ANÁLISE MULTIVARIADA PARA O CONTROLE DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO LEITE CRU

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE MULTIVARIADA PARA O CONTROLE DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO LEITE CRU"

Transcrição

1 V ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO ANÁLIE MULTIVARIADA PARA O CONTROLE DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO LEITE CRU Jeniffer Fonseca Zanitt (UFJ) Daniela Carine Raires de Oliveira (UFJ) Ua fora eficaz de controlar u processo produtivo é através do controle estatístico da qualidade. A crescente aplicabilidade das ferraentas estatísticas da qualidade te contribuído para as epresas e relação à correção de processos de fabricação, pois o uso das esas garante ua redução da variabilidade dos processos e, coo consequência, elhor qualidade. Dentre estas ferraentas, se destaca os gráficos de controle, que tê coo objetivo detectar causas especiais ou inaceitáveis. E geral, o onitoraento é realizado através de gráficos de controle univariados, as o núero de inforações geradas é grande, tornando difícil sua adinistração. Desta fora, é necessário o onitoraento siultâneo das características da qualidade. Para tais situações, destaca-se o gráfico de controle ultivariado baseado na estatística T de Hotelling e, para a análise de u sinal fora de controle, o étodo da decoposição da estatística T. Este trabalho teve por objetivo elhorar a qualidade do leite cru recebido por u laticínio situado e ão João del-rei-mg, através da análise das características icrobiológicas (contage de células soáticas, contage bacteriana total), utilizando essas ferraentas ultivariadas, co o auxílio do software estatístico livre R, versão Através deste trabalho foi possível ostrar ua técnica ais adequada, para possibilitar ua intervenção no processo no oento e que ocorria a causa especial e sugerir elhorias. Cabe ressaltar que co essa nova prática de controle de qualidade, houve ua elhora no produto final, acarretando ua fidelização de clientes e u ipacto significativo nos lucros. Palavras-chave: Gráfico T de Hotelling, decoposição da estatística T, distribuição noral ultivariada

2 V ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO. Introdução Ua fora eficaz de controlar u processo produtivo é através do controle estatístico da qualidade. A crescente aplicabilidade das ferraentas estatísticas da qualidade te contribuído para as epresas e relação à correção de processos de fabricação, pois o uso das esas garante ua redução da variabilidade dos processos e, coo consequência, elhor qualidade. Dentre estas ferraentas, se destaca os gráficos de controle, que tê coo objetivo detectar causas especiais ou inaceitáveis. E geral, o onitoraento é realizado através de gráficos de controle univariados, as o núero de inforações geradas é grande, tornando difícil sua adinistração. Alé disso, esse procediento pode ser deficiente, pelo fato de ignorar as correlações que possa existir entre as características de interesse. Desta fora, é necessário o onitoraento siultâneo de duas ou ais características da qualidade. Para tais situações utiliza-se os gráficos de controle ultivariados. Dentre os gráficos ultivariados existentes, pode-se utilizar o gráfico de controle ultivariado (GCM) baseado na estatística T de Hotelling. O gráfico de controle ultivariado baseado nessa estatística apresenta ais sensibilidade do que os gráficos univariados, peritindo ao operador detectar ais rapidaente os possíveis probleas existentes no processo. Henning et al (0), utilizara o gráfico T² de Hotelling para onitorar u processo de usinage e u setor etaloecânico. Esse processo possuía três variáveis, isto é, fora onitoradas três cotas e ua esa peça. Oyeyei (0) apresenta o gráfico T² de Hotelling para o controle do processo de produção de u detergente, considerando quatro características. O T² de Hotteling foi aplicado por ingh e Kuar (0) para coparar a qualidade da água de duas estações de onitoriento utilizando quatro características. Oliveira e ouza (008) utilizara gráficos de controle e a decoposição da estatística T² de Hotelling para o onitoraento no treinaento de natação, verificando a relação entre as variáveis condicionantes do rendiento de atletas na prova de 500. Dentre os trabalhos citados, apenas alguns ostrara o procediento adotado para avaliar os pontos fora de controle no gráfico T² de Hotelling. Montgoery (009) enciona que a aior dificuldade encontrada ao se lidar co qualquer gráfico de controle ultivariado é a interpretação prática de u sinal fora de controle. O eso apresenta alguns autores e seus étodos, as destaca o uso do étodo de decoposição da estatística T, proposto por Runger, Alt e Montgoery (996).

3 V ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO Co o objetivo de elhorar a qualidade do leite, o Prograa Nacional de Melhoria da Qualidade do Leite (PNQL) quer udar a fora de se produzir o leite no Brasil, garantindo à população o consuo de produtos lácteos ais seguros, nutritivos e saborosos, alé de proporcionar condições para auentar o rendiento dos produtores (DÜRR, 005). Diante disto, a cidade de ão João del-rei - MG possui u laticínio que te trabalhado exaustivaente no controle de qualidade de seus produtos, onde seu produto principal é o leite de saquinho. Para avaliação da atéria-pria (leite cru), co base nas especificações físico-quíicas e icrobiológicas estipuladas pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abasteciento, o setor responsável faz ensurações de diversas características siultaneaente. Portando, este trabalho te por objetivo elhorar a qualidade do produto coercializado por este laticínio, utilizando as ferraentas ultivariadas (gráfico T de Hotelling e a decoposição da estatística T, para avaliar possíveis pontos fora de controle), co o auxílio do software estatístico livre R, versão Cabe ressaltar que a contribuição deste trabalho está na elhoria da qualidade do produto deste laticínio, através do uso de ferraentas estatísticas ultivariadas adequadas.. Revisão bibliográfica.. Coeficiente de autocorrelação Para a verificação da autocorrelação, o ebasaento teórico foi obtido de Montgoery (009) e Morettin e Toloi (008). A suposição ais iportante relativa aos gráficos de controle é a independência das observações, porque alguns gráficos de controle não tê u bo desepenho se as características da qualidade e estudo apresenta níveis de correlação ao longo do tepo, o que é definido por autocorrelação. Nesse contexto, a construção de correlograas auxilia no estudo da autocorrelação entre as variáveis. Desta fora, a regra de decisão adotada foi a verificação da ultrapassage ou não dos pontos nos liites dos correlograas, construídos co u grau de confiança de 95%. Portanto, caso não exista algu ponto que ultrapasse os intervalos, as observações são independentes e os dados não são autocorrelacionados... Verificação da noralidade ultivariada Para a verificação da suposição de noralidade ultivariada foi utilizado o pacote MVN versão 3.9 (KORKMAZ et al., 05). Para este estudo foi adotado u nível de significância de 0,05, e fora utilizados os testes de: Henze-Zirkler, Mardia e o de Royston. 3

4 V ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO.3. Gráfico T² de Hotelling Essa seção foi baseada no livro de Montgoery (009) co a adição de detalhes atriciais. Para avaliar processos que apresenta últiplas características da qualidade, pode-se utilizar o gráfico de controle ultivariado (GCM) baseado na estatística T² de Hotelling. É suposto que tais características são forteente correlacionadas e precisa ser onitoradas conjuntaente. O gráfico e questão foi desenvolvido por Hotelling (947), o pioneiro na pesquisa sobre os gráficos de controle ultivariados. Ele utilizou a abordage ultivariada de controle e dados contendo inforações sobre localizações de bobardeios na egunda Guerra Mundial. O desenvolviento teórico proposto por Hotelling é descrito a seguir. E geral, e u processo, o vetor de édias µ e a atriz de variâncias e covariâncias das variáveis envolvidas são desconhecidos. Na prática µ e são estiados por eio de aostras preliinares, quando o processo está sob controle estatístico. Os dados no caso ultivariado possue tabé a suposição de que os esos tenha distribuição noral ultivariada. As observações pode ser organizadas atricialente da seguinte aneira: n n p p np ; n n p p np n k k k k k n k pk pk npk, () e que ijk é a i-ésia observação, da j-ésia característica de qualidade no k-ésio instante e que foi retirado a aostra, co i =,,..., n, j =,,..., p e k =,,...,. A estatística T de Hotelling é definida da seguinte aneira: T n( ) ( ), () e que é a estiativa do vetor de édias de diensão px e é a estiativa da atriz de variâncias e covariâncias do processo co diensão pxp. O vetor é obtido da seguinte fora: k, (3) p jk px k k 4

5 V ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO e que, n jk ijk n i, j =,,..., p e k =,,..., (4) O cálculo da expressão (4) é realizado por eio da édia de cada coluna das atrizes apresentadas e (); e seguida, a expressão (3) é obtida da seguinte fora: a prieira linha é a édia das prieiras colunas das k atrizes e (), a segunda linha é a édia das segundas colunas das k atrizes e () e assi por diante, até chegar a p-ésia linha de (3). Já a estiativa de é obtida por: k k k k k p k () k p ( p) k k k k k k pk pp k k k k A covariância entre as características da qualidade j e h na k.ª aostras é dada por: jhk n A expressão da estatística T n ijk jk ihk hk i p p p pxp (5), k =,,..., e j h (6) e () é utilizada coo base para o gráfico de controle ultivariado. egundo Alt (985), há duas fases distintas no uso de u gráfico de controle. A fase é o uso dos gráficos para o estabeleciento do controle, ou seja, testar se o processo estava, ou não, sob controle quando os subgrupos preliinares fora extraídas e as estatísticas aostrais e, calculadas. O objetivo na fase é a obtenção de u conjunto de observações sob controle, de odo que os liites de controle possa ser estabelecidos para a fase, que é o onitoraento da produção futura. Isto é, às vezes, chaado análise retrospectiva. Neste estudo, será abordado apenas a fase. Os liites de controle para o gráfico de controle T² na fase são dados por:.4. Decoposição da estatística T² p( )( n ) LC F, p, n p e LIC = 0, (7). n p Runger et al. (996) propõe a decoposição da estatística T e coponentes. As coponentes originadas pela decoposição reflete a contribuição de cada variável (ou característica de qualidade) individualente. e T é o valor da estatística de todas as 5

6 V ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO variáveis e então a expressão: T i é o valor da estatística para todas as variáveis do processo exceto a i-ésia, d i T T i, i =,,..., p (8) é u indicador da contribuição relativa da i-ésia variável para a estatística global. Quando u sinal fora de controle é gerado, é recoendado calcular os valores de d i (i =,,..., p) e concentrar a atenção nas variáveis para os quais os d i são relativaente grandes. 3. Metodologia O estudo de caso foi realizado e u laticínio da cidade de ão João del-rei, Minas Gerais. A epresa realiza as coletas do leite nas fazendas para posterior análise, processaento e produção de seus produtos. O objetivo foi proporcionar à epresa técnicas adequadas de onitoraento de processos para a elhoria contínua da qualidade do produto final oferecido. Portanto, a prieira etapa deste trabalho foi o estudo do banco de dados co os indicadores da qualidade do leite, fornecido pelas análises físico-quíicas e icrobiológicas, realizadas nas aostras do leite dos produtores rurais. O processo de controle da qualidade do leite te coo finalidade anter as características padrões do leite para o consuo huano. Desta fora, os indicadores de qualidade abordados fora a Contage Bacteriana Total (CBT), que indica a containação no leite expressa e Unidade Foradora de Colônia por ililitro (UFC/l), e a Contage de Células oáticas (CC), ua análise laboratorial onde o auento da CC no leite indica se o anial está co astite subclínica, expressa e células/l (DÜRR, 005). Co a análise destas características será possível detectar possíveis causas especiais (variabilidades fora do cou) que esteja influenciando na qualidade do leite, de odo que a investigação e a ação corretiva possa ser realizadas antes que os produtos seja distribuídos inadequadaente. 3.. Área de aplicação e descrição do processo Dentre os serviços realizados pela epresa, foi escolhida pela esa a avaliação do processo de coleta e análise da atéria pria, o leite cru refrigerado. Pois através do controle da qualidade da atéria pria inicial, será agregada aior qualidade às características dos produtos finais. O processo de coleta do leite cru refrigerado nas fazendas é realizado da seguinte fora: Prieiro os carreteiros da epresa vão diariaente até as diferentes fazendas dos produtores rurais e coleta o leite, este é arazenado e tanques de refrigeração nos cainhões. 6

7 V ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO Quando chega à epresa, são retiradas aostras de cada produtor para posterior análise. Coo essas análises laboratoriais do leite são realizadas ensalente pela EMBRAPA (Epresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, 04, 05), a coleta das aostras é realizada apenas na prieira seana de cada ês, onde as esas são encainhadas para a EMBRAPA. Na EMBRAPA são realizadas as análises quanto às diversas caraterísticas do leite, coo a quantidade de gordura, proteína, lactose, CC, CBT entre outras, para averiguar se essas características estão dentro dos padrões, para cada produtor. Depois de analisadas, a EMBRAPA encainha para a epresa relatórios co os valores obtidos por cada fornecedor nas diferentes características já citadas. Nestes relatórios, os valores para CC e CBT deve ser ultiplicados por 000, as os gráficos serão gerados co base nos dados originais dos relatórios. Co esses valores a epresa pode averiguar coo cada fornecedor está fazendo sua ordenha, a higiene do anial, do ordenhador e das instalações, ou o próprio arazenaento. Para este trabalho nas fazendas, a epresa conta co o auxílio de u zootecnista para instruir e ajudar os fazendeiros na elhoria da qualidade do leite. 3.. Coleta de dados Para a coleta de dados, foi elaborada ua folha de verificação que conté as principais características do leite - deterinada pela EMBRAPA. Coo o arazenaento do leite cru pelos produtores pode ser realizado de duas aneiras (leite cru e tanques de refrigeração ou e latões iersos e água gelada), neste estudo foi analisado apenas as aostras dos produtores que utiliza o étodo de arazenaento e tanques. A coleta foi feita ensalente, através da aostra de u fornecedor específico. Este fornecedor foi escolhido por apresentar os piores índices édios nas referidas características. Cabe ressaltar que a coleta de dados foi realizada entre os eses de Janeiro de 04 à Março de 05. Coo o leite é u produto perecível, a epresa funciona continuaente, sendo assi, fora coletados dados referentes a quinze aostras de taanho igual a u, totalizando 5 observações para cada característica da qualidade, sendo elas: quantidade de bactérias (CBT) e células soáticas (CC), pois fora as variáveis ais iportantes para a epresa certificar ao cliente u produto dentro das especificações ideais Análise ultivariada Nesta seção, fora apresentados os detalhes etodológicos das rotinas desenvolvidas para a análise ultivariada. O algorito coputacional foi construído adaptando a teoria 7

8 V ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO apresentada no Capítulo co os dados disponíveis pela epresa, obtidos confore a descrição na eção 3.. Os dados são referentes as = 5 aostras, co p = características de qualidade. Os procedientos coputacionais fora os seguintes: prieiro foi necessário construir vetores. Por exeplo, o prieiro vetor (de diensão 5x) possuía as 5 observações de CC e o segundo vetor (de diensão 5x) possuía as 5 observações de CBT. E seguida, fora feitos para cada característica os correlograas. Para a verificação da suposição de noralidade ultivariada foi necessário transforar os dois vetores e ua única atriz, de diensão x5, e que a prieira coluna possuía as 5 observações de CC e a segunda possuía as 5 observações de CBT e utilizou-se os três testes citados na eção., através dos coandos hztest, ardiatest e roystontest (instalar o pacote MVN, para ser executado). E seguida, foi gerado o gráfico T de Hotelling, através do coando ult.chart (instalar o pacote MQC, para ser executado). A decoposição da estatística T é ostrada autoaticaente, quando é pedido o gráfico T. 4. Resultados e discussões Após o levantaento das variáveis do processo e estudo (quantidade de bactérias e células soáticas), a prieira etapa consistiu na verificação das suposições necessárias para aplicar o gráfico de controle ultivariado T² de Hotelling. A prieira suposição verificada, através dos três testes encionados na eção., foi a noralidade ultivariada dos dados. E todos os testes executados o p-valor foi aior do que o nível de significância adotado (0,05), indicando que os dados possue distribuição noral ultivariada. Alé disso, confore visualizado nas figuras abaixo (Figuras e ), os dados não apresenta autocorrelação, isto é, as observações são independentes no tepo. Deste odo, o gráfico de controle proposto pode ser aplicado aos dados observados. Figura Correlograa para CC dos 5 eses e estudo. 8

9 ACF ACF V ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO eries CC Lag Fonte: oftware livre R 3..3 (05). Figura Correlograa para CBT dos 5 eses e estudo. eries CBT Lag Fonte: oftware livre R 3..3 (05). A Figura 3 ilustra o gráfico T² de Hotelling para os dados de CC e CBT correspondentes a fase. É observado que o processo não está sob controle estatístico, pois a aostra (), referente ao ês de fevereiro de 04 saiu do liite superior de controle. Co isso, a próxia etapa foi identificar qual característica da qualidade e estudo causou o descontrole do processo. Para isso, realizou-se a decoposição da estatística T². Figura 3 - Gráfico T² de Hotelling para CC e CBT dos 5 eses e estudo, co α = 5%, fase. 9

10 V ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO Hotelling Control Chart 8 UCL= T aple Fonte: oftware livre R 3..3 (05). Observando os valores de d i (ver Tabela ), foi constatado que o problea era co relação à característica CC, pois neste fator o valor de d i era aior. Tabela - Decoposição da estatística T² para a aostra () do ês de Fevereiro de 04. Aostra d i CC 0,038 CBT 7,876 Fonte: oftware livre R 3..3 (05). Ua investigação foi realizada na epresa, e pôde ser constatado que no ês de Fevereiro de 04, o produtor rural analisado não realizou o trabalho de coleta adequadaente. O erro se deu na á higienização, isto é, não refrigerou o leite o ais rapidaente após a ordenha, co isso, coo as bactérias estão presentes na água, na terra, na palha, no capi, nos corpos e pêlos das vacas, nas fezes, na urina, nas ãos do ordenhador e e utensílios de ordenha sujos, a á higienização elevou o grau de bactérias no leite, deixando-o ipuro. É iportante ressaltar que a epresa dá suporte e relação à execução da higienização do anial, as o zootecnista não está diariaente e cada fazenda vistoriando a ordenha de cada produtor, desta fora, eles deve buscar esta higienização e todo o processo independente se vistoriados ou não. Portanto, foi proposto elhorias para elhor desenvolviento do processo. Ua alternativa para a solução deste problea foi transitir para os produtores novas técnicas de higienização, ressaltando que os esos deve introduzi-las no processo 0

11 V ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO de ordenha, pois a epresa não trabalha co leite acia dos valores padrões estipulado para esta característica, deste odo eles perderia quantidade considerável de leite, alé de aior vistoria durante o processo. Figura 4 - Gráfico T² de Hotelling para CC e CBT, co α=5%, fase, se aostra. Hotelling Control Chart 8 UCL= T aple Fonte: oftware livre R 3..3 (05) O próxio passo foi gerar o gráfico T² de Hotelling excluindo a aostra (Figura 4), onde pôde-se perceber que o processo está sob controle estatístico. 4. Conclusões Este trabalho apresentou o gráfico T² de Hotelling coo ua ferraenta ultivariada que foi aplicada e u laticínio. Essa análise ultivariada gerou resultados significativos para a epresa, ou seja, foi possível ostrar ua técnica ais adequada, para possibilitar ua intervenção no processo no oento e que ocorre a causa especial e sugerir elhorias. No estudo de caso a característica que se ostrou a causa dos probleas, foi o CBT. Aqui foi ostrado que essa característica quando não é controlada, iplica e prejuízos para a epresa, pois o seu descontrole acarreta e diinuição da produção. Outra consideração iportante foi que co essa nova prática de controle de qualidade, houve ua elhora no produto final, acarretando ua fidelização de clientes e u ipacto significativo nos lucros. O uso de u software estatístico livre foi iportante, pois coo se trata de ua epresa de pequeno porte, a esa não detinha condições financeiras para investir na copra de licença de outros softwares. Desta fora, a epresa pretende continuar utilizando as ferraentas

12 V ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO propostas neste trabalho para onitorar o processo e questão, buscando a elhoria contínua de seus serviços. Outras epresas poderão se beneficiar desta ferraenta, pois o prograa coputacional para a realização do controle de qualidade ultivariado está disponível no Anexo. AGRADECIMENTO Agradeceos a Fapeig (Fundação de Aparo à Pesquisa do estado de Minas Gerais) pelo auxílio fornecido para o desenvolviento desta pesquisa. REFERÊNCIA DÜRR, J. W. Coo produzir leite de qualidade. 4. ed. Brasília: ENAR, p. HENNING, E.; KONRATH A. C.; WALTER, O. M. F. C.; AMOHYL, R. W. Gráficos de controle ultivariados: u estudo de caso no setor eta-loecânico. P&D e Engenharia de Produção, Itajubá, v. 0, n., p , 0. HOTELLING, H. Multivariate Quality Control - illustrated by the air testing of saple bobsights. Techniques of tatistical Analysis. McGraw Hill, New York, 947. KORKMAZ,.; GOKULUK, D.; ZARARIZ, G. Multivariate Norality Tests, 05. MONTGOMERY, D. C. Introduction to tatistical Quality Control. 6 ed. United tate of Aerica: John Wiley & ons, Inc., 009, 734p. MORETTIN, P. A.; TOLOI, C. M. C. Análise de éries Teporais. ed. ão Paulo: Edgard Bliicher, 008. OLIVEIRA, E. B.; OUA, E. V. O. Estudo da eficácia de Gráficos de controle para o onitoraento de treinaento de natação, na Prova de 500. Utilizando Gráficos de Controle e a Decoposição da Estatística T de Hotelling Monografia (Especialização e Estatísticas Educacionais) - UFPA, Belé, Pará, 008. OYEYEMI, G. M. Principal Coponent Chart For Multivariate tatistical Process Control. The Online Journal of cience and Technology, Turkey, v., n., p. 3, April 0. R Developent Core Tea. R: A language and environent for statistical coputing. Vienna: R Foundation for tatistical Coputing, 04. Disponível e:< Acesso e: 4 April 05. RELATÓRIO de Contage... Epresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA), Juiz de Fora. 04, 05.

13 V ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO RUNGER, G. C.; ALT, F. B.; MONTGOMERY, D. C. Contributors to a Multivariate tatistical Process Control ignal. Counications in tatistics Theory and Methods, v. 5, n. 0, 996. INGH Y.; KUMAR M. Application of tatistical Methods to Analyze Ground water Quality. Journal of Earth ciences and Geotechnical Engineering, v., n., p. -7, 0. ZVIRTE, L.; ALVE, C. C.; DE ARAUJO, N. G. A.; HENNING, E. Aplicação de gráficos de controle ultivariados baseados na projeção de dados via Análise de Coponentes Principais. Produção e foco, v., n., p.4-66, Jan./Jun. 0. ANEO PROGRAMA COMPUTACIONAL #Dados separados e sequência, para correlograas CC=c(949,4,603,453,65,40,68,04,666,694,83,850,45,374,76) CBT=c(450,38,738,704,776,585,786,758,747,04,4,633,68,39,64) #Correlograa para CC acf(cc) acf(cc,lag.ax=0,ci=0.95) z=acf(cc) #Correlograa para CBT acf(cbt) acf(cbt,lag.ax=0,ci=0.95) z=acf(cbt) #Testes de Noralidade Multivariada install.packages('mvn') require(mvn) #Reorganizando os dados y=data.frae(atrix(c(cc,cbt),ncol=)) #Testes de noralidade ultivariada roystontest(y, qqplot = FALE) hztest(y, cov = TRUE, qqplot = FALE) ardiatest(y, cov = TRUE, qqplot = FALE) #Matriz co os valores das características da qualidade: Dados=atrix(c(949,450,4,38,603,738,453,704,65,776,40,585,68,786,04,758,666,747,694,04,83,4,850,633,45,68,374,39,76,64)) 3

14 V ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO Dados=array(Dados,di=c(5,,)) install.packages('mqc') require(mqc) #Gráfico T² de Hotellig (Fase ): ult.chart(type="t", Dados, phase=,alpha=0.05) #Retirando a aostra do gráfico T²: Dados3=atrix(c(949,603,453,65,40,68,04,666,694,83,850,45,374,76,45 0,738,704,776,585,786,758,747,04,4,633,68,39,64)) Dados4=array(Dados3,di=c(4,,)) ult.chart(type="t", Dados4, phase=,alpha=0.05) 4

CADERNOS DO IME Série Estatística

CADERNOS DO IME Série Estatística CADERNO DO IE érie Estatística Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ IN ipresso 43-90 / IN on-line 37-4535 - v. 39, p. 35-49, 05 DOI: 0.957/cadest.05.874 ANÁIE UTIVARIADA PARA O CONTROE DA QUAIDADE

Leia mais

Aula 6 Primeira Lei da Termodinâmica

Aula 6 Primeira Lei da Termodinâmica Aula 6 Prieira Lei da Terodinâica 1. Introdução Coo vios na aula anterior, o calor e o trabalho são foras equivalentes de transferência de energia para dentro ou para fora do sistea. 2. A Energia interna

Leia mais

4 UM MODELO DE SAZONALIZAÇÃO DA GARANTIA FÍSICA DE PCHS EM PORTFOLIOS PCH+BIOMASSA

4 UM MODELO DE SAZONALIZAÇÃO DA GARANTIA FÍSICA DE PCHS EM PORTFOLIOS PCH+BIOMASSA EM PORTFOLIOS PCH E BIOMASSA 48 4 UM MODELO DE SAZONALIZAÇÃO DA GARANTIA FÍSICA DE PCHS EM PORTFOLIOS PCH+BIOMASSA Confore explicado no capitulo anterior, a decisão do agente hidráulico de coo sazonalizar

Leia mais

Aula 4. Inferência para duas populações.

Aula 4. Inferência para duas populações. Aula 4. Inferência para duas populações. Teos duas aostras independentes de duas populações P e P : população P aostra x, x,..., x n população P aostra y, y,..., y Observação: taanho de aostras pode ser

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MODELO DE TRANSFORMADORES EM FUNÇÃO DA FREQUÊNCIA

AVALIAÇÃO DO MODELO DE TRANSFORMADORES EM FUNÇÃO DA FREQUÊNCIA Universidade de Brasília Faculdade de Tecnologia Departaento de Engenaria Elétrica AVALIAÇÃO DO MODELO DE TANSFOMADOES EM FUNÇÃO DA FEQUÊNCIA Por Alexandre de Castro Moleta Orientador: Prof.Dr. Marco Aurélio

Leia mais

SOBRE O PROBLEMA DA VARIAÇÃO DE TEMPERATURA DE UM CORPO

SOBRE O PROBLEMA DA VARIAÇÃO DE TEMPERATURA DE UM CORPO 44 SOBRE O PROBLEMA DA VARIAÇÃO DE TEMPERATURA DE UM CORPO Resuo Jair Sandro Ferreira da Silva Este artigo abordará a aplicabilidade das Equações Diferenciais na variação de teperatura de u corpo. Toareos

Leia mais

UMA HEURÍSTICA PARA RESOLUÇÃO DO PROBLEMA DE CARREGAMENTO DE CONTAINER

UMA HEURÍSTICA PARA RESOLUÇÃO DO PROBLEMA DE CARREGAMENTO DE CONTAINER Pesquisa Operacional na Sociedade: Educação, Meio Aente e Desenvolviento 2 a 5/09/06 Goiânia, GO UMA HEURÍSTICA PARA RESOLUÇÃO DO PROBLEMA DE CARREGAMENTO DE CONTAINER E. Vendraini Universidade Estadual

Leia mais

A Teoria dos Jogos é devida principalmente aos trabalhos desenvolvidos por von Neumann e John Nash.

A Teoria dos Jogos é devida principalmente aos trabalhos desenvolvidos por von Neumann e John Nash. Teoria dos Jogos. Introdução A Teoria dos Jogos é devida principalente aos trabalhos desenvolvidos por von Neuann e John Nash. John von Neuann (*90, Budapeste, Hungria; 957, Washington, Estados Unidos).

Leia mais

LOCALIZAÇÃO ÓTIMA DE ATUADORES E SENSORES EM ESTRUTURAS INTELIGENTES

LOCALIZAÇÃO ÓTIMA DE ATUADORES E SENSORES EM ESTRUTURAS INTELIGENTES XIV CONRESSO NACIONAL DE ESUDANES DE ENENHARIA MECÂNICA Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica LOCALIZAÇÃO ÓIMA DE AUADORES E SENSORES EM ESRUURAS INELIENES Sione Nishioto

Leia mais

b) Dalton proporções definidas. c) Richter proporções recíprocas. d) Gay-Lussac transformação isobárica. e) Proust proporções constantes.

b) Dalton proporções definidas. c) Richter proporções recíprocas. d) Gay-Lussac transformação isobárica. e) Proust proporções constantes. APRFUDAMET QUÍMIA 2012 LISTA 9 Leis ponderais e voluétricas, deterinação de fórulas, cálculos quíicos e estudo dos gases. Questão 01) A Lei da onservação da Massa, enunciada por Lavoisier e 1774, é ua

Leia mais

Projetos de Redes Aéreas Urbanas de Distribuição de Energia Elétrica

Projetos de Redes Aéreas Urbanas de Distribuição de Energia Elétrica Projetos de Redes Aéreas Urbanas de Distribuição Revisão 05 07/2015 NORMA ND.22 ELEKTRO Eletricidade e Serviços S.A. Diretoria de Operações Gerência Executiva de Engenharia, Planejaento e Operação Rua

Leia mais

2 O Preço Spot de Energia Elétrica do Brasil

2 O Preço Spot de Energia Elétrica do Brasil 2 O Preço Spot de Energia Elétrica do Brasil Inicialente, vai se expor de ua fora uita sucinta coo é criado o preço spot de energia elétrica do Brasil, ais especificaente, o CMO (Custo Marginal de Operação).

Leia mais

Componentes de um sistema de realidade virtual

Componentes de um sistema de realidade virtual p prograação Coponentes de u sistea de realidade virtual Neste artigo apresenta-se a idéia de u projeto que perite a siulação de u passeio ciclístico utilizando a realidade virtual. Os sentidos do ciclista

Leia mais

OS PRIMEIROS PASSOS DA CONFIABILIDADE NA MANUTENÇÃO DOUGLAS LINO MARCHALEK ENGº ELETRICISTA - UTFPR ANTONIO WOTECOSKI ENGº ELETRICISTA - UTFPR

OS PRIMEIROS PASSOS DA CONFIABILIDADE NA MANUTENÇÃO DOUGLAS LINO MARCHALEK ENGº ELETRICISTA - UTFPR ANTONIO WOTECOSKI ENGº ELETRICISTA - UTFPR OS PRIEIROS PASSOS DA CONFIABILIDADE NA ANUTENÇÃO DOUGLAS LINO ARCHALEK ENGº ELETRICISTA - UTFPR ANTONIO WOTECOSKI ENGº ELETRICISTA - UTFPR APRESENTAÇÃO CONSIDERAÇÕES E QUESTIONAENTOS O PRIEIRO PASSO EXEPLO

Leia mais

QUÍMICA PRISE II SOLUÇÕES 4.1 FENÔMENO DE SATURAÇÃO DE UMA SOLUÇÃO. Sal (soluto) Água (solvente) 1. INTRODUÇÃO

QUÍMICA PRISE II SOLUÇÕES 4.1 FENÔMENO DE SATURAÇÃO DE UMA SOLUÇÃO. Sal (soluto) Água (solvente) 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO QUÍMICA PRISE II SOLUÇÕES 4.1 FENÔMENO DE SATURAÇÃO DE UMA SOLUÇÃO Quando a istura apresenta as esas características e toda a extensão do recipiente teos ua istura hoogênea e, se tiver ais

Leia mais

Modelagem e Simulação de um Sistema de Comunicação Digital via Laço Digital de Assinante no Ambiente SIMOO

Modelagem e Simulação de um Sistema de Comunicação Digital via Laço Digital de Assinante no Ambiente SIMOO Modelage e Siulação de u Sistea de Counicação Digital via Laço Digital de Assinante no Abiente SIMOO Luciano Agostini 1 Gaspar Steer 2 Tatiane Capos 3 agostini@inf.ufrgs.br gaspar@inf.ufrgs.br tatiane@inf.ufrgs.br

Leia mais

Curso Profissional de Técnico de Energias Renováveis 1º ano. Módulo Q 2 Soluções.

Curso Profissional de Técnico de Energias Renováveis 1º ano. Módulo Q 2 Soluções. Curso Profissional de Técnico de Energias Renováveis 1º ano Docuento de apoio Módulo Q 2 Soluções. 1. Dispersões 1.1. Disperso e dispersante Dispersão Ua dispersão é ua istura de duas ou ais substâncias,

Leia mais

Ensino Fundamental no Brasil: a Média do Gasto Por Aluno, o IDEB e Sua Correlação nos Municípios Brasileiros.

Ensino Fundamental no Brasil: a Média do Gasto Por Aluno, o IDEB e Sua Correlação nos Municípios Brasileiros. Ensino Fundaental no Brasil: a Média do Gasto Por Aluno, o IDEB e Sua Correlação nos Municípios Brasileiros. Autoria: Jaie Crozatti Resuo: Para contribuir co a discussão da gestão de políticas públicas

Leia mais

5 Controle de Tensão através de Transformador com Tap Variável no Problema de Fluxo de Potência

5 Controle de Tensão através de Transformador com Tap Variável no Problema de Fluxo de Potência 5 Controle de Tensão através de Transforador co Tap Variável no Problea de Fluxo de Potência 5.1 Introdução E sisteas elétricos de potência, os ódulos das tensões sofre grande influência das variações

Leia mais

1. Definições Iniciais

1. Definições Iniciais O Básico da Criptografia usada na Internet Alessandro Martins Mestrando e Redes de Coputadores - PESC/COPPE Universidade Federal do Rio de Janeiro {artins@ufrj.br} RESUMO O objetido deste texto é apresentar

Leia mais

Índice de Custo Benefício (ICB) de Empreendimentos de Geração Termelétrica

Índice de Custo Benefício (ICB) de Empreendimentos de Geração Termelétrica Índice de Custo Benefício (ICB) de Epreendientos de Geração Terelétrica Metodologia de Cálculo Coordenação Geral Maurício Tiono Tolasqui José Carlos de Miranda Farias Equipe Técnica Danielle Bueno de Andrade

Leia mais

Gráfico T2 de Hotelling com tamanho de amostra variável aplicado ao processo de produção de itens de segurança automotiva

Gráfico T2 de Hotelling com tamanho de amostra variável aplicado ao processo de produção de itens de segurança automotiva Produto & Produção, vol. 6 n., p. 5-33, ar. 205 UBMETIDO EM /06/204. ACEITO EM 30/03/205. Gráfico T2 de Hotelling co taanho de aostra variável aplicado ao processo de produção de itens de segurança autootiva

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NA PRODUÇÃO LEITEIRA Revisão de Literatura

BOAS PRÁTICAS NA PRODUÇÃO LEITEIRA Revisão de Literatura BOAS PRÁTICAS NA PRODUÇÃO LEITEIRA Revisão de Literatura 1 LIMA, Eduardo Henrique Oliveira; 2 NORONHA, Cássia Maria Silva; SOUSA, Edgar João Júnio¹. 1 Estudante do Curso Técnico em Agricultura e Zootecnia

Leia mais

TEORIA ELETRÔNICA DA MAGNETIZAÇÃO

TEORIA ELETRÔNICA DA MAGNETIZAÇÃO 113 17 TEORA ELETRÔNCA DA MANETZAÇÃO Sabeos que ua corrente elétrica passando por u condutor dá orige a u capo agnético e torno deste. A este capo daos o noe de capo eletro-agnético, para denotar a sua

Leia mais

Capítulo VII. Por Sérgio Feitoza Costa*

Capítulo VII. Por Sérgio Feitoza Costa* 44 Equipaentos para subestações de T&D Capítulo VII Distâncias de segurança de subestações e sisteas de proteção contra incêndios e subestações Este fascículo ve apresentando conceitos de engenharia para

Leia mais

Construção de um sistema de Realidade Virtual (1 a Parte) O Engine Físico

Construção de um sistema de Realidade Virtual (1 a Parte) O Engine Físico Construção de u sistea de Realidade Virtual (1 a Parte) O Engine Físico Roberto Scalco, Fabrício Martins Pedroso, Jorge Tressino Rua, Ricardo Del Roio, Wellington Francisco Centro Universitário do Instituto

Leia mais

Análise de risco aplicada a instalaçõe industriais de refrigeração que utilizam amônia

Análise de risco aplicada a instalaçõe industriais de refrigeração que utilizam amônia http://dx.doi.org/10.5902/2236117016368 Revista do Centro do Ciências Naturais e Exatas - UFSM, Santa Maria Revista Eletrônica e Gestão, Educação e Tecnologia Abiental - ReGet e-issn 2236 1170 - V. 19,

Leia mais

4.2-Setor da Construção apresenta ao Governo proposta para resolver a questão do déficit habitacional.

4.2-Setor da Construção apresenta ao Governo proposta para resolver a questão do déficit habitacional. BOLETIM ECONÔMICO NOVEMBRO/07 Suário 1.Conjuntura: No ês de outubro, IPCA e INPC auenta, IGPM recua e INCC é o eso do ês anterior. IPCA cheio de outubro (0,30%) é superior ao de setebro (0,18%). As aiores

Leia mais

ATIVIDADE DE COMPOSTAGEM

ATIVIDADE DE COMPOSTAGEM ATIVIDADE DE COMPOSTAGEM 1. Identificação Epresa/Interessado: Endereço: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: E-ail: Atividade: Localização do epreendiento (Endereço): Bairro: CEP: Contato:

Leia mais

Tubos Jaquetados e com Isolamento

Tubos Jaquetados e com Isolamento www.swagelok.co s Jaquetas e co Isolaento Características Disponíveis nos taanhos 1/4" a " e 6 a 12 e aço inoxidável 316/316L e cobre s e aço inoxidável co e se costura Jaqueta e PVC para baixa teperatura

Leia mais

ecotec pro O futuro é Vaillant Vaillant, especialistas em Condensação www.vaillant.pt info@vaillant.pt

ecotec pro O futuro é Vaillant Vaillant, especialistas em Condensação www.vaillant.pt info@vaillant.pt O futuro é Vaillant Vaillant, especialistas e Condensação ecotec pro www.vaillant.pt info@vaillant.pt Caldeira ural ista de condensação, co pré-aqueciento de A.Q.S. Vaillant Group International GbH Berghauser

Leia mais

Notas de Aula de Física

Notas de Aula de Física Versão preliinar 7 de setebro de 00 Notas de Aula de ísica 05. LEIS DE NEWON... ONDE ESÃO AS ORÇAS?... PRIMEIRA LEI DE NEWON... SEGUNDA LEI DE NEWON... ERCEIRA LEI DE NEWON... 4 APLICAÇÕES DAS LEIS DE

Leia mais

Estudo da viabilidade económica da implementação de uma microturbina

Estudo da viabilidade económica da implementação de uma microturbina Departaento de Engenharia Mecânica Rao de Terodinâica e fluidos Gestão da Energia Estudo da viabilidade econóica da ipleentação de ua icroturbina Coordenação do trabalho: Professor Fausto Freire André

Leia mais

UM MODELO DE OTIMIZAÇÃO PARA O PROBLEMA INTEGRADO DE DIMENSIONAMENTO DE LOTES E PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO EM FÁBRICAS DE REFRIGERANTES

UM MODELO DE OTIMIZAÇÃO PARA O PROBLEMA INTEGRADO DE DIMENSIONAMENTO DE LOTES E PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO EM FÁBRICAS DE REFRIGERANTES versão ipressa ISSN 00-7438 / versão online ISSN 678-542 UM MODELO DE OTIMIZAÇÃO PARA O PROBLEMA INTEGRADO DE DIMENSIONAMENTO DE LOTES E PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO EM FÁBRICAS DE REFRIGERANTES Claudio F.

Leia mais

Ass.: Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft - Comercialização

Ass.: Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft - Comercialização Classificação: Docuento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR Nº 20/203-BNDES Rio de Janeiro, 7 de aio de 203 Ref.: Produto BNDES Autoático Ass.: Prograa BNDES para o Desenvolviento da Indústria Nacional

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas. Viajar para dentro

LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas. Viajar para dentro 14 e 85 LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas 1 5 10 15 20 25 30 35 40 45 50 Viajar para dentro Os brasileiros estão viajando ais. Pouco iporta o destino: a verdade é que

Leia mais

F. Jorge Lino Módulo de Weibull MÓDULO DE WEIBULL. F. Jorge Lino

F. Jorge Lino Módulo de Weibull MÓDULO DE WEIBULL. F. Jorge Lino MÓDULO DE WEIBULL F. Jorge Lino Departaento de Engenharia Mecânica e Gestão Industrial da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, Rua Dr. Roberto Frias, 4200-465 Porto, Portugal, Telf. 22508704/42,

Leia mais

UM ALGORITMO GENÉTICO PARA O PROBLEMA DE CARREGAMENTO DE CONTAINER

UM ALGORITMO GENÉTICO PARA O PROBLEMA DE CARREGAMENTO DE CONTAINER UM ALGORITMO GENÉTICO PARA O PROBLEMA DE CARREGAMENTO DE CONTAINER Lúcio Lopes Rodrigues Neto Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ/ COPPE lucio.lopes@bol.co.br Ait Bhaya Universidade Federal do

Leia mais

Função bayesiana em R para o problema de Behrens-Fisher multivariado

Função bayesiana em R para o problema de Behrens-Fisher multivariado Função bayesiana em R para o problema de Behrens-Fisher multivariado Patrícia de Siqueira Ramos 1 2 Daniel Furtado Ferreira 3 1 Introdução Um dos problemas mais comuns na Estatística aplicada é o de comparar

Leia mais

Método Simbólico. Versus. Método Diagramas de Euler. Diagramas de Venn

Método Simbólico. Versus. Método Diagramas de Euler. Diagramas de Venn IV Método Sibólico Versus Método Diagraas de Euler E Diagraas de Venn - 124 - Método Sibólico Versus Método Diagraas de Euler e Diagraas de Venn Para eplicar o que é o Método Sibólico e e que aspecto difere

Leia mais

SISTEMAS DE DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM DUTOS USANDO REDES NEURAIS E MÁQUI- NAS DE VETOR DE SUPORTE

SISTEMAS DE DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM DUTOS USANDO REDES NEURAIS E MÁQUI- NAS DE VETOR DE SUPORTE SISTEMAS DE DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM DUTOS USANDO REDES NEURAIS E MÁQUI- NAS DE VETOR DE SUPORTE RODRIGO S. MARTINS, VICTOR J. L. DUARTE, ANDRÉ L. MAITELLI, ANDRÉS O. SALAZAR, ADRIÃO D. D. NETO Laboratório

Leia mais

KPCLASSEASIM: UMA FERRAMENTA PARA ESTIMATIVA DO COEFICIENTE DO TANQUE CLASSE A

KPCLASSEASIM: UMA FERRAMENTA PARA ESTIMATIVA DO COEFICIENTE DO TANQUE CLASSE A KPCLASSEASIM: UMA FERRAMENTA PARA ESTIMATIVA DO COEFICIENTE DO TANQUE CLASSE A T. D. C. Peixoto 1 ; S. L. A. Levien ; A. H. F. Bezerra 3 ; S. T. A. da Silva 4 RESUMO: A evapotranspiração de referência

Leia mais

Aplicação de gráficos de controle para o monitoramento do processo de retificação do diâmetro interno de um cilindro de aço

Aplicação de gráficos de controle para o monitoramento do processo de retificação do diâmetro interno de um cilindro de aço Aplicação de gráficos de controle para o monitoramento do processo de retificação do diâmetro interno de um cilindro de aço Murilo Thiago da Maia (Universidade do Estado de Santa Catarina) murilot.maia@gmail.com

Leia mais

ANÁLISE DE UMA REFEIÇÃO VEGETARIANA

ANÁLISE DE UMA REFEIÇÃO VEGETARIANA Laboratório de Broatologia e Análises Broatológicas ANÁLISE DE UMA REFEIÇÃO VEGETARIANA Trabalho realizado por: Ana Gonçalves José Nogueira Luís Tavares Laboratório de Broatologia e Análises Broatológicas

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. O aspecto qualidade em duas cooperativas do Estado do Rio Grande do Sul

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. O aspecto qualidade em duas cooperativas do Estado do Rio Grande do Sul PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. O aspecto qualidade em duas cooperativas do Estado do Rio Grande do Sul César Augustus Winck 1, Valdecir José Zonin 2, Luciana Maria Scarton 3,

Leia mais

Aplicação do Controle Estatístico Multivariado no Processo de Extrusão de Tubos de PVC.

Aplicação do Controle Estatístico Multivariado no Processo de Extrusão de Tubos de PVC. Aplicação do Controle Estatístico Multivariado no Processo de Extrusão de Tubos de PVC. Ítalo L. Fernandes, Lidiane J. Michelini, Danilo M. Santos & Emerson Wruck Universidade Estadual de Goiás UEG, CEP

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DOCUMENTAL EM FLORIANÓPOLIS: ANÁLISE DE FUNCIONALIDADES BASEADA NOS REQUISITOS DO E-ARQ BRASIL

SISTEMAS DE GESTÃO DOCUMENTAL EM FLORIANÓPOLIS: ANÁLISE DE FUNCIONALIDADES BASEADA NOS REQUISITOS DO E-ARQ BRASIL SISTEMAS DE GESTÃO DOCUMETAL EM FLORIAÓPOLIS: AÁLISE DE FUCIOALIDADES BASEADA OS REQUISITOS DO E-ARQ BRASIL Suélle Chrystina Leal da lva Graduanda no Curso de Arquivologia UFSC suelle.lealdasilva@gail.co

Leia mais

GRÁFICOS DE CONTROLE PARA O MONITORAMENTO DO VETOR DE MÉDIAS DE PROCESSOS BIVARIADOS AUTOCORRELACIONADOS

GRÁFICOS DE CONTROLE PARA O MONITORAMENTO DO VETOR DE MÉDIAS DE PROCESSOS BIVARIADOS AUTOCORRELACIONADOS XXXI ENCONRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO Belo Horizonte, MG, Brasil, 4 a 7 de outubro de 11. GRÁFICOS DE CONROLE PARA O MONIORAMENO DO VEOR DE MÉDIAS DE PROCESSOS BIVARIADOS AUOCORRELACIONADOS Daniel

Leia mais

Building Services. Circuladores para sistemas de aquecimento, sanitários e refrigeração Série ECOCIRC TLC FLC

Building Services. Circuladores para sistemas de aquecimento, sanitários e refrigeração Série ECOCIRC TLC FLC Circuladores para sisteas de aqueciento, sanitários e refrigeração Série ECOCIRC TLC FLC Série Ecocirc TLC FLC O otivo da escolha A vasta gaa de circuladores da ITT Lowara é a sua prieira escolha devido

Leia mais

Índice de Custo Benefício (ICB) de Empreendimentos de Geração Termelétrica

Índice de Custo Benefício (ICB) de Empreendimentos de Geração Termelétrica Índice de Custo Benefício (ICB) de Epreendientos de Geração Terelétrica Metodologia de Cálculo Leilões de Copra de Energia Elétrica Proveniente de Novos Epreendientos de Geração Ministério de Minas e Energia

Leia mais

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 18:18. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica,

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 18:18. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica, Exercícios Resolvidos de Física Básica Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica, Doutor e Física pela Universidade Ludwig Maxiilian de Munique, Aleanha Universidade Federal da

Leia mais

XXXII ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA SISTEMA BRASILEIRO DE FINANCIAMENTO À EDUCAÇÃO BÁSICA: PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS, LIMITAÇÕES E ALTERNATIVAS

XXXII ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA SISTEMA BRASILEIRO DE FINANCIAMENTO À EDUCAÇÃO BÁSICA: PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS, LIMITAÇÕES E ALTERNATIVAS XXXII ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA SISTEMA BRASILEIRO DE FINANCIAMENTO À EDUCAÇÃO BÁSICA: PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS, LIMITAÇÕES E ALTERNATIVAS Reynaldo Fernandes reynaldo.fernandes@fazenda.gov.br Ministério

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DINÂMICO DE UM VAGÃO SUBMETIDO À EXCITAÇÃO HARMÔNICA POR MEIO DE SIMULAÇÃO MULTICORPOS

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DINÂMICO DE UM VAGÃO SUBMETIDO À EXCITAÇÃO HARMÔNICA POR MEIO DE SIMULAÇÃO MULTICORPOS ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DINÂMICO DE UM VAGÃO SUBMETIDO À EXCITAÇÃO HARMÔNICA POR MEIO DE SIMULAÇÃO MULTICORPOS 1º Lucas de Castro Valente*, 2º Raphael Marotta, 3º Vitor Mainenti 4º Fernando Nogueira 1

Leia mais

SALTO CAXIAS UM PROBLEMA DE FLUTUAÇÃO NA COROA POLAR EVIDENCIADO PELO AGMS

SALTO CAXIAS UM PROBLEMA DE FLUTUAÇÃO NA COROA POLAR EVIDENCIADO PELO AGMS SALTO CAXIAS UM PROBLEMA DE FLUTUAÇÃO NA COROA POLAR EVIDENCIADO PELO AGMS Pedro Massanori Sakua, Álvaro José Noé Fogaça, Orlete Nogarolli Copel Copanhia Paranaense de Energia Paraná Brasil RESUMO Este

Leia mais

Análise comparativa do ambiente de aviários de postura com diferentes sistemas de acondicionamento

Análise comparativa do ambiente de aviários de postura com diferentes sistemas de acondicionamento Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Abiental v.13, n.6, p.788 794, 2009 Capina Grande, PB, UAEA/UFCG http://www.agriabi.co.br Protocolo 016.08 22/01/2008 Aprovado e 27/03/2009 Análise coparativa

Leia mais

COMPOSTAGEM. INFLUENCIA NA TEORIA ZERI, NA SUSTENTABILIDADE GLOBAL E NA REDUÇÃO DA POLUIÇÃO URBANA

COMPOSTAGEM. INFLUENCIA NA TEORIA ZERI, NA SUSTENTABILIDADE GLOBAL E NA REDUÇÃO DA POLUIÇÃO URBANA COMPOSTAGEM. INFLUENCIA NA TEORIA ZERI, NA SUSTENTABILIDADE GLOBAL E NA REDUÇÃO DA POLUIÇÃO URBANA Jorge Orlando Cuéllar Noguera Doutorando e Gestão abiental - UFSC -c.p. 5074 CEP 97110-970 Santa Maria

Leia mais

Medidas de Desempenho em Computação Paralela

Medidas de Desempenho em Computação Paralela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) Capus Curitiba Prograa de Pós-graduação e Engenharia e Inforática (CPGEI) Laboratório de Bioinforática Medidas de Desepenho e Coputação Paralela Heitor

Leia mais

XVIII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 19 a 23 de outubro de 2009

XVIII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 19 a 23 de outubro de 2009 REGRESSÃO MÚLTIPLA APLICADA AOS DADOS DE VENDAS DE UMA REDE DE LOJAS DE ELETRODOMÉSTICOS VANESSA SIQUEIRA PERES 1 RESUMO: Esse trabalho foi realizado com o objetivo de ajustar os dados de vendas de uma

Leia mais

INDICADORES DA QUALIDADE DE MISTURA DE SÓLIDOS PARTICULADOS

INDICADORES DA QUALIDADE DE MISTURA DE SÓLIDOS PARTICULADOS VI CONGRESSO NACIONAL DE ENGENHARIA MECÂNICA VI NATIONAL CONGRESS OF MECHANICAL ENGINEERING 18 a 1 de agosto de 010 Capina Grande Paraíba - Brasil August 18 1, 010 Capina Grande Paraíba Brazil INDICADORES

Leia mais

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Nuérico Faculdade de ngenhari Arquiteturas e Urbaniso FAU Prof. Dr. Sergio Pilling (IPD/ Física e Astronoia) VI Integração Nuérica Objetivos: O objetivo desta aula é apresentar o étodo de integração

Leia mais

KpClasseASIM: UMA FERRAMENTA PARA ESTIMATIVA DO COEFICIENTE DO TANQUE CLASSE A RESUMO

KpClasseASIM: UMA FERRAMENTA PARA ESTIMATIVA DO COEFICIENTE DO TANQUE CLASSE A RESUMO Revista Brasileira de Agricultura Irrigada v.6, nº. 4, p. 96-30, 01 ISSN 198-7679 (On-line) Fortaleza, CE, INOVAGRI http://www.inovagri.org.br DOI: 10.717/rbai.v6n400094 Protocolo 094.1 4/08/01 Aprovado

Leia mais

Brasília, junho de 2014

Brasília, junho de 2014 ORIENTAÇÕES PARA NOTIFICAÇÃO E GERENCIAMENTO DOS DADOS NO SISTEMA NOTIVISA PARA NÚCLEOS DE SEGURANÇA DO PACIENTE (NSP) E COORDENAÇÕES DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Brasília, junho de 2014 NOTIVISA EVENTOS ADVERSOS

Leia mais

UM MODELO DE PROGRAMAÇÃO DINÂMICA PARA COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA DE GERADORES HIDRELÉTRICOS E EÓLICOS POR CONSUMIDORES LIVRES

UM MODELO DE PROGRAMAÇÃO DINÂMICA PARA COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA DE GERADORES HIDRELÉTRICOS E EÓLICOS POR CONSUMIDORES LIVRES UM MODELO DE PROGRAMAÇÃO DINÂMICA PARA COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA DE GERADORES HIDRELÉTRICOS E EÓLICOS POR CONSUMIDORES LIVRES George Martins Silva Universidade Estadual do Ceará - UECE Av. Dr. Silas Munguba,

Leia mais

Nome. Instituição. Linha de ação

Nome. Instituição. Linha de ação Noe RESERVATÓRIO DE MADEIRA TRATADA PARA CAPTAÇÃO DE ÁGUA DA CHUVA Instituição ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PROFESSOR MANSUETO BOFF Linha de ação Atualente, devido ao cresciento populacional, a água te se

Leia mais

UMA NOVA HEURÍSTICA DE TROCAS PARA O PROBLEMA DE SEQUENCIAMENTO DE TAREFAS EM PROCESSADORES UNIFORMES

UMA NOVA HEURÍSTICA DE TROCAS PARA O PROBLEMA DE SEQUENCIAMENTO DE TAREFAS EM PROCESSADORES UNIFORMES UMA NOVA HEURÍSTICA DE TROCAS PARA O PROBLEMA DE SEQUENCIAMENTO DE TAREFAS EM PROCESSADORES UNIFORMES Felipe Martins Müller UFSM / CT / DELC 97105-900 Santa Maria - RS Fone:(055)220-8523 FAX:(055)220-8030

Leia mais

A construção de um manual sobre a utilização dos modelos também poderá alavancar o uso das representações. Este conteria a explicação detalhada da

A construção de um manual sobre a utilização dos modelos também poderá alavancar o uso das representações. Este conteria a explicação detalhada da 6 Conclusões No âmbito do framework teórico da Engenharia Semiótica, este trabalho faz parte de um esforço conjunto para desenvolver ferramentas epistêmicas que apóiem a reflexão do designer durante o

Leia mais

Algoritmo para a simulação computacional da colisão tridimensional de dois corpos

Algoritmo para a simulação computacional da colisão tridimensional de dois corpos Algorito para a siulação coputacional da colisão tridiensional de dois corpos André C. Sila, Aérico T. Bernardes Departaento de Engenharia de Minas Uniersidade Federal de Goiás (UFG) A. Dr. Laartine Pinto

Leia mais

CONCORRÊNCIA Nº 007/2012/CPL-GERAL/CML/SEMAD/PVH PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO-RO

CONCORRÊNCIA Nº 007/2012/CPL-GERAL/CML/SEMAD/PVH PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO-RO CONCORRÊNCIA Nº 7/212/CPL-GERAL/CML/SEMAD/PVH PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO-RO CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA EM OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA PARA OBRA DE CONSTRUÇÃO DO PARQUE DAS ÁGUAS

Leia mais

Patente dos Estados Unidos 5.676.977. Método de Cura com AIDS Tetrasilver Tetróxido Crystal Molecular Devices. 14 de outubro de 1997 ~ Cl.

Patente dos Estados Unidos 5.676.977. Método de Cura com AIDS Tetrasilver Tetróxido Crystal Molecular Devices. 14 de outubro de 1997 ~ Cl. Patente dos Estados Unidos 5.676.977 Método de Cura co AIDS Tetrasilver Tetróxido Crystal Molecular Devices Resuo ~ 14 de outubro de 1997 ~ Cl. 424/618 Marvin S. Antelan O seicondutor diaagnético tetrasilver

Leia mais

APLICAÇÃO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS: PROBLEMA DO PARAQUEDISTA EM QUEDA LIVRE

APLICAÇÃO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS: PROBLEMA DO PARAQUEDISTA EM QUEDA LIVRE APLICAÇÃO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS: PROBLEMA DO PARAQUEDISTA EM QUEDA LIVRE Tatiana Turina Kozaa 1 Graziela Marchi Tiago E diversas áreas coo engenharia, física, entre outras, uitas de suas aplicações

Leia mais

RESOLUÇÕES E RESPOSTAS

RESOLUÇÕES E RESPOSTAS ESLUÇÕES E ESPSTAS QUESTÃ : 0, t C t + 4 a) Co t, teos: 0, C t + 4 0, C 0,04 5 esposta: 0,04 0, t b) De 0,04, teos: t + 4 0,04(t + 4) 0,t t + 4 5t t 5t + 4 0 t ou t 4 Co t, teos t 4. esposta: 4 P-5/P-

Leia mais

CONCEPÇÃO DE SISTEMAS DE SEGUIMENTO DE TRAJETÓRIAS COMPLEXAS PARA AERONAVES COMERCIAIS

CONCEPÇÃO DE SISTEMAS DE SEGUIMENTO DE TRAJETÓRIAS COMPLEXAS PARA AERONAVES COMERCIAIS Revista Iberoaericana de Ingeniería Mecánica. Vol. 7, N.º 2, pp. 63-74, 203 CONCEPÇÃO DE SISTEMAS DE SEGUIMENTO DE TRAJETÓRIAS COMPLEXAS PARA AERONAVES COMERCIAIS TÉO C. REVOREDO, JULES G. SLAMA 2, FÉLIX

Leia mais

Revisões de análise modal e análise sísmica por espectros de resposta

Revisões de análise modal e análise sísmica por espectros de resposta Revisões de análise odal e análise sísica por espectros de resposta Apontaentos da Disciplina de Dinâica e Engenharia Sísica Mestrado e Engenharia de Estruturas Instituto Superior Técnico Luís Guerreiro

Leia mais

CIRCUITOS ELÉTRICOS REGIME PERMANENTE SENOIDAL, REPRESENTAÇÃO FASORIAL E POTÊNCIAS ELÉTRICAS

CIRCUITOS ELÉTRICOS REGIME PERMANENTE SENOIDAL, REPRESENTAÇÃO FASORIAL E POTÊNCIAS ELÉTRICAS CICUIOS EÉICOS EGIME PEMANENE SENOIDA, EPESENAÇÃO FASOIA E As análises de circuitos até o presente, levou e consideração a aplicação de fontes de energia elétrica a u circuito e conseqüente resposta por

Leia mais

METODOLOGIA DE MONITORAÇÃO DO PONTO H NO PROCESSO DE MONTAGEM DE BANCOS DE PASSAGEIRO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA

METODOLOGIA DE MONITORAÇÃO DO PONTO H NO PROCESSO DE MONTAGEM DE BANCOS DE PASSAGEIRO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA METODOLOGIA DE MONITORAÇÃO DO PONTO H NO PROCESSO DE MONTAGEM DE BANCOS DE PASSAGEIRO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA Cyro Alves Borges Junior, DSc UERJ - Departamento de Engenharia Mecânica, Rua São Francisco

Leia mais

Objetivo: converter um comando de posição de entrada em uma resposta de posição de saída.

Objetivo: converter um comando de posição de entrada em uma resposta de posição de saída. Prof. Celso Módulo 0 83 SISTEMAS DE CONTOLE DE POSIÇÃO Objetivo: converter u coando de posição de entrada e ua resposta de posição de saída. Aplicações: - antenas - braços robóticos - acionadores de disco

Leia mais

CALORIMETRIA. Relatório de Física Experimental III 2004/2005. Engenharia Física Tecnológica

CALORIMETRIA. Relatório de Física Experimental III 2004/2005. Engenharia Física Tecnológica Relatório de Física Experiental III 4/5 Engenharia Física ecnológica ALORIMERIA rabalho realizado por: Ricardo Figueira, nº53755; André unha, nº53757 iago Marques, nº53775 Grupo ; 3ªfeira 6-h Lisboa, 6

Leia mais

LEITURA E INTERPRETAÇÃO NBR ISO 9001:2008

LEITURA E INTERPRETAÇÃO NBR ISO 9001:2008 LEITURA E INTERPRETAÇÃO NBR ISO 9001:2008 APRESENTAÇÃO Instrutora: Noe: Márcia Assunção Foração: Graduada e Pós-graduada... Exp. Profissional:... 10 anos Objetivo do curso: Disseinar a interpretação dos

Leia mais

Centro Universitário Anchieta Engenharia Química Físico Química I Prof. Vanderlei I Paula Nome: R.A. Gabarito 4 a lista de exercícios

Centro Universitário Anchieta Engenharia Química Físico Química I Prof. Vanderlei I Paula Nome: R.A. Gabarito 4 a lista de exercícios Engenharia Quíica Físico Quíica I. O abaixaento da pressão de vapor do solvente e soluções não eletrolíticas pode ser estudadas pela Lei de Raoult: P X P, onde P é a pressão de vapor do solvente na solução,

Leia mais

SIMULADOR DO COMPORTAMENTO DO DETECTOR DE ONDAS GRAVITACIONAIS MARIO SCHENBERG. Antônio Moreira de Oliveira Neto * IC Rubens de Melo Marinho Junior PQ

SIMULADOR DO COMPORTAMENTO DO DETECTOR DE ONDAS GRAVITACIONAIS MARIO SCHENBERG. Antônio Moreira de Oliveira Neto * IC Rubens de Melo Marinho Junior PQ SIMULADOR DO COMPORTAMENTO DO DETECTOR DE ONDAS GRAVITACIONAIS MARIO SCHENBERG Antônio Moreira de Oliveira Neto * IC Rubens de Melo Marinho Junior PQ Departaento de Física, ITA, CTA, 18-9, São José dos

Leia mais

que faz a velocidade angular de um corpo mudar. Como, então, explicar que a velocidade angular do martelo dessa Figura permanece constante?

que faz a velocidade angular de um corpo mudar. Como, então, explicar que a velocidade angular do martelo dessa Figura permanece constante? Exercícios Sears & Zeanski, Young & Freedan Física 0ª Edição Editora Pearson Capítulo 0 Torque e Moento angular QUESTÕES PAA DISCUSSÃO Q0. Ao apertar os parafusos da cabeça do otor de u autoóvel, a grandeza

Leia mais

Uma Contribuição à Avaliação de Contratos Bilaterais de Suprimento de Energia Elétrica

Uma Contribuição à Avaliação de Contratos Bilaterais de Suprimento de Energia Elétrica Dissertação de Mestrado Ua Contribuição à Avaliação de Contratos Bilaterais de Supriento de Energia Elétrica Daniel Marrocos Caposilvan Itajubá, junho de 2003 Dissertação de Mestrado Ua Contribuição à

Leia mais

Perfil audiológico e habilidades auditivas em crianças e adolescentes com perda auditiva

Perfil audiológico e habilidades auditivas em crianças e adolescentes com perda auditiva Perfil audiológico e habilidades auditivas e crianças e adolescentes co perda auditiva (Audiology profile and speech perception in children and adolescent with hearing loss) Eliane Maria Carrit Delgado-Pinheiro

Leia mais

Capítulo 14. Fluidos

Capítulo 14. Fluidos Capítulo 4 luidos Capítulo 4 - luidos O que é u luido? Massa Especíica e ressão luidos e Repouso Medindo a ressão rincípio de ascal rincípio de rquiedes luidos Ideais e Moviento Equação da continuidade

Leia mais

3.3. O Ensaio de Tração

3.3. O Ensaio de Tração Capítulo 3 - Resistência dos Materiais 3.1. Definição Resistência dos Materiais é u rao da Mecânica plicada que estuda o coportaento dos sólidos quando estão sujeitos a diferentes tipos de carregaento.

Leia mais

= C. (1) dt. A Equação da Membrana

= C. (1) dt. A Equação da Membrana A Equação da Mebrana Vaos considerar aqui ua aproxiação e que a célula nervosa é isopotencial, ou seja, e que o seu potencial de ebrana não varia ao longo da ebrana. Neste caso, podeos desprezar a estrutura

Leia mais

Propagação do Potencial de Ação ao Longo do Axônio

Propagação do Potencial de Ação ao Longo do Axônio 5910187 Biofísica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 1 Propagação do Potencial de Ação ao Longo do Axônio Os experientos originais de Hodgkin e Huxley que os levara ao seu odelo era realizados e condições

Leia mais

Transformadores e bobinas de alta frequência

Transformadores e bobinas de alta frequência Transforadores e bobinas de alta frequência 007 Profª Beatriz Vieira Borges 1 Transforadores e bobinas de alta frequência ideal v 1 v úcleo de ferrite i 1 i + + v 1 v - - v 1 1 1 v i 1 i 007 Profª Beatriz

Leia mais

Existemcorposdeordemq se, e somente se, q éumapotência de primo.

Existemcorposdeordemq se, e somente se, q éumapotência de primo. Corpos Finitos U corpo é, grosso odo, u conjunto no qual podeos soar, subtrair, ultiplicar e dividir por não nulo, no qual vale todas as propriedades usuais de tais operações, incluindo a coutativa da

Leia mais

Ficha de Dados de Segurança

Ficha de Dados de Segurança Ficha de Dados de Segurança SECÇÃO 1: Identificação da substância/istura e da sociedade/epresa 1.1. Identificador do produto: Tinteiro EPSON T6309 1.2. Utilizações identificadas relevantes da substância

Leia mais

UHE Igarapava Como o monitoramento do entreferro evitou danos de grande monta no gerador

UHE Igarapava Como o monitoramento do entreferro evitou danos de grande monta no gerador UHE Igarapava Coo o onitoraento do entreferro evitou danos de grande onta no gerador utores: Raiundo Jorge Ivo Metzker, CEMIG Marc R. Bissonnette, VibroSystM ndré Tétreault, VibroSystM Jackson Lin, VibroSystM

Leia mais

XRV 1000 SD5 XRW 1000 SD5 XRXS 566 XRYS 557 / 577 OEM OILTRONIX. Atlas Copco Compressores de Ar Portáteis Maior produtividade em todas as situações

XRV 1000 SD5 XRW 1000 SD5 XRXS 566 XRYS 557 / 577 OEM OILTRONIX. Atlas Copco Compressores de Ar Portáteis Maior produtividade em todas as situações Atlas Copco Copressores de Ar Portáteis Maior produtividade e todas as situações XRV 1000 SD5 XRW 1000 SD5 XRXS 566 XRYS 557 / 577 OEM OILTRONIX A Atlas Copco é líder undial e copressores de ar portáteis,

Leia mais

1ª LISTA DE DINÂMICA E ESTÁTICA. está inicialmente em repouso nas coordenadas 2,00 m, 4,00 m. (a) Quais são as componentes da

1ª LISTA DE DINÂMICA E ESTÁTICA. está inicialmente em repouso nas coordenadas 2,00 m, 4,00 m. (a) Quais são as componentes da Universidade do Estado da Bahia UNEB Departaento de Ciências Exatas e da Terra DCET I Curso de Engenharia de Produção Civil Disciplina: Física Geral e Experiental I Prof.: Paulo Raos 1 1ª LISTA DE DINÂMICA

Leia mais

Equalização e identificação adaptativas de canais utilizando marca d água

Equalização e identificação adaptativas de canais utilizando marca d água Equalização e identificação adaptativas de canais utilizando arca d água Mário Uliani Neto *, Leandro de Capos Teixeira Goes, João Marcos Travassos Roano ** O objetivo deste trabalho é investigar o uso

Leia mais

Recomenda-se que os requisitos gerais desta Norma sejam adequados pela autoridade competente à legislação específica local.

Recomenda-se que os requisitos gerais desta Norma sejam adequados pela autoridade competente à legislação específica local. AGO 2000 NBR 14570 ABNT Associação Brasileira de Noras Técnicas Instalações internas para uso alternativo dos gases GN e GLP - Projeto e execução Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP

Leia mais

INCORPORAÇÃO DOS IMPACTOS SOCIOAMBIENTAIS POSITIVOS RELACIONADOS AOS USOS MÚLTIPLOS DA ÁGUA NOS ESTUDOS DE INVENTÁRIO HIDRELÉTRICO

INCORPORAÇÃO DOS IMPACTOS SOCIOAMBIENTAIS POSITIVOS RELACIONADOS AOS USOS MÚLTIPLOS DA ÁGUA NOS ESTUDOS DE INVENTÁRIO HIDRELÉTRICO INCORPORAÇÃO DOS IMPACTOS SOCIOAMBIENTAIS POSITIVOS RELACIONADOS AOS USOS MÚLTIPLOS DA ÁGUA NOS ESTUDOS DE INVENTÁRIO HIDRELÉTRICO Katia Cristina Gacia 1 ; Jorge M. Daázio; Silvia Helena Pires; Denise

Leia mais

2007.2. Como o Pensamento Sistêmico pode Influenciar o Gerenciamento de Projetos

2007.2. Como o Pensamento Sistêmico pode Influenciar o Gerenciamento de Projetos UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - UFPE CENTRO DE INFORMÁTICA CIN GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 2007.2 Coo o Pensaento Sistêico pode Influenciar o Gerenciaento de Projetos TRABALHO DE GRADUAÇÃO

Leia mais

INOVAÇÕES NA AGRICULTURA FAMILIAR: ESTUDO DE CASO EM PROPRIEDADES RURAIS LEITEIRAS NO PARANÁ

INOVAÇÕES NA AGRICULTURA FAMILIAR: ESTUDO DE CASO EM PROPRIEDADES RURAIS LEITEIRAS NO PARANÁ INOVAÇÕES NA AGRICULTURA FAMILIAR: ESTUDO DE CASO EM PROPRIEDADES RURAIS LEITEIRAS NO PARANÁ Fernanda Mattioda (UTFPR) fermattioda@yahoo.com.br Juliana Vitoria Messias Bittencourt (UTFPR) julianavitoria@utfpr.edu.br

Leia mais

ESTEQUIMETRIA LÚDICA: RESSIGNIFICANDO A APRENDIZAGEM POR MEIO DE UMA MARATONA QUÍMICA

ESTEQUIMETRIA LÚDICA: RESSIGNIFICANDO A APRENDIZAGEM POR MEIO DE UMA MARATONA QUÍMICA ESTEQUIMETRIA LÚDICA: RESSIGNIFICANDO A APRENDIZAGEM POR MEIO DE UMA MARATONA QUÍMICA Patrícia Severiano de Oliveira* (1) (1) Universidade Federal de Alagoas Campus Arapiraca *patríciaufal2011@gmail.com

Leia mais

Descrição, análise e sugestão de melhorias do processo produtivo de uma empresa do seguimento de bebidas

Descrição, análise e sugestão de melhorias do processo produtivo de uma empresa do seguimento de bebidas Descrição, análise e sugestão de melhorias do processo produtivo de uma empresa do seguimento de bebidas Nathan José Mota Garcia (1) ; Rosiane Gonçalves dos Santos (1) ; Carlos Roberto de Sousa Costa (2)

Leia mais