A Contribuição do Planejamento Estratégico Para a Alpha Net Pesquisa e Caso Aplicado

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Contribuição do Planejamento Estratégico Para a Alpha Net Pesquisa e Caso Aplicado"

Transcrição

1 A Contribuição do Planejamento Estratégico Para a Alpha Net Pesquisa e Caso Aplicado Por Lucimeiri Cezar André Acadêmica do Programa de Pós Graduação MBA Executivo em Gestão Empresarial do Cesumar Centro Superior de Ensino de Maringá /PR - 12/2007. Orientação: Professora MS. Ângela Augusta RESUMO: A atividade comercial é extremamente competitiva, em face da quantidade, variedade e também do porte dos estabelecimentos inseridos no ramo. Para sobreviver neste mercado altamente competitivo, o comércio necessita conhecer seus objetivos de curto e longo prazo e principalmente, planejar como alcançar esses objetivos. Este trabalho tem por objetivo avaliar a importância do Planejamento Estratégico para o a Alpha Net. A mutabilidade e dinâmica do ambiente em que atuam o comércio e a indústria de forma geral; apresenta um ambiente em comum, ou seja, um cenário, em que o executivo se esquece de fazer algo primordial para a manutenção do negócio saudável; o Planejamento Estratégico. Este trabalho pretende mostrar que é possível criar objetivos, e planejar; criando estratégias para alcançá-los, mesmo que as situações do dia-a-dia se resumem em desafios e problemas organizacionais. Palavras Chaves: Planejamento Estratégico, comércio, tomada de decisão. 1

2 INTRODUÇÃO: Este estudo surgiu da necessidade de conhecer a importância do Planejamento Estratégico na prática organizacional. Segundo pesquisa divulgada pelo SEBRAE (2004), entre 70% e 80% das empresas no Brasil fecham as portas antes de completarem dois anos de vida. Os motivos são vários, e os empresários se justificam dizendo que foi por causa da alta carga tributária ou por que a economia está ruim ou ainda a falta de apoio do governo. Pode-se encarar a situação por outra ótica: a falta de planejamento. Muitas empresas brasileiras tomam os seus caminhos sem muita noção do que fazer, e; o grande diferencial entre o negócio bem sucedido e um à beira da falência, está em saber como se planejar para disputar o mercado e se manter sobrevivente a ele. Assim, a pesquisa do tema servirá para contribuir com o administrador comercial, na elaboração de um plano, para adequar o comércio varejista com os desejos e necessidades dos seus atuais e futuros clientes. A apresentação da temática, portanto, deverá influenciar na cultura da empresa comercial e, conseqüentemente em sua participação no mercado. Assim, pretende se conhecer a importância do Planejamento Estratégico para a empresa em questão: a Alpha Net, definindo algumas estratégias de curto e longo prazo, como explicar porque planejar tem tanta importância no contexto organizacional, definindo Planejamento Estratégico, Tático e Operacional e apresentando os Níveis de Planejamento existentes e o modelo de Planejamento apontado. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA O QUE É UM PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO? (D. P. Rebouças de Oliveira ) Para D. P. Rebouças de Oliveira, o Planejamento Estratégico é um processo gerencial que possibilita ao executivo estabelecer o rumo a ser seguido pela empresa, com vistas a obter um nível de otimização na relação da empresa com o seu ambiente. O Planejamento Estratégico é; normalmente, de responsabilidade dos níveis mais altos da empresa, e diz respeito tanto à formulação de objetivos quanto à seleção das estratégias empresariais a serem seguidas para a consecução destes objetivos, levando em conta as condições externas e internas à empresa e sua evolução esperada. 2

3 Dessa forma, Planejar tem absoluta importância; porque um comércio sem planos é como um barco à deriva, ao sabor do vento, sem direção. Definindo um objetivo, formular uma estratégia para alcançá-lo, torna o processo gerencial menos complexo. Assim, dobrar o faturamento, abrir uma filial, aumentar o mix de produtos, fidelizar mais os clientes, são muitas as opções de objetivos que podem ser criadas, mas o importante é priorizá-las. Aí sim começar a fazer planos. Há três níveis fundamentais de planejamento: o estratégico, o tático e o operacional, com as seguintes definições: Planejamento estratégico: Consiste na escolha dos objetivos maiores da empresa e do comércio, das estratégias a serem adotadas para se alcançarem esses objetivos e na definição das fontes de recursos. Ele aborda questões globais, amplas, genéricas e de longo prazo. Uma vez definidas tais questões, é preciso elaborar o plano estratégico, que manterá coerência com essas questões. Em outras palavras, o planejamento estratégico é materializado sob a forma de um documento chamado plano estratégico. Modelos de planos estratégicos: Existem vários modelos de planos estratégicos. Do que apontamos conforme pesquisa; é composto por dez etapas. Ele se inicia com a definição do negócio e termina com a estipulação das metas. Os diversos elementos que compõem esse modelo estão relacionados a seguir: 1. Definição do negócio. Nesta fase do planejamento, são estabelecidos os propósitos do negócio: o ramo do mercado em que a empresa atua ou irá atuar, os produtos oferecidos ao mercado e as necessidades dos clientes que se pretendem atender. 2. Análise externa. Esta é uma atividade de levantamento e análise dos fatores ambientais que afetam a empresa, da forma como podem evoluir e do surgimento de novos fatores que venham a ter influência na vida dela. 3. Análise interna. Neste ponto, todos os envolvidos no processo empreendem esforços para ampliar o conhecimento que se tem da firma e do sistema em que ela está enquadrada. 4. Cenários. É a previsão da evolução dos fatores que influenciam ou podem influenciar o desempenho da empresa. 5. Valores éticos. Nesta fase, fazem-se a identificação e a definição dos valores éticos que norteiam as atividades da organização. 3

4 6. Missão. Etapa que define a missão da empresa, razão de sua existência, a função que ela desempenha de modo a se tornar útil e justificar seus lucros, atendendo às expectativas de seus acionistas e da sociedade onde ela atua. A missão expressa onde e como a empresa espera obter lucro, por meio da oferta de um produto ou prestação de um serviço útil e desejável. 7. Visão. Nesta fase, estabelece-se a visão de futuro da empresa, da maneira mais precisa possível, procurando determinar elementos que a ajudem a controlar o próprio destino. 8. Objetivos. Aqui são escolhidos os objetivos: determinadas situações que a empresa quer atingir e tem razoáveis condições de fazê-lo para cumprir sua missão e conseguir alcançar sua visão. É a resposta à pergunta: O que fazer?, que pode ser, por exemplo, aumentar 10% as vendas do produto X no próximo ano. 9. Estratégias. Busca-se neste tópico responder à pergunta: Como fazer? As estratégias existem associadas a objetivos e mostram como a empresa vai empregar seus recursos para alcançar seus objetivos. Se o objetivo é aumentar 10% as vendas do produto X, a estratégia pode ser ampliar Y% a quantidade de vendedores. 10. Metas. Uma vez definidos os objetivos e escolhidas as estratégias, é necessário definir uma programação de execução para estipular que resultados devem ser alcançados, quando devem ser alcançados e por quem devem ser alcançados. Por exemplo, o departamento de vendas deverá aumentar as vendas do produto X 2% no primeiro trimestre, 4% no segundo, 3% no terceiro e 1% no quarto. Determinação de objetivos e prazos de execução Para Rebouças, na elaboração do plano estratégico, é fundamental que a escolha dos objetivos seja feita de forma a eleger aqueles que melhor atendam aos interesses da empresa. É fundamental também determinar com sabedoria os esforços que serão feitos para alcançar esses objetivos, tendo sempre em mente que recursos custam dinheiro. Como esses objetivos serão eleitos em função das condições vigentes na época de elaboração do planejamento, eles são extremamente vulneráveis às variações de tais circunstâncias. Assim, a empresa tem de estar atenta a mudanças significativas no panorama, antecipando-se a elas de forma a minimizar ou até anular seus efeitos. Adiantar-se às mudanças significa aproveitar de maneira ótima as oportunidades que se descortinam e 4

5 neutralizar as ameaças que surgem; e, até mesmo, inverter um quadro, transformando ameaças em oportunidades. O plano estratégico cuida do longo prazo e ajuda a organização a se posicionar com relação ao futuro. Contudo, a definição de longo prazo depende das características do negócio, da organização em si e do mercado onde ela atua. Por exemplo, uma empresa como a Boeing, que fabrica aviões de grande porte, pode definir longo prazo como 100 anos. Isto faz sentido porque o desenvolvimento de um avião implica custos muito elevados, pois envolve processos complexos como a descoberta de novos materiais leves e resistentes e a coordenação de um número muito grande de peças e fornecedores. Já empresas cujos produtos são comprometidos por custos menores de desenvolvimento em geral definem longo prazo como cinco anos. Como planejamento estratégico trata de linhas gerais, devem ser elaborados planos adicionais em outros níveis de detalhes, para que o plano estratégico seja implementado de forma adequada. Entram em cena o planejamento tático e o operacional. Enquanto o plano estratégico se desdobra em vários planos táticos, os planos táticos se subdividem em planos operacionais. Planejamento tático: Envolve uma unidade da organização, que pode ser um departamento ou uma divisão. No planejamento tático, o planejador se preocupa com a interpretação do planejamento estratégico, trazendo-o mais para perto da realidade do mercado por meio de planos específicos para cada departamento ou divisão, os planos táticos. Os planos táticos de modo geral traduzem-se em planos de marketing, financeiros, de produção e de recursos humanos, dentre outros. Planejamento operacional: Tem em conta o curto prazo. Ele é gerado a partir do planejamento tático, o qual, como já vimos é gerado a partir do planejamento estratégico. O planejamento operacional materializa-se em planos operacionais sob a forma de procedimentos, orçamentos, programas e regulamentos. METODOLOGIA DA PESQUISA Este estudo quantitativo utilizou-se da metodologia descritiva por meio de entrevista semi-estruturada e de observação participativa, com base ainda em material didático, conhecimento acadêmico e profissional. 5

6 CASO ALPHA NET DIAGNÓSTICO EMPRESARIAL O presente trabalho é referente ao diagnóstico apresentado em 15 de Março de 2007 na empresa Alpha Net, através de entrevista semi-estruturada e de observação participativa. Este diagnóstico empresarial tem como principais objetivos: a) Compreender o problema organizacional e suas razões; e b) Apresentar um Planejamento Estratégico como forma de resolução do problema à empresa. Histórico A Alpha Net teve início de suas atividades no ramo de serviços na área de processamentos de dados-informática, em 15 de janeiro de Prestava serviços de processamento de dados contábeis, conta a pagar e receber, folha de pagamento, onde determinado software processava, calculava e emitia diversos relatórios para o grupo Alpha, que era composto de várias empresas. Não demorou muito e a empresa começou a atender também outros clientes, que estavam em busca das facilidades que o serviço prestado oferecia. Aproveitando a estrutura, iniciou também a oferta de cursos de informática. Em 1991 a empresa ampliou o ramo de atividade passando a atuar também na comercialização e representações de computadores e equipamentos em geral. Os motivos da alteração no ramo foram em função do mercado de processamentos entrar em declive, e que conseqüentemente teve um reflexo positivo, que foi o aumento da procura de computadores, equipamentos, assistência técnica e cursos de informática. A expansão dos negócios gerou a necessidade de maior espaço físico. Foi em novembro de 1993 que a empresa mudou de local. Não demorou muito fevereiro de 1995 a empresa passou por uma ampliação significativa de espaço físico. A empresa fortemente atuante resolveu implantar em 1º de agosto de 1996 a primeira filial da Alpha Net Informática na cidade de Campina da Lagoa. No dia 10 de dezembro de 1996, foi inaugurada uma outra loja em Goioerê para atender a demanda de consumidores de computadores e assessórios de informática. Ficou registrada em novembro de 1996, a atuação forte e exclusiva da matriz na revenda de 6

7 aparelhos celulares e assessórios. Alpha Net foi o nome batizado em 15 de novembro de 1997, daquele que passava a ser o provedor de internet, sendo este, o mais novo serviço prestado. Em 21 de novembro de 1997 foi a vez da cidade de Assis Chateaubriand ganhar uma filial exercendo todas as áreas/atividades que a matriz, com exceção da internet. A internet ganha força e o mercado de provimento de acesso é explorado pela empresa, passando a implantação do sistema na cidade de Palotina e Assis Chateaubriand em Fechando o ano de 2000 com provedores de internet implantados nas cidades de: Campina da Lagoa, Engenheiro Beltrão, Cruzeiro do Oeste, Terra Roxa e Altônia. Em 2001 foram as cidades de Prudentópolis, Imbituva, Peabiru e Maripá. Finalmente em 2002 as cidades privilegiadas foram: Moreira Sales, Alto Paraná, Primeiro de Maio, Centenário do Sul, Florestópolis, Joaquim Távora, Pitanga, Ribeirão Claro, Ribeirão do Pinhal, Santa Mariana, São João do Ivaí e Tibagi. Detentora por vários anos consecutivos como Empresa Destaque e Qualidade Total, nas diversas áreas em que atua. Dessa forma se construiu e se mantém uma empresa que tem como missão Oferecer produtos e serviços de qualidade mostrando às pessoas os benefícios da informática. ANÁLISE DO DIAGNÓSTICO E FORMULAÇÃO DO PROBLEMA Através de pesquisa qualitativa na empresa apresentada, a Empresa Alpha Net, busca-se analisar estrategicamente a organização. Dessa forma, avaliando presencialmente a empresa, identificando o problema organizacional, os fatores e as variáveis que interferem no desempenho da empresa. Apontando daí as alternativas de correções necessárias para a resolução do problema. Para o diagnóstico, procurou-se dados confiáveis, informações diretas com os responsáveis do setor, conforme entrevista (em anexo), sendo que de início das atividades a empresa têm chamado atenção em relação a algum tipo de problema organizacional: falta de planejamento. 7

8 IMPLANTAÇÂO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ALPHA NET 1. Apresentação Dia 15 de março de 2007 na sede da empresa Alpha Net Tecnologia e Telecomunicações Ltda na cidade de Goioerê - PR, foi realizada uma oficina com o propósito de elaborar um Plano Estratégico de Ação para a referida empresa. As atividades foram realizadas através de trabalhos em grupos e por meio de atividades individuais com o objetivo de que todos tivessem uma participação efetiva na construção do plano estratégico da empresa. Todas as idéias dos participantes foram registradas em um painel e organizadas de forma que todas as informações resultantes dos trabalhos fossem registradas neste documento. 1.1 Missão da Alpha Net Fornecer soluções de internet com inovação e qualidade facilitando a comunicação para a satisfação do cliente. 1.2 Visão de Futuro Ser reconhecida como referência de qualidade de serviços de internet nos estados do Paraná e São Paulo. 1.3 Áreas Estratégicas Focalizando o ambiente interno e externo relacionado à empresa Alpha Net, os participantes identificaram os assuntos estratégicos reunindo temas críticos que, por seu caráter, podem ter um impacto excepcional sobre a entidade e seus associados. Os vários temas identificados foram agrupados em áreas estratégicas: 8

9 Fortalezas Oportunidades Fraquezas Ameaças Áreas Estratégicas - Tradição da - Falta de - Abuso do poder empresa planejamento - Falta de plano de marketing - Baixa qualidade real no acesso Administração - Falta de gestão de materiais - Inadimplência - Estrutura física - Aquisição de novos provedores - Cabeamento - Hot spot - Voip - Autonomia no trabalho - Agilidade nas decisões - Funcionários conhecimento - Experiência dos funcionários - Rede de parceiros - Otimizar parcerias - Consultorias - Ensino a distância - Mercado corporativo - Desenv. WEB controle - Localização - Convergência digital - Falta de treinamentos - RH insuficiente - Falta de comunicação interna - Falta de comprometimento de parceiros. Infra-estrutura RH Projetos 1.4 Estratégia de Ação: Ações / Projetos O grupo identificou conjunto de Ações e projetos necessários para o alcance da missão por eles construída. Área: Marketing Atividades 9

10 1.1 Atualização, informação, atenção especial. 1.2 Contratação de empresa ou profissional especializado, efetuar pós-vendas, resultados. 1.3 Preocupar-se em mantê-la. 1.4 Explorar mais a tradição da empresa. 1.5 Estudo estratégico por localidade. 1.6 Criar um departamento de marketing. Área: Finanças Atividades 2.1 Unir-se com outros provedores. 2.2 Contratação de mais profissionais. 2.3 Mudanças no sistema de cobrança. 2.4 Apresentação de resultados mensais e planejamento estratégico. 2.5 Reestruturação do sistema de controle financeiro. Área: Estoque Atividades 3.1 Estrutura física: definição de área de despacho e recebimento de encomendas. 3.2 Pedidos programados conforme estoque mínimo. 3.3 Organizar estoque. 3.4 Controle mais efetivo de estoque: quantidade de venda, quantidade de saída, valor recebido. 3.5 Controle mais ativo dos estoques nas filiais. Área: Infra-estrutura Atividades 4.1 Organizar a localização dos departamentos ligados. 4.2 Ar condicionado (recepção). 4.3 Remodelar a recepção (móveis). 4.4 Acompanhamento do fluxo da rede (link). 4.5 Quantidade de usuários por base. 1

11 4.6 Mudar atendimento / identificar profissionais. 4.8 Avaliação das estruturas de pontos de acesso. Área: RH Atividades 5.1 Autonomia: incentivar a iniciativa do funcionário. 5.2 RH insuficiente: mais palestras motivacionais, vídeos e reuniões. 5.3 Divulgação melhor do conhecimento entre funcionários envolvidos. 5.4 Falta de comprometimento: mais contato com parceiros. 5.5 Falta de treinamento: investir em treinamentos, capacitação de cada área específica (função). 5.6 Funcionário conhecimento: Estabelecer metas para profissionalização. 5.7 Plano de carreira 5.8 Treinamento e avaliação (parceiros) 5.9 Premiações e reconhecimento (parceiros) 5.10 Convenções anuais Informativos gerais através de e reuniões Apresentação diferenciada de novos funcionários Autonomia no trabalho e agilidade nas decisões: determinar de acordo com cargos e funções Descrição de cargos e funções RH insuficiente: Definir atribuições, capacitação do gerente do RH com treinamentos específicos RH insuficiente: ter depto e local específico. Área: Projetos Atividades 6.1 Consultoria capacitar pessoas. 6.2 Otimizar parcerias: explorar capacidades oferecendo novos serviços. 6.3 Consultoria: definir área de atuação, estudo de mercado, serviços adicionais. 6.4 EAD: estudo do público alvo, viabilidade do retorno financeiro. 6.5 EAD fazer experiências internas. 1

12 6.6 Consultorias-EAD: capacitar profissionais, criar projeto e definir área específica. 6.7 Mercado corporativo: investimento, serviços adicionais para já clientes. 6.8 Voip priorizar para implantar. 6.9 Planejamento quanto a viabilidade do cabeamento Convergência: preocupar-se, buscar alternativa Aquisição de novos provedores: oportunidade de crescimento, projeção de viabilidade técnica e financeira Otimizar parcerias: conhecer melhor o parceiro e a área de atuação Mercado corporativo: classificar as empresas para dar atendimento diferenciado Mercado corporativo: desenvolver soluções específicas (firewall, controle de acesso, etc) Mercado corporativo: viabilidade, divulgação Desenvolvimento Web: contratar profissional, capacitar profissional Desenvolvimento Web: analisar viabilidade de mercado se for o caso contratar equipe Investir em conhecimento e material (cabeamento) Estudos preparatórios para novos mercados (cabeamento, hot spot, convergência digital e voip) Investimento especializar hot spot Parcerias em convergência digital Estudo para verificar se é relevante (hot spot e voip). CONSIDERAÇÕES FINAIS Este artigo teve como objetivo de pesquisa conhecer a contribuição do Planejamento Estratégico para a Alpha Net, e ainda ressaltar a importância do planejamento estratégico para a gestão do comércio varejista e demais empresas no Brasil. O diagnóstico estratégico, a definição das diretrizes organizacionais (missão e objetivos), a concepção e implementação da estratégia foram abordados, mostrando que o planejamento, se bem aplicado, pode tornar a gestão comercial mais competitiva, atuando como um instrumento de comunicação, de acompanhamento e principalmente de aperfeiçoamento do aprendizado nas organizações. As mudanças são constantes e aceleradas, e as empresas que não forem capazes de se planejar, com uma visão muito clara de como diferenciar-se de seus concorrentes, serão facilmente aniquiladas por eles. O planejamento é mais do que necessário para as empresas 1

13 atualmente, mais para colocá-lo em prática de forma efetiva é preciso que o gestor conheça cada um de seus elementos, suas funções e seus limites, sendo flexível o bastante para perceber que planejar nem sempre é o contrário de fazer. CONCLUSÕES A análise do tema pesquisado buscou mostrar a importância do Planejamento Estratégico para a Alpha Net e, por conseguinte, para o comércio varejista em geral. Ressaltando toda a mutabilidade e dinâmica do ambiente em que o comércio e as organizações atuam de forma geral; ainda é complexo, devido o executivo se esquecer de fazer algo primordial para a manutenção do negócio saudável; o Planejamento Estratégico. A execução deste estudo propiciou um aprendizado quanto às inovações no conhecimento da área administrativa, mercadológica voltada para pequenos negócios de varejo. Se apresentado a um administrador de um comércio varejista, o projeto provavelmente aumentaria o campo de visão, quanto à dimensão das estratégias inovadoras para a administração e desenvolvimento do seu negócio. REFERÊNCIAS ACKOFF, R. L. Planejamento empresarial. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos. Editora S.A., ANSOFF H. Igor e Mcdonnel Edward J. Implantando a Administração Estratégica. Tradução Sanvicente. Antonio Zoratto e Plonsky. Guilherme Ary. São Paulo: Ed. Atlas, CÉSAR, Maria Paula. Os sete pecados capitais do varejo. Portal Venda Mais Varejo - Portal de Vendas e Marketing da América Latina. Disponível em em 02 de novembro de 2007>. CHIAVENATO, Idalberto. Teoria Geral da Administração. Volume 1. 5ª ed. Campus, Introdução à teoria Geral da Administração. 4. ed. São Paulo: 1

14 Makron Books, COBRA, Marcos. Administração de Marketing. 2. ed. São Paulo: Atlas, KOTLER, Philip. Administração de Marketing A Edição do Novo Milênio. São Paulo: Prentice Hall, MONTENEGRO, Paulo César F. SEBRAE SP. Pesquisas Organizacionais. Informativo Sebrae, Disponível em: <www.sebraesp.com.br> em <04 de novembro de 2007>. REBOUÇAS DE OLIVEIRA, Djalma de Pinho Planejamento Estratégico: Conceitos Metodologia Práticas. São Paulo: Atlas, ª ed.. Planejamento Estratégico: Conceitos Metodologia Práticas. São Paulo: Atlas, RICHARDSON, Roberto. J. Pesquisa Social: Métodos e técnicas. São Paulo, Atlas, THOMPSON. Arthur A. Jr. e Strickland III. A. J. Planejamento Estratégico Elaboração, Implementação e Execução. Thomson Pioneira, WRIGHT, Peter. Administração Estratégica: Conceitos. São Paulo: Atlas,

15 ANEXOS As questões aqui apresentadas são partes integrantes do Manual de Diagnóstico Empresarial, que teve como objetivo básico, subsidiar o analista na tarefa de identificação dos pontos fracos e fortes da organização, elaborando desta forma os seus projetos de atuação de acordo com as necessidades especificas. QUESTÕES NORTEADORAS 1) Os atuais produtos / serviços (doravante diremos apenas produtos, mesmo nos referindo a serviços) realmente satisfazem as necessidades dos consumidores? 2) Sua empresa realiza um esforço sistemático de desenvolvimento de produtos e de ampliação de seu mercado consumidor? 3) Sua empresa mantém-se atenta às atividades dos concorrentes em todos os aspectos? 4) A empresa possui uma força de vendas bem treinada, motivada, sensível às necessidades dos clientes. É uma equipe ativa (e não meramente reativa), enfim, é capaz de garantir a maximização das vendas? 5) A empresa tem um planejamento detalhado de Marketing / Vendas, acompanha e controla eficazmente a execução dos planos, confrontando os resultados reais com os planejados? 6) Qual é a situação atual da empresa no mercado? 7) A elaboração de orçamento na empresa é um exercício válido de verificação das reais possibilidades da organização e de tomada de decisões sobre aspectos importantes (corte de custos ou despesas, alocação de recursos, etc), que possam levar os resultados a encontrar os objetivos e vice versa? O trabalho de elaboração resulta num documento coerente e realmente capaz de orientar a ação gerencial? 1

16 8) A empresa exerce um efetivo controle sobre as operações financeiras de pagamento, recebimento e imobilização? 9) Os demonstrativos de resultados mensais da empresa são claros, precisos, suficientemente detalhados que permitam uma análise do desempenho de cada área de responsabilidade por resultados (linha de produto), filial, loja conforme o caso)? Eles possibilitam decisões sobre adoção de medidas corretivas ou adoção de estratégias ou políticas que se mostrem vantajosas? 10) A empresa procura avaliar periodicamente sua posição geral, para averiguar se não está tomando rumos menos desejáveis? Para essa avaliação, ela fundamenta-se em bases objetivas, como índices financeiros? 11) A estrutura organizacional da empresa denota uma distribuição de autoridade adequada às responsabilidades dos vários órgãos e, dentro deles, dos vários escalões? 12) Pode-se dizer que a empresa está bem organizada? 13) A empresa adota critérios de seleção que possibilitem a escolha de pessoas realmente aptas a trabalhar para os cargos oferecidos e com potencial para desenvolvimento posterior? 14) Os empregados da empresa demonstram um bom nível de consciência de suas responsabilidades, de seus papéis no contexto da organização? 15) A empresa tem um bom quadro de pessoal? 1

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ Acadêmica de Administração Geral na Faculdade Metropolitana de Maringá /PR - 2005 RESUMO: A atividade comercial

Leia mais

Unidade III GESTÃO EMPRESARIAL. Prof. Roberto Almeida

Unidade III GESTÃO EMPRESARIAL. Prof. Roberto Almeida Unidade III GESTÃO EMPRESARIAL Prof. Roberto Almeida Esta estratégia compreende o comportamento global e integrado da empresa em relação ao ambiente que a circunda. Para Aquino:Os recursos humanos das

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

RETURN ASSESSORIA E CONSULTORIA EMPRESARIAL LTDA CONSULTORIA:

RETURN ASSESSORIA E CONSULTORIA EMPRESARIAL LTDA CONSULTORIA: RETURN ASSESSORIA E CONSULTORIA EMPRESARIAL LTDA CONSULTORIA: UMA TECNOLOGIA DE PONTA VOLTADA PARA O LUCRO E QUALIDADE INFORMAÇÕES CADASTRAIS RAZÃO SOCIAL: RETURN ASSESSORIA E CONSULTORIA EMPRESARIAL LTDA.

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

CONHEÇA NOSSA EMPRESA:

CONHEÇA NOSSA EMPRESA: CONHEÇA NOSSA EMPRESA: HISTÓRICO A RC Consultoria esta em atividade desde o ano de 2007 na área de consultoria em gestão empresarial, levando para os nossos clientes um otimo portfólio de serviços para

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT)

Estratégias em Tecnologia da Informação. Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT) Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 5 Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT) Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Osmar Mendes 1 Gilberto Raiser 2 RESUMO Elaborar uma proposta de planejamento estratégico é uma forma de criar um bom diferencial competitivo, pois apresenta para a organização

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

Seminário Telecentros Brasil

Seminário Telecentros Brasil Seminário Telecentros Brasil Inclusão Digital e Sustentabilidade A Capacitação dos Operadores de Telecentros Brasília, 14 de maio de 2009 TELECENTROS DE INFORMAÇÃO E NEGÓCIOS COMO VEÍCULO DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA

Leia mais

PLANEJAMENTO DE MARKETING

PLANEJAMENTO DE MARKETING PLANEJAMENTO DE MARKETING A análise ambiental e o planejamento beneficiam os profissionais de marketing e a empresa como um todo, ajudando os gerentes e funcionários de todos os níveis a estabelecer prioridades

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Escolha os melhores caminhos para sua empresa

Escolha os melhores caminhos para sua empresa Escolha os melhores caminhos para sua empresa O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES Cassia Uhler FOLTRAN 1 RGM: 079313 Helen C. Alves LOURENÇO¹ RGM: 085342 Jêissi Sabta GAVIOLLI¹ RGM: 079312 Rogério Bueno ROSA¹ RGM:

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que ANEXO II Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui registro em base de patentes brasileira. Também serão considerados caráter inovador para este Edital os registros de patente de domínio público

Leia mais

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO CONTEÚDO 1 APRESENTAÇÃO 2 PÁGINA 4 3 4 PÁGINA 9 PÁGINA 5 PÁGINA 3 APRESENTAÇÃO 1 O cenário de inovação e incertezas do século 21 posiciona o trabalho

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio.

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Plano de negócios estruturado ajuda na hora de conseguir financiamento. Veja dicas de especialistas e saiba itens que precisam constar

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA Flash Lan House: FOCO NO ALINHAMENTO ENTRE CAPITAL HUMANO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

Parceiros O PROGRAMA DE PARCERIAS GVN. O que é o GVN Parceiro: O perfil do GVN Parceiro

Parceiros O PROGRAMA DE PARCERIAS GVN. O que é o GVN Parceiro: O perfil do GVN Parceiro Parceiros O PROGRAMA DE PARCERIAS GVN O que é o GVN Parceiro: O GVN Parceiro é uma modalidade de parceria de negócios criada pelo Grupo Vila Nova para ampliar sua capilaridade de oferta e garantir que

Leia mais

12/09/2015. Conceituação do SIG. Introdução. Sistemas de Informações Gerenciais Terceira Parte

12/09/2015. Conceituação do SIG. Introdução. Sistemas de Informações Gerenciais Terceira Parte Sistemas de Informações Gerenciais Terceira Parte Prof. William C. Rodrigues Copyright 2015. Todos direitos reservados. Atualizado em setembro de 2015 Conceituação do SIG Introdução Nessa fase o executivo

Leia mais

Análise do Ambiente estudo aprofundado

Análise do Ambiente estudo aprofundado Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Análise do Ambiente estudo aprofundado Agenda: ANÁLISE DO AMBIENTE Fundamentos Ambientes

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014

Plano de Trabalho Docente 2014 Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC Profª Nair Luccas Ribeiro Código: 156 Município: Teodoro Sampaio Eixo Tecnológico: Gestão e Negócio Habilitação Profissional: Técnico em Administração

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

Sobre a Universidade Banco Central do Brasil (UniBacen)

Sobre a Universidade Banco Central do Brasil (UniBacen) Sobre a Universidade Banco Central do Brasil (UniBacen) Histórico A UniBacen é um departamento vinculado diretamente ao Diretor de Administração do Banco Central do Brasil (BCB), conforme sua estrutura

Leia mais

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Ana Carolina Trindade e-mail: carolinatrindade93@hotmail.com Karen

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br RESUMO:

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

RETURN ASSESSORIA E CONSULTORIA EMPRESARIAL LTDA CONSULTORIA:

RETURN ASSESSORIA E CONSULTORIA EMPRESARIAL LTDA CONSULTORIA: RETURN ASSESSORIA E CONSULTORIA EMPRESARIAL LTDA CONSULTORIA: UMA TECNOLOGIA DE PONTA VOLTADA PARA O LUCRO E QUALIDADE INFORMAÇÕES CADATRAIS RAZÃO SOCIAL: RETURN ASSESSORIA E CONSULTORIA EMPRESARIAL LTDA.

Leia mais

Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS

Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS OFICINA 2 Professora: Izabel Portela izabel@institutoiris.org.br Novembro - 2007 1 M A R K E T I N G

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Plano de Negócios PLANEJAMENTO DO PROJETO FINAL. Sumário

Plano de Negócios PLANEJAMENTO DO PROJETO FINAL. Sumário Plano de Negócios Plano de Negócios Sumário Introdução... 3 Plano de Negócios... 3 Etapas do Plano de Negócio... 3 Fase 1... 3 Fase 2... 8 Orientação para entrega da Atividade de Avaliação... 12 Referências

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

(WRIGHT; KROLL; PARNELL, 2000)

(WRIGHT; KROLL; PARNELL, 2000) de Marketing e Estratégias de Marketing Parte 01 OPORTUNIDADES E AMEAÇAS DO AMBIENTE EXTERNO Marcoambiente Ambiente setorial Estratégia Administração Estratégica Estratégico Organização / Direção Estratégia

Leia mais

PLANO DE AÇÃO . TREINAMENTOS . PROGRAMAS . PALESTRAS PARANAÍBA MS

PLANO DE AÇÃO . TREINAMENTOS . PROGRAMAS . PALESTRAS PARANAÍBA MS PLANO DE AÇÃO. TREINAMENTOS. PROGRAMAS. PALESTRAS PARANAÍBA MS 2015 TREINAMENTO - Ciclo de Palestras - Auxiliar o empresário, ou potencial empreendedor, desde a tomada de decisão de abrir um novo negócio

Leia mais

ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA

ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA 1 ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA SUMÁRIO Introdução... 01 1. Diferenciação das Atividades de Linha e Assessoria... 02 2. Autoridade de Linha... 03 3. Autoridade de Assessoria... 04 4. A Atuação da

Leia mais

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MECANISMOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O Ciclo da Governança de T.I. ALINHAMENTO

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

Controle ou Acompanhamento Estratégico

Controle ou Acompanhamento Estratégico 1 Universidade Paulista UNIP ICSC Instituto de Ciências Sociais e Comunicação Cursos de Administração Apostila 9 Controle ou Acompanhamento Estratégico A implementação bem sucedida da estratégia requer

Leia mais

ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA

ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA MANUAL DE VISITA DE ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA Material exclusivo para uso interno. O QUE LEVA UMA EMPRESA OU GERENTE A INVESTIR EM UM ERP? Implantar um ERP exige tempo, dinheiro e envolve diversos

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO - BACHARELADO MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Alinhamento das expectativas; O por que diagnosticar; Fases do diagnóstico; Critérios de seleção para um ERP; O papel da

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: São José do Rio Pardo Código: 150 Município: São José do Rio Pardo Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec: Professora Nair Luccas Ribeiro Código: 156 Município: Teodoro Sampaio Eixo Tecnológico: Gestão de Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Administração

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL LTDA

A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL LTDA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Diagnóstico Empresarial. Porque a saúde da sua empresa é muito importante.

Diagnóstico Empresarial. Porque a saúde da sua empresa é muito importante. Diagnóstico Empresarial Porque a saúde da sua empresa é muito importante. Introdução Nos últimos anos as empresas têm focado pesadamente em gestão por resultados, proporcionando a seus gestores e equipes

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 350-GR/UNICENTRO, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013. Aprova, ad referendum do CEPE, o Curso de Especialização em MBA em Gestão Estratégica de Organizações, modalidade regular, a ser ministrado no

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Muito mais que um troféu

Muito mais que um troféu São Paulo, 08 de Julho de 2009. Circular ABISIPA Nº 28/2009 Muito mais que um troféu O Brazilian Beauty Club vai premiar o melhor planejamento estratégico de exportação com a participação em um Simpósio

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

MARKETING ESTRATÉGICO

MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING ESTRATÉGICO O conceito de marketing é uma abordagem do negócio. HOOLEY; SAUNDERS, 1996 Esta afirmação lembra que todos na organização devem se ocupar do marketing. O conceito de marketing não

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

O executivo ou especialista na área de marketing deve identificar três níveis de sistemas:

O executivo ou especialista na área de marketing deve identificar três níveis de sistemas: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EAD MÓDULO IV A EMPRESA COMO SISTEMA Para o estudioso na área de marketing trabalhar melhor o planejamento nas organizações, ele precisa conhecer a empresa na sua totalidade e

Leia mais

LMA, Solução em Sistemas

LMA, Solução em Sistemas LMA, Solução em Sistemas Ao longo dos anos os sistemas para gestão empresarial se tornaram fundamentais, e por meio dessa ferramenta as empresas aperfeiçoam os processos e os integram para uma gestão mais

Leia mais

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS APRESENTAÇÃO FGV Criado em 1999, o FGV Management é o Programa de Educação Executiva Presencial da Fundação Getulio Vargas, desenvolvido para atender a demanda do mercado por cursos de qualidade, com tradição

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Administração Disciplina: Estratégia empresarial Professor: Salomão David Vergne Cardoso E-mail: vergne07@gmail.com Código: Carga Horária:

Leia mais

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Bruna Jheynice Silva Rodrigues 1 ; Lauriene Teixeira Santos 2 ; Augusto Chaves Martins 3 ; Afonso Régis Sabino

Leia mais

Sistemas de Apoio a Decisão

Sistemas de Apoio a Decisão Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry Sistemas de Apoio a Decisão DISCIPLINA: Sistemas de Apoio a Decisão O QUE É UM SISTEMA DE APOIO À DECISÃO?

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA 01. Partindo do princípio de que a estratégia é a definição do melhor futuro para a sua equipe ou organização, o mapeamento da rota para alcançá-lo e a sua clara comunicação,

Leia mais

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EVOLUÇÃO DA COMPETIÇÃO NOS NEGÓCIOS 1. Revolução industrial: Surgimento das primeiras organizações e como consequência, a competição pelo mercado de commodities. 2.

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Uma situação típica...

Uma situação típica... Uma situação típica... A Empresa X é do setor têxtil Tamanho - Micro-Pequena (9 Operários) Produção Diversificada (aproximadamente 800 itens) Cartela de cores com aproximadamente 100 cores variáveis Pedido

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 42-CEPE/UNICENTRO, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2012. Aprova o Curso de Especialização MBA em Gestão Estratégica de Organizações, modalidade regular, a ser ministrado no Campus Santa Cruz, da UNICENTRO.

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais