O controle performance ou desempenho. entendido este como a expressão da comparação entre o trabalho realizado frente ao programado.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O controle - 12. performance ou desempenho. entendido este como a expressão da comparação entre o trabalho realizado frente ao programado."

Transcrição

1 O controle - 12 performance ou desempenho. entendido este como a expressão da comparação entre o trabalho realizado frente ao programado. O índice de performance ou desempenho, exprime o quanto foi concluído do serviço orçado ao o comparar com o que foi realizado considerando, simultaneamente, as variáveis relativas a quantidades, prazos e custos Definições. O controle é a atividade gerencial cujo objeto é acompanhar a evolução do trabalho realizado em termos físicos e financeiros; registrar e comparar o trabalho e o custo realizados com o que foi programado ou pactuado; e, avaliar e relatar a evolução do processo de execução do projeto. Por propiciar a elaboração de dados necessários à consolidação de experiência adquirida, devido ao registro dos fatos ocorridos na fase de execução e a respectiva avaliação, o processo de controle permite amparar a decisões quanto à ação corretiva caso constatado desvios no cumprimento das metas de quantidade, custo ou prazo. Através do controle é possível realizar a análise de conformidade. Nesta análise são verificados: desvios havidos nos quantitativos de cada atividade realizada; diferenças nos custos praticados; aumento nos tempos das atividades; e inconsistência nos recursos empregados. O objetivo da análise de conformidade é demonstrar, e quantificar, quais atividades sofreram desvios, tornando possível uma deflagração, tempestiva e adequada, de ação corretiva necessária à solução dos desvios constatados. Ela evidencia a real necessidade de replanejamento quando constatado haver inconformidade na execução de qualquer atividade. Além disto, permite adquirir e registrar a experiência obtida. Ver Fig.12.1 O ciclo de planejamento e controle. A evolução do processo executivo pode ser avaliado, a cada período, utilizando um único índice denominado índice de PlnjArq~aula12~Ctrole 163

2 Esse registro é efetuado com a instituição de uma série de atividades em campo denominadas MAC apropriação, medição e controle de custos - sendo objeto das duas primeiras o registro do que foi produzido e dos recursos mobilizados. Os dados coletados no processo de medição e apropriação permitem elaborar boletins de controle de produção que amparam a realização da análise de conformidade. Sob a ótica acima, pode-se constatar ser o planejamento um forte instrumento do processo de controle, pois ele relaciona atividades e recursos possíveis de serem controlados. Entendem os autores que, em havendo desinteresse na instituição de um processo de controle ou na displicência em seu cumprimento, qualquer processo de planejamento será inócuo. Ele ficará desmoralizado ad nutum, já que seu objetivo maior é possibilitar o acompanhamento do desempenho havido no processo de execução e a verificação do cumprimento das metas contratuais. Pelo exposto, será mais apropriado falar em processo de controle e planejamento do que o tradicionalmente utilizado planejamento e controle. Sob essa ótica, o planejamento, além de ser uma atividade inerente ao ciclo de controle, é a atividade que o legitima Atividades do Controle - MAC. Já comentado, integram o processo de controle três atividades básicas: Medição; Apropriação; Controle de Custos. a) Medição - ato ou efeito de medir e tem como objetivo registrar o quantitativo dos serviços realizados. Como exemplo tem-se: volume de concreto lançado; volume de aterro, escavação e as distâncias de transporte; metros de meio fio e tubos de drenagem colocados; número de metros quadrados de azulejo assentados; área de grama plantada, etc. b) Apropriação corresponde às atividades referentes à coleta de informações quanto a: número de homens ou equipamentos empregados na realização de cada atividade; homens-hora ou horas de equipamento dispendidos na realização de cada trabalho ou serviço; insumos disponibilizados em canteiro; custo de empregados; insumos e equipamentos utilizados nas composições de custos; e etc. c) Custos a análise de custos visa efetuar a comparação entre os custos incorridos com os planejados. E, além disso, amparar a tomada de decisão quanto à orientação de eventuais ações corretivas Elementos do Controle. Definindo, segundo a origem, os principais elementos de controle de custos: a) Do planejamento: as informações definidas na fase de planejamento, especialmente: o custo estimado da obra ou PlnjArq~aula12~Ctrole 164

3 serviço; o orçamento e o cronograma programados; o tempo planejado; custos indiretos ou externos. b) Do processo de apropriação: corresponde à coleta de informações e o processamento de dados relativos aos custos, quantitativos e recursos dispendidos na execução dos serviços e realizados durante o processo de construção. Recursos estes que podem ser: pessoal; equipamentos ou tecnológicos; financeiros. c) Análise de conformidade: consiste na comparação do que foi realizado com os quantitativos padrões pré-estabelecidos. Isto é, com as quantidades, tempos e custos orçados na fase do planejamento. Ver Fig d) Análise por exceção: corresponde a análise de conformidade baseada na em parâmetros ou índices que estabelecem limites a partir dos quais a análise de conformidade passa a envolver a responsabilidade da autoridade superior. e) Ação Corretiva: consiste no estabelecimento de novos procedimentos necessários a corrigir as distorções ou desvios no processo de construção. Visa, principalmente, definir ações quanto ao aumento de produtividade, alterações de projeto e/ou a adoção de tecnologias adequadas ao cumprimento de prazos contratuais. Via de regra, a necessidade de ação corretiva implica em acréscimo de recursos, com expressão direta na margem de lucro estabelecida Medição. Como já definido, a medição é um processo que visa comprovar os quantitativos realizados. As medições são documentos administrativos que amparam a emissão dos documentos de cobrança quais sejam: as notas fiscais, faturas e duplicatas de serviços, documentos que amparam legalmente o processo de cobrança. Após o advento no Novo Código Civil de 2002, os contratos passaram a se classificados como de empreitada e de prestação de serviços. A empreitada corresponde a toda atividade em que resulte a materialização do objeto contratado, havendo ou não fornecimento do material pelo empreiteiro. Após a medição, os dados coletados devem ser consubstanciados em um único documento probante dos trabalhos realizados os boletins de medição. Estes documentos servem como reconhecimento de dívida e amparam a emissão de notas fiscais e faturas de serviços prestados. Modelos de boletins de medição são apresentados nas Fig s e A prestação de serviços corresponde às atividades de cunho intelectual quais sejam: projetos, especificações, laudos, relatórios, fiscalização, auditoria, etc. Modelo de boletim de remessa ou entrega de documentos é apresentado na Fig É interessante notar, e já existe jurisprudência pacificadora que, para o reconhecimento e a cobrança executiva de duplicatas de serviços há que se dispor de documento que autorizou a sua realização e o de aceite/recebimento dos mesmos. PlnjArq~aula12~Ctrole 165

4 12.5 Apropriação. A apropriação corresponde ao registro sistemático dos recursos mobilizados para a execução de projetos, mais precisamente, de pessoas e de equipamentos. O processo de apropriação visa: Registrar o número de profissionais e os tempos dedicados à execução das atividades; Registrar dos equipamentos mobilizados por tipo e quantidade; Registrar os tempos despendidos na realização das atividades; Registrar os materiais empregados na execução dos serviços e atividades; Amparar o controle e a justificativa de incrementos de custos; Registrar horas trabalhadas com o fim de pagamento ou rateio de custos; Calcular a real produtividade obtida por atividade ou serviço. Como já visto, a produtividade associada a cada atividade k é definida pela razão entre o tempo apropriado para realizar esta atividade e a quantidade medida produzida neste tempo: π ( k) = t(k) Qs(k) Os modelos das figuras 12.2, 12.3 e 12.4 fichas de controle de pessoal e equipamentos, registros que contribuem para o controle e avaliação dos motivo dos desvios ocorridos no processo de produção. atua em diversos projetos. Este documento permite o registro e o acompanhamento do montante de homens/hora e dos custos incorridos em cada projeto. Apropriação de Mão de Obra Serviços Técnicos/ Escritório. Nome do Profissional: Luis C. de Souza MÊS: Dia Projeto 1º Turno 2º Turno Início Fim Início Fim Total 1 Usina Palmas 8:00 12:00 13:30 18:45 9:15 2 Edifício Torre D Or 8:00 11:40 13:30 18:00 8,10 3 Shopping 3 9,00 12:00 14:00 18:00 7:00 4 Viagem SP :00 5 Viagem SP :00 6 Usina Palmas :30 18:00 4:30 30 Total das Horas Trabalhadas no Mês horas Justificativas: dias 4/5 viagem referente licitação Ferrovia SP/SC Rubrica do Profissional: Fig Modelo de Cartão de Apropriação de Horas por Serviço Os modelos das Fig s e 12.4 mostram a apropriação das horas trabalhadas por profissionais e equipamentos alocados em projeto ou contrato específico. Estes documentos possibilitam o registro e o acompanhamento do montante das horas de pessoal e equipamentos dispendidos em um projeto específico. Além disso, no caso de equipamentos, é possível apropriar o número de horas produtivas e improdutivas diárias ou mensais, bem como os motivos que justificaram a improdutividade. O modelo da Fig.12.2 mostra exemplo de ficha de apropriação das horas trabalhadas realizadas por profissional que PlnjArq~aula12~Ctrole 166

5 Apropriação de Mão de Obra - Construção Obra: Usina Hidrelétrica das Palmas Secas Local: Campo Bom Frente de Serviço: Casa de Força Mês/ano Dia: Nome Chapa 1º Turno 2º Turno Entrada Saída Entrada Saída Pedro Kalenberg :00 12:00 14:00 18:00 Orlando Pontes :45 12:20 13:40 19:30 Paulo Silva :10 12:00 14:00 18:00 Frederico Bieging :00 12: Fiscal Rubrica Fig Modelo de Cartão de Apropriação de Horas por Turno 12.6 Controle de Custos Objetivo. O controle de custos visa verificar se ocorreu desvio no custo total de cada atividade realizada comparativamente ao custo que foi orçado. Verificado o desvio, é possível verificar se o mesmo ocorreu em decorrência de: i) variação nos custos unitários de produção; ii) variação nas quantidades realizadas; iii) aumento devido a ambos os casos anteriores Análise de Conformidade. Contrato nº xxx Empresa: Trecho: Rodovia SC-999 MÊS: Dia: Equipamento 1º Turno 2º Turno Total Início Fim Início Fim Horas 1 Caminhão nº1-10t 8:00 12:00 13:30 17:45 8:15 2 Caminhão nº2-10t 8:00 11: ,40 3 Pá mecânica nº1 9,00 12:00 14:00 17:00 6: Trator Esteira D :30 17:45 4:15 Apropriador: M. L. da Silva Rubrica: Fig Modelo de Horas Produtivas de Equipamentos Disponíveis os custos realizados, três situações básicas podem ocorrer: a) Custos totais realizados iguais aos orçados; b) Custos totais realizados inferiores aos orçados; c) Custos totais realizados superiores aos orçados. A primeira situação indica que os custos incorridos ocorreram segundo o previsto, com decorrência na obtenção do lucro estabelecido. Este objetivo a ser alcançado. Na segunda situação, quando se obtém um resultado inferior ao orçado, sem duvida ocorre lucro. Mas, visando manter a competitividade e o controle sobre o processo orçamentário, há que se apurar a causa do desvio, pois os valores orçados podem ter sido superavaliados, especialmente quanto aos preços unitários orçados. PlnjArq~aula12~Ctrole 167

6 Quanto à terceira situação, sendo os custos e tempos realizados superiores ao orçado, há que se verificar se as informações realizadas na coleta de dados foram fidedignas ou se o processo de execução extrapolou o planejado. Nesta situação, especialmente no caso de empreitadas, há risco de prejuízo ou a penalização por multas contratuais. Disponíveis as informações oriundas do controle de custos e da produção, pode-se realizar a análise de conformidade, visando analisar as causas dos desvios. Na Fig Modelo de Boletim Para Análise de Conformidade, o objetivo maior é comparar os valores resultantes dos acumulados de produção e de custos realizados com aqueles que foram orçados e medir o desvio incorrido. Seja em termos de quantidade, Q%, ou em termos de custos, $%. A(k) = Realizado Orçado Recomenda-se efetuar a análise de conformidade para as atividades ou itens relacionados em orçamento, já que esses itens integrarão os boletins de medição e as decorrentes notas fiscais. No exemplo exposto na Fig12.13 foi analisado um serviço de terraplenagem, escavação e transporte de solo de 3ª categoria. Observando o 1º mês de produção, verifica-se que a quantidade produzida ultrapassou em 10,00% àquela prevista. E, os custos incorridos na realização desta produção superaram em 13,75 % ao orçado. Recomenda-se efetuar o controle de custos comparando o que foi previsto com o realizado instituindo para cada empreitada ou serviço os Boletins de Controle de Custos. O formato dos boletins de controle de custos deve atender aos interesses da administração. Alguns modelos de boletins de acompanhamento de custos são mostrados nas Figuras 12.5; 12.6; e Os modelos das figuras 12.5 e 12.6 são clássicos modelos de controle de custos. O da Fig.12.6, porém, indica o desvio percentual havido quanto ao volume de produção realizado, Q%, ou de custos, $%, expressos em termos de porcentagem. É importante notar que o modelo registra o volume de obra ou de serviços realizados num dado mês. Permite, porém, uma avaliação da situação do empreendimento de forma estática. Isto porque, não permite avaliar o desempenho havido, em termos de análise conjunta de tempo, custo e quantidades realizadas durante o período de execução do projeto. Para tanto, nos Capítulos 14 e 15 deste livro são discutidos modelos visando medir a performance ou o desempenho, respectivamente para o caso do acompanhamento ser realizado pela empresa contratada e pela contratante. Controle Custos - Apropriação Obra: Usina Hidrelétrica Palmas MÊS: Orçado Realizado item Serviço un Preço Preço Quant Quant unitar Total unitar Total 1 Escavação 1ª m³ , , Escavação 2ª m³ , ,20 PlnjArq~aula12~Ctrole 168

7 3 Escavação 3ª m³ , ,50 4 Drenagem m Concr.Armado m³ , k Desmobilização un T O T A L Pu = preço unitário PT = preço total. Local Fiscal: Data Matricula Fig Modelo de Controle de Produção As medidas de desvios ou variação podem se referir à quantidades executadas, ao tempo dos serviços realizados, ao custo total incorrido ou ao custo unitário praticado. Dois são os modos geralmente adotados de medir as variações ou desvio de projetos, por: Valor Absoluto; Valor Relativo. a) Por Valor Absoluto. Boletim de Controle Custos Análise de Variação Obra: Data: MÊS: Quantidades Custos mil R$ item Serviço un Planej Real Q Plan. Real $ 1 Escavação 1ª M³ Escavação 2ª M³ Escavação 3ª M³ Concreto Armado M³ T O T A L - Σ Q ou $ = desvio ocorrido = Realizado - Planejado Fig Modelo de Boletim de Controle de Custos Medida de Desvios. O Desvio Absoluto tem por objetivo medir a quantidade de desvio, podendo ter como unidade o valor monetário, metros cúbicos, metros quadrados, etc. ($) = CR CO Adotando como exemplo a análise do custo unitário de um insumo orçado em R$ 27,00 por unidade e realizado a R$ 31,00, o valor do desvio absoluto é dado pela diferença dos dois custos. b) Por Valor Relativo. ($) = ($) = 4,0 R$/unidade Neste caso, o desvio ou variação é medido em termos porcentuais. Considerando o exemplo anterior tem-se: CR CO CR (%) = = 1 CO CO PlnjArq~aula12~Ctrole 169

8 (%) = = = 0,1481 ou ,81 % ($) = CR($) CO($) Nos dois casos fica demonstrado que os custos realizados ultrapassaram aqueles orçados, respectivamente, em R$ 4,00 correspondendo a 14,81% superior ao orçado. É de notar que: Apresentando o desvio ou variação um valor positivo, o realizado foi superior ao orçado. Porém, apresentando um valor negativo, o realizado ficou abaixo do orçado Controle Por Exceção. O controle por exceção, ou administração por exceção do processo de construção, visa estabelecer a margem de erro ou níveis de desvio a partir dos quais a administração superior passará a analisar e verificar as causas e motivos que propiciaram a ultrapassagem do desvio estabelecido, também denominado de desvio padrão. Adotando como nomenclatura, ε para representar o desvio padrão pré estabelecido, dentro do qual a produtividade ou os custos que, mesmo sendo diferentes do valor orçado, estiverem dentro dessa margem serão considerados como normais. E, o desvio real ou efetivamente ocorrido durante o esforço de construção. Nessa situação, podem ocorrer três casos: 0 0 ε Neste caso há a constatação de que o custo realizado apresentou valor eminentemente superior ao custo pré-estabelecido; Este é o caso em que o custo realizado apresentou valor significativamente inferior ao valor do custo pré-estabelecido; Neste caso o custo realizado atendeu o padrão pré-estabelecido. Esta é a situação desejada, pois indica que a empresa domina e detem controle sobre os processos de construção, orçamentação e planejamentos. Montando o volume realizado de um certo serviço em $1.000 e estabelecido um desvio padrão em ε = 50 e sendo ($) = CR($) CO($), o desvio ocorrido no custo dos serviços é dado por 1= =-70$, situação que demonstra uma variação a menor de setenta unidades. Variação superior ao desvio Sendo estabelecido, por definição, CR($) como minuendo e CO($) como subtraendo, o desvio expresso em valor monetário será dado por: PlnjArq~aula12~Ctrole 170

9 estabelecido Assim, é recomendado à administração reconhecer a causa dos desvios visando apurar a qualidade de seu processo orçamentário. ε Conceitualmente, sendo ε o valor do desvio padrão préestabelecido, ensejará à administração conhecer os motivos que propiciaram a ultrapassagem deste valor, tanto para maior como a menor, já que decorrem em impacto na competitividade, no lucro, no planejamento ou capacidade de avaliação da empresa. Além disso, o conhecimento do desvio permite avaliar a capacidade do gerenciamento da empresa. Isto porque, o desvio pode ocorrer em uma ou várias fases de implantação de um empreendimento, desde a fase de projeto, ai incluídos o planejamento e a orçamentação; de suprimento; até a fase de execução. Constatada a fase ou etapa onde tenha ocorrido desvio, ou onde eles tenham sido mais representativos, a empresa dispõe de informações hábeis para agir tempestivamente e evitar, ou minimizar, a recorrência de fatos que causaram os desvios constatados. Além disso, dispõe de condições de considerar esse desvio na elaboração de futuros BDI s. ε 1 2 Como exemplo de motivos ou procedimentos que possam causar desvio pode-se citar: Quantidades orçadas a maior ou a menor do que o necessário para o cumprimento do projeto; Tempos de construção ou de serviços mal avaliados; Preços unitários orçados a maior ou a menor; Descontinuidade no processo de produção; Aquisição a maior, devido ser o processo de compra deficiente; Tecnologia adotada ou gerenciamento inadequado; Informações inconsistentes sobre as condições dos locais onde se realizará um empreendimento. Condições essas que podem ser de ordem legal, ambiental, fiscal ou social, etc. Desconhecimento da capacitação técnica ou da idoneidade dos fornecedores; Etc. Da analise do rol de desvios acima descritos, verifica-se que sua origem pode ter causas distintas e do seu reconhecimento pode decorrer a necessidade de treinamento e a capacitação do quadro de pessoal da empresa visando estar qualificada para os minimizar a sua ocorrência. Tal comportamento, sem dúvida alguma, decorre em ganho de competitividade com reflexos na lucratividade Princípios de Controle de Custos. PlnjArq~aula12~Ctrole 171

10 Cinco são os princípios a serem obedecidos quando se deseja implantar um sistema de controle de custos e almejar o respectivo sucesso. 1º. O custo necessário à implantação e manutenção de um sistema de controle deve ser inferior à economia que ele proporcionará à empresa; 2º. Visando garantir a fidedignidade dos objetivos dos contratos de construção devem ser estabelecidos níveis de variações ou desvios, quando cotejado o realizado com o que foi planejado, possibilitando aprovar e implementar ações corretivas o mais cedo possível; 3º. Ao gerente de construção deve ser atribuída autoridade para deflagrar ações corretivas e necessárias a alcançar as metas e objetivos pré-definidos; 4º. O sistema de controle deve possibilitar a adoção de ação direta ao primeiro sinal de desvio de qualquer atividade que se afaste do planejamento original visando restabelecer as metas inicialmente planejadas. 5º. A administração superior deve prestigiar tanto a implantação como a manutenção do sistema de acompanhamento de custos Análise de Desvio Custo e Produção Obra: Data: MÊS: Dezembro/2003 Quantidades Custos item Serviço un Realizadas Realizado Quant. Q% ε Q $% ε Q 1 Escavação 1ª m³ Escavação 2ª m³ Escavação 3ª m³ Sub base 5 Concreto m³ T O T A L Q ou $ = desvio ocorrido = Planejado - Realizado Fig Modelo de Controle por Exceção Exemplo. Seja analisar o desempenho dos serviços de construção segundo apresentado no quadro seguinte. Analisando o item 1, Escavação de 1ª, ficou constatada uma produção 3% abaixo do planejado, porém dentro da margem de Desvio Padrão Planejado 5%. Nessa situação, a administração não efetuará deflagrará auditoria para conhecer os motivos que propiciaram o desvio na quantidade de produção. Porém, no caso das Escavações de 2ª e 3ª, itens 2 e 3, como a variação de produção foi, respectivamente, 12% superior e 15% inferior ao planejado e, em ambos os casos, tendo ultrapassado o Desvio Padrão estabelecido, 10%, haverá o interesse em se efetuar uma análise acurada visando constatar as causas da ultrapassagem do limite planejado. PlnjArq~aula12~Ctrole 172

11 Evolução do Desempenho. Para avaliar a evolução do desempenho havido na realização de um projeto, quatro são os instrumentos discutidos neste curso e que propiciam uma avaliação dinâmica do processo de análise: A Curva S ; O método do Valor do Trabalho Realizado; O método do Índice de Desempenho; O método da Análise de Performance. A curva S e o método do Valor do Trabalho Realizado são mais facilmente utilizados pelos empreiteiros ou executores dos serviços, pois dispõe de acesso, fidedigno, especialmente quanto aos custos efetivamente incorridos. O método do Índice de Desempenho, ou Status Index, é recomendado para ser utilizado pelo ente fiscalizador de empreendimentos, pois dificilmente ele terá acesso a dados dos custos incorridos realizados pelos empreiteiros ou construtores. Seu objetivo maior é avaliar a tendência doa performance do projeto. A Análise de Performance da Construção é um método derivado do Índice de Desempenho cuja proposta é evitar a subjetividade existente na elaboração do ID. Identicamente ao anterior, é recomendado para ser utilizado pelo ente fiscalizador Conceitos. Definindo performance ou desempenho, eles correspondem à designação dada ao alcance de qualquer resultado desejado, mas improvável de acontecer sem que ocorra um esforço para produzi-lo. (Deutsch, 1979). Esse esforço pode atender ou não aos objetivos desejados e pode ser medido através do estabelecimento de índices de avaliação periodicamente determinados. O que se almeja com a determinação desses índices é verificar se a quantidade de serviço realizada e paga corresponde ao que foi efetivamente planejado. Assim, os índices de performance ou desempenho permitem: i) Avaliar, ao exprimir um único índice, se a quantidade de serviço executada e paga corresponde ao que foi contratado; ii) Evitar solução de continuidade ao projeto, retribuindo ao contratado a justa contraprestação pelos serviços realizados, já que o desempenho havido, e medido periodicamente, pode ser objetivamente avaliado; iii) Resguardar o interesse do contratante, pagando efetivamente o que foi realizado, já que, segundo o Código Civil, o que foi pago presume-se verificado e qualquer adiantamento é ato de liberalismo. Neste contexto, pode-se definir performance de um projeto como a expressão da evolução do processo de construção, quando se compara a quantidade de serviços e os custos pagos com aqueles pactuados em contrato. Para tanto, a performance é medida por índices definidos a cada período de construção após realizado o processo de medição do serviço realizado, sendo o objetivo deste capítulo apresentar duas metodologias capazes de estabelecer esses índices e, por motivos didáticos, são denominados de: PlnjArq~aula12~Ctrole 173

12 Índice de Desempenho ID; Índice de Performance da Construção IPC. Recomenda-se sua adoção, principalmente, quando o projeto foi adjudicado por empreitada global, ou turn - key, em que os preços unitários são irreajustáveis. ID Como ferramentas para a utilização do método, é imprescindível dispor do cronograma físico financeiro planejado, ou contratual, e do cronograma físico financeiro conforme efetivamente realizado. I 3 = 0,7 1 Curva de Evolução Antes de apresentar a metodologia de calculo dos índices já nominados, alerta-se ser possível uma obra apresentar índices de avaliação satisfatórios, mesmo estando atrasada. Tal fato pode acontecer quando o montante pago corresponder a valores monetários inferiores àqueles efetivamente devidos. Mes-1 mes-2 mes-3 tempo Fig.12.8 Diagrama de Evolução do Desempenho Alerta-se ao leitor que os dois modelos são recomendados como instrumento de gestão do proprietário, do ente fiscalizador, ou do financiador do contrato de qualquer empreendimento quando deseja avaliar o desempenho apresentado pelo executor do mesmo. Eles contribuem para amparar ao ente fiscalizador do empreendimento em analisar a liberação de novas parcelas de recursos, evitando incorrer no risco de adiantar numerário a descoberto. PlnjArq~aula12~Ctrole 174

13 Controle de Produção de Equipamento Nº Equipamento: Caminhão nº 1-10t Empresa: Operador Obra: Contratante: Local: Serviço: Horas Operantes Horas Inoperantes Turno I Turno 2 Horas Motivo Total Quebrado Troca Manutenção Falta Operante Oficina Pneu Preventiva Operador Dia Início Fim Início Fim Mês...Ano 2.xxx Dia Inoperante Horas Total Inoperante 31 Total Apropriador Responsável: Data: OBS: Fig Modelo de Ficha de Apropriação por Equipamento PlnjArq~aula12~Ctrole 175

14 Relatório de Produção Obra: Proprietário Local Mês...Ano 2.xxx Serviço Contratado Total Desempenho Físico Desempenho Financeiro Analise: Realizado / Orçado item Preço Orçado Realizado Acumulado Orçado Realizado Acumulado Físico Financeiro Serviço Unid Quant Unitário Mês Mês Total Mês Mês Total % % Status 1 Fundação m³ ,50 850,00 717, , , , ,00 2 Reaterro m³ , , , , , TOTAL Responsável: Data: OBS: Fig Modelo de Desempenho - Produção PlnjArq~aula12~Ctrole 176

15 Relatório de Exceção Obra: Ginásio de Esportes da Jacutinga. Proprietário: Local: Serviço item Serviço Mês de JULHO Ano 2.xxx Contratado Desempenho Físico Desempenho Financeiro Analise: Realizado / Orçado Preço Orçado Realizado Acumulado Orçado Realizado Acumulado Físico Financeiro Quant Unid Unitário Mês Mês Total Mês Mês Total Varia Varia q ε ε $ q Q1 ΣQ1 $ 10³ $ 10³ $ 10³ 1 Fundação M³ ,50 850,00 717, ,00 350,62 295,76-17% 5% 2% Alvenaria M² ,70 TOTAL - Responsável: Executor: Data da Elaboração: Obs: Comentários: Item 1 Devido a defeitos e paralisação da central de concreto nos dias 20 a 27/07. Faltaram peças de reposição em almoxarifado. Fig Relatório de Desempenho Relatório de Exceção % % Observação: é recomendável, para conhecimento de todos os interessados, a divulgação do Índice de Variação Aceitável ε. Tal informação permite a aceitação e a solidariedade da organização frente a exigibilidades que venham a ocorrer durante ou após o processo de construção. PlnjArq~aula12~Ctrole 177

16 Obra: Rodovia SC-2003 Proprietário: DER/SC Local: Trecho B-32 Serviço: Construção Serviço un Preço Unitário Orçadol Total Contratado Quantidade Relatório de Produção Mensal - Total Relatório Referente a: Quantitativos Globais Total Realizado Quantidade Variação Quantidade Real/Contr. Quantidade Orçada Mês Mês...Ano 2.xxx Quantidade Realizada Mês Produção Mensal Variação Realiz/Orçad % Preço Unitário Realiz. Variação Preço % 1. Terraplenagem 1.1 Solo 1ª 1.2 Solo 2ª Solo 3ª m³ 88, , ,00 72% , ,00 +2,5% 89,33 +1,02% Aterro 2. Drenagem Bueiros Canaletas 3.- Acabamentos. 3.1 Grama 3.2 Pintura Placas 4. Obras de Arte TOTAL... Responsável: Executor: Data da Elaboração: Nº Observações: (efetuar comentários quanto a desempenho planejado e não cumprido). a) Item... b) Item... Fig Modelo de Relatório de Produção e Acompanhamento do Volume Contratado PlnjArq~aula12~Ctrole 178

17 Análise de Produção e Custos Por Serviço Obra: Rodovia BR-2010 Relatório Referente a: Proprietário: DER/SC Local: Trecho B-10 Mês: agosto - Ano 2.xxx Serviço: Terraplenagem Solo 3ª Categoria. Mês Controle/mês un FÍSICO - PRODUÇAO Orçado m³ Orçado acumulado Realizado m³ Realizado Acumulado Desvio % +10% +7,5% +5,0% +3,75% +1,0% - 0,8% - 2,14% - 3,22% ΣRealizado/ΣOrçado FINANCEIRO - CUSTOS Preço Unitário/m³ R$ 88,00 88,00 88,00 88,00 88,00 88,00 88,00 88,00 88,00 88,00 88,00 88,00 Orçado 10³ Orçado acumulado Preço Unitário/m³ 91,00 91,00 90,00 90,00 85,00 85,00 85,00 88, R$ Realizado ³ Realizado Acumulado Desvio % +13,75 +11,17 +8,81 +7,18 +3,13 +0,41-1,52% - 2,58% ΣRealizado/ΣOrçado Responsável: Executor: Data da Elaboração: Nº Observações: FIG Modelo de Boletim Para Análise de Conformidade PlnjArq~aula12~Ctrole 136

18 BOLETIM DE MEDIÇÃO Condomínio Solazul MÊS...de 2.xxx Contratante Endereço: CGC Inscrição Estadual Contratado Endereço: CGC Inscrição Estadual Local da Obra: Município: item serviço un Realizado Realizado Contratado Até o Mês Durante o Mês Preço Preço Pago Preço Índice de Quantid. Quantid. Quantid. Unitário Total R$ Histórico Reajuste 1 Mobilização 2 Escavação 3 Formas 4 Concretagem 5 Desforma 6 Impermeabilização Desmobilização TOTAL O valor total dos serviços importa em R$ CONTRATANTE CONTRATADO LOCAL DECLARO QUE OS SERVIÇOS FORAM PRESTADOS. Rubrica Rubrica DATA 1ª VIA: CONTRATANTE; 2ª VIA: CONTRATADO; 3ª VIA FISCALIZAÇÃO. FIG Modelo de Boletim de Medição de Empreitada A Pagar No MES PlnjArq~aula12~Ctrole 137

19 Avila & Jungles Planejamento BOLETIM DE MEDIÇÃO - N.º 012/2.0xx Contratante Endereço Contratado Endereço Local da Obra: Endereço item Descrição do Serviço Unidade Preço Unitário Quantidade Orçada Mês:... Ano: 2.0xx. CGC Inscrição Estadual CGC Inscrição Estadual Nº Contrato Quantidade Realizada no mês Realizado Até o mês Preço Final R$ 1 Mobilização un , quitado 2 Fundações m³ 222,22 458,00 200,00 258, ,00 3 Alvenaria m² 17, , ,00 0, ,00 4 Estrutura - Concreto m³ 5 Forros m² 6 Cobertura m² 7 Revestimento Interno m² 8 Revestimento Externo m² 9 Barras 10 Contra piso 11 Pisos Internos 12 Rede de Água 13 Rede de Esgoto 14 Funilaria 15 Rede Elétrica 16 Esquadrias 17 Ferragens 18 Serralheira 19 Vidros 20 Pintura 21 Sanitários 22 Equipamentos Elétricos 23 Limpeza - Raspagem 24 Pisos Externos 25 Muros 26 Desmobilização...Valor Total do mês: Importa o presente serviço em... Responsável: Eng º Alfa Beta da Gama Delta - Visto CREA-SC nº (rubrica) Declaramos que os serviços acima descritos foram prestados e aceitos. Local: Data Assinatura do Cliente: Fig Modelo de Boletim de Medição de Obra por Empreitada PlnjArq~aula12~Ctrole 138

20 Avila & Jungles Planejamento Remessa de Documentos - N.º 012/2.0xx Mês:... Ano: 2.0xx. Contratante Endereço CGC Inscrição Estadual Contratado Objeto: CGC Inscrição Estadual Local do Serviço: Nº Contrato Endereço item Documento Valor R$ 01 Projeto arquitetônico pranchas nº 01/12 a 12/ (inclusive)... Especificações Técnicas e Memorial Descritivo... Projeto Estrutural - completo , , , ,00 Total dos Serviços... R$ 7.500,00 (Importa o presente serviço em sete mil e quinhentos reais). Recebemos os Documentos acima relacionados. Local e data: Cliente: Fig Modelo de Boletim de Entrega de Documentos - Serviços PlnjArq~aula12~Ctrole 139

O diagrama de barras -

O diagrama de barras - 5 Avila & Jungles Planejamento & Controle de Empreendimentos 5.1 O objetivo. O diagrama de barras - porcentagem a ser realizada na unidade de tempo; etc. (SILVA, 2001). A maior desvantagem se encontra

Leia mais

PO - Procedimento Operacional Revisão: 02 Folha: 1 de 7

PO - Procedimento Operacional Revisão: 02 Folha: 1 de 7 PO - Procedimento Operacional Revisão: 02 Folha: 1 de 7 1. OBJETIVO Orientar a condução dos processos de Coordenação e controle de obras, executadas pela Brookfield Incorporações S/A, de forma a garantir

Leia mais

GERENCIAMENTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL

GERENCIAMENTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL GERENCIAMENTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL FSP - Faculdade Sudoeste Paulista Departamento Engenharia Civil ENGª. M.Sc. Ana Lúcia de Oliveira Daré Cap. 3: OS CUSTOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL 3.1 Custos na construção civil

Leia mais

Cent rais Elétricas de R ondônia S /A Cons t rução da S ubes tação de Alto P araís o PROJETO BÁSICO 001/2005

Cent rais Elétricas de R ondônia S /A Cons t rução da S ubes tação de Alto P araís o PROJETO BÁSICO 001/2005 PROJETO BÁSICO 001/2005 CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA CONSTRUÇÃO DA SUBESTAÇÃO DE ALTO PARAÍSO 34,5/13.8 kv 10/12,5MVA 1- OBJETIVO Este projeto tem por finalidade especificar os serviços para CONTRATAÇÃO

Leia mais

apresentação do sistema http://www.luminait.com.br Lumina@LuminaIT.com.br +55 11 3996 4275

apresentação do sistema http://www.luminait.com.br Lumina@LuminaIT.com.br +55 11 3996 4275 apresentação do sistema Um ERP para a Construção Civil O negócio Construção Civil tem necessidades específicas de controle: faturamento direto para o cliente alocação de pedidos em serviços específicos

Leia mais

relatórios do sistema http://www.luminait.com.br Lumina@LuminaIT.com.br +55 11 3996 4275

relatórios do sistema http://www.luminait.com.br Lumina@LuminaIT.com.br +55 11 3996 4275 relatórios do sistema RELATÓRIOS DO SISTEMA Antes de detalharmos alguns dos relatórios do sistema, vale lembrar que o Lumina ERP trabalha com quatro visões da WBS (EAP). A partir destas visões nascem as

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARBALHA SECRETARIA DE INFRAESTRUTURA E OBRAS PROJETO BÁSICO MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESTADO DO CEARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARBALHA SECRETARIA DE INFRAESTRUTURA E OBRAS PROJETO BÁSICO MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PROJETO BÁSICO MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS - OBRA: CONSTRUÇÃO DE MURO ARRIMO - LOCAL: TERRENO DO CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL - BARBALHA/CEARÁ. 1.0 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS - Este Relatório

Leia mais

PROC IBR EDIF 01.02.003/2014

PROC IBR EDIF 01.02.003/2014 INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC IBR EDIF 01.02.003/2014 01 - Fase Licitatória 01.02 - Análise das especificações, quantidades

Leia mais

SINAPI Modelo de Apresentação

SINAPI Modelo de Apresentação SINAPI Modelo de Apresentação Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil Administrado pela CAIXA Precisão do Preço de Referência Margem de erro elevada MÉTODO DE CÁLCULO DO

Leia mais

Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil.

Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil. Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01 PROMOVA A INTEGRAÇÃO ENTRE AS ÁREAS DE SUA

Leia mais

Integração entre PCP e Gestão de Custos: Curvas de Agregação de Recursos

Integração entre PCP e Gestão de Custos: Curvas de Agregação de Recursos Integração entre PCP e Gestão de Custos: Curvas de Agregação de Recursos Carlos T. Formoso Apresentação Técnica de planejamento e controle de obras: Reúne dados de orçamento e planejamento Utiliza dados

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA MANUTENÇÃO PREDIAL GERAL

TERMO DE REFERÊNCIA MANUTENÇÃO PREDIAL GERAL 1. OBJETO TERMO DE REFERÊNCIA MANUTENÇÃO PREDIAL GERAL 1.1. Prestação de Serviços de Manutenção Predial Geral, para as dependências do Centro Cultural José Bonifácio localizado na Rua Pedro Ernesto, nº

Leia mais

Gestão de Custos. Conteúdo. Planejamento Integrado. Gestão de Custos. Conceitos Básicos de Gestão de Custos Integraçãoda Gestãode Custoscom o

Gestão de Custos. Conteúdo. Planejamento Integrado. Gestão de Custos. Conceitos Básicos de Gestão de Custos Integraçãoda Gestãode Custoscom o Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas Especialização em Gerenciamento de Obras Planejamento Integrado Gestão de Custos Prof. Dayana Bastos Costa Conteúdo

Leia mais

GESTÃO E FISCALIZAÇÃO DE CONTRATOS DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA

GESTÃO E FISCALIZAÇÃO DE CONTRATOS DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA Tribunal de Contas do Estado do Piauí Inspetoria de Obras e Serviços Públicos Divisão de Engenharia Palestrante: Bruno C. de Holanda Cavalcanti Auditor Fiscal de Controle Externo GESTÃO E FISCALIZAÇÃO

Leia mais

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO 1/14 I-DOS CONCEITOS 1- Para os fins desta Instrução Normativa, considera-se: 1.1 - Fiscalização: a observação sistemática e periódica da execução do contrato; 1.2 - Contrato Administrativo: o ajuste que

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV. Gestão de Obras em Construção Civil. Aula 7 CUSTO. Custo das obras: Previsto e realizado

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV. Gestão de Obras em Construção Civil. Aula 7 CUSTO. Custo das obras: Previsto e realizado Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV CIV 431 CUSTO Aula 7 Custo das obras: Previsto e realizado CONCEITO CUSTO, certamente, é um importante aspecto na gerência dos projetos. Toda empresa

Leia mais

Cronograma Físico e de Preço

Cronograma Físico e de Preço Especificação da Construção Capítulo 7 Cronograma Físico e de Preço 7.1 Introdução Ao longo de todo o curso, inserimos uma mensagem alertando para a diferenciação entre os termos preço e custo, que dizia

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES DO PROGRAMA DE EFICIENCIA ENERGETICA

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES DO PROGRAMA DE EFICIENCIA ENERGETICA PERGUNTAS MAIS FREQUENTES DO PROGRAMA DE EFICIENCIA ENERGETICA O presente documento visa explanar os principais pontos da nova regulamentação e dirimir alguns questionamentos comuns aos agentes diretamente

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO I REFERENTE AO EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 004/2013 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Página 1 de 10 Serviços de Terraplanagem na Subestação de Interligação à Rede Básica Construção de novo Bay de Saída

Leia mais

BANCO DO BRASIL S.A.

BANCO DO BRASIL S.A. BANCO DO BRASIL S.A. MANUAL DE PREENCHIMENTO: - ORÇAMENTO - ORÇAMENTO - CRONOGRAMA FÍSICO-FINANCEIRO - PLANILHA DE LEVANTAMENTO DE SERVIÇOS (PLS) 2 ÍNDICE: I - INTRODUÇÃO:...4 II - FLUXO ENGENHARIA CENOP

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ - DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DO ACRE GTED GRUPO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ - DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DO ACRE GTED GRUPO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES PROJETO BÁSICO DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL CONSTRUÇÃO DE UMA OFICINA DE VIATURAS NA EPA/DPF/AC DESENVOLVIMENTO / COORDENAÇÃO: GTED/SR/DPF/AC Atualização out/2012 Objeto Construção de uma oficina para

Leia mais

DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTO

DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTO ANEXO II CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO E PAGAMENTO RESERVATÓRIO APOIADO 1000 m³ BAIRRO DOM BOSCO 1 I - INTRODUÇÃO O presente documento estabelece o procedimento para o pagamento

Leia mais

PROC-IBR-EDIF 010/2014 Análise das especificações, quantidades e preços das Fundações, Cortinas e Muros de Arrimo

PROC-IBR-EDIF 010/2014 Análise das especificações, quantidades e preços das Fundações, Cortinas e Muros de Arrimo INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC-IBR-EDIF 010/2014 Análise das especificações, quantidades e preços das Fundações, Cortinas

Leia mais

Finanças em. Profa. Liliam Sakamoto Aula 6

Finanças em. Profa. Liliam Sakamoto Aula 6 Finanças em Projetos de TI Profa. Liliam Sakamoto Aula 6 Gerenciamentode Custos PMBOK apresentaosseguintesconceitos: Gerenciamento de custos; Processos de Gerenciamento de custos: Estimar custos; Determinar

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MOBILIZAÇÃO, CONSTRUÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DO CANTEIRO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MOBILIZAÇÃO, CONSTRUÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DO CANTEIRO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MOBILIZAÇÃO, CONSTRUÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DO CANTEIRO 1. VIA DE ACESSO 1.1 - GENERALIDADES Será utilizada como acesso às obras, durante a fase de construção, as vias já existentes

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERENCIA 1. ESCOPO DO SERVIÇO TÉCNICO DE SUPERVISÃO DE OBRAS

ANEXO I TERMO DE REFERENCIA 1. ESCOPO DO SERVIÇO TÉCNICO DE SUPERVISÃO DE OBRAS ANEXO I TERMO DE REFERENCIA 1. ESCOPO DO SERVIÇO TÉCNICO DE SUPERVISÃO DE OBRAS Os Serviços Técnicos de Supervisão de Obras de Pavimentação e/ou Restauração são aqueles executados por empresa de consultoria

Leia mais

TRILHA DE CAPACITAÇÃO CONTRATOS E MEDIÇÕES

TRILHA DE CAPACITAÇÃO CONTRATOS E MEDIÇÕES Objetivo: introdução à gestão de contratos e medições, visão geral do SMO e suas principais funcionalidades. não há. TRILHA I (Básico) TRILHA II (Intermediário) TRILHA III (Avançado) Objetivo: adquirir

Leia mais

Marcelo Ribeiro de Godoi. Orçamento Fácil Construção Civil Predial

Marcelo Ribeiro de Godoi. Orçamento Fácil Construção Civil Predial Marcelo Ribeiro de Godoi Orçamento Fácil Construção Civil Predial Março/2009 Orçamento Fácil Construção Civil Predial 7 Capítulos 1ª edição - 1998 2ª edição - 2003 3ª edição - 2008 4ª edição - 2009 Copyright

Leia mais

Integração horizontal e integração vertical; estratégias de contratação de mão-de-obra

Integração horizontal e integração vertical; estratégias de contratação de mão-de-obra Gestão de Suprimentos e logística de distribuição Professor : (francisco.cardoso@poli.usp.br) Aula 3: Gestão de subempreiteiros. SCM em Salvador Tópicos da aula: Gestão de subempreiteiros: introdução ao

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CÍVIL - SINAPI

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CÍVIL - SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CÍVIL - SINAPI 1 UTILIZAÇÃO DA TABELA SINAPI: VISÃO DA ÁREA EMPRESARIAL O QUE VEM OCORRENDO NO MERCADO COM APLICAÇÃO DO SISTEMA SINAPI 2 ÍNDICE

Leia mais

CONTRATO DE MANUTENÇÃO (V3.0) N. «N» Pg.: 1/3

CONTRATO DE MANUTENÇÃO (V3.0) N. «N» Pg.: 1/3 CONTRATO DE MANUTENÇÃO (V3.0) N. «N» Pg.: 1/3 Por este instrumento de contrato, por estarem de acordo com todas as cláusulas e condições que seguem, de um lado, CONTRATADA: ENDEREÇO: Rua Luiz Góes, 1833/1835

Leia mais

Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber.

Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber. Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber. CRONOGRAMA FÍSICO Quando se inicia uma obra, o ideal é saber exatamente quanto tempo os trabalhos vão durar e, consequentemente, quando vão acabar. Por isso,

Leia mais

Av. Presidente Vargas, 1261 CEP: 20071-004 - Centro - Rio de Janeiro Tel: +55 (21) 2532-2661

Av. Presidente Vargas, 1261 CEP: 20071-004 - Centro - Rio de Janeiro Tel: +55 (21) 2532-2661 TERMO DE REFERÊNCIA OBJETIVANDO A CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA NO SERVIÇO DE MANUTENÇÃO DE TELHADOS VERDES/ECOTELHADO, JARDINS E CANTEIROS NA BIBLIOTECA PARQUE ESTADUAL RJ. JUSTIFICATIVA A Biblioteca

Leia mais

Plano Especial de Auditoria de Obras 2002 Relatório Sintético

Plano Especial de Auditoria de Obras 2002 Relatório Sintético Plano Especial de Auditoria de Obras 2002 Relatório Sintético Caracterização da obra Ano orçamento: 2002 UF: RS Nome do programa de trabalho: Construção do Edifício-Sede do TRF da 4ª Região em Porto Alegre

Leia mais

3. Como a aquisição deveria ocorrer em um projeto (ideal)

3. Como a aquisição deveria ocorrer em um projeto (ideal) 3. Como a aquisição deveria ocorrer em um projeto (ideal) Para que se possa propor a projetização da aquisição é necessário que se entenda o contexto do projeto, de sua organização, e de como integrar

Leia mais

Negociação Comercial

Negociação Comercial Negociação Comercial Aula 16-04/04/09 1 Negociação Comercial ETAPAS E MODELO DE UMA PROPOSTA COMERCIAL Parte 1/2 2 OBJETO...(preencher)........., conforme descritos na Proposta Técnica. 2 ETAPAS DO PROJETO

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO

MANUAL DE PREENCHIMENTO MANUAL DE PREENCHIMENTO - ORÇAMENTOS - CRONOGRAMAS - PLANILHA DE LEVANTAMENTO DE SERVIÇOS - PLS - RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO EMPREENDIMENTO - RAE CRÉDITO IMOBILIÁRIO - FINANCIAMENTO À PRODUÇÃO PESSOA

Leia mais

RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES CONTROLE INTERNO

RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES CONTROLE INTERNO 01/06 1 DOS OBJETIVOS 1.1 Definir normas para elaboração dos contratos de aquisição de materiais, prestação de serviços gerais e prestação de serviços e obras de engenharia. 1.2 Normatizar os procedimentos

Leia mais

Coordenadoria de. Manutenção. Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção

Coordenadoria de. Manutenção. Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção Coordenadoria de Manutenção Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção Sumário 1. INTRODUÇÃO 3 2. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E FUNCIONAL 3 3. ORGANOGRAMA: 3 4. ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS

Leia mais

Projeto para. Pavimentação de Calçamento. de Pedra Irregular. da Rua Cândida Correa Becker. dos Trechos Esquina Modesto Vargas. até Manoel Schumacker

Projeto para. Pavimentação de Calçamento. de Pedra Irregular. da Rua Cândida Correa Becker. dos Trechos Esquina Modesto Vargas. até Manoel Schumacker Projeto para Pavimentação de Calçamento de Pedra Irregular da Rua Cândida Correa Becker dos Trechos Esquina Modesto Vargas até Manoel Schumacker MONTE CARLO SC Janeiro de 2014 Proprietário: PREFEITURA

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S. A. CERON DIRETORIA DE GESTÃO ADMINISTRATIVA DA GERÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO GERAL AGG MEMORIAL DESCRITIVO

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S. A. CERON DIRETORIA DE GESTÃO ADMINISTRATIVA DA GERÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO GERAL AGG MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO PROPRIETÁRIO: CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S. A. CERON OBRA: ENDEREÇO: REFORMA E ADEQUAÇÃO DE SALAS NO PRÉDIO DA UNIDADE DE NEGÓCIOS NORTE UNN, VISANDO A INSTALAÇÃO DO POSTO DE ENSAIO

Leia mais

ANEXO CAPÍTULO III MANUAL CONTÁBIL DAS OPERAÇÕES DO MERCADO DE SAÚDE

ANEXO CAPÍTULO III MANUAL CONTÁBIL DAS OPERAÇÕES DO MERCADO DE SAÚDE A Norma Contábil é necessária para padronizar o registro das operações do mercado de saúde. O principal objetivo da padronização é monitorar a solvência desse mercado. Solvência é a capacidade de uma operadora

Leia mais

ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL 1. A PROPOSTA COMERCIAL será constituída de uma Carta Proposta, que trará o valor da CONTRAPRESTAÇÃO PECUNIÁRIA ofertada, através

Leia mais

Manual Técnico PROPOSTA COMERCIAL CONSULTORIA TÉCNICA

Manual Técnico PROPOSTA COMERCIAL CONSULTORIA TÉCNICA Manual Técnico PROPOSTA COMERCIAL CONSULTORIA TÉCNICA À xxxx Aos cuidados Sr. xxxxxx São Paulo, 23 de Março de 2011 2 1 INTRODUÇÃO O CESVI BRASIL através da prestação de serviços de consultoria tem como

Leia mais

Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos

Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos 1º Fórum Brasileiro de Custos de Obras Públicas Metodologia de Cálculo Orientação Técnica para Cálculo do Preço de Referência em Licitações de Obras Públicas

Leia mais

CURSO 100% ATUALIZADO CONFORME AS RECENTES LEGISLAÇÕES

CURSO 100% ATUALIZADO CONFORME AS RECENTES LEGISLAÇÕES OUTUBRO DE 2015 Curso Completo de Licitações e Contratos para Obras e Serviços de Engenharia Dias 19, 20, 21 e 22 de OUTUBRO de 2015 Carga Horária: 24 horas/aula a maior carga horária do mercado! CURSO

Leia mais

MEDIÇÃO DE INDICADORES PARA O SERVIÇO DE ALVENARIA

MEDIÇÃO DE INDICADORES PARA O SERVIÇO DE ALVENARIA MEDIÇÃO DE INDICADORES PARA O SERVIÇO DE ALVENARIA Sandra Maria Carneiro Leão Mestranda - Universidade Federal da Paraiba - Departamento de Engª de Produção Caixa Postal 5045 - CEP 58051-970 - João Pessoa

Leia mais

COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO FLEXÍVEL (GPK GrenzPlanKostenrechnung)

COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO FLEXÍVEL (GPK GrenzPlanKostenrechnung) COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO FLEXÍVEL (GPK GrenzPlanKostenrechnung) ORÇAMENTO FLEXÍVEL! O que é orçamento flexível?! Qual a principal diferença entre o orçamento flexível e o orçamento empresarial?! Quais

Leia mais

São Paulo, 13 de outubro de 2008 Carta COP/CBIC nº 020/2008

São Paulo, 13 de outubro de 2008 Carta COP/CBIC nº 020/2008 São Paulo, 13 de outubro de 2008 Carta COP/CBIC nº 020/2008 Ilustríssimo Senhor Dr. IVAN DOMINGUES M.D. Superintendente Nacional de Repasses da CEF Caixa Econômica Federal Brasília DF Prezado senhor, De

Leia mais

ANEXO VII ORÇAMENTO, FORMA DE APRESENTAÇÃO DOS SERVIÇOS E CRONOGRAMA DE ENTREGA

ANEXO VII ORÇAMENTO, FORMA DE APRESENTAÇÃO DOS SERVIÇOS E CRONOGRAMA DE ENTREGA ANEXO VII ORÇAMENTO, FORMA DE APRESENTAÇÃO DOS SERVIÇOS E CRONOGRAMA DE ENTREGA CONTROLE DE ESTUDOS, MANUAIS, RELATÓRIOS E PLANOS A SEREM ENTREGUES PELA GERENCIADORA PRODUTOS E RELATÓRIOS MACROATIVIDADE

Leia mais

Budget estimating of construction: Parametric technique for studies of viability of residential enterprises.

Budget estimating of construction: Parametric technique for studies of viability of residential enterprises. 1 VII Seminário Internacional da LARES 25 26 de outubro de 2007, São Paulo, Brasil Budget estimating of construction: Parametric technique for studies of viability of residential enterprises. Estimativa

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A GERÊNCIA DE EXPANSÃO DE SISTEMAS TGE PROJETO BÁSICO Nº 014/07

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A GERÊNCIA DE EXPANSÃO DE SISTEMAS TGE PROJETO BÁSICO Nº 014/07 PROJETO BÁSICO TGE/014/2007 1- OBJETIVO Especificar os serviços quanto à CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA CONSTRUÇÃO DE BAY 69 kv E INSTALAÇÃO DE 01 BANCO DE CAPACITORES DE 7,6 MVAr NA SE VILHENA I, com fornecimento

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O Conselho Federal de Contabilidade e o Comitê de Pronunciamentos Contábeis são responsáveis pela elaboração das normas contábeis comumente aceitas. Sobre essas normas, julgue

Leia mais

Sumario. 1. Contrato 1.1 Assinatura 1.2 Recebimento 1.3 Cessão de Direitos Transferência 1.4 Distrato Reincidir

Sumario. 1. Contrato 1.1 Assinatura 1.2 Recebimento 1.3 Cessão de Direitos Transferência 1.4 Distrato Reincidir CARTILHA DO CLIENTE 1. Contrato 1.1 Assinatura 1.2 Recebimento 1.3 Cessão de Direitos Transferência 1.4 Distrato Reincidir Sumario 2. Planta e Acabamento 2.1 Opções de planta 2.2 Opções de Kit de Acabamento

Leia mais

Procedimento Operacional

Procedimento Operacional 1/ 13 Contratos Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão Integral do PO Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável Rubrica Diretoria de Engenharia

Leia mais

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT - IBR 001/2006 PROJETO BÁSICO Primeira edição: válida a partir de 07/11/2006 Palavras Chave: Projeto Básico,

Leia mais

NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI

NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI Dispõe sobre as atribuições dos agentes de compras

Leia mais

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Gerenciamento de Obras Prof. Dr. Ivan Xavier Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Fases do Gerenciamento: 3. Operação e controle da obra. 3. Operação e controle da obra: Reunião de partida da obra;

Leia mais

PRÁTICA 1)TITULO. Seguindo este raciocínio o Acórdão 1978/2013-TCU- Plenário estabelece que os "Editais devem especificar, de

PRÁTICA 1)TITULO. Seguindo este raciocínio o Acórdão 1978/2013-TCU- Plenário estabelece que os Editais devem especificar, de 1)TITULO PRÁTICA IMPLEMENTAÇÃO DE PROCESSO PARA CONTROLE DE CRONOGRAMA E ETAPA/FASE DE OBRAS DE SANEAMENTO EXPERIÊNCIA DA FUNDAÇÃO NACINAL DE SAÚDE (FUNASA) - SUPERINTENDENCIA REGIONAL DE MATO GROSSO 2)DESCRIÇÃO

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Obra: Reforma da Câmara Municipal de Conchas 2ª Fase

MEMORIAL DESCRITIVO. Obra: Reforma da Câmara Municipal de Conchas 2ª Fase MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Reforma da Câmara Municipal de Conchas 2ª Fase Este Memorial Descritivo tem por finalidade especificar os materiais e serviços a serem executados na REFORMA DA CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

Aspectos controversos em licitações, com ênfase em elaboração e avaliação de formação de custos

Aspectos controversos em licitações, com ênfase em elaboração e avaliação de formação de custos Aspectos controversos em licitações, com ênfase em elaboração e avaliação de formação de custos Brasília Thiago Bergmann 1 Formação de preços Lei 8.666/93 Art. 40 2 o Constituem anexos do edital, dele

Leia mais

Volume V. Suprimento de Fundos MACONFI. Manual de Procedimentos da Coordenadoria de Contabilidade e Finanças. 1ª Edição Janeiro / 2013

Volume V. Suprimento de Fundos MACONFI. Manual de Procedimentos da Coordenadoria de Contabilidade e Finanças. 1ª Edição Janeiro / 2013 Volume V Suprimento de Fundos MACONFI Manual de Procedimentos da Coordenadoria de Contabilidade e Finanças 1ª Edição Janeiro / 2013 Sumário 1. Conteúdo... 3 2. Conceitos... 3 3. Restrições à concessão

Leia mais

INICIAÇÃO DE PROJETO

INICIAÇÃO DE PROJETO INICIAÇÃO DE PROJETO SUMÁRIO 1) Encaminhamento de projeto à Fiotec... 1.1) Instruções para Encaminhamento do Projeto Básico... 3 3 2) Orientações para elaboração do Projeto Básico... 3 3) Estruturação

Leia mais

ANEXO AO COMUNICADO Nº 45 GT PETROBRAS-ABEMI-ABCE. ANEXO... - REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAÇÃO PROVISÓRIA DE CANTEIRO DE OBRAS Rev.

ANEXO AO COMUNICADO Nº 45 GT PETROBRAS-ABEMI-ABCE. ANEXO... - REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAÇÃO PROVISÓRIA DE CANTEIRO DE OBRAS Rev. ANEXO AO COMUNICADO Nº 45 GT PETR-ABEMI-ABCE ANEXO... - REQUISITOS BÁSICOS PARA Rev. 0 SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 2 PREMISSAS GERAIS 2 3 CÓDIGOS, NORMAS E MANUAIS APLICÁVEIS 3 4 REQUISITOS PARA ARQUITETURA,

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA SOLICITAÇÃO DE MODIFICAÇÕES EM APARTAMENTOS

PROCEDIMENTOS PARA SOLICITAÇÃO DE MODIFICAÇÕES EM APARTAMENTOS PROCEDIMENTOS PARA SOLICITAÇÃO DE MODIFICAÇÕES EM APARTAMENTOS Para solicitar modificações nos apartamentos, o cliente deverá vir até a empresa em horário comercial no setor de Projetos com sua carta de

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0405 05 IDENTIFICAÇÃO: Título: ORÇAMENTO EMPRESARIAL Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO O QUE É : É um instrumento de planejamento

Leia mais

PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE

PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE 1 PMI- Project Management Institute Fundado nos Estudos Unidos em 1969; Instituto sem fins lucrativos, dedicado ao

Leia mais

Exemplos: Análise de Valor Agregado (Ex_vagregado.SPRJ)

Exemplos: Análise de Valor Agregado (Ex_vagregado.SPRJ) Exemplos: Análise de Valor Agregado (Ex_vagregado.SPRJ) Este exemplo tem como base atividades descritas em um email distribuído na lista da E-Plan (planejamento@yahoogrupos.com.br) com o título Curva Física

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 1) Modalidade de Licitação: Concorrência ou Pregão (eletrônico ou presencial), do tipo menor preço.

TERMO DE REFERÊNCIA. 1) Modalidade de Licitação: Concorrência ou Pregão (eletrônico ou presencial), do tipo menor preço. TERMO DE REFERÊNCIA 1) Modalidade de Licitação: Concorrência ou Pregão (eletrônico ou presencial), do tipo menor preço. 2) Objeto: Procedimento licitatório destinado a elaboração de registro de preço para

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano Secretaria de Política Urbana

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano Secretaria de Política Urbana PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano Secretaria de Política Urbana Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat - PBQP-H,WHQVH5HTXLVLWRVGR 6LVWHPDGH4XDOLILFDomRGH(PSUHVDVGH

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR - SESu DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO DAS INST. FEDERAIS DE ENSINO SUPERIOR -DIFES COORDENAÇÃO GERAL DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - CGPO - SIMEC - SISTEMA

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS REFE- RENTES A SERVIÇOS DE SUBSTITUIÇÃO DE TRILHOS NO CAMI- NHO DE ROLAMENTO E DO CARRINHO PRINCIPAL DO

CADERNO DE ENCARGOS E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS REFE- RENTES A SERVIÇOS DE SUBSTITUIÇÃO DE TRILHOS NO CAMI- NHO DE ROLAMENTO E DO CARRINHO PRINCIPAL DO CADERNO DE ENCARGOS E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS REFE- RENTES A SERVIÇOS DE SUBSTITUIÇÃO DE TRILHOS NO CAMI- NHO DE ROLAMENTO E DO CARRINHO PRINCIPAL DO DESCARRE- GADOR DE NAVIOS DO TGS I NO PORTO ORGANIZADO

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA - UNIP PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO NÍVEL MESTRADO

UNIVERSIDADE PAULISTA - UNIP PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO NÍVEL MESTRADO UNIVERSIDADE PAULISTA - UNIP PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO NÍVEL MESTRADO Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da Universidade Paulista -

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos 2014

Relatório de Gestão de Riscos 2014 Relatório de Gestão de Riscos 2014 2/16 Sumário 1. Introdução... 3 2. Perfil da Instituição... 3 3. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 4 3.1 Gestão de Risco de Mercado... 5 3.1.1 Instrumentos de monitoramento

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 1. INTRODUÇÃO

TERMO DE REFERÊNCIA 1. INTRODUÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA PARA REPAROS E OBRAS EMERGENCIAIS DE IMOVEIS SITUADOS NA ÁREA DE ESPECIAL INTERESSE URBANISTICO DA REGIÃO DO PORTO MARAVILHA. 1. INTRODUÇÃO A Operação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Diogo Campos Borges de Medeiros MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES

TERMO DE REFERÊNCIA. Diogo Campos Borges de Medeiros MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES DIRETORIA EXECUTIVA COORDENAÇÃO GERAL DE CDASTRO E LICITAÇÕES TERMO DE REFERÊNCIA Diogo Campos Borges de Medeiros I SEMINÁRIO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS DO DNIT OBJETIVOS Verificar o conceito, as aplicações

Leia mais

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação;

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação; 2. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Área da Administração responsável pela coordenação dos esforços gerenciais relativos às seguintes decisões: Administração e controle de estoques; Gestão de compras; Seleção

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01. Entidades de Incorporação Imobiliária

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01. Entidades de Incorporação Imobiliária COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01 Entidades de Incorporação Imobiliária Descrição Item Objetivo e alcance 1 Formação do custo do imóvel, objeto da incorporação imobiliária 2-9 Despesas

Leia mais

PROC IBR EDIF 01.02.004/2014

PROC IBR EDIF 01.02.004/2014 INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC IBR EDIF 01.02.004/2014 01 - Fase Licitatória 01.02 - Análise das especificações, quantidades

Leia mais

Planilhas orçamentárias: visão prática

Planilhas orçamentárias: visão prática Capítulo 13 Planilhas orçamentárias: visão prática Sumário: 13.1 Considerações iniciais 13.2 Elaboração da planilha base do orçamento 13.3 Relação dos insumos que serão utilizados e a pesquisa de preços

Leia mais

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PAULO SÉRGIO LORENA Julho/2011 1 Planejamento escopo, tempo e custo PROGRAMA DA DISCIPLINA Apresentação professor Programa da disciplina Avaliação Introdução Processos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO PARA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA MANUTENÇÃO TERCEIRIZADA ESTUDO DE CASO

DESENVOLVIMENTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO PARA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA MANUTENÇÃO TERCEIRIZADA ESTUDO DE CASO ESCOLA FEDERAL DE ENGENHARIA DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA MECÂNICA DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO DESENVOLVIMENTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO PARA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA MANUTENÇÃO TERCEIRIZADA ESTUDO

Leia mais

REVISÃO PSQ GERENCIAMENTO

REVISÃO PSQ GERENCIAMENTO 1 REVISÃO PSQ GERENCIAMENTO 2 1. CARACTERIZAÇÃO DO SETOR 1.1. Definição do Gerenciamento A definição do gerenciamento pode ser dada sob diversos enfoques, dentre os quais destacamos o texto escrito por

Leia mais

Empreendimento: Condomínio Residencial Vila Branca. Localização: Rua Jaú, nº. 125, bairro Parque Universitário, Americana, Estado de São Paulo.

Empreendimento: Condomínio Residencial Vila Branca. Localização: Rua Jaú, nº. 125, bairro Parque Universitário, Americana, Estado de São Paulo. CONDOMÍNIO RESIDENCIAL VILA BRANCA QUADRO RESUMO CONTRATO DE COMPROMISSO DE COMPRA E VENDA PARA ENTREGA FUTURA DE APARTAMENTO, VAGA DE GARAGEM E CESSÃO DE FRAÇÃO IDEAL DE TERRENO. Empreendimento: Condomínio

Leia mais

Simone Weber Ivana Guimarães Elizane Souza

Simone Weber Ivana Guimarães Elizane Souza Simone Weber Ivana Guimarães Elizane Souza -Dimensões - Localização (Zoneamento PMC) - Topografia e árvores - Insolação (Norte) - Construções vizinhas - Guia Amarela HEMISFÉRIO SUL FACHADA NORTE No

Leia mais

Ass.: Programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação PROSOFT Comercialização

Ass.: Programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação PROSOFT Comercialização CARTA-CIRCULAR Nº 37/2007 Rio de Janeiro, 30 de agosto de 2007 Ref.: BNDES AUTOMÁTICO Ass.: Programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação PROSOFT

Leia mais

PROJETO BÁSICO GRAMADOTUR

PROJETO BÁSICO GRAMADOTUR PROJETO BÁSICO GRAMADOTUR 1 Projeto Básico da contratação de serviços: 1.1 O presente Projeto Básico tem como objetivo a contratação de empresa para locação de impressoras, incluindo o fornecimento de

Leia mais

4.2 MODELOS MATEMÁTICOS PARA A ANÁLISE DE INVESTIMENTOS

4.2 MODELOS MATEMÁTICOS PARA A ANÁLISE DE INVESTIMENTOS 4 PLANILHA ELETRÔNICA 4.1 CONTEXTO O Capítulo 3 tratou do método de pesquisa utilizado, as etapas e as estratégias adotadas neste trabalho. Neste capítulo, discorre-se sobre a planilha eletrônica desenvolvida

Leia mais

Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária AEROPORTO INTERNACIONAL DE RECIFE/GUARARAPES-GILBERTO FREYRE TERMO DE REFERÊNCIA

Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária AEROPORTO INTERNACIONAL DE RECIFE/GUARARAPES-GILBERTO FREYRE TERMO DE REFERÊNCIA AEROPORTO INTERNACIONAL DE RECIFE/GUARARAPES-GILBERTO FREYRE TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE LOCAÇÃO DE PLATAFORMAS ELEVATÓRIAS ARTICULADAS PARA USO NO AEROPORTO

Leia mais

JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Espírito Santo ANEXO 1

JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Espírito Santo ANEXO 1 PROJETO BÁSICO ORÇAMENTO PARA CONCLUSÃO DAS OBRAS DE CONSTRUÇÃO DA SEDE DEFINITIVA 1. OBJETO: Elaboração de planilha orçamentária estimativa e cronograma físico-financeiro para a conclusão das obras do

Leia mais

Qual a participação da Engenharia na Incorporação imobiliária da Cyrela?

Qual a participação da Engenharia na Incorporação imobiliária da Cyrela? Qual a participação da Engenharia na Incorporação imobiliária da Cyrela? Atuação da Engenharia Cyrela AQUISIÇÃO DO TERRENO INÍCIO DESENVOLVIMENTO DO PRODUTO LANÇAMENTO DO EMPREENDIMENTO INÍCIO DA OBRA

Leia mais

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 10 PROCEDIMENTOS E ROTINAS PARA MONITORAMENTO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 10 PROCEDIMENTOS E ROTINAS PARA MONITORAMENTO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO VALEC NAVA 10 1 de 13 NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 10 PROCEDIMENTOS E ROTINAS PARA MONITORAMENTO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO VALEC NAVA 10 2 de 13 NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 10 PROCEDIMENTOS E ROTINAS PARA MONITORAMENTO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. ELETROBRÁS DIRETORIA DE DISTRIBUIÇÃO

TERMO DE REFERÊNCIA MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. ELETROBRÁS DIRETORIA DE DISTRIBUIÇÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. ELETROBRÁS DIRETORIA DE DISTRIBUIÇÃO EMPRESAS DE DISTRIBUIÇÃO DA ELETROBRÁS OBJETO: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA EM PRESTAÇÃO DE

Leia mais

Orientações para Elaboração de Planilhas Orçamentárias de Obras Públicas. 22 e 23 de outubro de 2015 Florianópolis/SC

Orientações para Elaboração de Planilhas Orçamentárias de Obras Públicas. 22 e 23 de outubro de 2015 Florianópolis/SC Orientações para Elaboração de Planilhas Orçamentárias de Obras Públicas 22 e 23 de outubro de 2015 Florianópolis/SC APRESENTAÇÃO O Tribunal de Contas da União lançou, recentemente, um guia denominado

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI PREFEITURA DE CAMPUS - SETOR DE OBRAS COMPOSIÇÃO DO BDI PARA OBRA DE CONSTRUÇÃO DO PRÉDIO DO CAMAT - 1ª etapa

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI PREFEITURA DE CAMPUS - SETOR DE OBRAS COMPOSIÇÃO DO BDI PARA OBRA DE CONSTRUÇÃO DO PRÉDIO DO CAMAT - 1ª etapa UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI PREFEITURA DE CAMPUS - SETOR DE OBRAS COMPOSIÇÃO DO BDI PARA OBRA DE CONSTRUÇÃO DO PRÉDIO DO CAMAT - 1ª etapa (BÔNUS E DESPESAS INDIRETAS) Itens de valor percentual

Leia mais

Número: TERMO DE REFERÊNCIA PRL 001/2012. Data: PRL Gerência do Programa Luz para Todos 26/01/2012 1.0 - OBJETO/FINALIDADE:

Número: TERMO DE REFERÊNCIA PRL 001/2012. Data: PRL Gerência do Programa Luz para Todos 26/01/2012 1.0 - OBJETO/FINALIDADE: 1.0 - OBJETO/FINALIDADE: Aquisição de 7.812 Unidades de Medição Eletrônica de Energia Elétrica, 1 elemento, 1 fase, 3 fios, 240V e 15(100)A para implantação em padrões de entrada de unidades consumidoras

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 Versão: 01 Data de aprovação: 7 de outubro de 2014. Ato de aprovação: Resolução n.º 112 /2014 Unidade

Leia mais

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO É a etapa do processo do planejamento estratégico em que se estima (projeta) e determina a melhor relação entre resultados e despesas para atender às necessidades

Leia mais

PROJETO BÁSICO CABEAMENTO ESTRUTURADO DA SEDE DEFINITIVA

PROJETO BÁSICO CABEAMENTO ESTRUTURADO DA SEDE DEFINITIVA PROJETO BÁSICO CABEAMENTO ESTRUTURADO DA SEDE DEFINITIVA 1 OBJETO: Fornecimento e instalação de materiais e equipamentos que compõem a rede de cabeamento estruturado da futura sede da Seção Judiciária

Leia mais