O NOVO CÓDIGO DE PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO. Ana Celeste Carvalho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O NOVO CÓDIGO DE PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO. Ana Celeste Carvalho"

Transcrição

1 O NOVO CÓDIGO DE PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO Ana Celeste Carvalho

2 Estaremos perante um novo CPA? Reconhecendo-se traços de continuidade, identificam-se um conjunto expressivo de alterações. Para a Comissão de Reforma: Revisão do CPA Para o Governo: Novo CPA Art. 9.º do CC: Novo CPA, por opção do legislador

3 Art. 9º marca a entrada em vigor do novo CPA para 08 de Abril de 2015 Art. 8º/1 determina que as regras das Partes I e II, no Capítulo III do Título I, da Parte III e na Parte IV do Código se aplicam aos procedimentos administrativos em curso à data da sua entrada em vigor Aplicação da lei no tempo Arts. 4º, 6º, 8º e 9º do D.L. nº 4/2015, de 07/01

4 Têm aplicação de imediato: - As Disposições Gerais, que incluem as Disposições Preliminares e os Princípios Gerais da Actividade Administrativa; - As normas sobre os Órgãos da Administração Pública, que versam sobre a Natureza e Regime dos Órgãos, Dos órgãos colegiais, Da competência, Da delegação de poderes e Dos conflitos de atribuições e de competência ; - o regime das Conferências Procedimentais e, ainda, - todas as normas sobre a Actividade Administrativa, que incluem as referentes ao Regulamento Administrativo, ao Acto Administrativo e aos Contratos da Administração Pública ; - O regime do acto administrativo, inclui o seu regime de eficácia, invalidade, revogação e anulação administrativa, execução e dos procedimentos revisivos, da reclamação e dos recursos administrativos. Aplicação da lei no tempo Arts. 4º, 6º, 8º e 9º do D.L. nº 4/2015, de 07/01

5 Não tem aplicação imediata: O Regime comum do procedimento administrativo, que prevê: - o responsável pela direcção do procedimento (artº 55.º), - a utilização dos meios electrónicos (artº 61.º), - o balcão único electrónico (62.º), - as comunicações por telefax, telefone ou meios electrónicos (art.º 63.º), - as normas sobre a relação jurídica procedimental, onde se incluem: - sujeitos do procedimento (artº 65.º), - auxílio administrativo (artº 66.º), - interessados dos procedimento e legitimidade procedimental (67.º e 68.º), - garantias da imparcialidade (69º a 76.º), - direito à informação (artº 82.º a 85.º), - prazos (86.º a 88.º), - medidas provisórias (89.º e 90.º), - pareceres (artº 91.º e 92.º), - extinção do procedimento (artº 93º a 95.º), - procedimento do regulamento e do acto (artºs 96.º a 134.º). Aplicação da lei no tempo Arts. 4º, 6º, 8º e 9º do D.L. nº 4/2015, de 07/01

6 Quer a Administração, quer os Tribunais, são chamados a aplicar de imediato um conjunto muito alargado e significativo de normas do novo CPA. Caberá primeiro à Administração e depois aos Tribunais, definir o direito aplicável ao caso concreto, o que ocorre sempre que existe uma sucessão de normas jurídicas no tempo. Numa primeira fase haverá a aplicação dos dois códigos, em simultâneo, ao mesmo procedimento administrativo Desafio para todos, em face do reduzido período de vacatio legis (embora tenha existido uma longa discussão pública, de cerca de um ano e meio, o novo Código diverge em algumas matérias do anteprojecto de revisão). Aplicação da lei no tempo Arts. 4º, 6º, 8º e 9º do D.L. nº 4/2015, de 07/01

7 Art. 4º, Conferências Procedimentais, no regime do Sistema de Indústria Responsável, aprovado em anexo ao D.L. nº 169/2012, de 01/08 Arts. 6º e 8º/2 Mantém em vigor o art. 149º/2 do CPA/91 e relega a aplicação do art. 176º/1 do novo CPA para o momento de entrada em vigor da nova lei, a aprovar, sobre o regime de execução dos actos administrativos Aplicação da lei no tempo Arts. 4º, 6º, 8º e 9º do D.L. nº 4/2015, de 07/01

8 PRINCIPAIS TRAÇOS DO NOVO CPA - Valores e conhecimentos do presente tempo histórico, civilizacional e político - Forte influência do Direito Comparado (Alemanha, Itália, Espanha e direito Anglo-Saxónico) - Fruto da integração na União Europeia - Acolhimento de entendimentos doutrinários e jurisprudenciais construídos ao longo da vigência do CPA/91 - Ligação com o Direito Processual Administrativo (reforma do CPTA) - Exercício partilhado de Responsabilidades entre a Administração e o cidadão - Perda de simplicidade e maior complexidade de regime

9 NOVIDADES DO NOVO CPA 1. Alargamento dos Princípios Gerais da Actividade Administrativa - maior número de princípios arts. 3º ao 19º - maior densificação dos princípios anteriormente regulados 2. Consagração de novos institutos - auxílio administrativo - conferências procedimentais - acordos endo-procedimentais 3. Regulação em termos substancialmente distintos alguns institutos já previstos - nulidade - anulabilidade - revogação - anulação administrativa

10 NOVIDADES DO NOVO CPA 4. Rompimento com o paradigma do Privilégio de Execução Prévia da Administração - dependência da aprovação da nova lei sobre o regime de Execução dos actos administrativos, a aprovar no prazo de 60 dias após a entrada em vigor do novo CPA 5. Utilização crescente de conceitos vagos, indeterminados ou com reduzida densidade normativa - comportamentos adequados, art. 7º/1 - manifestamente desrazoáveis, incompatíveis com a ideia de Direito, art. 8º/1 6. Desvalorização das formalidades/procedimento em relação ao mérito da decisão administrativa - Compressão do princípio da legalidade - Princípio do Aproveitamento do Acto Administrativo, art. 163º/5

11 NOVIDADES DO NOVO CPA 7. Silêncio da Administração - Incumprimento do dever de decisão, art.º 129º Havendo uma situação de silêncio ou incumprimento do dever de decidir, no prazo de 90 dias (art. 128º), o interessado pode reagir utilizando os meios de tutela administrativa (reclamação para o autor do acto ou recurso hierárquico para o superior hierárquico) e judicial (acção de condenação à prática de acto devido, art. 66º e segs. do CPTA). Quando há incumprimento do prazo legal de decidir, o silêncio não vale como acto administrativo. Só não é assim quando a lei expressamente prever o deferimento tácito. - Desaparecimento da figura do indeferimento tácito no CPA (o indeferimento tácito já havia acabado com a reforma do contencioso administrativo de 2002/2004) - Deferimento tácito art. 130º Prevê os casos de deferimento tácito com mais clareza.

12 8. Responsabilidade pelo incumprimento de prazos ou por violação do direito a uma decisão em prazo razoável - Tutela directa da celeridade do procedimento administrativo e da decisão administrativa, pela consagração expressa do dever de celeridade, previsto nos arts. 59º, 60º/2 e 5º/1 - consagração do dever de celeridade e do dever de decisão em prazo razoável, nos arts. 59º e 60º, os quais, conjugados com o critério da celeridade, previsto no princípio da boa administração, no art. 5º/1, concretizam normativamente o dever a cargo dos poderes públicos. - ao abrigo deste quadro normativo, a Administração Pública passa a poder ser demandada civilmente por danos decorrentes da delonga do procedimento administrativo ou por incumprimento do dever de decisão em prazo razoável, passando a existir um quadro normativo preciso. - aspecto favorável para os cidadãos e com enorme relevância prática, que vai exigir da Administração uma nova forma de actuação, de modo a ser mais eficiente e célere na sua actuação.

13 NOVIDADES DO NOVO CPA 9. Regulamentos Administrativos - Conceito mais restrito de regulamento: as normas jurídicas gerais e abstractas que, no exercício de poderes jurídico-administrativos visem produzir efeitos jurídicos externos art. 135º E os regulamentos internos? (Circulares) - Regulação ampla do regime dos regulamentos: Elaboração (arts. 97º a 101º), Eficácia, Invalidade, Caducidade, Revogação, Impugnação (arts. 135º a 147º) - Os cidadãos podem apresentar petições em que solicitem a elaboração, modificação ou revogação de regulamentos art. 97º/110º - Consagra-se a audiência dos interessados em relação aos regulamentos que contenham disposições que afectem de modo directo e imediato direitos ou interesses legalmente protegidos dos cidadãos art. 100º - Omissão de regulamento: no silêncio da lei, os regulamentos de execução devem ser emitidos no prazo de 90 dias, a contar do acto legislativo (só há incumprimento do dever de regulamentar, se houver prazo para o fazer, o que agora é previsto. Se a lei não fixar, vale o prazo regra de 90 dias) art. 137º

14 NOVIDADES DO NOVO CPA 10. Acto Administrativo - Conceito mais restrito de acto: decisões que, no exercício de poderes jurídicoadministrativos, visem produzir efeitos jurídicos externos, numa situação individual e concreta art. 148º - Para efeitos da lei deixa de existir actos administrativos internos, pois actos administrativos são apenas os que produzem efeitos jurídicos externos. - Assimilação do conceito de acto administrativo ao conceito de impugnabilidade de acto, previsto no art. 51º/1 CPTA O que fazer aos actos internos? Manter-se-ão na ordem jurídica, embora sem enquadramento legal.

15 NOVIDADES DO NOVO CPA 11. Princípio da adequação procedimental - Art. 56º - Remete para o princípio da boa administração (art. 5º) - Relaciona-se com a forma como os órgãos agirão procedimentalmente: Na ausência de normas jurídicas injuntivas, a Administração passa a poder conformar a tramitação procedimental. - Filosofia subjacente ao Código de deslegalização do procedimento administrativo, conferindo maior liberdade de conformação do procedimento à Administração. - Papel dos Tribunais Administrativos sobre a interpretação e densificação do que seja a ausência de normas jurídicas injuntivas. - Aberta a porta para a menor relevância das formas e das regras do procedimento e para a relativização dos vícios de forma e de procedimento.

16 NOVIDADES DO NOVO CPA 12. Clarificação do conceito de legitimidade procedimental e dos interessados arts. 65º e 68º - Dificuldades na delimitação do conceito de legitimidade procedimental e processual no âmbito das conferências procedimentais - artº 77º. - No caso da conferência deliberativa, destinada ao exercício conjunto das competências decisórias dos órgãos participantes através de um único acto de conteúdo complexo, que substitui a prática, por cada um deles, de actos administrativos autónomos, quem terá legitimidade passiva para ser demandado? - Só se assegurará esse pressuposto processual com a presença de todos, podendo estar em causa diferentes pessoas colectivas de direito público. 13. Clarificação do regime de eficácia do acto: - situações de produção diferida de efeitos art. 155º - situações de produção condicionada art.157º

17 NOVIDADES DO NOVO CPA 14. Garantia de inoponibilidade aos destinatários dos actos constitutivos de direitos ou outras situações passivas, sem prévia notificação art. 160º 15. Separação entre a responsabilidade de promover a tramitação do procedimento e a tarefa decisória art. 55º 16. Diferença entre publicidade e publicação A falta de publicação do acto, quando legalmente exigida, implica a sua ineficácia art. 158º/2 17. Impugnação das operações materiais de facto art. 182º 18. Maior ligação com o direito processual administrativo: desenvolvimento do procedimento administrativo conteúdo do art. 172º sobre as consequências da anulação administrativa, decalcado do regime do art. 173º do CPTA

18 1. Alargamento dos Princípios Gerais da Actividade Administrativa - Maior número de princípios arts. 3º ao 19º (17 princípios) - Maior relevância aos princípios gerais da actividade administrativa - Relação entre norma jurídica e princípio jurídico - Novos Princípios: - Boa Administração (art. 5º) - Razoabilidade (art. 8º) - Administração electrónica (art. 14º) - Responsabilidade (art. 16º) Art. 22º da CRP - Administração Aberta (art. 17º) Art. 65º/CPA91 - Protecção de dados pessoais (artº 18º) - Cooperação leal com a União Europeia (art. 19º)

19 - Ampliação da densidade ou concretização de alguns princípios: A circunstância de os princípios gerais da actividade administrativa não terem todos a mesma densidade normativa foi assumida pelo legislador, que reconheceu que o novo CPA conferiu maior densidade aos princípios: - da igualdade (artigo 6º) - da proporcionalidade (artigo 7º) - da imparcialidade (artigo 9º) - da boa-fé (artigo 10º) - da colaboração com os particulares (artigo 11º) Alargado o âmbito do controlo judicial da actuação dos poderes públicos Reforço da tutela dos direitos e valores fundamentais dos cidadãos - A discricionariedade administrativa não é uma escolha livre do Direito, entre uma série de soluções, todas elas igualmente legítimas, antes implica a procura da melhor solução para a satisfação, no caso concreto, dos interesses públicos legalmente definidos - os princípios jurídicos orientam essa escolha.

20 Princípio da Boa Administração (art. 5º) - A CRP nada diz sobre a Boa Administração. Freitas do Amaral: a boa administração estava ligada à própria noção de interesse público, prevista no art. 266º/2 da CRP, pois quando a Administração prossegue o interesse público, deve exercer a boa administração - Fonte: Direito Comparado Europeu consagração noutros ordenamentos - Critérios: Eficiência, Economicidade e Celeridade (n.º 1) + Administração Pública organizada e não burocratizada e aproximação dos serviços das populações (n.º 2) - Apela à ideia de bom andamento da Administração, de bom funcionamento dos serviços, próxima da ideia anglo-saxónica de good governance

21 Princípio da Boa Administração (art. 5º) - O princípio da Boa Administração traduz-se num princípio de organização e de actuação da Administração Pública, que regula a forma como a Administração deve agir e relacionar-se com os cidadãos: - dimensão do Direito Administrativo como conjunto de normas: - atributivas de PODER - GARANTÍSTICAS - Reduzida densidade normativa - Limitado o controlo judicial: o princípio da separação de poderes limita o seu controlo judicial (o juiz não é administrador Art. 3º/1 CPTA) Salvo: - Tribunal de Contas - Casos pontuais / procedimentos especiais

22 Princípio da Boa Administração (art. 5º) Art. 41º da Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia, Direito a uma boa administração : 1. Todas as pessoas têm direito a que os seus assuntos sejam tratados pelas instituições, órgãos e organismos da União Europeia de forma imparcial, equilibrada e num prazo razoável. 2. Este direito compreende, nomeadamente: a) O direito de qualquer pessoa a ser ouvida antes de a seu respeito ser tomada qualquer medida individual que a afecte desfavoravelmente; b) O direito de qualquer pessoa a ter acesso aos processos que se lhe refiram, no respeito pelos legítimos interesses da confidencialidade e do segredo profissional e comercial; c) A obrigação, por parte da administração, de fundamentar as suas decisões. 3. Todas as pessoas têm direito à reparação, por parte da União, dos danos causados pelas suas instituições ou pelos seus agentes no exercício das respectivas funções, de acordo com os princípios gerais comuns às legislações dos Estados-Membros. 4. Todas as pessoas têm a possibilidade de se dirigir às instituições da União numa das línguas dos Tratados, devendo obter uma resposta na mesma língua..

23 Princípio da Boa Administração (art. 5º) Art. 41º da Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia, Direito a uma boa administração : - A consagração do princípio da Boa Administração no ordenamento jurídico nacional deve ser vista à luz da Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia, no seu art.º 41.º, o qual adopta um conjunto de dimensões, como o princípio da imparcialidade, o direito de participação procedimental, o direito de acesso aos documentos administrativos, o dever de fundamentação, o dever de decisão em prazo razoável e o dever de reparação por danos. - Todas estas dimensões do princípio da Boa Administração mostram-se acolhidas no ordenamento nacional, tendo consagração constitucional, como: - princípios fundamentais, como seja o princípio da responsabilidade civil dos poderes públicos, com consagração no art.º 22.º; - princípios gerais da actividade administrativa, no que respeita ao princípio da imparcialidade, consagrado no art.º 266.º, n.º 2; - direitos procedimentais, previstos no art.º 268.º, no que se refere à participação dos interessados, ao acesso à informação, à fundamentação e ao patrocínio judiciário no procedimento.

24 O ordenamento jurídico nacional acolhe de forma autónoma, todas as dimensões previstas no art.º 41.º da Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia, não só na Constituição, como na Lei, ora sob a forma de princípio jurídico, ora sob a forma de norma jurídica. Poderão os Cidadãos demandar a Administração, pedindo o controlo judicial da legalidade da sua actuação, com base na violação do princípio da boa administração? - Os princípios jurídicos fundamentais materiais, substanciais ou valorativos, sendo concretizações do princípio da juridicidade, regem duplamente, de forma directa, a actividade administrativa: - quer autonomamente, como padrões de validade; - quer influenciando a interpretação e aplicação, administrativa e judicial, das leis (interpretação conforme os princípios). - Os princípios jurídicos têm formas diferentes de concretização: os de maior densificação permitem que sobre eles recaia um amplo controlo judicial, mas os de elevado grau de abstracção ou de indeterminação, impedem o controlo judicial ou permitem que ele ocorra apenas em situações específicas.

25 Princípio da Razoabilidade (Art. 8º) - Princípio de influência anglo-saxónica - Não se apresenta suficientemente concretizado para permitir o controlo judicial por parte dos Tribunais Administrativos - A Administração deve rejeitar as soluções manifestamente desrazoáveis ou incompatíveis com a ideia de Direito, o que nos remete para a questão da densificação do conceito indeterminado do que seja manifestamente desrazoável ou o que seja incompatível com a ideia de Direito. O preceito remete-nos para a matéria de interpretação das normas jurídicas e das valorações próprias do exercício da função administrativa. - Será a doutrina e de forma muito relevante, a jurisprudência, quem caberá concretizar o conteúdo do preceito.

26 - Se os princípios da Boa Administração e da Razoabilidade têm a sua razão de ser em ordenamentos do tipo anglo-saxónico, em que, por não existir ou existir em muito menor escala a pré-ordenação legal, têm a aptidão de ampliar o controlo judicial, em ordenamentos do tipo continental, como o português, em que os poderes públicos devem obediência ao princípio da legalidade e em que a norma positiva enforma todo o ordenamento jurídico, estes princípios assumem muito pouco relevo. - Será duvidoso que o juiz administrativo possa controlar certa política pública, designadamente, em áreas técnicas de controlo de políticas públicas, com fundamento de que a mesma viola a boa administração ou é desrazoável. - Será com base noutras normas jurídicas ou com apelo a outros princípios gerais da actividade administrativa, que não exclusivamente, a invocação dos princípios da boa administração e da razoabilidade, que poderá existir o controlo judicial pelos Tribunais Administrativos.

27 2. Consagração de novos institutos - acordos endo-procedimentais art. 57º - auxílio administrativo art. 66º - conferências procedimentais art. 77º

28 Acordos Endo-Procedimentais art. 57º Âmbito: Discricionariedade procedimental Conteúdo: Acordo entre o órgão competente para a decisão final e os interessados do procedimento sobre os termos do procedimento - pode consistir na organização de audiências orais para o exercício do contraditório entre todos os interessados (directo e contra-interessados) - Durante o procedimento, o órgão competente para a decisão final e os interessados podem celebrar contrato para determinar o conteúdo discricionário do acto administrativo a praticar no termo do procedimento, no todo ou em parte Efeito: Vinculativo Tratam-se de acordos substitutivos de actos administrativos e podem terminar o procedimento o artº 127º determina que o procedimento pode terminar pela prática de um acto administrativo ou pela celebração de um contrato (fungibilidade entre acto e contrato).

29 Auxílio Administrativo art. 66º Âmbito: Solicitar o auxílio de quaisquer órgãos da Administração Pública - para melhor conhecimento da matéria (competência exclusiva de certo órgão ou conhecimentos aprofundados de outro órgão) - para aceder a documentos ou dados na posse de outro órgão, necessários para a instrução do procedimento - seja necessária a intervenção pessoal ou o emprego de meios técnicos de outro órgão Competência: Órgão competente para a decisão final Iniciativa: - própria do órgão competente para a decisão final - proposta do responsável pela direcção do procedimento - requerimento de um sujeito privado da relação jurídica procedimental Em caso de recusa de auxílio ou de dilação na sua prestação: Resolução do litígio pela autoridade competente para a resolução de conflitos de atribuições ou de competências entre órgãos ou, não havendo, o órgão que exerça poder de direcção, superintendência ou tutela.

30 Conferências Procedimentais art. 77º Âmbito: Exercício em comum ou conjugado das competências de diversos órgãos da Administração Pública - pode dizer respeito a um procedimento ou a vários procedimentos conexos - pode determinar a tomada de uma decisão ou de várias decisões conjugadas Objectivos: Promover a Eficiência, Economicidade e Celeridade As Conferências Procedimentais relativas a um único procedimento complexo ou a vários procedimentos conexos determinam a tomada de diferentes decisões por diferentes órgãos: - Conferência deliberativa tomada de um acto de conteúdo complexo, que substitui a prática, por cada um dos órgãos, de actos administrativos autónomos (exercício conjunto de competências decisórias de diversos órgãos) - Conferência de coordenação tomada de vários actos administrativos autónomos (exercício individualizado, mas simultâneo, das competências de diversos órgãos)

31 3. Regulação em termos substancialmente distintos alguns institutos já previstos - Nulidade arts. 161º e 162º - Anulabilidade art. 163º - Revogação art. 165º e segs. - Anulação administrativa art. 165º e segs.

32 Nulidade Arts. 161º, 162º e 164º/2 - Nulidade apenas a legal art. 161º/1 maior certeza e segurança jurídica (eliminação das nulidades por natureza) - Ampliação do elenco dos actos nulos Art. 161º/2: - actos praticados com desvio de poder para fins de interesse privado al. e) - actos certificativos de factos inverídicos ou inexistentes al. j) - actos que criem obrigações pecuniárias não previstas na lei al. k) - actos praticados, salvo em estado de necessidade, com preterição total do procedimento legalmente exigido al. l) - Eliminação do elenco dos actos nulos, dos actos consequentes de actos anteriormente anulados ou revogados, desde que não haja contrainteressados com interesse legítimo na manutenção do acto consequente (artº 133º/2/i)/CPA91)

33 Nulidade Arts. 161º, 162º e 164º/2 - Regime: invocável a todo o tempo salvo disposição legal em contrário caso das nulidades especiais, que limitem a invocação da nulidade (ex. urbanismo - 10 anos) - Novidade: Os actos nulos podem ser objecto de Reforma e de Conversão Art. 164º/2 - Aperfeiçoamento de regime: Podem ser atribuídos efeitos jurídicos a situações de facto decorrentes de actos nulos, de harmonia com os princípios da boafé, da protecção da confiança e da proporcionalidade ou de outros princípios jurídicos constitucionais, designadamente, associados ao decurso do tempo Art. 162º/3 Maior tutela da situação jurídica material e das posições jurídicas de terceiros (contra-interessados), com interesse legítimo na manutenção nos efeitos do acto) Maior flexibilidade no regime da nulidade

34 Anulabilidade Art. 163º - Clarificação: possibilidade de os efeitos jurídicos produzidos pelo acto anulável poderem ser destruídos, com eficácia retroactiva, em caso de anulação administrativa ou judicial - Novidade - Não produção do efeito anulatório nas três situações previstas no nº 5: a) O conteúdo do acto anulável não possa ser outro, por o acto ser de conteúdo vinculado ou a apreciação do caso concreto permita identificar apenas uma solução como legalmente possível vícios materiais ou substanciais em relação a actos vinculados ou com redução da discricionariedade a zero b) O fim visado pela exigência procedimental ou formal preterida tenha sido alcançado por outra via vícios de natureza formal ou procedimental (mesmo para as formalidades com consagração constitucional) c) Se comprove, sem margem para dúvidas, que, mesmo sem o vício, o acto teria sido praticado com o mesmo conteúdo vícios materiais ou substanciais

35 Revogação Art. 165º e segs. - Noção: Acto administrativo que determina a cessação dos efeitos de outro acto, por razões de mérito, conveniência ou oportunidade (anteriormente revogação dos actos válidos art. 140º/CPA91) - Regime Condicionalismos aplicáveis à revogação art. 167º - os actos administrativos não podem ser revogados quando a sua irrevogabilidade resulte de vinculação legal ou quando deles resultem, para a Administração, obrigações legais ou direitos irrenunciáveis nº 1

36 Revogação Art. 165º e segs. Condicionalismos aplicáveis à revogação art. 167º Actos constitutivos de direitos - Noção de actos constitutivos de direitos: os actos administrativos que atribuam ou reconheçam situações jurídicas de vantagem ou eliminem ou limitem deveres, ónus, encargos ou sujeições, salvo quando a sua precariedade decorra da lei ou da natureza do acto nº 3 (aplicável ao regime da anulação administrativa) - Os actos constitutivos de direitos só podem ser revogados nº 2: a) na parte em que sejam desfavoráveis aos interesses dos beneficiários; b) quando todos os beneficiários manifestem a sua concordância e não estejam em causa direitos indisponíveis;

37 Revogação Art. 165º e segs. c) com fundamento em superveniência de conhecimentos técnicos e científicos ou em alteração objectiva das circunstâncias de facto, em face das quais, num ou noutro caso, não poderiam ter sido praticados; d) com fundamento em reserva de revogação, na medida em que o quadro normativo aplicável consinta a precarização do acto em causa e se verifique o circunstancialismo específico previsto na própria cláusula. - A revogação da al. c) deve ser proferida no prazo de um ano, a contar da data do conhecimento da superveniência ou da alteração das circunstâncias, podendo esse prazo ser prorrogado, por mais dois anos, por razões fundamentadas nº 4 - Nesse caso, os beneficiários de boa-fé do acto revogado têm direito a ser indemnizados, segundo a indemnização pelo sacrifício, mas quando a afectação do direito, pela sua gravidade ou intensidade, elimine ou restrinja o conteúdo essencial do direito, o beneficiário de boa-fé tem direito a uma indemnização correspondente ao valor económico do direito eliminado ou da parte do direito que tiver sido restringida nº 5

38 Anulação administrativa Art. 165º e segs. Noção: Acto administrativo que determina a destruição dos efeitos de outro acto, com fundamento em invalidade (anterior regime da revogação de actos inválidos art. 141º/CPA91) Condicionalismos - Artº 168º: - prazo de seis meses: - a contar da data do conhecimento do órgão competente da causa de invalidade nº 1 - nos casos de invalidade resultante de erro do agente, a contar da cessação do erro nº 1 - desde que não tenham decorrido cinco anos, a contar da emissão do acto nº 1 - prazo de 1 ano, a contar da emissão do acto, para os actos constitutivos de direitos nº 2 - até ao encerramento da discussão, no caso de o acto ter sido objecto de impugnação jurisdicional nº 3 - quando o acto se tiver tornado inimpugnável jurisdicionalmente, o mesmo só pode ser objecto de anulação administrativa oficiosa nº 5

39 Anulação administrativa Art. 165º e segs. Condicionalismos - Artº 168º: Actos constitutivos de direitos - Prazo de 1 ano, a contar da emissão do acto nº 2 - Prazo de 5 anos, a contar da emissão, salvo se a lei ou o direito da União Europeia prescrevem prazo diferente, nos seguintes casos nº 4: a) quando o beneficiário tenha utilizado artifício fraudulento com vista à obtenção da sua prática; b) apenas com eficácia para o futuro, quando se trate de actos de obtenção de prestações periódicas, no âmbito de uma relação continuada; c) actos de conteúdo pecuniário cuja legalidade, nos termos da legislação administrativa, possa ser objecto de fiscalização administrativa para além do prazo de um ano, com imposição do dever de restituição das quantias indevidamente auferidas - A anulação de actos constitutivos de direitos constitui os beneficiários que desconhecessem sem culpa a existência da invalidade e tenham auferido, tirado partido ou feito uso da posição de vantagem em que o acto os colocava, no direito de serem indemnizados pelos danos anormais que sofram em consequência da anulação nº 6

40 Anulação administrativa Art. 165º e segs. Condicionalismos - Artº 168º: - Inconstitucionalidade do nº 7: Desde que o ainda o possa fazer (por estar em prazo), a Administração tem o dever de anular o acto administrativo que tenha sido julgado válido por sentença transitada em julgado, proferida por um tribunal administrativo com base na interpretação do direito da União Europeia, invocando para o efeito nova interpretação desse direito em sentença posterior, transitada em julgado, proferida por um tribunal administrativo que, julgando em última instância, tenha dado execução a uma sentença de um tribunal da União Europeia vinculativa para o estado português.. - Violação do Estado de direito democrático e do princípio da separação de poderes: possibilidade de a Administração anular administrativamente uma sentença transitada em julgado arts. 2º e 111º/1 da CRP - Violação de que as decisões judiciais são obrigatórias para todas as entidades públicas e privadas e prevalecem sobre quaisquer outras arts. 205º/2 da CRP e 158º/1 do CPTA - Violação do caso julgado - Desconhecimento do regime do recurso extraordinário de revisão art. 696º/f) do CPC, a decisão transitada em julgado pode ser objecto de revisão se for inconciliável com decisão definitiva de uma instância internacional de recurso vinculativa para o Estado português.

41 4. Rompimento com o paradigma do Privilégio de Execução Prévia da Administração - Seguindo o exemplo de outros ordenamentos é eliminado o Privilégio da Auto-Tutela Executiva da Administração - A entrada em vigor do novo regime depende da entrada em vigor da nova lei sobre a Execução dos actos administrativos, a aprovar no prazo de 60 dias após a entrada em vigor do novo CPA

42 Regime de Execução dos Actos - Clarificação: Exige-se expressamente que seja praticado o acto exequendo, a anteceder qualquer acto jurídico ou operação material - art. 177º - A execução coerciva passa a poder ser realizada pela Administração só nos casos expressamente previstos na lei ou em situações de urgente necessidade pública - Caberá ao poder judicial densificar e concretizar o que, em cada caso, se deve entender por urgência pública, de forma a habilitar a Administração a executar o acto administrativo, salvo nos casos de obrigações pecuniárias.

43 5. Utilização crescente de conceitos vagos, indeterminados ou com reduzida densidade normativa - comportamentos adequados, art. 7º/1 - manifestamente desrazoáveis ou incompatíveis com a ideia de Direito, art. 8º/1 - ponderação dos custos e benefícios das medidas projectadas, artº 99º - que amplitude?

44 6. Desvalorização das formalidades/procedimento em relação ao mérito da decisão administrativa Compressão do princípio da legalidade: Crise da legalidade estrita? Tendência para a redução da relevância invalidatória por incumprimento do direito das formas e procedimentos de controlo prévio e uma desvalorização de preceitos substanciais de menor relevo, em homenagem a uma eficiência de resultados na realização do interesse público, embora a par ou em contraposição à formulação europeia de um direito a uma boa administração.

45 Princípio do Aproveitamento do Acto Administrativo - Art. 163º/5 - O novo CPA regula de forma expressa as situações em que não se produz o efeito anulatório do acto administrativo, acolhendo os contributos doutrinários e jurisprudências produzidos a propósito da aplicação do princípio do aproveitamento do acto administrativo. - Ficam reguladas em lei, as situações que habilitam o poder judicial, por via dos Tribunais Administrativos e o poder administrativo, por via da Administração, de conformar a legalidade administrativa, não anulando o acto administrativo impugnado. Conformação judicial dos efeitos de invalidade administrativa

46 Balanço Final do Novo CPA - O novo Código constitui um desafio importante para a Administração, que tem de se modernizar na sua forma de actuação e organização e dar cumprimento aos comandos da lei, na sua forma relacional com o cidadão, como para os Tribunais Administrativos, que têm de interpretar e aplicar a lei de modo a dela extrair a vontade do legislador e a exercer o poder jurisdicional de acordo com os parâmetros definidos na Constituição e na lei, designadamente, no tocante ao respeito pelos limites decorrentes do princípio da separação de poderes. - Compreende-se o exercício de responsabilidades de que fala o legislador no Preâmbulo da lei, entendido por nós como um exercício partilhado de responsabilidades, entre os cidadãos e a Administração e entre esta e os Tribunais Administrativos. - Ditará a prática, em função da aplicação que for dada pela Administração, se o novo CPA se traduz num avanço do Direito Administrativo substantivo.

47 MUITO OBRIGADA!

ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA

ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA (Até às alterações do Decreto Lei n.º 38/2003, de 08 de Março) ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA CAPÍTULO I Artigo 1.º Convenção de arbitragem 1 - Desde que por lei especial não esteja submetido exclusivamente a tribunal

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DIREITO 12ºANO DE ESCOLARIDADE ANO LECTIVO 2014/2015

PLANIFICAÇÃO ANUAL DIREITO 12ºANO DE ESCOLARIDADE ANO LECTIVO 2014/2015 Governo dos Açores Escola Básica e Secundária de Velas PLANIFICAÇÃO ANUAL DIREITO 12ºANO DE ESCOLARIDADE ANO LECTIVO 2014/2015 (Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho, alterado pelo Decreto-Lei nº 91/2013,

Leia mais

DERROGAÇÃO DE SIGILO BANCÁRIO

DERROGAÇÃO DE SIGILO BANCÁRIO Delegação de Viana do Castelo Direcção de Finanças de Viana do Castelo DERROGAÇÃO DE SIGILO BANCÁRIO CONFERÊNCIA jesuinoamartins@gmail.com 04.06.2015 Atribuições da AT No conjunto das actividades desenvolvida

Leia mais

Acção Administrativa Especial de Impugnação. Tramitação

Acção Administrativa Especial de Impugnação. Tramitação Acção Administrativa Especial de Impugnação Tramitação Seminário Aspectos Práticos da Lei do Asilo Comissão dos Direitos Humanos e Instituto dos Advogados em Prática Individual da Ordem dos Advogados -

Leia mais

Especificidades do Processo Administrativo relativamente ao actual Código de Processo Civil

Especificidades do Processo Administrativo relativamente ao actual Código de Processo Civil Especificidades do Processo Administrativo relativamente ao actual Código de Processo Civil A 3ª Reunião Anual da Justiça Administrativa, tem como tema Um Novo Processo para a Justiça Administrativa. O

Leia mais

A PRIVATIZAÇÃO DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DIREITOS ADQUIRIDOS OU ARBÍTRIO LEGISLATIVO?

A PRIVATIZAÇÃO DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DIREITOS ADQUIRIDOS OU ARBÍTRIO LEGISLATIVO? A PRIVATIZAÇÃO DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DIREITOS ADQUIRIDOS OU ARBÍTRIO LEGISLATIVO? Intervenção de Lino José Baptista Rodrigues Ribeiro Juiz Desembargador do Tribunal Central

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL 6910 Diário da República, 1.ª série N.º 187 25 de Setembro de 2009 Artigo 110.º Entrada em vigor 1 O presente decreto -lei entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação. 2 O certificado de conformidade

Leia mais

REGIMENTO INTERNO AVALIAÇÃO DO PESSOAL NÃO DOCENTE

REGIMENTO INTERNO AVALIAÇÃO DO PESSOAL NÃO DOCENTE REGIMENTO INTERNO AVALIAÇÃO DO PESSOAL NÃO DOCENTE Artigo 1.º Objectivos da avaliação A avaliação do pessoal não docente visa: a) A avaliação profissional, tendo em conta os conhecimentos, qualidades e

Leia mais

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 REGULAMENTO (UE) N. o 1259/2010 DO CONSELHO de 20 de Dezembro de 2010 que cria uma cooperação reforçada no domínio da lei aplicável em matéria de divórcio

Leia mais

Derrogação do sigilo bancário em matéria fiscal. Samuel Fernandes de Almeida

Derrogação do sigilo bancário em matéria fiscal. Samuel Fernandes de Almeida Derrogação do sigilo bancário em matéria fiscal Samuel Fernandes de Almeida Introdução O problema político da humanidade écombinar três coisas: eficiência económica, justiça social e liberdade individual

Leia mais

Reforma do Regime dos Recursos em Processo Civil. (Decreto-Lei n.º 303/2007, de 24 de Agosto)

Reforma do Regime dos Recursos em Processo Civil. (Decreto-Lei n.º 303/2007, de 24 de Agosto) Reforma do Regime dos Recursos em Processo Civil (Decreto-Lei n.º 303/2007, de 24 de Agosto) Sumário Aplicação da lei no tempo e regime dos recursos em legislação extravagante Simplificação do regime de

Leia mais

2- Com o devido respeito, esta é uma falsa questão. Senão vejamos:

2- Com o devido respeito, esta é uma falsa questão. Senão vejamos: Pº CP 3/06 DSJ-CT: Desjudicialização - Processo especial de justificação - Acção declarativa comum para reconhecimento do direito de propriedade - Competência material dos julgados de paz CONSULTA: Parecer

Leia mais

NOVOS RUMOS PARA A JUSTIÇA ADMINISTRATIVA BALANÇO DA 1.ª REAJA

NOVOS RUMOS PARA A JUSTIÇA ADMINISTRATIVA BALANÇO DA 1.ª REAJA NOVOS RUMOS PARA A JUSTIÇA ADMINISTRATIVA BALANÇO DA 1.ª REAJA COMISSÃO ORGANIZADORA DA 1.ª REAJA SUMÁRIO: Introdução. Propostas apresentadas na 1.ª REAJA: I Organização Judiciária; II Processo administrativo;

Leia mais

OTOC - Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas

OTOC - Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas Normas Interpretativas No âmbito dos poderes que estatutáriamente lhe são conferidos, a Direcção da Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas, tendo em consideração as questões colocadas pelos órgãos da Câmara

Leia mais

LEI DE COMBATE À CORRUPÇÃO. Lei n.º 06/2004 de 17 de Junho

LEI DE COMBATE À CORRUPÇÃO. Lei n.º 06/2004 de 17 de Junho LEI DE COMBATE À CORRUPÇÃO Lei n.º 06/2004 de 17 de Junho Lei nº 06/2004 de 17 de Junho Havendo necessidade de introduzir mecanismos complementares de combate à corrupção, nos termos do n.º 1 do artigo

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL PORTUGUÊS

DIREITO PROCESSUAL PENAL PORTUGUÊS Germano Marques da Silva Professor da Faculdade de Direito Universidade Católica Portuguesa DIREITO PROCESSUAL PENAL PORTUGUÊS VOL. I Universidade Católica Editora Lisboa, 2013 PREFÁCIO Este livro deveria

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Do despacho de recusa foi interposto recurso hierárquico, cujos termos aqui se dão por integralmente reproduzidos.

DELIBERAÇÃO. Do despacho de recusa foi interposto recurso hierárquico, cujos termos aqui se dão por integralmente reproduzidos. Pº R.P. 16/2008 SJC-CT- Registo de hipoteca legal nos termos do artº 195º do CPPT Título Suficiência Despacho do Chefe de Serviço de Finanças competente que a requerimento do executado autorize a substituição

Leia mais

8-(4) Diário da República, 1.ª série N.º 1 3 de Janeiro de 2011

8-(4) Diário da República, 1.ª série N.º 1 3 de Janeiro de 2011 8-(4) Diário da República, 1.ª série N.º 1 3 de Janeiro de 2011 Decreto Regulamentar n.º 1-A/2011 de 3 de Janeiro O Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social, aprovado

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o terceiro parágrafo do artigo 159º,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o terceiro parágrafo do artigo 159º, REGULAMENTO (CE) Nº 1082/2006 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 5 de Julho de 2006 relativo aos agrupamentos europeus de cooperação territorial (AECT) O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA,

Leia mais

O Contencioso Administrativo

O Contencioso Administrativo O Contencioso Administrativo INA 7. Os processos urgentes João Tiago Silveira novembro/dezembro de 2015 a. Aspetos comuns Os processos principais urgentes: Contencioso eleitoral (artigos 98.º e segs. CPTA)

Leia mais

(Actos legislativos) DIRECTIVAS

(Actos legislativos) DIRECTIVAS 26.10.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 280/1 I (Actos legislativos) DIRECTIVAS DIRECTIVA 2010/64/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 20 de Outubro de 2010 relativa ao direito à interpretação

Leia mais

Decreto-Lei n.º 111/2005, de 08/07

Decreto-Lei n.º 111/2005, de 08/07 Contém as alterações dos seguintes diplomas: DL n.º 33/2011, de 07/03 DL n.º 99/2010, de 02/09 DL n.º 247-B/2008, de 30/12 DL n.º 318/2007, de 26/09 DL n.º 125/2006, de 29/06 DL n.º 76-A/2006, de 29/03

Leia mais

Assim, não há lugar a despacho liminar, nem a citação prévia do executado nas execuções baseadas em:

Assim, não há lugar a despacho liminar, nem a citação prévia do executado nas execuções baseadas em: Decreto-Lei n.º 38/2003, de 8 de março A revisão do Código de Processo Civil operada pelo Decreto-Lei n.º 329-A/95, de 12 de dezembro, e pelo Decreto-Lei n.º 180/96, de 25 de setembro, complementada pelo

Leia mais

828 Diário da República, 1. a série N. o 20 29 de Janeiro de 2007 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES

828 Diário da República, 1. a série N. o 20 29 de Janeiro de 2007 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES 828 Diário da República, 1. a série N. o 20 29 de Janeiro de 2007 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Portaria n. o 138/2007 Manda o Governo, pelo Secretário de Estado Adjunto, das

Leia mais

DIRETIVA n.º 3/2014. Novo Regime Jurídico do Processo de Inventário. A intervenção do Ministério Público

DIRETIVA n.º 3/2014. Novo Regime Jurídico do Processo de Inventário. A intervenção do Ministério Público DIRETIVA n.º 3/2014 Novo Regime Jurídico do Processo de Inventário. A intervenção do Ministério Público A entrada em vigor do Regime Jurídico do Processo de Inventário, aprovado pela Lei n.º 23/2013, de

Leia mais

RECOMENDAÇÃO N.º 2/A/2008 [artigo 20.º, n.º 1, alínea a), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril] I EXPOSIÇÃO

RECOMENDAÇÃO N.º 2/A/2008 [artigo 20.º, n.º 1, alínea a), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril] I EXPOSIÇÃO Número: 2/A/2008 Data: 27-02-2008 Entidade visada: Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão Assunto: Obra de construção utilização indevida renúncia ao exercício de competência Processo:

Leia mais

Profissão de advogado na União Européia. Directiva 98/5/CE 08-05-2002

Profissão de advogado na União Européia. Directiva 98/5/CE 08-05-2002 Profissão de advogado na União Européia Directiva 98/5/CE 08-05-2002 tendente a facilitar o exercício permanente da profissão de advogado num Estado-membro diferente daquele em que foi adquirida a qua

Leia mais

As decisões intermédias na jurisprudência constitucional portuguesa

As decisões intermédias na jurisprudência constitucional portuguesa As decisões intermédias na jurisprudência constitucional portuguesa MARIA LÚCIA AMARAL * Introdução 1. Agradeço muito o convite que me foi feito para participar neste colóquio luso-italiano de direito

Leia mais

CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS

CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO A selecção dos textos legislativos disponibilizados

Leia mais

( Até às alterações do Decreto-Lei n.º 20/2008, de 31 de Janeiro) REGISTO AUTOMÓVEL

( Até às alterações do Decreto-Lei n.º 20/2008, de 31 de Janeiro) REGISTO AUTOMÓVEL ( Até às alterações do Decreto-Lei n.º 20/2008, de 31 de Janeiro) REGISTO AUTOMÓVEL Artigo 1.º 1 - O registo de veículos tem essencialmente por fim dar publicidade à situação jurídica dos veículos a motor

Leia mais

. PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE

. PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE . PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE: R-2439/86 (A6) DATA: 2000-02-03 Assunto: Instituições

Leia mais

POPULAR SEGUROS- COMPANHIA DE SEGUROS, S.A.

POPULAR SEGUROS- COMPANHIA DE SEGUROS, S.A. PROVEDOR DO CLIENTE Capítulo I - Enquadramento Artigo 1º - Objeto do presente documento Artigo 2º - Direito de apresentação de reclamações ao provedor Artigo 3º - Funções e autonomia do provedor Capítulo

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DIRECÇÃO NACIONAL DE ASSESSORIA JURÍDICA MINISTÉRIO DA JUSTIÇA E LEGISLAÇÃO Proposta de lei n.º / Regime penal especial para jovens com idade entre 16 e os 21 anos O presente diploma sobre o regime penal

Leia mais

OBSERVATÓRIO. Diploma Ministerial incoerente,ilegal e anti-constitucional. Sobre o Registo de Cartões SIM

OBSERVATÓRIO. Diploma Ministerial incoerente,ilegal e anti-constitucional. Sobre o Registo de Cartões SIM OBSERVATÓRIO de Suplemento do Boletim informativo - CIP Newsletter Edição 7 Sobre o Registo de Cartões SIM Diploma Ministerial incoerente,ilegal e anti-constitucional Em 15 de Setembro de 2010, foi publicado

Leia mais

ORDEM DOS NOTÁRIOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO

ORDEM DOS NOTÁRIOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO ORDEM DOS NOTÁRIOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO Preâmbulo Nos termos do Artigo 30.º do Estatuto do Notariado, aprovado pelo Decreto Lei Nº 26/2004, de 4 de Fevereiro, vem a Ordem dos Notários aprovar Regulamento

Leia mais

O Princípio da hierarquia dos planos e efeitos da aprovação de um Plano Regional Num Plano Municipal (1)

O Princípio da hierarquia dos planos e efeitos da aprovação de um Plano Regional Num Plano Municipal (1) 1/9 O Princípio da hierarquia dos planos e efeitos da aprovação de um Plano Regional Num Plano Municipal (1) Susana Alcina Ribeiro Pinto Docente da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Felgueiras

Leia mais

Economia Digital e Direito. Privacy, Dados Pessoais e Correio Electrónico nas Empresas. Carolina Leão Oliveira. 19 Novembro 2013

Economia Digital e Direito. Privacy, Dados Pessoais e Correio Electrónico nas Empresas. Carolina Leão Oliveira. 19 Novembro 2013 Economia Digital e Direito Privacy, Dados Pessoais e Correio Electrónico nas Empresas Partilhamos a Experiência. Inovamos nas Soluções. Carolina Leão Oliveira 19 Novembro 2013 Matéria em causa: Uso do

Leia mais

Programa de Formação para Profissionais

Programa de Formação para Profissionais Programa de Formação para Profissionais 1 O ACESSO À INFORMAÇÃO DE SAÚDE DIREITOS, PROCEDIMENTOS E GARANTIAS Sérgio Pratas smpratas@gmail.com Maio e Junho 2015 2 Programa: 1. O acesso à informação de saúde

Leia mais

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007 Conteúdo e desafios Os Tratados Tratado de Paris (CECA) 18 de Abril de 1951 Tratados de Roma (CEE e CEEA) 25 de Março de 1957 Acto Único Europeu 17 de Fevereiro 1986

Leia mais

3. A autonomia político-administrativa regional não afecta a integridade da soberania do Estado e exerce-se no quadro da Constituição.

3. A autonomia político-administrativa regional não afecta a integridade da soberania do Estado e exerce-se no quadro da Constituição. TÍTULO VII - Regiões autónomas Artigo 225.º (Regime político-administrativo dos Açores e da Madeira) 1. O regime político-administrativo próprio dos arquipélagos dos Açores e da Madeira fundamenta-se nas

Leia mais

Lei n.º 40/99 de 9 de Junho

Lei n.º 40/99 de 9 de Junho Lei n.º 40/99 de 9 de Junho Assegura a informação e consulta dos trabalhadores em empresas ou grupos de empresas transnacionais e regula a instituição de conselhos de empresa europeus ou de procedimentos

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DE VENDA E INSTALAÇÃO DO PARQUE EMPRESARIAL DE PROENÇA-A-NOVA

PROJETO DE REGULAMENTO DE VENDA E INSTALAÇÃO DO PARQUE EMPRESARIAL DE PROENÇA-A-NOVA PROJETO DE REGULAMENTO DE VENDA E INSTALAÇÃO DO PARQUE EMPRESARIAL DE PROENÇA-A-NOVA PREÂMBULO Considerando que ao Município de Proença-a-Nova é sócio único da empresa municipal Pepa Parque Empresarial

Leia mais

Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 163/X PROÍBE AS DISCRIMINAÇÕES NO EXERCÍCIO DE DIREITOS POR MOTIVOS BASEADOS NA DEFICIÊNCIA.

Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 163/X PROÍBE AS DISCRIMINAÇÕES NO EXERCÍCIO DE DIREITOS POR MOTIVOS BASEADOS NA DEFICIÊNCIA. Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 163/X PROÍBE AS DISCRIMINAÇÕES NO EXERCÍCIO DE DIREITOS POR MOTIVOS BASEADOS NA DEFICIÊNCIA Fundamentação No plano legislativo o combate à discriminação dos cidadãos

Leia mais

SUSPENSÃO DO PROCESSO NO DIREITO PENAL TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS

SUSPENSÃO DO PROCESSO NO DIREITO PENAL TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS SUSPENSÃO DO PROCESSO NO DIREITO PENAL TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS No Processo Penal Português está plasmado o princípio da suficiência daquele, o qual, nos termos do disposto no artigo 7.º, n.º 1, CPP, prevê

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso Página 1 de 10 REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO Preâmbulo A Portaria n.º 401/2007, de 5 de

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. Decreto-Lei n.º 128/2006 de 5 de Julho

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. Decreto-Lei n.º 128/2006 de 5 de Julho MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Decreto-Lei n.º 128/2006 de 5 de Julho O n.º 1 do artigo 117.º do Código da Estrada, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 114/94, de 3 de Maio, na última redacção que lhe foi

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 37/X. Exposição de Motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 37/X. Exposição de Motivos PROPOSTA DE LEI N.º 37/X Exposição de Motivos Através da presente iniciativa visa-se a aprovação de disposições que complementem o quadro legal vigente sobre asilo e refugiados, estabelecido pela Lei n.º

Leia mais

P A R L A M E N T O E U R O P E U

P A R L A M E N T O E U R O P E U P A R L A M E N T O E U R O P E U REGRAS INTERNAS RELATIVAS AOS ESTÁGIOS E VISITAS DE ESTUDO NO SECRETARIADO-GERAL DO PARLAMENTO EUROPEU PARTE I: ESTÁGIOS Capítulo 1 Disposições gerais Artigo 1º Os diferentes

Leia mais

FICHA Nº 3 - CONTRATOS DE TRABALHO 3.1 - C T Administração Pública Administração Pública: DL. 23/2004 de 22 de Junho

FICHA Nº 3 - CONTRATOS DE TRABALHO 3.1 - C T Administração Pública Administração Pública: DL. 23/2004 de 22 de Junho FICHA Nº 3 - CONTRATOS DE TRABALHO 3.1 - C T Administração Pública Administração Pública: DL. 23/2004 de 22 de Junho Código do trabalho: ÂMBITO DE APLICAÇÃO art. 1º REGIME JURÍDICO art. 2º DEVERES ESPECIAIS

Leia mais

Índice do Código Deontológico dos Técnicos Oficiais de Contas 1

Índice do Código Deontológico dos Técnicos Oficiais de Contas 1 Índice do Código Deontológico dos Técnicos Oficiais de Contas 1 Preâmbulo Capítulo I Artigo 1.º Âmbito de aplicação Artigo 2.º Deveres gerais Artigo 3.º Princípios deontológicos gerais Capítulo II Artigo

Leia mais

Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 201.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: CAPÍTULO I Campo de aplicação

Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 201.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: CAPÍTULO I Campo de aplicação A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 14/90, de 8 de Janeiro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Decreto-Lei n.º 14/90 de 8 de Janeiro

Leia mais

Recomendação n.º 8 /B/2004 [art.º 20.º, n.º 1, alínea b), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril]

Recomendação n.º 8 /B/2004 [art.º 20.º, n.º 1, alínea b), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril] Número: 8/B/2004 Data: 17-06-2004 Entidade visada: Ministra da Justiça Assunto: Código das Custas Judiciais Prazo de validade dos cheques. Decreto n.º 12 487, de 14 de Outubro de 1926 Prazo de reclamação

Leia mais

COMPETÊNCIAS E FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS AUTÁRQUICOS

COMPETÊNCIAS E FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS AUTÁRQUICOS Validade Válido JURISTA MARTA ALMEIDA TEIXEIRA ASSUNTO COMPETÊNCIAS E FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS AUTÁRQUICOS QUESTÃO A autarquia pretende que a CCDR LVT se pronuncie relativamente à possibilidade de existência

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL 718 I SÉRIE N O 24 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 14 DE ABRIL DE 2015

ASSEMBLEIA NACIONAL 718 I SÉRIE N O 24 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 14 DE ABRIL DE 2015 718 I SÉRIE N O 24 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 14 DE ABRIL DE 2015 ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 86/VIII/2015 de 14 de Abril Por mandato do Povo, a Assembleia Nacional decreta, nos termos da alínea

Leia mais

Curso Intensivo sobre Processo Especial de Revitalização

Curso Intensivo sobre Processo Especial de Revitalização Curso Intensivo sobre Processo Especial de Revitalização Finalidade e Natureza do PER António Raposo Subtil ENQUADRAMENTO ANTECEDENTES Memorando assinado com a Troika; Resolução do Conselho de Ministros

Leia mais

Jornal oficial no. L 171 de 07/07/1999 P. 0012-0016. Texto:

Jornal oficial no. L 171 de 07/07/1999 P. 0012-0016. Texto: Directiva 1999/44/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 25 de Maio de 1999, relativa a certos aspectos da venda de bens de consumo e das garantias a ela relativas Jornal oficial no. L 171 de 07/07/1999

Leia mais

O NOVO CÓDIGO DO PROCESSO CIVIL

O NOVO CÓDIGO DO PROCESSO CIVIL Nº 52 Setembro de 2013 Direcção: Pedro Costa Azevedo Colaboração: Rui Ferreira d Apresentação Sara Félix No início deste mês, entrou em vigor o novo Código do Processo Civil, diploma estrutural da vida

Leia mais

A comunicação prévia no RJUE. Fernanda Paula Oliveira

A comunicação prévia no RJUE. Fernanda Paula Oliveira A comunicação prévia no RJUE Fernanda Paula Oliveira Considerações Preliminares Os instrumentos jurídico administrativos As concessões: ato jurídico que atribui ao particular a faculdade de exercer uma

Leia mais

Regime aplicável ao licenciamento de redes e estações de radiocomunicações

Regime aplicável ao licenciamento de redes e estações de radiocomunicações Regime aplicável ao licenciamento de redes e estações de radiocomunicações Decreto-Lei n.º 151-A/2000, de 20 de Julho (com a redacção dada pelo Decreto-Lei n.º 167/2006, de 16 de Agosto) Remonta ao final

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA PROVA ESCRITA DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL I - TURMA A

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA PROVA ESCRITA DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL I - TURMA A FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA PROVA ESCRITA DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL I - TURMA A REGENTE: PROF. DOUTOR MIGUEL TEIXEIRA DE SOUSA 27-02-2015 DURAÇÃO DA PROVA: 2H00 Alice, domiciliada

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 56/X. Exposição de Motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 56/X. Exposição de Motivos PROPOSTA DE LEI N.º 56/X Exposição de Motivos O XVII Governo Constitucional assumiu o compromisso de consagrar um novo regime de responsabilidade civil extracontratual das pessoas colectivas públicas,

Leia mais

CONTRATO-MODELO. Reembolso dos custos. para projectos de demonstração (CE) (Versão montante fixo)

CONTRATO-MODELO. Reembolso dos custos. para projectos de demonstração (CE) (Versão montante fixo) CONTRATO-MODELO Reembolso dos custos para projectos de demonstração (CE) (Versão montante fixo) NB: O presente contrato é utilizado quando a contribuição comunitária consiste num montante fixo. A contribuição

Leia mais

Encontra-se consagrado no artigo 408º do Código Civil português, o

Encontra-se consagrado no artigo 408º do Código Civil português, o XV Congresso Internacional de Direito Registral Fortaleza, Novembro de 2005 II tema: Regularização fundiária Breves notas sobre os procedimentos legais conducentes à primeira inscrição, no registo predial

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0715/09 Data do Acordão: 18-11-2009 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO JORGE LINO PENHORA GARANTIA REAL REGISTO TERCEIRO

Leia mais

SENTENÇA N.º 51/2013-2ª SECÇÃO

SENTENÇA N.º 51/2013-2ª SECÇÃO Transitada em julgado Proc. n.º 70/2013 - PAM 2ª Secção SENTENÇA N.º 51/2013-2ª SECÇÃO I. Relatório 1 Nos presentes autos vai o presidente da Assembleia Distrital da Guarda, Júlio José Saraiva Sarmento,

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL 7554 Diário da República, 1.ª série N.º 198 13 de Outubro de 2009 MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL Decreto-Lei n.º 295/2009 de 13 de Outubro Com o presente decreto -lei, procede -se a um

Leia mais

Exmo. Sr. Dr. Alfredo José de Sousa M.I.Provedor de Justiça. Lisboa, 23 de Fevereiro de 2010

Exmo. Sr. Dr. Alfredo José de Sousa M.I.Provedor de Justiça. Lisboa, 23 de Fevereiro de 2010 Exmo. Sr. Dr. Alfredo José de Sousa M.I.Provedor de Justiça Lisboa, 23 de Fevereiro de 2010 Assunto: Regulamento Nacional de Estágio Ordem dos Advogados Apresentamos a V.Exa. exposição anexa, respeitante

Leia mais

Subordinação ao direito público é:

Subordinação ao direito público é: A Administração e o direito público Subordinação ao direito público é: 1. Subordinação ao direito constitucional: não só porque é o vértice da pirâmide da ordem jurídica, mas também porque tem normas materialmente

Leia mais

DECRETO N.º 140/VIII

DECRETO N.º 140/VIII DECRETO N.º 140/VIII AUTORIZA O GOVERNO A ATRIBUIR E TRANSFERIR COMPETÊNCIAS RELATIVAMENTE A UM CONJUNTO DE PROCESSOS ESPECIAIS DOS TRIBUNAIS JUDICIAIS PARA O MINISTÉRIO PÚBLICO, AS CONSERVATÓRIAS DE REGISTO

Leia mais

Tribunal de Contas I. RELATÓRIO II. FUNDAMENTAÇÃO PROCESSO Nº 86/2015 FACTOS. Relatora: Helena Abreu Lopes

Tribunal de Contas I. RELATÓRIO II. FUNDAMENTAÇÃO PROCESSO Nº 86/2015 FACTOS. Relatora: Helena Abreu Lopes Não transitado em julgado ACÓRDÃO N.º 5/2015-10.FEV-1ªS/SS PROCESSO Nº 86/2015 Relatora: Helena Abreu Lopes Acordam os Juízes do Tribunal de Contas, em Subsecção da 1.ª Secção: I. RELATÓRIO 1. A Junta

Leia mais

As E.P.E. S do Sector da Saúde:

As E.P.E. S do Sector da Saúde: As E.P.E. S do Sector da Saúde: A) O que são. B) A função que desempenham. C) O Sector Público de que não fazem parte. D) Onde estão integradas. E) Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas. F) Síntese.

Leia mais

Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008

Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008 Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008 DIRECTIVA 97/66/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 15 de Dezembro de 1997 relativa ao tratamento de dados pessoais e à protecção da privacidade

Leia mais

SUBSÍDIO DE DESEMPREGO

SUBSÍDIO DE DESEMPREGO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO Recentemente foi publicado o Decreto-Lei n.º 220/2006 de 3 de Novembro, o qual alterou o quadro legal de reparação da eventualidade do desemprego dos trabalhadores por conta de outrem.

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Diário da República, 1.ª série N.º 185 23 de Setembro de 2009 6789 de contrato de trabalho a tempo parcial e de contrato em regime de prestação de serviços, é calculado proporcionalmente. Artigo 13.º Direitos

Leia mais

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com Prime Soluções Empresariais SEDE: Rua de Entrecampos, 28, 1749-076 Lisboa Nº de Pessoa Colectiva 502 M 757 - N' de Matricula 08537 C.R.C.L Capital Social de EUR.; 30 000 000. I/ -I- CONTRATO DE PRESTAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DE ARBITRAGEM 1. Capítulo I. Princípios Gerais. Artigo 1.º (Objecto da arbitragem)

REGULAMENTO DE ARBITRAGEM 1. Capítulo I. Princípios Gerais. Artigo 1.º (Objecto da arbitragem) REGULAMENTO DE ARBITRAGEM 1 Capítulo I Princípios Gerais Artigo 1.º (Objecto da arbitragem) Qualquer litígio, público ou privado, interno ou internacional, que por lei seja susceptível de ser resolvido

Leia mais

Ministério d DL 489/2012 2012.10.09

Ministério d DL 489/2012 2012.10.09 DL 489/2012 2012.10.09 O regime jurídico do acesso e do exercício da atividade de agente de navegação foi consagrado no -Lei 76/89, de 3 de março, alterado pelo -Lei 148/91, de 12 de abril. A experiência

Leia mais

APÓLICEDEPROTECÇÃOJURÍDICA AGREGADOFAMILIAR CONDIÇÕES GERAIS

APÓLICEDEPROTECÇÃOJURÍDICA AGREGADOFAMILIAR CONDIÇÕES GERAIS APÓLICEDEPROTECÇÃOJURÍDICA AGREGADOFAMILIAR CONDIÇÕES GERAIS ARTIGO PRELIMINAR Entre a Companhia de Seguros Tranquilidade, S.A., adiante designada por Tranquilidade e o Tomador do Seguro mencionado nas

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS 1436 Diário da República, 1.ª série N.º 48 7 de Março de 2008 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Decreto-Lei n.º 38/2008 de 7 de Março A aprovação da Lei das Finanças Locais, Lei n.º 2/2007, de 15 de

Leia mais

PEDIDO DE REGISTRO DE MARCA E CONTROLE JURISDICIONAL RESUMO

PEDIDO DE REGISTRO DE MARCA E CONTROLE JURISDICIONAL RESUMO PEDIDO DE REGISTRO DE MARCA E CONTROLE JURISDICIONAL Antonio André Muniz de Souza Procurador Federal na Procuradoria Regional do INPI em São Paulo Pós-graduando em Propriedade Intelectual na Fundação Getúlio

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 101/VIII AUTORIZA O GOVERNO A LEGISLAR EM MATÉRIA DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL. Exposição de motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 101/VIII AUTORIZA O GOVERNO A LEGISLAR EM MATÉRIA DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL. Exposição de motivos PROPOSTA DE LEI N.º 101/VIII AUTORIZA O GOVERNO A LEGISLAR EM MATÉRIA DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL Exposição de motivos Os sinais de uma nova economia, assentes em processos de globalização e de virtualização

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social

Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Ter, 02 de Junho de 2009 18:38 Administrador REPÚBLICA DE ANGOLA Conselho de Ministros Decreto-lei nº 8 /07 de 4 de

Leia mais

www.ualdireitopl.home.sapo.pt

www.ualdireitopl.home.sapo.pt UNIVERSIDADE AUTÓNOMA DE LISBOA 1º ANO JURÍDICO CIÊNCIA POLÍTICA E DIREITO CONSTITUCIONAL Regente: Prof. Doutor J.J. Gomes Canotilho Docente aulas teóricas: Prof. Doutor Jonatas Machado Docente aulas práticas:

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL 552 Diário da República, 1.ª série N.º 12 17 de Janeiro de 2008 MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL Decreto-Lei n.º 11/2008 de 17 de Janeiro A Lei n.º 147/99, de 1 de Setembro, que aprovou

Leia mais

1422 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 45 22 de Fevereiro de 2002 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

1422 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 45 22 de Fevereiro de 2002 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 1422 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 45 22 de Fevereiro de 2002 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n. o 15/2002 de 22 de Fevereiro Aprova o Código de Processo nos Tribunais Administrativos (revoga o Decreto-Lei

Leia mais

28 de Março 2012 Contencioso de Cobrança

28 de Março 2012 Contencioso de Cobrança Entra em vigor amanhã, dia 29 de Março de 2012, a Lei n.º 7/2012, de 13 de Fevereiro, que procede à alteração e republicação do Regulamento das Custas Processuais. Desde a entrada em vigor do actual Regulamento

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Âmbito de aplicação do regulamento O presente regulamento estabelece as condições de acesso e as regras gerais de atribuição de co-financiamento comunitário do Fundo

Leia mais

Direito Constitucional Dra. Vânia Hack de Ameida

Direito Constitucional Dra. Vânia Hack de Ameida 1 Controle da Constitucionalidade 1. Sobre o sistema brasileiro de controle de constitucionalidade, é correto afirmar que: a) compete a qualquer juiz ou tribunal, no primeiro caso desde que inexista pronunciamento

Leia mais

AUDIÇÃO NA COMISSÃO PARLAMENTAR DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PODER LOCAL. Projeto de Lei Nº 368/XII

AUDIÇÃO NA COMISSÃO PARLAMENTAR DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PODER LOCAL. Projeto de Lei Nº 368/XII AUDIÇÃO NA COMISSÃO PARLAMENTAR DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PODER LOCAL Projeto de Lei Nº 368/XII Protecção dos direitos individuais e comuns à água O projecto de Lei para Protecção dos direitos

Leia mais

O DEVER DE GESTÃO PROCESSUAL NO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL DE 2013

O DEVER DE GESTÃO PROCESSUAL NO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL DE 2013 O DEVER DE GESTÃO PROCESSUAL NO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL DE 2013 MIGUEL DINIS PESTANA SERRA Professor Adjunto Convidado da Escola Superior de Gestão de Idanha-a-Nova do Instituto Politécnico de Castelo

Leia mais

PORTARIA Nº 910, DE 7 DE ABRIL DE 2015.

PORTARIA Nº 910, DE 7 DE ABRIL DE 2015. PORTARIA Nº 910, DE 7 DE ABRIL DE 2015. Define os procedimentos para apuração da responsabilidade administrativa e para celebração do acordo de leniência de que trata a Lei nº 12.846, de 1º de agosto de

Leia mais

Ato Administrativo. Direito Administrativo. Fernanda Paula Oliveira 1. 1. Conceito de ato administrativo. Busca de um conceito de ato administrativo

Ato Administrativo. Direito Administrativo. Fernanda Paula Oliveira 1. 1. Conceito de ato administrativo. Busca de um conceito de ato administrativo 1 Ato Administrativo 2 1. Conceito de ato administrativo 3 Busca de um conceito de ato administrativo Intenção inicial: identificar a forma de atuação administrativa que tipicamente se apresentava como

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 124/IX ALTERA AS REGRAS DO SIGILO BANCÁRIO E GARANTE A TRANSPARÊNCIA FISCAL. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 124/IX ALTERA AS REGRAS DO SIGILO BANCÁRIO E GARANTE A TRANSPARÊNCIA FISCAL. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 124/IX ALTERA AS REGRAS DO SIGILO BANCÁRIO E GARANTE A TRANSPARÊNCIA FISCAL Exposição de motivos O sigilo bancário foi instituído em Portugal, como noutros países, como uma garantia

Leia mais

Direcção: Pedro Costa Azevedo Colaboração: Rui Ferreira d Apresentação Sara Félix. Nº 39 Agosto de 2012 EDITORIAL

Direcção: Pedro Costa Azevedo Colaboração: Rui Ferreira d Apresentação Sara Félix. Nº 39 Agosto de 2012 EDITORIAL Nº 39 Agosto de 2012 Direcção: Pedro Costa Azevedo Colaboração: Rui Ferreira d Apresentação Sara Félix EDITORIAL A Internet e os avanços tecnológicos que se seguiram nos aparelhos de uso pessoal, como

Leia mais

TEXTO FINAL DOS PROJECTOS DE LEI N.ºS 486/X e 509/X ALTERAÇÕES AO REGIME JURÍDICO DO DIVÓRCIO. Artigo 1.º Alteração ao Código Civil

TEXTO FINAL DOS PROJECTOS DE LEI N.ºS 486/X e 509/X ALTERAÇÕES AO REGIME JURÍDICO DO DIVÓRCIO. Artigo 1.º Alteração ao Código Civil TEXTO FINAL DOS PROJECTOS DE LEI N.ºS 486/X e 509/X ALTERAÇÕES AO REGIME JURÍDICO DO DIVÓRCIO Artigo 1.º Alteração ao Código Civil Os artigos 1585.º, 1676.º, 1773.º, 1774.º, 1775.º, 1776.º, 1778.º, 1778.º-A,1779.º,

Leia mais

DOSIMETRIA DA SANÇÃO E REFORMATIO IN PEJUS

DOSIMETRIA DA SANÇÃO E REFORMATIO IN PEJUS DOSIMETRIA DA SANÇÃO E REFORMATIO IN PEJUS 05 de Outubro de 2010 Marcelo Bechara Procurador-Geral DOSIMETRIA DA SANÇÃO A metodologia de cálculo visa, densificar o principio da isonomia e da impessoalidade

Leia mais

ACÓRDÃO N.º 25/2010-06.Jul.2010-1ª S/SS. (Processo n.º 544/2010)

ACÓRDÃO N.º 25/2010-06.Jul.2010-1ª S/SS. (Processo n.º 544/2010) SP/DCP/14-01-2011 ACÓRDÃO N.º 25/2010-06.Jul.2010-1ª S/SS (Processo n.º 544/2010) DESCRITORES: Empreitada de Obras Públicas / Marcas e Patentes / Critério de Adjudicação / Avaliação das Propostas / Restrição

Leia mais

Ministério da Administração do Território

Ministério da Administração do Território Ministério da Administração do Território A Lei Da Nacionalidade Lei N.º 01/05 De 01 de Julho Tornando se necessário proceder a alterações das principais regras sobre a atribuição, aquisição e perda da

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA, DA INOVAÇÃO E DO DESENVOLVIMENTO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA, DA INOVAÇÃO E DO DESENVOLVIMENTO MINISTÉRIO DA ECONOMIA, DA INOVAÇÃO E DO DESENVOLVIMENTO Decreto-Lei n.º 39/2010 de 26 de Abril O Programa do XVIII Governo Constitucional estabelece como uma das principais linhas de modernização estrutural

Leia mais

Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas. Regulamento n.º 75/2006.

Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas. Regulamento n.º 75/2006. Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Regulamento n.º 75/2006. (DIÁRIO DA REPÚBLICA II SÉRIE N.º 107 2 de Junho de 2006) Regulamento das provas especialmente adequadas a avaliar a capacidade

Leia mais