ISENÇÃO DE LICENÇA DE ESTAÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ISENÇÃO DE LICENÇA DE ESTAÇÃO"

Transcrição

1 ISENÇÃO DE LICENÇA DE ESTAÇÃO Revisto a 28 outubro 2015

2 Nos termos da alínea b) do n.º 1 e do n.º 2 do artigo 9.º do Decreto-lei n.º 151-A/2000, 20 julho, na redacção que lhe é dada pelo Decreto-Lei n.º 264/2009, 28 setembro, estão isentas licença estação: a) As estações pequena potência e curto ( SRD-Short Range Devices ) As estações pequena potência e curto são constituídas por utilizados em várias aplicações e faixas frequências. Estas estações verão operar sob o princípio : a) Não-interferência e não-proteção: regime em que não pom causar interferências prejudiciais a nenhum serviço radiocomunicações 1 e em que não pom reclamar proteção contra interferências prejudiciais; b) Não exclusivida e partilha 2. As tabelas que se seguem contemplam os requisitos das Decisões comunitárias, nomeadamente a Decisão 2006/771/CE 9 novembro 2006, bem como as posteriores alterações, vertidas nas Decisões 2008/432/CE 23 maio 2008, 2009/381/CE 3 maio 2009, 2010/368/UE 30 junho 2010, 2011/829/UE 8 zembro 2011 e, 2013/752/UE, 11 zembro 2013 que revoga a Decisão 2005/928/CE. Sempre que possível, são também adotadas nacionalmente as faixas e parâmetros harmonizados na CEPT para SRD, constantes da Recomendação ERC/REC Estão também contemplados os requisitos das Decisões comunitárias 2007/90/CE, 2008/671/CE, 2006/804/CE e 2014/641/UE. 1 Incluindo estações ou res radiocomunicações licenciadas. 2 Estações pequena potência e curto não pom reclamar proteção relativamente a serviços radiocomunicações e a outras estações pequena potência e curto. 1

3 456,9-457,1 khz 7 db A/m a 10 metros apenas à teção, em emergências, vítimas soterradas e a dispositivos para objetos valor khz 42 db A/m a 10 metros khz 42 db A/m a 10 metros khz 10 mw potência aparente radiada (p.a.r.), que corresponm a 42 dbμa/m a 10 metros khz 100 mw p.a.r. funcionamento 4 : 0,1 % Os dispositivos comando molos pom funcionar sem restrições no ciclo funcionamento 5. Equipamentos não específicos khz 100 mw p.a.r khz 100 mw p.a.r khz 100 mw p.a.r khz 100 mw p.a.r. 40,660-40,700 MHz 10 mw p.a.r. funcionamento 4 : 0,1 % funcionamento 4 : 0,1 % funcionamento 4 : 0,1 % funcionamento 4 : 0,1 % Os dispositivos comando molos pom funcionar sem restrições no ciclo funcionamento 5. Os dispositivos comando molos pom funcionar sem restrições no ciclo funcionamento 5. Os dispositivos comando molos pom funcionar sem restrições no ciclo funcionamento 5. Os dispositivos comando molos pom funcionar sem restrições no ciclo funcionamento 5. vío estão excluídas. 3 Esta categoria abrange todos os tipos radiocomunicações, inpenntemente da aplicação ou da finalida, que satisfaçam as condições técnicas especificadas para uma dada faixa frequências. As utilizações típicas são, entre outras, telemetria, telecomando, alarmes e transmissão dados em geral. 4 Enten-se por ciclo funcionamento o tempo, em percentagem um período uma hora, durante o qual um só equipamento está a transmitir activamente. 5 Os dispositivos comando molos são um tipo específico equipamento radiocomunicações telecontrolo e telemetria que é utilizado para comandar à distância o movimento molos (principalmente representações em miniatura veículos) no ar, em terra ou sobre/sob a superfície da água. 2

4 Equipamentos não específicos 3 (cont.) 138,20 138,45 MHz 6 10 mw p.a.r. Duty Cycle < 1 % 169,4-169,475 MHz 500 mw p.a.r. 169,4-169,4875 MHz 10 mw p.a.r. 169, ,5875 MHz 10 mw p.a.r. 169, ,8125 MHz 10 mw p.a.r. 1 mw p.a.r. Espaçamento canais: até 50 khz. Limite para o ciclo funcionamento 4 : 1,0 % Limite para o ciclo funcionamento 4 : 0,1 % Limite para o ciclo funcionamento 4 : 0,001 % Limite para o ciclo funcionamento 4 : 0,1 % Entre as 00h00 e as 06h00 (hora local), po ser utilizado um limite para o ciclo funcionamento 4 0,1 %. 433, ,040 MHz e -13dBm/10 khz para modulação numa largura banda superior a 250 khz. 10 mw p.a.r. 1 mw p.a.r. vocais são autorizadas, s que se utilizem técnicas atenuação avançadas. funcionamento 4 : 10 % áudio e vío estão excluídas. áudio analógicas não vocais estão excluídas. As aplicações vío analógicas estão excluídas. 434, ,790 MHz e 13dBm/10 khz para modulação numa largura banda superior a 250 khz. vocais são autorizadas, s que se utilizem técnicas atenuação avançadas. áudio e vío estão excluídas. 6 Quando o duty cycle, Listen Before Talk (LBT) ou técnicas equivalentes se aplicarem estas não pom ser penntes/ajustáveis pelo utilizador e terão que ser garantidas por intermédio meios técnicos apropriados. Para dispositivos LBT sem Adaptive Frequency Agility (AFA), ou técnicas equivalentes, aplica-se o limite duty cycle. Para qualquer tipo dispositivo com AFA aplica-se o limite duty cycle durante a transmissão salvo se utilizar LBT ou técnica equivalente. 3

5 funcionamento 4 : 10 % áudio analógicas não vocais estão excluídas. As aplicações vío analógicas estão excluídas. Equipamentos não específicos 3 (cont.) 434, ,790 MHz 10 mw p.a.r. 863, ,000 MHz 25 mw p.a.r. 865, ,000 MHz 25 mw p.a.r 868, ,600 MHz 25 mw p.a.r. funcionamento 4 : 100 %, sujeito a um espaçamento canais máximo 25 khz. vocais são autorizadas, s que se utilizem técnicas atenuação avançadas. espectro e atenuação das Directiva 1999/5/CE. Em alternativa, po também ser utilizado o limite 0,1 % para o ciclo funcionamento 4. espectro e atenuação das Directiva 1999/5/CE. Em alternativa, po também ser utilizado o limite 1 % para o ciclo funcionamento 4. espectro e atenuação das Directiva 1999/5/CE. Em alternativa, po também ser utilizado o limite 1 % para o ciclo funcionamento 4. áudio e vío estão excluídas. áudio analógicas não vocais estão excluídas. As aplicações vío analógicas estão excluídas. áudio analógicas não vocais estão excluídas. As aplicações vío analógicas estão excluídas. vío analógicas estão excluídas. 4

6 Equipamentos não específicos 3 (cont.) 868, ,200 MHz 25 mw p.a.r. 869, ,650 MHz 869, ,000 MHz ,5 MHz 500 mw p.a.r. 25 mw p.a.r. 5 mw p.a.r. 25 mw p.a.r. 10 mw potência isotrópica radiada equivalente (p.i.r.e.) espectro e atenuação das Directiva 1999/5/CE. Em alternativa, po também ser utilizado o limite 0,1 % para o ciclo funcionamento 4. espectro e atenuação das Directiva 1999/5/CE. Em alternativa, po também ser utilizado o limite 10 % para o ciclo funcionamento 4. espectro e atenuação das Directiva 1999/5/CE. Em alternativa, po também ser utilizado o limite 0,1 % para o ciclo funcionamento 4. vocais são autorizadas, s que se utilizem técnicas atenuação avançadas. espectro e atenuação das Directiva 1999/5/CE. Em alternativa, po também ser utilizado o limite 1 % para o ciclo funcionamento 4. vío analógicas estão excluídas. vío analógicas estão excluídas. áudio analógicas não vocais estão excluídas. As aplicações vío analógicas estão excluídas. áudio e vío estão excluídas. áudio analógicas não vocais estão excluídas. As aplicações vío analógicas estão excluídas MHz 25 mw p.i.r.e. 24,00-24,25 GHz 100 mw p.i.r.e. (faixa 24,15 24,25 GHz harmonizada pela Decisão 2013/752/UE) 5

7 Equipamentos não específicos 3 (cont.) Dispositivos medição 7 Equipamentos transmissão dados em banda larga 8 Sistemas acesso sem fios / Res locais via rádio (WAS/RLAN) GHz 100 mw p.i.r.e., potência máxima emissão 10 dbm e nsida espetral potência p.i.r.e. máxima 13 dbm/mhz 61,00-61,50 GHz 100 mw p.i.r.e GHz 100 mw p.i.r.e GHz 100 mw p.i.r.e. 169,4 169,475 MHz 500 mw p.a.r ,5 MHz GHz 100 mw p.i.r.e. e a nsida p.i.r.e. 100 mw/100 khz aplicase quando é utilizada a modulação com saltos frequência; aplica-se uma nsida p.i.r.e. 10 mw/mhz quando são utilizados outros tipos modulação. 40 dbm p.i.r.e. e nsida p.i.r.e. 13 dbm/mhz MHz mw p.i.r.e MHz 9 1 W p.i.r.e. 10 até 50 khz. Limite para o ciclo funcionamento 4 : 10,0 % espectro e atenuação das Directiva 1999/5/CE. espectro e atenuação das Directiva 1999/5/CE. As instalações fixas em espaços exteriores estão excluídas. Decisão 2007/90/CE Decisão 2007/90/CE 7 Esta categoria abrange os radiocomunicações que fazem parte sistemas radiocomunicações bidirecionais que permitem a telemonitorização, a telemedição e a transmissão dados em infraestruturas re inteligente, signadamente as eletricida, gás e água. 8 Esta categoria abrange os dispositivos radiocomunicações que utilizam técnicas modulação banda larga no acesso ao espetro. Estes são utilizados, normalmente, em sistemas acesso sem fios, signadamente res locais via rádio (WAS/RLAN). 9 Deverão ser respeitadas as seguintes condições: a) na faixa MHz apenas são permitidas utilizações indoor ; b) os sistemas a operar nas faixas MHz e MHz vem empregar controlo potência transmitida (TPC), que proporciona em média um factor mitigação 3 db para o valor máximo potência permitido. No caso o TPC não ser utilizado, a potência máxima permitida da p.i.r.e. média e o corresponnte valor máximo da para a p.i.r.e. média vem ser reduzidos em 3 db; c) os sistemas a operar nas faixas MHz e MHz vem utilizar técnicas mitigação que propporcionem o mesmo nível protecção que os requisitos operacionais, tecção e resposta scritos na EN ; d) na faixa MHz o valor máximo da para a p.i.r.e. média ve ser limitado a 10 mw/mhz, por cada 1 MHz; e) na faixa MHz o valor máximo da para a p.i.r.e. média ve ser limitado a 50 mw/mhz, por cada 1 MHz. 10 Valor máximo da p.i.r.e. média. 6

8 Equipamentos telemáticos para os transportes e o tráfego khz 9 dbµa/m a 10 metros khz -7 dbµa/m a 10 metros MHz 2 W p.i.r.e MHz 12 2 W p.i.r.e. 13, 14 21,65 26,65 GHz O valor máximo da nsida média potência será 41.3 dbm/mhz p.i.r.e. O valor da nsida potência pico não ve excer 0dBm/50 MHz p.i.r.e. funcionamento 4 : 1,0 % São aplicáveis restrições antena como especificado nas As frequências: 5797,5 MHz, 5802,5 MHz, 5807,5 MHz e 5812,5 MHz são utilizadas com espaçamento canais 5 MHz. As frequências 5800 MHz e 5810 MHz são utilizadas com espaçamento canais 10 MHz. apenas às transmissões Eurobalise na presença comboios e que utilizam a faixa dos 27 MHz para telealimentação. apenas às transmissões Euroloop na presença comboios e que utilizam a faixa dos 27 MHz para telealimentação. sistemas portagem rodoviária. 24,050-24,075 GHz 100 mw p.i.r.e. 11 Esta categoria abrange os dispositivos radiocomunicações que são utilizados nos domínios dos transportes (rodoviário, ferroviário, fluvial, marítimo ou aéreo, consoante as restrições técnicas), da gestão do tráfego, da navegação, da gestão da mobilida e dos sistemas transporte inteligentes (STI). Estes dispositivos são utilizados normalmente nas interfaces entre os diferentes modos transporte, nas comunicações entre veículos (por exemplo, automóvel-automóvel), entre veículos e instalações fixas (por exemplo, automóvel-infraestrutura) e ainda nas comunicações e para utilizadores. 12 Requer licença individual. 13 SRR Sistemas radar para automoveis. 14 De acordo com a Decisão da Comissão 2011/485/UE, 29 Julho

9 Equipamentos telemáticos para os transportes e o tráfego 11 (cont.) 24,075-24,150 GHz 0,1 mw p.i.r.e. 100 mw p.i.r.e. espectro e atenuação Directiva 1999/5/CE. Aplicam-se os limites temporais e a gama modulação frequência especificados nas normas harmonizadas. radares veículos terrestres. 24,150-24,250 GHz 100 mw p.i.r.e. 24,25-24,495 GHz 11 dbm p.i.r.e. 24,25-24,5 GHz 20 dbm p.i.r.e. (radares dianteiros) 16 dbm p.i.r.e. (radares traseiros) 24,495-24,5 GHz 8 dbm p.i.r.e. Aplicam-se os limites para o ciclo funcionamento 4 e as gamas modulação frequência especificados nas. Aplicam-se os limites para o ciclo funcionamento 4 e a gama modulação frequência especificados nas. Aplicam-se os limites para o ciclo funcionamento 4 e a gama modulação frequência especificados nas. radares veículos terrestres que funcionam na gama frequências harmonizadas 24 GHz. radares veículos terrestres que funcionam na gama frequências harmonizadas 24 GHz. radares veículos terrestres que funcionam na gama frequências harmonizadas 24 GHz. 8

10 Equipamentos telemáticos para os transportes e o tráfego 11 (cont.) Sistemas transporte inteligentes Equipamentos Radiotermina ção GHz 40 dbm p.i.r.e. 76,0-77,0 GHz 55 dbm p.i.r.e. pico e 50 dbm p.i.r.e. média e 23,5 dbm p.i.r.e. média para radares impulsos GHz 13, dbm pico MHz 33 dbm potência máxima emissão (p.i.r.e. média) 23 dbm/mhz Densida espectral potência máxima (p.i.r.e. média) técnicas mitigação interferências que ofereçam, pelo menos, um sempenho equivalente ao das técnicas scritas nas adotadas em conformida com a Directiva 1999/5/CE. Estas exigem que o controlo da potência do emissor (TPC) tenha uma gama, pelo menos, 30 db. apenas a sistemas veículoveículo, veículoinfra-estrutura e infra-estruturaveículo. sistemas infraestruturas e veículos terrestres. Decisão 2008/671/CE ,5 MHz 25 mw p.i.r.e MHz 24 dbm p.i.r.e. 18 radares para medição do nível reservatórios De acordo com a Decisão da Comissão 2004/545/CE, 8 Julho O valor máximo da nsida média potência será 3 dbm/mhz p.i.r.e. O valor máximo da nsida média potência no exterior um veículo resultante do funcionamento um radar não ve excer 9 dbm/mhz p.i.r.e. 17 Esta categoria abrange os dispositivos radiocomunicações utilizados para terminar a posição, a velocida e/ou outras características um objeto, ou para obter informações relacionadas com esses parâmetros. Estes são utilizados, normalmente, em vários tipos aplicações medições. 18 O limite potência aplica-se ntro um reservatório fechado e correspon a uma nsida espectral - 41,3 dbm/mhz p.i.r.e. fora um reservatório ensaio 500 litros. 19 Um radar para medição do nível reservatórios é um tipo específico aplicação radioterminação, sendo utilizado para medir o nível reservatórios e instalado em reservatórios metálicos ou betão armado ou estruturas similares feitas materiais com características atenuação equiparáveis. O reservatório stina-se a conter uma substância. 9

11 MHz 30 dbm p.i.r.e. 18 radares para medição do nível reservatórios ,05-27,0 GHz 43 dbm p.i.r.e. 18 radares para medição do nível reservatórios ,0-64,0 GHz 43 dbm p.i.r.e. 18 radares para medição do nível reservatórios 19. Equipamentos Radiotermina ção 17 75,0-85,0 GHz 43 dbm p.i.r.e MHz 24,05-26,5 GHz 7 dbm/50 MHz p.i.r.e. pico e 33 dbm/mhz p.i.r.e. média 26 dbm/50 MHz p.i.r.e. pico e 14 dbm/mhz p.i.r.e. média Devem ser utilizados requisitos controlo automático da potência e requisitos para as antenas, bem como técnicas equivalentes acesso ao Devem ser utilizados requisitos controlo automático da potência e requisitos para as antenas, bem como técnicas equivalentes acesso ao radares para medição do nível reservatórios 19. radares para medição do nível. Devem ser respeitadas as zonas exclusão estabelecidas em volta das instalações radioastronomia. radares para medição do nível. Devem ser respeitadas as zonas exclusão estabelecidas em volta das instalações radioastronomia. 10

12 57-64 GHz 35 dbm/50 MHz p.i.r.e. pico e 2 dbm/mhz p.i.r.e. média Devem ser utilizados requisitos controlo automático da potência e requisitos para as antenas, bem como técnicas equivalentes acesso ao radares para medição do nível. Equipamentos Radiotermina ção 17 (cont.) Dispositivos com ciclo funcionamento pouco intensivo/ elevada fiabilida GHz 34 dbm/50 MHz p.i.r.e. pico e 3 dbm/mhz p.i.r.e. média MHz 25 mw p.i.r.e MHz 25 mw p.i.r.e. 10,5 10,6 GHz 500 mw p.i.r.e. 13,4-14,0 GHz 25 mw p.i.r.e. 17,1-17,3 GHz 26 dbm p.i.r.e. 24,05-24,25 GHz 100 mw p.i.r.e. 868,6-868,7 MHz 10 mw p.a.r. Devem ser utilizados requisitos controlo automático da potência e requisitos para as antenas, bem como técnicas equivalentes acesso ao espectro e atenuação Directiva 1999/5/CE. Espaçamento canais: 25 khz. É também possível utilizar toda a faixa frequências como um só canal para a transmissão dados com elevado débito. funcionamento 4 : 1,0 % radares para medição do nível. Devem ser respeitadas as zonas exclusão estabelecidas em volta das instalações radioastronomia. apenas a sistemas terrestres. sistemas alarme. 20 Esta categoria abrange os dispositivos radiocomunicações com um baixo nível global do espetro e que obecem a regras acesso ao espetro com um ciclo funcionamento pouco intensivo para assegurar um acesso ao espetro e transmissões altamente fiáveis nas faixas partilhadas. Estes dispositivos são utilizados, normalmente, em sistemas alarme que utilizam radiocomunicações para indicar um estado alerta a instalações distantes e em sistemas alarme social que proporcionam comunicações fiáveis a uma pessoa em situação emergência. 11

13 Dispositivos com ciclo funcionamento pouco intensivo/ elevada fiabilida 20 Comando molos 869,2-869,25 MHz 10 mw p.a.r. 869,25-869,3 MHz 10 mw p.a.r. 869,3 869,4 MHz 10 mw p.a.r. 869,65-869,7 MHz 25 mw p.a.r. 34,995-35,225 MHz mw p.a.r 40,665 MHz; 40,675 MHz; 40,685 MHz; 40,695 MHz 100 mw p.a.r Espaçamento canais: 25 khz. Limite para o ciclo funcionamento 4 : 0,1 % Espaçamento canais: 25 khz. Limite para o ciclo funcionamento 4 : 0,1 % Espaçamento canais: 25 khz. Limite para o ciclo funcionamento 4 : 1,0 % Espaçamento canais: 25 khz. Limite para o ciclo funcionamento 4 : 10 % Espaçamento canais: 10 khz Espaçamento canais: 10 khz dispositivos alarme social 21. sistemas alarme. sistemas alarme. sistemas alarme. Antena Dedicada. Antena Dedicada khz 72 db A/m a 10 metros khz 42 db A/m a 10 metros khz 66 db A/m a 10 metros khz 42 db A/m a 10 metros Dispositivos indutivos ,5 khz 37,7 db A/m a 10 metros 15 dbμa/m a 10 metros em qualquer largura banda 10 khz 148,5 khz khz 24 Além disso, a intensida campo total é 5 dβμα/m a 10 metros para os sistemas que operam em larguras banda superiores a 10 khz khz 13,5 dbμa/m a 10 metros 21 Dispositivos alarme social são sistemas radiocomunicações fiáveis que permitem que uma pessoa em situação emergência numa zona confinada efetue uma chamada para pedir assistência. Estes dispositivos são utilizados normalmente para a assistência a idosos ou ficientes. 22 Frequências exclusivas para aeromolos. 23 Esta categoria abrange os dispositivos radiocomunicações que utilizam campos magnéticos com sistemas laço indutivo para comunicações em campo próximo. Trata-se, normalmente, dispositivos para imobilização veículos, intificação animais, sistemas alarme, teção cabos, gestão resíduos, intificação pessoas, ligações vocais sem fios, controlo do acesso, sensores proximida, sistemas antirroubo, incluindo os sistemas antirroubo RF por indução, transferência dados para dispositivos mão, intificação automática artigos, sistemas comando sem fios e sistemas portagem rodoviária automática. 24 Na faixa khz, aplicam-se às aplicações indutivas valores mais elevados para a campo e restrições suplementares. 12

14 Dispositivos indutivos 23 (cont.) khz dbμa/m a 10 metros em qualquer largura banda 10 khz. Além disso, a intensida campo total é 5 dβμα/m a 10 metros para os sistemas que operam em larguras banda superiores a 10 khz khz 42 db A/m a 10 metros khz 9 db A/m a 10 metros khz 9 dbμa/m a 10 metros khz 42 db A/m a 10 metros khz 42 db A/m a 10 metros 173, ,015 MHz 26 2 mw p.a.r MHz 27, mw p.a.r. 50 khz Antena Integrada. Antena Integrada. Microfones emissores e auxiliares auditivos 27, 28, MHz (salvaguardando as utilizações TDT) 50 mw p.a.r MHz 12 mw p.a.r. 20 mw p.i.r.e. 200 khz Antena Integrada. Antena Integrada. Disponibilizam-se 30 MHz para PMSE áudio sem fios na faixa MHz conforme condições finidas na Decisão 2014/641/EU MHz mw p.i.r.e. 200 khz apenas a PMSE áudio corporais ( vestíveis ) As condições técnicas encontram-se finidas na Decisão 2014/641/UE MHz mw p.i.r.e. 200 khz As condições técnicas encontram-se scritas na Decisão 2014/641/UE 25 Nas faixas khz, khz, khz, khz e khz, aplicam-se às aplicações indutivas valores mais elevados para a campo e restrições suplementares. 26 Auxiliares auditivos. 27 São permitidos monitorização auricular, s que respeitem os parâmetros técnicos indicados para microfones emissores. 28 Caso pretenda utilizar potências superiores às intificadas terá efetuar um pedido licenciamento ao ICP-ANACOM. 29 São apenas permitidas utilizações microfones emissores nas sub-faixas MHz e MHz na R. A. Maira e MHz e MHz no Continente. 30 Esta faixa é aplicável a equipamento PMSE áudio sem fios : equipamento radiocomunicações utilizado para transmissão sinais áudio analógicos ou digitais entre um número limitado emissores e recetores, como por exemplo microfones sem fios, sistemas auriculares monitorização ou ligações áudio, utilizados principalmente para a produção programas radiodifusão ou eventos sociais ou culturais públicos ou privados; 13

15 Microfones emissores e auxiliares auditivos (cont.) Dispositivos assistência auditiva (ALD) 31 Dispositivos intificação por radiofrequência s (RFID) MHz MHz ,8 MHz mw p.i.r.e. 50 mw p.i.r.e. 20 mw p.i.r.e. 50 mw p.i.r.e. 20 mw p.i.r.e. 50 mw p.i.r.e. 169,4 169,475 MHz mw p.a.r. 169, ,5875 MHz mw p.a.r. 169,4-169,475 MHz 500 mw p.a.r. 169, ,5875 MHz 500 mw p.a.r. Máx 50 khz Máx 50 khz Espaçamento canais: até 50 khz Espaçamento canais: até 50 khz apenas a PMSE áudio corporais ( vestíveis ) apenas a PMSE áudio corporais ( vestíveis ) apenas a PMSE áudio corporais ( vestíveis ) Antena Integrada. Antena Integrada. As condições técnicas encontram-se scritas na Decisão 2014/641/UE As condições técnicas encontram-se scritas na Decisão 2014/641/UE As condições técnicas encontram-se scritas na Decisão 2014/641/UE khz 8 dbμa/m a 10 metros khz 60 db A/m a 10 metros 31 Esta categoria abrange os sistemas radiocomunicações que melhoram a capacida auditiva das pessoas com ficiência auditiva. Normalmente, estes sistemas incluem um ou mais radioemissores e um ou mais radiorrecetores. 32 Esta categoria abrange os sistemas radiocomunicações baseados em etiquetas/interrogadores, constituídos por dispositivos radiocomunicações (etiquetas) ligados a elementos animados ou inanimados e por unidas emissores/recetores (interrogadores) que ativam as etiquetas e recebem, em resposta, dados. Estes dispositivos são utilizados normalmente no rastreio e intificação elementos, signadamente na vigilância eletrónica artigos, e na recolha e transmissão dados relacionados com os elementos a que as etiquetas estão ligadas, pondo estas funcionar sem bateria, com o apoio uma bateria ou alimentadas por bateria. As respostas provenientes uma etiqueta são validadas pelo seu interrogador e transferidas para o seu sistema anfitrião. 14

16 Dispositivos intificação por radiofrequência s (RFID) 32 Dispositivos para implantes médicos ativos MHz 500 mw p.i.r.e. 865,0 865,6 MHz 100 mw p.a.r. 865,6 867,6 MHz 2 W p.a.r. 867,6 868,0 MHz 500 mw p.a.r khz 30 db A/m a 10 metros khz 5 dβμα/m a 10 metros 200 khz 200 khz 200 khz funcionamento 4 : 10 % funcionamento 4 : 10 % dispositivos medicinais implantáveis ativos 34. dispositivos implantáveis em animais 35. e Decisão 2006/804/CE e Decisão 2006/804/CE) e Decisão 2006/804/CE khz 7 dβμα/m a 10 metros numa largura banda 10 khz funcionamento 4 : 10 % dispositivos implantáveis em animais para uso em espaços interiores Esta categoria abrange a parte radiocomunicações dos dispositivos medicinais implantáveis ativos stinados a serem total ou parcialmente introduzidos, através intervenção cirúrgica ou médica, no corpo humano ou no corpo um animal, e, se for o caso, os seus periféricos. 34 Dispositivos medicinais implantáveis ativos, como finido na Diretiva 90/385/CEE do Conselho, 20 junho 1990, relativa à aproximação das legislações dos Estados-Membros respeitantes aos dispositivos medicinais implantáveis ativos (JO L , p. 17). 35 Dispositivos implantáveis em animais são dispositivos transmissão que são colocados ntro do corpo um animal para efeitos diagnóstico e/ou administração tratamento terapêutico. 15

17 30,0 37,5 MHz 1 mw p.a.r. funcionamento 4 : 10 % implantes médicos membrana muito pequena potência para medir a pressão arterial abrangidos pela finição dispositivos medicinais implantáveis ativos 34, constante da Diretiva 90/385/CEE. Dispositivos para implantes médicos ativos 33 (cont.) MHz 25 W p.a.r MHz 25 W p.a.r. Espaçamento canais: 25 khz. Cada emissor po combinar canais adjacentes para aumentar a largura banda até 100 khz. Devem ser utilizadas técnicas acesso ao espectro e atenuação das Directiva 1999/5/CE. Em alternativa, po também ser utilizado um limite para o ciclo funcionamento 4 0,1 %. Espaçamento canais: 25 khz. Cada emissor po combinar canais adjacentes para aumentar a largura banda até 300 khz. Pom ser utilizadas outras técnicas para acer ao espectro ou atenuar interferências, inclusivamente larguras banda superiores a 300 khz, s que das técnicas scritas nas Directiva 1999/5/CE, para garantir um funcionamento compatível com os outros utilizadores e, em particular, com as radiossondas meteorológicas. sistemas especificamente concebidos para oferecerem comunicações digitais não vocais entre dispositivos medicinais implantáveis ativos 34 e/ou dispositivos corporais e outros dispositivos exteriores ao corpo humano utilizados para transferir informações fisiológicas não urgentes sobre o doente. dispositivos medicinais implantáveis ativos

18 Dispositivos para implantes médicos ativos 33 (cont.) Dispositivos transmissão contínua/com ciclo funcionamento intensivo MHz 25 μw p.a.r , MHz 10 mw p.i.r.e. 87,5-108 MHz 50 nw p.a.r MHz 10 mw p.a.r Espaçamento canais: 25 khz Cada emissor po combinar canais adjacentes para aumentar a largura banda até 100 khz. Devem ser utilizadas técnicas acesso ao espectro e atenuação das Directiva 1999/5/CE. Em alternativa, po também ser utilizado um limite para o ciclo funcionamento 4 0,1 %. Espaçamento canais: 1 MHz. É também possível utilizar dinamicamente toda a faixa frequências como um só canal para a transmissão dados com elevado débito. Limite para o ciclo funcionamento 4 10 %. Espaçamento canais máximo 200 khz sistemas especificamente concebidos para oferecerem comunicações digitais não vocais entre dispositivos medicinais implantáveis ativos 34 e/ou dispositivos corporais e outros dispositivos exteriores ao corpo humano utilizados para transferir informações fisiológicas não urgentes sobre o doente. dispositivos medicinais implantáveis ativos 34. As unidas mestras periféricas stinam-se unicamente a em espaços interiores. emissores com modulação frequência (FM) analógica. dispositivos para fluxo contínuo dados áudio e multimedia sem fios. 36 Esta categoria abrange os dispositivos radiocomunicações que efetuam transmissões com um reduzido tempo latência e têm um ciclo funcionamento intensivo. Estes dispositivos são utilizados normalmente em sistemas pessoais fluxo contínuo sem fios áudio e multimedia, telemóveis, sistemas entretenimento para o automóvel ou para casa, microfones sem fios, altifalantes sem cabos, auscultadores sem cabos, dispositivos radiocomunicações trazer consigo, dispositivos assistência auditiva, dispositivos intra-auriculares monitorização, microfones sem fios para em concertos ou outras produções em palco e emissores FM analógicos baixa potência (faixa 87,5 108 MHz). 17

19 Dispositivos transmissão contínua/com ciclo funcionamento intensivo 36 (cont.) 864,8-865 MHz mw p.a.r MHz 20 mw p.i.r.e. 50 khz Antena Integrada. Antena Integrada. Sistemas telecomando, telemedida, telealarmes e transmissão dados 29,980 MHz 100 mw p.a.r 29,990 MHz 100 mw p.a.r 30,000 MHz 100 mw p.a.r 30,100 MHz 100 mw p.a.r 150,9375 MHz 500 mw p.a.r 150,9500 MHz 500 mw p.a.r 155,5375 MHz 500 mw p.a.r 155,5500 MHz 500 mw p.a.r 458,1125 MHz 500 mw p.a.r 458,1250 MHz 500 mw p.a.r 458,1375 MHz 500 mw p.a.r 458,1500 MHz 500 mw p.a.r 10 khz 10 khz 10 khz 10 khz 12,5 khz 12,5 khz 12,5 khz 12,5 khz 12,5 khz 12,5 khz 12,5 khz 12,5 khz 37 Equipamentos analógicos voz banda estreita, como monitores bebés, sistemas controlo portas, etc., estão limitados à faixa 864,8-865 MHz. 18

20 b) As estações terrenas dos Serviços por Satélite Terminais HEST e LEST Estas estações verão operar numa base não interferência e não protecção relativamente a estações ou res radiocomunicações licenciadas. A ste tipo estações terrenas só é permitida a distâncias superiores às indicadas na tabela abaixo, contadas a partir da área limite dos aeroportos. Caracterização das estações Estação terrena Faixa Frequências Limites máximos potência (p.i.r.e) Distância (D) à área limite dos aeroportos High e.i.r.p. Satellite Terminal Low e.i.r.p. Satellite Terminal 10,70-12,75 GHz (espaço-terra) 19,70-20,20 GHz (espaço-terra) 14,00-14,50 GHz (Terra-espaço) 29,50-30,00 GHz (Terra-espaço) p.i.r.e. 34 dbw dbw < p.i.r.e. 50 dbw D > 500 metros 50 dbw < p.i.r.e. 55,3 dbw D > 1800 metros 55,3 dbw < p.i.r.e. 57dBW D > 2300 metros 57 dbw < p.i.r.e. 60 dbw D > 3500 metros Terminais HDFSS Estas estações verão operar numa base não interferência e não protecção relativamente a estações ou res radiocomunicações licenciadas. Caracterização das estações Estação terrena Faixa Frequências Limites nsida p.i.r.e fora eixo Ângulo mínimo elevação 17,3-17,7 GHz Espaço-Terra --- 5º 19,7-20,2 GHz espaço-terra --- 5º High Density Fixed-Satellite Service Terminal 27,5-27,82 GHz Terra-espaço -35 dbw/mhz 10º 28,45-28,94 GHz Terra-espaço -35 dbw/mhz 10º 29,46-30,0 GHz Terra-espaço -35 dbw/mhz 10º 19

21 Estações terrenas móveis Estas estações verão operar numa base não interferência e não protecção relativamente a estações ou res radiocomunicações licenciadas. Caracterização das estações Faixas frequências Estações terrenas móveis operando abaixo 1 GHz MHz (espaço-terra) ,05 MHz (Terra-espaço) 39 Estações terrenas móveis operando entre 1 e 3 GHz 38 Estações terrenas móveis operando na faixa Ku (EUTELTRACS) 38 Estações terrenas a bordo aeronaves 43 (AES) MHz (espaço-terra) MHz (espaço-terra) ,5 MHz (Terra-espaço) 1621, ,5 MHz (espaço-terra) 1626,5-1645,5 MHz (Terra-espaço) 40 41, ,5-1660,5 MHz (Terra-espaço) MHz (Terra-espaço) MHz (Terra-espaço) MHz (espaço-terra) 2483, MHz (espaço-terra) 10,70-11,70 GHz (espaço-terra) 12,50-12,75 GHz (espaço-terra) 14,00-14,25 GHz (Terra-espaço) 10,70-11,70 GHz (espaço-terra) 12,50-12,75 GHz (espaço-terra) 14,00-14,50 GHz (Terra-espaço) Figura 1 Marcação GMPCS 38 Estas estações vem ter aposta a marcação scrita na Figura Estas estações não verão causar interferências ou requerer proteção estações dos serviços fixo, móvel e operações espaciais na faixa frequências ,9 MHz e estações do serviço radionavegação por satélite na faixa frequências 149,9-150,05 MHz. 40 Nas faixas frequências MHz e 1626,5-1645,5 MHz têm priorida as comunicações socorro, urgência e segurança no âmbito do sistema GMDSS. 41 Nas faixas frequências MHz e 1646,5-1656,5 MHz têm priorida, no âmbito do Serviço Móvel Aeronáutico por Satélite, as comunicações socorro, urgência bem como as comunicações relativas à segurança e regularida dos voos e à meteorologia. 42 Nas faixas frequências ,5 MHz e MHz, o funcionamento stas estações terrenas não porá causar interferências prejudiciais a estações do serviço radioastronomia. 43 As AES verão operar numa base não interferência e não proteção relativamente a estações ou res radiocomunicações licenciadas. 20

22 Estações terrenas a bordo Embarcações ESV As estações terrenas ESV instaladas a bordo embarcações verão operar numa base não interferência e não protecção relativamente a estações ou res radiocomunicações licenciadas. Caracterização das estações 44 Estação terrena ESV (espaço-terra) 45, MHz (Terra-espaço) 45,46 10,7-11,7 GHz (espaço-terra) 47 12,5-12,75 GHz (espaço-terra) 47 14,00-14,5 GHz (Terra-espaço) Nos termos da Deliberação do Conselho Administração do ICP-ANACOM sobre Isenção licenciamento radioeléctrico estações terrenas ESV e estações radioterminação instaladas a bordo embarcações. 45 Funcionamento acordo com as condições técnicas e operacionais estabelecidas na Resolução 902 (WRC-03), licenciadas pelo IPTM conforme a legislação em vigor. 46 Distâncias superiores a 300 km, contados a partir da linha base normal, ao longo da costa portuguesa. 47 Funcionamento acordo com as condições técnicas e operacionais estabelecidas na Resolução 902 (WRC-03) e na Decisão ECC/DEC/(05)10, licenciadas pelo IPTM conforme a legislação em vigor. 21

23 c) As estações radiocomunicações exclusivamente recepção Estas estações verão operar numa base não interferência e não protecção relativamente a estações ou res radiocomunicações licenciadas. Caracterização das estações Estações receptoras multibanda, não associadas em particular a qualquer serviço radiocomunicações ( scanners ) dos serviços radiocomunicações por satélite nas faixas frequências: 3,4-4,2 GHz; 10,7-12,75 GHz; 17,7-20,2 GHz; do sistema AIS do sistema radiogoniometria do Serviço Radioastronomia 48 do serviço Radioterminação por satélite 49 do serviço Meteorologia por satélite do serviço Exploração da Terra por satélite d) As estações radiodifusão televisiva e sonora exclusivamente recepção. e) As estações do serviço móvel aeronáutico e do serviço radioterminação instaladas a bordo aeronaves, certificadas pelo INAC 50. f) As estações do serviço radioterminação instaladas a bordo embarcações, licenciadas pelo IPTM 51. g) As estações radiocomunicações em aeronaves voo livre, asa lta com motor e parapente com motor ou paramotor A das frequências 143,925 MHz, 143,9375 MHz e 143,950 MHz como suporte às radiocomunicações no âmbito da ativida voo livre, em regime isenção licenciamento radioelétrico, verão respeitar as seguintes condições técnicas: 48 Porá ser assegurada protecção radioeléctrica às estações Radioastronomia a funcionar em faixas frequências atribuídas a este serviço com estatuto Primário, mediante o seu licenciamento radioeléctrico. 49 Porá ser assegurada protecção radioeléctrica às estações terrenas a funcionar em faixas frequências atribuídas a este serviço com estatuto Primário, mediante o seu licenciamento radioeléctrico. Este procedimento não se aplica aos terminais GPS e GLONASS. 50 Nos termos do Despacho do Sr. Presinte do Conselho Administração do ICP-ANACOM , ratificado pela liberação do Conselho Administração da ANACOM Nos termos da Deliberação do Conselho Administração do ICP-ANACOM sobre Isenção licenciamento radioeléctrico estações terrenas ESV e estações radioterminação instaladas a bordo embarcações. 22

24 Objetivo: Assegurar comunicações emergência e socorro e caráter geral em eventos ou práticas sportivas no âmbito do voo livre; Frequências operação: 143,925 MHz 143,9375 MHz e 143,950 MHz; Canalização: 12,5 khz; Classe emissão: 11k0G3E; Potência aparente radiada máxima: 2 Watt; Antena: Omnidirecional com ganho unitário; Modo exploração: Simplex; Área serviço: Em todo o território nacional. 23

C- Isenção de licenças radioeléctricas: C.2 Isenção de licença de estação.

C- Isenção de licenças radioeléctricas: C.2 Isenção de licença de estação. http://www.anacom.pt/template15.jsp?categoryid=150382 C- Isenção licenças radioeléctricas: C.2 Isenção licença estação. Página 142 C- Isenção licenças radioeléctricas: C.2 Isenção licença estação Nos termos

Leia mais

http://www.anacom.pt/template15.jsp?categoryid=47835

http://www.anacom.pt/template15.jsp?categoryid=47835 http://www.anacom.pt/template15.jsp?categoryid=47835 C- Isenção licenças radioeléctricas: C.2 Isenção licença estação. Página 57 C- Isenção licenças radioeléctricas: C.2 Isenção licença estação Nos termos

Leia mais

SRD s. a) Interfaces Alarmes. PORTUGAL Especificações Interfaces Radio SRD - Alarmes [REFERENCE NUMBER] [1.0 / 2010]

SRD s. a) Interfaces Alarmes. PORTUGAL Especificações Interfaces Radio SRD - Alarmes [REFERENCE NUMBER] [1.0 / 2010] Parte normativa SRD s a) Interfaces Alarmes PORTUGAL Especificações Interfaces Radio SRD - Alarmes [REFERENCE NUMBER] [1.0 / 2010] Nr Parâmetro Descrição Comentários 1 Serviço de Radiocomunicações Exclusivamente

Leia mais

DISPOSITIVOS / SISTEMAS QUE UTILIZAM TECNOLOGIA DE BANDA ULTRALARGA (UWB)

DISPOSITIVOS / SISTEMAS QUE UTILIZAM TECNOLOGIA DE BANDA ULTRALARGA (UWB) DISPOSITIVOS / SISTEMAS QUE UTILIZAM TECNOLOGIA DE BANDA ULTRALARGA (UWB) Revisto a 30 de janeiro de 2015 A tecnologia UWB permite o desenvolvimento de uma vasta variedade de novos dispositivos de curto

Leia mais

Anexo 1 TABELA DE ATRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIAS. ICP-ANACOM Autoridade Nacional de Comunicações QNAF 2008 Página 9

Anexo 1 TABELA DE ATRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIAS. ICP-ANACOM Autoridade Nacional de Comunicações QNAF 2008 Página 9 Anexo 1 TABELA DE ATRIBUIÇÃO DE Página 9 1.1 TABELA DE ATRIBUIÇÃO DE A estrutura da Tabela de Atribuição de Frequências é a seguinte: Coluna 1: FAIXAS DE Indica a faixa de frequências a que se refere cada

Leia mais

COMITÉ DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS

COMITÉ DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS COMITÉ DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS Decisão EEC de 1 de Dezembro de 2006 sobre a harmonização de sistemas GSM a bordo de aeronaves nas faixas de frequências 1710 1785 e 1805 1880 MHz (EEC/DEC/(06)07)

Leia mais

Aspectos técnicos e regulamentares das redes sem fios

Aspectos técnicos e regulamentares das redes sem fios Aspectos técnicos e regulamentares das redes sem fios Aplicação isentas de licenciamento radioeléctrico Leiria, 27 de Maio de 2009 José Mário Valente & Miguel Azevedo Nunes AGENDA ANACOM QNAF ISENÇÃO DE

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia 30.4.2004

Jornal Oficial da União Europeia 30.4.2004 L 150/12 PT Jornal Oficial da União Europeia 30.4.2004 REGULAMENTO (CE) N.º 812/2004 DO CONSELHO de 26.4.2004 que estabelece medidas relativas às capturas acidentais de cetáceos no exercício das actividades

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. Decreto-Lei n.º 237/2006 de 14 de Dezembro

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. Decreto-Lei n.º 237/2006 de 14 de Dezembro MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Decreto-Lei n.º 237/2006 de 14 de Dezembro O presente decreto-lei transpõe para a ordem jurídica interna as Directivas n.os 2004/104/CE, da Comissão, de 14 de Outubro,

Leia mais

Serviço Radiodifusão

Serviço Radiodifusão Parte normativa Serviço Radiodifusão a) Interfaces aplicações SAP-SAB PORTUGAL Especificações Interfaces Radio Aplicações SAP/SAB - Câmaras sem fios [REFERENCE NUMBER] [1.0 / 2010] Nr Parâmetro Descrição

Leia mais

Redes pessoais: perspectiva de gestão de espectro

Redes pessoais: perspectiva de gestão de espectro Redes pessoais: perspectiva de gestão de espectro 4.º Congresso do Comité Português da URSI João Duque ANACOM 23 de Setembro 2010 Índice ÍNDICE 1. A ANACOM QNAF 2. Redes móveis pessoais Bluethooth; UWB;

Leia mais

Novos requisitos de espectro e condições de partilha e compatibilidade

Novos requisitos de espectro e condições de partilha e compatibilidade Novos requisitos de espectro e condições de partilha e compatibilidade Instituto Superior Técnico Miguel Capela Lisboa, 29 de maio de 2014 ÍNDICE 1. ANACOM 2. GESTÃO DO ESPECTRO RADIOELÉCTRICO 3. NOVOS

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004) TÍTULO: Atmosferas explosivas risco de explosão AUTORIA: Paula Mendes PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004) INTRODUÇÃO A protecção contra

Leia mais

USO DA SUBFAIXA DE 2,4 GHz Radiação Restrita

USO DA SUBFAIXA DE 2,4 GHz Radiação Restrita USO DA SUBFAIXA DE 2,4 GHz Radiação Restrita Esclarecimentos quanto às condições de uso de RF na subfaixa de 2.400 2.483,5 MHz por transceptores de radiação restrita ÍNDICE Conceituação Regulamentação

Leia mais

Perguntas Frequentes. Pilhas e Acumuladores. 1. Qual é a legislação nacional em vigor em matéria de Pilhas e Acumuladores?

Perguntas Frequentes. Pilhas e Acumuladores. 1. Qual é a legislação nacional em vigor em matéria de Pilhas e Acumuladores? Perguntas Frequentes Pilhas e Acumuladores 1. Qual é a legislação nacional em vigor em matéria de Pilhas e Acumuladores? É o Decreto-Lei n.º 6/2009, de 6 de Janeiro, que estabelece o regime de colocação

Leia mais

Serviço Fixo por Satélite

Serviço Fixo por Satélite Parte normativa Serviço Fixo por Satélite a) Interfaces fixo Satélite PORTUGAL Especificações Interfaces Radio Estações terrenas de controlo e encaminhamento de tráfego HUB s [REFERENCE NUMBER] [1.0 /

Leia mais

23.11.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 305/23

23.11.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 305/23 23.11.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 305/23 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) N. o 1206/2011 DA COMISSÃO de 22 de Novembro de 2011 que estabelece os requisitos aplicáveis à identificação das aeronaves

Leia mais

Cobertura de RF em Redes WI-FI

Cobertura de RF em Redes WI-FI Cobertura de RF em Redes WI-FI Este tutorial apresenta as alternativas para estender a área de cobertura de redes locais sem fio com ênfase na utilização de cabos irradiantes. Marcelo Yamaguchi Pós-graduado

Leia mais

ESTUDO DE COBERTURA TDT. Charneca de Alvorge - Alvorge (Ansião)

ESTUDO DE COBERTURA TDT. Charneca de Alvorge - Alvorge (Ansião) ESTUDO DE COBERTURA TDT Charneca de Alvorge - Alvorge (Ansião) DGE1 - Centro de Monitorização e Controlo do Espectro xxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxx 25 de janeiro de 2012 1 Índice

Leia mais

NETCOM 2007 PALESTRA:

NETCOM 2007 PALESTRA: NETCOM 2007 PALESTRA: SOLUÇÕES DE COBERTURA INDOOR PARA APLICAÇÕES WIMAX Marcelo Yamaguchi RFS Radio Frequency Systems Página 1 de (6) INTRODUÇÃO A demanda cada vez maior por portabilidade, mobilidade,

Leia mais

Documento sujeito a revisões periódicas CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-2118 / 3232-1975 / 0800-281-1975

Documento sujeito a revisões periódicas CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-2118 / 3232-1975 / 0800-281-1975 Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Estações de Radiocomunicação - Licença de Operação

Leia mais

PAVIRO Sistema de chamada e evacuação por voz com qualidade de som profissional Flexibilidade desde o início PAVIRO 1

PAVIRO Sistema de chamada e evacuação por voz com qualidade de som profissional Flexibilidade desde o início PAVIRO 1 PAVIRO Sistema de chamada e evacuação por voz com qualidade de som profissional Flexibilidade desde o início PAVIRO 1 2 PAVIRO PAVIRO 3 Mantém as pessoas informadas, seguras e entretidas Com mais de 100

Leia mais

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES MONOCANAIS ANALÓGICOS AM

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES MONOCANAIS ANALÓGICOS AM ANEXO À RESOLUÇÃO N o 370, DE 13 DE MAIO DE 2004. NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES MONOCANAIS ANALÓGICOS AM 1. Objetivo Esta norma estabelece os requisitos técnicos

Leia mais

Anatel. Regulamentação e Licenciamento para Cidades Digitais. Porto Alegre Wireless 3º Encontro Nacional de Banda Larga para Municípios

Anatel. Regulamentação e Licenciamento para Cidades Digitais. Porto Alegre Wireless 3º Encontro Nacional de Banda Larga para Municípios Anatel Regulamentação e Licenciamento para Cidades Digitais Porto Alegre Wireless 3º Encontro Nacional de Banda Larga para Municípios Porto Alegre, 4 de junho de 2009. Eng. Mauricio Peroni Especialista

Leia mais

Identificação por Dispositivos de Radiofrequência - RFID -

Identificação por Dispositivos de Radiofrequência - RFID - Identificação por Dispositivos de Radiofrequência - RFID - Os dispositivos de identificação por meio de rádio frequência têm atingido já desde alguns anos um estado de difusão aplicacional e comercial

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES CONSULTA PÚBLICA Nº 54, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013 Atribuir a faixa de radiofrequências de 4.910 MHz a 4.940 MHz também ao Serviço Móvel, manter a atribuição da faixa

Leia mais

PROJECTO DE DECISÃO. Introdução do Sistema GSM-R e definição do respectivo tipo de autorização

PROJECTO DE DECISÃO. Introdução do Sistema GSM-R e definição do respectivo tipo de autorização PROJECTO DE DECISÃO Introdução do Sistema GSM-R e definição do respectivo tipo de autorização 1. Introdução A CEPT desenvolveu, desde 1995, acções no sentido de definir os requisitos de espectro e de âmbito

Leia mais

Serviços de telecomunicações de uso pessoal e exposição a radiações de serviços móveis GSM

Serviços de telecomunicações de uso pessoal e exposição a radiações de serviços móveis GSM Serviços de telecomunicações de uso pessoal e exposição a radiações de serviços móveis GSM Trabalho realizado pelo grupo: 1MIEEC06_03 Índice Introdução...1 A importância dos serviços de telecomunicações

Leia mais

WPAN ZigBee & Bluetooth SDIC Cap6. Redes Sem Fios

WPAN ZigBee & Bluetooth SDIC Cap6. Redes Sem Fios Redes Sem Fios As recomendações do IEEE (Institute of Electrical and Eletronics Engineers), particularmente as recomendações da série IEEE 802.11, são os exemplos mais conhecidos para os padrões de redes

Leia mais

Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008

Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008 Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008 DIRECTIVA 97/66/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 15 de Dezembro de 1997 relativa ao tratamento de dados pessoais e à protecção da privacidade

Leia mais

O SECRETARIO NACIONAL DE COMUNICAÇÕES DO MINISTÉRIO DA INFRA-ESTRUTURA, no uso de suas atribuições e,

O SECRETARIO NACIONAL DE COMUNICAÇÕES DO MINISTÉRIO DA INFRA-ESTRUTURA, no uso de suas atribuições e, 0 MINISTÉRIO D INFRESTRUTUR Portaria nº 052 de 04 de junho de 1991 O SECRETRIO NCIONL DE COMUNICÇÕES DO MINISTÉRIO D INFRESTRUTUR, no uso de suas atribuições e, Considerando: a expressa autorização concedida

Leia mais

SERVIÇO ELETRÓNICO EUROPEU DE PORTAGEM

SERVIÇO ELETRÓNICO EUROPEU DE PORTAGEM DIRECÇÃO-GERAL DAS POLÍTICAS INTERNAS DEPARTAMENTO TEMÁTICO B: POLÍTICAS ESTRUTURAIS E DE COESÃO TRANSPORTES E TURISMO SERVIÇO ELETRÓNICO EUROPEU DE PORTAGEM SÍNTESE Resumo O presente estudo foi levado

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

TRANSPORTES RODOVIÁRIOS: HARMONIZAÇÃO DAS DISPOSIÇÕES LEGAIS

TRANSPORTES RODOVIÁRIOS: HARMONIZAÇÃO DAS DISPOSIÇÕES LEGAIS TRANSPORTES RODOVIÁRIOS: HARMONIZAÇÃO DAS DISPOSIÇÕES LEGAIS A criação de um mercado único europeu dos transportes rodoviários não é possível sem uma harmonização das disposições legais em vigor nos Estados-Membros.

Leia mais

ESTUDO DE COBERTURA TDT. Sobral da Abelheira Mafra

ESTUDO DE COBERTURA TDT. Sobral da Abelheira Mafra ESTUDO DE COBERTURA TDT Sobral da Abelheira Mafra DGE1 - Centro de Monitorização e Controlo do Espectro xxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxx 11 de janeiro de 2012 1 Índice 1 Índice... 1 2 Descrição Sumária do

Leia mais

ESTUDO DE COBERTURA TDT. Alcobaça Centro Histórico

ESTUDO DE COBERTURA TDT. Alcobaça Centro Histórico ESTUDO DE COBERTURA TDT Alcobaça Centro Histórico Aferição dos Níveis Mínimos de Campo Elétrico Cobertura Portátil Interior no Centro Histórico de Alcobaça Centro de Monitorização e Controlo do Espectro

Leia mais

96040A. Fonte de referência com baixo ruído de fase. Dados técnicos. Simplifique seu sistema de calibração de RF. Principais benefícios

96040A. Fonte de referência com baixo ruído de fase. Dados técnicos. Simplifique seu sistema de calibração de RF. Principais benefícios 96040A Fonte de referência com baixo ruído de fase Dados técnicos Simplifique seu sistema de calibração de RF A Fonte de referência de RF Fluke Calibration 96040A permite simplificar seu sistema de calibração

Leia mais

Underwater Comunicação Rádio

Underwater Comunicação Rádio Underwater Comunicação Rádio por VK5BR Butler Lloyd (Originalmente publicado em Rádio Amador, Abril de 1987) Até onde podemos comunicar submerso no mar ou em um lago. Quão grande é a atenuação do sinal

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 103/IX

PROPOSTA DE LEI N.º 103/IX PROPOSTA DE LEI N.º 103/IX AUTORIZA O GOVERNO A APROVAR O REGIME GERAL DE LICENCIAMENTO AERONÁUTICO CIVIL E DA CERTIFICAÇÃO E AUTORIZAÇÃO DAS RESPECTIVAS ORGANIZAÇÕES DE FORMAÇÃO Exposição de motivos O

Leia mais

PATENTES. Situação da Patente Concedida em 27/02/2006

PATENTES. Situação da Patente Concedida em 27/02/2006 PATENTES Última atualização: 14 de outubro de 2013 para mais informações contacte o Serviço de Documentação e Publicações (SDP) sdocpub@isel.pt tel.: (+351) 218 317 079 ext.: 1619/1620/1621/1665 Patente

Leia mais

PARECER. PT Unida na diversidade PT. Parlamento Europeu 2016/0027(COD) 24.6.2016. da Comissão da Cultura e da Educação

PARECER. PT Unida na diversidade PT. Parlamento Europeu 2016/0027(COD) 24.6.2016. da Comissão da Cultura e da Educação Parlamento Europeu 2014-2019 Comissão da Cultura e da Educação 2016/0027(COD) 24.6.2016 PARECER da Comissão da Cultura e da Educação dirigido à Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia sobre

Leia mais

FAMÍLIA DE ANTENAS RFID DA MOTOROLA

FAMÍLIA DE ANTENAS RFID DA MOTOROLA COMPLETO PORTFÓLIO DE ANTENAS RFID PARA MÚLTIPLAS E VARIADAS NECESSIDADES DE APLICAÇÃO FAMÍLIA DE ANTENAS RFID DA MOTOROLA A família de antenas de Identificação por Radiofrequência (RFID) da Motorola oferece

Leia mais

Tecnologia de faixa para falha

Tecnologia de faixa para falha Tecnologia de faixa para falha Por Tom Bell e John Nankivell Índice 1. Introdução 1 2. Equipamento de teste / processo de teste de PIM existente 2 3. Nova análise de RTF / limitações técnicas 3 4. Fluxograma

Leia mais

Portaria n.º 427/96 de 30 de Agosto. Equipamentos das embarcações de recreio... 3 Equipamentos de primeiros socorros... 5

Portaria n.º 427/96 de 30 de Agosto. Equipamentos das embarcações de recreio... 3 Equipamentos de primeiros socorros... 5 Portaria n.º 427/96 de 30 de Agosto Equipamentos das embarcações de recreio... 3 Equipamentos de primeiros socorros... 5 O Regulamento da Náutica de Recreio, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 329/95, de 9

Leia mais

Regime aplicável ao licenciamento de redes e estações de radiocomunicações

Regime aplicável ao licenciamento de redes e estações de radiocomunicações Regime aplicável ao licenciamento de redes e estações de radiocomunicações Decreto-Lei n.º 151-A/2000, de 20 de Julho (com a redacção dada pelo Decreto-Lei n.º 167/2006, de 16 de Agosto) Remonta ao final

Leia mais

PROJETO DE LEI. Reajusta os valores da Taxa de Serviços Metrológicos, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

PROJETO DE LEI. Reajusta os valores da Taxa de Serviços Metrológicos, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: PROJETO DE LEI Reajusta os valores da Taxa de Serviços Metrológicos, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1 o A Taxa de Serviços Metrológicos, instituída pelo art. 11 da Lei n o

Leia mais

ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO DE LIQUIDAÇÃO E COBRANÇA DE TAXAS DEVIDAS AO ICP-ANACOM

ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO DE LIQUIDAÇÃO E COBRANÇA DE TAXAS DEVIDAS AO ICP-ANACOM I RELATÓRIO 1. Por deliberação de 1 de Julho de 2009, o Conselho de Administração aprovou o Regulamento de liquidação e cobrança de taxas devidas ao ICP-ANACOM, tendo nessa data sido igualmente aprovado

Leia mais

Tendo em conta o Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, nomeadamente o artigo 127. o, n. o artigo 132. o,

Tendo em conta o Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, nomeadamente o artigo 127. o, n. o artigo 132. o, L 314/66 1.12.2015 DECISÃO (UE) 2015/2218 DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 20 de novembro de 2015 relativa ao procedimento para excluir membros do pessoal da aplicação da presunção de que as suas atividades

Leia mais

Impostos sobre os veículos automóveis ligeiros de passageiros *

Impostos sobre os veículos automóveis ligeiros de passageiros * P6_TA(2006)0334 Impostos sobre os veículos automóveis ligeiros de passageiros * Resolução legislativa do Parlamento Europeu sobre uma proposta de directiva do Conselho relativa à tributação aplicável aos

Leia mais

OS DIREITOS DOS PASSAGEIROS DE TRANSPORTE AÉREO

OS DIREITOS DOS PASSAGEIROS DE TRANSPORTE AÉREO OS DIREITOS DOS PASSAGEIROS DE TRANSPORTE AÉREO Dia 17 de Fevereiro entrou em vigor o Regulamento (CE) n.º 261/2004, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 11 de Fevereiro de 2004, que estabelece regras

Leia mais

Memória Descritiva de Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo de Ponta Delgada

Memória Descritiva de Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo de Ponta Delgada Memória Descritiva de Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo de Ponta Delgada Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo 1(10) Índice 1. Objectivo... 3 2. Descrição do Sistema

Leia mais

Programas de Acção. Page 34

Programas de Acção. Page 34 Page 34 Programas de Acção P.1 Aplicação do novo quadro regulamentar às comunicações electrónicas Transposição do novo quadro regulamentar. Acompanhamento da implementação das novas estruturas organizacionais

Leia mais

RESPOSTA DA ZON AO SENTIDO PROVÁVEL DE DECISÃO DO ICP-ANACOM RELATIVO À

RESPOSTA DA ZON AO SENTIDO PROVÁVEL DE DECISÃO DO ICP-ANACOM RELATIVO À RESPOSTA DA ZON AO SENTIDO PROVÁVEL DE DECISÃO DO ICP-ANACOM RELATIVO À DESIGNAÇÃO E DISPONIBILIZAÇÃO DA SUB-FAIXA DOS 790-862 MHZ PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS Na sequência

Leia mais

Decisão ECC (09)02. Harmonização das faixas 1610-1626,5 MHz e 2483,5-2500 MHz para utilização por sistemas do Serviço Móvel por Satélite

Decisão ECC (09)02. Harmonização das faixas 1610-1626,5 MHz e 2483,5-2500 MHz para utilização por sistemas do Serviço Móvel por Satélite Decisão ECC (09)02 Harmonização das faixas 1610-1626,5 MHz e 2483,5-2500 MHz para utilização por sistemas do Serviço Móvel por Satélite aprovada em 26 de junho de 2009 alterada em 02 de novembro de 2012

Leia mais

Decisão ERC (98)25. Faixa de frequências harmonizada a designar para utilização de equipamento PMR 446 analógico. Aprovada em 23 de novembro de 1998

Decisão ERC (98)25. Faixa de frequências harmonizada a designar para utilização de equipamento PMR 446 analógico. Aprovada em 23 de novembro de 1998 Decisão ERC (98)25 Faixa de frequências harmonizada a designar para utilização de equipamento PMR 446 analógico Aprovada em 23 de novembro de 1998 Alterada em 1 de junho de 2012 ERC/DEC(98)25 Página 2

Leia mais

Decreto-Lei n.º 129/2002 de 11 de Maio Aprova o Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios

Decreto-Lei n.º 129/2002 de 11 de Maio Aprova o Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 129/2002, de 11 de Maio, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Decreto-Lei n.º 129/2002 de 11 de Maio

Leia mais

Escola Náutica Infante D. Henrique Departamento de Radiotecnica

Escola Náutica Infante D. Henrique Departamento de Radiotecnica Escola Náutica Infante D. Henrique Departamento de Radiotecnica Fundamentos de Telecomunicacoes 2ª Ficha de Exercicios Em todos os exercícios em que seja pedida a representação gráfica de sinais (seja

Leia mais

Plano de Atribuição de Frequências da SADC (PAF da SADC) 8.3 khz 100 GHz

Plano de Atribuição de Frequências da SADC (PAF da SADC) 8.3 khz 100 GHz Plano de Atribuição de Frequências da SADC (PAF da SADC) 8.3 khz 100 GHz Maseru, Lesoto Maio de 2013 PÁGINA 1 DE 70 Os seguintes quinze (15) países foram incluídos no PAF da SADC: Nº Nome do País Símbolo

Leia mais

MINISTÉRIO DAS PESCAS E AMBIENTE. Decreto Executivo n," 8/02 de 15 de Fevereiro. ARTIGO 1.0 (Objecto)

MINISTÉRIO DAS PESCAS E AMBIENTE. Decreto Executivo n, 8/02 de 15 de Fevereiro. ARTIGO 1.0 (Objecto) MINISTÉRIO DAS PESCAS E AMBIENTE Decreto Executivo n," 8/02 de 15 de Fevereiro As políticas de conservação e auto-renovação sustentável dos recursos exigem uma conduta de pesca responsável por parte dos

Leia mais

CONVERSORES DE VOLUME: TIPO PTZ

CONVERSORES DE VOLUME: TIPO PTZ ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 440 5 de maio de 2015 Página 2 de 17 ÍNDICE Registo das revisões... 4 1. Objectivo... 5 2. Âmbito... 5 3. Referências... 5 4. Definições / Siglas... 6 5. Cumprimento normativo...

Leia mais

CIRCULAR DE INFORMAÇÃO AERONÁUTICA n PORTUGAL

CIRCULAR DE INFORMAÇÃO AERONÁUTICA n PORTUGAL CIRCULAR DE INFORMAÇÃO AERONÁUTICA n PORTUGAL INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL TELEFONE 218423502 INFORMAÇÃO AERONÁUTICA AFTN - LPPTYAYI AEROPORTO DA PORTELA 25/03 TELEX 12120 - AERCIV P 1749-034 LISBOA

Leia mais

Antenas, Cabos e Rádio-Enlace

Antenas, Cabos e Rádio-Enlace Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Camada Física: Redes Sem Fio Antenas, Cabos e Rádio-Enlace Rádio Transmissor (Tx) Linha de Transmissão (LT) Antena Transmissora Meio de

Leia mais

AVALIAÇÃO DA COBERTURA GLOBAL DE TDT NAS LOCALIDADES DE. PRAIA DE QUIAOS E MURTINHEIRA (Concelho de Figueira da Foz)

AVALIAÇÃO DA COBERTURA GLOBAL DE TDT NAS LOCALIDADES DE. PRAIA DE QUIAOS E MURTINHEIRA (Concelho de Figueira da Foz) AVALIAÇÃO DA COBERTURA GLOBAL DE TDT NAS LOCALIDADES DE PRAIA DE QUIAOS E MURTINHEIRA (Concelho de Figueira da Foz) Centro de Monitorização e Controlo do Espectro 03 de Agosto de 2011 No dia 3 de Agosto

Leia mais

TEXTO INTEGRAL. Artigo 1.º (Objecto)

TEXTO INTEGRAL. Artigo 1.º (Objecto) DATA : Segunda-feira, 16 de Julho de 1990 NÚMERO : 162/90 SÉRIE I EMISSOR : Ministério da Indústria e Energia DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 232/90 SUMÁRIO: Estabelece os princípios a que deve obedecer

Leia mais

Sistema de debate digital CCS 1000 D 1. Sistema de debate digital CCS 1000 D Compacto, mas versátil

Sistema de debate digital CCS 1000 D 1. Sistema de debate digital CCS 1000 D Compacto, mas versátil Sistema de debate digital CCS 1000 D 1 Sistema de debate digital CCS 1000 D Compacto, mas versátil 2 Sistema de debate digital CCS 1000 D Concebido para reuniões plug-and-play, simplificadas e extremamente

Leia mais

ESTUDO DE COBERTURA TDT. Serra de St.º Antonio, Minde e Mira de Aire

ESTUDO DE COBERTURA TDT. Serra de St.º Antonio, Minde e Mira de Aire ESTUDO DE COBERTURA TDT Serra de St.º Antonio, Minde e Mira de Aire DGE1 - Centro de Monitorização e Controlo do Espectro xxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxx xxxxxxxxxx 05 a 06 de dezembro de 2011 1 Índice 1

Leia mais

DIRECTIVA 2002/30/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

DIRECTIVA 2002/30/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO L 85/40 DIRECTIVA 2002/30/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 26 de Março de 2002 relativa ao estabelecimento de regras e procedimentos para a introdução de restrições de operação relacionadascom

Leia mais

TRANSPORTES RODOVIÁRIOS: NORMAS EM MATÉRIA DE TRÁFEGO E SEGURANÇA

TRANSPORTES RODOVIÁRIOS: NORMAS EM MATÉRIA DE TRÁFEGO E SEGURANÇA TRANSPORTES RODOVIÁRIOS: NORMAS EM MATÉRIA DE TRÁFEGO E SEGURANÇA A UE pretende realizar um espaço europeu da segurança rodoviária ao longo da década de 2010-2020. As competências nesta matéria são principalmente

Leia mais

ECC/DEC/(07)02 - Decisão sobre a disponibilidade de frequências na faixa MHz para a implementação harmonizada de sistemas BWA.

ECC/DEC/(07)02 - Decisão sobre a disponibilidade de frequências na faixa MHz para a implementação harmonizada de sistemas BWA. 7.4 DOCUMENTOS RELEVANTES DA CEPT, UIT E UE Documentos da CEPT Decisões CEPT/ECC ECC/DEC/(07)02 - Decisão sobre a disponibilidade de frequências na faixa 3400 3800 MHz para a implementação harmonizada

Leia mais

RFID (Identificação por Radiofrequência)

RFID (Identificação por Radiofrequência) RFID (Identificação por Radiofrequência) Este tutorial apresenta a descrição de conceitos de RFID, tecnologia wireless de identificação e coleta de dados. Vergílio Antonio Martins Engenheiro de Eletrônica

Leia mais

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO Marcelo Pessoa Engenheiro de soluções para saneamento Introdução As indústrias buscam eficiência, aumento da qualidade e a redução de custos. Para alcançar isto investem

Leia mais

DECISÃO DE EXECUÇÃO (UE) 2015/253 DA COMISSÃO

DECISÃO DE EXECUÇÃO (UE) 2015/253 DA COMISSÃO 17.2.2015 L 41/55 DECISÃO DE EXECUÇÃO (UE) 2015/253 DA COMISSÃO de 16 de fevereiro de 2015 que estabelece as regras relativas à recolha de amostras e à apresentação de relatórios, no âmbito da Diretiva

Leia mais

DATA: Quarta-feira, 6 de Setembro de 2006 NÚMERO: 172 SÉRIE I. EMISSOR: Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social

DATA: Quarta-feira, 6 de Setembro de 2006 NÚMERO: 172 SÉRIE I. EMISSOR: Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social DATA: Quarta-feira, 6 de Setembro de 2006 NÚMERO: 172 SÉRIE I EMISSOR: Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social DIPLOMA/ACTO: Decreto-Lei n.º 182/2006 SUMÁRIO: Transpõe para a ordem jurídica interna

Leia mais

MANUAL RÁDIO MODEM COMPACTO 900 MHz RMC-900

MANUAL RÁDIO MODEM COMPACTO 900 MHz RMC-900 MANUAL RÁDIO MODEM COMPACTO 900 MHz RMC-900 Versão 1.01 Infinium Automação Industrial Ltda contato@infiniumautomacao.com.br 1. APRESENTAÇÃO O rádio modem RMC-900 foi projetado para utilização em sistemas

Leia mais

Data de homologação. Data de edição. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor

Data de homologação. Data de edição. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor NP EN 13230-1:2011 Aplicações ferroviárias. Via Travessas de betão Parte 1: Requisitos gerais CT 143 2011-09-28 NP EN 13230-2:2011 Aplicações ferroviárias. Via Travessas de betão Parte 2: Travessas monobloco

Leia mais

Estudo e Definição de Redes Locais Sem Fio para Aplicação em Pátios de Subestações e Usinas de Energia Elétrica

Estudo e Definição de Redes Locais Sem Fio para Aplicação em Pátios de Subestações e Usinas de Energia Elétrica 1 Estudo e Definição de Redes Locais Sem Fio para Aplicação em Pátios de Subestações e Usinas de Energia Elétrica G. Preger, FURNAS, M. G. Castello Branco, CPqD e C. R. S. Fernandes, CPqD Resumo-Este trabalho

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA. RÁDIO DIGITAL PDH SHF (1+1) 4x2, 8x2, 16x2 Mbps 02.112-TI/SI 1410. Revisão C

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA. RÁDIO DIGITAL PDH SHF (1+1) 4x2, 8x2, 16x2 Mbps 02.112-TI/SI 1410. Revisão C ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA RÁDIO DIGITAL PDH SHF (1+1) 4x2, 8x2, 16x2 Mbps 02.112-TI/SI 1410 Revisão C SUPERINTENDÊNCIA DE TELECOMUNICAÇÕES E INFORMÁTICA - TI GERÊNCIA DE SUPORTE EM INFRA-ESTRUTURA DE TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

J. ROMA, Lda. www.jroma.pt

J. ROMA, Lda. www.jroma.pt MEDIDORES DE CAMPO ELECTROMAGNÉTICO Para medidas de campos EMF criados por radares (em funcionamento), telemóveis, UMTS; telefones sem fios, torres de transmissão, Wlan, Wifi, Bluetooth, fornos microondas,

Leia mais

Guia PFV - Painéis Fotovoltaicos

Guia PFV - Painéis Fotovoltaicos 2014 Guia PFV - Painéis Fotovoltaicos 17-07-2014 Índice 1 Objetivo... 3 2 Porquê esta legislação?... 3 3 Quais as empresas que estão abrangidas pela legislação?... 3 4 Quais os equipamentos abrangidos?...

Leia mais

Serviço Móvel Terrestre

Serviço Móvel Terrestre Serviço Móvel Terrestre a) Interfaces 2500-2690 MHz PORTUGAL Especificações Interfaces Radio 2500 2690 MHz - Estações de base [REFERENCE NUMBER] [1.0 / 2010] 1 Serviço Serviço Fixo e Móvel Utilização flexível

Leia mais

AVALIAÇÃO DA COBERTURA GLOBAL DE TDT Praia da Vieira e Praia de Pedrógão (CONCELHO DE LEIRIA)

AVALIAÇÃO DA COBERTURA GLOBAL DE TDT Praia da Vieira e Praia de Pedrógão (CONCELHO DE LEIRIA) AVALIAÇÃO DA COBERTURA GLOBAL DE TDT Praia da Vieira e Praia de Pedrógão (CONCELHO DE LEIRIA) DGE1 - Centro de Monitorização e Controlo do Espectro XXXXXXX XXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXX XXXXXXXXXX XXXXXXXXXXX

Leia mais

4. ACTIVIDADES DE COMUNICAÇÃO, TRATAMENTO DE SOLICITAÇÕES E ATENDIMENTO

4. ACTIVIDADES DE COMUNICAÇÃO, TRATAMENTO DE SOLICITAÇÕES E ATENDIMENTO 4. ACTIVIDADES DE COMUNICAÇÃO, TRATAMENTO DE SOLICITAÇÕES E ATENDIMENTO 4.1 Comunicação externa A publicação e divulgação de informação relevante sobre o sector das comunicações, o mercado e os seus intervenientes

Leia mais

GUIA TDT PREPARE-SE PARA A televisão digital terrestre SAibA o que fazer!

GUIA TDT PREPARE-SE PARA A televisão digital terrestre SAibA o que fazer! GUIA TDT PREPARE-SE para a televisão digital terrestre saiba o que fazer! MENSAGEM DO PRESIDENTE José Amado da Silva Presidente da Autoridade Nacional das Comunicações (ICP-ANACOM) Num momento crucial

Leia mais

L 129/52 Jornal Oficial da União Europeia 28.5.2010

L 129/52 Jornal Oficial da União Europeia 28.5.2010 L 129/52 Jornal Oficial da União Europeia 28.5.2010 REGULAMENTO (UE) N. o 461/2010 DA COMISSÃO de 27 de Maio de 2010 relativo à aplicação do artigo 101. o, n. o 3, do Tratado sobre o Funcionamento da União

Leia mais

I O SISTEMA DE CONTROLO OFICIAL NA UNIÃO EUROPEIA

I O SISTEMA DE CONTROLO OFICIAL NA UNIÃO EUROPEIA NOTA SOBRE A VERIFICAÇÃO DA OBSERVÂNCIA (CONTROLO) DO CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES DE UM PRODUTO CUJO NOME É UMA DOP OU UMA IGP I O SISTEMA DE CONTROLO OFICIAL NA UNIÃO EUROPEIA A legislação comunitária em

Leia mais

LNet Mobility WIRELESS SOLUTIONS

LNet Mobility WIRELESS SOLUTIONS LNet Mobility WIRELESS SOLUTIONS INTRODUÇÃO: Entende-se por Mobilidade a possibilidade de poder se comunicar em qualquer momento e de qualquer lugar. Ela é possível graças às redes wireless, que podem

Leia mais

Segurança em redes sem fio Freqüências

Segurança em redes sem fio Freqüências Segurança em redes sem fio Freqüências Carlos Lamb Fausto Levandoski Juliano Johann Berlitz Vagner Dias Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS) 16/08/2011 AGENDA INTRODUÇÃO ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO

Leia mais

Nova Directiva Máquinas 2006/42/CE

Nova Directiva Máquinas 2006/42/CE Nova Directiva Máquinas 2006/42/CE AIMMAP Porto, 2009-11-16 Filipa Lima CATIM Unidade de Segurança de Máquinas Âmbito de aplicação Procedimentos de avaliação de conformidade Anexos Objectivos: Simplificar;

Leia mais

RADIOCOMUNIÇÃO EM VHF NOVA CANALIZAÇÃO

RADIOCOMUNIÇÃO EM VHF NOVA CANALIZAÇÃO RADIOCOMUNIÇÃO EM VHF NOVA CANALIZAÇÃO 1. ESPECTRO DE RADIOFREQUÊNCIAS O espectro radioelétrico ou de radiofrequências é uma riqueza da humanidade. Sua exploração de forma disciplinada permite o estabelecimento

Leia mais

5 Setup de Medidas. 5.1. Introdução

5 Setup de Medidas. 5.1. Introdução 5 Setup de Medidas 5.1. Introdução Para realização desse trabalho foi montada uma configuração de setup de medidas em UHF, mais precisamente no canal 42, freqüência central de 641 MHz em acordo com o Plano

Leia mais

A Marcação CE de produtos e a Compatibilidade Electromagnética

A Marcação CE de produtos e a Compatibilidade Electromagnética A Marcação CE de produtos e a Compatibilidade Electromagnética Esaú Cardoso Paulo Cabral Porto, Outubro 2013 Plano da Sessão Apresentação Enquadramento Legal e Normativo O que é a Compatibilidade Electromagnética

Leia mais

Canal de Interatividade: Conceitos, Potencialidades e Compromissos

Canal de Interatividade: Conceitos, Potencialidades e Compromissos Canal de Interatividade: Conceitos, Potencialidades e Compromissos Por Marcus Manhães e Pei Jen Shieh 1. Introdução O Decreto Presidencial [1] 4.901, de 26 de novembro de 2003, instituiu o Projeto do Sistema

Leia mais

***I PROJECTO DE RELATÓRIO

***I PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 1999 2004 Comissão das Liberdades e dos Direitos dos Cidadãos, da Justiça e dos Assuntos Internos 23 de Maio de 2001 PRELIMINAR 2000/0189(COD) ***I PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a proposta

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 2008R1234 PT 02.11.2012 001.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B REGULAMENTO (CE) N. o 1234/2008 DA COMISSÃO de 24 de Novembro de 2008 relativo

Leia mais

SOBRE A TECNOLOGIA RFID

SOBRE A TECNOLOGIA RFID SOBRE A TECNOLOGIA RFID (*) - RFID Identificação por Rádio Freqüência Usa antenas que lêem e gravam informações em chips para monitoramento de ativos pessoas ou objetos fixos ou móveis. A tecnologia RFID

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 3.8.2005 COM(2005) 361 final 2005/0147 (COD) Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que revoga a Directiva 90/544/CEE do Conselho relativa

Leia mais

Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo.

Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo. Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo. Desafios da vigilância por vídeo hoje O mercado de vigilância por vídeo está crescendo, impulsionado por preocupações de segurança

Leia mais

Indicador amarelo temperatura baixa. Indicador e temperatura acima de 40ºC. Figura A

Indicador amarelo temperatura baixa. Indicador e temperatura acima de 40ºC. Figura A PORTUGUESE Descrição: O Sistema de Humidificação Móvel Neopod TM T e o respectivo circuito respiratório consistem num sistema de humidificação por mecha de gás respiratório aquecido, concebido para o transporte

Leia mais

Conselho da União Europeia Bruxelas, 24 de junho de 2016 (OR. en) Secretário-Geral da Comissão Europeia, assinado por Jordi AYET PUIGARNAU, Diretor

Conselho da União Europeia Bruxelas, 24 de junho de 2016 (OR. en) Secretário-Geral da Comissão Europeia, assinado por Jordi AYET PUIGARNAU, Diretor Conselho da União Europeia Bruxelas, 24 de junho de 2016 (OR. en) 10651/16 EF 206 ECOFIN 654 DELACT 127 NOTA DE ENVIO de: data de receção: 24 de junho de 2016 para: n. doc. Com.: Secretário-Geral da Comissão

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU PROJECTO DE PARECER. Comissão da Indústria, do Comércio Externo, da Investigação e da Energia PROVISÓRIO 2003/0252(COD)

PARLAMENTO EUROPEU PROJECTO DE PARECER. Comissão da Indústria, do Comércio Externo, da Investigação e da Energia PROVISÓRIO 2003/0252(COD) PARLAMENTO EUROPEU 1999 2004 Comissão da Indústria, do Comércio Externo, da Investigação e da Energia PROVISÓRIO 2003/0252(COD) 5 de Fevereiro de 2004 PROJECTO DE PARECER da Comissão da Indústria, do Comércio

Leia mais