PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO"

Transcrição

1 Agrupamento Vertical de Escolas São Vicente/Telheiras (171931) PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO Sede: ESCOLA BÁSICA 2, 3 DE TELHEIRAS Nª 2 Rua Fernando Namora LISBOA Telef.: Fax: Site:

2 Índice 1 Identidade do Agrupamento Identificação dos estabelecimentos de ensino Caracterização da Comunidade Escolar Recursos educativos Projecto de Intervenção Problemas diagnosticados Princípios e Valores Metas e estratégias Avaliação do Projecto Considerações Finais / 14

3 Preâmbulo "Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós" (Saint-Exupery) Nas últimas décadas o espaço mundial viveu profundas transformações e, com ele, as posturas educativas renovam-se e reajustam-se a novos paradigmas. Tornou-se fundamental uma escola dinâmica, criativa e formadora, cujo objectivo último é a Educação. Educar abrir para fora, significa habilitar o indivíduo a conhecer o seu mundo e a intervir nele em consciência. Sendo assim, a Escola coloca a tónica numa qualidade social que cada pessoa deve adquirir e que deve desenvolver no indivíduo o seu potencial humano, feito de individualidade, construtivismo, criatividade e sentido de responsabilidade. O quadro legal de Gestão e Administração das Escolas dos Ensinos Básico e Secundário implica exigências e mudanças nos processos de ensino e aprendizagem. O regime de autonomia, administração e gestão das escolas promove a rentabilização dos recursos humanos e materiais existentes, estabelecendo prioridades e objectivos que deverão ser definidos em estreita articulação entre os diferentes actores educativos. De acordo com o nº 1 do artigo 9º, do Decreto-Lei nº 75/2008, o Projecto Educativo, o Regulamento Interno, os Planos Anual e Plurianual de Actividades e o Orçamento constituem instrumentos do exercício da autonomia de todos os agrupamentos de escolas e escolas não agrupadas, sendo o projecto educativo entendido como: a) Projecto educativo, [é] o documento que consagra a orientação educativa do agrupamento de escolas ( ), elaborado e aprovado pelos seus órgãos de administração e gestão para um horizonte de três anos, no qual se explicitam os princípios, os valores, as metas e as estratégias segundo os quais o agrupamento de escolas ( ) se propõe cumprir a sua função educativa Neste contexto, o Projecto Educativo surge como instrumento impulsionador de uma cultura de escola e de práticas educativas proporcionadoras do êxito escolar e educativo. Consiste num instrumento que pressupõe uma concepção de Escola dinâmica e autónoma, em estreita articulação com os diversos intervenientes da comunidade educativa (Encarregados de Educação/Pais, Autarquias, Centros de Saúde, Institutos de Apoio à Família e outros). O Projecto Educativo é, assim, um documento estratégico, orientador de actividades a desenvolver no âmbito das necessidades mais prementes do processo de ensino e aprendizagem, de acordo com os problemas a resolver, as metas e os padrões de qualidade a alcançar. Este documento, que consagra a orientação educativa do Agrupamento, foi elaborado pelo Conselho Pedagógico para o período de 2009/ / 14

4 1 Identidade do Agrupamento Somos uma Comunidade Educativa que se institucionalizou como Agrupamento Vertical de Escolas de S. Vicente/Telheiras em 1 de Setembro de Identificação dos estabelecimentos de ensino ESCOLA MORADA FREGUESIA EB2.3 de Telheiras nº2 R. Fernando Namora Lisboa Telefone: / Fax: Lumiar EB1 Luz-Carnide Rua Maria Brown nº Lisboa Telefone/fax: Carnide EB1 Prista Monteiro Rua Prista Monteiro Lisboa Telefone/fax: Carnide EB1 nº121 Rua Dom Luís Cunha Lisboa Telefone/fax: Campo Grande JI Largo da Luz Rua Maria Brown nº Lisboa Telefone/fax: Carnide JI da Horta Nova Rua da Horta Nova Telefone: Lisboa Carnide JI do Campo Grande nº1 Rua Dom Luís Cunha Lisboa Telefone: Campo Grande 4 / 14

5 1.2 Caracterização da Comunidade Escolar (Dados referentes ao ano lectivo de 2009/2010) Professores Estabelecimentos. Educativos/ / Ciclos/ Anos Educadores Alunos 5º ano 81 4 EB2.3 de Telheiras nº2 EB1 Luz- Carnide EB1 Prista Monteiro EB1 nº121 2º ciclo 3º ciclo Turmas /grupos 6º ano 77 3 PCA 9 1 7º ano º ano º ano 34 2 Assistentes técnicos Assistentes operacionais /Guardas (dos 17, 3 estão de baixa médica e1 de acidente em serviço) CEF Tipo 2 - OI 14 1 Tipo 2 - AC 20 1 TOTAL ESCOLA º ano º 2º ano 65 3 ciclo 3º ano º ano 63 3 TOTAL ESCOLA º ano º 2º ano 49 2 ciclo 3º ano º ano 44 3 TOTAL ESCOLA º ciclo 1º ano º ano º ano º ano JI Largo da Jardim de Luz Infância 20 TOTAL ESCOLA Dos 4, JI da Horta Nova Jardim de Infância 1está de acidente de serviço TOTAL ESCOLA JI do Campo Grande nº1 Jardim de Infância TOTAL ESCOLA TOTAL DO AGRUPAMENTO Ensino especial / 14

6 1.3 Recursos educativos (Dados referentes ao ano lectivo de 2009/2010) Salas de Aula Salas Específicas Biblioteca Ginásio Espaços Desportivos Refeitório EB2.3 de Telheiras nº EB1 Luz-Carnide 7 2 a) Recreio 1 EB1 Prista Monteiro 9 7 b) Recreio 1 EB1 nº c) Recreio 1 JI Largo da Luz 1 Espaços comuns à EB1 Luz-Carnide JI da Horta Nova 4 2d) Recreio --- JI do Campo 2 Espaços comuns à EB1 nº 121 Grande nº1 a) Gabinetes de Apoio b) 1 Sala de ensino estruturado, 1 sala TIC e gabinetes de apoio c) Sala da UAAM e gabinete de apoio d) Gabinetes de apoio Os dados contidos nestes quadros, a recolha e análise da informação constante nos processos individuais dos alunos, os resultados dos inquéritos aos alunos, o balanço da avaliação sumativa e o conhecimento directo da comunidade escolar permite-nos salientar algumas características deste Agrupamento: estruturas familiares disfuncionais, com fracas expectativas relativamente à escola, que apresentam um nível cultural e académico médio/baixo, uma grande diversidade de estratos sócio-económicos, pertencentes ao sector terciário inferior, em situação de emprego precário e de desemprego; uma grande diversidade étnico-cultural, oriunda de países de expressão portuguesa e da Europa de Leste; ao nível dos espaços físicos o Agrupamento apresenta grande diversidade de condições físicas e materiais. Relativamente à escola sede, com três décadas de existência como provisória, continua em funcionamento, com instalações inadequadas às exigências da sociedade em mudança. 6 / 14

7 2 Projecto de Intervenção A finalidade maior da Educação é apetrechar o jovem de instrumentos que lhe permitam desenvolver competências, responsabilidade e autonomia necessárias à plena integração na vida activa e ao exercício da cidadania. Nesta conformidade foram identificados os principais problemas que obstam a atingir essa finalidade. 2.1 Problemas diagnosticados Os principais problemas com que a comunidade educativa do Agrupamento se debate devem-se à convergência de diferentes e diversos factores ligados ao meio e ao contexto escolar, nomeadamente: Fracas expectativas das famílias em relação à escola Pouca responsabilidade no acompanhamento do percurso escolar dos educandos Nível cultural e académico médio/baixo Dificuldade de integração resultante da diversidade étnico-cultural Existência de famílias problemáticas, situações de emprego precário e desemprego Falta de recursos económicos e materiais Situações de absentismo e abandono escolares Dificuldade em aceitar e cumprir regras Falta de estudo e empenho e consequente fraco aproveitamento escolar 7 / 14

8 2.2 Princípios e Valores De acordo com o Decreto-Lei 75/2008, a autonomia, a administração e a gestão dos agrupamentos de escolas orientam-se pelos princípios gerais da Igualdade, da Participação e da Transparência e subordinam-se aos princípios e objectivos consagrados na Constituição e na Lei de Bases do Sistema Educativo. Pretende-se, assim, construir um modelo de Escola/Comunidade Educativa que se vê a si própria como um verdadeiro espaço educativo, que encontra formas de articular esforços com o meio em que se insere, no sentido de dar respostas concretas aos problemas identificados e garantir a estabilidade e a igualdade de oportunidades para todos. Perante a diversidade e as dificuldades diagnosticadas, pretende-se promover inovações educativas e curriculares capazes de oferecer a cada criança/aluno um currículo e condições de aprendizagem adequadas às suas necessidades. Imbuído por este espírito de Educação, o Agrupamento privilegia os seguintes Princípios e Valores como norteadores da acção pedagógica: Liberdade e Sentido de Justiça, respeitando a autonomia de si próprio e do outro Sentido de Responsabilidade, valorizando as questões de saúde pública, do património ambiental, histórico e cultural Inclusão numa perspectiva de aceitação e de valorização da diferença, presente no Agrupamento 8 / 14

9 Estratégias Objectivos Projecto Educativo 2009/ Metas e estratégias O presente Projecto Educativo procura, em consonância com os princípios e valores previamente definidos, alcançar as seguintes metas, traçando objectivos e estratégias. Meta: Reduzir o absentismo e abandono escolar Elevar as expectativas dos alunos e das famílias em relação à escola. Implicar as famílias no acompanhamento escolar. Desenvolver acções junto das famílias dos alunos que indiciem absentismo e abandono escolar. Criar mecanismos e estruturas que permitam identificar, avaliar e acompanhar os alunos em situação de risco. Valorizar o papel do Educador, Professor titular de Turma e Director de Turma como agente de ligação e mediação entre a Escola e as Famílias. Sensibilizar a comunidade escolar para o sucesso pessoal, profissional e social. Intensificar o desenvolvimento de iniciativas de informação escolar e profissional e de aproximação da Escola / Empresa / Instituições. Proporcionar momentos de (in)formação de Professores no âmbito do abandono escolar e da Gestão da sala de aula. Criar percursos diversificados para os alunos com baixas expectativas, insucesso repetido e risco de abandono. Criar uma equipa que responda de imediato aos primeiros sinais de absentismo e abandono escolar apontados pelos professores/directores de turma. Implementar a figura do professor tutor no apoio aos alunos com absentismo e em risco de abandono. Orientar Projectos Curriculares de Turma que respondam verdadeiramente às possibilidades e/ou necessidades de cada aluno. Convocar os encarregados de educação implicando-os na vida escolar dos seus educandos. Reforçar os serviços de psicologia e orientação para o acompanhamento dos alunos e famílias mais problemáticas Promover encontros com os encarregados de educação e a comunidade educativa, com a finalidade de troca de experiências ligadas ao mundo do trabalho/das profissões Criar estruturas que possibilitem o desenvolvimento de actividades lúdicas de ocupação de tempos livres que constituam desafios cognitivos, estéticos e éticos. 9 / 14

10 Estratégias Objectivos Projecto Educativo 2009/2012 Meta: Aumentar o sucesso escolar Promover, o mais precocemente possível, a recuperação das dificuldades de aprendizagem detectadas. Melhorar o desempenho das crianças/alunos nas áreas da Língua Portuguesa e da Matemática. Promover a responsabilização do aluno no acto educativo e nos resultados obtidos Consolidar as competências essenciais na transição de níveis e ciclos de ensino. Estimular as dinâmicas dos Conselhos de Turma na organização de projectos de interdisciplinaridade ajustados à especificidade e interesses das turmas. Propiciar a realização de encontros periódicos de professores dos diversos anos de escolaridade, a fim de articularem verticalmente o currículo e definirem critérios comuns de actuação. Promover a orientação e informação escolar e profissional dos alunos, fomentando processos de tomada de decisão vocacional realistas e equilibrados. Definir um plano de formação do pessoal docente e não docente em função das necessidades específicas de formação e actualização. Criar condições físicas para a realização do trabalho dos docentes. Desenvolver competências de estudo e hábitos de trabalho com o contributo das Áreas Curriculares não Disciplinares e dos Serviços de Psicologia. Diversificar as modalidades de apoio e de complementos educativos. Incrementar apoios a alunos com dificuldades de aprendizagem ou de integração. Reforçar o apoio às disciplinas de maior insucesso, através de apoios abertos e do aumento da carga horária. Elaborar Planos de Recuperação e Acompanhamento. Desenvolver actividades de promoção da leitura e da escrita. Implementar os Projectos do Plano Nacional de Leitura e do Plano da Acção para a Matemática. Renovar as metodologias de ensino e aprendizagem de forma a tornar as aulas dinâmicas e participadas, utilizando, nomeadamente, as novas tecnologias. Utilizar software educativo nas várias disciplinas. Divulgar, valorizar e reconhecer boas práticas e resultados. Diversificar processos e instrumentos de avaliação dos alunos. 10 / 14

11 Estratégias Objectivos Projecto Educativo 2009/2012 Meta: Promover a articulação e a sequencialidade entre os níveis e ciclos de educação e ensino do Agrupamento Promover atitudes reflexivas e espírito colaborativo. Fomentar formas cooperativas de trabalho docente. Adoptar uma maior exigência, rigor e responsabilização no cumprimento dos planos curriculares. Aprofundar experiências e vivências de maior proximidade em todos os níveis e ciclos de transição. Reuniões de articulação entre os diferentes níveis/ciclos de ensino para garantir a continuidade do processo ensino/aprendizagem. Momentos de articulação entre os coordenadores dos diferentes departamentos. Reuniões de articulação entre os coordenadores de departamento e os coordenadores de estabelecimento com a Direcção. Acções de formação e projectos de cooperação entre professores. Elaboração conjunta de instrumentos de planificação e de avaliação. Exposições e encontros com figuras públicas, de relevo, no panorama cultural, científico e profissional. Criação e divulgação de actividades de enriquecimento curricular que respondam às necessidades de aprendizagem e preferências dos alunos. Reunir os conselhos de turma de maneira a planificar actividades transversais aos programas e às disciplinas das áreas não curriculares e avaliar a sua aplicação. Divulgar os cursos de educação e formação e outros existentes nas escolas do Agrupamento. 11 / 14

12 Estratégias Objectivos Projecto Educativo 2009/2012 Meta: Fomentar a educação para a cidadania, valorizando a componente da educação para a saúde/sexualidade, assim como para as questões ambientais, históricas e culturais. Desenvolver nos alunos comportamentos e atitudes correctas na escola e na comunidade. Desenvolver nos alunos atitudes de auto-estima, respeito mútuo e regras de convivência. Sensibilizar a comunidade para a necessidade de preservação do património ambiental, histórico e cultural. Sensibilizar a comunidade educativa para o cumprimento do Regulamento Interno do Agrupamento. Conhecer as instituições, estruturas e funcionamento do sistema sócio-político nacional. Conhecer as instituições comunitárias e ter consciência do património comum europeu e da diversidade das suas culturas. Ser crítico e responsável na defesa e melhoria da qualidade de vida e do ambiente. Examinar criticamente a função e o poder das novas tecnologias de informação. Divulgar os direitos e deveres dos alunos Uniformizar e divulgar normas e regras de comportamento dos alunos. Adoptar a caderneta escolar como meio de comunicação entre os Encarregados de Educação e a escola. Articular com a Escola Segura e demais entidades, informações/actividades que possam ajudar a prevenir situações de conflito. Efectuar e divulgar junto da comunidade educativa um balanço dos comportamentos e atitudes inadequadas e respectivas medidas disciplinares adoptadas. Assegurar a participação dos alunos na escolha dos seus órgãos representativos. Promover Assembleias de turma/delegados. Consolidar a consciência de cidadania através da participação em projectos diversificados. Organizar campanhas de limpeza, educação, civismo e utilização racional das energias renováveis e dos ecopontos. Realizar exercícios de protecção civil. 12 / 14

13 Estratégias Objectivos Projecto Educativo 2009/2012 Meta: Intensificar e diversificar a participação de pais/encarregados de educação e comunidade local na dinâmica do Agrupamento Promover nos pais/encarregados de educação e comunidade uma cultura de participação na Escola. Incentivar os pais / encarregados de educação a representarem os seus interesses de forma organizada e a envolverem-se nos órgãos consultivos e decisores da Escola. Responsabilizar, de forma partilhada, os pais/encarregados de educação pelo acompanhamento escolar dos seus educandos. Desenvolver o diálogo e a comunicação entre todos. Participação nas reuniões de pais, nas actividades do Plano Anual de Actividades e nos órgãos de gestão. Contactos regulares com a escola. Acompanhamento dos resultados escolares e apoio ao estudo. Controle dos materiais escolares e da caderneta. Controle de atitudes e comportamentos. Realização de reuniões regulares entre os educadores/professores/directores de turma e encarregados de educação. Sessões de esclarecimento/debates/conferências para pais e encarregados de educação. Estabelecimento de parcerias/protocolos. Articulação com os Centros de Saúde para o desenvolvimento de acções conducentes à protecção e promoção da saúde global. Promoção de encontros com a finalidade de troca de experiências ligadas ao mundo do trabalho/profissões. Implementação de cursos, no âmbito das Novas Oportunidades, que contribuam para elevar o nível académico e profissional da comunidade. Realização de actividades conjuntas (datas festivas, exposições, encerramento do ano lectivo, ). Envolvimento das associações locais no acompanhamento escolar dos alunos. Dinamização de actividades culturais, lúdicas e recreativas. 13 / 14

14 As estratégias gizadas não se esgotam em cada uma das metas apontadas, são sim transversais aos objectivos que enunciámos. Este Projecto Educativo deverá enquadrar e orientar toda a acção educativa do Agrupamento ao longo do próximo triénio. Articula-se com o Regulamento Interno e será operacionalizado pelo Orçamento, pelo Plano Anual de Actividades, pelos Projectos Curriculares de Escola, pelos Projectos Curriculares de Turma e grupos e pela actividade individual de cada elemento da Comunidade Educativa. No sentido de se aferir se as estratégias definidas estão a ser implementadas e os resultados obtidos estão a ter sucesso, devem prever-se momentos de avaliação a fim de se proceder a adaptações e reajustamentos. 3 Avaliação do Projecto De acordo com o artigo 13º do Decreto-Lei nº 75/2008 compete ao Conselho Geral: c) Aprovar o projecto educativo e acompanhar e avaliar a sua execução. A avaliação deverá fornecer dados necessários para intervir no sentido de corrigir a coerência (relação entre o projecto e o problema), a eficácia (gestão e administração dos recursos e meios) e a eficiência (relação entre a acção e os resultados). 4 Considerações Finais O Projecto Educativo estará disponível para consulta na página Web do Agrupamento e em suporte de papel em cada uma das escolas. Será, também, divulgado através dos órgãos de gestão do Agrupamento a toda a Comunidade Educativa. Este Projecto Educativo, que nos conduzirá durante três anos, é um projecto flexível, norteando a nossa intervenção, é certo, mas dando-nos, em simultâneo, algum espaço de liberdade para adaptar a nossa actuação à realidade que nos rodeia. Este Projecto revela também uma Escola consciente do trabalho árduo que tem pela frente. Cientes da realidade, cumpre criar expectativas entusiasmantes que nos hão-de ajudar a ultrapassar adversidades, inerentes a uma Instituição como a nossa. O brio profissional e o empenho de todos levará, certamente, a que as sugestões feitas sejam analisadas e concretizadas sempre que possível, dentro de um espírito saudável e harmonioso de convivência que nos tem caracterizado e distinguido de muitos outros espaços e instituições escolares! 14 / 14

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015/2016 PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015-2016 POR UM AGRUPAMENTO DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA JI Fojo EB 1/JI Major David Neto EB 2,3 Prof. José Buísel E.S. Manuel Teixeira Gomes

Leia mais

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade)

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade) Escola Secundária da Ramada Plano Plurianual de Atividades Pro Qualitate (Pela Qualidade) 2014 A Escola está ao serviço de um Projeto de aprendizagem (Nóvoa, 2006). ii ÍNDICE GERAL Pág. Introdução 1 Dimensões

Leia mais

Projeto de Intervenção

Projeto de Intervenção Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Projeto de Intervenção 2014/2018 Hortense Lopes dos Santos candidatura a diretora do Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Braga, 17 abril de 2014

Leia mais

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES Agrupamento de Escolas Elias Garcia 2013/2016 1 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES 2013/2016 O Plano Plurianual de Atividades (PPA) constitui um dos documentos de autonomia,

Leia mais

Literacia, Cidadania, Sucesso

Literacia, Cidadania, Sucesso Literacia, Cidadania, Sucesso A existência humana é uma tarefa permanente de leitura da vida: ler a vida é escrever e reescrever o mundo. Rosa (2008: 107) Projecto Educativo 2010 / 2013 2 INTRODUÇÃO Dando

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria 2015l2017 ÍNDICE ÍNDICE: INTRODUÇÃO... 3 ÁREAS DE AÇÃO DE MELHORIA.... 4 PLANOS DE AÇÃO DE MELHORIA.. 5 CONCLUSÃO...

Leia mais

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma*

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Glória Macedo, PQND do 4º Grupo do 2º Ciclo do EB e Formadora do CFAE Calvet de Magalhães, Lisboa A Reorganização Curricular do Ensino Básico

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas Serra da Gardunha - Fundão Ano Lectivo 2010/2011 Ensino Básico A avaliação escolar tem como finalidade essencial informar o aluno, o encarregado de educação e o próprio professor,

Leia mais

ESCOLA PROFISSIONAL DE ALVITO PROJETO EDUCATIVO

ESCOLA PROFISSIONAL DE ALVITO PROJETO EDUCATIVO ESCOLA PROFISSIONAL DE ALVITO PROJETO EDUCATIVO Setembro 2013 ...A condição humana devia ser o objecto essencial de todo o ensino. (M.O. Mourin 2000) Índice 1-Introdução... 3 2 Caracterização do Meio...

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria

AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARRONCHES AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria JANEIRO 2014 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ANÁLISE QUALITATIVA... 1 3.... 5 3.1. Áreas de Melhoria... 5 3.2. Identificação

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA Plano Estratégico de Melhoria 2011-2012 Uma escola de valores, que educa para os valores Sustentabilidade, uma educação de, e para o Futuro 1. Plano Estratégico

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014 / 2017

PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014 / 2017 PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014 / 2017 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PRADO Plano Estratégico de Melhoria 2014/2017 O Plano de Melhoria da Escola é um instrumento fundamental para potenciar o desempenho

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento Agrupamento de Escolas da Trofa Plano de Melhoria e Desenvolvimento Biénio 2015/2017 INTRODUÇÃO A autoavaliação e a avaliação externa são procedimentos obrigatórios e enquadrados na Lei n.º 31/2002, de

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico Os conhecimentos e capacidades a adquirir e a desenvolver pelos alunos de cada nível e de cada ciclo de ensino têm como referência os programas

Leia mais

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores Projeto Educativo Educar para a Cidadania Preâmbulo O Projeto Educativo é o documento que consagra a orientação educativa

Leia mais

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM Ano Letivo 2011/2012 Marinha Grande, Setembro de 2011 1. Índice: Índice 2 1. Introdução 3 2. Caracterização

Leia mais

COMISSÃO PERMANENTE DO CONSELHO GERAL. Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010

COMISSÃO PERMANENTE DO CONSELHO GERAL. Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010 Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010 O presente relatório traduz a avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento Vertical de Escolas de Leça da Palmeira/Santa Cruz do

Leia mais

Externato Académico. Projeto Educativo

Externato Académico. Projeto Educativo Externato Académico Projeto Educativo 2015-2018 Índice 1. Introdução... 3 2. Caracterização... 4 2.1. Recursos materiais e educativos... 5 3. Princípios orientadores... 7 3.1.Missão, Visão, Objetivos e

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Arronches. Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar

Agrupamento de Escolas de Arronches. Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar Agrupamento de Escolas de Arronches Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar João Garrinhas Agrupamento de Escolas de Arronches I. PRINCIPIOS, VALORES E MISSÃO DO AGRUPAMENTO

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016 Plano Anual de Atividades 2015/ 2016 Ser,Intervir e Aprender PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016 Sede: ES de Mem Martins EB23 Maria Alberta Menéres; EB1 de Mem Martins n.º2; EB1 com JI da Serra das Minas

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO. Indicações para Operacionalização 2012-2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO. Indicações para Operacionalização 2012-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO Indicações para Operacionalização 2012-2015 O Plano Anual de Atividades do Agrupamento é relevante para toda a Comunidade Educativa. Por ele se operacionalizam

Leia mais

PROJECTO EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE

PROJECTO EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE PROJECTO EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE 2009/2010 Índice ÍNDICE... 1 1. IDENTIFICAÇÃO... 2 2. FUNDAMENTAÇÃO... 2 3. FINALIDADES/OBJECTIVOS... 3 4. ESTRATÉGIA OPERATIVA/METODOLOGIA... 3 4.1. PÚBLICO-ALVO... 3 4.2.

Leia mais

Agrupamento Vertical de Escolas de Mondim de Basto. Agrupamento de Escolas de Mondim de Basto

Agrupamento Vertical de Escolas de Mondim de Basto. Agrupamento de Escolas de Mondim de Basto Agrupamento de Escolas de Mondim de Basto A educação é aquilo que permanece depois de esquecermos tudo o que nos foi ensinado Halifax Índice 1 Introdução... 1 2 - Enquadramento legal... 1 I - Perfil...

Leia mais

Regulamento Interno. Dos Órgãos. de Gestão. Capítulo II. Colégio de Nossa Senhora do Rosário

Regulamento Interno. Dos Órgãos. de Gestão. Capítulo II. Colégio de Nossa Senhora do Rosário Colégio de Nossa Senhora do Rosário Capítulo II Dos Órgãos Regulamento Interno de Gestão Edição - setembro de 2012 Índice do Capítulo II Secção I Disposições Gerais 1 Secção II Órgãos e Responsáveis das

Leia mais

Projeto Educativo de Escola

Projeto Educativo de Escola Projeto Educativo de Escola Professor 2012-2016 Índice 1. Identificação 02 2. Introdução 03 3. Princípios... 04 4. Valores.. 06 5. Objetivos Metas Estratégias... 07 6. Avaliação 11 7. Bibliografia 12 8.

Leia mais

NOTA INTRODUTÓRIA 2 1. ENQUADRAMENTO LEGAL 3

NOTA INTRODUTÓRIA 2 1. ENQUADRAMENTO LEGAL 3 ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA 2 1. ENQUADRAMENTO LEGAL 3 1.1 Formação do Pessoal Docente 3 1.2 Formação do Pessoal Não Docente 4 1.3 Formação orientada para os alunos 4 1.4 Formação orientada para os pais e

Leia mais

Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar. e no Ensino Básico Relatório-Síntese. Agrupamento de Escolas n.º 1 de Évora

Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar. e no Ensino Básico Relatório-Síntese. Agrupamento de Escolas n.º 1 de Évora Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar e no Ensino Básico Relatório-Síntese Agrupamento de Escolas n.º 1 de Évora AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N.º 1 DE ÉVORA CÓDIGO 135537 CONCELHO DE ÉVORA DELEGAÇÃO REGIONAL

Leia mais

Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade

Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade Índice Nota Introdutória Legislação Conceitos/Glossário de termos Princípios Orientadores e finalidades Documentos Nota Introdutória:

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA REGULAMENTO INTERNO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA REGULAMENTO INTERNO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA REGULAMENTO INTERNO 2014 ÍNDICE CAPÍTULO I CAPÍTULO II DEFINIÇÃO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO 04 ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO SECÇÃO 1 CONSELHO GERAL 06 SECÇÃO 2 DIREÇÃO

Leia mais

GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico

GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico Relatório 008-009 Colecção Relatórios FICHA TÉCNICA Título Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar e no

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016 PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016 JULHO 2015 1. Enquadramento. O presente Plano Estratégico para o ano 2015-2016, dá cumprimento ao disposto no artigo 15.º do Despacho Normativo n.º6/2014, de 26 de maio. Apresentam-se

Leia mais

Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade

Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade Índice Preâmbulo... 2 I - Órgãos de Administração e Gestão. 2 Secção I - Legislação aplicável. 2 Secção II - Conselho Geral. 2 Secção III - O Director. 4 Secção IV - Conselho Administrativo 5 Secção V

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016

PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016 PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016 1. INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO Nos termos do Artigo 15.º, do Despacho Normativo n.º7/2013, 11 de julho No final de cada ano escolar, o conselho pedagógico avalia o

Leia mais

Introdução... 3. Diagnóstico estratégico... 5. Visão e missão... 7. Finalidades e objetivos estratégicos... 8. Monitorização e avaliação...

Introdução... 3. Diagnóstico estratégico... 5. Visão e missão... 7. Finalidades e objetivos estratégicos... 8. Monitorização e avaliação... PROJETO EDUCATIVO Triénio 2012/2015 Colaborar, Formar, Construir o Futuro ESCOLA SECUNDÁRIA DA BAIXA DA BANHEIRA Página 1 de 16 Índice Introdução... 3 Diagnóstico... 5 Visão e missão... 7 Finalidades e

Leia mais

Plano de ação da biblioteca escolar

Plano de ação da biblioteca escolar AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA GAFANHA DA ENCARNÇÃO Plano de ação da biblioteca escolar 2013-2017 O plano de ação constitui-se como um documento orientador de linhas de ação estratégicas, a desenvolver num

Leia mais

REGULAMENTO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

REGULAMENTO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA REGULAMENTO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS CURSOS DE MESTRADO QUE CONFEREM HABILITAÇÃO PROFISSIONAL PARA A DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E NO ENSINO BÁSICO O presente regulamento estabelece o enquadramento

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Pegões, Canha e Santo Isidro

Agrupamento de Escolas de Pegões, Canha e Santo Isidro Agrupamento de Escolas de Pegões, Canha e Santo Isidro Escola Sede: E.B. 2,3 de Pegões 1. FUNCIONAMENTO DO SPO Desenvolve o seu trabalho com base em atribuições e competências legais, adaptadas ao contexto

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Referentes e instrumentos de trabalho Setembro de 2009 Colecção Outras publicações FICHA TÉCNICA Título Avaliação Externa das Escolas Referentes

Leia mais

António José Cardoso Pires da Silva

António José Cardoso Pires da Silva (PLANO DE INTERVENÇÃO APRESENTADO PELO DIRECTOR AO CONSELHO GERAL TRANSITÓRIO) Quadriénio 2010/2014 Director António José Cardoso Pires da Silva INTRODUÇÃO O conhecimento do Agrupamento Marquês de Pombal

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO - PROJETO DO CONTRATO DE AUTONOMIA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO - PROJETO DO CONTRATO DE AUTONOMIA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO - PROJETO DO CONTRATO DE AUTONOMIA ANEXO II DOMÍNIO: GESTÃO E DESENVOLVIMENTO CURRICULAR Estudex PROJETOS ATIVIDADES ESTRATÉGIAS PARCERIAS CALENDARIZAÇÃO Sala de estudo para o

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS de AVALIAÇÃO na EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

CRITÉRIOS GERAIS de AVALIAÇÃO na EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos Departamento da Educação Pré Escolar CRITÉRIOS GERAIS de AVALIAÇÃO na EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Introdução A avaliação é um elemento integrante e regulador da prática

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação

Regimento do Conselho Municipal de Educação Considerando que: 1- No Município do Seixal, a construção de um futuro melhor para os cidadãos tem passado pela promoção de um ensino público de qualidade, através da assunção de um importante conjunto

Leia mais

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS INSTI INSTUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO

Leia mais

Nº 13 AEC - Papel e Acção na Escola. e-revista ISSN 1645-9180

Nº 13 AEC - Papel e Acção na Escola. e-revista ISSN 1645-9180 1 A Escola a Tempo Inteiro em Matosinhos: dos desafios estruturais à aposta na formação dos professores das AEC Actividades de Enriquecimento Curricular Correia Pinto (*) antonio.correia.pinto@cm-matosinhos.pt

Leia mais

Promover o sucesso escolar e educativo

Promover o sucesso escolar e educativo Viver em família na escola Escola Comunidade Educativa Organização caracterizada pelos princípiosp de aprender a ser, aprender a aprender, de educação para a vida e de educação educação permanente. Promover

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 609/XI/2.ª

PROJECTO DE LEI N.º 609/XI/2.ª Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 609/XI/2.ª Cria o Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família Exposição de motivos A Escola defronta-se hoje com uma multiplicidade de tarefas a que a sociedade e principalmente

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS Cód. 161007 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MEALHADA DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO Ano lectivo 2010-2011 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS A avaliação das crianças e dos alunos (de diagnóstico,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DOS SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO Artigo 1º Objectivo e Âmbito 1. Os (SPO) constituem um dos Serviços Técnico-Pedagógicos previsto no artigo 25º alínea a) do Regulamento Interno

Leia mais

Projecto de Intervenção 2010-2014

Projecto de Intervenção 2010-2014 Projecto de Intervenção 2010-2014 Desafios da Boa Água AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA BOA-ÁGUA QUINTA DO CONDE - SESIMBRA Nuno Mantas Maio de 2010 1. Introdução O Agrupamento de Escolas da Boa-Água foi criado

Leia mais

Plano Anual Actividades. Associação de Pais e Encarregados de Educação EBI Rainha D.Leonor Lencastre

Plano Anual Actividades. Associação de Pais e Encarregados de Educação EBI Rainha D.Leonor Lencastre Plano Anual Actividades Associação de Pais e Encarregados de Educação EBI Rainha D.Leonor Lencastre 2014/2015 INDICE Nota Introdutória 3 1. Áreas de ação 4 2. Representatividade 4 3. Divulgação/Informação

Leia mais

CONHECER OS DIREITOS E DEVERES DOS ALUNOS

CONHECER OS DIREITOS E DEVERES DOS ALUNOS ESTATUTO DO ALUNO DIREITOS E DEVERES - LEI 39/2010, DE 2 DE SETEMBRO Artigo 7.º Responsabilidade dos alunos 1. Os alunos são responsáveis, em termos adequados à sua idade e capacidade de discernimento,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO SABUGAL. Relatório de AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO SABUGAL. Relatório de AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO SABUGAL * * * Relatório de AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE GRELHA DE OBJECTIVOS INDIVIDUAIS DO PESSOAL DOCENTE (Decreto Regulamentar Nº 2/2008, de 10 de Janeiro) Identificação

Leia mais

INSTITUTO INÁCIO DE LOYOLA CERNACHE COIMBRA. nep.010.1 Página 1 de 9

INSTITUTO INÁCIO DE LOYOLA CERNACHE COIMBRA. nep.010.1 Página 1 de 9 COLÉGIO DA IMACULADA CONCEIÇÃO REGULAMENTO Serviços de Psicologia e de Orientação INSTITUTO INÁCIO DE LOYOLA CERNACHE COIMBRA nep.010.1 Página 1 de 9 Índice Índice... 2 1. Definição dos Serviços... 3 2.Objectivos....3

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL

REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s S a n t o s S i m õ e s Regulamento Interno Serviço de Educação Especial 1 Artigo 1.º Definição 1.1. O Presente documento define e regula o funcionamento e a missão

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA - FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA - FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA - FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA, FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA, FELGUEIRAS 1 Índice

Leia mais

PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO

PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO AE de maximinos EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO 2012/2013 Equipa de Autoavaliação Alcina Pires Ana Paula Couto Antonieta Silva António Rocha Beatriz Gonçalves José Pedrosa Paula Mesquita

Leia mais

Projeto Educativo. Creche Humanus C.A.M. Resposta Social Creche D O C. 0 0 3. 0 2. C R E. Página 1 de 11. Funcionamento com apoio:

Projeto Educativo. Creche Humanus C.A.M. Resposta Social Creche D O C. 0 0 3. 0 2. C R E. Página 1 de 11. Funcionamento com apoio: Projeto Educativo Creche Humanus C.A.M. 1 de 11 Índice Introdução... 3 Quem somos?...3 As Dimensões do Projeto Educativo Dimensão Global da Criança.. 5 Dimensão Individual.... 6 Dimensão das Aquisições..

Leia mais

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE PARTE A (a preencher pelo coordenador do departamento curricular ou pelo conselho executivo se o avaliado for coordenador de um departamento curricular)

Leia mais

Projeto Educativo de Creche e Jardim de Infância

Projeto Educativo de Creche e Jardim de Infância Creche e Jardim de Infância O Jardim dos Palhacinhos Projeto Educativo de Creche e Jardim de Infância 1 Albufeira, Março 2014 Gerência: Índice Índice... 2 Introdução... 3 1. Caracterização da instituição...

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente regulamento de avaliação de desempenho aplica-se a todos os docentes que se encontrem integrados na carreira. 2 - A avaliação

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

PROJETO DO DESPORTO ESCOLAR

PROJETO DO DESPORTO ESCOLAR COORDENADOR: Vanda Teixeira 1. FUNDAMENTAÇÃO/ CONTEXTUALIZAÇÃO/ JUSTIFICAÇÃO a) O Desporto Escolar constitui uma das vertentes de atuação do Ministério da Educação e Ciência com maior transversalidade

Leia mais

GESTÃO CURRICULAR LOCAL: FUNDAMENTO PARA A PROMOÇÃO DA LITERACIA CIENTÍFICA. José Luís L. d`orey 1 José Carlos Bravo Nico 2 RESUMO

GESTÃO CURRICULAR LOCAL: FUNDAMENTO PARA A PROMOÇÃO DA LITERACIA CIENTÍFICA. José Luís L. d`orey 1 José Carlos Bravo Nico 2 RESUMO GESTÃO CURRICULAR LOCAL: FUNDAMENTO PARA A PROMOÇÃO DA LITERACIA CIENTÍFICA José Luís L. d`orey 1 José Carlos Bravo Nico 2 RESUMO Resumo A Reorganização Curricular formalmente estabelecida pelo Decreto-lei

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS RUY BELO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS RUY BELO PLANO DE FORMAÇÃO 1 PLANO DE FORMAÇÃO Índice Introdução 4 Pressupostos teóricos 5 Enquadramento legal 7 Âmbito da formação (objetivos) 9 Docentes Não docentes Pais e encarregados de educação Levantamento

Leia mais

Lei n.º 21/2008 de 12 de Maio

Lei n.º 21/2008 de 12 de Maio Lei n.º 21/2008 de 12 de Maio Primeira alteração, por apreciação parlamentar, ao Decreto-Lei n.º 3/2008, de 7 de Janeiro, que define os apoios especializados a prestar na educação pré-escolar e nos ensinos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE EIXO Escola Básica Integrada de Eixo. Ano letivo 2012/2013

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE EIXO Escola Básica Integrada de Eixo. Ano letivo 2012/2013 RELATÓRIO FINAL DE EXECUÇÃO DO PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES RELATIVO A 2012/2013 1 - Enquadramento O presente relatório tem enquadramento legal no artigo 13.º alínea f, do Decreto -Lei nº 75/2008, de 22

Leia mais

ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Leiria A.1.a. Identificação

Leia mais

O relatório de avaliação do plano é aprovado pelo Conselho Pedagógico e apresentado na última reunião do ano letivo do Conselho Geral.

O relatório de avaliação do plano é aprovado pelo Conselho Pedagógico e apresentado na última reunião do ano letivo do Conselho Geral. Nos termos do Artigo 15.º, do Despacho Normativo n.º7/2013, 11 de julho No final de cada ano escolar, o conselho pedagógico avalia o impacto que as atividades desenvolvidas tiveram nos resultados escolares

Leia mais

Agrupamento de Escolas n.º 2 de Beja. Regulamento Interno. Biblioteca Escolar

Agrupamento de Escolas n.º 2 de Beja. Regulamento Interno. Biblioteca Escolar Agrupamento de Escolas n.º 2 de Beja Regulamento Interno 2014 1. A 1.1. Definição de A é um recurso básico do processo educativo, cabendo-lhe um papel central em domínios tão importantes como: (i) a aprendizagem

Leia mais

Avaliação interna e monitorização do Projeto Educativo do AEVP 2014/2015. Avaliação Interna. e monitorização do. Projeto Educativo do Agrupamento

Avaliação interna e monitorização do Projeto Educativo do AEVP 2014/2015. Avaliação Interna. e monitorização do. Projeto Educativo do Agrupamento Avaliação Interna e monitorização do Projeto Educativo do Agrupamento 2014-2015 0 1. INTRODUÇÃO No ano letivo (2012/13), no nosso agrupamento, concluiu-se um processo de autoavaliação iniciado em 2009/10,

Leia mais

I [Escreva o subtítulo do documento] ESCOLA C+S DE CAMINHA

I [Escreva o subtítulo do documento] ESCOLA C+S DE CAMINHA ATL,LDA TEL.:(053)215650 PROJETO DE INTERVENÇÃO º 4776/2014, de 8 de abril I [Escreva o subtítulo do documento] ESCOLA C+S DE CAMINHA Agrupamento de Escolas Sidónio Pais, Caminha Concurso prévio à eleição

Leia mais

Projeto Educativo de Escola

Projeto Educativo de Escola -- Escola Secundária da Ribeira Grande Projeto Educativo de Escola 2013-2016 Projeto apreciado em reunião de Conselho Pedagógico do dia 2 de maio de 2013 B Escola Secundária da Ribeira Grande - Projeto

Leia mais

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE IDENTIFICAÇÃO Unidade Orgânica: Docente avaliado: Departamento

Leia mais

Quais os alunos que devem ser apoiados pela educação especial?

Quais os alunos que devem ser apoiados pela educação especial? Quais os alunos que devem ser apoiados pela educação especial? Para efeitos de elegibilidade para a educação especial deve-se, antes de mais, ter presente o grupo - alvo ao qual esta se destina alunos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Decreto-Lei n.º 3/2008 de 7 de Janeiro

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Decreto-Lei n.º 3/2008 de 7 de Janeiro MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Decreto-Lei n.º 3/2008 de 7 de Janeiro Constitui desígnio do XVII Governo Constitucional promover a igualdade de oportunidades, valorizar a educação e promover a melhoria da qualidade

Leia mais

Intervenção Psicossocial na Freguesia de São Julião do Tojal, especificamente no Bairro CAR

Intervenção Psicossocial na Freguesia de São Julião do Tojal, especificamente no Bairro CAR Comissão Social de Freguesia de São Julião do Tojal Intervenção Psicossocial na Freguesia de São Julião do Tojal, especificamente no Bairro CAR 1- Enquadramento do Projecto A freguesia de São Julião do

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA Escola Básica e Secundária do Levante da Maia PLANO DE OCUPAÇÃO PLENA DE TEMPOS ESCOLARES 2013-2017 Crescer, Saber e Ser Página 0 (Anexo I) ÍNDICE I. Nota Introdutória

Leia mais

2010/2011. Instituto de S. Tiago, Cooperativa de Ensino C.R.L.

2010/2011. Instituto de S. Tiago, Cooperativa de Ensino C.R.L. Plano de 2010/2011 Instituto de S. Tiago, Cooperativa de Ensino C.R.L. Plano de de Pessoal Docente e Não Docente 2010/11 INTRODUÇÃO O Plano de do Instituto de S. Tiago surge da cooperação entre todas as

Leia mais

O futuro não pode ser previsto, mas pode ser inventado. É a nossa habilidade de inventar o futuro que nos dá esperança para fazer de nós o que somos.

O futuro não pode ser previsto, mas pode ser inventado. É a nossa habilidade de inventar o futuro que nos dá esperança para fazer de nós o que somos. O futuro não pode ser previsto, mas pode ser inventado. É a nossa habilidade de inventar o futuro que nos dá esperança para fazer de nós o que somos. Dennis Gabor Agrupamento de Escolas João Roiz de Castelo

Leia mais

Direitos e Deveres dos Alunos e Pais / Encarregados de Educação

Direitos e Deveres dos Alunos e Pais / Encarregados de Educação ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS CÓNEGO JOÃO JACINTO GONÇALVES DE ANDRADE Morada: Estrada da Lapa, 9350-079 Campanário Contactos: Correio Eletrónico: eb23jjgandrade@madeira-edu.pt Telefone: 291950310 Fax:

Leia mais

PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL

PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL A Amnistia Internacional Portugal defende a manutenção Formação Cívica nos 2.º

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL TEIXEIRA GOMES

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL TEIXEIRA GOMES Inovação e Qualidade Plano de Ação Estratégico - 2012/2013 ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL TEIXEIRA GOMES PROJECTO DE INTERVENÇÃO PLANO DE ACÇÃO ESTRATÉGICO 2012/2013 Escola de Oportunidades e de Futuro Telmo

Leia mais

AGENDA DAS VISITAS AGRUPAMENTOS

AGENDA DAS VISITAS AGRUPAMENTOS AGENDA DAS VISITAS AGRUPAMENTOS 8h45 9h00-11h00 11h00-12h30 12h30 14h30-16h30 17h00-18h00 18h00 1.º dia Chegada à escola-sede do Agrupamento Sessão de apresentação do Agrupamento pela Direcção e primeira

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DA BAIXA DA BANHEIRA

ESCOLA SECUNDÁRIA DA BAIXA DA BANHEIRA ESCOLA SECUNDÁRIA DA BAIXA DA BANHEIRA Ano lectivo 2010 / 2011 Introdução De modo a dar cumprimento à legislação em vigor, tendo como base os objectivos do Projecto Educativo: Diminuir o Insucesso e abandono

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO DA CRECHE

PROJECTO EDUCATIVO DA CRECHE PROJECTO EDUCATIVO DA CRECHE Uma proposta educativa própria de uma instituição e a forma global como se organiza para proporcionar às crianças o desenvolvimento do seu potencial, a experienciá-lo e a vivenciá-lo.

Leia mais

Novembro de 2008 ISBN: 978-972-614-430-4. Desenho gráfico: WM Imagem Impressão: Editorial do Ministério da Educação Tiragem: 5 000 exemplares

Novembro de 2008 ISBN: 978-972-614-430-4. Desenho gráfico: WM Imagem Impressão: Editorial do Ministério da Educação Tiragem: 5 000 exemplares Título: Educação em Números - Portugal 2008 Autoria: Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE)/Ministério da Educação Edição: Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE)/Ministério

Leia mais

Agrupamento de Escolas Venda do Pinheiro 121423. Regulamento Interno 2013/2017

Agrupamento de Escolas Venda do Pinheiro 121423. Regulamento Interno 2013/2017 Agrupamento de Escolas Venda do Pinheiro 121423 Regulamento Interno 2013/2017 Conselho Geral, 16 de janeiro de 2014 Alterações introduzidas a 10 de setembro de 2014 Alterações introduzidas a 15 de dezembro

Leia mais

Rede Social do Concelho de Pampilhosa da Serra

Rede Social do Concelho de Pampilhosa da Serra Rede Social do Concelho de Pampilhosa da Serra O Plano de para o ano de 2006 constitui-se enquanto instrumento de trabalho tendo sido construído com base no Plano Desenvolvimento Social. Apresenta um conjunto

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA. Julho de 2012

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA. Julho de 2012 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA Julho de 2012 Rua da Verónica, 37, 1170-384 Lisboa Tel: 218860041/2 Fax: 218868880 Email: geral@aegv.pt INDICE I. Introdução. 3 II. Ponto de partida.....

Leia mais

Manual de Procedimentos no âmbito da Educação Especial

Manual de Procedimentos no âmbito da Educação Especial AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA NOVA DE PAIVA Escola Sede: Escola Secundária de Vila Nova de Paiva Rua Padre Joaquim Rodrigues da Cunha 3650-219 Vila Nova de Paiva Telefone: 232609020 Fax:232609021 http://esvnp.prof2000.pt

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Mourão REGULAMENTO INTERNO

Agrupamento de Escolas de Mourão REGULAMENTO INTERNO Agrupamento de Escolas de Mourão REGULAMENTO INTERNO versão de outubro de 2013 INTRODUÇÃO O Regulamento Interno aparece como o documento que define o regime de funcionamento do Agrupamento de Escolas,

Leia mais

ESCOLAR GESTÃO E ADMINISTRAÇÃO. Plano Municipal para Gestão Escolar 2015/2017

ESCOLAR GESTÃO E ADMINISTRAÇÃO. Plano Municipal para Gestão Escolar 2015/2017 GESTÃO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Plano Municipal para Gestão Escolar 2015/2017 Município de Cabeceiras de Basto Praça da República, 467 4860-355 Cabeceiras de Basto www. cabeceirasdebasto.pt Câmara Municipal

Leia mais

Plano de Estudos e de Desenvolvimento Curricular. Agrupamento de Escolas de Castelo de Paiva 2014-2015

Plano de Estudos e de Desenvolvimento Curricular. Agrupamento de Escolas de Castelo de Paiva 2014-2015 Plano de Estudos e de Desenvolvimento Curricular Agrupamento de Escolas de Castelo de Paiva 2014-2015 O presente documento é um instrumento que define as estratégias de desenvolvimento do currículo nacional,

Leia mais

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa CORECARD > MONITORIZAÇÃO Organização e Processos de Gestão Estratégica Liderar e criar uma cultura de escola Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

Leia mais

PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CADAVAL

PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CADAVAL PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CADAVAL 2015/2016 A EQUIPA: Fátima Martins, Manuela Parreira, Ana Paula Melo, Vera Moura, Manuela Simões, Anabela Barroso, Elsa Carvalho, Graça

Leia mais

Introdução. 1.2 Escola Católica

Introdução. 1.2 Escola Católica Introdução A Escola Sagrada Família Externato é uma Escola Católica e é regida pelo Ideário das Escolas da Congregação das Irmãs Franciscanas de Nossa Senhora das Vitórias e o Estatuto da Associação Portuguesa

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS 2º CEB. Introdução

PLANO DE ESTUDOS 2º CEB. Introdução Introdução Entre os 10 e 12 anos, as crianças necessitam que lhes seja despertado e estimulado o seu desejo de aprender. No Colégio Pedro Arrupe pretendemos estimular e promover esse desejo, desenvolvendo

Leia mais

AVALIAÇÃO FINAL DO PROJETO EDUCATIVO 2010/2013

AVALIAÇÃO FINAL DO PROJETO EDUCATIVO 2010/2013 AVALIAÇÃO FINAL DO PROJETO EDUCATIVO 2010/2013 O presente documento constitui-se como uma avaliação final que procura refletir, não só a evolução dos aspetos indicados nas avaliações anteriores como também

Leia mais