PROGRAMA VIDA AO MARINHEIRINHO RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS VOTUPORANGA-SP

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA VIDA AO MARINHEIRINHO RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS VOTUPORANGA-SP"

Transcrição

1 PROGRAMA VIDA AO MARINHEIRINHO RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS VOTUPORANGA-SP Simone Neiva Rodella (1) Bióloga especializada em administração e educação ambiental é atualmente, diretora da divisão de meio ambiente do órgão ambiental municipal de Votuporanga-SP., atuando, principalmente, na gestão de RSU s. Desde 2013 é interlocutora do Programa Município Verde Azul pelo qual o município ocupa atualmente o 2º lugar no ranking estadual. Possui vasta experiência em assessoria e planejamento atuando em projetos de recuperação ambiental e programas de EA. Tatiane Gisele Alves (2) Bióloga, mestre pela UNICAMP, desenvolveu pesquisas com a fauna de formigas da Mata Atlântica. Atualmente ocupa o cargo de chefe do setor de diagnósticos e projetos ambientais do órgão ambiental municipal de Votuporanga-SP., atuando, principalmente, na gestão de projetos de recuperação de áreas degradadas, entre outros. Possui experiência em consultoria ambiental tendo atuado na elaboração e gestão de projetos ambientais. Endereço (1) : Rua Pernambuco Centro - Votuporanga São Paulo - CEP: Brasil - Tel: +55 (17) RESUMO O Programa Vida ao Marinheirinho tem seu foco na porção montante da Microbacia do Córrego do Marinheirinho (Figura 01), em Votuporanga-SP., onde estão inseridas 85 propriedades rurais e 36 nascentes. O propósito central do programa é a restauração e manutenção das APP s de nascentes e córregos de forma a melhorar a qualidade da matriz ambiental onde se encontram inseridas, pequenas propriedades rurais. O Programa Vida ao Marinheirinho é o maior programa de recuperação de áreas de preservação permanente já desenvolvido no município onde a linha adotada é o desenvolvimento das ações de forma articulada com diferentes atores sociais. Assim sendo, o Programa Vida ao Marinheirinho configura hoje, a principal ferramenta de gestão da municipalidade capaz de promover, a longo prazo, a melhoria da qualidade e a quantidade de água para o principal manancial superficial de abastecimento público do município. ASSEMAE - Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 1

2 Figura 01: porção montante da Microbacia do Córrego do Marinheirinho Votuporanga-SP. Palavras-chave: Gestão de recursos hídricos; Abastecimento público; Recuperação de áreas degradadas; Conservação de bacias; Vegetação ciliar; Mananciais superficiais; PSA- Pagamento por Serviços Ambientias. INTRODUÇÃO/OBJETIVOS O município de Votuporanga tem sua sede na Microbacia do Córrego do Marinheirinho, uma dentre as doze sub-bacias da Bacia Hidrográfica do Turvo/Grande (UGRHI 15), no noroeste paulista. A Microbacia do Córrego do Marinheirinho possui área total de 1.395,7 Km 2 (IPT, 2007), constituindo o principal sistema produtor de água para abastecimento público do município. A represa de captação do Córrego do Marinheirinho, concluída em 1974 é de responsabilidade da SAEV Ambiental (http://www.saev.com.br/agua.php), autarquia municipal responsável pela gestão da água, esgoto e meio ambiente no município de Votuporanga e reserva um volume de água, da ordem de 480 mil metros cúbicos. A produção de água tratada atinge a média de 164 litros por segundo sendo responsável, atualmente, pelo abastecimento de 35% da população (http://www.saev.com.br/agua.php). No entanto, o Córrego do Marinheirinho vem sofrendo ações de degradação antrópica por muitos anos. A progressiva substituição da vegetação natural por vegetação exótica ou pastagens tem gerado impactos expressivos na bacia, sobretudo no que se refere a processos erosivos e ao assoreamento da represa de captação. Na busca de alternativas para minimizar os problemas decorrentes dessa degradação, a administração municipal adotou ASSEMAE - Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 2

3 uma série de medidas contidas no maior programa de recuperação de áreas degradadas da sua história, intitulado: Programa Vida ao Marinheirinho que tem como foco, uma área de 2.890,523 ha na porção montante da represa de captação onde estão inseridas 85 pequenas propriedades rurais, 36 nascentes e 169,36 ha de APP s. Segundo o Relatório de Situação de Recursos Hídricos na UGRHI 15 Turvo/Grande, (IPT, 2001) a vegetação remanescente é de 3,7% em relação à superfície, não sendo muito diferente da situação geral de todo o território paulista, onde, estudos estimam a existência de mais de 1,3 milhão de hectares de áreas marginais a cursos d água sem vegetação ciliar (Barbosa, 2006). Em 2008, por iniciativa do 4º Batalhão de Policiamento Ambiental do município, foi realizado um levantamento georreferenciado da Microbacia do Córrego Marinheirinho (Figura 02). Figura 02: Levantamento georrreferenciado realizado pelo 4º BPAmb da porção montante da Microbacia do Córrego do Marinheirinho em Foram percorridas 85 propriedades e catalogadas 36 nascentes (Figura 02). Encontrou-se então, uma situação alarmante, pois apenas uma das 85 propriedades possuía APP em bom estado de preservação. Dos 130,66 ha de APP s vistoriados, 24,75 ha possuíam vegetação em estágio médio de preservação, 9,41 ha em estágio inicial de preservação. 90,0 ha de APP, ou seja, ASSEMAE - Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 3

4 68,88% da área total apresentavam-se ocupados por criação de bovinos e eqüinos e 6,5 ha com cultivo agrícola. Assim sendo, optou-se pela implantação do Programa Vida ao Marinheirinho com o objetivo central de devolver a vida ao manancial, recuperando e isolando a vegetação nativa das APP s e, conseqüentemente, aumentando a vazão do Córrego Marinheirinho e promovendo a volta da fauna a este ambiente através da implantação de um projeto que envolvesse toda a comunidade do entorno, num esforço conjunto em busca de melhor qualidade de vida e promoção da sustentabilidade local, numa perspectiva que servisse como modelo para outras áreas em semelhantes situações de vulnerabilidade ambiental. METODOLOGIA As ações desenvolvidas no âmbito do Programa Vida ao Marinheirinho englobam recursos do FECOP Fundo Estadual de Prevenção e Controle da Poluição do Estado de São Paulo, FSA Fundo Socioambiental da Caixa Econômica Federal e ANA - Agência Nacional de Água, além parcerias com a Polícia Ambiental, Associação dos Produtores Rurais da Bacia do Córrego do Marinheirinho e Universidades Públicas Estaduais. A área foi eleita como prioritária, por se tratar de área de recarga do manancial superficial responsável pelo abastecimento de água de uma parcela significativa da população. Inicialmente foi realizada uma análise dos impactos ambientais existentes o que orientou a proposição de medidas mitigadoras. A linha adotada para implantação do programa foi articulação, com diversos órgãos e entidades, tanto da esfera federal quanto estadual e municipal, principalmente no sentido de adquirir os recursos financeiros necessários. Assim sendo, o Programa Vida ao Marinheirinho contou com distintos projetos descritos a seguir. PROJETO OLHOS D ÁGUA Trata-se de um projeto desenvolvido em parceria com a ANA- Agência Nacional das Águas, de restauração florestal de APP s de nascentes. As ações desenvolvidas pelo projeto foram de isolamento (cercamento), recuperação (plantio) e manutenção, pelo período de 2 (dois) anos da vegetação que compõe as APP s de 21 (vinte e uma) nascentes (figuras 03 e 04), conservação de solo (figura 05) em uma área de 60 hectares e ainda, um programa de educação ambiental voltado aos proprietários rurais (figura 06). ASSEMAE - Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 4

5 Figura 03: recuperção de nascente: detalhe: isolamento Figura 04: recuperação de nascente: detalhe: olho d água ASSEMAE - Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 5

6 Figura 05: conservação de solos curvas em nível Figura 06: capacitação dos produtores rurais programa de educação ambiental ASSEMAE - Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 6

7 As nascentes recuperadas neste projeto formam importantes veios d água, afluentes do Córrego Marinheirinho, onde é feita a captação de água superficial para abastecimento humano da cidade de Votuporanga. A característica mais marcante do Projeto Olhos D água é o fato de que este projeto possibilitou a implantação posterior do PSA Pagamento por Serviços Ambientais, uma vez que não havia, na área, nascentes protegidas aptas a receberem a remuneração oferecida pelo PSA. PROJETO PROTEÇÃO DAS ÁGUAS DA MICROBACIA DO CÓRREGO MARINHEIRINHO O Projeto Proteção das Águas da Microbacia do Córrego Marinheirinho, em parceria com o FSA Fundo Socioambiental da Caixa Econômica Federal, consistiu em um projeto voltado à recuperação da vegetação nativa em áreas de APP s de córregos situadas em pequenas propriedades rurais. O projeto disponibilizou recursos para isolamento (figura 07), plantio e manutenção (figura 08), pelo período de 18 (dezoito) meses, em córregos de 35 propriedades rurais, além da implantação de um programa de educação ambiental com capacitações, palestras, e seminário junto à comunidade do entorno e a população do município. Figura 07: isolamento de APP de córrego Projeto Proteção das águas do Marinheirinho ASSEMAE - Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 7

8 Figura 08: manutenção de APP de córrego coroamento de mudas. Projeto Proteção das águas do Marinheirinho A característica mais marcante do projeto Proteção das Águas da Microbacia do Córrego do Marinheirinho é o fato de trata-se de uma ação compartilhada, com participação do poder público (tanto na esfera estadual quanto federal), bem como com entidades sem fins lucrativos (ONG) e ainda, com os proprietários rurais através da Associação dos Produtores Rurais. PROJETO MINA D ÁGUA PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS O Projeto Mina D água, em parceria com o FECOP Fundo Estadual de Prevenção e Controle da Poluição, instituído por Lei Municipal (Lei Municipal Nº 4.861), é uma modalidade de PSA Pagamento por Serviços Ambientias que visa retorno financeiro para os produtores rurais que, comprovadamente, adotarem práticas para proteção e recuperação de nascentes em áreas do principal manancial superficial de abastecimento público do município de Votuporanga Córrego do Marinheirinho. As ações iniciais do projeto incluiram: i) Seleção da área de interesse para a implantação do programa; ii) mapeamento para identificação e localização das nascentes por meio de planta georreferenciada, iii) avaliação de imagens de satélite, iv) visitas a campo. Após esta fase, foram assinados contratos com os proprietários aptos a receberem a remuneração, sendo os principais critérios verificados mediante vistorias, visitas a campo, elaboração de relatórios, coleta de dados e apresentação de imagens, determinando e definindo prazos para correção total ou parcial das ações de desconformidade com os critérios adotados. Outro benefício oferecido pelo projeto foi o cadastramento das propriedades no CAR Cadastro Ambiental Rural, sem custo para os mesmos. ASSEMAE - Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 8

9 PROJETO PSA VIDA AO MARINHEIRINHO O Projeto PSA Vida ao Marinheirinho, criado pelo Decreto Municipal nº9043, conta com recurso da SAEV Ambiental autarquia municipal e remunera os proprietários rurais que possuem nascentes em bom estado de conservação na área. O projeto visa incentivar os proprietários que aderiram ao Projeto Mina D água, dobrando o valor a ser pago por cada nascente. Os critérios adotados foram os mesmos para adesão ao Mina D água, uma vez que trata-se das mesmas nascentes contempladas. PROJETO DE CONSERVAÇÃO DO SOLO DA MICROBACIA DO MARINHEIRINHO O Projeto de conservação de solo é uma parceria entre a Secretaria Municipal de Desenvolvimento e a Patrulha Agrícola consistindo na locação de terraços em nível em propriedades cujos proprietários faziam parte da Associação dos Produtores Rurais do Córrego do Marinheirinho, como forma de incentivo ao fortalecimento da associação. O Proprietário rural faz a solicitação na Patrulha Agrícola que, por sua vez, realiza os serviços sem qualquer custo para o proprietário. PROJETO DE MONITORAMENTO DA MICROBACIA DO CÓRREGO DO MARINHEIRINHO O Projeto de monitoramento, desenvolvido em parceria com a UNESP Universidade Julio de Mesquita Filho e ESALQ Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, tem como objetivo, avaliar os impactos de algumas ações desenvolvidas pelos projetos instalados de forma a fornecer subsídios para ações futuras que visem a melhoria da gestão dos corpos hídricos inseridos neste sistema. RESULTADOS Decorridos 17 meses do início da implantação do Programa Vida ao Marinheirinho, 7324 mudas foram plantadas, 21 nascentes e 588,3 ha de APP s de córregos encontram-se cercadas, 10 bacias de contenção implantadas e 03 Km da estrada vicinal conservados. Quanto à educação ambiental, foram realizadas diversas capacitações, reuniões e encontros. Os projetos de PSA Mina D água e PSA Vida ao Marinheirinho contam com 18 proprietários inscritos. Foram também criados 02 (dois) hotsites (www.projetoolhosdagua.com e Assim sendo, já é possível observar, mesmo que de forma não sistematizada, o aumento da complexidade estrutural do ambiente, principalmente, através da manutenção do fluxo de vazão de nascentes, mesmo em períodos críticos de estiagem. Outro fato extremamente positivo observado é o alto índice de adesão ao programa por parte dos proprietários do entorno. Estes se ASSEMAE - Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 9

10 tornaram atores ativos na gestão de recursos hídricos. Nota-se, a cada capacitação, o desejo, de que o programa siga em frente sendo visto como um apoio na conservação das propriedades que até então, tiveram seus recursos naturais exaustivamente explorados sem nenhuma preocupação com a sustentabilidade. DISCUSSÃO Algumas ações do Programa Vida ao Marinheirinho encontram-se ainda, em desenvolvimento e muitos esforços ainda são necessários para a efetiva recuperação deste manancial. No entanto, ainda este ano, serão realizadas várias ações de manutenção dos plantios e educação ambiental onde buscaremos sempre, a apresentação de alternativas sustentáveis de produção, incentivando sempre, o aproveitamento racional dos recursos naturais ali existentes. Para a conclusão desta fase do programa faz-se ainda necessário, a realização de um balanço geral dos resultados obtidos com os recursos disponibilizados para que possam ser traçadas novas metas e estratégias para a continuidade do programa. CONCLUSÃO A represa de captação da Microbacia do Córrego do Marinheirinho perdeu, ao longo de sua existência, boa parte de sua capacidade de reservação devido, principalmente, ao assoreamento advindo das más condições de conservação de sua área de contribuição (porção montante da bacia). Além dos impactos causados ao sistema de captação de água para abastecimento público ocorreu também, o comprometimento da capacidade produtiva das pequenas propriedades ali instaladas, que passaram a desenvolver algumas atividades, como pecuária, nas APP s de córregos e nascentes na busca de solução para a escassez de água e outros recursos naturais. Em síntese, o que ocorreu ao longo dos anos, foi um intenso processo de degradação por ações antrópicas que afetou uma parcela significativa da população que depende do manancial ora para o abastecimento de água ora para sua subsistência. O programa surge então como uma estratégia de proteção em diversas linhas de atuação e complexidade, pois não restringe suas ações apenas às APP s, mas em toda a área de contribuição da microbacia. Assim, as ações de proteção (cercamento, plantio e conservação de solo) garantem a proteção física da área de contribuição da represa de abastecimento público aliada ao PSA e as ações de educação ambiental com os proprietários rurais e população asseguram a perenidade das ações. A qualidade da água distribuída a uma determinada população depende de uma série de fatores ASSEMAE - Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 10

11 sendo que a água captada de mananciais cujas bacias são bem protegidas e a vegetação natural preservada, será uma água de boa qualidade e quantidade, pois esta é facilmente tratável. Neste sentido, o Programa Vida ao Marinheirinho trouxe inúmeros benefícios ao sistema de abastecimento público e também aos pequenos produtores do entorno. No entanto, fica evidente a necessidade de aporte de novos recursos para garantir a manutenção das ações e para que os benefícios socioambientais sejam ampliados a todas as futuras gerações votuporanguenses. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BARBOSA, L.M. coordenação. Manual para recuperação de áreas degradadas do Estado de São Paulo: Matas Ciliares do Interior Paulista. São Paulo: Instituto de Botânica, CAMPELLO, E. F. C. Sucessão vegetal na recuperação de áreas degradadas, In DIAS, L.E.; MELLO, J.W.V. (Eds.) Recuperação de áreas degradadas, Viçosa: UFV, Departamento de Solos; Sociedade Brasileira de Recuperação de Áreas Degradadas, p INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO. Diagnóstico da situação atual dos recursos hídricos da bacia hidrográfica do Turvo/ Grande UGRHI-15. São Paulo: IPT, 2001 INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS. Relatório Um de Situação dos Recursos Hídricos da Bacia do Turvo/Grande. São Paulo: IPT, LIMA, W. de P. Hidrologia florestal aplicada ao manejo de bacias hidrográficas. Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Departamento de Ciências Florestais, Piracicaba, 2º edição, PROJETO OLHOS D ÁGUA. Disponível em <http://www.projetoolhosdagua.com>. Acesso em 13 de janeiro de PROJETO PROTEÇÃO DAS ÁGUAS DA MICROBACIA DO CÓRREGO MARINHEIRINHO. <http://www.protecaodasaguas.com.br>. Acesso em: 19 de janeiro de SAEV AMBIENTAL. Disponível em <http://www.saev.com.br/agua.php >. Acesso em: 12 de janeiro de ASSEMAE - Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 11

Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1

Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1 Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1 Conceito de Tecnologia Social aplicada a Municípios Sustentáveis: "Compreende técnicas, metodologias e experiências

Leia mais

APPA Associação de Proteção e Preservação Ambiental de Araras A natureza, quando agredida, não se defende; porém,ela se vinga.

APPA Associação de Proteção e Preservação Ambiental de Araras A natureza, quando agredida, não se defende; porém,ela se vinga. O desmatamento, ao longo dos anos, no município de Araras, contribuiu para a redução no suprimento de água potável, devido à formação geológica local, que resulta nos aqüíferos do grupo Passa Dois e Basalto

Leia mais

Água e Floresta As lições da crise na região Sudeste

Água e Floresta As lições da crise na região Sudeste Água e Floresta As lições da crise na região Sudeste No Brasil as políticas afirmativas tiveram inicio com a Constituição de 1988. A Legislação de Recursos Hídricos avançou em mecanismos de gestão e governança

Leia mais

O Programa Produtor de Água

O Programa Produtor de Água O Programa Produtor de Água Arcabouço Legal e Institucional Lei nº 9.433 de 8.01.97 Titulo I - Da Política Nacional de Recursos Hídricos Capitulo II Dos Objetivos Artigo 2º - São objetivos da Política

Leia mais

ANEXO II GUIA DE FORMULAÇÃO DO PROJETO

ANEXO II GUIA DE FORMULAÇÃO DO PROJETO ANEXO II GUIA DE FORMULAÇÃO DO PROJETO 1. INTRODUÇÃO A Agência Pernambucana de Águas e Clima (APAC) foi criada pela Lei estadual 14.028 de março de 2010 e tem como uma de suas finalidades executar a Política

Leia mais

GRANDES PARCERIAS GERANDO GRANDES RESULTADOS NA GESTÃO SUSTENTAVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS PRODUTOR DE ÁGUA NO PIPIRIPAU-DF

GRANDES PARCERIAS GERANDO GRANDES RESULTADOS NA GESTÃO SUSTENTAVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS PRODUTOR DE ÁGUA NO PIPIRIPAU-DF GRANDES PARCERIAS GERANDO GRANDES RESULTADOS NA GESTÃO SUSTENTAVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS PRODUTOR DE ÁGUA NO PIPIRIPAU-DF José Bento da Rocha Farmacêutico graduado pela Universidade Estadual de Goiás UEG,

Leia mais

CONSIDERAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES

CONSIDERAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES CONSIDERAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES Este modelo foi desenvolvido visando à recuperação de Áreas de Preservação Permanente de Nascentes

Leia mais

Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto

Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto Autores: Emílio Rodrigues Versiani Junior 1 Geraldo Aristides Rabelo Nuzzi Andréa Rodrigues Fróes Resumo O Projeto

Leia mais

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 EXTREMA EXTREMO SUL DE MINAS. SERRA DA MANTIQUEIRA. 480 KM BH E 100 KM DA CIDADE DE SP. POPULAÇÃO 24.800 HABITANTES. CONTINUIDADE ADMINISTRATIVA DE 20 ANOS

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária Mostra de Projetos 2011 Programa Águas de Araucária Mostra Local de: Araucária. Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Secretaria Municipal

Leia mais

Recursos Naturais e Biodiversidade

Recursos Naturais e Biodiversidade 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 Florestas Gestão dos Recursos Hídricos Qualidade e Ocupação do Solo Proteção da Atmosfera e Qualidade

Leia mais

QUALIDADE AMBIENTAL EM BACIAS HIDROGRÁFICAS: o uso de indicadores ambientais para gestão de qualidade da água em Catalão (GO) Klayre Garcia PORTO

QUALIDADE AMBIENTAL EM BACIAS HIDROGRÁFICAS: o uso de indicadores ambientais para gestão de qualidade da água em Catalão (GO) Klayre Garcia PORTO QUALIDADE AMBIENTAL EM BACIAS HIDROGRÁFICAS: o uso de indicadores ambientais para gestão de qualidade da água em Catalão (GO) Klayre Garcia PORTO Aluna do Programa de Pós-Graduação do Mestrado em Geografia

Leia mais

Tema: Reserva Legal. Familiar/MMA

Tema: Reserva Legal. Familiar/MMA Tema: Reserva Legal Norma atual Proposta 1 Proposta Agricultura Proposta Movimento MAPA/ruralistas Familiar/MMA Socioambientalista Recuperação de RL: exige a Reconhecimento de Não aceitar anistia para

Leia mais

LEI Nº 1.931, DE 12 DE JUNHO 2.001.

LEI Nº 1.931, DE 12 DE JUNHO 2.001. LEI Nº 1.931, DE 12 DE JUNHO 2.001. Cria a Área de Proteção Ambiental (APA) da Pedra Gaforina e define o seu Zoneamento Ambiental (Ecológico-Econômico), no Município de GUANHÃES-MG. Faço saber que a Câmara

Leia mais

LEGISLAÇÃO BRASILEIRA E PROGRAMAS DO GOVERNO FEDERAL PARA O USO SUSTENTÁVEL E A CONSERVAÇÃO DE SOLOS AGRÍCOLAS

LEGISLAÇÃO BRASILEIRA E PROGRAMAS DO GOVERNO FEDERAL PARA O USO SUSTENTÁVEL E A CONSERVAÇÃO DE SOLOS AGRÍCOLAS ESTUDO LEGISLAÇÃO BRASILEIRA E PROGRAMAS DO GOVERNO FEDERAL PARA O USO SUSTENTÁVEL E A CONSERVAÇÃO DE SOLOS AGRÍCOLAS ESTUDO DEZEMBRO/2014 Rodrigo Hermeto Corrêa Dolabella Consultor Legislativo da Área

Leia mais

Projeto de Recuperação de Matas Ciliares

Projeto de Recuperação de Matas Ciliares PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DA AGRICULTURA E ABASTECIMENTO 120 mil km de cursos d água desprotegidos 13,7% de vegetação

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA TÉCNICA E FORMA DE APRESENTAÇÃO DOS ESTUDOS AMBIENTAIS (PROJETOS BÁSICOS) TERMO DE REFERÊNCIA TÉCNICA

ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA TÉCNICA E FORMA DE APRESENTAÇÃO DOS ESTUDOS AMBIENTAIS (PROJETOS BÁSICOS) TERMO DE REFERÊNCIA TÉCNICA ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA TÉCNICA E FORMA DE APRESENTAÇÃO DOS ESTUDOS AMBIENTAIS (PROJETOS BÁSICOS) TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESAS ESPECIALIZADAS PARA ELABORAÇÃO de ESTUDOS AMBIENTAIS,

Leia mais

Legislação Ambiental Brasileira: Entraves, Sucessos e Propostas Inovadoras no Âmbito da Pequena Propriedade

Legislação Ambiental Brasileira: Entraves, Sucessos e Propostas Inovadoras no Âmbito da Pequena Propriedade Legislação Ambiental Brasileira: Entraves, Sucessos e Propostas Inovadoras no Âmbito da Pequena Propriedade Fórum sobre Área de Preservação Permanente e Reserva Legal na Paisagem e Propriedade Rural Piracicaba,

Leia mais

PROGRAMA DE REFLORESTAMENTO DAS MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO AOS MANANCIAIS DA REPRESA BILLINGS NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ SP

PROGRAMA DE REFLORESTAMENTO DAS MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO AOS MANANCIAIS DA REPRESA BILLINGS NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ SP PROGRAMA DE REFLORESTAMENTO DAS MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO AOS MANANCIAIS DA REPRESA BILLINGS NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ SP Fernanda Longhini Ferreira 1 O município de Santo André,

Leia mais

Proposta para que o PAA possa apoiar a regularização ambiental

Proposta para que o PAA possa apoiar a regularização ambiental Proposta para que o PAA possa apoiar a regularização ambiental Considerando a Diretriz 2 do Plano Nacional de Segurança Alimentar: Promoção do abastecimento e estruturação de sistemas descentralizados,

Leia mais

ÁGUA FLORESTAS E CLIMA: RUMO À COP 21

ÁGUA FLORESTAS E CLIMA: RUMO À COP 21 ÁGUA FLORESTAS E CLIMA: RUMO À COP 21 Cuidar da Água: Desafio para sociedade Combater: Desmatamento Poluição Desperdício Investir Refloretamento Saneamento Tecnologia e Gestão Integrada 8,5 145 72 70 20

Leia mais

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12 CÓDIGO FLORESTAL COMO SE REGULARIZAR O QUE É CÓDIGO FLORESTAL? O Código é uma lei que estabelece limites e obrigações no uso da propriedade,, que deve respeitar a vegetação existente na terra, considerada

Leia mais

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago Consulta Pública 2015 Base Legal Lei Federal nº 9.985 de 18 de julho de 2000 Regulamenta o artigo 225 da Constituição Federal e Institui o Sistema Nacional

Leia mais

9.3 Descrição das ações nos Sistemas de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário

9.3 Descrição das ações nos Sistemas de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário 171 9.3 Descrição das ações nos Sistemas de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário Com a finalidade de alcançar os objetivos e metas estabelecidas no PMSB de Rio Pardo sugerem-se algumas ações,

Leia mais

Crédito Ambiental Paulista para as Reservas Particulares do Patrimônio Natural Projeto CAP / RPPN. Resultados e próximos passos

Crédito Ambiental Paulista para as Reservas Particulares do Patrimônio Natural Projeto CAP / RPPN. Resultados e próximos passos Crédito Ambiental Paulista para as Reservas Particulares do Patrimônio Natural Projeto CAP / RPPN Resultados e próximos passos Vinculada à Secretaria Estadual do Meio Ambiente do Estado de São Paulo Criação

Leia mais

Programa Município Verde Azul 2012

Programa Município Verde Azul 2012 Programa Município Verde Azul 2012 OBJETIVOS FORTALECER o planejamento ambiental no cotidiano do Município INCENTIVAR a participação da Sociedade Civil na agenda ambiental local METAS Planos Municipais

Leia mais

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014 O USO DO GEOPROCESSAMENTO COMO APOIO AO DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO BOM RETIRO, JAÚ SP Fábio César Martins 1, Rafael Aleixo Braga 2, José Carlos Toledo Veniziani Junior 3 1 Tecnólogo

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO Enio Resende de Souza Eng. Agr. M.Sc. Manejo Ambiental / Coordenador Técnico / Meio Ambiente Gestão do Produto

Leia mais

Município de Colíder MT

Município de Colíder MT Diagnóstico da Cobertura e Uso do Solo e das Áreas de Preservação Permanente Município de Colíder MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Julho de 2008 Introdução O município de Colíder está localizado

Leia mais

Deliberação dos Comitês PCJ nº de 23/10/2015.

Deliberação dos Comitês PCJ nº de 23/10/2015. Deliberação dos Comitês PCJ nº de 23/10/201 Aprova a Política de Recuperação, Conservação e Proteção dos Mananciais no âmbito da área de atuação dos Comitês PCJ, que dispõe sobre as Ações para Produção

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2016. (Do Sr. SARNEY FILHO) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE 2016. (Do Sr. SARNEY FILHO) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE 2016 (Do Sr. SARNEY FILHO) Altera dispositivos da Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, passa a vigorar

Leia mais

Instrumentos Legais de Proteção Ambiental em Propriedades Rurais

Instrumentos Legais de Proteção Ambiental em Propriedades Rurais Instrumentos Legais de Proteção Ambiental em Propriedades Rurais Uberlândia Minas Gerais Abril de 2015 Índice Introdução... 2 Instrumentos de planejamento e gestão do uso do solo... 2 Zoneamento Ecológico-

Leia mais

www.institutoproterra.org.br

www.institutoproterra.org.br APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Missão O Instituto Pró Terra é uma entidade sem fins lucrativos criada em 1997 sob o CNPJ: 04728488/0001-29, que reúne amigos, educadores, técnicos e pesquisadores com a missão

Leia mais

Projeto de Recuperação de Matas Ciliares do Estado de São Paulo

Projeto de Recuperação de Matas Ciliares do Estado de São Paulo Projeto de Recuperação de Matas Ciliares do Estado de São Paulo novembro de 2007 Uso do solo pela agropecuária Produzir! Preservar!? Produzir ou Preservar? Novo Paradigma PRODUZIR E PRESERVAR RESTAURAR

Leia mais

PROJETO RESUMO EXECUTIVO

PROJETO RESUMO EXECUTIVO PROJETO RESUMO EXECUTIVO Submetido e aprovado pelo Edital FEHIDRO/2011 Proponente: Associação Águas do Nordeste (ANE) Parceiros: Sociedade Nordestina de Ecologia (SNE); Universidade Federal de Pernambuco/Grupo

Leia mais

Regularização Fundiária de Unidades de Conservação Federais

Regularização Fundiária de Unidades de Conservação Federais Programa 0499 Parques do Brasil Objetivo Ampliar a conservação, no local, dos recursos genéticos e o manejo sustentável dos parques e áreas de proteção ambiental. Indicador(es) Taxa de proteção integral

Leia mais

Projeto Quintais Amazônicos

Projeto Quintais Amazônicos Projeto Quintais Amazônicos BOLETIM INFORMATIVO DO PROJETO QUINTAIS AMAZÔNICOS - MAIO - Nº.01 CONHEÇA 0 PROJETO QUE IRÁ GERAR NOVAS OPORTUNIDADES ECONÔMICAS, INCLUSÃO SOCIAL E CONSERVAÇÃO AMBIENTAL PARA

Leia mais

A ECOAR E O DESENVOLVIMENTO FLORESTAL JUNTO À PEQUENA E MÉDIA PROPRIEDADE RURAL. Atuação e abordagem dos trabalhos desenvolvidos pela ECOAR

A ECOAR E O DESENVOLVIMENTO FLORESTAL JUNTO À PEQUENA E MÉDIA PROPRIEDADE RURAL. Atuação e abordagem dos trabalhos desenvolvidos pela ECOAR A ECOAR E O DESENVOLVIMENTO FLORESTAL JUNTO À PEQUENA E MÉDIA PROPRIEDADE RURAL Eduardo S. Quartim. João C. S. Nagamura. Roberto Bretzel Martins. Atuação e abordagem dos trabalhos desenvolvidos pela ECOAR

Leia mais

DISPOSIÇÕES PERMANENTES

DISPOSIÇÕES PERMANENTES Revista RG Móvel - Edição 31 DISPOSIÇÕES PERMANENTES CADASTRO AMBIENTAL RURAL (CAR): O novo Código Florestal determina a criação do CAR (Cadastro Ambiental Rural) e torna obrigatório o registro para todos

Leia mais

olímpico das 24 milhões de árvores Beto Mesquita

olímpico das 24 milhões de árvores Beto Mesquita Indução de reflorestamento no Rio de Janeiro: Das compensações ambientais ao desafio olímpico das 24 milhões de árvores Beto Mesquita Seminário Reflorestamento da Mata Atlântica no Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015. (Do Sr. Fausto Pinato)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015. (Do Sr. Fausto Pinato) PROJETO DE LEI Nº, DE 2015. (Do Sr. Fausto Pinato) Dispõe sobre a recuperação e conservação de mananciais por empresas nacionais ou estrangeiras especializadas em recursos hídricos ou que oferecem serviços

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA A REALIZAÇÃO DE ESTUDOS SOBRE FINANCIAMENTOS PARA PROJETOS DE PLANTIO DE FLORESTA NATIVA EM RESERVAS LEGAIS 1. IDENTIFICAÇÃO DO TERMO DE REFERÊNCIA 1.1.

Leia mais

Sistema de Cadastro Ambiental Rural

Sistema de Cadastro Ambiental Rural Sistema de Cadastro Ambiental Rural XX Simpósio Jurídico ABCE ÂNGELO RAMALHO ASSESSOR MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO DIRETORIA DE FOMENTO E INCLUSÃO FLORESTAL São Paulo, Outubro/2014

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA DA MICROBACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO RIBEIRÃO BANDEIRANTES REBOJO NO MUNICÍPIO DE TARABAI SP

AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA DA MICROBACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO RIBEIRÃO BANDEIRANTES REBOJO NO MUNICÍPIO DE TARABAI SP 188 AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA DA MICROBACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO RIBEIRÃO BANDEIRANTES REBOJO NO MUNICÍPIO DE TARABAI SP Camila Dias Pinaffi¹; Maira Braghin Christovam¹; Nayara Coelho Silva¹; Décio

Leia mais

EDITAL DE CHAMAMENTO PROJETOS PILOTOS DE SISTEMAS DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS

EDITAL DE CHAMAMENTO PROJETOS PILOTOS DE SISTEMAS DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS EDITAL DE CHAMAMENTO PROJETOS PILOTOS DE SISTEMAS DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA Bacia Hidrográfica do Paraíba do Sul RP03 Consultoria especializada para o acompanhamento

Leia mais

CAR Cadastro Ambiental Rural

CAR Cadastro Ambiental Rural Secretaria de Meio Ambiente CAR Cadastro Ambiental Rural E SUA IMPORTÂNCIA PARA O PRODUTOR RURAL C R I S T I N A A Z E V E D O C O O R D E N A D O R A D E B I O D I V E R S I D A D E E R E C U R S O S

Leia mais

Brasília, 28 de novembro de 2011. O que é o PPCerrado:

Brasília, 28 de novembro de 2011. O que é o PPCerrado: PPCerrado Brasília, 28 de novembro de 2011. 1 O que é o PPCerrado: É um Plano de Ação (tático-operacional) que reúne ações para a redução do desmatamento no Cerrado e a viabilização de alternativas de

Leia mais

Código Florestal contexto.problemas.propostas

Código Florestal contexto.problemas.propostas Código Florestal contexto.problemas.propostas tasso.azevedo@gmail.com 1. Contexto 2. Problemas 3. Propostas 1 Regulamentação sobre florestas Constituição Federal (1988) Código Florestal (1965) Lei de Crimes

Leia mais

O senso comum brasileiro sobre a água

O senso comum brasileiro sobre a água O senso comum brasileiro sobre a água As catástrofes da água vivenciadas com a crise do sistema Cantareira, com a seca da nascente do rio São Francisco e a calamidade em Itu 1, entre outras, ressaltam

Leia mais

Diagnóstico da Área de Preservação Permanente (APP) do Açude Grande no Município de Cajazeiras PB.

Diagnóstico da Área de Preservação Permanente (APP) do Açude Grande no Município de Cajazeiras PB. Diagnóstico da Área de Preservação Permanente (APP) do Açude Grande no Município de Cajazeiras PB. Itallo Harlan Reinaldo Alves Gomes (1) ; Jessily Medeiros Quaresma (2) ; Francisco José (3) ; Laedy Cecília

Leia mais

Ações do Projeto de Convivência com o Semiárido

Ações do Projeto de Convivência com o Semiárido Ações do Projeto de Convivência com o Semiárido Fortaleza, 16 de Abril de 2013 1. CONCEITUAÇÃO As Ações de Convivência com o Semiárido são compostas por um conjunto de práticas alternativas definidas,

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 11.730, DE 9 DE JANEIRO DE 2002. (publicada no DOE nº 007, de 10 de janeiro de 2002) Dispõe sobre a Educação

Leia mais

PROJETO VALE SUSTENTÁVEL: RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS VISANDO A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA CAATINGA NA REGIÃO DO VALE DO AÇU RN.

PROJETO VALE SUSTENTÁVEL: RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS VISANDO A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA CAATINGA NA REGIÃO DO VALE DO AÇU RN. PROJETO VALE SUSTENTÁVEL: RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS VISANDO A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA CAATINGA NA REGIÃO DO VALE DO AÇU RN. Elisângelo Fernandes da Silva (E-mail: elisangelo.silva@bol.com.br);

Leia mais

COMPENSAÇÕES AMBIENTAIS DA AMPLIAÇÃO DO ATERRO SANITÁRIO DE SANTO ANDRÉ-SP

COMPENSAÇÕES AMBIENTAIS DA AMPLIAÇÃO DO ATERRO SANITÁRIO DE SANTO ANDRÉ-SP COMPENSAÇÕES AMBIENTAIS DA AMPLIAÇÃO DO ATERRO SANITÁRIO DE SANTO ANDRÉ-SP Robson da Silva Moreno Arquiteto e urbanista formado pela PUC-Campinas (1990), mestre em estruturas ambientais urbanas pela Faculdade

Leia mais

Fernanda Amaral Dantas Sobral. Geóloga - CETESB/IPT

Fernanda Amaral Dantas Sobral. Geóloga - CETESB/IPT Análise do desenvolvimento do Plano Ambiental de Conservação e Uso do Entorno de Reservatórios Artificiais e contribuições para a elaboração de Termos de Referência Fernanda Amaral Dantas Sobral Geóloga

Leia mais

Joema Gonçalves de Alvarenga Secretária Executiva do CBH-Doce

Joema Gonçalves de Alvarenga Secretária Executiva do CBH-Doce Joema Gonçalves de Alvarenga Secretária Executiva do CBH-Doce A BACIA DO RIO DOCE 2 Características Gerais da Bacia do Rio Doce Área da bacia 86.715 km² Extensão do curso principal Aprox. 850 km População

Leia mais

Informações Gerais. Informações complementares

Informações Gerais. Informações complementares ANEXO III Nome da Prática (iniciativa): Resumo (ementa): (até 120 palavras) Palavras-chave: Informações Gerais Projeto Ser Natureza Revitalização do manancial de abastecimento público de água do Município

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES NO ESTADO DE SÃO PAULO. Programa Operacional do GEF: OP#15 (sustainable land management)

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES NO ESTADO DE SÃO PAULO. Programa Operacional do GEF: OP#15 (sustainable land management) PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES NO ESTADO DE SÃO PAULO Proposta para obtenção de recursos do GEF (doação sem encargos de US$7,05 milhões) Programa Operacional do GEF: OP#15 (sustainable land management)

Leia mais

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE BINETE DO SECRETÁRIO PUBLICADA NO DOE DE 25-06-2010 SEÇÃO I PÁG 75 RESOLUÇÃO SMA-061, DE 24 DE JUNHO DE 2010 Define as diretrizes para a execução do Projeto Mina D água - Projeto de Pagamento por Serviços

Leia mais

APA Itupararanga é tema de palestra na ETEC/São Roque

APA Itupararanga é tema de palestra na ETEC/São Roque APA Itupararanga é tema de palestra na ETEC/São Roque A APA Área de Proteção Ambiental de Itupararanga foi tema da palestra de abertura da Semana Paulo Freire, promovida pela ETEC - São Roque. O evento

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO AMAZONAS

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO AMAZONAS RESOLUÇÃO/CEMAAM/Nº01/08 Estabelece normas e procedimentos para regularização ambiental de TANQUES, VIVEIROS, BARRAGENS, PEQUENOS RESERVATÓRIOS, CANAIS DE IGARAPÉS E TANQUES REDE DESTINADOS PARA A AQÜICULTURA

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: ASPECTOS LEGAIS AMBIENTAIS RELEVANTES

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: ASPECTOS LEGAIS AMBIENTAIS RELEVANTES NOVO CÓDIGO FLORESTAL: ASPECTOS LEGAIS AMBIENTAIS RELEVANTES 25 de Setembro de 2012 ESPAÇOS TERRITORIAIS ESPECIALMENTE PROTEGIDOS Cabe ao Poder Público definir, em todas as unidades da Federação, espaços

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO - XI GRUPO DE ESTUDO DE IMPACTOS AMBIENTAIS - GIA METODOLOGIA PARA IMPLANTAÇÃO

Leia mais

RECUPERAÇÃO E CONSERVAÇÃO DE NASCENTES: IMPLEMENTANDO AÇÕES

RECUPERAÇÃO E CONSERVAÇÃO DE NASCENTES: IMPLEMENTANDO AÇÕES RECUPERAÇÃO E CONSERVAÇÃO DE NASCENTES: IMPLEMENTANDO AÇÕES PRÁTICAS E DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA AGRICULTORES DA BACIA DO RIO TURVO SUJO EM COIMBRA/ MG Adriane Oliveira Santos Barbosa (1) Pós-graduanda

Leia mais

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE PUBLICADA NO DOE DE 19-09-2013 SEÇÃO I PÁG 76-77 RESOLUÇÃO SMA Nº 89, DE 18 DE SETEMBRO DE 2013 Institui as diretrizes para a execução do Projeto de Pagamento por Serviços Ambientais para as Reservas Particulares

Leia mais

Crise da água: causas, consequências e enfrentamentos. O papel do direito e dos serviços ecossistêmicos no enfrentamento da crise hídrica

Crise da água: causas, consequências e enfrentamentos. O papel do direito e dos serviços ecossistêmicos no enfrentamento da crise hídrica Crise da água: causas, consequências e enfrentamentos O papel do direito e dos serviços ecossistêmicos no enfrentamento da crise hídrica Local da Fala O reflexo da mudança climática nos recursos hídricos

Leia mais

Linha de Base - Projeto Mina d Água primeiras observações

Linha de Base - Projeto Mina d Água primeiras observações Linha de Base - Projeto Mina d Água primeiras observações Secretaria do Meio Ambiente de São Paulo Unidade de Gestão Local - Projeto de Desenvolvimento Rural Sustentável Departamento de Avaliação de Impactos

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA MONITORAMENTO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES DESENVOLVIDOS POR MEIO DE SISTEMAS AGRO- FLORESTAIS 1. IDENTIFICAÇÃO DOS

Leia mais

PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO. Conciliando Biodiversidade e Agricultura

PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO. Conciliando Biodiversidade e Agricultura PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO Conciliando Biodiversidade e Agricultura DESAFIO Compatibilizar a Conservação e a Agricultura O crescimento da população global e a melhoria dos padrões de vida aumentaram

Leia mais

AMC AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DA CABRUCA. Hermann Rehem Rosa da Silva Eng. Agrônomo - Especialista em Meio Ambiente e Recursos Hídricos INEMA/IOS

AMC AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DA CABRUCA. Hermann Rehem Rosa da Silva Eng. Agrônomo - Especialista em Meio Ambiente e Recursos Hídricos INEMA/IOS AMC AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DA CABRUCA Hermann Rehem Rosa da Silva Eng. Agrônomo - Especialista em Meio Ambiente e Recursos Hídricos INEMA/IOS Decreto Estadual Nº 15180 DE 02/06/2014 Regulamenta a gestão

Leia mais

Bairro Colégio é o sexto núcleo a participar da Capacitação

Bairro Colégio é o sexto núcleo a participar da Capacitação Bairro Colégio é o sexto núcleo a participar da Capacitação As oficinas do programa de Capacitação de Produtores Rurais de Ibiúna, projeto da SOS Itupararanga, chegaram ao Bairro Colégio. O objetivo é

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE UNIDADE DE COORDENAÇÃO DO PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE UNIDADE DE COORDENAÇÃO DO PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA A ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO DO II ENCONTRO PAULISTA DE BIODIVERSIDADE 1. IDENTIFICAÇÃO DO TERMO DE REFERÊNCIA NÚMERO: 23/2010 ÁREA

Leia mais

Lei 20.922/13 Lei Florestal Mineira

Lei 20.922/13 Lei Florestal Mineira Lei 20.922/13 Lei Florestal Mineira 2014 Reserva Legal: Conceito: Nova Lei Florestal Mineira - Lei nº 20.922/2013 Área localizada no interior de uma propriedade ou posse rural, delimitada nos termos da

Leia mais

Soja não é fator relevante de desmatamento no Bioma Amazônia

Soja não é fator relevante de desmatamento no Bioma Amazônia Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais Nº 77/2014 abril Informativo digital sobre temas da cadeia produtiva da soja Soja não é fator relevante de desmatamento no Bioma Amazônia De acordo

Leia mais

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará.

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. TERMO DE REFERÊNCIA Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. 1. Título: Diagnóstico de oportunidades para

Leia mais

AUTOR(ES): ANDRÉ DOS SANTOS JANUÁRIO GARCIA, PAULO HENRIQUE DOS SANTOS

AUTOR(ES): ANDRÉ DOS SANTOS JANUÁRIO GARCIA, PAULO HENRIQUE DOS SANTOS TÍTULO: APP UM ESTUDO EXPLORATÓRIO NA MICRO REGIÃO DE AURIFLAMA-SP CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES): ANDRÉ DOS

Leia mais

ANEXO III TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO III TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO III TERMO DE REFERÊNCIA Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável Departamento de Zoneamento Territorial Projeto GCP/BRA/080/EC PROJETO PACTO MUNICIPAL

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA PRO-PSA NA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUANDU RIO DE JANEIRO (em desenvolvimento)

ESTUDO DE VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA PRO-PSA NA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUANDU RIO DE JANEIRO (em desenvolvimento) ESTUDO DE VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA PRO-PSA NA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUANDU RIO DE JANEIRO Reunião CTEP, 07 de novembro de 2013 Photo credits: (Top) Mark Godfrey; (Bottom) Sergio Pucci; Rick

Leia mais

PROJETO DE LEI N O, DE 2015

PROJETO DE LEI N O, DE 2015 PROJETO DE LEI N O, DE 2015 (Do Sr. Ronaldo Carletto) Cria o Fundo Nacional de Recuperação de Nascentes de Rios (FUNAREN), define os recursos para seu financiamento e estabelece os critérios para sua utilização.

Leia mais

DECRETO ESTADUAL Nº 49.723, DE 24 DE JUNHO DE 2005

DECRETO ESTADUAL Nº 49.723, DE 24 DE JUNHO DE 2005 DECRETO ESTADUAL Nº 49.723, DE 24 DE JUNHO DE 2005 Institui o Programa de Recuperação de Zonas Ciliares do Estado de São Paulo e dá providências correlatas GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 5, de 08 de setembro de 2009.

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 5, de 08 de setembro de 2009. INSTRUÇÃO NORMATIVA N 5, de 08 de setembro de 2009. Dispõe sobre os procedimentos metodológicos para restauração e recuperação das Áreas de Preservação Permanentes e da Reserva Legal instituídas pela Lei

Leia mais

CEFIR. Cadastro Estadual Ambiental Rural

CEFIR. Cadastro Estadual Ambiental Rural CEFIR Cadastro Estadual Ambiental Rural Dezembro.2013 SISEMA SISTEMA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DESAFIO Tornar o Sistema mais ágil e compatibilizá-lo com as demandas da sociedade sem perder o foco na qualidade

Leia mais

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL GABINETE DO DEPUTADO RODRIGO DELMASSO. PROJETO DE LEI Nº 174/2015 (Do Senhor Deputado RODRIGO DELMASSO - PTN)

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL GABINETE DO DEPUTADO RODRIGO DELMASSO. PROJETO DE LEI Nº 174/2015 (Do Senhor Deputado RODRIGO DELMASSO - PTN) PROJETO DE LEI Nº 174/2015 (Do Senhor Deputado RODRIGO DELMASSO - PTN) Dispõe sobre a criação do Sistema de Identificação, Cadastramento e Preservação de Nascentes de Água no Distrito Federal e dá outras

Leia mais

CAPÍTULO III Do Meio Ambiente. Seção I Da Política Ambiental

CAPÍTULO III Do Meio Ambiente. Seção I Da Política Ambiental CAPÍTULO III Do Meio Ambiente Seção I Da Política Ambiental Art. 1º - São objetivos das políticas públicas para o Meio Ambiente: I - implementar as diretrizes contidas na Política Nacional do Meio Ambiente,

Leia mais

GS Inima Brasil Água, o Princípio de todas as coisas

GS Inima Brasil Água, o Princípio de todas as coisas GS Inima Brasil Água, o Princípio de todas as coisas GS Inima Brasil Água, o Princípio de todas as coisas A Empresa Holding GS Inima Brasil está localizada na cidade São Paulo possuindo cinco empresas

Leia mais

1.Instituto Oksigeno... 3 Missão... 4 Visão... 4 Valores... 4

1.Instituto Oksigeno... 3 Missão... 4 Visão... 4 Valores... 4 Sumário 1.Instituto Oksigeno... 3 Missão... 4 Visão... 4 Valores... 4 2. Apresentação... 5 3. Objetivo... 6 3.1 Objetivos específicos... 6 4. Justificativa... 6 5. Educação Ambiental... 7 6. Prezo de execução...

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP INTRODUÇÃO A Agenda 21 Local é um instrumento de planejamento de políticas públicas que envolve tanto a sociedade

Leia mais

O retrato da água no Brasil na visão da Sociedade

O retrato da água no Brasil na visão da Sociedade O retrato da água no Brasil na visão da Sociedade Enfrentando a escassez da água O Dia da Água, instituído por resolução da assembleia das ONU em 22 de março de 1992, chama atenção da sociedade para a

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 O processo administrativo para aprovação e licenciamento de parcelamentos de

Leia mais

PROJETO MINA D ÁGUA. Foto: Equipe de Ibiúna

PROJETO MINA D ÁGUA. Foto: Equipe de Ibiúna PROJETO MINA D ÁGUA Foto: Equipe de Ibiúna Base Legal Política Estadual de Mudanças Climáticas (PEMC) (Lei 13.798, de 9 de novembro de 2009) SEÇÃO XVI - Dos Instrumentos Econômicos / Programa de Remanescentes

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente LICENÇA DE OPERAÇÃO LO Processo n.º 1962 / 2014-DL A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual n.º 9.077, de 04/06/90, e com seus Estatutos aprovados pelo Decreto n.º 33.765, de

Leia mais

O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas

O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas Workshop Adaptação às mudanças climáticas e os desafios da gestão ambiental integrada no Brasil O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas Diretoria de Recursos Hídricos Ministério

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS LEGISLAÇÃO E PROCEDIMENTOS PARA COMPENSAÇÃO DE RESERVA LEGAL. De acordo com o Art. 1.º da Lei 4.771/1965, As florestas existentes no território nacional e as demais formas de vegetação, reconhecidas de

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA RELACIONADA NO ÂMBITO DOS TEMAS

Leia mais

GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO Eduardo Henrique de Accioly Campos. VICE-GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO João Soares Lyra Neto

GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO Eduardo Henrique de Accioly Campos. VICE-GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO João Soares Lyra Neto GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO Eduardo Henrique de Accioly Campos VICE-GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO João Soares Lyra Neto SECRETÁRIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E MEIO AMBIENTE Luciana Barbosa de

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA MONITORAMENTO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES DESENVOLVIDOS POR MEIO DE TÉCNICAS DE NUCLEAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DOS TERMOS

Leia mais

DIAGNOSTICOS DE MATA CILIAR E RESERVA LEGAL EM PROPRIEDADES RURAIS NA SUB-BACIA DO TAIAÇUPEBA NO MUNICÍPIO DE SUZANO-SP.

DIAGNOSTICOS DE MATA CILIAR E RESERVA LEGAL EM PROPRIEDADES RURAIS NA SUB-BACIA DO TAIAÇUPEBA NO MUNICÍPIO DE SUZANO-SP. REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE ENGENHARIA FLORESTAL PERIODICIDADE SEMESTRAL EDIÇÃO NÚMERO 5 JANEIRO DE 2005 - ISSN 1678-3867 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Plano Anual de Aplicação Regionalizada

Plano Anual de Aplicação Regionalizada Plano Anual de Aplicação Regionalizada PAAR - 2015 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO FLORESTAL Introdução PLANO ANUAL DE APLICAÇÃO REGIONALIZADA

Leia mais

CEFIR Cadastro Estadual Florestal de Imóveis Rurais

CEFIR Cadastro Estadual Florestal de Imóveis Rurais CEFIR Cadastro Estadual Florestal de Imóveis Rurais Proposição de Reforma Estruturante do Sistema Tornar o Sistema mais ágil e compatibilizá-lo com as demandas da sociedade sem perder o foco na qualidade

Leia mais