Analisar os custos envolvidos no comercio varejista de alimentos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Analisar os custos envolvidos no comercio varejista de alimentos"

Transcrição

1 Analisar os custos envolvidos no comercio varejista de alimentos Edenilson Cesar Gonçalves (FASF) Jefferson Rosnei Garcia (FASF) Silvano Luiz da Silva (FASF) Resumo Atualmente as organizações vêm-se preparando para manter suas atividades, focando na manutenção de seus negócios, delineando estratégias para não serem surpreendidas pela concorrência, que a cada dia fica mais acirrada. Este artigo tem por temática a Contabilidade de Custos voltada para o Controle de Custos em um comercio varejista de alimentos para controle de gastos e a consequente formação de preço. Esta ferramenta tem como finalidade a verificação das aquisições de mercadorias, o apontamento das margens aplicadas pelo mesmo e o acompanhamento constante dos custos da empresa, demonstrando maneiras de manter-se no mercado e um possível aumento da rentabilidade. O objetivo geral foi analisar os custos envolvidos no comercio varejista de alimentos para formação de preço. Este trabalho foi realizado por meio de pesquisa bibliográfica, pesquisa exploratória de natureza qualitativa, analisando a influência direta e indiretamente de cada custo em um estudo de caso. Identificando na empresa os produtos mais comercializados, com isso verificou-se nas análises que as bebidas contribuem significativamente para o resultado, já os itens de primeira necessidade, higiene e limpeza e outros itens colaboram, porem devido a empresa ter muitos gastos e despesas no período os resultados se torna negativo. Para reverter essa situação, será necessário estabelecer novas metas, buscar negociações com os fornecedores com a finalidade de efetuar pedidos com o menor custo possível nas negociações e prazos de pagamentos que atendam a demanda do mercado consumidor, reduzir custos e despesas e adotar novas práticas de percentuais aos produtos, que garantam resultados positivos. Palavras-chave: Contabilidade de Custos. Controle de Custos. Formação de preço. Abstract Organizations are now preparing to maintain their activities, focusing on maintaining their business, outlining strategies not to be surprised by the competition, which is getting tougher every day. This article is about Cost Accounting focused on Cost Control in a retail food retailer for cost control and the consequent price formation. The purpose of this tool is to verify the acquisition of goods, to note the margins applied by the same and the constant monitoring of company costs, demonstrating ways to stay in the market and a possible increase in profitability. The overall objective was to analyze the costs involved in retail food pricing. This work was accomplished through bibliographical research, exploratory research of qualitative nature, analyzing the direct and indirect influence of each cost in a case study. Identifying in the company the most marketed products, it was found in the analysis that beverages contribute significantly to the result, while the basic necessities, hygiene and cleaning and other items collaborate, but because the company has many expenses and expenses in the period. the results becomes negative. To reverse this situation, it will be necessary to set new goals, seek negotiations with suppliers to place orders at the lowest possible cost in negotiations and payment terms that meet consumer market demand, reduce

2 costs and expenses, and adopt new pricing practices. percentages to the products, which guarantee positive results. Keywords: Cost Accounting. Cost Control. Pricing. 1 Introdução Para administrar uma empresa é imprescindível gerir corretamente os seus recursos, utilizando todas as técnicas e ferramentas de gestão necessárias para que a empresa se mantenha rentável, solida, competitiva e preparada para as oscilações que venham a acontecer no mercado. De acordo com Ribeiro (2013, p.3) O objeto da contabilidade é o Patrimônio das entidades econômicas-administrativas. A contabilidade tem como finalidade o controle do Patrimônio, a aplicação exata, clara e evidente das Normas e Princípios Contábeis. Como a contabilização apropriada de todos os fatos contábeis, auxiliando o administrador e seus usuários, com documentos confiáveis, com veracidade, materialidade nas informações, minimizando os riscos e colaborando no processo para uma melhor tomada de decisão. A contabilidade de custos auxilia a encontrar o ponto de equilíbrio entre os custos fixos, custos variáveis e produção. Segundo Crepaldi (2009, p. 2) Uma organização necessita ter uma contabilidade de custos bem estruturada para acompanhar e atingir seus objetivos em um mercado dinâmico e globalizado para que a empresa não tenha prejuízo e obtenha o lucro esperado. Para aprofundar na temática sobre Contabilidade de Custos, o presente trabalho tem como especificação o Controle de custos em um comercio varejista de alimentos, pois esta ferramenta tem como intuito o gasto racional e o acompanhamento constante destes custos da empresa, tornando-a competitiva em seu ramo no mercado atual. Desta forma surge a seguinte problemática: Quais os custos envolvidos nas atividades comerciais de um comercio varejista de alimentos para formação de preço? O presente trabalho justifica-se, pois, atualmente as organizações vêm procurando estar preparadas, delineando estratégias para não ser surpreendido pela concorrência, que a cada dia fica mais acirrada. À medida que não se tem o controle dos custos atualizado, não tem como se ter um preço adequado ou competitivo e a empresa se torna um alvo fácil para o fracasso. Desta forma optou-se em realizar um estudo sobre a contabilidade na área de custos, em que as empresas utilizam esta ferramenta de gestão, com a finalidade de obter um controle eficiente dos seus custos para mante-se lucrativo, competitivo e com credibilidade no mercado. Sendo assim, o objetivo geral do trabalho é: Analisar os custos envolvidos no comercio varejista de alimentos para formação de preço. Como objetivos específicos têm-se: Levantar os gastos envolvidos no desenvolvimento da atividade; Contextualizar o processo custo direto e custo indireto; Comparar a estratégia de preços aplicados nas atividades. Na sequência, será exposta a contextualização do presente trabalho, bem como, o capítulo da contabilidade. 2 Referencial teórico 2.1 Contabilidade A contabilidade é uma ciência social que tem como foco principal o controle econômico do patrimônio das empresas, com a aplicação clara, exata e evidente das Normas e Princípios Contábeis. Com isso a contabilidade aplica todas as suas técnicas e suas ferramentas

3 gerenciais para gerar informações úteis e confiáveis, para que os seus usuários utilizem esses dados em benefício da empresa. De acordo com Franco (2006, p. 22): A finalidade da contabilidade é, pois, controlar os fenômenos ocorridos no patrimônio de uma entidade, através do registro, da classificação, da demonstração expositiva, da análise e interpretação dos fatos neles ocorridos, objetivando fornecer informações e orientação necessária à tomada de decisão sobre sua composição e variações, bem como sobre o resultado econômico decorrente da gestão da riqueza patrimonial. Essas informações são através da escrituração contábil, auditoria, demonstrações contábeis, relatórios de receita e despesas, fluxo do caixa, movimentação de compra e venda, balancetes, analise do balanço, etc. Com o levantamento desses dados da empresa, o usuário poderá se orientar, analisar e fundamentar as suas decisões com mais segurança. Segundo Marion (2009) os usuários que utilizam os dados fornecidas pela contabilidade sobre a situação em que a empresa se encontra, não são somente só usuários internos como sócios, diretores e funcionários da empresa, mais também usuários externos como acionistas, futuros investidores, bancos, fornecedores, sindicatos, concorrentes, prestadores de serviço, governo, etc. Figura 1: Custos Fonte: Money Bills Calculator (2019) Ao verificar essas informações os usuários poderão analisar os relatórios dos índices de liquidez, dos índices de rentabilidade, do lucro do exercício, se a empresa está rentável ou com prejuízo, se tem condições de desenvolver novos investimentos ou poderá buscar novos recursos, se conseguirá manter ou saldar seus compromissos no prazo acordado perante a terceiros.

4 No próximo tópico, serão abordados os campos de atuação que pode ser desempenhado a contabilidade Áreas de atuação da contabilidade O campo de atuação da contabilidade é bem amplo, é realizado em diversas áreas como a financeira, custos, gerencial, pública, fiscal, tributária, etc. Com o intuito de registrar todos fatos contábeis ocorridos, fortalecendo e auxiliando as organizações em seus ramos de atuação. De acordo com Martins (2010), a contabilidade financeira foi desenvolvida no período mercantilista, para suprir as necessidades das empresas comerciais daquela época. Fazendo a apuração do resultado de cada período, o balanço final e o levantamento simples dos valores monetários dos estoques físicos. Conferindo o valor pago por cada item no estoque, dessa maneira estimava o valor dos produtos. A contabilidade financeira tem como foco a análise e relatórios financeiros de transações financeiras referentes a um negócio, baseando-se sobretudo no balanço patrimonial, na demonstração do resultado do exercício e demonstrativo de fluxo de caixa. Com isso fornece informações da situação real em que se encontra a organização para os usuários internos e externos. Segundo Martins (2010, p. 23) A Contabilidade de Custos nasceu da Contabilidade Financeira, quando da necessidade de avaliar estoques na indústria tarefa essa que era fácil na empresa típica da era mercantilista. Porém com o desenvolvimento e a necessidade de obter outros indicadores do desempenho da organização, começou a desenvolver a contabilidade de custo. A contabilidade de custos produz várias outras informações não sendo só sobre o valor monetário do estoque, mais também outros dados importantes. Como o desempenho dos controles que é utilizada pela empresa, quantidade de produtos produzidos, horas trabalhadas, etc. Ajudando no desenvolvimento das operações realizadas pela empresa, diminuindo o desperdício de matéria prima e mão de obra.

5 Figura 2: Contabilidade de Custos Fonte: Pixabay (2019) De acordo com Leone (2009, p. 6) A Contabilidade de Custos coleta, classifica e registra os dados operacionais das diversas atividades, denominadas de dados internos, bem como, algumas vezes, coleta e organiza dados externos. Com organização, mensuração e combinação dessas informações, produzir indicadores gerenciais para a empresa. Os levantamentos desses dados são desenvolvidos de acordo com o planejamento das necessidades de diversos níveis gerências da empresa. Para coletar, classificar e registrar esses dados na área administrativa e na área operacional. Com base nesses dados auxiliar e fundamentar nas decisões estratégicas, gerências e operacionais. Para Iudícibus (2013, p. 21): A contabilidade gerencial, num sentido profundo, está voltada única e exclusivamente para a administração da empresa, procurando suprir informações que se encaixem de maneira válida e efetiva no modelo decisório do administrador. Todo os dados coletados na contabilidade financeira e na contabilidade de custos sobre aspectos financeiros e de análise de desempenho em todos os setores da empresa são conferidos e processados pela contabilidade gerencial. Para auxiliar com informações sólidos e confiáveis, justificando o processo de tomada de decisão. 2.2 Custo e despesa

6 O principal objetivo das organizações é o lucro, mais para isso é necessário investir em produtos, instalações, maquinários, matéria prima, mão de obra, etc. E de acordo com esses gastos realizados pela empresa é necessário classificar corretamente como custo ou despesa, quando for fazer o lançamento contábil. Os conceitos de custos e despesas são distintos na contabilidade, de acordo com Gonçalves & Baptista (2007, p. 86) Custo é todo dispêndio que está direto ou indiretamente vinculado ao esforço de produção de bens e serviço. Então todo gasto utilizado que se encontra relacionado com o serviço, consumo e com o processo de produção denomina se custo. E a despesa é um gasto que não está relacionada ao processo de produção e que segundo Martins (2010, p. 25) Despesa- Bem ou serviço consumido direto ou indiretamente para obtenção de receitas. Como por exemplo a comissões dos vendedores, salário de diretores, material de escritório, despesas administrativas, despesa com propaganda, etc. São gastos ligados relativamente a administração, financiamentos e vendas, são despesas. 2.3 Custos diretos e indiretos Os custos ligados ao processo de produção, que são fáceis de classificar são denominados custos diretos, como a mão de obra e o material direto. De acordo com Crepaldi (2009) os custos diretos são apropriados diretamente aos produtos, conforme a quantidade produzida que pode variar. Porém é necessário que se tenha uma medida de consumo como as horas trabalhadas dos colaboradores, as horas maquinas etc. Os custos indiretos de acordo com Oliveira & Perez Jr (2009, p. 72) São aqueles custos que, por não serem perfeitamente identificado no produto ou serviços, não podem ser apropriados de forma direta para as unidades especifica, ordens de serviço ou produto serviços executados etc. Sendo imprescindível fazer o rateio para identificar e alocar corretamente esses custos. Esses custos indiretos que só poderão ser identificados através do rateio, para se fazer a devida apropriação e por não estarem ligados diretamente ao processo produtivo. São por exemplo a depreciação de maquinas e equipamentos, mão de obra indireta, aluguel da fábrica, materiais indiretos, materiais consumidos nas manutenções, etc. 2.4 Custos fixos e custos variáveis Os custos fixos não têm ligação direta com o volume de produção da empresa, não oscilam e mantem se inalterado. São gastos estáveis que não depende do nível de quantidade produzida ou atividade operacional. Para Crepaldi (2009, p. 221): Os custos fixos podem ser encarados, como encargos necessários para que a empresa tenha condições de produzir, e não como encargos de um produto especifico; por não estarem vinculados a nenhum produto especifico ou a uma unidade de produção, eles sempre são distribuídos aos produtos por meio de critérios de rateio, que contêm, em maior ou menor grau a arbitrariedade. Já os custos variáveis são ajustados e flutuam conforme o volume de produção, oscilando de acordo de acordo com o aumento ou a redução das quantidades produzidas. As características dos custos variáveis para Oliveira & Perez Jr (2009, p. 69) são: seu valor total varia na proporção direta do volume de produção; o valor é constante por unidade, independentemente da quantidade produzida;

7 a locação aos produtos ou centros de custos é normalmente feita de forma direta, sem necessidade utilização de critérios de rateio. Os custos variáveis variam de acordo com a quantidade de unidade, podendo alocar de forma clara e direta o custo ao produto, não sendo necessário utilizar critérios de rateio. 2.5 Formação de preço pelo método markup A formulação do preço de venda dos produtos e serviços é muito importante e decisivo na atividade explorada pela empresa, para não se perder espaço no mercado por praticar preços acima da concorrência. Tendo um preço que absorva as despesas e os custos dos produtos e serviços e não se tenha prejuízo. Na formação de preço de vendas as empresas podem utilizar o método markup Divisor ou Multiplicador. Que segundo Padoveze (2010) markup é um multiplicador e um índice sobre os custos e em seguida utilizado para desenvolver o preço de venda dos produtos e de serviços. Esses custos envolvem impostos sobre venda, despesas administrativas, despesas comerciais, custo de produção e venda e a margem de lucro desejada. 2.6 Relação custo, volume e lucro Margem de contribuição A margem de contribuição é uma ferramenta que é utilizada para avaliar o desempenho, a lucratividade que cada produto está dando de retorno para a empresa. De acordo com Oliveira e Perez Jr (2009, p.250) A margem de contribuição é, em outras palavras, a sobra financeira de cada produto ou a divisão de uma empresa para recuperação ou amortização das despesas e dos custos fixos de uma entidade e para obtenção do lucro esperado pelos empresários. Compreende se que a margem de contribuição é a diferença da receita e os custos e despesas variáveis, demonstrando quanto cada produto colabora para melhorar o resultado da empresa ou contribuindo atingir lucro planejado. Para Crepaldi (2012) ao analisar a margem de contribuição as despesas são consideradas como fixas ou variáveis. Os custos variáveis são diminuídos da venda para se chegar a margem de contribuição e os custos fixos são deduzidos da margem de contribuição para se conseguir a renda liquida Ponto de equilíbrio As empresas antes de pensar em lucro, devem alcançar o equilíbrio na produção e serviços. Para Crepaldi (2012) o ponto de equilíbrio é o cálculo do volume e vendas necessárias para cobrir os custos, aonde os custos totais são similares as receitas totais. De acordo Padoveze (2010, p. 389): Denominamos ponto de equilíbrio o ponto em que o total da margem de contribuição da quantidade vendida/produzida se iguala aos custos e despesas fixas. Assim, o ponto de equilíbrio calcula os parâmetros que mostra a capacidade mínima em que a empresa deve operar par não ter prejuízo, mesmo que ao custo de um lucro zero.

8 O ponto de equilíbrio determinada a quantidade necessária de produto que a empresa deve fabricar para pagar todas as despesas e custos fixos e variáveis. A empresa não terá lucro ou prejuízo no ponto de equilíbrio e sim vai obterá um nível mínimo de operação. 3 Metodologia Este trabalho tem como finalidade destacar a importância da Contabilidade custos dentro das empresas, em utilizar corretamente a ferramenta de controle de custos. Para que se tenha um entendimento sobre o tema utilizou se à pesquisa exploratória, que segundo Cervo (2007, p. 63) Esse tipo de pesquisa requer um planejamento bastante flexível para possibilitar a consideração dos mais diversos aspectos de um problema ou de uma situação. Recomenda-se a pesquisa exploratória quando há pouco conhecimento sobre o problema a ser estudado. A pesquisa exploratória é indispensável, para o pesquisador aprender e atualizar o seu conhecimento sobre o tema. E com o embasamento dessas informações, o autor esteja ciente sobre o assunto analisado nesse artigo. Para a fundamentação deste trabalho, utilizou se a pesquisa bibliográfica que de acordo com Gil (2002, p.44) é desenvolvida com base em material já elaborado, constituído principalmente de livros e artigos científicos. No desenvolvimento da pesquisa bibliográfica obtém se diversas informações, tendo uma compreensão do assunto porem por ângulos de diferentes autores. Quanto a abordagem do problema, tratou-se de uma pesquisa qualitativa, que de acordo com Teixeira (2005, p.137): Na pesquisa qualitativa o pesquisador procura reduzir a distância entre a teoria e os dados, entre o contexto e a ação, usando a lógica da análise fenomenológica, isto é, da compreensão dos fenômenos pela sua descrição e interpretação. Na pesquisa qualitativa é aonde será colocado a pesquisa em prática, sobre o trabalho contextualizado. Colhendo, verificando, analisado as informações sobre o controle de custos da empresa para a formação de preço. Analisando a influência direta e indiretamente de cada custo em um estudo de caso. A seguir será contextualizada a análise e discussão dos dados na qual foi aplicada o estudo de caso em um comercio varejista de alimentos 4 Discussão e análise Levando-se em conta uma empresa quem tem como objeto o comércio varejista de bebidas, alimentos e outros produtos de consumo, considerando as aquisições e vendas da mesma, tendo como base um faturamento médio dos produtos mais comercializados pela mesma, os quais representam em torno de 60% do faturamento da mesma, tem-se os seguintes dados: Quadro 1: Compras médias de bebidas no período Produto / Bebidas Unitário Qtde Total Brahma litrão Brahma lata 350ml Amstel cerveja Cachaça Cachaça telecoteco Refrigerante cini 2l

9 Refrigerante Uliana 2L Coca-Cola 2L Coca-Cola 2.5L Total Fonte: Dados da pesquisa (2019) O item bebidas representa a comercialização de 73% dos produtos da empresa, que vem a impactar diretamente os custos, demandando um controle sobre as aquisições e vendas dos mesmos, sobre os quais geram um resultado significativo sobre os gastos da empresa. Por outro lado, são os de maior giro, sendo vendidos diretamente ou fracionados, o que pode trazer uma maior lucratividade para a empresa. Quadro 2: Venda médias de bebidas no período Produto Unitário Qtde Total Margem Brahma litrão % Brahma lata 350ml % Amstel cerveja % Cachaça % Cachaça telecoteco % Refrigerante cini 2l % Refrigerante Uliana 2L % Coca-Cola 2L % Coca-Cola 2.5L % Total % Fonte: Dados da pesquisa (2019) A comercialização de bebidas, a qual traz um maior receita referente à atividade da empresa, tem uma margem bruta de 63% em média, que vem a demandar um controle dos mesmos, em virtude de ser esta a maior parte de suas vendas, o que se não controlado, poderá influenciar de maneira negativa nos resultados da mesma. Dessa maneira tem-se que os valores de vendas das mercadorias são superiores as aquisições, demonstrando assim uma forma padrão de formação de preço de venda, mesmo que não tenha um embasamento científico, utilizando o método empírico para sua determinação. Sendo assim o empresário, sobre as suas compras acresce em média 60% sobre o valor, para formar o preço de venda. Quadro 3: Compras médias de outros produtos no período Produto Unitário Qtde Total Óleo de soja liza Leite Longa Vida Papel higiênico c/ Creme de leite Leite condensado Extrato de tomate Detergente limpol Total Fonte: Dados da pesquisa (2019) A comercialização destes produtos tem grande relevância para a contribuição da receita da empresa, mesmo alguns dos itens não sendo gêneros de primeira necessidade, destacam-se

10 pela quantidade vendida. Estes produtos, no entanto, colaboram com a receita com margem de 60% para não perder em competitividade em relação a concorrência, principalmente das grandes redes, fator este que influi diretamente na política de preço e na determinação da margem a ser levada a cada produto. Quadro 4: Venda média de outros produtos no período Produto Unitário Qtde Total Margem Óleo de soja liza % Leite Longa Vida % Papel higiênico c/ % Creme de leite % Leite condensado % Extrato de tomate % Detergente limpol % Total % Total % Fonte: Dados da pesquisa (2019) O desenvolvimento da atividade comercial atualmente é, de maneira geral, pouco rentável, sendo necessário um giro grande para se obter melhores resultados. Apesar da concorrência ser acirrada, estes produtos tem um retorno considerável para a continuidade das operações da empresa, mesmo com uma margem reduzida em relação ao resultado, sendo dessa forma um incremento ao oferecer uma diversidade de produtos, sendo que quando algum não tem saída, outros vem a cobrir, assim mantendo a empresa em atividade. Quadro 5: Demonstração das despesas do período COD/MÊS jan/19 fev/19 mar/19 abr/19 mai/19 jun/19 Total Faturamento Margem Simples % Parcelamentos % Agua % Luz % FGTS % INSS % Salários % Contr. Sindical % Aluguel % Honorários % Sub-Total % Compras % médias Outras Despesas Total % Rentabilidade % Fonte: Dados da pesquisa (2019) Os custos despesas são na sua essência o que mantém as atividades das empresas. Os custos como sacrifícios financeiros, os quais a empresa desembolsa recursos em troca de

11 mercadorias ou produtos com a finalidade de obter receita e aumentar assim as suas riquezas. As despesas por sua natureza são gastos necessários para a manutenção da atividade da empresa, sendo seus controles nem sempre precisos, devido à variabilidade. Conforme demonstrado na pesquisa, não se ter um melhor resultado deve-se ao fato de as despesas médias consumirem uma fatia considerável do resultado. Quadro 6: Variáveis para definição do Ponto de Equilíbrio Variáveis Margem Custos/Despesas Simples 3% Variáveis Parcelamentos 4% Variáveis Agua 1% Variáveis Luz 7% Variáveis FGTS 0% Variáveis INSS 1% Fixos Salários 0% Fixos Contr. Sindical 0% Variáveis Aluguel 10% Fixos Honorários 4% Fixos Margem de lucro 40% Fixos Fonte dados da pesquisa (2019) A margem de contribuição dá-se quando as receitas brutas igualam-se aos custos e despesas variáveis, verificando-se nesse ponto quanto sobra para se cobrir os custos fixos e após a cobertura total destes, há a geração de lucros para a atividade. O ponto de equilíbrio é encontrado quando as receitas totais se igualam aos custos e despesas totais (fixos + variáveis), dessa forma como demonstrado pelo empresário, o mesmo lançou para efeito de margem de lucro um percentual de 40% sobre o preço de venda, o qual não vem a ser comprovado ao final do período, haja vista, a margem liquida da empresa ser de 9% em média. Dessa maneira temos que para que se possa ter a margem esperada, o mesmo terá de aumentar seu preço ou de outra forma reduzir sua margem de lucro. 5 Considerações finais Neste trabalho buscou-se evidenciar a situação atual de um comercio varejista de alimentos, bebidas e outros, seus desafios, dificuldades com situação atual do pais, concorrência acirrada pelo mercado consumidor, perspectivas e metas a serem alcançadas. Um estudo de caso com objetivo de identificar problemas na gestão, por meio de coleta de dados, efetuou-se analise e apontou possíveis soluções a curto prazo. Diante de todas as análises demonstradas as bebidas contribuem significativamente para o resultado, já os itens de primeira necessidade, higiene e limpeza e outros itens colaboram, porem devido a empresa ter muitos gastos e despesas no período se torna negativo os resultados apresentados. Para reverter essa situação, será necessário estabelecer novas metas, buscar negociações com os fornecedores com a finalidade de efetuar pedidos com o menor custo possível nas negociações e prazos de pagamentos que atendam a demanda do mercado consumidor, reduzir custos e despesas e adotar novas práticas de percentuais aos produtos, que garantam resultados positivos. Somente com novos planejamentos e alterações se chegara a resultados satisfatório com credibilidade e competitividade em relação a continuidade da empresa no mercado. Referências

12 CREPALDI, Silvano Aparecido. Curso Básico de Contabilidade de Custos. 4º ed. São Paulo: Atlas, CREPALDI, Silvano Aparecido. Contabilidade Gerencial: teoria e prática. 6º ed. São Paulo: Atlas, CERVO, Amado Luiz; BERVIAN, Pedro Alcino; SIVA, Roberto da. Metodologia cientifica. 6º ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, FRANCO, Hilário. Contabilidade Geral. 23º ed. São Paulo: Atlas, GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisas. 4º ed. São Paulo: Atlas, GONÇALVES, Eugênio Celso & BAPTISTA, Antônio Eustáquio. Contabilidade Geral. 6º ed. São Paulo: Atlas, IUDÍCIBUS, Sergio de. Contabilidade Gerencial. 10º ed. São Paulo: Atlas, LEONE, George Sebastião Guerra. Curso de Contabilidade de Custos. 6º ed. São Paulo: Atlas, MARTINS, Eliseu. Contabilidade de Custos. 10º ed. São Paulo: Atlas, 2010 MARION, José Carlos. Contabilidade Básica. 10º ed. São Paulo: Atlas, OLIVEIRA, Luís Martins de & PEREZ JR, José Hernandes. Contabilidade de Custos para não Contadores.4º ed. São Paulo: Atlas, PADOVEZE, Clóvis Luís. Contabilidade Gerencial: Um enfoque em sistemas de informação contábil. 7º ed. São Paulo: Atlas, RIBEIRO, Osni Moura. Contabilidade Básica: Atualizada conforme as leis nº 11638/07 e nº 11941/09 e ANBCT TGS convergentes com as normas Internacionais de contabilidade IFRS. 3º ed. São Paulo: Atlas, TEIXEIRA, E. As três Metodologias: acadêmicas, da ciência e da pesquisa. 2. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2005.

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS COMO FERRAMENTA GERENCIAL PARA AUXÍLIO NO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO Solange Gaiardo Alves 1

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS COMO FERRAMENTA GERENCIAL PARA AUXÍLIO NO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO Solange Gaiardo Alves 1 ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS COMO FERRAMENTA GERENCIAL PARA AUXÍLIO NO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO Solange Gaiardo Alves 1 INTRODUÇÃO Itacir Alves da Silva 2 Esta pesquisa apresenta como tema

Leia mais

ANÁLISE DE CUSTOS, VOLUME E RESULTADOS EM UMA INDÚSTRIA DE MÓVEIS PLANEJADOS 1 ANALYSIS OF COSTS, VOLUME AND RESULTS IN A PLANNED FURNITURE INDUSTRY

ANÁLISE DE CUSTOS, VOLUME E RESULTADOS EM UMA INDÚSTRIA DE MÓVEIS PLANEJADOS 1 ANALYSIS OF COSTS, VOLUME AND RESULTS IN A PLANNED FURNITURE INDUSTRY ANÁLISE DE CUSTOS, VOLUME E RESULTADOS EM UMA INDÚSTRIA DE MÓVEIS PLANEJADOS 1 ANALYSIS OF COSTS, VOLUME AND RESULTS IN A PLANNED FURNITURE INDUSTRY Andriara Marques Rodrigues 2, Jordana Danieli Santos

Leia mais

Custos e Formação de Preços. Prof.ª Rachel

Custos e Formação de Preços. Prof.ª Rachel Custos e Formação de Preços Prof.ª Rachel Formação de preços Preço de venda Fator : Que influencia o cliente em suas decisões de compra. Empresas : Precisam ter certeza de que estão oferecendo a melhor

Leia mais

Custos e Formação de Preços. Prof.ª Rachel

Custos e Formação de Preços. Prof.ª Rachel Custos e Formação de Preços Prof.ª Rachel Formação de preços Preço de venda Fator : Que influencia o cliente em suas decisões de compra. Empresas : Precisam ter certeza de que estão oferecendo a melhor

Leia mais

CUSTOS: ANÁLISE EM UMA EMPRESA METAL-MECÂNICA DE CAXIAS DO SUL

CUSTOS: ANÁLISE EM UMA EMPRESA METAL-MECÂNICA DE CAXIAS DO SUL CUSTOS: ANÁLISE EM UMA EMPRESA METAL-MECÂNICA DE CAXIAS DO SUL Marina Cappelletti Périco 1 Catherine Chiappin Dutra 2 Odir Berlatto 3 INTRODUÇÃO Esta pesquisa apresenta como tema central a Contabilidade

Leia mais

QUARTA DO CONHECIMENTO CUSTOS E DESPESAS. PROFESSOR José Antônio Felgueiras

QUARTA DO CONHECIMENTO CUSTOS E DESPESAS. PROFESSOR José Antônio Felgueiras QUARTA DO CONHECIMENTO CUSTOS E DESPESAS PROFESSOR José Antônio Felgueiras Para o empreendedor, entender as diferenças entre Despesas, Custos e Investimentos é importante para avaliar as finanças da empresa.

Leia mais

Análise de Custos. Prof.ª Rachel

Análise de Custos. Prof.ª Rachel Análise de Custos Prof.ª Rachel TERMINOLOGIA Terminologia Conceito de custos: São bens e serviços. Empregados na produção de outros bens e serviços. Terminologia Desembolsos Gastos Despesas Investimentos

Leia mais

ESTUDO DE CASO SOBRE CUSTOS PARA PRECIFICAÇÃO DE SERVIÇOS EM UM ESCRITÓRIO DE CONTABILIDADE

ESTUDO DE CASO SOBRE CUSTOS PARA PRECIFICAÇÃO DE SERVIÇOS EM UM ESCRITÓRIO DE CONTABILIDADE ESTUDO DE CASO SOBRE CUSTOS PARA PRECIFICAÇÃO DE SERVIÇOS EM UM ESCRITÓRIO DE CONTABILIDADE Tais Viali 1 Gisele Carina Pistore 2 INTRODUÇÃO A contabilidade de custos é uma ferramenta, fundamental para

Leia mais

Coleção. Resumos para. Concursos. Organizadores Frederico Amado Lucas Pavione. Alexandre Ogata. Contabilidade Geral 3 ª. revista atualizada.

Coleção. Resumos para. Concursos. Organizadores Frederico Amado Lucas Pavione. Alexandre Ogata. Contabilidade Geral 3 ª. revista atualizada. Coleção Resumos para 33 Concursos Organizadores Frederico Amado Lucas Pavione Alexandre Ogata Contabilidade Geral 3 ª edição revista atualizada 2019 Capítulo 1 CONCEITO DE CONTABILIDADE E PATRIMÔNIO 1.

Leia mais

SISTEMA DE CUSTOS, FORMAÇÃO DE PREÇOS E ANÁLISE DE RESULTADO DE UM VIVEIRO DE MUDAS DE EUCALIPTOS 1

SISTEMA DE CUSTOS, FORMAÇÃO DE PREÇOS E ANÁLISE DE RESULTADO DE UM VIVEIRO DE MUDAS DE EUCALIPTOS 1 SISTEMA DE CUSTOS, FORMAÇÃO DE PREÇOS E ANÁLISE DE RESULTADO DE UM VIVEIRO DE MUDAS DE EUCALIPTOS 1 Francieli Aline Sulzbacher 2, Euselia Paveglio Vieira 3. 1 Trabalho de Conclusão do Curso de Ciências

Leia mais

GESTÃO DE CUSTOS E RESULTADOS EM UMA INDÚSTRIA TÊXTIL 1 MANAGEMENT OF COSTS AND RESULTS IN A TEXTILE INDUSTRY

GESTÃO DE CUSTOS E RESULTADOS EM UMA INDÚSTRIA TÊXTIL 1 MANAGEMENT OF COSTS AND RESULTS IN A TEXTILE INDUSTRY GESTÃO DE CUSTOS E RESULTADOS EM UMA INDÚSTRIA TÊXTIL 1 MANAGEMENT OF COSTS AND RESULTS IN A TEXTILE INDUSTRY Marcia Bonini Contri 2, André Luís Fagundes 3, Luana Dervanoski 4, Ricardo Hedlund 5, Euselia

Leia mais

CONTABILIDADE GERENCIAL: UMA FERRAMENTA DE GESTAO EM UMA EMPRESA COMERCIAL DE INSUMOS AGRICOLAS 1

CONTABILIDADE GERENCIAL: UMA FERRAMENTA DE GESTAO EM UMA EMPRESA COMERCIAL DE INSUMOS AGRICOLAS 1 CONTABILIDADE GERENCIAL: UMA FERRAMENTA DE GESTAO EM UMA EMPRESA COMERCIAL DE INSUMOS AGRICOLAS 1 Vandriane Fagundes De Souza 2, Euselia Paveglio Vieira 3. 1 Trabalho De Conclusão Do Curso De Graduação

Leia mais

Prof. Dr. Silvio Aparecido Crepaldi.

Prof. Dr. Silvio Aparecido Crepaldi. 1 2 O objetivo deste capítulo é ensinar a calcular o custo de um produto por meio do sistema de custeio variável, identificando a margem de contribuição, o ponto de equilíbrio e a margem de segurança para

Leia mais

Sumário. Prefácio, xiii

Sumário. Prefácio, xiii Sumário Prefácio, xiii 1 Apuração do Custo da Produção dos Bens e Serviços: Aspectos Introdutórios, 1 1.1 Evolução dos sistemas de apuração dos custos, 1 1.2 Empresas industriais, 3 1.3 Principais usuários

Leia mais

EM NEGÓCIOS DOIS CONCEITOS SÃO FUNDAMENTAIS

EM NEGÓCIOS DOIS CONCEITOS SÃO FUNDAMENTAIS CUSTOS E DESPESAS EM NEGÓCIOS DOIS CONCEITOS SÃO FUNDAMENTAIS ECONÔMICO BENS / PATRIMÔNIO RESULTADOS FINANCEIRO DINHEIRO PAGAMENTOS / RECEBIMENTOS LUCROS / PREJUÍZOS TESOURARIA/ CAIXA PROCESSOS DECISÓRIOS

Leia mais

Capítulo Como é feita a análise da situação econômica? (fácil)

Capítulo Como é feita a análise da situação econômica? (fácil) Capítulo 1 1. O que é o processo contábil? (fácil) Resposta: O processo contábil se inicia com a ocorrência dos Fatos Administrativos na entidade. A partir desses fatos, apoiado em documentos idôneos,

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS AULA 1

CONTABILIDADE DE CUSTOS AULA 1 CONTABILIDADE DE CUSTOS AULA 1 CONCEITO Contabilidade de Custos é a parte da ciência contábil que se dedica ao estudo racional dos gastos feitos para se obter um bem de venda ou de consumo, quer seja um

Leia mais

Pessoa Jurídica - Tamanho

Pessoa Jurídica - Tamanho Pessoa Jurídica - Tamanho 0MEI Microempreendedor individual; 0Microempresa; 0Empresa de Pequeno Porte; MEI Microempreendedor individual 0Foi criado visando a legalização de atividades informais por partes

Leia mais

Contabilidade. História. Administração Prof.: Marcelo dos Santos. Contabilidade Gerencial 1

Contabilidade. História. Administração Prof.: Marcelo dos Santos. Contabilidade Gerencial 1 Administração Prof.: Marcelo dos Santos Contabilidade Gerencial 1 Contabilidade É a ciência teórica e prática que estuda os métodos de cálculo e registro da movimentação financeira e patrimônio das empresas.

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS DA COMPANHIA AZUL S.A. Nícolas Rérison Bibiano Margarida Peres 1 Márcia Bandeira Landerdahl Maggioni 2

INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS DA COMPANHIA AZUL S.A. Nícolas Rérison Bibiano Margarida Peres 1 Márcia Bandeira Landerdahl Maggioni 2 INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS DA COMPANHIA AZUL S.A. Nícolas Rérison Bibiano Margarida Peres 1 Márcia Bandeira Landerdahl Maggioni 2 1 INTRODUÇÃO Os indicadores econômico-financeiros são instrumentos

Leia mais

Caracterização da Contabilidade Gerencial PROFª MILKA MEDEIROS HTTPS://SITES.GOOGLE.COM/SITE/MMEDEIROSACADEMICO

Caracterização da Contabilidade Gerencial PROFª MILKA MEDEIROS HTTPS://SITES.GOOGLE.COM/SITE/MMEDEIROSACADEMICO Caracterização da Contabilidade Gerencial PROFª MILKA MEDEIROS MILKAMEDEIROS.UFPE@GMAIL.COM HTTPS://SITES.GOOGLE.COM/SITE/MMEDEIROSACADEMICO Introdução Caracteriza-se Contabilidade Gerencial o segmento

Leia mais

OS PRINCIPAIS ORÇAMENTOS

OS PRINCIPAIS ORÇAMENTOS OS PRINCIPAIS ORÇAMENTOS 1. Introdução Os orçamentos que podem ocorrer em um projeto durante sua vida útil serão apresentados a seguir. Portanto, é importante estabelecer, também, a determinação da vida

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS APLICADA NO PREÇO DE VENDA DOS PRODUTOS. Claudio Ciambelli Junior

CONTABILIDADE DE CUSTOS APLICADA NO PREÇO DE VENDA DOS PRODUTOS. Claudio Ciambelli Junior CONTABILIDADE DE CUSTOS APLICADA NO PREÇO DE VENDA DOS PRODUTOS Claudio Ciambelli Junior Resumo: A Contabilidade é uma ciência fundamental em todo e qualquer ramo de atividade comercial e industrial, que

Leia mais

Contabilidade de Custos

Contabilidade de Custos Contabilidade de Custos PROFA. DRA. NATÁLIA DINIZ MAGANINI Agenda - Gestão de Custos e Tomada de Decisão - Custo x Volume x Lucro - Ponto de Equilíbrio (Contábil, Financeiro, Econômico) - Grau de Alavancagem

Leia mais

Análise de Custos. Prof.ª Rachel

Análise de Custos. Prof.ª Rachel Análise de Custos Prof.ª Rachel TERMINOLOGIA Terminologia Conceito de custos: São bens e serviços. Empregados na produção de outros bens e serviços. Terminologia Desembolsos Gastos Despesas Investimentos

Leia mais

FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA.

FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA. FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA gleicilene@unifei.edu.br Formação do Preço de Venda Fatores que influenciam a formação de preço de um produto ou serviço: Decisões da Concorrência: preço corrente, limitação

Leia mais

GESTÃO DE FLUXO DE CAIXA E AVALIAÇÃO DE RESULTADOS E INDICADORES FINANCEIROS

GESTÃO DE FLUXO DE CAIXA E AVALIAÇÃO DE RESULTADOS E INDICADORES FINANCEIROS GESTÃO DE FLUXO DE CAIXA E AVALIAÇÃO DE RESULTADOS E INDICADORES FINANCEIROS Wagner Viana SL 01 SL 02 SL 03 Oficina Objetivos Distinguir gestão do Fluxo de Caixa da apuração e análise de resultados; Apresentar

Leia mais

Custos, despesas, investimentos e perdas: conceitos e suas principais diferenças. Exercício

Custos, despesas, investimentos e perdas: conceitos e suas principais diferenças. Exercício Brasília DF 2018 Sumário Introdução Custos, despesas, investimentos e perdas: conceitos e suas principais diferenças. Exercício Classificação dos custos: direto, indireto, fixo e variável. Margem de contribuição.

Leia mais

Custos Industriais. Introdução. Introdução. Introdução à Contabilidade de Custos

Custos Industriais. Introdução. Introdução. Introdução à Contabilidade de Custos Custos Industriais Introdução à Contabilidade de Custos Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 1 Introdução A apuração adequada, a análise, o controle e o gerenciamento dos custos de produção dos bens e serviços

Leia mais

Conceito de Contabilidade

Conceito de Contabilidade Contabilidade PARTE 1 G Parte 1 Conceitos Conceito de Contabilidade A Contabilidade é a ciência que estuda e controla o patrimônio, objetivando representá-lo graficamente, evidenciar suas variações, estabelecer

Leia mais

Custos Industriais. Introdução à Contabilidade de Custos. Prof. M.Sc. Gustavo Meireles/ Juliana Schmidt Galera

Custos Industriais. Introdução à Contabilidade de Custos. Prof. M.Sc. Gustavo Meireles/ Juliana Schmidt Galera Custos Industriais Introdução à Contabilidade de Custos Prof. M.Sc. Gustavo Meireles/ Juliana Schmidt Galera 1 Introdução Ø A apuração adequada, a análise, o controle e o gerenciamento dos custos de produção

Leia mais

O PERFIL DOS MICROS E PEQUENOS EMPREENDEDORES DE ERVÁLIA-MG. Natália Aparecida Lopes, Maria Del Pilar Salinas Queiroga

O PERFIL DOS MICROS E PEQUENOS EMPREENDEDORES DE ERVÁLIA-MG. Natália Aparecida Lopes, Maria Del Pilar Salinas Queiroga 621 O PERFIL DOS MICROS E PEQUENOS EMPREENDEDORES DE ERVÁLIA-MG Natália Aparecida Lopes, Maria Del Pilar Salinas Queiroga Resumo: Para que os gestores de pequenos e médias empresas sejam eficazes e eficientes,

Leia mais

CSA1017 ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTOS. Prof. Marcos Vinicius CON 2017/2

CSA1017 ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTOS. Prof. Marcos Vinicius CON 2017/2 CSA1017 ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTOS Prof. Marcos Vinicius CON 2017/2 A CONTABILIDADE Conceitos de Contabilidade Objetivos da Contabilidade Produtos da Contabilidade Atributos da Informação Contábil Usuários

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE UM SISTEMA DE CUSTOS NA FORMAÇÃO DE PREÇOS E ANÁLISE DE RESULTADOS EM UMA AGÊNCIA DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1

A UTILIZAÇÃO DE UM SISTEMA DE CUSTOS NA FORMAÇÃO DE PREÇOS E ANÁLISE DE RESULTADOS EM UMA AGÊNCIA DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1 A UTILIZAÇÃO DE UM SISTEMA DE CUSTOS NA FORMAÇÃO DE PREÇOS E ANÁLISE DE RESULTADOS EM UMA AGÊNCIA DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1 Andressa Goi Wender 2, Eusélia Paveglio Vieira 3. 1 Trabalho de Conclusão

Leia mais

AVALIAÇÃO DE RESULTADOS E INDICADORES FINANCEIROS

AVALIAÇÃO DE RESULTADOS E INDICADORES FINANCEIROS AVALIAÇÃO DE RESULTADOS E INDICADORES FINANCEIROS Wagner Viana SL 01 Oficina Objetivos Apresentar o conceito de custos, despesas, investimentos e a distinção entre gastos fixos e variáveis; Organizar e

Leia mais

FECG-SP GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA PROF. EDUARDO ANTONIO STANISCI PEDRO

FECG-SP GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA PROF. EDUARDO ANTONIO STANISCI PEDRO FECG-SP GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 2016 PROF. EDUARDO ANTONIO STANISCI PEDRO SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 3 2 GESTÃO DE CUSTOS 4 2.1 Terminologia Usual 4 2.2 Classificação dos custos

Leia mais

Contabilidade Geral. Alexandre Ogata. 2ª edição Revista e atualizada

Contabilidade Geral. Alexandre Ogata. 2ª edição Revista e atualizada Alexandre Ogata 33 Contabilidade Geral 2ª edição Revista e atualizada 201 000_Resumos p conc v33 -Ogata -Contabilidade Geral-2ed_BOOK.indb 3 25/08/2017 10:21:00 Capítulo 1 CONCEITO DE CONTABILIDADE E PATRIMÔNIO

Leia mais

Finanças. Prof. Milton Henrique

Finanças. Prof. Milton Henrique Finanças Prof. Milton Henrique mcouto@catolica-es.edu.br Organizações e Recursos As empresas são organizações sociais que utilizam recursos para atingir objetivos. Capital Mão de Obra Conhecimento Máquinas

Leia mais

Projeto de pesquisa realizado no curso de Ciências Contábeis da Unijuí 2

Projeto de pesquisa realizado no curso de Ciências Contábeis da Unijuí 2 A UTILIZAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO NA APURAÇÃO E ANÁLISE DE CUSTOS EM UMA FARMÁCIA DE PRODUTOS MANIPULADOS 1 THE COSTING METHODS UTILIZATION FOR VERIFICATION AND COST ANALYSIS IN A PHARMACY OF MANIPULATED

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS CUSTO/VOLUME/LUCRO. Prof. Pedro A. Silva

CONTABILIDADE DE CUSTOS CUSTO/VOLUME/LUCRO. Prof. Pedro A. Silva CONTABILIDADE DE CUSTOS CUSTO/VOLUME/LUCRO Prof. Pedro A. Silva www.aplicms.com.br RELAÇÃO CUSTO/VOLUME/LUCRO Toda empresa visa alcançar o lucro, para começar a ter esse resultado positivo é necessário

Leia mais

Etapas do Plano de Negócios

Etapas do Plano de Negócios Etapas do Plano de Negócios Etapa 7. Plano financeiro Detalhes Investimentos Projeção de resultados Ponto de equilíbrio Projeção fluxo de caixa Vendas Despesas Mão de obra Etapa 7 Plano Financeiro Investimento

Leia mais

Etapa 7 Plano Financeiro

Etapa 7 Plano Financeiro 17/10/12 Etapas do Plano de Negócios Etapa Detalhes 7. Plano financeiro Investimentos Projeção de resultados Ponto de equilíbrio Projeção fluxo de caixa Vendas Despesas Mão de obra Investimento é tudo

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Assunto: Plano Financeiro (II parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARÁ

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARÁ 1) Marque a alternativa que contém o item que não integra a Demonstração do Resultado do Exercício: a) Devolução de Vendas. b) Receitas Financeiras. c) Ajustes de Exercícios Anteriores. d) Variações Monetárias

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. "Plano de Negócios" Empreendedor(a): WALKYRIA NOBREGA DE OLIVIRA

PLANO DE NEGÓCIOS. Plano de Negócios Empreendedor(a): WALKYRIA NOBREGA DE OLIVIRA PLANO DE NEGÓCIOS "Plano de Negócios" Empreendedor(a): WALKYRIA NOBREGA DE OLIVIRA Março/2013 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negócio 1.2 Empreendedores 1.3 Empreendimento

Leia mais

ANALISE DA INFLUÊNCIA DA MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO NO PROCESSO DECISÓRIO EMPRESARIAL RESUMO

ANALISE DA INFLUÊNCIA DA MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO NO PROCESSO DECISÓRIO EMPRESARIAL RESUMO ANALISE DA INFLUÊNCIA DA MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO NO PROCESSO DECISÓRIO EMPRESARIAL RESUMO Este artigo visa demonstrar o quanto os conceitos de margem de contribuição e ponto de equilíbrio são importantes

Leia mais

Contabilidade de Custos 2016/1

Contabilidade de Custos 2016/1 Professor Gleison de Abreu Pontes Bacharel em Administração de Empresas (Faculdade Politécnica de Uberlândia, 2007) Especialista em Finanças (Universidade Federal de Uberlândia, 2010) Mestre em Ciências

Leia mais

Contabilidade CRISE. Planejamento Financeiro 25/08/2016. Escreve, oficializa É a ciência que registra os

Contabilidade CRISE. Planejamento Financeiro 25/08/2016. Escreve, oficializa É a ciência que registra os CRISE Contabilidade Escreve, oficializa É a ciência que registra os Possuem denominador financeiro comum acontecimentos verificados no patrimônio de uma entidade Conjunto de bens direitos e obrigações

Leia mais

Contabilidade de Custos

Contabilidade de Custos Contabilidade de Custos PROFA. DRA. NATÁLIA DINIZ MAGANINI Agenda Histórico e Contextualização Importância da contabilidade, histórico Evolução da contabilidade no Brasil O que é Contabilidade de Custos

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS. Aula 1- Contextualização. Prof.: Marcelo Valverde

CONTABILIDADE DE CUSTOS. Aula 1- Contextualização. Prof.: Marcelo Valverde Aula 1- Contextualização Prof.: Marcelo Valverde Plano de ensino: Contabilidade de Custo e Gerencial UNIDADE 1 CONTEXTUALIZAÇÃO DA CONTABILIDADE DE CUSTOS À CONTABILIDADE GERENCIAL 1.1 Contabilidade de

Leia mais

EXERCÍCIOS TEORIA DA CONTABILIDADE Prof. Valbertone Fonte CFC. RESPONDA AS QUESTÕES ABAIXO: 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação:

EXERCÍCIOS TEORIA DA CONTABILIDADE Prof. Valbertone Fonte CFC. RESPONDA AS QUESTÕES ABAIXO: 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação: RESPONDA AS QUESTÕES ABAIXO: 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação: a) compra de galpão para a fábrica. b) venda de mercadoria a prazo. c) pagamento de salários administrativos. d) pagamento

Leia mais

Unidade IV ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Unidade IV ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade IV 20 RESOLUÇÃO DE UM EXERCÍCIO COMPLETO 5 Resolução de um exercício completo elaborado conforme a legislação em vigor. Todos os demonstrativos contábeis já

Leia mais

Douglas Fabian. Bacharel em Administração. MBA Gestão Estratégica de Pessoas

Douglas Fabian. Bacharel em Administração. MBA Gestão Estratégica de Pessoas Douglas Fabian Bacharel em Administração MBA Gestão Estratégica de Pessoas PLANO DE NEGÓCIOS PLANO DE NEGÓCIOS O que é um plano de negócios? INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO É um documento que especifica, em

Leia mais

PROVA ESCRITA CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROCESSO SELETIVO 2016 EDITAL COMPLEMENTAR Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES

PROVA ESCRITA CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROCESSO SELETIVO 2016 EDITAL COMPLEMENTAR Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROVA ESCRITA CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROCESSO SELETIVO

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇOS. Prof. Marcos Vinicius Fancelli Livero

ANÁLISE DE BALANÇOS. Prof. Marcos Vinicius Fancelli Livero ANÁLISE DE BALANÇOS Prof. Marcos Vinicius Fancelli Livero Atributos da Informação Contábil Confiabilidade; Compreensibilidade; Tempestividade; Comparabilidade. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Objetivos e Produtos

Leia mais

Seminário de Iniciação Científica CENTRO DE NEGÓCIOS FSG FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA PARA UMA EMPRESA PRESTADORA DE SERVIÇOS CONTÁBEIS DE CAXIAS DO SUL

Seminário de Iniciação Científica CENTRO DE NEGÓCIOS FSG FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA PARA UMA EMPRESA PRESTADORA DE SERVIÇOS CONTÁBEIS DE CAXIAS DO SUL Seminário de Iniciação Científica CENTRO DE NEGÓCIOS FSG ISSN Online: 2318-8006 V. 6, N. 2 (2017) http://ojs.fsg.br/index.php/globalacademica FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA PARA UMA EMPRESA PRESTADORA DE SERVIÇOS

Leia mais

Contabilidade de Custos Aula 1: Terminologias e Classificações. Professora: Caroline Camera

Contabilidade de Custos Aula 1: Terminologias e Classificações. Professora: Caroline Camera Contabilidade de Custos Aula 1: Terminologias e Classificações Professora: Caroline Camera Origens da Contabilidade de Custos A preocupação com a Contabilidade nasceu desde que o homem passou a possuir

Leia mais

Aula Nº 5 Custeio por Absorção

Aula Nº 5 Custeio por Absorção Aula Nº 5 Custeio por Absorção Objetivos da aula: O Custeio por Absorção é muito importante para os contadores, pois as empresas são obrigadas a apresentar suas demonstrações para o fisco utilizando-se

Leia mais

ORÇAMENTO EMPRESARIAL Unidade Orçamento Empresarial Valor: /

ORÇAMENTO EMPRESARIAL Unidade Orçamento Empresarial Valor: / 1. Orçamento de Vendas Elabore o Orçamento Empresarial da Empresa Floripa S.A. A empresa Floripa estima um volume de vendas de 3.000 unidades no primeiro mês, com um histórico de incremento de 500 unidades

Leia mais

AULA 2 CONTABILIDADE GERENCIAL PROF. PROCÓPIO ETEC HORÁCIO AUGUSTO Não fique sem o conteúdo, acesse:

AULA 2 CONTABILIDADE GERENCIAL PROF. PROCÓPIO ETEC HORÁCIO AUGUSTO Não fique sem o conteúdo, acesse: INTRODUÇÃO AULA 2 CONTABILIDADE GERENCIAL PROF. PROCÓPIO A contabilidade gerencial utilizar-se de temas de outras disciplinas, ela se caracteriza pôr ser uma área contábil autônoma, pelo tratamento dado

Leia mais

LAUDO ECONÔMICO-FINANCEIRO OFFICE SHOP - INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE MÓVEIS LTDA.

LAUDO ECONÔMICO-FINANCEIRO OFFICE SHOP - INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE MÓVEIS LTDA. LAUDO ECONÔMICO-FINANCEIRO OFFICE SHOP - INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE MÓVEIS LTDA. DEZEMBRO DE 2016 1 DO MÉTODO O presente Laudo foi elaborado a partir de projeções econômicas e financeiras publicadas pelo

Leia mais

Métodos de Apuração do Resultado

Métodos de Apuração do Resultado Métodos de Apuração do Resultado Prof. Flávio Smania Ferreira 4 termo ADMINISTRAÇÃO GERAL e-mail: flavioferreira@live.estacio.br blog: http://flaviosferreira.wordpress.com Terminologias: Gasto: é todo

Leia mais

Exercício 1. Classifique os gastos abaixo:

Exercício 1. Classifique os gastos abaixo: Exercício 1 Classifique os gastos abaixo: Investimento Perda Despesa Custo Compra Matéria Prima Consumo de Energia Elétrica Mão-de-Obra Direta Combustível Veículo Entrega Telefone Água Industrial Pessoal

Leia mais

ANÁLISE DE CUSTOS, INVESTIMENTOS E RETORNO EM UMA PROPRIEDADE RURAL: ATIVIDADE DE SUINOCULTURA E PRODUÇÃO LEITEIRA 1

ANÁLISE DE CUSTOS, INVESTIMENTOS E RETORNO EM UMA PROPRIEDADE RURAL: ATIVIDADE DE SUINOCULTURA E PRODUÇÃO LEITEIRA 1 ANÁLISE DE CUSTOS, INVESTIMENTOS E RETORNO EM UMA PROPRIEDADE RURAL: ATIVIDADE DE SUINOCULTURA E PRODUÇÃO LEITEIRA 1 Elisandra Maria Scherer 2, Euselia Paveglio Vieira 3. 1 Trabalho de Conclusão do Curso

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE CONTAS CONTÁBIL. Júlio César Zanluca

COMO ELABORAR UM PLANO DE CONTAS CONTÁBIL. Júlio César Zanluca Page 1 of 5 COMO ELABORAR UM PLANO DE CONTAS CONTÁBIL Júlio César Zanluca Plano de Contas (ou Elenco de Contas) é o conjunto de contas, previamente estabelecido, que norteia os trabalhos contábeis de registro

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE DA CONTABILIDADE GERENCIAL PARA O PEQUENO E MÉDIO PRODUTOR RURAL, COMO UMA FERRAMENTA DE GESTÃO.

TÍTULO: ANÁLISE DA CONTABILIDADE GERENCIAL PARA O PEQUENO E MÉDIO PRODUTOR RURAL, COMO UMA FERRAMENTA DE GESTÃO. TÍTULO: ANÁLISE DA CONTABILIDADE GERENCIAL PARA O PEQUENO E MÉDIO PRODUTOR RURAL, COMO UMA FERRAMENTA DE GESTÃO. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: ESTATÍSTICA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

1.1 Fórmula: Ativo Circulante Passivo Circulante. 1.2 Unidade: número (R$)

1.1 Fórmula: Ativo Circulante Passivo Circulante. 1.2 Unidade: número (R$) Ficha número 01 Indicador: Índice de liquidez Corrente Objetivo: Avaliar a capacidade da empresa em honrar suas obrigações correntes no vencimento 1.1 Fórmula: Ativo Circulante Passivo Circulante 1.2 Unidade:

Leia mais

Estágio - Santa Cassa de Maceió de julho de Domingo Prova de Contabilidade

Estágio - Santa Cassa de Maceió de julho de Domingo Prova de Contabilidade 1. Qual é a lei que rege contabilmente as Sociedades por Ações e qual a lei que alterou e revogou dispositivos da Lei das S/A, respectivamente: a) Lei 11.638 e Lei 10.303; b) Lei 6.404 e Lei 11.638; c)

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 FINANÇAS CORPORATIVAS

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 FINANÇAS CORPORATIVAS SUMÁRIO CAPÍTULO 1 FINANÇAS CORPORATIVAS... 1 1.1 Comportamento financeiro da economia... 1 1.1.1 Produção e lucro... 1 1.1.2 Inter-relação entre os aspectos econômicos e financeiros... 3 1.2 Objetivos

Leia mais

Trabalho realizado na disciplina de Contabilidade e Gestão de Custos no curso de Ciências Contábeis da Unijuí 2

Trabalho realizado na disciplina de Contabilidade e Gestão de Custos no curso de Ciências Contábeis da Unijuí 2 ANÁLISE DE CUSTOS E RESULTADOS EM UMA INDÚSTRIA METAL MECÂNICA: O CASO DA FABRICAÇÃO DE LIXEIRAS 1 ANALYSIS OF COSTS AND RESULTS IN A MECHANICAL METAL INDUSTRY: THE CASE OF THE MANUFACTURE OF RECYCLERS

Leia mais

VIABILIDADE FINANCEIRA E OPERACIONAL PARA IMPLANTACAO CONTABILIDADE INTERNA: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS

VIABILIDADE FINANCEIRA E OPERACIONAL PARA IMPLANTACAO CONTABILIDADE INTERNA: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS VIABILIDADE FINANCEIRA E OPERACIONAL PARA IMPLANTACAO CONTABILIDADE INTERNA: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS Luciane Pradella 1 Luiz Carlos Schneider 2 INTRODUÇÃO Este estudo

Leia mais

Orçamento Empresarial PROFA. DRA. NATÁLIA DINIZ MAGANINI

Orçamento Empresarial PROFA. DRA. NATÁLIA DINIZ MAGANINI Orçamento Empresarial PROFA. DRA. NATÁLIA DINIZ MAGANINI Planos de Produção 2 Após o departamento comercial finalizar o orçamento de vendas e enviá-lo a área de orçamento, a primeira etapa está cumprida.

Leia mais

TEORIA DA CONTABILIDADE QUESTIONÁRIO 6

TEORIA DA CONTABILIDADE QUESTIONÁRIO 6 QUESTIONÁRIO 6 (Questões Exame de Suficiência 1 2013) 2. Relacione os grupos do Ativo descritos, na primeira coluna, com as suas respectivas propriedades, na segunda coluna, e, em seguida, assinale a opção

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PARANÁ EFMP

COLÉGIO ESTADUAL PARANÁ EFMP COLÉGIO ESTADUAL PARANÁ EFMP Prof. Adm. Ademir Antonio Saravalli Alunos (as): LOANDA/PR 2009 1. SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 - Descrição do Projeto Lucratividade: Rentabilidade: Prazo de Retorno: Ponto de Equilíbrio:

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO. Talita Caetano da Silva Vanessa Barros Bregantin

FORMAÇÃO DE PREÇO. Talita Caetano da Silva Vanessa Barros Bregantin FORMAÇÃO DE PREÇO Talita Caetano da Silva Vanessa Barros Bregantin SUMÁRIO 1. Introdução 2. Formação de preço baseado em custo. 3. Formação de preço baseado em mercado. 3.1 Alguns métodos de formação de

Leia mais

22/04/2013 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) DEPRECIAÇÃO, CUSTOS FIXOS E CUSTOS VARIÁVEIS

22/04/2013 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) DEPRECIAÇÃO, CUSTOS FIXOS E CUSTOS VARIÁVEIS ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 DEPRECIAÇÃO, CUSTOS FIXOS E CUSTOS VARIÁVEIS 1 CONCEITO Os Bens Patrimoniais, devido ao uso e pelo desgaste natural

Leia mais

Empreendedorismo. Prof. Dr. Marco Antonio Pereira. Plano de Negócios Análise Financeira e Econômica.

Empreendedorismo. Prof. Dr. Marco Antonio Pereira. Plano de Negócios Análise Financeira e Econômica. Empreendedorismo Plano de Negócios Análise Financeira e Econômica Prof. Dr. Marco Antonio Pereira marcopereira@usp.br Agenda Investimento total Demonstrativo de resultados Análise da viabilidade do negócio

Leia mais

Prof. Esp. Salomão Soares

Prof. Esp. Salomão Soares Prof. Esp. Salomão Soares A Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC) passou a ser um relatório obrigatório pela contabilidade para todas as sociedades de capital aberto ou com patrimônio líquido superior a

Leia mais

CUSTOS DE PRODUÇÃO 1. De acordo com as Terminologias Contábeis, assinalar (V) se for Verdadeiro ou (F) se for Falso nas sentenças abaixo:

CUSTOS DE PRODUÇÃO 1. De acordo com as Terminologias Contábeis, assinalar (V) se for Verdadeiro ou (F) se for Falso nas sentenças abaixo: CUSTOS DE PRODUÇÃO 1. De acordo com as Terminologias Contábeis, assinalar (V) se for Verdadeiro ou (F) se for Falso nas sentenças abaixo: ( V ) Os investimentos podem ser posteriormente classificados como

Leia mais

APURAÇÃO DOS CUSTOS DE PRODUÇÃO, ARMAZENAGEM E COMERCIALIZAÇÃO DAS CULTURAS DE SOJA, TRIGO E AVEIA PRETA 1

APURAÇÃO DOS CUSTOS DE PRODUÇÃO, ARMAZENAGEM E COMERCIALIZAÇÃO DAS CULTURAS DE SOJA, TRIGO E AVEIA PRETA 1 APURAÇÃO DOS CUSTOS DE PRODUÇÃO, ARMAZENAGEM E COMERCIALIZAÇÃO DAS CULTURAS DE SOJA, TRIGO E AVEIA PRETA 1 Bianca Casarotto 2, Euselia Paveglio Vieira 3. 1 Trabalho de Conclusão de Curso de Graduação em

Leia mais

E-books. Apuração do Lucro Como e por que devo apurá-lo todos os meses. SÉRIE E-books. Sebrae

E-books. Apuração do Lucro Como e por que devo apurá-lo todos os meses. SÉRIE E-books. Sebrae E-books Sebrae Crédito e Finanças Apuração do Lucro Como e por que devo apurá-lo todos os meses Apresentação O que é lucro? A quantificação do lucro economico Como calcular o lucro? Autor Edmilson Tanaka

Leia mais

PROFESSOR DOCENTE I - ADMINISTRAÇÃO CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

PROFESSOR DOCENTE I - ADMINISTRAÇÃO CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 26. Os eventos em administração ocorreram respeitando a evolução das diversas técnicas, conforme uma linha do tempo que pode ser traçada em ordem de acontecimentos. Leia atentamente

Leia mais

Unidade I CONTABILIDADE GERENCIAL. Profª Divane Silva

Unidade I CONTABILIDADE GERENCIAL. Profª Divane Silva Unidade I CONTABILIDADE GERENCIAL Profª Divane Silva Objetivos Gerais Desenvolver com os alunos conhecimentos necessários para as seguintes competências: Avaliar os fundamentos teóricos da contabilidade

Leia mais

CUSTOS INDUSTRIAIS.

CUSTOS INDUSTRIAIS. CUSTOS INDUSTRIAIS gleicilene@unifei.edu.br Introdução Revolução Industrial Empresas em geral comerciais Empresas industriais Cálculo do CMV, para apuração do Lucro. Poucas entidades jurídicas Preocupação

Leia mais

ANÁLISE DA ADMINISTRAÇÃO DE CAPITAL DE GIRO COMO INSTRUMENTO DE APOIO A GESTÃO: UM ESTUDO EM UMA EMPRESA COMERCIAL

ANÁLISE DA ADMINISTRAÇÃO DE CAPITAL DE GIRO COMO INSTRUMENTO DE APOIO A GESTÃO: UM ESTUDO EM UMA EMPRESA COMERCIAL ANÁLISE DA ADMINISTRAÇÃO DE CAPITAL DE GIRO COMO INSTRUMENTO DE APOIO A GESTÃO: UM ESTUDO EM UMA EMPRESA COMERCIAL INTRODUÇÃO Taíse Machado Alves 1 Luiz Carlos Schneider 2 Percebe-se que muitos administradores

Leia mais

Continuação Aula 11 2

Continuação Aula 11 2 . 1 Continuação Aula 11 2 Conceitos Fundamentais sobre custos Figura Ilustração, ocorrência de despesas 3 CLASSIFICAÇÃO DOS CUSTOS Classificação pela facilidade de alocação Os custos podem ser classificados

Leia mais

Conceito de estoque e Apuração do Resultado do Exercício Seção 6

Conceito de estoque e Apuração do Resultado do Exercício Seção 6 Conceito de estoque e Apuração do Resultado do Exercício Seção 6 Prof. Me. Hélio Esperidião O que é estoque? Conceito de Estoque Estoque é a acumulação de recursos materiais em um sistema de produção,

Leia mais

Conversão de transações e demonstrações em moeda estrangeira.

Conversão de transações e demonstrações em moeda estrangeira. Aula 2 CONVERSÃO EM MOEDA ESTRANGEIRA CPC 02 PRÁTICAS CONTÁBEIS Profº Dr. José Carlos Marion MARION, J. Carlos Contabilidade Empresarial. 10. ed. São Paulo: Atlas, 2003. 18/08/2013 1 Conversão em Moeda

Leia mais

CONTABILIDADE. Prof. Me. Lucas S. Macoris

CONTABILIDADE. Prof. Me. Lucas S. Macoris CONTABILIDADE Prof. Me. Lucas S. Macoris PLANO DE AULA CONTABILIDADE Aula 1 Introdução à Contabilidade Aula 2 Balanço Patrimonial e Demonstração do Resultado do Exercício Aula 3 Demonstração do Fluxo de

Leia mais

Aula FN. FINANÇAS Professor: Pedro Pereira de Carvalho Finanças para Empreendedores Prof. Pedro de Carvalho

Aula FN. FINANÇAS Professor: Pedro Pereira de Carvalho Finanças para Empreendedores Prof. Pedro de Carvalho FINANÇAS Professor: Pedro Pereira de Carvalho pedro.carvalho@fmu.br Finanças para Empreendedores Prof. Simulação de um orçamento para o fornecimento de materiais e serviços para uma rede LAN, em uma empresa.

Leia mais

Tiago Loli RA: Vinícius Ferreira Silva RA: Yuri Ura RA: ENGENHARIA E ANÁLISE DE VALOR PROJETO LIVE AÇAÍ

Tiago Loli RA: Vinícius Ferreira Silva RA: Yuri Ura RA: ENGENHARIA E ANÁLISE DE VALOR PROJETO LIVE AÇAÍ Tiago Loli RA: 42918 Vinícius Ferreira Silva RA: 43560 Yuri Ura RA: 42272 ENGENHARIA E ANÁLISE DE VALOR PROJETO LIVE AÇAÍ Centro Universitário Toledo Araçatuba 2016 Tiago Loli RA: 42918 Vinícius Ferreira

Leia mais

Contabilidade Comercial Aula 1: Refrescando a Memória. Professora Esp. Caroline Camera

Contabilidade Comercial Aula 1: Refrescando a Memória. Professora Esp. Caroline Camera Contabilidade Comercial Aula 1: Refrescando a Memória Professora Esp. Caroline Camera Princípios da Contabilidade Entidade Continuidade Oportunidade Registro pelo Valor Original Prudência Competência CONTAS

Leia mais

Demonstração dos Fluxos de Caixa

Demonstração dos Fluxos de Caixa Aspectos gerais A Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) faz parte do grupo de demonstrações contábeis obrigatórias a serem apresentadas pelas companhias abertas. No entanto, esta demonstração estava desobrigada

Leia mais

ORÇAMENTO EMPRESARIAL Unidade Orçamento Empresarial Valor: 1,0 /

ORÇAMENTO EMPRESARIAL Unidade Orçamento Empresarial Valor: 1,0 / 1. Orçamento de Vendas Elabore o Orçamento Empresarial da Empresa Tenho Dono S.A. A empresa Tenho Dono estima um volume de vendas de 5.000 unidades no primeiro mês, com um histórico de incremento de 500

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec Prof. Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Curso: Administração Semestre: 2º / 2013

PLANO DE ENSINO. Curso: Administração Semestre: 2º / 2013 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS. Curso de Administração PLANO DE ENSINO Curso: Administração Semestre: 2º / 2013 Disciplina: Fundamentos

Leia mais

Destina-se ao fornecimento de dados pessoais do proponente e de suas atribuições no projeto proposto.

Destina-se ao fornecimento de dados pessoais do proponente e de suas atribuições no projeto proposto. Introdução INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIO Este é um plano de negócio simplificado com o objetivo exclusivo de permitir a avaliação de projetos para incubação. Procure ser objetivo e coerente

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO: DIAGNÓSTICO EMPRESARIAL DO SETOR DE ABAS CAMPOS,J.P; OSTI. O.

RELATÓRIO TÉCNICO: DIAGNÓSTICO EMPRESARIAL DO SETOR DE ABAS CAMPOS,J.P; OSTI. O. RELATÓRIO TÉCNICO: DIAGNÓSTICO EMPRESARIAL DO SETOR DE ABAS CAMPOS,J.P; OSTI. O. RESUMO Este trabalho teve por objetivo de levantar dados na indústria de Abas para uma analise financeira, setorial, mercado

Leia mais

Palavras-chave: Contabilidade Gerencial; Contabilidade de Custos; Custeio Variável.

Palavras-chave: Contabilidade Gerencial; Contabilidade de Custos; Custeio Variável. ANÁLISE DAS RELAÇÕES ENTRE CUSTO X LUCRO X NÍVEL DE ATIVIDADE: um estudo da margem de contribuição e ponto de equilíbrio da empresa Opte Representações e Vendas Ltda Gardner Barbosa Costa (1) Bento Francisco

Leia mais

BALANCED SCORECARD E SUA CONTRIBUIÇÃO NA GESTÃO FINANCEIRA EMPRESARIAL

BALANCED SCORECARD E SUA CONTRIBUIÇÃO NA GESTÃO FINANCEIRA EMPRESARIAL BALANCED SCORECARD E SUA CONTRIBUIÇÃO NA GESTÃO FINANCEIRA EMPRESARIAL Arthur Elias Orlandin 1 Diana de Almeida e Silva 2 INTRODUÇÃO Esta pesquisa apresenta como tema central o Balanced Scorecard e sua

Leia mais