GeoIntelligence Brasil 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GeoIntelligence Brasil 2014"

Transcrição

1 PROJETOS ESTRATÉGICOS MARINHA DO BRASIL GeoIntelligence Brasil 2014 Diretoria-Geral do Material da Marinha Diretoria de Gestão de Programas Estratégicos da Marinha

2 Sumário 1 2 AMAZÔNIA AZUL PROJETOS ESTRATÉGICOS 3 CONTRIBUIÇÃO AO DESENVOLVIMENTO NACIONAL 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS

3 Sumário 1 2 AMAZÔNIA AZUL PROJETOS ESTRATÉGICOS 3 CONTRIBUIÇÃO AO DESENVOLVIMENTO NACIONAL 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS

4 AMAZÔNIA AZUL BRASIL ÁREA (km²) Território Zona Econômica Exclusiva Plataforma Continental ZEE + PC Amazônia Azul

5 AMAZÔNIA AZUL O MAR É A PRINCIPAL VIA DE COMÉRCIO MARÍTIMO 95% do comércio exterior brasileiro é movimentado a partir de nossos portos por via marítima

6 AMAZÔNIA AZUL O MAR É FONTE DE ALIMENTO 7% do setor de agronegócio

7 AMAZÔNIA AZUL O MAR É FONTE DE ENERGIA Produção diária de petróleo no mar: US$ 190 milhões

8 AMAZÔNIA AZUL NOSSOS RIOS SÃO ESTRADAS Em 2013 o País movimentou, via navegação interna, cerca de 78,6 milhões de toneladas

9 AMAZÔNIA AZUL O TURISMO MARÍTIMO GERA RECURSOS E EMPREGOS Cerca de 800 mil passageiros por ano

10 AMAZÔNIA AZUL OS RECURSOS EXISTENTES NO MAR PRECISAM SER VIGIADOS, PROTEGIDOS, PRESERVADOS E DEFENDIDOS

11 AMAZÔNIA AZUL Um patrimônio a ser preservado!

12 Sumário 1 2 AMAZÔNIA AZUL PROJETOS ESTRATÉGICOS 3 CONTRIBUIÇÃO AO DESENVOLVIMENTO NACIONAL 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS

13 SUMÁRIO Os Projetos Estratégicos da Marinha do Brasil Quais são eles? OBTENÇÃO DA CAPACIDADE OPERACIONAL PLENA SEGURANÇA DA NAVEGAÇÃO PROGRAMA NUCLEAR DA MARINHA PESSOAL, NOSSO MAIOR PATRIMÔNIO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA AMAZÔNIA AZUL CONSTRUÇÃO DO NÚCLEO DO PODER NAVAL IMPLANTAÇÃO DA 2ª ESQ E DA 2ª FORÇA DE FUZILEIROS DA ESQUADRA NA REGIÃO N/NE

14 PROGRAMA NUCLEAR DA MARINHA (PNM)

15 1: Programa Nuclear da Marinha (PNM) Programa Nuclear da Marinha (PNM) Nascido em 1979, apresenta avanços significativos, com o desenvolvimento de tecnologia própria em dois projetos: Domínio do Ciclo do Combustível Construção do LABGENE

16 1: Programa Nuclear da Marinha (PNM) Ciclo do Combustível USEXA Unidade de Produção de Hexafluoreto de Urânio (UF6) Cascata de Ultracentrifugas Prontificação da USEXA ABR2015 e operacionalmente a partir de AGO2015 Processo de ultracentrifugação desenvolvido pelo CTMSP

17 1: Programa Nuclear da Marinha (PNM) LABGENE Laboratório de Geração de Energia Núcleo- Elétrica Envolve a construção de uma planta nuclear, inclusive o Reator, para a produção de energia elétrica com previsão de prontificação no 2º SEM 2017 (11 prédios) LABGENE Vaso de Pressão do Reator

18 CONSTRUÇÃO DO NÚCLEO DO PODER NAVAL

19 2: Construção do Núcleo do Poder Naval

20 2: Construção do Núcleo do Poder Naval

21 2: Construção do Núcleo do Poder Naval Construção de uma infraestrutura industrial Complexo Naval de Itaguaí (CNI) PROSUB Programa de Desenvolvimento de Submarinos UFEM TÚNEL ÁREA NORTE ÁREA SUL

22 2: Construção do Núcleo do Poder Naval Construção da Base e Estaleiro de Submarinos em Itaguaí Área Norte da Base Naval

23 2: Construção do Núcleo do Poder Naval Construção da Base e Estaleiro de Submarinos em Itaguaí Área Sul da Base Naval

24 2: Construção do Núcleo do Poder Naval S40 Riachuelo 2º SEM 2018 S41 Humaitá 1º SEM 2019 S42 Tonelero 2º SEM 2020 S43 Angostura 1º SEM 2022 Submarinos Previsões para Transferência ao Setor Operativo Convencional Propulsão Nuclear SN-BR Álvaro Alberto - SN10 JUL 2025

25 2: Construção do Núcleo do Poder Naval

26 2: Construção do Núcleo do Poder Naval Capacidades Operacionais DESEMPENHO SISTEMA DE COMBATE - detecção e acompanhamento automático de múltiplos alvos CAPACIDADE DE REAGIR A AMEAÇAS AÉREAS, DE SUPERFÍCIE E SUBMARINA EMPREGO DE AERONAVE EMBARCADA SISTEMA INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DA PLATAFORMA (SIGP) 4 SUBSISTEMAS DE CONTROLE - SCMPA - PROPULSÃO E AUXILIARES - SCAV - AVARIAS - SCGD - GERAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA - SMR - MANUAL REMOTO

27 2: Construção do Núcleo do Poder Naval Construção de 4 Corvetas Classe 03

28 2: Construção do Núcleo do Poder Naval

29 2: Construção do Núcleo do Poder Naval PROSUPER - Programa de Obtenção de Meios de Superfície 5 Escoltas 5 NPaOc 1 NApLog ton ton ton Os navios deverão ser construídos no Brasil, em estaleiros privados, por meio de associação com o estaleiro projetista internacional A construção dos navios do PROSUPER no País representará um salto tecnológico para a indústria nacional de defesa (transferência de tecnologia), com potencial para gerar mais de empregos diretos e indiretos MODELO A SER SEGUIDO: Parceria Estratégica entre o Brasil e outro país Acordos Governamentais em Defesa Referência projetos de unidades já construídas ( sea proven ) e que serão adaptados aos requisitos da MB

30 2: Construção do Núcleo do Poder Naval

31 2: Construção do Núcleo do Poder Naval PRONAE Programa de Obtenção de Navios-Aeródromos Contratação de empresa internacional com experiência e competência em projeto de NAe ton Fase 1: treinamento de um Grupo Técnico em Projeto; consolidação dos Requisitos; e Estudos de Exequibilidade (3 anos) Fase 2: recebimento de propostas, contratação da empresa e elaboração dos Projetos de Detalhamento e de Construção (6 anos) Fase 3: construção do novo NAe no Brasil (7 anos que se superpõe a Fase 2) Premissas: propulsão convencional, lançamento de aeronaves por meio de catapulta, recolhimento de aeronaves por meio de aparelho de parada e utilização de um projeto já existente como referência A MB pretende utilizar a mesma ANV já escolhida para a FAB (Gripen NG), desde que seja desenvolvida sua versão naval utilizando catapulta e aparelho de parada Substituição do NAe São Paulo

32 2: Construção do Núcleo do Poder Naval

33 2: Construção do Núcleo do Poder Naval PRONANF Programa de Obtenção de Navios Anfíbios Construção no país - empresas contatadas a respeito do interesse e custo em ceder projetos de navio-anfíbio para serem construídos no Brasil Compra por Oportunidade

34 2: Construção do Núcleo do Poder Naval

35 2: Construção do Núcleo do Poder Naval OBTENÇÃO DE NAVIOS-PATRULHA 500 ton Planejamento da Distribuição, por área de atuação 2 (1) 1 2 (2) 3 (1) 19 (3) TOTAL 27 Construídos estaleiro INACE-CE: NPa Macaé (P70-1º DN) NPa "Macau (P71-3º DN) Em construção estaleiro EISA RJ: NPa Maracanã (4ºDN) 2015 NPa Mangaratiba (1ºDN) 2015 NPa Miramar (3ºDN) 2016 NPa Magé (1ºDN) 2016 NPa Maragogipe (2ºDN) 2017

36 2: Construção do Núcleo do Poder Naval OBTENÇÃO DE NAVIOS-PATRULHA OCEÂNICOS DE 1800 ton Planejamento da Distribuição, por área de atuação 2 TOTAL (2) 3 (1) Transferido para o Setor Operativo NPaOc Amazonas (P120-1 DN) NPaOc Apa (P121-1 DN) NPaOc Araguari (P122-3º DN) MB avalia a possibilidade de construção de novos NPaOc classe Amazonas no Brasil ( offset )

37 2: Construção do Núcleo do Poder Naval

38 2: Construção do Núcleo do Poder Naval Programa de Consolidação da Brigada Anfíbia de Fuzileiros Navais do RJ (PROBANF) Propósitos: Assegurar o pronto emprego do Corpo de Fuzileiros Navais Fortalecimento da Indústria Nacional de Defesa

39 2: Construção do Núcleo do Poder Naval Brigada Anfíbia (BAnf) Possui um dos componentes integrado por 2 ou mais elementos de valor de Batalhão de Infantaria de Fuzileiros Navais, com capacidade média de durar na ação por até 30 dias, sem reabastecimento, com o efetivo aproximado de militares

40 2: Construção do Núcleo do Poder Naval Estratégica é a capacidade de projeção de poder de uma Força dotada de diversos sistemas de armas perfeitamente integrados

41 2: Construção do Núcleo do Poder Naval Programa de Consolidação da BAnf-RJ (PROBANF)

42 COMPLEXO NAVAL DA 2ª ESQUADRA E DA 2ª FFE

43 3: Implantação da 2ª Esquadra e da 2ª Força de Fuzileiros Implantação da 2ª Esquadra e da 2ª Força de Fuzileiros da Esquadra na Região N/NE 2ª Esquadra A END apontou a existência de 2 subáreas estratégicas no Atlântico Sul: a foz do rio Amazonas a faixa marítima que vai de Santos a Vitória, onde se localizam os principais campos produtores de petróleo 1ª Esquadra Dessa forma, o projeto prevê a construção de Base Naval, um Base Aérea Naval, uma Base de Fuzileiros Navais e uma Base de Abastecimento, dentre outras organizações militares (OM)

44 SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA AMAZÔNIA AZUL

45 4: Sistema de Gerenciamento da Amazônia Azul Sistema de Gerenciamento da Amazônia Azul (SisGAAz) Missão A missão do SisGAAz é monitorar, de forma integrada, as Águas Jurisdicionais Brasileiras (AJB) e as áreas internacionais de responsabilidade para operações de Socorro e Salvamento, a fim de contribuir para o controle e a mobilidade estratégica, representadas pela capacidade de responder prontamente a qualquer ameaça, emergência, desastre ambiental, agressão ou ilegalidade.

46 4: Sistema de Gerenciamento da Amazônia Azul Conceito Operacional

47 4: Sistema de Gerenciamento da Amazônia Azul Monitoramento Controle SisGAAz

48 4: Sistema de Gerenciamento da Amazônia Azul Monitoramento Controle SisGAAz

49 4: Sistema de Gerenciamento da Amazônia Azul Monitoramento Sensores dedicados Informações recebidas Dados de inteligência Informações meteorológicas Comparação estatística Sistemas legados Predição Percepção SisGAAz Controle Planejamento de operações Comunicação Controle da ação Prevenção Reação

50 4: Sistema de Gerenciamento da Amazônia Azul Áreas de Interesse e de Vigilância

51 4: Sistema de Gerenciamento da Amazônia Azul Tipo 1 - Oceânica Tipo 2 - Litorânea Tipo 3 - Fluvial Tipo 4 - Localizada Tipo 5 - Eventual Tipo 6 - Especial Tipo 7 - Adicional Bacias Petrolíferas, Ilhas Oceânicas e Ptos Focais das LCM Portos, Terminais e Complexos Navais Hidrovias, Portos, Terminais e Complexos Navais Fluviais Turismo, Esporte, Lazer, Preservação, Pesca, Maricultura Operações fora das AJB e Infraestruturas Críticas SAR e Navegação Mercante com Bandeira Brasileira Qualquer área que necessite de monitoramento adicional

52 Áreas do Tipo Oceânica Pontos Focais das LCM Ilhas Oceânicas Bacias Petrolíferas

53 Áreas do Tipo Oceânica Área de Vigilância

54 4: Sistema de Gerenciamento da Amazônia Azul Implantação do Sistema

55 4: Sistema de Gerenciamento da Amazônia Azul Proposta de Implantação Modular para o SisGAAz ANO Concepção Contratação Desenvolvimento Módulo 1 Módulo 2 Metas contidas nos Módulos Desenvolver o Software Principal do SisGAAz Integrar Sistemas Existentes da MB Integrar Sistemas Existentes do MD, do EB e da FAB Integrar Sistemas Existentes em outras Agências Instalar o SisGAAz nos CO de nível Comando Implantar Monitoramento nas Áreas de Vigilância Instalar o SisGAAz nos CO de nível Força e Unidade Integrar Meios Navais ao Sistema Módulo 3 Módulo 4 Cada Módulo será desenvolvido observando metas para a implantação técnica.

56 4: Sistema de Gerenciamento da Amazônia Azul Proposta de Implantação Modular para o SisGAAz ANO Concepção Contratação Desenvolvimento Módulo 1 Áreas Marítimas do 1º e 8º DN Módulo 2 Módulo 3 Módulo 4 O Módulo 1 privilegia a região das principais bacias petrolíferas, que na END é citada como prioritária para a ação da MB.

57 4: Sistema de Gerenciamento da Amazônia Azul Metas Metas do Módulo do 1 1 Áreas - Marítimas do 1º do e 1º 8º DN e 8º DN Integrar Meios Navais ao Sistema Instalar o SisGAAz nos CO de nível Força e Unidade Implantar Monitoramento nas Áreas de Vigilância Instalar o SisGAAz nos CO de nível Comando Integrar Sistemas Existentes em outras Agências Integrar Sistemas Existentes MD, EB e FAB O programa principal será desenvolvido para permitir as capacidades de monitoramento, planejamento e controle de operações. Integrar Sistemas Existentes da MB Desenvolvimento do Software 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Módulo 1 Módulo 2 Módulo 3 Módulo 4

58 4: Sistema de Gerenciamento da Amazônia Azul Metas Metas do Módulo do 1 1 Áreas - Marítimas do 1º do e 1º 8º DN e 8º DN Integrar Meios Navais ao Sistema Instalar o SisGAAz nos CO de nível Força e Unidade Implantar Monitoramento nas Áreas de Vigilância Instalar o SisGAAz nos CO de nível Comando Integrar Sistemas Existentes em outras Agências Integrar Sistemas Existentes MD, EB e FAB Integrar Sistemas Existentes da MB Desenvolvimento do Software 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Módulo 1 Módulo 2 Módulo 3 Módulo 4

59 4: Sistema de Gerenciamento da Amazônia Azul Metas Metas do Módulo do 1 1 Áreas - Marítimas do 1º do e 1º 8º DN e 8º DN Integrar Meios Navais ao Sistema Instalar o SisGAAz nos CO de nível Força e Unidade Implantar Monitoramento nas Áreas de Vigilância Instalar o SisGAAz nos CO de nível Comando Integrar Sistemas Existentes em outras Agências Integrar Sistemas Existentes MD, EB e FAB Integrar Sistemas Existentes da MB Desenvolvimento do Software 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Módulo 1 Módulo 2 Módulo 3 Módulo 4

60 4: Sistema de Gerenciamento da Amazônia Azul Metas Metas do Módulo do 1 1 Áreas - Marítimas do 1º do e 1º 8º DN e 8º DN Integrar Meios Navais ao Sistema Instalar o SisGAAz nos CO de nível Força e Unidade Implantar Monitoramento nas Áreas de Vigilância Instalar o SisGAAz nos CO de nível Comando Integrar Sistemas Existentes em outras Agências Integrar Sistemas Existentes MD, EB e FAB Integrar Sistemas Existentes da MB Desenvolvimento do Software 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Módulo 1 Módulo 2 Módulo 3 Módulo 4

61 4: Sistema de Gerenciamento da Amazônia Azul Metas Metas do Módulo do 1 1 Áreas - Marítimas do 1º do e 1º 8º DN e 8º DN Integrar Meios Navais ao Sistema Instalar o SisGAAz nos CO de nível Força e Unidade Implantar Monitoramento nas Áreas de Vigilância Instalar o SisGAAz nos CO de nível Comando Integrar Sistemas Existentes em outras Agências Integrar Sistemas Existentes MD, EB e FAB Integrar Sistemas Existentes da MB Desenvolvimento do Software 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Módulo 1 Módulo 2 Módulo 3 Módulo 4

62 4: Sistema de Gerenciamento da Amazônia Azul Metas Metas do Módulo do 1 1 Áreas - Marítimas do 1º do e 1º 8º DN e 8º DN Integrar Meios Navais ao Sistema Instalar o SisGAAz nos CO de nível Força e Unidade Implantar Monitoramento nas Áreas de Vigilância Instalar o SisGAAz nos CO de nível Comando Integrar Sistemas Existentes em outras Agências Integrar Sistemas Existentes MD, EB e FAB Integrar Sistemas Existentes da MB Desenvolvimento do Software 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Módulo 1 Módulo 2 Módulo 3 Módulo 4

63 4: Sistema de Gerenciamento da Amazônia Azul Metas Metas do Módulo do 1 1 Áreas - Marítimas do 1º do e 1º 8º DN e 8º DN Integrar Meios Navais ao Sistema Instalar o SisGAAz nos CO de nível Força e Unidade Implantar Monitoramento nas Áreas de Vigilância Instalar o SisGAAz nos CO de nível Comando Integrar Sistemas Existentes em outras Agências Integrar Sistemas Existentes MD, EB e FAB Integrar Sistemas Existentes da MB Desenvolvimento do Software 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Módulo 1 Módulo 2 Módulo 3 Módulo 4

64 4: Sistema de Gerenciamento da Amazônia Azul Proposta de Implantação Modular para o SisGAAz ANO Concepção Contratação Desenvolvimento Módulo 1 Áreas do 3º e 4º DN Módulo 2 Módulo 3 Módulo 4 O Módulo 2 privilegia a região da Foz do Rio Amazonas, cuja importância é ressaltada na END. Também abrangerá as ilhas oceânicas mais afastadas, como os arquipélagos de Fernando de Noronha e São Pedro e São Paulo.

65 4: Sistema de Gerenciamento da Amazônia Azul Proposta de Implantação Modular para o SisGAAz ANO Concepção Contratação Desenvolvimento Módulo 1 Módulo 2 Módulo 3 Áreas do 2º e 5º DN Módulo 4 O Módulo 3 contempla as regiões necessárias para proporcionar o monitoramento e controle total da fronteira marítima.

66 4: Sistema de Gerenciamento da Amazônia Azul Proposta de Implantação Modular para o SisGAAz ANO Concepção Contratação Desenvolvimento Módulo 1 Módulo 2 Módulo 3 Áreas do 6º, 7º, 8º (parte fluvial) e 9º DN Módulo 4 O Módulo 4 abrange as regiões das bacias fluviais, na Amazônia, no Pantanal e a do Tiete-Paraná.

67 4: Sistema de Gerenciamento da Amazônia Azul Metas do Módulo Metas do 2 Módulo Áreas 1 - Áreas do 6º, Marítimas 7º, 8º (parte do 1º e fluvial) 8º DN e 9º DN Integrar Meios Navais ao Sistema Instalar o SisGAAz nos CO de nível Força e Unidade Implantar Monitoramento nas Áreas de Vigilância Instalar o SisGAAz nos CO de nível Comando Integrar Sistemas Existentes em outras Agências Integrar Sistemas Existentes MD, EB e FAB Integrar Sistemas Existentes da MB Desenvolvimento do Software 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Módulo 1 Módulo 2 Módulo 3 Módulo 4

68 4: Sistema de Gerenciamento da Amazônia Azul Visão Sistêmica

69 4: Sistema de Gerenciamento da Amazônia Azul

70 PESSOAL, NOSSO MAIOR PATRIMÔNIO

71 5: Pessoal, Nosso Maior Patrimônio Pessoal Aumento da Força de Trabalho Ampliação das estruturas dos órgãos do Sistemas de Ensino Naval... Ampliação das Unidades de Apoio à Saúde e de Assistência Social Construção de Próprios Nacionais Residenciais (PNR)

72 SEGURANÇA DA NAVEGAÇÃO

73 6: Segurança da Navegação Segurança Navegação Criação e elevação de categoria de Capitanias dos Portos, Delegacias e Agências (total de 68 OM)... Ampliação da presença da MB, principalmente, nas regiões amazônica e centro-oeste, aumentando a vigilância nas fronteiras e na hidrovia Paraguai-Paraná e do Rio Amazonas

74 OBTENÇÃO DA CAPACIDADE OPERACIONAL PLENA

75 7: Obtenção da Capacidade Operacional Plena Capacidade Operacional Programa de Revitalização e Modernização de Meios Navais, Aeronavais e de Fuzileiros Navais (NAe SÃO PAULO )... Programa de Revitalização e Modernização das Estruturas da MB Cumprimento do Programa Geral de Manutenção dos Meios (PROGEM) Recompletamento de dotações de sobressalentes, munições e armamentos

76 Sumário 1 2 AMAZÔNIA AZUL PROJETOS ESTRATÉGICOS 3 CONTRIBUIÇÃO AO DESENVOLVIMENTO NACIONAL 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS

77 Contribuição ao Desenvolvimento Geração de Emprego Nacional Crescimento Sustentável Transferência de Tecnologia Desenvolvimento da Indústria Nacional Capacitação Redução de Custos Projetos de Visibilidade Interna e Externa Ganhos em Escala

78 Sumário 1 2 AMAZÔNIA AZUL PROJETOS ESTRATÉGICOS 3 CONTRIBUIÇÃO AO DESENVOLVIMENTO NACIONAL 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS

79 Considerações Finais "... os Projetos Estratégicos da Marinha do Brasil consistem em ações para transformar a Força, de forma a capacitá-la para o pleno cumprimento de sua missão......os projetos da Marinha contribuirão para alavancar o desenvolvimento da base industrial de defesa, para o fortalecimento da construção naval no Brasil e para elevar o índice de nacionalização e de transferência de tecnologias... Julio Soares de Moura Neto Comandante da Marinha MARINHA DO BRASIL, IRRIGADORA DE RECURSOS NA ECONOMIA DO PAÍS

80 OBRIGADO! Protegendo Nossas Riquezas Cuidando da Nossa Gente Diretoria-Geral do Material da Marinha Diretoria de Gestão de Programas Estratégicos da Marinha

PROTEGENDO NOSSAS RIQUEZAS CUIDANDO DA NOSSA GENTE

PROTEGENDO NOSSAS RIQUEZAS CUIDANDO DA NOSSA GENTE PROTEGENDO NOSSAS RIQUEZAS CUIDANDO DA NOSSA GENTE DIRETORIA DE GESTÃO DE PROGRAMAS ESTRATÉGICOS DA MARINHA 1 MARINHA DO BRASIL AMAZÔNIA AZUL PROJETOS ESTRATÉGICOS BENEFÍCIOS PARA A SOCIEDADE 2 BRASILEIRA

Leia mais

PROJETOS ESTRATÉGICOS DA MARINHA

PROJETOS ESTRATÉGICOS DA MARINHA PROJETOS ESTRATÉGICOS DA MARINHA Projetos Estratégicos da Marinha SUMÁRIO AMAZÔNIA AZUL - Patrimônio Nacional PROJETOS ESTRATÉGICOS CONSIDERAÇÕES FINAIS Amazônia Azul, um patrimônio a ser preservado 3

Leia mais

PROJETOS ESTRATÉGICOS DA MARINHA 17 MAIO 2016 FIRJAN / GICAN

PROJETOS ESTRATÉGICOS DA MARINHA 17 MAIO 2016 FIRJAN / GICAN PROJETOS ESTRATÉGICOS DA MARINHA 17 MAIO 2016 FIRJAN / GICAN SUMÁRIO 1. AMAZÔNIA AZUL 2. PROJETOS ESTRATÉGICOS 3. BENEFÍCIOS PARA O PAÍS 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS AMAZÔNIA AZUL AMAZÔNIA AZUL 97% DO COMÉRIO

Leia mais

PROJETOS ESTRATÉGICOS DA MARINHA DO BRASIL CEEEX 22 NOVEMBRO 2016

PROJETOS ESTRATÉGICOS DA MARINHA DO BRASIL CEEEX 22 NOVEMBRO 2016 PROJETOS ESTRATÉGICOS DA MARINHA 22 NOVEMBRO 2016 DO BRASIL CEEEX SUMÁRIO 1. AMAZÔNIA AZUL 2. PROJETOS ESTRATÉGICOS 3. BENEFÍCIOS PARA O PAÍS 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS AMAZÔNIA AZUL AMAZÔNIA AZUL 97% DO

Leia mais

Marinha do Brasil e Polícia Federal apreendem contrabando no Paraná

Marinha do Brasil e Polícia Federal apreendem contrabando no Paraná Marinha do Brasil e Polícia Federal apreendem contrabando no Paraná Nesta segunda-feira (27 de julho), uma ação conjunta da Marinha do Brasil e Polícia Federal realizou a apreensão de contrabando e duas

Leia mais

Construção de Navios-Patrulha Oceânicos. Desenvolvimento de Míssil Nacional Antinavio

Construção de Navios-Patrulha Oceânicos. Desenvolvimento de Míssil Nacional Antinavio Programa 0626 Reaparelhamento e Adequação da Marinha do Brasil Ações Orçamentárias Número de Ações 16 1N470000 Construção de Navios-Patrulha Oceânicos Produto: Navio construído Unidade de Medida: unidade

Leia mais

Sem cortes, programa de submarinos já consumiu R$ 10,3 bi

Sem cortes, programa de submarinos já consumiu R$ 10,3 bi Sem cortes, programa de submarinos já consumiu R$ 10,3 bi Cinco novos submarinos, que estão sendo construídos na costa fluminense, deverão ser entregues até 2023, segundo a Marinha brasileira Proteger

Leia mais

MARINHA DO BRASIL ATIVIDADES DE PESQUISA E INOVAÇÃO E OS INVESTIMENTOS NOS CENTROS DE TECNOLOGIA DA MARINHA DO BRASIL

MARINHA DO BRASIL ATIVIDADES DE PESQUISA E INOVAÇÃO E OS INVESTIMENTOS NOS CENTROS DE TECNOLOGIA DA MARINHA DO BRASIL ATIVIDADES DE PESQUISA E INOVAÇÃO E OS INVESTIMENTOS NOS CENTROS DE TECNOLOGIA DA MARINHA DO BRASIL SUMÁRIO Introdução Amazônia Azul, um patrimônio a ser preservado A Estratégia Nacional de Defesa PAEMB

Leia mais

Esquadrão HU-1 participa da operação anfíbia UANFEX-1

Esquadrão HU-1 participa da operação anfíbia UANFEX-1 Esquadrão HU-1 participa da operação anfíbia UANFEX-1 No período de 31 de março a 8 de abril, o 1 Esquadrão de Helicópteros de Emprego Geral (HU-1), operando com uma aeronave UH-12 Esquilo embarcada na

Leia mais

NaPaOc 'Araguari' (P 122) será transferido para o Setor Operativo da Marinha do Brasil

NaPaOc 'Araguari' (P 122) será transferido para o Setor Operativo da Marinha do Brasil NaPaOc 'Araguari' (P 122) será transferido para o Setor Operativo da Marinha do Brasil No dia 09 de outubro, às 15h, no Cais Sul do Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro, o Navio-Patrulha Oceânico (NPaOc)

Leia mais

MARINHA DO BRASIL CENTRO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA MARINHA NOTA À IMPRENSA

MARINHA DO BRASIL CENTRO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA MARINHA NOTA À IMPRENSA MARINHA DO BRASIL CENTRO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA MARINHA NOTA À IMPRENSA Brasília, em 30 de janeiro de 2014. A Marinha do Brasil (MB) esclarece que o Navio-Aeródromo (NAe) São Paulo desatracou no dia

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR SP CEP: 12236-660 www.unianhanguera.edu.br ADMINISTRAÇÃO Colaborativa Disciplina: DPP Prof º. Tutor Presencial Trabalho, emprego e empregabilidade Área de atuação pesquisada 1. Engenheiro Petroquímico

Leia mais

ELEIÇÃO 2014 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA BRASIL 27 DO BRASIL QUE TEMOS PARA O BRASIL QUE QUEREMOS E PODEMOS DIRETRIZES GERAIS DE GOVERNO

ELEIÇÃO 2014 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA BRASIL 27 DO BRASIL QUE TEMOS PARA O BRASIL QUE QUEREMOS E PODEMOS DIRETRIZES GERAIS DE GOVERNO ELEIÇÃO 2014 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA BRASIL 27 DO BRASIL QUE TEMOS PARA O BRASIL QUE QUEREMOS E PODEMOS DIRETRIZES GERAIS DE GOVERNO CUMPRIR E FAZER CUMPRIR A CONSTITUIÇÃO 1. Cumprir e fazer cumprir a

Leia mais

Primeiras fotos do "roll out" do Skyhawk da Marinha do Brasil

Primeiras fotos do roll out do Skyhawk da Marinha do Brasil Primeiras fotos do "roll out" do Skyhawk da Marinha do Brasil Mais uma vez, o DAN trás em primeira mão, as primeiras fotos do roll out do AF-1M da Marinha do Brasil, ocorrido nas instalações da Embraer

Leia mais

As ações de Defesa na Copa do Mundo 2014

As ações de Defesa na Copa do Mundo 2014 COPA DO MUNDO FIFA BRASIL 2014 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL As ações de Defesa na Copa do Mundo 2014 OBJETIVO: Apresentar as Ações de Defesa na Matriz

Leia mais

ABIMAQ 25-10-2011. SisGAAz - 1

ABIMAQ 25-10-2011. SisGAAz - 1 ABIMAQ 25-10-2011 SisGAAz - 1 SUMÁRIO SisGAAz - 2 INTRODUÇÃO A AMAZÔNIA AZUL O que é Recursos vivos e não vivos Ameaças Vulnerabilidades A ESTRATÉGIA NACIONAL DE DEFESA O SisGAAz MODELO DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Operação Cisne Branco 2015. Imagem: CB SEVERIANO

Operação Cisne Branco 2015. Imagem: CB SEVERIANO Operação Cisne Branco 2015 Imagem: CB SEVERIANO Operação Cisne Branco O que é e quem participa; Como participar; Concurso de Redação; Prêmios; Conhecendo a Marinha do Brasil; e Como ingressar na Marinha.

Leia mais

Seminário discute o desenvolvimento de sonares com tecnologia nacional

Seminário discute o desenvolvimento de sonares com tecnologia nacional Seminário discute o desenvolvimento de sonares com tecnologia nacional Inaugurado em julho deste ano, o Laboratório de Tecnologia Sonar (LabSonar) do Instituto de Pós- Graduação e Pesquisa de Engenharia

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Page 1 of 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.377 DE 23 DE FEVEREIRO DE 2005. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos

Leia mais

Entrevista com o AE Leal Ferreira - "PROSUB" Atualizada

Entrevista com o AE Leal Ferreira - PROSUB Atualizada Entrevista com o AE Leal Ferreira - "PROSUB" Atualizada O Defesa Aérea & Naval DAN, gostaria de agradecer ao Almirante de Esquadra Eduardo Bacellar Leal Ferreira, em conceder esta entrevista, oportunidade

Leia mais

Requerimento Nº /2011

Requerimento Nº /2011 Requerimento Nº /2011 (Da Sra. Deputada JANETE CAPIBERIBE) Solicita Audiência Pública a fim de debater os resultados parciais das ações planejadas resultantes do GT Naval, proposto no âmbito desta Comissão,

Leia mais

3º Ciclo de Palestras sobre. Pré-Sal - o Papel da. Defesa do Patrimônio e Alocação de Recursos para essa Finalidade.

3º Ciclo de Palestras sobre. Pré-Sal - o Papel da. Defesa do Patrimônio e Alocação de Recursos para essa Finalidade. 3º Ciclo de Palestras sobre Defesa Nacional Pré-Sal - o Papel da Marinha ih do Brasil na Defesa do Patrimônio e Alocação de Recursos para essa Finalidade. Apresentação para a Comissão de Relações Exteriores

Leia mais

Tecnologia e Inovação em Produtos de Defesa na Marinha do Brasil

Tecnologia e Inovação em Produtos de Defesa na Marinha do Brasil Tecnologia e Inovação em Produtos de Defesa na Marinha do Brasil ROTEIRO Introdução Projetos Estratégicos da Marinha do Brasil A Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação (SecCTM) e o Sistema de Ciência,

Leia mais

Lancha Patrulha de Rio (LPR-01) começa a operar na região da Tríplice Fronteira

Lancha Patrulha de Rio (LPR-01) começa a operar na região da Tríplice Fronteira Lancha Patrulha de Rio (LPR-01) começa a operar na região da Tríplice Fronteira Lancha Patrulha de Rio (LPR-01) em Tabatinga (AM) No dia 31 de março, após uma travessia de seis dias navegando na calha

Leia mais

SUMÁRIO INTRODUÇÃO O CONTROLE NAVAL DO TRÁFEGO MARÍTIMO O SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE O TRÁFEGO MARÍTIMO (SISTRAM) EM APOIO AOS GRANDES EVENTOS

SUMÁRIO INTRODUÇÃO O CONTROLE NAVAL DO TRÁFEGO MARÍTIMO O SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE O TRÁFEGO MARÍTIMO (SISTRAM) EM APOIO AOS GRANDES EVENTOS COMANDO DO CONTROLE NAVAL DO TRÁFEGO MARÍTIMO (COMCONTRAM) 14/11/2014 CONTROLE NAVAL DO TRÁFEGO MARÍTIMO EM APOIO AOS MEGA EVENTOS CF Luis Cesar BLANCO Chefe do Estado-Maior SUMÁRIO INTRODUÇÃO O CONTROLE

Leia mais

Marinha do Brasil e Armada do Chile realizam Operação BOGATÚN 2015

Marinha do Brasil e Armada do Chile realizam Operação BOGATÚN 2015 Marinha do Brasil e Armada do Chile realizam Operação BOGATÚN 2015 Fragatas Constituição e Alte. Riveros durante a UNITAS. A Marinha do Brasil e a Armada do Chile realizaram, no período de 26 a 27 de novembro,

Leia mais

Para mais informações sobre o livro e/ou temas tratados, visite o nosso website ou entre em contato conosco. www.veraxc.com

Para mais informações sobre o livro e/ou temas tratados, visite o nosso website ou entre em contato conosco. www.veraxc.com Para mais informações sobre o livro e/ou temas tratados, visite o nosso website ou entre em contato conosco. www.veraxc.com Sumário Lista de Tabelas............................................. 10 Lista

Leia mais

Marinha participa de operação internacional com países africanos no patrulhamento do Golfo da Guiné

Marinha participa de operação internacional com países africanos no patrulhamento do Golfo da Guiné Marinha participa de operação internacional com países africanos no patrulhamento do Golfo da Guiné Por Tenente Fayga Soares Ao longo dos últimos 42 dias, a Marinha do Brasil participou de uma operação

Leia mais

INB inicia produção regular de urânio enriquecido

INB inicia produção regular de urânio enriquecido INB inicia produção regular de urânio enriquecido A Fábrica de Combustível Nuclear (FCN) de Resende iniciou a produção regular de serviços de enriquecimento de urânio para as usinas do país. O evento ocorreu

Leia mais

AMAZÔNIA AZUL TECNOLOGIAS DE DEFESA SA

AMAZÔNIA AZUL TECNOLOGIAS DE DEFESA SA Nosso objeto social Promover, desenvolver, absorver e manter tecnologias necessárias às atividades nucleares do Programa Nuclear Brasileiro e Programa Nuclear da Marinha. Promover, desenvolver, absorver

Leia mais

PARA A PROTEÇÃO DA AMAZÔNIA AZUL SERÁ MESMO IMPORTANTE UM SUBMARINO COM PROPULSÃO NUCLEAR?

PARA A PROTEÇÃO DA AMAZÔNIA AZUL SERÁ MESMO IMPORTANTE UM SUBMARINO COM PROPULSÃO NUCLEAR? PARA A PROTEÇÃO DA AMAZÔNIA AZUL SERÁ MESMO IMPORTANTE UM SUBMARINO COM PROPULSÃO NUCLEAR? Roberto Carvalho de Medeiros (*) Esta questão tem sido levantada com freqüência nos últimos meses, especialmente

Leia mais

POLÍTICA DE SENSORIAMENTO REMOTO DE DEFESA

POLÍTICA DE SENSORIAMENTO REMOTO DE DEFESA MINISTÉRIO DA DEFESA MD32-P-02 POLÍTICA DE SENSORIAMENTO REMOTO DE DEFESA 2006 MINISTÉRIO DA DEFESA ESTADO-MAIOR DE DEFESA POLÍTICA DE SENSORIAMENTO REMOTO DE DEFESA 1 a Edição 2006 MINISTÉRIO DA DEFESA

Leia mais

Conselho de Defesa e Segurança da FIRJAN Comitê Naval de Defesa. Por que desenvolver um Arranjo Produtivo Local Naval de Defesa no Rio de Janeiro?

Conselho de Defesa e Segurança da FIRJAN Comitê Naval de Defesa. Por que desenvolver um Arranjo Produtivo Local Naval de Defesa no Rio de Janeiro? Conselho de Defesa e Segurança da FIRJAN Comitê Naval de Defesa Por que desenvolver um Arranjo Produtivo Local Naval de Defesa no Rio de Janeiro? Nos últimos anos, o planejamento governamental, tendo como

Leia mais

Programa Copa 2014 na Bahia Planejamento, Realizações e Legados do Mundial na Bahia. SINAENCO 18 de Maio de 2012

Programa Copa 2014 na Bahia Planejamento, Realizações e Legados do Mundial na Bahia. SINAENCO 18 de Maio de 2012 Programa Copa 2014 na Bahia Planejamento, Realizações e Legados do Mundial na Bahia SINAENCO 18 de Maio de 2012 AGENDA 1. Linha do Tempo 2. A Copa em números 3. Programa Copa 2014 na Bahia 4. Plano Diretor

Leia mais

Comunicado Conjunto. Reunião dos Presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e José Alberto Mujica Cordano

Comunicado Conjunto. Reunião dos Presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e José Alberto Mujica Cordano Comunicado Conjunto Reunião dos Presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e José Alberto Mujica Cordano (Santana do Livramento/Rivera, 30 de julho de 2010) Os Presidentes da República Federativa do Brasil,

Leia mais

Como veículos marítimos não tripulados poderiam desempenhar um papel nos requisitos de vigilância costeira do Brasil

Como veículos marítimos não tripulados poderiam desempenhar um papel nos requisitos de vigilância costeira do Brasil Como veículos marítimos não tripulados poderiam desempenhar um papel nos requisitos de vigilância costeira do Brasil Wave Glider SV3 - Pequeno Notável Um exemplo potencial para o ditado os melhores perfumes

Leia mais

Insegurança em alto-mar

Insegurança em alto-mar Insegurança em alto-mar Falha em plataforma da Petrobras na Bacia de Campos expõe problemas de manutenção nos equipamentos da empresa A Agência Nacional de Petróleo (ANP) e a Marinha interditaram ontem

Leia mais

Seminário de Portos e Vias Navegáveis: Um olhar sobre a infraestrutura Brasília, 22 de setembro de 2011

Seminário de Portos e Vias Navegáveis: Um olhar sobre a infraestrutura Brasília, 22 de setembro de 2011 PAINEL Navegação Marítima de Cabotagem A experiência do armador nacional como investidor em navios no Brasil Seminário de Portos e Vias Navegáveis: Um olhar sobre a infraestrutura Brasília, 22 de setembro

Leia mais

OCEANOS, CICLO DE CONFERÊNCIAS RIO + 20 FUNDAÇÃO DE SERRALVES, 12 DE JULHO 2012

OCEANOS, CICLO DE CONFERÊNCIAS RIO + 20 FUNDAÇÃO DE SERRALVES, 12 DE JULHO 2012 OCEANOS, CICLO DE CONFERÊNCIAS RIO + 20 FUNDAÇÃO DE SERRALVES, 12 DE JULHO 2012 RUI AZEVEDO II ENCONTRO DOS PARCEIROS DO CLUSTER DO CONHECIMENTO E DA ECONOMIA DO MAR AVEIRO 28 JANEIRO 2011 PONTOS A ABORDAR

Leia mais

balanço 1Oº março >> junho 2014 A gente FAZ um brasil de oportunidades

balanço 1Oº março >> junho 2014 A gente FAZ um brasil de oportunidades balanço 1Oº março >> junho 2014 A gente FAZ um brasil de oportunidades Metrô de Salvador Linha 1 Trecho Lapa - Acesso Norte Salvador BA apresentação O Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2) completa

Leia mais

O B r a s i l e a S e g u r a n ç a d o A t l â n t i c o S u l *

O B r a s i l e a S e g u r a n ç a d o A t l â n t i c o S u l * O B r a s i l e a S e g u r a n ç a d o A t l â n t i c o S u l * Wilson Barbosa Guerra Vice Almirante, Ministério da Defesa do Brasil * Comunicação efectuada no Seminário Internacional sobre O Futuro

Leia mais

O Brasil no século XXI. Desafios Estratégicos para o Brasil em 2022

O Brasil no século XXI. Desafios Estratégicos para o Brasil em 2022 O Brasil no século XXI Desafios Estratégicos para o Brasil em 2022 Construir o Brasil do século XXI Reduzir as Vulnerabilidades Externas; Enfrentar as desigualdades; Realizar as potencialidades; Construir

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília - IFB. Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação - PRPI Coordenação de Pesquisa - CDPQ

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília - IFB. Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação - PRPI Coordenação de Pesquisa - CDPQ CNPq Chamada CNPq N º 12/2013 Cooperação MCTI-CNPq/DBT (Índia) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília - IFB Ag. Edital Inscrições Objetivo Áreas de interesse 22/04/2013 a Apoiar

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Deputado Alfredo Nascimento - PR/AM)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Deputado Alfredo Nascimento - PR/AM) PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Deputado Alfredo Nascimento - PR/AM) Altera a Lei nº 10.893, de 13 de julho de 2004, que dispõe sobre o Adicional ao Frete para a Renovação da Marinha Mercante AFRMM

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE BÓIAS - PNBOIA PROJETO OPERACIONAL

PROGRAMA NACIONAL DE BÓIAS - PNBOIA PROJETO OPERACIONAL PROGRAMA NACIONAL DE BÓIAS - PNBOIA PROJETO OPERACIONAL 1 INTRODUÇÃO O presente Projeto tem por finalidade detalhar as ações afetas ao Programa Nacional de Bóias (PNBOIA), que tem como objetivo a coleta

Leia mais

ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO COMPARADA SOBRE CONSERVAÇÃO DOS ECOSSISTEMAS MARINHOS

ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO COMPARADA SOBRE CONSERVAÇÃO DOS ECOSSISTEMAS MARINHOS ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO COMPARADA SOBRE CONSERVAÇÃO DOS ECOSSISTEMAS MARINHOS Canadá, União Européia (Espanha, França), Austrália, Nova Zelândia, EUA André Lima OAB/DF 17878 11 de abril de 2013 1) Canadá

Leia mais

Secretário-geral do MD participa de abertura de feira de segurança

Secretário-geral do MD participa de abertura de feira de segurança Secretário-geral do MD participa de abertura de feira de segurança Por Ascom O secretário-geral do Ministério da Defesa (MD), general Joaquim Silva e Luna, participou hoje da abertura da LAAD Security

Leia mais

Ao receber Navio Bahia, Dilma garante recursos para projetos de defesa

Ao receber Navio Bahia, Dilma garante recursos para projetos de defesa Ao receber Navio Bahia, Dilma garante recursos para projetos de defesa Por Ascom Durante a cerimônia de incorporação à Marinha do Brasil do Navio Doca Multipropósito Bahia, a presidente Dilma Rousseff

Leia mais

Plano de Negócios 2011-2015

Plano de Negócios 2011-2015 PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS Companhia Aberta FATO RELEVANTE Plano de Negócios 2011-2015 Rio de Janeiro, 22 de julho de 2011 Petróleo Brasileiro S.A. Petrobras comunica que seu Conselho de Administração

Leia mais

Documento de Apoio da Declaração de Gaborone para Sustentabilidade na África

Documento de Apoio da Declaração de Gaborone para Sustentabilidade na África Documento de Apoio da Declaração de Gaborone para Sustentabilidade na África O documento de apoio da Declaração de Gaborone para a sustentabilidade na África é um paradigma transformador na busca pelo

Leia mais

POLÍTICA DE SAÚDE E SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA

POLÍTICA DE SAÚDE E SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DE SAÚDE E SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA Política de SAÚDE E SEGURANÇA Política de SAÚDE E SEGURANÇA A saúde e a segurança dos nossos funcionários fazem

Leia mais

MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO MARANHÃO

MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO MARANHÃO MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO MARANHÃO APRESENTAÇÃO PARA A FEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES EM TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS E AFINS - FNTTAA 15/09/2010 SUMÁRIO A AUTORIDADE MARÍTIMA MISSÃO ÁREA

Leia mais

METODOLOGIA DE PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE PELO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

METODOLOGIA DE PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE PELO GERENCIAMENTO DE PROJETOS METODOLOGIA DE PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE PELO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Débora Noronha¹; Jasmin Lemke¹; Carolina Vergnano¹ ¹Concremat Engenharia e Tecnologia S/A, Diretoria Técnica de Estudos, Projetos

Leia mais

Entrevista com o Comandante do NDM 'Bahia' (G 40)

Entrevista com o Comandante do NDM 'Bahia' (G 40) Entrevista com o Comandante do NDM 'Bahia' (G 40) Luiz Padilha, editor do Defesa Aérea & Naval com o CMG Luis Felipe Monteiro Serrão O Capitão-de-Mar-e- Guerra Luis Felipe Monteiro Serrão, é o comandante

Leia mais

IIº Colóquio da Pós-Graduação do ITA. Planejamento Estratégico para o PPGAO: Visão do EMAER

IIº Colóquio da Pós-Graduação do ITA. Planejamento Estratégico para o PPGAO: Visão do EMAER IIº Colóquio da Pós-Graduação do ITA Planejamento Estratégico para o PPGAO: Visão do EMAER Maio 2004 Palestrante: TOMAZ GUSTAVO MACIEL DE LIMA Tenente-Coronel Intendente Adjunto da 3ª Subchefia do Estado-Maior

Leia mais

Presentation Title Presentation Subtitle

Presentation Title Presentation Subtitle Presentation Title Presentation Subtitle SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2 ASPECTOS LEGAIS 3 ASPECTOS ESTRATÉGICOS 4 SISFRON Art. 142. As Forças Armadas, constituídas pela Marinha, pelo Exército e pela Aeronáutica,

Leia mais

EASA certifica o reprojetado eixo de engrenagem do EC225

EASA certifica o reprojetado eixo de engrenagem do EC225 EASA certifica o reprojetado eixo de engrenagem do EC225 O eixo de engrenagens cônicas verticais, que foi reprojetado pela Airbus Helicopters para as aeronaves EC225, foi certificado pela European Aviation

Leia mais

EMPRESA DE TRANSPORTE URBANO DE FORTALEZA - ETUFOR

EMPRESA DE TRANSPORTE URBANO DE FORTALEZA - ETUFOR EMPRESA DE TRANSPORTE URBANO DE FORTALEZA - Objetivo Apresentar a e as principais características do STTP. Conceito de Transporte - Transporte é o movimento de pessoas e cargas de um ponto a outro utilizando

Leia mais

2º Balanço. Julho - Setembro 2011

2º Balanço. Julho - Setembro 2011 2º Balanço Julho - Setembro 2011 Amapá Apresentação O programa que mudou o Brasil agora está de cara nova. Mais recursos para continuar construindo a infraestrutura logística e energética e sustentar o

Leia mais

TRÁFICO INTERNACIONAL DE DROGAS

TRÁFICO INTERNACIONAL DE DROGAS TRÁFICO INTERNACIONAL DE DROGAS (enfrentamento, cooperação e esforços os regionais) LUIZ PONTEL DE SOUZA Delegado de Polícia Federal Adido Policial em Portugal SUMÁRIO Situação das drogas ilícitas no Brasil

Leia mais

ANEXO I MATRIZ DE INDICADORES E METAS

ANEXO I MATRIZ DE INDICADORES E METAS ANEXO I MATRIZ DE INDICADORES E S 31 MATRIZ DE INDICADORES e S Indicador 1 - Visão Visão: Ser reconhecido como um dos 10 Regionais mais céleres e eficientes na prestação jurisdicional, sendo considerado

Leia mais

Panorama da transferência de tecnologia - "ToT" Apresentação para os Parlamentares Brasileiros

Panorama da transferência de tecnologia - ToT Apresentação para os Parlamentares Brasileiros Panorama da transferência de tecnologia - "ToT" Apresentação para os Parlamentares Brasileiros 1 O Caminho para a Independência Tecnológica (I) : uma parceria estratégica completa entre o Brasil e a França

Leia mais

LEI N 21.156, DE 17 DE JANEIRO DE 2014. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR.

LEI N 21.156, DE 17 DE JANEIRO DE 2014. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR. LEI N 21.156, DE 17 DE JANEIRO DE 2014. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR. (PUBLICAÇÃO - MINAS GERAIS DIÁRIO DO EXECUTIVO - 18/01/2014 PÁG. 2 e 03)

Leia mais

Gestão Estratégica de RH. José Renato S. Santiago Jr.

Gestão Estratégica de RH. José Renato S. Santiago Jr. Gestão Estratégica de RH José Renato S. Santiago Jr. Gestão Estratégica de RH Módulo 1: Alinhando Gestão de Pessoas com a Estratégia da Empresa Módulo 2: Compreendendo e Dinamizando a Cultura Organizacional

Leia mais

Drones, modelos, usos e aplicações. Ailson Brito Santos Benedito José Santos Luciano Lisboa

Drones, modelos, usos e aplicações. Ailson Brito Santos Benedito José Santos Luciano Lisboa Drones, modelos, usos e aplicações Ailson Brito Santos Benedito José Santos Luciano Lisboa Apresentação Palestrantes O site de projetos benejsan (www.benejsan.com.br) O Grupo de desenvolvimento de software

Leia mais

Centro Nacional de Pesquisas do Mar

Centro Nacional de Pesquisas do Mar A Construção do de Pesquisas IFSC fevereiro - 2009 Pesca e Aqüicultura Navegação Construção Naval Atividade Portuária 1. INTRODUÇÃO O será criado com a finalidade de desenvolver pesquisas nas áreas navais,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SEAP/PR Nº 4, DE 8 DE OUTUBRO DE 2003

INSTRUÇÃO NORMATIVA SEAP/PR Nº 4, DE 8 DE OUTUBRO DE 2003 INSTRUÇÃO NORMATIVA SEAP/PR Nº 4, DE 8 DE OUTUBRO DE 2003 O SECRETÁRIO ESPECIAL DA SECRETARIA ESPECIAL DE AQÜICULTURA E PESCA DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art.

Leia mais

MARINHA DO BRASIL COMANDO DO CONTROLE NAVAL DO TRÁFEGO MARÍTIMO CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO

MARINHA DO BRASIL COMANDO DO CONTROLE NAVAL DO TRÁFEGO MARÍTIMO CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO MARINHA DO BRASIL COMANDO DO CONTROLE NAVAL DO TRÁFEGO MARÍTIMO CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO Sumário Introdução Missão Visão Valores Apresentação do serviço prestado Público-alvo Tipos de Mensagens Legislação

Leia mais

A GESTÃO DOS RESÍDUOS DE OBRA EM UMA COMPANHIA DE SANEAMENTO CERTIFICADA

A GESTÃO DOS RESÍDUOS DE OBRA EM UMA COMPANHIA DE SANEAMENTO CERTIFICADA A GESTÃO DOS RESÍDUOS DE OBRA EM UMA COMPANHIA DE SANEAMENTO CERTIFICADA ENG JORGE KIYOSHI MASSUYAMA (APRESENTADOR) Cargo atual: Diretor de Operações da SANED. Formação: Engenheiro Civil, formado em 1981,

Leia mais

Willis Latin American Energy Conference

Willis Latin American Energy Conference Willis Latin American Energy Conference Planejamento Financeiro e Gestão de Riscos outubro 2012 Cátia Diniz Gerente Setorial de Seguros Internacionais Estas apresentações podem conter previsões acerca

Leia mais

ANEXO 2-A. 2-A-1 N-13/2003 Mod 15 OBSERVAÇÕES II/2 (*) IV/2 CMT S/L. 10 - CCB com mais de 2 (dois) anos de embarque no nível 9.

ANEXO 2-A. 2-A-1 N-13/2003 Mod 15 OBSERVAÇÕES II/2 (*) IV/2 CMT S/L. 10 - CCB com mais de 2 (dois) anos de embarque no nível 9. E CERTIFICAÇÃO REGRA(S) 1º GRUPO MARÍTIMOS - SEÇÃO DE CONVÉS CERTIFICADO MOD DPC 1031 CLC 10 - CCB com mais de 2 (dois) anos de embarque no nível 9. II/2 IV/2 S/L - CCB 9 1ON 8-1ON com mais de 2 (dois)

Leia mais

A MARINHA DO BRASIL E SUA PROJEÇÃO NO CONTINENTE AFRICANO

A MARINHA DO BRASIL E SUA PROJEÇÃO NO CONTINENTE AFRICANO A MARINHA DO BRASIL E SUA PROJEÇÃO NO CONTINENTE AFRICANO Com o fim da Guerra Fria e o colapso da União Soviética, os conflitos africanos em sua grande maioria deixaram de ter aquele cunho ideológico leste-oeste

Leia mais

Trabalho resgatado da época do Sinac. Título: Mercado Volante de Hortigranjeiros. Autor: Equipe da Ceasa/DF

Trabalho resgatado da época do Sinac. Título: Mercado Volante de Hortigranjeiros. Autor: Equipe da Ceasa/DF Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Companhia Nacional de Abastecimento Conab Diretoria de Gestões de Estoques Diges Superintendência de Programas Institucionais e Sociais de Abastecimento

Leia mais

Válvulas de Controle-"Case"- Copesul. Nelzo Luiz Neto da Silva 1 Jader Weber Brum 2

Válvulas de Controle-Case- Copesul. Nelzo Luiz Neto da Silva 1 Jader Weber Brum 2 Válvulas de Controle-"Case"- Copesul Nelzo Luiz Neto da Silva 1 Jader Weber Brum 2 RESUMO Visando rever conceitos, procedimentos, estratégias e tecnologias voltadas para a manutenção de válvulas, partimos

Leia mais

4 Proposta de método de avaliação de desempenho em programas

4 Proposta de método de avaliação de desempenho em programas 4 Proposta de método de avaliação de desempenho em programas O método de avaliação foi proposto especialmente para esta pesquisa, mas poderá ser utilizado em outros casos relacionados à avaliação de desempenho

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 54/2014. Autor: Vereador Paulo César Queiroz. A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, Aprova:

PROJETO DE LEI Nº 54/2014. Autor: Vereador Paulo César Queiroz. A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, Aprova: PROJETO DE LEI Nº 54/2014 Dispõe sobre o Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H - no Município de Foz do Iguaçu e dá outras providências. Autor: Vereador Paulo César Queiroz

Leia mais

Onde está a oportunidade? A iluminação consome uma parte significativa (19%) da electricidade consumida no mundo

Onde está a oportunidade? A iluminação consome uma parte significativa (19%) da electricidade consumida no mundo Iluminação eficiente Vamos fazer a diferença! O que é bom para o ambiente é também bom para si! Ser verde já não é apenas uma tendência, é uma forma de vida. Reduzir o desperdício e o consumo de energia

Leia mais

GRANDES PARCERIAS GERANDO GRANDES RESULTADOS NA GESTÃO SUSTENTAVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS PRODUTOR DE ÁGUA NO PIPIRIPAU-DF

GRANDES PARCERIAS GERANDO GRANDES RESULTADOS NA GESTÃO SUSTENTAVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS PRODUTOR DE ÁGUA NO PIPIRIPAU-DF GRANDES PARCERIAS GERANDO GRANDES RESULTADOS NA GESTÃO SUSTENTAVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS PRODUTOR DE ÁGUA NO PIPIRIPAU-DF José Bento da Rocha Farmacêutico graduado pela Universidade Estadual de Goiás UEG,

Leia mais

O ORÇAMENTO PÚBLICO AO ALCANCE DO CIDADÃO

O ORÇAMENTO PÚBLICO AO ALCANCE DO CIDADÃO O ORÇAMENTO PÚBLICO AO ALCANCE DO CIDADÃO Denise Rocha Assessora de Política Fiscal e Orçamentária São Luís - MA 23 a 27 de agosto de 2004 1ª ETAPA - ENTENDENDO O ORÇAMENTO PÚBLICO A importância do orçamento

Leia mais

MANUAL DE PLANEJAMENTO DO SETOR DE AVIAÇÃO CIVIL COPA DO MUNDO 2014. Comitê Técnico de Operações Especiais CONAERO

MANUAL DE PLANEJAMENTO DO SETOR DE AVIAÇÃO CIVIL COPA DO MUNDO 2014. Comitê Técnico de Operações Especiais CONAERO MANUAL DE PLANEJAMENTO DO SETOR DE AVIAÇÃO CIVIL COPA DO MUNDO 2014 Comitê Técnico de Operações Especiais CONAERO ORGANIZAÇÃO DO SETOR CONAERO Comissão Nacional de Autoridades Aeroportuárias -Decisões

Leia mais

Melhorar a qualidade dos serviços e a infraestrutura aeroportuária para os usuários. Ampliar a oferta de transporte aéreo à população brasileira

Melhorar a qualidade dos serviços e a infraestrutura aeroportuária para os usuários. Ampliar a oferta de transporte aéreo à população brasileira Objetivos Melhorar a qualidade dos serviços e a infraestrutura aeroportuária para os usuários Ampliar a oferta de transporte aéreo à população brasileira Reconstruir a rede de aviação regional Medidas

Leia mais

Raquel Naves Blumenschein. Universidade de Brasília LACIS/FAU/CDS/FGA

Raquel Naves Blumenschein. Universidade de Brasília LACIS/FAU/CDS/FGA Raquel Naves Blumenschein Universidade de Brasília LACIS/FAU/CDS/FGA A primeira fase do Projeto 08 está composta de três metas: i) Desenvolvimento do Observatório do Conhecimento para a Inovação na CPIC;

Leia mais

FINEP UMA AGÊNCIA DE INOVAÇÃO. Vânia Damiani. Departamento de Instituições de Pesquisa Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa

FINEP UMA AGÊNCIA DE INOVAÇÃO. Vânia Damiani. Departamento de Instituições de Pesquisa Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa FINEP UMA AGÊNCIA DE INOVAÇÃO Vânia Damiani Departamento de Instituições de Pesquisa Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa A Missão da FINEP Promover o desenvolvimento econômico e social do Brasil

Leia mais

REFERÊNCIA Transporte Rodoviário Agenda Setorial 2012 Acompanhamento/Monitoramento da política pública de transporte rodoviário

REFERÊNCIA Transporte Rodoviário Agenda Setorial 2012 Acompanhamento/Monitoramento da política pública de transporte rodoviário 3ª Câmara de Coordenação e Revisão Consumidor e Ordem Econômica SAF Sul Quadra 4 Conjunto C Bloco B Sala 301; Brasília/DF, CEP 70050-900, (61)3105-6028, http://3ccr.pgr.mpf.gov.br/, 3camara@pgr.mpf.gov.br

Leia mais

Licenciamento Ambiental e Municipal

Licenciamento Ambiental e Municipal Curso de Treinamento - ABLP Licenciamento Ambiental e Municipal Simone Paschoal Nogueira 14 de outubro de 2008 Sede da ABLP Procedimento pelo qual o órgão ambiental competente permite a localização, instalação,

Leia mais

ANTAQ SUPERINTENDÊNCIA DE NAVEGAÇÃO SNA ANA MARIA PINTO CANELLAS

ANTAQ SUPERINTENDÊNCIA DE NAVEGAÇÃO SNA ANA MARIA PINTO CANELLAS ANTAQ SUPERINTENDÊNCIA DE NAVEGAÇÃO SNA ANA MARIA PINTO CANELLAS Rio de Janeiro, 9 de novembro de 2004. Desempenha, como autoridade administrativa independente, a função de entidade reguladora e fiscalizadora

Leia mais

Seminário Internacional sobre Diretivas WEEE e RoHS Iniciativas para mobilização do setor. Palestrante: Edson Vieira Coordenador de Eletromédicos

Seminário Internacional sobre Diretivas WEEE e RoHS Iniciativas para mobilização do setor. Palestrante: Edson Vieira Coordenador de Eletromédicos Seminário Internacional sobre Diretivas WEEE e RoHS Iniciativas para mobilização do setor Palestrante: Edson Vieira Coordenador de Eletromédicos Fevereiro de 2011 A ABIMO Associação Brasileira da Indústria

Leia mais

8º Seminário de C,T&I do Ministério da Defesa. Mesa Redonda: Cerceamento Tecnológico. Fernando Rizzo Diretor CGEE

8º Seminário de C,T&I do Ministério da Defesa. Mesa Redonda: Cerceamento Tecnológico. Fernando Rizzo Diretor CGEE Cerceamento Tecnológico 8º Seminário de C,T&I do Ministério da Defesa Mesa Redonda: Cerceamento Tecnológico Fernando Rizzo Diretor CGEE Campinas, 05 de outubro 2011 Estudo: Defesa Cerceamento Tecnológico

Leia mais

Não é tarde demais para combater as mudanças climáticas O sumário do IPCC diz:

Não é tarde demais para combater as mudanças climáticas O sumário do IPCC diz: Sumário dos resultados-chave do Quarto Relatório de Avaliação do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas, Grupo de Trabalho III de Mitigação de Mudanças Climáticas Bangkok, Maio de 2007 Não é

Leia mais

1. O Contexto do SBTVD

1. O Contexto do SBTVD CT 020/06 Rio de Janeiro, 27 de janeiro de 2006 Excelentíssimo Senhor Ministro Hélio Costa MD Ministro de Estado das Comunicações Referência: Considerações sobre o Sistema Brasileiro de Televisão Digital

Leia mais

Demonstrativo de Programas Temáticos Conferência Por Orgão - PPA 2016-2019. 2017 2018 2019 Total. Rio Grande do Norte 5 5 5 5 20

Demonstrativo de Programas Temáticos Conferência Por Orgão - PPA 2016-2019. 2017 2018 2019 Total. Rio Grande do Norte 5 5 5 5 20 Orgão Programa 0008 - EDUCAÇÃO SUPERIOR E TECNOLÓGICA Objetivo 0307 - Fortalecer a política de ensino superior de graduação e pós-graduação, por meio da sua interiorização, do desenvolvimento da pesquisa,

Leia mais

Sistema digital de chamada e som de emergência Praesideo Faz passar sempre todas as mensagens

Sistema digital de chamada e som de emergência Praesideo Faz passar sempre todas as mensagens Sistema digital de chamada e som de emergência Praesideo Faz passar sempre todas as mensagens 2 Sistemas de chamada e som de emergência Praesideo da Bosch Manter o público informado e protegido Com mais

Leia mais

9º Encontro Nacional SINAENCO Novas formas de contratação 1º. de dezembro de 2011

9º Encontro Nacional SINAENCO Novas formas de contratação 1º. de dezembro de 2011 A Estruturadora Brasileira de Projetos tem por missão desenvolver, com imparcialidade e transparência, projetos de infraestrutura que contribuam para o desenvolvimento econômico e social brasileiro criando

Leia mais

Termo de Referência INTRODUÇÃO E CONTEXTO

Termo de Referência INTRODUÇÃO E CONTEXTO Termo de Referência CONSULTORIA PARA AVALIAÇÃO DOS FINANCIAMENTOS DO BANCO DA AMAZÔNIA BASA, PARA FORTALECIMENTO DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DA AMAZÔNIA BRASILEIRA, COM DESTAQUE PARA

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS 4º ANO CONSOLIDANDO A INTEROPERABILIDADE ENTRE AS FORÇAS ARMADAS

MINISTÉRIO DA DEFESA ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS 4º ANO CONSOLIDANDO A INTEROPERABILIDADE ENTRE AS FORÇAS ARMADAS MINISTÉRIO DA DEFESA GEOINFORMAÇÃO USO DA GEOINFORMAÇÃO PELO MINISTÉRIO DA DEFESA GEOINFORMAÇÃO CONHECER O MINISTÉRIO DA DEFESA E SUAS PECULIARIDADES ; E CONHECER A APLICAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Adriana Botelho Taliarine dritaliarine@hotmail.com Darci de Jesus Ramos Prof. MSc. José Ricardo Favoretto Fatec Itapetininga - SP RESUMO: O aumento da

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Histórico 1989 - Plataforma Ambiental Mínima para Candidatos à Presidência 1990 - Plataforma Ambiental Mínima para os Candidatos ao Governo do Estado de São Paulo 1998 - Plataforma Ambiental Mínima para

Leia mais

Agricultura Certificada

Agricultura Certificada Agricultura Certificada Agosto 2014 VISÃO GERAL DA SLC AGRICOLA 68 ANOS DE EXPERIÊNCIA 318,5 (1) MIL HA ÁREA PRÓPRIA 344 MIL HA ÁREA PLANTADA ENTRE AS MAIORES DO PAÍS ALTA PRODUTIVIDADE PARTE DO GRUPO

Leia mais