ESTUDO DE CASO DO UOL. Como o caso do Universo On Line (UOL) pode criar novas perspectivas para a análise estratégica?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO DE CASO DO UOL. Como o caso do Universo On Line (UOL) pode criar novas perspectivas para a análise estratégica?"

Transcrição

1 NOVAS PERSPECTIVAS DA ANÁLISE ESTRATÉGICA: ESTUDO DE CASO DO UOL Como o caso do Universo On Line (UOL) pode criar novas perspectivas para a análise estratégica? Banca examinadora Prof. Dr. Flávio C. de Vasconcelos Profa. Dra. Maria José Tonelli Sr. Dieter Rudloff

2 Dedicatória Para minha esposa Charleen que tanto me apoiou nessa jornada

3 FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO CHRISTIAN BAUMGART NOVAS PERSPECTIVAS DA ANÁLISE ESTRATÉGICA: ESTUDO DE CASO DO UOL Como o caso do Universo On Line (UOL) pode criar novas perspectivas para a análise estratégica? Fundação Getulio Vargas Escola de Administração V de Empresas de Silo Paulo Biblioteca Dissertação apresentada ao Curso de Mestrado Executivo - MBA como requisito para obtenção de título de mestre em Administração Orientador: Prof. Dr. Flávio C. de Vasconcelos SÃO PAULO

4 ,, I,; "i ç > 05.0~ I. J 194jBtXJl '-- G gl, ~ 2.>l - >:H~1J'w ",ç (.,.~, SP

5 BAUMGART, Christian. Novas perspectivas da análise estratégica: Estudo de caso do provedor UOL - Como o caso do Universo On Line (UOL) pode criar novas perspectivas para a análise Estratégica? São Paulo: EAESPIFGV, p. (Dissertação de Mestrado Apresentada ao Curso de Mestrado Executivo da EAESPIFGV, opçãomba). Resumo: Estudo dos desafios e novas perspectivas estratégicas que se apresentam com o estudo de caso do UOL - Universo On Line - provedor de acesso e portal líder no Brasil, baseado em fatos e estatísticas do mercado e entrevista com o UOL. Abstract: Study of the challenges and new strategic perspectives to be faced with the UOL case - Universo On Line -leader Internet Service Provider and Portal in Brazil, based on facts and statistics of the market and interview with the UOL. III

6 INDICE 1. Introdução A Internet Introdução O início da Internet World Wide Web - WWW Provedores de Acesso Provedores de Conteúdo Ambiente Competitivo Panorama Internacional Estados Unidos Europa Ásia América Latina A Internet no Brasil Perfil do usuário Competidores ig UOL Terra AOL Provedores de Acesso por TV a cabo Fontes de receita Telecomunicações Impacto de novas tecnologias 41 IV

7 4. Análise estratégica e o desafio da Internet Design estratégico Planejamento Estratégico Posicionamento Estratégico Como a Internet coloca em questão as principais teorias de estratégia? Estudo de caso: o que diferencia o UOL para se tornar vencedor? DOL - a visão estratégica do DOL - Entrevista Análise estratégica do DOL Como determinar o "vencedor"? Quais os resultados até o momento? Implicações para as principais teorias de estratégia Bibliografia 76 v

8 Agradecimentos o resultado desta dissertação é o resultado não de uma só pessoa, mas também de professores, colegas de trabalho e amigos que me ajudaram a completar este trabalho. Agradeço a todos eles, especialmente: Aos colegas da Monitor, em especial à Vera Hanada, pela constante ajuda com pesquisas e "achados" especiais. Ao UOL, que forneceu informações indispensáveis para tomar este trabalho possível, em especial a Eduardo Alcalay. Ao professor Flávio Carvalho de Vasconcelos, pelo inestimável apoio e orientação deste trabalho. Aos meus pais, que sempre estiveram a meu lado. E em especial à minha esposa, pela inesgotável colaboração e paciência. Muito obrigado a todos. VI

9 1.INTRODUÇÃO "Creio que exista um mercado mundial para cerca de cinco computadores" (Thomas Watson, Presidente da IBM, 1948) Internet. Esta palavra tem representado a mais significativa revolução na forma de comunicação do homem. Reduzindo grandes distâncias entre as pessoas e as empresas, o fruto da globalização tem sido seu mais eficiente impulsionador. Qualquer pessoa que tenha acesso a um computador e uma linha telefônica pode, com a nova tecnologia, trocar informações em grande escala entre quaisquer lugares no planeta, em poucos instantes, informando-se com uma velocidade e riqueza pouco imaginadas antes de sua criação. Desenvolvida com o apoio do governo norte-americano e destinada a ser um meio de comunicação militar; o início de sua aplicação comercial revela continuamente seu imenso potencial econômico, transformando-se rapidamente em uma epidemia que cresce a níveis que poucos teriam imaginado alguns anos antes, modificando as regras de mercado e mais especificamente a maneira como muitas empresas competem em todo o mundo. A Internet representa atualmente um novo campo de competição entre as empresas, com regras desconhecidas que agora, aos poucos, começam a se tornar mais claras. Pequenas empresas, que anteriormente não poderiam nem sequer cogitar em competir em determinados segmentos, agora apresentam potencial para derrubar grandes conglomerados internacionais de suas posições privilegiadas, colocando-se mais perto dos clientes em potencial através de uma maior agilidade e flexibilidade competitiva, e gerando assim grande instabilidade nas bolsas de valores, que procuram neste novo e desconhecido cenário da economia mundial identificar os players que melhor saberão aproveitar as oportunidades que surgem diariamente. 1

10 É exatamente neste cenário competitivo que pretendo explorar meu trabalho de dissertação. A escolha do tema baseou-se na seguinte dúvida: em meio a tantas diferentes escolas de estratégia, no que cada uma poderia influenciar mais o desenvolvimento de uma estratégia vencedora entre os provedores de acesso à Internet, ou quais as deficiências análise estratégica que levam o provedor "vencedor" no ambiente competitivo destas escolas de brasileiro a não adotá-las para formular a sua própria estratégia? Para definir que gostaria de aplicar este estudo aos provedores de Internet levei em consideração que os mesmos estão numa posição intermediária entre um negócio tradicional, que demanda altos investimentos em equipamentos e instalações, e um negócio baseado na nova economia da Internet, extremamente volátil e longe de sua maturidade. Na primeira parte deste trabalho procurarei colocar o leitor a par do histórico e principais elementos que compõe o cenário da Internet, bem como de suas origens. Não pretendo aqui fazer uma descrição detalhada e completa de todos os acontecimentos passados, e sim uma síntese. Na segunda parte apresento informações gerais sobre a Internet, enquanto que na terceira apresento o panorama competitivo, de modo mais detalhado, incluindo os acontecimentos mais recentes, o desenvolvimento do mercado e algumas das características dos principais competidores. Na quarta parte da dissertação apresento as principais caracterizo as mais tradicionais escolas de análise estratégica, a citar: a escola do design, a escola do planejamento estratégico e a escola do posicionamento estratégico. Termino esta quarta parte com a questão de como o ambiente como a Internet coloca em questão as principais teorias de estratégia. Na quinta parte abordo o estudo de caso propriamente dito, baseado em um provedor de acesso à Internet. Esta quinta parte conta com uma entrevista conduzida com o UOL e suas implicações. 2

11 Na sexta parte desta dissertação faço uma análise das implicações futuras e a conclusão deste estudo. 3

12 2. A INTERNET 2.1 Introdução A Internet se constitui em um grande conjunto de redes que interligam em todo o mundo inúmeros computadores que se comunicam, trocando dados como textos, imagens e voz entre si, baseados nas tecnologias recentemente desenvolvidas no campo da eletrônica e na infraestrutura mundial das telecomunicações. Estas redes utilizam um protocolo de comunicação, o IP (Internet Protocol), que é um conjunto de instruções que viabilizam a comunicação e troca de dados entre os computadores acoplados à rede. Cada computador conta com uma identificação única. Em todo o mundo, os backbones, que são as estruturas principais de rede, conectando milhares de redes regionais e locais, estão interligados entre si através do protocolo TCPIIP (Transmission Control Protocol/lnternet Protocol), compondo a infra-estrutura mundial de backbones. Ao utilizar um mesmo protocolo, as redes viabilizam a comunicação entre si e entre computadores com diferentes sistemas, que na maioria dos casos seriam incompatíveis entre si. Assim, estabelecem uma base única de comunicação, uma linguagem comum a todos os computadores pertencentes à Internet, independentemente de seus diferentes sistemas operacionais. Em comparação com outros meios de comunicação, a Internet é um mero extremamente barato, uma vez que elimina a necessidade do uso de chamadas de longa distância, no caso da telefonia, pois a conexão do usuário é feita apenas com o seu provedor de acesso, que normalmente está ao alcance de uma ligação de curta distância. Apesar dos principais computadores que compõe a Internet serem máquinas de alta capacidade de processamento de dados e com altas velocidades de conexão, ao usuário final basta um computador comum para desfrutar dos serviços da Internet. Toma-se possível servir-se de informações diversas, serviços, entretenimento e possibilidades de realização de negócios a 4

13 um custo relativamente baixo. Tomam-se possíveis também a troca de mensagens por computador (electronic mail ou simplesmente ), acesso a arquivos de computador e o acesso a páginas de informações situadas na World Wide Web - WWW. 5

14 2.2 O início da Internet Nos anos 60, com base em um projeto de rede de computadores patrocinado pela Advanced Research Projects Agency (ARP A) do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, iniciouse a constituição da Internet. A idéia era manter a comunicação de centros de pesquisa e instalações militares no caso de uma guerra nuclear, de modo que se um ponto da rede de comunicações fosse danificado o sistema pudesse compensar a falta do mesmo, mantendo as comunicações através de outras conexões paralelas. Logo depois de implantada, em 1970, a rede foi dividida em duas, uma com fins acadêmicos e outra com fins estritamente militares. Mais tarde, com o objetivo de possibilitar a comunicação entre dois computadores comuns, foi desenvolvido o protocolo TCP/IP, utilizado até hoje na Internet. Durante os anos 70, em que diversas outras redes foram sendo constituídas, surgiu em paralelo um movimento de centros acadêmicos não contemplados pelo programa governamental, aliado a empresas privadas do setor de alta tecnologia, criando redes de microcomputadores da marca Digital, mais acessíveis do que os grandes computadores do programa da ARP A. O surgimento do Unix (AT&T), um sistema operacional voltado para computadores em rede, foi fundamental para este fim, iniciando-se sua utilização em 1977 em conjunto com o modem, equipamento que permite a troca de informações por linhas telefônicas. Rapidamente se constituíram redes independentes no meio acadêmico e empresarial norte-americano, utilizando-se da rede de telefonia pública para a troca de mensagens e informações. Em seguida, intensificaram-se as iniciativas de unificação das diversas redes, sob o patrocínio da National Science Foundation (NSF). O termo "Internet" foi utilizado pela primeira vez em 1983 para descrever o conjunto de redes interconectadas (Interconnecting Networks). Em 1985, a NSF interligou os supercomputadores de seus centros de pesquisa, formando a NSFnet. No ano seguinte, a mesma foi conectada a ARPAnet (rede da ARPA), passando-se a chamar de Internet o conjunto de computadores e redes interligados aos backbones NSFnet e ARPAnet. 6

15 No final dos anos 80 e 90 foram criadas outras redes para utilização de empresas privadas, e mais tarde disponibilizou-se o acesso à Internet para indivíduos. Os primeiros provedores de acesso à Internet foram a PSINet e a UUnet. Em 1991, o Cem dava ongem a World Wide Web (WWW), tomando possível acessar informações no computador em forma de páginas. Em 1992, a NSF obtinha do Congresso norte-americano uma autorização permitindo atividades comerciais em sua rede, a NSFnet, viabilizando a ligação das redes comerciais que se formavam. A desregulamentação do acesso à Internet foi completada no governo Clinton. Em 1993, a Fundação Nacional de Ciência dos Estados Unidos criou o primeiro registro de domínios (parte dos endereços dos computadores da rede) e o Centro Nacional de Aplicações de Supercomputação dos Estados Unidos lança o Mosaic, o primeiro navegador ou browser da Internet, software que localiza e permite a visualização de páginas na Internet. Em 1995 o governo norte-americano permitiu o acesso comercial à Internet para a iniciativa privada. A NSFnet voltou a ser uma rede acadêmica com exclusividade e empresas que já forneciam outros serviços on-line se tomaram provedores de acesso à Internet. Finalmente, em 1996, os grandes sites de serviços e procura na Web como o Yahoo! lançaram suas ações na Bolsa de Valores de Nova York. No Brasil, as primeiras redes acadêmicas começaram a se formar em Com o aval da Embratel, que monopolizava as comunicações de longa distância, inicialmente as redes eram utilizadas para a troca de informações e mensagens. Apenas no governo Collor, quando a preferência da tecnologia de acesso à Internet tomava-se evidente, foi reduzida a resistência imposta pela Secretaria Especial de Informática (SEI), que até então dispunha de grande poder em função da reserva de mercado. Diversas alternativas de acesso as redes internacionais prosperaram, como por exemplo a iniciativa do Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC), do CNPq do Rio de Janeiro, que permitia o acesso discado a qualquer membro da comunidade nacional de pesquisa à Universidade de Maryland. 7

16 Em 1989 foi criada a Rede Nacional de Pesquisa (RNP), visando coordenar as diversas iniciativas e criar uma rede nacional integrada. Deveria se constituir num backbone dedicado à comunidade acadêmica em nível federal e internacional, sem no entanto desestimular iniciativas estaduais de criação de redes. Em 1989, em paralelo a iniciativas do governo e da comunidade acadêmica, entrava em operação o primeiro provedor comercial de acesso à Internet no Brasil, o AlterNex, criado pelo Ibase (Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas), do sociólogo Herbert de Souza, conhecido como "Betinho", e que contava inicialmente com 40 usuários que se utilizavam principalmente do para se comunicar com parentes e amigos no exterior. Em 1991 a Fapesp inaugurou o tráfego do país para a Internet, e por seu pioneirismo ainda é responsável pelo registro de domínios no Brasil. No mesmo ano teve início a construção da espinha dorsal (backbone) da RNP, interligando inicialmente 11 capitais. Em 1994, ou seja, em apenas três anos, o Brasil já contava com mais de 30 mil usuários de Internet distribuídos por vinte estados através de 3,3 mil servidores espalhados por mais de 400 instituições. Nesta época os serviços de BBS (Bulletin Board Systems) do país já ofereciam serviços de e- mail, Internet e acesso à rede. Vários provedores (como o Mandic) expandiram seus serviços oferecendo conexão à Internet, uma vez que uma BBS normalmente só oferece o serviço de troca de s. Em 1995, com participação de membros do Ministério das Comunicações e do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) foi criado o Comitê Gestor da Internet no Brasil (CG), com a tarefa de administrar os rumos da Internet no país. No mesmo ano a RNP passou a atender a todos os setores da sociedade, e não mais apenas à comunidade acadêmica. 8

17 o início das operações comerciais se deu exatamente em Um dos serviços pioneiros de BBS, o Mandic, de Aleksander Mandic, contava com apenas um computador e uma única linha telefônica. O Mandic atualmente faz parte do provedor argentino El Sitio. Em 1996 evidenciou-se a explosão dos serviços de acesso à Internet no Brasil, com o lançamento do UOL (Folha de São Paulo) e BOL (Grupo Abril). O UOL ocupa atualmente posição de destaque no mercado brasileiro. Nos últimos anos o número de usuários da Internet no Brasil têm crescido vertiginosamente, e assim aumentou em muito o interesse de grupos internacionais interessados em competir no Brasil. 9

18 2.3 World Wide Web - WWW Também chamada simplesmente de Web, a WWW disponibiliza textos e ilustrações na tela do computador através de um ambiente gráfico. As páginas estão estruturadas com conteúdo multimídia (textos, imagens, sons e vídeos) e recursos de hipertexto, de modo que o usuário "navegue" entre uma página e outra. O recurso de hipertexto é um recurso que, quando apontado com o ponteiro do mouse e "clicado", remete o usuário a determinado endereço, ou seja, uma outra página ou site da WWW. Esta tecnologia, que é a combinação entre multimídia e hipertexto, é chamada de hipermídia. Ela possibilita que o usuário possa ler textos e ver imagens que tenham sido disponibilizadas na WWW de qualquer parte do mundo. Assim, pode-se ler jornais, fazer compras e consultar bancos de dados, publicações e artigos di versos. Para que se possa acessar as páginas da Web, é necessário que se disponha, além do computador ligado a um provedor, um software de navegação, chamado comumente de browser. É ele que acessa e nos permite visualizar as diversas páginas da Internet. Como vimos anteriormente, o Mosaic foi o primeiro dos navegadores. Atualmente os navegadores Explorer e Netscape são os mais utilizados em todo o mundo. A Web, criada em 1991 no Laboratório Europeu para Física de Partículas (Cem), na Suíça, é o segmento da Internet que mais cresce no mundo, colocando à disposição inúmeros documentos, ou páginas de Internet. As páginas ou conjuntos de páginas são encontradas na Web através de seu endereço eletrônico, chamado de URL (Uniform Resource Locator). As URLs são endereços de informações situados na Internet, apresentando os dados necessários sobre nomes de arquivos e sua localização em um computador na Internet. Pode-se ver exemplos de endereços na bibliografia deste trabalho. Cada documento na rede tem um endereço determinado e único. A página inicial ou a mais importante de um site é comumente chamada de home page. 10

19 2.4 Provedores de Acesso Os provedores de acesso à Internet, também chamados de ISP - Internet Service Providers - são empresas que permitem o acesso de seus usuários à Internet (indivíduos ou empresas). Disponibilizam linhas telefônicas, ligadas pelo provedor a um backbone, permitindo assim a integração do usuário às diversas redes que formam a WWW. O usuário passa então a ter acesso a correio eletrônico, salas de bate-papo e sites de serviços e comércio eletrônico, além dos outros recursos que a Internet oferece. Os provedores podem ou não cobrar taxas para fornecer este acesso, enquanto que diversas instituições de ensino e pesquisa disponibilizam este serviço ou parte dele gratuitamente. Usuários corporativos normalmente utilizam os serviços dos provedores para oferecer acesso a seus funcionários e, em muitos casos, para hospedar o site da empresa. Os provedores de acesso à Internet são o foco de estudo desta dissertação de mestrado. 2.5 Provedores de Conteúdo Os provedores de conteúdo, por sua vez, oferecem a quem os acesse um conjunto de informações ou serviços, de produção própria ou não, através de seu site. O acesso pode ser ou não limitado a assinantes, cobrando portanto por disponibilizar determinadas informações. São inúmeros os sites presentes na Internet em todo o mundo. Quando um site facilita o acesso do usuário a outros sites ou oferece serviços - como sistemas de procura por outros sites ou divulgação de notícias on-line - ele é chamado de portal. Um portal também é uma home page. Comumente os provedores de acesso disponibilizam a seus usuários o seu próprio portal, através do qual os usuários podem realizar buscas, informar-se e comprar produtos diversos, entre outros serviços oferecidos, de modo a agregar valor ao serviço e assim atrair mais usuários para o provedor de acesso. 11

20 A receita dos grandes provedores de conteúdo ou portais normalmente vem dos anúncios publicitários vinculados em suas páginas (home page) e comissões sobre vendas, enquanto que as principais receitas dos provedores de acesso vem das taxas cobradas de seus assinantes. Daí o fato de que a maioria dos provedores de acesso também disponibilizam a seus assinantes o conteúdo de sua própria home page, ou portal, de modo a aumentar suas receitas. 12

21 3. AMBIENTE COMPETITIVO Neste capítulo procurarei fazer um resumo objetivo do desenvolvimento do ambiente competitivo da Internet no mundo, incluindo Estados Unidos, Europa, Ásia e América Latina. A seguir veremos mais detalhadamente o que vem ocorrendo no ambiente competitivo no Brasil. 3.1 Panorama Internacional o número de usuários de Internet em todo o mundo, segundo estimativas do instituto de pesquisas estats, deve ter ultrapassado em 1999 a marca de 130 milhões de usuários, com crescimento sobre o ano anterior de aproximadamente 37%, devendo chegar segundo estimativas a 350 milhões em 2003, conforme podemos acompanhar na figura 1. Evolução da Internet no mundo 400 UI 350 o 'i: 300 'co :J UI 250 :J (1) 200 'C UI (1) J: 100 E 50 o Fonte: estats, 1999 e Panorama Setorial (previsão para 1999 a 2003) Figura 1 - Evolução da Internet no Mundo 13

22 Também o número de servidores de Internet passou de 30 para 43 milhões de 1998 a 1999, portanto um crescimento de 43%. No Brasil, este crescimento foi ainda maior, registrando um aumento de 84%. 14

23 3.2 Estados Unidos Os Estados Unidos ocupam uma posição de destaque na Internet, mesmo porque lá se encontram as principais empresas que atuam no mercado da Internet, como provedores de acesso, fornecedores de backbone, fabricantes de equipamentos e produtores de software, além de ter sido o berço em que a mesma se desenvolveu inicialmente. Segundo o instituto emarketer, os número de usuários americanos que acessaram a Web em 1999 ao menos uma hora por semana deve estar próximo a 71 milhões, portanto aproximadamente a metade dos usuários a nível mundial, devendo chegar a 95 milhões em 2005, devendo cair portanto para aproximadamente um terço dos usuários globais. Na figura 2 podemos ver a perspectiva de crescimento do número de usuários nos Estados Unidos até 2005, podendo-se notar a tendência de desaceleração no ritmo de crescimento. Internet nos Estados Unidos In O 80 ".: 'co 70 :::::I In :::::I 60 (1) "O 50 In 40 (1) r:::: E O Fonte: Datamonitor, 1999 e emarketer Figura 2 - Internet nos Estados Unidos 15

24 Durante 1998 os Estados Unidos movimentaram apenas no setor de Internet cerca de US$301,4 bilhões, segundo o Centro de Pesquisa em Comércio Eletrônico da Universidade do Texas. O faturamento dos provedores de acesso em 1999 deve ter ficado próximo aos US$15 bilhões, segundo o IDe. Foram criados 1,2 milhões de empregos em O comércio eletrônico, segundo estudo patrocinado pela Cisco Systems, responde por cerca de US$101 bilhões do faturamento total do setor de Internet. Entre 1995 e 1998, a economia da Internet cresceu 174,5%, enquanto que a economia mundial cresceu apenas 3,8% no mesmo período. Apesar de ainda pequena quando comparada ao total da economia americana de US$8,6 trilhões, a economia da Internet já ultrapassou setores importantes bilhões), e se aproxima de outros, como a indústria automobilística como o de energia (US$223 (US$350 bilhões). Estudos do Departamento de Comércio norte-americano apontam para uma maior difusão da Internet. Um em cada dois adultos utiliza um computador nos Estados Unidos, representando alta de 30,5% em relação a Em 1997, 92 milhões de adultos já usavam computadores, representando mais de 40% das farrulias norte-americanas. Destes, 25% já estavam conectados à Internet no final de Com o aumento da concorrência, os provedores de acesso não têm usufruído plenamente deste crescimento, uma vez que como mostram estudos da Cahners In-Stat Group de 1999 ocorre uma perda de market share por parte dos maiores provedores, em decorrência da entrada no mercado de operadoras de telecomunicações e dos provedores de acesso via cabo. A líder de mercado, América Online, viu seu market share cair de 24,3% para 21,5% do fim de 1997 para março de Também a Microsoft Network (MSN), outro grande provedor norteamericano, caiu no mesmo período de 3,6% para 1,5%, perdendo portanto mais da metade de seu market share. Empresas que além de provedores também são empresas de telecomunicações aumentaram 137% o número de assinantes em 1998, enquanto que o crescimento dos assinantes de provedores convencionais aumentou apenas 37%. Em meados de 1999 os provedores que pertenciam a operadoras de telecomunicações tinham juntos 6,5% dos assinantes contra 3,9% 16

25 em Este aumento se deve particularmente devido à comodidade dos usuários em pagar uma só conta pelos serviços prestados em conjunto, facilitando também a oferta de descontos. Os provedores de acesso via cabo, como a Roadrunner e a AtRome, que tinham apenas 1% do mercado, aumentaram sua base quatro vezes desde Ainda nos Estados Unidos se iniciaram outras tendências que se espalharam rapidamente por todo o mundo, além das tarifas reduzidas com acesso ilimitado. A principal é a oferta de acesso gratuito à Internet vinculado à compra de computadores, por parte dos maiores fabricantes e mesmo de grandes redes varejistas. A contrapartida foi dada pelos provedores de acesso que iniciaram o subsídio e mesmo distribuição gratuita de computadores com o objetivo de atrair novos assinantes. Segundo o instituto norte-americano Jupiter Communications, até o ano 2003 cerca de 13 milhões de assinantes domésticos deverão estar se utilizando dos serviços de provedores gratuitos, sendo que destes, 8,8 milhões terão os provedores gratuitos como principal fonte de acesso. A situação para os provedores convencionais só não é pior porque os consumidores levam em consideração não apenas o preço do serviço mas também a velocidade de download e a confiabilidade do provedor. A aposta da maior parte dos provedores gratuitos se baseia na geração de receita a partir de anúncios publicitários para o sustento dos negócios. Por volta de 2003, cerca de US$901 milhões deverão ser conquistados pelos mesmos em forma de anúncios, equivalente a 8% do total gasto com anúncios on-line. Para que possam incrementar as suas vendas de anúncios, os provedores de acesso gratuito deverão conhecer muito bem o perfil de seus usuários de modo a poder direcionar precisamente os anúncios. Ainda em 2000 o FreeDSL prometeu oferecer acesso de alta velocidade gratuito à Internet, concorrendo com o serviço de banda estreita do NetZero. Segundo o grupo Broadband Digital Group, o serviço poderá ser sustentado com publicidade, pois com banda larga os anúncios empregarão recursos de áudio e vídeo, sendo mais caros e portanto com maiores margens. 17

26 A Netcom, um dos maiores provedores de acesso à Internet nos Estados Unidos, anunciou uma mudança de foco com concentração de esforços no atendimento ao cliente corporativo logo após o anúncio do plano de acesso ilimitado do AOL. Segundo vários representantes do setor, a guerra de preços teria levado as tarifas a patamares pouco ou nada lucrativos, fazendo com que poucos concorrentes tenham o fôlego necessário para competir com os grandes provedores. A decisão da Netcom foi seguida por diversos outros provedores. Embora o atendimento a clientes individuais tenha sido até o momento a principal fonte de renda dos provedores, até 2002 o atendimento a clientes corporativos deverá atingir a cifra de US$63 bilhões, tomando-se o segmento mais lucrativo, segundo o instituto Cahners. Ainda na sua avaliação, estimam que as novas formas de acesso à rede e o atendimento a pequenos clientes corporativos deverão representar um mercado de US$51 bilhões, devendo os provedores focar estas oportunidades de negócios, e não no mero fornecimento de acesso. A publicidade na rede vem se tomando uma das fontes alternativas de receita mais empregadas para os provedores de acesso, seguindo o exemplo dos portais, chegando a US$1,9 bilhão em 1998, o dobro de 1997, segundo o Internet Advertising Bureau. Em todo o mundo o mercado de provedores presencia a ascensão de grandes redes nacionais, que provêem acesso e conteúdo, com alguns deles contando com backbones próprios. No entanto, com o crescimento dos usuários, até mesmo pequenos provedores sobrevivem no mercado norte-americano, crescendo mesmo em número, ao contrário dos prognósticos de concentração no setor. O principal fator que viabiliza esta situação, segundo o instituto Cahners, é a queda dos preços dos equipamentos aliada à tecnologia de acesso disponível. Simultaneamente, um provedor regional sempre poderá representar um veículo de propaganda diferenciado para empresas locais que queiram usufruir do comércio eletrônico. Finalmente, vale a pena destacar ainda o conflito emergente de interesses entre os provedores de acesso e as operadoras de TV a cabo. Enquanto que os provedores querem que as redes de TV acabo lhes sejam franqueadas, as operadoras de TV se recusam a abrir suas redes alegando 18

27 que não são públicas como a rede telefônica, sendo apoiadas pelos representantes do governo norte-americano. Assim, em busca de alternativas para acesso à rede de cabos, a AOL, maior provedora do mundo, firmou em maio de 1999 um acordo com a Philips Electronics e a Hughes Network Systems (Direct TV) para o desenvolvimento de aparelhos de televisão com acesso a Web para os clientes da Direct TV e AOL TV. O novo serviço deverá estar disponível ainda em 2000, concorrendo com as operadoras de TV a cabo. Em 1998 o domínio da AOL foi consolidado com a absorção do provedor CompuServe, que na época contava com aproximadamente 3 milhões de assinantes, aliando entretenimento (AO L) com o atendimento a profissionais e pequenas empresas (CompuServe). Em janeiro de 2000 foi anunciada a fusão da AOL com a Time Wamer, suscitando temores de concentração excessiva no setor de Internet, limitando a competição e a escolha dos usuários em termos de alternativas e canais de acesso ao mercado. Espera-se de fato que a iniciativa da AOL sirva de exemplo para outros grupos de mídia e provedores de Internet para que revejam suas estratégias, incluindo gigantes como Walt Disney Co., Yahoo! Inc. e CBS-Viacom. Não podemos deixar de citar aqui a disputa entre Microsoft e AOL, que disputam acirradamente o mercado de Internet nos Estados Unidos. Mesmo que originalmente empresas de segmentos diferentes do universo eletrônico, enquanto a Microsoft lançou o próprio serviço de acesso à Internet - MSN, o AOL comprou o browser Navigator, concorrente do Internet Explorer da Microsoft. A disputa vem crescendo no ramo de Messengers e chats (bate-papo), inclusive com acusações de pirataria por parte da AOL, negadas pela Microsoft. 19

Informática Aplicada

Informática Aplicada Informática Aplicada Internet Aula 4 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 APRESENTAÇÃO A Internet é um grande conjunto de redes de computadores interligadas

Leia mais

Internet. A Grande Rede Mundial. Givanaldo Rocha givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha

Internet. A Grande Rede Mundial. Givanaldo Rocha givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha Internet A Grande Rede Mundial Givanaldo Rocha givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha O que é a Internet? InterNet International Network A Internet é uma rede mundial de

Leia mais

*Conceitos básicos *Formas de conexão *Correio Eletrônico *WWW *Principais navegadores para Internet

*Conceitos básicos *Formas de conexão *Correio Eletrônico *WWW *Principais navegadores para Internet Conceitos básicos Formas de conexão Correio Eletrônico WWW Principais navegadores para Internet Para compreender a Internet faz-se necessário o conhecimento de conceitos simples e que muitas vezes causam

Leia mais

INTERNET -- NAVEGAÇÃO

INTERNET -- NAVEGAÇÃO Página 1 INTRODUÇÃO Parte 1 O que é a Internet? A Internet é uma rede mundial de computadores, englobando redes menores distribuídas por vários países, estados e cidades. Ao contrário do que muitos pensam,

Leia mais

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET Autores: OROMAR CÓRDOVA GILBERTO ALVES LOBATO COPEL Companhia Paranaense

Leia mais

Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do RN. A Internet e suas aplicações

Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do RN. A Internet e suas aplicações Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do RN A Internet e suas aplicações Histórico da rede Iniciativa dos militares norte-americanos Sobrevivência de redes de comunicação e segurança em caso

Leia mais

2. Internet: Evolução nos meios de comunicação

2. Internet: Evolução nos meios de comunicação 2. Internet: Evolução nos meios de comunicação A Internet é uma super-rede de computadores que interliga, através de linhas comuns de telefone, linhas de comunicação privada, cabos submarinos, canais de

Leia mais

É uma rede mundial de computadores ligados entre si. INTERNET

É uma rede mundial de computadores ligados entre si. INTERNET INTERNET O QUE É A INTERNET? O QUE É NECESSÁRIO PARA ACEDER À INTERNET? QUAL A DIFERENÇA ENTRE WEB E INTERNET? HISTÓRIA DA INTERNET SERVIÇOS BÁSICOS DA INTERNET 2 1 INTERCONNECTED NETWORK INTERNET A Internet

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA APRESENTAÇÃO CORPORATIVA Julho de 2011 Mercado Brasileiro de Telecomunicações Oi: Perfil, Cobertura e Estratégia Resultados Operacionais e Financeiros Aliança com a Portugal Telecom e Aumento de Capital

Leia mais

INTERNET E PROGRAMAÇÃO WEB

INTERNET E PROGRAMAÇÃO WEB História da Internet A Internet surgiu a partir de pesquisas militares do governo dos Estados Unidos nos períodos áureos da Guerra Fria. Na década de 1960, quando dois blocos ideológicos e politicamente

Leia mais

CAPÍTULO 2. Entendendo a Internet

CAPÍTULO 2. Entendendo a Internet CAPÍTULO 2 Entendendo a Internet 2.1 O que é a Internet Internet é a rede mundial pública de computadores interligados, por meio da qual se transmite informações e dados para outros computadores conectados

Leia mais

Reunião com Investidores e Analistas APIMEC-SP. Novembro, 2008

Reunião com Investidores e Analistas APIMEC-SP. Novembro, 2008 Reunião com Investidores e Analistas APIMEC-SP Novembro, 2008 2 Perfil Corporativo & Estratégia Perfil da Companhia Pioneirismo na Internet brasileira: Fundada em 1996; Liderança consistente em audiência;

Leia mais

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Desenvolvimento em Ambiente Web Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Internet A Internet é um conjunto de redes de computadores de domínio público interligadas pelo mundo inteiro, que tem

Leia mais

Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0

Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0 Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0 Brasil Dezembro de 2012 Preparado para Copyright IDC. Reproduction is forbidden unless authorized. All rights reserved. Agenda Introdução Descrição do projeto Resultados

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web. Conceitos Gerais. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.br

Introdução à Tecnologia Web. Conceitos Gerais. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.br IntroduçãoàTecnologiaWeb ConceitosGerais ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ConceitosGerais Índice 1 História da Internet... 2 a) No Mundo...

Leia mais

Pequena história da Internet

Pequena história da Internet Pequena história da Internet A Internet nasceu em 1969, nos Estados Unidos. Interligava originalmente laboratórios de pesquisa e se chamava ARPAnet (ARPA: Advanced Research Projects Agency). Era uma rede

Leia mais

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado Barômetro Cisco Banda Larga da Análise de mercado Barômetro Cisco da Banda Larga Índice Introdução Introdução...2 Metodologia...3 Barômetro Cisco da Banda Larga...3 Definições...4 Banda Larga no Mundo...4

Leia mais

Informática Aplicada. Aula 3 Internet, Browser e E-mail. Professora: Cintia Caetano

Informática Aplicada. Aula 3 Internet, Browser e E-mail. Professora: Cintia Caetano Informática Aplicada Aula 3 Internet, Browser e E-mail Professora: Cintia Caetano SURGIMENTO DA INTERNET A rede mundial de computadores, ou Internet, surgiu em plena Guerra Fria, no final da década de

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

Incorporação de Business Angels e Venture Capital como accionista:

Incorporação de Business Angels e Venture Capital como accionista: Dossier de Imprensa Quem Somos Quem Somos Agile Content é uma empresa de tecnologia com soluções para gerenciamento de vídeo e Big Data Audience Management com modelo de Software (SaaS), nas quais permitem

Leia mais

// Questões para estudo

// Questões para estudo // Questões para estudo 2 // Ferramentas Básicas de Internet e Web 2.0 1. Sobre a internet, marque a opção correta: A) A internet poder ser definida como uma rede mundial, composta por mihões e milhões

Leia mais

Breve Análise do Cenário e das Perspectivas da Conexão em Banda Larga no Brasil

Breve Análise do Cenário e das Perspectivas da Conexão em Banda Larga no Brasil SUPPLY CHAIN Breve Análise do Cenário e das Perspectivas da Conexão em Banda Larga no Brasil Logike Associados S/C Fevereiro 2008 Abstract: This article provides a simple overview of the broadband progress

Leia mais

De Camelô a Joalheiro. Aprenda a montar e gerir lojas virtuais para pequenos varejos e grandes e-commerces com mais de 10.000 produtos!

De Camelô a Joalheiro. Aprenda a montar e gerir lojas virtuais para pequenos varejos e grandes e-commerces com mais de 10.000 produtos! De Camelô a Joalheiro Todos podem vender on-line! Aprenda a montar e gerir lojas virtuais para pequenos varejos e grandes e-commerces com mais de 10.000 produtos! 2 As pessoas me chamam de E-commerce Girl

Leia mais

2 Histórico de fusões e aquisições e conceitos.

2 Histórico de fusões e aquisições e conceitos. 2 Histórico de fusões e aquisições e conceitos. 2.1. Fusões e aquisições globais Com a globalização e a necessidade de escalas cada vez maiores de operação, as grandes empresas ultrapassaram fronteiras

Leia mais

Apresentação ao Senado Telefônica Antônio Carlos Valente 23 de maio de 2007

Apresentação ao Senado Telefônica Antônio Carlos Valente 23 de maio de 2007 Apresentação ao Senado Telefônica Antônio Carlos Valente 23 de maio de 2007 Agenda I. Panorama do Setor II. Convergência e Consolidações 2 O mercado de telecomunicações no mundo alcançou 1,3bi de linhas

Leia mais

FACULDADE DOS GUARARAPES. A Internet... Prof. Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

FACULDADE DOS GUARARAPES. A Internet... Prof. Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br FACULDADE DOS GUARARAPES A Internet... Prof. Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br O que é a Internet Rede de Computadores: Consiste de dois ou mais computadores ligados entre si

Leia mais

APOSTILA BÁSICA SOBRE INTERNET

APOSTILA BÁSICA SOBRE INTERNET APOSTILA BÁSICA SOBRE INTERNET DEFINIÇÕES BÁSICAS A Internet é um conjunto de redes de computadores interligados pelo mundo inteiro, ue têm em comum um conjunto de protocolos e serviços. O ue permite a

Leia mais

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Internet

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Internet André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Internet Noções de Internet: O que é Internet; História da Internet; Recursos da Internet; Serviços não-web.

Leia mais

Introdução à Internet

Introdução à Internet Tecnologias de Informação e Comunicação Introdução Internet? Introdução 11-03-2007 TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 2 Internet Introdução É uma rede global de computadores interligados que comunicam

Leia mais

Processo Judicial Eletrônico

Processo Judicial Eletrônico Processo Judicial Eletrônico Internet: origem, desenvolvimento e funcionamento Conceitos básicos das novas tecnologias Documento eletrônico Criptografia e métodos de assinatura digital Processo eletrônico

Leia mais

milenaresende@fimes.edu.br

milenaresende@fimes.edu.br Fundação Integrada Municipal de Ensino Superior Sistemas de Informação A Internet, Intranets e Extranets milenaresende@fimes.edu.br Uso e funcionamento da Internet Os dados da pesquisa de TIC reforçam

Leia mais

Northern Telecom Ltd (Nortel). Isto devido ao seu atraso na substituição da tecnologia analógica pela digital.

Northern Telecom Ltd (Nortel). Isto devido ao seu atraso na substituição da tecnologia analógica pela digital. MOTOROLA A empresa alcançou um faturamento global da ordem de US$ $37.6 bilhões em 2000. É líder mundial em sistemas e serviços eletrônicos avançados. Atuando de maneira globalizada em 45 países, mais

Leia mais

Transparência e Internet, as Telecomunicações apoiando a Administração Pública Case Prefeitura de São Paulo

Transparência e Internet, as Telecomunicações apoiando a Administração Pública Case Prefeitura de São Paulo Transparência e Internet, as Telecomunicações apoiando a Administração Pública Case Prefeitura de São Paulo Data:17 de Julho de 2009 Índice 01 Evolução da Internet - História (comercialização dos Backbones)

Leia mais

3 Apresentação do caso

3 Apresentação do caso 3 Apresentação do caso Neste capítulo será contextualizado o mercado de telefonia móvel no Brasil, com a descrição dos principais concorrentes e a participação de mercado de cada um deles, a apresentação

Leia mais

Mídia Online: Como estar Presente e ter Sucesso Brasília - 05/05/09 Evento realizado pela Hi-Mídia

Mídia Online: Como estar Presente e ter Sucesso Brasília - 05/05/09 Evento realizado pela Hi-Mídia Mídia Online: Como estar Presente e ter Sucesso Brasília - 05/05/09 Evento realizado pela Hi-Mídia Missão do IAB Brasil Incentivar, desenvolver, regulamentar e promover o uso dos meios interativos; Criar

Leia mais

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução Formalmente, o IP Multimedia Subsystem (IMS) é definido como:... um novo 'domínio' principal da rede (ou

Leia mais

sensitives). Os endereços Internet (E-mail) são comumente escritos em 1 - INTERNET:

sensitives). Os endereços Internet (E-mail) são comumente escritos em 1 - INTERNET: 1 - INTERNET: 1.1 - Conceitos: 1.1.1 - A Internet Uma definição mais formal sobre o que é a Internet pode ser resumida como uma rede de computadores, de abrangência mundial e pública, através da qual estão

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 09

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 09 FACULDADE CAMÕES PORTARIA 4.059 PROGRAMA DE ADAPTAÇÃO DE DISCIPLINAS AO AMBIENTE ON-LINE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL DOCENTE: ANTONIO SIEMSEN MUNHOZ, MSC. ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: FEVEREIRO DE 2007. Internet,

Leia mais

Barômetro Cisco de Banda Larga Brasil 2005-2010

Barômetro Cisco de Banda Larga Brasil 2005-2010 Barômetro Cisco de Banda Larga Brasil 2005-2010 Resultados de Junho/2008 Preparado para Meta de Banda Larga em 2010 no Brasil: 15 milhões de conexões Mauro Peres, Country Manager IDC Brasil Copyright 2008

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES CURSO TÉCNICO DE INFORMÁTICA Módulo A REDES DE COMPUTADORES Introdução ARPANET E SURGE UMA REDE... Na década de 60, militares desejavam criar um meio de comunicação que fosse robusto e não tivesse ponto

Leia mais

LW1. Como a internet funciona? PROF. ANDREZA S. AREÃO

LW1. Como a internet funciona? PROF. ANDREZA S. AREÃO LW1 Como a internet funciona? PROF. ANDREZA S. AREÃO O que é a Internet? Rede de Computadores: Consiste de dois ou mais computadores ligados entre si e compartilhando dados, impressoras, trocando mensagens

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

Internet e Negócios O que mudou?

Internet e Negócios O que mudou? Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Ciências de Computação SCC0207 - Computadores e Sociedade I - Turma B - 2010 Profa. Graça Nunes Internet e Negócios

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Web

Desenvolvimento de Aplicações Web Desenvolvimento de Aplicações Web André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Método de Avaliação Serão realizadas duas provas teóricas e dois trabalhos práticos. MF = 0,1*E + 0,2*P 1 + 0,2*T 1 + 0,2*P

Leia mais

Algar Telecom registra lucro de R$ 71 milhões em 2009

Algar Telecom registra lucro de R$ 71 milhões em 2009 Algar Telecom registra lucro de R$ 71 milhões em 2009 EBITDA atingiu a soma de R$ 391 milhões no ano passado São Paulo, 24 de março de 2010 A Algar Telecom, empresa de telecomunicações do Grupo Algar,

Leia mais

Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0

Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0 Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0 Brasil Junho de 2013 Preparado para Copyright IDC. Reproduction is forbidden unless authorized. All rights reserved. Agenda Introdução Descrição do projeto Resultados

Leia mais

CLC5 Formador: Vítor Dourado

CLC5 Formador: Vítor Dourado 1 A designação da Internet advém de Interconnected Network, ou seja, rede interligada. A Internet é uma gigantesca teia mundial de redes de computadores, em constante crescimento e evolução, oferecendo

Leia mais

Os Pontos de Troca de Tráfego, o PTTMetro e a Internet Brasileira

Os Pontos de Troca de Tráfego, o PTTMetro e a Internet Brasileira Os Pontos de Troca de Tráfego, o PTTMetro e a Internet Brasileira Por Antonio M. Moreiras e Demi Getschko A Internet é uma construção coletiva que integra milhares de redes pelo mundo afora. Os brasileiros

Leia mais

Aula 03 Internet. Prof. Bruno Gomes bruno.gomes@ifrn.edu.br http://www.profbrunogomes.com.br/

Aula 03 Internet. Prof. Bruno Gomes bruno.gomes@ifrn.edu.br http://www.profbrunogomes.com.br/ Aula 03 Internet Prof. Bruno Gomes bruno.gomes@ifrn.edu.br http://www.profbrunogomes.com.br/ Agenda da Aula Internet O que é a Internet? A Internet é: Rede mundial de computadores interconectados; Serve

Leia mais

Atividade Capitulo 6 - GABARITO

Atividade Capitulo 6 - GABARITO Atividade Capitulo 6 - GABARITO 1. A Internet é uma força motriz subjacente aos progressos em telecomunicações, redes e outras tecnologias da informação. Você concorda ou discorda? Por quê? Por todos os

Leia mais

Barômetro Cisco de Banda Larga Brasil 2005-2010

Barômetro Cisco de Banda Larga Brasil 2005-2010 Barômetro Cisco de Banda Larga Brasil 2005-2010 Resultados de Setembro/2007 Preparado para Meta de Banda Larga em 2010 no Brasil: 10 milhões de conexões Mauro Peres, Research Director IDC Brasil Copyright

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Aula 23 http://www.ic.uff.br/~bianca/introinfo/ Aula 23-07/12/2007 1 Histórico da Internet Início dos anos 60 Um professor do MIT (J.C.R. Licklider) propõe a idéia de uma Rede

Leia mais

Brasil Telecom A Empresa Líder de Internet na América Latina

Brasil Telecom A Empresa Líder de Internet na América Latina Brasil Telecom A Empresa Líder de Internet na América Latina Agenda Aquisição do ig Resumo da transação e Fairness Opinion Aquisição do ig Conquistas em Internet A Brasil Telecom publicou ontem fato relevante

Leia mais

Informática. Aula 9. A Internet e seu Uso nas Organizações

Informática. Aula 9. A Internet e seu Uso nas Organizações Informática Aula 9 A Internet e seu Uso nas Organizações Curso de Comunicação Empresarial 2º Ano O Que é a Internet? A Internet permite a comunicação entre milhões de computadores ligados através do mundo

Leia mais

EMBRATEL PARTICIPAÇÕES TEM RECEITA LÍQUIDA DE R$ 1,5 BILHÕES NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2000, 26 PORCENTO ACIMA DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 1999

EMBRATEL PARTICIPAÇÕES TEM RECEITA LÍQUIDA DE R$ 1,5 BILHÕES NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2000, 26 PORCENTO ACIMA DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 1999 INFORMATIVO Silvia M.R. Pereira Relações com Investidores tel: BR 55 21 519-9662 fax: 55 21 519-6388 Wallace Borges Grecco Relações com a Imprensa tel: BR 21 519-7282 fax: 021-519-8010 EMBRATEL PARTICIPAÇÕES

Leia mais

1. AULA 1 - INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES

1. AULA 1 - INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES 1. AULA 1 - INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES Objetivos da Aula Aprender os conceitos básicos para compreensão das próximas aulas. Na maioria dos casos, os conceitos apresentados serão revistos com maior

Leia mais

Toshiba Corporation. Faturamento (2000): US$ 47.950 mi. Empregados (2000): 190.870

Toshiba Corporation. Faturamento (2000): US$ 47.950 mi. Empregados (2000): 190.870 Toshiba Corporation 1. Principais Características Matriz: Toshiba Corporation Localização: Minato-Ku, Tóquio, Japão Ano de fundação: 1875 Internet: www.toshiba.co.jp Faturamento (2000): US$ 47.950 mi Empregados

Leia mais

Algar Telecom lança TV por assinatura via satélite

Algar Telecom lança TV por assinatura via satélite Algar Telecom lança TV por assinatura via satélite Com investimentos de mais de R$ 160 milhões, empresa amplia seu portfólio de serviços São Paulo, 20 de maio de 2010 A Algar Telecom, empresa de telecomunicações

Leia mais

Barômetro de Banda Larga no Brasil, 2005-2010

Barômetro de Banda Larga no Brasil, 2005-2010 Mauro Peres, Research Director IDC Brasil Barômetro Banda Larga no Brasil, 2005-2010 Resultados 2006 Preparado para Preparado para Meta Banda Larga em 2010 no Brasil: 10 milhão conexões www.idc.com Agenda

Leia mais

Brasil Telecom. Café da Manhã com Investidores Unibanco. Fevereiro 2003

Brasil Telecom. Café da Manhã com Investidores Unibanco. Fevereiro 2003 Brasil Telecom Café da Manhã com Investidores Unibanco Fevereiro 2003 1 Estratégia 2 Mercado Metas Metas Garantir a liderança na Região II, focando nos clientes de alto valor. Garantir a liderança na Região

Leia mais

09/05/2012. O Professor Plano de Disciplina (Competências, Conteúdo, Ferramentas Didáticas, Avaliação e Bibliografia) Frequência Nota Avaliativa Site:

09/05/2012. O Professor Plano de Disciplina (Competências, Conteúdo, Ferramentas Didáticas, Avaliação e Bibliografia) Frequência Nota Avaliativa Site: O Professor Plano de Disciplina (Competências, Conteúdo, Ferramentas Didáticas, Avaliação e Bibliografia) Frequência Nota Avaliativa Site: https://sites.google.com/site/professorcristianovieira Esta frase

Leia mais

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 A GSMA representa os interesses da indústria mundial de comunicações móveis. Presente em mais de 220 países, a GSMA

Leia mais

nos EUA, e a acentuada queda nos preços das memórias dinâmicas de acesso aleatório (conhecidas como D-Ram). Os PCs e outros equipamentos digitais

nos EUA, e a acentuada queda nos preços das memórias dinâmicas de acesso aleatório (conhecidas como D-Ram). Os PCs e outros equipamentos digitais TOSHIBA CORPORATION De origem japonesa, a Toshiba Corporation atua há mais de 120 anos na produção e venda de produtos eletrônicos dotados de alta tecnologia. Foi fundada em 1875 e desde então atende a

Leia mais

Sinopse... 2. Saudação... 3. Internet... 6 a 11. Usenet... 12 a 13. Protocolo... 14 a 15. Navegador... 16 a 19. Web... 20

Sinopse... 2. Saudação... 3. Internet... 6 a 11. Usenet... 12 a 13. Protocolo... 14 a 15. Navegador... 16 a 19. Web... 20 ÍNDICE Sinopse... 2 Saudação... 3 Internet... 6 a 11 Usenet... 12 a 13 Protocolo... 14 a 15 Navegador... 16 a 19 Web... 20 Internet explorer... 21 a 27 Download.... 28 a 32 E-mail... 33 a 38 Exercícios...

Leia mais

4 Mercado setor de telecomunicações

4 Mercado setor de telecomunicações 4 Mercado setor de telecomunicações Nesta sessão é apresentada uma pequena visão geral do mercado de telecomunicações no Brasil, com dados históricos dos acontecimentos mais relevantes a este trabalho,

Leia mais

Valor Comercial das Telecomunicações. Telecomunicações nas Empresas. Superar barreiras geográficas. Superar barreiras do tempo

Valor Comercial das Telecomunicações. Telecomunicações nas Empresas. Superar barreiras geográficas. Superar barreiras do tempo Valor Comercial das Telecomunicações Superar barreiras geográficas Atendimento ao cliente/preenchimento de pedidos Superar barreiras do tempo Consultas de crédito (POS) Superar barreiras de custo Videoconferência

Leia mais

Resumo do Barômetro Cisco Banda Larga Brasil 2005-2010

Resumo do Barômetro Cisco Banda Larga Brasil 2005-2010 Copyright 2008 IDC. Reproduction is forbidden unless authorized. All rights reserved. Resumo do Barômetro Cisco Banda Larga Brasil 2005-2010 Resultados de Dezembro/2008 Preparado para Meta de Banda Larga

Leia mais

UMA REFLEXÃO SOBRE A REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES

UMA REFLEXÃO SOBRE A REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES Uma reflexão sobre a rede mundial de computadores 549 UMA REFLEXÃO SOBRE A REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES por Guilherme Paiva de Carvalho * CASTELLS, Manuel. A galáxia da Internet: reflexões sobre a Internet,

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

Rede de Computadores. Arquitetura Cliente-Servidor

Rede de Computadores. Arquitetura Cliente-Servidor Rede de Computadores Arquitetura ClienteServidor Coleção de dispositivos de computação interconectados que permitem a um grupo de pessoas compartilhar informações e recursos É a conexão de dois ou mais

Leia mais

Estudo de Caso Mandic BBS. 2. Mandic BBS

Estudo de Caso Mandic BBS. 2. Mandic BBS Estudo de Caso Mandic BBS 2. Mandic BBS Aleksandar Mandic nasceu no Brasil em 1954, filho de emigrantes sérvios. Cursou escola técnica, em São Paulo e ingressou na Siemens Brasil em 1975, onde atuou na

Leia mais

PESQUISA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS E CIENTÍFICAS NA INTERNET. OLIVEIRA, Simone Lucas Gonçalves de

PESQUISA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS E CIENTÍFICAS NA INTERNET. OLIVEIRA, Simone Lucas Gonçalves de PESQUISA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS E CIENTÍFICAS NA INTERNET OLIVEIRA, Simone Lucas Gonçalves de SUMÁRIO ÍNDICE DE ILUSTRAÇÕES... 3 1. INTRODUÇÃO... 4 2. CONCEITOS SOBRE A INTERNET... 4 3. ESTRATÉGIAS DE

Leia mais

Jornalismo Interativo

Jornalismo Interativo Jornalismo Interativo Antes da invenção da WWW, a rede era utilizada para divulgação de informações direcionados a públicos muito específicos e funcionavam através da distribuição de e-mails e boletins.

Leia mais

Telefonia celular Grupo Telefônica Móviles Resultados Consolidados (milhões de euros)

Telefonia celular Grupo Telefônica Móviles Resultados Consolidados (milhões de euros) Telefonia celular Grupo Telefônica Móviles Resultados Consolidados (milhões de euros) Dezembro Dezembro 2001 2000 % Var. Receitas operacionais 8.411,1 7.401,2 13,6 Trabalhos para imobilizado (1) 128,6

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II INTERNET Protocolos de Aplicação Intranet Prof: Ricardo Luís R. Peres As aplicações na arquitetura Internet, são implementadas de forma independente, ou seja, não existe um padrão

Leia mais

IPTV UMA INOVAÇÃO PARA O VALE DO SÃO LOURENÇO RESUMO

IPTV UMA INOVAÇÃO PARA O VALE DO SÃO LOURENÇO RESUMO IPTV UMA INOVAÇÃO PARA O VALE DO SÃO LOURENÇO AMADIO Renato Arnaut 1 RESUMO A região do Vale do São Lourenço já está inserida na era digital, ela se caracteriza pela economia sustentada na agropecuária,

Leia mais

frozza@ifc-camboriu.edu.brcamboriu.edu.br

frozza@ifc-camboriu.edu.brcamboriu.edu.br Internet Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.brcamboriu.edu.br O que é Internet? Uma rede de computadores consiste de dois ou mais computadores ligados entre si e compartilhando

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI Elaborado e adaptado por: Prof.Mestra Rosimeire Ayres Sistemas Colaborativos Empresariais (ECS) Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar

Leia mais

INTERNET. Surgimento da Internet. Cenário antes do Projeto Arpanet. Aula 04 Prof. André Cardia andre@andrecardia.pro.br. Surgimento da ARPANET

INTERNET. Surgimento da Internet. Cenário antes do Projeto Arpanet. Aula 04 Prof. André Cardia andre@andrecardia.pro.br. Surgimento da ARPANET INTERNET Aula 04 Prof. André Cardia andre@andrecardia.pro.br Surgimento da Internet Projeto militar dos Estados Unidos, em 1969 o departamento de defesa norte americano (DoD), por meio da ARPA (Advanced

Leia mais

Telefones Fixos RJ-SP R$ 0,14 Telefones Fixos Brasil R$ 0,19 Telefones Celulares BR R$ 0,69

Telefones Fixos RJ-SP R$ 0,14 Telefones Fixos Brasil R$ 0,19 Telefones Celulares BR R$ 0,69 A é uma operadora VoIP, que tem como objetivo oferecer o melhor serviço de Voip com os menores custos possíveis para o cliente. O VoIP (Voice over Internet Protocol), conhecida também por Voz sobre IP,

Leia mais

Informática Básica. Internet Intranet Extranet

Informática Básica. Internet Intranet Extranet Informática Básica Internet Intranet Extranet Para começar... O que é Internet? Como a Internet nasceu? Como funciona a Internet? Serviços da Internet Considerações finais O que é Internet? Ah, essa eu

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 9 Telecomunicações e Rede Interconectando a Empresa Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob

Leia mais

INTERNET. Professor: Leandro Crescencio E-mail: leandromc@inf.ufsm.br. http://www.inf.ufsm.br/~leandromc. Colégio Politécnico 1

INTERNET. Professor: Leandro Crescencio E-mail: leandromc@inf.ufsm.br. http://www.inf.ufsm.br/~leandromc. Colégio Politécnico 1 INTERNET Professor: Leandro Crescencio E-mail: leandromc@inf.ufsm.br http://www.inf.ufsm.br/~leandromc Colégio Politécnico 1 Internet Origem: Guerra Fria DARPA (Departamento de Defesa de Pesquisas Avançadas)

Leia mais

I Fórum Lusófono de Comunicações. Abril. 2010

I Fórum Lusófono de Comunicações. Abril. 2010 I Fórum Lusófono de Comunicações Abril. 2010 Evolução do Setor de Telecomunicações no Brasil Pré-Privatização Monopólio estatal Poucos investimentos Baixa qualidade dos serviços 98 Grande demanda reprimida

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

CFO Panorama Global dos Negócios Cenário Favorável no Brasil em 2013.

CFO Panorama Global dos Negócios Cenário Favorável no Brasil em 2013. CFO Panorama Global dos Negócios Cenário Favorável no Brasil em 2013. ------------------------------------------- DUKE UNIVERSITY NEWS e FGV Notícias Duke University Office of News & Communications http://www.dukenews.duke.edu

Leia mais

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET Objectivos História da Internet Definição de Internet Definição dos protocolos de comunicação Entender o que é o ISP (Internet Service Providers) Enumerar os equipamentos

Leia mais

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce...

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce... Sumário Bleez Agência Digital... 3 Quem sou eu... 4 Introdução... 5 Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7 Quem está comprando no ecommerce... 10 Por que os brasileiros estão comprando mais... 12 O

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Internet Internet Internet é o conglomerado de redes, em escala mundial de milhões de computadores interligados, que permite o acesso a informações e todo

Leia mais

Resumo do Barômetro Cisco Banda Larga Brasil 2005-20102010

Resumo do Barômetro Cisco Banda Larga Brasil 2005-20102010 Resumo do Barômetro Cisco Banda Larga Brasil 2005-20102010 Resultados de Junho 2009 Preparado para Meta de Banda Larga em 2010 no Brasil: 15 milhões de conexões Elaborado por IDC Copyright 2009 IDC. Reproduction

Leia mais

Rafael Steinhauser Acision Presidente para América Latina

Rafael Steinhauser Acision Presidente para América Latina MAVAM - 3T10 Monitor ACISION de VAS Móvel 07 de Dezembro de 2010 Rafael Steinhauser Acision Presidente para América Latina No último trimestre, entre julho e setembro de 2010, foram vendidos 340,5 milhões

Leia mais

26/2/2014. Numero de Web Sites no mundo. 1993 1996 1999 Agosto/2002

26/2/2014. Numero de Web Sites no mundo. 1993 1996 1999 Agosto/2002 História da Internet? No final dos anos 50, os EUA formaram uma instituição de investigação, a qual designaram por ARPA (Advanced Research Projec Agency). O objectivo desta instituição, parte integrante

Leia mais

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO 1 - CHINA 2 - ESTADOS UNIDOS 2014 34.292 84,4 4.668 11,5 1.625 4,0 6.370 23,6 5.361 19,8 13.667 50,6 2013 38.973 84,7 5.458 11,9

Leia mais

Embratel e uma das Maiores Empresas Agroindustriais do País

Embratel e uma das Maiores Empresas Agroindustriais do País EMBRATEL CASE Embratel e uma das Maiores Empresas Agroindustriais do País O Portfólio de TI da Embratel a Serviço da Agroindústria A convergência de serviços de TI e telecom se consolida como fenômeno

Leia mais

AMÉRICA LATINA E CARIBE ERICSSON MOBILITY REPORT - APÊNDICE NOVEMBRO

AMÉRICA LATINA E CARIBE ERICSSON MOBILITY REPORT - APÊNDICE NOVEMBRO AMÉRICA LATINA E CARIBE ERICSSON MOBILITY REPORT - APÊNDICE NOVEMBRO VISÃO GERAL DO MERCADO Principais dados: América Latina e Caribe M Assinaturas móveis (milhões) Assinaturas de smartphones (milhões)

Leia mais

Assim é a Telefónica. Distribuição do EBITDA por países em 2001

Assim é a Telefónica. Distribuição do EBITDA por países em 2001 Assim é a Telefónica A aquisição da Lycos, aliada ao fato de a nova empresa Terra Lycos operar em 43 países, permitiu, por um lado, uma maior penetração nos Estados Unidos e no Canadá. Por outro lado,

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO Capítulo 9 A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 9.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS O que é a nova infra-estrutura de tecnologia de informação (IT) para empresas? Por que a conectividade

Leia mais

2002 - Serviços para empresas

2002 - Serviços para empresas 2002 - Serviços para empresas Grupo Telefónica Data. Resultados Consolidados 1 (dados em milhões de euros) Janeiro - Dezembro 2002 2001 % Var. Receita por operações 1.731,4 1.849,7 (6,4) Trabalho para

Leia mais