Como preparar uma apresentação. Felipe W. Amorim Programa de Pós Graduação em Biologia Vegetal

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Como preparar uma apresentação. Felipe W. Amorim Programa de Pós Graduação em Biologia Vegetal"

Transcrição

1 Disciplina de Introdução à Ecologia BE180 Como preparar uma apresentação oral? Felipe W. Amorim Programa de Pós Graduação em Biologia Vegetal UNICAMP

2 Tenho que fazer uma apresentação oral!!!!

3 Preparando sua apresentação: 1 TÍTULO Sucinto e informativo

4 Slide título Polinização por mariposas da família Sphingidae no Cerrado

5 Slide título: Polinização por mariposas da família Sphingidae na Estação Ecológica do Panga, área de Cerrado no município de Uberlândia Minas Gerais, sudeste do Brasil

6 Slide título: Polinização por mariposas da família Sphingidae em uma área de Cerrado no Triângulo Mineiro Felipe W. Amorim Programa de Pós Graduação em Biologia Vegetal UNICAMP Apoio:

7 Slide título: Seleção fenotípica mediada por polinizadores em duas espécies do gênero Habenaria (Orchidaceae) na Mata Atlântica Felipe W. Amorim Programa de Pós Graduação em Biologia Vegetal UNICAMP Apoio:

8 Slide título: Quanto maior melhor? Seleção fenotípica mediada por polinizadores em duas espécies do gênero Habenaria (Orchidaceae) na Mata Atlântica Felipe W. Amorim Programa de Pós Graduação em Biologia Vegetal UNICAMP Apoio:

9 Preparando sua apresentação: 1 TÍTULO 2 INTRODUÇÃO Conquiste atenção do seu público! Deixe e claro qual é a questão central a ser abordada Contextualize o problema com as informações disponíveis na literatura Defina quais são os objetivos e hipóteses Faça um roteiro prévio de sua apresentação e se necessário leve consigo as anotações.

10 Preparando sua apresentação: 1 TÍTULO 2 INTRODUÇÃO 3 MATERIAL E MÉTODOS Situe o público da localidade ONDE foi realizado o estudo Utilize-se ao máximo de imagens para mostrar COMO foi realizado o estudo: para isto mostre fotos, ilustrações e/ou esquemas do equipamento utilizado, do desenho experimental, das espécies observadas e etc... Mencione as análises realizadas e como elas relacionam-se com as hipóteses testadas.

11 Material e Métodos: localidade do estudo...

12 Material e Métodos: localidade do estudo...

13 Material e Métodos: como foi realizado o estudo...

14 Preparando sua apresentação: 1 TÍTULO 2 INTRODUÇÃO 3 MATERIAL E MÉTODOS 4 RESULTADOS E DISCUSSÃO O que foi encontrado? Ilustre este tópico com fotos ilustrativas, ti esquemas, gráficos, mas tome cuidado com as tabelas! Relacione o resultados diretamente com os objetivos De que forma estes resultados corroboram ou descartam a hipótese inicial?

15 Resultados e Discussão: utilização de Tabelas e Figuras Exemplo: Habenaria paulistana Resultados Regressões lineares simples Comprimento esporão Área estigmática Flores/Inflorescência Altura da inflorescência Polínias removidas Flores/Inflorescência (p) = Altura da inflorescência (p) = (p) = Polínias removidas (p) = (p) = (p) = Frutos produzidos (p) = (p) = (p) = (p) = (p) =

16 Resultados e Discussão: utilização de Tabelas e Figuras Exemplo: Habenaria paulistana Resultados Regressões lineares simples *** Frutos produzidos dos Políniasremovidas ov (ns) * ** (ns) (ns) ** (ns) Flores / Inflorescência Área estigmática *** P > 0,05 (ns) P < 0,05 * P < 0,01 ** P < 0,001 *** Altura da inflorescência *** Comprimento esporão ***

17 Preparando sua apresentação: 1 TÍTULO 2 INTRODUÇÃO 3 MATERIAL E MÉTODOS 4 RESULTADOS E DISCUSSÃO 5 CONCLUSÕES NÃO REPITA o que já foi dito nos resultados, mas sim discuta a relevância dos seus achados em relação a outros estudos já publicados. Comente sobre direções futuras do trabalho. Quais novas perspectivas foram abertas?

18 Preparando sua apresentação: 1 TÍTULO 2 INTRODUÇÃO 3 MATERIAL E MÉTODOS 4 RESULTADOS E DISCUSSÃO 5 CONCLUSÕES 6 AGRADECIMENTOS Os agradecimentos são importantes mas, TENTE NÃO EXAGERAR! Agradeça aos órgãos financiadores as pessoas da equipe de apoio as Agradeça aos órgãos financiadores, as pessoas da equipe de apoio, as instituições que deram apoio logístico ao trabalho e finalmente agradeça ao público pela atenção.

19 DICAS IMPORTANTES: 1 Como se vestir? 2 Postura 3 Tom de voz 4 Evite os: ãããããã, né, tá, ok 5 O que fazer com quando der o BRANCO?

20 PRECAUÇÕES: Cuidado com o tipo de animação utilizada! APARECER! TAMANHO DA FONTE Tipo de fonte COR DA LETRAS E DO FUNDO COR DA LETRAS E DO FUNDO UTILIZE CORES COM MAIOR CONTRASTE

21 PRECAUÇÕES: Cuidado com o tipo de animação utilizada! APARECER! TAMANHO DA FONTE Tipo de fonte PLANO COR DA LETRAS E DO DE FUNDO COR DA LETRAS E DO FUNDO UTILIZE CORES COM MAIOR CONTRASTE FUNDO

22 Por último lembrem-se sempre: Uma boa deve ser curta o suficiente para chamar e manter presa a atenção dos espectadores, porém longa o suficiente para cobrir todo o conteúdo abordado

COMO FAZER UMA APRESENTAÇÃO ORAL

COMO FAZER UMA APRESENTAÇÃO ORAL COMO FAZER UMA APRESENTAÇÃO ORAL Introdução à Engenharia Civil Profª Mayara Moraes Custódio Passos a seguir: Elaborar um bom resumo O que for impoprtante para o resumo, será importante para a apresentação.

Leia mais

Aula No 11 - Apresentação

Aula No 11 - Apresentação Aula No 11 - Apresentação Universidade de Pernambuco - UPE Escola Politécnica de Pernambuco POLI Disciplina: MEPT Professora: Emilia Rahnemay Kohlman Rabbani Dicas de como se preparar para uma apresentação

Leia mais

Como apresentar: Monografia? Artigo? Trabalhos?

Como apresentar: Monografia? Artigo? Trabalhos? Como apresentar: Monografia? Artigo? Trabalhos? APRESENTAÇÃO BÁSICA A apresentação deve compreender de forma sucinta os seguintes itens: Nome do aluno; Curso; Tema do trabalho; Objetivos propostos; Metodologia;

Leia mais

OFICINA DE APRENDIZAGEM SOBRE EDUCAÇÃO SEXUAL: UMA ABORDAGEM METODOLÓGICA NO CONTEXTO ESCOLAR

OFICINA DE APRENDIZAGEM SOBRE EDUCAÇÃO SEXUAL: UMA ABORDAGEM METODOLÓGICA NO CONTEXTO ESCOLAR OFICINA DE APRENDIZAGEM SOBRE EDUCAÇÃO SEXUAL: UMA ABORDAGEM METODOLÓGICA NO CONTEXTO ESCOLAR Ana Laysla da Silva Lemos Universidade Estadual da Paraíba (UEPB/PIBID/CAPES) anallemosk@gmail.com Profa. Ms.

Leia mais

Paraíso azul CONCEITOS A EXPLORAR. B iologia. M atemática COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER. G eografia. Agressão ao ecossistema e extinção de espécies.

Paraíso azul CONCEITOS A EXPLORAR. B iologia. M atemática COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER. G eografia. Agressão ao ecossistema e extinção de espécies. CONCEITOS A EXPLORAR B iologia Agressão ao ecossistema e extinção de espécies. Populações: contagem, densidade, taxas de crescimento, determinantes populacionais. Dinâmica de populações: crescimento, oscilação

Leia mais

Módulo 8 Estudos de Caso 5 e 6

Módulo 8 Estudos de Caso 5 e 6 Módulo 8 Estudos de Caso 5 e 6 Estudo de Caso 5 Restaurante Comida Mineira O restaurante Comida Mineira pretende implantar um sistema de gestão ambiental. O restaurante pode ser dividido para nosso estudo

Leia mais

6ª EDIÇÃO DO FESTIVAL CULTIVAR PROMOVE RECONEXÃO DAS PESSOAS COM A NATUREZA

6ª EDIÇÃO DO FESTIVAL CULTIVAR PROMOVE RECONEXÃO DAS PESSOAS COM A NATUREZA 6ª EDIÇÃO DO FESTIVAL CULTIVAR PROMOVE RECONEXÃO DAS PESSOAS COM A NATUREZA Expedições, exposição, observação de aves, oficinas, picnic de troca de sementes, cinema e palestras com especialistas em meio

Leia mais

Como preparar um seminário. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Como preparar um seminário. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Como preparar um seminário Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior O que é um seminário? Dinâmica de estudo em grupo que visa o estudo em profundidade de um tema. Pressupõe a participação ativa de todos

Leia mais

Mangifera indica L. - originaria da Ásia Fruteira amplamente cultivada Brasil

Mangifera indica L. - originaria da Ásia Fruteira amplamente cultivada Brasil polinizaçã ção o de Mangifera indica Apoio: Bolsista: Juliana Hipólito de Sousa Orientadora: Profª.. Drª.. Blandina Felipe Viana Co-orientadora: orientadora: Msc.. Camila Magalhães Pigozzo Mangifera indica

Leia mais

Recomendada. A coleção apresenta eficiência e adequação. Ciências adequados a cada faixa etária, além de

Recomendada. A coleção apresenta eficiência e adequação. Ciências adequados a cada faixa etária, além de Recomendada Por quê? A coleção apresenta eficiência e adequação metodológica, com os principais temas relacionados a Ciências adequados a cada faixa etária, além de conceitos em geral corretos. Constitui

Leia mais

TÍTULO: BIOÉTICA NOS CURSOS SUPERIORES DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO

TÍTULO: BIOÉTICA NOS CURSOS SUPERIORES DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO TÍTULO: BIOÉTICA NOS CURSOS SUPERIORES DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE PRESBITERIANA

Leia mais

Redes Sociais (Facebook) e a difusão da informação: uma alternativa à mídia massificadora

Redes Sociais (Facebook) e a difusão da informação: uma alternativa à mídia massificadora Redes Sociais (Facebook) e a difusão da informação: uma alternativa à mídia massificadora Felipe José Carlini¹ Jéssica da Silva Rodrigues Cecim 1 1. Introdução Dentre as atividades planejadas do Programa

Leia mais

Palavras-chave: guia didático, ensino de ecologia, material didático, formação de professores

Palavras-chave: guia didático, ensino de ecologia, material didático, formação de professores PREPARAÇÃO DO GUIA DIDÁTICO TRILHA HISTÓRICO-ECOLÓGICA NO MUSEU DA VIDA POR LICENCIANDOS EM BIOLOGIA DA FACULDADE DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA UERJ: BUSCANDO A EMOÇÃO E A REFLEXÃO DOS ALUNOS Daniel Baptista

Leia mais

Morlan. Manual de Aplicação

Morlan. Manual de Aplicação Morlan Manual de Aplicação Morlan Definição Arame de concertina é uma barreira de segurança laminada de forma espiralada que possui lâminas pontiagudas, cortantes e penetrantes. A Concertina Morlan é utilizada

Leia mais

SITES ESCOLARES E O MERCADO EDUCACIONAL EM ESCOLAS DE PRESTÍGIO DE CAMPO GRANDE MS

SITES ESCOLARES E O MERCADO EDUCACIONAL EM ESCOLAS DE PRESTÍGIO DE CAMPO GRANDE MS SITES ESCOLARES E O MERCADO EDUCACIONAL EM ESCOLAS DE PRESTÍGIO DE CAMPO GRANDE MS Stephanie Amaya Professora Anos Iniciais do Ensino Fundamental/GEPASE UFMS Jacira Helena do Valle Pereira Universidade

Leia mais

DICAS DE COMO FAZER UMA APRESENTAÇÃO

DICAS DE COMO FAZER UMA APRESENTAÇÃO DICAS DE COMO FAZER UMA APRESENTAÇÃO PREPARAÇÃO PASSOS A SEGUIR Estudar e elaborar um bom roteiro Criar os slides Desenvolver os tópicos da apresentação Treinar a apresentação ELABORAÇÃO DO ROTEIRO Uma

Leia mais

PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010

PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010 PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010 OBSERVAÇÃO NA ESCOLA Localização da Escola 29/03 16/04 Espaço Físico PPP e o Ensino de Ciências OBSERVAÇÃO NA SALA Relação Professor/Alunos

Leia mais

Preparação do referencial teórico. Dúvidas gerais Informações sobre a entrega. Andamento das orientações individuais

Preparação do referencial teórico. Dúvidas gerais Informações sobre a entrega. Andamento das orientações individuais TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO I 2009/2 Luís Fernando Fortes Garcia luis@garcia.pro.br Página: www.garcia.pro.br/tcc_ulbra SEGUNDO ENCONTRO 26 de setembro de 2009 1 Objetivos Preparação do referencial

Leia mais

PLANTIO DE FLORES Profas Joilza Batista Souza, Isilda Sancho da Costa Ladeira e Andréia Blotta Pejon Sanches

PLANTIO DE FLORES Profas Joilza Batista Souza, Isilda Sancho da Costa Ladeira e Andréia Blotta Pejon Sanches PLANTIO DE FLORES Profas Joilza Batista Souza, Isilda Sancho da Costa Ladeira e Andréia Blotta Pejon Sanches Resumo O presente projeto foi desenvolvido pelas professoras, com crianças de dois a três anos

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO E SUBMISSÃO DO RESUMO EXPANDIDO E TRABALHO COMPLETO DO 3º CONGRESSO INTERNACIONAL EM SAÚDE: ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE

NORMAS PARA ELABORAÇÃO E SUBMISSÃO DO RESUMO EXPANDIDO E TRABALHO COMPLETO DO 3º CONGRESSO INTERNACIONAL EM SAÚDE: ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE NORMAS PARA ELABORAÇÃO E SUBMISSÃO DO RESUMO EXPANDIDO E TRABALHO COMPLETO DO 3º CONGRESSO INTERNACIONAL EM SAÚDE: ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE O formato de trabalhos aceitos será o Resumo Expandido ou Trabalho

Leia mais

Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I

Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I Tema VIDA EFICIENTE: A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA A SERVIÇO DO PLANETA Cronograma Orientações Pré-projeto Metodologia Relatório

Leia mais

PROPRIEDADES ELÉTRICAS DOS MATERIAIS

PROPRIEDADES ELÉTRICAS DOS MATERIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas (CECS) BC-1105: MATERIAIS E SUAS PROPRIEDADES PROPRIEDADES ELÉTRICAS DOS MATERIAIS INTRODUÇÃO Resistência elétrica

Leia mais

A SEGUIR ALGUMAS DICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE UM PROJETO CIENTÍFICO

A SEGUIR ALGUMAS DICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE UM PROJETO CIENTÍFICO A SEGUIR ALGUMAS DICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE UM PROJETO CIENTÍFICO DESENVOLVENDO UM PROJETO 1. Pense em um tema de seu interesse ou um problema que você gostaria de resolver. 2. Obtenha um caderno

Leia mais

Projeto de Trabalho de Graduação 2

Projeto de Trabalho de Graduação 2 Projeto de Trabalho de Graduação 2 Prof. Marcos Francisco Pereira da Silva 1 Agenda Apresentação de TCC Organização Arquitetura de Conteúdo A regra do 2 Praticar 2 Apresentação de TCC O monstro já foi

Leia mais

O que é coleta de dados?

O que é coleta de dados? O que é coleta de dados? Segundo Bandeira (2004) no projeto de pesquisa, o pesquisador deverá descrever detalhadamente o método que usará para coletar seus dados. Basicamente ele pode adotar como método

Leia mais

1 Um guia para este livro

1 Um guia para este livro PARTE 1 A estrutura A Parte I constitui-se de uma estrutura para o procedimento da pesquisa qualitativa e para a compreensão dos capítulos posteriores. O Capítulo 1 serve como um guia para o livro, apresentando

Leia mais

Avaliação de IHC - Introdução

Avaliação de IHC - Introdução 1 Avaliação de IHC - Introdução Aula 5 20/03/2013 2 Roteiro da Aula Preâmbulo Avaliação: aspectos subjetivos e objetivos Avaliação de IHC O que é Avaliação Profissional Exercício Entregar respostas até

Leia mais

FACULDADE PRUDENTE DE MORAES BACHARELADO EM JORNALISMO MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO/PROJETO EXPERIMENTAL

FACULDADE PRUDENTE DE MORAES BACHARELADO EM JORNALISMO MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO/PROJETO EXPERIMENTAL MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO/PROJETO EXPERIMENTAL 1 MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO/PROJETO EXPERIMENTAL ITU/SP 2013 2 CAPÍTULO I Do Conceito Artito 1

Leia mais

PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA

PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA EJA Ensino Fundamental 2º Segmento Fase/Ano: 4ª Fase 6º e 7º Ano Ano Letivo: 2014 Componente Curricular: Geografia Professores do Estúdio: Jefferson Lima e Ludmila Dutra Carga

Leia mais

1 Computação 2008-2009 (2.º Semestre): Documentos para consulta no exame N.º. Nome completo: Curso: Foto:

1 Computação 2008-2009 (2.º Semestre): Documentos para consulta no exame N.º. Nome completo: Curso: Foto: 1 N.º Nome completo: Curso: Foto: 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO EE. CMT. MAURÍCIO COUTINHO DUTRA

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO EE. CMT. MAURÍCIO COUTINHO DUTRA GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO EE. CMT. MAURÍCIO COUTINHO DUTRA Plano de Ação PROGETEC(Professor Gerenciador de Tecnologias Educacionais e Recursos Midiáticos)/

Leia mais

Aula 5 - Parte 1: Funções. Exercícios Propostos

Aula 5 - Parte 1: Funções. Exercícios Propostos Aula 5 - Parte 1: Funções Exercícios Propostos 1 Construção de Funções: a) Um grupo de amigos deseja alugar uma van, por um dia, para um passeio, ao custo de R$300,00. Um levantamento preliminar indicou

Leia mais

para alunos Deficientes Visuais

para alunos Deficientes Visuais Acessibilizando conteúdo e materiais para alunos Deficientes Visuais Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Rede Nacional de Pesquisa e Inovação em Tecnologias Digitais

Leia mais

Filme: A Pessoa é Para o que Nasce

Filme: A Pessoa é Para o que Nasce Filme: A Pessoa é Para o que Nasce Gênero Documentário Diretor Roberto Berliner Elenco Conceição, Maria, Regina Ano 1998 Duração 6 min Cor Colorido Bitola 35mm País Brasil Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=1010

Leia mais

DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA

DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA Juliany Teixeira Reis 1 Judite Gonçalves Albuquerque 2 Esta pesquisa foi inicialmente objeto de uma monografia de graduação

Leia mais

DICAS PARA UTILIZAÇÃO DESTE LIVRO 1. Você pode distribuí-lo para todos os Professores da sua Escola, via Email, Facebook, Twitter, etc. 2. Nas Reuniões de Pais pode utilizar para orientá-los 3. Pode utilizar

Leia mais

Documento Auxiliar do Conhecimento de Transporte Eletrônico

Documento Auxiliar do Conhecimento de Transporte Eletrônico Documento Auxiliar do Conhecimento de Transporte Eletrônico 8338 Documento Auxiliar do Conhecimento de Transporte Eletrônico 8339 Documento Auxiliar do Conhecimento de Transporte Eletrônico 8340 Documento

Leia mais

INVESTIGANDO O OLHAR DOS PROFESSORES EM RELAÇÃO AS PESQUISAS EM CIÊNCIAS

INVESTIGANDO O OLHAR DOS PROFESSORES EM RELAÇÃO AS PESQUISAS EM CIÊNCIAS INVESTIGANDO O OLHAR DOS PROFESSORES EM RELAÇÃO AS PESQUISAS EM CIÊNCIAS Lidiana dos Santos; Valter Costa de Vasconcelos; Vanessa Batista da Costa Universidade Estadual da Paraíba; Lidiana_santos18@hotmail.com;valteritbaiana@hotmail.com;nessa.costa@yahoo.com.br

Leia mais

V Jornada das Licenciaturas da USP/IX Semana da Licenciatura em Ciências Exatas - SeLic: A

V Jornada das Licenciaturas da USP/IX Semana da Licenciatura em Ciências Exatas - SeLic: A CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES: TEATRO DE FANTOCHES COMO MÉTODO PEDAGÓGICO. Anna Cecília de Alencar Reis¹; Tatiana Pereira da Silva²;Luís Paulo de Carvalho Piassi¹. Universidade de São Paulo

Leia mais

Plano de aula. 5. Metodologia: Aula expositiva dialógica orientada pela interação: alunos professor conhecimento.

Plano de aula. 5. Metodologia: Aula expositiva dialógica orientada pela interação: alunos professor conhecimento. Campus Jataí Plano de aula Disciplina: Ondas, Ótica e Termodinâmica Turma: Engenharia Elétrica (4º ano 2009/2) Professor: Rodrigo Claudino Diogo Data da aula: 30/11/2009 Duração: 1h00min 1. Tema: Lentes

Leia mais

Métodos de Produção do Conhecimento

Métodos de Produção do Conhecimento Cruzeiro Métodos de Produção do Conhecimento Apostila 3 Metodologia de estudo de caso 1. A COMPLEXIDADE D O ESTUDO D E CASO... 1 2. OS COMPONENTES DO ESTUDO DE CASO... 1 3. DOIS EXEMPLOS... 1 4. QUESTÕES

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE BIOLOGIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE BIOLOGIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE BIOLOGIA Nome: Nº Série: 2ª Data: / 10 / 2015 Professores: Gisele / Marcelo / Thierry (valor: 1,0 ponto) 3º Bimestre A. Apresentação: Caro aluno, A estrutura da recuperação bimestral

Leia mais

TÍTULO: Entendendo a divisão celular. NÍVEL DA TURMA: 1º ano do ensino médio. DURAÇÃO: 1h e 80 minutos (3 aulas)

TÍTULO: Entendendo a divisão celular. NÍVEL DA TURMA: 1º ano do ensino médio. DURAÇÃO: 1h e 80 minutos (3 aulas) Ministério da Educação Universidade Federal do Rio Grande do Norte Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID) Subprojeto-Biologia Autores: Evanoel Fernandes Nunes¹; Sheila Alves Pinheiro

Leia mais

AULA 15 Análise de dados e conclusões

AULA 15 Análise de dados e conclusões 1 AULA 15 Análise de dados e conclusões Ernesto F. L. Amaral 12 de maio de 2011 Metodologia (DCP 033) Fonte: Flick, Uwe. 2009. Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed. pp.131-140 & 141-147.

Leia mais

O uso do passaporte da comunicação no desenvolvimento de Interação e comunicação de pessoas com surdocegueira e com deficiência múltipla sensorial

O uso do passaporte da comunicação no desenvolvimento de Interação e comunicação de pessoas com surdocegueira e com deficiência múltipla sensorial O uso do passaporte da comunicação no desenvolvimento de Interação e comunicação de pessoas com surdocegueira e com deficiência múltipla sensorial 1 O uso do passaporte da comunicação no desenvolvimento

Leia mais

Tecnologia e Inclusão na Educação Especial

Tecnologia e Inclusão na Educação Especial Tecnologia e Inclusão na Educação Especial Universidade do Algarve Escola Superior de Educação e Comunicação 16/10/2012 Manuela Andrade coordenadora do centro de formação Apresentação Apresentação da formadora

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE ELEMENTOS TEXTUAIS DE PROJETO

ORIENTAÇÕES SOBRE ELEMENTOS TEXTUAIS DE PROJETO ORIENTAÇÕES SOBRE ELEMENTOS TEXTUAIS DE PROJETO OBJETIVOS OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS REVISÃO DE LITERATURA PROBLEMA HIPÓTESE METODOLOGIA IMPORTÂNCIA, IMPACTOS E RESULTADOS ESPERADOS CRONOGRAMA

Leia mais

Regulamento do TCC APRESENTAÇÃO ORAL DE TRABALHOS CIENTÍFICOS. Resolução TCC. Apresentação oral de trabalhos 03/11/2011 FALAR EM PUBLICO É UM DESAFIO?

Regulamento do TCC APRESENTAÇÃO ORAL DE TRABALHOS CIENTÍFICOS. Resolução TCC. Apresentação oral de trabalhos 03/11/2011 FALAR EM PUBLICO É UM DESAFIO? Regulamento do TCC Para a defesa do TCC, o trabalho deverá ser apresentado oralmente perante comissão julgadora em sessão pública. Para a apresentação, o aluno terá mínimo de 15 e APRESENTAÇÃO ORAL DE

Leia mais

ÓTICA COM ÍNDICE DE REFRAÇÃO NEGATIVO

ÓTICA COM ÍNDICE DE REFRAÇÃO NEGATIVO Ótica com Índice de Refração Negativo 1 ÓTICA COM ÍNDICE DE REFRAÇÃO NEGATIVO Walter S. Santos 1, Antonio Carlos F. Santos 2, Carlos Eduardo Aguiar 2 1 Colégio Pedro II, Rio de Janeiro 2 Instituto de Física,

Leia mais

ANÁLISE DO LIVRO DIDÁTICO DE BIOLOGIA EM RELAÇÃO À ABORDAGEM DA TEMÁTICA LIXO

ANÁLISE DO LIVRO DIDÁTICO DE BIOLOGIA EM RELAÇÃO À ABORDAGEM DA TEMÁTICA LIXO ANÁLISE DO LIVRO DIDÁTICO DE BIOLOGIA EM RELAÇÃO À ABORDAGEM DA TEMÁTICA LIXO Jailane Araújo 1 Jeane Almeida 2 Letícia Brandão 3 Cintiane Cunha 4 RESUMO: O livro didático é muito utilizado por professores

Leia mais

Dicas para elaborar um relatório científico

Dicas para elaborar um relatório científico Dicas para elaborar um relatório científico Prof. Dr. Jean Jacques Bonvent Laboratório de Física Geral Universidade de Mogi das Cruzes A elaboração de um relatório científico é um exercício bastante importante

Leia mais

WORD PARA TRABALHOS ACADÊMICOS

WORD PARA TRABALHOS ACADÊMICOS WORD PARA TRABALHOS ACADÊMICOS Março de 05 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Biblioteca Universitária. Programa de capacitação. CONFIGURANDO PÁGINAS A5 - Clique na Aba Layout da Página e clique em

Leia mais

FACULDADE AGES COLEGIADO DE DIREITO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE SEMINÁRIO DE APRESENTAÇÃO DA PRODUÇÃO ÚNICA 2015-1

FACULDADE AGES COLEGIADO DE DIREITO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE SEMINÁRIO DE APRESENTAÇÃO DA PRODUÇÃO ÚNICA 2015-1 FACULDADE AGES COLEGIADO DE DIREITO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE SEMINÁRIO DE APRESENTAÇÃO DA PRODUÇÃO ÚNICA 2015-1 1. APRESENTAÇÃO O Projeto Integrador tem como objetivo levar o estudante a campo para

Leia mais

Tema: Crônicas de Matemática O Polígono a Função e o Sistema Cartesiano.

Tema: Crônicas de Matemática O Polígono a Função e o Sistema Cartesiano. Roteiro de NTD de Álgebra e Geometria 9º Ano do Ensino Fundamental Olímpico Tema: Crônicas de Matemática O Polígono a Função e o Sistema Cartesiano. Objetivo(s): Levar o aluno, através de pesquisas, a

Leia mais

SOFTWARES DE SIMULAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA

SOFTWARES DE SIMULAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA Aula 7 SOFTWARES DE SIMULAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA META Discutir a utilização de softwares no ensino de Química. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: Através da utilização do software carbópolis,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA Departamento de Solos e Engenharia Rural - DSER. Prof. Dr. Guttemberg Silvino

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA Departamento de Solos e Engenharia Rural - DSER. Prof. Dr. Guttemberg Silvino UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA Departamento de Solos e Engenharia Rural - DSER Prof. Dr. Guttemberg Silvino Considerações Iniciais Todo mapa/carta/planta é uma representação

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRRETOS - UNIFEB PROJETO INTEGRADO

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRRETOS - UNIFEB PROJETO INTEGRADO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRRETOS - UNIFEB PROJETO INTEGRADO BARRETOS, MARÇO DE 2012 CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRRETOS - UNIFEB PROJETOS INTERDISCIPLINARES

Leia mais

Como fazer um jogo usando o editor de apresentação

Como fazer um jogo usando o editor de apresentação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sergipe IFS Campus Glória Curso Integrado em Agropecuária Professora: Jamille Silva Madureira Disciplina: Informática Como fazer um jogo usando o editor

Leia mais

TÍTULO - " Aparelhagem de Laboratório, operações básicas e segurança no laboratório".

TÍTULO -  Aparelhagem de Laboratório, operações básicas e segurança no laboratório. TÍTULO - " Aparelhagem de Laboratório, operações básicas e segurança no laboratório". Figura 1:Disponível em: http://explicatorium.com/images/expquimica.jpg acessado em : 14/03/2014 ás 21:28 hs MOTIVAÇÃO:

Leia mais

BRASILEIRA DE FARMÁCIA HOSPITALAR E SERVIÇOS DE SAÚDE

BRASILEIRA DE FARMÁCIA HOSPITALAR E SERVIÇOS DE SAÚDE 1 REVISTA BRASILEIRA DE FARMÁCIA HOSPITALAR E SERVIÇOS DE SAÚDE Uma publicação da (SBRAFH) A () publica artigos nos idiomas Inglês, Espanhol, Português; e a partir de 2010 substituirá a Revista SBRAFH

Leia mais

ABELHAS EUGLOSSINI EM FRAGMENTOS DE MATA ATLÂNTICA EM BURARAMA - ES

ABELHAS EUGLOSSINI EM FRAGMENTOS DE MATA ATLÂNTICA EM BURARAMA - ES ABELHAS EUGLOSSINI EM FRAGMENTOS DE MATA ATLÂNTICA EM BURARAMA - ES Gava, M. (1) ; Souza, L. (2) mayla.gava@gmail.com (1) Graduanda de Ciências Biológicas da Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória

Leia mais

PONTES. depapel ORIENTAÇÕES COMPETIÇÃO DE PONTES DE PAPEL

PONTES. depapel ORIENTAÇÕES COMPETIÇÃO DE PONTES DE PAPEL COMPETIÇÃO DE PONTES depapel ORIENTAÇÕES COMPETIÇÃO DE PONTES DE PAPEL SUMÁRIO Introdução... 2 O projeto... 3 Especificações e critérios de avaliação... 5 Dados de resistência do papel... 8 Materiais e

Leia mais

1. Criar uma nova apresentação

1. Criar uma nova apresentação MANUAL DO Baixa da Banheira, 2006 1. Criar uma nova apresentação Para iniciar uma sessão de trabalho no PowerPoint é necessário criar uma nova apresentação para depois trabalhar a mesma. Ao iniciar uma

Leia mais

Fundamentos da Pesquisa III IBB212

Fundamentos da Pesquisa III IBB212 Fundamentos da Pesquisa III IBB212 Aula 4 Lógica do Texto Científico (cont.) Por que são importantes as apresentações orais Para que apresentar oralmente nosso trabalho Como fazer uma boa apresentação

Leia mais

Desenhando perspectiva isométrica

Desenhando perspectiva isométrica Desenhando perspectiva isométrica A UU L AL A Quando olhamos para um objeto, temos a sensação de profundidade e relevo. As partes que estão mais próximas de nós parecem maiores e as partes mais distantes

Leia mais

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO Tatiana Galieta (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) Introdução

Leia mais

PARADOXO DA REALIZAÇÃO DE TRABALHO PELA FORÇA MAGNÉTICA

PARADOXO DA REALIZAÇÃO DE TRABALHO PELA FORÇA MAGNÉTICA PARADOXO DA REALIZAÇÃO DE TRABALHO PELA FORÇA MAGNÉTICA Marcelo da S. VIEIRA 1, Elder Eldervitch C. de OLIVEIRA 2, Pedro Carlos de Assis JÚNIOR 3,Christianne Vitor da SILVA 4, Félix Miguel de Oliveira

Leia mais

Ideia Tecnologia. Consultoria LIMITE DE CRÉDITO. Autor: Jonas Santos Silva

Ideia Tecnologia. Consultoria LIMITE DE CRÉDITO. Autor: Jonas Santos Silva Ideia Tecnologia Consultoria LIMITE DE CRÉDITO Autor: Jonas Santos Silva Prezado cliente, com o objetivo de tornar a sua experiência com nosso software cada vez melhor e produtiva, nós estamos desenvolvendo

Leia mais

Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO. Introdução

Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO. Introdução Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO Introdução Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) o conteúdo Tratamento da Informação, deve ser trabalhado de modo que estimule os alunos a fazer perguntas,

Leia mais

TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA AUDIOVISUAL ENTRE O TELEJORNALISMO E O CINEMA

TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA AUDIOVISUAL ENTRE O TELEJORNALISMO E O CINEMA TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA AUDIOVISUAL ENTRE O TELEJORNALISMO E O CINEMA AUTOR / AUTOR: Iara Cardoso INSTITUIÇÃO / INSTITUCIÓN: Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo (Labjor) Unicamp,

Leia mais

Cotagem de elementos

Cotagem de elementos Cotagem de elementos Introdução Na aula anterior você estudou algumas regras para cotagem e aprendeu como indicar as cotas básicas da peça. Mas, só com essas cotas, não é possível produzir peças que tenham

Leia mais

TETO PARA CASAS DE APOIO - (PORTARIA 2190)

TETO PARA CASAS DE APOIO - (PORTARIA 2190) ANEXO I TETO PARA CASAS DE APOIO - (PORTARIA 2190) ESTADOS TETO PARA CASAS DE APOIO ACRE 40.000,00 ALAGOAS 105.000,00 AMAPA 57.000,00 AMAZONAS 150.000,00 BAHIA 555.000,00 CEARÁ 320.000,00 DISTRITO FEDERAL

Leia mais

XI CONGRESSO NACIONAL DE MEIO AMBIENTE DE POÇOS DE CALDAS

XI CONGRESSO NACIONAL DE MEIO AMBIENTE DE POÇOS DE CALDAS ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A PRODUÇÃO E SUBMISSÃO DO RESUMO COMPLETO PARA O XI CONGRESSO NACIONAL DE MEIO AMBIENTE DE POÇOS DE CALDAS Informações Gerais Os trabalhos deverão ser submetidos na forma técnico-científica

Leia mais

>> PROGRAMA DE DISCIPLINA

>> PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS ESCOLA DE DESIGN >> PROGRAMA DE DISCIPLINA PERÍODO DISCIPLINA Prática Projetual VI 1 SEMESTRE [ X ] PROFESSOR Carlos Alberto Silva de Miranda 2 SEMESTRE [ ] CURSO

Leia mais

NOME DO ALUNO. TÍTULO DO TRABALHO FINAL DE CURSOS Projeto de Pesquisa

NOME DO ALUNO. TÍTULO DO TRABALHO FINAL DE CURSOS Projeto de Pesquisa NOME DO ALUNO TÍTULO DO TRABALHO FINAL DE CURSOS Projeto de Pesquisa Projeto de Pesquisa apresentado como exigência parcial para aprovação na disciplina Metodologia da Pesquisa no Curso de Pós-Graduação

Leia mais

Normas do relatório de estágio do curso Técnico Integrado em Agropecuária

Normas do relatório de estágio do curso Técnico Integrado em Agropecuária Normas do relatório de estágio do curso Técnico Integrado em Agropecuária O estágio supervisionado é obrigatório e propicia a complementação do ensino e da aprendizagem, constituindo-se em instrumento

Leia mais

Palestrante Título da Palestra Data

Palestrante Título da Palestra Data 4 PROGRAMAÇÃO DA SEMANA ACADÊMICA DA BIOLOGIA 4.1 PALESTRAS QUADRO DE PALESTRAS Palestrante Título da Palestra Data Estevão Alves da Silva Renata Bernardes Faria Campos Jacqueline Oliveira Lima Zago Danilo

Leia mais

Célula ACTIVIDADE EXPERIMENTAL. Observação de Células Eucarióticas ao MOC. Objectivos

Célula ACTIVIDADE EXPERIMENTAL. Observação de Células Eucarióticas ao MOC. Objectivos ACTIVIDADE EXPERIMENTAL Observação de Células Eucarióticas ao MOC Objectivos Identificar estruturas celulares das células vegetais e animais ao MOC. Verificar que os diferentes corantes actuam de modo

Leia mais

A contextualização e a Modelagem na educação matemática do ensino médio

A contextualização e a Modelagem na educação matemática do ensino médio A contextualização e a Modelagem na educação matemática do ensino médio Jonei Cerqueira Barbosa http://sites.uol.com.br/joneicb Resumo: No presente texto, tomo a noção de contextualização apresentada nos

Leia mais

Roteiro para Elaboração de Relatório de Aulas Práticas, Visitas técnicas e Trabalhos Acadêmicos

Roteiro para Elaboração de Relatório de Aulas Práticas, Visitas técnicas e Trabalhos Acadêmicos UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE SÃO LUIS DE MONTES BELOS TECNOLOGIA EM LATICÍNIOS Roteiro para Elaboração de Relatório de Aulas Práticas, Visitas técnicas e Trabalhos Acadêmicos

Leia mais

PRD - 2013 - Descrição das Oficinas do Ciclo 2

PRD - 2013 - Descrição das Oficinas do Ciclo 2 OFICINA 1 - PATRIMÔNIO-PROJETOS-PESQUISA E ENSINO. VAGAS: 25 Professores Responsáveis: Ana Beatriz Frazão Ribeiro, Beatriz Boclin Marques dos Santos Dias / Hora / Local: 4as. Feiras - 07/08, 14/08 e 21/08

Leia mais

BREDA, Mauro; GALATTI, Larissa; SCAGLIA, Alcides José; PAES, Roberto Rodrigues. Pedagogia do esporte aplicada às lutas. São Paulo: Phorte, 2010.

BREDA, Mauro; GALATTI, Larissa; SCAGLIA, Alcides José; PAES, Roberto Rodrigues. Pedagogia do esporte aplicada às lutas. São Paulo: Phorte, 2010. 167 Armando Lourenço Filho BREDA, Mauro; GALATTI, Larissa; SCAGLIA, Alcides José; PAES, Roberto Rodrigues. Pedagogia do esporte aplicada às lutas. São Paulo: Phorte, 2010. Pedagogia do esporte aplicada

Leia mais

1. Normas do mini-simpósio 2. Ordem sugerida 3. Dicas por seção 4. Postura profissional 5. Dicas gerais 6. Critérios de avaliação

1. Normas do mini-simpósio 2. Ordem sugerida 3. Dicas por seção 4. Postura profissional 5. Dicas gerais 6. Critérios de avaliação Material de apoio para a preparação do mini- simpósio 1. Normas do mini-simpósio 2. Ordem sugerida 3. Dicas por seção 4. Postura profissional 5. Dicas gerais 6. Critérios de avaliação 1. Normas do mini-simpósio

Leia mais

Faculdade de Tecnologia de Mogi Mirim Arthur de Azevedo EXPERIMENTO 11

Faculdade de Tecnologia de Mogi Mirim Arthur de Azevedo EXPERIMENTO 11 Faculdade de Tecnologia de Mogi Mirim Arthur de Azevedo Roteiro para prática experimental EXPERIMENTO 11 Momento Linear e Impulso Disciplina: Física Experimental GRUPO DE TRABALHO: Estudante 1 (nome e

Leia mais

Valores Educacionais. Aula 3 Jogo Limpo

Valores Educacionais. Aula 3 Jogo Limpo Valores Educacionais Aula 3 Jogo Limpo Objetivos 1 Apresentar o valor Jogo Limpo. 2 Indicar possibilidades de aplicação pedagógica do valor Jogo Limpo. Introdução Esta aula apresenta definições e sugestões

Leia mais

ROTEIRO DIÁRIO SEQUÊNCIA DAS ATIVIDADES/ ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS. Vinheta do Projeto

ROTEIRO DIÁRIO SEQUÊNCIA DAS ATIVIDADES/ ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS. Vinheta do Projeto Componente Curricular: Ciências Série/Ano Letivo: 9º ano/2014 Professor Ministrante: Giselle Palmeira e Silone Guimarães Carga Horária: 5 horas/aula Data: 26/03/2014 Aula: 14 Teleaula: 53 Título: Gerador

Leia mais

Demonstração de uma idéia, assunto, produto, serviço e etc; Podendo ser uma palestra, reunião, workshop entre outros eventos.

Demonstração de uma idéia, assunto, produto, serviço e etc; Podendo ser uma palestra, reunião, workshop entre outros eventos. Demonstração de uma idéia, assunto, produto, serviço e etc; Para duas ou mais pessoas; Podendo ser uma palestra, reunião, workshop entre outros eventos. Planejar Sempre! Para transmitir segurança você

Leia mais

REVISTA DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

REVISTA DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO REVISTA DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO INSTRUÇÕES AOS AUTORES 1 GERAIS: Originais: Os artigos devem ser enviados exclusivamente por meio eletrônico para o endereço: revistainnovare@cescage.edu.br - Revista

Leia mais

ATIVIDADE EXPERIMENTAL COMO FERRAMENTA NA DETERMINAÇÃO DO SISTEMA ABO E FATOR RH

ATIVIDADE EXPERIMENTAL COMO FERRAMENTA NA DETERMINAÇÃO DO SISTEMA ABO E FATOR RH ATIVIDADE EXPERIMENTAL COMO FERRAMENTA NA DETERMINAÇÃO DO SISTEMA ABO E FATOR RH NASCIMENTO, Jefferson Deyveson-UEPB deyvisonnascimento2010@hotmail.com ALENCAR, Elisabete Januário de. - UEPB betynha17@hotmail.com

Leia mais

Um jogo de preencher casas

Um jogo de preencher casas Um jogo de preencher casas 12 de Janeiro de 2015 Resumo Objetivos principais da aula de hoje: resolver um jogo com a ajuda de problemas de divisibilidade. Descrevemos nestas notas um jogo que estudamos

Leia mais

Dicas para apresentação de TCC em Power Point. Profª Drª Stael Silvana B. E da Silva Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva - FAIT

Dicas para apresentação de TCC em Power Point. Profª Drª Stael Silvana B. E da Silva Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva - FAIT Dicas para apresentação de TCC em Power Point Profª Drª Stael Silvana B. E da Silva Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva - FAIT Atenção! Este modelo de apresentação foi produzido com a única

Leia mais

Projetando sem fio na H-312

Projetando sem fio na H-312 Projetando sem fio na H-312 PEE-COPPE Projetando sem fio na H-312 Os projetores Epson PowerLite X24+ das salas A, B, C e D da H-312 possuem adaptadores WiFi, e isto permite o seu uso sem fio. Dependendo

Leia mais

Form. A2 / / Este desenho contem informação que não podem ser rasuradas ou alteradas. Codigo Des. Data do desenho.

Form. A2 / / Este desenho contem informação que não podem ser rasuradas ou alteradas. Codigo Des. Data do desenho. 1 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 A A B B C C 1032 978 D D E E 1284 75 F F G G Form. A2 Este desenho contem informação que não podem ser rasuradas ou alteradas H Data do desenho / / Codigo Des. H Data Revisão /

Leia mais

3. Estruturas de seleção

3. Estruturas de seleção 3. Estruturas de seleção 3.1 Introdução O último exemplo do capítulo anterior apresentava um programa para calcular a área de um triângulo, dados os comprimentos dos seus lados. Foi visto que o comando

Leia mais

Roteiro para autores

Roteiro para autores Roteiro para autores 1. Apresentação A Editora da Universidade do Estado de Minas Gerais, EdUEMG, foi criada para fomentar a produção científica nas áreas mais estratégicas e relevantes para a instituição.

Leia mais

Dicas para melhorar sua apresentação de slides

Dicas para melhorar sua apresentação de slides 1 Dicas para melhorar sua apresentação de slides Prof. Giseli Trento Andrade e Silva 1. Regra de 3 Normalmente as pessoas tem facilidade de assimilar até três itens de uma lista. Quer ver? Pai, Filho e

Leia mais