ESTUDO SOBRE VIVÊNCIA DO LUTO EM ADOLESCENTES E SUA MANIFESTAÇÃO EM DECORRÊNCIA DO TÉRMINO DE UM RELACIONAMENTO AMOROSO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO SOBRE VIVÊNCIA DO LUTO EM ADOLESCENTES E SUA MANIFESTAÇÃO EM DECORRÊNCIA DO TÉRMINO DE UM RELACIONAMENTO AMOROSO"

Transcrição

1 ESTUDO SOBRE VIVÊNCIA DO LUTO EM ADOLESCENTES E SUA MANIFESTAÇÃO EM DECORRÊNCIA DO TÉRMINO DE UM RELACIONAMENTO AMOROSO Autoras: Tânia Regina Goia; Maria Luísa Louro de Castro Valente Instituição: Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências e Letras, Campus de Assis País: Brasil Eixo e área temática: Psicologia/La Niñez y Adolescencia en los bordes, los bordes de la Niñez y Adolescencia

2 Objetivos O objetivo do trabalho é compreender o sentido do luto na vida adolescente e como é sentido o luto pelo fim de um relacionamento e, identificar a influência familiar na vida do adolescente que acaba de passar por uma perda amorosa. À guisa de conclusão, gostaria de acrescentar que, diante dos aspectos aqui levantados, poder-se-ia pensar que, ser adolescente é muito bom, pois é bom sonhar e desejar, se apaixonar e sentir prazer em cada conquista ou reconfortar-se no fracasso da mesma. È muito bom amar e ser amado. Tropeçar e se levantar várias vezes, errar e se corrigir imediatamente e com isso ir aprendendo a conviver com as falhas. Amor é algo de ordem do imprevisível, nunca se sabe ao certo quando vai acontecer. No entanto, no mundo contemporâneo, onde as mudanças são rápidas e bruscas, não há o tempo necessário para que este discurso possa se tecer e se constituir enquanto prática amorosa. Sendo assim, conviver com o luto é uma crise que atinge não só o adolescente, mas envolve também toda a família. O adolescente manifesta o luto como resposta à quebra de um vínculo afetivo e vivenciar a dor é uma condição indispensável para o início do processo de luto. Entretanto, a perda e o luto alteram de diferentes maneiras o sistema familiar, no qual muitas vezes, não há o apoio da família para com o adolescente enlutado. Concluindo, é necessário que a família esteja presente no desenvolvimento do adolescente, englobando suas diferenças e mudanças pessoais, que possa estar ao lado apoiando-o e ajudando a superar todas as dificuldades surgidas nesta fase da vida. Adolescência O tema da adolescência não foi muito discutido por Freud, mas atualmente, é um assunto que vem apresentando um crescente espaço e chamado a atenção de diversos autores, constituindo-se pouco a pouco, como um campo de grande interesse para a Psicanálise. Entrar neste mundo dos adultos que é tanto desejado pelos adolescentes, é também muito temido, pois significa a perda definitiva da sua condição de criança. Segundo Aberastury (Aberastury; Knobel, 1981) este período é flutuante entre uma

3 dependência e uma independência extrema, cheio de contradições, confuso, ambivalente, doloroso, caracterizado por fricções com o meio familiar e social. A perda da identidade de criança implica na busca de uma nova identidade, que vai se construir num plano consciente e inconsciente. Pode-se dizer que a adolescência dura quase uma década, aproximadamente dos 12 ou 13 anos até o início dos 20 anos. Não há definição clara para seu ponto de início ou fim. Apontamos que, poderia ser aplicada ao processo adolescente a analogia de Freud (1924) que usou com referência a superação do Complexo de Édipo, ressaltando que ele chega ao fim por motivos filogenéticos, que assim como os dentes de leite caem quando os dentes permanentes começam a pressioná-los, também é chegada a sua hora. Mas Freud (1924) também examinou de igual importância, os determinantes ontogenéticos. As razões e as maneiras pelas quais a adolescência chega ao fim revelam que os aspectos psicológicos são os únicos em termos dos quais se pode definir a fase da adolescência (Blos, 1985). Adolescência X Relacionamento Amoroso Podemos destacar que não só os adolescentes, mas todos nós temos o desejo de amar e ser amado, e, portanto, reafirmamos que o adolescente vive essa fase com grande intensidade devido às várias mudanças que está ocorrendo com o mesmo. Ao analisarmos esta fase da adolescência, percebemos que é aí que ocorre o início de experiências amorosas, do sentir atração pelo outro, de se envolver afetivamente, de planejar e estruturar projetos a dois; sendo, portanto, o amor apaixonado na adolescência vivido com grande intensidade. Porém, há um fenômeno presente entre os adolescentes: o ficar, que vai se caracterizar por envolvimentos afetivos de brevindade e descartabilidade, em que o compromisso com o outro não é duradouro. Ao mesmo tempo em que o adolescente vive esse momento de forma arrebatador, apaixonado; também passa por esse momento de fluidez, como é citado por Bauman (2004) em sua obra Amor Líquido que é uma marca do comportamento na atualidade. De acordo com Blos (1985) a semelhança física ou mental com o pai e a mãe vai ser um determinante para a primeira escolha do objeto do amor heterossexual. Esses amores não são relações maduras, mas apenas rudimentos quando do deslocamento, que só se transformarão no amor maduro com a resolução progressiva do complexo de Édipo renascido.

4 Podemos observar com freqüência e facilidade, na adolescência, como o fato de apaixonar-se ou de conseguir um(a) namorado(a) traz à tona uma notável ascendência dos traços masculinos e femininos. Essa modificação significa que as tendências estranhas ao sexo foram concedidas ao outro sexo, e podem dessa forma ser partilhadas na posse mútua dos parceiros. Freud vai considerar o amor como uma idealização. A escolha amorosa seria marcada, então, pela divisão da libido entre o eu e o objeto, implicando uma supervalorização do eu ou do objeto e sendo denominada, respectivamente, narcisista e analítica (mais tarde, ligada à identificação e à idealização). Acrescenta que a paixão é justamente a alienação do desejo no objeto. Ou seja: o sujeito ama para ser amado. Família X Adolescente Pode-se dizer que a fase da adolescência apresenta um grande impacto na vida familiar. É necessário ressaltar que o processo de adolescência não afeta apenas os indivíduos que estão passando por este período, mas também as pessoas que convivem diretamente com os mesmos, principalmente a família. Como é citado por Osório (1989) o modelo que os pais oferecem hoje aos filhos adolescentes é o de caráter frio, narcisista, pouco afetivo, voltado para o culto transitório, do efêmero, e para a busca obsessiva do status material. O que alguns pais não entendem é que sem rebeldia e sem contestação não há adolescência normal. Muitas perturbações do adolescente são apenas reações adaptativas normais para as circunstâncias e o momento considerado de sua evolução ontogenética. Pode-se dizer que durante a fase da adolescência dos filhos, os pais também passam a rever sua própria adolescência e os aspectos que podem ser resgatados de uma juventude ainda presente diante de si. Eles experimentam aqui um novo período de transição, que Luisi; Filho (1997) vão batizar de Segunda Adolescência. Do ponto de vista intrapsíquico, Osório (1989) vai dizer que o comportamento dos pais diante de seus filhos adolescentes é determinado pelo grau de resolução de seus conflitos edípicos, ou seja, pelo modo como aqueles, por sua vez, se relacionaram com seus próprios pais. Relações pós-modernas Vivemos numa sociedade pós-moderna, na qual é cada vez mais freqüente o sentimento e a queixa de dificuldades de relacionamentos na vida das pessoas. A queixa comum é sentir-se só mesmo que acompanhado. De acordo com Bauman (1998) a modernidade é a impossibilidade de permanecer fixo.

5 Diariamente vivemos com a consciência cada vez maior de que não podemos tampouco confiar. Os relacionamentos estão se tornando um relacionamento sem compromisso, com nenhuma obrigação, que duram apenas enquanto houver uma satisfação para um dos parceiros, mostrando que se vive numa época de miséria afetiva, sendo cada vez mais superficiais os encontros amorosos. Atualmente, pensando nas relações amorosas, as pessoas apaixonam-se e desapaixonam-se, com a maior facilidade. A durabilidade deste sentimento pode ser de no mínimo uma noite apenas. Vai depender se a relação será estável ou não. Bauman (2004), afirma essa tese quando diz que as pessoas, ao mesmo tempo, buscam estreitarem-se os laços e mantê-los frouxos. O desejo é que eles sejam leves e frouxos, colocando em dúvida os relacionamentos duradouros, apontando também a facilidade de se prender e desprender de uma relação. Não se fixa um compromisso. O relacionamento amoroso entre adolescentes, de acordo com Londero (2006), o primeiro amor é vivido com toda intensidade que merece, com muitos risos, lágrimas, ciúmes, namoro no portão, com direito as brigas e reconciliações que só aumentam a paixão e principalmente a ilusão de que esse amor é mais forte do que tudo e que pode durar para sempre. É, então, que se torna possível aprender na carne que a realidade não é bem assim, que existem inúmeros caminhos que podem ser percorridos e que podem separar até aqueles que se amam. O destino separa, outras experiências pedem para serem vividas, surgem outras sensações, outras possibilidades e o início do conflito: viver um amor ou se abrir para todas as outras possibilidades que a vida pode oferecer? Conhecer mais, experimentar mais ou continuar se refletindo naquele olhar? Porém, de certa forma, quando fazemos a escolha do objeto amado, procuramos no outro o que eu sou, o que eu fui ou o que gostaria de ser, isso inconscientemente. Freud (1914) revela como uma captura narcísica. Sendo assim, a cultura narcísica vai se apresentar nas relações amorosas, durante o tempo que o indivíduo querer o outro para confirmar seu narcisismo, buscando manter as relações frágeis e com durabilidade até que seja satisfatório enquanto houver interesse por parte de um ou dos mesmos. Luto Freud (1915/1975) em seu ensaio O Luto e a Melancolia discute as semelhanças e diferenças entre os mesmos. O luto, de modo geral, é a reação à perda de um ente querido, à perda de alguma abstração que ocupou o lugar de um ente querido, como o país, a liberdade ou o ideal de alguém, e assim por diante. Confiamos em que seja

6 superado após certo lapso de tempo, e julgamos inútil ou mesmo prejudicial qualquer interferência em relação a ele, sendo o luto um dos processos de maiores desafios ao equilíbrio do psiquismo. Algumas pessoas reagem a isso com um quadro de melancolia, provavelmente a uma predisposição patológica. Bowlby (1962), diz que a perda pode se tornar uma provação, tanto para quem a enfrenta como para os circunstantes, que muitas vezes não sabem o que fazer para consolar uma pessoa enlutada. Segundo Freud (1915/1975), o processo de luto, se realiza por meio do teste da realidade que ao revelar que o objeto amado não existe mais, passa a exigir que toda a libido seja retirada de suas ligações com aquele objeto. Essa exigência provoca uma oposição compreensível é fato notório que as pessoas nunca abandonam de bom grado uma posição libidinal, nem mesmo, na realidade, quando um substituto já lhes acena. Quando o trabalho do luto se conclui, o ego fica outra vez livre e desinibido. Nada existe de inconsciente a respeito da perda, e é o mundo que se torna pobre e vazio. Esse processo envolve sofrimento e dor e feito muito lentamente. Porém, o luto desaparece após certo tempo, sem deixar quaisquer vestígios de grandes alterações. É um processo extremamente prolongado e gradual. O clássico estudo de Lindermann (1944) confirmou a necessidade apontada por Freud, em 1917, de que, para concluir o trabalho de luto, a libido deve ser retirada do objeto perdido e transferida para um novo objeto (Bromberg, 2000). Considerando que a adolescência é um fator de risco para o luto, verifica-se que, à semelhança do que acontece na sociedade, a família não tem desempenhado a contento o papel de fonte de suporte para o adolescente enlutado (Bromberg, 2000). O mesmo se pode dizer da escola, particularmente dos professores, que não estão preparados para lidar, nem prática e nem emocionalmente com a questão do luto (Pincus, 1989).

7 Referência Bibliográfica Aberastury, A., Knobel, M. Adolescência Normal: Um enfoque psicanalítico. Porto Alegre: Artes Médicas, p. Bauman, Z. O mal-estar da pós modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., Bauman. Z. Amor Líquido: sobre a fragilidade dos laços humanos. Tradução: Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, p. Blos, P. Adolescência: uma interpretação psicanalítica. São Paulo: Liv. Martins Fontes, Bromberg, M. H. P. F. A Psicoterapia em situações de perdas e lutos. Editora Livro Pleno. Campinas. SP, Freud, S. (1980). Luto e melancolia (Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud, Vol.14). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1917 [1915]), p Osório, L. C. Adolescente Hoje. Porto Alegre: Artes Médicas, Luisi, L. V. V.; Filho, R. C. A família em fase adolescente. In: Cerveny, C. M. O. Berthoud, C. M. E. e Col. Família e Ciclo Vital: nossa realidade em pesquisa.. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1997, p Londero, S. M. Tecendo vias pelas quais o amor se fala: cartografias dos discursos amorosos na atualidade. Dissertação de Mestrado em Psicologia. Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita. Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras. Assis, Pincus, L. A família e a morte: Como enfrentar o luto (F. Murad, Trad). Rio de Janeiro: Paz e Terra. (Original publicado em 1974), 1989.

REFLEXÕES CLÍNICAS SOBRE UM CASAL DE PAIS ADOTANTES

REFLEXÕES CLÍNICAS SOBRE UM CASAL DE PAIS ADOTANTES REFLEXÕES CLÍNICAS SOBRE UM CASAL DE PAIS ADOTANTES Autores: Tânia Regina Goia; José Paulo Diniz; Maria Luísa Louro de Castro Valente Instituição: Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências e

Leia mais

ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/)

ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/) ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/) Arminda Aberastury foi pioneira no estudo da psicanálise de crianças e adolescentes na América Latina. A autora

Leia mais

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com 803 AS CONTRIBUIÇÕES DO LÚDICO PARA O DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL INFANTIL NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia Cristiane Silva Wiezzel Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de

Leia mais

A PSICANÁLISE E OS MODERNOS MOVIMENTOS DE AFIRMAÇÃO HOMOSSEXUAL 1

A PSICANÁLISE E OS MODERNOS MOVIMENTOS DE AFIRMAÇÃO HOMOSSEXUAL 1 A PSICANÁLISE E OS MODERNOS MOVIMENTOS DE AFIRMAÇÃO HOMOSSEXUAL 1 Este artigo trata da difícil relação entre a teoria psicanalítica, que tradicionalmente considerava os comportamentos eróticos entre pessoas

Leia mais

Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental

Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental Trabalho apresentado na IV Jornada de Saúde Mental e Psicanálise na PUCPR em 21/11/2009. A prática da psicanálise em ambulatório de saúde mental pode

Leia mais

Relacionamento Amoroso

Relacionamento Amoroso CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Relacionamento Amoroso Luisa Guedes Di Mauro Natália Gióia Cípola

Leia mais

A importância da família no processo de educar

A importância da família no processo de educar A importância da família no processo de educar A mim me dá pena e preocupação quando convivo com famílias que experimentam a tirania da liberdade em que as crianças podem tudo: gritam, riscam as paredes,

Leia mais

Para o XVIII Encontro Latino-americano Winnicott contemporâneo. Desde Winnicott reflexões sobre a dimensão corporal da transferência

Para o XVIII Encontro Latino-americano Winnicott contemporâneo. Desde Winnicott reflexões sobre a dimensão corporal da transferência Para o XVIII Encontro Latino-americano Winnicott contemporâneo Tema Livre: Desde Winnicott reflexões sobre a dimensão corporal da transferência Autora: Ivanise Fontes Cada vez são mais evidentes os aspectos

Leia mais

Mães sem nome: a perda de um filho por assassinato

Mães sem nome: a perda de um filho por assassinato Mães sem nome: a perda de um filho por assassinato Luciana Tiemi Kurogi 1 Maria Virginia Filomena Cremasco 2 A morte é algo muito difícil de ser explicado, por se tratar de um fenômeno que desconhecemos

Leia mais

Sobre a intimidade na clínica contemporânea

Sobre a intimidade na clínica contemporânea Sobre a intimidade na clínica contemporânea Flávia R. B. M. Bertão * Francisco Hashimoto** Faculdade de Ciências e Letras de Assis, UNESP. Doutorado Psicologia frbmbertao@ibest.com.br Resumo: Buscou-se

Leia mais

Ger-Ações Centro de Ações e Pesquisas em Gerontologia CNPJ: 09.290.454/0001-19 / CCM: 3.722.8927 www.geracoes.org.br

Ger-Ações Centro de Ações e Pesquisas em Gerontologia CNPJ: 09.290.454/0001-19 / CCM: 3.722.8927 www.geracoes.org.br A MANIFESTAÇÃO DE EPISÓDIOS DEPRESSIVOS NA VELHICE: O CORPO, AS IDEIAS HIPOCONDRÍACAS E O DESAMPARO MARIA ELVIRA M. GOTTER Ger-Ações Centro de Pesquisas e Ações em Gerontologia - São Paulo - Brasil O presente

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O LUTO E AS RELAÇÕES OBJETAIS

REFLEXÕES SOBRE O LUTO E AS RELAÇÕES OBJETAIS Centro Universitário de Brasília FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE - FACS CURSO: PSICOLOGIA REFLEXÕES SOBRE O LUTO E AS RELAÇÕES OBJETAIS CAROLINA MOURA BENTO BRASÍLIA NOVEMBRO/2005 CAROLINA MOURA BENTO REFLEXÕES

Leia mais

Adolescência. i dos Pais

Adolescência. i dos Pais i dos Pais Adolescência Quem sou eu? Já não sou criança, ainda não sou adulto, e definitivamente não sou apenas um filho, pareço ser outra coisa que assume um lugar social! É a questão colocada por muitos

Leia mais

A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO

A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO 2014 Olga Cristina de Oliveira Vieira Graduada em Psicologia pela Universidade Presidente Antônio Carlos. Docente no Centro Técnico de Ensino Profissional (CENTEP). Especialização

Leia mais

Palestra Virtual. Tema: Reuniões Mediúnicas. Palestrante: Carlos Feitosa. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.

Palestra Virtual. Tema: Reuniões Mediúnicas. Palestrante: Carlos Feitosa. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org. Palestra Virtual Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Reuniões Mediúnicas Palestrante: Carlos Feitosa Rio de Janeiro 04/10/2002 Organizadores da Palestra: Moderador: "_Alves_"

Leia mais

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM Maria Elisa França Rocha A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da sexualidade, bem como conhecer suas fantasias e as teorias que

Leia mais

UM POSSÍVEL DIÁLOGO ENTRE FUTEBOL E GÊNERO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: O ESTÁGIO NUMA ESCOLA MUNICIPAL DE GOIÂNIA

UM POSSÍVEL DIÁLOGO ENTRE FUTEBOL E GÊNERO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: O ESTÁGIO NUMA ESCOLA MUNICIPAL DE GOIÂNIA UM POSSÍVEL DIÁLOGO ENTRE FUTEBOL E GÊNERO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: O ESTÁGIO NUMA ESCOLA MUNICIPAL DE GOIÂNIA Tiago Onofre da Silva 1 Rafael Santos Nunes 2 RESUMO: O presente artigo aborda o processo

Leia mais

A Importância da Família na Educação

A Importância da Família na Educação A Importância da Família na Educação Não caminhes à minha frente Posso não saber seguir-te. Não caminhes atrás de mim Posso não saber guiar-te. Educadora Social Dra. Joana Valente Caminha antes a meu lado

Leia mais

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social A INFLUÊNCIA DO USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO COTIDIANO

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social A INFLUÊNCIA DO USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO COTIDIANO A INFLUÊNCIA DO USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO COTIDIANO Dennys Rodrigues de Sousa* (Graduando em psicologia pela Faculdades Metropolitanas de Maringá - UNIFAMMA, Maringá-PR, Brasil); André Henrique Scarafiz,

Leia mais

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 INTRODUÇÃO: Durante muitos anos acreditou-se que os adolescentes, assim como as crianças, não eram afetadas pela

Leia mais

Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1

Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1 Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1 Alfredo estava na casa dos 30 anos. Trabalhava com gesso. Era usuário de drogas: maconha e cocaína. Psicótico, contava casos persecutórios,

Leia mais

..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..

..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-.. 1 PSICOTERAPIA CORPORAL APLICADA A CASAIS SOB O ENFOQUE DA BIOSSÍNTESE Maria de Nazaré Nery RESUMO Psicoterapia de casal tem como foco principal a relação dos cônjuges, independente do caráter ou relação

Leia mais

Almoço trinta gramas de brócolis (Anorexia Nervosa)

Almoço trinta gramas de brócolis (Anorexia Nervosa) Edson Saggese Almoço trinta gramas de brócolis (Anorexia Nervosa) Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto de Psiquiatria. Doutor em Ciências da Saúde pelo IPUB/UFRJ, psiquiatra, psicanalista,

Leia mais

Por que há sonhos dos quais não nos esquecemos?

Por que há sonhos dos quais não nos esquecemos? Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Por que há sonhos dos quais não nos esquecemos? Luciana Silviano Brandão Lopes Quem já não teve a sensação de ter tido muitos

Leia mais

Psicologia A Psicologia no Programa Idade com Qualidade" A psicologia na disfunção sexual

Psicologia A Psicologia no Programa Idade com Qualidade A psicologia na disfunção sexual Psicologia A Psicologia no Programa Idade com Qualidade" A Psicologia faz parte integrante de todas as áreas exploradas, mas também pode funcionar de forma independente das restantes especialidades, ou

Leia mais

O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa

O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa No decorrer dos séculos, a histeria sempre foi associada a uma certa imagem de ridículo que por vezes suas personagens

Leia mais

I Jornada sobre Prevenção De Comportamento De Risco Nas Escolas Paulistanas

I Jornada sobre Prevenção De Comportamento De Risco Nas Escolas Paulistanas I Jornada sobre Prevenção De Comportamento De Risco Nas Escolas Paulistanas Colégio I.L.Peretz Setembro/2011 Qual o lugar da Família nesta reflexão? Profa. Dra. Elizabeth Polity Penso que vivemos um momento

Leia mais

Narcisismo e cultura contemporânea

Narcisismo e cultura contemporânea Narcisismo e cultura contemporânea Flávia Ferro Costa Veppo José Juliano Cedaro A cultura hedonista, marcada pela ilusão na satisfação rápida e sempre possível, evidencia a ausência do elemento de barramento

Leia mais

Paulo de Lima. Tema 04: Dimensão Sócio- Política- Ecológica (Processo de participação- conscientização. Qual a minha relação com a sociedade? ).

Paulo de Lima. Tema 04: Dimensão Sócio- Política- Ecológica (Processo de participação- conscientização. Qual a minha relação com a sociedade? ). Tema 04: Dimensão Sócio- Política- Ecológica (Processo de participação- conscientização. Qual a minha relação com a sociedade? ). Titulo 03: Droga, Álcool e cidadania Paulo de Lima (Mestrando em Educação

Leia mais

Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação na Clínica Extensa Leila Souza Alves de Araújo

Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação na Clínica Extensa Leila Souza Alves de Araújo Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação na Clínica Extensa Leila Souza Alves de Araújo Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação é o que se busca promover a partir da realização do Projeto Transformador:

Leia mais

UMA LEITURA SOBRE A PARTICIPAÇÃO DO JOVEM NO PROGRAMA ESCOLA DA FAMÍLIA

UMA LEITURA SOBRE A PARTICIPAÇÃO DO JOVEM NO PROGRAMA ESCOLA DA FAMÍLIA UMA LEITURA SOBRE A PARTICIPAÇÃO DO JOVEM NO PROGRAMA ESCOLA DA FAMÍLIA Gina Sanchez, Instituto de Ensino Superior de Bauru IESB PREVE; Leila Maria Ferreira Salles, UNESP/IB - Rio Claro. A participação

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

Cais da Leitura: leitura em ação

Cais da Leitura: leitura em ação Cais da Leitura: leitura em ação Conceição Flores. Universidade Potiguar (UnP). Carla Rosiane C. Andrade. Universidade Potiguar (UnP). Nos últimos tempos, estamos sendo quase que cotidianamente bombardeados

Leia mais

Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer.

Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer. CAPITULO 3 Ele não é o Homem que eu pensei que era. Ele é como é. Não se julga um Homem pela sua aparência.. Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer. Eu costumava saber como encontrar

Leia mais

MAL-ESTAR NA CIVILIZAÇÃO E O CONSUMISMO

MAL-ESTAR NA CIVILIZAÇÃO E O CONSUMISMO MAL-ESTAR NA CIVILIZAÇÃO E O CONSUMISMO 2012 Graduanda em Psicologia pelo Centro Universitário de Lavras UNILAVRAS (Brasil) E-mail: vivianecastrofreire@yahoo.com.br RESUMO Freud explica em seus textos

Leia mais

DILMA MARIA DE ANDRADE. Título: A Família, seus valores e Counseling

DILMA MARIA DE ANDRADE. Título: A Família, seus valores e Counseling DILMA MARIA DE ANDRADE Título: A Família, seus valores e Counseling Projeto de pesquisa apresentado como Requisito Para obtenção de nota parcial no módulo de Metodologia científica do Curso Cousenling.

Leia mais

O BRINCAR E A CLÍNICA

O BRINCAR E A CLÍNICA O BRINCAR E A CLÍNICA Christine Nunes (psicóloga clínica, candidata da SPRJ) RESUMO: O presente trabalho, propõe a uma breve exposição do que pensa Winnicott sobre o brincar e a sessão analítica estendendo

Leia mais

O desenho e sua interpretação: quem sabe ler?

O desenho e sua interpretação: quem sabe ler? O desenho e sua interpretação: quem sabe ler? Sonia Campos Magalhães Em seu artigo Uma dificuldade da psicanálise de criança, Colette Soler 1 lança uma questão aos psicanalistas que se ocupam desta prática,

Leia mais

Quando o entardecer chega... o envelhecimento ainda surpreende muitos. Programa de Preparação para a Aposentadoria

Quando o entardecer chega... o envelhecimento ainda surpreende muitos. Programa de Preparação para a Aposentadoria Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Quando o entardecer chega... o envelhecimento ainda surpreende muitos Programa de Preparação para

Leia mais

PSICANÁLISE: UM SOBREVÔO SOBRE A HISTÓRIA DE SIGMUND FREUD E DE SUAS IDÉIAS

PSICANÁLISE: UM SOBREVÔO SOBRE A HISTÓRIA DE SIGMUND FREUD E DE SUAS IDÉIAS 1 PSICANÁLISE: UM SOBREVÔO SOBRE A HISTÓRIA DE SIGMUND FREUD E DE SUAS IDÉIAS Sandra Mara Volpi 1856: Nasce Sigmund Freud, onde hoje localiza-se a Tchecoslováquia, em uma família de origem judaica em que

Leia mais

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 Patrícia Guedes 2 Comemorar 150 anos de Freud nos remete ao exercício de revisão da nossa prática clínica. O legado deixado por ele norteia a

Leia mais

DESENVOLVIMENTO PSICOSSEXUAL

DESENVOLVIMENTO PSICOSSEXUAL Professor Responsável: Mohamad A. A. Rahim Quadro sinóptico baseado na bibliografia sugerida em cada aula DESENVOLVIMENTO PSICOSSEXUAL 1. SEXUALIDADE E LIBIDO Libido : é uma fonte original de energia afetiva

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

Dia 4. Criado para ser eterno

Dia 4. Criado para ser eterno Dia 4 Criado para ser eterno Deus tem [...] plantado a eternidade no coração humano. Eclesiastes 3.11; NLT Deus certamente não teria criado um ser como o homem para existir somente por um dia! Não, não...

Leia mais

Palestra Virtual. Tema: Os Anjos da Guarda. Palestrante: Miguel Labolida. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.

Palestra Virtual. Tema: Os Anjos da Guarda. Palestrante: Miguel Labolida. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org. Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Os Anjos da Guarda Palestrante: Miguel Labolida Rio de Janeiro 15/10/1999 Organizadores da palestra: Moderador: "jaja" (nick: Moderador

Leia mais

Do Sofrimento ao Sintoma nas Doenças Crônicas

Do Sofrimento ao Sintoma nas Doenças Crônicas Do Sofrimento ao Sintoma nas Doenças Crônicas Selma Correia da Silva Damiana Avila Carvalho Moema dos Santos Duberley Introdução O presente trabalho tem como ponto de partida a nossa experiência clínica

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE SE TRABALHAR OS VALORES NA EDUCAÇÃO

A IMPORTÂNCIA DE SE TRABALHAR OS VALORES NA EDUCAÇÃO A IMPORTÂNCIA DE SE TRABALHAR OS VALORES NA EDUCAÇÃO Eliane Alves Leite Email: li.phn.louvoregloria@hotmail.com Fernanda Cristina Sanches Email: fer_cristina2007@hotmail.com Helena Aparecida Gica Arantes

Leia mais

O TEMPO NO ABRIGO: PRESERVAÇÃO DA HISTÓRIA, GARANTIA DE SINGULARIDADE

O TEMPO NO ABRIGO: PRESERVAÇÃO DA HISTÓRIA, GARANTIA DE SINGULARIDADE Cuidando de quem cuida Instituto de Capacitação e Intervenção Psicossocial pelos Direitos da Criança e Adolescente em Situação de Risco O TEMPO NO ABRIGO: PRESERVAÇÃO DA HISTÓRIA, GARANTIA DE SINGULARIDADE

Leia mais

Comunicação Não Violenta

Comunicação Não Violenta Comunicação Não Violenta Ana Paula Franke Eder Conrado de Oliveira Mariangela Marini SIPAT 2013 21 de outubro O QUE É CNV? A Comunicação Não-Violenta é um processo de entendimento que facilita a harmonização

Leia mais

ADOLESCÊNCIA E IDENTIDADE: A POSSIBILIDADE DE DIÁLOGO ATRAVÉS DA EXTENSÃO

ADOLESCÊNCIA E IDENTIDADE: A POSSIBILIDADE DE DIÁLOGO ATRAVÉS DA EXTENSÃO ADOLESCÊNCIA E IDENTIDADE: A POSSIBILIDADE DE DIÁLOGO ATRAVÉS DA EXTENSÃO Eixo 2. Incorporación curricular de La extensión Universidade Federal de Santa Maria Rio Grande do Sul Brasil Email: mari_rm_@hotmail.com

Leia mais

Perdão. Fase 7 - Pintura

Perdão. Fase 7 - Pintura SERM7.QXD 3/15/2006 11:18 PM Page 1 Fase 7 - Pintura Sexta 19/05 Perdão Porque, se vocês perdoarem as pessoas que ofenderem vocês, o Pai de vocês, que está no Céu também perdoará vocês. Mas, se não perdoarem

Leia mais

Douglas Daniel de Amorim A PSICANÁLISE E O SOCIAL

Douglas Daniel de Amorim A PSICANÁLISE E O SOCIAL Douglas Daniel de Amorim A PSICANÁLISE E O SOCIAL Belo Horizonte 1999 INTRODUÇÃO A Psicologia Comunitária tem sido um dos campos onde a Psicologia tem tido um expressivo crescimento. Trabalhar em comunidades

Leia mais

BRINQUEDOTECA ESCOLAR: AMENIZANDO CONDUTAS AGRESSIVAS POR INTERMÉDIO DO BRINCAR

BRINQUEDOTECA ESCOLAR: AMENIZANDO CONDUTAS AGRESSIVAS POR INTERMÉDIO DO BRINCAR Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 713 BRINQUEDOTECA ESCOLAR: AMENIZANDO CONDUTAS AGRESSIVAS POR INTERMÉDIO DO BRINCAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia

Leia mais

Introdução à participação infantil

Introdução à participação infantil Seção 1 Introdução à participação 1.1 Uma visão bíblica da criança Em muitas culturas, as crianças são subestimadas. No entanto, Deus valoriza as crianças tanto quanto os adultos. Todos os seres humanos

Leia mais

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores?

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Noemi: É a velha história, uma andorinha não faz verão,

Leia mais

CONHECENDO-SE MELHOR DESCOBRINDO-SE QUEM VOCÊ É? 13 PASSOS QUE VÃO AJUDÁ-LO PARA SE CONHECER MELHOR E DESCOBRIR QUE VOCÊ REALMENTE É

CONHECENDO-SE MELHOR DESCOBRINDO-SE QUEM VOCÊ É? 13 PASSOS QUE VÃO AJUDÁ-LO PARA SE CONHECER MELHOR E DESCOBRIR QUE VOCÊ REALMENTE É CONHECENDO-SE MELHOR DESCOBRINDO-SE QUEM VOCÊ É? 13 PASSOS QUE VÃO AJUDÁ-LO PARA SE CONHECER MELHOR E DESCOBRIR QUE VOCÊ REALMENTE É Descobrindo-se... Fácil é olhar à sua volta e descobrir o que há de

Leia mais

Encontros de vida que se faz vivendo.

Encontros de vida que se faz vivendo. Encontros de vida que se faz vivendo. Thatiane Veiga Siqueira 1 A menina do coração de chocolate. Juliana tem nove anos, é uma menina de olhos esbugalhados, com sorriso fácil, ao primeiro olhar já se vê

Leia mais

LIÇÃO 8 Necessidades Sociais Satisfeitas

LIÇÃO 8 Necessidades Sociais Satisfeitas LIÇÃO 8 Necessidades Sociais Satisfeitas E perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores (Mateus 6:12). Esta é uma lição importante. Fixamos as condições para o nosso próprio

Leia mais

6 MILHÕES de casas em Portugal. O seu lar reflete-o. por APAV OS NÚMEROS NESTE CATÁLOGO PRECISAM DE DIMINUIR ATÉ 2016

6 MILHÕES de casas em Portugal. O seu lar reflete-o. por APAV OS NÚMEROS NESTE CATÁLOGO PRECISAM DE DIMINUIR ATÉ 2016 6 MILHÕES de casas em Portugal O seu lar reflete-o OS NÚMEROS NESTE CATÁLOGO PRECISAM DE DIMINUIR ATÉ 2016 por APAV 02 FAMÍLIA 03 > FAMÍLIA 1 /semana A violência doméstica foi responsável por uma morte/semana

Leia mais

Tal como pretendemos salientar ao longo do primeiro capítulo, no período da

Tal como pretendemos salientar ao longo do primeiro capítulo, no período da Tal como pretendemos salientar ao longo do primeiro capítulo, no período da indústria artesanal não se concedia demasiada importância ao fenómeno do trabalho infantil. As pessoas de então preocupavam-se,

Leia mais

Lu Rochael - Psicóloga e Coach - Todos os direitos reservados

Lu Rochael - Psicóloga e Coach - Todos os direitos reservados Desenvolva e amplie sua autoestima Por que falar de autoestima? Trabalho como terapeuta há 10 anos, período em que pude testemunhar e acompanhar muitos clientes. Qualquer que fosse o motivo pelo qual as

Leia mais

Pais e filhos : companheiros de viagem 1

Pais e filhos : companheiros de viagem 1 Pais e filhos : companheiros de viagem 1 Janete Rosane Luiz Dócolas 2 Existem algumas coisas que marcam a época em que vivemos. Uma época em que o avanço tecnológico provocou mudanças em praticamente todas

Leia mais

O DESENHO COMO EXPRESSÃO DA SUBJETIVIDADE EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

O DESENHO COMO EXPRESSÃO DA SUBJETIVIDADE EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA O DESENHO COMO EXPRESSÃO DA SUBJETIVIDADE EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Trabalho de curso 2014 Herminia Dias de Freitas Lahana Giacomini de Vasconcellos Luciana Stefano Acadêmica

Leia mais

UMA EXPERIENCIA PROFILATICA A PREPARAÇÃO DE CRIANÇAS PARA ADOÇÃO*

UMA EXPERIENCIA PROFILATICA A PREPARAÇÃO DE CRIANÇAS PARA ADOÇÃO* UMA EXPERIENCIA PROFILATICA A PREPARAÇÃO DE CRIANÇAS PARA ADOÇÃO* Betina Tabajaski** Verônica Petersen Chaves*** Porto Alegre e Canela, Rio Grande do Sul, Brazil, 1997. RESUMO A adoção é uma das alternativas

Leia mais

Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas

Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas Título: Adolescência, violência e responsabilidade Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas discussões nos meios de comunicação. O estudo teórico deste tema vem sendo recebido

Leia mais

MOVIMENTO FAMILIAR CRISTÃO Equipe Dia/mês/ano Reunião nº Ano: Tema: QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO Acolhida Oração Inicial

MOVIMENTO FAMILIAR CRISTÃO Equipe Dia/mês/ano Reunião nº Ano: Tema: QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO Acolhida Oração Inicial MOVIMENTO FAMILIAR CRISTÃO Equipe Dia/mês/ano Reunião nº Ano: Local: Tema: QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO Acolhida Oração Inicial Esta é uma história de mudança que ocorre em um labirinto em que quatro personagens

Leia mais

MULHERES QUE AMAM DE MAIS

MULHERES QUE AMAM DE MAIS ROBIN NORWOOD MULHERES QUE AMAM DE MAIS Tradução de Isabel Alves k Índice Agradecimentos........................................ 9 Prefácio............................................... 11 Introdução............................................

Leia mais

PROJETO FEIRA DE PROFISSÕES: UM OLHAR INTEGRAL AO ADOLESCENTE E SUA INSERÇÃO NO MUNDO DO TRABALHO. 1

PROJETO FEIRA DE PROFISSÕES: UM OLHAR INTEGRAL AO ADOLESCENTE E SUA INSERÇÃO NO MUNDO DO TRABALHO. 1 PROJETO FEIRA DE PROFISSÕES: UM OLHAR INTEGRAL AO ADOLESCENTE E SUA INSERÇÃO NO MUNDO DO TRABALHO. 1 Flávia Michelle Pereira Albuquerque 2, Edenilson Freitas Rodrigues 3, Tatiele Dos Santos Camargo 4,

Leia mais

Amor que transforma Rm 8:35 a 39

Amor que transforma Rm 8:35 a 39 1 Amor que transforma Rm 8:35 a 39 31 Que diremos, pois, diante dessas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós? 32 Aquele que não poupou a seu próprio Filho, mas o entregou por todos nós, como

Leia mais

COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA?

COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA? COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA? Autores: ANA BÁRBARA DA CONCEIÇÃO SANTOS, AYSLAN MELO DE OLIVEIRA, SUSANA DE CARVALHO, INTRODUÇÃO No decorrer do desenvolvimento infantil,

Leia mais

Entrevista com Pierre Fédida

Entrevista com Pierre Fédida Rev. Latinoam. Psicopat. Fund., IV, 1, 168-174 Entrevista com Pierre Fédida (Concedida a Paulo Roberto Ceccarelli em Paris, no dia 27 de julho de 2000) 168 Há algum tempo o Sr. tem utilizado a expressão

Leia mais

6. Considerações Finais

6. Considerações Finais 6. Considerações Finais O estudo desenvolvido não permite nenhuma afirmação conclusiva sobre o significado da família para o enfrentamento da doença, a partir da fala das pessoas que têm HIV, pois nenhum

Leia mais

O PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM ATRAVÉS DOS JOGOS EDUCATIVOS NO ENSINO FUNDAMENTAL

O PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM ATRAVÉS DOS JOGOS EDUCATIVOS NO ENSINO FUNDAMENTAL Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 975 O PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM ATRAVÉS DOS JOGOS EDUCATIVOS NO ENSINO FUNDAMENTAL Drielly Adrean Batista

Leia mais

Minha história rima com vitória!

Minha história rima com vitória! Minha história rima com vitória! www.juliofurtado.com.br 1 Conceito distorcido e perigoso difundido pela mídia e aceito pelas pessoas É a realização irrestrita do desejo individual. Desejos não são direitos!

Leia mais

A atuação do Residente de Psicologia nos Grupos de Pré-consulta *

A atuação do Residente de Psicologia nos Grupos de Pré-consulta * ARTIGOS A atuação do Residente de Psicologia nos Grupos de Pré-consulta * Raquel Moreira Pádova ** Introdução A questão que analiso neste trabalho, se refere à atuação do psicólogo nos grupos de pré-consulta

Leia mais

2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania?

2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania? 2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania? Giselle Fleury(IP/UERJ), Heloisa Caldas(IP/UERJ) Para pensar, neste trabalho, a neurose e a psicose em relação

Leia mais

LEITURA CORPORAL DO COMPORTAMENTO AGRESSIVO E SUAS CONSEQUÊNCIAS

LEITURA CORPORAL DO COMPORTAMENTO AGRESSIVO E SUAS CONSEQUÊNCIAS LEITURA CORPORAL DO COMPORTAMENTO AGRESSIVO E SUAS CONSEQUÊNCIAS Resumo Márcia Maria Rovani A proposta deste trabalho é entender o comportamento agressivo através de estudos na abordagem da psicologia

Leia mais

Psicanálise: técnica para discernir e descobrir os processos psíquicos.

Psicanálise: técnica para discernir e descobrir os processos psíquicos. O conhecimento da psicanálise para o administrador, pode estar facilitando a compreensão das reações e comportamentos das pessoas com quem ele vai estar lidando no seu dia-dia. Temas discutidos nesta aula:

Leia mais

Filho és pai serás, assim como fizeres assim acharás? Ficha 5 Um Caso Real de Cyberbullying

Filho és pai serás, assim como fizeres assim acharás? Ficha 5 Um Caso Real de Cyberbullying Texto A O inimigo não tinha rosto nem nome. As ameaças chegavam sob a forma de e-mails que a incitavam a seguir links na internet. Maria clicava e em múltiplas páginas descobria fotografias suas junto

Leia mais

12:00 Palestra: Jesus confia nos Jovens -Por isso entrega sua mãe - Telmo

12:00 Palestra: Jesus confia nos Jovens -Por isso entrega sua mãe - Telmo 2:00 Palestra: Jesus confia nos Jovens -Por isso entrega sua mãe - Telmo Amados de Deus, a paz de Jesus... Orei e pensei muito para que Jesus me usasse para poder neste dia iniciar esta pregação com a

Leia mais

ÍNDICE INTRODUÇÃO... 13

ÍNDICE INTRODUÇÃO... 13 ÍNDICE PrefÁcio... 11 INTRODUÇÃO... 13 Capítulo 1 OS PONTOS DE REFERÊNCIA DA DISCIPLINA.. 17 Os pontos de referência... 17 Os fundamentos da disciplina: os primeiros 6 meses... 18 Dos 7 aos 8 meses: a

Leia mais

MONITORIA: EXPERIENCIA DA PESQUISA EM SALA DE AULA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA. Resumo

MONITORIA: EXPERIENCIA DA PESQUISA EM SALA DE AULA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA. Resumo 1 MONITORIA: EXPERIENCIA DA PESQUISA EM SALA DE AULA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA Resumo Patricia Santos de Barros/UFRJ A nossa vivência pedagógica situa-se no âmbito do curso de Licenciatura

Leia mais

Empreendedorismo. Tópico 1 O (a) Empreendedor (a)

Empreendedorismo. Tópico 1 O (a) Empreendedor (a) Empreendedorismo Tópico 1 O (a) Empreendedor (a) Conteúdo 1. Objetivos do Encontro... 3 2. Introdução... 3 3. A formação do empreendedor... 3 4. Empreendedorismo nato ou desenvolvido?... 4 4.1 Características

Leia mais

29/04/2015. Sensibilizar para a importância de uma reflexão profunda e contínua sobre a própria existência.

29/04/2015. Sensibilizar para a importância de uma reflexão profunda e contínua sobre a própria existência. 29/04/2015 Sensibilizar para a importância de uma reflexão profunda e contínua sobre a própria existência. Favorecer a conscientização sobre a importância da elaboração de um projeto de vida pelo indivíduo,

Leia mais

Desafio para a família

Desafio para a família Desafio para a família Família é ideia de Deus, geradora de personalidade, melhor lugar para a formação do caráter, da ética, da moral e da espiritualidade. O sonho de Deus para a família é que seja um

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO VÍNCULO PARA POSSIBILITAR A APRENDIZAGEM DE ESTUDANTES COM DESENVOLVIMENTO ATÍPICO

A CONSTRUÇÃO DO VÍNCULO PARA POSSIBILITAR A APRENDIZAGEM DE ESTUDANTES COM DESENVOLVIMENTO ATÍPICO A CONSTRUÇÃO DO VÍNCULO PARA POSSIBILITAR A APRENDIZAGEM DE ESTUDANTES COM DESENVOLVIMENTO ATÍPICO Juliane Andréia Maier¹ Evandir Bueno Barasuol² Sociedade Educacional Três de Maio_ SETREM 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDAD ARGENTINA JOHN F. KENNEDY. Mestranda em Psicanálise Joana S. Oliveira Psicóloga CRP 06/114168

UNIVERSIDAD ARGENTINA JOHN F. KENNEDY. Mestranda em Psicanálise Joana S. Oliveira Psicóloga CRP 06/114168 UNIVERSIDAD ARGENTINA JOHN F. KENNEDY Mestranda em Psicanálise Joana S. Oliveira Psicóloga CRP 06/114168 Considerações psicanalíticas sobre a imagem corporal, algumas conseqüências após intervenções sobre

Leia mais

PACIENTES COM RISCO DE SUICÍDIO: A COMUNICAÇÃO ENTRE EQUIPE, PACIENTES E FAMILIARES NA UNIDADE DE EMERGÊNCIA

PACIENTES COM RISCO DE SUICÍDIO: A COMUNICAÇÃO ENTRE EQUIPE, PACIENTES E FAMILIARES NA UNIDADE DE EMERGÊNCIA PACIENTES COM RISCO DE SUICÍDIO: A COMUNICAÇÃO ENTRE EQUIPE, PACIENTES E FAMILIARES NA UNIDADE DE EMERGÊNCIA Ferreira CLB¹ 1 *, Gabarra LM². Hospital Universitário Profº Polydoro Ernani de São Thiago,

Leia mais

O SER WINNICOTTIANO E A CLÍNICA DA PÓS-MODERNIDADE. Winnicott viveu em uma época em que a concepção de pós-modernidade estava se

O SER WINNICOTTIANO E A CLÍNICA DA PÓS-MODERNIDADE. Winnicott viveu em uma época em que a concepção de pós-modernidade estava se 1 O SER WINNICOTTIANO E A CLÍNICA DA PÓS-MODERNIDADE Nahman Armony Winnicott viveu em uma época em que a concepção de pós-modernidade estava se formando, e, sabedor ou não disto, contribuiu com conceitos

Leia mais

Estruturas das Sessões em TCC

Estruturas das Sessões em TCC Estruturas das Sessões em TCC Eliana Melcher Martins - Mestre em Ciências pelo Depto. de Psicobiologia da UNIFESP - Especialista em Medicina Comportamental pela UNIFESP - Psicóloga Clínica Cognitivo Comportamental

Leia mais

Você gostaria de atingir os objetivos que traçou para sua vida de maneira mais consistente e sustentável? Gostaria de melhorar o seu aproveitamento, trabalhar menos pressionado ou estressado, e ainda aumentar

Leia mais

UM OLHAR PSICANALÍTICO SOBRE AS NOVAS BIOTECNOLOGIAS

UM OLHAR PSICANALÍTICO SOBRE AS NOVAS BIOTECNOLOGIAS 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 UM OLHAR PSICANALÍTICO SOBRE AS NOVAS BIOTECNOLOGIAS Lorena Munhoz da Costa 1, Gilcinéia Rose da Silva Santos 2 RESUMO: Este trabalho buscou analisar,

Leia mais