4 DESCRIÇÃO DA ACTIVIDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "4 DESCRIÇÃO DA ACTIVIDADE"

Transcrição

1 4 DESCRIÇÃO DA ACTIVIDADE O presente capítulo fornece uma descrição detalhada do Projecto, actividades associadas e infra-estrutura de apoio. 4.1 JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO Em Moçambique o manuseio e a eliminação de resíduos sólidos constituem factores críticos de geração de impacto ambiental, factor que acarreta riscos para a saúde pública, constituindo-se como um problema nos principais centros urbanos do País, conduzindo muitas vezes à deposição de resíduos em locais inapropriados. Quando dispostos de forma inadequada, os resíduos podem causar a poluição da água, do ar e do solo, para além de criar um ambiente propício para a proliferação de vectores de doenças, acarretando assim consequências graves ao nível da saúde pública, qualidade de vida da população e meio ambiente. A proposta de desenvolvimento do aterro industrial resulta do aumento da procura regional de soluções de gestão de resíduos que criam a necessidade de locais de grandes dimensões para fins de deposição final, mais sustentáveis e ambientalmente seguros, para todos os tipos de resíduos, incluindo os resíduos perigosos. Actualmente existe apenas um aterro industrial em Moçambique, localizado em Maputo, a cerca de 1500 km de Tete. O Projecto de implantação de um Aterro Industrial no Distrito de Moatize surge num período em que Tete regista um rápido crescimento económico atribuído, fundamentalmente, ao desenvolvimento do sector mineiro nesta Província. Neste contexto, a questão da gestão de resíduos industriais é de extrema importância a qual deve ser priorizada, tanto para o desenvolvimento industrial como para as regiões que pretendem gerir o desenvolvimento de forma ambiental e socialmente segura. A Moz Environmental propõe-se assim desenvolver uma solução para a gestão integrada de resíduos no Distrito de Moatize, que possa atender às múltiplas questões supracitadas e trazer benefícios adicionais que incluem: Criar postos de trabalho directos e indirectos durante o período de construção, operação e desactivação; Estabelecer uma segunda instalação de resíduos perigosos em Moçambique, situada na província de Tete e no Distrito de Moatize; Implantar uma instalação de gestão de resíduos, económica, ambiental e socialmente viável na região de Tete que permitirá a industrialização adicional planeada e respectivo investimento de capital;

2 Investimento imediato de aproximadamente dois milhões de dólares americanos na região; e Capacitar a população local para prestar serviços especializados durante a construção e operação do aterro industrial. O aterro vai gerir os resíduos de uma forma integrada, a fim de satisfazer as necessidades actuais e futuras de gestão de resíduos na província de Tete e no Norte e Centro de Moçambique. Os factores acima apresentados justificam a implementação do Projecto do Aterro Industrial em Moatize, uma vez que através do desenvolvimento de práticas sustentáveis de gestão de resíduos, se proporcionará que Província de Tete e a região estejam devidamente equipadas para garantir uma gestão local, economicamente viável e segura dos resíduos domésticos e industriais. 4.2 LOCALIZAÇÃO E DISPOSIÇÃO DA ACTIVIDADE O local proposto para a implantação do novo aterro ocupa uma área de aproximadamente 20 ha localizada a aproximadamente a 8 km a leste da Vila de Moatize, a Sul da Estrada Nacional (EN) Número 7 (Tete Malawi) e a Norte do alinhamento da linha férrea (ver Figura 4.1). Esta área situa-se na Localidade de Moatize-Sede, no Distrito de Moatize, na Província de Tete. Figura 4.1 Localização geral do projecto Vila de Moatize Assentamentos Estrada de acesso ao projecto EN107 Linha de caminhos de ferro Rio Área da DUAT

3 4.3 OBJECTIVOS E ELEMENTOS DO PROJECTO A Moz Environmental propõe construir uma instalação de gestão de resíduos, integrada e completa a fim de atender as necessidades existentes e futuras de gestão de resíduos na Província de Tete e na região Centro e Norte de Moçambique. O principal objectivo da Gestão Integrada de Resíduos é de optimizar a gestão dos resíduos, maximizando a eficiência e minimizando os impactos ambientais, sociais e na saúde, assim como os custos financeiros. Os objectivos específicos do Projecto incluem: Melhorar as práticas de gestão de resíduos; Instituir um processo de gestão de resíduos visando a prevenção da poluição e minimização na fonte; Gerir o impacto da poluição e resíduos sobre o ambiente receptor; e Gerir os resíduos de forma holística e integrada. No intuito de atingir os objectivos acima destacados, o Projecto prestará serviços com base nos princípios da hierarquia da gestão integrada de resíduos apresentados na Figura 4.2. Figura 4.2 Princípios de Gestão Integrada de Resíduos MAIS FAVORÁVEL MENOS FAVORÁVEL 4.4 ACTIVIDADES PRINCIPAIS E SECUNDÁRIAS DO PROJECTO O projecto compreende a construção e operação de um aterro sanitário e industrial projectado para uma capacidade instalada de manuseamento de

4 resíduos (perigosos, não-perigosos e efluentes) de aproximadamente 55 m 3 diários durante uma vida útil de 20 anos. No âmbito deste Projecto estão previstas as seguintes principais actividades: Recepção, classificação, armazenamento, empacotamento e eliminação ou transporte de resíduos a granel, incluindo entulho de construção, material orgânico, restos de solos, resíduos de óleos, cimento, agregados e outros; Identificação e classificação dos resíduos sólidos; Tratamento de resíduos perigosos, não-perigosos e de águas residuais antes da eliminação final ou de outra medida de gestão; Reciclagem e recuperação de materiais a partir de resíduos não perigosos e perigosos; e Tratamento de efluentes na Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR). São ainda propostos os seguintes serviços complementares: Oferta de serviços fora do local do aterro proposto. Estes serviços incluem a reabilitação de áreas degradadas, diversos serviços de gestão de resíduos, resposta a derrames, controlo de pragas, aluguer de equipamento temporário (espaço para escritórios, sanitários químicos, unidade de tratamento de água, retroescavadoras carregadoras); e Recondicionamento e limpeza de tambores, contentores em aço, tanques e baldes. 4.5 FASES DO PROJECTO O aterro sanitário e industrial proposto será dimensionado para um tempo de vida útil de 20 anos. O Projecto será implementado em fases, sendo estas as seguintes: Pré-construção A fase de pré-construção está orientada para a planificação, estudos de viabilidade e desenho do Projecto. Esta fase já iniciou e deverá ser concluída no final do terceiro trimestre de Durante esta fase, a equipa de AIA trabalha em coordenação com a equipa de engenharia. Tal permitirá que a equipa da AIA apresente os seus contributos na selecção das alternativas do projecto e proponha medidas de mitigação que deverão ser incorporadas na concepção do projecto Fase de Construção da Actividade Plano de Trabalhos A fase de construção irá iniciar logo após a conclusão dos estudos, planos e desenho de engenharia, prevendo-se que inicie durante o último trimestre de

5 2014 e se prolongue por um período de aproximadamente 6 meses. A fase de construção incluirá as seguintes actividades: Desmatação e limpeza do terreno; Terraplenagens e nivelamento; Construção da estrada de acesso; Estabelecimento de um estaleiro de obra; Construção das infra-estruturas do aterro; Aquisição de materiais, equipamentos e máquinas; e Circulação de veículos e maquinaria de construção. O calendário de construção terá os seguintes prazos e actividades: Tabela 4.1 Calendário da fase de construção Ponto Descrição Unidade Quantidade Duração 1 Estabelecimento do estaleiro Nº 1 4 semanas 2 Limpeza do local M semana 3 Remover o solo para a M semana profundidade de 150 mm e armazena-lo no local para utilização posterior 4 Movimentações de terras, M semanas sistemas de drenagem de lixiviados e preparação da superfície do terreno 5 Instalação de materiais M semanas geosinteticos para os sistemas de barreira 6 Actividades de construção No 1 2 semanas diversas 7 Desmantelamento do estaleiro No 1 2 semanas Actividade e métodos construtivos A limpeza do local será realizada por meio de escavação mecânica e transporte apos a remoção do solo a uma profundidade de 150 milímetros, um processo geralmente realizado com um bulldozer. A drenagem da água durante a fase de construção será realizada por meio de trincheiras de terra com compactação moderada. Uma trincheira de terra será instalada em torno do limite da célula escavada a fim de desviar a água da chuva da célula de eliminação de resíduos. Ainda na fase de construção, será aberta uma Estrada de acesso a partir da EN7 até ao local de implantação do projecto, com cerca de 1.67 km. Tabela 4.2 Equipamento a utilizar na construção Tipo de equipamento Quantidade Escavadora 20

6 Tipo de equipamento Quantidade Camião 25 Central de betão 1 Gerador 1 Compressor 1 Estaleiro O estaleiro será localizado dentro da área da DUAT e terá uma área de aproximadamente 50x50 m, com uma vedação e um portão fechado. Este estaleiro incluiu escritório temporário de 6mx3m e dois contentores temporários com a mesma área. Um tanque de água temporário será implantado bem como 6 casas de banho móveis. Poluição causada pela construção A principal poluição causada está relacionada com a qualidade do ar, ruído e contaminação da água. Estes elementos resultam, principalmente, em emissões de poeira e ruído devido às actividades de limpeza do solo, movimento de terras e da circulação de veículos pesados em estradas de terra não pavimentadas localizadas na área do projecto. A fase de construção apresenta-se como um promotor de alguns impactos sobre os recursos hídricos superficiais. Em relação a poluição da água, o trabalho de limpeza e preparação do terreno para o projecto, e aterros para modelar o terreno ira resultar em alterações na drenagem natural que pode influenciar as características da água no local circundante. Resíduos da fase de construção Os resíduos de construção serão constituídos por uma pequena parte de resíduos de construção, restos de vegetação e resíduos domésticos. O local de construção irá desenvolver um plano de gestão de resíduos para a construção e um método para armazenamento e deposição final será desenvolvido. Segurança no local de construção Todo o local de projecto será vedado antes do início de qualquer trabalho de construção e um plano para visitantes e trabalhadores será desenvolvido. Restabelecimento de actividades Não serão interrompidas quaisquer actividades para a realização do trabalho de construção. Todas as áreas serão alvo de um processo de recuperação / restauração provisória e final com um plano aprovado, incluindo a restruturação do solo e sementeiras.

7 4.5.3 Fase de Operação e Manutenção da Actividade As operações serão iniciadas após a conclusão das intervenções de construção. Estimativas preliminares indicam um potencial de tempo de vida do aterro de 20 anos. Gestão de resíduos Um aspecto fundamental de uma gestão integrada de resíduos é a correcta identificação e avaliação dos diferentes tipos de resíduos e posterior atribuição de procedimentos adequados de maneio. Os resíduos a serem manuseados no proposto aterro incluem os seguintes: Resíduos gerais recicláveis; Resíduos não-recicláveis perigosos; Resíduos não-recicláveis não-perigosos; Resíduos compostáveis; e Efluentes líquidos e sanitários. Resíduos recicláveis incluindo os óleos usados serão separados, armazenados e vendidos a compradores devidamente licenciados e aprovados em Moçambique. Os Resíduos gerais não-recicláveis serão depositados numa das células do aterro proposto. E os resíduos perigosos não-recicláveis serão depositados numa célula revestida, independente e apropriada para este tipo de resíduos. Ambas células serão providas de um sistema de recolha e tratamento de lixiviados. O Sistema de barreira será do tipo que se apresenta na figura seguinte. Algumas camadas poderão ser substituídas por um geotêxtil adequado de desempenho idêntico.

8 Figura 4.3 Sistema de barreira de classe B Camada de resíduos Geotêxtil 150mm de um sistema de pedras de colecção de lixiviados 100 mm de uma camada protectora de áreas ou de um geotêxtil de desempenho semelhante 1.5 HDPE geomembrana 600 mm de argila compactada (em 4 camadas de 150 mm) Sistema de drenagem e monitorização e 150 mm de uma cama de base Solo local Os resíduos compostáveis serão armazenadas separadamente e sujeitos a compostagem a fim de reduzir os requisitos de espaço na área do aterro. O composto será utilizado no processo de recuperação de áreas degradadas ou vendido para fins de agricultura e jardinagem. Os efluentes sanitários serão tratados de forma a minimizar o potencial de danos para os seres humanos e para o ambiente. As águas negras serão tratadas na futura ETAR. Outras categorias de águas residuais e efluentes serão sujeitas ao pré-tratamento antes de serem enviadas para ETAR com o objectivo de reduzir o potencial de contaminação do ambiente por metais pesados, sal e outros. O diagrama ilustrado na Figura 4.4 apresenta o fluxo de gestão de resíduos desde a entrada à eliminação.

9 Figura 4.4 Fluxo de Gestão de Resíduos CRITÉRIO DE PRÉ- ADMISSÃO DE RESÍDUOS FORA DO LOCAL DO ATERRO CRITÉRIO DE ADMISSÃO DE RESÍDUOS NA ENTRADA DO LOCAL DO ATERRO E NA BÁSCULA SEPARAÇÃO DOS RESÍDUOS GERAIS E PERIGOSOS (LÍQUIDOS E SÓLIDOS) PARA ÁREAS DE ARMAZENAMENTO TEMPORARIAS ELIMINAÇÃO DE RESÍDUOS COMO ÚLTIMA OPÇÃO NO ATERRO PARA RESÍDUOS PERIGOSOS. RECUPERAÇÃO DE METANO PARA USO BENÉFICO TRATAMENTO DE RESÍDUOS NÃO- RECICLÁVEIS, RECUPERÁVEIS OU RE- UTILIZÁVEIS EM ÁREAS DESIGNADAS RE-UTILIZAÇÃO, RECUPERAÇÃO, OU RECICLAGEM EM DESIGNADAS ÁREAS OPERACIONAIS Resíduos a serem eliminados no Aterro Proposto Na célula destinada a resíduos não-perigosos serão admitidos todos resíduos não-perigosos, classificados de acordo com a Norma Moçambicana NM339 Resíduos Sólidos Classificação, tal como indicado no artigo 7 do Regulamento sobre a Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos (Decreto 94/2014 de 31 de Dezembro). No que concerne à eliminação de resíduos perigosos, em concordância com o Regulamento sobre a Gestão de Resíduos Perigosos (Decreto 83/2014 de 31 de Dezembro), na célula concebida para este fim será restringida a eliminação de resíduos perigosos com as seguintes características: Resíduos com ph inferior a 7 e superior a 12. Para estes casos será necessário o pré-tratamento para níveis aceitáveis; Resíduos com ponto de inflamação inferior a 61 o C. Este tipo de resíduos requer tratamento ou submissão ao processo de incineração; Armas biológicas; Gases comprimidos; Os pesticidas requerem pré-tratamento ou que sejam enviados para outro local; Resíduos radioactivos; Resíduos biomédicos não tratados; Carcaças de animais infecciosos; e Baterias. Estas serão enviadas para outro local. Infra-estruturas do Projecto

10 O projecto será composto pelos seguintes componentes principais: Células de deposição de resíduos não-perigosos. Inicialmente será construída uma única célula ( m 2 ) com uma capacidade de cerca de m 3. Numa fase posterior, serão adicionadas, conforme necessário, células que poderão atingir um número máximo de 5 células; Células de deposição de resíduos perigosos. Inicialmente será construída uma única célula (2.500nm 2 ) com uma capacidade de aproximadamente m 3. Numa fase posterior, serão adicionadas, conforme necessário, células que poderão atingir um número máximo de 5 células; Unidade de triagem e de reciclagem; e ETAR com uma capacidade diária instalada de 100 m 3. O projecto prevê a instalação de um sistema de drenagem de águas pluviais através da instalação de canais de drenagem na área de intervenção. Prevê-se igualmente a construção de um sistema de drenagem de lixiviados que conduzirá o lixiviado à caixa de captação, para ser sujeito a posterior tratamento na ETAR. Na figura seguinte apresenta-se um tipo de sistema de água pluvial a ser utilizado. Figura 4.5 Fluxo de Gestão de Resíduos O fundo e os lados do canal serão compactados a 93% Com vista a reduzir o potencial de lixiviação do aterro, em todas as superfícies de contacto com resíduos serão igualmente instaladas: Manta (revestimento) de Polietileno de Alta Densidade (PEAD) com várias espessuras; Manta (revestimento) bentonítica geossintética de impermeabilização (GCL); Aterro compactado sobre a manta PEAD; e Uma manta de revestimento típica é apresentada de seguida.

11 Figura 4.6 Fluxo de Gestão de Resíduos Futura camada de resíduos Camada de geotêxtil F550M Camada de recolha de lixiviados 150mm Camada de geotêxtil F1200M 1.5 mm Revestimento liso Revestimento composto Revestimento de argila Material do local escarificado - 95% e Material denso O desenho do Projecto contempla igualmente outros elementos que visam garantir a protecção ambiental. Estes elementos incluem: Sistema de detecção de vazamentos através de drenos de inspecção; Sistema de recolha e tratamentos de águas lixiviadas; e Sistema de monitoramento de águas subterrâneas. Estradas de Acesso Internas O acesso ao local proposto para a implantação do aterro sanitário e industrial é limitado. Assim, o Projecto contemplará a abertura de uma estrada de acesso a partir da EN 7 ao local do Projecto que se estenderá por aproximadamente 1,67 km. Contudo, a extensão e rota exactas assim como as características da estrada serão determinadas numa fase mais avançada de planificação e desenho do Projecto. A estrada de acesso será descrita e analisada em detalhe na fase do EIA. Escritórios, Alojamento e Oficinas A infra-estrutura de apoio a localizar-se dentro da área reservada para a instalação do aterro sanitário e industrial incluirá instalações administrativas, alojamento para trabalhadores, instalações sanitárias, refeitórios, oficinas, armazéns e uma báscula Fase de Desactivação da Actividade A fase de desactivação ocorre no final da vida do aterro. Esta fase contemplará (de modo não limitativo) as seguintes actividades: Aterro e nivelamento do terreno; Transferência de mão-de-obra; Desmantelamento e venda de equipamento; Restabelecimento e reabilitação da vegetação; e Monitorização pós-encerramento.

12 4.6 REQUISITOS DE MÃO-DE-OBRA O Projecto prevê a contratação de cerca de 200 trabalhadores locais e cinco estrangeiros durante a fase de construção. A maior parte das contratações nesta fase serão directas, não se prevendo a contratação de uma empresa de empreiteiros para a realização dos trabalhos inerentes a esta fase. Durante a fase operacional serão disponibilizados 50 a 60 postos de trabalho a serem preenchidos localmente. Durante esta fase, apenas duas das vagas disponíveis serão preenchidas por pessoal não local ou expatriados. A mão-de-obra a ser empregue pelo Projecto será predominantemente local, proveniente do Distrito de Moatize, Cidade de Tete e da Província de Tete. 4.7 FORNECIMENTO E CONSUMO DE ÁGUA E ENERGIA As demandas de consumo de água previstas para satisfazer os usos durante as fases de construção e operação são as seguintes: 3 m 3 /dia para fins domésticos nas fases de construção e de operação; 1-2 m 3 /dia durante a fase de construção destinados a produção de cimento; Até 6 m 3 /dia (fase de construção) e 2 m 3 /dia (fase de operação) para a supressão de poeiras com o método de aspersão; e 6 m 3 /dia (fornecidos de uma forma não contínua) para a irrigação durante as fases de operação e de encerramento. Uma grande parte da demanda acima será suprida com a água recuperada do processo de tratamento de resíduos. Adicionalmente, a água será obtida de furos de captação de águas subterrâneas e furos de monitoria a serem construídos no local do Projecto. Figura 4.7 Localização dos furos de captação a serem desenvolvidos

13 A energia será gerada através de geradores a gasóleo. Durante a fase de construção serão necessários até 2500 l/dia de gasóleo e 500 l/dia durante a fase operacional de modo a satisfazer a procura de energia pelo Projecto.

PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 4. RESPONSABILIDADES...

PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 4. RESPONSABILIDADES... PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 3.1. FASE DE PLANEAMENTO (PRÉ-OBRA)...5 3.2. FASE DE CONSTRUÇÃO...5 3.2.1. Deposição

Leia mais

ASPECTOS SOBRE SISTEMAS DE DRENAGEM EM PEDREIRAS A CÉU ABERTO

ASPECTOS SOBRE SISTEMAS DE DRENAGEM EM PEDREIRAS A CÉU ABERTO ASPECTOS SOBRE SISTEMAS DE DRENAGEM EM PEDREIRAS A CÉU ABERTO Mário J. N. Bastos Engenheiro de Minas INTRODUÇÃO A drenagem de águas superficiais é uma das operações auxiliares mais importantes nas pedreiras

Leia mais

ECODEPUR DEPURWASH. Sistema de Tratamento e. Reciclagem de Águas de Lavagem. v1.2-200213

ECODEPUR DEPURWASH. Sistema de Tratamento e. Reciclagem de Águas de Lavagem. v1.2-200213 ECODEPUR DEPURWASH Sistema de Tratamento e v1.2-200213 Reciclagem de Águas de Lavagem ENQUADRAMENTO A água potável é um bem cada vez mais escasso, e deverão ser efectuados todos os esforços para preservar

Leia mais

14.02 - DRENAGEM CARACTERÍSTICAS DOS MATERIAIS

14.02 - DRENAGEM CARACTERÍSTICAS DOS MATERIAIS 14.02 - DRENAGEM CARACTERÍSTICAS DOS MATERIAIS Aplicam-se a todos os materiais as disposições constantes do capítulo 14.00 deste caderno de encargos, nomeadamente 14.00.1, 14.00.2, 14.00.3 e 14.00.4 e

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL DO PROJECTO DE CENTRAL DE CICLO COMBINADO DO PEGO

ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL DO PROJECTO DE CENTRAL DE CICLO COMBINADO DO PEGO TEJO ENERGIA Produção e Distribuição de Energia Eléctrica, S. A. ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL DO PROJECTO DA CENTRAL DE CICLO COMBINADO DO PEGO ADITAMENTO Nº DO TRABALHO: MF 2457 Nº DO DOCUMENTO: 01.RP.I

Leia mais

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Material Circulante

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Material Circulante Mod 10-381 rev 0 Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Manutenção de Material Circulante Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A implementação

Leia mais

Disciplina: GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Professora: Viviane Japiassú Viana GERENCIAMENTO PARTE 4. Disposição final de resíduos sólidos

Disciplina: GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Professora: Viviane Japiassú Viana GERENCIAMENTO PARTE 4. Disposição final de resíduos sólidos GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOSS PARTE 4 Disposição final de resíduos sólidos Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Disposição final De acordo com a Resolução CONAMA 358/05, disposição final de

Leia mais

A ADEQUABILIDADE DAS PEDREIRAS PARA A INSTALAÇÃO DE ATERROS DE RESÍDUOS

A ADEQUABILIDADE DAS PEDREIRAS PARA A INSTALAÇÃO DE ATERROS DE RESÍDUOS A ADEQUABILIDADE DAS PEDREIRAS PARA A INSTALAÇÃO DE ATERROS DE RESÍDUOS João M. L. Meira Geólogo INTRODUÇÃO A gestão adequada dos resíduos é, na actualidade, um dos grandes desafios das sociedades modernas

Leia mais

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 10 PROCEDIMENTOS E ROTINAS PARA MONITORAMENTO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 10 PROCEDIMENTOS E ROTINAS PARA MONITORAMENTO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO VALEC NAVA 10 1 de 13 NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 10 PROCEDIMENTOS E ROTINAS PARA MONITORAMENTO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO VALEC NAVA 10 2 de 13 NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 10 PROCEDIMENTOS E ROTINAS PARA MONITORAMENTO

Leia mais

1. Introdução 2. 2. As funções da embalagem 2. 3. Classificação das embalagens 5. 4. Principais características dos materiais de embalagem 6

1. Introdução 2. 2. As funções da embalagem 2. 3. Classificação das embalagens 5. 4. Principais características dos materiais de embalagem 6 Capítulo I CONCEITOS GERAIS SOBRE EMBALAGEM 1. Introdução 2 2. As funções da embalagem 2 3. Classificação das embalagens 5 4. Principais características dos materiais de embalagem 6 5. O ambiente e a embalagem

Leia mais

Q TIC. Produtor/ Fornecedor:... Quimil Indústria e Comércio LTDA

Q TIC. Produtor/ Fornecedor:... Quimil Indústria e Comércio LTDA Revisão: 00 Data de revisão: 12/2011 Página 1 de 9 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto:... Produtor/ Fornecedor:... Endereço:...Via periférica II, 2460 CIA SUL- Simões Filho. Bahia.

Leia mais

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009. 4.2.5 Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009. 4.2.5 Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos - PBA Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151 4.2.5 Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Elaborado por: SEOBRAS Data: 18/11/2009 Revisão Emissão Inicial INDÍCE 4.2 Plano Ambiental de Construção

Leia mais

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE PENICHE

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE PENICHE SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE PENICHE FERREL AMPLIAÇÃO E REMODELAÇÃO DA REDE DE ESGOTOS DOMÉSTICOS E PLUVIAIS LIGAÇÃO ÀS ÁGUAS DO OESTE 2ª FASE E REFORÇO DO ABASTECIMENTO

Leia mais

PORTAL DA EMPRESA DOCUMENTOS INSTRUTÓRIOS. Estabelecimento industrial tipo 1 - autorização prévia para instalação. 29_10_2011 Página 1 de 5

PORTAL DA EMPRESA DOCUMENTOS INSTRUTÓRIOS. Estabelecimento industrial tipo 1 - autorização prévia para instalação. 29_10_2011 Página 1 de 5 1 - a) Projeto de instalação com o conteúdo previsto no n.º 2; b) Pagamento da taxa que for devida nos termos do regime de exercício da atividade industrial; c) Identificação da decisão sobre o pedido

Leia mais

PROJETO DE LEI N., DE 2015 (Do Sr. DOMINGOS NETO)

PROJETO DE LEI N., DE 2015 (Do Sr. DOMINGOS NETO) PROJETO DE LEI N., DE 2015 (Do Sr. DOMINGOS NETO) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para gestão e aproveitamento dos resíduos da construção civil e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

Resumo Não Técnico. Projecto de Alteração.

Resumo Não Técnico. Projecto de Alteração. ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL Resumo Não Técnico TAFE TRATAMENTO DE ALUMÍNIO E FERRO, S.A. Projecto de Alteração. Data: 11 de Dezembro de 2003 Copyright SIA / NAIMET 2003 1.- Índice 1.- Índice... 2 2.- Introdução...

Leia mais

Rev Modificação Data Autor Validação. Especialidades: Coordenadores das Especialidades CREA UF Matrícula Valido

Rev Modificação Data Autor Validação. Especialidades: Coordenadores das Especialidades CREA UF Matrícula Valido Rev Modificação Data Autor Validação Especialidades: Coordenadores das Especialidades CREA UF Matrícula Valido Especialidades: Autores do Documento CREA / UF Matrícula valido Sítio GERAL Área do sítio

Leia mais

Sector do Meio Ambiente. Armazenamento, transporte, tratamento e reutilização de águas

Sector do Meio Ambiente. Armazenamento, transporte, tratamento e reutilização de águas Sector do Meio Ambiente Armazenamento, transporte, tratamento e reutilização de águas Pág. 2 Introdução Rotomoldagem é um grupo de empresas que se dedica à transformação de polímeros. Estamos inseridos

Leia mais

Q LC 01. Produtor/ Fornecedor:... Quimil Indústria e Comércio LTDA

Q LC 01. Produtor/ Fornecedor:... Quimil Indústria e Comércio LTDA Revisão: 00 Data de revisão: 12/2011 Página 1 de 9 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto:... Produtor/ Fornecedor:... Endereço:...Via periférica II, 2460 CIA SUL- Simões Filho. Bahia.

Leia mais

Instituto Politécnico de Beja

Instituto Politécnico de Beja Instituto Politécnico de Beja Escola Superior de Agrária de Beja Licenciatura (1º ciclo) em Engenharia do Ambiente: Duração: 3 anos Grau: Licenciatura Directora de Curso: Doutora Rosa Maria Cabral da Cunha

Leia mais

Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal. Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves

Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal. Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves 1. Introdução A energia eólica é a fonte de energia que regista maior crescimento em todo o mundo. A percentagem

Leia mais

REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS NO PORTO DE AVEIRO. CAPÍTULO 1 Disposições gerais. Artigo 1.º Objectivo e Âmbito de aplicação

REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS NO PORTO DE AVEIRO. CAPÍTULO 1 Disposições gerais. Artigo 1.º Objectivo e Âmbito de aplicação REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS NO PORTO DE AVEIRO CAPÍTULO 1 Disposições gerais Artigo 1.º Objectivo e Âmbito de aplicação O presente Regulamento aplica-se a toda a área portuária e tem como objectivo

Leia mais

Município de Capanema - PR

Município de Capanema - PR LEI Nº. 1.557, DE 20 DE MAIO DE 2015. Dispõe sobre a política municipal de resíduos sólidos do Município de Capanema e dá outras providências. A Câmara Municipal de Capanema, Estado do Paraná, aprovou

Leia mais

Definição e classificação

Definição e classificação Definição A gestão de resíduos urbanos Qual o nosso papel? Definição e classificação «Resíduo» qualquer substância ou objecto de que o detentor se desfaz ou tem a intenção ou a obrigação de se desfazer,

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO ÍNDICE 1.- INTRODUÇÃO... 3 2.- ESPECIFICAÇÕES SOBRE AS OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO... 3 3.- PLANO DE PREVENÇÃO

Leia mais

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS)

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) PCAI Programa de Controle Ambiental Intrínseco SÍTIO BELO MONTE (VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) Foto 01: Aterro do acesso interno (próximo à nova central de britagem): Neste

Leia mais

DECLARAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL PROJECTO VARIANTE Á EN249-4 ENTRE O NÓ DA A5 (IC15) E A ABRUNHEIRA

DECLARAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL PROJECTO VARIANTE Á EN249-4 ENTRE O NÓ DA A5 (IC15) E A ABRUNHEIRA DECLARAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL PROJECTO VARIANTE Á EN249-4 ENTRE O NÓ DA A5 (IC15) E A ABRUNHEIRA (Estudo Prévio) I. Tendo por base o Parecer Final da Comissão de Avaliação (CA), as Conclusões da Consulta

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 Correlações: Alterada pela Resolução nº 448/12 (altera os artigos 2º, 4º, 5º, 6º, 8º, 9º, 10 e 11 e revoga os

Leia mais

Expansão do Parque Empresarial de Lanheses

Expansão do Parque Empresarial de Lanheses Expansão do Parque Empresarial de Lanheses Estudo de Impacte Ambiental Volume III Relatório elaborado para: GestinViana Edifício de Apoio à Doca de Recreio 4900 Viana do Castelo IMA 12.05-03/26 FEVEREIRO

Leia mais

PROJETO DE ALTERAÇÃO DA REDE ELÉTRICA E REPARAÇÕES DO CENTRO EMPRESARIAL DA MARINHA GRANDE EMBRA MARINHA GRANDE PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE

PROJETO DE ALTERAÇÃO DA REDE ELÉTRICA E REPARAÇÕES DO CENTRO EMPRESARIAL DA MARINHA GRANDE EMBRA MARINHA GRANDE PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE PROJETO DE ALTERAÇÃO DA REDE ELÉTRICA E REPARAÇÕES DO CENTRO EMPRESARIAL DA MARINHA GRANDE EMBRA MARINHA GRANDE PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS 1. INTRODUÇÃO O Decreto-Lei n.º 46/2008, de 12 de

Leia mais

v1.8-060312 Separadores de Hidrocarbonetos, tipo ECODEPUR, Gama DEPUROIL Classe 1 de acordo com a Norma EN858

v1.8-060312 Separadores de Hidrocarbonetos, tipo ECODEPUR, Gama DEPUROIL Classe 1 de acordo com a Norma EN858 Separadores de Hidrocarbonetos, tipo ECODEPUR, Gama DEPUROIL Classe 1 de acordo com a Norma EN858 APRESENTAÇÃO Os Separadores de Hidrocarbonetos, tipo ECODEPUR, Gama DEPUROIL, são equipamentos destinados

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto executivo nº 12/05 de 12 de Janeiro Considerando o disposto no Decreto nº 39/00. de 10 de Outubro, sobre a protecção do ambiente no decurso das actividades petrolíferas

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ÁREA DE DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DE ANÁPOLIS: um estudo de caso PIBIC/2010-2011

AVALIAÇÃO DA ÁREA DE DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DE ANÁPOLIS: um estudo de caso PIBIC/2010-2011 AVALIAÇÃO DA ÁREA DE DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DE ANÁPOLIS: um estudo de caso PIBIC/2010-2011 Walleska Alves De Aquino Ferreira 1 Escola de Engenharia Civil / UFG walleskaaquino@gmail.com

Leia mais

DIPLOMA ÂMBITO DE APLICAÇÃO LEGISLAÇÃO TRANSPOSTA OBSERVAÇÕES IMPORTÂNCIA NO CONTEXTO DO PERH GESTÃO DE RESÍDUOS

DIPLOMA ÂMBITO DE APLICAÇÃO LEGISLAÇÃO TRANSPOSTA OBSERVAÇÕES IMPORTÂNCIA NO CONTEXTO DO PERH GESTÃO DE RESÍDUOS GESTÃO DE RESÍDUOS Portaria n.º 1127/2009, de 1 de Outubro [Republicada pela Portaria n.º 1324/2010, de 29 de Dezembro] Art.º 121.º da Lei n.º 64- A/2008, de 31 de Dezembro Aprova o Regulamento Relativo

Leia mais

canteiro de obras: compreendendo o conjunto de instalações dimensionadas e implantadas para o apoio às obras, podendo constar de:

canteiro de obras: compreendendo o conjunto de instalações dimensionadas e implantadas para o apoio às obras, podendo constar de: ES MA 04 CANTEIROS DE OBRAS, INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS E EQUIPAMENTOS EM GERAL 1. Generalidades Esta Especificação estabelece os procedimentos a serem observados na instalação e na operação dos canteiros

Leia mais

1 Que tipo de atividades estão sujeitas ao RERAE?

1 Que tipo de atividades estão sujeitas ao RERAE? Regime Extraordinário da Regularização de Atividades Económicas RERAE Perguntas Frequentes 1 Que tipo de atividades estão sujeitas ao RERAE? Podem apresentar pedido de regularização das atividades económicas

Leia mais

FORMULÁRIO PROGRAMA DE APOIO A PROJECTOS NO PAÍS

FORMULÁRIO PROGRAMA DE APOIO A PROJECTOS NO PAÍS Comissão para as Alterações Climáticas Comité Executivo Fundo Português de Carbono FORMULÁRIO PROGRAMA DE APOIO A PROJECTOS NO PAÍS CANDIDATURA DE PROGRAMA [de acordo com o Anexo do Regulamento] Resumo

Leia mais

Biotecnologia Enquadramento Normativo da Segurança e Higiene no Trabalho

Biotecnologia Enquadramento Normativo da Segurança e Higiene no Trabalho Biotecnologia Enquadramento Normativo da Segurança e Higiene no Trabalho Maria Helena Franco, Alice C. Rodrigues, João Paulo Sousa Direcção de Serviços de Prevenção de Riscos Profissionais (DSPRP), Instituto

Leia mais

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente. Histórico de Alterações

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente. Histórico de Alterações Histórico de Alterações Nº de Revisão Data de Revisão Alteração Efetuada 1-Foi alterado o texto do item 2, onde foram suprimidas as referências anteriores e referenciada a PGR-4.3.2 e várias PGR s. 2-No

Leia mais

Instruções. Passos para a elaboração de uma análise custo-benefíco de um investimento em Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho (SH&ST):

Instruções. Passos para a elaboração de uma análise custo-benefíco de um investimento em Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho (SH&ST): Instruções Passos para a elaboração de uma análise custo-benefíco de um investimento em Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho (SH&ST): 1º Ler integralmente a folha "Instruções" Antes do preenchimento

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA Resolução nº 307, de 5 de Julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações

Leia mais

Sistema de Confinamento de Áreas Contaminadas do Depósito de Resíduos Industriais da Solvay S/A em Santo André/SP

Sistema de Confinamento de Áreas Contaminadas do Depósito de Resíduos Industriais da Solvay S/A em Santo André/SP Sistema de Confinamento de Áreas Contaminadas do Depósito de Resíduos Industriais da Solvay S/A em Santo André/SP Francisco José Pereira de Oliveira Fral Consultoria Ltda., São Paulo, Brasil, franciscojpoliveira@fralconsultoria.com.br

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002)

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Correlações: Alterada pela Resolução nº 469/15

Leia mais

Soil Survey: Metodologia Inovadora, no Brasil, adotada pela CTR-Rio, para Controle de Qualidade da Instalação de Geomembranas.

Soil Survey: Metodologia Inovadora, no Brasil, adotada pela CTR-Rio, para Controle de Qualidade da Instalação de Geomembranas. Soil Survey: Metodologia Inovadora, no Brasil, adotada pela CTR-Rio, para Controle de Qualidade da Instalação de Geomembranas. Priscila Zidan e Luiz Paulo Achcar Frigo Evolui Consultoria Ambiental, Brasil

Leia mais

TECNOLOGIAS. Disposição Final Ambientalmente Adequada dos Resíduos Sólidos

TECNOLOGIAS. Disposição Final Ambientalmente Adequada dos Resíduos Sólidos TECNOLOGIAS Disposição Final Ambientalmente Adequada dos Resíduos Sólidos Prof. Dr. Aurélio Picanço UFT Pres. ABES Seção TO aureliopicanco@uft.edu.br 1 LEI Nº 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010. CAPÍTULO 2

Leia mais

FISPQ (FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS.) DETERGENTE EUCALIPTO GEL 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA:

FISPQ (FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS.) DETERGENTE EUCALIPTO GEL 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: 1.1 Nome Comercial: Detergente Eucalipto Gel Maranso 1.2 Código de Venda:004 1.3 Nome do Fabricante: QOB MATERIAIS DOMISSANEANTES LTDA EPP Rua Ministro Joaquim

Leia mais

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P.

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. 2 O r g a n i z a ç ã o e m U n i d a d e s C a p i t a l i z á v e i s Área de Formação 850. Protecção do Ambiente Itinerário de Formação 85001. Operação de Sistemas Ambientais Saída Profissional Designação:

Leia mais

GERAÇÃO DO RCC COM CNPJ (CONSTRUTORAS FORMAIS) => 25% SEM CNPJ (MERCADO INFORMAL) => 25% COM CPF (AUTÔNOMOS) => 15% SEM CPF (LIMPEZA PÚBLICA) => 35%

GERAÇÃO DO RCC COM CNPJ (CONSTRUTORAS FORMAIS) => 25% SEM CNPJ (MERCADO INFORMAL) => 25% COM CPF (AUTÔNOMOS) => 15% SEM CPF (LIMPEZA PÚBLICA) => 35% GERAÇÃO DO RCC COM CNPJ (CONSTRUTORAS FORMAIS) => 25% SEM CNPJ (MERCADO INFORMAL) => 25% COM CPF (AUTÔNOMOS) => 15% SEM CPF (LIMPEZA PÚBLICA) => 35% LEGISLAÇÃO PERTINENTE - Resolução CONAMA n 307/2002

Leia mais

GESTÃO DO RISCO NO TRANSPORTE DE MERCADORIAS PERIGOSAS. José Silva Carvalho 09.04.2010

GESTÃO DO RISCO NO TRANSPORTE DE MERCADORIAS PERIGOSAS. José Silva Carvalho 09.04.2010 GESTÃO DO RISCO NO TRANSPORTE DE MERCADORIAS PERIGOSAS José Silva Carvalho 09.04.2010 Uma abordagem qualitativa Enquadramento do Acordo Europeu Relativo ao Transporte Internacional de Mercadorias Perigosas

Leia mais

AUTO-ESTRADA COMO VEÍCULO DE INCORPORAÇÃO DE MATERIAIS VERDES

AUTO-ESTRADA COMO VEÍCULO DE INCORPORAÇÃO DE MATERIAIS VERDES AUTO-ESTRADA COMO VEÍCULO DE INCORPORAÇÃO DE MATERIAIS VERDES Tomé Pereira Canas 1, Rui Camolino 2 1 Brisa Inovação e Tecnologia SA; Núcleo de Relações Institucionais e Inovação; Gestor de Inovação; 214233418;

Leia mais

MUNICÍPIO DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON ESTADO DO PARANÁ PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES (PPA)

MUNICÍPIO DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON ESTADO DO PARANÁ PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES (PPA) MUNICÍPIO DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON ESTADO DO PARANÁ PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES (PPA) SUMÁRIO PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES... 4 1. SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA...

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N. 307, DE 05 DE JULHO DE 2002 Alterações: Resolução CONAMA n. 348, de 16.08.04 Resolução CONAMA n. 431, de 24.05.11 Resolução CONAMA n. 448, de 18.01.12 Resolução

Leia mais

A cidade de Manaus e a questão dos Resíduos Sólidos

A cidade de Manaus e a questão dos Resíduos Sólidos A cidade de Manaus e a questão dos Resíduos Sólidos Maria Cristina Vieira da Rocha 11 de Dezembro de 2014 A cidade de Manaus e a questão dos Resíduos Sólidos Diferenças entre Lixão e Aterro Sanitário:

Leia mais

Apresentação Comercial Março/2013 TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES

Apresentação Comercial Março/2013 TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES Apresentação Comercial Março/2013 TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES Atualmente, 1/3 da população mundial sofre escassez de água. Em 2050, mais de 2/3 da população mundial sofrerá deste problema! [ ] É consenso

Leia mais

BETUMINOSOS NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO 3.1 MEMÓRIA DESCRITIVA

BETUMINOSOS NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO 3.1 MEMÓRIA DESCRITIVA BETUMINOSOS NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO 3.1 MEMÓRIA DESCRITIVA 3.1.1 INTRODUÇÃO A Câmara Municipal de Viana do Alentejo pretende, com este projecto, proceder à construção/reparação/reforço do pavimento

Leia mais

Manda o Governo, pelos Ministros de Estado e das Finanças, do Ambiente, do Ordenamento do

Manda o Governo, pelos Ministros de Estado e das Finanças, do Ambiente, do Ordenamento do Diploma: Ministérios das Finanças e da Administração Pública, do Ambiente, do Ordenamento do Território e do Desenvolvimento Regional, da Economia e da Inovação, da Agricultura, do Desenvolvimento Rural

Leia mais

Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12. 1. Objectivo. 2. Aplicação

Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12. 1. Objectivo. 2. Aplicação Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12 1. Objectivo o Estabelecer normas para o processamento dos dispositivos médicos, baseadas em padrões de qualidade. o Estabelecer condições de

Leia mais

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE Parecer Técnico DISAN 18562/2006 PARECER TÉCNICO DISAN N 18562/2006 Empreendedor: Prefeitura Municipal de Jequitibá Endereço: Av. Raimundo Ribeiro da Silva, 145 - Centro

Leia mais

CAPÍTULO 5 - Disposição de Resíduos Sólidos

CAPÍTULO 5 - Disposição de Resíduos Sólidos CAPÍTULO 5 - Disposição de Resíduos Sólidos Profa. Dra. Andréa Sell Dyminski, asdymi@ufpr.br Referência Bibliográfica Básica: Manual de Gerenciamento Integrado de resíduos sólidos / José Henrique Penido

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E ENERGIA. Diário da República, 1.ª série N.º 229 26 de novembro de 2014 5977

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E ENERGIA. Diário da República, 1.ª série N.º 229 26 de novembro de 2014 5977 Diário da República, 1.ª série N.º 229 26 de novembro de 2014 5977 c) Atualização dos planos a que se refere a alínea a): 130 ; d) Atualização dos planos a que se refere a alínea b): 1230. 2 As importâncias

Leia mais

Boas práticas ambientais e melhores técnicas disponíveis na industria extractiva

Boas práticas ambientais e melhores técnicas disponíveis na industria extractiva centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Boas práticas ambientais e melhores técnicas disponíveis na industria extractiva C. M. Porto Mós M s 24/02/2010 25022010 1 centro tecnológico

Leia mais

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG)

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Política de Prevenção de Acidentes Graves Revisão Revisão Identificação e avaliação dos riscos de acidentes graves

Leia mais

GESTÃO DE RISCO BASEADA NA COMUNIDADE

GESTÃO DE RISCO BASEADA NA COMUNIDADE GESTÃO DE RISCO BASEADA NA COMUNIDADE Introdução Moçambique é um dos países mais afectados por fenómenos extremos causados por forças naturais e por acções do homem sobre a natureza e que nos põe em perigo.

Leia mais

Tratamento de Efluentes na Aqüicultura

Tratamento de Efluentes na Aqüicultura Tratamento de Efluentes na Aqüicultura Alessandro Trazzi, Biólogo, Mestre em Engenharia Ambiental. Diretor de Meio Ambiente - CTA VI Seminário de Aqüicultura Interior, Cabo Frio Rio de Janeiro. Introdução

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA ELABORAÇÃO DE PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DOS MUNICÍPIOS DE BRASIL NOVO, MEDICILÂNDIA, URUARÁ E PLACAS PROJETO042/2014

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG

NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG 1 S U M Á R I O CAPÍTULO APRESENTAÇÃO PÁGINA I Disposições Preliminares 02 II Uso e Ocupação do Solo 03 III Projetos

Leia mais

Priscila Boer Mazaro. Ciclo de Vida dos Resíduos Industriais

Priscila Boer Mazaro. Ciclo de Vida dos Resíduos Industriais Priscila Boer Mazaro A ESTRE É O LÍDER INCONTESTÁVEL A ESTRE é a maior companhia brasileira do setor de serviços ambientais 18.300 Empregados 40.000 TONS/DIA Todos os tipos de resíduos 4.522 CLIENTES

Leia mais

6/2006 1978 1973 (MARPOL

6/2006 1978 1973 (MARPOL Decreto n.º 6/2006 Aprova as emendas ao Protocolo de 1978 da Convenção Internacional para a Prevenção da Poluição por Navios, 1973 (MARPOL 73/78), adoptadas pela Resolução MEPC 115(51) da Organização Marítima

Leia mais

Página, artigo, inciso Texto original Araraquara Rio Claro Há diversas palavras juntas, sem ---

Página, artigo, inciso Texto original Araraquara Rio Claro Há diversas palavras juntas, sem --- Página, artigo, inciso Texto original Araraquara Rio Claro Há diversas palavras juntas, sem --- espaço. Pág. 9, Art. 2º, XV b) resíduos sólidos recicláveis: os originários de atividades domésticas em imóveis,

Leia mais

Documento sujeito a revisões periódicas Natal RN CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-1975 / 3232-2118

Documento sujeito a revisões periódicas Natal RN CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-1975 / 3232-2118 Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Postos (Revendedores e de Abastecimento) e Sistemas

Leia mais

Resolução CONAMA n 362, de 23 de junho de 20050. (Publicação -Diário Oficial da União -27/06/2005)

Resolução CONAMA n 362, de 23 de junho de 20050. (Publicação -Diário Oficial da União -27/06/2005) Resolução CONAMA n 362, de 23 de junho de 20050 Dispõe sobre o Rerrefino de Óleo Lubrificante (Publicação -Diário Oficial da União -27/06/2005) O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

1. RESÍDUOS 1.1. Caracterização geral

1. RESÍDUOS 1.1. Caracterização geral 1. RESÍDUOS 1.1. Caracterização geral 1.2. Classificações CAP 3 SANEAMENTO BÁSICO: GENERALIDADES Resíduos são restos ou sobras de materiai, provenientes de atividades humanas ou naturais, que em geral

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Nº: 059 Data da última revisão: 04/05/2013 Nome do Produto: Betugrout Super 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Betugrout Super Código do Produto:026050100. Nome da Empresa:Betumat

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Meio Ambiente, da Saúde Pública e da Política do Consumidor

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Meio Ambiente, da Saúde Pública e da Política do Consumidor PARLAMENTO EUROPEU 1999 2004 Comissão do Meio Ambiente, da Saúde Pública e da Política do Consumidor 31 de Março de 2004 PE 340.787/1-10 ALTERAÇÕES 1-10 Projecto de relatório (PE 340.787) Hans Blokland

Leia mais

Barómetro da Eficiência Energética Portugal 2010

Barómetro da Eficiência Energética Portugal 2010 1 - Aspectos Gerais 1.1 - Em qual das duas categorias a sua empresa se insere mais? Indústria 1.2 - O tema da eficiência energética é importante para a sua empresa. Barómetro da Eficiência Energética Portugal

Leia mais

EVOLUÇÃO DA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS PERIGOSOS NO PÓLO PETROQUÍMICO DE CAMAÇARI - BA

EVOLUÇÃO DA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS PERIGOSOS NO PÓLO PETROQUÍMICO DE CAMAÇARI - BA EVOLUÇÃO DA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS PERIGOSOS NO PÓLO PETROQUÍMICO DE CAMAÇARI - BA José Artur Lemos Passos Engenheiro Sanitarista e Ambiental pela Universidade Federal da Bahia. Especialista em Gerenciamento

Leia mais

Oficinas, serviços de reparação e manutenção, e similares com lavagem automotiva

Oficinas, serviços de reparação e manutenção, e similares com lavagem automotiva Oficinas, serviços de reparação e manutenção, e similares com lavagem automotiva 1. Identificação Empresa/Interessado: Endereço para correspondência: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: E-mail:

Leia mais

IVAN P RAMOS PRODUTOS QUÍMICOS

IVAN P RAMOS PRODUTOS QUÍMICOS Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico FISPQ Limpa Carpetes Worker 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Limpa Carpetes Worker Aplicação: Limpador de carpetes e tapetes

Leia mais

Atividades objeto do licenciamento: Código DN 74/04 Descrição Classe

Atividades objeto do licenciamento: Código DN 74/04 Descrição Classe PARECER ÚNICO SUPRAM TM/AP PROTOCOLO Nº 081530/2009 Indexado ao(s) Processo(s) Licenciamento Ambiental Nº 02532/2004/002/2009 LI AMPLIAÇÃO DEFERIMENTO Outorga Portaria Nº 570/2008 Poço tubular Deferida

Leia mais

Manual de Processos Prediais

Manual de Processos Prediais Índice Índice...1 1. Objectivo...2 2. Âmbito...2 3. Referências...2 4. Definições / Abreviaturas...2 5. Responsabilidades...2 6. Modo de Proceder...2 6.1. Fluxograma...2 6.2. Descrição...2 6.2.1. INSTRUÇÃO

Leia mais

Proposta de alteração ao Regulamento do projecto HORTAS URBANAS DE BEJA

Proposta de alteração ao Regulamento do projecto HORTAS URBANAS DE BEJA Proposta de alteração ao Regulamento do projecto HORTAS URBANAS DE BEJA 1.ª FASE do Projeto (12 meses contados a partir da data de inauguração do espaço) Considerando a vontade da Câmara Municipal de Beja

Leia mais

UNIVERSIDADE DE COIMBRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE DE COIMBRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE DE COIMBRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARTE II Limpeza urbana e aterros sanitários Mário Augusto Tavares Russo INSTITUTO POLITÉCNICO DE VIANA DO CASTELO

Leia mais

Regulação dos Serviços Públicos de Saneamento Básico e os Resíduos da Construção Civil

Regulação dos Serviços Públicos de Saneamento Básico e os Resíduos da Construção Civil Regulação dos Serviços Públicos de Saneamento Básico e os Resíduos da Construção Civil Lei n 4.285 de 26 de dezembro de 2008 Art. 5º São áreas de competência da ADASA: I recursos hídricos, compreendidos

Leia mais

ESTUDO DE GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

ESTUDO DE GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO ÍNDICE 1.Antecedentes--------------------------------------------------------------------------------------3 1.1. Objecto do estudo... 3 1.2. Descrição da obra... 3 1.3. Autor do estudo... 4 2.Tipos de

Leia mais

M A R I N A D E A L B U F E I R A A L B U M A R I N A - S O C I E D A D E G E S T O R A D E M A R I N A S S. A REGULAMENTO INTERNO

M A R I N A D E A L B U F E I R A A L B U M A R I N A - S O C I E D A D E G E S T O R A D E M A R I N A S S. A REGULAMENTO INTERNO M A R I N A D E A L B U F E I R A A L B U M A R I N A - S O C I E D A D E G E S T O R A D E M A R I N A S S. A REGULAMENTO INTERNO DO EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE MARITIMO TURÍSTICA NA Índice Capitulo I Disposições

Leia mais

Poluição do Solo e a Erosão

Poluição do Solo e a Erosão Gerenciamento e Controle da Profª. Lígia Rodrigues Morales e a Objetivos Conhecer a definição e a caracterização da poluição do solo, assim como os principais fatores que a desencadeiam; Compreender a

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos)

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) Página 1 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Código interno: 7500 (12 X 500 ml) Empresa: BOMBRIL S/A TELEFONE DE EMERGÊNCIA: 0800 014 8110 Aplicação: detergente para pré-lavagens.

Leia mais

Índice. Página 1 de 7

Índice. Página 1 de 7 Índice 1 - Objectivos...2 2 - Legislação aplicável...2 3 - Enquadramento legal...2 3.1 - Limites de fornecimento...2 3.2 - Descrição de encargos...2 3.2.1 - Encargos do adjudicatário...2 3.3 - Encargos

Leia mais

Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança

Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança ENQUADRAMENTO O QUE SE PRETENDE? A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO

Leia mais

Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625

Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625 Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE TRABALHO

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE TRABALHO SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA A E SAÚDE NO TRABALHO Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição) Implementação do SGA e do SGSST ao nível das grandes empresas da R.A.A. Mestranda Cristina

Leia mais

PROTOCOLO PARA REABILITAÇÃO DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS DE ALCANENA. Unidade de Tratamento de Resíduos Industriais Raspas Verdes

PROTOCOLO PARA REABILITAÇÃO DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS DE ALCANENA. Unidade de Tratamento de Resíduos Industriais Raspas Verdes Unidade de Tratamento de Resíduos Industriais Raspas Verdes Eng.º Nuno Silva (CTIC) O que são as Raspas Verdes Antes de se iniciar o processo de curtimenta propriamente dito, os couros são aparados e

Leia mais

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS)

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) PCAI Programa de Controle Ambiental Intrínseco SÍTIO BELO MONTE (VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) Foto 01: Casa de força de Belo / vista de montante para jusante. Situação atual

Leia mais

Projecto Limpar Portugal - Manual para actuação para dia L

Projecto Limpar Portugal - Manual para actuação para dia L Projecto Limpar Portugal - Manual para actuação para dia L Introdução Breves definições: O que são resíduos? Não há uma definição única! O conceito do que são resíduos e a respectiva definição é variável

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DOS RECURSOS NATURAIS Direção Regional do Ambiente

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DOS RECURSOS NATURAIS Direção Regional do Ambiente 5ª ADENDA AO ALVARÁ DE LICENÇA DE FUNCIONAMENTO PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 9/DRA/2008 Nos termos do Decreto-Lei nº 152/2002, de 23 de maio, a atribuiu o alvará nº 9/DRA/2008

Leia mais

Considerando a necessidade de minimizar os impactos negativos causados ao meio ambiente pelo descarte inadequado de pilhas e baterias;

Considerando a necessidade de minimizar os impactos negativos causados ao meio ambiente pelo descarte inadequado de pilhas e baterias; NOVA RESOLUÇÃO DE PILHAS E BATERIAS Estabelece os limites máximos de chumbo, cádmio e mercúrio para pilhas e baterias comercializadas em território nacional e os critérios e padrões para o seu gerenciamento

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA

LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA Renato das Chagas e Silva Engenheiro Químico Departamento de Controle FEPAM LEI FEDERAL 6938/81 DECRETO FEDERAL 99274/90 BASE PARA GESTÃO AMBIENTAL obrigatoriedade

Leia mais

Manual de Instruções. Tanques e Vasos de Polietileno. Atenção Leia antes da aceitação do material

Manual de Instruções. Tanques e Vasos de Polietileno. Atenção Leia antes da aceitação do material Manual de Instruções Apresentação Recebimento Descarga Instalação Segurança e Prevenção de Acidentes Válvulas Respiro Fixação Manutenção Tanques e Vasos de Polietileno Atenção Leia antes da aceitação do

Leia mais

CAPÍTULO 1.8 MEDIDAS DE CONTROLE E DE APOIO AO CUMPRIMENTO DAS PRESCRIÇÕES DE SEGURANÇA

CAPÍTULO 1.8 MEDIDAS DE CONTROLE E DE APOIO AO CUMPRIMENTO DAS PRESCRIÇÕES DE SEGURANÇA CAPÍTULO 1.8 MEDIDAS DE CONTROLE E DE APOIO AO CUMPRIMENTO DAS PRESCRIÇÕES DE SEGURANÇA 1.8.1 Controles administrativos das mercadorias perigosas 1.8.1.1 As autoridades competentes podem, em qualquer momento,

Leia mais

MANUFATURA PRODUTOS KING

MANUFATURA PRODUTOS KING PÁGINA 1 de 11 FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO TÍTULO ÓLEO DE PEROBA. Nº FISPQ 200001 1 IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA E DO PRODUTO Nome do produto: ÓLEO DE PEROBA. Nome da empresa: LTDA.

Leia mais