CENTRO DE ARBITRAGEM PARA A PROPRIEDADE INDUSTRIAL, NOMES DE DOMÍNIO, FIRMAS E DENOMINAÇÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO DE ARBITRAGEM PARA A PROPRIEDADE INDUSTRIAL, NOMES DE DOMÍNIO, FIRMAS E DENOMINAÇÕES"

Transcrição

1 CENTRO DE ARBITRAGEM PARA A PROPRIEDADE INDUSTRIAL, NOMES DE DOMÍNIO, FIRMAS E DENOMINAÇÕES Roadshow Centro de Mediação, Conciliação e Arbitragem da AIP- AEP 1 JULHO DE 2014, LISBOA

2 1. O que é o ARBITRARE? 2. Competência do ARBITRARE 3. Quais as partes envolvidas nos litígios? 4. Os serviços do ARBITRARE 5. As fases do Processo Arbitral 6. Arbitragem no ARBITRARE 7. Quais as vantagens do ARBITRARE?

3 1. O QUE É O ARBITRARE?

4 ARBITRARE CENTRO DE ARBITRAGEM INSTITUCIONALIZADA Constituído a Associação Privada sem Fins Lucrativos, Associados Fundadores: APREGI Associação de Prestadores de Registos de Domínios e Alojamento APOGEN Associação Portuguesa de Medicamentos Genéricos 1. O que é o ARBITRARE?

5 AEP Associação Empresarial de Portugal AIP-CCI Associação Industrial Portuguesa-Câmara de Comércio e Indústria AIMMAP Associação dos Industriais Metalúrgicos, Metalomecânicos e Afins de Portugal APED Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição APIFARMA Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica CENTROMARCA Associação Portuguesa de Empresas de Produtos de Marca ACEPI Associação do Comércio Electrónico e Publicidade Interactiva ACPI Associação Portuguesa dos Consultores em Propriedade Intelectual 1. O que é o ARBITRARE?

6 2. COMPETÊNCIA DO ARBITRARE

7 ARBITRARE competência para resolver litígios em matérias de: Propriedade Industrial Nomes de Domínio.PT Firmas e Denominações 2. Competência do ARBITRARE

8 Litígios emergentes de Direitos de Propriedade Industrial Medicamentos de Referência Medicamentos Genéricos Submetidos a arbitragem necessária nos termos da lei 2. Competência do ARBITRARE

9 3. QUAIS AS PARTES ENVOLVIDAS NOS LITÍGIOS?

10 Particulares Particulares e Organismos competentes para conceder ou recusar registos Instituto Nacional da Propriedade Industrial Instituto dos Registos e do Notariado Associação DNS.PT 3. Quais as partes envolvidas nos litígios?

11 Dois litígios resolvidos no ARBITRARE: 1. Litígio entre duas marcas nacionais 2. Litígio entre uma marca comunitária e um nome de domínio.pt 3. Quais as partes envolvidas nos litígios?

12 1. ENTRE DUAS MARCAS A titular da marca nacional SR. BIFE RESTAURANTE desde B titular da marca nacional RESTAURANTE BAR O SR. BIFE desde Instituto Nacional da Propriedade Industrial 3. Quais as partes envolvidas nos litígios?

13 1. ENTRE DUAS MARCAS (Cont.) A, titular da marca nacional SR. BIFE RESTAURANTE, recorreu ao ARBITRARE pedindo contra: B que se abstivesse de utilizar a marca RESTAURANTE BAR O SR. BIFE e que fosse condenado no pagamento de uma indemnização INPI requerendo a revogação do Despacho de Concessão da marca concedida ao B 3. Quais as partes envolvidas nos litígios?

14 2. ENTRE UMA MARCA E UM NOME DE DOMÍNIO A titular da marca comunitária FLY LONDON desde B titular do nome de domínio FLY LONDON.PT desde Quais as partes envolvidas nos litígios?

15 2. ENTRE UMA MARCA E UM NOME DE DOMÍNIO A, titular da marca comunitária FLY LONDON, recorreu ao ARBITRARE pedindo contra: B, titular do nome de domínio FLY LONDON.PT, que fosse determinada a perda do direito ao uso daquele nome de domínio e ordenada a transferência da titularidade para o A. 3. Quais as partes envolvidas nos litígios?

16 4. OS SERVIÇOS DO ARBITRARE

17 Serviço Informação Composto por técnicos com formação jurídica e formação específica nas áreas abrangidas pela competência do ARBITRARE Serviço Mediação Tribunal Arbitral Composto por técnicos especializados MEDIADORES que tenham frequentado um curso realizado por entidade certificada pelo Ministério da Justiça Composto por ÁRBITROS de reconhecido mérito com conhecimentos especializados nas áreas de competência do ARBITRARE 4. Os serviços do ARBITRARE

18 5. AS FASES DO PROCESSO ARBITRAL

19 FASE 1 FASE 2 FASE 3 Apresentação de Peças Processuais pelas Partes Mediação Arbitragem Requerimento Inicial Contestação Alegações (Apresentadas por via eletrónica na aplicação informática) Fase facultativa Só tem lugar se todas as partes envolvidas no litígio aceitarem submetê-lo a mediação Constituição do Tribunal Arbitral Decisão Arbitral - 6 meses Tem carácter obrigatório entre as partes e força executiva 5. As Fases do Processo Arbitral

20 6. ARBITRAGEM NO ARBITRARE

21 ÁRBITRO ÚNICO (Arbitragem Vol.) TRIBUNAL ARBITRAL TRÊS ÁRBITROS (Arbitragem Nec.) 6. Arbitragem no ARBITRARE

22 Requisitos dos Árbitros ÁRBITROS Listas de Árbitros 6. Arbitragem no ARBITRARE

23 Lugar da Arbitragem Meios de Prova Audiência Decisão Arbitral Custos da Arbitragem Duração do Processo 6. Arbitragem no ARBITRARE

24 Regulamentos de Arbitragem e de Encargos Processuais do ARBITRARE REGRAS Código Deontológico do Árbitro Lei da Arbitragem Voluntária (Lei n.º 63/2012, 14 de dezembro) 6. Arbitragem no ARBITRARE

25 7. QUAIS AS AS VANTAGENS DO ARBITRARE?

26 SIMPLES E RÁPIDO ESPECIALIZAÇÃO SEGURO CONFIDENCIALIDADE ONLINE BILINGUE 7. Quais as vantagens do ARBITRARE?

27 Todos os Direitos Reservados 2014

CENTRO DE ARBITRAGEM PARA A PROPRIEDADE INDUSTRIAL, NOMES DE DOMÍNIO, FIRMAS E DENOMINAÇÕES

CENTRO DE ARBITRAGEM PARA A PROPRIEDADE INDUSTRIAL, NOMES DE DOMÍNIO, FIRMAS E DENOMINAÇÕES CENTRO DE ARBITRAGEM PARA A PROPRIEDADE INDUSTRIAL, NOMES DE DOMÍNIO, FIRMAS E DENOMINAÇÕES Roadshow Centro de Mediação, Conciliação e Arbitragem da AIP- AEP 11 SETEMBRO 2014, COIMBRA 1. O que é o ARBITRARE?

Leia mais

01 JULHO 2014 LISBOA GJ AIP-CCI

01 JULHO 2014 LISBOA GJ AIP-CCI 01 JULHO 2014 LISBOA GJ AIP-CCI 1 CENTRO DE MEDIAÇÃO, CONCILIAÇÃO E ARBITRAGEM 2 PONTOS DA INTERVENÇÃO: SOBRE O CENTRO DE ARBITRAGEM PROPRIAMENTE DITO: GÉNESE LEGAL DESTE CENTRO ESTRUTURA ORGÂNICA ÂMBITO

Leia mais

PROTOCOLO DE CRIAÇÃO. 10 de Maio de 2006

PROTOCOLO DE CRIAÇÃO. 10 de Maio de 2006 PROTOCOLO DE CRIAÇÃO 10 de Maio de 2006 Quem é parte no Protocolo? A criação do Centro de Informação, Mediação e Arbitragem de Dívidas Hospitalares CIMADH é iniciada através de um Protocolo promovido pelo

Leia mais

NovasRegras de Registo de Nomes de Domínio.PT principais alterações

NovasRegras de Registo de Nomes de Domínio.PT principais alterações AGENDA: Novas Regras de registo de nomes de domínio.pt, principais alterações; Nova tabela de preços e novas condições comerciais para os Registrars; Campanha de divulgação; Questões Flexibilização no

Leia mais

ESTATUTOS. Artigo 1.º Denominação e sede

ESTATUTOS. Artigo 1.º Denominação e sede ESTATUTOS Artigo 1.º Denominação e sede 1. A associação adopta a denominação CAAD Centro de Arbitragem Administrativa. 2. A associação tem a sua sede na Avenida Duque de Loulé, n.º 72 A, freguesia de Santo

Leia mais

1. QUADRO DE REFERÊNCIA

1. QUADRO DE REFERÊNCIA PROTOCOLO entre Ministério da Justiça Presidência do Conselho de Ministros APS Associação Portuguesa de Seguradores DECO Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor ACP Automóvel Clube de Portugal

Leia mais

PROTOCOLO DE CRIAÇÃO. 5 de Maio de 2006

PROTOCOLO DE CRIAÇÃO. 5 de Maio de 2006 PROTOCOLO DE CRIAÇÃO DO 5 de Maio de 2006 Quem é parte no Protocolo? O Sistema de Mediação Laboral é criado através de um Protocolo promovido pelo Ministério da Justiça e assinado pelas seguintes entidades:

Leia mais

O recurso à Arbitragem e as suas vantagens

O recurso à Arbitragem e as suas vantagens O recurso à Arbitragem e as suas vantagens Modo de resolução jurisdicional de controvérsias em que, com base na vontade das partes, a decisão é confiada a um terceiro. Para este efeito, considera-se terceiro

Leia mais

REGULAMENTO. Capítulo I Disposições gerais

REGULAMENTO. Capítulo I Disposições gerais REGULAMENTO DO CENTRO DE ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA INSTITUCIONALIZADA DO INSTITUTO DOS VALORES MOBILIÁRIOS Capítulo I Disposições gerais Artigo 1º O presente Regulamento aplica-se às arbitragens que decorram

Leia mais

A ÁREA DE PRÁTICA DE DIREITO PÚBLICO DA ABBC

A ÁREA DE PRÁTICA DE DIREITO PÚBLICO DA ABBC ABBC A atuação da ABBC assenta na independência, no profissionalismo e na competência técnica dos seus advogados e colaboradores, com o escrupuloso respeito das regras deontológicas que presidem ao exercício

Leia mais

Iª REUNIÃO DO CONSELHO TÉCNICO DO CENTRO NACIONAL DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

Iª REUNIÃO DO CONSELHO TÉCNICO DO CENTRO NACIONAL DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DAS TELECOMUNICAÇÕES E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO CENTRO NACIONAL DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Iª REUNIÃO DO CONSELHO TÉCNICO DO CENTRO NACIONAL DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

Leia mais

ESTATUTOS CENTRO ARBITRAGEM DA CÂMARA DE COMÉRCIO DE BARLAVENTO/ AGREMIAÇÃO EMPRESARIAL. Artigo 1º: Da constituição e sede do Centro de Arbitragem

ESTATUTOS CENTRO ARBITRAGEM DA CÂMARA DE COMÉRCIO DE BARLAVENTO/ AGREMIAÇÃO EMPRESARIAL. Artigo 1º: Da constituição e sede do Centro de Arbitragem ESTATUTOS CENTRO ARBITRAGEM DA CÂMARA DE COMÉRCIO DE BARLAVENTO/ AGREMIAÇÃO EMPRESARIAL Artigo 1º: Da constituição e sede do Centro de Arbitragem 1. O Centro de Arbitragem foi criado pela Câmara de Comércio

Leia mais

Processo de arbitragem n.º 78/2015. Sentença

Processo de arbitragem n.º 78/2015. Sentença Processo de arbitragem n.º 78/2015 Demandante: A Demandada: B Árbitro único: Jorge Morais Carvalho Sentença I Processo 1. O processo correu os seus termos em conformidade com o Regulamento do Centro Nacional

Leia mais

Propriedade Industrial e o Papel do Poder Judiciário

Propriedade Industrial e o Papel do Poder Judiciário 196 Propriedade Industrial e o Papel do Poder Judiciário Luiz Alberto Carvalho Alves 1 O direito de propriedade consiste nos atributos concedidos a qualquer sujeito de direito, de usar, gozar, fruir e

Leia mais

REGULAMENTO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DE CONFLITOS DE CONSUMO

REGULAMENTO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DE CONFLITOS DE CONSUMO REGULAMENTO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DE CONFLITOS DE CONSUMO CAPÍTULO I Serviço de Informação e Mediação SECÇÃO I Disposições gerais Artigo 1.º Composição O Serviço de Informação e Mediação

Leia mais

FUNCHAL. CAE Rev_3 68312 ACTIVIDADES DE ANGARIAÇÃO IMOBILIÁRIA ÂMBITO:

FUNCHAL. CAE Rev_3 68312 ACTIVIDADES DE ANGARIAÇÃO IMOBILIÁRIA ÂMBITO: O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE Rev_3 68312 ACTIVIDADES DE ANGARIAÇÃO IMOBILIÁRIA

Leia mais

PROPRIEDADE INDUSTRIAL Proteger a Inovação. José Maurício Vogal do Conselho Diretivo do INPI

PROPRIEDADE INDUSTRIAL Proteger a Inovação. José Maurício Vogal do Conselho Diretivo do INPI PROPRIEDADE INDUSTRIAL Proteger a Inovação José Maurício Vogal do Conselho Diretivo do INPI Inovação Criação de Valor Inovação contínua Criação de Conhecimento Vantagem Competitiva Sucesso comercial A

Leia mais

ESTATUTOS DO CENTRO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA ORDEM DOS NOTÁRIOS. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1.º

ESTATUTOS DO CENTRO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA ORDEM DOS NOTÁRIOS. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1.º Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º Natureza, âmbito, objecto e sede 1. O Centro de Informação, Mediação e Arbitragem da Ordem dos Notários (adiante designado por Centro), é a instituição de arbitragem,

Leia mais

O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL UM NOVO PARADIGMA

O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL UM NOVO PARADIGMA Newsletter 1 Setembro 2013 O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL UM NOVO PARADIGMA No passado dia 1 de Setembro, entrou em vigor, o novo Código de Processo Civil, publicado pela Lei n.º 41/2013, de 26 de Junho,

Leia mais

ACORDO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA E O GOVERNO DA ROMÉNIA SOBRE PROMOÇÃO E PROTECÇÃO RECÍPROCA DE INVESTIMENTOS

ACORDO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA E O GOVERNO DA ROMÉNIA SOBRE PROMOÇÃO E PROTECÇÃO RECÍPROCA DE INVESTIMENTOS Decreto n.º 23/94 de 26 de Julho Aprova o Acordo entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da Roménia sobre Promoção e Protecção Recíproca de Investimentos Nos termos da alínea c) do n.º 1 do

Leia mais

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA ALBÂNIA SOBRE A PROMOÇÃO E A PROTECÇÃO RECÍPROCAS DE INVESTIMENTOS.

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA ALBÂNIA SOBRE A PROMOÇÃO E A PROTECÇÃO RECÍPROCAS DE INVESTIMENTOS. ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA ALBÂNIA SOBRE A PROMOÇÃO E A PROTECÇÃO RECÍPROCAS DE INVESTIMENTOS. A República Portuguesa e a República da Albânia, adiante designadas como «Partes

Leia mais

Criação de empresas on-line. A sua iniciativa, esteja onde estiver

Criação de empresas on-line. A sua iniciativa, esteja onde estiver Criação de empresas on-line A sua iniciativa, esteja onde estiver 30-06-2006 O projecto empresa on-line A Empresa na Hora já permitiu a constituição de sociedades comerciais de forma mais rápida, mais

Leia mais

III Seminário Ibérico de Estacionamento

III Seminário Ibérico de Estacionamento III Seminário Ibérico de Estacionamento O Centro de Arbitragem do Sector Automóvel: a Mediação de Conflitos Sara Mendes Albufeira 20 a 22 de Outubro de 2010 Quem somos O Centro de Arbitragem do Sector

Leia mais

TRIBUNAL ARBITRAL DO DESPORTO REGULAMENTO DO SECRETARIADO

TRIBUNAL ARBITRAL DO DESPORTO REGULAMENTO DO SECRETARIADO TRIBUNAL ARBITRAL DO DESPORTO REGULAMENTO DO SECRETARIADO REGULAMENTO DO SECRETARIADO INDICE ARTIGO 1.º - Norma habilitante ARTIGO 2.º - Definição ARTIGO 3.º - Sede ARTIGO 4.º - Direção do secretariado

Leia mais

Administração Pública no século XXI. Modelos de organização administrativa e vinculação ao Direito ORGANIZAÇÃO DOS TRIBUNAIS

Administração Pública no século XXI. Modelos de organização administrativa e vinculação ao Direito ORGANIZAÇÃO DOS TRIBUNAIS Administração Pública no século XXI Modelos de organização administrativa e vinculação ao Direito ORGANIZAÇÃO DOS TRIBUNAIS Síntese Comparativa Local: Universidade Católica de Angola Data: 18 de Setembro

Leia mais

Decreto 1/98, de 24 de Janeiro - I Série-A

Decreto 1/98, de 24 de Janeiro - I Série-A Decreto 1/98, de 24 de Janeiro - I Série-A Aprova o Acordo entre a República Portuguesa e a República da Eslovénia sobre a Promoção e a Protecção Mútua de Investimentos e respectivo Protocolo, assinados

Leia mais

REGULAMENTO DE ARBITRAGEM

REGULAMENTO DE ARBITRAGEM REGULAMENTO DE ARBITRAGEM CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º Âmbito de aplicação O presente Regulamento aplica-se às arbitragens em matéria administrativa que decorram sob a égide do Centro de Arbitragem

Leia mais

OFERTA. Diretores ou Responsáveis da Qualidade, Quadros Médios e Superiores; Responsáveis pela implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade.

OFERTA. Diretores ou Responsáveis da Qualidade, Quadros Médios e Superiores; Responsáveis pela implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade. QUALIDADE Transição para a NP ISO 9001:2015 Diretores ou Responsáveis da Qualidade, Quadros Médios e Superiores; Responsáveis pela implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade. Dar a conhecer as alterações

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO DE ARBITRAGEM DESPORTIVA DO TRIBUNAL ARBITRAL DO DESPORTO

REGIMENTO DO CONSELHO DE ARBITRAGEM DESPORTIVA DO TRIBUNAL ARBITRAL DO DESPORTO REGIMENTO DO CONSELHO DE ARBITRAGEM DESPORTIVA DO TRIBUNAL ARBITRAL DO DESPORTO Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º (Definição) O (CAD) é um dos órgãos integrantes do Tribunal Arbitral do Desporto

Leia mais

Decreto n.º 6/95 Acordo de Promoção e Protecção Mútua de Investimentos entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República da Venezuela

Decreto n.º 6/95 Acordo de Promoção e Protecção Mútua de Investimentos entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República da Venezuela Decreto n.º 6/95 Acordo de Promoção e Protecção Mútua de Investimentos entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República da Venezuela Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da

Leia mais

Acordo de Promoção e Protecção Recíprocas de Investimentos entre a República Portuguesa e a República de Angola. Diploma Legal

Acordo de Promoção e Protecção Recíprocas de Investimentos entre a República Portuguesa e a República de Angola. Diploma Legal Acordo de Promoção e Protecção Recíprocas de Investimentos entre a República Portuguesa e a República de Angola Diploma Legal O texto que se segue é um documento não oficial, preparado pelo ICEP Portugal,

Leia mais

Constituir uma empresa na Internet

Constituir uma empresa na Internet Constituir uma empresa na Internet Para constituir uma empresa sociedade por quotas, unipessoal ou anónima - através do serviço Empresa Online, por Internet, o interessado tem de possuir um certificado

Leia mais

V CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO INTELECTUAL 2014 APRESENTAÇÃO DO CURSO PROGRAMA

V CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO INTELECTUAL 2014 APRESENTAÇÃO DO CURSO PROGRAMA V CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO INTELECTUAL 2014 APRESENTAÇÃO DO CURSO Dando continuidade à atividade de formação encetada há cerca de vinte anos em parceria com a Faculdade de Direito da Universidade

Leia mais

DESTAQUE. I Introdução

DESTAQUE. I Introdução DESTAQUE Abril de 2011 BREVES NOTAS SOBRE AS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO REGIME DOS DIREITOS REAIS DE HABITAÇÃO PERIÓDICA I Introdução O regime dos Direitos Reais de Habitação Periódica ( DRHP ), regulado

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Diário da República, 1.ª série N.º 143 25 de Julho de 2008 4651 Artigo 18.º Integração de lacunas Em caso de dúvida, a interpretação do disposto no presente Regulamento, bem como a integração de eventuais

Leia mais

A ÁREA DE PRÁTICA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL, MARKETING E TMT DA ABBC

A ÁREA DE PRÁTICA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL, MARKETING E TMT DA ABBC A ÁREA DE PRÁTICA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL, MARKETING E TMT DA ABBC ABBC A actuação da ABBC assenta na independência, no profissionalismo e na competência técnica dos seus advogados e colaboradores,

Leia mais

Tabela Comparativa Mediação x Conciliação x Arbitragem

Tabela Comparativa Mediação x Conciliação x Arbitragem Tabela Comparativa Mediação x Conciliação x Arbitragem Tipo de solução de controvérsia Objeto Abordagem do conflito e objetivos Método Mediação Conciliação Arbitragem Autocomposição Autocomposição Heterocomposição

Leia mais

Constituir uma empresa na Internet

Constituir uma empresa na Internet Constituir uma empresa na Internet Para constituir uma empresa sociedade por quotas, unipessoal ou anónima - através do serviço Empresa Online, por Internet, o interessado tem de possuir um cartão do cidadão

Leia mais

Certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade na Administração Pública. www.apcer.pt

Certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade na Administração Pública. www.apcer.pt Certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade na Administração Pública www.apcer.pt Hélder Estradas 4 de Novembro de 2005 QUEM SOMOS Constituída em Abril de 1996 (IPQ, AIPortuguesa AIPortuense, actual

Leia mais

Direito à informação ao consumo seguro. Entidades que supervisionam as empresas/instituições

Direito à informação ao consumo seguro. Entidades que supervisionam as empresas/instituições Direito à informação ao consumo seguro Entidades que supervisionam as empresas/instituições Escola B+S Ângelo Augusto da Silva Projeto de Educação Financeira Banco de Portugal Bancos O Banco de Portugal

Leia mais

Sucursal na Hora. Vida mais simples para as empresas

Sucursal na Hora. Vida mais simples para as empresas Sucursal na Hora Vida mais simples para as empresas Vida mais simples para as empresas A Justiça deve estar ao serviço do desenvolvimento económico e do investimento. Por isso, o Ministério da Justiça

Leia mais

Comentários da APIFARMA à Proposta de Lei n.º 13/XII

Comentários da APIFARMA à Proposta de Lei n.º 13/XII Comentários da APIFARMA à Proposta de Lei n.º 13/XII A Inovação no sector do medicamento é o motor de desenvolvimento da Indústria Farmacêutica, bem como o instrumento de descoberta de novos fármacos,

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS. Capítulo I Disposições gerais. Cláusula 1.ª Objecto

CADERNO DE ENCARGOS. Capítulo I Disposições gerais. Cláusula 1.ª Objecto CADERNO DE ENCARGOS Capítulo I Disposições gerais Cláusula 1.ª Objecto 1 O presente Caderno de Encargos compreende as cláusulas a incluir no contrato a celebrar na sequência do procedimento pré-contratual

Leia mais

SUMÁRIO. Introdução... 13

SUMÁRIO. Introdução... 13 STJ00094835 SUMÁRIO Introdução... 13 Capítulo 1 Propriedade intelectual e industrial... 17 1. O conteúdo do direito de propriedade... 17 2. Conceito de propriedade... 20 3. A propriedade e a atual legislação

Leia mais

A MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM NO DIREITO DA SAÚDE. Pedro Madeira de Brito

A MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM NO DIREITO DA SAÚDE. Pedro Madeira de Brito A MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM NO DIREITO DA SAÚDE Pedro Madeira de Brito 2 O conceito de Direito da Saúde A definição e o âmbito de direito da saúde tem contornos não muito precisos (Proposta de definição do

Leia mais

Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Artigo 1.º

Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Artigo 1.º Decreto n.º 14/96 de 28 de Maio Acordo entre a República Portuguesa e a República da Coreia sobre a Promoção e a Protecção Mútua de Investimentos, assinado em Seul, em 3 de Maio de 1995 Nos termos da alínea

Leia mais

CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO

CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO c E v I CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO MÓDULO: Ideia Empresarial/Protecção da Ideia José Paulo Rainho Coordenador do UAtec Universidade de Aveiro Curso de Empreendedorismo e Valorização

Leia mais

TRIBUNAL ARBITRAL DO DESPORTO REGULAMENTO DO SERVIÇO DE CONSULTA

TRIBUNAL ARBITRAL DO DESPORTO REGULAMENTO DO SERVIÇO DE CONSULTA TRIBUNAL ARBITRAL DO DESPORTO REGULAMENTO DO SERVIÇO DE CONSULTA REGULAMENTO DO SERVIÇO DE CONSULTA INDICE ARTIGO 1.º - Norma habilitante ARTIGO 2.º - Serviços de consulta ARTIGO 3.º - Requerimento ARTIGO

Leia mais

THAÍS STELA SIMÕES ARTÍBALE FARIA 2015

THAÍS STELA SIMÕES ARTÍBALE FARIA 2015 Brasileira, 25 anos, casada CPF (BRA) 380.887.738-30 Natural de São José do Rio Preto, São Paulo Avenida Juscelino Kubistchek, nº 2040, ap.184 15085-343, São José do Rio Preto, São Paulo - Brasil (17)

Leia mais

Módulos de Formação 2013

Módulos de Formação 2013 Módulos de Formação 2013 Documento de trabalho Editores Banco de Portugal Comissão do Mercado de Valores Mobiliários Instituto de Seguros de Portugal Design, impressão e acabamento Banco de Portugal Departamento

Leia mais

SEMINARIO WALD/ PLMJ/OABSP São Paulo, 28/5/2010. ARBITRAGENS José Miguel Júdice

SEMINARIO WALD/ PLMJ/OABSP São Paulo, 28/5/2010. ARBITRAGENS José Miguel Júdice SEMINARIO WALD/ PLMJ/OABSP São Paulo, 28/5/2010 A PREPARAÇÃO E PRODUÇÃO DE PROVA NAS ARBITRAGENS José Miguel Júdice Professor Associado Convidado da Faculdade de Economia da Universidade Nova Coordenador

Leia mais

FACULDADE DOM BOSCO Credenciada através da Portaria nº. 2.387 de 11/08/2004, publicada no D.O.U. de 12/08/2004. Resolução nº 001/011

FACULDADE DOM BOSCO Credenciada através da Portaria nº. 2.387 de 11/08/2004, publicada no D.O.U. de 12/08/2004. Resolução nº 001/011 Resolução nº 001/011 Regulamentar a Arbitragem Expedita. do Curso de Direito; - Considerando a necessidade de Regulamentar a Arbitragem Expedita O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão aprovou, e eu

Leia mais

Arbitragem. Respostas objetivas para soluções rápidas

Arbitragem. Respostas objetivas para soluções rápidas 2 8 8 9 9 9 10 10 10 11 11 11 12 12 12 12 13 Respostas objetivas para soluções rápidas O que é a? Como surgiu o Instituto da? A é constitucional? A sentença arbitral tem validade jurídica? Quais são as

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Alemanha Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Alemanha Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Alemanha Condições Legais de Acesso ao Mercado Setembro 2012 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 5 2 1. Regime

Leia mais

ILMAI participa no primeiro congresso EGGPEL

ILMAI participa no primeiro congresso EGGPEL Tiragem: 17900 País: Portugal Period.: Semanal ID: 40900800 23-03-2012 ILMAI participa no primeiro congresso EGGPEL Âmbito: Economia, Negócios e. O Instituto de Mediação e Arbitragem Internacional (ILMAI)

Leia mais

DE DISSERTAÇÃO/ESTÁGIO Mestrado em Engenharia Informática Ano Letivo 2012/2013

DE DISSERTAÇÃO/ESTÁGIO Mestrado em Engenharia Informática Ano Letivo 2012/2013 DE DISSERTAÇÃO/ESTÁGIO Mestrado em Engenharia Informática Ano Letivo 2012/2013 Entre: Universidade de Coimbra, Pessoa Coletiva n.º 501 617 582, com sede no Paço das Escolas, 3004-531 COIMBRA, representada

Leia mais

Caderno de encargos. Parte I Do contrato. Artigo 1.º Objecto

Caderno de encargos. Parte I Do contrato. Artigo 1.º Objecto Caderno de encargos Parte I Do contrato Artigo 1.º Objecto O presente caderno de encargos tem por objecto a aquisição, ao abrigo do Acordo Quadro Nº 10 para serviços de comunicações de voz e dados em local

Leia mais

REGULAMENTO DE MEDIAÇÃO DO CENTRO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA ORDEM DOS NOTÁRIOS

REGULAMENTO DE MEDIAÇÃO DO CENTRO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA ORDEM DOS NOTÁRIOS Artigo 1.º Objecto e âmbito 1. Qualquer litígio sobre cujo objecto seja admitida transacção pode ser submetido pelas partes a Mediação, conduzida sob a égide do Centro de Arbitragem, Mediação e Peritagens

Leia mais

Apresentação do Projecto. 20 de Abril de 2007

Apresentação do Projecto. 20 de Abril de 2007 Apresentação do Projecto 20 de Abril de 2007 Já existem experiências de mediação em Portugal? Centros de Arbitragem de Conflitos de Consumo - mais de 2.500 acordos resultantes de mediação por ano. Julgados

Leia mais

ACORDO DE REGULAÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL RESULTANTE DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO DO ALUNO NOME

ACORDO DE REGULAÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL RESULTANTE DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO DO ALUNO NOME ACORDO DE REGULAÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL RESULTANTE DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO DO ALUNO NOME Entre: Instituto Superior Técnico, com sede na Avenida Rovisco Pais, 1049-001, em Lisboa, Pessoa Coletiva

Leia mais

Protocolo de eficiência Arbitragem doméstica e internacional

Protocolo de eficiência Arbitragem doméstica e internacional Protocolo de eficiência Arbitragem doméstica e internacional Índice 1. INTRODUÇÃO 2. REUNIÃO INICIAL SOBRE GESTÃO DO CASO COM O CLIENTE 2.1 Estratégia processual 2.2 Negociações paralelas e eventual transação

Leia mais

CÂMARA HISPANO PORTUGUESA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA. O melhor aliado para o mercado ibérico

CÂMARA HISPANO PORTUGUESA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA. O melhor aliado para o mercado ibérico O melhor aliado para o mercado ibérico A Câmara Hispano Portuguesa de Comércio e Indústria em Espanha (CHP), com fins não lucrativos, foi criada em 1970 para apoiar as empresas com interesses no Mercado

Leia mais

BRUXELAS. O Centro Europeu de Arbitragem

BRUXELAS. O Centro Europeu de Arbitragem BRUXELAS O Centro Europeu de Arbitragem BRUXELAS, O CENTRO EUROPEU DE ARBITRAGEM Em nossa economia do século XXI, em que os contatos comerciais atingem todo o mundo e onde o tempo é da essência, os conflitos

Leia mais

Decreto n.º 51/98 Protocolo Adicional ao Acordo Judiciário entre Portugal e São Tomé e Príncipe, assinado em Luanda em 18 de Julho de 1997

Decreto n.º 51/98 Protocolo Adicional ao Acordo Judiciário entre Portugal e São Tomé e Príncipe, assinado em Luanda em 18 de Julho de 1997 Decreto n.º 51/98 Protocolo Adicional ao Acordo Judiciário entre Portugal e São Tomé e Príncipe, assinado em Luanda em 18 de Julho de 1997 Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 197.º da Constituição,

Leia mais

REGULAMENTO Nº 001 Rev.04-A PROCEDIMENTO ARBITRAL NA ÁREA TRABALHISTA

REGULAMENTO Nº 001 Rev.04-A PROCEDIMENTO ARBITRAL NA ÁREA TRABALHISTA TAESP Arbitragem & O Mediação, com sede nesta Capital do Estado de São Paulo, na Rua Santa Isabel, 160 cj.43, nos termos dos Artigos 5º, 13, 3º e 21 da Lei 9.307/96, edita o presente REGULAMENTO PARA PROCEDIMENTOS

Leia mais

Legal Flash I Escritório de Shanghai

Legal Flash I Escritório de Shanghai Legal Flash I Escritório de Shanghai Fevereiro, 2012 Medidas interinas para investigação e tratamento da ausência de declaração da concentração de operadores comerciais, conforme requerido pela lei ( Medidas

Leia mais

ARBITRAGEM E ANÁLISE DE RISCO LEGAL. Maurício Dantas Góes e Góes

ARBITRAGEM E ANÁLISE DE RISCO LEGAL. Maurício Dantas Góes e Góes ARBITRAGEM E ANÁLISE DE RISCO LEGAL Maurício Dantas Góes e Góes Banco Central (Res. 3.380) Art. 2º Para os efeitos desta resolução, definese como risco operacional a possibilidade de ocorrência de perdas

Leia mais

ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO DNS.PT. Artigo 1º

ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO DNS.PT. Artigo 1º ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO DNS.PT Artigo 1º 1. É constituída a contar da data de hoje e para durar por tempo indeterminado uma associação privada denominada Associação DNS.PT, abreviadamente designada por DNS.PT,

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA Art. 1º - O Estágio Supervisionado obrigatório tem por finalidade ministrar a prática

Leia mais

REGULAMENTO DE ARBITRAGEM EXPEDITA DO CENTRO DE MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DE PERNAMBUCO - CEMAPE

REGULAMENTO DE ARBITRAGEM EXPEDITA DO CENTRO DE MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DE PERNAMBUCO - CEMAPE REGULAMENTO DE ARBITRAGEM EXPEDITA DO CENTRO DE MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DE PERNAMBUCO - CEMAPE DEFINIÇÕES 1. CONVENÇÃO DE ARBITRAGEM refere-se tanto à cláusula compromissória quanto ao compromisso arbitral.

Leia mais

14h30 16:30: Serviços Postais: Serviço Postal Universal. Liberalização. Privatização. Concessão (Dra. Maria da Graça Carvalho)

14h30 16:30: Serviços Postais: Serviço Postal Universal. Liberalização. Privatização. Concessão (Dra. Maria da Graça Carvalho) PROGRAMA 20 de outubro 09h30 09h50: Sessão de Abertura e Introdução (Dr. João Caboz Santana) 09h50 11h00: Informática, Estado, Administração Pública e Cooperação Internacional (Prof. Doutor Miguel Mira

Leia mais

Assunto: Alteração das condições gerais de Prestação de Serviços de Pagamentos.

Assunto: Alteração das condições gerais de Prestação de Serviços de Pagamentos. Assunto: Alteração das condições gerais de Prestação de Serviços de Pagamentos. Estimado Cliente, BANCO SANTANDER TOTTA S.A. Capital Social: 620.104.983 - C.R.C. Lisboa com o NIPC 500 844 321 Sede Social:

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013 Dispõe sobre a mediação extrajudicial. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Capítulo I Disposições Gerais Art. 1º Esta lei dispõe sobre mediação extrajudicial. Parágrafo único.

Leia mais

Orador: Mestre António Pinto Pereira Data/Horário: Dias 22 e 24 das 18.30. às 20.30. Orador: Dr. Fausto Leite Data/Horário: Dias 27 e 29 das 18.

Orador: Mestre António Pinto Pereira Data/Horário: Dias 22 e 24 das 18.30. às 20.30. Orador: Dr. Fausto Leite Data/Horário: Dias 27 e 29 das 18. Formação 2006CDL Curso em B.Learning Serviços na Internet: Advogados, Tribunal e E-mail, 5ª Ed. Orador: Dr. Nuno Carreiro Ladeiras Data/Horário: Dias 13 a 17 das 19.00 às 21.00 Local: Sala de Informática

Leia mais

VI CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO INTELECTUAL 2015 APRESENTAÇÃO DO CURSO PROGRAMA

VI CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO INTELECTUAL 2015 APRESENTAÇÃO DO CURSO PROGRAMA VI CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO INTELECTUAL 2015 APRESENTAÇÃO DO CURSO A Associação Portuguesa de Direito Intelectual leva a cabo em 2015, em parceria com a Faculdade de Direito da Universidade de

Leia mais

Sumário. Lei nº 9.279, de 14 de maio de 1996

Sumário. Lei nº 9.279, de 14 de maio de 1996 Sumário Proposta da coleção Leis especiais para concursos... 13 Apresentação da 2ª edição... 15 Apresentação... 17 Abreviaturas utilizadas nas referências e nos comentários... 19 Lei nº 9.279, de 14 de

Leia mais

TRIBUNAL ARBITRAL DO DESPORTO REGULAMENTO DE MEDIAÇÃO

TRIBUNAL ARBITRAL DO DESPORTO REGULAMENTO DE MEDIAÇÃO TRIBUNAL ARBITRAL DO DESPORTO REGULAMENTO DE MEDIAÇÃO REGULAMENTO DE MEDIAÇÃO INDICE ARTIGO 1.º - Norma habilitante ARTIGO 2.º - Natureza da mediação ARTIGO 3.º - Convenção de mediação ARTIGO 4.º - Âmbito

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Âmbito e objeto. Artigo 2.º. Candidatos

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Âmbito e objeto. Artigo 2.º. Candidatos REGULAMENTO DO PROGRAMA COMUNICAÇÃO E GESTÃO DE CIÊNCIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Âmbito e objeto 1. O presente regulamento define as normas e os procedimentos de concurso para contratação

Leia mais

Novidades em matéria de despejo

Novidades em matéria de despejo Reabilitação Urbana e Arrendamento: oportunidades do novo regime jurídico Novidades em matéria de despejo Rute Raimundo Alves 1 2 Resumo do procedimento 1.º Comunicação especial do n.º 7 do artigo 9.º

Leia mais

ASPECTOS LEGAIS LEGISLAÇÃO APLICÁVEL

ASPECTOS LEGAIS LEGISLAÇÃO APLICÁVEL ASPECTOS LEGAIS LEGISLAÇÃO APLICÁVEL O Fundo é disciplinado pela Instrução CVM 359/02, pelo seu respectivo Regulamento, e demais disposições legais e regulamentares aplicáveis. DISPENSAS CONCEDIDAS PELA

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2006-2011

PLANO ESTRATÉGICO 2006-2011 PLANO ESTRATÉGICO 2006-2011 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Versão 0/Junho 2006 INDICE 1. Introdução 2. Visão, missão, valores 3. A estrutura do plano 4. Programa 1 6. Programa 2 Reforço da administração da justiça

Leia mais

WebTuga, Lda NIPC: 508469058 Rua Felisbelo Bernardo Rodrigues de Castro Nº 125 3º D 4750-156 Arcozelo, Barcelos (+351) 253094857. www.webtuga.

WebTuga, Lda NIPC: 508469058 Rua Felisbelo Bernardo Rodrigues de Castro Nº 125 3º D 4750-156 Arcozelo, Barcelos (+351) 253094857. www.webtuga. WebTuga, Lda NIPC: 508469058 Rua Felisbelo Bernardo Rodrigues de Castro Nº 125 3º D 4750-156 Arcozelo, Barcelos (+351) 253094857 www.webtuga.pt Período Sun Rise O que é o período de sun rise? No caso da

Leia mais

1. Quais as novas medidas de apoio para as pessoas sobreendividadas?

1. Quais as novas medidas de apoio para as pessoas sobreendividadas? Novos apoios a pessoas sobreendividadas Perguntas & Respostas 18 de Março de 2009 1. Quais as novas medidas de apoio para as pessoas sobreendividadas? As medidas hoje apresentadas visam criar novos mecanismos

Leia mais

www.juristep.com Lei n.º 7/2008, de 27 de Agosto

www.juristep.com Lei n.º 7/2008, de 27 de Agosto Lei n.º 7/2008, de 27 de Agosto CÓDIGO DE INVESTIMENTOS Este texto tem carácter meramente informativo e não dispensa a consulta dos diplomas originais, conforme publicados no Diário da República. Quando

Leia mais

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo PROCEDIMENTOS GERAIS PARA O REGISTO DE EMPRESAS EM PORTUGAL As sociedades estrangeiras podem praticar as suas actividades em Portugal através da constituição de uma representação permanente no território

Leia mais

carácter intencional ou não intencional da sua violação.

carácter intencional ou não intencional da sua violação. NOVAS MEDIDAS, PROCEDIMENTOS E RECURSOS PARA ASSEGURAR O RESPEITO DOS DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL No passado dia 1 de Abril foi publicado o Decreto-Lei nº 16/2008, que transpôs para a nossa ordem

Leia mais

A protecção do Capital Intelectual

A protecção do Capital Intelectual Caso específico de Patentes A protecção do Capital Intelectual 7 Concurso poliempreende projectos de vocação empresarial Formação AUDAX/Poliempreende ed. 2009 Lisboa, 7 de Novembro de 2009 goncalo.amorim@iscte.pt

Leia mais

PRESIDÊNCIA 06 / 03 / 2014 RESOLUÇÃO Nº 126 / 14

PRESIDÊNCIA 06 / 03 / 2014 RESOLUÇÃO Nº 126 / 14 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PRESIDÊNCIA 06 / 03 / 2014 RESOLUÇÃO Nº 126 / 14 Assunto: Dispõe sobre

Leia mais

PELOURO DA PROCURADORIA ILÍCITA E ADVOCACIA PREVENTIVA PROPOSTA DE PLANO DE ACÇÃO

PELOURO DA PROCURADORIA ILÍCITA E ADVOCACIA PREVENTIVA PROPOSTA DE PLANO DE ACÇÃO PELOURO DA PROCURADORIA ILÍCITA E ADVOCACIA PREVENTIVA PROPOSTA DE PLANO DE ACÇÃO Analisado o problema da Procuradoria Ilícita, e tendo como objectivos não só o combate à procuradoria ilícita, como a implementação

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI N o 1.893, DE 2007

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI N o 1.893, DE 2007 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 1.893, DE 2007 Dispõe sobre medidas de suspensão e diluição temporárias ou extinção de da proteção de direitos de propriedade

Leia mais

ESTATUTOS da Concórdia - Centro de Conciliação, Mediação de Conflitos e Arbitragem. Capítulo I. Denominação, sede e objeto.

ESTATUTOS da Concórdia - Centro de Conciliação, Mediação de Conflitos e Arbitragem. Capítulo I. Denominação, sede e objeto. ESTATUTOS da Concórdia - Centro de Conciliação, Mediação de Conflitos e Arbitragem Capítulo I Denominação, sede e objeto Artigo 1 É constituída por tempo indeterminado, com sede em Lisboa, na Rua Rodrigo

Leia mais

Nelson Lara dos Reis Advogados. Experiência. Esther Coelho Lara dos Reis (OAB/RJ 6681) - Sócia Fundadora

Nelson Lara dos Reis Advogados. Experiência. Esther Coelho Lara dos Reis (OAB/RJ 6681) - Sócia Fundadora Nelson Lara dos Reis Advogados Com mais de 30 anos de experiência, nossos advogados e consultores oferecem seu conhecimento especializado ao tratar de questões simples e complexas, no âmbito nacional e

Leia mais

ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA

ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA (Até às alterações do Decreto Lei n.º 38/2003, de 08 de Março) ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA CAPÍTULO I Artigo 1.º Convenção de arbitragem 1 - Desde que por lei especial não esteja submetido exclusivamente a tribunal

Leia mais

EDITORIAL. Newsletter 45 Dezembro 2010. A renúncia ao recurso na convenção de arbitragem 1-3. A Arbitragem em matéria tributária 5-6

EDITORIAL. Newsletter 45 Dezembro 2010. A renúncia ao recurso na convenção de arbitragem 1-3. A Arbitragem em matéria tributária 5-6 Newsletter 45 Dezembro 010 Área de Prática de Contencioso grupo de arbitragem e mediação A renúncia ao recurso na convenção de arbitragem 1-3 A Arbitragem em matéria tributária 5-6 A Admissibilidade do

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR

S. R. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR Regulamento de Formação Avançada e Qualificação de Recursos Humanos da Direção-Geral do Ensino Superior (Aprovado por despacho, de 15 de junho de 2012, do Presidente do Conselho Diretivo da Fundação para

Leia mais

CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL. (23.ª Edição)

CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL. (23.ª Edição) CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL (23.ª Edição) Código de Processo Civil 2 TÍTULO: CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL AUTORES: Miguel Mesquita EDITOR: EDIÇÕES ALMEDINA, SA Avenida Fernão de Magalhães, n.º 584, 5º Andar 3000-174

Leia mais

CAIMA Câmara Internacional de Mediação e Arbitragem de Língua Portuguesa ESTATUTOS

CAIMA Câmara Internacional de Mediação e Arbitragem de Língua Portuguesa ESTATUTOS CAIMA Câmara Internacional de Mediação e Arbitragem de Língua Portuguesa ESTATUTOS Artigo 1.º Denominação, sede e duração 1. A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação CAIMA Câmara Internacional

Leia mais

Serviço de Intervenção e Cobranças Condições do Serviço de Intervenção e Cobranças

Serviço de Intervenção e Cobranças Condições do Serviço de Intervenção e Cobranças Serviço de Intervenção e Cobranças Condições do Serviço de Intervenção e Cobranças A Câmara de Comércio e Indústria Luso-Alemã, através do seu Departamento Jurídico e Fiscal, presta auxílio a empresas

Leia mais

ões Instituto Nacional da Propriedade Industrial Departamento de Patentes e Modelos de Utilidade

ões Instituto Nacional da Propriedade Industrial Departamento de Patentes e Modelos de Utilidade A A protecção das invenções ões Instituto Nacional da Propriedade Industrial Departamento de Patentes e Modelos de Utilidade 1 A protecção das invenções Sumário rio: 1. Modalidades de protecção 2. O que

Leia mais