Critérios e metodologia de admissão e de classificação e ordenação dos candidatos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Critérios e metodologia de admissão e de classificação e ordenação dos candidatos"

Transcrição

1 CONCURSO DOCUMENTAL PARA UM LUGAR DE PROFESSOR COORDENADOR PARA O SETOR DE ÁREAS DISCIPLINARES DE PSICOLOGIA E CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ÁREA DISCIPLINAR PSICOLOGIA SOCIAL, COMPORTAMENTO E COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL. Critérios e metodologia de admissão e de classificação e ordenação dos candidatos Critérios de admissão ao concurso Para além dos requisitos gerais previstos no artigo 8º da Lei nº 12-A/2008, de 27 de Fevereiro, os candidatos devem ainda satisfazer os requisitos especiais de habilitação, tempo de serviço e categoria profissional previstos no ECPDESP. Nos termos do artigo 19º podem apresentar-se os detentores do grau de doutor ou do título de especialista, obtido há mais de cinco anos, na área ou área afim daquela para que é aberto o concurso. Podem ainda candidatar-se os atuais equiparados a professor coordenador, titulares do grau de doutor na área ou área afim daquela para que é aberto o concurso, que à data da abertura do concurso contem pelo menos cinco anos continuados de serviço como equiparados a professor adjunto e/ou a professor coordenador, em regime de dedicação exclusiva ou de tempo integral, e os professores adjuntos da carreira titulares do grau de doutor na área ou área afim daquela para que é aberto o concurso que à data da abertura do concurso contem, pelo menos, cinco anos continuados de serviço nessa categoria na carreira, conforme previsto no artigo 8.º do Decreto-Lei n.º 207/2009, de 31 de agosto, com a redação dada pela Lei n.º 7/2010, 13 de maio. Os candidatos detentores de habilitações estrangeiras devem comprovar o reconhecimento, equivalência ou registo de grau de doutor, nos termos da legislação aplicável. O Concurso é aberto para a área disciplinar de Psicologia Social, Comportamento e Comunicação Organizacional e poderão ser admitidos os candidatos com doutoramento ou especialização de doutoramento em Psicologia Social ou outros doutoramentos em Psicologia cuja problemática central da dissertação do candidato incida nas temáticas dos Determinantes da cooperação e competição, da predisposição para correr riscos, da antecipação de ocorrências futuras e da confiança nos relacionamentos e nas organizações. Considerando que a análise das candidaturas pelo júri se fará tendo por base a avaliação e pontuação feita pelo candidato à sua candidatura e que o regulamento dos concursos para Contratação de Professores do IPC estabelece no ponto 2 do artigo 28º que a classificação final dos candidatos deverá ser expressa na escala de 0 a 100 pontos e, no ponto 3 e 4 do mesmo artigo que Consideram-se não aprovados os candidatos que obtiverem classificação final inferior a 50 pontos e Consideram-se aprovados em mérito absoluto os candidatos que obtiverem Página 1 de 12

2 classificação final igual ou superior a 50 pontos, não serão admitidos candidatos que, na sua auto-avaliação, obtenham uma pontuação inferior a 50 pontos. Critérios de classificação e ordenação A avaliação dos candidatos é feita incidindo sobre todo o currículo do candidato e tendo por base uma grelha onde se valorizem todos os elementos curriculares do candidato nas componentes de produção técnica e científica, de experiência profissional e pedagógica e de exercício de funções institucionais e organizativas. Considerando que o Regulamento de Concursos para Contratação de Professores do IPC estabelece no ponto 2 do artigo 28º que a classificação final dos candidatos deverá ser expressa na escala de 0 a 100 pontos e, no ponto 3 e 4 do mesmo artigo que Consideram-se não aprovados os candidatos que obtiverem classificação final inferior a 50 e Consideram-se aprovados em mérito absoluto os candidatos que obtiverem classificação final igual ou superior a 50 pontos cada uma das componentes de avaliação identificadas acima Técnico-Científica, Pedagógica e Organizacional é pontuada de zero a cem e ponderada por, respetivamente 0,25, 0,40 e 0,35, para obtenção da classificação final (CF) das candidaturas. A Pontuação do Currículo dos candidatos é concretizada através de uma grelha com critérios de seleção e pontuação dos elementos curriculares dos candidatos apresentada abaixo. Esta grelha operacionaliza os critérios que estão definidos nos pontos 2, 3 e 4 do artigo 25º do Regulamento de Concursos para Professores do IPC, a saber: 2- Quanto ao desempenho técnico-científico dos candidatos devem ser, designadamente, objeto de ponderação, os projetos de investigação e desenvolvimento, a produção científica, publicações, comunicações e conferências, em Portugal e no estrangeiro, a orientação de teses conducentes a grau académico, a participação em júris de provas académicas, a arguição de teses conducentes a grau académico e a orientação pedagógica de docentes. 3- Quanto à capacidade pedagógica dos candidatos deve ser, designadamente, objeto de ponderação, o domínio das áreas disciplinares ou unidades curriculares lecionadas, a participação na elaboração de programas, supervisão de estágios e práticas pedagógicas, a orientação e/ou supervisão de estágios/projetos/trabalhos finais Mestrados, a orientação e/ou supervisão de estágios/projetos/trabalhos finais Formação especializada e Pós-graduada. 4 Quanto à componente organizacional, deve ser, designadamente, objeto de ponderação, o exercício de cargos diretivos ou em órgãos de gestão, a participação noutros órgãos da instituição e outros órgãos ou estruturas; coordenação de curso e de departamento e comissões científicas e pedagógicas; a coordenação ou desenvolvimento de projetos ou atividades de caráter prático, desde que enquadradas na área ou áreas disciplinares em que é aberto o concurso. Página 2 de 12

3 No que se refere à estrutura da Grelha para obtenção da Classificação Final que tem por base os Regulamentos de Concursos para Contratação de Professores do IPC e de Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente do IPC, ela está subdividida em três componentes com pesos distintos: 1. Componente Técnico-Científica (CTC), com o peso de 25% no cálculo da Classificação Final; 2. Componente Pedagógica (CP) com o peso de 40% no cálculo da Classificação Final; 3. Componente Organizacional (CO), com o peso de 35% no cálculo da Classificação Final. No Formulário de candidatura, a disponibilizar no site institucional da Escola Superior de Educação e do Instituto Politécnico de Coimbra, deverão ser identificados os elementos curriculares acompanhados, em anexo, dos respetivos comprovativos. A responsabilidade pelo preenchimento do Formulário é do candidato. Cada uma das três componentes referidas acima é pontuada de zero a cem. Cada membro do júri avalia e valida (ou não) as pontuações resultantes da auto-avaliação feita pelos candidatos nas Componentes Técnico-Científica, Pedagógica e Organizacional do seu curriculum vitae. Considerando que a pontuação destas componentes é feita tendo por base o Formulário de Candidatura preenchido pelo candidato, o Júri não efetuará correções ao preenchimento do Formulário e apenas procederá à validação e pontuação dos elementos curriculares aí apresentados, fundamentando todas as suas pontuações que não coincidam com aquelas que resultam diretamente da auto-avaliação do candidato. No caso de não haver concordância entre os membros do júri na apreciação da auto-avaliação do candidato, a pontuação a atribuir em cada uma das componentes (CTC, CP e CO) é obtida através da média aritmética simples das pontuações de cada um dos membros do júri. A Pontuação Final será obtida com a seguinte fórmula: CF= (Pontuação da CTC* 0,25) + (Pontuação da CP * 0,40) + (Pontuação da CO * 0,35) Consideram-se, nas três Componentes da avaliação, várias Dimensões (listadas a seguir), definindo-se para cada uma delas o valor máximo a ser considerado para obtenção da pontuação na respetiva componente. Embora se defina um teto para a pontuação em cada dimensão, deverá ser sempre apurada a pontuação total do candidato que poderá ser usada, de acordo com o definido mais adiante, como critério de desempate caso se verifique, no fim do processo, que há candidatos com a mesma Classificação Final. Para cada uma das dimensões são ainda definidos os Elementos (itens) a valorizar, a respetiva pontuação e unidade de medida a utilizar, conforme se apresenta a seguir: Página 3 de 12

4 Componente Técnico-Científica (CTC) (Pontuação máxima a considerar para a Pontuação do Currículo = 100 pontos com o peso de 25 % na Classificação Final): Graus Académicos e outras formações (Pontuação máxima a considerar para a pontuação da CTC= 10,0 pontos); C1 - Doutoramento a) Em Psicologia com especialização em Psicologia Social 6,0 pontos por curso; b) Outros doutoramentos 2,0 pontos por curso C2 - Mestrado em Psicologia ou em Ciências da Educação: - 4,0 pontos por curso; C3 - Licenciatura em Psicologia 3,0 pontos por curso; C4 - Cursos de formação ou de actualização técnico-científica com duração igual ou superior a 40 horas 0,5 ponto por cada curso; C5 - Cursos, seminários, workshops de formação com duração entre 9 e 39 horas 0,2 ponto por cada curso; Produção Técnico-Científica (Pontuação máxima a considerar para a pontuação da CTC= 20,0 pontos): C6 - Publicação de livro 2,0 pontos por livro; C7 - Publicação de relatório técnico-científico 2,0 pontos por relatório; C8 - Publicação de capítulo ou parte de um livro 1,0 ponto por capítulo; C9 - Fundação de uma revista, coordenação editorial de livro ou do número de uma revista 0,5 ponto por livro ou número de revista publicada C10 - Publicação de artigo em revista científica com referee 1,0 pontos por artigo; C11 - Publicação de artigo em revista científica sem referee 0,5 ponto por artigo; C12 - Publicação de artigo em revista técnica ou profissional 0,2 ponto por artigo C13 - Publicação de artigo em ata de encontro técnico-científico 0,2 ponto por artigo; C14 - Publicação de prefácio para livro técnico-científico 0,2 pontos por prefácio; C15 - Participação no conselho editorial/científico de publicação periódica 1,0 ponto por ano; C16 - Colaboração como revisor em publicação periódica 0,1 pontos por artigo; C17 - Participação em comissão científica de conferência, colóquio, congresso 0,2 ponto por participação; C18 - Comunicação em evento técnico-científico (conferência, congresso, colóquio, encontro, fórum ) 0,5 pontos por comunicação C19 - Apresentação de poster, realização de uma palestra ou de uma intervenção em colóquio, seminário ou fórum técnico, científico, profissional ou pedagógico 0,2 por poster/palestra/intervenção; C20 - Apresentação de uma comunicação numa sessão de abertura, participação em conferência, congresso, colóquio, seminário, como moderador, como chair, como discussant ou como presidente de uma mesa ou de um painel 0,3 por acção de comunicação; Página 4 de 12

5 Reconhecimento / Distinções e Organização, Colaboração e Participação em Eventos Formativos ou Técnico-científicos (Pontuação máxima a considerar para a pontuação da CTC = 15,0 pontos): C21 - Citação de artigo (com exceção das auto-citações) num outro artigo ou livro publicado, num trabalho académico concluído (mestrado ou doutoramento) ou outro tipo de citação comprovada por uma fonte independente 0,2 pontos por citação; C22 - Participação como especialista/perito/auditor/consultor convidado numa comissão técnico-científico especializada ou numa instituição oficial reconhecida 2,0 pontos por participação; C23 - Atribuição de uma bolsa de formação por uma instituição competente ou por uma entidade oficial ou por um programa protocolado com uma instituição de ensino superior a)- para mestrado 0,5 pontos por ano lectivo; b)- para doutoramento 1,0 ponto por ano lectivo; C24 - Organizador ou membro da comissão de organização de eventos científicos (congressos, jornadas, colóquios ) 0,5 ponto por evento; C25 - Organizador ou membro da comissão de organização de um projecto, programa ou evento formativo ou técnico: seminários, workshops, ciclos, palestras, conferências, encontros, cursos breves, etc 0,2 pontos por evento; C26 - Organizador, colaborador ou promotor de um produto, exposição ou evento com dimensão pedagógica, técnica ou científica dirigido à comunidade envolvente da escola 0,1 por evento; Projetos Técnico-Científicos (Pontuação máxima a considerar para a pontuação da CTC = 15,0 pontos): C27 - Coordenador ou responsável por um projecto de investigação ou de intervenção ou por um projeto técnico-científico reconhecido por uma entidade externa competente 1,5 pontos por projeto e por ano; C28 - Participação numa equipa de um projecto de investigação ou de intervenção ou participação numa equipa de um projeto técnico-científico reconhecido por uma entidade externa competente 1,0 pontos por projeto e por ano; C29 - Participação na elaboração de relatórios de auto-avaliação de cursos de bacharelato, de licenciatura ou de mestrado em instituições do ensino superior (ADISPOR, A3ES ) 3,0 pontos por curso; C30 - Participação nas audiências ou auditorias de processos de avaliação externa de cursos (ADISPOR, A3ES ) 1,0 ponto por curso; C31 - Membro integrado de centro ou unidade de investigação acreditada pela FCT 0,5 pontos por ano; C32 - Membro de centro ou unidade de investigação ainda não acreditada pela FCT 0,2 pontos por ano; Página 5 de 12

6 Participação em Júri de Provas Académicas (Pontuação máxima a considerar para a pontuação da CTC = 20,0 pontos): C33 - Arguição de projectos de doutoramento 1,0 ponto por prova; C34 - Arguição de provas públicas para obtenção do título de especialista, para acesso a categoria da carreira docente ou outras 1,0 ponto por prova; C35 - Arguição de projectos, relatórios ou monografias de mestrado 0,6 pontos por prova; C36 - Arguição de trabalhos ou de projectos de seminário de cursos de mestrado, sujeitos a defesa pública perante um júri 0,4 pontos por trabalho/projecto; C37 - Arguição de relatórios, monografias ou trabalhos finais de cursos de licenciatura ou CESE 0,3 relatório/monografia; C38 - Arguição de relatórios, monografias ou trabalhos finais de cursos de formação complementar ou especializada ou de complementos de formação 0,2 pontos por relatório/monografia; C39 - Presidente ou vogal de júri de avaliação de provas, relatórios, monografias, projectos, trabalhos finais 0,1 pontos por prova; Orientação científica e pedagógica de docentes, orientação de teses e dissertações de doutoramento e mestrado e de projetos e relatórios finais de licenciatura (Pontuação máxima a considerar para a pontuação da CTC = 20,0 pontos): C40 - Orientação de tese de doutoramento a) Concluída 2,0 pontos por tese; b) Em curso 1,0 pontos por tese; C41 - Orientação de dissertação/projeto/relatório final de mestrado a) Concluída 1,5 pontos por dissertação/projeto/relatório; b) Em curso 0,7 pontos por dissertação/projeto/relatório; C42 - Orientação concluída de trabalhos ou de projectos de seminário de cursos de mestrado, sujeitos a defesa pública perante um júri 0,7 pontos por trabalho. C43 - Orientação concluída de trabalhos finais/projetos/relatórios/monografias de final de cursos de licenciatura, de Cursos de Estudos Superiores Especializados, de cursos de especialização ou de outros cursos de pós-graduação 0,5 por trabalho/projeto/relatório/monografia; C44 - Orientação científica e pedagógica de assistentes ou de docentes convidados 0,2 pontos por docente e por ano lectivo; C45 - Elaboração de relatórios ou de pareceres científico-pedagógicos para a renovação de contratos de docentes 0,2 pontos por relatório ou parecer; Página 6 de 12

7 Componente Pedagógica (CP) (Pontuação máxima a considerar para a Pontuação do Currículo = 100 pontos com o peso de 40% na PC): Experiência Profissional e Dedicação à Docência (Pontuação máxima a considerar para a pontuação da CP = 35,0 pontos): P1 - Anos completos de prestação de serviço docente a tempo integral em instituições do ensino superior 1,0 ponto por ano a tempo integral; P2 - Número de unidades curriculares (UC) integralmente lecionadas no ensino superior em a) Cursos de mestrado 1,0 ponto por UC semestral e por ano lectivo; b) Cursos de bacharelato ou de licenciatura por ano lectivo e por curso: 0,5 pontos por UC semestral e 1,0 ponto por UC anual; c) Cursos de Profissionalização em Serviço, Cursos de Estudos Superiores Especializados (CESE), cursos de Formação Especializada, cursos de Formação Complementar, cursos de Complementos de Formação ou equivalentes 0,6 pontos por UC e por ano lectivo e por curso; d) Cursos de formação contínua (FOCO) ou equivalentes 0,3 pontos por módulo de formação, por ano lectivo e por curso; Coordenação Pedagógica (Pontuação máxima a considerar para a pontuação da CP = 25,0 pontos): P3 - Responsabilidade formal por unidades curriculares - 0,5 pontos por UC; P4 - Conceção de programas de unidades curriculares de cursos de ensino superior a) de cursos de mestrado 1,5 pontos por programa de UC, por curso e por ano lectivo; b) - de cursos de bacharelato ou licenciatura - 1,0 ponto por programa de UC, por curso e por ano lectivo; c) - de cursos de profissionalização em serviço, de cursos de estudos superiores especializados, de cursos de formação complementar ou especializada ou de cursos de complementos de formação 0,5 pontos por programa de UC, por e por ano lectivo; d) de cursos de formação contínua 0,25 pontos por programa de módulo, por curso e por ano lectivo; Participação em Atividades Académicas de Formação (Pontuação máxima a considerar para a pontuação da CP = 25,0 pontos): P5 - Leccionação ou execução de projectos, seminários, cursos ou acções de formação pedagógica (não contabilizadas nas distribuições formais de serviço docente), dirigidas a docentes de instituições do ensino superior 2,0 pontos por projeto, seminário, curso ou acção de formação realizada; P6 - Leccionação ou execução de projectos, seminários, cursos ou acções de formação pedagógica (não contabilizadas nas distribuições formais de serviço docente), dirigidas a docentes de escolas ou de instituições de ensino não - superior 1,0 ponto por UC, seminário, curso ou acção de formação, palestra, workshop, ou equivalente; P7 - Leccionação ou execução de projectos, seminários, cursos ou acções de formação pedagógica (não contabilizadas nas distribuições formais de serviço docente), dirigidos a activos ou técnicos de organizações ou de instituições da comunidade (associações, Página 7 de 12

8 empresas, organizações, etc.) 0,5 pontos por UC, seminário, curso ou acção de formação, palestra, workshop, ou equivalente; Supervisão Pedagógica de Estágios, Práticas Pedagógicas e Projetos (Pontuação máxima a considerar para a pontuação da CP = 10,0 pontos); P8 - Organização de processos de estágios em cursos de formação inicial (bacharelatos e licenciaturas) 1,0 ponto por curso e por ano; P9 - Supervisão de Práticas Pedagógicas ou Orientação de Projetos em cursos de bacharelato ou de licenciatura 1,0 ponto por estudante - estagiário, por projeto ou por processo de supervisão; P10 - Orientação de estudantes estrangeiros Erasmus em regime de tutoria - 0,5 pontos por estudante; P11 - Elaboração, supervisão e avaliação de planos de estudos para programas de mobilidade Erasmus de estudantes nacionais no estrangeiro 0,5 pontos por estudante; Atividades de Intervenção (Pontuação máxima a considerar para a pontuação da CP = 5,0 pontos): P12 - Realização de projectos ou de programas de aquisição e desenvolvimento de competências nos estudantes de licenciatura (não contabilizadas nas distribuições formais de serviço docente) 1,0 ponto por projecto, programa ou acção por ano (com duração não inferior a um semestre); P13 - Organização ou realização de projectos formativos extra-curriculares, dirigidas a estudantes de licenciatura e de mestrado (visitas estudo, workshops, participação em projectos extra-escola, debates, colóquios, etc) 0,5 pontos por ano e por projecto ou por atividade; P14 - Organização ou realização de atividades de natureza técnica, social ou cultural dirigida à comunidade escolar no geral 0,5 pontos por ano e por atividade P15 - Participação, realização ou envolvimento em projectos de mobilidade Erasmus 0,5 pontos por cada conjunto de quatro semanas de mobilidade; P16 - Outras atividades de caráter científico, técnico, pedagógico, social ou cultural (por exemplo, elaboração de materiais pedagógicos de apoio às aulas, exercícios práticos formativos, utilização de novas plataformas tecnológicas na formação...) 0,2 pontos por cada ação considerada relevante para o concurso; Componente Organizacional (CO) (Pontuação máxima a considerar para a Pontuação do Currículo = 100 pontos com o peso de 35% na PC): Exercício de funções dirigentes e de gestão, participação em órgãos de gestão e coordenação científica de instituição ou estabelecimento de ensino superior (Pontuação máxima a considerar para a pontuação da CO = 20,0 pontos): Página 8 de 12

9 O1 - Presidente de IP, Presidente ou Diretor de UO de ensino superior 3,5 pontos por ano ou fração; O2 - Vice-Presidente de IP, Vice-Presidente de UO 2,5 pontos por ano ou fração; O3 - Presidente de órgãos de gestão colegiais estatutários de instituições ou estabelecimentos de ensino superior (CG, CTC, CC, CP, AR, etc.) 2,0 pontos por ano ou fração; O4 - Participação em órgãos de gestão colegiais estatutários de instituições ou estabelecimentos de ensino superior (Assembleia de Estatutos, CG, CTC, CC, CP, AR, etc.) 1,0 ponto por ano ou fracção; O5 - Participação em outros órgãos de coordenação científica e pedagógica (Comissões de reconhecimento, de equivalências ou de acreditação de unidades curriculares ou de cursos, Comissões de distribuição de serviço docente, Comissões de estágios, etc.) 0,5 pontos por ano ou fracção; Desempenho de Funções Estatutárias e/ou de Responsabilidade Académica (Pontuação máxima a considerar para a pontuação da CO = 20,0 pontos): O6 - Coordenador de área científica 1,5 pontos por ano ou fracção; O7 Diretor, responsável ou coordenador de curso (Mestrado/Licenciatura/Bacharelato/FOCO) 1,0 ponto por ano ou fracção; O8 - Membro de Comissão Científica de curso conferente de grau académico 0,5 pontos por ano ou fracção; Participação em júris recrutamento, candidaturas (Pontuação máxima a considerar para a pontuação da CO = 20,0 pontos): O9 - Júris de processos de recrutamento de docentes para o ensino superior, através de concursos públicos abertos por edital publicado em Diário da República a) Presidente do júri 1,0 ponto por concurso; b) Vogal 0,5 pontos por concurso; O10 - Júris de processos de recrutamento de docentes por convite a) Presidente do júri - 0,5 pontos por processo; b) Vogal 0,25 pontos por processo; O11 - Júris de recrutamento de encarregados de trabalhos, de auxiliares de ensino e de funcionários não docentes a) Presidente do júri 0,25 pontos por processo; b) Vogal 0,1 ponto por processo; O12 - Membro de júris de seriação de alunos (ex: candidaturas a cursos de pós-graduação, candidaturas a cursos de mestrado, candidaturas aos concursos para maiores de 23 anos, candidaturas ao segundo ciclo das licenciaturas bietápicas, candidaturas a cursos de formação contínua) 0,25 pontos por concurso; Projetos/Atividades de Extensão, Prestação de Serviços à Comunidade e outros relevantes (Pontuação máxima a considerar para a pontuação da CO = 10,0 pontos): Página 9 de 12

10 O13 - Responsável pela elaboração de um plano de desenvolvimento ou de um plano estratégico para a concepção e organização de um sector de actividade da escola (aprovado e executado pelos órgãos competentes) 4,0 pontos por plano; O14 - Responsável pela elaboração de um estudo ou de um parecer requerido por uma entidade externa, pela concretização de um projeto de colaboração entre organizações, pela celebração de protocolos de colaboração, etc 2,0 pontos por ação; O15 - Concepção, realização ou participação em outros projetos ou outras atividades relevantes para a prestação de serviços à comunidade envolvente da escola 1,0 ponto por ano e por projeto ou atividade. Participação em Comissões ou Grupos de Trabalho (Pontuação máxima a considerar para a pontuação da CO = 30,0 pontos): O16 - Coordenador do grupo de trabalho responsável pela elaboração de uma proposta de criação de um novo curso a) 4,0 pontos por curso de mestrado; b) 3,0 pontos por curso de bacharelato, licenciatura, CESE; O17 - Membro de grupo de trabalho responsável pela elaboração de uma proposta de criação de um novo curso a) 3,0 pontos por curso de mestrado; b) 2,0 pontos por curso bacharelato, licenciatura, CESE; O18 - Proponente, coordenador ou membro de grupo de trabalho responsável pela criação de cursos breves, cursos de formação contínua (FOCO) ou outras ofertas de formação 1,0 ponto por curso; O19 - Coordenador do grupo de trabalho responsável por um processo de adequação ou por um processo de reestruturação do plano de estudos ou por um processo de acreditação de um curso (PEP) 4,0 pontos por processo; O20 - Membro do grupo de trabalho responsável pelo processo de adequação, pelo processo de reestruturação do plano de estudos ou pelo processo de acreditação de um curso 2,0 ponto por curso; O21 - Participação em processos de elaboração de normas, de regulamentos ou de outros documentos organizadores da atividade da escola a) - Estatutos, regulamentos internos de órgãos colegiais 2,0 pontos por cada regulamento aprovado; b) - Regulamentos de avaliação, regulamentos de estágios, monografias ou de projectos 1,0 ponto por cada regulamento aprovado; O22 - Desempenho de outras funções relevantes para os projectos ou para a actividade da escola 1,0 ponto por função, por ano As componentes, dimensões, elementos (itens) e pontuações estão organizados num Formulário de Candidatura elaborado na aplicação Excel, com quatro folhas distintas: uma para recolha dos dados de identificação do candidato e uma para cada uma das componentes Técnico-Científica (CTC), Pedagógica (CP) e Organizacional (CO). Os candidatos, para além de entregarem um Página 10 de 12

11 ficheiro digital com o formulário preenchido, deverão apresentar seis cópias impressas do referido formulário, com todas as folhas e anexos numerados e assinados. Para cada uma das Componentes o Formulário de Candidatura deverá apresentar as respetivas Dimensões, Elementos (itens) a valorizar, Unidade de medida e os Pontos a atribuir. O candidato deverá indicar o número (ou fração) de elementos do seu currículo que pretende que sejam valorizados, identificando o anexo que o comprova ou documenta. Os anexos devem ser numerados de forma sequencial identificando para cada um deles a componente em que se enquadra Técnico- Científica (CTC), Componente Pedagógica (CP) e Componente Organizacional (CO) de acordo com o exemplo CTC-1, CTC-2,..., CTC-n; CP-1, CP-2,..., CP-n; CO-1, CO-2,..., CO-n. A não apresentação de documentos comprovativos dos elementos curriculares apresentados pelos candidatos no Formulário de Candidatura implica a não valoração dos elementos que deveriam comprovar, salvo se o Júri optar por utilizar a faculdade prevista no artigo 27º do Regulamento de Concursos para Contratação de Professores do IPC. Caso o júri entenda necessário promover audições públicas a incidir sobre o currículo dos candidatos, as mesmas serão realizadas no prazo de 60 dias após a admissão dos candidatos. No caso de livros e artigos publicados em editoras académicas e comerciais o candidato pode apresentar como comprovativo, a anexar ao Formulário de Candidatura, uma fotocópia da(s) página(s) desses documentos onde conste o nome dos autores, o nome da publicação, a editora, o local de edição, a data, e, quando exista, o ISBN ou ISSN e o endereço eletrónico onde seja possível consultar esses dados. Para além do Formulário de Candidatura os candidatos deverão apresentar sete cópias do seu Curriculum Vitae, com a descrição pormenorizada e contextualizada dos elementos curriculares identificados no Formulário, organizado de acordo com a estrutura do Formulário de Candidatura, e que terá por objetivo permitir ao júri uma apreciação mais informada e contextualizada dos dados enumerados no referido Formulário (Não será necessário adicionar documentos comprovativos ao curriculum vitae uma vez que os mesmos devem ser anexados no Formulário de Candidatura). Critérios de desempate Em caso de empate na Classificação Final utiliza-se como critério de desempate o recurso sucessivo, até haver desempate, dos resultados obtidos na: 1º) Pontuação da Componente Pedagógica; 2º) Pontuação da Componente Organizacional; 3º) Pontuação da Componente Técnico Científica; 4º) Pontuação total (sem o limite fixado na grelha para a pontuação máxima a considerar) na Dimensão «Experiência Profissional e Dedicação à Docência» da Componente Página 11 de 12

12 Pedagógica (obtida pela média aritmética simples das pontuações totais atribuídas pelo júri) 5º) Pontuação total (sem o limite fixado na grelha para a pontuação máxima a considerar) na Dimensão «Participação em Atividades Académicas e de Formação» da Componente Pedagógica (obtida pela média aritmética simples das pontuações totais atribuídas pelo júri) 6º) Pontuação total (sem o limite fixado na grelha para a pontuação máxima a considerar) na Dimensão «Participação em Comissões ou Grupos de Trabalho» da Componente Organizacional (obtida pela média aritmética simples das pontuações totais atribuídas pelo júri) Aprovado no Conselho Técnico-Científico da ESEC de 24 de abril de 2013 A Presidente do Conselho Técnico-Científico Maria de Fátima Fernandes Neves Página 12 de 12

Critérios e metodologia de classificação e ordenação dos candidatos

Critérios e metodologia de classificação e ordenação dos candidatos CONCURSO DOCUMENTAL PARA UM LUGAR DE PROFESSOR COORDENADOR PARA O SETOR DE ÁREAS DISCIPLINARES DE PORTUGUÊS ÁREA DISCIPLINAR DE ENSINO DA LEITURA E ESCRITA. Critérios e metodologia de classificação e ordenação

Leia mais

Critérios e metodologia de admissão e de classificação e ordenação dos candidatos

Critérios e metodologia de admissão e de classificação e ordenação dos candidatos CONCURSO DOCUMENTAL PARA UM LUGAR DE PROFESSOR COORDENADOR PARA O SETOR DE ÁREAS DISCIPLINARES DE CIÊNCIAS SOCIAIS ÁREA DISCIPLINAR DE SOCIOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO E DA MUDANÇA SOCIAL. Critérios e metodologia

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE

REGULAMENTO DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE REGULAMENTO DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE Artigo.º Princípios e Fins. O presente regulamento define as linhas gerais a que deve obedecer

Leia mais

Regulamento de Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente do Instituto Superior de Ciências Educativas (RADPD_ISCE)

Regulamento de Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente do Instituto Superior de Ciências Educativas (RADPD_ISCE) RADPD_ISCE 1 Regulamento de Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente do Instituto Superior de Ciências Educativas (RADPD_ISCE) Artigo 1.º Princípios e fins 1. O presente regulamento de avaliação do desempenho

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO DE ACESSO MESTRADO EM ENGENHARIA E GESTÃO INDUSTRIAL.

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO DE ACESSO MESTRADO EM ENGENHARIA E GESTÃO INDUSTRIAL. INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO DE ACESSO MESTRADO EM ENGENHARIA E GESTÃO INDUSTRIAL Edição 2015-2017 Nos termos do Decreto -Lei n.º 42/2005, de pelo 22 de Fevereiro,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO ACADÊMICO DE VITÓRIA NÚCLEO DE ENFERMAGEM

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO ACADÊMICO DE VITÓRIA NÚCLEO DE ENFERMAGEM SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO ACADÊMICO DE VITÓRIA NÚCLEO DE ENFERMAGEM CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº 56, de 6 de JUNHO de 06, publicado

Leia mais

Edital Concurso Professor Associado

Edital Concurso Professor Associado Para publicação na Página da UAb Edital Concurso Professor Associado Por despacho de treze de Julho de dois mil e onze do Reitor da Universidade Aberta, pela competência conferida pela alínea a) do n.º

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM ANÁLISES CLÍNICAS E SAÚDE PÚBLICA ESPECIALIZAÇÃO DE HEMATOLOGIA E IMUNOLOGIA CLÍNICO-LABORATORIAL. (Edição 2011-2013)

EDITAL MESTRADO EM ANÁLISES CLÍNICAS E SAÚDE PÚBLICA ESPECIALIZAÇÃO DE HEMATOLOGIA E IMUNOLOGIA CLÍNICO-LABORATORIAL. (Edição 2011-2013) EDITAL MESTRADO EM ANÁLISES CLÍNICAS E SAÚDE PÚBLICA ESPECIALIZAÇÃO DE HEMATOLOGIA E IMUNOLOGIA CLÍNICO-LABORATORIAL (Edição 2011-2013) Nos termos dos Decretos-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM TEATRO, ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO TEATRO E COMUNIDADE

REGULAMENTO DO MESTRADO EM TEATRO, ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO TEATRO E COMUNIDADE REGULAMENTO DO MESTRADO EM TEATRO, ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO TEATRO E COMUNIDADE INTRODUÇÃO O Mestrado em Teatro, área de especialização em Teatro e Comunidade, é um programa de segundo ciclo, constituído

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES MODELO DE RELATÓRIO DE ACTIVIDADES AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE Nome: Escola: MODELO NORMALIZADO DE RELATÓRIO DE ACTIVIDADES NOME: ESCOLA: UTC: Categoria:

Leia mais

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ANIMAÇÃO DIGITAL

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ANIMAÇÃO DIGITAL REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ANIMAÇÃO DIGITAL CAPÍTULO I GRAU DE MESTRE Artigo 1.º Criação A ESAP Guimarães confere o grau de Mestre em Animação Digital. O ciclo de estudos

Leia mais

Reitoria. Universidade do Minho, 16 de fevereiro de 2012

Reitoria. Universidade do Minho, 16 de fevereiro de 2012 Reitoria Despacho RT-12/2012 Por proposta do Conselho Pedagógico do Instituto de Ciências Sociais, é homologado o Regulamento do Ciclo de Estudos Conducente à obtenção do Grau de Mestre em Geografia, anexo

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO (edição 2012-2014)

EDITAL MESTRADO EM SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO (edição 2012-2014) EDITAL MESTRADO EM SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO (edição 2012-) Nos termos do Decreto-Lei n.º 42/2005, de 22 de fevereiro, do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de março, com as alterações introduzidas pelo

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM TEATRO, ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO ENCENAÇÃO

REGULAMENTO DO MESTRADO EM TEATRO, ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO ENCENAÇÃO REGULAMENTO DO MESTRADO EM TEATRO, ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO ENCENAÇÃO INTRODUÇÃO O Mestrado em Teatro, área de especialização Encenação, é um programa de segundo ciclo, constituído por quatro semestres e

Leia mais

CD-CTFP-30-ARH/2011 Página 1

CD-CTFP-30-ARH/2011 Página 1 Edital n.º 1230/2011 Doutor Manuel António Cotão de Assunção, Professor Catedrático e Reitor da Universidade de Aveiro, faz saber que, pelo prazo de trinta dias úteis contados do dia útil imediato àquele

Leia mais

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM DESENHO

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM DESENHO REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM DESENHO CAPÍTULO I GRAU DE MESTRE Artigo 1.º Criação A ESAP - Guimarães confere o grau de Mestre em Desenho com Especialização em Prática

Leia mais

Regulamento da Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente da Escola Superior de Enfermagem de S. Francisco das Misericórdias

Regulamento da Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente da Escola Superior de Enfermagem de S. Francisco das Misericórdias Regulamento da Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente da Escola Superior de Enfermagem de S. Francisco das Misericórdias Preâmbulo O Regime Jurídico das Instituições de Ensino Superior (RJIES) aprovado

Leia mais

Normas Regulamentares dos Mestrados Versão: 03 Data: 13/03/2013

Normas Regulamentares dos Mestrados Versão: 03 Data: 13/03/2013 Normas Regulamentares dos Mestrados Versão: 03 Data: 13/03/2013 RG PR12 04 Elaborado: Verificado: Aprovado: Conselho Técnico Científico do IPB GPGQ Conselho Técnico Científico do IPB Pág. 1 de 16 Instituto

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 17/2015 Regulamento Relativo ao Pessoal Docente Especialmente Contratado da Universidade de Évora

ORDEM DE SERVIÇO Nº 17/2015 Regulamento Relativo ao Pessoal Docente Especialmente Contratado da Universidade de Évora ORDEM DE SERVIÇO Nº 17/2015 Regulamento Relativo ao Pessoal Docente Especialmente Contratado da Universidade de Évora Considerando que cabe às instituições de ensino superior aprovar a regulamentação necessária

Leia mais

Regulamento de Avaliação de Desempenho dos Docentes da Universidade Europeia

Regulamento de Avaliação de Desempenho dos Docentes da Universidade Europeia Regulamento de Avaliação de Desempenho dos Docentes da Universidade Europeia CAPITULO I Disposições gerais Artigo 1º Objecto 1. O presente regulamento tem como objectivo definir o processo de avaliação

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE ACESSO A CURSOS DE MESTRADOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA.

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE ACESSO A CURSOS DE MESTRADOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA. INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE ACESSO A CURSOS DE MESTRADOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA Edição 2014-2016 Nos termos do Decreto -Lei n.º 42/2005, de pelo 22 de

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Ciências do Desporto

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Ciências do Desporto UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Ciências do Desporto REGULAMENTO DO MESTRADO EM ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA NOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO (2º CICLO) Artigo 1.º Criação A Universidade da

Leia mais

Instituto Politécnico de Coimbra (IPC) Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente. Regulamento

Instituto Politécnico de Coimbra (IPC) Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente. Regulamento Instituto Politécnico de Coimbra (IPC) Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente Regulamento Artigo 1.º Objecto O presente regulamento define o processo de avaliação do desempenho do pessoal docente a

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR AVISO

S. R. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR AVISO AVISO Considerando o valor da variação do índice médio de preços no consumidor no continente relativo ao ano anterior, excluindo a habitação, publicado pelo Instituto Nacional de Estatística; Ao abrigo

Leia mais

Critérios de seleção e seriação de candidatos ao Programa Erasmus + 2º Ciclo - 2014/2015. a.condições de acesso

Critérios de seleção e seriação de candidatos ao Programa Erasmus + 2º Ciclo - 2014/2015. a.condições de acesso Critérios de seleção e seriação de candidatos ao Programa Erasmus + 2º Ciclo - 2014/2015 Cursos Análises Químicas Ambientais Critérios a.condições de acesso i) aprovação a um total de unidades curriculares

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DA ESCOLA DE PSICOLOGIA DA UNIVERSIDADE DO MINHO (RAD-EPSI)

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DA ESCOLA DE PSICOLOGIA DA UNIVERSIDADE DO MINHO (RAD-EPSI) REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DA ESCOLA DE PSICOLOGIA DA UNIVERSIDADE DO MINHO (RAD-EPSI) Regulamento de avaliação de desempenho dos docentes da Escola de Psicologia da Universidade

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 102 27 de maio de 2015 13575

Diário da República, 2.ª série N.º 102 27 de maio de 2015 13575 Diário da República, 2.ª série N.º 102 27 de maio de 2015 13575 Joaquim Luís Oliveira Costa, na categoria de Assistente Convidado, a 55 %, pelo prazo de oito meses, com efeitos a partir de 26 de março

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DO CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE 7 BOLSAS INDIVIDUAIS DE DOUTORAMENTO EM EMPRESA

AVISO DE ABERTURA DO CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE 7 BOLSAS INDIVIDUAIS DE DOUTORAMENTO EM EMPRESA AVISO DE ABERTURA DO CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE 7 BOLSAS INDIVIDUAIS DE DOUTORAMENTO EM EMPRESA PROGRAMA DE DOUTORAMENTO RESEARCH AND DEVELOPMENT OF DRUGS (DRUGS R&D) Ref.ª PDE/00017/2013 INTRODUÇÃO O

Leia mais

DESPACHO/SP/42/2014. Artigo 17.º. Enquadramento jurídico

DESPACHO/SP/42/2014. Artigo 17.º. Enquadramento jurídico DESPACHO/SP/42/2014 Aprovo a seguinte alteração ao Regulamento do Mestrado em Fisioterapia na área de especialização de movimento humano, ministrado na Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM FISIOTERAPIA ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE MOVIMENTO HUMANO (edição 2011-2013)

EDITAL MESTRADO EM FISIOTERAPIA ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE MOVIMENTO HUMANO (edição 2011-2013) EDITAL MESTRADO EM FISIOTERAPIA ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE MOVIMENTO HUMANO (edição 2011-2013) Nos termos do Decreto-Lei n.º 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março, com as

Leia mais

Artigo 1.º Criação. Artigo 2.º Âmbito de aplicação. Artigo 3.º Objetivos do curso. Artigo 4º Regras sobre a admissão no ciclo de estudos

Artigo 1.º Criação. Artigo 2.º Âmbito de aplicação. Artigo 3.º Objetivos do curso. Artigo 4º Regras sobre a admissão no ciclo de estudos UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Ciências do Desporto REGULAMENTO DO MESTRADO EM CIÊNCIAS DO DESPORTO (2º CICLO) Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através do Departamento

Leia mais

TESTE SELETIVO PARA A CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR. EDITAL Nº 10/2015 - Reitoria

TESTE SELETIVO PARA A CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR. EDITAL Nº 10/2015 - Reitoria EDITAL Nº 10/2015 - Reitoria O Reitor do Centro Universitário Autônomo do Brasil, UniBrasil torna público que estão abertas as inscrições para o teste seletivo de contratação de professor para a disciplina

Leia mais

Regulamento Geral de Estudos Pós-Graduados. do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa

Regulamento Geral de Estudos Pós-Graduados. do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa Regulamento Geral de Estudos Pós-Graduados do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de aplicação 1 O presente Regulamento Geral (RG) aplica-se

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DA GUARDA. Regulamento Geral de Avaliação

ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DA GUARDA. Regulamento Geral de Avaliação ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DA GUARDA Artigo 1º (Princípios Gerais) 1- Nos cursos ministrados pela Escola Superior de Educação da Guarda o regime de avaliação orienta-se pelos seguintes princípios gerais:

Leia mais

REGULAMENTO PARA A GESTÃO DE CARREIRAS DO PESSOAL NÃO DOCENTE CONTRATADO NO ÂMBITO DO CÓDIGO DO TRABALHO DA UNIVERSIDADE DO. Capítulo I.

REGULAMENTO PARA A GESTÃO DE CARREIRAS DO PESSOAL NÃO DOCENTE CONTRATADO NO ÂMBITO DO CÓDIGO DO TRABALHO DA UNIVERSIDADE DO. Capítulo I. Regulamentos REGULAMENTO PARA A GESTÃO DE CARREIRAS DO PESSOAL NÃO DOCENTE CONTRATADO NO ÂMBITO DO CÓDIGO DO TRABALHO DA UNIVERSIDADE DO PORTO Aprovado pelo Conselho de Gestão na sua reunião de 2011.01.20

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM CIÊNCIAS NUCLEARES APLICADAS NA SAÚDE (edição 2015-2017)

EDITAL MESTRADO EM CIÊNCIAS NUCLEARES APLICADAS NA SAÚDE (edição 2015-2017) EDITAL MESTRADO EM CIÊNCIAS NUCLEARES APLICADAS NA SAÚDE (edição 2015-) Nos termos do Decreto-Lei n.º 42/2005, de 22 de fevereiro, do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de março, com as alterações introduzidas

Leia mais

Mestrado em Sistemas de Informação. Regulamento

Mestrado em Sistemas de Informação. Regulamento Mestrado em Sistemas de Informação Regulamento Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º Introdução 1 - O presente Regulamento fixa as condições de funcionamento do ciclo de estudos conducente ao grau de

Leia mais

SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Terça-feira, 27 de maio de 2014 Número 101

SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Terça-feira, 27 de maio de 2014 Número 101 II SÉRIE Terça-feira, 27 de maio de 2014 Número 101 ÍNDICE SUPLEMENTO PARTE C Ministério da Educação e Ciência Direção-Geral da Administração Escolar: Aviso n.º 6472-A/2014: Abertura do concurso externo

Leia mais

MESTRADOS. Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Jornalismo.

MESTRADOS. Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Jornalismo. MESTRADOS REGIME DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO JORNALISMO Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Jornalismo. Artigo 2.º Destinatários O Mestrado em Jornalismo

Leia mais

Proposta de decreto-lei que altera o DL n.º 132/2012, de 27 de junho

Proposta de decreto-lei que altera o DL n.º 132/2012, de 27 de junho Proposta de decreto-lei que altera o DL n.º 132/2012, de 27 de junho (PREÂMBULO) Artigo 1.º Objeto O presente diploma procede à alteração do Decreto-Lei n.º 132/2012, de 27 de junho. Artigo 2.º Alterações

Leia mais

DESPACHO. N.º 21 /2011 Data: 2011/05/30 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente

DESPACHO. N.º 21 /2011 Data: 2011/05/30 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente DESPACHO N.º 21 /2011 Data: 2011/05/30 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente ASSUNTO: Regulamento de Cursos de Especialização Tecnológica da ESTeSL. No âmbito da sua missão e objectivos

Leia mais

Normas Regulamentares do Curso de Jornalismo Comunicação e Cultura

Normas Regulamentares do Curso de Jornalismo Comunicação e Cultura 0 APROVADO POR: Conselho Técnico-Científico 20 10 2010 Data: / / 20 10 2010 Normas Regulamentares do Curso de Jornalismo Comunicação e Cultura 1. INTRODUÇÃO As presentes normas aplicam se aos cursos de

Leia mais

TESTE SELETIVO PARA A CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR. EDITAL Nº 08/2015 - Reitoria

TESTE SELETIVO PARA A CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR. EDITAL Nº 08/2015 - Reitoria EDITAL Nº 08/2015 - Reitoria O Reitor do Centro Universitário Autônomo do Brasil, UniBrasil torna público que estão abertas as inscrições para o teste seletivo de contratação de professor para as disciplinas

Leia mais

PLANO DE CARREIRA DOCENTE

PLANO DE CARREIRA DOCENTE PLANO DE CARREIRA DOCENTE 2013 1 ÍNDICE CAPÍTULO I Do Regulamento 03 CAPÍTULO II Das Atribuições do Magistério no Ensino Superior 03 CAPÍTULO III Do Corpo Docente 04 CAPÍTULO IV Da Organização do Quadro

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PÓS-GRADUAÇÃO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS. 1.ª Edição 2011-2012

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PÓS-GRADUAÇÃO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS. 1.ª Edição 2011-2012 INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PÓS-GRADUAÇÃO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS 1.ª Edição 2011-2012 Nos termos do disposto no artigo 8.º, n.º 1, a), do Regime Jurídico das Instituições do Ensino Superior, aprovado

Leia mais

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS E PROJECTOS DE PÓS-DOUTORAMENTO NA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS E PROJECTOS DE PÓS-DOUTORAMENTO NA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DOS PROGRAMAS E PROJECTOS DE PÓS-DOUTORAMENTO NA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Considerando o disposto no Decreto-Lei n.º 74/2006, de 24 de Março (na versão actualizada pelo

Leia mais

POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS. Concurso N.º 7/2007

POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS. Concurso N.º 7/2007 MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS CONCURSO INTERNO DE ACESSO PARA O POSTO DE AGENTE PRINCIPAL DO QUADRO DO PESSOAL COM

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando a vontade comum do

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Doutoramento em Educação Especialização: Administração e Política Educacional Edição Instituto de Educação da Universidade de

Leia mais

Mestrado em Gerontologia Social

Mestrado em Gerontologia Social Mestrado em Gerontologia Social Apresentação O Programa de Mestrado em Gerontologia Social do Instituto Superior Bissaya Barreto (ISBB), com estrutura curricular e plano de estudos constantes do Despacho

Leia mais

TÍTULO I TÍTULO II. Regras gerais sobre a oferta educativa da Universidade Aberta (UAb) Ciclos de estudos conducentes ao grau de licenciado

TÍTULO I TÍTULO II. Regras gerais sobre a oferta educativa da Universidade Aberta (UAb) Ciclos de estudos conducentes ao grau de licenciado Diário da República, 2.ª série N.º 59 25 de março de 2013 10441 Consultoria e Registos, o referido na alínea l) quando se trate de questões do âmbito das respetivas atribuições e relativamente às quais

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE BOLSISTA DE PÓS-DOUTORADO (PNPD) PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTATÍSTICA APLICADA E BIOMETRIA (PPGEAB)

PROCESSO SELETIVO DE BOLSISTA DE PÓS-DOUTORADO (PNPD) PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTATÍSTICA APLICADA E BIOMETRIA (PPGEAB) EDITAL N o 019/2016 PROCESSO SELETIVO DE BOLSISTA DE PÓS-DOUTORADO (PNPD) PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTATÍSTICA APLICADA E BIOMETRIA (PPGEAB) O da Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL-MG) torna pública

Leia mais

REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM DIREITO. Cap. I DISPOSIÇÕES GERAIS (artigos 1.º a 3.º)

REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM DIREITO. Cap. I DISPOSIÇÕES GERAIS (artigos 1.º a 3.º) REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM DIREITO Cap. I DISPOSIÇÕES GERAIS (artigos 1.º a 3.º) Cap. II CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE DOUTOR EM DIREITO (artigos 4.º a 32.º) SECÇÃO I Disposições Gerais (artigos

Leia mais

Regulamento de Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente do Instituto Superior de Ciências Educativas de Felgueiras (RADPD_ISCE)

Regulamento de Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente do Instituto Superior de Ciências Educativas de Felgueiras (RADPD_ISCE) RADPD_ISCE 1 O Conselho Técnico-Científico, na sua reunião de 6 de maio de 2015, deliberou, por unanimidade, assumir que todos os regulamentos do ISCE de Felgueiras transitam para a nova instituição, deliberação

Leia mais

EDITAL Nº1/2015 - BOLSA PNPD/CAPES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE E DESENVOLVIMENTO NA REGIÃO CENTRO-OESTE

EDITAL Nº1/2015 - BOLSA PNPD/CAPES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE E DESENVOLVIMENTO NA REGIÃO CENTRO-OESTE EDITAL Nº1/2015 - BOLSA PNPD/CAPES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE E DESENVOLVIMENTO NA REGIÃO CENTRO-OESTE 1. FINALIDADE 1.1. Abrir as inscrições e estabelecer as condições de seleção para ingresso

Leia mais

Instituto Ciências da Saúde. da Universidade Católica Portuguesa PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO

Instituto Ciências da Saúde. da Universidade Católica Portuguesa PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO Instituto Ciências da Saúde da Universidade Católica Portuguesa PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO 1 CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade internacional

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ EDITAL Nº 09/2014 CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR DO MAGISTÉRIO SUPERIOR CAMPUS DA UFC EM SOBRAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ EDITAL Nº 09/2014 CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR DO MAGISTÉRIO SUPERIOR CAMPUS DA UFC EM SOBRAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ EDITAL Nº 09/2014 CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR DO MAGISTÉRIO SUPERIOR CAMPUS DA UFC EM SOBRAL O Reitor da Universidade Federal do Ceará, tendo em

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 37 21 de fevereiro de 2012 855

Diário da República, 1.ª série N.º 37 21 de fevereiro de 2012 855 Diário da República, 1.ª série N.º 37 21 de fevereiro de 2012 855 Artigo 150.º Docentes do ensino particular e cooperativo (Renumerado pelo Decreto -Lei n.º 1/98, de 1 de Janeiro.) (Revogado.) Artigo 151.º

Leia mais

CRONOGRAMA DO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES 2015/2º SEM.

CRONOGRAMA DO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES 2015/2º SEM. CRONOGRAMA DO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES 2015/2º SEM. ATIVIDADES DATAS Publicação do Edital 29 de agosto de 2015 Período de inscrições de 31 de agosto a 29 de setembro de 2015 Período de realização

Leia mais

ÍNDICE ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DE SANTARÉM 1. ÍNDICE 2. PROMULGAÇÃO 3. DESCRIÇÃO DA ESCOLA. 3.1 História. 3.2 Objetivo e Domínio da Certificação

ÍNDICE ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DE SANTARÉM 1. ÍNDICE 2. PROMULGAÇÃO 3. DESCRIÇÃO DA ESCOLA. 3.1 História. 3.2 Objetivo e Domínio da Certificação ÍNDICE 1. ÍNDICE 2. PROMULGAÇÃO 3. DESCRIÇÃO DA ESCOLA 3.1 História 3.2 Objetivo e Domínio da Certificação 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 4.1 Processos 4.2 Requisitos da Documentação 4.3 Controlo dos

Leia mais

EDITAL. Instituto Politécnico de Viseu MESTRADO EM ENFERMAGEM VETERINÁRIA DE ANIMAIS DE COMPANHIA ANO LECTIVO: 2016/2018.

EDITAL. Instituto Politécnico de Viseu MESTRADO EM ENFERMAGEM VETERINÁRIA DE ANIMAIS DE COMPANHIA ANO LECTIVO: 2016/2018. Escola Superior Agrária Instituto Politécnico de Viseu MESTRADO EM ENFERMAGEM VETERINÁRIA DE ANIMAIS DE COMPANHIA EDITAL ANO LECTIVO: 2016/2018 2ª Edição 1. NOTA INTRODUTÓRIA O Mestrado em Enfermagem Veterinária

Leia mais

TESTE SELETIVO PARA A CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR EDITAL Nº 27/2015

TESTE SELETIVO PARA A CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR EDITAL Nº 27/2015 EDITAL Nº 27/2015 O Reitor do Centro Universitário Autônomo do Brasil, UniBrasil torna público que estão abertas as inscrições para o teste seletivo de contratação de professor para as disciplinas Politica

Leia mais

EDITAL Nº. 48/08 - DG TESTE SELETIVO PARA A CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR COLABORADOR I

EDITAL Nº. 48/08 - DG TESTE SELETIVO PARA A CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR COLABORADOR I EDITAL Nº. 48/08 - DG TESTE SELETIVO PARA A CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR COLABORADOR I O Diretor Geral das Faculdades Integradas do Brasil torna público que estão abertas as inscrições para o teste seletivo

Leia mais

Regulamento do curso de Mestrado em Engenharia Industrial

Regulamento do curso de Mestrado em Engenharia Industrial Regulamento do curso de Mestrado em Engenharia Industrial REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA INDUSTRIAL Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento dá cumprimento ao

Leia mais

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Nº 002/2014

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Nº 002/2014 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Nº 0/014 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA A CONTRATAÇÃO DE DOCENTES POR TEMPO DETERMINADO PARA O ANO DE 014, NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DO IMES, DE ACORDO COM A NECESSIDADE

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento dá cumprimento ao estabelecido no Regulamento dos Cursos de Pós-Graduação

Leia mais

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO NÃO GRADUADA SECÇÃO I COORDENADOR DE CURSO. Artigo 1.º Coordenador de Curso

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO NÃO GRADUADA SECÇÃO I COORDENADOR DE CURSO. Artigo 1.º Coordenador de Curso REGULAMENTO DA FORMAÇÃO NÃO GRADUADA SECÇÃO I COORDENADOR DE CURSO Artigo 1.º Coordenador de Curso 1. A coordenação pedagógica e científica de um curso de formação não graduada cabe, em regra, a um docente

Leia mais

Projecto de Avaliação do Desempenho Docente. Preâmbulo. Artigo 1.º. Objecto. Básico e Secundário, adiante abreviadamente designado por ECD. Artigo 2.

Projecto de Avaliação do Desempenho Docente. Preâmbulo. Artigo 1.º. Objecto. Básico e Secundário, adiante abreviadamente designado por ECD. Artigo 2. Projecto de Avaliação do Desempenho Docente Preâmbulo ( ) Artigo 1.º Objecto O presente diploma regulamenta o sistema de avaliação do desempenho do pessoal docente estabelecido no Estatuto da Carreira

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM 01 APROVADO POR: CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO 16 03 2012 Data: 16/03/2012 REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação)

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ZOOTÉCNICA / PRODUÇÃO ANIMAL

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ZOOTÉCNICA / PRODUÇÃO ANIMAL REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ZOOTÉCNICA / PRODUÇÃO ANIMAL Ao abrigo do Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março, e do disposto na Deliberação nº 1487/2006 de 26 de Outubro, da

Leia mais

EDITAL Nº. 13/14 - DG TESTE SELETIVO PARA A CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR COLABORADOR I

EDITAL Nº. 13/14 - DG TESTE SELETIVO PARA A CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR COLABORADOR I EDITAL Nº. 13/14 - DG TESTE SELETIVO PARA A CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR COLABORADOR I O Diretor Geral das Faculdades Integradas do Brasil torna público que estão abertas as inscrições para o teste seletivo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS IFSULDEMINAS Conselho Superior Rua Ciomara de Paula, 167- Bairro

Leia mais

Edital de Seleção para Bolsista do Programa PNPD/CAPES

Edital de Seleção para Bolsista do Programa PNPD/CAPES UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL, DO TRABALHO E DAS ORGANIZAÇÕES (PPG-PSTO) EDITAL Nº 03/2013 Edital de Seleção para Bolsista do Programa PNPD/CAPES 1 PREÂMBULO 1.1

Leia mais

Secção I Disposições Gerais. Artigo 1 (Objeto)

Secção I Disposições Gerais. Artigo 1 (Objeto) UNIVERSIDADE uni _ UNIVERSIDADE DE CABO VERDE ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E AMBIENTAIS PROGRAMA DO CONCURSO CONCURSO N Ol-ECAA/20l5 Secção I Disposições Gerais Artigo 1 (Objeto) o presente regulamento

Leia mais

Programas de Pós-Graduação em Filosofia Mestrado, Doutoramento e Pós-Doutoramento

Programas de Pós-Graduação em Filosofia Mestrado, Doutoramento e Pós-Doutoramento Programas de Pós-Graduação em Filosofia Mestrado, Doutoramento e Pós-Doutoramento A experiência de duas décadas de funcionamento de programas de pós-graduação em Filosofia revelou a necessidade de conceber

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Universidade do Estado do Rio Grande do Norte Universidade Federal Rural do Semi-Árido

Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Universidade do Estado do Rio Grande do Norte Universidade Federal Rural do Semi-Árido Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Universidade do Estado do Rio Grande do Norte Universidade Federal Rural do Semi-Árido Edital 02/2015 - PPgCC/UERN PROCESSO SELETIVO PARA BOLSA DE PÓS-DOUTORADO

Leia mais

QUADRO DE CARREIRA DOCENTE DA EDUCAÇÃO SUPERIOR FACULDADE TRES DE MAIO SETREM

QUADRO DE CARREIRA DOCENTE DA EDUCAÇÃO SUPERIOR FACULDADE TRES DE MAIO SETREM QUADRO DE CARREIRA DOCENTE DA EDUCAÇÃO SUPERIOR FACULDADE TRES DE MAIO SETREM O presente documento apresenta o Quadro de Carreira Docente (QCD) da Educação Superior da Sociedade Educacional Três de Maio

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO ALUNO ESPECIAL Nº. 01/2016 SEMESTRE 2016.1 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA MESTRADO ACADÊMICO

EDITAL DE SELEÇÃO ALUNO ESPECIAL Nº. 01/2016 SEMESTRE 2016.1 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA MESTRADO ACADÊMICO EDITAL DE SELEÇÃO ALUNO ESPECIAL Nº. 01/2016 SEMESTRE 2016.1 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA MESTRADO ACADÊMICO 1. PREÂMBULO A Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu. Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS

Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu. Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março,

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando as orientações políticas

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE BASE DE RECRUTAMENTO

CONSTITUIÇÃO DE BASE DE RECRUTAMENTO CONSTITUIÇÃO DE BASE DE RECRUTAMENTO Anúncio para convite à apresentação de currículos para constituição de uma base de recrutamento 1 com vista à contratação de monitores de investigação a tempo parcial,

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DE SANTARÉM ANÚNCIO CONSTITUIÇÃO DE BASE DE RECRUTAMENTO

ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DE SANTARÉM ANÚNCIO CONSTITUIÇÃO DE BASE DE RECRUTAMENTO ANÚNCIO CONSTITUIÇÃO DE BASE DE RECRUTAMENTO Anúncio para convite à apresentação de currículos para constituição de uma base de recrutamento com vista à contratação de dois (2) monitores de investigação

Leia mais

Regulamento dos Estágios de Formação do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, I. P. (INSA, I. P.)

Regulamento dos Estágios de Formação do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, I. P. (INSA, I. P.) Regulamento dos Estágios de Formação do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, I. P. (INSA, I. P.) É atribuição do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, I. P. (INSA, I. P.) no sector da

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Psicologia e Educação

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Psicologia e Educação UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Psicologia e Educação REGULAMENTO DO MESTRADO EM SUPERVISÃO PEDAGÓGICA (2º CICLO) Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através do Departamento

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº 19, de 25 de

Leia mais

Universidade Federal da Bahia Escola de Administração da UFBA Departamento de Sistemas e Processos Gerenciais

Universidade Federal da Bahia Escola de Administração da UFBA Departamento de Sistemas e Processos Gerenciais EDITAL INTERNO Nº 01/2012 PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE DOCENTE POR TEMPO DETERMINADO O Chefe do da Escola de Administração da Universidade Federal da Bahia UFBA, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 31 de julho de 2015. Série. Número 138

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 31 de julho de 2015. Série. Número 138 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 31 de julho de 2015 Série Suplemento Sumário ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA MADEIRA Aviso n.º 206/2015 Lista final dos candidatos admitidos e excluídos

Leia mais

1. ENQUADRAMENTO 2. METODOLOGIA

1. ENQUADRAMENTO 2. METODOLOGIA MATRIZ PARA PONDERAÇÃO CURRICULAR PARA OS ANOS DE 20 E 206 de acordo com o disposto no artigo 4.º da Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro. ENQUADRAMENTO A presente matriz de avaliação tem por base a ponderação

Leia mais

EDITAL. 2. Podem ser opositores ao concurso deste curso de mestrado:

EDITAL. 2. Podem ser opositores ao concurso deste curso de mestrado: EDITAL 1. Faz-se público que está aberto concurso para admissão ao Curso de Mestrado em Tecnologias de Informação e Comunicação em Educação, a iniciar no 1º semestre do ano letivo de 2015/2016 na Escola

Leia mais

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES, PROGRAMAS E TABELA DE PONTUAÇÃO PARA JULGAMENTO DE TÍTULOS

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES, PROGRAMAS E TABELA DE PONTUAÇÃO PARA JULGAMENTO DE TÍTULOS DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL CONCURSO PÚBLICO PARA ENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº 05, de 11 de fevereiro de 2014, publicado no Diário Oficial da União nº 30, de 12 de fevereiro de 2014. INFORMAÇÕES

Leia mais

EDITAL Nº. 36/08 - DG TESTE SELETIVO PARA A CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR COLABORADOR I

EDITAL Nº. 36/08 - DG TESTE SELETIVO PARA A CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR COLABORADOR I EDITAL Nº. 36/08 - DG TESTE SELETIVO PARA A CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR COLABORADOR I O Diretor Geral das Faculdades Integradas do Brasil torna público que estão abertas as inscrições para o teste seletivo

Leia mais

REGULAMENTO DO FUNDO DE APOIO À COMUNIDADE CIENTÍFICA (FACC)

REGULAMENTO DO FUNDO DE APOIO À COMUNIDADE CIENTÍFICA (FACC) REGULAMENTO DO FUNDO DE APOIO À COMUNIDADE CIENTÍFICA (FACC) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Âmbito e objeto Artigo 2.º Destinatários dos apoios Artigo 3.º Responsáveis pela candidatura Artigo

Leia mais

c) Os parâmetros estabelecidos a nível nacional para a avaliação externa estabelecidos pelo Ministério da Educação e Ciência.

c) Os parâmetros estabelecidos a nível nacional para a avaliação externa estabelecidos pelo Ministério da Educação e Ciência. DIRETIVAS DA SECÇÃO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE (SADD) Ano letivo 2012/2013 A Secção de Avaliação do Desempenho Docente, no cumprimento do estipulado no Decreto Regulamentar n.º 26/2012, de 21 de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO E EDUCAÇÃO FÍSICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO E EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO E EDUCAÇÃO FÍSICA EDITAL Nº 3/2013 PPGEF/CEFD/UFES A COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO E EDUCAÇÃO

Leia mais

AVISO BOLSA DE GESTÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA (BGCT)

AVISO BOLSA DE GESTÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA (BGCT) AVISO BOLSA DE GESTÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA (BGCT) O Instituto Português do Mar e da Atmosfera, I.P./IPMA abre concurso, no prazo de 10 (dez) dias úteis a contar da data de publicação deste anúncio,

Leia mais

REGIMENTO Interno Avaliação De Desempenho Docente

REGIMENTO Interno Avaliação De Desempenho Docente REGIMENTO Interno Avaliação De Desempenho Docente ÍNDICE Artigo 1.º Disposições iniciais e princípios gerais 3 Artigo 2.º Docentes avaliados 4 Artigo 3.º Momento em que ocorre a avaliação de desempenho

Leia mais

Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Música de Lisboa MESTRADO EM ENSINO DA MÚSICA REGULAMENTO SECÇÃO I DA ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO CURSO

Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Música de Lisboa MESTRADO EM ENSINO DA MÚSICA REGULAMENTO SECÇÃO I DA ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO CURSO Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Música de Lisboa MESTRADO EM ENSINO DA MÚSICA REGULAMENTO SECÇÃO I DA ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO CURSO Artigo 1º Objecto 1 O presente regulamento aplica-se

Leia mais

Regulamento de Funcionamento e Avaliação dos Mestrados da APNOR

Regulamento de Funcionamento e Avaliação dos Mestrados da APNOR ASSOCIAÇÃO DE POLITÉCNICOS DO NORTE (APNOR) Instituto Politécnico de Bragança Instituto Politécnico do Cávado e do Ave Instituto Politécnico do Porto Instituto Politécnico de Viana do Castelo Regulamento

Leia mais

REGULAMENTO ACADÉMICO. IV. Disposições específicas para mestrados REG-001/V00

REGULAMENTO ACADÉMICO. IV. Disposições específicas para mestrados REG-001/V00 IV. Disposições específicas para mestrados Artigo 1º Concessão do Grau O grau de mestre é conferido através da aprovação em todas as unidades curriculares que integram o plano de estudos do mestrado e

Leia mais

AVISO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSA PARA PÓS-DOUTORAMENTO

AVISO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSA PARA PÓS-DOUTORAMENTO AVISO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSA PARA PÓS-DOUTORAMENTO Referência 02_2014_DAC-AE Encontra-se aberto concurso para a atribuição de uma Bolsa para Pós-Doutoramento no âmbito de projeto de investigação sobre

Leia mais