XXIII ENANGRAD. Administração Pública (ADP)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "XXIII ENANGRAD. Administração Pública (ADP)"

Transcrição

1 XXIII ENANGRAD Administração Pública (ADP) DESCENTRALIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ESTADUAL DE SANTA CATARINA: ESTUDO DO CASO DA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL DE MARAVILHA Fabiano Lazarotto Rambo Oscar José Rover Bento Gonçalves, 2012

2 Área temática: ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA - ADP Título: DESCENTRALIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ESTADUAL DE SANTA CATARINA: ESTUDO DO CASO DA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL DE MARAVILHA

3 DESCENTRALIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ESTADUAL DE SANTA CATARINA: ESTUDO DO CASO DA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL DE MARAVILHA Resumo A presente pesquisa consistiu na análise da participação dos membros da sociedade civil no Conselho de Desenvolvimento Regional (CDR) e da percepção da descentralização por parte dos gestores municipais pertencentes uma Secretaria de Desenvolvimento Regional do Estado de Santa Catarina. A abordagem foi qualitativa e a coleta de dados se deu por meio de participação em reuniões do CDR, entrevistas semiestruturadas com prefeitos e integrantes da sociedade civil, membros do CDR, além da leitura das atas das reuniões. Concluiu-se que na esfera do conselho não há uma discussão estratégica dos rumos do desenvolvimento regional, que as discussões giram em torno de demandas avulsas dos municípios, e assim pouco expressam o interesse regional e da coletividade. Além disto, a participação dos membros da sociedade civil se dá de forma tímida, seja na elaboração dos pleitos a serem encaminhados, seja no acesso a recursos para viabilizar seus projetos para o desenvolvimento regional. No CDR se institui um perfil de governança civil, que se distancia do interesse público regional, por satisfazer interesses restritos, de forma avulsa. Palavras-Chaves Desenvolvimento regional; descentralização; conselhos gestores; governança. DECENTRALIZATION AND PARTICIPATION IN THE PUBLIC STATE ADMINISTRATION OF SANTA CATARINA: THE CASE STUDY OF THE REGIONAL DEVELOPMENT BUREAU OF MARAVILHA (BRAZIL). Abstract The present research consisted in the analysis of the participation of civil society members in the Regional Development Council (CDR) and of the perception of decentralization by municipal managers that work in the Regional Development Bureau of Santa Catarina State. The approach was qualitative and data was collected in CDR meetings, in semi-structured interviews with mayors, members of civil society and CDR members and in the minutes of meetings. It was concluded that there is not a strategic discussion, in the sphere of the Council, about regional development directions, discussions are about loose demands of municipalities, thus expressing few regional and collective interests. Moreover, participation of civil society members, in order to formulate petitions or to access resources to be allocated in regional development projects is shy. It is established, in CDR, a civil governance profile that distances itself from the regional public interest, in order to satisfy narrow and loose interests. Key-words: regional development; decentralization; management councils; governance.

4 Introdução As Secretarias de Desenvolvimento Regional (SDR) são frutos da descentralização implantada em Santa Catarina, em 2003, quando da primeira gestão de Luis Henrique da Silveira (PMDB). Em princípio, foram criadas 29 instituições, depois este número passou para 30 (2005) e, em 2007, para 36. A descentralização e a desconcentração são princípios constitucionais, observados na Carta Magna de 1988 que, dentre outras inovações, trouxe e permitiu a ampliação da participação da sociedade na elaboração, implantação e controle das políticas públicas. Rover (2007) defende a descentralização como uma ferramenta para proporcionar um novo pensar sobre governança, entendida por ele como a gestão política do desenvolvimento. Como suporte para este modelo, defende a ampliação democrática da participação com intuito de superar as [...] práticas tradicionais que permeiam a relação entre os diferentes níveis do Estado e entre ele e a sociedade (ROVER, 2007, p.105). O processo de descentralização em Santa Catarina a veio ao encontro da necessidade de ampliar a discussão sobre os projetos regionais, para os quais os municípios isoladamente se mostraram pouco eficientes, com objetivo de ser [...] uma oportunidade para cada um destes territórios organizarem sua inserção e diferenciação nos processos de desenvolvimento estadual e nacional (ROVER, MUSSOI, 2010, p.139). Na visão política, conforme observado na Cartilha Bons conselhos para o desenvolvimento, distribuída pelo Governo do Estado em 2003, a descentralização buscaria aproximar as pessoas do governo. Se antes a sociedade local estava distante das ações do governo, com a descentralização é o próprio governo que está aprendendo a se relacionar com as regiões através dos Conselhos de Desenvolvimento Regional e das Secretarias Regionais (Santa Catarina, 2003, p.4). Este cenário no qual são instituídas as SDRs tem os seguintes princípios orientadores: a descentralização, o poder do território, o desenvolvimento regional, o novo papel do Estado, a gestão inovadora, a institucionalização das secretarias regionais, o papel estratégico dos conselhos regionais, o poder dos conselheiros, constituição de projetos e parcerias entre governos e sociedade, além do planejamento participativo (Santa Catarina, 2003). Estes princípios se enquadram no ideal de uma Governança cívica (ROVER, 2007) e, parte deles, é analisada quanto à sua real efetivação nas práticas do Conselho de Desenvolvimento Regional (CDR), instituído como o espaço público de gestão das SDR em Santa Catarina. Em virtude da importância e abrangência do tema, o processo de descentralização catarinense é alvo de inúmeras pesquisas na academia, dentre as quais podem se destacar ROVER e MUSSOI, 2010; DALABRIDA, 2010; FILIPPIN e ABRUCIO, 2010; e, BIRKNER, TOMIO e BAZANELLA, 2010, todos os quais investigam aspectos relacionados à descentralização, governança e participação. A presente pesquisa tem o objetivo de somar informações acerca do tema descentralização, com foco no caso da 2ª Secretaria de Desenvolvimento Regional de Maravilha, que desde 2011 integra 14 municípios. O objetivo do estudo foi analisar a participação dos membros da sociedade civil no Conselho de Desenvolvimento Regional e a descentralização pela ótica de gestores municipais pertencentes a esta SDR, verificando quanto se amplia a democracia na gestão local do desenvolvimento, através da criação das SDR e dos CDR. Revisão bibliográfica Este artigo parte de uma distinção entre duas formas de cidadania para discutir a distinção entre duas formas de governança: uma de caráter civil e outra de caráter cívico. O ponto de partida teórico é a perspectiva apresentada por Reis (2004), que diferencia cidadania civil e cívica 1, relacionando a primeira a uma autonomia privada e a segunda a uma autonomia pública. A partir de Habermas (1975) e Pizzorno (1966), o autor diferencia autonomia privada, como auto-afirmação, a qual liga a uma cidadania civil, que relaciona com o egoísmo e o privatismo, de uma autonomia política ou pública, como auto-controle, que liga a uma cidadania cívica, onde prevaleceriam as idéias 1 O autor remete a Kelly (1979) uma análise original da distinção entre cidadania civil e cívica.

5 de solidariedade e deveres do cidadão. Numa análise a partir de referenciais da sociologia/ciência política, o autor afirma que a primeira está vinculada à perspectiva liberal, enquanto a segunda à perspectiva republicana de democracia. Ele pondera que foi Kelly (1979) quem transpôs os sentidos dados às idéias de autonomia privada e pública à distinção entre as dimensões civil e cívica de cidadania (REIS, 2004). Pode-se afirmar que, para o exercício de ambas as formas de cidadania civil e cívica se colocam como necessidade a existência de atores sociais autônomos, capazes, com um grau qualificado de poder para defender e participar da ação política no Estado ou fora dele em defesa de seus interesses. No entanto, estes atores sociais poderão atuar mais em defesa de seus interesses privados e assim expressar sua cidadania civil, ou mais em defesa do interesse público entendido como distribuição universalista e inclusiva dos bens da sociedade expressando assim sua cidadania cívica. Para um adequado exercício da cidadania cívica há necessidade de instituições públicas, que para além da realização de objetivos e interesses privados, defendam e criem condições deliberativas para realização do interesse público. O Estado moderno é o principal ente instituído pela sociedade para salvaguardar o interesse público, mesmo que muitas vezes seja atravessado e subjugado por uma gama de interesses privados. Assim, sua gestão do desenvolvimento pode assumir uma perspectiva mais civil ou mais cívica, conforme sua capacidade, maior ou menor, de defesa e satisfação do interesse público. Até décadas recentes, a gestão do desenvolvimento era hegemonicamente marcada por sua abrangência centralizada. Nas últimas décadas, ocorreram vários processos de descentralização e desconcentração do Estado, os quais ampliaram a diversidade de escalas de gestão do desenvolvimento e, além disto, ampliaram a noção de gestão pública de uma visão restrita de governo para outra mais ampliada de governança (BOBBIO, 2005). A governança das políticas públicas ocorre a partir da abertura de espaços públicos pelo Estado, nos quais a sociedade civil e atores de mercado ganham assento, conjuntamente aos governos, em fóruns ampliados de gestão política. A partir da década de 1990, tem sido crescente a abertura de espaços descentralizados de governança pública, o que pode ser entendida como a gestão integrada do desenvolvimento de um dado território local, envolvendo atores estatais, econômicos e da sociedade civil. Os conselhos gestores, fóruns de desenvolvimento local ou regional, dentre outros espaços públicos, podem ser entendidos como fóruns de governança local. O Conselho de Desenvolvimento Regional (CDR) aqui analisado se enquadra nesta condição. Ligando as noções de cidadania e de governança propostas, pode-se afirmar que é possível transpô-las para dois perfis de governança: uma civil e outra cívica 2. Numa governança civil os atores sociais mais capazes têm espaço para sua auto-afirmação e disputam posições de poder sem haver uma institucionalidade pública que expresse um viés universalista frente aos conflitos de interesse. Este viés universalista frente aos conflitos de interesse se expressaria através de normas e procedimentos constituídos para privilegiar a distribuição universalista e inclusiva de bens da sociedade o interesse público. Nos casos de uma governança civil o indivíduo (pessoa ou organização privada) se coloca como anterior ao coletivo (público), tendo a autonomia privada precedência sobre a autonomia pública. A precedência da autonomia pública ocorreria se na dinâmica de tomada de decisão do fórum de governança houvesse normas e procedimentos previamente estabelecidos, que garantissem um mínimo de horizontalidade de representação de interesses, bem como a seleção de programas, projetos e destinação de recursos com critérios previamente definidos no espaço público. Assim, uma governança de perfil cívico implicaria em [ ] restringir o papel da competência e ampliar o espaço da interação estratégica aberta entre os interesses (REIS, 2004, p. 75), sendo chave que o jogo estratégico de interesses assuma caráter institucional, criando condições favoráveis a processos de deliberação coletiva. Tal processo será mais cívico quanto mais, além de institucionalizado não trabalhar com cidadãos isolados, privatizados e despolitizados, mas promover sua interação estratégica baseada em normas e regras de conhecimento público. Sem isto, pode-se produzir o que Chauí (1990) denominou de ilusão da participação, onde cidadãos isolados, privatizados e despolitizados imaginam que a expressão pública de suas angústias, medos e desejos, os converteriam em sujeitos políticos ativos (CHAUÍ, 1990). 2 Um primeiro e mais aprofundado exercício de organização e análise das categorias governança civil e governança cívica está disponível em Rover (2007).

6 Metodologia A presente pesquisa é caracterizada por um estudo de caso, o qual visa [...] contribuir com o conhecimento que temos dos fenômenos individuais, sociais, políticos e de grupo, além de outros fenômenos (YIN, 2005, p.20). Este estudo foi realizado no período de 30 de março a 26 de abril de 2012, com foco no Conselho de Desenvolvimento Regional (CDR) da Secretaria de Desenvolvimento Regional de Maravilha, a qual é composta por 14 municípios: Bom Jesus do Oeste, Flor do Sertão, Iraceminha, Maravilha, Modelo, Pinhalzinho, Romelândia, Saltinho, São Miguel da Boa Vista, Santa Terezinha do Progresso, Saudades, Serra Alta, Sul Brasil e Tigrinhos. A pesquisa desenvolveu-se em duas etapas. A primeira consistiu na observação participante em dois encontros do Conselho de Desenvolvimento Regional com objetivo de conhecer o rito da reunião e os assuntos colocados em pauta. Na segunda etapa foram realizadas entrevistas semiestruturadas, compostas por perguntas abertas, com seis prefeitos e seis representantes da sociedade civil, onde se buscou analisar o processo de descentralização e a forma de participação na tomada de decisões. Os entrevistados foram escolhidos de forma aleatória. A abordagem utilizada para este estudo foi qualitativa, consistindo de uma análise exploratória e descritiva, as quais visam observar particularidades de uma população ou fenômeno, estabelecendo relações entre as variáveis (GIL, 1991). Resultados e discussões a) Contexto da pesquisa A Secretaria de Desenvolvimento Regional (SDR) de Maravilha foi instituída pela Lei Complementar 243, de 2003, onde são discriminados os territórios das SDRs e seus respectivos municípios de abrangência. Em princípio eram 12 municípios, sendo que em 2011 passaram a ser 14 municípios na SDR (figura 01), com a adesão de Serra Alta e Sul Brasil, até então pertencentes à SDR Chapecó. A justificativa seria a proximidade geográfica entre as cidades, já que Maravilha está a cerca de 40 km de distância de Serra Alta e 45 km de Sul Brasil. A distância até Chapecó é superior há 70 km para ambos os municípios. Sob o aspecto geográfico, a SDR Maravilha detém 1.725,54 km², correspondendo 1,8% do território catarinense, que tem área de ,1 km². O maior município é Romelância, com 273,3km² e o menor é Tigrinhos (58 km). Nestes 14 municípios residem habitantes (IBGE, 2010), o que corresponde a 1,32% da população catarinense. Dentre estes, Maravilha detém o maior número de população ( habitantes). Já o menor é Flor do Sertão, com apenas moradores.

7 Figura 01: SDR nº 2, da microrregião de Maravilha, com indicação da sua localização no mapa das SDRs de Santa Catarina. Em termos econômicos, o produto interno bruto (PIB) destes municípios soma R$ (IBGE, 2010). O maior PIB está em Maravilha com R$ mil e o menor em Flor do Sertão (R$ mil). Além da discrepante soma de valores produzidos, a região tem alta desigualdade quando considerada a renda per capita. Pinhalzinho, com habitantes, tem uma renda per capita anual de R$ ,61, um valor enorme quando comparado à São Miguel da Boa Vista, onde a divisão do Produto Interno Bruto por habitante é de R$ 9.872,15 (IBGE, 2010). Quando analisada a composição do PIB dos municípios abrangidos, observa-se uma predominância do setor de serviços como elemento de maior soma na composição das riquezas (SANTA CATARINA, 2009), representando um grau diferente de evolução econômica entre estes. O PIB é um importante indicador econômico, mas não para avaliação da qualidade de vida de uma população, pois leva em conta somente as riquezas produzidas numa região, num determinado período de tempo. Um dos indicadores mais utilizados para medir ou quantificar a qualidade de vida da população é o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), composto essencialmente por três indicadores: renda per capita, anos de estudo e longevidade da população. Na SDR Maravilha, o IDH é classificado como médio, pois varia entre 0,64 (em São Miguel da Boa Vista) e 0,73 (em Serra Alta) - (FIRJAN, 2009).

8 b) Análise do caso estudado: limites na construção de estratégias de desenvolvimento regional e em ampliar a participação social A partir da participação em reuniões do Conselho de Desenvolvimento Regional observou-se que muito pouco dos temas levantados para aprovação do plenário tem como alvo uma preocupação com o desenvolvimento regional, compreendido por projetos estruturantes, elaborados de forma coletiva, os quais visariam integrar programas ou promover melhorias socioeconômicas da região abrangida. Percebeu-se uma organização das demandas de forma pontual onde, no varejo, cada município apresenta pedidos para recebimento de recursos do Governo do Estado. Em tese, este governo afirma que os recursos aprovados para cada SDR, obrigatoriamente, deveriam passar pelo crivo do CDR, composto pelos prefeitos, presidentes das Câmaras de Vereadores e dois membros da sociedade civil de cada município. Em ambas as reuniões onde se efetivou a observação participante para esta pesquisa, nenhum dos projetos apresentados foi rejeitado. Nestas duas reuniões, somente os municípios de Maravilha, Serra Alta, Modelo, Santa Terezinha do Progresso, Bom Jesus do Oeste, Romelândia, Pinhalzinho e Saltinho encaminharam pedidos. Rapidamente discriminando, os destaques dos projetos aprovados foram para recursos em pavimentação, seja com asfalto ou pedras irregulares (Romelândia, Pinhalzinho e Modelo); construção, ampliação e melhorias em quadras ou clubes esportivos (Maravilha, Romelândia e Pinhalzinho); saneamento (Saltinho e Serra Alta); aquisição de veículos (Maravilha e Serra Alta), equipamentos para hospital (Maravilha); Patrulha mecanizada (Modelo); construção de creche (Santa Terezinha do Progresso); Construção de capela mortuária (Maravilha); e realização de evento (Maravilha). Observa-se que, todos os pedidos acima discriminados constituem-se de demandas avulsas, com forte interesse focado apenas na escala municipal, sem uma efetiva discussão e planejamento de estratégias e ações para o desenvolvimento regional. A partir da análise dos pedidos encaminhados e aprovados faz-se coro aos apontamentos de Rover e Mussoi (2010) que, analisando as SDR que atuam em territórios predominantemente rurais, afirmam haver [...] uma incapacidade de construir coletivamente estratégias de desenvolvimento regional e transcender à condição de espaço de levantamento de demandas avulsas (ROVER, MUSSOI, 2010, p.147). Sobre este aspecto, a metade dos prefeitos entrevistados reconhece esta imperfeição ou desvio de finalidade do Conselho de Desenvolvimento Regional. Em partes ele (CDR) é apenas mais uma das etapas que os municípios precisam cumprir, porque, ainda, a busca / a liberação dos recursos, ela é feita toda, efetuada, através do / direto ao Governo do Estado (sic) (ENTREVISTADO 1). Segundo o Governo do Estado de Santa Catarina, o CDR deveria implicar em compromisso, cooperação e co-responsabilidade entre governos e sociedade, para planejar e decidir, em conjunto, suas prioridades e soluções para as suas necessidades (SANTA CATARINA, 2003, p.3). Neste sentido, pode-se afirmar que o caso do CDR de Maravilha não foge à lógica geral, instituída no conjunto das SDR, na qual pouco acontece de planejamento estratégico visando o desenvolvimento regional. O mesmo entrevistado (ENTREVISTADO 1) justifica, a respeito da construção de projetos regionais que eles pouco são discutidos porque cada município está priorizando um pouco as ações municipais. São muito poucos os assuntos que são discutidos de forma regional. Outro entrevistado (ENTREVISTADO 2) trouxe à tona a discussão sobre apadrinhamento de obras ou ações a fim de agilizar a liberação dos recursos. Conforme ele, muito (sic) dos pleitos, antes de serem encaminhados ao Comitê Temático (CT) 3 e conselho deveriam ser negociados com parlamentares ou integrantes do governo de Florianópolis para serem atendidos. Esta possibilidade de apadrinhamento foi observada na prática numa das reuniões do CDR, em Serra Alta, a qual a pesquisa acompanhou. O município de Pinhalzinho, nesta data, apresentou um pedido de R$ 300 mil para pavimentação com pedras irregulares sem passar pelo CT, o que vem contra o rito estabelecido pelo modelo de descentralização do Governo do Estado. A defesa do interlocutor para sensibilizar os demais membros do Conselho foi de que o recurso estava garantido em Florianópolis e, caso não fosse aprovado naquele dia, não seria liberado antes do período eleitoral, no qual os governos nas três esferas teriam limitações. 3 Os CT se referem espaços técnicos criados para analisar previamente as demandas apresentadas junto aos CDR, especialmente para verificarem a sua viabilidade técnica e econômica.

9 O presidente da reunião, diante do quadro, alertou os membros do conselho sobre a quebra processual e disse que há regras a serem seguidas: então vamos pedir essa conscientização até para valorizar o comitê. Porque senão daqui a pouco não tem mais nem três participando (sic) do comitê. Apesar do apelo, os membros do conselho aprovaram a liberação de recursos para Pinhalzinho, porém com ponderações dos técnicos da SDR, já que no dia anterior havia reunião do CT que contou com inexpressiva participação de seus respectivos membros. Em plenário, um gerente-regional, coordenador de comitê (CT), ressaltou a importância da análise dos pleitos na esfera decisória precedente ao CDR e comentou que os representantes dos municípios somente participam das reuniões do CT quando há pleitos de interesse local. Em relação aos outros três prefeitos entrevistados, todos elogiaram a descentralização e a forma de atuação do Governo do Estado ao propor a atitude inovadora na gestão pública. Compreende-se, nesta pesquisa, que tal discurso é utilizado devido à ligação político partidária destes três entrevistados, onde dois são do PMDB e um é do PSDB, ambas agremiações componentes da atual estrutura administrativa do governo do estado, sendo a mesma que implantou a descentralização. Segundo o prefeito entrevistado 4, a descentralização propiciou um melhor acompanhamento da execução das obras públicas, principalmente, por inserir um engenheiro nos quadros de cada SDR ser. Os técnicos tem uma facilidade maior de entender o que a gente está falando, porque existem as diferenças de uma obra no litoral, uma obra no oeste e uma obra no sul. E, quando você está próximo de um técnico que conhece a realidade da região, o solo, o tipo de obra, fica bem mais fácil trabalhar, liberar o recurso e executar a obra. (ENTREVISTADO 4) Observa-se, mesmo na fala do prefeito aqui citado, que traça elogios à descentralização, que os mesmos se referem mais ao caráter operacional da administração das obras, passando pela ação dos engenheiros, elaboração técnica dos projetos, etc, do que pelo seu caráter democrático e de qualificação do processo político de tomada de decisões e seleção de prioridades para o desenvolvimento regional. Outro tema que esta pesquisa procurou verificar foi a participação da sociedade nos processos de tomada de decisões do CDR. Esta participação é apontada como central na Lei da descentralização, afirmando que [...] cada conselheiro, portanto, deve valorizar ao máximo sua representatividade; expor e defender suas ideias, valores e interesses dos grupos ou municípios que representam (SANTA CATARINA, 2003, p.26). Na observação das reuniões e nas entrevistas observaram-se visões distintas sobre a participação. Dos seis conselheiros entrevistados, cinco disseram ser ouvidos e atores no processo decisório, durante as reuniões do conselho. Porém, durante as reuniões acompanhadas, a maior parte dos membros da sociedade civil permaneceu calada, somente avalizando a argumentação de alguns prefeitos em suas manifestações. Vale dizer que, pela regra da descentralização do Estado de Santa Catarina, os membros da sociedade civil que participam do CDR são indicados pelo prefeito de cada município. Um único conselheiro entrevistado, o qual faz parte da sociedade civil, questionou o modelo decisório, expondo uma fragilidade pontual: Não se tem realmente, vamos dizer, um poder de voto grande, que a maioria já é (sic), já chega praticamente todo o pedido ou a situação que é colocada lá e discutida, já chega praticamente com uma decisão praticamente completa. Então simplesmente é muito difícil você ter uma ideia diferente e ela ser (sic), ter alguma interferência (ENTREVISTADO/SOCIEDADE CIVIL 1) Este mesmo membro da sociedade civil entrevistado afirma que, na dinâmica de análise e aprovação dos projetos que vão ao CDR ficam sabendo na hora quais os projetos que serão colocados para aprovação. Constata-se ainda, no caso estudado, que a participação dos membros da sociedade civil se dá de forma tímida, principalmente quando da elaboração dos pleitos a serem encaminhados para apreciação do CDR. Isto revela um mecanismo de ilusão da participação, o qual contribui para despolitizar o processo deliberativo, visto que, como afirmou Chauí (1990), a despolitização só é eficaz se produzir o sentimento da participação, mesmo que ilusória.

10 Conclusão A descentralização é um avanço constitucional e Santa Catarina tem seu mérito pelo pioneirismo, mesmo com implantação de forma tardia, quando comparada ao período inicial de vigor da Carta Magna atual, em Porém, o simples fato de Fóruns de Governança política existirem institucionalmente, não é condição suficiente para a garantia da democratização da gestão pública. Verificou-se, através deste estudo de caso, que há uma participação social ampliada através da criação dos CDR, a qual, no entanto, é refém de decisões previamente tomadas em Florianópolis (onde se situa a capital do Estado de Santa Catarina), e não valoriza ritos básicos de repassar antecipadamente pauta e processos para análise dos participantes. Desta forma, os CDR legitimam, sob o véu da ampliação da participação e da democracia, a reedição de práticas centralizadoras, mantidas por interesses setoriais e clientelistas. Neste sentido, o perfil da governança que exercem é claramente de caráter civil, menos focado na interação estratégica dos atores sociais para produção do interesse público da sua região e, mais focada na satisfação de interesses localizados e restrito a algum local ou ator social. Referências BIRKNER, Walter Marcos Knaesel; TOMIO Fabrício Ricardo de Limas; BAZANELLA, Sandro Luiz. A descentralização em Santa Catarina. In: Revista de Administração Municipal. v.1, n.275 Rio de Janeiro/RJ, BOBBIO, Luigi. Governance multilivello e democrazia. Rivista delle Politiche Sociali, Roma, n. 2, 51-62, CHAUÍ, Marilena de S. Cultura e Democracia: o discurso competente e outras falas. 5. ed. São Paulo: Cortez, DALLABRIDA, Valdir Roque. (Org.). Governança territorial e desenvolvimento: descentralização político-administrativa, estruturas subnacionais de gestão do desenvolvimento e capacidades estatais. 1. ed. Rio de Janeiro: Garamond, v p. Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro FIRJAN. Índice de Desenvolvimento Municipal. Disponível em: FILLIPPIN, Elaine Salete; ABRUCIO, Fernando Luiz. Quando Descentralizar é Concentrar Poder: o Papel do Governo Estadual na Experiência Catarinense. RAC, Curitiba, v. 14, n. 2, art. 2, pp , Mar./Abr GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, IBGE. Síntese Municipal. Disponível em: REIS, Fábio W. Deliberação, interesse e sociedade civil. In: COELHO, Vera S. P.; NOBRE. Marcos (Org.). Participação e deliberação: teoria democrática e experiências institucionais no Brasil contemporâneo. São Paulo: Ed. 34, p ROCHA, Roberto. Gestão descentralizada e participativa das políticas no Brasil: in Revista Pós Ciências Sociais, v. 1 n. 11 São Luis/MA, ROVER, Oscar José. Redes de Poder e Governança Local: análise da gestão políticoadministrativa em três fóruns de desenvolvimento com atuação na região Oeste de Santa Catarina/Brasil. Tese Curso de Pós Graduação em Desenvolvimento Rural, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2007.

11 ROVER; Oscar José; MUSSOI, Eros Marion. A reinvenção da relação Estado- Sociedade através da gestão pública descentralizada: uma análise da descentralização política em Santa Catarina, Brasil. In: DALABRIDA, Valdir Roque (org.). Governança territorial e desenvolvimento. Rio de Janeiro: Garamond, 2011, p SANTA CATARINA. Bons conselhos para o desenvolvimento regional. Cartilha, 2003; SANTA CATARINA. Guia dos Conselheiros. Cartilha, 2003; SANTA CATARINA. SPG, Secretaria de Estado do Planejamento. YIN, Robert k. Estudo de Caso: planejamento e métodos. Trad. Daniel Grassi. 3ª ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada 1 O Projeto Litoral Sustentável 1ª Fase (2011/2012): Diagnósticos municipais (13 municípios) Diagnóstico regional (Já integralmente

Leia mais

O passo a passo da participação popular Metodologia e diretrizes

O passo a passo da participação popular Metodologia e diretrizes O passo a passo da participação popular Metodologia e diretrizes Com o objetivo de garantir a presença da população na construção e no planejamento de políticas públicas, o Governo de Minas Gerais instituiu

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

Experiências de Orçamento Participativo (OP) no Brasil: democratização da gestão pública e controle social. Por Ana Claudia Teixeira Instituto Pólis

Experiências de Orçamento Participativo (OP) no Brasil: democratização da gestão pública e controle social. Por Ana Claudia Teixeira Instituto Pólis Experiências de Orçamento Participativo (OP) no Brasil: democratização da gestão pública e controle social Por Ana Claudia Teixeira Instituto Pólis O que é? Um mecanismo (ou processo) pelo qual a população

Leia mais

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 A Constituição de 1988 criou a possibilidade de que os cidadãos possam intervir na gestão pública. Pela via do controle social, influenciam

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES Barbara Christine Nentwig Silva Professora do Programa de Pós Graduação em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social /

Leia mais

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Características da Federação Brasileira Federação Desigual Federação

Leia mais

Carta de Joinville 1) Sobre o Financiamento

Carta de Joinville 1) Sobre o Financiamento Carta de Joinville Os Secretários e Secretárias Municipais de Saúde, reunidos no XXIII Congresso Nacional das Secretarias Municipais de Saúde e IV Congresso Brasileiro de Saúde, Cultura de Paz e Não-Violência,

Leia mais

Política Nacional de Participação Social

Política Nacional de Participação Social Política Nacional de Participação Social Apresentação Esta cartilha é uma iniciativa da Secretaria-Geral da Presidência da República para difundir os conceitos e diretrizes da participação social estabelecidos

Leia mais

III SEMINÁRIO POLÍTICAS SOCIAIS E CIDADANIA

III SEMINÁRIO POLÍTICAS SOCIAIS E CIDADANIA III SEMINÁRIO POLÍTICAS SOCIAIS E CIDADANIA AUTORES DO TRABALHO: Verônica Teixeira Marques; Rosane Bezerra do Nascimento; Samyle Regina Matos Oliveira Os Conselhos Municipais de Educação como instrumentos

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

Programa Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Territórios Rurais PRONAT. Gestão Social e Desenvolvimento Territorial

Programa Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Territórios Rurais PRONAT. Gestão Social e Desenvolvimento Territorial Programa Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Territórios Rurais PRONAT Gestão Social e Desenvolvimento Territorial Antecedentes Questões relevantes (últimas décadas) Esgotamento do modelo de desenvolvimento

Leia mais

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Institui a Política Nacional de Participação Social - PNPS e o Sistema Nacional de Participação

Leia mais

A UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO E O SIGNIFICADO SOCIAL DA POLÍTICA PÚBLICA DE EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NA BAIXADA FLUMINENSE

A UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO E O SIGNIFICADO SOCIAL DA POLÍTICA PÚBLICA DE EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NA BAIXADA FLUMINENSE A UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO E O SIGNIFICADO SOCIAL DA POLÍTICA PÚBLICA DE EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NA BAIXADA FLUMINENSE INTRODUÇÃO Renan Arjona de Souza (1); Nádia Maria Pereira

Leia mais

V - Modelo de Gestão, Planejamento e Acompanhamento

V - Modelo de Gestão, Planejamento e Acompanhamento 24 V - Modelo de Gestão, Planejamento e Acompanhamento Orçamento Participativo e demais fóruns de planejamento e gestão O Planejamento e a Gestão do município do Recife estão hoje apoiados por um sistema

Leia mais

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA Vera Alice Cardoso SILVA 1 A origem: motivações e fatores indutores O Curso de Gestão Pública

Leia mais

DESENVOLVIMENTO REGIONAL E A INDÚSTRIA

DESENVOLVIMENTO REGIONAL E A INDÚSTRIA DESENVOLVIMENTO REGIONAL E A INDÚSTRIA Regionalismo e Cooperação Intermunicipal o caso do Grande ABC Paulista Fausto Cestari Filho Características do Grande ABC Primeiro povoado brasileiro fora do litoral

Leia mais

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Apresenta à sociedade brasileira um conjunto de estratégias e ações capazes de contribuir para a afirmação de um novo papel para o rural na estratégia

Leia mais

FÓRUM REGIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO ALTO VALE DO ITAJAÍ RIO DO SUL SC 2015 CARTA DE PRINCÍPIOS

FÓRUM REGIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO ALTO VALE DO ITAJAÍ RIO DO SUL SC 2015 CARTA DE PRINCÍPIOS FÓRUM REGIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO ALTO VALE DO ITAJAÍ RIO DO SUL SC 2015 CARTA DE PRINCÍPIOS 1. Natureza e Finalidade O Fórum Regional de Educação Infantil do Alto Vale do Itajaí - FREIAVI é um espaço

Leia mais

SISTEMA DE PARTICIPAÇÃO POPULAR E CIDADÃ

SISTEMA DE PARTICIPAÇÃO POPULAR E CIDADÃ SISTEMA DE PARTICIPAÇÃO POPULAR E CIDADÃ 1 1. Participação regular dos cidadãos no processo de definição das políticas públicas e definição das diretrizes para o desenvolvimento. 2. Deslocamento das prioridades

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

DECLARAÇÃO DE BRASÍLIA

DECLARAÇÃO DE BRASÍLIA DECLARAÇÃO DE BRASÍLIA Os Governadores e Governadoras, Intendentas e Intendentes, Prefeitas e Prefeitos do MERCOSUL reunidos no dia 16 de julho de 2015, na cidade de Brasília DF, por meio do Foro Consultivo

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA

PROJETO DE REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA PROJETO DE REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares que lhes são atribuídos pelo artigo 241.º, da Lei Constitucional, devem os municípios

Leia mais

SISTEMA ESTADUAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - SEHIS

SISTEMA ESTADUAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - SEHIS SISTEMA ESTADUAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - SEHIS A Lei Estadual 8.320 de 03/09/2007, instituiu o Sistema Estadual de Habitação de Interesse Social SEHIS, o Conselho Estadual de Habitação de Interesse

Leia mais

MÁRCIO FLORENTINO PEREIRA DEMOCRACIA, PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL EM SAÚDE

MÁRCIO FLORENTINO PEREIRA DEMOCRACIA, PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL EM SAÚDE MÁRCIO FLORENTINO PEREIRA DEMOCRACIA, PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL EM SAÚDE BRASÍLIA 2013 1 1. CAPITALISMO E A BAIXA INTENSIDADE DEMOCRÁTICA: Igualdade apenas Jurídica e Formal (DUSSEL, 2007), Forma

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero. Andrea Butto

Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero. Andrea Butto Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero Andrea Butto Ministério do Desenvolvimento Agrário Temas abordados Estados assumiram compromissos que

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015

DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 Secretaria Geral Parlamentar Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 Confere nova regulamentação ao Conselho Municipal de Segurança

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE APRESENTADO PARA SER DISCUTIDO E APROVADO na reunião do Conselho CAPÍTULO

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

III CONGRESSO DE DIREITO URBANÍSTICO email: aramalho@hotlink.com.br Grupo 03 - Gestão Urbana - Democratização, integração de agendas e parcerias.

III CONGRESSO DE DIREITO URBANÍSTICO email: aramalho@hotlink.com.br Grupo 03 - Gestão Urbana - Democratização, integração de agendas e parcerias. III CONGRESSO DE DIREITO URBANÍSTICO email: aramalho@hotlink.com.br Grupo 03 - Gestão Urbana - Democratização, integração de agendas e parcerias. A PROBLEMÁTICA DA GESTÃO METROPOLITANA Ana Maria Filgueira

Leia mais

I Conferência Estadual de Desenvolvimento Regional

I Conferência Estadual de Desenvolvimento Regional I Conferência Estadual de Desenvolvimento Regional Setembro 2012 AS PESSOAS EM PRIMEIRO LUGAR BRASIL 4ª maior economia Alto grau de desigualdade Disparidade na Educação, Saúde e Renda Má divisão das riquezas

Leia mais

Fortalecer a Sociedade e Promover o Desenvolvimento SECRETARIA DO PLANEJAMENTO -SPG

Fortalecer a Sociedade e Promover o Desenvolvimento SECRETARIA DO PLANEJAMENTO -SPG MODELO DE GESTÃO PÚBLICA PARTICIPATIVA DESCENTRALIZAÇÃO AÇÃO E REGIONALIZAÇÃO AÇÃO Fortalecer a Sociedade e Promover o Desenvolvimento Santa Catarina em dados Superfície: 95.346,2 km2 População....5.774.178

Leia mais

Princípios ref. texto nº de votos N

Princípios ref. texto nº de votos N Princípios N G A E Estimular os processos de articulação de políticas públicas nos territórios, garantindo canais de diálogo entre os entes federativos, suas instituições e a sociedade civil. Desenvolvimento

Leia mais

PLANO ESTADUAL DA CULTURA Relatório Fórum Regional

PLANO ESTADUAL DA CULTURA Relatório Fórum Regional PLANO ESTADUAL DA CULTURA Relatório Fórum Regional Cidade Sede: CHAPECÓ 1. Data: 06 e 07 de Agosto de 2012 2. Local: UCEFF Faculdades 3. Endereço: Rua Lauro Muller, 767 E, Bairro: Santa Maria Chapecó/SC.

Leia mais

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social PAPER DA CARTILHA DO FÓRUM INTERSETORIAL DE CONSELHOS DE POLÍTICAS PÚBLICAS NO MUNICÍPIO

Leia mais

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Art. 1 - A Política Estadual

Leia mais

Governança social integrada e desenvolvimento local: o plano de desenvolvimento sustentável da Costa das Baleias - Bahia

Governança social integrada e desenvolvimento local: o plano de desenvolvimento sustentável da Costa das Baleias - Bahia Governança social integrada e desenvolvimento local: o plano de desenvolvimento sustentável da Costa das Baleias - Bahia 25/06/ 2013 1 Contexto Região, situada ao Extremo Sul da Bahia, necessita de um

Leia mais

Comunicação e informação: desafios para a participação social no SUS

Comunicação e informação: desafios para a participação social no SUS Comunicação e informação: desafios para a participação social no SUS Valdir de Castro Oliveira PPGICS/FIOCRUZ Rio de janeiro, 29 de setembro de 2015 O Sistema Único de Saúde pressupõe - Inclusão e participação

Leia mais

REDES PÚBLICAS DE ENSINO

REDES PÚBLICAS DE ENSINO REDES PÚBLICAS DE ENSINO Na atualidade, a expressão redes públicas de ensino é polêmica, pois o termo público, que as qualifica, teve suas fronteiras diluídas. Por sua vez, o termo redes remete à apreensão

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE PSICOLOGIA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE PSICOLOGIA São Paulo, 27 de Fevereiro de 2008. À CORI A Faculdade de Psicologia realizou, nas duas últimas semanas, um conjunto de reuniões, envolvendo professores e alunos, a fim de debater as propostas de Redesenho

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE CURITIBA: COMPROMISSOS E RESPONSABILIDADES

CONSELHO MUNICIPAL DE CURITIBA: COMPROMISSOS E RESPONSABILIDADES CONSELHO MUNICIPAL DE CURITIBA: COMPROMISSOS E RESPONSABILIDADES CANTO, Everly Romilde Marques CME evcanto@sme.curitiba.pr.gov.br SANTOS, Josiane Gonçalves CME josianesantos@sme.curitiba.pr.gov.br Eixo

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CNAS

CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CNAS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Esplanada dos Ministérios, Bloco F, Anexo, Ala A, 1º andar CEP: 70059-900 Brasília, DF Telefones: (61) 3433-2430 ou 3433-2447 e-mail: cnas@mds.gov.br

Leia mais

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Educação à distância; Informática; Metodologia.

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Educação à distância; Informática; Metodologia. 1 O PAPEL DA INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA: Um Estudo de Caso no pólo UNOPAR, Machadinho do Oeste - RO Izaqueu Chaves de Oliveira 1 RESUMO O presente artigo tem por objetivo compreender a importância

Leia mais

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República Participação Social como Método de Governo Secretaria-Geral da Presidência da República ... é importante lembrar que o destino de um país não se resume à ação de seu governo. Ele é o resultado do trabalho

Leia mais

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO 96/97 EM SAMAMBAIA/DF

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO 96/97 EM SAMAMBAIA/DF Orçamento Participativo 96/97 em Samambaia - II Encontro da Eco-Eco, São Paulo 06 a 08/11/97. Luiz Amore* e Jacques de Oliveira Pena** ORÇAMENTO PARTICIPATIVO 96/97 EM SAMAMBAIA/DF INTRODUÇÃO Um aspecto

Leia mais

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA Em 22 e 23 de outubro de 2015, organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano SEDU, por meio da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba COMEC,

Leia mais

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI Secretaria de Articulação Institucional SAI Seminário Metas do Plano e dos Sistemas Municipal, Estadual e Nacional de Cultura Vitória-ES 05/Dez/2011 Secretaria de Articulação Institucional SAI A Construção

Leia mais

Conferência do Desenvolvimento Rio de Janeiro

Conferência do Desenvolvimento Rio de Janeiro Conferência do Desenvolvimento Rio de Janeiro DIÁLOGO FEDERATIVO, GOVERNANÇA E PARTICIPAÇÃO SOCIAL Bernardo Abreu de Medeiros Contribuições: Constantino Mendes, Acir Almeida, Joana Alencar, Ronaldo Garcia,

Leia mais

P.42 Programa de Educação Ambiental

P.42 Programa de Educação Ambiental ANEXO 2.2.3-1 - ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PMRS) DE PARANAÍTA/MT O roteiro apresentado foi elaborado a partir do Manual de Orientação do MMA Ministério do Meio Ambiente

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE LIMPEZA URBANA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE LIMPEZA URBANA 2º Forum Internacional de Resíduos Sólidos julho2009 EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE LIMPEZA URBANA Autores: Letícia de Oliveira Silveira, Licenciado em Ciências Biológicas pela Universidade Luterana

Leia mais

Ficha de candidatura para os representantes docentes do Conselho Municipal de Educação - download aqui ( 98.62KB)

Ficha de candidatura para os representantes docentes do Conselho Municipal de Educação - download aqui ( 98.62KB) Ficha de candidatura para os representantes docentes do Conselho Municipal de Educação - download aqui ( 98.62KB) Candidaturas ao Conselho Municipal de Educação - download aqui ( 864KB) Resultados das

Leia mais

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania Arquivos públicos municipais Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania APRESENTAÇÃO Este documento tem como objetivo principal informar e sensibilizar as autoridades públicas

Leia mais

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação Cartilha para Conselhos Municipais de Educação Sistemas de ensino são o conjunto de campos de competências e atribuições voltadas para o desenvolvimento da educação escolar que se materializam em instituições,

Leia mais

Abordar a questão de como conceber a Assistência Social impõe-se como

Abordar a questão de como conceber a Assistência Social impõe-se como Gláucia Lelis Alves, Neimy Batista da Silva Resumo: este artigo constitui uma reflexão sobre a concepção da política da assistência social, seus limites e avanços como direito, após dez anos de promulgação

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE LEI nº, de de (Projeto de Lei nº 00/04, do Executivo) Institui o Programa Oportunidade Solidária, estabelece princípios fundamentais e objetivos da Política de Fomento à Economia Popular Solidária do Município

Leia mais

RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015.

RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. Caracteriza os usuários, seus direitos e sua participação na Política Pública de Assistência Social e no Sistema Único de Assistência Social, e revoga a

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 01/13 PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE ORIENTAÇÕES GERAIS 2014/2017 Introdução: O planejamento em saúde configura-se como responsabilidade dos entes públicos, assegurada pela Constituição Federal

Leia mais

Doutoranda: Nadir Blatt

Doutoranda: Nadir Blatt Territórios de Identidade no Estado da Bahia: uma análise crítica da regionalização implantada pela estrutura governamental para definição de políticas públicas, a partir da perspectiva do desenvolvimento

Leia mais

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo:

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo: FINANCIAMENTO DO SUAS: GESTÃO MUNICIPAL E AS DESIGUALDADES REGIONAIS Financiamento Foco: competências da gestão municipal, especialmente no enfrentamento das desigualdades regionais exige o debate sobre

Leia mais

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Agnaldo dos Santos Observatório dos Direitos do Cidadão Participação Cidadã (Instituto Pólis) Apresentação O Observatório dos Direitos do Cidadão,

Leia mais

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Novo cenário da mobilidade urbana Plano de Mobilidade Urbana:

Leia mais

PARTICIPAÇÃO SOCIAL NAS POLÍCAS DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL RESUMO

PARTICIPAÇÃO SOCIAL NAS POLÍCAS DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL RESUMO PARTICIPAÇÃO SOCIAL NAS POLÍCAS DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL RESUMO Maria Ozanira da Silva e Silva * O Artigo aborda a Participação no âmbito das Políticas de Segurança Alimentar e Nutricional.

Leia mais

Programa Local de Responsabilidade Social de Ferreira do Alentejo

Programa Local de Responsabilidade Social de Ferreira do Alentejo Regulamento do Programa Local de Responsabilidade Social de Preâmbulo O projeto Ferreira Solidária, financiado pelo Programa dos Contratos Locais de Desenvolvimento Social, prevê, no eixo 1, a implementação

Leia mais

PROPOSTA DE GOVERNO DA COLIGAÇÃO BLUMENAU: QUEM AMA CUIDA.

PROPOSTA DE GOVERNO DA COLIGAÇÃO BLUMENAU: QUEM AMA CUIDA. PROPOSTA DE GOVERNO DA COLIGAÇÃO BLUMENAU: QUEM AMA CUIDA. PARTIDOS COLIGADOS: 1. Partido dos Trabalhadores PT; 2. Partido Progressista PP; 3. Partido Democrático Trabalhista PDT; 4. Partido Comunista

Leia mais

Palavras-chave: Centralização de poder. Gestão democrática. Conselhos Escolares.

Palavras-chave: Centralização de poder. Gestão democrática. Conselhos Escolares. CONSELHOS ESCOLARES: (DES) CENTRALIZAÇÃO DA GESTÃO ESCOLAR? Gabriele Maier 1 Natália Von Ende Cardias 2 Sueli Menezes Pereira 3 Resumo: Com a aprovação da Lei da Gestão Escolar Democrática Municipal de

Leia mais

GESTÃO PÚBLICA E CONTROLE SOCIAL: Um diagnóstico sobre a administração municipal e a sociedade piauiense.

GESTÃO PÚBLICA E CONTROLE SOCIAL: Um diagnóstico sobre a administração municipal e a sociedade piauiense. GESTÃO PÚBLICA E CONTROLE SOCIAL: Um diagnóstico sobre a administração municipal e a sociedade piauiense. Jefferson Ricardo do Amaral Melo 1 RESUMO A participação popular e a ação coletiva na gestão e

Leia mais

Carta de Princípios do Comitê das Agendas 21 Locais na Região do Conleste (ComARC)

Carta de Princípios do Comitê das Agendas 21 Locais na Região do Conleste (ComARC) Carta de Princípios do Comitê das Agendas 21 Locais na Região do Conleste (ComARC) Apresentação Em 2007, a Petrobras criou o Projeto Agenda 21 Comperj, como parte de seu Programa de Relacionamento nos

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL EM INSTITUIÇÕES DO INTERIOR DO ESTADO, FRENTE AS MUDANÇAS NA GESTÃO DESCENTRALIZADAS DAS POLÍTICAS SOCIAIS 1

O SERVIÇO SOCIAL EM INSTITUIÇÕES DO INTERIOR DO ESTADO, FRENTE AS MUDANÇAS NA GESTÃO DESCENTRALIZADAS DAS POLÍTICAS SOCIAIS 1 UFMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS III JORNADA INTERNACIONAL DE POLÍCAS PÚBLICAS QUESTÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO NO SÉCULO XXI 1 O SERVIÇO SOCIAL EM

Leia mais

JUVENTUDE E PARTICIPAÇÃO: ANÁLISE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DIRIGIDAS AOS JOVENS NA CIDADE DE NITERÓI BASTOS, CARRANO, GT:

JUVENTUDE E PARTICIPAÇÃO: ANÁLISE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DIRIGIDAS AOS JOVENS NA CIDADE DE NITERÓI BASTOS, CARRANO, GT: JUVENTUDE E PARTICIPAÇÃO: ANÁLISE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DIRIGIDAS AOS JOVENS NA CIDADE DE NITERÓI BASTOS, Priscila da Cunha UFF CARRANO, Paulo Cesar Rodrigues UFF GT: Movimentos Sociais e Educação

Leia mais

INSTITUIR UM SNE: agenda obrigatória para o país

INSTITUIR UM SNE: agenda obrigatória para o país Encontro FEE e FORPROF INSTITUIR UM SNE: agenda obrigatória para o país Salvador - BA, 25 de setembro de 2015 LDB Fundef Fundeb equalização A EDUCAÇÃO É UM DIREITO 4-17 Lei Maria da Penha e Lei de Inclusão

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO Andrelisa Goulart de Mello Universidade Federal de Santa Maria andrelaizes@gmail.com Ticiane

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br Apresentação preparada para: I Congresso de Captação de Recursos e Sustentabilidade. Promovido

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007

LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007 LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007 (Projeto de lei nº 749/2007, da Deputada Rita Passos - PV) Institui a Política Estadual de Educação Ambiental O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

SOBRE POLÍTICAS AUTÁRQUICAS DE JUVENTUDE

SOBRE POLÍTICAS AUTÁRQUICAS DE JUVENTUDE Rua do Almada, N.º 679 1º - Salas 101 / 2 /3 4050-039 Porto - Portugal T: 222 007 767 / F: 222 007 868 / T: 919 191 106 fnaj@mail.telepac.pt SOBRE POLÍTICAS AUTÁRQUICAS DE JUVENTUDE SOBRE POLÍTICAS AUTÁRQUICAS

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS Seminário Internacional Planejamento Urbano em Região Metropolitana - O caso de Aracaju Aracaju,

Leia mais

OS LIMITES DO DESENVOLVIMENTO LOCAL: ESTUDOS SOBRE PEQUENOS MUNICÍPIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO

OS LIMITES DO DESENVOLVIMENTO LOCAL: ESTUDOS SOBRE PEQUENOS MUNICÍPIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO OS LIMITES DO DESENVOLVIMENTO LOCAL: ESTUDOS SOBRE PEQUENOS MUNICÍPIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO Tayla Nayara Barbosa 1 RESUMO: O presente estudo científico teve como objetivo estudar mais detalhadamente

Leia mais

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica INTRODUÇÃO O Grupo Telefônica, consciente de seu importante papel na construção de sociedades mais justas e igualitárias, possui um Programa de

Leia mais

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais 14º Encontro Nacional do Congemas CRAS como unidade de gestão local do SUAS 14º Encontro Nacional do Congemas

Leia mais

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR 1 Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR A Definição e organização do sistema: 1 O Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial

Leia mais

REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado

REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado Ana Carolyna Muniz Estrela 1 Andreza de Souza Véras 2 Flávia Lustosa Nogueira 3 Jainara Castro da Silva 4 Talita Cabral

Leia mais

Projeto. Amigos da Rede

Projeto. Amigos da Rede PREFEITURA MUNICIPAL DE MAUÁ e Ribeirão Pires Projeto Amigos da Rede Mauá Dez/2009. 1. APRESENTAÇÃO O município de Mauá, que integra a Região metropolitana de São Paulo, realizou sua emancipação a partir

Leia mais

Democracia e Cidadania 1

Democracia e Cidadania 1 Democracia e Cidadania 1 Orlando Alves dos Santos Junior (Fase) * Será que o Brasil é um país democrático? Sob muitos aspectos não resta dúvida que sim, mas sob outros podemos levantar diversas dúvidas.

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1245 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Maria Luiza de Sousa Pinha, José Camilo dos

Leia mais

EFETIVIDADE DA AUDIÊNCIA PÚBLICA COMO MECANISMO DE PARTICIPAÇÃO SOCIAL EM PROJETOS DE MOBILIDADE URBANA

EFETIVIDADE DA AUDIÊNCIA PÚBLICA COMO MECANISMO DE PARTICIPAÇÃO SOCIAL EM PROJETOS DE MOBILIDADE URBANA EFETIVIDADE DA AUDIÊNCIA PÚBLICA COMO MECANISMO DE PARTICIPAÇÃO SOCIAL EM PROJETOS DE MOBILIDADE URBANA Aline Maia Pastor Willy Gonzales-Taco EFETIVIDADE DA AUDIÊNCIA PÚBLICA COMO MECANISMO DE PARTICIPAÇÃO

Leia mais

Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências.

Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. Versão final do Workshop 09/07/2010 PROJETO DE LEI ESTADUAL - PARANÁ Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO

Leia mais

PERCEPÇÃO DE UMA POPULAÇÃO SOBRE SUA PARTICIPAÇÃO NO CONSELHO LOCAL DE SAÚDE

PERCEPÇÃO DE UMA POPULAÇÃO SOBRE SUA PARTICIPAÇÃO NO CONSELHO LOCAL DE SAÚDE PERCEPÇÃO DE UMA POPULAÇÃO SOBRE SUA PARTICIPAÇÃO NO CONSELHO LOCAL DE SAÚDE Nayara de Jesus Oliveira- Graduada em Enfermagem- Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC)-nayaraj.oliveira@yahoo.com.br Sales

Leia mais

PROGRAMA AMBIENTAL ESTRATÉGICO MUNICÍPIO VERDEAZUL: DESAFIOS E DIFICULDADES DE UM MODELO DE GESTÃO PÚBLICA COMPARTILHADA DO MEIO AMBIENTE

PROGRAMA AMBIENTAL ESTRATÉGICO MUNICÍPIO VERDEAZUL: DESAFIOS E DIFICULDADES DE UM MODELO DE GESTÃO PÚBLICA COMPARTILHADA DO MEIO AMBIENTE PROGRAMA AMBIENTAL ESTRATÉGICO MUNICÍPIO VERDEAZUL: DESAFIOS E DIFICULDADES DE UM MODELO DE GESTÃO PÚBLICA COMPARTILHADA DO MEIO AMBIENTE ENVIRONMENTAL STRATEGIC PROGRAMME MUNICÍPIO VERDEAZUL: CHALLENGES

Leia mais

REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO

REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO PROGRAMA NACIONAL DE ESTRUTURAÇÃO DE DESTINOS TURÍSTICOS (Documento base Câmara Temática de Regionalização) Brasília, 08.02.2013 SUMÁRIO 1. CONTEXTUALIZAÇÃO... 2 2. DIRETRIZES...

Leia mais

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental, cria o Programa Estadual de Educação Ambiental e complementa a Lei Federal nº 9.795/99,

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos

Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos luziele.tapajos@ufsc.br PLANEJAR O SUAS Definir horizontes da proteção

Leia mais

BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado. Resumo

BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado. Resumo 1 BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado Álisson Riceto 1 João Cleps Junior 2 Eduardo Rozetti de Carvalho 3 Resumo O presente artigo

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares que lhes são atribuídos pelos artigos 112º n.º 8 e 241º da Lei Constitucional, devem os Municípios aprovar os respectivos regulamentos municipais,

Leia mais