CINCO OBSERVAÇÕES SOBRE UMA RESENHA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CINCO OBSERVAÇÕES SOBRE UMA RESENHA"

Transcrição

1 CRÔNICAS E CONTROVÉRSIAS Neste número, a seção Crônicas e Controvérsias apresenta dois textos: o primeiro, de Sírio Possenti, acerca da resenha do livro de Alice Krieg- -Planque A noção de fórmula em análise do discurso: quadro teórico e metodológico, assinada por Eduardo Alves Rodrigues e Gabriel Leopoldino dos Santos e publicada no número 25 da Revista; o segundo, a resposta dos autores da resenha à crítica de Possenti. Como política da revista, no caso de comentário sobre texto publicado por ela, o autor é convidado a dar sua posição, se quiser, sobre os comentários feitos. A publicação conjunta dos dois textos possibilita ao leitor a exposição a um franco debate de ideias, inscrito no campo da Análise de Discurso. CINCO OBSERVAÇÕES SOBRE UMA RESENHA Sírio Possenti Unicamp / CNPq / FEsTA Eduardo Alves Rodrigues e Gabriel Leopoldino dos Santos publicaram uma resenha de A noção de fórmula em Análise do Discurso: quadro teórico e metodológico, São Paulo, Parábola Editorial, 2010, no número 25 desta Revista Línguas e Instrumentos Lingüísticos. Duas observações são obrigatórias: a primeira é que não se trata de resenha laudatória, como tem sido a quase totalidade delas; a segunda é que a apresentação da obra é competente, o que não é nada banal (sei bem que obter esse resultado não é fácil; tentei fazer uma apresentação do livro em uma espécie de conferência de duas horas, e quase tudo ficou na sombra; em outra ocasião, dediquei 18 horas de um curso de pós- -graduação a sua leitura, e tenho certeza de ter ficado devendo). Apesar da boa apresentação da obra, pareceu-me que o final da resenha merece alguns comentários. Para facilitar pelo menos a minha tarefa, talvez também a do leitor, cito o referido trecho, em itálico, dividido em cinco partes, que, em seguida, comento. Nesse trabalho, como mostramos, Krieg-Planque dá pouca visibilidade às suas próprias análises, àquelas que encontramos em sua tese de doutorado, bem como no livro dela decorrente. 149

2 Quem leu a apresentação do livro deve ter descoberto que, originalmente, tratava-se de parte da tese, uma tentativa de definição do conceito que estaria no centro do trabalho posterior. Não cabia, evidentemente, tratar de seu próprio trabalho, a ser feito. Mas qualquer um pode fazer isso, e verificar se a autora foi coerente, se a concepção de fórmula apresentada funciona, se é levada em conta etc. (como numa banca, digamos). É a prova dos nove, é quando a cobra fuma. Um comentário que talvez valha a pena fazer: a autora publicou sua tese em forma de livro, mas excluiu sua introdução sobre a questão linguística fundamental. É de se perguntar se lá, como aqui, analistas de corpora basicamente textuais fazem o possível para fugir da língua, para contorná-la, se lá também acham essas coisas chatas (aparentemente, sim); tudo indica que apostam numa suposta transparência ou então se refugiam em outros domínios, imagens, por exemplo. 150 Nesse percurso, em que ela procura sistematizar um quadro teórico-metodológico que sustente a análise do que ela denomina fórmula, no âmbito dos discursos constitutivos do espaço público, a ênfase é sobre os discursos produzidos sobre a materialidade linguística, em suas múltiplas formas. Podemos perguntar se o domínio da fórmula é estritamente linguístico, uma vez compreendida como um fenômeno discursivo. Noutras palavras, parece-nos razoável justificar a necessidade de se pesquisar fórmulas que ganham circulação e que significam o social e o espaço público tendo como suporte a imagem, o som, enfim, outras materialidades significantes. Minha posição vai francamente na direção contrária à da sugestão. Não é porque a fórmula teria um papel relevante na Análise do Discurso (não a esgota, não é o corpus definitivo etc., mas teria um papel relevante) tese da autora, que, então, deve haver fórmulas por toda a parte e materializadas nas mais diversas semioses. É muito difícil que outro signo ou combinação de signos possa ser incluído entre as fórmulas (assim como eles não têm sílabas, para exagerar um pouco). Basta pensar, por exemplo, na tese de que a fórmula prototípica seria uma nominalização (como globalização) ou uma nominalização seguida de qualificação (como purificação étnica). Como fotografar ou filmar ou pintar esse fenômeno? ( Diga isso numa imagem, provocaria Millôr). Deve haver clichês em alguma outra semiose (praias com coqueiro), cenas validadas, como propostas por Maingueneau, provavelmente (Vênus saindo das águas retomada em fotos e filmes). Fórmulas? Jamais. Há especificidades em cada semiose. A língua, obviamente, tem as

3 delas, do fonema à frase, passando pela sílaba, entre outras unidades. Metáforas são relevantes e esclarecedoras (sintaxe narrativa, gramática do cinema), mas não devem servir para tornar ralos os conceitos. Não há formulas pintadas, assim como não há fotogramas falados. Talvez seja para evitar usos abusivos que Krieg-Planque propõe aproximações que permitem compreender a natureza do conceito (sentidos religioso e sagrado, jurídico, matemático etc.), assim como propõe claras distinções (topoi, aforismos, p. ex.), exatamente para evitar uma rarefação abusiva. Há fotos que circulam, que todos levam em conta e interpretam de maneira diferente? Certamente. Mas dizer que, então, e por isso, são fórmulas é como dizer que bom dia é um chiste, porque, afinal, é breve. Faça-se, no entanto, a hipótese de que há fórmulas cuja materialidade não seja linguística. Pois que sejam propostas, descritas, que seu funcionamento seja mostrado. Ao trabalho! Não há razão para esperar que a tarefa caiba a Krieg-Planque. Além disso, a leitura do trabalho instigante de Krieg-Planque nos coloca uma falta: a história. Pensada como um fenômeno discursivo, a fórmula, nesse trabalho pelo menos, é definida substancialmente em relação ao que a autora denomina atores sociais atuantes no espaço público e ao uso que esses atores fazem ou permitem das fórmulas. Primeiro, minha estranheza tem a ver com a sintaxe ( nos coloca uma falta ) - sou um sexagenário. Estranho ainda mais, no entanto, que se possa sentir esta falta depois da leitura do livro. Não há uma linha nele que não esteja explicitamente ligada à história seja à da AD, seja à dos fatos considerados. Não há exemplo comentado ou brevemente analisado que não esteja prenhe de história. Trate-se de análises invocadas como predecessoras, trate-se das breves análises cujo objetivo não é esgotar o dado, mas mostrar em que medida se caracteriza pelos traços postulados como definidores do conceito, os casos são sempre situados na conjuntura específica. É óbvio que as análises não são exaustivas (exaustiva será, talvez, a da fórmula que é objeto de sua tese; raros trabalhos são tão minuciosos, aliás). Mas acho que vislumbro a causa da estranheza. Não é a história que faz falta, é uma declaração ritual de que o trabalho se inscreve numa vertente que a considera crucialmente. A declaração tem sido comum em muitos trabalhos que iniciam com esse mantra, nos quais, depois, as consequências não aparecem, infelizmente. Em vez de fazer uma declaração ou de expressar uma adesão (mas também isso ocorre, e em relativa abundância, embora não segundo fórmulas consagradas), Krieg- 151

4 -Planque faz o trabalho. Parafraseando Camões, é melhor fazê-lo sem dizer do que dizê-lo sem fazer. 152 Metodologicamente, a autora não explicita de forma suficiente em que medida esses usos são ou não historicamente determinados, ou seja, em que medida as condições de produção dessas fórmulas permitem certos usos e não outros, independentemente da vontade e do controle desses atores sociais. A leitura, com isso, nos faz perguntar pelo efeito do político sobre o modo como a fórmula significa o espaço público. Não se trata de uma questão metodológica. É uma questão teórica fundamental. E que não está de forma alguma ausente. Sugiro uma (re) leitura do livro. Linha por linha. Pode-se perceber (é como se tem analisado, frequentemente) que, para cada caso, se explicitam os atores que estão agindo em cada posicionamento e de que lugares vêm as diversas interpretações. Talvez baste, para convencer-se disso, considerar o caso em que enunciadores bem determinados resistiram à enunciação de certa palavra (negociação), enquanto os que estavam do outro lado pressionaram exatamente para que ela, aquela palavra exata (e não qualquer outra, equivalente ), fosse proferida. No que foram bem sucedidos. O que mostra, aliás, que há circunstâncias em que os enunciadores sabem muito bem que devem ou que não devem proferir certas palavras (em sua temível materialidade ). Os analistas não são os únicos a ter alguma consciência em relação a elas. Há, ainda, um ponto em que a leitura do trabalho de Krieg-Planque é produtiva à reflexão: ao compreender a fórmula como um conjunto de formulações e, ao mesmo tempo, dado seu caráter de referente social, como signo partilhado por todos, estaria a autora postulando a fórmula como o lugar do sentido o lugar da questão do debate? É um pouco estranho que esta pergunta surja no final de um resumo bem feito do livro (os sentidos não são literais, é verdade, mas Pêcheux insiste tanto nesta tese quanto combate as tentações de ceder a uma pragmática insensível às particularidades da língua ). O que faz o artigo definido em o lugar do sentido e em o lugar da questão do debate (aliás, não deveria ser simplesmente o lugar do debate?)? Como se pode imaginar que o livro sugira que a fórmula seja o lugar do sentido? Tentarei responder, pensando ser fiel ao livro: a fórmula não é nenhuma das duas coisas, segundo a autora. A pergunta não faz justiça ao

5 livro. O que a obra propõe é que a fórmula é um lugar que condensa discursos (daí seu importante papel metodológico) e debates, polêmicas, tensões entre discursos, ligados a diferentes formações discursivas. Isto é, que muitas disputas interdiscursivas visando ao controle do sentido se fazem visivelmente em torno destes elementos salientes cuja frequência é proporcional ao calor e à extensão do debate. Aliás, as fórmulas são tornadas salientes pelos próprios debates, quando não resultam exatamente deles (olha a história aí, gente!). Certamente não se pode esperar que um texto nos ofereça seus sentidos. Mas também não é legítimo dar-lhe os nossos (ou, usurariamente, só os nossos). Isto é tão verdade que grande número de trabalhos em AD continua girando em torno de palavras e/ou de pequenos enunciados. Haveria ganhos, me pareceu quando conheci o texto de Krieg-Planque (refiro- -me a este, teórico, mas há outros, um publicado no número 22 desta mesma revista) se tais dados fossem considerados fórmulas e analisados como tais, isto é, que determinadas propriedades e, principalmente, certos funcionamentos fossem levados explicitamente em conta. Finalmente: o texto em questão não se apresenta como a nova verdade. Não ameaça ninguém embora talvez provoque, especialmente pela exigência de explicitude, vale dizer, de análise. Mas é só uma tese entre outras, cuja avaliação se pode fazer em confronto com as outras e à qual se adere ou não quando se pretende fazer a análise de um certo tipo de corpus. 153

A ILUSTRAÇÃO NO LIVRO DE LITERATURA INFANTO-JUVENIL: UM PROJETO EM ANDAMENTO

A ILUSTRAÇÃO NO LIVRO DE LITERATURA INFANTO-JUVENIL: UM PROJETO EM ANDAMENTO A ILUSTRAÇÃO NO LIVRO DE LITERATURA INFANTO-JUVENIL: UM PROJETO EM ANDAMENTO Maria da Graça Cassano 1 1 Dos fatores determinantes para a pesquisa O trabalho com a literatura infanto-juvenil desenvolvido

Leia mais

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte.

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. Doutorando: Laudo Rodrigues Sobrinho Universidade Metodista de Piracicaba-UNIMEP e-mail: laudinho@bol.com.br

Leia mais

PICCARDI, T. O sujeito da AD: um conceito em transformação. Revista Intercâmbio, volume XV. São Paulo: LAEL/PUC-SP, ISSN 1806-275X, 2006.

PICCARDI, T. O sujeito da AD: um conceito em transformação. Revista Intercâmbio, volume XV. São Paulo: LAEL/PUC-SP, ISSN 1806-275X, 2006. O SUJEITO DA AD: UM CONCEITO EM TRANSFORMAÇÃO Tatiana PICCARDI (Universidade de São Paulo) ABSTRACT: the concept Subject in discourse analysis, specially in French discourse analysis, is changing. In fact,

Leia mais

25/07 ESBOÇO DE ANÁLISE DE UM TEXTO MIDIÁTICO IMAGÉTICO SOB OS PRESSUPOSTOS DA ANÁLISE DO DISCURSO. Maricília Lopes da Silva (PG-UNIFRAN)

25/07 ESBOÇO DE ANÁLISE DE UM TEXTO MIDIÁTICO IMAGÉTICO SOB OS PRESSUPOSTOS DA ANÁLISE DO DISCURSO. Maricília Lopes da Silva (PG-UNIFRAN) 25/07 ESBOÇO DE ANÁLISE DE UM TEXTO MIDIÁTICO IMAGÉTICO SOB OS PRESSUPOSTOS DA ANÁLISE DO DISCURSO. Maricília Lopes da Silva (PG-UNIFRAN) Introdução Nesta pesquisa, desenvolve-se um trabalho pautado nos

Leia mais

O FUNCIONAMENTO DA INCLUSÃO/EXCLUSÃO, EM RECORTES DE DISCURSOS DE SUJEITOS COTISTAS, NA UNEMAT

O FUNCIONAMENTO DA INCLUSÃO/EXCLUSÃO, EM RECORTES DE DISCURSOS DE SUJEITOS COTISTAS, NA UNEMAT O FUNCIONAMENTO DA INCLUSÃO/EXCLUSÃO, EM RECORTES DE DISCURSOS DE SUJEITOS COTISTAS, NA UNEMAT 1. Introdução Adelita Balbinot 1 Olímpia Maluf-Souza 2 As condições de produção dos discursos em torno das

Leia mais

PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com

PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com Tema:Humor Você vai ler a seguir um fragmento da peça teatral Lua nua, de Leilah Assunção, que foi encenada em várias cidades do país entre 1986 e 1989, sempre com grande sucesso de público e de crítica.

Leia mais

Por isso, é com grande satisfação que a equipe Emagis traz a público essa entrevista. Confira!

Por isso, é com grande satisfação que a equipe Emagis traz a público essa entrevista. Confira! Prestes a completar 30 anos de idade e 04 anos de magistratura federal, um dos juízes federais mais novos do Brasil, o Prof. Flávio Marcelo Sérvio Borges nos fala sobre a sua vitoriosa trajetória no mundo

Leia mais

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível).

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível). , Luiz Inácio Lula da Silva, durante a inauguração da República Terapêutica e do Consultório de Rua para Dependentes Químicos e outras ações relacionadas ao Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack São

Leia mais

AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO

AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO Lucia Serrano Pereira 1 Afirmo em nada mais ser entendido, senão nas questões do amor. Isso é o que está dito por Sócrates na obra de Platão O Banquete. O Banquete nos é indicado

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 14 Discurso: em encontro com professores

Leia mais

TEXTO E DISCURSO. Eni Puccinelli Orlandi

TEXTO E DISCURSO. Eni Puccinelli Orlandi TEXTO E DISCURSO Eni Puccinelli Orlandi RESUMO: Texte est un objet linguistique-historique qui établit des rapports avec soi même et l exteriorité. C est à dire: le texte est à la fois un objet empirique,

Leia mais

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.)

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) O ATO DE ESTUDAR 1 (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) Paulo Freire, educador da atualidade, aponta a necessidade de se fazer uma prévia reflexão sobre o sentido do estudo. Segundo suas palavras:

Leia mais

O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB!

O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB! O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB! A história da Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para Analista Tributário da Receita Federal do Brasil, é mais uma das histórias

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos Lição 3: Alegria LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos RESUMO BÍBLICO Gálatas 5:23; Gálatas 6:1; 2 Timóteo 2:25; Tito 3; 1 Pedro 3:16 Como seres humanos estamos sempre à mercê de situações sobre

Leia mais

José Aerton Rodrigues da Silva

José Aerton Rodrigues da Silva José Aerton Rodrigues da Silva Redação fácil para o Enem concursos públicos civis e militares Nilópolis RJ 2014 Edição do autor p. 1 Revisão: José Aerton Capa: Roberta Dias Aerton, José, Redação fácil

Leia mais

Faltam boas entrevistas ao jornalismo diário brasileiro

Faltam boas entrevistas ao jornalismo diário brasileiro 1 www.oxisdaquestao.com.br Faltam boas entrevistas ao jornalismo diário brasileiro Texto de CARLOS CHAPARRO A complexidade dos confrontos da atualidade, em especial nos cenários políticos, justificaria

Leia mais

SEÇÃO ENTREVISTA A INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PUBLICAÇÃO NA GRADUAÇÃO COMO MEIOS DE QUALIDADE NA FORMAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR JOSÉ ROBERTO RUS PEREZ

SEÇÃO ENTREVISTA A INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PUBLICAÇÃO NA GRADUAÇÃO COMO MEIOS DE QUALIDADE NA FORMAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR JOSÉ ROBERTO RUS PEREZ Revista Eventos Pedagógicos v.5, n.4 (13. ed.), número regular, p. 115-121, nov./dez. 2014 SEÇÃO ENTREVISTA A INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PUBLICAÇÃO NA GRADUAÇÃO COMO MEIOS DE QUALIDADE NA FORMAÇÃO DE ENSINO

Leia mais

Um poderoso instrumento de mudança

Um poderoso instrumento de mudança Um poderoso instrumento de mudança José Tribolet Professor Catedrático de Sistemas de Informação do Instituto Superior Técnico Presidente do INESC, Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores Há

Leia mais

Motivar a sua equipe: O grande desafio da Liderança

Motivar a sua equipe: O grande desafio da Liderança Motivar a sua equipe: O grande desafio da Liderança Existem diversos textos sobre Gestão sendo publicados diariamente, e dentre eles, muitos tratam do tema liderança, que certamente é um dos assuntos mais

Leia mais

Precisamos fortalecer cada vez mais nossa profissão. Através dos conselhos e de uma nova regulamentação!

Precisamos fortalecer cada vez mais nossa profissão. Através dos conselhos e de uma nova regulamentação! Resultado da pesquisa feita no dia 10/03/2014, através do Site do Conselho Regional de Relações Públicas 4ª Região, a respeito da Lei 6601/13. Foi disponibilizado uma enquete, com a seguinte pergunta:

Leia mais

Filmes com muitas vontades

Filmes com muitas vontades Filmes com muitas vontades Clarisse Alvarenga Desde a década de 1970, vêm sendo empreendidas algumas tentativas ainda autorais e incipientes, partindo de cineastas brasileiros, como Andrea Tonacci e Aluysio

Leia mais

** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança e não pode ser copiado ou reproduzido sem a autorização prévia.

** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança e não pode ser copiado ou reproduzido sem a autorização prévia. * Este texto corresponde à visão da autora Marcia Dib e todas as informações aqui contidas são de inteira responsabilidade da autora. ** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Departamento de Ciência Política Programa de Pós-Graduação em Ciência Política Área de Concentração: Teoria Política e Interpretações do Brasil Título da Disciplina: Ceticismo

Leia mais

DIAS 94. de Claudio Simões (1990 / 94)

DIAS 94. de Claudio Simões (1990 / 94) DIAS 94 de Claudio Simões (1990 / 94) 2 PERSONAGENS São cinco personagens identificadas apenas por números. Não têm gênero definido, podendo ser feitas por atores ou atrizes. As frases em que falam de

Leia mais

HISTÓRIA DE LINS. - Nossa que cara é essa? Parece que ficou acordada a noite toda? Confessa, ficou no face a noite inteira?

HISTÓRIA DE LINS. - Nossa que cara é essa? Parece que ficou acordada a noite toda? Confessa, ficou no face a noite inteira? HISTÓRIA DE LINS EE PROF.PE. EDUARDO R. de CARVALHO Alunos: Maria Luana Lino da Silva Rafaela Alves de Almeida Estefanny Mayra S. Pereira Agnes K. Bernardes História 1 Unidas Venceremos É a história de

Leia mais

A linguagem da fotonovela Isabel S. Sampaio

A linguagem da fotonovela Isabel S. Sampaio A linguagem da fotonovela Isabel S. Sampaio No segundo semestre de 1970, as revistas que publicavam fotonovelas no Brasil ocupavam o segundo lugar em tiragem e circulação, perdendo apenas para as revistas

Leia mais

CUIDADO COM O CUIDADO: O CASO DA FILA DO TOQUE E A IMPLICAÇÃO DO ATO DE CUIDAR. Emerson Elias Merhy médico sanitarista (formado em 1976)

CUIDADO COM O CUIDADO: O CASO DA FILA DO TOQUE E A IMPLICAÇÃO DO ATO DE CUIDAR. Emerson Elias Merhy médico sanitarista (formado em 1976) CUIDADO COM O CUIDADO: O CASO DA FILA DO TOQUE E A IMPLICAÇÃO DO ATO DE CUIDAR Emerson Elias Merhy médico sanitarista (formado em 1976) Lá pelos anos 1971, vivi uma experiência que sempre me incomodou.

Leia mais

Doar Verbo Bi-Transitivo

Doar Verbo Bi-Transitivo Revista do LUME - Doar Verbo Bi-Transitivo Pág. 61 Doar Verbo Bi-Transitivo Renato Ferracini LUME Para o ator dar-se é tudo. Jacques Copeau Desde adolescente, quando ser ator era uma grande brincadeira

Leia mais

INTEGRAÇÃO DA TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR QUE ENSINA MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA 1

INTEGRAÇÃO DA TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR QUE ENSINA MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA 1 INTEGRAÇÃO DA TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR QUE ENSINA MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA 1 Marilena Bittar, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Sheila Denize Guimarães, Universidade Federal de

Leia mais

(Re)formulação e diferença: um processo parafrástico discursivo

(Re)formulação e diferença: um processo parafrástico discursivo (Re)formulação e diferença: um processo parafrástico discursivo Greciely Cristina da Costa * Resumo: A noção de paráfrase é abordada sob distintas perspectivas lingüísticas. Neste trabalho aponto três

Leia mais

5 Passos para vender mais com o Instagram

5 Passos para vender mais com o Instagram 5 Passos para vender mais com o Instagram Guia para iniciantes melhorarem suas estratégias ÍNDICE 1. Introdução 2. O Comportamento das pessoas na internet 3. Passo 1: Tenha um objetivo 4. Passo 2: Defina

Leia mais

Palavras-chave: Memória, Patrimônio, Discurso. INTRODUÇÃO

Palavras-chave: Memória, Patrimônio, Discurso. INTRODUÇÃO AQUI TEM HISTÓRIA : LUGARES DE MEMÓRIA Adriely M. de Oliveira (C. Sociais UEL/ Bolsista IC/Fundação Araucária). Orientadora: Ana Cleide Chiarotti Cesário. Palavras-chave: Memória, Patrimônio, Discurso.

Leia mais

CONCURSO DE EXPRESSÃO ESCRITA GERAÇÃO MÓVEL E DESAFIOS. O Real e o Virtual

CONCURSO DE EXPRESSÃO ESCRITA GERAÇÃO MÓVEL E DESAFIOS. O Real e o Virtual CONCURSO DE EXPRESSÃO ESCRITA GERAÇÃO MÓVEL E DESAFIOS 2012 O Real e o Virtual Olá! O meu nome é Real Virtual. A minha família e os meus amigos conhecem-me por Real, já para a malta dos chats e dos jogos,

Leia mais

O SUJEITO-PROFESSOR E SUA INSCRIÇÃO APARENTE NO DISCURSO EDUCACIONAL VIGENTE Luzia Alves 1

O SUJEITO-PROFESSOR E SUA INSCRIÇÃO APARENTE NO DISCURSO EDUCACIONAL VIGENTE Luzia Alves 1 410 O SUJEITO-PROFESSOR E SUA INSCRIÇÃO APARENTE NO DISCURSO EDUCACIONAL VIGENTE Luzia Alves 1 RESUMO. O presente estudo se propõe a analisar num artigo, publicado em uma revista de grande circulação no

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos A CONSTRUÇÃO DO ETHOS FRONTEIRIÇO BRASIL VENEZUELA EM AMBIENTE ECOLINGUÍSTICO Maria Ivone Alves da Silva (UERR) profivonesilva@gmail.com Odileiz Sousa Cruz (UFRR) 1. A fronteira Brasil/Venezuela: o ambiente

Leia mais

Romance familiar poesia familiar

Romance familiar poesia familiar Romance familiar poesia familiar Em busca de imagens para uma apresentação, dou com a foto, feita em estúdio, de um garoto de 11 anos de idade chamado Walter Benjamin (1892-1940). Serve de ilustração a

Leia mais

Roteiro. Coordenador do curso Prof. Dr. Francisco Isidro Massetto. Autor Professor Conteudista Rafael Moralez

Roteiro. Coordenador do curso Prof. Dr. Francisco Isidro Massetto. Autor Professor Conteudista Rafael Moralez Roteiro 1 Coordenador do curso Prof. Dr. Francisco Isidro Massetto Autor Professor Conteudista Rafael Moralez PACC Programa Anual de Capacitação Continuada Curso: Produção de Vídeo. de Massetto, F. I.,

Leia mais

Julia Annas. Platão. www.lpm.com.br L&PM POCKET

Julia Annas. Platão. www.lpm.com.br L&PM POCKET Julia Annas Platão Tradução de Marcio de Paula S. Hack www.lpm.com.br L&PM POCKET 3 Su m á r i o Ca p í t u l o 1: Discutindo com Platão...7 Ca p í t u l o 2: O nome de Platão e outras questões...18 Ca

Leia mais

Teste de Usabilidade BEEQO. Data Versão do wireframe Descrição

Teste de Usabilidade BEEQO. Data Versão do wireframe Descrição BEEQO Teste de Usabilidade Data Versão do wireframe Descrição 21/03/2012 1.1 Entender o comportamento do usuário com a interface proposta e avaliar os principais problemas de usabilidade. Página 1 de 8

Leia mais

Anelise de Brito Turela Ferrão Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP. Edição de um filme a partir de fotografias

Anelise de Brito Turela Ferrão Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP. Edição de um filme a partir de fotografias PROJETO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO RELATÓRIO DE ATIVIDADE Anelise de Brito Turela Ferrão Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP Edição de um filme a partir de fotografias ANIVERSÁRIO GEMEOS / 7

Leia mais

PROJETO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO RELATÓRIO FINAL Aurélio Augusto de Oliveira Araújo Universidade Estadual de Campinas UNICAMP

PROJETO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO RELATÓRIO FINAL Aurélio Augusto de Oliveira Araújo Universidade Estadual de Campinas UNICAMP PROJETO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO RELATÓRIO FINAL Aurélio Augusto de Oliveira Araújo Universidade Estadual de Campinas UNICAMP Proposta de Desenvolvimento de Produto Sob orientação do Prof. José Armando

Leia mais

ZECA CAMARGO Jornalista e Apresentador Rede Globo de Televisão

ZECA CAMARGO Jornalista e Apresentador Rede Globo de Televisão ZECA CAMARGO Jornalista e Apresentador Rede Globo de Televisão Zeca Camargo foi o convidado da segunda edição do RBS Debates, dia 23 de Julho, em Florianópolis. O evento reuniu mais de mil estudantes e

Leia mais

Currículo: sua peça de marketing pessoal

Currículo: sua peça de marketing pessoal Currículo: sua peça de marketing pessoal http://br.groups.yahoo.com/group/vagasbahia Se o ditado a primeira impressão é a que fica é realmente verdadeiro, elaborar um currículo detalhado e objetivo é essencial

Leia mais

Como conseguir um Marido Cristão Em doze lições

Como conseguir um Marido Cristão Em doze lições Como conseguir um Marido Cristão Em doze lições O. T. Brito Pág. 2 Dedicado a: Minha filha única Luciana, Meus três filhos Ricardo, Fernando, Gabriel e minha esposa Lúcia. Pág. 3 Índice 1 é o casamento

Leia mais

Existe espaço para os covers mostrarem seus trabalhos? As pessoas dão oportunidades?

Existe espaço para os covers mostrarem seus trabalhos? As pessoas dão oportunidades? A Estação Pilh@ também traz uma entrevista com Rodrigo Teaser, cover do Michael Jackson reconhecido pela Sony Music. A seguir, você encontra os ingredientes da longa história marcada por grandes shows,

Leia mais

SENTIDOS DISCURSIVOS DA OBRIGATORIEDADE DO DIPLOMA JORNALÍSTICO NO SITE DA FENAJ

SENTIDOS DISCURSIVOS DA OBRIGATORIEDADE DO DIPLOMA JORNALÍSTICO NO SITE DA FENAJ 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 SENTIDOS DISCURSIVOS DA OBRIGATORIEDADE DO DIPLOMA JORNALÍSTICO NO SITE DA FENAJ Francisco Verri 1 ; Renata Marcelle Lara Pimentel 2 RESUMO: A pesquisa

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA?

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA? 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO DE

Leia mais

Escola de Português Verão de 2015 Ano 13 Nível 2. Exercícios Semana 4. 1) Complete os diálogos usando o tempo verbal mais adequado:

Escola de Português Verão de 2015 Ano 13 Nível 2. Exercícios Semana 4. 1) Complete os diálogos usando o tempo verbal mais adequado: Escola de Português Verão de 2015 Ano 13 Nível 2 Exercícios Semana 4 Revisão Tempos verbais: 1) Complete os diálogos usando o tempo verbal mais adequado: 1 2 2) Revisão verbos SABER, PODER e QUERER: 3)

Leia mais

Entrevista A2. 2. Que idade tinhas quando começaste a pertencer a esta associação? R.: 13, 14 anos.

Entrevista A2. 2. Que idade tinhas quando começaste a pertencer a esta associação? R.: 13, 14 anos. Entrevista A2 1. Onde iniciaste o teu percurso na vida associativa? R.: Em Viana, convidaram-me para fazer parte do grupo de teatro, faltava uma pessoa para integrar o elenco. Mas em que associação? Na

Leia mais

Escrito por. Guilherme guinor Cunha Ex-tenista profissional, campeão mundial de poker online FTOPS #35 e criador do método GuinorBets

Escrito por. Guilherme guinor Cunha Ex-tenista profissional, campeão mundial de poker online FTOPS #35 e criador do método GuinorBets s O 6 s o i cíp Prin Bá s o sic o d o ét M o D r o n s i t u e G B Escrito por Guilherme guinor Cunha Ex-tenista profissional, campeão mundial de poker online FTOPS #35 e criador do método Índice Quem

Leia mais

ATITUDES INOCENTES QUE REFORÇAM ESTEREÓTIPOS DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ATITUDES INOCENTES QUE REFORÇAM ESTEREÓTIPOS DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ATITUDES INOCENTES QUE REFORÇAM ESTEREÓTIPOS DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Marcela da Fonseca Lemos Grupo de Pesquisa Linguagem desenhadas e educação ProPEd/UERJ celalora_rj@hotmail.com INTRODUÇÃO O texto

Leia mais

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após encontro com a Senadora Ingrid Betancourt

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após encontro com a Senadora Ingrid Betancourt Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após encontro com a Senadora Ingrid Betancourt São Paulo-SP, 05 de dezembro de 2008 Presidente: A minha presença aqui

Leia mais

Manifeste Seus Sonhos

Manifeste Seus Sonhos Manifeste Seus Sonhos Índice Introdução... 2 Isso Funciona?... 3 A Força do Pensamento Positivo... 4 A Lei da Atração... 7 Elimine a Negatividade... 11 Afirmações... 13 Manifeste Seus Sonhos Pág. 1 Introdução

Leia mais

14 segredos que você jamais deve contar a ele

14 segredos que você jamais deve contar a ele Link da matéria : http://www.dicasdemulher.com.br/segredos-que-voce-jamais-deve-contar-aele/ DICAS DE MULHER DICAS DE COMPORTAMENTO 14 segredos que você jamais deve contar a ele Algumas lembranças e comentários

Leia mais

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe?

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Trecho do romance Caleidoscópio Capítulo cinco. 05 de novembro de 2012. - Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Caçulinha olha para mim e precisa fazer muita força para isso,

Leia mais

MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta

MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta Copyright Betina Toledo e Thuany Motta Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 MERGULHO FADE IN: CENA 1 PRAIA DIA Fotografia de

Leia mais

Movimento da Lua. Atividade de Aprendizagem 22. Eixo(s) temático(s) Terra e Universo. Tema. Sistema Solar

Movimento da Lua. Atividade de Aprendizagem 22. Eixo(s) temático(s) Terra e Universo. Tema. Sistema Solar Movimento da Lua Eixo(s) temático(s) Terra e Universo Tema Sistema Solar Conteúdos Movimentos da Terra e da Lua / movimento aparente dos corpos celestes / referencial Usos / objetivos Ampliação e avaliação

Leia mais

Palavras-chaves: Formação de professores; Estágio Supervisionado; Reflexão sobre a prátida; Escrita docente; Diários de aula.

Palavras-chaves: Formação de professores; Estágio Supervisionado; Reflexão sobre a prátida; Escrita docente; Diários de aula. DIÁRIOS DE AULA ONLINE: ANÁLISE DE UM DISPOSITIVO DE FORMAÇÃO DOCENTE NA LICENCIATURA EM MATEMÁTICA Jane Bittencourt 1 Alice Stephanie Tapia Sartori 2 Resumo Esse trabalho tem como foco a formação inicial

Leia mais

Fim da Sensibilidade na Glande

Fim da Sensibilidade na Glande Autor: Davi Ribeiro Fim da Sensibilidade na Glande Muitos homens alegam sofrer com a forte sensibilidade na glande. E isso, de certa forma, atrapalha muito na hora do sexo, principalmente na hora de ter

Leia mais

Vamos mudar o mundo? Mais esta mudança deve começar por você!

Vamos mudar o mundo? Mais esta mudança deve começar por você! Vamos mudar o mundo? Mais esta mudança deve começar por você! Este Livro Digital (Ebook) é fruto de uma observação que eu faço no mínimo há dez anos nas Redes Sociais, e até pessoalmente na convivência

Leia mais

Fotografia Social. 12. Técnica&Prática

Fotografia Social. 12. Técnica&Prática 12. Técnica&Prática E vai rolar a festa Da foto dos noivos com a vovó ao arremesso do buquê: aprenda nesta sexta aula os truques para não perder nada na recepção de um casamento Por Livia Capeli (texto)

Leia mais

E M O T I V E PHOTOGRAPHER

E M O T I V E PHOTOGRAPHER E M O T I V E DIEGOCAMPOSPHOTOGRAPHER A tua amorosa fotogra a. No início, quando eu à tinha em minha frente não pensei nada sobra a mesma, mas agora, quanto mais olho para ela mais esta se assemelha ao

Leia mais

BREVE COMENTÁRIO SOBRE O AFORISMO 380 DA GAIA CIÊNCIA DE NIETZSCHE. Professor Mestre Rodrigo Suzuki Cintra i. Professor da Faculdade de Direito - UPM

BREVE COMENTÁRIO SOBRE O AFORISMO 380 DA GAIA CIÊNCIA DE NIETZSCHE. Professor Mestre Rodrigo Suzuki Cintra i. Professor da Faculdade de Direito - UPM BREVE COMENTÁRIO SOBRE O AFORISMO 380 DA GAIA CIÊNCIA DE NIETZSCHE Professor Mestre Rodrigo Suzuki Cintra i Professor da Faculdade de Direito - UPM Para uma vez ver com distância nossa moralidade européia,

Leia mais

Obrigado, (Peru). (Espanha) com o relatório do grupo de trabalho, que analisa os métodos de trabalho.

Obrigado, (Peru). (Espanha) com o relatório do grupo de trabalho, que analisa os métodos de trabalho. LONDRES Atualizações do Grupo de Trabalho do GAC Domingo, 22 de junho de 2014 9:00 a 10:00 ICANN Londres, Inglaterra TRACY HACKSHAW: Bom dia para todos. Vamos ver a agenda. Bom dia a todos. Vamos passar

Leia mais

A PUBLICIDADE DE FESTAS: RELATÓRIO DE PROJETO DE DESENVOLVIMENTO

A PUBLICIDADE DE FESTAS: RELATÓRIO DE PROJETO DE DESENVOLVIMENTO Universidade Estadual de Campinas Fernanda Resende Serradourada A PUBLICIDADE DE FESTAS: RELATÓRIO DE PROJETO DE DESENVOLVIMENTO INTRODUÇÃO: O Projeto de Desenvolvimento realizado por mim visava à confecção

Leia mais

Um exemplo prático. Como exemplo, suponha que você é um recémcontratado

Um exemplo prático. Como exemplo, suponha que você é um recémcontratado pessoas do grupo. Não basta simplesmente analisar cada interpretação possível, é preciso analisar quais as conseqüências de nossas possíveis respostas, e é isso que proponho que façamos de forma racional.

Leia mais

1. O conceito de cultura que suporta a argumentação apresentada no texto pode definir-se como

1. O conceito de cultura que suporta a argumentação apresentada no texto pode definir-se como Leitura Leia o texto e responda às questões: Se se toma a palavra cultura não no sentido quantitativo de conjunto de conhecimento, mas na acepção qualificativa do desenvolvimento de aptidões pessoais,

Leia mais

Clínica psicanalítica com crianças

Clínica psicanalítica com crianças Clínica psicanalítica com crianças Ana Marta Meira* A reflexão sobre a clínica psicanalítica com crianças aponta para múltiplos eixos que se encontram em jogo no tratamento, entre estes, questões referentes

Leia mais

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR Matheus Oliveira Knychala Biasi* Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

MARX, Karl Contribuição à Crítica da Economia Política

MARX, Karl Contribuição à Crítica da Economia Política ////////////////////////// Ficha de Leitura * ////////////////////////// MARX, Karl Contribuição à Crítica da Economia Política Introdução [À Crítica da Economia Política] Prefácio [Para a Crítica da Economia

Leia mais

Janaina Tokitaka. Eugênia e os

Janaina Tokitaka. Eugênia e os Janaina Tokitaka Eugênia e os R B ˆS 1 Uma coisa é certa: existem tantos tipos de crianças no mundo quanto há diferentes espécies aquáticas no oceano. Eu explico: assim como não é possível encontrar duas

Leia mais

Lata na mão, grafiteiro na rua, arte na prede e a montagem de um vídeo etnográfico na Amazônia 1

Lata na mão, grafiteiro na rua, arte na prede e a montagem de um vídeo etnográfico na Amazônia 1 Lata na mão, grafiteiro na rua, arte na prede e a montagem de um vídeo etnográfico na Amazônia 1 Leila Cristina Leite Ferreira-UFPA RESUMO: Este artigo traz como discussão a captação, a elaboração e a

Leia mais

As contribuições de conceitos desenvolvidos pelo Círculo de Bakhtin para a descrição e análise de enunciados de sujeitos com afasias

As contribuições de conceitos desenvolvidos pelo Círculo de Bakhtin para a descrição e análise de enunciados de sujeitos com afasias As contribuições de conceitos desenvolvidos pelo Círculo de Bakhtin para a descrição e análise de enunciados de sujeitos com afasias Rosana do Carmo Novaes Pinto 1 Desde 1999, venho defendendo a relevância

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA. Apontar não é falta de educação

LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA. Apontar não é falta de educação LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA Leia o texto a seguir e responda à questão 13. Apontar não é falta de educação A apontação na língua de sinais brasileira faz parte da língua. Ela serve para diferentes

Leia mais

A RESPONSABILIDADE DO SUJEITO, A RESPONSABILIDADE DO ANALISTA E A ÉTICA DA PSICANÁLISE

A RESPONSABILIDADE DO SUJEITO, A RESPONSABILIDADE DO ANALISTA E A ÉTICA DA PSICANÁLISE A RESPONSABILIDADE DO SUJEITO, A RESPONSABILIDADE DO ANALISTA E A ÉTICA DA PSICANÁLISE Maria Fernanda Guita Murad Pensando a responsabilidade do analista em psicanálise, pretendemos, neste trabalho, analisar

Leia mais

Elaboração de perfis longos dentro do projeto Memória Visual através da fotografia: revitalização do Cais Mauá

Elaboração de perfis longos dentro do projeto Memória Visual através da fotografia: revitalização do Cais Mauá Elaboração de perfis longos dentro do projeto Memória Visual através da fotografia: revitalização do Cais Mauá José Lourenço Degani 1 1. Introdução Quando, dentro do projeto Memória Visual Através da Fotografia:

Leia mais

Donald Davidson e a objetividade dos valores

Donald Davidson e a objetividade dos valores Donald Davidson e a objetividade dos valores Paulo Ghiraldelli Jr. 1 Os positivistas erigiram sobre a distinção entre fato e valor o seu castelo. Os pragmatistas atacaram esse castelo advogando uma fronteira

Leia mais

ESPELHO, ESPELHO MEU: HÁ ALGUÉM MAIS IMPORTANTE DO QUE EU? - UM ESTUDO SOBRE O DIÁLOGO NA RELAÇÃO ENTRE PROFESSORA E MÃE EM CRECHE

ESPELHO, ESPELHO MEU: HÁ ALGUÉM MAIS IMPORTANTE DO QUE EU? - UM ESTUDO SOBRE O DIÁLOGO NA RELAÇÃO ENTRE PROFESSORA E MÃE EM CRECHE ESPELHO, ESPELHO MEU: HÁ ALGUÉM MAIS IMPORTANTE DO QUE EU? - UM ESTUDO SOBRE O DIÁLOGO NA RELAÇÃO ENTRE PROFESSORA E MÃE EM CRECHE Márcia Gagliardi Núcleo de Estudos e Pesquisas: Formação de Professores

Leia mais

O PROFESSOR EM SITUAÇÃO DE ESTÁGIO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: A COMPREENSÃO DOS ALUNOS

O PROFESSOR EM SITUAÇÃO DE ESTÁGIO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: A COMPREENSÃO DOS ALUNOS O PROFESSOR EM SITUAÇÃO DE ESTÁGIO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: A COMPREENSÃO DOS ALUNOS Bruna Silvestre Estevam Graduanda do curso de Licenciatura em Educação Física Universidade do Extremo Sul Catarinense

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA

INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA Palavras chave: afasia; diálogo; sentido. O estudo tem o objetivo investigar e analisar os

Leia mais

Parece claro que há uma, e uma só, conclusão a tirar destas proposições. Esa conclusão é:

Parece claro que há uma, e uma só, conclusão a tirar destas proposições. Esa conclusão é: Argumentos Dedutivos e Indutivos Paulo Andrade Ruas Introdução Em geral, quando se quer explicar que géneros de argumentos existem, começa-se por distinguir os argumentos dedutivos dos não dedutivos. A

Leia mais

Foi um privilégio ter tido a oportunidade de trabalhar em vídeo na TVE de

Foi um privilégio ter tido a oportunidade de trabalhar em vídeo na TVE de Produção audiovisual Elaine Meneghini (Bacharel em Comunicação Social/UA e produtora de televisão) Foi um privilégio ter tido a oportunidade de trabalhar em vídeo na TVE de 1987 a 1990; de 1990 a 1993

Leia mais

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente Leandro Pedro de Oliveira¹ INTRODUÇÃO A introdução à carreira docente tem sido objeto de

Leia mais

REPRESENTAÇÕES DE CULTURA SURDA DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS

REPRESENTAÇÕES DE CULTURA SURDA DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS Introdução REPRESENTAÇÕES DE CULTURA SURDA DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS Ana Rachel Carvalho Leão 1 Este trabalho tem por objetivo apresentar algumas representações sobre cultura surda

Leia mais

Qual o Sentido do Natal?

Qual o Sentido do Natal? Qual o Sentido do Natal? Por Sulamita Ricardo Personagens: José- Maria- Rei1- Rei2- Rei3- Pastor 1- Pastor 2- Pastor 3-1ª Cena Uma música de natal toca Os personagens entram. Primeiro entram José e Maria

Leia mais

Você já deve ter lido varias vezes sobre, Gatilhos Mentais, pois bem, hoje vamos falar sobre isso...

Você já deve ter lido varias vezes sobre, Gatilhos Mentais, pois bem, hoje vamos falar sobre isso... Olá, tudo bem?! Nesse Mini E-book eu vou lhe passar a 1º Sacada da semana, pretendo toda semana compartilhar informações com você, pois sei bem o que é ficar na internet buscando informações e nunca encontrar

Leia mais

Introdução à Lingüística Cognitiva. Teorias Lingüísticas II Prof. Márcio Leitão

Introdução à Lingüística Cognitiva. Teorias Lingüísticas II Prof. Márcio Leitão Introdução à Lingüística Cognitiva Teorias Lingüísticas II Prof. Márcio Leitão Confronto com a teoria gerativa (Martelotta & Palomares, 2008) Nega a autonomia da sintaxe e o caráter formal da linguagem

Leia mais

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da Introdução O interesse em abordar a complexidade da questão do pai para o sujeito surgiu em minha experiência no Núcleo de Atenção à Violência (NAV), instituição que oferece atendimento psicanalítico a

Leia mais

NADJA VLADI - Editora da revista Muito.

NADJA VLADI - Editora da revista Muito. NADJA VLADI - Editora da revista Muito. Jornalista, doutora em Comunicação e Cultura Contemporâneas pela Faculdade de Comunicação da UFBA. Atualmente atua como editora-coordenadora da revista Muito do

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DA SUBJETIVIDADE DOCENTE A PARTIR DE IMAGENS E AS IMAGENS COMO ENUNCIADOS

A CONSTRUÇÃO DA SUBJETIVIDADE DOCENTE A PARTIR DE IMAGENS E AS IMAGENS COMO ENUNCIADOS A CONSTRUÇÃO DA SUBJETIVIDADE DOCENTE A PARTIR DE IMAGENS E AS IMAGENS COMO ENUNCIADOS Francieli Regina Garlet (UFSM) Resumo: A escrita a que se refere o presente texto, diz respeito à proposta desenvolvida

Leia mais

SILVA, Mylton Severiano da. Realidade - História da revista que virou lenda. Florianópolis: Editora Insular, 2013. 320 p.

SILVA, Mylton Severiano da. Realidade - História da revista que virou lenda. Florianópolis: Editora Insular, 2013. 320 p. 219 SILVA, Mylton Severiano da. Realidade - História da revista que virou lenda. Florianópolis: Editora Insular, 2013. 320 p. 220 Não é lenda; é Realidade It's not legend; it's Reality Joaquim Francisco

Leia mais

7 PASSOS PARA RESERVAR O HOTEL PERFEITO

7 PASSOS PARA RESERVAR O HOTEL PERFEITO Olá! Queremos deixar aqui o nosso MUITO OBRIGADO! Sim, porque se você está com este e-book em mãos é porque se cadastrou na nossa newsletter e para nós o seu interesse no nosso trabalho é a melhor motivação

Leia mais

5 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades Extraclasse Complementares de Língua Portuguesa Nome: SER FILHO É PADECER NO PURGATÓRIO

5 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades Extraclasse Complementares de Língua Portuguesa Nome: SER FILHO É PADECER NO PURGATÓRIO 5 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades Extraclasse Complementares de Língua Portuguesa Nome: Leia este texto com atenção: SER FILHO É PADECER NO PURGATÓRIO 1 Psssiu, psssiu. Eu? virou-se Juvenal

Leia mais

as coisas já estão aí GRINGO CARDIA [Cenógrafo e designer]

as coisas já estão aí GRINGO CARDIA [Cenógrafo e designer] as coisas já estão aí GRINGO CARDIA [Cenógrafo e designer] colagem, remix narrativa em banco de dados remix de referências de várias áreas novas tecnologias a maneira que eu trabalho Eu acredito, na verdade,

Leia mais

ANEXO I - Transcrição das entrevistas

ANEXO I - Transcrição das entrevistas 147 ANEXO I - Transcrição das entrevistas ENTREVISTA 1 Nome: L.C. Idade: 58 anos. Formação: Pedagogia. Tempo de experiência em cursos de Licenciatura: 7 anos. Pq - A pesquisa em questão trata da ação docente

Leia mais

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956).

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956). 1. INTRODUÇÃO 1.1. MINHA RELAÇÃO COM A FOTOGRAFIA Meu pai tinha uma câmara fotográfica. Ele não era fotógrafo profissional, apenas gostava de fotografar a família e os amigos (vide Foto 1). Nunca estudou

Leia mais

Atividade: Reflexão sobre Bullying e Uso consciente da internet

Atividade: Reflexão sobre Bullying e Uso consciente da internet Educação Infantil - Ensino Fundamental - Ensino Médio Atividade: Reflexão sobre Bullying e Uso consciente da internet Público: Sextos anos Data: 25/5/2012 Após a realização do Provão, nossos alunos do

Leia mais

2015 O ANO DE COLHER ABRIL - 1 A RUA E O CAMINHO

2015 O ANO DE COLHER ABRIL - 1 A RUA E O CAMINHO ABRIL - 1 A RUA E O CAMINHO Texto: Apocalipse 22:1-2 Então o anjo me mostrou o rio da água da vida que, claro como cristal, fluía do trono de Deus e do Cordeiro, no meio da RUA principal da cidade. De

Leia mais

Lárcio Benedetti. Consultor em patrocínio cultural

Lárcio Benedetti. Consultor em patrocínio cultural Consultor em patrocínio cultural A Lei Rouanet acostumou mal as empresas. Já vi muitas delas não investirem em cultura por não ter benefício fiscal. Como se uma coisa fosse sinônimo da outra. Formado em

Leia mais