconde de Mauá e o conde Matarazzo, este artigo mostra que empreendedorismo e redes sociais

Leia mais

JPIC Jovem SCM Projeto de Inclusão Documento Oficial 2011 Justiça, Paz e Integridade da Criação Celebrando o Centenário das RSCM no Brasil

JPIC Jovem SCM Projeto de Inclusão Documento Oficial 2011 Justiça, Paz e Integridade da Criação Celebrando o Centenário das RSCM no Brasil JPIC Jovem SCM Projeto de Inclusão Documento Oficial 2011 Justiça, Paz e Integridade da Criação Celebrando o Centenário das RSCM no Brasil Religiosas do Sagrado Coração de Maria Província Brasileira 3

Leia mais

Material de apoio para o exame final

Material de apoio para o exame final Professor Rui Piassini Geografia 1º EM Material de apoio para o exame final Questão 01) Em toda a história da humanidade os agrupamentos humanos ou os indivíduos, isoladamente, se movimentam pelo espaço,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL 6 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP UNIDADE DE ESTUDO 06 OBJETIVOS - Localizar, na História, a Idade Média;

Leia mais

Os Contratos dos Caminhos de Ouro

Os Contratos dos Caminhos de Ouro Os Contratos dos Caminhos de Ouro Sofia Lorena Vargas Mestranda - UFMG A prática da arrematação dos contratos a terceiros está presente desde os primórdios do Estado Absolutista. São caracterizadas por

Leia mais

I STRUME TOS DIGITAIS COMO SUPORTE DE A ÁLISE DO ESPAÇO URBA O. J. De ardin, R. A. Ribeiro e J. Francisco

I STRUME TOS DIGITAIS COMO SUPORTE DE A ÁLISE DO ESPAÇO URBA O. J. De ardin, R. A. Ribeiro e J. Francisco I STRUME TOS DIGITAIS COMO SUPORTE DE A ÁLISE DO ESPAÇO URBA O J. De ardin, R. A. Ribeiro e J. Francisco RESUMO O presente artigo trata de parte de metodologia adotada para o desenvolvimento da dissertação

Leia mais

CAMINHOS GERAIS: ESTRATÉGIAS PARA A ABERTURA DE ESTRADAS NAS MINAS DO OURO, UMA RELEITURA HISTORIOGRÁFICA

CAMINHOS GERAIS: ESTRATÉGIAS PARA A ABERTURA DE ESTRADAS NAS MINAS DO OURO, UMA RELEITURA HISTORIOGRÁFICA CAMINHOS GERAIS: ESTRATÉGIAS PARA A ABERTURA DE ESTRADAS NAS MINAS DO OURO, UMA RELEITURA HISTORIOGRÁFICA Rosemary Maria do Amaral 1 RESUMO: Antes mesmo de sua descoberta nas minas, alguns caminhos começaram

Leia mais

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos não Transmissíveis Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Secretaria Municipal da Saúde da Prefeitura Municipal de Porto Alegre PORTO ALEGRE

Leia mais

História/15 8º ano Turma: 1º trimestre Nome: Data: / /

História/15 8º ano Turma: 1º trimestre Nome: Data: / / História/15 8º ano Turma: 1º trimestre Nome: Data: / / 8ºhist301r ROTEIRO DE ESTUDO RECUPERAÇÃO 2015 8º ano do Ensino Fundamental II HISTÓRIA 1º TRIMESTRE 1. Conteúdos Objetivo 1: Africanos no Brasil (Cap.

Leia mais

DATAS COMEMORATIVAS. CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril

DATAS COMEMORATIVAS. CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril Descobrimento do Brasil. Pintura de Aurélio de Figueiredo. Em 1500, há mais de 500 anos, Pedro Álvares Cabral e cerca de 1.500 outros portugueses chegaram

Leia mais

Programa de Pós-graduação em História da Universidade Federal de Ouro Preto Processo Seletivo 2013/1

Programa de Pós-graduação em História da Universidade Federal de Ouro Preto Processo Seletivo 2013/1 Programa de Pós-graduação em História da Universidade Federal de Ouro Preto Processo Seletivo 2013/1 Número de Inscrição Título do Projeto Nota Situação 1 Escritas Confessionais nos Compêndios Didáticos

Leia mais

OS TERRITÓRIOS SAGRADOS DOS CANTOS NEGROS: UMA PROPOSTA DE MUSEU A CÉU ABERTO

OS TERRITÓRIOS SAGRADOS DOS CANTOS NEGROS: UMA PROPOSTA DE MUSEU A CÉU ABERTO CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X OS TERRITÓRIOS SAGRADOS DOS CANTOS NEGROS: UMA PROPOSTA

Leia mais

O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros.

O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros. O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros. A Torá é o texto mais importante para o Judaísmo. Nele se encontram os Mandamentos, dados diretamente

Leia mais

. a d iza r to u a ia p ó C II

. a d iza r to u a ia p ó C II II Sugestões de avaliação Geografia 8 o ano Unidade 5 5 Unidade 5 Nome: Data: 1. Sobre a formação do território dos Estados Unidos, marque V nas sentenças verdadeiras e F nas falsas. ( ) o espaço territorial

Leia mais

A população brasileira

A população brasileira Alessio Moiola/ Dreamstime.com Dragon Images/ Shutterstock Jason Stitt/ Dreamstime.com A população brasileira Geografia e demografia Demografia é uma área da ciência que estuda a dinâmica populacional

Leia mais

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE HISTÓRIA Escola: Nome: Data: / / Turma: Pedro Álvares Cabral foi o comandante da primeira expedição portuguesa que chegou ao território que mais tarde receberia o nome

Leia mais

Desvalorização da cultura nordestina sob o olhar dos estudantes de jornalismo da Fanor 1. Anne Caroline Oliveira Lima²

Desvalorização da cultura nordestina sob o olhar dos estudantes de jornalismo da Fanor 1. Anne Caroline Oliveira Lima² Desvalorização da cultura nordestina sob o olhar dos estudantes de jornalismo da Fanor 1 Anne Caroline Oliveira Lima² Joyce Souza Pereira dos Santos³ Lucas Cavalcante Chaves 4 Viviany Vieira de Melo Malta

Leia mais

A reprodução da população escrava em Porto Alegre, na década de 1780

A reprodução da população escrava em Porto Alegre, na década de 1780 A reprodução da população escrava em Porto Alegre, na década de 1780 Luciano Costa Gomes 1 Na década de 1780, os escravos compunham um terço da população de Porto Alegre, capital da Capitania do Rio Grande

Leia mais

América Latina en la Historia Económica. Revista de Investigación ISSN: 1405-2253 alhe@mora.edu.mx

América Latina en la Historia Económica. Revista de Investigación ISSN: 1405-2253 alhe@mora.edu.mx América Latina en la Historia Económica. Revista de Investigación ISSN: 1405-2253 alhe@mora.edu.mx Instituto de Investigaciones Dr. José María Luis Mora México Florentino, Manolo; Pinto de Góes, José Roberto

Leia mais

Entre o Café, a Cana. O cultivo da Cana-de-Açúcar na Economia Cafeeira de Ribeirão Preto, 1870-1900

Entre o Café, a Cana. O cultivo da Cana-de-Açúcar na Economia Cafeeira de Ribeirão Preto, 1870-1900 economia & história: relatos de pesquisa 41 Entre o Café, a Cana. O cultivo da Cana-de-Açúcar na Economia Cafeeira de Ribeirão Preto, 1870-1900 Luciana Suarez Lopes (*) 1 Introdução Neste mês, partindo

Leia mais