OPERAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO FÍSICA. Marcelo Sucena

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OPERAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO FÍSICA. Marcelo Sucena http://www.sucena.eng.br marcelo@sucena.eng.br sucena@ufrj.br"

Transcrição

1 OPERAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO FÍSICA Marcelo Sucena

2 LOGÍSTICA Dsponblzar os produtos, ao menor custo possível, no momento e no local adequado para os seus clentes.

3 LOGÍSTICA Fonte:revsao-da-matera.blogspot.com

4 EVOLUÇÃO LOGÍSTICA Quebra de Paradgma De funções para Processos De Lucro para Lucratvdade De Produtos para Clentes De Transações para Relaconamentos De Estoque para Informação Conduz a... Gerencamento holístco do fluxo de materas e mercadoras Enfoque no gerencamento de recursos e utlzação de atvos (aumento do Gro) Enfoque nos mercados e no servço ao clente Parceras de co-produção e co-transporte Sstemas de reabastecmento com base na demanda e de resposta rápda Habldades Necessáras Compreensão das oportundades de trade-off entre as áreas funconas Técncas de Contabldade e de controle fnancero Habldade de defnr, medr e gerencar as necessdades de servço por segmento de mercado Técncas de gerencamento de redes e de otmzação. Ex. JIT Famlardade com sstemas de nformações e com a Tecnologa da Informação

5 EVOLUÇÃO LOGÍSTICA Pré-log logístca: gestão voltada para o custo do transporte (redução do frete de frotas contratadas ou redução dos custos operaconas das frotas própras). Admnstração de forma segregada Logístca: Passa-se a consderar prmero os custos dos outros componentes da logístca e em seguda os aspectos relatvos a qualdade e ao nível de servço. Relaconamento entre custos e servços logístcos na cadea logístca Neologístca: Cadea de suprmentos (Supply Chan Management) e reversa << Da matéra prma e fornecedores até o clente fnal e vce-versa, envolvendo a socedade - mpactos socas e ambentas >> Desempenho do sstema em relação ao seu meo, nterna e externamente

6 SCM Supply Chan Management

7 Supply Chan Management - SCM Forma ntegrada de planejar, controlar e otmzar o fluxo de bens e produtos, nformações e recursos desde os fornecedores até o clente fnal, admnstrando as relações logístcas nas cadeas de suprmento e de dstrbução.

8 Supply Chan Management - SCM É suportado pela logístca; Necessta de postura organzaconal; É focado na ntegração de processos; Baseado em dados e nformações; Vsão Sstêmca.

9 SCM x LOGÍSTICA Logístca: coordenação do fluxo de produtos, nformações e atvdades em uma empresa. SCM preocupa-se também m com os movmentos de recursos fnanceros no canal logístco. SCM ntegra 3 dmensões: nformação, coordenação e compartlhamento de recursos e o relaconamento entre organzações.

10 SCM - CONFIGURAÇÕES Canal Tradconal Canal de Suprmento (Insumos) Produção Canal de Dstrbução (Consumdores) Recursos Fnanceros Insumos e Produtos Acabados (Agregação de Valor) Informações EDI (Electronc Data Interchange) MRP (Materal Requerment Plannng) MRP II (Manufacturng Resources Plannng) ERP (Enterprse Resource Plannng)

11 SCM COMPONENTES Canal Tradconal Canal de Suprmento Compra Produção Venda Canal de Dstrbução Demanda Demanda Fontes Fornecedores Processadores Dstrbudores Varejstas Consumdores

12 SCM - INTEGRAÇÃO DE PROCESSOS Canal de Suprmento Produção Consumdor Fnal Depóstos de acabados Prevsão de vendas PCP Montagem Clentes Produção de componentes Estoque de componentes Estoque de componentes Fornecedores Abastecmento Capacdade

13 SCM - SUPRIMENTO E DISTRIBUIÇÃO DISTRIBUIÇÃO FÍSICA F - REDE Clente 1 Fornecedor 3 Fornecedor 1 CD CD Fábrca 1 Fábrca 2 Clente 3 Fornecedor 2 Clente 2

14 SCM - SUPRIMENTO E DISTRIBUIÇÃO DEFINIÇÕES IMPORTANTES O Centro de Dstrbução (CD) - dferente do armazém geral são pólos geradores de carga e tem como fnaldade prncpal gerencar o fluxo de produtos e nformações assocadas, consoldando estoques e processando peddos para a dstrbução físca. Ou seja, maxmza o nível de servço para o consumdor. Serve também para a customzação de produtos, nclundo embalagem, etquetagem e precfcação, entre outras mportantes atvdades. A 1 B CD 2 C 3

15 SCM - SUPRIMENTO E DISTRIBUIÇÃO DEFINIÇÕES IMPORTANTES Transt Pont: dferem do CD por não apresentarem estoque e devdo aos produtos que chegam já terem destno determnado. Fornecedor Separação Clente A Clente B Clente C

16 SCM - SUPRIMENTO E DISTRIBUIÇÃO DEFINIÇÕES IMPORTANTES Cross Dockng: parecdo com Transt Pont, exceto que são város fornecedores atendendo a város clentes. Consste em receber mercadoras consoldadas, separá-las e recarregar os veículos de manera que cada um sga para um únco destno. Fornecedor A Fornecedor B Separação // Consoldação Clente A Clente B Clente C

17 SCM - SUPRIMENTO E DISTRIBUIÇÃO DEFINIÇÕES IMPORTANTES Merge n Transt: consderada com extensão do Cross Dockng assocado a técnca Just-n-Tme, objetvando a montagem dos produtos ao longo da cadea de dstrbução. Fornecedor A Fornecedor B Montagem de de Produtos Clente A Clente B Clente C

18 SCM - SUPRIMENTO E DISTRIBUIÇÃO DEFINIÇÕES IMPORTANTES Break Bulk: recebe produtos de város fabrcantes que envam suas cargas consoldadas, para atender a dversos clentes. O termnal de Break Bulk separa os peddos ndvduas e provdenca as entregas. Fornecedor A Fornecedor B Separação Clente A + B + C

19 SCM VISÃO SISTÊMICA PLANEJAMENTO ESTRUTURADO E ENFOQUE HOLÍSTICO Depos do níco da operação é dfícl alterar o funconamento, pos estão envolvdos város v atores e acordos comercas.

20 VISÃO DOS TÉCNICOS T EM LOGÍSTICA DISTRIBUIÇÃO FÍSICAF Foco no movmento físco Depóstos (localzação) Veículos (movmentação) Polítca de Estoques (característca do veículo) Equpamentos auxlares (carga, descarga, movmentação etc.)

21 VISÃO DO MARKETING E VENDAS Departamento de Vendas Atacadsta Varejo CANAL DE DISTRIBUIÇÃO Foco no comercalzação de produtos e servços assocados Servços pós-vendas (montagem, ass.técnca)

22 SCM VISÃO SISTÊMICA O PLANEJAMENTO É INICIADO PELA VISÃO DO CANAL DE DISTRIBUIÇÃO PARA IDENTIFICAÇÃO DOS DESLOCAMENTOS FÍSICO-ESPACIAIS QUE OS PRODUTOS SERÃO SUBMETIDOS. DEFINE-SE, ASSIM, O SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO FFÍSICA.

23 SCM VISÃO SISTÊMICA Em comum com as vsões do técnco t em logístca e das áreas de marketng e vendas... Tecnologa da Informação e Gestão da Informação

24 SCM VISÃO SISTÊMICA Integração de Dados e Informações com Fornecedores, Clentes, Operadores Logístcos e Governo: EDI (Electronc Data Interchange). Gerencamento dos fluxos de trabalho: Workflow Reposção automátca tca de produtos no ponto de venda: ECR (Effcent Consumer Response) Integração com outros processos empresaras: Assocação com o PCP: ERP (Enterprse Resource Plannng) MRP (Materal Requerment Plannng) MRP II (Manufacturng Resources Plannng) Vínculo com a gestão de estoques: WMS (Warehouse Management System)

25 ÁREA DE ANÁLISE Canal de Suprmento Produção Canal de Dstrbução Dstrbução Físca

26 CANAL DE DISTRIBUIÇÃO

27 CANAL DE DISTRIBUIÇÃO QUESTIONAMENTOS E IMPACTOS Como os produtos e servços deverão ser dsponblzados aos consumdores? Que tpos de servços devem ser oferecdos aos consumdores fnas para assegurar a sua satsfação? Que tpos de atvdades deverão ser desempenhadas para atngr essa necessdade de servço? Quem será o responsável por eles? Que tpos de empresas estão nas melhores posções para desempenhar essas atvdades? Quas as ações que devemos ter em conjunto com as empresas da rede?

28 CANAL DE DISTRIBUIÇÃO QUESTIONAMENTOS PLAN. ESTRATÉGICO Quantos depóstos devem ser utlzados? Quas as localzações deles? Qual é a área físca que deve estar dsponível nos depóstos? Qual o mercado que deve ser suprdo por este depósto? Quas depóstos devem ser abastecdos por quas fábrcas, e quas tens?

29 CANAL DE DISTRIBUIÇÃO QUESTIONAMENTOS PLAN. ESTRATÉGICO Quantos depóstos devem ser utlzados? Quas as localzações deles? Qual é a área físca que deve estar dsponível nos depóstos? Qual o mercado que deve ser suprdo por este depósto? Quas depóstos devem ser abastecdos por quas fábrcas, e quas tens? A resposta a estas questões afeta os custos dos transportes, estoque e processamento de peddos.

30 CANAL DE DISTRIBUIÇÃO ATORES ATACADISTA: regulador da produção,adqurndo as mercadoras do fabrcante para revendê-las a varejstas. Dependendo do seu contrato com o fabrcante por ser exgdo peddo de compra mínmo. DISTRIBUIDOR: geralmente é agente do fabrcante encarregado de ações de logístca, armazenagem e dstrbução, sem assumr a propredade dos bens nem realzar transções comercas.

31 CANAL DE DISTRIBUIÇÃO ATORES REPRESENTANTE COMERCIAL: agente comssonado, encarregado exclusvamente das transações comercas em nome do fabrcante. VENDEDOR: vendedor do fabrcante, agndo na atuação de um atacadsta realzando vendas para este, com o objetvo de mpulsoná-las em sua área de atuação. VAREJISTA: responsável pelo elo fnal da cadea, repassando os produtos ao consumdor fnal.

32 CANAL DE DISTRIBUIÇÃO VISÃO DISTRIBUÍDA DA REPRESENTANTE DISTRIBUIDOR TRANSPORTE ATACADISTA VAREJISTA VENDEDOR

33 CANAL DE DISTRIBUIÇÃO - OBJETIVOS OS MAIS COMUNS: Garantr a rápda r dsponbldade de produtos nos locas certos e no momento certo; Maxmzar as vendas. P.e.: parceras entre fabrcantes e varejstas que permtam a exposção mas adequada dos produtos nas lojas; Intensfcar a cooperação entre os partcpantes do canal. P.e.: defnção de lote mínmo m de peddo de produto, uso ou não de equpamentos de untzação (nterfere no tempo de cclo); Garantr o nível n de servço o pré-estabelecdo entre os parceros; Garantr o fluxo de nformações de forma rápda r e precsa entre os parceros; Buscar, de forma ntegrada entre os parceros, a redução de custos.

34 CANAL DE DISTRIBUIÇÃO - CLASSIFICAÇÃO MEMBROS PRIMÁRIOS São aqueles que partcpam dretamente, assumndo o rsco pela posse do produto. São eles: fabrcantes, atacadstas, dstrbudor e varejsta. MEMBROS SECUNDÁRIOS São aqueles que partcpam ndretamente, prestando servços aos membros prmáros, não assumndo o rsco pela posse do produto. São eles: transporte, armazenagem, prestadores de servços logístcos.

35 CANAIS VERTICAIS Onde a responsabldade é transferda de de um parcero para outro, como em uma corrda de de revezamento. Armazém do Atacadsta (Concentrador) Varejsta (Estoque da Loja)

36 CANAIS HÍBRIDOSH São canas onde o fabrcante mantém m sobre o seu controle o relaconamento com grandes clentes, por exemplo, mas dexa para os os dstrbudores as as funções de de atendmento e entrega. Padrão Híbrdo Função:Geração de demanda DISTRIBUIDOR Padrão Vertcal Funções parcas Funções ntegras

37 CANAIS MÚLTIPLOSM São canas que oferecem mas de de uma opção para o consumdor. P.e.: venda na na loja, na na nternet e dreto da da fábrca. Venda Dreta / / Internet Custo menor Consumdor com com conhecmento aprofundado sobre o produto. Na Na Loja Loja Custo maor Maores nformações para o consumdor que que não não detém m conhecmento técnco sobre o produto.

38 CANAL DE DISTRIBUIÇÃO 1) PROPRIEDADES - EXTENSÃO Defnda pela quantdade de níves ntermedáros, desde a manufatura até o consumdor fnal. CONFIGURAÇÕES MAIS COMUNS CANAL DE NÍVEL ZERO Venda por vendedores própros, catálogos, nternet etc.

39 CANAL DE DISTRIBUIÇÃO 1) PROPRIEDADES EXTENSÃO (CONTINUAÇÃO) CANAL DE UM NÍVEL Varejsta Venda para grandes cadeas de suprmento CANAL DE DOIS NÍVEIS Atacadsta Varejsta Mercados e pequenos varejos COM COM MAIS MAIS NÍVEIS NÍVEIS NÃO NÃO É COMUM.

40 CANAL DE DISTRIBUIÇÃO 2) PROPRIEDADES - AMPLITUDE Defnda pela quantdade de empresas que atuam na cadea de suprmentos. CONFIGURAÇÕES MAIS COMUNS DISTRIBUIÇÃO EXCLUSIVA Quando uma empresa atua soznha na regão demarcada pelo fabrcante do produto, fazendo com que o produtor tenha controle total sobre a dstrbução. Ex.: autorzada de veículos.

41 CANAL DE DISTRIBUIÇÃO 2) PROPRIEDADES AMPLITUDE (CONTINUAÇÃO) DISTRIBUIÇÃO SELETIVA Mas de uma empresa atua em cada nível, mas de forma controlada. Quando o produto é dsponblzado para poucos varejos, normalmente pelo prestígo do local. Ex.: perfumara, relógos. DISTRIBUIÇÃO INTENSIVA Mas de uma empresa atua em cada nível, com atuação lvre.

42 CANAL DE DISTRIBUIÇÃO DEFINIÇÃO PARA PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO 6 ETAPAS ETAPA 1: Defnção dos segumentos homogêneos de clentes. Agrupamento dos clentes com necessdades e preferêncas semelhantes em um mesmo canal de dstrbução. ETAPA 2: Identfcação e prorzação das funções. Funções Típcas 1- Informações sobre os produtos: nformações melhores e mas rápdas para os clentes. 2- Customzação do produto: modfcações dos produtos para adaptação aos város clentes fnas. Questões ambentas, tecnológcas, relgosas etc. determnam adaptações específcas. Ex.: carros, almentos.

43 CANAL DE DISTRIBUIÇÃO DEFINIÇÃO PARA PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO 6 ETAPAS ETAPA 2: Identfcação e prorzação das funções. (CONTINUAÇÃO) Funções Típcas 3- Afrmação da qualdade do produto: atestado explctando a qualdade do produto, além do regstro da garanta normal. Ex.: remédos. 4- Tamanho do lote: está assocada ao desembolso de recursos, pos mplca na forma da embalagem e da quantdade de produtos. Ex.: quantdade grande >> paletes plastfcados quantdade pequena >> caxa de papelão

44 CANAL DE DISTRIBUIÇÃO DEFINIÇÃO PARA PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO 6 ETAPAS ETAPA 2: Identfcação e prorzação das funções. (CONTINUAÇÃO) Funções Típcas 5- Varedade: dependendo do ponto de venda e da demanda local, pode-se necesstar de város tpos específcos do mesmo produto. Ex.: tensão elétrca: para uns lugares somente 127V, para outros 127V e 220V. 6- Dsponbldade: dependendo do local onde é oferecdo o produto, pode-se necesstar de tamanhos dferentes (ou embalagens dferentes) de um certo produto. Ex.: local com renda maor exge maor dversfcação das embalagens.

45 CANAL DE DISTRIBUIÇÃO DEFINIÇÃO PARA PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO 6 ETAPAS ETAPA 2: Identfcação e prorzação das funções. (CONTINUAÇÃO) Funções Típcas 7- Servços pós-venda: nstalação, manutenção preventva, consertos, regstros de reclamações etc.. 8- Logístca: os sete tens anterores afetam dretamente a logístca da empresa. Interfere nas programações de vstas técncas, no cadastramento das reclamações, no montoramento das nformações, no transporte, na armazenagem.

46 CANAL DE DISTRIBUIÇÃO DEFINIÇÃO PARA PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO 6 ETAPAS ETAPA 3: Benchmarkng Prelmnar Confronto do projeto do canal de dstrbução com as melhores prátcas dos concorrentes, avalando-se o nível de satsfação sob a ótca do clente da cadea de suprmentos (clentes nternos e externos). ETAPA 4: Revsão do Projeto Os resultados das etapas 2 e 3 servem de balzamento para formação de alternatvas possíves. Essas alternatvas devem estar calcadas nos objetvos da empresa.

47 CANAL DE DISTRIBUIÇÃO DEFINIÇÃO PARA PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO 6 ETAPAS ETAPA 5: Custos e Benefícos São avalados, de forma sstemátca, os custos e benefícos assocados a cada opção da etapa anteror. Pode-se, também, estmar nesta etapa o market share e os nvestmentos prevstos para cada alternatva. ETAPA 6: Integração com as atvdades atuas da empresa. Para as empresas que já estão no mercado com outros produtos, fazse necessára a ntegração do projeto da etapa anteror com os canas exstentes.

48 DISTRIBUIÇÃO FÍSICAF

49 DISTRIBUIÇÃO FÍSICAF DEFINIDOS OS CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO, TORNA- SE NECESSÁRIO DETALHAR O PROCESSO LOGÍSTICO NA PRÁTICA. OBJETIVO PRIMÁRIO DA DISTRIBUIÇÃO FÍSICA Dsponblzar os produtos certos, nos lugares certos, pelo menor custo possível. Na Dstrbução Físca cobre-se todos os segmentos que vão desde a saída do produto da fábrca até a entrega ao clente fnal.

50 DISTRIBUIÇÃO FÍSICAF COMPONENTES Instalações Físcas (CDs e armazéns); Estoque; Veículos; Dados e Informações; Software e Hardware; GI e TI Custos; Pessoal (peopleware).

51 DISTRIBUIÇÃO FÍSICAF COMPONENTES Instalações Físcas (CDs e armazéns): Espaço destnado ao abrgo das mercadoras até que sejam transferdas ou entregues aos clentes fnas. São provdas de facldades para descarga de produtos, transporte nterno e carregamento dos veículos de dstrbução.

52 DISTRIBUIÇÃO FÍSICAF COMPONENTES Estoques: Usa, de forma ntensva, tecnologas de gestão para mnmzar o seu quanttatvo. Exemplos: MRP Materal Resource Plannng MRPII Manufacturng Resource Plannng ERP Enterprse Resource Plannng Em nível de manufatura JIT Just n Tme ECR Effcent Consumer Response Quck Response Em nível de varejo

53 DISTRIBUIÇÃO FÍSICAF COMPONENTES Veículos: Dependendo da parte avalada do Canal de Dstrbução, podem ser utlzados veículos menores (freqüênca maor das entregas com menor quantdade por vagem p.e.: do varejsta ou atacadsta) ou maores (freqüênca menor das entregas com maor quantdade por vagem p.e.: da fábrca para outros)

54 DISTRIBUIÇÃO FÍSICAF COMPONENTES Dados, nformações, software e hardware: Dão suporte à toda cadea INTEGRADA. GIS Geographc Informaton System, EDI (Electronc Data Interchange), Roterzadores, Cadastros com Regstros Operaconas (mn mundo), ERP, MRP, MRPII.

55 DISTRIBUIÇÃO FÍSICAF COMPONENTES Dados, nformações, software e hardware: EDI (Electronc Data Interchange)

56 DISTRIBUIÇÃO FÍSICAF COMPONENTES Custos: Dspor de uma estrutura de custos é fundamental para ser compettvo. São mutas as varáves que podem mplcar no aumento dos custos. Para cargas untáras: geralmente os custos são defndos pela dstânca percorrda. Para cargas fraconadas: entregas para clentes dferentes em locas dferentes mplcam em varantes maores para os custos. Avala-se a dstânca percorrda, os tempos de transporte e de descarga. Uso da técnca ABC (Actvty Based Costng) faclta a apropração

57 DISTRIBUIÇÃO FÍSICAF COMPONENTES Pessoal: capactação, nstrução e seguranças ambental e empresaral.

58 DISTRIBUIÇÃO FÍSICAF SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO FÍSICAF Sstema 1 para 1: É denomnado Transferênca de Produto. Veículo sa completo da fábrca ou do CD para destno únco (cubagem ou massa completa). Sstema 1 para : Veículo sa do varejsta para váras entregas.

59 DISTRIBUIÇÃO FÍSICAF SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO FÍSICAF Fatores que nfluencam o Sstema 1 para 1

60 DISTRIBUIÇÃO FÍSICAF SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO FÍSICA F - 1p/1 Dstânca: condcona a escolha do tpo de veículo, o dmensonamento da frota, o custo e o frete; Velocdade méda operaconal: velocdade méda da orgem até o seu retorno, descontados os tempos de carga, descarga e espera; Tempo de carga e descarga: tempo total somando-se a pesagem, conferênca, emssão de documentos e nas operações em s; Tempo porta a porta: avala-se o tempo total de cclo e a varabldade; Quantdade ou volume transportado: consderar a sazonaldade;

61 DISTRIBUIÇÃO FÍSICAF SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO FÍSICA F - 1p/1 Carga de retorno: nfluenca na formação do frete; Densdade: afeta a escolha do tpo de veículo e, por conseqüênca, o custo do transporte. Geralmente cargas de baxo valor agregado lotam o veículo pelo volume e não pela massa; Dmensão das embalagens: afetam ao transporte a carga e a descarga. Cargas com dmensões varadas tal como tubos e sofás, são de dfícl acondconamento;

62 DISTRIBUIÇÃO FÍSICAF SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO FÍSICA F - 1p/1 Valor Untáro: pode mplcar no uso de veículos especas, com questos de segurança e montoramento adequados e, geralmente, caros; Forma de Acondconamento e Grau de fragldade: afetam ao transporte a carga e a descarga; Grau de perculosdade: tem mplcação na dstrbução dos produtos, prncpalmente no que consta às questões ambentas; Compatbldade entre produtos: reação entre produtos dferentes; Custo global: a tendênca é que o custo por undade de produto seja menor que no sstema 1 para.

63 DISTRIBUIÇÃO FÍSICAF SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO FÍSICAF Fatores que nfluencam o Sstema 1 para

64 DISTRIBUIÇÃO FÍSICAF SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO FÍSICA F - 1p/ Dvsão da regão a ser atendda em zonas de entrega sendo que cada uma é atendda por um veículo; Dstânca entre o CD e a zona de entrega; Velocdade operaconal méda: consdera-se a dstnção entre a velocdade do CD até a zona e dentro da zona; Tempo de parada em cada destno; Tempo de cclo (CD a CD); Perodcdade das vstas aos clentes; Quantdade de carga a transportar; Densdade da carga a transportar;

65 DISTRIBUIÇÃO FÍSICAF SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO FÍSICA F - 1p/ Dmensão da carga; Valor untáro; Acondconamento: carga solta, paletzada, granel etc.); Grau de fragldade; Grau de perculosdade; Compatbldade entre produtos dversos; Custo Global.

66 DISTRIBUIÇÃO FÍSICAF SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO FÍSICA F - 1p/ Dmensão da carga; Valor untáro; Acondconamento: carga solta, paletzada, granel etc.; Grau de fragldade; Grau de perculosdade; Compatbldade entre produtos dversos; Custo Global.

67 VEÍCULOS

68 VEÍCULOS FATORES PARA ESCOLHA Dstânca da Zona até o CD; Quantdade de clentes vstados por área (km 2 ) na Zona; Tempo médo de parada em cada clente; Quantdade méda de carga entregue em cada vsta; Velocdade méda do percurso Característca físca do percurso. Obs.: Por outro lado, o rotero pode fcar modfcado devdo à capacdade do veículo ou pelo tempo dsponível dentro da jornada de trabalho.

69 VEÍCULOS AVALIAÇÃO DE PRODUTIVIDADE Para otmzar a produtvdade e reduzr os custos de transferênca, é necessáro utlzar plenamente a capacdade de carga dos veículos (economa de escala) durante o maor número de horas possíves dentro da sua jornada de trabalho. A produtvdade é lmtada por alguns desses fatores : Osclações na demanda; Demoras no descarregamento, devdo a flas de espera; Problemas de tráfego; Quebra do veículo.

70 VEÍCULOS AVALIAÇÃO DE PRODUTIVIDADE Não basta controlar tempos e custos. É necessáro estabelecer padrões de desempenho com os quas se possam comparar os resultados. Esses padrões podem ser: Físcos: número de vagens possíves, capacdade de carga do veículo, toneladas/homem/hora etc.; Econômcos: custo da tonelada manuseada, custo operaconal do veículo etc..

71 VEÍCULOS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Coefcente de Utlzação da Frota (CUF) Vagens (ou qulômetros percorrdos) efetvamente realzadas Vagens (ou qulômetros percorrdos) que sera possível realzar Obs.: Avalado em condções normas, sto é, sem a ocorrênca de qualquer fator de mprodutvdade.

72 VEÍCULOS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Coefcente de Utlzação da Frota (CUF) Cálculos Parcas TV = t r + t c + t d + d v TV: tempo de cada vagem t r : tempo morto (refeções, descanso, lanche e outras necessdades do motorsta) t c : tempo de carga t d : tempo de descarga d: dstânca a percorrer v: velocdade méda do percurso

73 VEÍCULOS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Coefcente de Utlzação da Frota (CUF) Cálculos Parcas H m n= TV Dsponbldade do Veículo n: quantdade padrão de vagens durante o período H: jornada (tempo) dsponível para o veículo durante o período m: tempo para manutenção do veículo durante o período

74 VEÍCULOS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO - Exemplo Uma empresa trabalha durante 22 das por mês e 12 horas por da, utlzando cavalos que traconam carretas com capacdade para 25 t, num percurso de 800 km, no qual o veículo pode desenvolver 70 km/h. Calcular o número de vagens-padrão durante o mês, admtndo-se um da útl parado por mês para manutenção preventva, que as paradas na estrada representam 20% de acréscmo no tempo da vagem, que o carregamento consome 0,18 h/t e que o descarregamento leva 0,16 h/t. Dspon. = H m (22-1) x 12 n = 1,20(800 70) + (0,18 x 25) + (0,16 x 25) 252 horas / mês = = 12 vagens/mês 22 horas / vagem TV = t r + t c + t d + (d v) Se este últmo veículo realzou, durante o mês, 10 vagens o seu coefcente de utlzação será: CUF = 100 x (10 / 12) = 83,3 %

75 VEÍCULOS REDUÇÃO DO TEMPO DE VIAGEM Uso de TI; Utlzação de carroçaras adequadas para cada operação (ex.: furgões lonados, furgões com portas roll-up etc.); Untzação de cargas; Utlzação do sstema cavalo carretas ou carroçaras ntercambáves; Mecanzação da carga e descarga; Embalagem da carga de forma a aglzar as operações; Locas adequados de carga e descarga.

76 VEÍCULOS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Coefcente de Rendmento da Frota (CRF) Carga efetvamente transportada Capacdade dsponível Exemplo: Um camnhão com capacdade para 14 t vaja com 11 t. Sendo assm o CRF neste caso é de 78,6% neste vagem. Quando se lota a cubagem do veículo antes de completar a sua capacdade em massa, é convenente comparar o volume oferecdo com o volume efetvamente transportado.

77 VEÍCULOS REDUÇÃO DA OCIOSIDADE DE MASSA (OU VOLUME) Projetos adequados com a capacdade do veículo e com a dsponbldade da carga; Uso de veículos combnados; Redução do peso morto (carrocera mas leve, rodas de alumíno etc.).

78 VEÍCULOS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Coefcente de Efcênca Geral da Frota (CEGF) Toneladas.qulômetro transportada Toneladas.qulômetro dsponível CEGF n = 1 = n = 1 t. p c. p = ordem da vagem t = carga transportada pelo camnhão na -ésma vagem (tonelada) p = percurso da -ésma vagem (qulômetro) c = capacdade de carga do camnhão utlzado na -ésma vagem (tonelada)

79 VEÍCULOS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO - Exemplo Vagem Capac.(c) (t) Carga (t) (t) Percurso (p) (km) Carga tonel.km Capacd. tonel.km 1 13,0 9, ,0 21, ,0 16, ,0 11, ,0 22, ,0 16, ,0 23, ,0 10, ,0 17, ,0 23, Somatóros Utlzação méda da capacdade da frota 0,8416 Ocosdade méda da frota (complemento) 0,1584

80 VEÍCULOS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Coefcente de Efcênca Geral Volumétrca da Frota (CEGFV) = ordem da vagem Volume.qulômetro transportado dsponível Volume.qulômetro dspon n CEGFV = 1 = n = 1 t. p c. p t = volume transportado pelo camnhão na -ésma vagem (m 3 ) p = percurso da -ésma vagem (qulômetro) c = volume de carga do camnhão utlzado na -ésma vagem (m 3 )

81 VEÍCULOS TEMPO DE CICLO T c = 2d V d V z z + t p 60 q T c = Tempo de cclo V o = Velocdade méda no percurso entre a zona e o depósto e vceversa (km/h) V z t p = Velocdade méda do percurso dentro da zona de entrega (km/h) = Tempo médo de parada em cada ponto vstado (h) d o = Dstânca entre o depósto e a zona (km) d z = Dstânca total percorrda dentro da zona (km) q = Quantdade de pontos atenddos por zona

82 LOCALIZAÇÃO E ROTEAMENTO

83 LOCALIZAÇÃO

84 LOCALIZAÇÃO Posconar nstalações fxas ao longo da rede logístca é um problema mportante de decsão que dá formato, estrutura e forma ao sstema logístco ntero. As decsões de localzação envolvem, por exemplo, a determnação: da quantdade do produto a dstrbur; da localzação propramente dta e do tamanho das nstalações a serem usadas.

85 LOCALIZAÇÃO REDE DE DISTRIBUIÇÃO Instalações Fxas ncluem pontos nodas na rede, como plantas, portos, fornecedores, armazéns, flas de varejo e centros de servço, ou seja, pontos na rede logístca onde os produtos param temporaramente no seu camnho até os consumdores fnas.

86 LOCALIZAÇÃO REDE DE DISTRIBUIÇÃO Rede é a representação físcoespacal dos pontos de orgem e destno das mercadoras, bem como de seus fluxos e demas aspectos relevantes, de forma a possbltar a vsualzação do sstema de dstrbução no seu todo.

87 LOCALIZAÇÃO A localzação das facldades determna em grande parte: O tempo de entrega; O tempo de reposção; Os fluxos que vão passar pelos armazéns; Quas produtos devem ser entregues a quas clentes dretamente a partr de determnado ponto de suprmento, e quas devem ser entregues através do sstema de depósto; Quando e em que quantdade deve ser reposto o estoque dos armazéns; Que tpo de transporte deve ser utlzado; Deve-se utlzar frota própra ou de terceros; Quas meos de transmssão e processamento de peddos devem ser utlzados.

88 LOCALIZAÇÃO REDE DE DISTRIBUIÇÃO - DECISÕES As decsões de localzação buscam: 1- mnmzar custos com logístca e operações; 2- maxmzar o nível de servço e as recetas das operações. Dependem: 1 - da demanda de bens e servços e; 2 - da oferta de nsumos para a operação.

89 LOCALIZAÇÃO CLASSIFICAÇÃO DOS PROBLEMAS DE LOCALIZAÇÃO Por força dreconadora; Por número de nstalações; Por escolhas dscretas; Por grau de agregação de dados; Por horzonte de tempo.

90 LOCALIZAÇÃO OS PROBLEMAS DE LOCALIZAÇÃO POR FORÇA DIRECIONADORA Basea-se em fatores crítcos, tas como: localzação da planta e do armazém: os fatores econômco-fnanceros são domnantes; localzação do varejo: rendmento gerado é o fator determnante; localzação de prestadora de servço (hosptal, caxas automátcos de bancos): geralmente a acessbldade ao local é o fator domnante.

91 LOCALIZAÇÃO OS PROBLEMAS DE LOCALIZAÇÃO POR NÚMERO DE INSTALAÇÕES Instalação únca: geralmente o custo de transporte é o fator preponderante para a análse. Váras Instalações: consderar forças compettvas de demanda entre nstalações, efetos de consoldação de estoque, e custos de nstalações.

92 LOCALIZAÇÃO OS PROBLEMAS DE LOCALIZAÇÃO POR ESCOLHAS DISCRETAS Utlza sstema de coordenadas, eucldanas e retangulares, para localzar as facldades geografcamente, de tal forma que se obtenha, ao fnal, as coordenadas de uma nstalação únca.

93 LOCALIZAÇÃO OS PROBLEMAS DE LOCALIZAÇÃO POR ESCOLHAS DISCRETAS cont. Na métrca eucldana, a dstânca geométrca entre dos pontos corresponde à menor dstânca possível entre os pontos A e B, por exemplo, com coordenadas (X A, Y A ) e (X B, Y B ), respectvamente, ou seja, a dstânca em lnha reta.

94 LOCALIZAÇÃO OS PROBLEMAS DE LOCALIZAÇÃO POR ESCOLHAS DISCRETAS cont. Na métrca retangular avalase a dstânca pelas possíves lgações (sem retorno), ao longo da rede, entre os pontos A e B, por exemplo. No mapa a segur há números camnhos entre A e B. Um deles representado pelos segmentos AC e CB; outro pelos segmentos AD, DE, EF, FB. Observar o avanço no mesmo sentdo, sem retrocesso.

95 LOCALIZAÇÃO OS PROBLEMAS DE LOCALIZAÇÃO POR GRAU DE AGREGAÇÃO DE DADOS Agrupamento de dados, de forma lógca e raconal, para subsdar a localzação de facldades. Esse método permte precsão lmtada, e é mas dreconado para a localzação em áreas geografcamente amplas, tas como cdades e muncípos.

96 LOCALIZAÇÃO OS PROBLEMAS DE LOCALIZAÇÃO POR HORIZONTE DE TEMPO Esses métodos de localzação podem ser classfcados de forma estátca ou dnâmca. Os métodos estátcos localzam facldades tomando por base dados de um únco período de tempo. Entretanto, os planos de localzação podem cobrr mutos anos de uma só vez, especalmente se as nstalações representam um nvestmento fxo e os custos de movmentação de um local para outro são altos.

97 LOCALIZAÇÃO OS PROBLEMAS DE LOCALIZAÇÃO MÉTODO DO CENTRÓIDE Utlzado para localzação de nstalação únca, consderando-se que a taxa de transporte (custo por undade transportada) e o volume do ponto sejam os úncos fatores determnantes da localzação. Este modelo é classfcado como um modelo estátco contínuo de localzação. Consste em aplcar um sstema de coordenadas, eucldana ou retangular, a pontos em um espaço contínuo, de tal forma que se obtenha, ao fnal, as coordenadas da nstalação.

UNIDADE I FUNDAMENTOS DA LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO

UNIDADE I FUNDAMENTOS DA LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO UNIDADE I FUNDAMENTOS DA LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO 1) CONCEITOS O dconáro Mchaels refere-se a Logístca como uma cênca mltar que trata do alojamento, equpamento e transporte de tropas, produção, dstrbução,

Leia mais

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura Análse logístca da localzação de um armazém para uma empresa do Sul Flumnense mportadora de alho n natura Jader Ferrera Mendonça Patríca Res Cunha Ilton Curty Leal Junor Unversdade Federal Flumnense Unversdade

Leia mais

Estudo para Implementação de um Sistema de Roteirização e um Novo Centro de Distribuição para uma Empresa de Água Mineral do Sul de Minas Gerais

Estudo para Implementação de um Sistema de Roteirização e um Novo Centro de Distribuição para uma Empresa de Água Mineral do Sul de Minas Gerais Estudo para Implementação de um Sstema de Roterzação e um Novo Centro de Dstrbução para uma Empresa de Água Mneral do Sul de Mnas Geras Ilton Curty Leal Junor ltoncurty@gmal.com UFF Dego de Olvera Pexoto

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

Decisões de localização das instalações. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT

Decisões de localização das instalações. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Decsões de localzação das nstalações Professor: Leandro Zvrtes UDESC/CCT Introdução Localzar nstalações fxas ao longo da rede da cadea de suprmentos é um mportante problema de decsão que dá forma, estrutura

Leia mais

8 Indicadores de desempenho na cadeia de suprimentos

8 Indicadores de desempenho na cadeia de suprimentos 8 Indcadores de desempenho na cadea de suprmentos 8.1 O desafo da mensuração O estabelecmento de ndcadores de desempenho do supply chan management está sueto à estrutura da cadea, seus elos e partcpantes

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é:

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é: UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI A REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS Ademr José Petenate Departamento de Estatístca - Mestrado em Qualdade Unversdade Estadual de Campnas Brasl 1. Introdução Qualdade é hoje

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca nº 256/2009-SRE/ANEEL Brasíla, 29 de julho de 2009 METODOLOGIA E ÁLULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca n o 256/2009 SRE/ANEEL Em 29 de julho de 2009. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA ",, 1," ;,,," 1, C?5lMnstérO Públco do "':'1"') Trabalho PRT 23,! Superlntenrlenca RegonaJ do Ma:toGro$So!! (', ' \_ \ '1 j t t' 1 PROJETO: Qualfcação e Renserção Profssonal dos Resgatados do Trabalho

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

Localização. Perspectiva histórica

Localização. Perspectiva histórica Localzação Decsões de localzação envolvem determnar : Quantas facldades (tas como: fábrcas, portos, depóstos, armazéns, centros de servço) deve a companha possur? De que tamanho e onde devem estar elas

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização Gestão de Obras Públcas Aula 2 Profa. Elsamara Godoy Montalvão Organzação da Aula Tópcos que serão abordados na aula Admnstração e Gestão Muncpal Problemas Admnstração e Gestão Muncpal Gestão do Conhecmento

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DO FLUXO REVERSO DE PNEUS INSERVÍVEIS ATRAVÉS DE UM MODELO DE LOCALIZAÇÃO DE FACILIDADES: UM ESTUDO DE CASO

OTIMIZAÇÃO DO FLUXO REVERSO DE PNEUS INSERVÍVEIS ATRAVÉS DE UM MODELO DE LOCALIZAÇÃO DE FACILIDADES: UM ESTUDO DE CASO OTIMIZAÇÃO DO FLUXO REVERSO DE PNEUS INSERVÍVEIS ATRAVÉS DE UM MODELO DE LOCALIZAÇÃO DE FACILIDADES: UM ESTUDO DE CASO Felpe Mendonca Gurgel Bandera (UFERSA) felpembandera@hotmal.com Breno Barros Telles

Leia mais

LOGÍSTICA. Capítulo - 8 Armazenamento. Mostrar como o armazenamento é importante no sistema logístico

LOGÍSTICA. Capítulo - 8 Armazenamento. Mostrar como o armazenamento é importante no sistema logístico O Papel da Logístca na Organzação Empresaral e na Economa LOGÍSTICA Capítulo - 8 Objectvos do Capítulo Mostrar como o armazenamento é mportante no sstema logístco Identfcação dos prncpas tpos de armazenamento

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

CAPÍTULO I 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO I 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO I INTRODUÇÃO No mundo globalzado e etremamente compettvo em que as empresas dsputam espaço, clentes, reconhecmento e acma de tudo, condções de permanecer compettvas e lucratvas no mercado, é fundamental

Leia mais

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado Varabldade Espacal do Teor de Água de um Argssolo sob Planto Convenconal de Fejão Irrgado Elder Sânzo Aguar Cerquera 1 Nerlson Terra Santos 2 Cásso Pnho dos Res 3 1 Introdução O uso da água na rrgação

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001 Sstemas de Flas: Aula 5 Amedeo R. Odon 22 de outubro de 2001 Teste 1: 29 de outubro Com consulta, 85 mnutos (níco 10:30) Tópcos abordados: capítulo 4, tens 4.1 a 4.7; tem 4.9 (uma olhada rápda no tem 4.9.4)

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

UNIDADE I SISTEMAS DE ARMAZENAGEM E MANUSEIO

UNIDADE I SISTEMAS DE ARMAZENAGEM E MANUSEIO UNIDADE I SISTEMAS DE ARMAZENAGEM E MANUSEIO Ballou (1993) defne Armazenagem como à admnstração do espaço necessáro para manter estoques. Envolve váras vertentes adconas, tas como localzação, dmensonamento

Leia mais

Elaboração: Novembro/2005

Elaboração: Novembro/2005 Elaboração: Novembro/2005 Últma atualzação: 18/07/2011 Apresentação E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos referentes às Cédulas

Leia mais

UNIDADE I SISTEMAS DE ARMAZENAGEM E MANUSEIO

UNIDADE I SISTEMAS DE ARMAZENAGEM E MANUSEIO UNIDADE I SISTEMAS DE ARMAZENAGEM E MANUSEIO Ballou (1993) defne Armazenagem como à admnstração do espaço necessáro para manter estoques. Envolve váras vertentes adconas, tas como localzação, dmensonamento

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino IV - Descrção e Apresentação dos Dados Prof. Herondno Dados A palavra "dados" é um termo relatvo, tratamento de dados comumente ocorre por etapas, e os "dados processados" a partr de uma etapa podem ser

Leia mais

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas Unversdade Salvador UNIFACS Cursos de Engenhara Cálculo IV Profa: Ilka ebouças Frere Integras Múltplas Texto 3: A Integral Dupla em Coordenadas Polares Coordenadas Polares Introduzremos agora um novo sstema

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA PESQUISA-AÇÃO PARA ENTENDIMENTO DO NEGÓCIO SOCIAL E SUA CADEIA DE ABASTECIMENTO

UTILIZAÇÃO DA PESQUISA-AÇÃO PARA ENTENDIMENTO DO NEGÓCIO SOCIAL E SUA CADEIA DE ABASTECIMENTO XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturdade e desafos da Engenhara de Produção: compettvdade das empresas, condções de trabalho, meo ambente. São Carlos, SP, Brasl, 12 a15 de outubro de 2010.

Leia mais

ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA DO PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE UMA LOJA DE SERVIÇO AUTOMOTIVO

ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA DO PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE UMA LOJA DE SERVIÇO AUTOMOTIVO Perspectvas Globas para a Engenhara de Produção Fortaleza, CE, Brasl, 13 a 16 de outubro de 2015. ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA DO PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE UMA LOJA DE SERVIÇO AUTOMOTIVO

Leia mais

Estatística stica Descritiva

Estatística stica Descritiva AULA1-AULA5 AULA5 Estatístca stca Descrtva Prof. Vctor Hugo Lachos Davla oo que é a estatístca? Para mutos, a estatístca não passa de conjuntos de tabelas de dados numércos. Os estatístcos são pessoas

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica 1 a 5 de Agosto de 006 Belo Horzonte - MG Expressão da ncerteza de Medção para a Grandeza Energa Elétrca Eng. Carlos Alberto Montero Letão CEMG Dstrbução S.A caletao@cemg.com.br Eng. Sérgo Antôno dos Santos

Leia mais

Planejamento e Controle de Estoques PUC. Prof. Dr. Marcos Georges. Adm. Produção II Prof. Dr. Marcos Georges 1

Planejamento e Controle de Estoques PUC. Prof. Dr. Marcos Georges. Adm. Produção II Prof. Dr. Marcos Georges 1 e Controle de Estoques PUC CAMPINAS Prof. Dr. Marcos Georges Adm. Produção II Prof. Dr. Marcos Georges 1 Fornecmento de produtos e servços Recursos da operação Planejamento e Controle de Estoque Compensação

Leia mais

Elaboração: Fevereiro/2008

Elaboração: Fevereiro/2008 Elaboração: Feverero/2008 Últma atualzação: 19/02/2008 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de precsão utlzados na atualzação das Letras

Leia mais

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás A pesqusa Operaconal e os Recursos Renováves 4 a 7 de novembro de 2003, Natal-RN Otmzação de ustos de Transporte e Trbutáros em um Problema de Dstrbução Naconal de Gás Fernanda Hamacher 1, Fernanda Menezes

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO MATEMÁTICO PARA O PROBLEMA DIAL-A-RIDE APLICADO AO TRANSPORTE DE CADEIRANTES

PROPOSTA DE UM MODELO MATEMÁTICO PARA O PROBLEMA DIAL-A-RIDE APLICADO AO TRANSPORTE DE CADEIRANTES UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO TECNOLÓGICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL TRANSPORTES PATRÍCIA PERRETTO RODRIGUES PROPOSTA DE UM MODELO MATEMÁTICO PARA O PROBLEMA DIAL-A-RIDE

Leia mais

Análise do sistema logístico de descarga de cana inteira e picada de uma usina de cana de açúcar

Análise do sistema logístico de descarga de cana inteira e picada de uma usina de cana de açúcar Análse do sstema logístco de descarga de cana ntera e pcada de uma usna de cana de açúcar Abstract Ana Paula Iannon Renaldo Morabto Neto Unversdade Federal de São Carlos e-mal: pap@rs.ufscar.br Logstcs

Leia mais

Modelo de distribuição de recursos para o transporte escolar rural a partir dos princípios da igualdade e da equidade

Modelo de distribuição de recursos para o transporte escolar rural a partir dos princípios da igualdade e da equidade Modelo de dstrbução de recursos para o transporte escolar rural a partr dos prncípos da gualdade e da equdade Alan Rcardo da Slva 1 ; Yaeko Yamashta 2 Resumo: O transporte escolar rural consttu um mportante

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado 64 Capítulo 7: Introdução ao Estudo de Mercados de Energa Elétrca 7.4 Precfcação dos Servços de Transmssão em Ambente Desregulamentado A re-estruturação da ndústra de energa elétrca que ocorreu nos últmos

Leia mais

Equilíbrio Colusivo no Mercado Brasileiro de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP)

Equilíbrio Colusivo no Mercado Brasileiro de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) Unversdade de Brasíla Departamento de Economa Mestrado em Economa do Setor Públco Equlíbro Colusvo no Mercado Braslero de Gás Lquefeto de Petróleo (GLP) Orentador: Prof. Rodrgo Andrés de Souza Peñaloza

Leia mais

Otimização do Carregamento de Transformadores de Distribuição de Energia Elétrica

Otimização do Carregamento de Transformadores de Distribuição de Energia Elétrica 1 Otmzação do arregamento de Transformadores de Dstrbução de Energa Elétrca E. J. Robba,..B. de Olvera,.A. Penn, R.P. asolar, Unversdade de São Paulo L.N. da Slva, H.R.P.M. de, AES Sul Resumo - O desenvolvmento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI UFPI APOSTILA DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO I Prof. Wllam Morán UFPI PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA II: Prof. Wllam Morán 2 Problema 1: O gráfco PERT fo preparado no níco de um

Leia mais

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL. A FUNÇÃO DE PRODUÇÃO E SUPERMERCADOS NO BRASIL ALEX AIRES CUNHA (1) ; CLEYZER ADRIAN CUNHA (). 1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL;.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

www.halten.com.br 21-3095-6006

www.halten.com.br 21-3095-6006 NÍVEL: BÁSCO www.halten.com.br 21-3095-6006 ASSUNTO:CUROSDADES SOBRE RAOS E PROTEÇÃO O QUE É O RAO? O RAO É UM FENÔMENO DA NATUREZA, ALEATÓRO E MPREVSÍVEL. É COMO SE FOSSE UM CURTO CRCUÍTO ENTRE A NUVEM

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

Metodologia para Eficientizar as Auditorias de SST em serviços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrico.

Metodologia para Eficientizar as Auditorias de SST em serviços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrico. Metodologa para Efcentzar as Audtoras de SST em servços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrco. Autores MARIA CLAUDIA SOUSA DA COSTA METHODIO VAREJÃO DE GODOY CHESF COMPANHIA HIDRO

Leia mais

Software. Guia do professor. Como comprar sua moto. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação

Software. Guia do professor. Como comprar sua moto. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação números e funções Gua do professor Software Como comprar sua moto Objetvos da undade 1. Aplcar o conceto de juros compostos; 2. Introduzr o conceto de empréstmo sob juros; 3. Mostrar aplcações de progressão

Leia mais

ALGORITMO E PROGRAMAÇÃO

ALGORITMO E PROGRAMAÇÃO ALGORITMO E PROGRAMAÇÃO 1 ALGORITMO É a descrção de um conjunto de ações que, obedecdas, resultam numa sucessão fnta de passos, atngndo um objetvo. 1.1 AÇÃO É um acontecmento que a partr de um estado ncal,

Leia mais

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA Metodologa IHFA - Índce de Hedge Funds ANBIMA Versão Abrl 2011 Metodologa IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA 1. O Que é o IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA? O IHFA é um índce representatvo da ndústra de hedge

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NOVO MODELO PARA O CÁLCULO DE CARREGAMENTO DINÂMICO DE TRANSFORMADORES

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NOVO MODELO PARA O CÁLCULO DE CARREGAMENTO DINÂMICO DE TRANSFORMADORES XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE TRANSFORMADORES, REATORES, MATERIAIS E TECNOLOGIAS

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ (IPECE)

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ (IPECE) IPECE ota Técnca GOVERO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLAEJAMETO E GESTÃO (SEPLAG) ISTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECOÔMICA DO CEARÁ (IPECE) OTA TÉCICA º 33 METODOLOGIA DE CÁLCULO DA OVA LEI DO ICMS

Leia mais

Camila Spinassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Camila Spinassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Camla Spnassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Vtóra Agosto de 2013 Camla Spnassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Leia mais

Fast Multiresolution Image Querying

Fast Multiresolution Image Querying Fast Multresoluton Image Queryng Baseado no artgo proposto por: Charles E. Jacobs Adan Fnkelsten Davd H. Salesn Propõe um método para busca em um banco de dados de magem utlzando uma magem de consulta

Leia mais

Mercado de Água e o Estado: Lições da Teoria dos Jogos

Mercado de Água e o Estado: Lições da Teoria dos Jogos RBRH Revsta Braslera de Recursos Hídrcos Volume 13 n.4 Out/Dez 2008, 83-98 Mercado de Água e o Estado: Lções da Teora dos Jogos Francsco de Asss de Souza Flho Unversdade Federal do Ceará - UFC assssouzaflho@gmal.com

Leia mais

3 Formulação da Metodologia

3 Formulação da Metodologia 54 3 Formulação da Metodologa 3.1. Resumo das Prncpas Heurístcas de Solução A maora das heurístcas de solução para o ELSP aborda o problema na sua forma clássca, sto é, quando os tempos e custos de setup

Leia mais

ESTRATÉGIAS PARA OFERTAS EM LEILÕES DE ENERGIA ELÉTRICA DE LONGO-PRAZO ATRAVÉS DE ALGO- SERGIO A. TROVÃO 1, OSVALDO R. SAAVEDRA 1

ESTRATÉGIAS PARA OFERTAS EM LEILÕES DE ENERGIA ELÉTRICA DE LONGO-PRAZO ATRAVÉS DE ALGO- SERGIO A. TROVÃO 1, OSVALDO R. SAAVEDRA 1 ESTRATÉGIAS PARA OFERTAS EM LEILÕES DE ENERGIA ELÉTRICA DE LONGO-PRAZO ATRAVÉS DE ALGO- RITMOS GENÉTICOS SERGIO A. TROVÃO 1, OSVALDO R. SAAVEDRA 1 1. Laboratóro de Sstemas de Potênca, Depto Eng a. Elétrca,

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO - VI GRUPO DE ESTUDO DE COMERCIALIZAÇÃO, ECONOMIA E REGULAÇÃO DE ENERGIA

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DO SERVIÇO DE RESERVA GIRANTE EM SISTEMAS HIDROELÉTRICOS. Thales Sousa * José Antônio Jardini Mário Masuda Rodrigo Alves de Lima

OTIMIZAÇÃO DO SERVIÇO DE RESERVA GIRANTE EM SISTEMAS HIDROELÉTRICOS. Thales Sousa * José Antônio Jardini Mário Masuda Rodrigo Alves de Lima SNPEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E RANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉRICA GGH - 33 6 a 2 Outubro de 2005 Curtba - Paraná GRUPO I GRUPO DE ESUDO DE GERAÇÃO HIDRÁULICA - GGH OIMIZAÇÃO DO SERVIÇO DE RESERVA GIRANE

Leia mais

Análise Fatorial F 1 F 2

Análise Fatorial F 1 F 2 Análse Fatoral Análse Fatoral: A Análse Fatoral tem como prncpal objetvo descrever um conjunto de varáves orgnas através da cração de um número menor de varáves (fatores). Os fatores são varáves hpotétcas

Leia mais

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição)

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição) 14. orrentes Alternadas (baseado no Hallday, 4 a edção) Por que estudar orrentes Alternadas?.: a maora das casas, comérco, etc., são provdas de fação elétrca que conduz corrente alternada (A ou A em nglês):

Leia mais

Controlo Metrológico de Contadores de Gás

Controlo Metrológico de Contadores de Gás Controlo Metrológco de Contadores de Gás José Mendonça Das (jad@fct.unl.pt), Zulema Lopes Perera (zlp@fct.unl.pt) Departamento de Engenhara Mecânca e Industral, Faculdade de Cêncas e Tecnologa da Unversdade

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GTL.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO -XV GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA

Leia mais

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre Hansard OnLne Gua Unt Fund Centre Índce Págna Introdução ao Unt Fund Centre (UFC) 3 Usando fltros do fundo 4-5 Trabalhando com os resultados do fltro 6 Trabalhando com os resultados do fltro Preços 7 Trabalhando

Leia mais

Equipas Educativas Para uma nova organização da escola. João Formosinho Joaquim Machado

Equipas Educativas Para uma nova organização da escola. João Formosinho Joaquim Machado Equpas Educatvas Para uma nova organzação da escola João Formosnho Joaqum Machado TRANSFORMAÇÕES NA ESCOLA BÁSICA TRANSFORMAÇÕES NA ESCOLA BÁSICA A expansão escolar e a mplementação das polítcas de nclusão

Leia mais

Eletricidade 3. Campo Elétrico 8. Energia Potencial Elétrica 10. Elementos de Um Circuito Elétrico 15. Elementos de Um Circuito Elétrico 20

Eletricidade 3. Campo Elétrico 8. Energia Potencial Elétrica 10. Elementos de Um Circuito Elétrico 15. Elementos de Um Circuito Elétrico 20 1 3º Undade Capítulo XI Eletrcdade 3 Capítulo XII Campo Elétrco 8 Capítulo XIII Energa Potencal Elétrca 10 Capítulo XIV Elementos de Um Crcuto Elétrco 15 Capítulo XV Elementos de Um Crcuto Elétrco 20 Questões

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

ANÁLISE DE CUSTOS DE CONDUTORES NÃO CONVENCIONAIS UTILIZADOS EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RURAIS

ANÁLISE DE CUSTOS DE CONDUTORES NÃO CONVENCIONAIS UTILIZADOS EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RURAIS ANÁLISE DE CUSTOS DE CONDUTORES NÃO CONVENCIONAIS UTILIZADOS EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RURAIS Rodrgues, Rcardo Martn; Sern, Paulo José Amaral; Rodrgues, José Francsco Departamento de Engenhara Elétrca Faculdade

Leia mais

ALGORITMOS GENÉTICOS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NA TOMADA DE DECISÃO EM ATIVIDADES DE GESTÃO AGROINDUSTRIAL

ALGORITMOS GENÉTICOS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NA TOMADA DE DECISÃO EM ATIVIDADES DE GESTÃO AGROINDUSTRIAL ALGORITMOS GENÉTICOS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NA TOMADA DE DECISÃO EM ATIVIDADES DE GESTÃO AGROINDUSTRIAL Danlo Augusto Hereda VIEIRA 1 Celso Correa de SOUZA 2 José Francsco dos REIS NETO 3 Resumo. As

Leia mais

Oportunidades e desafios no mundo do aquecimento o setor tem crescido a cada ano, é verdade, mas continuar nesse ritmo

Oportunidades e desafios no mundo do aquecimento o setor tem crescido a cada ano, é verdade, mas continuar nesse ritmo -. -. - - - -- - -. ~- -- MERCADO -- -=-- - - -=-=-= - ---=- =-= - ~ Oportundades e desafos no mundo do aquecmento o setor tem crescdo a cada ano, é verdade, mas contnuar nesse rtmo requer a superação

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROBLEMA DE COLETA DE RESÍDUOS DE BIOMASSA DE MADEIRA PARA FINS ENERGÉTICOS

MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROBLEMA DE COLETA DE RESÍDUOS DE BIOMASSA DE MADEIRA PARA FINS ENERGÉTICOS MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROBLEMA DE COLETA DE RESÍDUOS DE BIOMASSA DE MADEIRA PARA FINS ENERGÉTICOS Flávo de Almeda Galvão Jr. Programa de Mestrado em Engenhara de Sstemas Logístcos Escola Poltécnca da

Leia mais

PROJECTO DO LAYOUT DE INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS

PROJECTO DO LAYOUT DE INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS 2 PROJECTO DO LAYOUT DE INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS Determnar a sequênca de operações de fabrco, quas e quantos recursos estão dsponíves para cada tpo de operação, como fluem os materas e as pessoas, qual

Leia mais

Goal Programming como Ferramenta de Gestão

Goal Programming como Ferramenta de Gestão Resumo Goal Programmng como Ferramenta de Gestão Dmtr Pnhero SANTANNA Fláva Zóbol DALMÁCIO Lucene Laurett RANGEL Valcemro NOSSA O objetvo deste artgo é demonstrar como o gestor pode aplcar a técnca do

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

REGULAMENTO GERAL (Modalidades 1, 2, 3 e 4)

REGULAMENTO GERAL (Modalidades 1, 2, 3 e 4) REGULAMENTO GERAL (Modaldades 1, 2, 3 e 4) 1. PARTICIPAÇÃO 1.1 Podem concorrer ao 11º Prêmo FIEB de Desempenho Socoambental da Indústra Baana empresas do setor ndustral nas categoras MICRO E PEQUENO, MÉDIO

Leia mais

Controle de Ponto Eletrônico. Belo Horizonte

Controle de Ponto Eletrônico. Belo Horizonte Controle de Ponto Eletrônco da Câmara Muncpal de Belo Horzonte Instrutor: André Mafa Latn DIVPES agosto de 2010 Objetvo Informar sobre o preenchmento da folha de frequênca; Facltar o trabalho das chefas;

Leia mais

Audiência Pública Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática Câmara dos Deputados

Audiência Pública Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática Câmara dos Deputados Audênca Públca Comssão de Cênca e Tecnologa, Comuncação e Informátca Câmara dos Deputados Superntendente de Servços Prvados Brasíla, 11 de julho de 2007 AGENDA 1 2 3 4 DEFINIÇÕES DA LGT REGULAMENTAÇÃO

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 00 ODELOS ATEÁTICOS E CONSUO DE ENERGIA ELÉTRICA Clece de Cássa Franco Cdade Centro Unverstáro Francscano klleyce@hotmal.com Leandra Anversa Foreze Centro Unverstáro Francscano

Leia mais

ANALISADOR DE EVENTOS EM TEMPO QUASE-REAL

ANALISADOR DE EVENTOS EM TEMPO QUASE-REAL XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GPC.01 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO -V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO EM SISTEMAS

Leia mais

Eletricidade 3 Questões do ENEM. 8. Campo Elétrico 11 Questões do ENEM 13. Energia Potencial Elétrica 15 Questões do ENEM 20

Eletricidade 3 Questões do ENEM. 8. Campo Elétrico 11 Questões do ENEM 13. Energia Potencial Elétrica 15 Questões do ENEM 20 1 4º Undade Capítulo XIII Eletrcdade 3 Questões do ENEM. 8 Capítulo XIV Campo Elétrco 11 Questões do ENEM 13 Capítulo XV Energa Potencal Elétrca 15 Questões do ENEM 20 Capítulo XVI Elementos de Um Crcuto

Leia mais

Termodinâmica e Termoquímica

Termodinâmica e Termoquímica Termodnâmca e Termoquímca Introdução A cênca que trata da energa e suas transformações é conhecda como termodnâmca. A termodnâmca fo a mola mestra para a revolução ndustral, portanto o estudo e compreensão

Leia mais

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção Influênca dos Procedmentos de Ensaos e Tratamento de Dados em Análse Probablístca de Estrutura de Contenção Mara Fatma Mranda UENF, Campos dos Goytacazes, RJ, Brasl. Paulo César de Almeda Maa UENF, Campos

Leia mais

O setor de telecomunicações está em constante desenvolvimento, permitindo que novas tecnologias possam surgir no mercado, proporcionando assim, uma

O setor de telecomunicações está em constante desenvolvimento, permitindo que novas tecnologias possam surgir no mercado, proporcionando assim, uma Contratação de Servços de Telecomuncações: Competção entre Provedores, Confgurações de Rede e Custos Modelagem com Dados Imprecsos de Demanda e Tarfa Bruno Qurno De Olvera Departamento de Engenhara ENG,

Leia mais

IX PRÊMIO SEAE 2014 CLASSIFICAÇÃO: 1º LUGAR

IX PRÊMIO SEAE 2014 CLASSIFICAÇÃO: 1º LUGAR IX PRÊMIO SEAE 2014 Tema 2. Regulação da Atvdade Econômca Inscrção: 17 CLASSIFICAÇÃO: 1º LUGAR Título da Monografa: A Estrutura Concorrencal do Mercado de Redes de Transporte de Telecomuncações e os Impactos

Leia mais

Manual do Simulador Empresarial Tangram

Manual do Simulador Empresarial Tangram Manual do Smulador Empresaral Tangram 2008 Sumáro 1 APRESENTA ÇÃO... 5 1.1 DA TANGRAM SISTEMAS EMPRESARIAIS... 5 1.2 DO PROCESSO... 5 2 LABORA TÓRIO DE GESTÃO EMPRESARIAL... 7 2.1 INTRODUÇÃO... 7 2.2 LEITURA

Leia mais

HI SPEED NX - ciclos especiais O esterilizador agrega funções específicas para ciclos de líquidos com cálculo de F 0

HI SPEED NX - ciclos especiais O esterilizador agrega funções específicas para ciclos de líquidos com cálculo de F 0 SELEÇÃO Espaço útl da câmara B-100-405 x 405 x 600 mm B-200-405 x 405 x 1225 mm B-300-605 x 605 x 825 mm B-500-605 x 605 x 1225 mm Aplcação N - Uso geral NL - Lactáro NX - Cclos especas Impressora Impressora

Leia mais

UMA REVISÃO DE LITERATURA SOBRE PROBLEMAS DE REABASTECIMENTO DE VEÍCULOS TRANSPORTADORES DE CARGAS

UMA REVISÃO DE LITERATURA SOBRE PROBLEMAS DE REABASTECIMENTO DE VEÍCULOS TRANSPORTADORES DE CARGAS UMA REVISÃO DE LITERATURA SOBRE PROBLEMAS DE REABASTECIMENTO DE VEÍCULOS TRANSPORTADORES DE CARGAS Henrque Lugon Ferrera Slva Marta Montero da Costa Cruz UMA REVISÃO DE LITERATURA SOBRE PROBLEMAS DE REABASTECIMENTO

Leia mais

17750 Diário da República, 2.ª série N.º 77 19 de Abril de 2011

17750 Diário da República, 2.ª série N.º 77 19 de Abril de 2011 17750 Dáro da Repúblca, 2.ª sére N.º 77 19 de Abrl de 2011 2) Consttuem anda recetas do Mestrado os valores arrecadados provenentes de compartcpações ou donatvos de nsttuções públcas ou prvadas destnadas

Leia mais

d o m i c i l i a r, d o m i c i l i o m i c i l i s o b r e s o b r e s o b r e a d

d o m i c i l i a r, d o m i c i l i o m i c i l i s o b r e s o b r e s o b r e a d s t a d o m c l a r, s o b r e c s t a d o m c l a r, s o b r e c s t a d o m c l a r, s o b r e c Marcos hstórcos: 1993 1996 2004 Objetvo da Pastoral da Pessoa Idosa A Pastoral da Pessoa Idosa tem por

Leia mais

ENFRENTANDO OBSTÁCULOS EPISTEMOLÓGICOS COM O GEOGEBRA

ENFRENTANDO OBSTÁCULOS EPISTEMOLÓGICOS COM O GEOGEBRA ENFRENTANDO OBSTÁCULOS EPISTEMOLÓGICOS COM O GEOGEBRA André Luz Souza Slva IFRJ Andrelsslva@globo.com Vlmar Gomes da Fonseca IFRJ vlmar.onseca@rj.edu.br Wallace Vallory Nunes IFRJ wallace.nunes@rj.edu.br

Leia mais

3. Take over: Termo do inglês que significa Adquirir. O termo indica a aquisição de uma companhia por outra mediante a assunção do controle acionário.

3. Take over: Termo do inglês que significa Adquirir. O termo indica a aquisição de uma companhia por outra mediante a assunção do controle acionário. 1. Tabela Prce: Tabela utlzada para a amortzação de dívda. As prestações calculadas dela têm um valor constante por todo o período de pagamento da dívda. 2. Tag along: Termo do nglês que sgnfca precfcar

Leia mais

Caderno de Exercícios Resolvidos

Caderno de Exercícios Resolvidos Estatístca Descrtva Exercíco 1. Caderno de Exercícos Resolvdos A fgura segunte representa, através de um polígono ntegral, a dstrbução do rendmento nas famílas dos alunos de duas turmas. 1,,75 Turma B

Leia mais

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético 1) A fgura mostra um prego de ferro envolto por um fo fno de cobre esmaltado, enrolado mutas vezes ao seu redor. O conjunto pode ser consderado um eletroímã quando as extremdades do fo são conectadas aos

Leia mais

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS.

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS. Snas Lumnosos 1-Os prmeros snas lumnosos Os snas lumnosos em cruzamentos surgem pela prmera vez em Londres (Westmnster), no ano de 1868, com um comando manual e com os semáforos a funconarem a gás. Só

Leia mais

As tabelas resumem as informações obtidas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de informações.

As tabelas resumem as informações obtidas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de informações. 1. TABELA DE DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIA As tabelas resumem as normações obtdas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de normações. As tabelas sem perda de normação

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE UMA FROTA DE CAMINHÕES PARA TRANSPORTE DE CARVÃO VEGETAL POR MEIO DA PROGRAMAÇÃO LINEAR

DIMENSIONAMENTO DE UMA FROTA DE CAMINHÕES PARA TRANSPORTE DE CARVÃO VEGETAL POR MEIO DA PROGRAMAÇÃO LINEAR IPEF n.21, p.85-95, dez.1980 DIMENSIONAMENTO DE UMA FROTA DE CAMINHÕES PARA TRANSPORTE DE CARVÃO VEGETAL POR MEIO DA PROGRAMAÇÃO LINEAR O.D.C.377.45:867.5 SUMMARY Geraldo Galdno de Paula Junor * Aloíso

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações.

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações. A CONSTRUÇÃO DE CARTEIRAS EFICIENTES POR INTERMÉDIO DO CAPM NO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO: UM ESTUDO DE CASO PARA O PERÍODO 006-010 Rodrgo Augusto Vera (PROVIC/UEPG), Emerson Martns Hlgemberg (Orentador),

Leia mais