PLANO DE ACTIVIDADES 2011 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DO BARREIRO / INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE ACTIVIDADES 2011 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DO BARREIRO / INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL"

Transcrição

1 PLANO DE ACTIVIDADES 2011 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DO BARREIRO / INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL Dezembro, 2010

2 PLANO DE ACTIVIDADES 2011 Escola Superior de Tecnologia do Barreiro / Instituto Politécnico de Setúbal Documento aprovado na 8ª reunião do Conselho de Representantes da ESTBarreiro/IPS, em 12 de Janeiro de 2011 I. INTRODUÇÃO O presente documento constitui o Plano de Actividades da Escola Superior Tecnologia do Barreiro do Instituto Politécnico de Setúbal (ESTBarreiro/IPS) para o ano Nele são apresentadas as principais linhas orientadoras genéricas da actividade a desenvolver pela Escola, enquadradas nos objectivos estratégicos do Plano Estratégico de Desenvolvimento do Instituto Politécnico de Setúbal (PEDIPS) para , o programa de acção que sustentou a eleição da Directora da ESTBarreiro/IPS, em Julho de 2010, e no Contrato de Confiança assinado entre o Instituto Politécnico de Setúbal (IPS) e o Ministério da Ciência Tecnologia e Ensino Superior (MCTES), em Setembro de 2010, e que inclui as Bases do Programa de Desenvolvimento do Ensino Superior para Este documento obteve parecer positivo na 8ª Reunião do Conselho de Representantes da ESTBarreiro/IPS, realizada a 12 de Janeiro de 2011 II. VISÃO, VALORES E MISSÃO A. VISÃO: i. DO IPS Ser um líder na educação terciária, no sector politécnico, com prestígio internacional, reconhecido pela sua forte ligação à comunidade e excelência na sua capacidade de intervenção na criação, transmissão e difusão de conhecimento científico, tecnológico e cultural. Pág. 2 de 18

3 ii. DA ESTBarreiro/IPS Uma escolha que garanta um futuro de sucesso. B. VALORES: i. DO IPS equidade, integridade e responsabilidade competência, qualidade e excelência inovação, criatividade e empreendedorismo pluralismo, partilha e coesão ii. DA ESTBarreiro/IPS competência ética profissional rigor responsabilidade C. MISSÃO: i. DO IPS Segundo o artigo 2 dos seus Estatutos o IPS procura, de forma permanente e em articulação com os parceiros sociais, contribuir para a valorização e o desenvolvimento da sociedade, em geral, e da região de Setúbal, em particular, através de actividades de formação terciária, de investigação e de prestação de serviços, que concorram para a criação, desenvolvimento, difusão e transferência de conhecimento e para a promoção da ciência e da cultura. ii. DA ESTBarreiro/IPS No artigo 2 dos Estatutos da Escola Superior Tecnologia do Barreiro do Instituto Politécnico de Setúbal, a ESTBarreiro/IPS procura, de forma permanente, contribuir para a valorização e o desenvolvimento da região em que se insere e da sociedade em geral, através de actividades de formação terciária, de investigação e de prestação de serviços, que concorrem para a criação, desenvolvimento, difusão e transferência de conhecimento e para a promoção da ciência e da cultura, não descurando a promoção da justiça social e da cidadania informada e esclarecida por saberes e valores. Pág. 3 de 18

4 III. OBJECTIVO GENÉRICO DA ESCOLA A ESTBarreiro/IPS de que forma há-de alcançar os objectivos institucionais que se propôs concretizar, nomeadamente no contrato de confiança assinado com o MCTES. Dos objectivos estabelecidos para a Escola é possível destacar: garantir a qualidade das formações ministradas (preocupações ao nível da qualificação e competência científica e pedagógica do corpo docente e dos meios disponibilizados); investir em formações de cariz politécnico, com grande componente prática, e apostar de forma decisiva na utilização e desenvolvimento dos equipamentos laboratoriais recentemente adquiridos em actividades lectivas e de investigação científica; garantir que os seus o diplomados se assumam como profissionais rigorosos, com elevado nível de competência técnica, conscientes da necessidade de trabalhar no total respeito pelas regras deontológicas; interagir positivamente com as principais entidades públicas e privadas para a promoção do desenvolvimento do Concelho e da região. IV. OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS, ESTRATÉGIAS DE DESENVOLVIMENTO E ACTIVIDADES De seguida apresentam-se, distribuídos pelos grandes vectores estratégicos contidos no Plano Estratégico de Desenvolvimento (Formação, Investigação, Relação com a Envolvente e Recursos e Organização) os principais objectivos assumidos pela ESTBarreiro/IPS para a actividade a desenvolver em FORMAÇÃO 1.1. Afirmação do projecto educativo A ESTBarreiro/IPS tem a funcionar um Curso de Especialização Tecnológica (CET), três Licenciaturas, um Mestrado e uma Pós-Graduação, em regimes diurno e nocturno. No Quadro 1 apresenta-se a distribuição do número de estudantes matriculados/inscritos na ESTBarreiro/IPS a 30 de Novembro de 2010: Pág. 4 de 18

5 Quadro 1 - Estudantes matriculados por ano académico, nos cursos ESTBarreiro/IPS Alunos matriculados CURSO 1º ano 2º ano 3º ano 4º ano Licenciatura Engenharia Civil Diurno Licenciatura Engenharia Civil Nocturno Licenciatura Eng. Conservação e Reabilitação Diurno Licenciatura Eng. Conservação e Reabilitação Noct Licenciatura Engenharia Química Licenciatura Gestão da Construção Diurno Licenciatura Gestão da Construção Nocturno Mestrado Construção Civil Pós-Graduação Conserv. e Reabilitação do Edificado CET Construção e Obras Públicas No CET, no Mestrado e na Pós-Graduação, todas as vagas disponibilizadas foram preenchidas. Relativamente aos cursos de licenciatura, houve dificuldades no preenchimento das 147 vagas disponibilizadas para o concurso nacional de acesso aos cursos em regime nocturno e para as Licenciaturas em Gestão da Construção e em Engenharia Química. Contudo, os restantes regimes de acesso permitiram a matrícula de 134 novos estudantes (do total de 188 vagas), Quadro 2. Perante os resultados obtidos, importa promover uma reflexão a nível do IPS, compreender as razões associadas à baixa procura e tomar decisões que possibilitem alterar os resultados obtidos. Quadro 2 - Matriculados pela 1ªvez na ESTBarreiro/IPS Licenciaturas Vagas Matriculados Engenharia Civil Diurno Engenharia Civil Nocturno Eng. Química 32 8 Gestão da Construção Diurno Gestão da Construção Nocturno De qualquer forma, e para cumprir o compromisso assumido com o MCTES, é necessário a ESTBarreiro/IPS aumentar as ofertas formativas a novos públicos: mestrados, pós-graduações, CET s, ensino à distância (e-learning e b-learning), cursos de especialização profissional. Nesse sentido, para 2011 a ESTBarreiro/IPS Pág. 5 de 18

6 propõe-se: promover processos de auto-avaliação dos cursos em funcionamento, procurando criar mecanismos de controlo de qualidade interna, de forma a que sejam implementadas as medidas consideradas necessárias; finalizar a revisão do plano de estudos do curso de Licenciatura de Gestão da Construção, em colaboração com a ESCE; implementar cursos de curta de duração e divulgar os diplomas intermédios; implementar 3 novos CET s, Técnico de Laboratório, Tecnologias e Programação de Sistemas de Informação e Topografia e Sistemas de Informação Geográfica, através de uma ligação directa com o mercado de trabalho e com envolvimento da AECOPS; apostar em parcerias que possibilitem a internacionalização das actividades escolares, através de projectos com os PALOP s, com recurso ao ensino à distância (e-learning e b-learning); desenvolver parcerias com outras instituições internacionais que ministrem o curso de Licenciatura de Gestão da Construção; contactar com empresas e instituições a operar no mercado de forma a adequar as formações ministradas e, assim, contribuir para alcançar uma alta taxa de empregabilidade para os diplomados da ESTBarreiro/IPS; alargamento da oferta formativa conjunta entre as várias Escolas do IPS, em vários ciclos dos ciclos: - colaboração com a Escola Superior de Saúde (ESS) na implementação de um novo curso de Licenciatura; - apostar na montagem e desenvolvimento de um Mestrado na área da Gestão da Construção, com a colaboração da Escola Superior de Ciências Empresariais (ESCE); - implementar novas Pós-Graduações na área da Gestão com a colaboração da ESCE; - repensar a formação inicial de acordo com as estratégias que venham a ser definidas pelo IPS. Pág. 6 de 18

7 1.2 Aumento do sucesso escolar A taxa de sucesso escolar na ESTBarreiro/IPS, associada aos estudantes avaliados, pode ser considerada dentro dos limites aceitáveis para as Escolas de Engenharia (Quadro 3). No entanto, verifica-se que há um grande número de estudantes que não se submetem a qualquer tipo de avaliação. Directamente associado com este factor tem-se registado o aumento do número de estudantes em situação de reprovação, a demorarem mais do que o previsto para finalizar o curso (Quadro 4) e a optar pelo abandono escolar, tornando-se imperioso que se invista no sucesso escolar. É necessário marcar a diferença pela qualidade, pela inovação e pela dinâmica a imprimir aos projectos a desenvolver. Quadro 3 - indicadores sucesso 2009/2010 Média Av/Ins Média Ap/Ins Média Ap/Av CETCOP 92% 66% 72% CVD 69% 42% 60% CVN 63% 40% 61% GCD 72% 53% 69% GCN 78% 55% 69% QMD 74% 44% 57% MCC 59% 48% 80% Av avaliações; Ins inscrições; Ap aprovações Quadro 4 - indicadores de eficácia global Indicadores 2007/ / /2010 Total de Diplomados Diplomados em N anos/total de Diplomados 22% 20% 43% Diplomados em N+1 anos/total de Diplomados 15% 20% 15% Diplomados em N+2 anos/total de Diplomados 37% 37% 6% Diplomados em > N+2 anos/total de Diplomados 26% 23% 35% N número de anos curriculares de um curso: 3 no regime diurno e 4 no regime nocturno. Em 2011 importa apostar no aumento do sucesso escolar pela redução das taxas de insucesso e abandono e do número médio de anos de conclusão dos cursos: proceder a uma reflexão interna sobre a temática, procurando encontrar ferramentas inovadoras que contribuam para o combater; fomentar o recurso a ferramentas do Moodle, de forma a que estudantes- -trabalhadores consigam ter acesso ao conteúdo das aulas a que não possam assistir; continuar com projectos, procurando o seu financiamento, que conduzam e potenciem o aumento do sucesso escolar; Pág. 7 de 18

8 criar mecanismos de monitorização do insucesso escolar, nas unidades curriculares em que este se revela mais crítico; estimular as boas práticas pedagógicas, fomentando a participação de docentes em formações pedagógicas; retomar a realização de reuniões com os estudantes em situação de insucesso, de forma a compreender as razões que a ele conduzem e a motivar os estudantes; fazer uma análise detalhada aos resultados do passado e, principalmente, aprofundar um estudo relativo aos maiores de 23 anos; incentivar a mobilidade dos estudantes, através da sua participação no programa ERASMUS; colaborar com a Unidade para a Avaliação e a Qualidade do Instituto Politécnico de Setúbal (UNIQUA-IPS) a fim de promover a qualidade do ensino; aumentar a componente laboratorial das unidades curriculares, tirando partido dos equipamentos laboratoriais recentemente adquiridos, de modo a potenciar a compreensão das matérias e aumentar o sucesso escolar Contribuir para a integração dos diplomados na vida activa A ESTBarreiro/IPS iniciou o funcionamento das suas actividades escolares no ano lectivo 1999/2000. Desde a criação da Escola até Novembro de 2009, já tinham concluído os estudos 212 estudantes, (entre diplomados do 1º e 2º ciclo da Licenciatura Bietápica em Engenharia Civil e diplomados da Licenciatura em Engenharia Civil pós Bolonha). Os dados relativos a 2010 (já com licenciados em Engenharia de Conservação e Reabilitação e em Gestão da Construção) estão a ser recolhidos, pelo que ainda não existem análises. Num estudo elaborado pelo Gabinete de Inserção na Vida Activa (GabIVA) podemos observar nos Quadros 5 e 6 algumas taxas até Novembro de 2009: Pág. 8 de 18

9 Quadro 5 - % de diplomados na área de estudos Área de empregabilidade Regime Diurno Quadro 6 - Tempo de espera até obter o 1º emprego Taxa de empregabilidade Regime Diurno Eng. Civil Outra área Inactivo Menos de 1 ano Mais de 1 ano Sem resp. 78% 7% 15% 73% 3% 25% Regime Nocturno Regime Nocturno 87% 7% 7% 84% 5% 11% Face à actual crise económica, a ESTBarreiro/IPS pretende em 2011 promover acções que visem, no mínimo, manter a actual taxa de empregabilidade dos recém-formados. Assim, propõe: proceder ao contacto com Associações Profissionais, de forma a garantir a integração dos diplomados dos diferentes cursos ministrados; dinamizar Workshops de forma que os licenciados em Gestão da Construção tenham facilidade de ingresso na Associação Portuguesa de Gestão de Projectos (APOGEP); continuar a apoiar a constituição da Associação de Antigos Alunos do IPS, pois ela será um elo de ligação entre a Escola e as empresas; incrementar os contactos com empresas da zona para o estabelecimento de protocolos que permitam aos estudantes da ESTBarreiro/IPS estagiar nas suas empresas. Para a concretização destas acções é essencial o dinamismo do GabIVA e a introdução de mecanismos eficazes de acompanhamento da inserção na vida activa dos diplomados da ESTBarreiro/IPS, enviando, por exemplo, um inquérito uma vez por ano a todos os diplomados Gradual alargamento a novos públicos, em oferta formativa com ou sem atribuição de grau A ESTBarreiro/IPS irá continuar a apostar na captação de novos públicos, pois da experiência anterior, verifica-se que a Escola está inserida numa região onde ainda há muito público que carece deste tipo de formações. Assim, para uma melhor captação e inserção, a ESTBarreiro/IPS propõe: Pág. 9 de 18

10 continuar a aposta na oferta de acções de formação, destinadas quer ao complemento dos conhecimentos dos estudantes da ESTBarreiro/IPS, quer à captação de novos públicos; continuar a disponibilizar formações que possibilitem aos candidatos às provas especialmente adequadas para o acesso ao ensino superior para os maiores de 23 anos uma adequada preparação às exigências impostas pelos cursos ministrados na Escola (Curso de Preparação para a Prova de Conhecimentos dos Maiores de 23); incrementar a disponibilização de formações de base, a estudantes com dificuldades na área da Matemática e Física Alargamento da oferta formativa conjunta entre as várias Escolas do IPS, em qualquer dos ciclos A cooperação entre a ESTBarreiro/IPS e as restantes escolas do IPS tem sido uma constante desde o início, pelo que se irá continuar a apostar no alargamento da oferta formativa conjunta, nos diferentes ciclos: colaborar com a ESS na implementação de um novo curso de Licenciatura; apostar na montagem e desenvolvimento de um Mestrado na área da Gestão da Construção, com a colaboração da Empresariais ESCE; implementar novas Pós-Graduações na área da Gestão com a colaboração da ESCE; replicar na ESTBarreiro/IPS CET s que estão a funcionar em outras escolas do IPS; implementar novos cursos de acordo com estratégias definidas pelo IPS Integração e articulação da oferta formativa ao nível de uma rede alargada de instituições de ensino superior, de carácter regional: No âmbito desta integração e articulação da oferta formativa, dar-se-á continuidade à colaboração com os Serviços da Presidência no desenvolvimento de actividades que contribuam para articulação da oferta formativa das instituições da região, seguindo a estratégia adoptada pelo IPS. Entretanto, a Pág. 10 de 18

11 ESTBarreiro/IPS irá continuar a cooperação que tem com outras escolas/instituições: com o Instituto Superior Técnico (IST), partilhando a responsabilidade, em colaboração com a ESE/IPS, pela unidade curricular de Portfolio 1/Professional English do curso de Mestrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores (IST Alameda) e a unidade curricular de Inglês Técnico/Professional English na Licenciatura em Ciências de Engenharia e Gestão Industrial (IST TagusPark); com o Instituto Politécnico de Beja (IPBeja), com a colaboração de um docente para a leccionação de unidades curriculares na área da Geotecnia. 2. INVESTIGAÇÃO A ESTBarreiro/IPS tem actualmente três projectos da Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) aprovados e em actividade, um na área da Química e dois na área das Práticas Pedagógicas. No entanto, tantos os actuais doutores da ESTBarreiro/IPS como os diversos docentes que se encontram a desenvolver os trabalhos de doutoramento participam em centros de investigação, das Universidades a que estão ligados. No 1º semestre de 2010/2011, o corpo docente é composto por 61 elementos, dos quais 13 não possuem contrato directo com a Escola (8 são docentes de outras escolas: 5 da Escola Superior de Ciências Empresariais, 1 da Escola Superior da Educação, 1 da Escola Superior de Tecnologia de Setúbal e 1 do Instituto Superior Técnico). Relativamente aos docentes contratados (48), 23% são doutores, 8% especialistas e apenas 27% são docentes de carreira (Quadros 7, 8 e 9). Quadro 7 - ETI's Novembro 2010 Quadro 8 - Distr. TI+DE+TP em Dez Estudantes 699 Docentes 48 Docentes ETI 39,7 Doutores 11 23% Doutores ETI 10,5 26% Especialistas 4 8% Especialistas ETI 3,6 9% Pág. 11 de 18

12 Quadro 9 - Distr. TI+DE em Dez 2010 Quadro 10 - Docentes em Formação avançada em Dez. de 2010 Docentes 30 63% Finalização Doutoramento Doutores 10 21% Docentes aplicar Lei Especialistas 4 8% Docentes não se aplica Lei Docentes de Carreira 13 27% 12 Prof.Coord. Carreira 2 15% No entanto, daqueles que não são de carreira, 12 encontram-se a desenvolver trabalhos de doutoramento, sendo que pela Lei 7/2010, 7 docentes ingressarão automaticamente na carreira, caso terminem a sua formação dentro do prazo legal (Quadro 10) Prática continuada de actividades de investigação e desenvolvimento: apostar na investigação aplicada, enquanto unidade orgânica de uma instituição do Ensino Politécnico, colaborando com empresas da região, nomeadamente a Robiallac e Fisipe; incentivar a investigação científica dos docentes, na Escola ou através da colaboração com entidades/centros de investigação de outras instituições; discussão e definição, para as diferentes áreas científicas, de objectivos estratégicos em termos de investigação, de forma a delinear o desenvolvimento da Escola, quer em formação avançada de docentes, quer na sua contratação; continuar a desenvolver os trabalhos de investigação integrados nos projectos aprovados pela FCT e em curso; continuar com a colaboração com investigadores da University of Western Australia e da Universidad Poltécnica de Madrid no âmbito do projecto What Engineers do e enquadrado no Projecto Promover a Produção Científica e Desenvolvimento Tecnológico e a Constituição de Redes Temáticas 2.2. Aumento da qualificação do corpo docente e do número de doutorados: Actualmente a ESTBarreiro/IPS tem 6 docentes em programa PROTEC (em 2009: 2 Pág. 12 de 18

13 docentes, em 2010: 4 docentes), 1 docente com Bolsa de Investigação IPS e 1 com Bolsa de Investigação. A ESTBarreiro/IPS pretende: continuar a apoiar os docentes em formação avançada; incentivar os docentes que reúnam as condições legais, a requerer a realização de provas para a obtenção do título de Especialista, para que, até 2014, consiga atingir as imposições legais; proceder ao lançamento de concursos para pessoal docente, de forma a que em 2014 se atinja a meta dos 70% de docentes de carreira; elevar a qualificação técnica/científica de todos os docentes, incentivando a sua pós-graduação, participação em congressos e seminários, publicação de artigos em revista, etc.; em situações de necessidade de contratação, apostar na selecção de pessoal altamente qualificado (se possível, especialistas) que possibilite assegurar a qualidade do ensino ministrado e a observância dos rácios legais exigidos. 2.3 Aumento do número de projectos e do financiamento exterior associado: desenvolvimento dos trabalhos relacionados com as candidaturas apresentadas aos concursos de investigação promovidos pela FCT; incentivar o estabelecimento de parcerias com outras instituições, nomeadamente o IST, o Instituto Superior de Engenharia de Lisboa (ISEL), o IPBeja, a Faculdade de Psicologia e Instituto da Educação de Lisboa, na elaboração de projectos de investigação Aumento da divulgação da produção científica: continuar a aposta no apoio à divulgação científica dos docentes da Escola, incentivando para concorrerem a bolsas de investigação; continuar o processo de divulgação dos trabalhos de doutoramento em curso, através da realização de seminários pelos docentes envolvidos em formação. Pág. 13 de 18

14 3. RELAÇÃO COM A ENVOLVENTE Em 2010, a ESTBarreiro/IPS continuou na aposta do incremento da visibilidade no território que a rodeia. Embora ainda não se possa considerar suficiente o investimento realizado, é na comunidade envolvente que reside o principal público-alvo e o principal empregador. É, assim, necessário fortalecer o relacionamento com a comunidade, quer a nível de parcerias/protocolos, quer a nível de prestação de serviços. Em 2011 esta será uma área de forte de investimento Fortalecimento do relacionamento com a comunidade: investir na promoção da imagem da ESTBarreiro/IPS junto da população, em geral, e dos actores sociais, económicos e políticos regionais; incrementar o relacionamento com a Câmara Municipal do Barreiro (CMBarreiro), com a Junta de Freguesia do Lavradio e com o Centro de Formação da Associação de Escolas dos Concelhos de Barreiro e Moita, tendo como objectivo a maior visibilidade da Escola na região; continuar a colaborar com a CMBarreiro no projecto "Levantamento de Patologias em Habitações na Quinta da Mina", em parceria com Escolas Secundárias e Empresas da região, pretendendo-se que os estudantes tenham um contacto com a realidade e possam contribuir para o levantamento e reconhecimento de problemas de construção em habitações pertencentes a moradores de baixos extractos sociais; apostar na colaboração de empresas privadas, nomeadamente Robiallac, Fisipe e Quimiparque, em projectos onde a ESTBarreiro/IPS esteja envolvida; estabelecer parcerias com instituições da região (públicas e privadas) tendo em vista a colaboração em múltiplas actividades de âmbito cultural e desportivo; promover e dar a conhecer a Escola junto de empresas onde trabalhem estudantes ESTBarreiro/IPS e desencadear acções de promoção; promover e dar a conhecer a Escola junto de revistas da especialidade; Pág. 14 de 18

15 continuar com realização de eventos científicos e culturais de divulgação da Escola, com a organização de algumas actividades de divulgação científica e tecnológica (conferências, debates, Mãos à Obra, Uma aula no Ensino Superior, etc.); potenciar o uso dos equipamentos laboratoriais, através da realização de prestações de serviço à comunidade Estabelecimento de parcerias com diferentes instituições: iniciar contactos para conseguir promover um Mestrado em parceria com o IPBeja Gradual e sustentada internacionalização: apostar em parcerias que possibilitem a internacionalização das actividades escolares (nomeadamente através de projectos com os PALOP s); dar continuidade à mobilidade dos docentes através da sua participação no programa ERASMUS O reforço da identidade IPS e a construção de uma imagem comum forte: colaborar com as diferentes unidades orgânicas do IPS em actividades que garantam a divulgação e a afirmação da instituição na região; incrementar a ligação da ESTBarreiro/IPS ao GI.COM-IPS, de forma a ser possível uma maior divulgação da Escola; promover e desenvolver a identidade própria da ESTBarreiro/IPS, no seio do IPS, realçando a necessidade de meios e apoios específicos para colmatar as dificuldades associadas à sua descentralização territorial face às restantes unidades orgânicas (impossibilidade de economia de escala por partilha de custos, distância, etc.). 4. RECURSOS E ORGANIZAÇÃO 4.1 Promoção da centralização de serviços, processos ou funções: apostar na qualidade dos serviços prestados pela Escola, continuando os trabalhos de elaboração de fichas e de manuais de procedimentos, que Pág. 15 de 18

16 garantam o correcto funcionamento dos serviços e que possam contribuir para uma eventual normalização das actividades das diferentes unidades orgânicas do Instituto; reorganizar a recolha de informação de forma a facilitar futuros Relatórios de Auto-Avaliação; continuar a adequação da página da Escola Melhoria da gestão da informação institucional e dos circuitos de informação interna: Para melhoria da gestão de informação interna, a ESTBarreiro/IPS irá durante o ano de 2011 desenvolver aplicações: para inscrições dos estudantes em exame; para controlo informático para gerir solicitações dos estudantes a nível dos Serviços Académicos (workflow) Criação de mecanismos necessários à avaliação da actividade docente: continuar com a aposta na promoção de acções de formação pedagógicas para docentes (desenvolvimento de acções de formação pedagógicas específicas para os docentes da ESTBarreiro/IPS); incentivar os docentes a promoverem estudos pedagógicos que possam ser apresentados em seminários, congressos, etc.; continuar com os inquéritos pedagógicos aos estudantes, se possível a nível de IPS; trabalhar com a UNIQUA/IPS de forma a contribuir para a definição e implementação de melhoria da qualidade, quer dos serviços prestados pela Escola (programas de formação, Unidade de investigação e Desenvolvimento do IPS (I&D), consultoria, estudos e projectos), quer dos processos internos Elevação do nível de desempenho do pessoal não docente: continuar a promover a formação do pessoal não docente, garantindo que todos efectuem pelo menos uma acção de formação em áreas determinantes do funcionamento da Escola. Pág. 16 de 18

17 4.5. Reforço das lideranças institucionais: promoção de reuniões periódicas entre dirigentes dos mesmos Órgãos das unidades orgânicas e com os Serviços da Presidência de forma a desenvolver estratégias comuns; implementar a realização de uma reunião mensal na ESTBarreiro/IPS, entre a Direcção da Escola e o Presidente do IPS; colaborar com as restantes unidades orgânicas e com os Serviços da Presidência de forma a desenvolver estratégias que possibilitem o reforço das lideranças institucionais. 5. OUTROS OBJECTIVOS 5.1 Adequação dos recursos materiais à actual dimensão da Escola: organização dos espaços laboratoriais e contratação de pessoal que assegure o seu correcto funcionamento: concluir os 3 concursos que se iniciaram em fins de 2010: 1 para assistente administrativo para apoio ao secretariado da direcção na área dos recursos humanos, outro para técnico laboratorial e outro para especialista de informática. continuar com as candidaturas ao IEFP no âmbito do Programa Contrato Emprego-Inserção; aquisição de bibliografia complementar para as unidades curriculares dos planos de estudos dos cursos em funcionamento e para fundamentação das prestações de serviços desenvolvidas; apostar na melhoria das aplicações informáticas desenvolvidas pelo Núcleo de Informática da Escola (Base de Dados dos Docentes, Controlo de Receitas, Entradas e Saídas de Correspondência, Economato, Sumários, etc.). 5.2 Continuação no investimento em novas tecnologias: desenvolver modelos de formação inovadores, nomeadamente através do recurso a ferramentas e-learning; disponibilizar a informação relativa aos Programas e Cargas Horárias em Inglês, através do Portal; Pág. 17 de 18

18 incrementar a utilização da plataforma Moodle, pelos Responsáveis das unidades curriculares em actividade, de forma aumentar o relacionamento entre docentes e estudantes. 5.3 Orçamento da ESTBarreiro/IPS Em anexo a este documento, encontra-se o orçamento para o ano de 2011 da ESTBarreiro/IPS. Pág. 18 de 18

PLANO DE ATIVIDADES DA ESTBARREIRO/IPS. Índice

PLANO DE ATIVIDADES DA ESTBARREIRO/IPS. Índice PLANO DE ATIVIDADES 2015 Índice 1. Introdução... 2 1.1. Âmbito e organização... 2 1.2. Enquadramento institucional... 2 2. Objetivos estratégicos e operacionais... 5 3. Metas a alcançar e atividades a

Leia mais

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1. Oferta Formativa 1.1. Dinamizar e consolidar a oferta formativa 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1.1.2. Promover o funcionamento de ciclos de estudos em regime

Leia mais

Instituto Politécnico de Lisboa. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade

Instituto Politécnico de Lisboa. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade Relatório da Implementação de Medidas para a melhoria da Qualidade Abril 2011 1 Relatório da

Leia mais

RELATÓRIOS DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIOS DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA 2009/2010 RELATÓRIOS DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA 2009/2010 Escola Superior de Tecnologia do Barreiro Documento onde se estabelecem as linhas orientadoras para elaboração dos Relatórios de Concretização

Leia mais

2015/2016. Página 1 de 11 I. NOTA INTRODUTÓRIA 2. EIXOS ESTRATÉGICOS 2.1. OFERTA EDUCATIVA, NOVOS PÚBLICOS, ATRATIVIDADE. Código IMP.EM.EI.

2015/2016. Página 1 de 11 I. NOTA INTRODUTÓRIA 2. EIXOS ESTRATÉGICOS 2.1. OFERTA EDUCATIVA, NOVOS PÚBLICOS, ATRATIVIDADE. Código IMP.EM.EI. 2015/2016 I. NOTA INTRODUTÓRIA A missão, os princípios e os valores de uma instituição são fulcrais para a sua definição estratégica, conforme expresso nos seus estatutos. O Instituto Superior de Ciências

Leia mais

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto

Leia mais

Programa para o Departamento de Engenharia Cerâmica e do Vidro Mário Guerreiro Silva Ferreira

Programa para o Departamento de Engenharia Cerâmica e do Vidro Mário Guerreiro Silva Ferreira Programa para o Departamento de Engenharia Cerâmica e do Vidro Mário Guerreiro Silva Ferreira. 2011-2014 1 Programa de acção Um programa de acção para qualquer unidade orgânica deve atender aos objectivos

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2011

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 PLANO DE ACTIVIDADES 2011 MARÇO DE 2011 Este documento apresenta os objectivos estratégicos e as acções programáticas consideradas prioritárias para o desenvolvimento da ESE no ano 2011. O Plano de Actividades

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES Escola Superior de Comunicação Social

PLANO DE ACTIVIDADES Escola Superior de Comunicação Social 1. NOTA INTRODUTÓRIA 1.1 Aprovação do documento Função Nome Responsável: CD / Director / Presidente IPL Aprovação: Assembleia de Representantes / Conselho Geral (Acta de Reunião) Divulgação: Comunidade

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR Gabinete do Ministro CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR Breve apresentação da proposta de Orçamento de Estado para 2008 23 de Outubro de 2007 Texto

Leia mais

Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas

Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas Cascais, 26 de Agosto de 2010 1 P á g i n a ÍNDICE 1.ENQUADRAMENTO... 1 2.METAS E OBJECTIVOS... 2 3.MEDIDAS A IMPLEMENTAR...

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

Com a publicação dos novos Estatutos da Escola -Diário da República, 2ª série, nº 164, 25 de Agosto de 2009, por iniciativa do Conselho de Direcção,

Com a publicação dos novos Estatutos da Escola -Diário da República, 2ª série, nº 164, 25 de Agosto de 2009, por iniciativa do Conselho de Direcção, Com a publicação dos novos Estatutos da Escola -Diário da República, 2ª série, nº 164, 25 de Agosto de 2009, por iniciativa do Conselho de Direcção, iniciou-se um trabalho de reflexão e discussão, tendo

Leia mais

CEF/0910/27086 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/27086 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/27086 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Cofac

Leia mais

FICHAS SÍNTESE NACIONAIS SOBRE OS SISTEMAS EDUCATIVOS NA EUROPA E REFORMAS EM CURSO PORTUGAL JUNHO 2009

FICHAS SÍNTESE NACIONAIS SOBRE OS SISTEMAS EDUCATIVOS NA EUROPA E REFORMAS EM CURSO PORTUGAL JUNHO 2009 FICHAS SÍNTESE NACIONAIS SOBRE OS SISTEMAS EDUCATIVOS NA EUROPA E REFORMAS EM CURSO PORTUGAL JUNHO 2009 1. População escolar e língua de instrução Em 2006-2007, o número de jovens entre os 0 e os 29 anos

Leia mais

ACEF/1314/03667 Relatório final da CAE

ACEF/1314/03667 Relatório final da CAE ACEF/1314/03667 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Outras

Leia mais

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau)

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Plano de Acção para a Cooperação Económica e Comercial (2014-2016) 4ª Conferência Ministerial Preâmbulo

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA 2007/2008 DEPARTAMENTO Departamento de Economia, Gestão e Engenharia Industrial CURSO Mestrado em Engenharia e Gestão Industrial (2.º Ciclo) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade)

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade) Escola Secundária da Ramada Plano Plurianual de Atividades Pro Qualitate (Pela Qualidade) 2014 A Escola está ao serviço de um Projeto de aprendizagem (Nóvoa, 2006). ii ÍNDICE GERAL Pág. Introdução 1 Dimensões

Leia mais

Manda o Governo, pelos Ministros de Estado e das Finanças e das Obras Públicas Transportes e Comunicações, o seguinte: Artigo 1.º.

Manda o Governo, pelos Ministros de Estado e das Finanças e das Obras Públicas Transportes e Comunicações, o seguinte: Artigo 1.º. Legislação Portaria n.º 542/2007, de 30 de Abril Publicado no D.R., n.º 83, I Série, de 30 de Abril de 2007 SUMÁRIO: Aprova os Estatutos do Instituto da Construção e do Imobiliário, I.P.. TEXTO: O Decreto-Lei

Leia mais

Sumário Executivo. NOTA: este texto não foi redigido ao abrigo no novo acordo ortográfico. organização nãogovernamental

Sumário Executivo. NOTA: este texto não foi redigido ao abrigo no novo acordo ortográfico. organização nãogovernamental SUMÁRIO EXECUTIVO Optimização das políticas públicas de apoio ao empreendedorismo e inclusão social: estudando o acesso dos microempreendedores às medidas de promoção do auto-emprego 2 Sumário Executivo

Leia mais

ACEF/1112/25172 Relatório final da CAE

ACEF/1112/25172 Relatório final da CAE ACEF/1112/25172 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fedrave - Fundação Para O Estudo E Desenvolvimento

Leia mais

ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Leiria A.1.a. Identificação

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

ÍNDICE. Que expectativas académicas, que organização do estudo e conciliação entre estudos e emprego? 6

ÍNDICE. Que expectativas académicas, que organização do estudo e conciliação entre estudos e emprego? 6 Relatório Síntese: Perfil do Trabalhador-Estudante do IST Introdução ÍNDICE Qual a proporção de trabalhadores-estudantes no IST nos últimos 5 anos lectivos? 2 Qual a População-alvo deste inquérito? 2 A

Leia mais

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS INSTI INSTUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

EngIQ. em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química. Uma colaboração:

EngIQ. em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química. Uma colaboração: EngIQ Programa de Doutoramento em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química Uma colaboração: Associação das Indústrias da Petroquímica, Química e Refinação (AIPQR) Universidade de Aveiro Universidade

Leia mais

DESPACHO. N.º 21 /2011 Data: 2011/05/30 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente

DESPACHO. N.º 21 /2011 Data: 2011/05/30 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente DESPACHO N.º 21 /2011 Data: 2011/05/30 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente ASSUNTO: Regulamento de Cursos de Especialização Tecnológica da ESTeSL. No âmbito da sua missão e objectivos

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA. UTL em Números 2011 ISSN: 1645-3670. www.utl.pt

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA. UTL em Números 2011 ISSN: 1645-3670. www.utl.pt UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA UTL em Números 2011 ISSN: 1645-3670 www.utl.pt Ficha Técnica Coordenador: Prof. Doutor António Palma dos Reis Edição Reitoria/DPD - Departamento de Planeamento e Documentação

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS EDUCATIVAS

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS EDUCATIVAS INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS EDUCATIVAS RELATÓRIO ANUAL (2009/2010) Índice 1 Cumprimento do plano estratégico e do plano anual... 2 1.1. Do plano estratégico... 2 1.1.1. - Desenvolvimento e Inovação

Leia mais

O GABINETE DE SAÍDAS PROFISSIONAIS EM NÚMEROS

O GABINETE DE SAÍDAS PROFISSIONAIS EM NÚMEROS Desde a sua criação, a Universidade da Beira Interior tem vindo a desempenhar a sua missão como centro de criação, transmissão e difusão de cultura, de ciência e de tecnologia, com uma forte ênfase na

Leia mais

Reitoria. No plano orçamental para 2009 foi definida uma provisão no valor de 300.000 euros para o Programa - Qualidade.

Reitoria. No plano orçamental para 2009 foi definida uma provisão no valor de 300.000 euros para o Programa - Qualidade. Reitoria Circular RT-05/2009 Programa Qualidade 2009 Apesar dos constrangimentos financeiros impostos pelo orçamento atribuído para 2009, é importante garantir que são apoiadas as experiências e os projectos

Leia mais

Manual de Procedimentos POSI-E3

Manual de Procedimentos POSI-E3 Manual de Procedimentos POSI-E3 13 de Abril de 2012 1 Índice 1. INTRODUÇÃO 3 2. COORDENAÇÃO GERAL 5 3. DOCENTES E DISCIPLINAS 7 3.1 INFORMAÇÃO AOS ALUNOS 7 3.2 RELAÇÕES ALUNOS / DOCENTES 8 4.1 ÁREA PEDAGÓGICA

Leia mais

Casa do Povo de Vilarandelo. Plano de Ação 2015-2018

Casa do Povo de Vilarandelo. Plano de Ação 2015-2018 Plano de Ação 2015-2018 Eixo de Intervenção 1 Emprego, Formação e Qualificação a) Estabelecimento da Parceria com o Instituto de Emprego e Formação Profissional, I.P., com o objetivo de facilitar os processos

Leia mais

Ministérios da Administração Interna, do Trabalho e da Solidariedade Social e da Educação PROTOCOLO. Entre MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA,

Ministérios da Administração Interna, do Trabalho e da Solidariedade Social e da Educação PROTOCOLO. Entre MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA, PROTOCOLO Entre MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA, MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL e MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO 2/7 A aposta na qualificação dos portugueses constitui uma condição essencial

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PÓS-GRADUAÇÃO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS. 1.ª Edição 2011-2012

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PÓS-GRADUAÇÃO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS. 1.ª Edição 2011-2012 INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PÓS-GRADUAÇÃO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS 1.ª Edição 2011-2012 Nos termos do disposto no artigo 8.º, n.º 1, a), do Regime Jurídico das Instituições do Ensino Superior, aprovado

Leia mais

Projecto de Intervenção 2010-2014

Projecto de Intervenção 2010-2014 Projecto de Intervenção 2010-2014 Desafios da Boa Água AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA BOA-ÁGUA QUINTA DO CONDE - SESIMBRA Nuno Mantas Maio de 2010 1. Introdução O Agrupamento de Escolas da Boa-Água foi criado

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação e Formação Especialização: E-learning e Formação a Distância (Regime a Distância) 14 15 Edição Instituto

Leia mais

Escola Superior De Enfermagem São Francisco das Misericórdias. Anexos

Escola Superior De Enfermagem São Francisco das Misericórdias. Anexos Escola Superior De Enfermagem São Francisco das Misericórdias Anexos Relatório de atividades 2014 Auditoria Interna Serviços Administrativos Quadro 1 não conformidades e reclamações no período de 13.05.2013

Leia mais

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015/2016 PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015-2016 POR UM AGRUPAMENTO DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA JI Fojo EB 1/JI Major David Neto EB 2,3 Prof. José Buísel E.S. Manuel Teixeira Gomes

Leia mais

ACEF/1314/03672 Relatório final da CAE

ACEF/1314/03672 Relatório final da CAE ACEF/1314/03672 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Outras

Leia mais

A Implementação do Processo de Bolonha em Portugal e os Relatórios Institucionais da sua Concretização uma Análise Exploratória

A Implementação do Processo de Bolonha em Portugal e os Relatórios Institucionais da sua Concretização uma Análise Exploratória A Implementação do Processo de Bolonha em Portugal e os Relatórios Institucionais da sua Concretização uma Análise Exploratória António M. Magalhães CIPES/FPCEUP Apresentação: 1. A implementação do Processo

Leia mais

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições nos cursos do Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra. Artigo 2.º Definições De

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE ACESSO A CURSOS DE MESTRADOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA.

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE ACESSO A CURSOS DE MESTRADOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA. INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE ACESSO A CURSOS DE MESTRADOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA Edição 2014-2016 Nos termos do Decreto -Lei n.º 42/2005, de pelo 22 de

Leia mais

Critérios e metodologia de admissão e de classificação e ordenação dos candidatos

Critérios e metodologia de admissão e de classificação e ordenação dos candidatos CONCURSO DOCUMENTAL PARA UM LUGAR DE PROFESSOR COORDENADOR PARA O SETOR DE ÁREAS DISCIPLINARES DE PSICOLOGIA E CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ÁREA DISCIPLINAR PSICOLOGIA SOCIAL, COMPORTAMENTO E COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL.

Leia mais

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM Ano Letivo 2011/2012 Marinha Grande, Setembro de 2011 1. Índice: Índice 2 1. Introdução 3 2. Caracterização

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria 2015l2017 ÍNDICE ÍNDICE: INTRODUÇÃO... 3 ÁREAS DE AÇÃO DE MELHORIA.... 4 PLANOS DE AÇÃO DE MELHORIA.. 5 CONCLUSÃO...

Leia mais

O Hypercluster da Economia do Mar em Portugal. (Resumo)

O Hypercluster da Economia do Mar em Portugal. (Resumo) O Hypercluster da Economia do Mar em Portugal (Resumo) O Hypercluster da Economia do Mar em Portugal Um novo domínio estratégico e um factor de afirmação A economia portuguesa está a sofrer uma descontinuidade

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM ACTIVIDADE FÍSICA NA GRAVIDEZ E PÓS-PARTO

PÓS-GRADUAÇÃO EM ACTIVIDADE FÍSICA NA GRAVIDEZ E PÓS-PARTO Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior PÓS-GRADUAÇÃO EM ACTIVIDADE FÍSICA NA GRAVIDEZ E PÓS-PARTO REGULAMENTO Artigo 1.º Designação A Escola Superior de Desporto de

Leia mais

Projeto do Regulamento Orgânico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

Projeto do Regulamento Orgânico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Projeto do Regulamento Orgânico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa CAPÍTULO I Disposições gerais Art.º 1.º Habilitação O Regulamento Orgânico da FCUL assenta nos preceitos da legislação

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DA QUINTA DAS FLORES

ESCOLA SECUNDÁRIA DA QUINTA DAS FLORES ESCOLA SECUNDÁRIA DA QUINTA DAS FLORES Projecto Educativo - 2004/2007 INTRODUÇÃO O que importa é que a escola pense e para pensar são precisas muitas cabeças. Uma cabeça sozinha pode pensar, pode chegar

Leia mais

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo As associações são a expressão do dinamismo e interesse das populações que entusiasticamente se dedicam e disponibilizam em prol da causa pública. As associações

Leia mais

Regras de enquadramento do POPH. O presente documento técnico integra fichas de síntese das principais Tipologias de Intervenção do POPH.

Regras de enquadramento do POPH. O presente documento técnico integra fichas de síntese das principais Tipologias de Intervenção do POPH. Regras de enquadramento do POPH O presente documento técnico integra fichas de síntese das principais Tipologias de Intervenção do POPH. Este documento é orientativo da regulamentação do Programa, não

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575 Artigo 20.º Oferta formativa e monitorização 1 A oferta formativa destinada aos activos desempregados é assegurada através de cursos de educação

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Educação e Tecnologias Digitais (Regime a Distância) Edição Instituto de Educação da Universidade

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL TEIXEIRA GOMES

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL TEIXEIRA GOMES Inovação e Qualidade Plano de Ação Estratégico - 2012/2013 ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL TEIXEIRA GOMES PROJECTO DE INTERVENÇÃO PLANO DE ACÇÃO ESTRATÉGICO 2012/2013 Escola de Oportunidades e de Futuro Telmo

Leia mais

Mobilidade de Alunos Associada a Motivações de Estudo

Mobilidade de Alunos Associada a Motivações de Estudo RT D Territórios, empresas e organizações 143 Vol. II (1), 143-147 (2005) Mobilidade de Alunos Associada a Motivações de Estudo Cristina Barroco Novais* Mestre em Gestão de Empresas WÊÊÊÊÊ Introdução A

Leia mais

Projecto de Lei nº 68/XII. Lei de Bases da Economia Social

Projecto de Lei nº 68/XII. Lei de Bases da Economia Social Projecto de Lei nº 68/XII Lei de Bases da Economia Social A Economia Social tem raízes profundas e seculares na sociedade portuguesa. Entidades como as misericórdias, as cooperativas, as associações mutualistas,

Leia mais

Projeto de Intervenção

Projeto de Intervenção Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Projeto de Intervenção 2014/2018 Hortense Lopes dos Santos candidatura a diretora do Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Braga, 17 abril de 2014

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira FORMULÁRIO DE CANDIDATURA programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira FORMULÁRIO DE CANDIDATURA PROGRAMA DE APOIO ÀS PESSOAS COLECTIVAS

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

P L A N O D E A C T I V I D A D E S

P L A N O D E A C T I V I D A D E S Agência Regional de Energia e Ambiente do Norte Alentejano e Tejo P L A N O D E A C T I V I D A D E S = 2008 = Janeiro de 2008 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ACTIVIDADES A DESENVOLVER NO ANO DE 2008... 5

Leia mais

Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL

Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL Recursos Humanos Financiamento Condições Legais: Lei de Investigação Clínica Fundo para a Investigação em

Leia mais

Cursos de Doutoramento

Cursos de Doutoramento PROSPECTO FACULDADE DE ECONOMIA Cursos de Doutoramento CONTACTOS FACULDADE DE ECONOMIA Av. Julius Nyerere, Campus Universitário, 3453 Tel: +258 21 496301 Fax. +258 21 496301 1 MENSAGEM DO DIRECTOR Sejam

Leia mais

Curso de Licenciatura em Engenharia Mecânica

Curso de Licenciatura em Engenharia Mecânica Curso de Licenciatura em Engenharia Mecânica Relatórios dos Docentes Desempenho do Curso Ano Lectivo 2012/2013 Curso de Licenciatura em Engenharia Mecânica Relatório de Desempenho do Curso Ano Lectivo

Leia mais

Rede Social do Concelho de Pampilhosa da Serra

Rede Social do Concelho de Pampilhosa da Serra Rede Social do Concelho de Pampilhosa da Serra O Plano de para o ano de 2006 constitui-se enquanto instrumento de trabalho tendo sido construído com base no Plano Desenvolvimento Social. Apresenta um conjunto

Leia mais

NCE/13/00276 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/13/00276 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/13/00276 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Minho A.1.a.

Leia mais

ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA Plano Estratégico de Melhoria 2011-2012 Uma escola de valores, que educa para os valores Sustentabilidade, uma educação de, e para o Futuro 1. Plano Estratégico

Leia mais

1. A cooperação instituída terá, designadamente, por objecto a realização dos

1. A cooperação instituída terá, designadamente, por objecto a realização dos ~~PROTOCOLO Considerando que o Instituto Nacional de Administração, IP, tem como missão fundamental contribuir, através da formação, da investigação científica e da assessoria técnica, para a modernização

Leia mais

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social REDE SOCIAL Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social REDE SOCIAL A Rede Social pretende constituir um novo tipo de parceria entre entidades públicas e privadas

Leia mais

CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA

CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA PLANO CURRICULAR A análise referente ao Programa de Ensino e, em particular ao conteúdo do actual Plano de Estudos (ponto 3.3. do Relatório), merece-nos os seguintes comentários:

Leia mais

Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana

Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas de Programas de Acção PRU/2/2008 Grandes Centros Política de Cidades - Parcerias

Leia mais

II CONCURSO ESCOLAR JOVENS PELA ÁGUA

II CONCURSO ESCOLAR JOVENS PELA ÁGUA II CONCURSO ESCOLAR JOVENS PELA ÁGUA A Direcção Regional do Ordenamento do Território e Recursos Hídricos, da Secretaria Regional do Ambiente e do Mar, conjuntamente com outros parceiros e colaboradores

Leia mais

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO ELABORAÇÃO ASSINATURA APROVAÇÃO ASSINATURA ÍNDICE CAPÍTULO 1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA/ÂMBITO... 3 1.1 POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 1.2 OBJECTIVO

Leia mais

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Decreto-Lei n.º 279/93, de 11 de Agosto (alterado pelo Decreto Lei N.º15/98, de 29 de Janeiro) (alterado pelo Decreto-Lei n.º 195/2001, de 27 de Junho) (alterado pelo

Leia mais

Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO

Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO Aprovado pelo Conselho Geral da UPorto em 26 de Fevereiro de 2010 Alterado pelo Conselho Geral da UPorto em 18 de Março de 2011 Ao abrigo da Lei n.º 37/2003,

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA ANO LECTIVO 2009/2010 [DEPARTAMENTO de EDUCAÇÃO] [Anabela Sousa Pereira] [Mestrado em Psicologia na especialização de Psicologia Clínica e da Saúde] 1.

Leia mais

REGULAMENTO. Contratação de doutorados para o Sistema Científico e Tecnológico Nacional

REGULAMENTO. Contratação de doutorados para o Sistema Científico e Tecnológico Nacional REGULAMENTO Contratação de doutorados para o Sistema Científico e Tecnológico Nacional O programa do XVII Governo Constitucional e o seu Compromisso com a Ciência apontam o rápido desenvolvimento científico

Leia mais

Título - Os CET no Instituto Politécnico de Santarém. Autores:

Título - Os CET no Instituto Politécnico de Santarém. Autores: Título - Os CET no Instituto Politécnico de Santarém Autores: Natália Gaspar Doutora, Serviços Centrais do Instituto Politécnico de Santarém, Directora da Unidade de Formação Pós-Secundária e Formação

Leia mais

Lisboa 2014 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2014 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2014 Refª: 148 Janela 1750 Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73 60 Email - bip.zip@cm-lisboa.pt

Leia mais

Regulamento Interno. Conselho Local de Ação Social da. Rede Social do Seixal

Regulamento Interno. Conselho Local de Ação Social da. Rede Social do Seixal Regulamento Interno do Conselho Local de Ação Social da Rede Social do Seixal PREÂMBULO A Rede Social, criada pela Resolução do Conselho de Ministros (RCM) n.º 197/97, de 18 de novembro e, posteriormente,

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO DE ACESSO MESTRADO EM ENGENHARIA E GESTÃO INDUSTRIAL.

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO DE ACESSO MESTRADO EM ENGENHARIA E GESTÃO INDUSTRIAL. INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO DE ACESSO MESTRADO EM ENGENHARIA E GESTÃO INDUSTRIAL Edição 2015-2017 Nos termos do Decreto -Lei n.º 42/2005, de pelo 22 de Fevereiro,

Leia mais

Plano de Gestão do Risco (2013-2015)

Plano de Gestão do Risco (2013-2015) Plano de Gestão do Risco (2013-2015) Camões, I.P. Janeiro de 2013 Lisboa, janeiro de 2013 Camões, Instituto da Cooperação e da Língua Av. da Liberdade, 270 1250-149 Lisboa 1 Índice Índice... 2 Acrónimos...

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016

PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016 PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016 1. INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO Nos termos do Artigo 15.º, do Despacho Normativo n.º7/2013, 11 de julho No final de cada ano escolar, o conselho pedagógico avalia o

Leia mais

Universidade Católica Portuguesa. Escola Superior de Biotecnologia

Universidade Católica Portuguesa. Escola Superior de Biotecnologia Universidade Católica Portuguesa Escola Superior de Biotecnologia Licenciatura (1º Ciclo) em Bioengenharia Ramo Engenharia do Ambiente: Duração: 3 anos Grau: Licenciatura Coordenador: Professora Doutora

Leia mais

Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado

Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado Edital 4ª Edição 2012-2013 Barreiro, Julho de 2012 Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado 1 ENQUADRAMENTO A Pós-Graduação em Conservação

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 49 11 de Março de 2010 11201

Diário da República, 2.ª série N.º 49 11 de Março de 2010 11201 Diário da República, 2.ª série N.º 49 11 de Março de 2010 11201 vem obedecer às orientações para este efeito emitidas por despacho do Director da FCSH. 2 A tese de doutoramento deverá ter um mínimo de

Leia mais

Relatório de Atividades e Contas 2012

Relatório de Atividades e Contas 2012 ISEL Relatório de Atividades e Contas 2012 Instituto Superior de Engenharia de Lisboa 30-09-2011 Lisboa, abril de 2013 Relatório de Atividades e Contas 2012 1 FICHA TÉCNICA Publicação editada ao abrigo

Leia mais

Presidente do Instituto Politécnico da Guarda

Presidente do Instituto Politécnico da Guarda Pós-Graduações A formação ao longo da vida é hoje uma necessidade indiscutível que constitui uma oportunidade a não perder por parte da instituição. A aposta nas pós-graduações deve ser incrementada, e

Leia mais

ANTEPROJETO DE REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS DA FREGUESIA DO LUMIAR

ANTEPROJETO DE REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS DA FREGUESIA DO LUMIAR 1 ANTEPROJETO DE REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS DA FREGUESIA DO LUMIAR CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objeto O presente Regulamento define as tipologias de apoios a atribuir pela Junta de

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO. Entre O INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO. e O SINDICATO DOS OFICIAIS DE JUSTIÇA

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO. Entre O INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO. e O SINDICATO DOS OFICIAIS DE JUSTIÇA PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO Entre O INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO e O SINDICATO DOS OFICIAIS DE JUSTIÇA Considerando que: 1. A mudança política, social, cultural, económica e tecnológica,

Leia mais

Trabalhos prioritários do ensino não superior e dos assuntos juvenis do ano lectivo de 2015/2016

Trabalhos prioritários do ensino não superior e dos assuntos juvenis do ano lectivo de 2015/2016 Trabalhos prioritários do ensino não superior e dos assuntos juvenis do ano lectivo de 2015/2016 Para que o início das aulas do novo ano lectivo se realize com facilidade, a Direcção dos Serviços de Educação

Leia mais

RELATÓRIO REFERENTE AOS ANOS LECTIVOS 2009.2010 E 2010.2011 DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA DA UCP DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO

RELATÓRIO REFERENTE AOS ANOS LECTIVOS 2009.2010 E 2010.2011 DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA DA UCP DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO RELATÓRIO REFERENTE AOS ANOS LECTIVOS 2009.2010 E 2010.2011 DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA DA UCP DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO (Artigo 66-A.º do Decreto-Lei n.º 107/2008 de 25 de Junho) INSTITUTO SUPERIOR

Leia mais

Candidatura de. António Dourado Pereira Correia. a Director da FCTUC. Programa de acção do Director da FCTUC

Candidatura de. António Dourado Pereira Correia. a Director da FCTUC. Programa de acção do Director da FCTUC Candidatura de António Dourado Pereira Correia a Director da FCTUC Programa de acção do Director da FCTUC No momento em que as regras de gestão da nossa Faculdade se alteram tão profundamente, centrando-a

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Diário da República, 1.ª série N.º 55 19 de Março de 2010 889 Unidas. Deberá notificar a la otra parte la conclusión de este procedimiento de registro y comunicarle el número de registro atribuido. Hecho

Leia mais

Ensino Básico. Regulamento da Competição

Ensino Básico. Regulamento da Competição ESCOLA + Promoção de Eficiência Energética entre Escolas do 1º Ciclo de O Projeto Escola + Ensino Básico Regulamento da Competição Ano Letivo 2014-2015 O Projeto «Escola +» é uma iniciativa da Lisboa E-Nova

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Escola Secundária Fernando Namora AMADORA 12 e 13 jan. 2012 Área Territorial de Inspeção de Lisboa e Vale do Tejo 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO. Indicações para Operacionalização 2012-2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO. Indicações para Operacionalização 2012-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO Indicações para Operacionalização 2012-2015 O Plano Anual de Atividades do Agrupamento é relevante para toda a Comunidade Educativa. Por ele se operacionalizam

Leia mais