RESOLUÇÃO Nº 07/2008 DE 13 DE DEZEMBRO DE O DIRETOR DA FACULDADE DE DIREITO DO SUL DE MINAS, no uso e gozo de suas atribuições e,

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESOLUÇÃO Nº 07/2008 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2008. O DIRETOR DA FACULDADE DE DIREITO DO SUL DE MINAS, no uso e gozo de suas atribuições e,"

Transcrição

1 RESOLUÇÃO Nº 07/2008 DE 13 DE DEZEMBRO DE Altera o regulamento da Monitoria. O DIRETOR DA FACULDADE DE DIREITO DO SUL DE MINAS, no uso e gozo de suas atribuições e, Considerando a necessidade de atualização do regulamento original da monitoria para, entre outros aspectos, incluir mecanismos que avaliem qualitativa e quantitativamente as atividades realizadas pelos monitores; Considerando que o monitor exerce suas atividades sob a orientação de um professor e que presta relevante trabalho ao processo pedagógico; Considerando os benefícios pecuniários oferecidos aos alunos participantes do programa de monitoria; Resolve que as atividades de monitoria passarão a ser regidas pelo disposto no presente regulamento. I - DA ATIVIDADE DE MONITORIA Art. 1º. A monitoria consiste em atividade acadêmica de auxílio ao docente na execução das tarefas necessárias ao cumprimento do programa de ensino, sendo exercida pelos alunos regularmente matriculados nos cursos de graduação e de pós-graduação da Faculdade de Direito do Sul de Minas. II - DA SELEÇÃO DOS CANDIDATOS E DAS ATIVIDADES A SEREM EXECUTADAS Art. 2º. A seleção dos candidatos será feita no início do período letivo, em estrita observância aos editais de convocação para as disciplinas ofertadas. Parágrafo único. Na hipótese de o professor desejar manter o monitor selecionado em período anterior, deverá requerer, junto à coordenação de curso, a manutenção do mesmo, hipótese em que não será disponibilizada nova seleção naquela disciplina. Art. 3º Serão selecionados em cada disciplina um monitor, que terá como função precípua o auxílio na execução de qualquer tarefa necessária ao

2 correto cumprimento do plano de ensino da disciplina a que estiver vinculado, sendo defesa a ele, a execução, isoladamente, de atividades e prerrogativas do professor. Art. 4º Além das atividades relacionadas ao curso de graduação, monitoria também poderá ser exercida, nos cursos de pós-graduação, nas atividades de extensão, bem como nos programas de nivelamento; III - DO ACOMPANHAMENTO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELOS MONITORES Art. 5º. Os professores que utilizarem monitores para o acompanhamento de suas atividades docentes deverão apresentar ao Coordenador de Curso, antes do início dessas, plano de trabalho descrevendo as atividades a serem exigidas dos discentes. Art. 6º. Uma vez aprovado o plano de trabalho, o professor ficará responsável pelo seu cumprimento, devendo apresentar à Coordenação de Curso, ao final de cada período, relatório das atividades realizadas pelo monitor respectivo. Art. 7º. O relatório de atividades e o plano de trabalho a serem utilizados, obedecerão aos modelos descritos no anexo I e II da presente resolução. Art. 8º. Caso o relatório de atividades não seja entregue no prazo acima descrito, o benefício do aluno será suspenso até regularização. IV - DA NATUREZA DO TRABALHO DA MONITORIA Art. 9º. O exercício da atividade de monitoria será a título precário com objetivo pedagógico não constituindo vínculo empregatício com a instituição; V - DOS BENEFÍCIOS DOS MONITORES Art. 10. Os monitores selecionados e, em efetivo exercício, gozarão de bolsa de estudos no importe de 15% do valor da mensalidade respectiva. Parágrafo único. Na hipótese de o aluno contar com outro benefício já concedido pela instituição, aplicar-se-á o disposto no artigo 1º da Portaria 01/07 da Tesouraria.

3 Art. 11. O exercício da monitoria será registrado como atividade complementar, conferindo ainda, mediante certificado, pontuação para participação no programa de apoio ao egresso. VII - DAS MEDIDAS DISCIPLINAS E DO DESLIGAMENTO DO MONITOR Art. 12. Os monitores estarão sujeitos às medidas disciplinares gerais previstas no Regimento da IES. Art. 13. O monitor será desligado do programa de monitoria quando: a) existir pedido formal realizado pelo professor orientador; b) deixar de cumprir as atividades determinadas pelo professor orientador; c) desligar-se da instituição; d) encaminhar a solicitação de desligamento. VIII DA DURAÇÃO DO PROGRAMA DE MONITORIA Art. 14. O programa de monitoria tem sua duração definida pelo período letivo a que o acadêmico estiver vinculado. Parágrafo 1º. Na hipótese de o professor optar pela manutenção do monitor para período letivo posterior, deverá ele, quando da abertura de novo processo seletivo, informar sua decisão à Coordenação de Curso. Parágrafo 2º. A utilização do mesmo monitor, não elimina a necessidade de o professor enviar novo plano de trabalho, na forma do artigo 5º. VIII - DAS DISPOSIÇÕES FINAIS Art. 15. Os casos omissos serão resolvidos pela Direção, mediante resolução ou portaria. Art. 16. Este regulamento entrará em vigor na data de aprovação, revogando-se as disposições em contrário. Prof. Rafael Tadeu Simões Presidente do Conselho Departamental

4 ANEXO I RELATÓRIO DE ATIVIDADES MONITORIA Professor responsável: Monitor: Disciplina: Declaro, para os devidos fins, que o monitor acima indicado realizou as atividades abaixo transcritas: a) ; b) ; c) ; d) ; e) ; f) ; Pouso Alegre, de de 20. Assinatura do Professor: Assinatura do Monitor:

5 ANEXO II PLANO DE TRABALHO MONITORIA Disciplina: Período: Prof. Responsável: Nome do Monitor: Objetivos da monitoria: Atividades planejadas: Assinatura Professor:

Art. 2º - Esta Resolução entra em vigor nesta data, revogada a Resolução UnC- CONSEPE 099/2004 e as disposições em contrário.

Art. 2º - Esta Resolução entra em vigor nesta data, revogada a Resolução UnC- CONSEPE 099/2004 e as disposições em contrário. RESOLUÇÃOUnC-CONSEPE018/209 Aprova Regulamento do Programa de Monitoria, para a Universidade do Contestado UnC O Reitor da Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições, de acordo com o Art. 25

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE RESOLUÇÃO CONSUN Nº 009/2012

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE RESOLUÇÃO CONSUN Nº 009/2012 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE RESOLUÇÃO CONSUN Nº 009/2012 Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul. Alterada pela

Leia mais

Programa de Atividades de Monitoria

Programa de Atividades de Monitoria Programa de Atividades de Monitoria CAPÍTULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS DA MONITORIA Art. 1º A atividade de monitoria é desenvolvida por discentes para aprimoramento do processo de ensino e aprendizagem,

Leia mais

REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE SÃO LOURENÇO

REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE SÃO LOURENÇO REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE SÃO LOURENÇO SÃO LOURENÇO/2014 CAPÍTULO l DOS OBJETIVOS Artigo 1º - As presentes normas têm por objetivo organizar e disciplinar a monitoria,

Leia mais

FACULDADE ORÍGENES LESSA FACOL ISEOL - INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO ORÍGENES LESSA PORTARIA Nº 004 / 2009

FACULDADE ORÍGENES LESSA FACOL ISEOL - INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO ORÍGENES LESSA PORTARIA Nº 004 / 2009 ASSOCIAÇÃO LENÇOENSE DE EDUCAÇÃO E CULTURA - ALEC FACULDADE ORÍGENES LESSA FACOL ISEOL - INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO ORÍGENES LESSA PORTARIA Nº 004 / 2009 Usando as atribuições que lhe confere o regimento

Leia mais

FACULDADE BATISTA DE MINAS GERAIS CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DA MONITORIA AGOSTO DE 2014 CAPÍTULO I

FACULDADE BATISTA DE MINAS GERAIS CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DA MONITORIA AGOSTO DE 2014 CAPÍTULO I FACULDADE BATISTA DE MINAS GERAIS CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DA MONITORIA AGOSTO DE 2014 CAPÍTULO I DA MONITORIA: Art. 1º. A monitoria é uma atividade auxiliar à docência exercida por alunos regularmente

Leia mais

NORMAS PARA EXECUÇÃO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE EXTENSÃO

NORMAS PARA EXECUÇÃO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE EXTENSÃO NORMAS PARA EXECUÇÃO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE EXTENSÃO Capítulo I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º A presente Resolução fixa as normas para o funcionamento do Programa de Bolsa de Extensão.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA/FUNDAÇÃO UNITINS/GRE/N 007/2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA/FUNDAÇÃO UNITINS/GRE/N 007/2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA/FUNDAÇÃO UNITINS/GRE/N 007/2012. Normatiza, no âmbito da Pró- Reitoria de Graduação, o Programa de Monitoria da Unitins e dá outras providências. O REITOR DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITAORIA ACADÊMICA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITAORIA ACADÊMICA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITAORIA ACADÊMICA CAPÍTULO I - DO OBJETO Art. 1º - O objeto do Regulamento do Programa de Monitoria Acadêmica (PMA) do Curso de Administração consiste em estabelecer critérios

Leia mais

Art. 1º - Aprovar Norma que Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Vale do Rio Doce- UNIVALE.

Art. 1º - Aprovar Norma que Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Vale do Rio Doce- UNIVALE. Resolução CONSEPE: Nº. 049/2014 Aprova Norma que Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Vale do Rio Doce. O Conselho de Ensino Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Universidade Vale do Rio Doce

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 17/CUn DE 10 DE ABRIL DE 2012. Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal de Santa Catarina

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 17/CUn DE 10 DE ABRIL DE 2012. Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal de Santa Catarina RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 17/CUn DE 10 DE ABRIL DE 2012 Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal de Santa Catarina O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal de Santa

Leia mais

Fundação Presidente Antônio Carlos - FUPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos de Aimorés

Fundação Presidente Antônio Carlos - FUPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos de Aimorés Regulamento do Programa de Monitoria para os cursos de Graduação A Monitoria é uma atividade Acadêmica dos cursos de Graduação que visa dar oportunidade de aprofundamento vertical de estudos em alguma

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU. TITULO I Da Natureza, dos Fins e da Aprovação dos Cursos

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU. TITULO I Da Natureza, dos Fins e da Aprovação dos Cursos REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU TITULO I Da Natureza, dos Fins e da Aprovação dos Cursos CAPÍTULO I Da Natureza e dos Fins dos Cursos Art. 1º Os cursos de pós-graduação Lato sensu

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB CONSELHO UNIVERSITÁRIO CONSU

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB CONSELHO UNIVERSITÁRIO CONSU UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB CONSELHO UNIVERSITÁRIO CONSU RESOLUÇÃO N.º 507/2007 Publicada no D.O.E. de 08/09-12-2007, pág. 24 Altera a Resolução Nº. 634/04 CONSEPE, que aprova o Regulamento de

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL CONCESSÃO DE BOLSAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

NORMA PROCEDIMENTAL CONCESSÃO DE BOLSAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA 20.01.005 1/10 1. FINALIDADE Formalizar e disciplinar os procedimentos para a concessão de bolsas de extensão universitária destinadas a discentes da UFTM, oriundas de recursos financeiros da própria instituição.

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL MONITORIA

REGULAMENTO INSTITUCIONAL MONITORIA UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE MONITORIA São Paulo 2010 CAPÍTULO l DOS OBJETIVOS Artigo 1º - As presentes normas têm por objetivo organizar e disciplinar

Leia mais

Regulamento de Monitoria

Regulamento de Monitoria Regulamento de Monitoria REGULAMENTO DE MONITORIA CAPÍTULO I Da Monitoria Art. 1º - A monitoria é uma atividade acadêmica auxiliar a docência que é exercida por alunos regularmente matriculados, na Escola

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE MONITORIA DISCENTE 2016

EDITAL DE SELEÇÃO DE MONITORIA DISCENTE 2016 EDITAL DE SELEÇÃO DE MONITORIA DISCENTE 2016 CURSOS DE ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA, ENGENHARIA CIVIL, ENGENHARIA ELETRICA, ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, ENGENHARIA MECÂNICA, ARQUITETURA E URBANISMO E AGRONOMIA.

Leia mais

RESOLUÇÃO 04/2001 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Art. 1º - Fixar normas para o Funcionamento do Programa de Bolsas de Monitoria na UESB.

RESOLUÇÃO 04/2001 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Art. 1º - Fixar normas para o Funcionamento do Programa de Bolsas de Monitoria na UESB. Dispõe sobre o Programa de Bolsa de Monitoria da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB, revogando as disposições em contrário, em especial as Resoluções CONSEPE/UESB 18/94 e 48/97. O Conselho

Leia mais

EDITAL Nº 002/2015. 1.1. A atividade de monitoria semipresencial será exercida pelos alunos regulares dos cursos de graduação.

EDITAL Nº 002/2015. 1.1. A atividade de monitoria semipresencial será exercida pelos alunos regulares dos cursos de graduação. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Fundação Universidade Federal do ABC Pró-Reitoria de Graduação Av. dos Estados, 5001 Bairro Bangu Santo André - SP CEP 09210-580 Fone: (11) 3356.7020 dpag.prograd@ufabc.edu.br EDITAL

Leia mais

EDITAL Nº 16/2015. 2.1. A atividade de monitoria acadêmica na graduação em 2015 será exercida pelos alunos regulares dos cursos de graduação.

EDITAL Nº 16/2015. 2.1. A atividade de monitoria acadêmica na graduação em 2015 será exercida pelos alunos regulares dos cursos de graduação. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Fundação Universidade Federal do ABC Pró-Reitoria de Graduação Av. dos Estados, 5001 Bairro Bangu Santo André - SP CEP 09210-580 Fone: (11) 4996.7983 gabinete.prograd@ufabc.edu.br

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 048/2007-CEPE

RESOLUÇÃO Nº 048/2007-CEPE RESOLUÇÃO Nº 048/2007-CEPE Aprova o Regulamento da Residência em Cirurgia e Traumatologia Buco Maxilo Facial da Unioeste. Considerando o contido no Processo CR nº 19335/2006, de 03 de outubro de 2006,

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE MONITORIA DA UFPel CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

NORMAS DO PROGRAMA DE MONITORIA DA UFPel CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES NORMAS DO PROGRAMA DE MONITORIA DA UFPel CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O Programa de Monitoria, vinculado à Seção de Apoio Estudantil da Coordenadoria de Assuntos Estudantis e Comunitários,

Leia mais

EDITAL Nº 02/2015 - CONSEPE

EDITAL Nº 02/2015 - CONSEPE EDITAL Nº 02/2015 - CONSEPE A Direção da Faculdade Herrero torna públicos os procedimentos e normas para inscrição e seleção de Monitores 2015/1. Este Edital está em conformidade com a RESOLUÇÃO Nº 11/2010

Leia mais

O regime adotado pela Faculdade Metodista Granbery é o seriado semestral. A matrícula é feita por períodos e renovada semestralmente.

O regime adotado pela Faculdade Metodista Granbery é o seriado semestral. A matrícula é feita por períodos e renovada semestralmente. INFORMAÇÕES ACADÊMICAS BÁSICAS 1. CURRÍCULO Para cada curso de graduação é organizado um currículo. O currículo abrange uma sequência de disciplinas/módulos hierarquizados(as) por períodos letivos, cuja

Leia mais

REGULAMENTO DA MONITORIA

REGULAMENTO DA MONITORIA REGULAMENTO DA MONITORIA FACULDADE METROPOLITANA DE CAMAÇARI FAMEC SUMÁRIO TÍTULO I... 1 DA MONITORIA... 1 CAPÍTULO I... 1 DA CARACTERIZAÇÃO... 1 CAPÍTULO II... 2 DOS OBJETIVOS... 2 CAPÍTULO III... 2 DO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 01 CONSEPE, DE 5 DE MARÇO DE 2015.

RESOLUÇÃO Nº. 01 CONSEPE, DE 5 DE MARÇO DE 2015. RESOLUÇÃO Nº. 01 CONSEPE, DE 5 DE MARÇO DE 2015. Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e revoga as Resoluções CONSEPE nº 09/2013; 10/2014

Leia mais

EDITAL DE MONITORIA no. 01/2014

EDITAL DE MONITORIA no. 01/2014 EDITAL DE MONITORIA no. 01/2014 Dispõe sobre o procedimento de seleção de alunos ao Programa de Monitoria do Curso de Administração da Faculdade Presidente Antônio Carlos de Contagem e dá outras providências.

Leia mais

Universidade de Brasília FACE - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Economia Programa de Pós-Graduação

Universidade de Brasília FACE - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Economia Programa de Pós-Graduação Regulamento do Programa de Pós-Graduação do Departamento de Economia Aprovado pelo Colegiado de Pós-Graduação em 17/02/2009 Título I Disposições Gerais Art. 1º Art. 2º Art. 3º O Programa de Pós-Graduação

Leia mais

RESOLUÇÃO. Santa Rosa, RS, 21 de setembro de 2009.

RESOLUÇÃO. Santa Rosa, RS, 21 de setembro de 2009. RESOLUÇÃO CAS Nº 32/2009, DE 21 DE SETEMBRO DE 2009. DISPÕE SOBRE O REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPPGE DAS FACULDADES INTEGRADAS MACHADO DE ASSIS. O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO SMA Nº 1588 DE 11 DE JANEIRO DE 2010. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO, no uso das atribuições conferidas pela legislação em vigor, e

RESOLUÇÃO SMA Nº 1588 DE 11 DE JANEIRO DE 2010. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO, no uso das atribuições conferidas pela legislação em vigor, e RESOLUÇÃO SMA Nº 1588 DE 11 DE JANEIRO DE 2010. Regulamenta o Programa de Estágios em órgãos e entidades da Administração Pública Municipal Direta, Indireta e Fundacional, do Poder Executivo Município

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA CAPÍTULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA CAPÍTULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA A Faculdade Raimundo Marinho FRM, em conformidade com a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996 que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional e em consonância

Leia mais

UNIFRAN Universidade de Franca PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO EDITAL Nº 2/2015

UNIFRAN Universidade de Franca PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO EDITAL Nº 2/2015 UNIFRAN Universidade de Franca PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO EDITAL Nº 2/2015 PROCESSO SELETIVO PARA MONITORIA A Pró-Reitora de Graduação, no uso de suas atribuições regimentais e tendo em vista o disposto

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PROJETOS EDUCACIONAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PROJETOS EDUCACIONAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PROJETOS EDUCACIONAIS EDITAL Nº 001/14 PROEN/DE, de 17 de fevereiro de 2014. PROGRAMA

Leia mais

NORMAS DO SISTEMA DE MONITORIA CAPÍTULO I DO CONCEITO

NORMAS DO SISTEMA DE MONITORIA CAPÍTULO I DO CONCEITO NORMAS DO SISTEMA DE MONITORIA CAPÍTULO I DO CONCEITO Art. 1º A monitoria é uma atividade acadêmica, no âmbito da graduação, que pretende oferecer ao aluno experiência de iniciação à docência. 1º A monitoria

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IZABELA HENDRIX

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IZABELA HENDRIX REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IZABELA HENDRIX Mantenedora: INSTITUTO METODISTA IZABELA HENRIX APROVADO PELA RESOLUÇÃO DO CONSUN Nº. 14, 12 DE JULHO DE 2007. em

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA ACADÊMICA EM CURSOS SUPERIORES E SUBSEQUENTES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA ACADÊMICA EM CURSOS SUPERIORES E SUBSEQUENTES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAMPUS OSÓRIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA ACADÊMICA

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS - UNEAL

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS - UNEAL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS - UNEAL Este Regulamento e a Resolução do Conselho Superior da Uneal (CONSU/UNEAL) que o aprovou foram

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA 09. O diretor Geral das Faculdades SPEI, no uso de suas atribuições regimentais artigo 17 inciso XV, ouvido o Conselho Acadêmico,

INSTRUÇÃO NORMATIVA 09. O diretor Geral das Faculdades SPEI, no uso de suas atribuições regimentais artigo 17 inciso XV, ouvido o Conselho Acadêmico, INSTRUÇÃO NORMATIVA 09 O diretor Geral das Faculdades SPEI, no uso de suas atribuições regimentais artigo 17 inciso XV, ouvido o Conselho Acadêmico, RESOLVE: Instituir o Programa de Monitoria Acadêmica

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA - CEE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA - CEE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA - CEE PROJETO DISCIPLINADOR DO ESTÁGIO CURRICULAR - CEE/UNIFAP Estabelece diretrizes e normas necessárias

Leia mais

REGULAMENTO DE PROJETOS DE ENSINO

REGULAMENTO DE PROJETOS DE ENSINO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL SUL-RIO-GRANDENSE PRÓ-REITORIA DE ENSINO REGULAMENTO DE PROJETOS DE ENSINO Normatiza a apresentação, aprovação, tramitação, coordenação, execução, acompanhamento,

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORIA FACIIP REGULAMENTO

PROGRAMA DE MONITORIA FACIIP REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA FACIIP REGULAMENTO Capitulo I Do Programa Art.1 O presente regulamento do Programa de Monitoria estabelece as regras para o exercício da monitoria por alunos regularmente matriculados

Leia mais

MANUAL DE MONITORIA ACADÊMICA DA FESAR

MANUAL DE MONITORIA ACADÊMICA DA FESAR MANUAL DE MONITORIA ACADÊMICA DA FESAR Elaborado por: Georgia Miranda Tomich Coordenadora de Pesquisa e Extensão da FESAR Redenção 2014 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 JUSTIFICATIVA...3 PROGRAMA DE MONITORIA...4

Leia mais

UNIVERSIDADE FUMEC REGULAMENTO DO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ESTUDOS CULTURAIS CONTEMPORÂNEOS SEÇÃO I

UNIVERSIDADE FUMEC REGULAMENTO DO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ESTUDOS CULTURAIS CONTEMPORÂNEOS SEÇÃO I UNIVERSIDADE FUMEC REGULAMENTO DO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ESTUDOS CULTURAIS CONTEMPORÂNEOS SEÇÃO I DO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA Art. 1º O estágio de docência visa complementar

Leia mais

Art. 1º Aprovar alteração no Regulamento de Pós-doutorado da UMESP, conforme consta em anexo.

Art. 1º Aprovar alteração no Regulamento de Pós-doutorado da UMESP, conforme consta em anexo. RESOLUÇÃO CONSUN Nº 25/2013 Reedita, com alterações, o Regulamento de Pósdoutorado da UMESP O Conselho Universitário - CONSUN, em reunião extraordinária realizada em 19 de setembro de 2013 deliberando

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NUTRIÇÃO

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NUTRIÇÃO REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NUTRIÇÃO 2010 Fundação Educacional de Além Paraíba Mantenedora Faculdade de Ciências da Saúde Archimedes Theodoro Mantida Profª. Karime Augusta Baranda Fortes Zanardi

Leia mais

TÍTULO I Do Programa. TÍTULO II Do Curso

TÍTULO I Do Programa. TÍTULO II Do Curso Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Planejamento e Análise de Políticas Públicas, Curso Mestrado Profissional, da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais de Franca TÍTULO I Do Programa Artigo 1º

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 001/2015

RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 001/2015 RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 001/2015 Aprovar ad referendum do Conselho Universitário- CONSUN, o Regulamento para a Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade do Contestado - UnC. A Presidente do Conselho Universitário

Leia mais

Fone: (37) 3226-8200 - Site: www.fanserrana.com.br - E-mail: coordproex@fanserrana.com.br

Fone: (37) 3226-8200 - Site: www.fanserrana.com.br - E-mail: coordproex@fanserrana.com.br Regulamenta o funcionamento da Comissão Própria de Avaliação CPA da Faculdade de Nova Serrana DA NATUREZA Art. 1º. A Comissão Própria de Avaliação CPA é um órgão permanente da Faculdade de Nova Serrana,

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO FAE.

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO FAE. REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO FAE. CAPÍTULO I Dos Objetivos e Prazos Artigo 1º Os Cursos Acadêmicos de Pós-Graduação stricto

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS Art. 1º O presente instrumento

Leia mais

Regimento do Mestrado Profissional em Química (PROFQUI)

Regimento do Mestrado Profissional em Química (PROFQUI) Regimento do Mestrado Profissional em Química (PROFQUI) Capítulo I Conceituação e Objetivos Artigo 1º - O PROFQUI é um curso semipresencial ofertado nacionalmente, conduzindo ao título de Mestre em Química;

Leia mais

MINUTA DE PORTARIA v. 21.09.2015

MINUTA DE PORTARIA v. 21.09.2015 MINUTA DE PORTARIA v. 21.09.2015 PORTARIA Nº..., de...de...de 2015 Dispõe sobre a participação complementar da iniciativa privada na execução de ações e serviços de saúde, e o credenciamento de prestadores

Leia mais

Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009

Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009 Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009 Dispõe sobre estágios no âmbito da Administração Pública Direta e Indireta do Estado do Piauí para estudantes regularmente matriculados e com frequência efetiva, vinculados

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 008/2004 - CONSUNIV

RESOLUÇÃO Nº 008/2004 - CONSUNIV RESOLUÇÃO Nº 008/2004 - CONSUNIV Cria o Programa de Monitoria e dá outras providências. O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS e PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO, no uso de suas atribuições

Leia mais

EDITAL SISE-SUS nº 001/2014 PROGRAMA INTEGRADO DE RESIDÊNCIAS EM SAÚDE RESIDÊNCIAS MULTIPROFISSIONAIS E DE ÁREA DE ATUAÇÃO EM SAÚDE

EDITAL SISE-SUS nº 001/2014 PROGRAMA INTEGRADO DE RESIDÊNCIAS EM SAÚDE RESIDÊNCIAS MULTIPROFISSIONAIS E DE ÁREA DE ATUAÇÃO EM SAÚDE EDITAL SISE-SUS nº 001/2014 PROGRAMA INTEGRADO DE RESIDÊNCIAS EM SAÚDE RESIDÊNCIAS MULTIPROFISSIONAIS E DE ÁREA DE ATUAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA MUNICIPAL DE BOLSAS DE ESTUDO E PESQUISA PARA A EDUCAÇÃO PELO

Leia mais

REGULAMENTO. Capítulo I - Da Atribuição e Organização Geral

REGULAMENTO. Capítulo I - Da Atribuição e Organização Geral FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FILOSOFIA REGULAMENTO Capítulo I - Da Atribuição e Organização Geral Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Filosofia (PGFilo), vinculado

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍCAS E ECONÔMICAS REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA Adaptado às normas do Regulamento Geral da Pós-Graduação da UFES

Leia mais

A Câmara Superior de Pós-Graduação CSPG da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições,

A Câmara Superior de Pós-Graduação CSPG da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições, SERVICO PUBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITARIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 02/2015 Aprova o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, em nível de Especialização,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA 001/2006-ProGRAD

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA 001/2006-ProGRAD Altera a Instrução Normativa 009/2005 ProGRAD, de 2 de dezembro, e dispõe sobre princípios reguladores para o desenvolvimento de estágio supervisionado não obrigatório dos cursos de graduação e dá outras

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO- OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNISC

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO- OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNISC UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO- OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNISC CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º O presente Regulamento

Leia mais

das demais previsões relativas ao estágio previstas no Projeto Pedagógico do Curso, no Regimento Interno e na Legislação.

das demais previsões relativas ao estágio previstas no Projeto Pedagógico do Curso, no Regimento Interno e na Legislação. DIRETRIZES E NORMAS PARA O ESTÁGIO NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE REDENTOR DE PARAÍBA DO SUL DOS OBJETIVOS Art. 1 O Sistema de Estágio da FACULDADE REDENTOR DE PARAÍBA DO SUL terá por objetivos gerais:

Leia mais

Normas Gerais de Estágios

Normas Gerais de Estágios Normas Gerais de Estágios NORMAS GERAIS DE ESTÁGIOS DA UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO - UNISA O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA e EXTENSÃO - CONSEPE, órgão normativo, consultivo e deliberativo da administração

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE AUDITORIA APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO 3 II OBJETO

Leia mais

OBS.: O recibo emitido por meio de depósito em envelope não será aceito como comprovação do pagamento

OBS.: O recibo emitido por meio de depósito em envelope não será aceito como comprovação do pagamento RELAÇÃO DE DOCUMENTOS BANCOS PARA O PAGAMENTO DAS TAXAS Universidade de Brasília - UnB Os valores constantes da Resolução do Conselho de Administração n 0 005/2002 deverão ser recolhidos em nome da FUB

Leia mais

FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE NÚCLEO DE ESTÁGIO DA FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS

FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE NÚCLEO DE ESTÁGIO DA FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS 1 FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE NÚCLEO DE ESTÁGIO DA FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS TÍTULO I NATUREZA E OBJETIVO Art. 1º Os estágios curriculares supervisionados previstos

Leia mais

DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013

DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013 DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013 Publicado no DOE(Pa) de 02.04.13. Institui o Programa de Parcerias Público-Privadas PPP/PA e regulamenta o Conselho Gestor de Parcerias Público- Privadas do Estado

Leia mais

Regimento do Programa de Pós Graduação em Ciência da Computação

Regimento do Programa de Pós Graduação em Ciência da Computação Regimento do Programa de Pós Graduação em Ciência da Computação CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Artigo 1º O presente Regulamento disciplina a organização e as atividades do programa de Pós Graduação

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOFÍSICA DO ON

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOFÍSICA DO ON REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOFÍSICA DO ON Capítulo 1 Das disposições gerais Capítulo 2 Da admissão e matrícula Capítulo 3 Dos prazos e duração dos programas Capítulo 4 Da orientação do

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/DIR/2013

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/DIR/2013 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/DIR/2013 ESTABELECE AS NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA A CONCESSÃO DE BOLSAS DE PESQUISA PARA SERVIDORES DOCENTES, TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS E DISCENTES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE

Leia mais

PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PID/2016 REGULAMENTO

PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PID/2016 REGULAMENTO PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PID/2016 REGULAMENTO I - DOS OBJETIVOS 1. Possibilitar o crescimento acadêmico de alunos do Curso, tanto do Aluno/Monitor quanto dos alunos por ele assistidos; 2. Oferecer

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ UNESPAR PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ UNESPAR PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID À DOCÊNCIA - PIBID EDITAL 004/2015 PIBID/UNESPAR ABERTURA DE SELEÇÃO DE ESTUDANTES DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CAMPUS DE Paranavaí- FAFIPA, NA ÁREA DE LETRAS, PARA ATUAR COMO BOLSISTA NO PIBID - À DOCÊNCIA

Leia mais

E D I T A L M A X S O C I A L

E D I T A L M A X S O C I A L EDITAL MAX N 002/2015 ABRE INSCRIÇÕES PARA A SELEÇÃO DE MONITORES PARA O PROJETO MAX SOCIAL Indaiatuba, 01 de março de 2016. O Gestor da Faculdade MAX PLANCK, no uso das suas atribuições, torna público

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 192 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº. 192 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011. RESOLUÇÃO Nº. 192 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS, no uso de suas atribuições legais e considerando o Parecer nº.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA RESOLUÇÃO N o 24/2012, DO CONSELHO DE GRADUAÇÃO Aprova as Normas Gerais de Estágio de Graduação da Universidade Federal de Uberlândia, e dá outras providências. O CONSELHO DE GRADUAÇÃO DA, no uso das competências

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DO CEFET-SP

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DO CEFET-SP REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DO CEFET-SP Capítulo I DA NATUREZA E SUAS FINALIDADES Art. 1º O estágio baseia-se na Lei nº. 11.788, sancionada em 25 de setembro de 2008. Parágrafo

Leia mais

FATEC PRESIDENTE PRUDENTE PORTARIA FATEC / PRESIDENTE PRUDENTE Nº 72/2012 DE 26 OUTUBRO DE 2012.

FATEC PRESIDENTE PRUDENTE PORTARIA FATEC / PRESIDENTE PRUDENTE Nº 72/2012 DE 26 OUTUBRO DE 2012. FATEC PRESIDENTE PRUDENTE PORTARIA FATEC / PRESIDENTE PRUDENTE Nº 72/2012 DE 26 OUTUBRO DE 2012. Estabelece o Manual de Atividades Acadêmico-Científico- Culturais da Faculdade de Tecnologia de Presidente

Leia mais

a) Estar regularmente matriculados no curso;

a) Estar regularmente matriculados no curso; (35) 3690-8900 / 3690-8958 (fax) br ESTÁGIO CURRÍCULAR SUPERVISIONADO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (ANO LETIVO 2014) 1 Caracterização Os cursos de Engenharia de Produção do Brasil são regidos pelas

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO EDITAL - N.º 084/2015

PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO EDITAL - N.º 084/2015 PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO EDITAL - N.º 084/2015 O Professor Miguel Archanjo de Freitas Júnior, Pró-Reitor de Graduação da Universidade Estadual de Ponta Grossa, no uso de suas atribuições, tendo em vista

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA 009/2005-ProGRAD

INSTRUÇÃO NORMATIVA 009/2005-ProGRAD UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA 009/2005-ProGRAD Dispõe sobre princípios reguladores para o desenvolvimento de estágio não obrigatório dos cursos de

Leia mais

CENTRO DE PLANEJAMENTO PESQUISA E EXTENSÃO REGULAMENTO

CENTRO DE PLANEJAMENTO PESQUISA E EXTENSÃO REGULAMENTO Mantenedora Fasipe Centro Educacional Mantida Faculdade Fasipe - FASIPE CENTRO DE PLANEJAMENTO PESQUISA E EXTENSÃO REGULAMENTO SINOP / MATO GROSSO CENTRO DE PLANEJAMENTO, PESQUISA E EXTENSÃO - CPPE SUMÁRIO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E GESTÃO PORTARIA Nº 87, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2014.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E GESTÃO PORTARIA Nº 87, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2014. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E GESTÃO PORTARIA Nº 87, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2014. Institui o regulamento para pagamento de auxílio financeiro a estudantes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO. Projeto Monitoria CAp 2014

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO. Projeto Monitoria CAp 2014 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO Projeto Monitoria CAp 2014 1. Definição O Projeto Monitoria CAp é uma ação institucional que abre mais um espaço de aprendizagem

Leia mais

Mais informações podem ser obtidas na Coordenação do curso.

Mais informações podem ser obtidas na Coordenação do curso. MANUAL DE MONITORIA O IBES tem interesse em gerar recursos humanos de qualidade entre seus próprios alunos para, no futuro, atuarem em função docente. Para tanto, mantém um programa de monitoria junto

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN

RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN Estabelece o Regimento Interno do Núcleo de Educação a Distância (NEAD) da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Paraná, no uso de

Leia mais

TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES CAPÍTULO I DA NATUREZA. PARÁGRAFO ÚNICO Atividade curricular com ênfase exclusiva didático-pedagógica:

TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES CAPÍTULO I DA NATUREZA. PARÁGRAFO ÚNICO Atividade curricular com ênfase exclusiva didático-pedagógica: REGULAMENTO GERAL PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DO IFRR N A regulamentação geral de estágio tem por objetivo estabelecer normas e diretrizes gerais que definam uma política

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA FACULDADE LEGALE

REGULAMENTO SOBRE AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA FACULDADE LEGALE REGULAMENTO SOBRE AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA FACULDADE LEGALE TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regulamento visa orientar,

Leia mais

EDITAL FACEPE 14/2008 PROGRAMA DE BOLSAS DE INCENTIVO ACADÊMICO - BIA

EDITAL FACEPE 14/2008 PROGRAMA DE BOLSAS DE INCENTIVO ACADÊMICO - BIA EDITAL FACEPE 14/2008 PROGRAMA DE BOLSAS DE INCENTIVO ACADÊMICO - BIA A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Pernambuco FACEPE convida as universidades públicas de Pernambuco, federais ou estaduais,

Leia mais

REGULAMENTO DE PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAPÍTULO I DO CONCEITO E OBJETIVOS

REGULAMENTO DE PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAPÍTULO I DO CONCEITO E OBJETIVOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PRÓ-REITORIA DE RELAÇÕES EMPRESARIAIS E COMUNITÁRIAS PR REGULAMENTO DE PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO DA CAPÍTULO I DO CONCEITO E OBJETIVOS Art. 1º - A extensão universitária é

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Gama DF fev./2015 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 3 DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO II... 4 DA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES... 4 E SEU APROVEITAMENTO...

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU Nº 05/2009

RESOLUÇÃO CONSU Nº 05/2009 RESOLUÇÃO CONSU Nº 05/2009 Cria o Núcleo de Inovação Tecnológica da UESC - NIT O Presidente do Conselho Universitário CONSU - da Universidade Estadual de Santa Cruz UESC, no uso de suas atribuições, em

Leia mais

1.2.1. Proporcionar ao Corpo Docente a participação de monitores junto ao desenvolvimento de suas disciplinas.

1.2.1. Proporcionar ao Corpo Docente a participação de monitores junto ao desenvolvimento de suas disciplinas. A Coordenação de Pesquisa e Extensão (COPEX) da Faculdade Metropolitana da Grande Recife, em conjunto com a Direção Acadêmica, abre inscrições aos alunos de graduação interessados em participar do Programa

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE MONITORIA DA FACULDADE CATÓLICA DO TOCANTINS PARA A ESCOLA DE AGRÁRIAS 2015/02

EDITAL DE SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE MONITORIA DA FACULDADE CATÓLICA DO TOCANTINS PARA A ESCOLA DE AGRÁRIAS 2015/02 EDITAL DE SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE MONITORIA DA FACULDADE CATÓLICA DO TOCANTINS PARA A ESCOLA DE AGRÁRIAS 2015/02 A Direção Geral da Faculdade Católica do Tocantins, no uso de suas atribuições faz saber

Leia mais

Centro Universitário do Maranhão UNICEUMA CEPE

Centro Universitário do Maranhão UNICEUMA CEPE RESOLUÇÃO Nº 056/2010 Dispõe sobre a admissão à monitoria e seu exercício, e dá outras providências. A Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão do Centro Universitário do Maranhão, no uso

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

REGULAMENTO GERAL DO ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO GERAL DO ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CAPÍTULO I NATUREZA E OBJETIVOS Art. 1º Art. 2º Art. 3º O Estágio Curricular não Obrigatório do Curso de Engenharia

Leia mais

1. CONCEITOS 2. DOS OBJETIVOS DA PRÉ-INCUBAÇÃO

1. CONCEITOS 2. DOS OBJETIVOS DA PRÉ-INCUBAÇÃO Instituto Federal do Espírito Santo IFES Programa de pré-incubação do Núcleo Incubador Campus Colatina e Itapina Edital de Seleção de Empreendimentos de Base Tecnológica - Nº 01/2014 Os Diretores Gerais

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 17/2004

RESOLUÇÃO Nº 17/2004 RESOLUÇÃO Nº 17/2004 Dispõe sobre Estágios na Faculdade de Ciências Biológicas e de Saúde de União da Vitória, da Faculdade de Ciências Exatas e Tecnológicas de União da Vitória e da Faculdade de Ciências

Leia mais

Regulamenta o Programa de Estágio de Estudantes na Câmara Municipal de São Paulo.

Regulamenta o Programa de Estágio de Estudantes na Câmara Municipal de São Paulo. ATO 994/07 Regulamenta o Programa de Estágio de Estudantes na Câmara Municipal de São Paulo. Considerando a Lei Federal nº 6.494, de 07/12/1977, que dispõe sobre o estágio de estudantes de ensino superior,

Leia mais

REGULAMENTO DOLABORATÓRIO DE ENFERMAGEM ANA NERY CAPÍTULO I DO LABORATÓRIO DE ENFERMAGEM

REGULAMENTO DOLABORATÓRIO DE ENFERMAGEM ANA NERY CAPÍTULO I DO LABORATÓRIO DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DOLABORATÓRIO DE ENFERMAGEM ANA NERY CAPÍTULO I DO LABORATÓRIO DE ENFERMAGEM Art.1º - O presente documento estabelece as normas de organização e funcionamento do Laboratório de Enfermagem Ana

Leia mais

Programa Institucional de Pesquisa e Iniciação Científica

Programa Institucional de Pesquisa e Iniciação Científica Programa Institucional de Pesquisa e Iniciação Científica PROGRAMA INSTITUCIONAL DE PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA 1. PROGRAMA O Programa Institucional de Pesquisa e Iniciação Cientifica do Unianchieta

Leia mais