RESPONSABILIDADE CIVIL DOS PROVEDORES DE INTERNET POR ATOS DE TERCEIROS: REFLEXOS DA REFORMA ELEITORAL PROMOVIDA PELA LEI 12.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESPONSABILIDADE CIVIL DOS PROVEDORES DE INTERNET POR ATOS DE TERCEIROS: REFLEXOS DA REFORMA ELEITORAL PROMOVIDA PELA LEI 12."

Transcrição

1 RESPONSABILIDADE CIVIL DOS PROVEDORES DE INTERNET POR ATOS DE TERCEIROS: REFLEXOS DA REFORMA ELEITORAL PROMOVIDA PELA LEI /09 Diego de Lima Gualda Bacharel em direito pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, cientista social e político pela USP e mestre em ciências políticas pela USP. Advogado atuante na área de direito digital em São Paulo. Resumo: O artigo trata dos efeitos reflexos da reforma eleitoral promovida pela Lei /09 no que se refere à responsabilidade civil dos Provedores de Internet[1], sinalizando que pela primeira vez o sistema legal brasileiro dispõe de normas específicas para regular as relações jurídicas na rede mundial de computadores. provedores Palavras-chave: lei eleitoral, responsabilidade civil, internet, Abstract: The paper discuss the repercussions on civil liabilities related to Internet Service Providers as a result of the modifications on electoral law, indicating for the first time the Brazilian legal system holds specific policies to rule the legal relations on the Web. Keywords: electoral law, civil liabilities, internet, ISP Sumário: 1. Introdução. 2. Antes da Lei / Os artigos 57-D e 57-F da Lei 9.504/ Conclusão.

2 1.Introdução Há tempos se fala da necessidade de um marco civil que discipline as relações jurídicas na Internet. Talvez nem tanto pela ausência de dispositivos legais dos quais pudesse se valer o operador do direito para interpretação e aplicação da lei. Existe certa ansiedade, que não se restringe apenas ao público leigo, por uma contínua legislação da vida em todos os assuntos que se puder conceber. Não que legislações específicas não sejam necessárias, mas o caráter sistêmico do direito fica relegado por uma cultura jurídica deveras legalista e pouco jurisprudencial (no sentido antigo do termo). Não se olvide, contudo, a adequação e pertinência de uma legislação referente à Internet, em função também de nossa própria cultura jurídica referida acima, mas cujo mote principal faz alusão ao empréstimo de maior segurança jurídica ao sistema legal, à previsibilidade nas expectativas dos atores e uniformidade nas decisões judiciais. Discutir sobre uma legislação específica da Internet é efetivamente debater sobre critérios de normatização, é uma demanda necessária para desenvolver critérios e princípios interpretativos e de aplicação do direito preocupados no equilíbrio de imperativos normativos de justiça, proporcionalidade, retribuição e reparação mas também funcionais concernentes à implementação de um ambiente jurídico previsível para atuação dos agentes, inclusive aqueles economicamente interessados. Nesse registro, o tema da responsabilidade civil contratual e extracontratual é sem dúvida um dos mais centrais nas discussões relativas a esse marco legal, uma vez que atualmente é fonte de

3 grande imprevisibilidade decisória para os operadores do direito, suscitando posições bastante opostas na doutrina e jurisprudência. Não obstante as inúmeras tentativas de produção legislativa atentas especificamente à questão uma delas se desenvolvendo por iniciativa recente do Ministério da Justiça de abrir a questão ao debate -, coube inicialmente (e estranhamente) à legislação atinente às eleições inserirem as primeiras orientações positivas no ordenamento jurídico pátrio relativas à disciplina civil das relações jurídicas na rede mundial de computadores; em espécie, quanto à responsabilidade dos Provedores da Internet por atos (conteúdos) de terceiros. Espera-se que essa inovação legal, para além dos seus imediatos e esperados efeitos na esfera eleitoral, possa extrapolar as artificiais fronteiras dogmáticas dos ramos do direito para normatizar as relações da esfera cível com respeito à responsabilidade, apaziguando distúrbios decisórios já de conhecimento público dentro de nosso atual sistema legal aplicado à Internet. A recém aprovada Lei /09, por seu artigo 4º, acresceu à Lei 9.504/97, dentre outros, os seguintes comandos: Art. 57-D. É livre a manifestação do pensamento, vedado o anonimato durante a campanha eleitoral, por meio da rede mundial de computadores - internet, assegurado o direito de resposta, nos termos das alíneas a, b e c do inciso IV do 3o do art. 58 e do 58- A, e por outros meios de comunicação interpessoal mediante mensagem eletrônica. 2o A violação do disposto neste artigo sujeitará o responsável pela divulgação da propaganda e, quando comprovado seu prévio conhecimento, o beneficiário à multa no valor de R$ 5.000,00 (cinco mil reais) a R$ ,00 (trinta mil reais). (...) Art. 57-F. Aplicam-se ao provedor de conteúdo e de serviços multimídia que hospeda a divulgação da

4 propaganda eleitoral de candidato, de partido ou de coligação as penalidades previstas nesta Lei, se, no prazo determinado pela Justiça Eleitoral, contado a partir da notificação de decisão sobre a existência de propaganda irregular, não tomar providências para a cessação dessa divulgação. Parágrafo único. O provedor de conteúdo ou de serviços multimídia só será considerado responsável pela divulgação da propaganda se a publicação do material for comprovadamente de seu prévio conhecimento. Referidos dispositivos, de fato, demonstram embocadura muito mais ampla do que a questão estritamente eleitoral, introduzindo no direito positivo brasileiro considerações da ordem de princípios relativos ao exercício de direitos fundamentais na Internet, bem como disciplinando de forma efetiva normas de aplicação para fatos jurídicos específicos concernentes à responsabilidade civil dos Provedores por atos de terceiros. Neste artigo, exploramos as conseqüências reflexas e não estritamente eleitorais da inserção destes comandos no ordenamento jurídico brasileiro. A hipótese é de que tais dispositivos passam a prover uma base legal decisiva, ainda que por meio de procedimento de interpretação extensiva, para resolver disputas não concluídas na doutrina e na jurisprudência acerca da responsabilidade civil dos Provedores pela conduta de seus usuários ou terceiros. Além disso, referidas normas são, sem sombra de dúvida, critérios normativos para o legislador pátrio na produção do marco civil para Internet, não se cogitando que a questão tenha sido exaustivamente tratada em dois comandos legais concernentes a eleições.

5 2.Antes da Lei /09 Não trataremos neste artigo da responsabilidade contratual, uma vez que as bases legislativas desta, mesmo para questões relativas à Internet, parecem ser muito melhor estabelecidas. Cuidamos da temática concernente à responsabilidade civil dos Provedores por atos de terceiros. Embora boa parte da doutrina tem considerado a questão sob o ângulo da responsabilidade subjetiva dos Provedores por atos ilícitos de terceiros perpetrados na rede mundial de computadores, mormente quando nos referimos a conteúdo produzido e inserido na Internet que viole direitos de propriedade intelectual, direitos autorais, honra e imagem de outrem[2]; há aqueles que têm se valido de soluções pela responsabilidade objetiva ou solidária, seja com base no parágrafo único do artigo 927 do Código Civil, considerando que a atividade do Provedor implica em risco inerente, seja com fundamento no artigo 942 do mesmo Código Civil, considerando-se possível co-autoria, ou ainda, pelo previsto no artigo 17 do Código de Defesa do Consumidor, combinado com artigos 12 ou 14 do mesmo diploma[3]; finalmente, também pelas disposições da Lei de Direitos Autorais (artigos 104; inciso IV do artigo 107). Os que argumentam pela responsabilidade subjetiva ancoramse em algumas razões básicas que apelam, essencialmente, para a irrazoabilidade e os prejuízos de ordem funcionais que traria uma interpretação que privilegiasse a responsabilidade objetiva do Provedor pelos atos de usuários/terceiros. O fundamento lógico essencial é que, pela natureza das atividades do Provedor de

6 Internet, fundamentalmente quando funciona como mero intermediário, seria necessário o elemento da culpa para configuração da responsabilidade civil e o subseqüente dever de reparar pelos danos. Ressaltem-se os seguintes argumentos. Primeiro, o fato de que seria humanamente impossível o controle editorial de todo conteúdo que é inserido na Internet. Além do que, de duvidosa legalidade qualquer exercício de controle prévio pelo Provedor do conteúdo publicado por terceiro. O controle editorial pelo Provedor do conteúdo de usuários constituiria verdadeira intervenção nos direitos de liberdade de expressão, manifestação do pensamento, direito de comunicação e integridade do processo de comunicação podendo um hipotético ato de intervenção prévia tal qual descrito por parte do Provedor redundar em verdadeira censura. Ou seja, a pretensão de se responsabilizar o Provedor pelo conteúdo de seus usuários, atribuindo-lhe nesse caso a respectiva incumbência de monitorar tal conteúdo, sofre de graves e variados impeditivos de ordem constitucional. Obviamente, não se cogita de responsabilizar alguém por determinado fato sobre o qual não possa ter nenhum controle legalmente legítimo. E ressalta-se que sistemas de monitoramento constante, embora por hipótese sejam tecnicamente viáveis, não seriam compatíveis com princípios democráticos, nem com uma cultura legal pautada no respeito pelos direitos humanos. Em segundo lugar, agora quanto ao tema estrito da responsabilidade civil, para que se veja respeitada a própria estrutura do instituto em tela, não se poderia cogitar de hipóteses de reparação de danos em que o pretendido responsável não apresentasse culpa e/ou (caso se trate de responsabilidade objetiva) não fosse

7 estabelecido o apropriado nexo causal entre o ato do responsável a reparar e o dano produzido à vítima. Nesse ponto, referimo-nos à óbvia constatação de que o conteúdo elaborado, produzido e veiculado por um terceiro não poderia ser imputado a quem não participou de nenhum destes atos (inclusive quando consideramos o momento de preparação deles). Da mesma maneira que a empresa de telefonia não responde por eventuais ofensas que algum usuário do serviço perpetrou contra outro pelo telefone, ou ainda, os serviços de correio não respondem pelo conteúdo ofensivo das correspondências entregues, também o Provedor não deve responder pelo conteúdo que virtualmente[4] desconhece. Pelo ângulo do nexo causal, cuidamos explicitamente das hipóteses excludentes de responsabilidade, tais como, a culpa exclusiva da vítima, culpa exclusiva de terceiro e/ou a inexistência de defeito no serviço (para aqueles que desconsideram a dimensão da culpa). Na verdade, em várias das hipóteses em que se cuida de divulgação de conteúdo ilícito pela Internet, não se constata faticamente nenhum defeito efetivo na prestação do serviço, mas sim desconhecimento por parte da vítima sobre as condições em que tais serviços são disponibilizados, a sistemática de seu funcionamento (considerando inclusive o estado da arte no mercado) e os riscos de uma utilização equívoca dos mesmos[5]; não se descuidando, ainda, das hipóteses em que claramente o autor do ilícito danoso é um terceiro. Finalmente, a instituição da responsabilidade objetiva para esses casos seria óbvio óbice ao investimento e expansão de tecnologias da empresas voltadas para prestação destes serviços aqui cogitandose especialmente daquelas de menor poderio econômico com um conseqüente reflexo difuso na limitação da disponibilização a um maior número de pessoas a serviços que se tornaram hoje tão

8 imprescindíveis à vida das pessoas (tais como correios eletrônicos e ferramentas de busca na Internet). Os que argumentam pela responsabilidade objetiva têm especial preocupação em proteger e prover bastante e justa reparação à vítima determinada. A natureza própria da Internet não poderia gerar situações em que atos ilícitos perpetrados não pudessem ser obstados, nem que a vítima estivesse adstrita a contínuo sofrimento de prejuízos de danos de variadas ordens, sem a possibilidade de cessação da produção de tais danos e a devida reparação. Tal pensamento se coaduna com o senso comum difundido de que a Internet seria um local de completa ausência da lei, na qual se verificaria impossibilidade de identificação daqueles que cometem ilícitos; inexistência de padrões mínimos de segurança; e ausência da presença do Estado, imputando-se, assim, aos agentes econômicos que operam na Internet o ônus de dar solução (inclusive técnica) para todos os problemas e possíveis danos sofridos por eventuais vítimas, sem excetuar a obrigação de indenizar e reparar estas pelos danos experimentados. Enquadram-se nesse raciocínio deveres, mesmo não positivados no ordenamento jurídico[6], de requerer e garantir a consistência de dados pessoais fornecidos pelos usuários dos serviços no momento da contratação (nome, endereço, CPF, RG, telefone, dentre outros); de armazenamento irrestrito de variadas informações como dados e IPs; controle editorial do que é divulgado por terceiros; inserção de filtros de conteúdos; impedir que os usuários insiram conteúdo considerado ilegal; fazer cessar definitivamente a transmissão de determinado conteúdo pela rede mundial de computadores, dentre outros. Nesse sentido, as atividades econômicas dos Provedores de Internet pressuporiam um risco inerente pela própria possibilidade de uma difusão acelerada e

9 em grande escala dos atos ilícitos, aumentando exponencialmente a produção de danos, aplicando-se lhe, nesse caso, a disposição já mencionada do parágrafo único do artigo 927 do Código Civil. Não se pode olvidar também que tal raciocínio é compatível com a própria visão e função desempenhada pelo poder judiciário de prover direitos e reparações a minorias ou indivíduos sempre marcados por hipossuficiência fática ou jurídica. Como exemplificativamente nos mostram os julgados abaixo, a jurisprudência é controversa sobre o tema: EMENTA: AÇÃO DE INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS PUBLICAÇÃO DE TEXTO OFENSIVO EM SÍTIO VIRTUAL RESPONSABILIDADE CIVIL APLICAÇÃO DA LEI DE IMPRENSA IMPOSSIBILIDADE PROVEDOR DE HOSPEDAGEM AUSÊNCIA DO DEVER DE INDENIZAR AÇÃO CAUTELAR NULIDADE DA SENTENÇA AUSÊNCIA DE FUNDAMENTAÇÃO INOCORRÊNCIA ABSTENÇÃO DE PUBLICAR TEXTOS FUTUROS IMPOSSIBILIDADE- À falta de legislação específica, comumente tem-se aplicado às relações travadas na rede mundial de computadores o regramento atinente à lei de imprensa, equiparando-se o sítio virtual ou site, para os menos apegados à língua pátria à figura da agência noticiosa contemplada nos artigos 12 e 49, 2º, da Lei nº /67.- No entanto, essa exegese do referido artigo não pode ser feita de forma irrestrita, devendo-se atentar para as peculiaridades do meio de comunicação considerado. A internet consiste em um conglomerado de redes de computadores dispersos em escala mundial, com o objetivo de realizar a transferência de dados eletrônicos por meio de um protocolo comum (IP = internet protocol) entre usuários particulares, unidades de pesquisa, órgãos estatais e empresas diversas.- Ainda que a internet seja um meio de comunicação relativamente recente, não há que se falar em necessidade de norma especial para sua regulamentação, salvo casos que versem sobre especificidades técnicas de sistemas de informática.- O provedor de hospedagem permite que o usuário publique informações a serem exibidas em

10 páginas da rede. A relação jurídica aproxima-se de um contrato de locação de espaço eletrônico, com a ressalva de que poderá ter caráter oneroso ou gratuito.- Em regra, o provedor de hospedagem não é responsável pelo conteúdo das informações que exibe na rede, salvo se, verificada a ocorrência de ato ilícito, se recusar a identificar o ofensor ou interromper o serviço prestado ao agente. Isso porque não há que se falar em dever legal do provedor de fiscalizar as ações de seus usuários. Destarte, a responsabilidade civil do provedor de hospedagem é regida pelas normas do Código Civil, afastando-se a aplicação da lei de imprensa.- A sentença destituída de fundamentação é nula de pleno direito, por faltar-lhe um dos requisitos indispensáveis, insculpidos no art. 485 do CPC. Todavia, o fato de a fundamentação ser exposta de forma concisa não macula a decisão.- Não se pode perder de vista que, além de inexistir norma que impute ao provedor de hospedagem o dever legal de monitoramento das comunicações, esse procedimento seria inviável do ponto de vista jurídico, pois implicaria fazer letra morta da garantia constitucional de sigilo (art. 5º, XII da CF/88). APELAÇÃO CÍVEL N /001 em conexão /001 COMARCA DE GOVERNADOR VALADARES APELANTE(S): UNIVERSO ONLINE S/A APELADO(A)(S): J. R. F. E OUTRO(A)(S) RELATOR: EXMO. SR. DES. ELPÍDIO DONIZETTI EMENTA: AÇÃO DE INDENIZAÇÃO. PUBLICAÇÃO DE MATERIAL OFENSIVO NA INTERNET SEM IDENTIFICAÇÃO DO USUÁRIO. RESPONSABILIDADE DA PROVEDORA DE CONTEÚDO. DANO MORAL. ARBITRAMENTO.À medida que a Provedora de Conteúdo disponibiliza na Internet um serviço sem dispositivos de segurança e controle mínimos e, ainda, permite a publicação de material de conteúdo livre, sem sequer identificar o usuário, deve responsabilizarse pelo risco oriundo do seu empreendimento. Em casos tais, a incidência da responsabilidade objetiva decorre da natureza da atividade, bem como do disposto no art. 3º, 2º, do Código de Defesa do Consumidor. Não tendo o réu apresentado prova suficiente da excludente de sua responsabilidade, exsurge o dever de indenizar pelos danos morais ocasionados. O arbitramento do dano moral deve ser realizado com moderação, em atenção à realidade da vida e às peculiaridades de cada caso,

11 proporcionalmente ao grau de culpa e ao porte econômico das partes. Ademais, não se pode olvidar, consoante parcela da jurisprudência pátria, acolhedora da tese punitiva acerca da responsabilidade civil, da necessidade de desestimular o ofensor a repetir o ato. APELAÇÃO CÍVEL N /001 COMARCA DE MURIAÉ APELANTE(S): GOOGLE BRASIL INTERNET LTDA APELADO(A)(S): R. S. B. RELATORA: EXMª. SRª. DESª. CLÁUDIA MAIA A conclusão é de que, ainda que haja ligeira inclinação para a responsabilidade subjetiva, sustentada principalmente pela doutrina especializada, existem decisões bastante díspares que prejudicam o assentamento de expectativas dos agentes, bem como a previsibilidade das decisões no sistema legal brasileiro. Daí advém o unânime reconhecimento da necessidade de uma legislação específica, embora, como tenhamos ilustrado, o ordenamento jurídico disponibilize critérios de interpretação e aplicação para lidar com os casos em exame. 3. Os artigos 57-D e 57-F da Lei 9.504/97 Iniciemos a análise dos artigos em comento para pontuarmos no que potencialmente eles provêem critérios para o apaziguamento e normalização dos casos de responsabilização de Provedores por atos de usuários/terceiros. Consideramos o teor dos artigos em comento casos típicos em que se autoriza ao intérprete o uso de interpretação extensiva, para fazer constar nas hipóteses genéricas, não cobertas pela enunciação em espécie, os mesmos princípios de orientação para decisão jurídica. Art. 57-D. É livre a manifestação do pensamento, vedado o anonimato durante a campanha eleitoral, por meio da rede mundial de computadores - internet, assegurado o direito de resposta, nos termos das alíneas a, b e c do inciso IV do 3o do art. 58 e do 58-

12 A, e por outros meios de comunicação interpessoal mediante mensagem eletrônica. Embora desnecessária pela previsão constitucional, quis o legislador reforçar a liberdade de manifestação do pensamento por meio da rede mundial de computadores. Existem duas razões imediatas que justificam esse reforço. O primeiro é o fato de garantir, na esfera eleitoral, liberdade para o debate de idéias entre os cidadãos como reflexo de um direito também de participação no processo político-eleitoral dado os princípios republicanos e democráticos insculpidos no texto constitucional. No segundo caso, inclusive como evidenciou o pronunciamento público de inúmeros parlamentares, é o fato de que a Internet é um lugar por excelência da livre circulação das idéias, consagrando no mais alto grau a manifestação do pensamento e a liberdade de expressão, em relação a qual não se deveria, tanto por razões de ordem fática (impossibilidade) quanto por questões normativas e programáticas (porque não seria desejável), promover qualquer tentativa de controle ou censura prévia. A teleologia da norma inspira-se num princípio indiscutível em que se garante a liberdade negativa[7] de não intervenção no exercício da expressão pelo indivíduo antes da completa efetivação do mesmo, apurando-se sempre posteriormente o eventual abuso de direito. O próprio fato de se assegurar o direito de resposta uma medida claramente reativa mostra como o legislador cuidou de evitar qualquer possibilidade de intromissão preventiva, ademais como consagrado no texto constitucional, na manifestação do pensamento e na liberdade de expressão.

13 Se dúvidas pairavam sobre a necessidade de qualquer controle prévio no ambiente da rede mundial de computadores, por quem quer que seja, o dispositivo em comento as dissipou. Ele aponta que o próprio Estado, ao permitir a livre e irrestrita manifestação do pensamento, abdicou do remédio prévio da censura quanto à temática, teor, forma e natureza do conteúdo (ato) inserido na rede mundial de computadores. Quanto a esse ponto, parece-nos inclusive que dada a extensão da defesa quanto à manifestação de pensamento e à liberdade de expressão, o ordenamento vedou a imposição, ainda que de natureza judicial, de caráter cominatório ou mandamental sempre se considerando o caráter preventivo para que alguém se abstenha de publicar conteúdo de determinada natureza, sobre alguma pessoa e/ou de determinado tema. O que não obsta a prestação jurisdicional no momento posterior com a finalidade de determinar a retirada ou cessação do ato ilegal e a condenação pelo cometimento do ato ilícito. O princípio geral é de que não se pode cogitar em hipótese alguma de censura prévia, seja por parte de quem for, resguardando-se as medidas de apuração de responsabilidades e do direito de resposta de natureza indiscutivelmente reativa e não preventiva. Esse, aliás, o entendimento mais compatível com os princípios democráticos do Estado de Direito e o que melhor respeita o espírito da Constituição Federal, aplicando-se em qualquer circunstância embora parte da magistratura insista em se sub-rogar na suspeitosa prerrogativa de prevenir manifestações abusivas, reminiscências de uma consciência autoritária presente em nosso país que já deveria ter sido relegada ao passado.

14 Ora, se o próprio Estado privilegiou em matéria de especial relevância, quando referido aos efeitos deletérios de eventual abuso, uma postura de preservação da manifestação do pensamento, optando por um resguardo sempre posterior ao fato lesivo (direito de resposta, indenização pelos danos causados), não poderia se esperar aliás, como em nossa opinião nunca se pôde que particulares realizassem qualquer tipo de análise, avaliação e edição de conteúdo inserido por terceiros na rede mundial de computadores. Se o claro impeditivo constitucional, incluindo as disposições referentes à intimidade, vida privada, ao sigilo e integridade do processo de comunicação, não foram suficientes para convencer de que esta obrigação não era imponível aos Provedores de Internet no que, na verdade, não se trata de ausência de obrigação, mas de efetiva proibição de que estes assumam conduta correlata, a legislação infraconstitucional foi absolutamente incisiva no sentido de consagrar na rede mundial de computadores o direito da manifestação de pensamento e liberdade de expressão, vedado o anonimato; e o princípio de que não se deve absolutamente obstá-los, exceto em momento posterior para averiguação de eventual ilicitude ou abuso de direito, extirpação do conteúdo ilícito (em momento posterior), apuração de responsabilidades daqueles que deram causa direta ao ato ilícito e o asseguramento do direito de resposta. Vê-se que não se cogita de uma exasperação da manifestação do pensamento face às demais liberdades públicas, apenas que o necessário e aplicável temperamento para a harmonização destas só poderia ser aplicado no caso concreto e nunca como medida preventiva e hipotética.

15 Ressalta-se, ainda, que tais medidas são adotadas sempre em ambiente de controle jurisdicional, garantindo-se o devido processo legal, contraditório e ampla defesa, os quais não poderiam ser assumidos por particulares. Vale dizer, exceto se em condição de inequívoca e flagrante ilegalidade, nunca poderia sub-rogar-se o particular, incluindo os Provedores de Internet, no julgamento meritório sobre a existência de abuso de direito ou ilegalidade (e imiscuir-se numa ponderação que demande hermenêutica de harmonização de princípios constitucionais, tendo de um lado, por exemplo, manifestação do pensamento, de uma lado, e de outro a honra ou a imagem), uma vez que cabe ao Judiciário o monopólio do controle jurisdicional[8]. Assim, mesmo o suposto dever de agir contra o ato ilegal reativamente deve ser equilibrado com o princípio da inafastabilidade do controle jurisdicional e do juiz natural. O Provedor de Internet deve agir sempre que na presença de inequívoca ilicitude, no que sua omissão, se inescusável, acarreta a correspondente responsabilização. Contudo, não configurado o caráter inequivocamente ilícito do ato, deve-se adotar a postura previdente de aguardar decisão judicial, aliás como apontamos, de acordo com a própria Carta Magna. Tal entendimento é corroborado pelo comando do artigo 57-F incluído pela Lei /09 na Lei 9.504/97: Art. 57-F. Aplicam-se ao provedor de conteúdo e de serviços multimídia que hospeda a divulgação da propaganda eleitoral de candidato, de partido ou de coligação as penalidades previstas nesta Lei, se, no prazo determinado pela Justiça Eleitoral, contado a partir da notificação de decisão sobre a existência de propaganda irregular, não tomar providências para a cessação dessa divulgação.

16 Parágrafo único. O provedor de conteúdo ou de serviços multimídia só será considerado responsável pela divulgação da propaganda se a publicação do material for comprovadamente de seu prévio conhecimento. O caput do artigo 57-F é claro no apontamento do nascedouro da responsabilização do Provedor pelo conteúdo (ato) considerado ilegal: a responsabilidade inicia a partir do momento em que, notificado de decisão judicial que considerou determinado conteúdo ilegal, o Provedor de Internet não toma as providências cabíveis para fazer cessar a divulgação do mesmo. O comando normativo está plenamente em conformidade com o princípio da inafastabilidade da jurisdição a que nos referimos acima. Não só o Provedor de Internet não é responsável, em momento prévio, pelo conteúdo inserido na rede mundial de computadores por terceiros, como também sua responsabilidade só nasce após determinação judicial que declare o conteúdo abusivo ou ilegal, e o Provedor deixe de agir conforme a decisão judicial. Agisse antes de tal declaração, estaria o Provedor de Internet (cuja atividade seja de mero intermediário) indevidamente interferindo na liberdade constitucionalmente garantida a terceiro e assumindo prerrogativa exclusiva do Poder Judiciário. A responsabilidade é claramente de natureza subjetiva: é a culpa manifesta na omissão, quando por dever e determinação judicial deveria fazer, que acarreta a produção de dano pelo Provedor de Internet, insurgindo assim o correspondente dever de reparar o dano. Nota-se que o legislador não consagrou nem a responsabilidade objetiva, nem a solidariedade do Provedor com aquele que perpetrou o ato ilícito (porque o Provedor responde exclusivamente em função da omissão e na medida de sua própria culpa), nem considerou a atividade de inerente risco.

17 Não descuidou, no entanto, o legislador das condições em que a ilicitude, ou advém de próprio ato do Provedor, ou é inequívoca e inafastável a ilegalidade do conteúdo (ato), podendo-se, desde então, adotar-se as medidas cabíveis. Pois se vê que o parágrafo único determinou a responsabilidade do Provedor na hipótese do material ilegal veiculado através de seus serviços ser de seu prévio conhecimento. E o que abarca o conceito de prévio conhecimento do Provedor no contexto da rede mundial de computadores? Duas hipóteses: 1) o conteúdo ilegal é de propriedade de ou editado pelo Provedor de Internet; 2) o Provedor é notificado (extrajudicialmente) de inequívoco e flagrante ato ilegal sobre o qual tem condições técnicas e dever de agir, quedando inerte, ou seja, não tomando as medidas reativas cabíveis ou não oferecendo justificativa razoável em prazo hábil sobre a razão de não tomar medidas contra o conteúdo considerado ilegal pelo notificante. No primeiro caso, o que constatamos, na realidade, é o Provedor que não atua como mero intermediário. Nestas hipóteses, o Provedor é autor do conteúdo (ato) ou tem ingerência prévia direta sobre as condições e o teor do mesmo (ato) em momento anterior à publicação. Em função disso, não pode o Provedor considerar o ato como perpetrado por um terceiro, pois participou dele, ou teve todas as oportunidade e condições legais de participar, no momento mesmo de sua gestação, donde advém o atributo de um conhecimento prévio. Responde o Provedor nestas hipóteses de acordo com as circunstâncias próprias referidas na normatização da responsabilidade civil contidas no ordenamento jurídico.

18 No segundo caso, o Provedor não é partícipe da gestação do ato ilícito, tratando-se inequivocamente de ato perpetrado por terceiro, mas é notificado (extrajudicialmente) da ilegalidade do ato e queda inerte. Note-se que aqui se exige o conhecimento da ilicitude pelo Provedor. Conhecer da ilicitude significa tratarmos de uma hipótese em que não se (ninguém) poderia razoavelmente duvidar da ilegalidade, que se apresenta patente, a partir de critérios legais objetivos[9]. Se o Provedor quedar inerte na adoção de medidas para fazer cessar o ato ilegal, desde que por sua própria atividade seja aquele que detenha os meios adequados para fazê-lo cessar, ou não oferecer justificativa razoável (legalmente fundamentada) e em tempo hábil, torna-se então responsável pela sua omissão, respondendo pelos danos gerados a partir do momento em que deveria ter agido e não o fez. assim: Em resumo, o sistema de responsabilização pode ser explanado 1) Consagrada a liberdade de manifestação do pensamento, afastada a hipótese de controle prévio, pelo que os Provedores, na qualidade de intermediários, não devem (e por isso não respondem) interferir previamente em ato de terceiro; 2) O controle jurisdicional é monopólio do Judiciário, por expressa disposição constitucional, não podendo os Provedores na qualidade de intermediários sub-rogarem-se da função jurisdicional; 3) Respondem os Provedores, na medida em que comunicados de decisão legal, fruto de regular processo judicial, não tomarem as

19 providências cabíveis determinadas (quando competentes e responsáveis por implementarem tais medidas); 4) Respondem os Provedores na hipótese de, com referência ao conteúdo (ato) ilegal, não se caracterizarem como meros intermediários, sendo autores ou diretamente responsáveis por ele, tendo, portanto, o prévio conhecimento do ato, bem como as possibilidades técnicas e legais de ter evitado sua perpetração; 5) Respondem os Provedores quando, notificados extrajudicialmente de ato inequívoca e flagrantemente ilegal, não implementam as medidas cabíveis para fazê-lo cessar (sendo competentes e responsáveis por tais medidas) ou não oferecem justificativa em tempo hábil e legalmente embasada para sua omissão. A sistematização trazida pelo legislador parece ser a mais adequada aos parâmetros constitucionais de nosso ordenamento legal, por um lado, e proporcional à natureza da atividade dos Provedores de Internet cuja característica seja a de intermediador. Há que se ressaltar que os casos de não responsabilização dos Provedores não excluem seu correspondente dever de, nos termos do que a lei os impõe, fornecer judicialmente informações necessárias para a identificação dos responsáveis pelos atos ilícitos. De forma que, não se trata nem de um conceito irrestrito de isenção de responsabilidades dos Provedores, nem, por outro lado, de se tornar impossível a identificação dos responsáveis pelos ilícitos e a reparação de danos às vítimas individualmente consideradas, o que seria absolutamente irrazoável.

20 Conclusão A instituição deste primeiro marco legal relativo à Internet seguiu, sem dúvida, a disciplina que vem se estabelecendo na legislação e jurisprudência estrangeira[10], com os devidos temperamentos orientados em função de nossa própria tradição legal, principalmente o relativo ao nosso fortalecido princípio da inafastabilidade da jurisdição. Considerando a interpretação extensiva utilizada para amplificar o sentido dos comandos legais analisados neste artigo plenamente cabível, cremos que agora o Brasil possuí legislação específica que oferece princípios balizadores para as relações jurídicas na Internet. Falamos especialmente da consagração de uma postura que privilegia a liberdade em lugar da repressão prévia e procura assegurar os meios de reação apropriados ao lado da necessária reparação. É inequívoco que o legislador expressou privilégio pela manifestação do pensamento e liberdade de expressão, aliás em consonância com os princípios constitucionais. As medidas de repressão são de caráter reativo e objetivam deter tão somente o ato abusivo, estabelecendo salvaguarda importante para o exercício regular das liberdades públicas. Não se cogita que o sistema esteja pronto e acabado, sobretudo em função da complexidade da Internet ao lado do seu caráter de contínua transformação. Assim, questões relativas aos direitos individuais e coletivos, segurança, arquivamento de informações, entre outras, são temas a serem visitados e normatizados, os quais esperamos que a nova iniciativa de um marco legal seja capaz de visitar. De qualquer forma, a legislação eleitoral referente à Internet parece prover orientação importante para esse eventual detalhamento posterior por parte do legislador, bem como

Responsabilidade Civil de Provedores

Responsabilidade Civil de Provedores Responsabilidade Civil de Provedores Impactos do Marco Civil da Internet (Lei Nº 12.965, de 23 abril de 2014) Fabio Ferreira Kujawski Modalidades de Provedores Provedores de backbone Entidades que transportam

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 1ª CÂMARA DE DIREITO PRIVADO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 1ª CÂMARA DE DIREITO PRIVADO fls. 1 Registro: 2013.0000264740 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0035940-51.2009.8.26.0506, da Comarca de Ribeirão Preto, em que é apelante/apelado GOOGLE BRASIL INTERNET

Leia mais

SENTENÇA. Tutela antecipada concedida às fls. 182.

SENTENÇA. Tutela antecipada concedida às fls. 182. fls. 1 SENTENÇA Processo nº: 0102487-25.2012.8.26.0100 Classe - Assunto Procedimento Ordinário - Espécies de Contratos Requerente: Valdirene Aparecida de Marchiori Requerido: Google Brasil Internet Ltda

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO Registro: 2015.0000616201 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 1104950-49.2014.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante GOOGLE BRASIL INTERNET LTDA, é apelada

Leia mais

Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos

Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos $ 5(63216$%,/,'$'( &,9,/ '2 3529('25 '( $&(662,17(51(7 Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos A Internet se caracteriza

Leia mais

O Dano Moral no Direito do Trabalho

O Dano Moral no Direito do Trabalho 1 O Dano Moral no Direito do Trabalho 1 - O Dano moral no Direito do Trabalho 1.1 Introdução 1.2 Objetivo 1.3 - O Dano moral nas relações de trabalho 1.4 - A competência para julgamento 1.5 - Fundamentação

Leia mais

O fornecimento de senhas e caracteres de acesso à terceiros, causa negativa em indenização

O fornecimento de senhas e caracteres de acesso à terceiros, causa negativa em indenização O fornecimento de senhas e caracteres de acesso à terceiros, causa negativa em indenização Contribuição de Dr. Rodrigo Vieira 17 de dezembro de 2008 Advocacia Bueno e Costanze O fornecimento de senhas

Leia mais

Termo de Conclusão Em Data da Última Movimentação Lançada<< Campo excluído do banco de dados >> SENTENÇA

Termo de Conclusão Em Data da Última Movimentação Lançada<< Campo excluído do banco de dados >> SENTENÇA fls. 1 Termo de Conclusão Em Data da Última Movimentação Lançada> faço estes autos conclusos à(o) MM. Juiz(a) de Direito. Eu,, Escrevente, Subsc. SENTENÇA Processo

Leia mais

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais Para Reflexão Ao indivíduo é dado agir, em sentido amplo, da forma como melhor lhe indicar o próprio discernimento, em juízo de vontade que extrapola

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS Atividade de intermediação de negócios imobiliários relativos à compra e venda e locação Moira de Toledo Alkessuani Mercado Imobiliário Importância

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde

Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde 254 Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde Luiz Eduardo de Castro Neves 1 Nos dias atuais, em que há cada vez mais interesse em bens de consumo, é, sem dúvida, nos momentos em que as pessoas se

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 91 Registro: 2014.0000560120 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 4008523-94.2013.8.26.0577, da Comarca de São José dos Campos, em que é apelante ULYSSES PINTO NOGUEIRA,

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 157.303-4/9-00, da Comarca de

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 157.303-4/9-00, da Comarca de TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N *024022V:* Vistos, relatados e discutidos estes autos de APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Dos Produtos e Serviços Gratuitos e a Aplicação do CDC Sumário: 1. Considerações Iniciais; 2. Do Consumidor; 3. Do Fornecedor; 4. Dos Serviços Gratuitos; 5. Conclusão; 6. Bibliografia

Leia mais

Impressões iniciais sobre a Lei nº 12.965, de 23 de abril de 2014. Marco Civil da Internet

Impressões iniciais sobre a Lei nº 12.965, de 23 de abril de 2014. Marco Civil da Internet Oficina sobre Governança da Internet e o Marco Civil da Internet GETEL/UnB Impressões iniciais sobre a Lei nº 12.965, de 23 de abril de 2014 Marco Civil da Internet Marcus A. Martins Consultor Legislativo

Leia mais

Excelentíssimo Dr. Roberto Monteiro Gurgel Santos, DD. Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público:

Excelentíssimo Dr. Roberto Monteiro Gurgel Santos, DD. Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público: Excelentíssimo Dr. Roberto Monteiro Gurgel Santos, DD. Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público: Venho à presença de Vossa Excelência, nos termos do Regimento Interno deste Conselho, apresentar

Leia mais

Nº 70048989578 COMARCA DE PORTO ALEGRE BARBARA DE PAULA GUTIERREZ GOOGLE BRASIL INTERNET LTDA A C Ó R D Ã O

Nº 70048989578 COMARCA DE PORTO ALEGRE BARBARA DE PAULA GUTIERREZ GOOGLE BRASIL INTERNET LTDA A C Ó R D Ã O APELAÇÃO CÍVEL. DIREITO PRIVADO NÃO ESPECIFICADO. SITE DE BUSCA. O trabalho da demandada é tão somente de organizar o conteúdo já existente na internet, cuja elaboração é realizada por terceiros. Ou seja,

Leia mais

Marco Civil da Internet

Marco Civil da Internet Deputado Federal Alessandro Lucciola Molon (Partido dos Trabalhadores Rio de Janeiro) Relator do Projeto de Lei 2.126/2011 (Lei 12.965/2014) 16 Giugno 2014 Montecitorio publicado no D.O.U. de 24.4.2014

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES PROJETO DE LEI Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o Esta Lei estabelece princípios,

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 5.423, DE 2009 Acrescenta dispositivo à Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo Decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, estabelecendo

Leia mais

MARCO CIVIL DA INTERNET LEI Nº 12.965, DE 23/04/2014

MARCO CIVIL DA INTERNET LEI Nº 12.965, DE 23/04/2014 MARCO CIVIL DA INTERNET LEI Nº 12.965, DE 23/04/2014 1. EMENTA A Lei nº 12.965, de 23 de abril de 2014, estabeleceu princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil, conhecido

Leia mais

Marco Civil da Internet

Marco Civil da Internet Marco Civil da Internet Tendências em Privacidade e Responsabilidade Carlos Affonso Pereira de Souza Professor da Faculdade de Direito da UERJ Diretor do Instituto de Tecnologia e Sociedade (ITS) @caffsouza

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015)

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015) COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015) Acrescenta inciso V ao art. 141 do Decreto- Lei nº 2.848, de 7 de dezembro

Leia mais

Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades Administrador Administrador é a pessoa a quem se comete a direção ou gerência de qualquer negócio ou serviço, seja de caráter público ou privado,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL

PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL \d \w1215 \h1110 FINCLUDEPICTURE "brasoes\\15.bmp" MERGEFORMAT PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL Processo n. 001.08.020297-8 Ação: Ação Civil Pública Autor: Ministério

Leia mais

QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL

QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL Kiyoshi Harada * O debate em torno da quebra do sigilo bancário voltou à baila após a manifestação do Procurador-Geral do Banco Central no sentido de que as

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RESPONSABILIDADE CIVIL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA RESPONSABILIDADE CIVIL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 1 Suponha se que Maria estivesse conduzindo o seu veículo quando sofreu um acidente de trânsito causado por um ônibus da concessionária do serviço público

Leia mais

JORNADA DIVERSIDADE CULTURAL E NOVAS TECNOLOGIAS VERA KAISER SANCHES KERR

JORNADA DIVERSIDADE CULTURAL E NOVAS TECNOLOGIAS VERA KAISER SANCHES KERR SOMOS PRIVACIDADE ANÔNIMOS DE NA DADOS INTERNET? VERA KAISER SANCHES KERR SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO Características Redução considerável do custo da transmissão de dados Uso das tecnologias de armazenamento

Leia mais

O QUE MUDA COM A CIVIL DA INTERNET

O QUE MUDA COM A CIVIL DA INTERNET Anexo Biblioteca Informa nº 2.301 O QUE MUDA COM A APROVAÇÃO DO MARCO CIVIL DA INTERNET Autores André Zonaro Giacchetta Ciro Torres Freitas Pamela Gabrielle Meneguetti Sócio e Associados da Área Contenciosa

Leia mais

A inserção injusta causa às pessoas / consumidores danos de ordem moral e em algumas vezes patrimonial, que, reconhecida gera o direito à reparação.

A inserção injusta causa às pessoas / consumidores danos de ordem moral e em algumas vezes patrimonial, que, reconhecida gera o direito à reparação. 1.1 - Introdução Infelizmente o ajuizamento de ações de indenização por danos materiais e principalmente morais em face de empresas por inclusão indevida do nome de seus clientes em órgãos de proteção

Leia mais

MARCO CIVIL DA INTERNET PRELÚDIO DA NORMATIZAÇÃO NACIONAL SOBRE DIREITOS E DEVERES NO AMBIENTE VIRTUAL.

MARCO CIVIL DA INTERNET PRELÚDIO DA NORMATIZAÇÃO NACIONAL SOBRE DIREITOS E DEVERES NO AMBIENTE VIRTUAL. São Paulo, 28 de abril de 2014. MARCO CIVIL DA INTERNET PRELÚDIO DA NORMATIZAÇÃO NACIONAL SOBRE DIREITOS E DEVERES NO AMBIENTE VIRTUAL. Autor: LUIZ RICARDO DE ALMEIDA e-mail.: luiz.almeida@riccipi.com.br

Leia mais

Ementa: Apresentação da declaração de bens e rendas. Lei 8.730/93. Lei 8.429/92. Instrução Normativa do TCU nº 65, de 20 de abril de 2011.

Ementa: Apresentação da declaração de bens e rendas. Lei 8.730/93. Lei 8.429/92. Instrução Normativa do TCU nº 65, de 20 de abril de 2011. Nota Técnica n 01/2011 Ementa: Apresentação da declaração de bens e rendas. Lei 8.730/93. Lei 8.429/92. Instrução Normativa do TCU nº 65, de 20 de abril de 2011. Obrigatoriedade. 1. No dia 03.05.2011 o

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO Atualizado até 13/10/2015 RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO NOÇÕES INTRODUTÓRIAS Quando se fala em responsabilidade, quer-se dizer que alguém deverá

Leia mais

MINUTA DE ANTEPROJETO DE LEI PARA DEBATE COLABORATIVO. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

MINUTA DE ANTEPROJETO DE LEI PARA DEBATE COLABORATIVO. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES MINUTA DE ANTEPROJETO DE LEI PARA DEBATE COLABORATIVO Estabelece o Marco Civil da Internet no Brasil. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Esta Lei estabelece direitos

Leia mais

Monitoramento de e-mail corporativo

Monitoramento de e-mail corporativo Monitoramento de e-mail corporativo Mario Luiz Bernardinelli 1 (mariolb@gmail.com) 12 de Junho de 2009 Resumo A evolução tecnológica tem afetado as relações pessoais desde o advento da Internet. Existem

Leia mais

PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009)

PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009) PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009) Consulta nº 159.756/08 Assuntos: - Filmagem em interior de UTI. - Legalidade de contratação de médicos plantonistas como pessoa jurídica.

Leia mais

Sentença. 1. Relatório. Relatório dispensado (artigo 38 da Lei 9.099/95). 2. Fundamentação

Sentença. 1. Relatório. Relatório dispensado (artigo 38 da Lei 9.099/95). 2. Fundamentação Processo : 2013.01.1.151018-6 Classe : Procedimento do Juizado Especial Cível Assunto : Contratos de Consumo Requerente : CELSO VIEIRA DA ROCHA JUNIOR Requerido : EMPRESA EBAZAR Sentença 1. Relatório Relatório

Leia mais

Segurança Cibernética X Segurança Legal. Adriana de Moraes Cansian Advogada OAB/SP 332.517 adriana@cansian.com

Segurança Cibernética X Segurança Legal. Adriana de Moraes Cansian Advogada OAB/SP 332.517 adriana@cansian.com Segurança Cibernética X Segurança Legal Adriana de Moraes Cansian Advogada OAB/SP 332.517 adriana@cansian.com Agenda Introdução: por que devemos nos preocupar? Questões Cíveis. QuestõesTrabalhistas. O

Leia mais

Questões Jurídicas. Camilla do Vale Jimene. Título da apresentação 01/02/2013. Nome do Autor nomel@opiceblum.com.br

Questões Jurídicas. Camilla do Vale Jimene. Título da apresentação 01/02/2013. Nome do Autor nomel@opiceblum.com.br Questões Jurídicas Camilla do Vale Jimene INTRODUÇÃO Existe legislação específica para o ambiente eletrônico? Ambiente eletrônico é um novo território ou apenas um meio de praticar atos jurídicos? Precisamos

Leia mais

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil 7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil Tópicos Especiais em Direito Civil Introdução A Responsabilidade Civil surge em face de um descumprimento obrigacional pela desobediência de uma regra estabelecida

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE DIREITO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO E DEFESA ECONÔMICA. Protocolado: 08012.000515/2003-33.

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE DIREITO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO E DEFESA ECONÔMICA. Protocolado: 08012.000515/2003-33. MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE DIREITO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO E DEFESA ECONÔMICA Protocolado: 08012.000515/2003-33. Natureza: Averiguação Preliminar. Representante: Alexandre Soares Coelho.

Leia mais

A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil nos 10 Anos do Código Civil na Construção da Doutrina e Jurisprudência

A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil nos 10 Anos do Código Civil na Construção da Doutrina e Jurisprudência 222 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 13 10 Anos do Código Civil - Aplicação, Acertos, Desacertos e Novos Rumos Volume 2 A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil

Leia mais

"A POLEMICA SOBRE "OS CRITÉRIOS TÉCNICOS" NA RESTRIÇÃO DE SEGUROS"

A POLEMICA SOBRE OS CRITÉRIOS TÉCNICOS NA RESTRIÇÃO DE SEGUROS "A POLEMICA SOBRE "OS CRITÉRIOS TÉCNICOS" NA RESTRIÇÃO DE SEGUROS" Contribuição de Dr Rodrigo Vieira 08 de julho de 2008 Advocacia Bueno e Costanze "A POLEMICA SOBRE "OS CRITÉRIOS TÉCNICOS" NA RESTRIÇÃO

Leia mais

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Legitimidade ativa (Pessoas relacionadas no art. 103 da

Leia mais

O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR

O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR OSMAR LOPES JUNIOR O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR Introdução Não é preciso dizer o quanto a internet

Leia mais

EMENDA AO PROJETO DE QUALIDADE/AGILIDADE DO CONTROLE EXTERNO

EMENDA AO PROJETO DE QUALIDADE/AGILIDADE DO CONTROLE EXTERNO EMENDA AO PROJETO DE QUALIDADE/AGILIDADE DO CONTROLE EXTERNO Referência - Of. Circular nº 21-SSA/2014/ATRICON, de 16/06/2014 - Of. nº 325-SSA/2014/ATRICON, de 02/07/2014 Em atenção aos oficios em referência,

Leia mais

ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política

ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política Carlos Roberto Pegoretti Júnior 1 RESUMO: Os entes políticos, por vezes, encontram-se no pólo passivo de demandas judiciais referentes à entrega

Leia mais

VI pedido de reexame de admissibilidade de recurso especial.

VI pedido de reexame de admissibilidade de recurso especial. PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, 2013 - COMPLEMENTAR Estabelece normas gerais sobre o processo administrativo fiscal, no âmbito das administrações tributárias da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos

Leia mais

Projeto de Lei do Senado nº., de 2007. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Projeto de Lei do Senado nº., de 2007. O CONGRESSO NACIONAL decreta: 1 Projeto de Lei do Senado nº., de 2007 Dispõe sobre a obrigatoriedade de patrocínio, pela União, de traslado de corpo de brasileiro de família hipossuficiente falecido no exterior. O CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br A responsabilidade administrativa no Direito Ambiental por Carolina Yassim Saddi * Uma data que merece reflexão foi comemorada no dia 5 de junho do corrente ano: Dia Mundial do Meio

Leia mais

ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO MINAS GERAIS, contra o TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS em possível descumprimento de norma federal.

ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO MINAS GERAIS, contra o TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS em possível descumprimento de norma federal. Autos: PEDIDO DE PROVIDÊNCIAS 0001505 65.2014.2.00.0000 Requerente: ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO MINAS GERAIS e outros Requerido: CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS RELATÓRIO

Leia mais

A CONTRATAÇÃO DIRETA DE INSTITUIÇÕES PELA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

A CONTRATAÇÃO DIRETA DE INSTITUIÇÕES PELA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA A CONTRATAÇÃO DIRETA DE INSTITUIÇÕES PELA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Sebastião Botto de Barros Tojal e Luiz Eduardo P.Regules Recentemente, agentes políticos têm sido alvo de reportagens veiculadas na imprensa,

Leia mais

Comentário a Acórdão do Supremo Tribunal Federal sobre o princípio da Inafastabilidade da Prestação Jurisdicional

Comentário a Acórdão do Supremo Tribunal Federal sobre o princípio da Inafastabilidade da Prestação Jurisdicional Comentário a Acórdão do Supremo Tribunal Federal sobre o princípio da Inafastabilidade da Prestação Jurisdicional Universidade de Brasília Disciplina: Teoria Geral do Processo II Professor: Dr. Vallisney

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0024.14.148142-4/001 Númeração 0807534- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Mariângela Meyer Des.(a) Mariângela Meyer 24/02/2015 06/03/2015 EMENTA:

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS PARA CRIAÇÃO DE CURRÍCULO NO SITE CURRICULOAGORA.COM.BR

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS PARA CRIAÇÃO DE CURRÍCULO NO SITE CURRICULOAGORA.COM.BR TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS PARA CRIAÇÃO DE CURRÍCULO NO SITE CURRICULOAGORA.COM.BR Os termos e condições abaixo se aplicam aos benefícios e ferramentas disponibilizados pelo CURRÍCULO AGORA para inclusão

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 003, de 13 de Abril de 2012. (Publicado no DODF, Nº 78 de 19 de abril de 2012).

RESOLUÇÃO Nº 003, de 13 de Abril de 2012. (Publicado no DODF, Nº 78 de 19 de abril de 2012). RESOLUÇÃO Nº 003, de 13 de Abril de 2012. Disciplina os procedimentos a serem observados nos processos administrativos instaurados pelo prestador de serviços públicos de abastecimento de água e de esgotamento

Leia mais

Barrichello versus Google

Barrichello versus Google Barrichello versus Google Fernando Stacchini Advogado graduado pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Especialista em Contratos e Propriedade Intelectual. Sócio de Stacchini Advogados.

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores CHRISTINE SANTINI (Presidente) e CLAUDIO GODOY.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores CHRISTINE SANTINI (Presidente) e CLAUDIO GODOY. fls. 133 ACÓRDÃO Registro: 2014.0000597809 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento nº 2120157-80.2014.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é agravante EMPRESA FOLHA DA

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A competência nos pedidos de adoção, guarda e tutela Rogério Medeiros Garcia de Lima* 1. INTRODUÇÃO A vigência do novel Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei federal 8.069, de

Leia mais

02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS:

02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS: PARECER Nº 02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS: DIVERSOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS. ASSUNTOS: BASE DE CÁLCULO DO ADICIONAL DE INSALUBRIDADE DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS. DA CONSULTA: Trata-se de consulta

Leia mais

REGRAS DO SITE. Finalidade do documento. Propriedade do site quemvecompra.com.br. Características gerais do serviço. Usuário

REGRAS DO SITE. Finalidade do documento. Propriedade do site quemvecompra.com.br. Características gerais do serviço. Usuário Finalidade do documento REGRAS DO SITE O presente documento tem por objeto estabelecer as Condições Gerais de Uso do site da QVC Quemvecompra.com.br (http://www.quemvecompra.com.br). Propriedade do site

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTAS DAS PROVAS SUBJETIVAS

PADRÃO DE RESPOSTAS DAS PROVAS SUBJETIVAS Pontuação conforme Edital: a) Juiz Leigo PADRÃO DE RESPOSTAS DAS PROVAS SUBJETIVAS PROVA ÁREA DE CONHECIMENTO NÚMERO DE QUESTÕES Direito Constitucional PONTUAÇÃO PARA CADA QUESTÃO Direito Administrativo

Leia mais

PARECER CREMEC N.º 06/2014 14/03/2014

PARECER CREMEC N.º 06/2014 14/03/2014 PARECER CREMEC N.º 06/2014 14/03/2014 PROCESSO-CONSULTA PROTOCOLO CREMEC Nº 6566/08 ASSUNTO: RESPONSABILIDADE MÉDICA PARECERISTA: CÂMARA TÉCNICA DE AUDITORIA DO CREMEC EMENTA O ato médico é responsabilidade

Leia mais

DECISÃO. 1. O Gabinete prestou as seguintes informações:

DECISÃO. 1. O Gabinete prestou as seguintes informações: AÇÃO DECLARATÓRIA DE CONSTITUCIONALIDADE 27 DISTRITO FEDERAL RELATOR : MIN. MARCO AURÉLIO REQTE.(S) :ASSOCIACAO NACIONAL DAS FRANQUIAS ADV.(A/S) INTDO.(A/S) ADV.(A/S) INTDO.(A/S) POSTAIS DO BRASIL :MARCELO

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO COMARCA DE FERNANDÓPOLIS FORO DISTRITAL DE OUROESTE JUIZADO ESPECIAL CÍVEL E CRIMINAL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO COMARCA DE FERNANDÓPOLIS FORO DISTRITAL DE OUROESTE JUIZADO ESPECIAL CÍVEL E CRIMINAL fls. 1 CONCLUSÃO Aos 12 de julho de 2013, faço os presentes autos conclusos ao MM. Juiz de Direito Dr. LUIZ GUSTAVO ROCHA MALHEIROS. Eu (Daniela Dacyszyn Leme Macedo), Escrivã Judicial II Substituta, digitei.

Leia mais

DEPÓSITO DO PEDIDO DE PATENTE: MERA EXPECTATIVA DE DIREITO.

DEPÓSITO DO PEDIDO DE PATENTE: MERA EXPECTATIVA DE DIREITO. DEPÓSITO DO PEDIDO DE PATENTE: MERA EXPECTATIVA DE DIREITO. Inicialmente cabe definirmos o que é patente, a qual nada mais é que uma propriedade temporária, legalmente concedida pelo Estado, sobre uma

Leia mais

A Responsabilidade civil objetiva no Código Civil Brasileiro: Teoria do risco criado, prevista no parágrafo único do artigo 927

A Responsabilidade civil objetiva no Código Civil Brasileiro: Teoria do risco criado, prevista no parágrafo único do artigo 927 A Responsabilidade civil objetiva no Código Civil Brasileiro: Teoria do risco criado, prevista no parágrafo único do artigo 927 Marcela Furtado Calixto 1 Resumo: O presente artigo visa discutir a teoria

Leia mais

DANOS MATERIAIS. A indenização material cabível vem prescrita no Art. 950 do CC/2002 e seu parágrafo único:

DANOS MATERIAIS. A indenização material cabível vem prescrita no Art. 950 do CC/2002 e seu parágrafo único: DOENÇA OCUPACIONAL - ARTS. 20 E 118, DA LEI 8.213/91 INDENIZAÇÃO POR DANOS MATERIAIS E MORAIS NOVA COMPETÊNCIA DO ART. 114, DA CF QUANTIFICAÇÃO DO DANO MATERIAL E MORAL Competência da Justiça do Trabalho.

Leia mais

Controle de Constitucionalidade de normas pré-constitucionais

Controle de Constitucionalidade de normas pré-constitucionais Controle de Constitucionalidade de normas pré-constitucionais O Supremo Tribunal Federal possui o poder de decidir sobre a constitucionalidade das normas jurídicas que foram aprovadas antes da entrada

Leia mais

CONDICIONAR A EXPEDIÇÃO DO CRLV AO PAGAMENTO DE MULTAS É LEGAL?

CONDICIONAR A EXPEDIÇÃO DO CRLV AO PAGAMENTO DE MULTAS É LEGAL? CONDICIONAR A EXPEDIÇÃO DO CRLV AO PAGAMENTO DE MULTAS É LEGAL? A matéria que pretendemos colocar em discussão neste breve estudo concerne na legalidade do condicionamento da expedição do CRLV Certificado

Leia mais

Proteção do Sigilo de Informações e Marco Civil da Internet

Proteção do Sigilo de Informações e Marco Civil da Internet Proteção do Sigilo de Informações e Marco Civil da Internet 2 Não há lei brasileira que regule a atividade de navegação na internet ou traga disposições específicas e exclusivas sobre os dados que circulam

Leia mais

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL A UNIÃO DOS ADVOGADOS PÚBLICOS FEDERAIS DO BRASIL UNAFE, pessoa jurídica de direito privado, sem fins econômicos, associação civil

Leia mais

Legalidade do custeio de cartões de visita e de fornecimento e manutenção de notebooks para vereadores

Legalidade do custeio de cartões de visita e de fornecimento e manutenção de notebooks para vereadores RELATORA: CONSELHEIRA ADRIENE ANDRADE Legalidade do custeio de cartões de visita e de fornecimento e manutenção de notebooks para vereadores EMENTA: CONSULTA LEGISLATIVO MUNICIPAL I. CUSTEIO DE CARTÕES

Leia mais

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 494, de 2008

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 494, de 2008 1 Disciplina a forma, os prazos e os meios de preservação e transferência de dados informáticos mantidos por fornecedores de serviço a autoridades públicas, para fins de investigação de crimes praticados

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Estudo Técnico n.º 1/2010 Aperfeiçoamentos no DL nº 167/67 - Emolumentos extrajudiciais e garantias reais em Cédulas de Crédito Rural-CCR e em Cédulas de Crédito Bancário-CCB Eber Zoehler Santa Helena

Leia mais

ALTERAÇÕES A TIPOS PENAIS

ALTERAÇÕES A TIPOS PENAIS ALTERAÇÕES A TIPOS PENAIS COMO É HOJE VERSÃO DO PL ANTERIOR SUBSTITUTIVO APRESENTADO em 22 de setembro de 2015 Art. 141 - As penas cominadas neste Capítulo aumentam-se de um terço, se qualquer dos crimes

Leia mais

PL 5196/2013. Acrescer Capítulo VIII ao Título Ido Código de Defesa do Consumidor: Das Medidas Corretivas

PL 5196/2013. Acrescer Capítulo VIII ao Título Ido Código de Defesa do Consumidor: Das Medidas Corretivas PL 5196/2013 Acrescer Capítulo VIII ao Título Ido Código de Defesa do Consumidor: Das Medidas Corretivas Medidas Corretivas: natureza jurídica. [redação original do PL] Art. 60-A. Sem prejuízo da sanções

Leia mais

RELATOR(A): DESEMBARGADOR(A) FEDERAL MANOEL DE OLIVEIRA ERHARDT - 1º TURMA

RELATOR(A): DESEMBARGADOR(A) FEDERAL MANOEL DE OLIVEIRA ERHARDT - 1º TURMA PROCESSO Nº: 0804048-31.2014.4.05.8300 - APELAÇÃO / REEXAME NECESSÁRIO RELATÓRIO Cuida-se de apelação interposta pelo INSS contra sentença proferida pelo Juízo da 10ª Vara Federal de Pernambuco que julgou

Leia mais

O Dano Moral por Uso Indevido da Imagem do Empregado. O direito à imagem é um dos direitos de personalidade alçados a nível constitucional.

O Dano Moral por Uso Indevido da Imagem do Empregado. O direito à imagem é um dos direitos de personalidade alçados a nível constitucional. 1 O Dano Moral por Uso Indevido da Imagem do Empregado. O direito à imagem é um dos direitos de personalidade alçados a nível constitucional. Art. 5. Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer

Leia mais

JUÍZO DA 1ª ZONA ELEITORAL DE SÃO PAULO Av. Brigadeiro Luis Antonio, 453 SÃO PAULO CAPITAL. Processo nº 209/08 VISTOS.

JUÍZO DA 1ª ZONA ELEITORAL DE SÃO PAULO Av. Brigadeiro Luis Antonio, 453 SÃO PAULO CAPITAL. Processo nº 209/08 VISTOS. VISTOS. Trata-se de representação formulada pela COLIGAÇÃO SÃO PAULO NO RUMO CERTO em face da COLIGAÇÃO SÃO PAULO, NA MELHOR DIREÇÃO e de GERALDO JOSÉ RODRIGUES ALCKMIN FILHO, nos termos do art. 96 da

Leia mais

MARCO CIVIL DA INTERNET PROTEÇÃO DE DIREITOS AUTORAIS E MARCAS. RODRIGO BORGES CARNEIRO rcarneiro@dannemann.com.br

MARCO CIVIL DA INTERNET PROTEÇÃO DE DIREITOS AUTORAIS E MARCAS. RODRIGO BORGES CARNEIRO rcarneiro@dannemann.com.br MARCO CIVIL DA INTERNET PROTEÇÃO DE DIREITOS AUTORAIS E MARCAS RODRIGO BORGES CARNEIRO rcarneiro@dannemann.com.br MARCO CIVIL - LEI 12.965/14 Constituição da Internet Estabelece princípios, garantias,

Leia mais

Nº 4139/2014 PGR - RJMB

Nº 4139/2014 PGR - RJMB Nº 4139/2014 PGR - RJMB Físico Relator: Ministro Celso de Mello Recorrente: Ministério Público do Trabalho Recorrida: S. A. O Estado de São Paulo RECURSO EXTRAORDINÁRIO. COMPETÊNCIA DA JUS- TIÇA DO TRABALHO.

Leia mais

Adoto o relatório do juízo sentenciante, assim redigido:

Adoto o relatório do juízo sentenciante, assim redigido: 1 PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TRIBUNAL DE JUSTIÇA VIGÉSIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL / CONSUMIDOR APELAÇÃO Nº 0008742-88.2010.8.19.0024 APELANTE: ALESSANDRO DA COSTA FONTES APELADA: GOOGLE INTERNET

Leia mais

TERMO DE DISPONIBILIZAÇÃO DE ESPAÇO VIRTUAL PARA DIVULGAÇÃO DE MARCA, PRODUTOS E/OU SERVIÇOS

TERMO DE DISPONIBILIZAÇÃO DE ESPAÇO VIRTUAL PARA DIVULGAÇÃO DE MARCA, PRODUTOS E/OU SERVIÇOS TERMO DE DISPONIBILIZAÇÃO DE ESPAÇO VIRTUAL PARA DIVULGAÇÃO DE MARCA, PRODUTOS E/OU SERVIÇOS Pelo presente Termo, em que são partes, de um lado SHAPE.I e, de outro, PARCEIRO, regularmente cadastrado em

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM RORAIMA RECOMENDAÇÃO Nº 07/2015/MPF/RR

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM RORAIMA RECOMENDAÇÃO Nº 07/2015/MPF/RR MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM RORAIMA RECOMENDAÇÃO Nº 07/2015/MPF/RR Referência: inquéritos civis nº 1.32.000.000518/2013-15 e 1.32.000.000013/2013-42 RECOMENDANTE: MINISTÉRIO

Leia mais

Remédio constitucional ou remédio jurídico, são meios postos à disposição dos indivíduos e cidadão para provocar a intervenção das autoridades

Remédio constitucional ou remédio jurídico, são meios postos à disposição dos indivíduos e cidadão para provocar a intervenção das autoridades Remédio constitucional ou remédio jurídico, são meios postos à disposição dos indivíduos e cidadão para provocar a intervenção das autoridades competentes, visando sanar ilegalidades ou abuso de poder

Leia mais

ROJETO DE LEI Nº, de 2015. (Do Sr. Deputado Marcos Rotta)

ROJETO DE LEI Nº, de 2015. (Do Sr. Deputado Marcos Rotta) ROJETO DE LEI Nº, de 2015 (Do Sr. Deputado Marcos Rotta) Dispõe sobre segurança, danos materiais, furtos e indenizações, correspondentes a veículos nos estacionamento de estabelecimentos comerciais, shoppings

Leia mais

CONTROLE DE ACESSO À INTERNET PELAS EMPRESAS X DIREITO DE PRIVACIDADE

CONTROLE DE ACESSO À INTERNET PELAS EMPRESAS X DIREITO DE PRIVACIDADE CONTROLE DE ACESSO À INTERNET PELAS EMPRESAS X DIREITO DE PRIVACIDADE OSMAR LOPES JUNIOR CONTROLE DE ACESSO À INTERNET PELAS EMPRESAS X DIREITO DE PRIVACIDADE A internet rompe barreiras, fronteiras e qualquer

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS O presente contrato estabelece condições para os relacionamentos comerciais derivados da contratação do uso da Loja virtual sistema denominado LOJA EFICAZ, constituída

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Origem: PRT 4ª Região Membro Oficiante: Dr. Fabiano Holz Beserra Interessado 1: TRT 4ª Região Interessado 2: Prefeitura Municipal de Porto Alegre Assunto: Fraudes Trabalhistas 03.01.09 - Trabalho na Administração

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE MINAS GERAIS PODER JUDICIÁRIO BELO HORIZONTE 10ª TURMA RECURSAL DE BELO HORIZONTE

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE MINAS GERAIS PODER JUDICIÁRIO BELO HORIZONTE 10ª TURMA RECURSAL DE BELO HORIZONTE TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE MINAS GERAIS PODER JUDICIÁRIO BELO HORIZONTE 10ª TURMA RECURSAL DE BELO HORIZONTE RUAPADRE ROLIM, 424, EDIFÍCIO ANEXO 1º ANDAR, SANTA EFIGÊNIA, BELO HORIZONTE - MG, FONE: (31)3289-9416

Leia mais

Direito do Consumidor: Importante Instrumento de Regulação do Mercado. Anotações para o debate interno sobre Regulação e Direito do Consumidor.

Direito do Consumidor: Importante Instrumento de Regulação do Mercado. Anotações para o debate interno sobre Regulação e Direito do Consumidor. NOTA TÉCNICA n 3 Direito do Consumidor: Importante Instrumento de Regulação do Mercado. Anotações para o debate interno sobre Regulação e Direito do Consumidor. Alayde Avelar Freire Sant Anna Ouvidora/ANAC

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br

RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br 1 A INTERNET NÃO É UM MUNDO SEM LEIS!!! 11/7/2014 2 INVASÃO FÍSICA OU ELETRÔNICA? X X 11/7/2014 3 Lei 12.737/12 CRIME DE INVASÃO Violação de domicílio Pena - detenção,

Leia mais

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 1 PROCESSO PENAL PROCESSO PENAL PONTO 1: Princípios dos Juizados Especiais Criminais PONTO 2: Objetivos PONTO 3: Competência PONTO 4: Fase Policial PONTO 5: Fase Judicial PONTO 6: Recursos PONTO 7: Atos

Leia mais

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões:

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões: DIREITOS FUNDAMENTAIS Exame - 16.06.2015 Turma: Dia I Responda, sucintamente, às seguintes questões: 1. Explicite o sentido, mas também as consequências práticas, em termos de densidade do controlo judicial,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº /2011 (do Sr. Marcelo Aguiar)

PROJETO DE LEI Nº /2011 (do Sr. Marcelo Aguiar) PROJETO DE LEI Nº /2011 (do Sr. Marcelo Aguiar) Altera a Lei nº 9.656, de 03 de junho de 1998, que dispõe sobre os Planos e Seguros Privados de Assistência à Saúde e dá outras providências. O Congresso

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO COM PROPÓSITO ESPECÍFICO

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO COM PROPÓSITO ESPECÍFICO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO COM PROPÓSITO ESPECÍFICO Art. 1º Esta Lei dispõe sobre a negociação coletiva e o Acordo Coletivo de Trabalho com Propósito Específico. Art. 2º Para os fins desta Lei considera-se:

Leia mais