BOLETIM MENSAL. Maio de Realização:

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BOLETIM MENSAL. Maio de 2012. Realização:"

Transcrição

1 BOLETIM MENSAL Maio de 2012 Realização:

2 FACULDADE DO VALE DO IPOJUCA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CURSO DE GESTÃO FINANCEIRA ÍNDICE DA CESTA BÁSICA DE CARUARU (ICBC/FAVIP) Coordenação Científica Profª. Maria Vanessa de Souza Alunos de Iniciação Científica (Entrevistadores) Diogo Felipe Santos Alves Felipe dos Santos Mendes Josimônica do Nascimento Lemos Nielton Sérgio da Silva Ricardo Rodrigo da Silva Abreu Tiago Henrique Xavier de Souza Pesquisadores Prof. Pablo Aurélio Lacerda de Almeida Pinto Prof. Saulo André dos Santos BOLETIM MENSAL DO ÍNDICE DA CESTA BÁSICA DE CARUARU Elaboração e Redação Profª. Maria Vanessa de Souza Prof. Pablo Aurélio Lacerda de Almeida Pinto Prof. Saulo André dos Santos Divulgação Curso de Ciências Contábeis e Gestão Financeira/FAVIP Contato: ICBC/FAVIP Curso de Ciências Contábeis e Gestão Financeira Faculdade do Vale do Ipojuca (FAVIP) Av. Adjar da Silva Casé, 800. Indianópolis/Caruaru - PE CEP: Fone: (81)

3 Os Cursos de Ciências Contábeis e de Gestão Financeira da Faculdade do Vale do Ipojuca (FAVIP) divulga para o mês de maio de 2012, o novo Valor da Cesta Básica para a Cidade de Caruaru PE, seguindo a metodologia do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócioeconômicos). CUSTO MENSAL E VALORES MÉDIOS MENSAIS DOS COMPONENTES DA CESTA BÁSICA A seguir apresenta-se o custo da cesta básica e variações de preço ao mês. Através dos dados da tabela 1, percebe-se que entre os meses de Abril e Maio de 2012, o custo da cesta básica apresentou um aumento de 4,73%. Tabela 1: Custo da cesta básica e variações mensais (Abril/2012 Maio/2012) Período Custo da Cesta 2012 Variação Mensal* (%) Abril 189,48 - Maio 198,45 4,73 A tabela 2 apresenta os valores médios mensais dos componentes da cesta básica de Caruaru para o mês de maio. Em maio, o custo da alimentação básica do caruaruense foi de R$ 198,45. Considerando o gasto médio mensal dos 12 componentes da cesta apresentados na tabela 2, os que apresentaram os maiores pesos na determinação do valor total da cesta foram a carne (21,86%), o pão (21,76%), o tomate (13,27%) e o feijão (12,63%). 3

4 Tabela 2: Valores médios mensais dos componentes da cesta básica de Caruaru Maio / Produtos (Unidade de Medida) Preços Médios* Qtde/mês (1 adulto) 1 Gasto Médio Mensal** Carne (kg) 4,5 kg 9,64 43,38 Leite (l) 6,0 l 2,51 15,07 Feijão (kg) 4,5 kg 5,57 25,07 Arroz (kg) 3,6 kg 1,93 6,96 Farinha (kg) 3,0 kg 1,94 5,82 Tomate (kg) 12,0 kg 2 2,19 26,33 Pão (kg) 6,0 kg 7,20 43,18 Café (kg) 300 g 3,31 (250g) 3,97 Banana (unid.) 90 unid. 3 1,94 (12 unid.) 14,55 Açúcar (kg) 3,0 kg 1,75 5,24 Óleo (l) 750 ml 3,68 (900ml) 3,68 Margarina (kg) 750 g 1,73 (250g) 5,20 TOTAL - 43,39 198,45 * Preço médio de cada componente da cesta básica em sua respectiva unidade de medida. Ex: açúcar (1kg), óleo (900 ml), café (250g), etc, conforme detalhamento apresentado na coluna 3. ** Preços médios (coluna 3) x quantidades mensais consumidas por um adulto (coluna 2). Em maio, a carne, o pão, o tomate e o feijão, respectivamente, foram os itens que mais pesaram nos gastos alimentares do caruaruense. Para comprar a quantidade necessária de carne para todo o mês o caruaruense precisou desembolsar em média R$ 43,38, o pão R$ 43,18, o tomate R$ 26,33 e o feijão R$ 25,07. COMPORTAMENTO DO CUSTO DA CESTA BÁSICA: COMPARAÇÃO NACIONAL, REGIONAL, LOCAL E COM A CAPITAL RECIFE A exemplo do que ocorreu em abril, no mês de maio, houve predomínio de alta nos preços dos produtos alimentícios essenciais, das 17 capitais pesquisadas 1 De acordo com a metodologia da Cesta Básica Nacional do Dieese, estas quantidades seriam suficientes para o sustento e bem-estar de um trabalhador em idade adulta, contendo quantidades balanceadas de proteínas, calorias, ferro, cálcio e fósforo. 2 O tomate é o representante das verduras e legumes de toda a alimentação básica. Por esta razão é que um adulto deveria consumir 12 kg deste item ao mês. Isto significa que um consumidor precisa se alimentar de 12 kg de verduras e legumes ao mês. 3 O mesmo raciocínio anterior se aplica a única fruta da cesta: a banana. Se alimentar de 90 unidades de banana ao mês significa ingerir a quantidade ideal de frutas em 30 dias. 4

5 pelo Dieese, 15 registraram alta nos preços com destaque para Recife (7,12% - R$ 239,92), Fortaleza (6,91% - R$ 234,00) e Goiânia (4,69% - R$ 246,39). As duas capitais onde a cesta básica registrou queda de preços foram Florianópolis (-1,01% - R$ 255,29) e Brasília (-0,90% - R$ 253,21). Aracaju apresentou a cesta mais barata do país com o valor de R$ 199,26. A mais cara do país é a de São Paulo com o valor de R$ 283,69. Recife é a sexta cesta mais barata do Brasil (R$ 239,92). A cesta básica caruaruense continua apresentando um valor menor que a de Recife: a diferença é de R$ 41,47. No mês de maio, a cesta caruaruense apresentou um valor menor que a de Recife. A diferença foi de R$ 41,47. O gráfico 1 revela o comportamento do valor da cesta básica para o Brasil, Nordeste, Recife e Caruaru no meses de abril e maio de Em maio, a cesta caruaruense foi mais barata em R$ 41,47, se comparada a de Recife; R$ 28,25 em relação à média nordestina e R$ 51,35 se comparada à média da cesta nacional. Gráfico 1 Comportamento do custo da cesta básica no Brasil, Nordeste, Recife e Caruaru (Abril/2012) 5

6 COMPORTAMENTO DOS PREÇOS Segundo o Dieese, a maior parte dos produtos apresentou alta em maio, com destaque para o óleo de soja e banana, com aumento em 16 localidades; feijão e tomate cujos preços subiram em 15 e arroz, com alta em 14. A cidade de Caruaru apresentou as maiores altas nos preços do tomate, da banana e da farinha. De acordo com as informações da tabela 3, dos 12 itens da cesta básica caruaruense apenas 2 apresentaram queda de preços em relação a abril e 10 apresentaram alta de preços. As elevações nos preços do tomate (31,14%), da banana (13,45%), da farinha (12,79%), da margarina (9,49%), do café (7,47%), do leite (6,81%), do arroz (2,66%), do feijão (2,2%) e do açúcar (0,57%) foram suficientes para superar a magnitude das quedas da carne (-4,46%) e do óleo (- 2,9%) e a cesta básica de maio apresentou inflação. Tabela 3: Variação dos preços médios dos componentes da cesta básica de Caruaru (Abril/2012 Maio/2012) Produtos Preço Médio Preço Médio Variação Abril/2012 Maio/2012 (%) Carne (1 kg) 10,09 9,64-4,46 Leite (1 L) 2,35 2,51 6,81 Feijão (1 kg) 5,45 5,57 2,20 Arroz (1 kg) 1,88 1,93 2,66 Farinha (1 kg) 1,72 1,94 12,79 Tomate (1 kg) 1,67 2,19 31,14 Pão (1 kg) 7,20 7,20 0,00 Café (250 g) 3,08 3,31 7,47 Banana (12 unid) 1,71 1,94 13,45 Açúcar (1 kg) 1,74 1,75 0,57 Óleo (900 ml) 3,79 3,68-2,90 Margarina (250 g) 1,58 1,73 9,49 TOTAL 42,26 43,39 2,67 6

7 COMPARAÇÃO DE PREÇOS ENTRE ESTABELECIMENTOS Com as informações apresentadas na tabela 4, o cidadão caruaruense pode acompanhar os preços médios dos produtos que compõem a cesta básica por tipo de estabelecimento. São apresentados os preços médios dos produtos pesquisados simultaneamente nos supermercados e nos mercadinhos da cidade. Estão fora desta lista a carne, o tomate, o pão e a banana. Tabela 4: Média dos preços de produtos selecionados da cesta básica nos supermercados e mercadinhos (Maio / 2012) Produtos 1 2 Diferença de preço Supermercados Mercadinhos (1-2) Leite 2,47 2,44 0,03 Feijão 5,56 5,27 0,29 Arroz 1,92 1,99-0,07 Farinha 2,71 3,04-0,33 Café 3,24 3,43-0,19 Açúcar 1,74 1,76-0,02 Óleo 3,67 3,73-0,06 Margarina 1,70 1,86-0,16 Total 23,01 23,52-0,51 Acompanhando os preços destes itens, percebemos que ficou mais caro, em média, comprar nos mercadinhos. Em média, se o cidadão comprasse os itens listados na tabela 4 nos supermercados, sairia ganhando, já que a diferença entre os produtos mais baratos nestes estabelecimentos supera a dos mercadinhos. Comprando os gêneros listados acima nos mercadinhos, o consumidor gastaria em média R$ 23,52 enquanto que nos supermercados ele adquiriria os mesmos itens por R$ 23,01. Em maio, comprar a maioria dos itens da cesta básica nos supermercados revelou-se a opção mais barata para o consumidor caruaruense, que gastaria a menos, em média, R$ 0,51, comparando com os preços dos mercadinhos. 7

8 Agora ao compararmos os preços do tomate, da carne e da banana entre os supermercados e as feiras. Se o consumidor caruaruense comprasse os três itens nas feiras livres economizaria, em média, R$ 2,38. Tabela 5: Média dos preços do tomate, carne e banana nos supermercados e feiras Maio / 2012 Produtos 1 2 Diferença de preço Supermercados Feira (1-2) (R$ Tomate 2,21 2,25-0,04 Carne 15,59 13,00 2,59 Banana 1,83 2,00-0,17 Total do mês 19,63 17,25 2,38 Ao divulgar estas comparações de preços em relação aos estabelecimentos pesquisados, a equipe que elabora o índice da cesta básica mostra a importância da pesquisa de preços por parte do consumidor caruaruense no momento da compra de sua feira mensal. Pesquisando, comparando e pechinchando, o consumidor poderá economizar em suas compras mensais. Em maio, revelou-se a opção mais barata para o consumidor caruaruense, comprar carne, tomate e banana nas feiras livres. Adquirindo os três itens nas feiras livres, o consumidor caruaruense economizaria, em média, R$ 2,38. CUSTO DA CESTA, HORAS TRABALHADAS E SALÁRIO MÍNIMO NECESSÁRIO Levando em consideração o Decreto-lei 399 de 30 de abril de 1938, o salário mínimo deveria suprir as despesas de um trabalhador e sua família 4 com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer, previdência social e, de acordo com a Constituição Federal de 1988 (Art. 7º IV), o 4 De acordo com a metodologia utilizada pelo Dieese, a família aqui considerada é composta por três pessoas adultas (um casal e um filho) ou 4 pessoas (duas pessoas adultas um casal e duas crianças). 8

9 salário mínimo além de suprir as necessidades básicas anteriormente definidas, deve sofrer reajustes periódicos que lhe preservem o poder aquisitivo. Utilizando a metodologia do Dieese, que tem como base o Decreto-lei supracitado no que se refere à composição da Cesta Básica Nacional e à regulamentação do salário mínimo, pode-se estimar mensalmente o valor do salário mínimo necessário para suprir as necessidades básicas do trabalhador e sua família. Na tabela 6, apresentam-se os custos e as horas trabalhadas para a obtenção da cesta básica de Caruaru nos meses de abril e maio de 2012, além dos salários mínimos necessários. Tabela 6: Custo e horas trabalhadas para obtenção da cesta básica em Caruaru e salário mínimo necessário (Abril e Maio / 2012) Meses Salário Mínimo Vigente Valor da Cesta Horas Trabalhadas Salário Mínimo Necessário Abril / ,00 189,84 67h 01min 1.591,80 Maio / ,00 198,45 70h 04min 1.667,22 Uma família caruaruense deveria então receber um salário mínimo em maio de R$ 1.667,22 para a aquisição dos gêneros alimentícios básicos e dos outros itens já citados acima, garantido, assim, a sobrevivência digna de um grupo familiar. Este valor representa aproximadamente 3,13 vezes mais que o salário mínimo de R$ 622 atualmente em vigor. De acordo com o Ministério do Trabalho, ao considerarmos que a jornada oficial de trabalho é de 220 horas mensais, o trabalhador de Caruaru em maio utilizou 31,90% de todo o seu tempo de trabalho só com as despesas de alimentação. Para pagar o valor apresentado pela cesta básica em maio, o assalariado caruaruense precisou trabalhar 70 horas e 04 minutos. A tabela 7 apresenta como os gastos com alimentação comprometem o salário mínimo do trabalhador. 9

10 Tabela 7: Porcentagens dos salários mínimos bruto e líquido comprometidos com a Meses cesta básica de Caruaru (Abril e Maio / 2012) Salário Mínimo Vigente Valor da Cesta Porcentagem do Salário Mínimo Bruto Porcentagem do Salário Mínimo Líquido* Abril / ,00 189,48 30,46 33,11 Maio / ,00 198,45 31,90 34,68 * O salário mínimo líquido é o salário mínimo bruto deduzido o gasto de 8% referente ao desconto da Previdência Social. Em maio, considerando o salário mínimo líquido, o trabalhador caruaruense desembolsou 34,68% da sua renda apenas com as despesas de alimentação. 10

11 NOTAS METODOLÓGICAS O cálculo da cesta básica de Caruaru segue a metodologia oficial do Dieese. Para apurar o valor mensal desta cesta, observaram-se os seguintes passos: I. Considerando os dados da contagem da população em 2007, a população caruaruense é de habitantes. Para apurar os tipos de estabelecimentos de compra da população, selecionou-se uma amostra de 402 habitantes, levando em consideração um nível de confiança de 95% e margem de erro de 5% para mais ou para menos; II. Foram elaborados e aplicados 402 questionários em todos os bairros de Caruaru da zona urbana com distribuição proporcional pela população residente em cada bairro; III. Os questionários foram tabulados e observaram-se os tipos de estabelecimentos que a população adquire os itens da cesta básica; IV. Definida esta fase, foram computados os bairros destes estabelecimentos e selecionados os tipos mais procurados em cada bairro; V. Posteriormente, os alunos pesquisadores foram aos estabelecimentos munidos de documentação da instituição para apurar as marcas mais vendidas de cada item; VI. Após a aplicação deste questionário, foram determinadas as marcas que teriam seus preços pesquisados a cada mês; VII. Definidos os estabelecimentos e as marcas mais procuradas, a pesquisa mensal de preços foi implementada e se repete a cada mês nos estabelecimentos determinados; VIII. No início de 2009, o Dieese fez uma revisão da metodologia da Cesta Básica Nacional e concluiu que os hábitos de consumo não mudaram para as quatro regiões pesquisadas. Desta forma, a ração essencial mínima da região 2 (PE, BA, RN, AL, SE, AM, PA, PI, TO, AC, PB, RO, AP, RR e MA) permaneceu a mesma. 11

12 IX. Em agosto de 2009, o supermercado CompreBem, estabelecimento consultado na pesquisa de preços da cesta básica de Caruaru fechou. Por esta razão, foi excluído da coleta de preços mensal da cidade de Caruaru. 12

13 APÊNDICE 1: Custo da cesta básica no Brasil (Média), Nordeste (Média), Recife e Caruaru (2012) 2012 Região Abril Maio Brasil 242,81 249,80 Nordeste 215,95 226,70 Recife 223,97 239,92 Caruaru 189,48 198,45 Fonte: ICBC Ciências Contábeis e Gestão Financeria/FAVIP. Gráfico 1 Comportamento do custo da cesta básica no Brasil, Nordeste, Recife e Caruaru (Abril e Maio ) 13

BOLETIM MENSAL. Abril de 2012. Realização:

BOLETIM MENSAL. Abril de 2012. Realização: BOLETIM MENSAL Abril de 2012 Realização: FACULDADE DO VALE DO IPOJUCA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ÍNDICE DA CESTA BÁSICA DE CARUARU (ICBC-CC/FAVIP) Coordenação Científica Profª. Maria Vanessa de Souza

Leia mais

CESTA BÁSICA DE ALIMENTOS do Município de Catalão-GO

CESTA BÁSICA DE ALIMENTOS do Município de Catalão-GO BOLETIM AGOSTO 2015 CESTA BÁSICA DE ALIMENTOS do Município de Catalão-GO Mês de Referência: 08/2015 Mês de Divulgação: 09/2015 Profa. Dra. Michelle da Silva Borges Karen Brina Borges de Deus; Luciene Maria

Leia mais

BOLETIM MENSAL. Agosto de Realização:

BOLETIM MENSAL. Agosto de Realização: BOLETIM MENSAL Agosto de 2012 Realização: FACULDADE DO VALE DO IPOJUCA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CURSO DE GESTÃO FINANCEIRA ÍNDICE DA CESTA BÁSICA DE CARUARU (ICBC/FAVIP) Coordenação Científica Profª.

Leia mais

Custo da Cesta Básica aumenta em todas as cidades

Custo da Cesta Básica aumenta em todas as cidades 1 São Paulo, 16 de fevereiro de 2016 NOTA à IMPRENSA Custo da Cesta Básica aumenta em todas as cidades A partir de janeiro de 2016, o DIEESE (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos)

Leia mais

BOLETIM MENSAL. Julho de Realização:

BOLETIM MENSAL. Julho de Realização: BOLETIM MENSAL Julho de 2012 Realização: FACULDADE DO VALE DO IPOJUCA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CURSO DE GESTÃO FINANCEIRA ÍNDICE DA CESTA BÁSICA DE CARUARU (ICBC/FAVIP) Coordenação Científica Profª.

Leia mais

Valor da cesta básica diminui em 15 cidades

Valor da cesta básica diminui em 15 cidades 1 São Paulo, 04 de setembro de 2015. NOTA à IMPRENSA Valor da cesta básica diminui em 15 cidades Das 18 cidades em que o DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos - realiza

Leia mais

Cesta básica de Porto Alegre registra queda de 4% em junho de 2014

Cesta básica de Porto Alegre registra queda de 4% em junho de 2014 1 Cesta básica de Porto Alegre registra queda de 4% em junho de 2014 Porto Alegre, 07 de julho de 2014. NOTA À IMPRENSA Em junho de 2014, a Cesta Básica de Porto Alegre registrou queda de 4,00%, passando

Leia mais

BOLETIM MENSAL. Setembro de Realização:

BOLETIM MENSAL. Setembro de Realização: BOLETIM MENSAL Setembro de 2012 Realização: FACULDADE DO VALE DO IPOJUCA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CURSO DE GESTÃO FINANCEIRA ÍNDICE DA CESTA BÁSICA DE CARUARU (ICBC/FAVIP) Coordenação Científica Profª.

Leia mais

Cesta básica tem alta moderada na maioria das capitais

Cesta básica tem alta moderada na maioria das capitais 1 São Paulo, 06 de julho de 2009. NOTA À IMPRENSA Cesta básica tem alta moderada na maioria das capitais Em junho, a Pesquisa Nacional da Cesta Básica, realizada pelo DIEESE - Departamento Intersindical

Leia mais

&(67$%É6,&$62%((0&$3,7$,6

&(67$%É6,&$62%((0&$3,7$,6 São Paulo, 02 de maio de 2005. &(67$%É6,&$62%((0&$3,7$,6 Apenas uma das 16 capitais onde o DIEESE Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócio-Econômicos realiza mensalmente a Pesquisa Nacional

Leia mais

Em janeiro, preço da cesta só cai em duas capitais

Em janeiro, preço da cesta só cai em duas capitais 1 São Paulo, 06 de fevereiro de 2012. NOTA À IMPRENSA Em janeiro, preço da cesta só cai em duas capitais Apenas duas, das 17 capitais onde o DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos

Leia mais

Redução do preço de alimentos básicos continua pelo terceiro mês

Redução do preço de alimentos básicos continua pelo terceiro mês 1 São Paulo, 04 de agosto de 2010. NOTA À IMPRENSA Redução do preço de alimentos básicos continua pelo terceiro mês Desde maio, na maioria das capitais onde é realizada mensalmente a Pesquisa Nacional

Leia mais

Cesta básica tem alta em janeiro

Cesta básica tem alta em janeiro 1 São Paulo, 11 de fevereiro de 2008. NOTA À IMPRENSA Cesta básica tem alta em janeiro Em janeiro, o preço dos gêneros alimentícios essenciais apresentou alta em 15 das 16 capitais onde o DIEESE Departamento

Leia mais

Preços de alimentos básicos continuam em alta

Preços de alimentos básicos continuam em alta 1 São Paulo, 2 de junho de 2008. NOTA À IMPRENSA Preços de alimentos básicos continuam em alta Apenas duas, das 16 capitais onde o DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos

Leia mais

Custo da Cesta básica tem comportamento diferenciado nas capitais pesquisadas

Custo da Cesta básica tem comportamento diferenciado nas capitais pesquisadas 1 São Paulo, 04 de novembro de 2015. NOTA à IMPRENSA Custo da Cesta básica tem comportamento diferenciado nas capitais pesquisadas Em outubro, entre as 18 capitais onde o DIEESE - Departamento Intersindical

Leia mais

Boletim Março 2015. Tabela 1 - Custo da Cesta Básica (em R$) nas cidades de Ilhéus e Itabuna, 2015 Mês Ilhéus Itabuna Gasto Mensal R$

Boletim Março 2015. Tabela 1 - Custo da Cesta Básica (em R$) nas cidades de Ilhéus e Itabuna, 2015 Mês Ilhéus Itabuna Gasto Mensal R$ Boletim Março 2015 O custo da cesta básica na cidade de Ilhéus aumentou 5,36%, passando de R$241,03 em fevereiro para R$253.96 em março (Tabela 1). O aumento de 21,95% no preço do tomate e 14,15% no preço

Leia mais

Valor da Cesta Básica aumenta em 12 cidades

Valor da Cesta Básica aumenta em 12 cidades 1 São Paulo, 06 de novembro de 2014. NOTA À IMPRENSA Valor da Cesta Básica aumenta em 12 cidades Em outubro, houve aumento dos preços do conjunto de bens alimentícios essenciais em 12 das 18 cidades onde

Leia mais

Sebastião Afonso Viana Macedo Neves Governador do Estado do Acre. Nazareth Lambert Vice-Governadora do Estado do Acre

Sebastião Afonso Viana Macedo Neves Governador do Estado do Acre. Nazareth Lambert Vice-Governadora do Estado do Acre Sebastião Afonso Viana Macedo Neves Governador do Estado do Acre Nazareth Lambert Vice-Governadora do Estado do Acre Márcio Veríssimo Carvalho Dantas Secretário de Estado de Planejamento Claudia Lima Saldanha

Leia mais

Sebastião Afonso Viana Macedo Neves Governador do Estado do Acre. Nazareth Lambert Vice-Governadora do Estado do Acre

Sebastião Afonso Viana Macedo Neves Governador do Estado do Acre. Nazareth Lambert Vice-Governadora do Estado do Acre Sebastião Afonso Viana Macedo Neves Governador do Estado do Acre Nazareth Lambert Vice-Governadora do Estado do Acre Márcio Veríssimo Carvalho Dantas Secretário de Estado de Planejamento Claudia Lima Saldanha

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA DIRETORIA DE PROJETOS SOCIAIS. Projeto: CESTA BÁSICA DA CLASSE MÉDIA CAPIXABA

PROJETO DE PESQUISA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA DIRETORIA DE PROJETOS SOCIAIS. Projeto: CESTA BÁSICA DA CLASSE MÉDIA CAPIXABA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA DIRETORIA DE PROJETOS SOCIAIS PROJETO DE PESQUISA Projeto: CESTA BÁSICA DA CLASSE MÉDIA CAPIXABA Período: Janeiro a Dezembro de 2014 Vitória, dezembro de 2014 Cesta Básica

Leia mais

Sebastião Afonso Viana Macedo Neves Governador do Estado do Acre. Nazareth Araújo Vice-Governadora do Estado do Acre

Sebastião Afonso Viana Macedo Neves Governador do Estado do Acre. Nazareth Araújo Vice-Governadora do Estado do Acre Sebastião Afonso Viana Macedo Neves Governador do Estado do Acre Nazareth Araújo Vice-Governadora do Estado do Acre Márcio Veríssimo Carvalho Dantas Secretário de Estado de Planejamento Claudia Lima Saldanha

Leia mais

MAIO 2015. IPC de Salvador apresenta alta de 0,64%

MAIO 2015. IPC de Salvador apresenta alta de 0,64% MAIO 2015 IPC de Salvador apresenta alta de 0,64% O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) de Salvador apresentou, em maio, incremento de 0,64%, variação inferior à apurada no mês anterior (0,79%). Em maio

Leia mais

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC abril 2013

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC abril 2013 ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC abril 2013 Rio de Janeiro, 08 de maio de 2013 SISTEMA NACIONAL DE ÍNDICES DE PREÇOS AO CONSUMIDOR abril de 2013 ÍNDICE NACIONAL DE PREÇOS AO CONSUMIDOR

Leia mais

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC junho 2014

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC junho 2014 ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC junho 2014 Rio de Janeiro, 08 de julho de 2014 SISTEMA NACIONAL DE ÍNDICES DE PREÇOS AO CONSUMIDOR COMENTÁRIOS Junho 2014 ÍNDICE NACIONAL DE PREÇOS

Leia mais

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC julho 2012

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC julho 2012 ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC julho 2012 Rio de Janeiro, 08 de agosto de 2012 SISTEMA NACIONAL DE ÍNDICES DE PREÇOS AO CONSUMIDOR julho de 2012 ÍNDICE NACIONAL DE PREÇOS AO CONSUMIDOR

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA DIRETORIA DE PROJETOS SOCIAIS. Projeto: CESTA BÁSICA DA CLASSE MÉDIA CAPIXABA

PROJETO DE PESQUISA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA DIRETORIA DE PROJETOS SOCIAIS. Projeto: CESTA BÁSICA DA CLASSE MÉDIA CAPIXABA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA DIRETORIA DE PROJETOS SOCIAIS PROJETO DE PESQUISA Projeto: CESTA BÁSICA DA CLASSE MÉDIA CAPIXABA Período: Janeiro a Dezembro de 2015 Vitória, dezembro de 2015 Cesta Básica

Leia mais

Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história. Gráfico 1 Cesta Básica DIEESE/PROCON Valor Diário (EM URV/Real) 190,00 2º. Sem.

Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história. Gráfico 1 Cesta Básica DIEESE/PROCON Valor Diário (EM URV/Real) 190,00 2º. Sem. ANOTE Informativo Eletrônico do DIEESE Ano 4, N.º. 38 Maio de 2.003 1 CONJUNTURA Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história Calculada diariamente desde março de 1990, ou seja, a mais

Leia mais

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA FEV/2015

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA FEV/2015 ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA FEV/015 O COMÉRCIO VAREJISTA NO BRASIL APRESENTA RETRAÇÃO NAS VENDAS EM FEVEREIRO A Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) realizada pelo Instituto Brasileiro

Leia mais

ÍNDICE DE PREÇOS AO CONSUMIDOR DE UBERLÂNDIA-MG

ÍNDICE DE PREÇOS AO CONSUMIDOR DE UBERLÂNDIA-MG ÍNDICE DE PREÇOS AO CONSUMIDOR DE UBERLÂNDIA-MG Publicação do Centro de Pesquisas Econômico-Sociais OUTUBRO / 2007 PARTICIPAÇÃO DOS GRUPOS NA COMPOSIÇÃO DO INDICE DO MÊS IPC/CEPES - outubro de 2007. GRUPOS

Leia mais

PESQUISA DIA DAS CRIANÇAS - MOSSORÓ

PESQUISA DIA DAS CRIANÇAS - MOSSORÓ PESQUISA DIA DAS CRIANÇAS - MOSSORÓ Mossoró, setembro de 2015 1 Sumário 1. Aspectos Metodológicos... 3 2. Descrição dos Resultados... 4 Itens de comemoração... 4 Gastos com presente... 4 Local e quando

Leia mais

Alimentos, combustíveis e mensalidades escolares pressionam o Custo de Vida em São Paulo

Alimentos, combustíveis e mensalidades escolares pressionam o Custo de Vida em São Paulo 1 São Paulo, 12 de fevereiro de 2016. NOTA À IMPRENSA Alimentos, combustíveis e mensalidades escolares pressionam o Custo de Vida em São Paulo No primeiro mês do ano, o Índice do Custo de Vida no município

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº58 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015 Índice de Vendas acumula queda de -1,02% até outubro Vendas do setor

Leia mais

INFORMA DIEESE agosto/2008

INFORMA DIEESE agosto/2008 INFORMA DIEESE Nº. 74 AGOSTO/2008 1 INFORMA DIEESE agosto/2008 A INFLAÇÃO RECENTE E AS CAMPANHAS SALARIAIS A inflação voltou? Como ficam as campanhas salariais dos trabalhadores? Com o objetivo de discutir

Leia mais

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC dezembro 2009

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC dezembro 2009 ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC dezembro 2009 Rio de Janeiro, 13 de janeiro de 2010 SISTEMA NACIONAL DE ÍNDICES DE PREÇOS AO CONSUMIDOR COMENTÁRIOS dezembro 2009 1. No mês 1.1 - ÍNDICE

Leia mais

SECRETARIA DO PLANEJAMENTO DO ESTADO DO PIAUÍ FUNDAÇÃO CENTRO DE PESQUISAS ECONÔMICAS E SOCIAIS DO PIAUÍ CEPRO DIRETORIA DE ESTATÍSTICA E INFORMAÇÃO

SECRETARIA DO PLANEJAMENTO DO ESTADO DO PIAUÍ FUNDAÇÃO CENTRO DE PESQUISAS ECONÔMICAS E SOCIAIS DO PIAUÍ CEPRO DIRETORIA DE ESTATÍSTICA E INFORMAÇÃO SECRETARIA DO PLANEJAMENTO DO ESTADO DO PIAUÍ FUNDAÇÃO CENTRO DE PESQUISAS ECONÔMICAS E SOCIAIS DO PIAUÍ CEPRO DIRETORIA DE ESTATÍSTICA E INFORMAÇÃO ÍNDICE DE PREÇOS AO CONSUMIDOR (CUSTO DE VIDA) TERESINA

Leia mais

Notas técnicas. 1. Introdução

Notas técnicas. 1. Introdução Notas técnicas 1. Introdução Para a montagem deste trabalho de acompanhamento da evolução mensal do comportamento da Cesta Básica Nacional e do emprego em Aracaju, conforme determina o contrato de prestação

Leia mais

Mercado de Trabalho Formal do Recife

Mercado de Trabalho Formal do Recife Boletim Informativo Novembro 2011 Mercado de Trabalho Formal do Recife Secretaria de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico Em outubro, foram gerados 126 mil postos de trabalho formais no Brasil

Leia mais

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC fevereiro 2014

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC fevereiro 2014 ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC fevereiro 2014 Rio de Janeiro, 12 de março de 2014 SISTEMA NACIONAL DE ÍNDICES DE PREÇOS AO CONSUMIDOR COMENTÁRIOS Fevereiro 2014 ÍNDICE NACIONAL DE

Leia mais

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC agosto 2014

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC agosto 2014 ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC agosto 2014 Rio de Janeiro, 05 de setembro de 2014 SISTEMA NACIONAL DE ÍNDICES DE PREÇOS AO CONSUMIDOR COMENTÁRIOS Agosto 2014 ÍNDICE NACIONAL DE PREÇOS

Leia mais

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC abril 2014

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC abril 2014 ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC abril 2014 Rio de Janeiro, 09 de maio de 2014 SISTEMA NACIONAL DE ÍNDICES DE PREÇOS AO CONSUMIDOR COMENTÁRIOS Abril 2014 ÍNDICE NACIONAL DE PREÇOS

Leia mais

IMPACTOS DAS DISTORÇÕES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL

IMPACTOS DAS DISTORÇÕES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL IMPACTOS DAS DISTORÇÕES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL Brasília, Novembro/ 2013 Unidade de Políticas Públicas NOTA TÉCNICA IMPACTOS DAS DISTORÇOES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL Este estudo

Leia mais

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC Abril 2015

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC Abril 2015 ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC Abril 2015 Rio de Janeiro, 08 de maio de 2015 SISTEMA NACIONAL DE ÍNDICES DE PREÇOS AO CONSUMIDOR COMENTÁRIOS Abril 2015 ÍNDICE NACIONAL DE PREÇOS

Leia mais

ÍNDICE UNIFAFIBE DO CUSTO DA CESTA BÁSICA DE BEBEDOURO BOLETIM ANUAL 2011 Destaques:

ÍNDICE UNIFAFIBE DO CUSTO DA CESTA BÁSICA DE BEBEDOURO BOLETIM ANUAL 2011 Destaques: 1 ÍNDICE UNIFAFIBE DO CUSTO DA CESTA BÁSICA DE BEBEDOURO BOLETIM ANUAL Destaques: Inflação anual da cesta básica de Bebedouro é de 5,12%, aumento de R$ 23,56. Aumento da cesta foi puxado por alimentos.

Leia mais

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR Novembro 2015

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR Novembro 2015 ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR Novembro 2015 Rio de Janeiro, 09 de dezembro de 2015 SISTEMA NACIONAL DE ÍNDICES DE PREÇOS AO CONSUMIDOR COMENTÁRIOS Novembro 2015 ÍNDICE NACIONAL DE PREÇOS AO

Leia mais

Núcleo de Pesquisa. Federação do Comércio do Estado de Santa Catarina

Núcleo de Pesquisa. Federação do Comércio do Estado de Santa Catarina Federação do Comércio do Estado de Santa Catarina Pesquisa de Endividamento e Inadimplência dos Consumidores de outubro de 2014 Endividamento das famílias catarinenses mantém-se praticamente estável em

Leia mais

REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR SETEMBRO DE 2008 TAXA DE DESEMPREGO MANTÉM DECLÍNIO NA RMS

REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR SETEMBRO DE 2008 TAXA DE DESEMPREGO MANTÉM DECLÍNIO NA RMS REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR SETEMBRO DE 2008 E TAXA DE DESEMPREGO MANTÉM DECLÍNIO NA RMS m setembro, a Pesquisa de Emprego e Desemprego, realizada na Região Metropolitana de Salvador (RMS), apresentou

Leia mais

ORÇAMENTO DOMÉSTICO PLANEJAMENTO DE COMPRAS FORMAS DE PAGAMENTO ECONOMIA DOMÉSTICA

ORÇAMENTO DOMÉSTICO PLANEJAMENTO DE COMPRAS FORMAS DE PAGAMENTO ECONOMIA DOMÉSTICA 2009 ORÇAMENTO DOMÉSTICO PLANEJAMENTO DE COMPRAS FORMAS DE PAGAMENTO ECONOMIA DOMÉSTICA A elaboração do orçamento doméstico nem sempre é uma tarefa fácil. Definir quais são as suas necessidades e planejar

Leia mais

RELATÓRIO. Outubro 2015. Ano 03-10

RELATÓRIO. Outubro 2015. Ano 03-10 RELATÓRIO Outubro 2015 Ano 03-10 APOIO: - CENTRO DE INFORMAÇÕES SOCIOECONÔMICAS FACISA Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas ÍNDICE DE CONFIANÇA EMPRESARIAL (ICE) ÍNDICE DE PREÇOS AO CONSUMIDOR DE SINOP

Leia mais

Boletim Novembro 2014

Boletim Novembro 2014 Boletim Novembro 2014 No mês de novembro de 2014 o custo da cesta básica na cidade de Ilhéus reduziu 0,48%, caindo de R$239,58 em outubro para R$238,42 em novembro (Tabela 1). A queda de 7,85% no preço

Leia mais

ÍNDICE NACIONAL DE PREÇOS AO CONSUMIDOR (INPC) E A CESTA BÁSICA JANEIRO/2011

ÍNDICE NACIONAL DE PREÇOS AO CONSUMIDOR (INPC) E A CESTA BÁSICA JANEIRO/2011 1. INTRODUÇÃO O Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) apresenta os resultados do Índice Nacional de Preços ao Consumidor e a Cesta Básica para a Região Metropolitana de Fortaleza.

Leia mais

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC julho 2014

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC julho 2014 ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC julho 2014 Rio de Janeiro, 08 de agosto de 2014 SISTEMA NACIONAL DE ÍNDICES DE PREÇOS AO CONSUMIDOR COMENTÁRIOS Julho 2014 ÍNDICE NACIONAL DE PREÇOS

Leia mais

PESQUISA EDUCAÇÃO FINANCEIRA. Orçamento Pessoal e Conhecimentos Financeiros

PESQUISA EDUCAÇÃO FINANCEIRA. Orçamento Pessoal e Conhecimentos Financeiros PESQUISA EDUCAÇÃO FINANCEIRA Orçamento Pessoal e Conhecimentos Financeiros Janeiro 2015 1. INTRODUÇÃO Quatro em cada dez consumidores consideram-se desorganizados financeiramente, mas sete em cada dez

Leia mais

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC Maio 2015

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC Maio 2015 ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC Maio 2015 Rio de Janeiro, 10 de junho de 2015 SISTEMA NACIONAL DE ÍNDICES DE PREÇOS AO CONSUMIDOR COMENTÁRIOS Maio 2015 ÍNDICE NACIONAL DE PREÇOS AO

Leia mais

FINANCIAMENTO DOS MUNICÍPIOS DO BRASIL Um balanço o entre aspectos sociais e econômicos

FINANCIAMENTO DOS MUNICÍPIOS DO BRASIL Um balanço o entre aspectos sociais e econômicos Seminário Internacional sobre Tributação Imobiliária FINANCIAMENTO DOS MUNICÍPIOS DO BRASIL Um balanço o entre aspectos sociais e econômicos Maria Cristina Mac Dowell maria-macdowell.azevedo@fazenda.gov.br

Leia mais

Nome: Data. Prof: Manoel Amaurício. p p% de C é C. 100 exemplo 1: 14% = 0,14 20% = 0,2 2% = 0,02

Nome: Data. Prof: Manoel Amaurício. p p% de C é C. 100 exemplo 1: 14% = 0,14 20% = 0,2 2% = 0,02 M A T E M Á T I C A PROPORÇÕES Nome: Data Prof: Manoel Amaurício P O R C E N T A G E M p p% de C é C. 100 exemplo 1: 14% = 0,14 20% = 0,2 2% = 0,02 Após um aumento de p% sobre C passamos a ter 100 p C.

Leia mais

A Ampliação do Acesso à Comunicação, à Informação e ao Entretenimento nos Domicílios Cearenses

A Ampliação do Acesso à Comunicação, à Informação e ao Entretenimento nos Domicílios Cearenses Nº 82 dezembro 2014 A Ampliação do Acesso à Comunicação, à Informação e ao Entretenimento nos Domicílios Cearenses Uma Análise Comparativa com o Brasil e os Estados Nordestinos 2002-2013 GOVERNO DO ESTADO

Leia mais

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das Comentários dos resultados As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das despesas das famílias e da distribuição dessas despesas, segundo os diversos itens adquiridos ou pagos, possibilitam

Leia mais

Análise das Mudanças de Pesos no Cálculo do INPC - 2007 a 2012

Análise das Mudanças de Pesos no Cálculo do INPC - 2007 a 2012 Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

CESTA BÁSICA DE DIVINÓPOLIS - janeiro de 2008

CESTA BÁSICA DE DIVINÓPOLIS - janeiro de 2008 Autorizada pelo Decreto Federal n.º 65.111 de 08-09-69 Reconhecido pelo Decreto Federal n.º 74497 de 04-09-74 B O L E T I M E C O N Ô M I CO CESTA BÁSICA DE DIVINÓPOLIS - janeiro de 2008 A pesquisa do

Leia mais

Art. 208... O dever do Estado com a Educação será efetivado mediante a garantia de:

Art. 208... O dever do Estado com a Educação será efetivado mediante a garantia de: CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art. 208... O dever do Estado com a Educação será efetivado mediante a garantia de: VII -... programas suplementares de material didático-escolar, transporte, alimentação e assistência

Leia mais

Anexo 7. Questionário on line para a comunidade externa

Anexo 7. Questionário on line para a comunidade externa Anexo 7. Questionário on line para a comunidade externa Anexo 8. Padrão de respostas do questionário do estudante aplicados aos alunos do ENADE 2009 e 2010. Os dados foram estimados a partir do relatório

Leia mais

Sondagem Festas Juninas 2015

Sondagem Festas Juninas 2015 Sondagem Festas Juninas 0 de Maio de 0 0 Copyright Boa Vista Serviços Índice o Objetivo, metodologia e amostra... 0 o Perfil dos respondentes... 0 o Comemoração das Festas Juninas... 09 o Do que os consumidores

Leia mais

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC Janeiro 2006

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC Janeiro 2006 ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC Janeiro 2006 Rio de Janeiro, 09 de fevereiro de 2006 SISTEMA NACIONAL DE ÍNDICES DE PREÇOS AO CONSUMIDOR COMENTÁRIOS JANEIRO DE 2006 ÍNDICE NACIONAL

Leia mais

Sumário. 1 A pirâmide social brasileira: 3 As aspirações e os desejos. 4 Um povo cada vez mais otimista...26. 5 As diferenças regionais:

Sumário. 1 A pirâmide social brasileira: 3 As aspirações e os desejos. 4 Um povo cada vez mais otimista...26. 5 As diferenças regionais: Sumário 1 A pirâmide social brasileira: uma mudança à vista?...4 Renda familiar e renda disponível: as classes DE chegam ao ponto de equilíbrio...10 3 As aspirações e os desejos de consumo do brasileiro...18

Leia mais

FUNDAÇÃO PROCON-SP CONSTATA VARIAÇÃO DA CESTA BÁSICA DE 3,10% EM ABRIL/2010

FUNDAÇÃO PROCON-SP CONSTATA VARIAÇÃO DA CESTA BÁSICA DE 3,10% EM ABRIL/2010 FUNDAÇÃO PROCON-SP CONSTATA VARIAÇÃO DA CESTA BÁSICA DE 3,10% EM ABRIL/2010 No mês de abril de 2010, o valor da cesta básica do paulistano teve alta de 3,10%, revela pesquisa diária da Fundação Procon-SP,

Leia mais

Mercado de Trabalho Formal do Recife

Mercado de Trabalho Formal do Recife Boletim Informativo Agosto 2011 Mercado de Trabalho Formal do Recife Secretaria de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico Em julho, foram gerados 140 mil postos de trabalho formais no Brasil Com

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA DIRETORIA DE PROJETOS SOCIAIS. Projeto: CESTA BÁSICA DA CLASSE MÉDIA CAPIXABA

PROJETO DE PESQUISA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA DIRETORIA DE PROJETOS SOCIAIS. Projeto: CESTA BÁSICA DA CLASSE MÉDIA CAPIXABA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA DIRETORIA DE PROJETOS SOCIAIS PROJETO DE PESQUISA Projeto: CESTA BÁSICA DA CLASSE MÉDIA CAPIXABA Período: Janeiro a Dezembro de 2012 Vitória, dezembro de 2012 Cesta Básica

Leia mais

BOLETIM MENSAL Ano 27 No 09 Setembro 2011

BOLETIM MENSAL Ano 27 No 09 Setembro 2011 BOLETIM MENSAL Ano 27 N o 09 Setembro 2011 Apoio: UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES DEPARTAMENTO DE ECONOMIA ÍNDICE DE PREÇOS AO CONSUMIDOR DE VIÇOSA (IPC-VIÇOSA)

Leia mais

HABILIDADE FINANCEIRA DOS BRASILEIROS. Fevereiro de 2016

HABILIDADE FINANCEIRA DOS BRASILEIROS. Fevereiro de 2016 HABILIDADE FINANCEIRA DOS BRASILEIROS Fevereiro de 2016 OBJETIVOS DO ESTUDO Compreender o grau de conhecimento e a habilidade dos brasileiros em lidar com o dinheiro e suas finanças. METODOLOGIA Público

Leia mais

ECONOMIA. Setor fecha 1º bimestre com crescimento de 3,67% Associação Brasileira de Supermercados

ECONOMIA. Setor fecha 1º bimestre com crescimento de 3,67% Associação Brasileira de Supermercados Associação Brasileira de Supermercados Nº38 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 26 de Março de 2014 Setor fecha 1º bimestre com crescimento de 3,67% Evolução do Índice de

Leia mais

BOLETIM DO EMPREGO EM UBERLÂNDIA. Ano 3 Nº 7 Maio/2014

BOLETIM DO EMPREGO EM UBERLÂNDIA. Ano 3 Nº 7 Maio/2014 BOLETIM DO EMPREGO EM UBERLÂNDIA Ano 3 Nº 7 Maio/2014 Apresentação O Boletim do Emprego em Uberlândia, elaborado pelo Centro de Estudos, Pesquisas e Projetos Econômico-sociais (CEPES) do Instituto de Economia

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE RELIGIÃO A B R I L D E 2 0 0 6 O P P 0 7 1 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO LOCAL - Levantar com a população da área em estudo opiniões relacionadas a religião.

Leia mais

Projeto Custo de Vida Patu BOLETIM DE DIVULGAÇÃO MENSAL Ano 9, nº 100, janeiro de 2015

Projeto Custo de Vida Patu BOLETIM DE DIVULGAÇÃO MENSAL Ano 9, nº 100, janeiro de 2015 IVSIDD DO STDO DO IO GD DO OT Campus vançado de Patu Departamento de Ciências Contábeis Coordenação do Projeto Custo de Vida Patu v. Lauro aia, 792 stação CP: 59.770-000 Patu/ Fone/Fax (84) 3361-2209 -mail:

Leia mais

PRODUTIVIDADE E A PESQUISA ANUAL DE SERVIÇOS NA HOTELARIA E GASTRONOMIA BRASILEIRA

PRODUTIVIDADE E A PESQUISA ANUAL DE SERVIÇOS NA HOTELARIA E GASTRONOMIA BRASILEIRA PRODUTIVIDADE E A PESQUISA ANUAL DE SERVIÇOS NA HOTELARIA E GASTRONOMIA BRASILEIRA SUBSÍDIOS ESPECIAIS PARA FERTHORESP / FERTHOTEL FEVEREIRO 2012 - ALOISIO LEÃO DA COSTA...o IBGE realiza anualmente a Pesquisa

Leia mais

Publicação mensal do Instituto de Pesquisas Econômicas e Sociais

Publicação mensal do Instituto de Pesquisas Econômicas e Sociais IPES Cesta Básica de Caxias do Sul Publicação mensal do Instituto de Pesquisas Econômicas e Sociais CESTA BÁSICA DE CAXIAS DO SUL Dezembro - 2013 Dezembro de 2013 UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL REITOR Prof.

Leia mais

GOVERNO INDICA QUE EVENTUAL ELEVAÇÃO DA MISTURA PODE SAIR SOMENTE APÓS 2015

GOVERNO INDICA QUE EVENTUAL ELEVAÇÃO DA MISTURA PODE SAIR SOMENTE APÓS 2015 Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Nº 406 Ano IX 24/julho/2014 GOVERNO INDICA QUE EVENTUAL ELEVAÇÃO DA MISTURA PODE SAIR SOMENTE APÓS 2015 Nos últimos dias começaram a ocorrer no mercado boatos

Leia mais

Vendas crescem 29,26% em dezembro e imóvel usado fecha 2010 com valorização de até 269,09%

Vendas crescem 29,26% em dezembro e imóvel usado fecha 2010 com valorização de até 269,09% Balanço 2010 - CRECISP Aluguel/Venda residencial Imóveis usados Cidade de São Paulo Aluguel residencial aumenta até 146,43% Vendas crescem 29,26% em dezembro e imóvel usado fecha 2010 com valorização de

Leia mais

Economia 2º Período. Fundamentos de Macroeconomia (Aula-V) 19/10/2014. Fundamentos de Macroeconomia. Fundamentos de Macroeconomia. Prof.

Economia 2º Período. Fundamentos de Macroeconomia (Aula-V) 19/10/2014. Fundamentos de Macroeconomia. Fundamentos de Macroeconomia. Prof. (Aula-V) 19/10/2014 UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Economia 2º Período Noções de Contabilidade Nacional e Cálculo do PIB Professor : Johnny Luiz Grando Johnny@unochapeco.edu.br 5. Noções

Leia mais

Lista de exercícios: Funções de 1ºgrau Problemas Gerais Prof ºFernandinho. Questões:

Lista de exercícios: Funções de 1ºgrau Problemas Gerais Prof ºFernandinho. Questões: Lista de exercícios: Funções de 1ºgrau Problemas Gerais Prof ºFernandinho Questões: 01.(UNESP) Apresentamos a seguir o gráfico do volume do álcool em função de sua massa, a uma temperatura fixa de 0 C.

Leia mais

Área: 1.551.690km 2. 1. População

Área: 1.551.690km 2. 1. População Área: 1.551.690km 2 1. População Capitais Habitantes* Aracaju SE 461.534 Fortaleza CE 2.141.402 João Pessoa PB 597.934 Maceió AL 797.759 Natal RN 712.317 Recife PE 1.422.905 Salvador BA 2.443.107 São Luís

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 227, DE 2010.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 227, DE 2010. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 227, DE 2010. Dispõe sobre o capital mínimo requerido para autorização e funcionamento e sobre planos corretivo e de recuperação

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 - Gestão 2009/2012

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 - Gestão 2009/2012 LEI Nº 266/2011 Data: 14 de Dezembro de 2011 SÚMULA: Dispõe sobre a regulamentação e critérios para a concessão de benefícios eventuais de assistência social no âmbito do município. O Prefeito Municipal

Leia mais

ICV-DEESE fica em 6,04%, em 2013

ICV-DEESE fica em 6,04%, em 2013 1 São Paulo, 8 de janeiro de 2014. ICV-DEESE fica em 6,04%, em 2013 NOTA À IMPRENSA Em 2013, o Índice do Custo de Vida ICV calculado pelo DIEESE Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos

Leia mais

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR Agosto 2015

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR Agosto 2015 ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR Agosto 2015 Rio de Janeiro, 10 de setembro de 2015 SISTEMA NACIONAL DE ÍNDICES DE PREÇOS AO CONSUMIDOR COMENTÁRIOS Agosto 2015 ÍNDICE NACIONAL DE PREÇOS AO CONSUMIDOR

Leia mais

Objetivos das Famílias e os Fundos de Investimento

Objetivos das Famílias e os Fundos de Investimento Objetivos das Famílias e os Fundos de Investimento Objetivos das Famílias e os Fundos de Investimento Prof. William Eid Junior Professor Titular Coordenador do GV CEF Centro de Estudos em Finanças Escola

Leia mais

Banco do Brasil + BaCen

Banco do Brasil + BaCen 1. TAXA Taxa [ i ] é um valor numérico de referência, informado por uma das notações: Forma percentual, p.ex. 1%. Forma unitária, p.ex. 0,01 Forma fracionária centesimal, p.ex. 1/100. Ambos representam

Leia mais

. a d iza r to u a ia p ó C II

. a d iza r to u a ia p ó C II II Sugestões de avaliação Geografia 7 o ano Unidade 5 5 Unidade 5 Nome: Data: 1. Complete o quadro com as características dos tipos de clima da região Nordeste. Tipo de clima Área de ocorrência Características

Leia mais

Aumenta a taxa de desemprego

Aumenta a taxa de desemprego PED JANEIRO DE 2012 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO DIVULGAÇÃO N o 326 Aumenta a taxa de desemprego Diminui o nível de ocupação na Indústria e no Comércio Pequeno crescimento

Leia mais

Nível de preços em novembro tem aumento de 1,70% no município de Chapecó

Nível de preços em novembro tem aumento de 1,70% no município de Chapecó Publicação mensal do curso de Ciências Econômicas da Universidade Comunitária da Região de Chapecó Ano 19, Nº 11 Novembro/2014 Nível de preços em novembro tem aumento de 1,70% no município de Chapecó O

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS - MAIO As taxas de juros das operações de crédito ficaram estáveis em maio/2013. Vale destacar que em maio o Banco Central voltou a elevar

Leia mais

ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Em geral as estatísticas sobre a economia brasileira nesse início de ano não têm sido animadoras

Leia mais

PASSO 8 IMPLANTANDO OS CONTROLES

PASSO 8 IMPLANTANDO OS CONTROLES PASSO 8 IMPLANTANDO OS CONTROLES Ter o controle da situação é dominar ou ter o poder sobre o que está acontecendo. WWW.SIGNIFICADOS.COM.BR Controle é uma das funções que compõem o processo administrativo.

Leia mais

PIB do Agronegócio CEPEA-USP/CNA Janeiro a abril de 2008 NÚMEROS BONS E ESTÁVEIS PARA O AGRONEGÓCIO EM ABRIL

PIB do Agronegócio CEPEA-USP/CNA Janeiro a abril de 2008 NÚMEROS BONS E ESTÁVEIS PARA O AGRONEGÓCIO EM ABRIL NÚMEROS BONS E ESTÁVEIS PARA O AGRONEGÓCIO EM ABRIL O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada da Universidade de São Paulo (Cepea),

Leia mais

Pesquisa Operacional. Componentes de um modelo de PL

Pesquisa Operacional. Componentes de um modelo de PL Pesquisa Operacional Introdução à Modelagem de Problemas Lineares Recursos Escasso. Componentes de um modelo de PL O modelo Matemático é composto por: Função Objetivo (eq. Linear, Ex.: Lucro) Restrições

Leia mais

BOLETIM CONJUNTURAL BOLETIM COMÉRCIO VAREJISTA DE PERNAMBUCO: AGOSTO DE 2014 (MÊS DE REFERÊNCIA: JUNHO DE 2014) INSTITUTO FECOMÉRCIO - PE 3

BOLETIM CONJUNTURAL BOLETIM COMÉRCIO VAREJISTA DE PERNAMBUCO: AGOSTO DE 2014 (MÊS DE REFERÊNCIA: JUNHO DE 2014) INSTITUTO FECOMÉRCIO - PE 3 Boletim Conjuntural Junho / 2014 BOLETIM CONJUNTURAL BOLETIM COMÉRCIO VAREJISTA DE PERNAMBUCO: AGOSTO DE 2014 (MÊS DE REFERÊNCIA: JUNHO DE 2014) 1. Contexto nacional e regional Em junho, a economia brasileira

Leia mais

Inflação castiga mais o bolso dos que menos têm

Inflação castiga mais o bolso dos que menos têm Inflação castiga mais o bolso dos que menos têm Variação de preços na faixa de um a 2,5 salários mínimos acumula alta de 11,22% em 12 meses, acima dos 10,48% do IPCA. Desprotegida, população vê a renda

Leia mais

Estudo aponta que o salário mínimo aumentou 1.019,2% em 20 anos de Plano Real

Estudo aponta que o salário mínimo aumentou 1.019,2% em 20 anos de Plano Real Veículo: Bahia Negócios Data: 28/05/14 Estudo aponta que o salário mínimo aumentou 1.019,2% em 20 anos de Plano Real Em 1994, quando foi instituído o Plano Real, o salário mínimo custava R$ 64,79. Passados

Leia mais

Guerra Fiscal e Desenvolvimento Regional. Audiência Pública Senado Federal 18 de outubro de 2011

Guerra Fiscal e Desenvolvimento Regional. Audiência Pública Senado Federal 18 de outubro de 2011 Guerra Fiscal e Desenvolvimento Regional Audiência Pública Senado Federal 18 de outubro de 2011 Quem ganha com a Guerra Fiscal? O país perde Porque grande parte dos incentivos é concedido a importações

Leia mais