UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA MODELO CONCEITUAL DE DECISÃO RELATIVO AO EVENTO MANTER/ELIMINAR/REORGANIZAR ATIVIDADES: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A EFICÁCIA DA ORGANIZAÇÃO MESTRANDOS: HEBER LAVOR MOREIRA LUIZ CARLOS PESSOA SÔNIA BARBOSA PROFESSOR: DR. ARMANDO CATELLI BELÉM-PA 2002

2 2 INTRODUÇÃO O cenário econômico mundial das organizações, caracterizado pela globalização da economia, indica a necessidade do desenvolvimento de características que lhes permitam atuar em mercados globais. O aumento acelerado da concorrência e a necessidade de competir em termos de preço e qualidade provocou nas organizações a busca de eficácia com eficiência através de novos modelos e filosofias de gerenciamento, para poderem sobreviver e garantir sua continuidade. Garantir a continuidade pressupõe adequação da empresa às condições ambientais internas e externas atuais e futuras, caracterizando assim um sistema-empresa dinâmico e aberto, em que a referência do que é ser eficaz muda ao longo do tempo. Nesse contexto, os gestores devem possuir uma visão holística e sistêmica das entidades empresariais, assumindo-se que a organização é um sistema, composto de subsistemas interdependentes e relacionados entre si, formando um todo. O presente artigo objetiva estudar e desenvolver um modelo conceitual que possibilite a decisão de manter ou eliminar, ou de manter ou reorganizar atividades com enfoque em uma empresa prestadora de serviços. Considerando que o problema fundamental da tomada de decisão é a escolha de alternativas, buscamos nos conceitos que integram o Sistema de Gestão Econômica respostas ao nosso estudo. O ambiente competitivo das empresas de serviços É cada vez mais significativa a participação dos setores de prestação de serviços na nossa economia, especialmente na geração de empregos. As organizações de serviços diferenciam-se das indústrias em vários aspectos. As empresas de serviços não produzem para estoque, como as indústrias, embora possam ter estoques para serem agregados aos serviços que oferecem. Nas empresas de serviços os produtos são compostos em sua maioria por componentes intangíveis, como no caso de consultorias, objeto de estudo deste artigo, ou por

3 3 composição mista, ou seja, a junção destes com partes tangíveis como serviços bancários. Outra característica das empresas de serviços está na relação com o cliente. É ele que determina o sentido, a direção em que os processos ocorrem. Por essa diferença, nota-se que as empresas de serviço têm produção de demanda puxada, ou seja, para atender ao que o cliente necessita. Portanto, essas organizações devem ter uma estrutura que lhes permita atender com a máxima precisão aos clientes quando estes as acionam. O papel dos gestores Nesse contexto, caracterizado por um ambiente competitivo os gestores das empresas prestadoras de serviços encontram-se diante de novos desafios. Demonstrando com isso a necessidade de: 1 revisão do modelo de gestão da empresa, caracterizado pelo conjunto de crenças e valores quanto à forma de gestão de suas atividades; uma postura gerencial mais empreendedora; estruturação adequada do processo de gestão de suas atividades, desde a fase de planejamento até o controle oportuno de suas ações; adaptação dos modelos decisórios dos gestores às novas exigências ambientais; desenvolvimento de sistemas de informações gerenciais que apoiem adequadamente esses modelos decisórios, em todas as fases do processo de gestão. 1 CATELLI, Armando et al. Avaliação de Resultados e desempenhos em Instituições financeiras: Enfoque de gestão econômica. Revista de Contabilidade do CRC-SP n.º 6 p. 9.

4 A necessidade de novos instrumentos gerenciais O cenário dentro do qual está envolvido o presente tema exige a busca pelo melhor modelo de decisão. Um modelo que atenda ao melhor resultado para a empresa, com o menor nível de risco. Para tanto é necessária a avaliação adequada de várias condicionantes que envolvem a organização e que dão sentido a sua existência. São elas: missão da empresa e suas políticas de ação, estrutura organizacional, mercados, toda a tecnologia usada, avaliação do produto, do processo produtivo, política de preços, critérios de acumulação de custos, competência da equipe técnica, o perfil da equipe de gerentes. Enfim, a organização deve ser avaliada integralmente, e também, estudada a importância que detém dentro de toda a cadeia de valor. O estudo a que se propõe o presente artigo, é avaliar os resultados da boa gestão econômica dos negócios de tal ordem a bem dimensionar o valor econômico da empresa. O Gecon é um modelo conceitual de gestão baseada em resultados econômicos, e se utiliza da constatação de que o lucro econômico é a melhor medida de eficácia da empresa. Baseado nessa premissa são elaborados modelos próprios de gestão, decisão, mensuração e informação, todos interligados e integrados de acordo com uma visão sistêmica da empresa. A partir da combinação de conceitos de mensuração oriundos da teoria econômica, entre os quais a valoração dos potenciais de serviços dos ativos pelos preços de mercado e o reconhecimento da receita no momento da geração da riqueza, os pesquisadores do GECON têm desenvolvido técnicas para a apuração do resultado econômico das áreas internas da empresa, das atividades e transações, com vistas à tomada de decisões.

5 2) QUESTÕES ESTRATÉGICAS DA GESTÃO DE EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS: O Caso da Empresa ABS Consultoria S/C Ltda 2.1. Missão da empresa: Define-se como empresa uma instituição social formada por talentos humanos, como um todo único e cuja missão é otimizar a satisfação das necessidades humanas. Consequentemente, a missão de uma organização é sua verdadeira razão de existência e tem por função direcionar seu modo de atuação, funcionando como agente integrador e catalisador dos esforços individuais. Ao oferecer bens e serviços à sociedade, as empresas cumprem não só o papel de agentes econômicos, mas também de agentes sociais Missão da ABS : Assegurar às entidades da sociedade a realização de serviços de consultoria contábil Estrutura e forma de atuação: A empresa ABS é uma sociedade civil prestadora de serviços profissionais de consultoria na área contábil para pessoas físicas e jurídicas. É composta de quatro sócios (A, B, C, D ) que atuam também como executivos. A empresa localiza-se em uma região de grande competitividade. Possui bom nível de tecnologia embarcada, competência profissional comprovada e rapidez na tomada de decisão e na adaptação às inovações tecnológicas. Abaixo ( Quadro 1) definimos claramente as funções e responsabilidades dos gestores, de forma que não fiquem dúvidas sobre suas responsabilidades individuais, pois um gestor não pode ser cobrado por variáveis que estão fora de seu controle. Quadro 1: Áreas de responsabilidade da ABS Consultoria S/C Ltda 2 Sócios Área de responsabilidade Missão da área A Compras Obter e armazenar os materiais diretos requeridos e garantir o fluxo de produção Atividades Compra de materiais p/ escritório Estocagem de materiais 2 Adaptado de CATELLI, Armando. Mensuração do Resultado segundo a ótica da Gestão Econômica (GECON). Revista do CRC-SP n.º 1 p. 57, 1996.

6 6 de serviços B Produção Produzir serviços de consultoria contábil C Vendas Vender os serviços de D Administração Central e Controladoria consultoria contábil Obter e disponibilizar recursos financeiros para a empresa. Coordenar a execução de todas as atividades comuns às demais áreas da empresa. Otimizar o resultado global da empresa. Coletar dados (imput de informações) Analisar dados Processar relatórios (Output de informações) Venda dos serviços Captação e aplicação de recursos financeiros Administração do caixa Banco interno Coordenação das atividades da empresa. Coordenação do processo de gestão. Criação, implementação e coordenação do Sistema de Informação A empresa ABS é constituída de atividades que consomem recursos e produzem serviços equivalentes aos produzidos pelo mercado, numa cadeia interna de relacionamento fornecedor-cliente. Estas atividades só devem ser mantidas se conseguirem produzir serviços em condições competitivas com as ofertadas pelo mercado. Todas as atividades mantidas internamente devem ser competitivas, contribuindo favoravelmente para os resultados globais da empresa. Caso contrário, não se justifica mantê-las no ambiente interno da empresa, tendo em vista a existência de alternativas de mercado mais interessantes para a obtenção dos produtos gerados por essas atividades. No desenvolvimento das atividades, entendidas como um processo físico-operacional que consome recursos e gera serviços, surgem os eventos econômicos, definidos como uma classe de transações da mesma natureza que afetam da mesma maneira o patrimônio da ABS. Os gestores da Empresa ABS desejam melhorar seus resultados, e para isso, estão diante de algumas questões:

7 COMO OTIMIZAR OS RESULTADOS DA EMPRESA ABS? 1. Eliminando atividades? Quais? O que fazer com suas despesas fixas? 2. Reorganizando a estrutura das atividades operacionais? Ajustando a estrutura da administração central? 3. Melhorando a atuação da administração central? Enquanto gestora das atividades ou gestora financeira da empresa? Quadro 2: Questões estratégicas da gestão 2.3. MODELO FÍSICO OPERACIONAL DA ABS: Este subsistema proporciona o arcabouço lógico de todas as atividades da ABS. O sucesso da empresa depende da perfeita interação dessas atividades entre as unidades de negócio e com o meio ambiente. É no subsistema Físico-Operacional que são processados os eventos e as transações. O sucesso da gestão não está nas atividades mas em cada ocorrência, em cada transação resultando em conseqüências positivas ou negativas para as atividades. Para o GECON, o foco é a transação, sendo os resultados reconhecidos e formados através de cada transação, chegando por acumulação ao resultado de produtos, atividades, departamentos e da empresa. A configuração do subsistema físico-operacional da ABS(Quadro 3) deve atender, portanto, aos seguintes requisitos para compor um modelo sistêmico ideal de atuação empresarial: A estrutura físico-operacional deve atender às diretrizes estabelecidas pelo subsistema modelo de gestão para permitir o cumprimento da missão. É preciso assegurar interações pró-ativas entre as partes: fornecedores de recursos, o sistema físico-operacional e os diversos clientes dos serviços gerados; A organização precisa dimensionar o ambiente próximo, detectando as variáveis (fornecedores de recursos, concorrentes e clientes) bem como o ambiente remoto com suas variáveis (econômicas, sociais, políticas,

8 8 tecnológicas, regulatórias, etc) das quais dependem a eficácia da empresa; Cada transação desenvolvida neste subsistema deve gerar e serviços de valor superior aos recursos consumidos. VISÂO SISTÊMICA DO SUBSISTEMA FÍSICO OPERACIONAL DA ABS AMBIENTE REMOTO: Governo, Sociedade, Outros ambientes (Países, segmentos, etc.) VARIÁVEIS: Econômicas, Sociais, Tecnológicas, Políticas, Ecológicas, Regulatórias, Outras. AMBIENTE PRÓXIMO ENTIDADES R EMPRESA S DISTRIBUIDOR FORNECEDORAS E E Serviços Materiais C Compra R Pessoas qualificadas Recursos humanos U Produção V dinheiro tecnologia R Venda I Informações Informação S Adm.central Ç tecnologia Recursos Financeiros O O S S CONCORRENTES Serviços CONSUMIDOR FINAL Quadro 3: Fonte: Adaptado de MAIA, Heloísa Helena Rocha et al. Proposta de um modelo ideal de atuação empresarial com enfoque na controladoria. Artigo publicado no VI Congresso de Contabilidade de Custos. 3. EFICÁCIA DA ENTIDADE: Segundo Santos 3 entende-se por eficácia a capacidade gerencial de fazer as coisas certas, fazer com que as coisas sejam realizadas, ou atingir os resultados planejados. A eficácia empresarial caracteriza-se pelo grau de atingimento da missão do negócio e garantia de continuidade da entidade. A eficácia do todo depende da eficácia das partes. As áreas de responsabilidade ou organizacionais devem também ser eficazes, cumprir suas missões individuais e otimizar o todo por meio do relacionamento interno fornecedor-cliente de recursos-produtos. 3 SANTOS, Roberto Vatan. Gestão econômica (Gecon): novos desafios da controladoria na gestão empresarial. Revista do CRC SP n.º 13 p

9 9 O atingimento da eficácia do sistema-empresa e de cada uma de suas partes implica em levar em consideração os seguintes requisitos fundamentais: Produtividade: é a relação entre produção e capacidade produtiva Eficiência: Eficácia é a relação entre recursos consumidos e produtos obtidos. Satisfação das pessoas (internas e externas): Entende-se que, no processamento das atividades empresariais, as mesmas devam promover a satisfação em todos os agentes envolvidos, donos da empresa, dirigentes, funcionários, clientes, fornecedores, governo e sociedade em geral. Adaptabilidade do processo decisório: é sua flexibilidade em se ajustar às mudanças ambientais. Desenvolvimento: significa o aperfeiçoamento contínuo na empresa. Se a eficácia empresarial é tão importante, surge a questão de como mensurá-la corretamente. O melhor indicador da eficácia empresarial é o lucro econômico, conceitual e corretamente mensurado, sintetizando os demais indicadores físico-financeiros. Se uma empresa é eficiente, esse ponto estará refletido no lucro de forma positiva, não o lucro contábil, o ortodoxo, segundo a legislação ou normas contábeis, mas o lucro econômico, medido por meio de um sistema de mensuração que realmente espelhe o patrimônio econômico-empresarial e suas mutações. 4. MODELO DE DECISÃO PROPOSTO: Adotamos o conjunto de premissas descritas a seguir e, também, os conceitos e instrumentos derivados de sua aceitação. Observamos que nas demais seções deste artigo, serão descritos o significado dessas premissas e conceitos apresentados.

10 PREMISSAS CONCEITOS E INSTRUMENTOS 1. Deve haver controle das atividades Subsistema de Apuração de Resultados 2. Os desempenhos devem ser eficientes e Preços de transferência eficazes Método de Custeio Variável 3. A gestão deve ser voltada para a Avaliação de Resultados Global e rentabilidade Analítica 4. A identificação e a acumulação dos custos Custos controláveis e receitas devem respeitar o poder de Custos não controláveis decisão dos gestores sobre os mesmos Receita de transferência interna (controlabilidade) Competência de período 5. Os sistemas de Informações Gerenciais Sistema de Informação de Gestão devem estar integrados aos sistemas de Informações operacionais. Econômica sustentando nos Sistemas de Informações Operacionais 6. Os relatórios devem atender as Modelo de Informação necessidades dos usuários Modelo de mensuração 7. A mensuração deve se basear em Valor de mercado conceitos econômicos Reconhecimento da Receita pela Geração dos Serviços Custo de Oportunidade Quadro 4: Premissas do modelo de decisão proposto 4.1. CONCEITOS ADOTADOS NO MODELO DE DECISÃO DA ABS: Para apuração do resultado econômico, alguns conceitos são fundamentais: Preço de Transferência: Corresponde ao preço validado para a transferência produtos e serviços entre centros de resultado da empresa. A importância da utilização correta do preço de transferência consiste em apoiar as avaliações de resultado e desempenho dentro do contexto da gestão por resultados, permitindo a mensuração do resultado no

11 11 momento da ocorrência da riqueza. Para esse conceito ser eficaz, ele deve atender aos seguintes requisitos 4 : Refletir o processo físico-operacional da atividade; Não repassar ineficiências entre atividades; Identificar como, onde e quando os resultados são formados; Reconhecer a evolução patrimonial da entidade; Não distorcer os resultados das áreas, atividades, eventos e transações; Não prejudicar os negócios da empresa; Promover o autocontrole. Desse modo, permite que as decisões dos gestores sejam sempre orientadas para o melhor resultado para a empresa em sua totalidade. Assim, a utilização correta de preço de transferência ocorre com a adoção do método baseado no custo de oportunidade do cliente interno, ou seja, o menor preço de mercado de determinado insumo para as condições requeridas pela área-cliente (custo da melhor alternativa desprezada) Custo de Oportunidade: Custo de oportunidade representa o valor da melhor alternativa desprezada em favor da alternativa escolhida. O modelo Gecon utiliza o conceito de custo de oportunidade para a mensuração do resultado econômico e da remuneração do capital da empresa; seleção de alternativas de investimento; estudo de preços de venda; avaliação de desempenhos das áreas e de resultados dos produtos/serviços gerados internamente. No modelo proposto, o conceito de custo de oportunidade é empregado na apuração do resultado da entidade e na definição do preço de transferência entre as áreas.

12 Controlabilidade dos resultados: Significa o poder de decisão que qualquer gestor possui sobre o dimensionamento dos gastos da empresa e sobre a geração de receita. O modelo procura identificar e vincular corretamente os gastos e receitas com as autoridades atribuídas. Desse modo, as despesas estruturais são associadas somente às atividades e às áreas responsáveis pela sua ocorrência. Os custos dos produtos referem-se apenas aos custos variáveis que, confrontados com a receita gerada, permitem a identificação de sua margem de contribuição para a cobertura dos custos estruturais da atividade, que normalmente são de natureza fixa Áreas de Responsabilidade, Centros de Custos e Centros de Resultado: Este conceito possibilita o emprego de mecanismos de avaliação de desempenhos, cujos gestores maiores serão os alvos da prestação de contas. Uma área de responsabilidade se caracteriza por ter um gestor responsável pelas decisões tomadas. Na figura a seguir, visualiza-se a abordagem de análise de resultados, voltada para produtos e serviços e de análise de desempenhos, centrada em áreas de responsabilidade onde metas tenham sido estabelecidas. Produtos e Serviços Área de responsabilidade Centros de Resultado Centros de Custos Análise de Resultados Análise de Desempenhos Quadro 5: Abordagem de análise de resultados 4 CATELLI, Armando et al. Avaliação de Resultados e Desempenhos em Instituições Financeiras: Enfoque de gestão econômica (Gecon). Revista CRC/SP. n.º 6 p

13 Custeio variável: É o método de custeio em que se segregam os custos variáveis dos produtos/serviços daqueles custos ligados à manutenção da estrutura. Esses custos podem ser acumulados de acordo com sua clara identificação com uma linha de produtos/serviços, com uma divisão, com um departamento ou mesmo só serem identificados com a administração geral. Essa forma de custeio é a mais justa, por não possuir critérios arbitrários de distribuição de gastos, e permite uma melhor estruturação das decisões tomadas pelos gestores. Nesse método se privilegia a utilização de margens de contribuição, obtida pelo confronto entre as receitas e os custos e despesas variáveis Moeda Constante: A aplicação do conceito de moeda constante objetiva a expressão monetária dos eventos econômicos numa mesma base, permitindo que os resultados e desempenhos (Planejados e realizados) sejam passíveis de comparação ao longo do tempo, além de permitir a soma dos desempenhos de períodos diferentes. Para tanto, o modelo adota a utilização de Moeda forte (pode ser uma moeda interna) que reflita a variação do poder de compra do dinheiro, isto é, que esteja refletindo os efeitos da inflação interna sofrida pela entidade. Entretanto, quando não existir essa condição, os conceitos de Correção Monetária Integral devem ser considerados. 4. MENSURAÇÃO CONCEITUALMENTE CORRETA DO RESULTADO ECONÔMICO: Catelli 5 enfatiza que se a empresa é um conjunto de atividades em constante interação e se são desenvolvidas em nível analítico por meio das transações (eventos econômicos, analíticos) então a eficácia do sistema empresa depende do resultado econômico de cada evento. Dessa forma, o Gecon leva em consideração que a otimização do todo ( a empresa) depende da otimização das partes (áreas de responsabilidade, atividades, eventos e transações). 5 CATELLI, Armando et al. Revista CRC/SP n.º 01 p

14 14 Estruturação conceitual do modelo de mensuração do sistema de gestão Econômica (Gecon) Reconhecimento Preço de da receita Custo corrente transferência pela produção Dados: Dados Recursos;produtos Mensuração Mensurados Eventos/Transações Cuasteio Custo Direto/Variável Custo padrão de oportunidade Quadro 6: Fonte: Santos, Roberto Vatan. Gestão Econômica (Gecon): novos desafios da Controladoria na Gestão Empresarial. Revista CRC/SP n.º 13 p OS RESULTADOS DA ABS MENSURADOS COM BASE EM CONCEITOS DE GESTÃO ECONÕMICA: 6.1. Estrutura de Identificação e Acumulação de Resultados: A matriz de identificação e acumulação permite que a análise de resultados dos serviços e a análise de desempenho das unidades operacionais da ABS sejam efetuadas conforme a seguir: Transação: Data: Atividade Processo Serviço C.Result. A.Resp. Empresa Receita Custo A Custo B Custo C Quadro 7: Matriz de acumulação

15 15 Segundo Parisi 6, a entidade atividade identifica e acumula, por destino, as ações executadas e identificadas direta e objetivamente com uma unidade de um determinado serviço. O processo identifica e acumula o conjunto de atividades de mesma espécie aplicadas na prestação de um serviço. O serviço é uma unidade acumuladora dos recursos utilizados por todos os processos, além de ser a entidade identificadora da receita. No centro de resultado, tem-se a acumulação de todos os serviços de mesma natureza. Além de ser a entidade de identificação de custo fixo. A área de responsabilidade existe pela presença de um gestor responsável pela atividade, ela pode ser também uma entidade identificadora (por destino) de custo fixo. Por fim, o modelo contempla, ainda, a entidade empresa completando o processo de acumulação. 6. APURAÇÃO DO RESULTADO ECONÕMICO DA ABS: A apuração do resultado econômico da ABS deve estar sustentada nos conceitos de mensuração observados no quadro 6, permitindo que o mesmo seja apurado corretamente. A receita operacional deve corresponder à melhor alternativa (menor preço de mercado à vista) que os gestores estão deixando de pagar pela decisão de manter a ABS. Representa, portanto, o seu custo de oportunidade. Os custos variáveis correspondem aos valores dos insumos utilizados pela ABS na produção dos serviços e que possam ser diretamente identificados aos mesmos, mensurados pelos seus valores de mercado à vista, representando o seu custo corrente de reposição. 6 PARISI, Claudio. Uma contribuição ao estudo de modelos de identificação e acumulação de resultado. Dissertação de mestrado USP/SP.1995 p.99

16 16 Os custos/despesas fixas se referem ao consumo de recursos identificados no período e que, portanto, não pertencem aos serviços produzidos pela ABS. Dando como exemplo a Área de Produção de Serviços, demonstramos abaixo o Modelo de Decisão, de acordo com as premissas de Identificação e Mensuração do resultado correto. Portanto o Resultado Econômico das atividades da ABS, pode ser caracterizado pela seguinte equação: PRINCIPIOS, DEFINIÇÕES E FUNÇÕES Modelo Operacional de decisão Receitas Operacionais ( - ) Custos / despesas variáveis ( = ) Margem de contribuição operacional Receitas Financeiras ( - ) Custos Financeiros ( = ) Margem de contribuição financeira ( - ) Custos/ despesas fixas ( = ) Resultado econômico Modelo de Mensuração Modelo de Informação Fonte: CATELLI, Armando et al. Controladoria Uma abordagem da gestão econômica Gecon. Ed Atlas. p.123 Quadro 8: Modelo conceitual de decisão Aplicando o modelo acima proposto, poderemos evidenciar os resultados econômicos das atividades, bem como o resultado econômico global da empresa.

17 17 Quadro 9: Resultado econômico das atividades Resultado por Áreas a) Resultado econômico das atividades da área de produção de serviços Período MM/AA Contas coletar dados analisar dados processar dados Total da área Receita de serviços ( - ) Custos variáveis identificados ao serviço ( = ) Margem de Contribuição operacional Receita Financeira ( - ) Custo Financeiro ( = ) Margem de Contribuição Financeira ( - ) Custos fixos identificados à atividade ( =) Margem de contribuição da atividade Através da soma das contribuições das atividades de : coletar dados, analisar dados e processar relatórios, forma-se a contribuição da Área de Produção e a soma das contribuições das diversas áreas : Compra, Venda, Produção e Adm. Central, forma o resultado econômico da ABS. Conforme Quadro abaixo: Resultado por Áreas b) Empresa Período MM/AA Contas Compras Produção Vendas Adm. Central Empresa Receita de serviços ( - ) Custos variáveis ( = ) Margem de Contribuição operacional Receitas financeiras ( - ) Custos financeiros ( = ) Margem de contribuição Financeira ( - ) Custos/despesas fixas ( =) Resultado da empresa Quadro 10: Resultado econômico da empresa Os preços de transferência, conforme preconizados no Modelo Gecon, correspondem ao custo de oportunidade de captação e aplicação de recursos, considerando as melhores alternativas existentes para a ABS. Todos os recursos captados pelas atividades são, então, repassados a uma determinada taxa, que corresponde ao custo de oportunidade da ABS na melhor alternativa de captação da Administração Central. Da mesma forma, todos os recursos aplicados são comprados pelas atividades a uma taxa que corresponde à melhor taxa de aplicação e de recursos pela Administração Central.

18 18 De acordo com Catelli e Guerreiro 7 : a informação do resultado econômico gerado por uma atividade permite a identificação da formação do lucro, ou seja, quais atividades contribuem mais ou menos para a formação do resultado econômico global da empresa, qual atividade vale a pena terceirizar, qual atividade vale a pena manter, e qual a perda econômica pela manutenção de atividades estratégicas deficitárias. As respostas às questões dos gestores: A mensuração dos resultados da ABS, com base em conceitos de Gestão Econômica, conforme apresentados, permitirá que os gestores tenham uma idéia clara da realidade econômica da empresa. Ao evidenciar-se a formação do resultado econômico da ABS, poderão ser identificados problemas e analisadas alternativas voltadas a solucioná-los, conforme a área de responsabilidade de cada gestor. Assim, destacam-se alguns comentários relacionados às questões elencadas anteriormente (Quadro 2), que se resumem em Como melhorar os resultados da ABS? Manter ou eliminar atividades? A decisão de eliminar atividades não deve considerar apenas o resultado de um período, mas a continuidade dos resultados (retorno) ao longo do tempo. Nesse sentido, o Modelo Gecon expressa a contribuição efetiva dessas atividades e demonstra também, no caso de eliminar atividades deficitárias, qual seria o impacto em relação ao resultado global da ABS. Cabe destacar que nem sempre as decisões de eliminação de atividades vêm acompanhadas da eliminação de todas as despesas estruturais como, por exemplo, com pessoal, instalações, implicando perda de margens operacionais com absorção de parte das despesas fixas pela ABS, o que pode resultar num prejuízo maior. Manter ou reorganizar atividades? 7 CATELLI, Armando et. al. Controladoria- Uma abordagem da Gestão Econômica-Gecon. Ed.Atlas S.P. p

19 19 Por meio da mensuração das contribuições dos eventos, confrontados com as despesas estruturais de cada atividade, obtém-se claramente uma idéia dos pontos de equilíbrio dessas atividades. Desse modo os ajustes de estrutura podem ser precedidos de ações para tentar retomar o equilíbrio econômico das atividades, por meio do incremento de operações ou da melhoria nas taxas. O confronto entre as margens das operações e as despesas fixas identificadas a cada atividade expressa a capacidade de essas operações cobrirem os custos da estrutura definida para realizá-las. O modelo Gecon permite a simulação de alternativas, evidenciando o resultado econômico de cada uma delas e, desse modo, suportando a escolha das que otimizam os resultados. Destaca-se, ainda, que os resultados realizados correspondem a dados históricos. A Avaliação desses resultados, só e possível a partir de seu confronto com os resultados planejados e os padrões de desempenho relativos ao período. 7. Premissas adotadas no Modelo de Sistema de Informações Gerenciais da ABS: O modelo de Sistema de Informações Gerenciais desenvolvido apóia-se no seguinte conjunto de premissas: Deve ser apurado o resultado econômico da entidade, das áreas, atividades, serviços, conforme a necessidade da gestão; A mensuração do resultado deve refletir o sistema físico operacional Deve permitir avaliação de desempenho das áreas; Deve permitir avaliação de resultados dos serviços; Deve basear-se em conceitos que reflitam o valor econômico dos objetos mensurados; Deve imputar-se aos gestores somente as receitas e custos sobre os quais eles possuam efetivo controle (controlabilidade de receitas e gastos);

20 20 As perdas e ganhos por ineficiência/eficiência devem ser identificadas às respectivas áreas de origem; As avaliações de desempenhos e de resultados devem basear-se no confronto entre os desempenhos realizados e planejados; A avaliação de desempenhos deve ser concebida como um instrumento de gestão; O benefício gerado pela informação deve ser maior do que o gasto para sua geração Modelo de Informação para Avaliação de Desempenho da ABS: A Avaliação de Desempenho refere-se à avaliação dos resultados gerados pelas atividades sob responsabilidade dos gestores. Só devem ser avaliadas aquelas decisões que lhes competem pelas suas responsabilidades 8. As decisões tomadas geram receitas e consomem recursos, e o resultado desse confronto deve ser o parâmetro de avaliação de desempenho. Receita Operacional ( - ) Custos variáveis Resultado com Avaliação de ( = ) Margem de contribuição produtos = resultados ( - ) Custos fixos ( = ) Resultado operacional (+/-) Resultado financeiro Resultado das = Avaliação de ( = ) Resultado econômico atividades desempenhos Quadro 11: Conceitos de avaliação de desempenhos e avaliação de resultados na gestão econômica Fonte: CATELLI, Armando et al. Controladoria Uma abordagem da gestão econômica Gecon. Ed Atlas. p. 216 A base do processo de avaliação de desempenho no sistema GECON, é o modelo orçamentário e de apuração de variações. 8 Ver quadro 1

21 21 A avaliação de Desempenhos da ABS, compreende as atividades agrupadas por áreas, segundo a responsabilidade de seus gestores, servindo para avaliação da contribuição dessas áreas ao resultado global da empresa e como parâmetro para a avaliação de desempenho dos gestores responsáveis por essas áreas. Otimizar os resultados das diversas atividades significa realizá-las de forma que o resultado global da empresa seja o melhor possível. Estrutura de ORÇAMENTO REALIZADO VARIAÇÃO Resultado Original Corrigido Ajustado Padrão Real Inflação Ajuste volume Eficiência Total (+)Receita de serviços (-)Custos variáveis (=)Margem de Contrib. Operacional (-)Custos fixos serviços (=)Resultado Operac. Receita Financeira (-)Custo Financeiro (=)Margem de Contrib. Financeira (-)Custos fixos atividade (-)Margem de Contrib. da Atividade Quadro 12: Modelo de informação para avaliação de resultados e desempenhos na gestão econômica Nesse modelo adotado pela ABS, destacam-se os seguintes elementos: Orçamento original: é o orçamento que deriva da quantificação dos planos da fase de planejamento operacional de médio e longo prazos. Corresponde a quantidades planejadas valorizadas a preços planejados Orçamento corrigido: deriva das correções das variações específicas de preço, correspondendo às mesmas quantidades especificadas no orçamento original. Tem o objetivo de segregar o efeito das variações de preços, representado o orçamento original com valores vigentes na época da realização dos eventos. Orçamento ajustado: deriva da quantificação dos planos da fase de planejamento operacional de curto prazo. Corresponde, portanto, a

22 22 quantidades planejadas para curto prazo valorizadas pelos mesmos preços utilizados no orçamento corrigido. Realizado padrão: Corresponde aos volumes das transações realizadas valorizadas pelos preços correntes vigentes (mesmos preços do orçamento corrigido e orçamento ajustado), considerando em termos dos insumos os índices técnicos de consumo (custo padrão) Efetivamente realizado: corresponde aos volumes das transações realizadas valorizadas pelos preços correntes vigentes (mesmos preços do orçamento corrigido e orçamento ajustado), considerando em termos dos insumos as quantidades reais efetivamente consumidas. Variações: A coluna de variações trata das informações sobre a diferença calculada a partir do confronto entre os valores orçados originalmente e dos valores orçados corrigidos. Os resultados econômicos, mensurados de acordo com o modelo Gecon, integram o modelo de avaliação de resultados e desempenhos por área, evidenciando as causas de variações entre os desempenhos planejados e realizados num determinado período. Por meio da aplicação dos conceitos de orçamentos e mensuração de resultados, obtém-se uma idéia clara não apenas das causas que motivaram os desvios, mas também de seus respectivos efeitos econômicos, em termos de receitas e custos. São isolados os desvios ocorridos em função de: Índices de inflação divergentes dos projetados; Alterações dos planos originalmente estabelecidos; Variações entre os volumes planejados e o efetivamente realizados ; Do nível de eficiência em relação aos padrões estabelecidos (preço, taxas).

23 23 A análise dessas variações conduz à identificação das causas dos desvios, que são expressas em termos de seus respectivos impactos econômicos (favoráveis/desfavoráveis), permitindo ações corretivas orientadas aos problemas detectados. CONCLUSÕES Neste artigo, pôde-se visualizar a aplicação de modelo conceitual de decisão relativo ao evento de manter/eliminar/reorganizar atividades, voltado a gestão de uma empresa prestadora de serviços. A mensuração de resultados com base em conceitos econômicos, conforme preconiza o Modelo de Gestão Econômica, demonstra a efetiva contribuição das atividades e das áreas para os resultados globais da empresa. Permite, desse modo, que as decisões dos gestores das diversas áreas sejam orientadas para a otimização dos resultados globais da empresa. A forte interdependência entre as atividades requer o estabelecimento de preços de transferência de produtos/serviços entre as mesmas. Para o estabelecimento desses preços, os métodos baseados no mercado constituem a melhor fonte, sendo que o conceito de custo de oportunidade deve ser utilizado quando houver mais de uma alternativa para o emprego de recursos por seus respectivos gestores. A responsabilidade pela formação do resultado econômico é dos próprios gestores das atividades que o geraram, segundo a autoridade que lhes foi delegada, e limita-se por um conjunto de variáveis que estão sob seu efetivo controle. A identificação e a acumulação dos resultados das atividades devem, portanto, basear-se no conceito de áreas de responsabilidade, sob a forma de centros de resultado. Os critérios de avaliação de resultados e desempenhos devem considerar as decisões tomadas nas fases que compõem o processo de gestão. As bases informativas para a avaliação de desempenho correspondem aos orçamentos de padrões, que devem espelhar corretamente expectativas desejáveis em relação às

24 24 atividades, em termos de eficácia e eficiência, com as quais deverão ser confrontados os desempenhos realizados, a fim de que sejam evidenciadas as causas de eventuais variações entre os mesmos. Assim, este estudo abordou um modelo conceitual de decisão, mensurado da forma mais correta possível, voltado para a otimização dos resultados, permitindo ao gestor identificar todas as variáveis relevantes para o processo de tomada de decisão.

25 BIBLIOGRAFIA: CATELLI, Armando et al. Controladoria Uma abordagem da gestão econômica. São Paulo: Atlas, CATELLI, Armando et. al. Mensuração do resultado segundo a ótica da gestão econômica (GECON). Revista do CRC/SP. n.º CATELLI, Armando et. al. Sistema de Gestão Econômica Gecon: um instrumento para mensuração, otimização e avaliação de resultados e desempenhos. Revista do CRC/SP n.º CATELLI, Armando et. al. Avaliação de Resultados e desempenhos em Instituições financeiras: Enfoque de gestão econômica (Gecon). Revista do CRC/SP n.º GUERREIRO, Reinado et. al. A controladoria sob o enfoque Gecon-Gestão Econômica: A experiência da Caixa Econômica Federal do Brasil. Revista CRC/SP n.º GUERREIRO, Reinado. Modelo Conceitual de sistema de informação de Gestão Econômica: Uma contribuição à Teoria da Comunicação da Contabilidade. Tese de doutorado. USP. São Paulo LEMES, Sirlei. Avaliação de desempenho para gestão econômica de empresas pecuárias. Revista Contabilidade & Finanças da USP. N.º PARISI, Claudio. Uma contribuição ao estudo de modelos de Identificação e Acumulação de Resultado. Dissertação de mestrado.usp. São Paulo.1995 SANTOS, Roberto Vatan dos. Gestão Econômica (Gecon): novos desafios da controladoria na gestão empresarial. Revista do CRC/SP n.º SANTOS, Luis Paulo Guimarães dos. Uma contribuição à discussão sobre a avaliação de desempenho das Instituições Federais de Ensino Superior Uma abordagem da Gestão Econômica. Revista Contabilidade & Finanças da USP. N.º VASCONCELOS, Marco Túlio de C. et. al. Uma experiência prática de aplicação de modelo conceitual de sistema de informações para gestão econômica numa entidade de serviços públicos no Brasil: O caso da Superintendência de manutenção Metropolitana da Sabesp. Revista do CRC/SP n.º

ANÁLISE DE CUSTOS. Prof. Dr. Armando Catelli

ANÁLISE DE CUSTOS. Prof. Dr. Armando Catelli Universidade de São Paulo Mestrado em Controladoria e Contabilidade ANÁLISE DE CUSTOS MODELO CONCEITUAL DE DECISÃO RELATIVO AO EVENTO MANTER / ELIMINAR / REORG. ATIVIDADES Prof. Dr. Armando Catelli Orientador

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS EM SAÚDE. Os custos das instituições

GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS EM SAÚDE. Os custos das instituições GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS EM SAÚDE Os custos das instituições Dra Janice Donelles de Castro - Professora do Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de

Leia mais

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS)

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) Temas para Discussão 1) DISPOSIÇÕES GERAIS 2) DEFINIÇÕES GERAIS 3) CARACTERÍSTICAS E ATRIBUTOS DA INFORMAÇÃO DE CUSTOS 4) EVIDENCIAÇÃO

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis

Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis Autoria: Clóvis Luís Padoveze Resumo As demonstrações publicadas de acordo com o formato aprovado pelos órgãos regulatórios, tanto

Leia mais

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS ANACLETO G. 1 1. INTRODUÇÃO Este estudo tem a finalidade de apuração dos resultados aplicados pelos

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Graduação em Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Graduação em Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Graduação em Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria Aline Fernanda de Oliveira Castro Michelle de Lourdes Santos A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE

Leia mais

FASF - FACULDADE SAGRADA FAMILIA - CURSO DE ADM 5º PERIODO CONTROLE INTERNO. Aula 3 e 4

FASF - FACULDADE SAGRADA FAMILIA - CURSO DE ADM 5º PERIODO CONTROLE INTERNO. Aula 3 e 4 CONTROLE INTERNO Aula 3 e 4 Objetivos Conceito Sistema Categorias de Controle Interno Controles Organizacionais e Segregação de Funções É o controle obtido por meio da maneira de designar responsabilidade

Leia mais

CONSIDERAÇÕES CONCEITUAIS SOBRE O PLANEJAMENTO DE PREÇOS EM EMPRESAS DE TELECOMUNICAÇÕES: UM ENFOQUE DA GESTÃO ECONÔMICA-GECON

CONSIDERAÇÕES CONCEITUAIS SOBRE O PLANEJAMENTO DE PREÇOS EM EMPRESAS DE TELECOMUNICAÇÕES: UM ENFOQUE DA GESTÃO ECONÔMICA-GECON CONSIDERAÇÕES CONCEITUAIS SOBRE O PLANEJAMENTO DE PREÇOS EM EMPRESAS DE TELECOMUNICAÇÕES: UM ENFOQUE DA GESTÃO ECONÔMICA-GECON Prof. Dr. Reinaldo Guerreiro Prof. Dr. Armando Catelli FACULDADE DE ECONOMIA,

Leia mais

Aplicação do modelo de apuração de resultado sob a ótica da gestão econômica à micro e pequena indústria de panificação: um estudo de caso.

Aplicação do modelo de apuração de resultado sob a ótica da gestão econômica à micro e pequena indústria de panificação: um estudo de caso. Aplicação do modelo de apuração de resultado sob a ótica da gestão econômica à micro e pequena indústria de panificação: um estudo de caso. Francisco Carlos Fernandes (FURB) fernandes.francisco@uol.com.br

Leia mais

GESTÃO ECONÔMICA (GECON): Novos Desafios da Controladoria na Gestão Empresarial.

GESTÃO ECONÔMICA (GECON): Novos Desafios da Controladoria na Gestão Empresarial. GESTÃO ECONÔMICA (GECON): Novos Desafios da Controladoria na Gestão Empresarial. Roberto Vatan dos Santos Resumo: Este trabalho propõe ousadamente uma visão alternativa para o nascimento de um novo ramo

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II REESTRUTURAÇÃO FINANCEIRA NAS ORGANIZAÇÕES Neste módulo, estudaremos como ocorre a reestruturação financeira nas empresas, apresentando um modelo de planejamento de revitalização, com suas características

Leia mais

MB Consultoria. ConsultoriaemGestãoparaa ExcelênciaemseusNegócios

MB Consultoria. ConsultoriaemGestãoparaa ExcelênciaemseusNegócios emgestãoparaa ExcelênciaemseusNegócios Apresentação A é uma empresa jovem que conta com parceiros qualificados nas áreas de contabilidade, administração, direito, especialistas em finanças, controladoria

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 5: ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 5.1 Conceito de ARH Sem as pessoas e sem as organizações não haveria ARH (Administração de Recursos Humanos). A administração de pessoas

Leia mais

ASPECTOS CONCEITUAIS OBJETIVOS planejamento tomada de decisão

ASPECTOS CONCEITUAIS OBJETIVOS planejamento tomada de decisão FACULDADES INTEGRADAS DO TAPAJÓS DISCIPLINA: CONTABILIDADE GERENCIAL PROFESSOR: JOSÉ DE JESUS PINHEIRO NETO ASSUNTO: REVISÃO CONCEITUAL EM CONTABILIDADE DE CUSTOS ASPECTOS CONCEITUAIS A Contabilidade de

Leia mais

Unidade Ribeirão Preto -SP

Unidade Ribeirão Preto -SP Unidade Ribeirão Preto -SP Gestão Estratégica de Controladoria O papel da controladoria na gestão estratégica de uma empresa Curriculum Luís Valíni Neto Técnico Contábil Administrador de Empresas pela

Leia mais

Aplicação do modelo de apuração de resultado sob a ótica da gestão econômica a micro e pequena indústria de panificação: um estudo de caso.

Aplicação do modelo de apuração de resultado sob a ótica da gestão econômica a micro e pequena indústria de panificação: um estudo de caso. Aplicação do modelo de apuração de resultado sob a ótica da gestão econômica a micro e pequena indústria de panificação: um estudo de caso. Francisco Carlos Fernandes (Universidade Regional de Blumenau

Leia mais

Contabilidade Empresarial

Contabilidade Empresarial 2 Contabilidade Empresarial Aderbal Nicolas Müller Antonio Gonçalves Oliveira Introdução Entre os agentes econômicos, ativos participantes da economia das nações, temos as organizações empresariais, que

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivos desta unidade: Ao final desta

Leia mais

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA E CONTÁBIL

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA E CONTÁBIL MBA EM GESTÃO FINANCEIRA E CONTÁBIL Disciplina: Teoria Contábil do Lucro Prof. Paulo Arnaldo OLAK E-mail: olak@uel.br MODELO DE DECISÃO BASEADO EM RESULTADOS ECONÔMICOS (): receitas e custos valorados

Leia mais

Formação do Preço de Venda

Formação do Preço de Venda CURSO DE ADM - 5º PERÍODO - FASF Objetivo Refletir sobre a importância de se conhecer e identificar a FORMAÇÃO DE PREÇO, como fator determinante para a sobrevivência da exploração da atividade da empresa.

Leia mais

OS SUBSISTEMAS EMPRESARIAIS E A TOMADA DE DECISÃO

OS SUBSISTEMAS EMPRESARIAIS E A TOMADA DE DECISÃO OS SUBSISTEMAS EMPRESARIAIS E A TOMADA DE DECISÃO KELLY REGINA NASCIMENTO SILVA Discente do Curso de Tecnologia em Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS MARCELO HENRIQUE DE ABREU

Leia mais

CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO TURMA ANO INTRODUÇÃO

CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO TURMA ANO INTRODUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE GESTÃO E NEGÓCIOS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS, ADMINISTRAÇÃO E ECONOMIA DISCIPLINA: ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTO CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO

Leia mais

O SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL UTILIZADO NOS EMPREENDIMENTOS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA:

O SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL UTILIZADO NOS EMPREENDIMENTOS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA: O SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL UTILIZADO NOS EMPREENDIMENTOS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA: uma analise dos modelos utilizados pelos Empreendimentos Econômicos solidários incubados pelo PITCPES/UFPA Ailton Castro

Leia mais

As Organizações e a Teoria Organizacional

As Organizações e a Teoria Organizacional Página 1 de 6 As Organizações e a Teoria Organizacional Autora: Sara Fichman Raskin Este texto é totalmente baseado no primeiro capítulo do livro Organizational theory: text and cases, do autor Jones Gareth,

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DOS MÉTODOS QUANTITATIVOS PELA CONTABILIDADE PARA OTIMIZAÇÃO DE RECEITAS E RACIONALIZAÇÃO DE CUSTOS

A UTILIZAÇÃO DOS MÉTODOS QUANTITATIVOS PELA CONTABILIDADE PARA OTIMIZAÇÃO DE RECEITAS E RACIONALIZAÇÃO DE CUSTOS 1 A UTILIZAÇÃO DOS MÉTODOS QUANTITATIVOS PELA CONTABILIDADE PARA OTIMIZAÇÃO DE RECEITAS E RACIONALIZAÇÃO DE CUSTOS Sandra Figueiredo Heber Moura RESUMO A utilização de modelos contábeis baseados em métodos

Leia mais

METODOLOGIA GERAL DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

METODOLOGIA GERAL DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS METODOLOGIA GERAL DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Camila Pires Cremasco Gabriel 1 Luis Roberto Almeida Gabriel Filho 2 Thiago Ariceto 3 Chádia Priscila Cardoso Gonçalves 4 Matheus Choueri 5 RESUMO: A definição

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS

CONTABILIDADE DE CUSTOS Universidade de São Paulo Mestrado em Controladoria e Contabilidade CONTABILIDADE DE CUSTOS TEMA: PRODUÇÃO CONJUNTA Prof. Dr. Reinaldo Guerreiro Orientador Belém - Pará 1 Universidade de São Paulo Mestrado

Leia mais

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL Renara Tavares da Silva* RESUMO: Trata-se de maneira ampla da vitalidade da empresa fazer referência ao Capital de Giro, pois é através deste que a mesma pode

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - CAMPUS DE PARNAÍBA CURSO: Técnico em Informática DISCIPLINA: Empreendedorismo PROFESSORA: CAROLINE PINTO GUEDES FERREIRA ELEMENTOS DO PLANO

Leia mais

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Paula Michelle Purcidonio (UTFPR) ppurcidonio@ig.com.br Kazuo Hatakeyama (UTFPR) hatakeyama@pg.cefetpr.br Resumo Com a atual competitividade

Leia mais

TÍTULO: CONTABILIDADE AMBIENTAL E COMUNICAÇÃO: OS TERMOS UTILIZADOS PELA CONTABILIDADE AMBIENTAL

TÍTULO: CONTABILIDADE AMBIENTAL E COMUNICAÇÃO: OS TERMOS UTILIZADOS PELA CONTABILIDADE AMBIENTAL TÍTULO: CONTABILIDADE AMBIENTAL E COMUNICAÇÃO: OS TERMOS UTILIZADOS PELA CONTABILIDADE AMBIENTAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

CONTABILIDADE GERENCIAL

CONTABILIDADE GERENCIAL PROF. EDENISE AP. DOS ANJOS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 5º PERÍODO CONTABILIDADE GERENCIAL As empresas devem ser dirigidas como organismos vivos, como entidades em continuidade, cujo objetivo é a criação de

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 6: DECISÕES DE FINANCIAMENTO A CURTO PRAZO Nossa experiência, após centenas de demonstrações financeiras examinadas, sinaliza que as empresas entram num cenário de dificuldades

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. Aprova as Diretrizes Gerais do Sistema Brasileiro de Tecnologia - SIBRATEC.

Leia mais

Os cinco subsistemas de Gestão de Pessoas

Os cinco subsistemas de Gestão de Pessoas Faculdade de Tecnologia Senac Goiás Os cinco subsistemas de Gestão de Pessoas Trabalho de Gestão de Pessoas Alunos: Nilce Faleiro Machado Goiânia,4 de dezembro de 2015 1 Sumário Capa...1 Sumário...2 Introdução...3

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 1 FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 RESUMO: Este trabalho tem a intenção de demonstrar a

Leia mais

Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report

Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report Avaliação de: Sr. João Vendedor Preparada por: Consultor Caliper consultor@caliper.com.br Data: Copyright 2012 Caliper & Tekoare. Todos os direitos

Leia mais

Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4

Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4 CUSTEIO VARIÁVEL COMO SUPORTE À TOMADA DE DECISÃO EMPRESARIAL Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4 RESUMO: Inicialmente a contabilidade tinha o objetivo de controlar

Leia mais

Introdução à Administração Financeira

Introdução à Administração Financeira Introdução à Administração Financeira Conceitos Introdutórios e Revisão de alguns elementos e conceitos essenciais à Administração Financeira Introdução à Administração Financeira Administração: é a ciência

Leia mais

XII Seminario Latino-Iberoamericano de Gestión Tecnológica - ALTEC 2007

XII Seminario Latino-Iberoamericano de Gestión Tecnológica - ALTEC 2007 XII Seminario Latino-Iberoamericano de Gestión Tecnológica - ALTEC 2007 Processo de Avaliação e Acompanhamento de Empreendimentos Pré-Incubados Utilizando Balanced Scorecard Perez, Celso Roberto Instituto

Leia mais

USO DA CONTABILIDADE AMBIENTAL NAS EMPRESAS

USO DA CONTABILIDADE AMBIENTAL NAS EMPRESAS USO DA CONTABILIDADE AMBIENTAL NAS EMPRESAS 1 Ana Cristina de Castro Alves, 2 Robernei Aparecido de Lima. 1 Rua Benedito Andrade, 1205 Galo Branco 12247-540 São José dos Campos, São Paulo administração@aasjc.org.br

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07 Subvenção e Assistência Governamentais Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 20 (IASB) Índice Item OBJETIVO E ALCANCE

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Organizações Nenhuma organização existe

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 02 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42

Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42 Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42 2.8. GESTÃO DE DUPLICATAS A RECEBER Entre os objetivos do gestor financeiro destaca-se como principal a maximização do

Leia mais

A nova visão da. Contabilidade Aplicada ao Setor Público

A nova visão da. Contabilidade Aplicada ao Setor Público A nova visão da Contabilidade Aplicada ao Setor Público Constituição Federal Lei de Responsabilidade Fiscal 101/2000 Lei 4.320/64 Finanças Públicas Lei 12.249/2010 Conselho Federal de Contabilidade Lei

Leia mais

Análise Econômico-Financeira

Análise Econômico-Financeira Universidade Federal do Pará Curso de Ciências Contábeis Departamento de Contabilidade Análise Econômico-Financeira Gilvan Pereira Brito 0301007601 Belém-Pará 2007 1 Universidade Federal do Pará Curso

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 SIDNEY SOARES DE LIMA 05010004401 TURMA: 01030 TURNO: NOITE PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia

Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia Desafios a serem superados Nos últimos anos, executivos de Tecnologia de Informação (TI) esforçaram-se em

Leia mais

AULAS 03 E 04 A linguagem dos projetos

AULAS 03 E 04 A linguagem dos projetos 1 AULAS 03 E 04 A linguagem dos projetos Ernesto F. L. Amaral 11 e 13 de setembro de 2012 Avaliação de Políticas Públicas (DCP 046) Fonte: Cohen, Ernesto, e Rolando Franco. 2000. Avaliação de Projetos

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA , UNIVERSIDADE PAULISTA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA MANUAL ESPECÍFICO Projeto Integrado Multidisciplinar II PIM II RECURSOS HUMANOS 2º semestre, turmas ingressantes em Agosto. São Paulo 2011 1 PIM

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

1.Apresentação 1 2.Planejamento e seus Instrumentos sob o Enfoque Contábil

1.Apresentação 1 2.Planejamento e seus Instrumentos sob o Enfoque Contábil AULA 10: Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público NBC T SP 16.3 a 16.5: Planejamento e seus Instrumentos sob o Enfoque Contábil; Transações no Setor Público; Registro Contábil. SUMÁRIO

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. accent. consultoria. auditoria. estratégia. caixa livre

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. accent. consultoria. auditoria. estratégia. caixa livre APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL accent consultoria. auditoria. estratégia. caixa livre Sobre a Accent Somos uma empresa brasileira que possui conhecimento especializado em auditoria, impostos, consultoria de

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1. Moisés Araújo Guarda 2

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1. Moisés Araújo Guarda 2 1 ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1 Moisés Araújo Guarda 2 Sara Alexssandra Gusmão França 3 RESUMO Este artigo versa

Leia mais

O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS

O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS Hugo Bianchi BOSSOLANI 1 RESUMO: Sistema de Informações Gerenciais (S.I.G.) é o processo de transformação de

Leia mais

Relatório dos auditores independentes. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 e 2013

Relatório dos auditores independentes. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 Relatório dos auditores independentes Demonstrações contábeis MAA/MFD/YTV 2547/15 Demonstrações contábeis Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações contábeis Balanços patrimoniais

Leia mais

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Avaliação de: Sr. José Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: 11/06/2014 Perfil Caliper Gerencial e Vendas

Leia mais

QUALIDADE DA INFORMAÇÃO Sem Precisar Trocar o Sistema da Sua Empresa

QUALIDADE DA INFORMAÇÃO Sem Precisar Trocar o Sistema da Sua Empresa PERFIL Nome: SILVIO LUIZ DO PRADO Contato: (062) 8201-2226 - Goiânia GO E-mail: silvio.controller@terra.com.br Skype: silvio.prado1 Profissão: Contador CRC-GO 60645 Formação: Bacharel em Ciências Contábeis

Leia mais

Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes

Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Em 31 de dezembro de 2012 Índice Página Relatório dos auditores

Leia mais

Rua Pinto Bandeira, 292 - Centro Histórico 51.3076.0660 fag@faculdadegaucha.com.br

Rua Pinto Bandeira, 292 - Centro Histórico 51.3076.0660 fag@faculdadegaucha.com.br Rua Pinto Bandeira, 292 - Centro Histórico 51.3076.0660 fag@faculdadegaucha.com.br Índice Quem é o Gestor de Negócios?... Qual a duração do curso?... Quais os objetivos do curso?... E os campos de atuação?...

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade

Leia mais

CPF DO CANDIDATO (A): DATA: 17/11/2014. NOME DO CANDIDATO (A): PROVA ESCRITA

CPF DO CANDIDATO (A): DATA: 17/11/2014. NOME DO CANDIDATO (A): PROVA ESCRITA CPF DO CANDIDATO (A): DATA: 17/11/2014. NOME DO CANDIDATO (A): PROVA ESCRITA Processo Seletivo para Curso de Especialização em Controladoria e Finanças Edital nº 04/2014 INSTRUÇÕES: A prova é individual,

Leia mais

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO José Roberto Santana Alexandre Ripamonti Resumo: Com a globalização da economia, as empresas, enfrentam

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº 008/2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM 08 DE MAIO DE 2015 Dispõe sobre a metodologia

Leia mais

ECONTEXTO. Auditoria Ambiental e de Regularidade

ECONTEXTO. Auditoria Ambiental e de Regularidade Auditoria Ambiental e de Regularidade Organização Internacional das Entidades Fiscalizadoras Superiores - INTOSAI Grupo de Trabalho sobre Auditoria Ambiental - WGEA ECONTEXTO Este artigo é um resumo do

Leia mais

Indicadores de Desempenho Conteúdo

Indicadores de Desempenho Conteúdo Indicadores de Desempenho Conteúdo Importância da avaliação para a sobrevivência e sustentabilidade da organização O uso de indicadores como ferramentas básicas para a gestão da organização Indicadores

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Presidência Controladoria Interna PLANO DIRETOR CONTROLE INTERNO 2013-2014

Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Presidência Controladoria Interna PLANO DIRETOR CONTROLE INTERNO 2013-2014 PLANO DIRETOR DE CONTROLE INTERNO 2013-2014 SUMÁRIO Pág. 1. INTRODUÇÃO 02 2. SISTEMA DE CONTROLE INTERNO 02 2.1 Conceituação 02 2.2. Marco legal 04 3. O CONTROLE INTERNO NO ÂMBITO DO TCEMG 4. CONTROLADORIA

Leia mais

Américo da Costa Ramos Filho 22 de março de 2010.

Américo da Costa Ramos Filho 22 de março de 2010. O Global e o Contextualtual no Aprendizado Gerencial de Multinacionais Uma Perspectiva Brasileira Américo da Costa Ramos Filho 22 de março de 2010. Américo da Costa Ramos Filho 22 de março de 2010. OBJETIVO

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS PARA DECISÃO E PROGRAMAÇÃO LINEAR

CONTABILIDADE DE CUSTOS PARA DECISÃO E PROGRAMAÇÃO LINEAR 1 CONTABILIDADE DE CUSTOS PARA DECISÃO E PROGRAMAÇÃO LINEAR Nálbia Araújo Santos Mestranda em Controladoria e Contabilidade da FEA/USP Professora da Universidade Estadual de Montes Claros (MG) UNIMONTES

Leia mais

DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO

DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO Esta pesquisa tem como objetivo abordar o tema voltado para a avaliação do desempenho humano com os seguintes modelos: escalas gráficas, escolha forçada, pesquisa de campo, métodos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º CT460- CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA HISTÓRIA DA CONTABILIDADE, ELEMENTOS INTRODUTÓRIOS DE CONTABILIDADE: OBJETO DE ESTUDO E SUA REPRESENTAÇÃO GRÁFICA, CAMPO DE ATUAÇÃO, INFORMAÇÕES CONTÁBEIS

Leia mais

G B R S P Gestão Baseada em Resultado no Setor Público

G B R S P Gestão Baseada em Resultado no Setor Público Custos no Setor Público: Diretrizes, Modelo Conceitual e Processo de Implantação a partir da experiência no Governo Federal Prof. Victor Branco de Holanda Belo Horizonte, 05 de Maio de 2012 Questões orientadoras:

Leia mais

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO Este artigo cientifico, apresenta de maneira geral e simplificada, a importância do capital de giro para as empresas,

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS página 1 07. Onde é classificado o Subgrupo Estoques no plano de contas? 01. São acontecimentos que ocorrem na empresa e que não provocam alterações no Patrimônio: A) Atos Administrativos

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DO BANCO COOPERATIVO SICREDI E EMPRESAS CONTROLADAS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DO BANCO COOPERATIVO SICREDI E EMPRESAS CONTROLADAS ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DO BANCO COOPERATIVO SICREDI E EMPRESAS CONTROLADAS Versão : 31 de dezembro de 2008 CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO...3 2. ORGANIZAÇÃO DA GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL...3

Leia mais

EXTRATO DA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS

EXTRATO DA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas as áreas da Fibria que, direta

Leia mais

8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS 8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Autor(es) CLAUDIO JAIR DE ALMEIDA Orientador(es) CLÓVIS LUIS PADOVEZE 1. Introdução Boa parte da literatura

Leia mais

Capítulo 1. Avaliando Empresas Uma Introdução

Capítulo 1. Avaliando Empresas Uma Introdução Capítulo 1 Avaliando Empresas Uma Introdução A expressão avaliação de empresas é a tradução para a língua portuguesa do termo valuation, sendo sinônimo de valoração de empresas. A recente onda de fusões

Leia mais

Informática e Sistemas de Custos: Um Estudo de Caso Sobre Mudança do Sistema de Custos

Informática e Sistemas de Custos: Um Estudo de Caso Sobre Mudança do Sistema de Custos Informática e Sistemas de Custos: Um Estudo de Caso Sobre Mudança do Sistema de Custos Flávia Felix da Silva Resumo: Neste estudo faz-se um levantamento sobre aspectos da informática e sistema de informação

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2017 COOPERATIVISMO: QUEM MOVIMENTA SÃO AS PESSOAS

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2017 COOPERATIVISMO: QUEM MOVIMENTA SÃO AS PESSOAS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2017 COOPERATIVISMO: QUEM MOVIMENTA SÃO AS PESSOAS MENSAGEM DO PRESIDENTE O cooperativismo vive seu momento de maior evidência. O Ano Internacional das Cooperativas, instituído

Leia mais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais 1 UM MODELO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL PARA MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO ECONOMICO DAS ATIVIDADES EMPRESARIAIS Autor: Reinaldo Guerreiro Professor Assistente Doutor do Departamento de Contabilidade

Leia mais

VARIAÇÕES DE PREÇOS NOS ESTOQUES E SEUS IMPACTOS NO FLUXO DE CAIXA DE EMPRESAS COMERCIAIS

VARIAÇÕES DE PREÇOS NOS ESTOQUES E SEUS IMPACTOS NO FLUXO DE CAIXA DE EMPRESAS COMERCIAIS VARIAÇÕES DE PREÇOS NOS ESTOQUES E SEUS IMPACTOS NO FLUXO DE CAIXA DE EMPRESAS COMERCIAIS Barbieri, Geraldo* Kume, Ricardo* Seidel, André* *Faculdade de Economia e Administração. Universidade de São Paulo

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE FLUXO DE CAIXA Por: Adriana Sant Anna dos Santos Orientador Profº.: Luiz Claudio Lopes Alves D.Sc. Rio de Janeiro 2009 2 UNIVERSIDADE

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LUCROS 1

DEFINIÇÃO DE LUCROS 1 DEFINIÇÃO DE LUCROS 1 Andréa Cristina da Silva Bezerra 2 Vários autores têm-se preocupado com a falta do conceito sobre o lucro, pois, enunciando conceitos gerais e teóricos sobre renda e capital e deixando

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cespe Cebraspe FUB2015 Aplicação: 2015 Julgue os itens a seguir, com relação aos fatos descritos e seus efeitos nas demonstrações contábeis, elaboradas conforme a Lei n.º 6.404/1976

Leia mais

Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS

Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS Demonstrações Financeiras em 31 de dezembro de 2004 e Parecer dos Auditores Independentes Parecer dos Auditores Independentes 03 de fevereiro

Leia mais

Informações e orientações para organização do processo decisório

Informações e orientações para organização do processo decisório Informações e orientações para organização do processo decisório Prof. Pedro Paulo H. Wilhelm, Dr. Eng. Prod (Dep. Economia) WILHELM@FURB.BR Prof. Maurício C. Lopes, Msc. Eng. Prod. (Dep. Computação) MCLOPES@FURB.BR

Leia mais

SIMULADO TURMA 1414 TUTORA TACIANE DISCIPLINA: LOGÍSTICA

SIMULADO TURMA 1414 TUTORA TACIANE DISCIPLINA: LOGÍSTICA SIMULADO TURMA 1414 TUTORA TACIANE DISCIPLINA: LOGÍSTICA 1) ASSINALE A ALTERNATIVA QUE CORRESPONDE A UMA ATIVIDADE DE DISTRIBUIÇÃO. A) Recebimento de matérias-primas. B) Alimentação de sistemas produtivos.

Leia mais

Demonstrações Financeiras Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração - ABM

Demonstrações Financeiras Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração - ABM Demonstrações Financeiras Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração - ABM Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes... 1 Demonstrações financeiras auditadas

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais