O controle performance ou desempenho. entendido este como a expressão da comparação entre o trabalho realizado frente ao programado.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O controle - 12. performance ou desempenho. entendido este como a expressão da comparação entre o trabalho realizado frente ao programado."

Transcrição

1 O controle - 12 performance ou desempenho. entendido este como a expressão da comparação entre o trabalho realizado frente ao programado. O índice de performance ou desempenho, exprime o quanto foi concluído do serviço orçado ao o comparar com o que foi realizado considerando, simultaneamente, as variáveis relativas a quantidades, prazos e custos Definições. O controle é a atividade gerencial cujo objeto é acompanhar a evolução do trabalho realizado em termos físicos e financeiros; registrar e comparar o trabalho e o custo realizados com o que foi programado ou pactuado; e, avaliar e relatar a evolução do processo de execução do projeto. Por propiciar a elaboração de dados necessários à consolidação de experiência adquirida, devido ao registro dos fatos ocorridos na fase de execução e a respectiva avaliação, o processo de controle permite amparar a decisões quanto à ação corretiva caso constatado desvios no cumprimento das metas de quantidade, custo ou prazo. Através do controle é possível realizar a análise de conformidade. Nesta análise são verificados: desvios havidos nos quantitativos de cada atividade realizada; diferenças nos custos praticados; aumento nos tempos das atividades; e inconsistência nos recursos empregados. O objetivo da análise de conformidade é demonstrar, e quantificar, quais atividades sofreram desvios, tornando possível uma deflagração, tempestiva e adequada, de ação corretiva necessária à solução dos desvios constatados. Ela evidencia a real necessidade de replanejamento quando constatado haver inconformidade na execução de qualquer atividade. Além disto, permite adquirir e registrar a experiência obtida. Ver Fig.12.1 O ciclo de planejamento e controle. A evolução do processo executivo pode ser avaliado, a cada período, utilizando um único índice denominado índice de PlnjArq~aula12~Ctrole 163

2 Esse registro é efetuado com a instituição de uma série de atividades em campo denominadas MAC apropriação, medição e controle de custos - sendo objeto das duas primeiras o registro do que foi produzido e dos recursos mobilizados. Os dados coletados no processo de medição e apropriação permitem elaborar boletins de controle de produção que amparam a realização da análise de conformidade. Sob a ótica acima, pode-se constatar ser o planejamento um forte instrumento do processo de controle, pois ele relaciona atividades e recursos possíveis de serem controlados. Entendem os autores que, em havendo desinteresse na instituição de um processo de controle ou na displicência em seu cumprimento, qualquer processo de planejamento será inócuo. Ele ficará desmoralizado ad nutum, já que seu objetivo maior é possibilitar o acompanhamento do desempenho havido no processo de execução e a verificação do cumprimento das metas contratuais. Pelo exposto, será mais apropriado falar em processo de controle e planejamento do que o tradicionalmente utilizado planejamento e controle. Sob essa ótica, o planejamento, além de ser uma atividade inerente ao ciclo de controle, é a atividade que o legitima Atividades do Controle - MAC. Já comentado, integram o processo de controle três atividades básicas: Medição; Apropriação; Controle de Custos. a) Medição - ato ou efeito de medir e tem como objetivo registrar o quantitativo dos serviços realizados. Como exemplo tem-se: volume de concreto lançado; volume de aterro, escavação e as distâncias de transporte; metros de meio fio e tubos de drenagem colocados; número de metros quadrados de azulejo assentados; área de grama plantada, etc. b) Apropriação corresponde às atividades referentes à coleta de informações quanto a: número de homens ou equipamentos empregados na realização de cada atividade; homens-hora ou horas de equipamento dispendidos na realização de cada trabalho ou serviço; insumos disponibilizados em canteiro; custo de empregados; insumos e equipamentos utilizados nas composições de custos; e etc. c) Custos a análise de custos visa efetuar a comparação entre os custos incorridos com os planejados. E, além disso, amparar a tomada de decisão quanto à orientação de eventuais ações corretivas Elementos do Controle. Definindo, segundo a origem, os principais elementos de controle de custos: a) Do planejamento: as informações definidas na fase de planejamento, especialmente: o custo estimado da obra ou PlnjArq~aula12~Ctrole 164

3 serviço; o orçamento e o cronograma programados; o tempo planejado; custos indiretos ou externos. b) Do processo de apropriação: corresponde à coleta de informações e o processamento de dados relativos aos custos, quantitativos e recursos dispendidos na execução dos serviços e realizados durante o processo de construção. Recursos estes que podem ser: pessoal; equipamentos ou tecnológicos; financeiros. c) Análise de conformidade: consiste na comparação do que foi realizado com os quantitativos padrões pré-estabelecidos. Isto é, com as quantidades, tempos e custos orçados na fase do planejamento. Ver Fig d) Análise por exceção: corresponde a análise de conformidade baseada na em parâmetros ou índices que estabelecem limites a partir dos quais a análise de conformidade passa a envolver a responsabilidade da autoridade superior. e) Ação Corretiva: consiste no estabelecimento de novos procedimentos necessários a corrigir as distorções ou desvios no processo de construção. Visa, principalmente, definir ações quanto ao aumento de produtividade, alterações de projeto e/ou a adoção de tecnologias adequadas ao cumprimento de prazos contratuais. Via de regra, a necessidade de ação corretiva implica em acréscimo de recursos, com expressão direta na margem de lucro estabelecida Medição. Como já definido, a medição é um processo que visa comprovar os quantitativos realizados. As medições são documentos administrativos que amparam a emissão dos documentos de cobrança quais sejam: as notas fiscais, faturas e duplicatas de serviços, documentos que amparam legalmente o processo de cobrança. Após o advento no Novo Código Civil de 2002, os contratos passaram a se classificados como de empreitada e de prestação de serviços. A empreitada corresponde a toda atividade em que resulte a materialização do objeto contratado, havendo ou não fornecimento do material pelo empreiteiro. Após a medição, os dados coletados devem ser consubstanciados em um único documento probante dos trabalhos realizados os boletins de medição. Estes documentos servem como reconhecimento de dívida e amparam a emissão de notas fiscais e faturas de serviços prestados. Modelos de boletins de medição são apresentados nas Fig s e A prestação de serviços corresponde às atividades de cunho intelectual quais sejam: projetos, especificações, laudos, relatórios, fiscalização, auditoria, etc. Modelo de boletim de remessa ou entrega de documentos é apresentado na Fig É interessante notar, e já existe jurisprudência pacificadora que, para o reconhecimento e a cobrança executiva de duplicatas de serviços há que se dispor de documento que autorizou a sua realização e o de aceite/recebimento dos mesmos. PlnjArq~aula12~Ctrole 165

4 12.5 Apropriação. A apropriação corresponde ao registro sistemático dos recursos mobilizados para a execução de projetos, mais precisamente, de pessoas e de equipamentos. O processo de apropriação visa: Registrar o número de profissionais e os tempos dedicados à execução das atividades; Registrar dos equipamentos mobilizados por tipo e quantidade; Registrar os tempos despendidos na realização das atividades; Registrar os materiais empregados na execução dos serviços e atividades; Amparar o controle e a justificativa de incrementos de custos; Registrar horas trabalhadas com o fim de pagamento ou rateio de custos; Calcular a real produtividade obtida por atividade ou serviço. Como já visto, a produtividade associada a cada atividade k é definida pela razão entre o tempo apropriado para realizar esta atividade e a quantidade medida produzida neste tempo: π ( k) = t(k) Qs(k) Os modelos das figuras 12.2, 12.3 e 12.4 fichas de controle de pessoal e equipamentos, registros que contribuem para o controle e avaliação dos motivo dos desvios ocorridos no processo de produção. atua em diversos projetos. Este documento permite o registro e o acompanhamento do montante de homens/hora e dos custos incorridos em cada projeto. Apropriação de Mão de Obra Serviços Técnicos/ Escritório. Nome do Profissional: Luis C. de Souza MÊS: Dia Projeto 1º Turno 2º Turno Início Fim Início Fim Total 1 Usina Palmas 8:00 12:00 13:30 18:45 9:15 2 Edifício Torre D Or 8:00 11:40 13:30 18:00 8,10 3 Shopping 3 9,00 12:00 14:00 18:00 7:00 4 Viagem SP :00 5 Viagem SP :00 6 Usina Palmas :30 18:00 4:30 30 Total das Horas Trabalhadas no Mês horas Justificativas: dias 4/5 viagem referente licitação Ferrovia SP/SC Rubrica do Profissional: Fig Modelo de Cartão de Apropriação de Horas por Serviço Os modelos das Fig s e 12.4 mostram a apropriação das horas trabalhadas por profissionais e equipamentos alocados em projeto ou contrato específico. Estes documentos possibilitam o registro e o acompanhamento do montante das horas de pessoal e equipamentos dispendidos em um projeto específico. Além disso, no caso de equipamentos, é possível apropriar o número de horas produtivas e improdutivas diárias ou mensais, bem como os motivos que justificaram a improdutividade. O modelo da Fig.12.2 mostra exemplo de ficha de apropriação das horas trabalhadas realizadas por profissional que PlnjArq~aula12~Ctrole 166

5 Apropriação de Mão de Obra - Construção Obra: Usina Hidrelétrica das Palmas Secas Local: Campo Bom Frente de Serviço: Casa de Força Mês/ano Dia: Nome Chapa 1º Turno 2º Turno Entrada Saída Entrada Saída Pedro Kalenberg :00 12:00 14:00 18:00 Orlando Pontes :45 12:20 13:40 19:30 Paulo Silva :10 12:00 14:00 18:00 Frederico Bieging :00 12: Fiscal Rubrica Fig Modelo de Cartão de Apropriação de Horas por Turno 12.6 Controle de Custos Objetivo. O controle de custos visa verificar se ocorreu desvio no custo total de cada atividade realizada comparativamente ao custo que foi orçado. Verificado o desvio, é possível verificar se o mesmo ocorreu em decorrência de: i) variação nos custos unitários de produção; ii) variação nas quantidades realizadas; iii) aumento devido a ambos os casos anteriores Análise de Conformidade. Contrato nº xxx Empresa: Trecho: Rodovia SC-999 MÊS: Dia: Equipamento 1º Turno 2º Turno Total Início Fim Início Fim Horas 1 Caminhão nº1-10t 8:00 12:00 13:30 17:45 8:15 2 Caminhão nº2-10t 8:00 11: ,40 3 Pá mecânica nº1 9,00 12:00 14:00 17:00 6: Trator Esteira D :30 17:45 4:15 Apropriador: M. L. da Silva Rubrica: Fig Modelo de Horas Produtivas de Equipamentos Disponíveis os custos realizados, três situações básicas podem ocorrer: a) Custos totais realizados iguais aos orçados; b) Custos totais realizados inferiores aos orçados; c) Custos totais realizados superiores aos orçados. A primeira situação indica que os custos incorridos ocorreram segundo o previsto, com decorrência na obtenção do lucro estabelecido. Este objetivo a ser alcançado. Na segunda situação, quando se obtém um resultado inferior ao orçado, sem duvida ocorre lucro. Mas, visando manter a competitividade e o controle sobre o processo orçamentário, há que se apurar a causa do desvio, pois os valores orçados podem ter sido superavaliados, especialmente quanto aos preços unitários orçados. PlnjArq~aula12~Ctrole 167

6 Quanto à terceira situação, sendo os custos e tempos realizados superiores ao orçado, há que se verificar se as informações realizadas na coleta de dados foram fidedignas ou se o processo de execução extrapolou o planejado. Nesta situação, especialmente no caso de empreitadas, há risco de prejuízo ou a penalização por multas contratuais. Disponíveis as informações oriundas do controle de custos e da produção, pode-se realizar a análise de conformidade, visando analisar as causas dos desvios. Na Fig Modelo de Boletim Para Análise de Conformidade, o objetivo maior é comparar os valores resultantes dos acumulados de produção e de custos realizados com aqueles que foram orçados e medir o desvio incorrido. Seja em termos de quantidade, Q%, ou em termos de custos, $%. A(k) = Realizado Orçado Recomenda-se efetuar a análise de conformidade para as atividades ou itens relacionados em orçamento, já que esses itens integrarão os boletins de medição e as decorrentes notas fiscais. No exemplo exposto na Fig12.13 foi analisado um serviço de terraplenagem, escavação e transporte de solo de 3ª categoria. Observando o 1º mês de produção, verifica-se que a quantidade produzida ultrapassou em 10,00% àquela prevista. E, os custos incorridos na realização desta produção superaram em 13,75 % ao orçado. Recomenda-se efetuar o controle de custos comparando o que foi previsto com o realizado instituindo para cada empreitada ou serviço os Boletins de Controle de Custos. O formato dos boletins de controle de custos deve atender aos interesses da administração. Alguns modelos de boletins de acompanhamento de custos são mostrados nas Figuras 12.5; 12.6; e Os modelos das figuras 12.5 e 12.6 são clássicos modelos de controle de custos. O da Fig.12.6, porém, indica o desvio percentual havido quanto ao volume de produção realizado, Q%, ou de custos, $%, expressos em termos de porcentagem. É importante notar que o modelo registra o volume de obra ou de serviços realizados num dado mês. Permite, porém, uma avaliação da situação do empreendimento de forma estática. Isto porque, não permite avaliar o desempenho havido, em termos de análise conjunta de tempo, custo e quantidades realizadas durante o período de execução do projeto. Para tanto, nos Capítulos 14 e 15 deste livro são discutidos modelos visando medir a performance ou o desempenho, respectivamente para o caso do acompanhamento ser realizado pela empresa contratada e pela contratante. Controle Custos - Apropriação Obra: Usina Hidrelétrica Palmas MÊS: Orçado Realizado item Serviço un Preço Preço Quant Quant unitar Total unitar Total 1 Escavação 1ª m³ , , Escavação 2ª m³ , ,20 PlnjArq~aula12~Ctrole 168

7 3 Escavação 3ª m³ , ,50 4 Drenagem m Concr.Armado m³ , k Desmobilização un T O T A L Pu = preço unitário PT = preço total. Local Fiscal: Data Matricula Fig Modelo de Controle de Produção As medidas de desvios ou variação podem se referir à quantidades executadas, ao tempo dos serviços realizados, ao custo total incorrido ou ao custo unitário praticado. Dois são os modos geralmente adotados de medir as variações ou desvio de projetos, por: Valor Absoluto; Valor Relativo. a) Por Valor Absoluto. Boletim de Controle Custos Análise de Variação Obra: Data: MÊS: Quantidades Custos mil R$ item Serviço un Planej Real Q Plan. Real $ 1 Escavação 1ª M³ Escavação 2ª M³ Escavação 3ª M³ Concreto Armado M³ T O T A L - Σ Q ou $ = desvio ocorrido = Realizado - Planejado Fig Modelo de Boletim de Controle de Custos Medida de Desvios. O Desvio Absoluto tem por objetivo medir a quantidade de desvio, podendo ter como unidade o valor monetário, metros cúbicos, metros quadrados, etc. ($) = CR CO Adotando como exemplo a análise do custo unitário de um insumo orçado em R$ 27,00 por unidade e realizado a R$ 31,00, o valor do desvio absoluto é dado pela diferença dos dois custos. b) Por Valor Relativo. ($) = ($) = 4,0 R$/unidade Neste caso, o desvio ou variação é medido em termos porcentuais. Considerando o exemplo anterior tem-se: CR CO CR (%) = = 1 CO CO PlnjArq~aula12~Ctrole 169

8 (%) = = = 0,1481 ou ,81 % ($) = CR($) CO($) Nos dois casos fica demonstrado que os custos realizados ultrapassaram aqueles orçados, respectivamente, em R$ 4,00 correspondendo a 14,81% superior ao orçado. É de notar que: Apresentando o desvio ou variação um valor positivo, o realizado foi superior ao orçado. Porém, apresentando um valor negativo, o realizado ficou abaixo do orçado Controle Por Exceção. O controle por exceção, ou administração por exceção do processo de construção, visa estabelecer a margem de erro ou níveis de desvio a partir dos quais a administração superior passará a analisar e verificar as causas e motivos que propiciaram a ultrapassagem do desvio estabelecido, também denominado de desvio padrão. Adotando como nomenclatura, ε para representar o desvio padrão pré estabelecido, dentro do qual a produtividade ou os custos que, mesmo sendo diferentes do valor orçado, estiverem dentro dessa margem serão considerados como normais. E, o desvio real ou efetivamente ocorrido durante o esforço de construção. Nessa situação, podem ocorrer três casos: 0 0 ε Neste caso há a constatação de que o custo realizado apresentou valor eminentemente superior ao custo pré-estabelecido; Este é o caso em que o custo realizado apresentou valor significativamente inferior ao valor do custo pré-estabelecido; Neste caso o custo realizado atendeu o padrão pré-estabelecido. Esta é a situação desejada, pois indica que a empresa domina e detem controle sobre os processos de construção, orçamentação e planejamentos. Montando o volume realizado de um certo serviço em $1.000 e estabelecido um desvio padrão em ε = 50 e sendo ($) = CR($) CO($), o desvio ocorrido no custo dos serviços é dado por 1= =-70$, situação que demonstra uma variação a menor de setenta unidades. Variação superior ao desvio Sendo estabelecido, por definição, CR($) como minuendo e CO($) como subtraendo, o desvio expresso em valor monetário será dado por: PlnjArq~aula12~Ctrole 170

9 estabelecido Assim, é recomendado à administração reconhecer a causa dos desvios visando apurar a qualidade de seu processo orçamentário. ε Conceitualmente, sendo ε o valor do desvio padrão préestabelecido, ensejará à administração conhecer os motivos que propiciaram a ultrapassagem deste valor, tanto para maior como a menor, já que decorrem em impacto na competitividade, no lucro, no planejamento ou capacidade de avaliação da empresa. Além disso, o conhecimento do desvio permite avaliar a capacidade do gerenciamento da empresa. Isto porque, o desvio pode ocorrer em uma ou várias fases de implantação de um empreendimento, desde a fase de projeto, ai incluídos o planejamento e a orçamentação; de suprimento; até a fase de execução. Constatada a fase ou etapa onde tenha ocorrido desvio, ou onde eles tenham sido mais representativos, a empresa dispõe de informações hábeis para agir tempestivamente e evitar, ou minimizar, a recorrência de fatos que causaram os desvios constatados. Além disso, dispõe de condições de considerar esse desvio na elaboração de futuros BDI s. ε 1 2 Como exemplo de motivos ou procedimentos que possam causar desvio pode-se citar: Quantidades orçadas a maior ou a menor do que o necessário para o cumprimento do projeto; Tempos de construção ou de serviços mal avaliados; Preços unitários orçados a maior ou a menor; Descontinuidade no processo de produção; Aquisição a maior, devido ser o processo de compra deficiente; Tecnologia adotada ou gerenciamento inadequado; Informações inconsistentes sobre as condições dos locais onde se realizará um empreendimento. Condições essas que podem ser de ordem legal, ambiental, fiscal ou social, etc. Desconhecimento da capacitação técnica ou da idoneidade dos fornecedores; Etc. Da analise do rol de desvios acima descritos, verifica-se que sua origem pode ter causas distintas e do seu reconhecimento pode decorrer a necessidade de treinamento e a capacitação do quadro de pessoal da empresa visando estar qualificada para os minimizar a sua ocorrência. Tal comportamento, sem dúvida alguma, decorre em ganho de competitividade com reflexos na lucratividade Princípios de Controle de Custos. PlnjArq~aula12~Ctrole 171

10 Cinco são os princípios a serem obedecidos quando se deseja implantar um sistema de controle de custos e almejar o respectivo sucesso. 1º. O custo necessário à implantação e manutenção de um sistema de controle deve ser inferior à economia que ele proporcionará à empresa; 2º. Visando garantir a fidedignidade dos objetivos dos contratos de construção devem ser estabelecidos níveis de variações ou desvios, quando cotejado o realizado com o que foi planejado, possibilitando aprovar e implementar ações corretivas o mais cedo possível; 3º. Ao gerente de construção deve ser atribuída autoridade para deflagrar ações corretivas e necessárias a alcançar as metas e objetivos pré-definidos; 4º. O sistema de controle deve possibilitar a adoção de ação direta ao primeiro sinal de desvio de qualquer atividade que se afaste do planejamento original visando restabelecer as metas inicialmente planejadas. 5º. A administração superior deve prestigiar tanto a implantação como a manutenção do sistema de acompanhamento de custos Análise de Desvio Custo e Produção Obra: Data: MÊS: Dezembro/2003 Quantidades Custos item Serviço un Realizadas Realizado Quant. Q% ε Q $% ε Q 1 Escavação 1ª m³ Escavação 2ª m³ Escavação 3ª m³ Sub base 5 Concreto m³ T O T A L Q ou $ = desvio ocorrido = Planejado - Realizado Fig Modelo de Controle por Exceção Exemplo. Seja analisar o desempenho dos serviços de construção segundo apresentado no quadro seguinte. Analisando o item 1, Escavação de 1ª, ficou constatada uma produção 3% abaixo do planejado, porém dentro da margem de Desvio Padrão Planejado 5%. Nessa situação, a administração não efetuará deflagrará auditoria para conhecer os motivos que propiciaram o desvio na quantidade de produção. Porém, no caso das Escavações de 2ª e 3ª, itens 2 e 3, como a variação de produção foi, respectivamente, 12% superior e 15% inferior ao planejado e, em ambos os casos, tendo ultrapassado o Desvio Padrão estabelecido, 10%, haverá o interesse em se efetuar uma análise acurada visando constatar as causas da ultrapassagem do limite planejado. PlnjArq~aula12~Ctrole 172

11 Evolução do Desempenho. Para avaliar a evolução do desempenho havido na realização de um projeto, quatro são os instrumentos discutidos neste curso e que propiciam uma avaliação dinâmica do processo de análise: A Curva S ; O método do Valor do Trabalho Realizado; O método do Índice de Desempenho; O método da Análise de Performance. A curva S e o método do Valor do Trabalho Realizado são mais facilmente utilizados pelos empreiteiros ou executores dos serviços, pois dispõe de acesso, fidedigno, especialmente quanto aos custos efetivamente incorridos. O método do Índice de Desempenho, ou Status Index, é recomendado para ser utilizado pelo ente fiscalizador de empreendimentos, pois dificilmente ele terá acesso a dados dos custos incorridos realizados pelos empreiteiros ou construtores. Seu objetivo maior é avaliar a tendência doa performance do projeto. A Análise de Performance da Construção é um método derivado do Índice de Desempenho cuja proposta é evitar a subjetividade existente na elaboração do ID. Identicamente ao anterior, é recomendado para ser utilizado pelo ente fiscalizador Conceitos. Definindo performance ou desempenho, eles correspondem à designação dada ao alcance de qualquer resultado desejado, mas improvável de acontecer sem que ocorra um esforço para produzi-lo. (Deutsch, 1979). Esse esforço pode atender ou não aos objetivos desejados e pode ser medido através do estabelecimento de índices de avaliação periodicamente determinados. O que se almeja com a determinação desses índices é verificar se a quantidade de serviço realizada e paga corresponde ao que foi efetivamente planejado. Assim, os índices de performance ou desempenho permitem: i) Avaliar, ao exprimir um único índice, se a quantidade de serviço executada e paga corresponde ao que foi contratado; ii) Evitar solução de continuidade ao projeto, retribuindo ao contratado a justa contraprestação pelos serviços realizados, já que o desempenho havido, e medido periodicamente, pode ser objetivamente avaliado; iii) Resguardar o interesse do contratante, pagando efetivamente o que foi realizado, já que, segundo o Código Civil, o que foi pago presume-se verificado e qualquer adiantamento é ato de liberalismo. Neste contexto, pode-se definir performance de um projeto como a expressão da evolução do processo de construção, quando se compara a quantidade de serviços e os custos pagos com aqueles pactuados em contrato. Para tanto, a performance é medida por índices definidos a cada período de construção após realizado o processo de medição do serviço realizado, sendo o objetivo deste capítulo apresentar duas metodologias capazes de estabelecer esses índices e, por motivos didáticos, são denominados de: PlnjArq~aula12~Ctrole 173

12 Índice de Desempenho ID; Índice de Performance da Construção IPC. Recomenda-se sua adoção, principalmente, quando o projeto foi adjudicado por empreitada global, ou turn - key, em que os preços unitários são irreajustáveis. ID Como ferramentas para a utilização do método, é imprescindível dispor do cronograma físico financeiro planejado, ou contratual, e do cronograma físico financeiro conforme efetivamente realizado. I 3 = 0,7 1 Curva de Evolução Antes de apresentar a metodologia de calculo dos índices já nominados, alerta-se ser possível uma obra apresentar índices de avaliação satisfatórios, mesmo estando atrasada. Tal fato pode acontecer quando o montante pago corresponder a valores monetários inferiores àqueles efetivamente devidos. Mes-1 mes-2 mes-3 tempo Fig.12.8 Diagrama de Evolução do Desempenho Alerta-se ao leitor que os dois modelos são recomendados como instrumento de gestão do proprietário, do ente fiscalizador, ou do financiador do contrato de qualquer empreendimento quando deseja avaliar o desempenho apresentado pelo executor do mesmo. Eles contribuem para amparar ao ente fiscalizador do empreendimento em analisar a liberação de novas parcelas de recursos, evitando incorrer no risco de adiantar numerário a descoberto. PlnjArq~aula12~Ctrole 174

13 Controle de Produção de Equipamento Nº Equipamento: Caminhão nº 1-10t Empresa: Operador Obra: Contratante: Local: Serviço: Horas Operantes Horas Inoperantes Turno I Turno 2 Horas Motivo Total Quebrado Troca Manutenção Falta Operante Oficina Pneu Preventiva Operador Dia Início Fim Início Fim Mês...Ano 2.xxx Dia Inoperante Horas Total Inoperante 31 Total Apropriador Responsável: Data: OBS: Fig Modelo de Ficha de Apropriação por Equipamento PlnjArq~aula12~Ctrole 175

14 Relatório de Produção Obra: Proprietário Local Mês...Ano 2.xxx Serviço Contratado Total Desempenho Físico Desempenho Financeiro Analise: Realizado / Orçado item Preço Orçado Realizado Acumulado Orçado Realizado Acumulado Físico Financeiro Serviço Unid Quant Unitário Mês Mês Total Mês Mês Total % % Status 1 Fundação m³ ,50 850,00 717, , , , ,00 2 Reaterro m³ , , , , , TOTAL Responsável: Data: OBS: Fig Modelo de Desempenho - Produção PlnjArq~aula12~Ctrole 176

15 Relatório de Exceção Obra: Ginásio de Esportes da Jacutinga. Proprietário: Local: Serviço item Serviço Mês de JULHO Ano 2.xxx Contratado Desempenho Físico Desempenho Financeiro Analise: Realizado / Orçado Preço Orçado Realizado Acumulado Orçado Realizado Acumulado Físico Financeiro Quant Unid Unitário Mês Mês Total Mês Mês Total Varia Varia q ε ε $ q Q1 ΣQ1 $ 10³ $ 10³ $ 10³ 1 Fundação M³ ,50 850,00 717, ,00 350,62 295,76-17% 5% 2% Alvenaria M² ,70 TOTAL - Responsável: Executor: Data da Elaboração: Obs: Comentários: Item 1 Devido a defeitos e paralisação da central de concreto nos dias 20 a 27/07. Faltaram peças de reposição em almoxarifado. Fig Relatório de Desempenho Relatório de Exceção % % Observação: é recomendável, para conhecimento de todos os interessados, a divulgação do Índice de Variação Aceitável ε. Tal informação permite a aceitação e a solidariedade da organização frente a exigibilidades que venham a ocorrer durante ou após o processo de construção. PlnjArq~aula12~Ctrole 177

16 Obra: Rodovia SC-2003 Proprietário: DER/SC Local: Trecho B-32 Serviço: Construção Serviço un Preço Unitário Orçadol Total Contratado Quantidade Relatório de Produção Mensal - Total Relatório Referente a: Quantitativos Globais Total Realizado Quantidade Variação Quantidade Real/Contr. Quantidade Orçada Mês Mês...Ano 2.xxx Quantidade Realizada Mês Produção Mensal Variação Realiz/Orçad % Preço Unitário Realiz. Variação Preço % 1. Terraplenagem 1.1 Solo 1ª 1.2 Solo 2ª Solo 3ª m³ 88, , ,00 72% , ,00 +2,5% 89,33 +1,02% Aterro 2. Drenagem Bueiros Canaletas 3.- Acabamentos. 3.1 Grama 3.2 Pintura Placas 4. Obras de Arte TOTAL... Responsável: Executor: Data da Elaboração: Nº Observações: (efetuar comentários quanto a desempenho planejado e não cumprido). a) Item... b) Item... Fig Modelo de Relatório de Produção e Acompanhamento do Volume Contratado PlnjArq~aula12~Ctrole 178

17 Análise de Produção e Custos Por Serviço Obra: Rodovia BR-2010 Relatório Referente a: Proprietário: DER/SC Local: Trecho B-10 Mês: agosto - Ano 2.xxx Serviço: Terraplenagem Solo 3ª Categoria. Mês Controle/mês un FÍSICO - PRODUÇAO Orçado m³ Orçado acumulado Realizado m³ Realizado Acumulado Desvio % +10% +7,5% +5,0% +3,75% +1,0% - 0,8% - 2,14% - 3,22% ΣRealizado/ΣOrçado FINANCEIRO - CUSTOS Preço Unitário/m³ R$ 88,00 88,00 88,00 88,00 88,00 88,00 88,00 88,00 88,00 88,00 88,00 88,00 Orçado 10³ Orçado acumulado Preço Unitário/m³ 91,00 91,00 90,00 90,00 85,00 85,00 85,00 88, R$ Realizado ³ Realizado Acumulado Desvio % +13,75 +11,17 +8,81 +7,18 +3,13 +0,41-1,52% - 2,58% ΣRealizado/ΣOrçado Responsável: Executor: Data da Elaboração: Nº Observações: FIG Modelo de Boletim Para Análise de Conformidade PlnjArq~aula12~Ctrole 136

18 BOLETIM DE MEDIÇÃO Condomínio Solazul MÊS...de 2.xxx Contratante Endereço: CGC Inscrição Estadual Contratado Endereço: CGC Inscrição Estadual Local da Obra: Município: item serviço un Realizado Realizado Contratado Até o Mês Durante o Mês Preço Preço Pago Preço Índice de Quantid. Quantid. Quantid. Unitário Total R$ Histórico Reajuste 1 Mobilização 2 Escavação 3 Formas 4 Concretagem 5 Desforma 6 Impermeabilização Desmobilização TOTAL O valor total dos serviços importa em R$ CONTRATANTE CONTRATADO LOCAL DECLARO QUE OS SERVIÇOS FORAM PRESTADOS. Rubrica Rubrica DATA 1ª VIA: CONTRATANTE; 2ª VIA: CONTRATADO; 3ª VIA FISCALIZAÇÃO. FIG Modelo de Boletim de Medição de Empreitada A Pagar No MES PlnjArq~aula12~Ctrole 137

19 Avila & Jungles Planejamento BOLETIM DE MEDIÇÃO - N.º 012/2.0xx Contratante Endereço Contratado Endereço Local da Obra: Endereço item Descrição do Serviço Unidade Preço Unitário Quantidade Orçada Mês:... Ano: 2.0xx. CGC Inscrição Estadual CGC Inscrição Estadual Nº Contrato Quantidade Realizada no mês Realizado Até o mês Preço Final R$ 1 Mobilização un , quitado 2 Fundações m³ 222,22 458,00 200,00 258, ,00 3 Alvenaria m² 17, , ,00 0, ,00 4 Estrutura - Concreto m³ 5 Forros m² 6 Cobertura m² 7 Revestimento Interno m² 8 Revestimento Externo m² 9 Barras 10 Contra piso 11 Pisos Internos 12 Rede de Água 13 Rede de Esgoto 14 Funilaria 15 Rede Elétrica 16 Esquadrias 17 Ferragens 18 Serralheira 19 Vidros 20 Pintura 21 Sanitários 22 Equipamentos Elétricos 23 Limpeza - Raspagem 24 Pisos Externos 25 Muros 26 Desmobilização...Valor Total do mês: Importa o presente serviço em... Responsável: Eng º Alfa Beta da Gama Delta - Visto CREA-SC nº (rubrica) Declaramos que os serviços acima descritos foram prestados e aceitos. Local: Data Assinatura do Cliente: Fig Modelo de Boletim de Medição de Obra por Empreitada PlnjArq~aula12~Ctrole 138

20 Avila & Jungles Planejamento Remessa de Documentos - N.º 012/2.0xx Mês:... Ano: 2.0xx. Contratante Endereço CGC Inscrição Estadual Contratado Objeto: CGC Inscrição Estadual Local do Serviço: Nº Contrato Endereço item Documento Valor R$ 01 Projeto arquitetônico pranchas nº 01/12 a 12/ (inclusive)... Especificações Técnicas e Memorial Descritivo... Projeto Estrutural - completo , , , ,00 Total dos Serviços... R$ 7.500,00 (Importa o presente serviço em sete mil e quinhentos reais). Recebemos os Documentos acima relacionados. Local e data: Cliente: Fig Modelo de Boletim de Entrega de Documentos - Serviços PlnjArq~aula12~Ctrole 139

O diagrama de barras -

O diagrama de barras - 5 Avila & Jungles Planejamento & Controle de Empreendimentos 5.1 O objetivo. O diagrama de barras - porcentagem a ser realizada na unidade de tempo; etc. (SILVA, 2001). A maior desvantagem se encontra

Leia mais

PO - Procedimento Operacional Revisão: 02 Folha: 1 de 7

PO - Procedimento Operacional Revisão: 02 Folha: 1 de 7 PO - Procedimento Operacional Revisão: 02 Folha: 1 de 7 1. OBJETIVO Orientar a condução dos processos de Coordenação e controle de obras, executadas pela Brookfield Incorporações S/A, de forma a garantir

Leia mais

Para tanto, em 1958, foi desenvolvido o método do PERT Program Evaluation and Review Technique pela empresa de consultoria Booz, Allen & Hamilton.

Para tanto, em 1958, foi desenvolvido o método do PERT Program Evaluation and Review Technique pela empresa de consultoria Booz, Allen & Hamilton. OS MÉTODOS DO PERT & CPM. Origem dos Métodos. Durante a década de 1950, enquanto transcorria a guerra fria entre os EEUU e a extinta URSS, a marinha dos Estados Unidos realizou o projeto dos submarinos

Leia mais

Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil.

Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil. Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01 PROMOVA A INTEGRAÇÃO ENTRE AS ÁREAS DE SUA

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MOBILIZAÇÃO, CONSTRUÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DO CANTEIRO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MOBILIZAÇÃO, CONSTRUÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DO CANTEIRO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MOBILIZAÇÃO, CONSTRUÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DO CANTEIRO 1. VIA DE ACESSO 1.1 - GENERALIDADES Será utilizada como acesso às obras, durante a fase de construção, as vias já existentes

Leia mais

PROJETO BÁSICO CALL CENTER

PROJETO BÁSICO CALL CENTER PROJETO BÁSICO CALL CENTER 1 Projeto Básico da Contratação de Serviços: 1.1 O presente Projeto Básico consiste na descrição dos serviços que serão prestados por empresa especializada em serviços de Call

Leia mais

Planejamento, Programação e Controle. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc.

Planejamento, Programação e Controle. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Planejamento, Programação e Controle Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Conceitos Gerais Planejamento formal, que compreende, normalmente 5 fases: Estudo de viabilidade técnica, econômica e financeira; Projeto

Leia mais

relatórios do sistema http://www.luminait.com.br Lumina@LuminaIT.com.br +55 11 3996 4275

relatórios do sistema http://www.luminait.com.br Lumina@LuminaIT.com.br +55 11 3996 4275 relatórios do sistema RELATÓRIOS DO SISTEMA Antes de detalharmos alguns dos relatórios do sistema, vale lembrar que o Lumina ERP trabalha com quatro visões da WBS (EAP). A partir destas visões nascem as

Leia mais

MEDIÇÃO DE INDICADORES PARA O SERVIÇO DE ALVENARIA

MEDIÇÃO DE INDICADORES PARA O SERVIÇO DE ALVENARIA MEDIÇÃO DE INDICADORES PARA O SERVIÇO DE ALVENARIA Sandra Maria Carneiro Leão Mestranda - Universidade Federal da Paraiba - Departamento de Engª de Produção Caixa Postal 5045 - CEP 58051-970 - João Pessoa

Leia mais

Cronograma Físico e de Preço

Cronograma Físico e de Preço Especificação da Construção Capítulo 7 Cronograma Físico e de Preço 7.1 Introdução Ao longo de todo o curso, inserimos uma mensagem alertando para a diferenciação entre os termos preço e custo, que dizia

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE OSÓRIO SECRETARIA DE OBRAS SANEAMENTO E TRÂNSITO MEMORIAL DESCRITIVO

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE OSÓRIO SECRETARIA DE OBRAS SANEAMENTO E TRÂNSITO MEMORIAL DESCRITIVO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE OSÓRIO SECRETARIA DE OBRAS SANEAMENTO E TRÂNSITO MEMORIAL DESCRITIVO OBJETO: Fechamento de quadra esportiva da Escola Municipal de Ensino Fundamental

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0405 05 IDENTIFICAÇÃO: Título: ORÇAMENTO EMPRESARIAL Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO O QUE É : É um instrumento de planejamento

Leia mais

Manual Técnico PROPOSTA COMERCIAL CONSULTORIA TÉCNICA

Manual Técnico PROPOSTA COMERCIAL CONSULTORIA TÉCNICA Manual Técnico PROPOSTA COMERCIAL CONSULTORIA TÉCNICA À xxxx Aos cuidados Sr. xxxxxx São Paulo, 23 de Março de 2011 2 1 INTRODUÇÃO O CESVI BRASIL através da prestação de serviços de consultoria tem como

Leia mais

TRILHA DE CAPACITAÇÃO CONTRATOS E MEDIÇÕES

TRILHA DE CAPACITAÇÃO CONTRATOS E MEDIÇÕES Objetivo: introdução à gestão de contratos e medições, visão geral do SMO e suas principais funcionalidades. não há. TRILHA I (Básico) TRILHA II (Intermediário) TRILHA III (Avançado) Objetivo: adquirir

Leia mais

Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos - Aula 9 Prof. Rafael Roesler

Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos - Aula 9 Prof. Rafael Roesler Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos - Aula 9 Prof. Rafael Roesler Introdução Objetivos da Gestão dos Custos Processos da Gerência de Custos Planejamento dos recursos Estimativa dos

Leia mais

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Gerenciamento de Obras Prof. Dr. Ivan Xavier Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Fases do Gerenciamento: 3. Operação e controle da obra. 3. Operação e controle da obra: Reunião de partida da obra;

Leia mais

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.1 Programa de Gerenciamento Ambiental NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 2 2. Justificativa... 4 3. Objetivos... 4 4. Área de Abrangência...

Leia mais

UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA (UAUDI) Conceitos & Normativos

UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA (UAUDI) Conceitos & Normativos UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA (UAUDI) Conceitos & Normativos Exercício 2015 Auditoria Interna Unidade de Auditoria Interna - CEFET/RJ Normativos: Portaria nº 07, de 15/01/2001: cria a Unidade de Auditoria

Leia mais

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.1 Programa de Gerenciamento Ambiental NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 2 2. Justificativa... 4 3. Objetivos... 5 4. Área de Abrangência...

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos Metodologia Aula Teórica Exemplos e Exercícios práticos Questões de concursos anteriores Metodologia e Bibliografia Bibliografia PMBOK, 2004. Project Management

Leia mais

Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber.

Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber. Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber. CRONOGRAMA FÍSICO Quando se inicia uma obra, o ideal é saber exatamente quanto tempo os trabalhos vão durar e, consequentemente, quando vão acabar. Por isso,

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARBALHA SECRETARIA DE INFRAESTRUTURA E OBRAS PROJETO BÁSICO MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESTADO DO CEARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARBALHA SECRETARIA DE INFRAESTRUTURA E OBRAS PROJETO BÁSICO MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PROJETO BÁSICO MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS - OBRA: CONSTRUÇÃO DE MURO ARRIMO - LOCAL: TERRENO DO CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL - BARBALHA/CEARÁ. 1.0 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS - Este Relatório

Leia mais

PODERJUD1CIÂRIO TRIBUNAL DEJUSTIÇA DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA DE GESTÃO DE PESSOAS TERMO DE REFERÊNCIA

PODERJUD1CIÂRIO TRIBUNAL DEJUSTIÇA DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA DE GESTÃO DE PESSOAS TERMO DE REFERÊNCIA PODERJUD1CIÂRIO TRIBUNAL DEJUSTIÇA DO ESTADO DE PERNAMBUCO TERMO DE REFERÊNCIA l. DO OBJETO CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA EM CLIMA ORGANIZACIONAL PARA ATUAR EM TODAS AS UNIDADES DO PODER JUDICIÁRIO

Leia mais

Relatório de Estágio Curricular. Rafael Menezes Albuquerque

Relatório de Estágio Curricular. Rafael Menezes Albuquerque Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica Relatório de Estágio Curricular Rafael Menezes Albuquerque São José dos Campos Novembro2005 Relatório de Estágio

Leia mais

Planilhas orçamentárias: visão prática

Planilhas orçamentárias: visão prática Capítulo 13 Planilhas orçamentárias: visão prática Sumário: 13.1 Considerações iniciais 13.2 Elaboração da planilha base do orçamento 13.3 Relação dos insumos que serão utilizados e a pesquisa de preços

Leia mais

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO A política de Risco de Mercado do Scotiabank Brasil ( Scotiabank ) é baseada na política do grupo de Risk Management Global do Scotiabank

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 1) Modalidade de Licitação: Concorrência ou Pregão (eletrônico ou presencial), do tipo menor preço.

TERMO DE REFERÊNCIA. 1) Modalidade de Licitação: Concorrência ou Pregão (eletrônico ou presencial), do tipo menor preço. TERMO DE REFERÊNCIA 1) Modalidade de Licitação: Concorrência ou Pregão (eletrônico ou presencial), do tipo menor preço. 2) Objeto: Procedimento licitatório destinado a elaboração de registro de preço para

Leia mais

SINAPI Modelo de Apresentação

SINAPI Modelo de Apresentação SINAPI Modelo de Apresentação Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil Administrado pela CAIXA Precisão do Preço de Referência Margem de erro elevada MÉTODO DE CÁLCULO DO

Leia mais

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como:

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como: Plano de Teste (resumo do documento) I Introdução Identificador do Plano de Teste Esse campo deve especificar um identificador único para reconhecimento do Plano de Teste. Pode ser inclusive um código

Leia mais

PROJETO BÁSICO GRAMADOTUR

PROJETO BÁSICO GRAMADOTUR PROJETO BÁSICO GRAMADOTUR 1 Projeto Básico da contratação de serviços: 1.1 O presente Projeto Básico tem como objetivo a contratação de empresa para locação de impressoras, incluindo o fornecimento de

Leia mais

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011 Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 6/4/211 PRODUTIVIDADE O que é o melhoria contínua? Quando se tem o Gerenciamento da Rotina implantado temos a melhoria tipo escada sempre melhorando o resultado

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

Prática e Gerenciamento de Projetos

Prática e Gerenciamento de Projetos Universidade de São Paulo Escola de Artes, Ciências e Humanidades Prática e Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos do Projeto Equipe: Jhonas P. dos Reis Marcelo Marciano Mário Januário Filho

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Monitorando e Controlando o Projeto II. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Monitorando e Controlando o Projeto II. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Monitorando e Controlando o Projeto II Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Reportar o Desempenho Realizar o Controle Integrado de Mudanças Reportar o

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO I REFERENTE AO EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 004/2013 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Página 1 de 10 Serviços de Terraplanagem na Subestação de Interligação à Rede Básica Construção de novo Bay de Saída

Leia mais

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO É a etapa do processo do planejamento estratégico em que se estima (projeta) e determina a melhor relação entre resultados e despesas para atender às necessidades

Leia mais

PROC IBR EDIF 01.02.003/2014

PROC IBR EDIF 01.02.003/2014 INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC IBR EDIF 01.02.003/2014 01 - Fase Licitatória 01.02 - Análise das especificações, quantidades

Leia mais

Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos

Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos 1º Fórum Brasileiro de Custos de Obras Públicas Metodologia de Cálculo Orientação Técnica para Cálculo do Preço de Referência em Licitações de Obras Públicas

Leia mais

GERENCIAMENTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL

GERENCIAMENTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL GERENCIAMENTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL FSP - Faculdade Sudoeste Paulista Departamento Engenharia Civil ENGª. M.Sc. Ana Lúcia de Oliveira Daré Cap. 3: OS CUSTOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL 3.1 Custos na construção civil

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais

3. Como a aquisição deveria ocorrer em um projeto (ideal)

3. Como a aquisição deveria ocorrer em um projeto (ideal) 3. Como a aquisição deveria ocorrer em um projeto (ideal) Para que se possa propor a projetização da aquisição é necessário que se entenda o contexto do projeto, de sua organização, e de como integrar

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA SEGURO DE VIDA

TERMO DE REFERÊNCIA SEGURO DE VIDA TERMO DE REFERÊNCIA SEGURO DE VIDA 1- Objeto da Licitação: Prestação de serviço para contratação de seguro de vida em grupo para os empregados da Empresa Municipal de Informática S.A - IplanRio, visando

Leia mais

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico RESUMO Entre as estratégias gerenciais em empresas de médio e grande porte existe o

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES 21/11/28 Página 1 de 8 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REVISÃO DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 21/11/28 Emissão Inicial RESPONSÁVEL PELO DOCUMENTO: (ÁREA) FUNÇÃO/INICIAIS: R SO / VC RESPONSÁVEL PELA DISTRIBUIÇÃO : (ÁREA)

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MATINHOS Estado do Paraná CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE MATINHOS Estado do Paraná CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO INSTRUÇÃO NORMATIVA CG Nº 001 DE 02 de junho de 2014 Institui o Plano de atividades de Auditoria Interna no ano de 2014 e dá outras providências. O CONTROLADOR GERAL DO MUNICPIO DE MATINHOS, no uso de

Leia mais

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação s Possíveis Achados 1 As características da unidade de controle interno atendem aos preceitos normativos e jurisprudenciais? Ato que criou

Leia mais

Gestão de Custos. Conteúdo. Planejamento Integrado. Gestão de Custos. Conceitos Básicos de Gestão de Custos Integraçãoda Gestãode Custoscom o

Gestão de Custos. Conteúdo. Planejamento Integrado. Gestão de Custos. Conceitos Básicos de Gestão de Custos Integraçãoda Gestãode Custoscom o Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas Especialização em Gerenciamento de Obras Planejamento Integrado Gestão de Custos Prof. Dayana Bastos Costa Conteúdo

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento PNQS 2010 IGS SETEMBRO/2010 ORGANOGRAMA DA ORGANIZAÇÃO CANDIDATA Vice-presidência de GO Superintendência T Gerência Prod. e Desenvolvimento

Leia mais

4 Metodologia de Gerenciamento Integrado de Riscos

4 Metodologia de Gerenciamento Integrado de Riscos 4 Metodologia de Gerenciamento Integrado de Riscos Neste capitulo iremos apresentar a metodologia escolhida para a elaboração do estudo de caso que incorpora a análise quantitativa dos riscos financeiros.

Leia mais

Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos Engenheiro Civil Paulo Roberto Vilela Dias, MSc Mestre em Engenharia Civil - uff Professor do Mestrado em Engenharia Civil da Universidade Federal Fluminense

Leia mais

Cent rais Elétricas de R ondônia S /A Cons t rução da S ubes tação de Alto P araís o PROJETO BÁSICO 001/2005

Cent rais Elétricas de R ondônia S /A Cons t rução da S ubes tação de Alto P araís o PROJETO BÁSICO 001/2005 PROJETO BÁSICO 001/2005 CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA CONSTRUÇÃO DA SUBESTAÇÃO DE ALTO PARAÍSO 34,5/13.8 kv 10/12,5MVA 1- OBJETIVO Este projeto tem por finalidade especificar os serviços para CONTRATAÇÃO

Leia mais

Memo N.º /2007 Fortaleza, 28 de setembro de 2007. ASSUNTO: Licitação de Obras de Construção Aeroporto de Tauá-Ce.

Memo N.º /2007 Fortaleza, 28 de setembro de 2007. ASSUNTO: Licitação de Obras de Construção Aeroporto de Tauá-Ce. GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA INFRA- ESTRUTURA DEPARTAMENTO DE EDIFICAÇÕES, RODOVIAS E TRANSPORTES Memo N.º /2007 Fortaleza, 28 de setembro de 2007 Do: CEGOR A: Coordenador de Engenharia ASSUNTO:

Leia mais

PROJETO BÁSICO GRAMADOTUR

PROJETO BÁSICO GRAMADOTUR PROJETO BÁSICO GRAMADOTUR 1 Projeto Básico da Contratação de Serviços: 1.1 O presente Projeto Básico consiste na contratação de empresa para realizar pesquisas do perfil do turista do evento Natal Luz

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES DO PROGRAMA DE EFICIENCIA ENERGETICA

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES DO PROGRAMA DE EFICIENCIA ENERGETICA PERGUNTAS MAIS FREQUENTES DO PROGRAMA DE EFICIENCIA ENERGETICA O presente documento visa explanar os principais pontos da nova regulamentação e dirimir alguns questionamentos comuns aos agentes diretamente

Leia mais

TÉCNICAS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE. UNIDADE II - Instrumentos gráficos de planejamento e controle

TÉCNICAS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE. UNIDADE II - Instrumentos gráficos de planejamento e controle TÉCNICAS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE UNIDADE II - Instrumentos gráficos de planejamento e controle 2.1. Cronogramas de barras Cronograma é uma representação gráfica da execução de um projeto, indicando

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI

NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI Dispõe sobre as atribuições dos agentes de compras

Leia mais

Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica)

Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica) Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica) No decorrer da execução do Projeto, e tão logo sejam definidos os perfis dos consultores necessários para a consecução dos produtos

Leia mais

Aplica-se obrigatoriamente a todas as áreas que possuem empresas contratadas na Vale Fertilizantes.

Aplica-se obrigatoriamente a todas as áreas que possuem empresas contratadas na Vale Fertilizantes. Responsável Técnico: Alex Clementino Ferreira Gerência de Sistema de Gestão Público-alvo: Empregados designados para realizarem as auditorias. 1. OBJETIVO Nº: PGS-3209-82-04 Pág.: 1 de 8 Código de Treinamento:

Leia mais

Qual a participação da Engenharia na Incorporação imobiliária da Cyrela?

Qual a participação da Engenharia na Incorporação imobiliária da Cyrela? Qual a participação da Engenharia na Incorporação imobiliária da Cyrela? Atuação da Engenharia Cyrela AQUISIÇÃO DO TERRENO INÍCIO DESENVOLVIMENTO DO PRODUTO LANÇAMENTO DO EMPREENDIMENTO INÍCIO DA OBRA

Leia mais

ANEXO II.2 PROJETO BÁSICO SISTEMA DE CONTROLE DA QUALIDADE

ANEXO II.2 PROJETO BÁSICO SISTEMA DE CONTROLE DA QUALIDADE ANEXO II.2 PROJETO BÁSICO SISTEMA DE CONTROLE DA QUALIDADE Página 1 Anexo II.2 PROJETO BÁSICO: SISTEMA DE CONTROLE DA QUALIDADE 1. CONCEITUAÇÃO O Sistema de Controle da Qualidade do Serviço Público de

Leia mais

Lista de verificação (Check list) para planejamento e execução de Projetos

Lista de verificação (Check list) para planejamento e execução de Projetos www.tecnologiadeprojetos.com.br Lista de verificação (Check list) para planejamento e execução de Projetos Eduardo F. Barbosa Dácio G. Moura Material didático utilizado na disciplina Desenvolvimento de

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração da NBC T 1 citada nesta Norma para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.213/09 Aprova a NBC TA 320 Materialidade no Planejamento e

Leia mais

Remuneração variável e condução da estratégia empresarial 1/16

Remuneração variável e condução da estratégia empresarial 1/16 Remuneração variável e condução da estratégia empresarial 1/16 Remuneração de Diretor desvinculada de empregado Esforços e alcance das ações diferentes - Diretor é responsável por definir e conduzir a

Leia mais

ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO

ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO 1. Introdução 1.1. Descrição do serviço Este documento disciplina a cessão de uso permanente da solução de software para Gestão

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações PROCESSO 026-2013 ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações

Leia mais

Negociação Comercial

Negociação Comercial Negociação Comercial Aula 16-04/04/09 1 Negociação Comercial ETAPAS E MODELO DE UMA PROPOSTA COMERCIAL Parte 1/2 2 OBJETO...(preencher)........., conforme descritos na Proposta Técnica. 2 ETAPAS DO PROJETO

Leia mais

INSS NA CONSTRUÇÃO CIVIL CND DE OBRAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL

INSS NA CONSTRUÇÃO CIVIL CND DE OBRAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL INSS NA CONSTRUÇÃO CIVIL CND DE OBRAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL Martelene Carvalhaes EXIGIBILIDADE DA CND A CND Certidão Negativa de Débito relativa às contribuições previdenciárias, será exigida: Pela autoridade

Leia mais

Título da apresentação Curso Gestão de Projetos I (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS

Título da apresentação Curso Gestão de Projetos I (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Título da apresentação Curso Gestão de Projetos I (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Prof. Instrutor Elton Siqueira (a) (Arial Moura preto) CURSO DE GESTÃO DE PROJETOS I

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Av. Presidente Vargas, 1261 CEP: 20071-004 - Centro - Rio de Janeiro Tel: +55 (21) 2532-2661

Av. Presidente Vargas, 1261 CEP: 20071-004 - Centro - Rio de Janeiro Tel: +55 (21) 2532-2661 TERMO DE REFERÊNCIA OBJETIVANDO A CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA NO SERVIÇO DE MANUTENÇÃO DE TELHADOS VERDES/ECOTELHADO, JARDINS E CANTEIROS NA BIBLIOTECA PARQUE ESTADUAL RJ. JUSTIFICATIVA A Biblioteca

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CÍVIL - SINAPI

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CÍVIL - SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CÍVIL - SINAPI 1 UTILIZAÇÃO DA TABELA SINAPI: VISÃO DA ÁREA EMPRESARIAL O QUE VEM OCORRENDO NO MERCADO COM APLICAÇÃO DO SISTEMA SINAPI 2 ÍNDICE

Leia mais

ANEXO I CONDIÇÕES GERAIS DE CONTRATAÇÃO

ANEXO I CONDIÇÕES GERAIS DE CONTRATAÇÃO 1 PRODUTOS 1.1 Serviço de manutenção preventiva mensal e corretiva, quando necessário, para o elevador da Unidade Operacional da Anatel no Estado de Santa Catarina UO031, situada à Rua Saldanha Marinho,

Leia mais

INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS IIP Nº 005, de 24 de agosto de 2011 (*)

INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS IIP Nº 005, de 24 de agosto de 2011 (*) INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS IIP Nº 005, de 24 de agosto de 2011 (*) Disciplina no âmbito do IFPR as Orientações acerca da Execução Orçamentária e Financeira, relativas à Concessão de Suprimentos

Leia mais

Exemplos: Análise de Valor Agregado (Ex_vagregado.SPRJ)

Exemplos: Análise de Valor Agregado (Ex_vagregado.SPRJ) Exemplos: Análise de Valor Agregado (Ex_vagregado.SPRJ) Este exemplo tem como base atividades descritas em um email distribuído na lista da E-Plan (planejamento@yahoogrupos.com.br) com o título Curva Física

Leia mais

Guia de Recursos e Funcionalidades

Guia de Recursos e Funcionalidades Guia de Recursos e Funcionalidades Sobre o Treasy O Treasy é uma solução completa para Planejamento e Controladoria, com o melhor custo x benefício do mercado. Confira alguns dos recursos disponíveis para

Leia mais

RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES CONTROLE INTERNO

RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES CONTROLE INTERNO 01/06 1 DOS OBJETIVOS 1.1 Definir normas para elaboração dos contratos de aquisição de materiais, prestação de serviços gerais e prestação de serviços e obras de engenharia. 1.2 Normatizar os procedimentos

Leia mais

Regulamento da Promoção TEST LIFE EVEN

Regulamento da Promoção TEST LIFE EVEN Regulamento da Promoção TEST LIFE EVEN A) DO TEST LIFE 1. A presente promoção é realizada pela EVEN CONSTRUTORA E INCORPORADORA S/A, por si e pelas empresas de seu grupo econômico, doravante GRUPO EVEN,

Leia mais

Número: TERMO DE REFERÊNCIA PRL 001/2012. Data: PRL Gerência do Programa Luz para Todos 26/01/2012 1.0 - OBJETO/FINALIDADE:

Número: TERMO DE REFERÊNCIA PRL 001/2012. Data: PRL Gerência do Programa Luz para Todos 26/01/2012 1.0 - OBJETO/FINALIDADE: 1.0 - OBJETO/FINALIDADE: Aquisição de 7.812 Unidades de Medição Eletrônica de Energia Elétrica, 1 elemento, 1 fase, 3 fios, 240V e 15(100)A para implantação em padrões de entrada de unidades consumidoras

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS PARA O PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS

DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS PARA O PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS PARA O PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS Sheyla Mara Baptista SERRA Dra., Eng., Professora Adjunto do Departamento de Engenharia Civil da Universidade Federal de São

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional - 2010

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional - 2010 Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional - 2010 Sumário 1. Introdução:...3 2. Abrangência:...3 3. Estrutura do Gerenciamento de Risco Operacional:...3 3.1. Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional:...4

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

MANUAL DE FISCALIZAÇÃO DA LIQUIDAÇÃO DE DESPESA (MFLD)

MANUAL DE FISCALIZAÇÃO DA LIQUIDAÇÃO DE DESPESA (MFLD) SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE INTERNO - SCI GERÊNCIA DE AÇÃO PREVENTIVA - GEAP COORDENAÇÃO DE AÇÃO PREVENTIVA - COAP MANUAL DE FISCALIZAÇÃO DA LIQUIDAÇÃO DE DESPESA (MFLD) GOIÂNIA, JULHO DE 2009 1ª EDIÇÃO

Leia mais

ELABORAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO Redes SIBRATEC Serviços Tecnológicos

ELABORAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO Redes SIBRATEC Serviços Tecnológicos ELABORAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO Redes SIBRATEC Serviços Tecnológicos Esta apresentação tem por objetivo passar a visão técnica da FINEP quando da avaliação dos projetos submetidos para financiamento na

Leia mais

OS EFEITOS DOS CUSTOS NA INDÚSTRIA

OS EFEITOS DOS CUSTOS NA INDÚSTRIA 3 OS EFEITOS DOS CUSTOS NA INDÚSTRIA O Sr. Silva é proprietário de uma pequena indústria que atua no setor de confecções de roupas femininas. Já há algum tempo, o Sr. Silva vem observando a tendência de

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Resumo Demonstrações contábeis são informações e dados que as empresas oferecem ao fim de cada exercício, com a finalidade de mostrar aos acionistas, ao governo e todos os interessados,

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

Integração entre PCP e Gestão de Custos: Curvas de Agregação de Recursos

Integração entre PCP e Gestão de Custos: Curvas de Agregação de Recursos Integração entre PCP e Gestão de Custos: Curvas de Agregação de Recursos Carlos T. Formoso Apresentação Técnica de planejamento e controle de obras: Reúne dados de orçamento e planejamento Utiliza dados

Leia mais

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos 11. Gerenciamento de riscos do projeto PMBOK 2000 PMBOK 2004 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos

Leia mais

PROJETO DE ORGANISMO INTERNACIONAL EDITAL Nº 1/2008 (BRA/03/032)

PROJETO DE ORGANISMO INTERNACIONAL EDITAL Nº 1/2008 (BRA/03/032) PROJETO DE ORGANISMO INTERNACIONAL EDITAL Nº 1/2008 (BRA/03/032) SELECIONA PROFISSIONAL, COM O SEGUINTE PERFIL: CONSULTOR (Consultor por Produto - Serviços Não Continuados) Consultor Especialista em Projetos

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO O Scotiabank Brasil (SBB), em atendimento à Resolução CMN 3.464 e alinhado a política global do grupo, implementou estrutura de Gerenciamento

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 1. Introdução Em 31 de dezembro de 2014 a SANEAGO operava os sistemas de abastecimento de água e coleta e/ou tratamento de esgoto de 225 dos 246 municípios do Estado de Goiás,

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais