SETIS- III Seminário de Tecnologia Inovação e Sustentabilidade 4 e 5 de novembro de 2014.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SETIS- III Seminário de Tecnologia Inovação e Sustentabilidade 4 e 5 de novembro de 2014."

Transcrição

1 Metodologia de desenvolvimento de software de baixa complexidade: estudos iniciais Juliana da Rosa Dias Renan Alberto de Souza Resumo: Esse artigo tem como objetivo apresentar uma proposta de metodologia variante de duas outras, que seja aplicável ao desenvolvimento de software de baixa complexidade. A metodologia proposta se baseia em metodologias difundidas e na conceituação de termos chaves para o gerenciamento de projetos de software. Como resultado procura-se evidenciar um método adequado as necessidades de um desenvolvedor de software considerado de baixa complexidade. Palavras-chave: Metodologia. Software. Desenvolvimento. Complexidade. 1 Introdução Enquanto as abordagens descritas na literatura, com suas diversas metodologias e artefatos, sobre o desenvolvimento de software permitir que seja possível abstrair, melhorar, aprimorar ou customizar as técnicas de desenvolvimento padrão, é necessário à busca de uma mescla de processos já conhecidos em prol da agilidade. Este artigo, não tem como foco, abranger sobre todas as possibilidades, mas sim, focar em um método simplificado para o bom desenvolvimento de softwares de baixa complexidade. Para Bruyne et. al. (1977) a metodologia é a sequência lógica dos procedimentos científicos. Como base para este estudo, serão combinadas as metodologias propostas por EUAX (2011) e proposta por Martins (2010). Enquanto, a primeira tem o corporativo como cerne de seu público-alvo, o segundo tem a equipe de gerenciamento de software como foco. Apesar das diferenças, uma combinação das duas metodologias pode contribuir para uma metodologia híbrida adequada para projetar um software de baixa complexidade considerando a necessidade de documentação e atividades do desenvolvimento para a qualidade do produto final. Entende-se que o atendimento aos stackholders sem sobrecarregar a equipe de desenvolvimento com inúmeras reuniões, permitirá uma maior agilidade sem a perda de qualidade quando da entrega do produto. O desafio deste artigo está em formatar uma metodologia voltada a baixa complexidade, onde busca-se o que seria essencial ao 142

2 projeto, sem um descarte prévio do que não seria aderente ao mesmo, como em outras metodologias. 2 Revisão da literatura 2.1 Análise de requisitos de projetos de software Segundo Software Engeneering Institute (SEI) citado por Tonsig (2008, p.65), desenvolvimento de software é uma forma de engenharia que aplica os princípios da Ciência da Computação e Matemática para alcançar soluções com melhor custobenefício para o problema do software. Atualmente Tonsig (2008) classifica os tipos de software pelos seguintes grupos: Software básico Interage com o hardware, exemplo sistemas operacionais; Software aplicativo Utiliza o software básico para funções específicas, exemplo aplicativo de jogos; Software embutido Inseridos num hardware, assumindo a responsabilidade da operacionalidade, exemplo micro-ondas. Os três grandes grupos definidos anteriormente, por si só, não os caracterizam como software de alta ou baixa complexidade. Para esta análise, o contexto da situação problema, alinhados a expectativas dos envolvidos é que determinará a sua complexidade Desenvolvimento de software A lógica determina que a construção ou desenvolvimento de software depende, inicialmente, de uma proposta específica, geralmente, tida como situação-problema. O simples saber e a busca requisito de como resolver o problema, segundo Tonsig (2008, p.77) é a primeira etapa para o desenvolvimento, também contempladas de projeto/desenvolvimento e implantação/manutenção. Os modelos que Tonsig (2008), cita de desenvolvimento são resumidamente: 143

3 Modelo Balbúrdia Modelo onde apenas o efeito é buscado sem nenhum cuidado com as interdependências do software; Modelo Cascata Modelo onde à sequência impera e ao fim de uma etapa, se inicia a próxima; Modelo Incremental Modelo onde permite a subdivisão de atividades e que estas possam ocorrer em paralelo; Modelo Prototipação Permite uma interação maior do utilizador com o desenvolvimento, já que não se aguarda toda a finalização para implementação; Modelo Espiral Modelo segregado em quatro etapas, a cada novo desenvolvimento: planejamento, busca de alternativas, desenvolvimento e validação; Modelos Mistos ou Genéricos Modelos onde há uma derivação dos modelos já citados para uma melhor adequação da metodologia. A metodologia de desenvolvimento de software aplicativo proposto neste trabalho será utilizando os modelos mistos ou genéricos, também conhecidos como modelos híbridos Regra de negócios Segundo Gottesdiener (1999, apud BEZZERA, 2007, p. 85): regras do negócio são políticas, condições ou restrições que devem ser consideradas na execução dos processos existentes em uma organização. A regra de negócio é um termo associado na fase inicial, tida como levantamento de requisitos ou escopo do projeto conforme complexidade do projeto e tem como função determinar a forma com a qual a empresa ou organização trabalha. Requisitos estes, que podem ser redundantes ou não, nas atividades padrões de levantamento de requisitos. Um documento pode ser formulado nesta etapa efetuando a conexão da regra de negócio, com o escopo do projeto, o exemplo abaixo é a sugestão feita por Bezerra (2007, p.86): Figura 1: Quadro de Regras de Negócios. 144

4 Nome Quantidade de inscrições possíveis (RN01) Descrição Um aluno não pode se inscrever em mais de seis disciplinas por semestre letivo. Fonte Coordenador da escola de informática Histórico Data de identificação: 12/07/2014 Fonte: Bezerra (2007, p.86) Este documento cita qual regra de negócio 01 o novo software deve respeitar. Cita quem determinou a regra e em que momento, para caso o escopo seja alterado, se tenha o controle das alterações. Detalhes intrínsecos nem sempre são percebidos pelos analistas de requisitos, já que estes nem sempre detêm a vivência teoria/prática no processo do cliente/utilizador, com isso, o aprimoramento permitirá complementar a técnica de levantamento requisitos Técnicas de levantamento de requisitos Para que um escopo de projeto possa ser devidamente levantado, algumas técnicas podem ser aplicadas. Tonsig (2008, p. 129) as identifica como sendo: Aplicação de questionários Perguntas pertinentes à pesquisa; Cenários participativos Reunião com participantes do processo; Entrevistas Perguntas verbais pertinentes à pesquisa; Observação Participação via observação do problema; As técnicas em conjunto ou isoladamente, podem trazer uma maior qualidade e atenção aos detalhes pouco esclarecidos ou não esclarecidos pelo cliente/utilizador do software. O que para um desenvolvimento de baixa complexidade, poderá se tornar o diferencial do atendimento pleno de todos os requisitos, inclusive o tempo de entrega. A devida utilização das técnicas de levantamento de requisitos, sempre dependerá da situação-problema, haja vista que, situações recorrentes não necessitam de uma nova geração de requisitos, apenas uma aplicação do escopo. Cabe ao analista, saber definir se a situação realmente é recorrente ou não. 145

5 2.1.4 Escopo do projeto Escopo de projeto é a definição das fronteiras da solicitação de desenvolvimento, também exemplificadas como objetivos. Quanto mais detalhado e preciso o levantamento do escopo, menor a probabilidade de erros de desenvolvimento, documentação e implantação. A primeira atividade de gerência de projetos deve ser o estabelecimento de um conjunto claro de objetivos e requisitos iniciais do projeto. [...] Deve haver uma definição clara da abrangência do software que será desenvolvido, estabelecendo-se as necessidades de recursos para uma estimativa assertiva de custo. (TONSIG, 2008, p. 97). Durante a fase de criação do escopo, outros dois conceitos são e devem ser amplamente utilizados, requisitos funcionais e não funcionais. Formalmente, um requisito é uma condição ou capacidade que deve ser alcançada ou possuída por um sistema ou componente deste para satisfazer um contrato, padrão, especificação ou outros documentos formalmente impostos. (Maciaszek (2000), citado por BEZZERA, 2007, p.22) Bezzera (2007, p.23) ainda classifica os requisitos conforme definições abaixo: Requisitos Funcionais Determinam o que o software deve conter, com base na necessidade da empresa/utilizador; Requisitos Não-Funcionais Determinam o que o software deve conter para que se torne utilizável. O desenvolvimento de software aplicativo de baixa complexidade proposto neste artigo, não está ligado à supressão em prol da agilidade, mas sim, na análise crítica para utilização dos artefatos chaves em busca de uma metodologia madura e moldável, permitindo assim que seja flexível e profissional. Com isto, a análise da gerência de projeto é que definirá os documentos pertinentes ao projeto, mas apesar da baixa complexidade recomenda-se sempre que possível à documentação dos requisitos funcionais a fim de quantificar os requisitos que devem obrigatoriamente serem atendidos. 146

6 Juntamente, com o escopo do projeto, é natural que diversos outros documentos sejam gerados a fim de documentar e nortear ações futuras, como planilha de recursos humanos, que poderá identificar os recursos colaboradores envolvidos no projeto Desenvolvimento ágil Além do gerenciamento do desenvolvimento de software, a agilidade deve também ser aplicada durante a implementação. Segundo o Manifesto para o Desenvolvimento Ágil de Software (Pressman, 2011, p. 81), onde estes conceituam agilidade como: Indivíduos e interações acima de processos e ferramentas; Software operacional acima de documentação completa; Colaboração dos clientes acima da negociação contratual; Respostas a mudanças acima de seguir um plano. O manifesto apesar de sugerir a prática dos itens a esquerda, não obriga a quebra de processos, ele busca a obtenção dos resultados perante a burocratização dos métodos tradicionais de desenvolvimento. Sendo este o foco deste trabalho, alguns conceitos chaves na agilidade deste processo se tornam obrigatórios, já que somente o conhecimento das opções poderá gerar a melhor escolha. Alguns dos modelos citados por Pressman (2011, p ) para o desenvolvimento ágil são: Extreme Programming (XP); Envolve quatro atividades metodológicas: planejamento, projeto, codificação e testes, pois possui uma abordagem orientada a objetos como paradigma de desenvolvimento mais aplicado; Industrial XP; É uma variação da XP, e é usado especificamente para o fim organizacional; Desenvolvimento de Software Adaptativo (Adaptive Software Development, ASD); Baseia-se na colaboração humana e autoorganização das equipes, onde tem por fases especulação, colaboração e aprendizagem; 147

7 Scrum; Tem como método a utilização das seguintes atividades: requisitos, análise, projeto, evolução e entrega. Estas atividades ocorrem dentro de um Sprint ou conjunto de ações; Crystal; Busca a agilidade através da adaptabilidade de processos e/ou atividades outrora efetivos. Por este trabalho ser introdutório, aos conceitos, técnicas e processos de desenvolvimento de software é relevante frisar que o uso de um ou outro método dependerá da análise da gerencia de projetos, alinhando diversos conhecimentos (experiência prévia, prazo de entrega, expectativas), buscando sempre o método que melhor se adequa ao projeto. 3 Procedimentos metodológicos Para o desenvolvimento deste artigo realizou-se uma pesquisa bibliográfica, considerando os conceitos de projeto com o enfoque em desenvolvimento de software de baixa complexidade, onde um ou mais atributos do gerenciamento podem ser ignorados perante análise do nível de sua complexidade. Para propor uma metodologia híbrida, levou-se em consideração, atender a todos os envolvidos no desenvolvimento (clientes e a equipe responsável pelo projeto), com agilidade nos processos, e riqueza nos detalhes necessários para o cumprimento pleno dos requisitos, gerando desta forma, documentação consistente e coesa. Para tanto, entendeu-se como software de baixa complexidade a ausência de artefatos como, linguagem de programação orientada a objetos, necessidade de utilização de todos os artefatos da Unified Modeling Language (UML), desenvolvimento de longo prazo, complexo banco de dados (diversos relacionamentos entre as tabelas) ou até mesmo material humano alocado em quantidade reduzida. 3.1 Resultados Método Elaborado Por EUAX O estudo dos procedimentos que englobam o gerenciamento de projeto tem por objetivo a definição e refinamento do planejamento e das etapas necessárias para 148

8 atender aos requisitos do projeto. Para EUAX (2011, p ) este estudo pode ser resumido nas seguintes atividades e documentos, conforme figura 2: Figura 2: Quadro representativo da metodologia EUAX Fonte: EUAX (2011, p ) As atividades propostas por EUAX (2011), muitas das vezes, exigem que uma ou mais pessoas sejam necessárias para permitir a criação ou definição de atividades ou documentos. Além disto, a metodologia proposta, não necessariamente garante o sucesso ou insucesso do projeto, pois, mais documentos ou atividades podem ser utilizados. Metodologia proposta por Martins (2010) Literaturas mais recentes e mais específicas já trazem uma definição de etapas mais detalhadas do gerenciamento de projetos, buscando aprimorar e refinar ainda mais, tendo como foco a baixa complexidade de algumas aplicações. O modelo conhecido como Work Breakdown Structure (WBS), no Brasil, conhecido como Estrutura Analítica do Projeto (EAP) segundo Martins (2010, p. 235), visa ser um norteador para a questão. O escopo de cada fase deriva dos objetivos da fase e estes, por sua vez, são a base para a definição do escopo das iterações. O WBS pode ser definido em quatro níveis: fases, iterações, artefatos e tarefas resumo. As atividades que serão desempenhadas em cada iteração dependem dos objetivos. (MARTINS, 2010, p.229) 149

9 O modelo proposto por Martins (2010, p. 235) considera procedimentos, tempo e esforço, conforme figura 3: Figura 3: Quadro representativo da metodologia proposta por Martins. Fonte: Martins (2010, p. 229). Observa-se quatro grandes grupos de procedimentos: concepção, elaboração, construção e transição. As etapas e documentos gerados por cada um dos grupos dependerá da complexidade da aplicação. A complexidade proposta pode ser definida através de vários fatores, como por exemplo: pouco conhecimento técnico, baixo tempo da maturação do projeto até a sua entrega, a não necessidade de artefatos complexos computacionais (como banco de dados, hardware específico, entre outros). 3.2 Hibridismo das ações a partir das características O modelo proposto neste estudo tem por objetivo atender a documentação mínima buscando o bom andamento do gerenciamento do desenvolvimento de projetos de software. Este modelo contempla uma mescla das duas metodologias demonstradas, buscando alinhar agilidade com excelência na execução. Para que tal objetivo seja sempre atendido buscando o menor esforço possível, conforme, modelo abaixo, onde os modelos de Euax e Martins são usados como base. 150

10 Enquanto Martins descreve as fases em concepção, elaboração, construção e transição, entende-se que as fases podem ser reduzidas a planejamento, desenvolvimento e entrega. Com isto, as etapas de concepção e elaboração foram mescladas em planejamento, construção se denomina desenvolvimento e transição em entrega. Para também atender a parte documental e corporativa, a sugestão das atividades propostas por Euax, na fase de planejamento como detalhamento de escopo, desenvolvimento de estimativas e cronograma são atividades e documentos gerados no planejamento, que permitirão nortear e mapear riscos do projeto. Por consequência, é proposta a criação dos documentos de requisitos, Estrutura Analítica de Projetos (EAP) e cronograma. Apesar da planilha de risco permitir antecipar falhas e propor ações corretivas à análise do benefício a cada caso que irá incluí-la ou não como documento necessário. Figura 4: Fluxograma proposto para o gerenciamento de projetos de baixa complexidade. Fonte: Os Autores (2014) As etapas são segregadas conforme suas cores predominantes, sendo: planejamento para a cor azul, desenvolvimento para a cor verde, entrega para amarelo. Destaca-se na proposta, e evidenciação da importância da relação entre cliente e desenvolvedor para definição dos requisitos a partir da regra de negócios. A partir do aceite do cliente há a construção da documentação do software assim como o seu desenvolvimento. Quadro 1- Características da metodologia proposta Fase Procedimentos Documentos Entrevista com o cliente Situação-problema Levantamento de requisitos Esboço de regras de negócio e levantamento de 151

11 Planejamento Desenvolvimento Validação com equipe de projeto Definição de cronograma e estimativas Aceite do cliente Programação requisitos Escopo do Projeto de acordo com os prazos Documentação do software (desenho rico, especificação de requisitos, regras de negócio, diagrama de caso de uso, especificação de caso de uso) Documentação de testes Validação dos requisitos Entrega Manual do sistema Termo de encerramento de projeto Fonte: Os autores (2014) Entende-se que softwares de baixa complexidade, com os documentos e procedimentos associados, podem ser aplicáveis em diferentes situações. Para validação ou reestruturação desta proposta, faz-se necessário a sua evidenciação no desenvolvimento de diferentes softwares. 4. Considerações finais A tarefa de quantificar e mensurar uma metodologia que possa ser declarada como uma solução universal, para atendimento dos mais variados requisitos e expectativas se torna nula. Pois, a quantificação destes dois atributos é subjetiva apesar de serem quantificados ao máximo possível. Por isso, teve-se como foco, a exposição de informações baseadas em duas metodologias existentes, abstraindo-as a sua essência, mas, permitindo que todos os envolvidos saibam, claramente, seus direitos e deveres. Deve-se considerar que este estudo apresenta uma proposta. A validação da metodologia carece de aplicação em diferentes projetos de software considerando a característica aqui indicada como de baixa complexidade. Assim, como proposta de estudos futuros, está consolidação do método proposta a partir da sua aplicação. Referências BEZZERA, Eduardo. Princípios de análise e projeto de sistemas com UML:2.ed.Rio de Janeiro: Editora Elsevier,

12 BRUYNE, Paul de; HERMAN, Jacques; SCHOUTHEETE, Marc de. Dinâmica da Pesquisa em Ciências Sociais: os polos da prática metodológica: 2.ed. Rio de Janeiro:Trad. Ruth Joffily. Livraria Francisco Alves, EUAX Consultoria em Projetos e Processos. Metodologia para Gestão de Projetos. Joinville:EUAX,2011. MARTINS, José Carlos Cordeiro. Gerenciamento de projetos de desenvolvimento de software com PMI, RUP e UML: 5.ed. Rio de Janeiro: Editora Brasport, TONSIG, Sérgio Luiz. Engenharia de Software: Análise e Projeto de Sistemas: 2.ed. São Paulo: Editora Ciência Moderna,

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (Versão 2.0)

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (Versão 2.0) SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL DEPARTAMENTO NACIONAL DE OBRAS CONTRA AS SECAS Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (Versão 2.0) 1 Sumário 1Introdução... 5 1.1 Objetivo...

Leia mais

Palavras-chave: Experiência. Dificuldade. Programação. Projeto. Colaboração.

Palavras-chave: Experiência. Dificuldade. Programação. Projeto. Colaboração. Gestão de projetos técnicos de baixa complexidade: a relação entre projeto, gestão e desenvolvimento do site SETIS Bruno Bergmann bernemano@gmail.com Felipe Valtl de Mello valtlfelipe@gmail.com Gabriel

Leia mais

Requisitos para Gestão de Requisitos no Desenvolvimento de Software que Utilizam Prática Ágeis

Requisitos para Gestão de Requisitos no Desenvolvimento de Software que Utilizam Prática Ágeis Requisitos para Gestão de Requisitos no Desenvolvimento de Software que Utilizam Prática Ágeis Abstract. Resumo. 1. Introdução Vinicius A. C. de Abreu 1 Departamento de Ciência da Computação - DCC Universidade

Leia mais

Introdução ao RUP Rational Unified Process. por Denize Terra Pimenta Outubro/2004

Introdução ao RUP Rational Unified Process. por Denize Terra Pimenta Outubro/2004 Introdução ao RUP Rational Unified Process por Denize Terra Pimenta Outubro/2004 1 Contexto Não é suficiente apenas a presença de desenvolvedores altamente treinados: Precisamos de uma linguagem para a

Leia mais

4 Metodologia e estratégia de abordagem

4 Metodologia e estratégia de abordagem 50 4 Metodologia e estratégia de abordagem O problema de diagnóstico para melhoria da qualidade percebida pelos clientes é abordado a partir da identificação de diferenças (gaps) significativas entre o

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM AGÊNCIAS WEB BASEADO NO PMI E METODOLOGIAS ÁGEIS 1

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM AGÊNCIAS WEB BASEADO NO PMI E METODOLOGIAS ÁGEIS 1 1 GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM AGÊNCIAS WEB BASEADO NO PMI E METODOLOGIAS ÁGEIS 1 Peter Rizzon 2 Resumo: Com a crescente demanda no desenvolvimento de softwares baseados na plataforma web, as empresas

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO INTEGRADA DO MINISTÉRIO DA FAZENDA - PMIMF MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA ATORES DA REDE DE INOVAÇÃO 2 O MODELO CONTEMPLA: Premissas e diretrizes de implementação Modelo

Leia mais

Aula 2 Revisão 1. Ciclo de Vida. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW

Aula 2 Revisão 1. Ciclo de Vida. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW Ciclo de Vida Aula 2 Revisão 1 Processo de Desenvolvimento de Software 1 O Processo de desenvolvimento de software é um conjunto de atividades, parcialmente ordenadas, com a finalidade de obter um produto

Leia mais

Visão Geral Parte 1. O que é engenharia de software?

Visão Geral Parte 1. O que é engenharia de software? Visão Geral Parte 1 Jair C Leite DIMAp/UFRN O que é engenharia de software? É uma disciplina da engenharia dedicada a todos os aspectos da produção de software. Engenheiros de software devem adotar uma

Leia mais

Gerência de Projetos Prof. Késsia Rita da Costa Marchi 3ª Série kessia@unipar.br

Gerência de Projetos Prof. Késsia Rita da Costa Marchi 3ª Série kessia@unipar.br Gerência de Projetos Prof. Késsia Rita da Costa Marchi 3ª Série kessia@unipar.br Motivações Gerenciamento de projetos, vem sendo desenvolvido como disciplina desde a década de 60; Nasceu na indústria bélica

Leia mais

METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Versão 1 MDS Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas 1 Presidente INCRA Rolf Hackbart Diretor de Gestão Estratégica DE - INCRA Roberto Kiel Coordenador Geral

Leia mais

O Processo Unificado

O Processo Unificado UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA O Processo Unificado 879SCC Projeto e Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

MODELAGEM DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

MODELAGEM DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Unidade III MODELAGEM DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Sobre esta aula Ciclo de Vida de Sistemas Engenharia de Software Aplicações de Software Diagramação de Software Ciclo

Leia mais

SETIS- III Seminário de Tecnologia Inovação e Sustentabilidade 4 e 5 de novembro de 2014.

SETIS- III Seminário de Tecnologia Inovação e Sustentabilidade 4 e 5 de novembro de 2014. A importância da comunicação no gerenciamento de projetos de softwares: reflexões teóricas Lucas Krüger lucas_kruger-@hotmail.com Resumo: Esse artigo objetiva estudar a comunicação entre cliente e desenvolvedor

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA E INFORMÁTICA BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RAPID APPLICATION DEVELOPMENT

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA E INFORMÁTICA BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RAPID APPLICATION DEVELOPMENT UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA E INFORMÁTICA BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RAPID APPLICATION DEVELOPMENT Disciplina: Modelagem a Programação Orientada a Objetos

Leia mais

Introdução ao Processo Unificado (PU)

Introdução ao Processo Unificado (PU) Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Sistemas de Informação - CPCX Introdução ao Processo Unificado (PU) Prof. Fernando Maia da Mota Slides gentilmente cedidos por Profa. Dra. Maria Istela Cagnin

Leia mais

Definição: O escopo de um projeto descreve todos os seus produtos, os serviços necessários para realizá-los e resultados finais esperados. Descreve também o que é preciso fazer para que alcance seus objetivos

Leia mais

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Universidade Federal do Rio Grande FURG C3 Engenharia de Computação 16 e 23 de março de 2011 Processo de Desenvolvimento de Software Objetivos

Leia mais

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Software Sequencia de Instruções a serem seguidas ou executadas Dados e rotinas desenvolvidos por computadores Programas

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS PLANO DE ENSINO E APRENDIZAGEM

INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS PLANO DE ENSINO E APRENDIZAGEM INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS PLANO DE ENSINO E APRENDIZAGEM 1. Identificação ÁREA: Tecnologia SEMESTRE/ANO: 1º/2007 MÓDULO: FT REGIME: SM CARGA HORÁRIA: 40 HORAS BLOCO: 14/05/2007 a 08/06/2007 DISCIPLINA:

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Conceitos e Metodologias para Desenvolvimento de Software Cascata, Prototipação, Espiral e RUP Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.br

Leia mais

Ágil. Rápido. Métodos Ágeis em Engenharia de Software. Introdução. Thiago do Nascimento Ferreira. Introdução. Introdução. Introdução.

Ágil. Rápido. Métodos Ágeis em Engenharia de Software. Introdução. Thiago do Nascimento Ferreira. Introdução. Introdução. Introdução. Introdução Métodos Ágeis em Engenharia de Software Thiago do Nascimento Ferreira Desenvolvimento de software é imprevisível e complicado; Empresas operam em ambiente global com mudanças rápidas; Reconhecer

Leia mais

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como:

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como: Plano de Teste (resumo do documento) I Introdução Identificador do Plano de Teste Esse campo deve especificar um identificador único para reconhecimento do Plano de Teste. Pode ser inclusive um código

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos

Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos Objetivos da disciplina Descrever o processo de Gerenciamento e Engenharia de Requisitos para projetos Treinar alunos no Gerenciamento de Requisitos Apresentar estudos de caso

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Software. Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr

Metodologia de Desenvolvimento de Software. Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr Metodologia de Desenvolvimento de Software Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr Objetivos Discutir aspectos de Engenharia de Software Aplicar um método de desenvolvimento para especificação e projeto de software

Leia mais

Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação

Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação Use of UML modeling in a management system for a food franchising Richard B. N. Vital, Tatiane M. Vital.

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO DO ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA STI Nº 01/2011 Versão: 01 Publicação: DJE nº de / /2011 Unidade Responsável: Coordenadoria de Tecnologia da Informação - CTI I FINALIDADE Instituir a Metodologia

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO A disciplina aborda o estudo da área de Informática como um todo, e dos conceitos fundamentais,

Leia mais

Fases do Desenvolvimento de Projeto

Fases do Desenvolvimento de Projeto Aula 04 Gerenciamento de Projetos 20/05/08 Universidade do Contestado UnC/Mafra Sistemas de Informação 7ª fase Prof. Carlos Guerber PLANEJAMENTO 1 Fases do Desenvolvimento de Projeto Na fase de planejamento

Leia mais

Teste de Software: Um Breve Estudo do Importante Processo no Desenvolvimento de Softwares

Teste de Software: Um Breve Estudo do Importante Processo no Desenvolvimento de Softwares Teste de Software: Um Breve Estudo do Importante Processo no Desenvolvimento de Softwares André Assis Lôbo de Oliveira Francisco Guerra Fernandes Júnior Faculdades Alves Faria, 74445190, Brasil andrelobin@hotmail.com,

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO (PROENG) ASSESSORIA DE DESENVOLVIMENTO ASSESSORIA JURÍDICA

PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO (PROENG) ASSESSORIA DE DESENVOLVIMENTO ASSESSORIA JURÍDICA FORMULÁRIO DE ALTERAÇÃO DE EMENTAS CURSO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MATRIZ(ES) CURRICULAR(ES): 2011 ALTERAÇÕES PASSAM A VIGORAR A PARTIR DO SEMESTRE: 2015.1 Banco de Dados I Estudo dos aspectos de modelagem

Leia mais

PROVA DISCURSIVA (P )

PROVA DISCURSIVA (P ) PROVA DISCURSIVA (P ) 2 Nesta prova que vale dez pontos, faça o que se pede, usando os espaços indicados no presente caderno para rascunho. Em seguida, transcreva os textos para as folhas de TEXTOS DEFINITIVOS

Leia mais

1. Descrição dos Serviços de Implantação da SOLUÇÃO

1. Descrição dos Serviços de Implantação da SOLUÇÃO Este documento descreve os serviços que devem ser realizados para a Implantação da Solução de CRM (Customer Relationship Management), doravante chamada SOLUÇÃO, nos ambientes computacionais de testes,

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier. Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML - 2ª edição

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier. Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML - 2ª edição Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier 1 Capítulo 2 Processo de Desenvolvimento de Software Quanto mais livros você leu (ou escreveu), mais

Leia mais

Guia para elaboração do Modelo de Domínio Metodologia Celepar

Guia para elaboração do Modelo de Domínio Metodologia Celepar Guia para elaboração do Modelo de Domínio Metodologia Celepar Agosto 2009 Sumário de Informações do Documento Documento: guiamodelagemclassesdominio.odt Número de páginas: 20 Versão Data Mudanças Autor

Leia mais

Ideal para que tipo de empresa (equipe): pequena, média, grande? Em software onde os requisitos não são conhecidos é recomendado o uso do XP? Por quê?

Ideal para que tipo de empresa (equipe): pequena, média, grande? Em software onde os requisitos não são conhecidos é recomendado o uso do XP? Por quê? Significado de XP? Extreme Programming (Programação Extrema). Ideal para que tipo de empresa (equipe): pequena, média, grande? Pequenas e Médias. Em software onde os requisitos não são conhecidos é recomendado

Leia mais

Gerenciamento de Projetos no Marketing Desenvolvimento de Novos Produtos

Gerenciamento de Projetos no Marketing Desenvolvimento de Novos Produtos Gerenciamento de Projetos no Marketing Desenvolvimento de Novos Produtos Por Giovanni Giazzon, PMP (http://giazzon.net) Gerenciar um projeto é aplicar boas práticas de planejamento e execução de atividades

Leia mais

PMBOK 4ª Edição III. O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto

PMBOK 4ª Edição III. O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto PMBOK 4ª Edição III O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto 1 PMBOK 4ª Edição III Processos de gerenciamento de projetos de um projeto 2 Processos de gerenciamento de projetos de um projeto

Leia mais

Sistema Datachk. Plano de Projeto. Versão <1.0> Z u s a m m e n a r b e i t I d e i a s C o l a b o r a t i v a s

Sistema Datachk. Plano de Projeto. Versão <1.0> Z u s a m m e n a r b e i t I d e i a s C o l a b o r a t i v a s Plano de Projeto Versão Z u s a m m e n a r b e i t I d e i a s C o l a b o r a t i v a s 2010 2 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autores 07/04/2010 1.0 Criação da primeira versão do Plano

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

RUP como Metodologia de Desenvolvimento de Software para Obtenção da Qualidade de Software

RUP como Metodologia de Desenvolvimento de Software para Obtenção da Qualidade de Software SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 RUP como Metodologia de Desenvolvimento de Software para Obtenção da Qualidade de Software Alfredo Nazareno P. Boente Fabiano S. G. de Oliveira João

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Histórico Uso de Metodologias Histórico Uso de Metodologias Era da Pré-Metodologia 1960-1970 Era da Metodologia

Leia mais

Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes

Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes Alexandro Deschamps (Ápice) alexandro@apicesoft.com Everaldo Artur Grahl (FURB/DSC) egrahl@furb.br Resumo. Uma das grandes

Leia mais

Modelagem de Processos. Prof.: Fernando Ascani

Modelagem de Processos. Prof.: Fernando Ascani Modelagem de Processos Prof.: Fernando Ascani Bibliografia UML Guia de consulta rápida Douglas Marcos da Silva Editora: Novatec UML Guia do usuário Grady Booch James Rumbaugh Ivair Jacobson Editora: Campus

Leia mais

PROPOSTA DE ADEQUAÇÃO DO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA A MELHORIA DA ESTIMATIVA DE HORAS

PROPOSTA DE ADEQUAÇÃO DO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA A MELHORIA DA ESTIMATIVA DE HORAS PROPOSTA DE ADEQUAÇÃO DO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA A MELHORIA DA ESTIMATIVA DE HORAS Evandro Franzen 1, Helena Barden 2 Resumo: Este artigo trata da análise e proposição de melhorias

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, 19 de maio de 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, 19 de maio de 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, 19 de maio de 2008. Dispõe sobre o processo de contratação de serviços de Tecnologia da Informação pela Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional. O SECRETÁRIO

Leia mais

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gerenciamento de Projeto /Turma 140 Data: Agosto/2014 GERENCIAMENTO DE PROJETOS AMBIENTAIS

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gerenciamento de Projeto /Turma 140 Data: Agosto/2014 GERENCIAMENTO DE PROJETOS AMBIENTAIS Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gerenciamento de Projeto /Turma 140 Data: Agosto/2014 GERENCIAMENTO DE PROJETOS AMBIENTAIS Eduardo Christófaro de Andrade Eng. Agrônomo Juliana Maria Mota

Leia mais

Um Modelo para Definição de Metodologia de Desenvolvimento de Software Baseado em Pessoas

Um Modelo para Definição de Metodologia de Desenvolvimento de Software Baseado em Pessoas Um Modelo para Definição de Metodologia de Desenvolvimento de Software Baseado em Pessoas Rodrigo L. M. Mota, Pablo B. S. Lima, Breno L. Romano Departamento de Computação e Matemática Instituto de Ciências

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Slide 05 Modelos de Processos Maurício Archanjo Nunes Coelho mauricio.coelho@ifsudestemg.edu.br Instituto Federal Análise de Sistemas Por que surgiu a Engenharia de Software? Resposta

Leia mais

Projeto de Sistemas I

Projeto de Sistemas I Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo Projeto de Sistemas I Professora: Kelly de Paula Cunha E-mail:kellypcsoares@ifsp.edu.br Requisitos: base para todo projeto, definindo o

Leia mais

ANÁLISE DE SOFTWARE EDUCATIVO NO ENSINO DE MATEMÁTICA. Palavras chave: Software Educativo; Construção do Conhecimento; Aprendizagem.

ANÁLISE DE SOFTWARE EDUCATIVO NO ENSINO DE MATEMÁTICA. Palavras chave: Software Educativo; Construção do Conhecimento; Aprendizagem. ANÁLISE DE SOFTWARE EDUCATIVO NO ENSINO DE MATEMÁTICA. Débora Janaína Ribeiro e Silva Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba debora_jr10@yahoo.com.br Resumo Este trabalho teve como

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Curso de Sistemas de Informação Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br DESU / DAI 2015 Desenvolvimento Rápido de Software 2 1 Para quê o Desenvolvimento Rápido de Software? Os negócios

Leia mais

Ouvir o cliente e reconhecer o problema: ingredientes essenciais à gestão de projetos

Ouvir o cliente e reconhecer o problema: ingredientes essenciais à gestão de projetos Ouvir o cliente e reconhecer o problema: ingredientes essenciais à gestão de projetos Antonio Mendes da Silva Filho * The most important thing in communication is to hear what isn't being said. Peter Drucker

Leia mais

Guia de utilização da notação BPMN

Guia de utilização da notação BPMN 1 Guia de utilização da notação BPMN Agosto 2011 2 Sumário de Informações do Documento Documento: Guia_de_utilização_da_notação_BPMN.odt Número de páginas: 31 Versão Data Mudanças Autor 1.0 15/09/11 Criação

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE I

ENGENHARIA DE SOFTWARE I ENGENHARIA DE SOFTWARE I Prof. Cássio Huggentobler de Costa [cassio.costa@ulbra.br] Twitter: www.twitter.com/cassiocosta_ Agenda da Aula (002) Metodologias de Desenvolvimento de Softwares Métodos Ágeis

Leia mais

Curso: Engenharia de Software com Ênfase em Padrões de Software (UECE Universidade Estadual do Ceará) RUP

Curso: Engenharia de Software com Ênfase em Padrões de Software (UECE Universidade Estadual do Ceará) RUP Conceitos RUP RUP, abreviação de Rational Unified Process (ou Processo Unificado da Rational), é um processo de Engenharia de software criado pela Rational Software Corporation(a qual foi incorporada pela

Leia mais

natureza do projeto e da aplicação métodos e ferramentas a serem usados controles e produtos que precisam ser entregues

natureza do projeto e da aplicação métodos e ferramentas a serem usados controles e produtos que precisam ser entregues Modelo De Desenvolvimento De Software É uma representação abstrata do processo de desenvolvimento que define como as etapas relativas ao desenvolvimento de software serão conduzidas e interrelacionadas

Leia mais

Introdução à. Engenharia de Software. Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.

Introdução à. Engenharia de Software. Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu. "Antes de imprimir pense em sua responsabilidade e compromisso com o MEIO AMBIENTE." Engenharia de Software Introdução à Engenharia de Software Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha

Leia mais

Hélio Engholm Jr. Novatec

Hélio Engholm Jr. Novatec Hélio Engholm Jr. Novatec Copyright 2013 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer

Leia mais

Agenda. Introdução Etapas genéricas Atividades de apoio Ferramentas de apoio Modelos genéricos Modelos de mercado Modelos de melhoria

Agenda. Introdução Etapas genéricas Atividades de apoio Ferramentas de apoio Modelos genéricos Modelos de mercado Modelos de melhoria Agenda Introdução Etapas genéricas Atividades de apoio Ferramentas de apoio Modelos genéricos Modelos de mercado Modelos de melhoria Introdução Processo de software é o conjunto de ferramentas, métodos

Leia mais

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK Cleber Lecheta Franchini 1 Resumo:

Leia mais

Utilizando os Diagramas da UML (Linguagem Unificada de Modelagem) para desenvolver aplicação em JSF

Utilizando os Diagramas da UML (Linguagem Unificada de Modelagem) para desenvolver aplicação em JSF Utilizando os Diagramas da UML (Linguagem Unificada de Modelagem) para desenvolver aplicação em JSF Ben-Hur de Sousa Lopes¹, Jaime William Dias¹ ¹Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí Paraná Brasil

Leia mais

PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE

PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE Departamento de Sistemas de Informação PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE Denise Xavier Fortes Paulo Afonso BA Agosto/2015 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. PERFIS FUNCIONAIS...

Leia mais

Prof. Luiz A. Nascimento. As práticas denominadas ágeis vêm sendo cada vez mais utilizadas na gerência de projetos de software.

Prof. Luiz A. Nascimento. As práticas denominadas ágeis vêm sendo cada vez mais utilizadas na gerência de projetos de software. Prof. Luiz A. Nascimento As práticas denominadas ágeis vêm sendo cada vez mais utilizadas na gerência de projetos de software. Porque metodologias ágeis? A história dos fracassos no desenvolvimento de

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das

Leia mais

Questionário de avaliação de Práticas X Resultados de projetos - Carlos Magno Xavier (magno@beware.com.br)

Questionário de avaliação de Práticas X Resultados de projetos - Carlos Magno Xavier (magno@beware.com.br) Obrigado por acessar esta pesquisa. Sei como é escasso o seu tempo, mas tenha a certeza que você estará contribuindo não somente para uma tese de doutorado, mas também para a melhoria das práticas da Comunidade

Leia mais

Planejamento e Gerenciamento de Software. Tema 3. Gerência de Projetos Profa. Susana M. Iglesias

Planejamento e Gerenciamento de Software. Tema 3. Gerência de Projetos Profa. Susana M. Iglesias Planejamento e Gerenciamento de Software Tema 3. Gerência de Projetos Profa. Susana M. Iglesias Planejamento A primeira atividade do gerenciamento de projeto é Planejamento Depende de estimativas (Grado

Leia mais

Introdução à Engenharia de Software. Profª Jocelma Rios

Introdução à Engenharia de Software. Profª Jocelma Rios Introdução à Engenharia de Software Profª Jocelma Rios Jun/2013 O que pretendemos Apresentar os conceitos básicos de engenharia de software e as disciplinas que a compõem Apresentar as questões mais relevantes

Leia mais

Comparativo entre Processos Ágeis. Daniel Ferreira dfs3@cin.ufpe.br

Comparativo entre Processos Ágeis. Daniel Ferreira dfs3@cin.ufpe.br Comparativo entre Processos Ágeis Daniel Ferreira dfs3@cin.ufpe.br O que discutiremos: Histórico Os Princípios Ágeis Comparação Do ponto de vista incremental Do ponto de vista funcional Vantagens e Desvantagens

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software Projeto e Desenvolvimento de Sistemas Dr. Fábio Levy Siqueira levy.siqueira@gmail.com Aula 2: Garantia da Qualidade e Padrões Qualidade de software Quais são as atividades de Gestão

Leia mais

Processo de Desenvolvimento Unificado

Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento de Software? Conjunto de atividades bem definidas; com responsáveis; com artefatos de entrada e saída; com dependências entre as mesmas

Leia mais

METODOLOGIAS ÁGEIS - SCRUM -

METODOLOGIAS ÁGEIS - SCRUM - METODOLOGIAS ÁGEIS - SCRUM - André Roberto Ortoncelli ar_ortoncelli@hotmail.com 2010 Organização da Apresentação Introdução as Metodologias Ágeis Scrum Conceitos Básicos Artefatos Papeis Cerimônias Estórias

Leia mais

BUSCANDO UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA AUXILIAR A GESTÃO DE PRODUÇÃO DO PBL-VE E DO PBL-VS

BUSCANDO UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA AUXILIAR A GESTÃO DE PRODUÇÃO DO PBL-VE E DO PBL-VS 973 BUSCANDO UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA AUXILIAR A GESTÃO DE PRODUÇÃO DO PBL-VE E DO PBL-VS Jéssica Magally de Jesus Santos 1 ; Gabriela Ribeiro Peixoto Rezende Pinto 2 1. Bolsista

Leia mais

Novidades do Guia PMBOK 5ª edição

Novidades do Guia PMBOK 5ª edição Novidades do Guia PMBOK 5ª edição Mauro Sotille, PMP O Guia PMBOK 5 a edição (A Guide to the Project Management Body of Knowledge (PMBOK Guide) Fifth Edition), em Inglês, foi lançado oficialmente pelo

Leia mais

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS)

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) Temas para Discussão 1) DISPOSIÇÕES GERAIS 2) DEFINIÇÕES GERAIS 3) CARACTERÍSTICAS E ATRIBUTOS DA INFORMAÇÃO DE CUSTOS 4) EVIDENCIAÇÃO

Leia mais

Categorias Temas Significados Propostos

Categorias Temas Significados Propostos 91 5. Conclusão O objetivo do presente trabalho foi descrever a essência do significado da experiência consultiva para profissionais de TI que prestam de serviços de consultoria na área de TI. Para atingir

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados e Sistemas para Internet Disciplina: Projeto Integrador III Prof.: Fernando Hadad Zaidan

Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados e Sistemas para Internet Disciplina: Projeto Integrador III Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados e Sistemas para Internet Disciplina: Projeto Integrador III Prof.: Fernando Hadad Zaidan Ago-2008 1 Gestão de requisitos 2 Bibliografia: PAULA

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1. INTRODUÇÃO: O Banco Pottencial, considera a gestão de riscos como um instrumento essencial para maximização da eficiência no uso do capital e para escolha

Leia mais

Profa. Dra. Ana Paula Gonçalves Serra prof.anapaula@saojudas.br

Profa. Dra. Ana Paula Gonçalves Serra prof.anapaula@saojudas.br Modelos de Processo Pessoal e de Equipe na Melhoria da Qualidade em Produção de Software Profa. Dra. Ana Paula Gonçalves Serra prof.anapaula@saojudas.br Agenda Importância das Pessoas / Constatações Compromisso

Leia mais

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos Aperfeiçoamento/GPPP1301 T132 09 de outubro de 2013 Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de s em pequenas empresas Heinrich

Leia mais

Engenharia de Software III

Engenharia de Software III Departamento de Informática Programa de Pós Graduação em Ciência da Computação Laboratório de Desenvolvimento Distribuído de Software Estágio de Docência Cronograma e Método de Avaliação Datas Atividades

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução Engenharia Engenhar Sistema Software Alguns Conceitos 1 Definição É a aplicação sistemática, disciplinada e com abordagem quantitativa para o desenvolvimento, operação

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE - 02 Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Questão 1 A ISO 9000-3 é um guia para a aplicação da ISO 9001 para o desenvolvimento, fornecimento e manutenção de software.

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

Com metodologias de desenvolvimento

Com metodologias de desenvolvimento Sociedade demanda grande quantidade de sistemas/aplicações software complexo, sistemas distribuídos, heterogêneos requisitos mutantes (todo ano, todo mês, todo dia) Mas, infelizmente, não há gente suficiente

Leia mais

Estimativa de custo de software: roteiro e dicas para estimativas de projeto

Estimativa de custo de software: roteiro e dicas para estimativas de projeto 94 Estimativa de custo de software: roteiro e dicas para estimativas de projeto ANTONIO MENDES DA SILVA FILHO * Learn from yesterday, live for today, hope for tomorrow. The important thing is not to stop

Leia mais

Análise de Sistemas. Contextualização. O Sucesso. Aula 4. Instrumentalização. Aula 4. Prof. Emerson Klisiewicz. Clientes satisfeitos

Análise de Sistemas. Contextualização. O Sucesso. Aula 4. Instrumentalização. Aula 4. Prof. Emerson Klisiewicz. Clientes satisfeitos Análise de Sistemas Aula 4 Contextualização Prof. Emerson Klisiewicz Aula 4 Gerenciamento de Requisitos Refinamento de Requisitos Aprovação de Requisitos Matriz de Rastreabilidade O Sucesso Clientes satisfeitos

Leia mais

MODELOS DE PROCESSO. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

MODELOS DE PROCESSO. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com MODELOS DE PROCESSO Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Objetivo Apresentar os modelos de processos de desenvolvimento de software Permitir uma melhor compreensão do processo de desenvolvimento

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03 RELATÓRIO TÉCNICO CONCLUSIVO

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Processo de Desenvolvimento de Software Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo Programático desta aula Modelo Cascata (Waterfall) ou TOP DOWN. Modelo Iterativo. Metodologia Ágil.

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Grupo de Consultores em Governança de TI do SISP 20/02/2013 1 Agenda 1. PMI e MGP/SISP 2. Conceitos Básicos - Operações e Projetos - Gerenciamento de Projetos - Escritório de

Leia mais

Metodologias Ágeis. Aécio Costa

Metodologias Ágeis. Aécio Costa Metodologias Ágeis Aécio Costa Metodologias Ágeis Problema: Processo de desenvolvimento de Software Imprevisível e complicado. Empírico: Aceita imprevisibilidade, porém tem mecanismos de ação corretiva.

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 I. APROVAÇÃO Emitente: Função: Análise crítica e aprovação: Função: Liliane Alves Ribeiro da Silva Gerente Administrativa Roberto José da Silva Gerente Geral

Leia mais

Resultados, Sustentabilidade, Desempenho, Foco. Sim, sabemos que a sua organização quer chegar lá. Mas você sabe o melhor caminho?

Resultados, Sustentabilidade, Desempenho, Foco. Sim, sabemos que a sua organização quer chegar lá. Mas você sabe o melhor caminho? Resultados, Sustentabilidade, Desempenho, Foco. Sim, sabemos que a sua organização quer chegar lá. Mas você sabe o melhor caminho? Nossa Empresa A MasterQual é uma consultoria brasileira que tem como principal

Leia mais

RUP. Evolução. Principais Características do RUP. Principais Características do RUP RUP

RUP. Evolução. Principais Características do RUP. Principais Características do RUP RUP RUP Rational Unified Process ( Unificado de Desenvolvimento da Rational) Conjunto de passos que tem como objetivo atingir uma meta de software na ES, processo que visa a produzir o software - de modo eficiente

Leia mais

Apoio à Gerência de Recursos em ODE

Apoio à Gerência de Recursos em ODE UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO TECNOLÓGICO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ALEXANDRE GUILHERME NICCO COELHO Apoio à Gerência de Recursos em ODE Vitória 2007 1 ALEXANDRE GUILHERME NICCO

Leia mais