COMISSÃO EUROPEIA DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE E DA SEGURANÇA DOS ALIMENTOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMISSÃO EUROPEIA DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE E DA SEGURANÇA DOS ALIMENTOS"

Transcrição

1 Ref. Ares(2019) /01/2019 COMISSÃO EUROPEIA DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE E DA SEGURANÇA DOS ALIMENTOS Auditorias e análises no domínio da saúde e dos alimentos DG(SANTE) RELATÓRIO FINAL DE UMA AUDITORIA REALIZADA EM PORTUGAL DE 10 A 18 DE SETEMBRO DE 2018 DESTINADA A AVALIAR O SISTEMA DE CONTROLO OFICIAL EM VIGOR QUE REGE OS MELHORADORES ALIMENTARES

2 Resumo O presente relatório descreve o resultado de uma auditoria realizada em Portugal, entre 10 e 18 de setembro de 2018, no âmbito do programa de auditorias publicado da Direção-Geral da Saúde e da Segurança dos Alimentos. O objetivo desta auditoria consistiu em avaliar o sistema de controlo oficial em vigor em matéria de aplicação de requisitos legais da UE relativos aos melhoradores alimentares. A auditoria constatou que o sistema de controlos oficiais existente que abrange os melhoradores alimentares, incluindo a sua importação, comercialização e utilização, é, de um modo geral, adequado ao fim a que se destina e inclui disposições adequadas de atuação em caso de incumprimento. Ambas as autoridades competentes dispõem a nível central de funcionários especializados que prestam apoio às unidades de inspeção, e os funcionários destas unidades que efetuam os controlos oficiais têm os conhecimentos necessários. Os controlos oficiais das duas autoridades competentes, em conjunto, abrangem os melhoradores alimentares em todos os tipos de géneros alimentícios, através de controlos documentais ou amostragem, mesmo que nem todas as categorias de géneros alimentícios estejam incluídas no plano de amostragem. No entanto, a atual capacidade laboratorial limita-se à análise em bebidas, mas esta limitação está a ser abordada. O relatório inclui uma recomendação às autoridades competentes para continuarem a reforçar o cumprimento dos requisitos legais da UE em matéria de melhoradores alimentares. II

3 Índice 1 Introdução Objetivos e âmbito de aplicação Base jurídica Enquadramento Constatações e conclusões Medidas nacionais Autoridade competente Controlos oficiais dos operadores das empresas do setor alimentar que fornecem ou utilizam MA Organização e execução dos controlos oficiais Amostragem Medidas em caso de incumprimento Sistema de Alerta Rápido para os Géneros Alimentícios e os Alimentos para Animais (RASFF) e sistema de assistência e cooperação administrativas (ACA) Desafios encontrados pela AC na organização e realização dos controlos da produção, comercialização e utilização dos MA Conclusões gerais Reunião de encerramento Recomendações...11 Anexo 1 Referências jurídicas III

4 ABREVIATURAS E DEFINIÇÕES UTILIZADAS NO PRESENTE RELATÓRIO Abreviatura AC ASAE BTSF CE DG Saúde e Segurança dos Alimentos DGAV DRAP DSAVR EM MA PACE PCAI PNCA PNFA RASFF UE Designação Autoridade(s) competente(s) Autoridade de Segurança Alimentar e Económica do Ministério da Economia Melhor formação para uma maior segurança dos alimentos Comissão Europeia Direção-Geral da Saúde e da Segurança dos Alimentos da Comissão Europeia Direção-Geral de Alimentação e Veterinária do Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural Direção Regional de Agricultura e Pescas Direções de Serviços de Alimentação e Veterinária Regionais da DGAV Estado(s)-Membro(s) Melhoradores alimentares Plano de Aprovação e Controlo dos Estabelecimentos Plano de Controlo da Agro-indústria Plano Nacional de Colheita de Amostras Plano Nacional de Fiscalização da ASAE Sistema de Alerta Rápido para os Géneros Alimentícios e Alimentos para Animais União Europeia IV

5 1 INTRODUÇÃO A presente auditoria decorreu em Portugal, de 10 a 18 de setembro de 2018, e foi realizada como parte do programa de auditorias planeado da Direção-Geral da Saúde e da Segurança dos Alimentos (DG Saúde e Segurança dos Alimentos). Foi a segunda de uma série de três auditorias efetuadas nos Estados-Membros (EM) em 2018 para avaliar os sistemas de controlo oficial em vigor relativamente aos melhoradores alimentares (MA). A equipa de auditoria era constituída por dois auditores da DG Saúde e Segurança dos Alimentos e um perito nacional de um EM. A equipa foi acompanhada durante toda a auditoria por representantes da autoridade competente (AC) central, a Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV) sob a tutela do Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural. A reunião de abertura foi realizada em Lisboa, em 10 de setembro de 2018, com a presença de representantes da DGAV, das Direções Regionais de Agricultura e Pescas (DRAP) e da Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) sob a tutela do Ministério da Economia. Nesta reunião, a equipa de auditoria confirmou o objetivo e o itinerário da auditoria e solicitou informações complementares necessárias para a realização satisfatória da mesma. 2 OBJETIVOS E ÂMBITO DE APLICAÇÃO O objetivo desta auditoria consistiu em avaliar o sistema de controlo oficial em vigor em matéria de aplicação de requisitos legais nacionais e da UE relativos aos MA. Em especial, a equipa de auditoria verificou se os controlos oficiais são organizados e executados em conformidade com as disposições pertinentes do Regulamento (CE) n.º 882/2004 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 29 de abril de 2004, relativo aos controlos oficiais realizados para assegurar a verificação do cumprimento da legislação relativa aos alimentos para animais e aos géneros alimentícios e das normas relativas à saúde e ao bem-estar dos animais, e com os requisitos específicos da UE aplicáveis ao setor objeto da auditoria. Para efeitos da presente auditoria, o termo MA inclui aditivos alimentares 1, aromas e determinados ingredientes alimentares com propriedades aromatizantes utilizados nos e sobre os géneros alimentícios 2 e aromatizantes de fumo utilizados ou destinados a serem utilizados nos ou sobre os géneros alimentícios 3. As enzimas alimentares não foram incluídas no âmbito desta auditoria. 1 Regulamento (CE) n.º 1333/2008 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 16 de dezembro de 2008, relativo aos aditivos alimentares 2 Regulamento (CE) n.º 1334/2008 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 16 de dezembro de 2008, relativo aos aromas e a determinados ingredientes alimentares com propriedades aromatizantes utilizados nos e sobre os géneros alimentícios e que altera o Regulamento (CEE) n.º 1601/91 do Conselho, os Regulamentos (CE) n.º 2232/96 e (CE) n.º 110/2008 e a Diretiva 2000/13/CE 3 Regulamento (CE) n.º 2065/2003 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 10 de novembro de 2003, relativo aos aromatizantes de fumo utilizados ou destinados a serem utilizados nos ou sobre os géneros alimentícios e Regulamento de Execução (UE) n.º 1321/2013 da Comissão, de 10 de dezembro de 2013, 1

6 Para alcançar este objetivo, visitaram-se as seguintes instalações: AUTORIDADES COMPETENTES N.º OBSERVAÇÕES Autoridades competentes Nível regional 2 Nível central 2 DGAV e ASAE DRAP de Lisboa/Vale do Tejo e da região central OPERADORES DAS EMPRESAS DO SETOR ALIMENTAR (OESA) Importador/formulador/distribuidor de MA Utilizadores de MA 4 2 Operadores das empresas do setor alimentar que utilizam MA nos seus produtos 3 BASE JURÍDICA A auditoria foi realizada ao abrigo das disposições gerais da legislação da UE, em especial do artigo 45.º do Regulamento (CE) n.º 882/2004. A legislação da UE pertinente para a presente auditoria consta do anexo I e todas as referências jurídicas da UE referem-se, quando aplicável, à última versão alterada. 4 ENQUADRAMENTO A Comissão realizou uma série de auditorias em para controlar a aplicação da legislação da União Europeia (UE) em matéria de aditivos alimentares em 18 EM. Os resultados desta série de auditorias foram publicados num relatório de síntese [ref. DG (SANCO)/ MR Final] que está disponível no endereço: De janeiro a dezembro de 2015, a Comissão realizou igualmente uma série de missões de averiguação em seis EM em matéria de controlo dos aditivos alimentares e dos aromatizantes de fumo. Os resultados desta série de auditorias foram publicados num relatório de síntese [ref. DG (SANTE) ] que está disponível no endereço: Ambos os relatórios de síntese concluíram que esses controlos não eram, na altura, uma questão prioritária para as AC e, consequentemente, os controlos não eram realizados ou eram ineficazes. que estabelece a lista da União dos produtos primários aromatizantes de fumo autorizados para utilização como tal nos ou sobre géneros alimentícios e/ou para a produção de aromatizantes de fumo derivados 2

7 No seguimento da série de missões de averiguação, os serviços da Comissão organizaram reuniões de peritos para apoiar os EM na resolução de questões problemáticas relacionadas com os controlos oficiais dos MA. A Comissão continua a proporcionar «Melhor formação para uma maior segurança dos alimentos» (BTSF) no domínio dos MA e identificou oportunidades para os EM apoiarem a aplicação da legislação da UE em matéria de MA. O objetivo desta nova série de auditorias consiste em avaliar se a legislação nacional e da UE em matéria de MA é devidamente aplicada e executada de modo uniforme, e se os MA produzidos, importados e utilizados no mercado da UE são sujeitos a controlos oficiais adequados. 5 CONSTATAÇÕES E CONCLUSÕES 5.1 MEDIDAS NACIONAIS Requisitos legais Artigo 291.º do Tratado sobre o Funcionamento da UE Constatações 1. Para além da legislação da UE aplicável aos MA, o Decreto-Lei n.º 28/84, que altera o regime em matéria de infrações antieconómicas e contra a saúde pública, estabelece as medidas coercivas a tomar em caso de incumprimento em relação aos géneros alimentícios (exceto quando tal seja regulamentado ao abrigo de legislação específica) e o Decreto-Lei n.º 26/2016 contém os requisitos em matéria de informação prestada aos consumidores sobre os géneros alimentícios não pré-embalados, bem como um regime de sanções que abrange o Regulamento (UE) n.º 1169/ A DGAV elaborou listas de verificação, disponíveis no sítio Web, que incluem questões relativas à rotulagem e aos MA, bem como orientações para os controlos oficiais. 3. A ASAE utiliza as mesmas listas de verificação e, além disso, emite ordens de operação que estão adaptadas aos diferentes tipos de produção alimentar, de modo a assistir e orientar os inspetores durante as inspeções. 4. A DGAV produziu alguns folhetos com informações para os operadores das empresas do setor alimentar e para os consumidores sobre como rotular determinados produtos, por exemplo o queijo, quando é utilizada natamicina, e os preparados de carne. Estas informações encontram-se disponíveis no sítio Web da AC. 3

8 Conclusões sobre as medidas nacionais 5. A correta aplicação dos requisitos relativos aos MA é apoiada por documentos de orientação nacionais disponíveis para os operadores das empresas do setor alimentar e para os consumidores, e o fornecimento de orientações e listas de verificação facilita a uniformidade dos controlos oficiais para verificar o cumprimento. Estão em vigor disposições de execução adequadas. 5.2 AUTORIDADE COMPETENTE Requisitos legais Artigos 4.º e 6.º do Regulamento (CE) n.º 882/2004, artigo 27.º do Regulamento (CE) n.º 1333/2008 e artigo 20.º do Regulamento (CE) n.º 1334/2008 Constatações 6. Informações pormenorizadas sobre a estrutura e organização das autoridades competentes portuguesas podem ser encontradas no perfil do país relativo a Portugal em: 7. A DGAV é responsável pelos controlos oficiais nos domínios da sanidade animal, dos géneros alimentícios de origem animal, dos géneros alimentícios e alimentos para animais de origem vegetal e importações dos mesmos, da nutrição animal, dos subprodutos animais, dos medicamentos veterinários e resíduos e do bem-estar animal, e gere a base de dados nacional relativa a sementes. 8. A DGAV coordena a execução dos controlos realizados por cinco Direções de Serviços de Alimentação e Veterinária Regionais (DSAVR), que respondem diretamente ao nível central da DGAV. 9. Existem cinco DRAP, as quais operam de forma autónoma e efetuam controlos da segurança dos géneros alimentícios de origem não animal. 10. As DSAVR e as DRAP efetuam controlos oficiais em estabelecimentos de transformação e a DGAV, juntamente com a Autoridade Tributária e Aduaneira, os controlos respeitantes a importações. 11. A ASAE trabalha em paralelo com a DGAV e é responsável pelo controlo do cumprimento da legislação relacionada, no caso, com as questões relacionadas com a segurança alimentar ao longo de toda a cadeia alimentar, incluindo o comércio retalhista. Tem independência administrativa e possui responsabilidades no domínio da fiscalização do exercício das atividades económicas e na avaliação e comunicação de riscos alimentares. 4

9 12. A ASAE, através de três divisões operacionais regionais, centra os respetivos controlos ao nível do comércio retalhista e recolhe amostras de 13 categorias de géneros alimentícios. Os inspetores têm o direito de inspecionar os operadores das empresas do setor alimentar ao longo de toda a cadeia de produção, incluindo, se for caso disso, no contexto das investigações. 13. A ASAE elaborou um plano de fiscalização anual (PNFA) para os controlos oficiais dos estabelecimentos. 14. A formação dos funcionários abrange os requisitos em matéria de MA, e os funcionários da DGAV e da DRAP, a todos os níveis, têm participado em ações de formação dadas pela DGAV. Os funcionários da ASAE participam igualmente nesses cursos. 15. Nas ações de formação BTSF têm participado principalmente os funcionários da DGAV. Os funcionários da ASAE não participaram nas ações de formação BTSF, uma vez que o nível 1 da formação (condição prévia para participar no nível 2) não tem sido organizado ultimamente e que os funcionários da ASAE que participaram na formação anterior mudaram de emprego. A equipa de auditoria teve ocasião de informar as AC de que teria início no próximo ano uma nova série de formação, com dez cursos do nível 1 e quatro cursos do nível A DGAV deu formação específica aos funcionários das DSAVR sobre nitratos/nitritos e sulfitos nos géneros alimentícios de origem animal. 17. Na DRAP, todas as divisões receberam formação sobre aromatizantes e edulcorantes nos géneros alimentícios de origem não animal e nos suplementos alimentares, por exemplo, sorbatos nos xaropes. 18. Ambas as AC têm uma função de apoio a nível central e os inspetores da ASAE, durante as inspeções, ligam para o escritório, por exemplo, para verificar autorizações e níveis máximos autorizados dos MA utilizados. Os inspetores contactados durante a auditoria indicaram que podem levar informações para o escritório para voltarem a calcular as receitas e as quantidades de aditivos utilizadas. 19. Os inspetores contactados durante a auditoria mostraram possuir bons conhecimentos sobre o domínio em causa. 5

10 Conclusões sobre a autoridade competente 20. Existem AC designadas para os controlos oficiais dos MA a todos os níveis da cadeia alimentar, incluindo a importação e a colocação no mercado. Estas AC dispõem de um número suficiente de funcionários devidamente qualificados, bem como de instalações e equipamento adequados para efetuar os controlos oficiais. 5.3 CONTROLOS OFICIAIS DOS OPERADORES DAS EMPRESAS DO SETOR ALIMENTAR QUE FORNECEM OU UTILIZAM MA Organização e execução dos controlos oficiais Requisitos legais Artigo 17.º do Regulamento (CE) n.º 178/2002, artigos 3.º, 4.º, 8.º, 9.º, 10.º, 11.º e 12.º do Regulamento (CE) n.º 882/2004 e artigos 22.º e 23.º do Regulamento (CE) n.º 1333/2008 Constatações 21. Durante as inspeções observadas pela equipa de auditoria, todos os inspetores verificaram os rótulos dos produtos, as receitas com ingredientes dos produtos, o peso de cada ingrediente e as especificações/certificados dos teores nas matérias-primas, bem como as especificações das pré-misturas para apreciar/avaliar a conformidade com os requisitos de utilização dos MA e os limites máximos permitidos. Os documentos podiam ser levados para o escritório após a inspeção com o fim de recalcular as quantidades dos MA utilizadas e verificar a sua conformidade. 22. Os inspetores controlaram a rastreabilidade das matérias-primas através de códigos internos, formulações no sistema informático e registos de produção. 23. Os inspetores da DRAP utilizaram os regulamentos da UE e a base de dados no sítio Web da Comissão durante as inspeções para verificar a conformidade dos MA utilizados. 24. Os inspetores da ASAE utilizaram a produção do próprio dia para os seus controlos. Os inspetores tinham recebido da sede ordens de operação sobre como direcionar o controlo de acordo com o tipo de produção efetiva, e contactaram a função de apoio no escritório para verificação das autorizações dos MA e dos limites máximos permitidos. 25. A DGAV indicou que os controlos oficiais são efetuados nos estabelecimentos no contexto de: controlos regulares com base em critérios de risco combinados com a categoria/tipo de produção e frequência das inspeções, verificação para seguimento de medidas tomadas, etc., suspeitas de irregularidades e conhecimento de riscos para a segurança alimentar e controlos específicos por outras razões. 6

11 26. Os pareceres científicos da EFSA são utilizados para a definição de prioridades dos controlos oficiais relativos aos MA. 27. A equipa de auditoria assistiu a duas inspeções efetuadas a operadores das empresas do setor alimentar que importam, misturam e/ou distribuem MA e a quatro inspeções a produtores de géneros alimentícios em que eram utilizados MA nos produtos. 28. Os casos de incumprimento assinalados pelos inspetores durante a auditoria foram a especificação de uma pré-mistura que não mencionava um aromatizante de fumo adicionado e a especificação de uma mistura personalizada que não mencionava todos os ingredientes, um com um limite máximo e um permitido quantum satis. 29. Além disso, o certificado de um fornecedor de canela não mencionava a presença de cumarina, tal como exigido pelo Regulamento (CE) n.º 1334/ Num refrigerante, o teor energético foi reduzido em mais de 30 % pelo edulcorante utilizado como substituto do açúcar. O operador da empresa do setor alimentar, através da comparação da receita anterior com a atual e de análises laboratoriais, conseguiu demonstrar que era este o caso e, por conseguinte, a utilização do edulcorante era conforme. A AC verificou igualmente o teor energético de um produto semelhante colocado no mercado. 31. Em inspeções anteriores, foram detetados incumprimentos relativos a: especificações técnicas de pré-misturas utilizadas na produção de um refrigerante que não continham todos os ingredientes e que não podiam, por conseguinte, ser avaliadas, quantidade adicionada de polipropilenoglicol que excedia o limite máximo permitido, especificações técnicas para misturas a utilizar em preparados de carne que não foram traduzidas corretamente para português e informações para os utilizadores que não estavam corretas. 32. Num produtor de suplementos alimentares, os inspetores verificaram que os conservantes utilizados (sorbato E202, benzoato E211) excediam o limite máximo, tanto num produto ensaiado como num produto colocado no mercado. 33. A DGAV indicou que os controlos oficiais dos MA detetam regularmente incumprimentos relativos à utilização de conservantes em forma líquida e de edulcorantes em forma líquida ou sólida nos suplementos alimentares. 34. Não existe um programa de monitorização da ingestão de aditivos alimentares, tal como exigido no artigo 27.º do Regulamento (CE) n.º 1333/2008. No entanto, a DGAV informou a equipa de auditoria de que está atualmente em curso um projeto-piloto que inclui uma avaliação da ingestão de aditivos com dose diária admissível em crianças e adolescentes nas escolas portuguesas. 7

12 Amostragem 35. A DGAV estabelece planos para os controlos oficiais dos géneros alimentícios de origem animal (PACE) e dos géneros alimentícios de origem não animal (PCAI). Os MA fazem parte dos respetivos controlos, mas não existe qualquer plano de amostragem específico para os MA. 36. É também estabelecido um terceiro plano, PCSA, para suplementos alimentares e alimentos destinados a fins especiais. 37. As importações de aditivos são verificadas através de uma lista de códigos TARIC, criada em cooperação com os serviços aduaneiros, de produtos que podem ser utilizados na produção alimentar. Durante o período de 2017 a 2018, os conservantes, os sulfitos e os sorbatos foram priorizados em termos de controlos. 38. Uma unidade de avaliação de risco da ASAE procede a uma avaliação dos riscos de 13 categorias de géneros alimentícios com base numa avaliação geral dos perigos, tendo em conta os riscos microbiológicos, químicos e físicos, bem como as constatações anteriores dos controlos oficiais, por exemplo, em matéria de sulfitos na carne picada. 39. A ASAE recolhe amostras de géneros alimentícios de acordo com um plano anual (PNCA). Atualmente, este plano consiste em 1500 amostras para verificar os requisitos de segurança e 300 amostras, não baseadas no risco, para controlo de eventuais fraudes e de outros incumprimentos. Os rótulos e as informações para o consumidor são controlados em todas as amostras. 40. A ASAE tem os seus próprios laboratórios que realizam as análises. Os laboratórios não podem atualmente analisar corantes em géneros alimentícios sólidos, apenas em bebidas. A ASAE informou a equipa de auditoria de que está em curso um processo de desenvolvimento da metodologia, a fim de poder abranger mais categorias de géneros alimentícios Medidas em caso de incumprimento Requisitos legais Artigos 54.º e 55.º do Regulamento (CE) n.º 882/2004 Constatações 41. Quando não se encontravam disponíveis informações suficientes durante as inspeções, os inspetores solicitavam aos operadores que contactassem imediatamente os fornecedores para que estes enviassem as informações necessárias. Os operadores das empresas do setor alimentar eram instados a assegurar que todas as informações pertinentes estariam disponíveis na inspeção seguinte. 8

13 42. No caso de um produto colocado no mercado com conservantes que excediam os limites máximos, a AC ordenou, de imediato, uma recolha. Além disso, a AC solicitou a documentação completa de todos os produtos produzidos por esse operador, a fim de analisar e avaliar a utilização de MA Sistema de Alerta Rápido para os Géneros Alimentícios e os Alimentos para Animais (RASFF) e sistema de assistência e cooperação administrativas (ACA) Requisitos legais Artigo 50.º do Regulamento (CE) n.º 178/2002 e Decisão de Execução (UE) 2015/1918 da Comissão Constatações 43. Existe um sistema em vigor para o tratamento atempado e adequado de notificações do RASFF. O ponto de contacto nacional encontra-se na DGAV. Existe também um ponto de contacto na ASAE, com acesso direto à plataforma do RASFF. 44. A DGAV procede à investigação em estabelecimentos com um número de controlo veterinário e a ASAE fá-lo em todos os outros casos, e têm o direito de ordenar a recolha de produtos no mercado. 45. Dois exemplos verificados pela equipa de auditoria na ASAE de documentação das investigações e de seguimento das notificações do RASFF, e das respetivas decisões tomadas, confirmaram o funcionamento dos procedimentos em vigor. 46. A equipa de auditoria foi igualmente informada de uma notificação relativa a uma pasta de açúcar que excedia os limites máximos permitidos de dois corantes encontrada nos controlos oficiais em Espanha. A investigação revelou que, entre 2011 e 2012, o operador da empresa do setor alimentar tinha aplicado legislação desatualizada e não teve em conta as alterações introduzidas no Regulamento (CE) n.º 1333/ Desafios encontrados pela AC na organização e realização dos controlos da produção, comercialização e utilização dos MA 47. A conformidade de algumas marcas internacionais de refrigerantes com os requisitos legais não pôde ser verificada pela AC, uma vez que o operador da empresa do setor alimentar recebeu as pré-misturas sem todas as informações necessárias sobre a composição dos ingredientes e os MA. 48. Avaliar o princípio «Quantum satis» revela-se um problema no que respeita à utilização de MA. Os operadores das empresas do setor alimentar têm relutância em indicar a quantidade utilizada desses MA, ou não estão cientes do significado do princípio e não apresentam as provas (estudos ou ensaios das fórmulas alimentares) que justificam a quantidade utilizada, na maior parte dos casos porque utilizam pré-misturas que compram já preparadas. 9

14 49. A correta classificação nas categorias de géneros alimentícios estabelecidas no Regulamento (CE) n.º 1333/2008 constitui um desafio, em especial nos casos-limite. Tal pode afetar o controlo do cumprimento das disposições da UE pertinentes. Conclusões sobre os controlos oficiais dos OESA que fornecem ou utilizam MA 50. Existe um sistema de controlos oficiais em vigor baseado em procedimentos adequados, apoiado por listas de verificação e aplicado, tal como exigido, mediante a realização de inspeções e amostragem. A presente capacidade laboratorial está atualmente limitada à análise em bebidas, mas esta limitação está a ser abordada. Estão em vigor medidas coercivas adequadas e são utilizadas quando necessário. As notificações do RASFF são seguidas de forma satisfatória. 51. A ausência de um programa de monitorização da ingestão de aditivos alimentares dificulta os esforços de atualização da legislação comunitária relativa aos aditivos alimentares de forma eficaz e proporcionada. 6 CONCLUSÕES GERAIS A auditoria constatou que o sistema de controlos oficiais existente que abrange os melhoradores alimentares, incluindo a sua importação, comercialização e utilização, é, de um modo geral, adequado ao fim a que se destina e inclui disposições adequadas de atuação em caso de incumprimento. Ambas as autoridades competentes dispõem a nível central de funcionários especializados que prestam apoio às unidades de inspeção, e os funcionários destas unidades que efetuam os controlos oficiais têm os conhecimentos necessários. Os controlos oficiais das duas autoridades competentes, em conjunto, abrangem os melhoradores alimentares em todos os tipos de géneros alimentícios, através de controlos documentais ou amostragem, mesmo que nem todas as categorias de géneros alimentícios estejam incluídas no plano de amostragem. No entanto, a atual capacidade laboratorial limita-se à análise em bebidas, mas esta limitação está a ser abordada. 7 REUNIÃO DE ENCERRAMENTO Foi realizada uma reunião de encerramento, em 18 de setembro de 2018, com os representantes das AC envolvidas nesta auditoria. Nesta reunião, a equipa de auditoria apresentou as principais constatações e as conclusões preliminares da auditoria. As AC reconheceram as constatações e conclusões preliminares e fizeram alguns comentários de esclarecimento dos dados apresentados. 10

15 8 RECOMENDAÇÕES N.º Recomendação 1. Após a conclusão do projeto-piloto e com base nos resultados, a AC deve implementar um programa de monitorização da ingestão de aditivos alimentares em conformidade com os requisitos estabelecidos no artigo 27.º do Regulamento (CE) n.º 1333/2008. Recomendação baseada na conclusão: 51 Constatação associada: 34 A resposta da autoridade competente à recomendação está disponível em: 11

16 ANEXO 1 REFERÊNCIAS JURÍDICAS Referência jurídica Jornal Oficial Título Regulamento (CE) n.º 178/2002 JO L 31 de , p. 1 Regulamento (CE) n.º 178/2002 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 28 de janeiro de 2002, que determina os princípios e normas gerais da legislação alimentar, cria a Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos e estabelece procedimentos em matéria de segurança dos géneros alimentícios Regulamento (CE) n.º 882/2004 Regulamento (CE) n.º 2065/2003 Regulamento (CE) n.º 1331/2008 Regulamento (CE) n.º 1333/2008 Regulamento (CE) n.º 1334/2008 JO L 165 de , p. 1, retificado e novamente publicado no JO L 191 de , p. 1 JO L 309 de , p. 1 JO L 354 de , p. 1 JO L 354 de , p. 16 JO L 354 de , p. 34 Regulamento (CE) n.º 882/2004 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 29 de abril de 2004, relativo aos controlos oficiais realizados para assegurar a verificação do cumprimento da legislação relativa aos alimentos para animais e aos géneros alimentícios e das normas relativas à saúde e ao bem-estar dos animais Regulamento (CE) n.º 2065/2003 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 10 de novembro de 2003, relativo aos aromatizantes de fumo utilizados ou destinados a serem utilizados nos ou sobre os géneros alimentícios Regulamento (CE) n.º 1331/2008 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 16 de dezembro de 2008, que estabelece um procedimento de autorização comum aplicável a aditivos alimentares, enzimas alimentares e aromas alimentares Regulamento (CE) n.º 1333/2008 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 16 de dezembro de 2008, relativo aos aditivos alimentares Regulamento (CE) n.º 1334/2008 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 16 de dezembro de 2008, relativo aos aromas e a determinados ingredientes alimentares com propriedades aromatizantes utilizados nos e sobre os géneros alimentícios e que altera o Regulamento (CEE) n.º 1601/91 do Conselho, os Regulamentos (CE) n.º 2232/96 e (CE) n.º 110/2008 e a Diretiva 2000/13/CE 12

17 Regulamento (UE) n.º 231/2012 Regulamento de Execução (UE) n.º 872/2012 Regulamento de Execução (UE) n.º 1321/2013 Regulamento (UE) n.º 1169/2011 JO L 83 de , p. 1 JO L 267 de , p. 1 JO L 333 de , p. 54 JO L 304 de , p. 18 Regulamento (UE) n.º 231/2012 da Comissão, de 9 de março de 2012, que estabelece especificações para os aditivos alimentares enumerados nos anexos II e III do Regulamento (CE) n.º 1333/2008 do Parlamento Europeu e do Conselho Regulamento de Execução (UE) n.º 872/2012 da Comissão, de 1 de outubro de 2012, que adota a lista das substâncias aromatizantes prevista no Regulamento (CE) n.º 2232/96 do Parlamento Europeu e do Conselho, inclui essa lista no anexo I do Regulamento (CE) n.º 1334/2008 do Parlamento Europeu e do Conselho e revoga o Regulamento (CE) n.º 1565/2000 e a Decisão 1999/217/CE Regulamento de Execução (UE) n.º 1321/2013 da Comissão, de 10 de dezembro de 2013, que estabelece a lista da União dos produtos primários aromatizantes de fumo autorizados para utilização como tal nos ou sobre géneros alimentícios e/ou para a produção de aromatizantes de fumo derivados Regulamento (UE) n.º 1169/2011 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 25 de outubro de 2011, relativo à prestação de informação aos consumidores sobre os géneros alimentícios, que altera os Regulamentos (CE) n.º 1924/2006 e (CE) n.º 1925/2006 do Parlamento Europeu e do Conselho e revoga as Diretivas 87/250/CEE da Comissão, 90/496/CEE do Conselho, 1999/10/CE da Comissão, 2000/13/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, 2002/67/CE e 2008/5/CE da Comissão e o Regulamento (CE) n.º 608/2004 da Comissão 13

COMISSÃO EUROPEIA DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE E DA SEGURANÇA DOS ALIMENTOS

COMISSÃO EUROPEIA DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE E DA SEGURANÇA DOS ALIMENTOS Ref. Ares(2017)4872036-05/10/2017 COMISSÃO EUROPEIA DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE E DA SEGURANÇA DOS ALIMENTOS Auditorias e análises no domínio da saúde e dos alimentos DG (SANTE) 2017-6058 RELATÓRIO FINAL DE

Leia mais

REGULAMENTOS Jornal Oficial da União Europeia L 13/1. (Atos não legislativos)

REGULAMENTOS Jornal Oficial da União Europeia L 13/1. (Atos não legislativos) 17.1.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 13/1 II (Atos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO (UE) N. o 25/2013 DA COMISSÃO de 16 de janeiro de 2013 que altera os anexos II e III do Regulamento

Leia mais

Envia-se em anexo, à atenção das delegações, o documento da Comissão D022890/02.

Envia-se em anexo, à atenção das delegações, o documento da Comissão D022890/02. CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 10 de outubro de 2012 (11.10) (OR. en) 14709/12 DENLEG 98 AGRI 654 NOTA DE ENVIO de: Comissão Europeia data de receção: 4 de outubro de 2012 para: Secretariado-Geral

Leia mais

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS 14.1.2012 Jornal Oficial da União Europeia L 12/1 II (Atos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO (UE) N. o 28/2012 DA COMISSÃO de 11 de janeiro de 2012 que define as exigências de certificação aplicáveis

Leia mais

Os requisitos de rotulagem para a exportação

Os requisitos de rotulagem para a exportação Os requisitos de rotulagem para a exportação Análises alimentares no ciclo de vida das empresas Fábio Reis, Departamento da Qualidade, PRISCA Alimentação SA Centro de Apoio Tecnológico Agro-Alimentar-CATAA

Leia mais

Medidas legislativas para protecção da cadeia alimentar O âmbito da importação e da admissão DECRETOS-LEI

Medidas legislativas para protecção da cadeia alimentar O âmbito da importação e da admissão DECRETOS-LEI DECRETOS-LEI 174 148/99 560/99 Decreto Lei n.º 4/2003 4 de Maio de 1999 18 de Dezembro de 1999 10 de Janeiro de 2003 Transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 96/23/CE, do, de 29 de Abril,

Leia mais

1 Legislação aplicável (UE e PT) Objetivos Objetivo geral Objetivos estratégicos Objetivos operacionais...

1 Legislação aplicável (UE e PT) Objetivos Objetivo geral Objetivos estratégicos Objetivos operacionais... Página: 1 de 8 () (PCOL) Índice 1 Legislação aplicável (UE e PT)... 2 2 Objetivos... 6 2.1 Objetivo geral... 6 2.2 Objetivos estratégicos... 7 2.3 Objetivos operacionais... 7 3 Autoridade competente...

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) 23.10.2015 L 278/5 REGULAMENTO (UE) 2015/1905 DA COMISSÃO de 22 de outubro de 2015 que altera o anexo II do Regulamento (CE) n. o 183/2005 do Parlamento Europeu e do Conselho no que diz respeito ao teste

Leia mais

(P20) Plano de Aprovação e Controlo dos Estabelecimentos (PACE) 2 Objetivos Objetivo geral Objetivos estratégicos...

(P20) Plano de Aprovação e Controlo dos Estabelecimentos (PACE) 2 Objetivos Objetivo geral Objetivos estratégicos... Página: 275 de 440 (P20) Plano de Aprovação e Controlo dos Estabelecimentos (PACE) Índice 1 Legislação aplicável (UE e PT)... 276 2 Objetivos... 279 2.1 Objetivo geral... 279 2.2 Objetivos estratégicos...

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia L 326/3

Jornal Oficial da União Europeia L 326/3 24.11.2012 Jornal Oficial da União Europeia L 326/3 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) N. o 1097/2012 DA COMISSÃO de 23 de novembro de 2012 que altera o Regulamento (UE) n. o 142/2011 que aplica o Regulamento

Leia mais

Envia-se em anexo, à atenção das delegações, o documento da Comissão D019491/12.

Envia-se em anexo, à atenção das delegações, o documento da Comissão D019491/12. CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 21 de março de 2012 (22.03) (OR. en) 7966/12 DENLEG 29 AGRI 168 NOTA DE ENVIO de: Comissão Europeia data de receção: 19 de março de 2012 para: Secretariado-Geral do

Leia mais

D.G.F.C.Q.A. Segurança Alimentar em Portugal. Maria de Lourdes Gonçalves

D.G.F.C.Q.A. Segurança Alimentar em Portugal. Maria de Lourdes Gonçalves Segurança Alimentar em Portugal Maria de Lourdes Gonçalves 25/11/2005 SEGURANÇA ALIMENTAR O que é? A produção, transformação, distribuição e fornecimento de alimentos que não prejudicam a saúde do consumidor

Leia mais

FORMAÇÃO EM NUTRIÇÃO ANIMAL

FORMAÇÃO EM NUTRIÇÃO ANIMAL FORMAÇÃO EM NUTRIÇÃO ANIMAL Regras da União Europeia sobre higiene dos alimentos e auditorias no âmbito do Sistema de Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controlo (APPCC). QUADRO JURÍDICO A produção

Leia mais

Decisão da Comissão de /6674 (Período de abrangência ano 2015)

Decisão da Comissão de /6674 (Período de abrangência ano 2015) Relatório sobre a aplicação da Diretiva 2004/42/CE do Parlamento Europeu e do Conselho de 21 de Abril de 2004 Decisão da Comissão de 2.10.2015 2015/6674 (Período de abrangência ano 2015) Amadora 2016 Ficha

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO Parlamento Europeu 2014-2019 Documento de sessão B8-0581/2016 4.5.2016 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO apresentada na sequência da pergunta com pedido de resposta oral B8-0365/2016 apresentada nos termos do artigo

Leia mais

REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) /... DA COMISSÃO. de

REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) /... DA COMISSÃO. de COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 20.12.2017 C(2017) 8871 final REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) /... DA COMISSÃO de 20.12.2017 que estabelece os requisitos administrativos e científicos associados a alimentos tradicionais

Leia mais

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO 23.4.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 111/107 DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO de 18 de abril de 2013 relativa aos relatórios anuais sobre inspeções não discriminatórias realizadas ao abrigo do Regulamento

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) 18.10.2016 L 280/13 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) 2016/1832 DA COMISSÃO de 17 de outubro de 2016 que altera os modelos de certificados para as importações na União de preparados de carne, produtos à base

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) L 29/24 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) 2017/186 DA COMISSÃO de 2 de fevereiro de 2017 que estabelece condições específicas aplicáveis à introdução na União de remessas provenientes de certos países terceiros,

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) 30.12.2017 L 351/55 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) 2017/2468 DA COMISSÃO de 20 de dezembro de 2017 que estabelece os requisitos administrativos e científicos associados a alimentos tradicionais de países

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) L 53/109 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) 2018/247 DA COMISSÃO de 15 de fevereiro de 2018 relativo à de 2,4,5-trimetiltiazole, 2-isobutiltiazole, 5-(2-hidroxietil)-4-metiltiazole, 2-acetiltiazole, 2-etil-4-metiltiazole,

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) 17.1.2017 PT L 13/167 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) 2017/59 DA COMISSÃO de 14 de dezembro de 2016 relativo à autorização de 1,1-dimetoxi-2-feniletano, formato de fenetilo, octanoato de fenetilo, isobutirato

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE E DA SEGURANÇA DOS ALIMENTOS

COMISSÃO EUROPEIA DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE E DA SEGURANÇA DOS ALIMENTOS Ref. Ares(2015)3276124-05/08/2015 COMISSÃO EUROPEIA DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE E DA SEGURANÇA DOS ALIMENTOS Direção F Serviço Alimentar e Veterinário DG(SANTE) 2015-7424 - MR RELATÓRIO FINAL DE UMA AUDITORIA

Leia mais

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS 22.2.2017 PT L 44/1 II (Atos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) 2017/307 DA COMISSÃO de 21 de fevereiro de 2017 relativo à autorização de extrato seco de uva Vitis vinifera spp.

Leia mais

[notificada com o número C(2015) 3745] (Apenas faz fé o texto a língua portuguesa)

[notificada com o número C(2015) 3745] (Apenas faz fé o texto a língua portuguesa) 11.6.2015 L 146/11 DECISÃO DE EXECUÇÃO (UE) 2015/892 DA COMISSÃO de 9 de junho de 2015 relativa à aprovação de um plano de vacinação preventiva contra a gripe aviária de baixa patogenicidade numa exploração

Leia mais

REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) /... DA COMISSÃO. de

REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) /... DA COMISSÃO. de COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 28.5.2018 C(2018) 3120 final REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) /... DA COMISSÃO de 28.5.2018 que estabelece regras para a aplicação do artigo 26.º, n.º 3, do Regulamento (UE) n.º

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) L 53/27 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) 2018/241 DA COMISSÃO de 15 de fevereiro de 2018 relativo à de piperina, 3-metilindole, indole, 2-acetilpirrole e pirrolidina como aditivos em alimentos para de todas

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) 17.1.2017 PT L 13/159 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) 2017/58 DA COMISSÃO de 14 de dezembro de 2016 relativo à autorização de alfa-terpineol, nerolidol, 2-(4-metilfenil)propan-2-ol, terpineol e acetato de

Leia mais

PRODUÇÃO DE CÂNHAMO. A produção de cânhamo pode beneficiar do pagamento de base desde que cumpra determinadas disposições.

PRODUÇÃO DE CÂNHAMO. A produção de cânhamo pode beneficiar do pagamento de base desde que cumpra determinadas disposições. Versão atualizado a 28/02/2018 PRODUÇÃO DE CÂNHAMO Introdução Tendo em consideração a especificidade da cultura do cânhamo, que tem um conjunto de condicionantes de ordem legal decorrentes da possibilidade

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) 23.2.2018 PT L 53/81 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) 2018/244 DA COMISSÃO de 15 de fevereiro de 2018 relativo à de vanililacetona e 4-(4-metoxifenil) butan-2-ona como aditivos em alimentos para animais de

Leia mais

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS 18.10.2017 PT L 267/1 II (Atos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) 2017/1896 DA COMISSÃO de 17 de outubro de 2017 relativo à autorização de uma preparação de endo-1,3(4)-beta-glucanase

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia L 77/25

Jornal Oficial da União Europeia L 77/25 23.3.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 77/25 REGULAMENTO (UE) N. o 284/2011 DA COMISSÃO de 22 de Março de 2011 que fixa as condições específicas e os procedimentos pormenorizados para a importação

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia L 64/15

Jornal Oficial da União Europeia L 64/15 11.3.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 64/15 REGULAMENTO (UE) N. o 234/2011 DA COMISSÃO de 10 de Março de 2011 que executa o Regulamento (CE) n. o 1331/2008 do Parlamento Europeu e do Conselho que

Leia mais

Proposta de REGULAMENTO DO CONSELHO

Proposta de REGULAMENTO DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 3.10.2012 COM(2012) 578 final 2012/0280 (NLE) Proposta de REGULAMENTO DO CONSELHO relativo à utilização do ácido láctico para reduzir a contaminação superficial microbiológica

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) 27.7.2016 PT L 201/11 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) 2016/1220 DA COMISSÃO de 26 de julho de 2016 relativo à da L-treonina produzida por Escherichia coli como aditivo em alimentos para animais de todas as

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) 23.2.2018 PT L 53/69 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) 2018/243 DA COMISSÃO de 15 de fevereiro de 2018 relativo à de 3-hidroxibutan-2-ona, pentan-2,3-diona, 3,5-dimetil ciclopentan-1,2-diona, hexan-3,4-diona,

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 2014R0848 PT 30.07.2015 001.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) N. o 848/2014 DA COMISSÃO de 4 de agosto de 2014 relativo

Leia mais

REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) /... DA COMISSÃO. de

REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) /... DA COMISSÃO. de COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 24.3.2017 C(2017) 1812 final REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) /... DA COMISSÃO de 24.3.2017 relativo às modalidades para os procedimentos de inspeção de boas práticas clínicas,

Leia mais

(P27) Plano de Inspeção dos Géneros Alimentícios (PIGA) 1 Legislação aplicável (UE e PT) Objetivos Objetivo geral...

(P27) Plano de Inspeção dos Géneros Alimentícios (PIGA) 1 Legislação aplicável (UE e PT) Objetivos Objetivo geral... Página: 1 de 5 () Plano de Inspeção dos Géneros Alimentícios (PIGA) Índice 1 Legislação aplicável (UE e PT)... 2 2 Objetivos... 3 2.1 Objetivo geral... 3 2.2 Objetivos estratégicos... 3 2.3 Objetivos operacionais...

Leia mais

Conselho da União Europeia Bruxelas, 3 de maio de 2016 (OR. en)

Conselho da União Europeia Bruxelas, 3 de maio de 2016 (OR. en) Conselho da União Europeia Bruxelas, 3 de maio de 2016 (OR. en) 8540/16 DENLEG 34 AGRI 222 SAN 162 NOTA DE ENVIO de: Comissão Europeia data de receção: 29 de abril de 2016 para: n. doc. Com.: D043783/02

Leia mais

ANEXO AO PARECER N.º 06/2013 DA EASA REGULAMENTO (UE) N.º / DA COMISSÃO. de XXX

ANEXO AO PARECER N.º 06/2013 DA EASA REGULAMENTO (UE) N.º / DA COMISSÃO. de XXX COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, XXX (2013) XXX projeto ANEXO AO PARECER N.º 06/2013 DA EASA REGULAMENTO (UE) N.º / DA COMISSÃO de XXX que altera o Regulamento (CE) n.º 2042/2003 relativo à aeronavegabilidade

Leia mais

Direção de Serviços de Segurança Alimentar / DGAV

Direção de Serviços de Segurança Alimentar / DGAV Direção de Serviços de Segurança Alimentar / DGAV Assunto: COMERCIALIZAÇÃO DE REBENTOS Esclarecimento 11/2013 A presente nota de esclarecimento pretende elucidar os operadores de empresas do setor alimentar

Leia mais

FINANÇAS E AGRICULTURA, FLORESTAS E DESENVOLVIMENTO RURAL

FINANÇAS E AGRICULTURA, FLORESTAS E DESENVOLVIMENTO RURAL 1088 Diário da República, 1.ª série N.º 41 27 de fevereiro de 2017 ANEXO VII (a que se refere o artigo 2.º) Tabela correspondente ao anexo VIII ao Decreto Regulamentar n.º 3/2013, de 8 de maio País Montante

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia L 106/55

Jornal Oficial da União Europeia L 106/55 28.4.2009 Jornal Oficial da União Europeia L 106/55 DECISÃO DA COMISSÃO de 23 de Abril de 2009 que autoriza a colocação no mercado de licopeno como novo ingrediente alimentar, nos termos do Regulamento

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 2003R1830 PT 11.12.2008 001.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B REGULAMENTO (CE) N. o 1830/2003 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 22 de Setembro

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia

Jornal Oficial da União Europeia 4.1.2019 PT L 2/21 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) 2019/12 DA COMISSÃO de 3 de janeiro de 2019 relativo à de L-arginina como aditivo em alimentos para animais de todas as espécies (Texto relevante para efeitos

Leia mais

REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) /... DA COMISSÃO. de

REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) /... DA COMISSÃO. de COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 19.3.2018 C(2018) 1558 final REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) /... DA COMISSÃO de 19.3.2018 relativo às etapas do processo de consulta para a determinação do estatuto de novo alimento,

Leia mais

REGULAMENTO DELEGADO (UE) N.º /.. DA COMISSÃO. de

REGULAMENTO DELEGADO (UE) N.º /.. DA COMISSÃO. de COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 12.12.2013 C(2013) 8887 final REGULAMENTO DELEGADO (UE) N.º /.. DA COMISSÃO de 12.12.2013 que altera o Regulamento (UE) n.º 1169/2011 do Parlamento Europeu e do Conselho relativo

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 2002D0994 PT 03.07.2015 007.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B DECISÃO DA COMISSÃO de 20 de Dezembro de 2002 relativa a certas medidas de protecção

Leia mais

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO L 172/32 Jornal Oficial da União Europeia 25.6.2013 DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO de 19 de junho de 2013 que altera os anexos II, III e IV da Decisão 2006/168/CE no que se refere a certos requisitos

Leia mais

Conselho da União Europeia Bruxelas, 12 de abril de 2017 (OR. en) Secretário-Geral da Comissão Europeia, assinado por Jordi AYET PUIGARNAU, Diretor

Conselho da União Europeia Bruxelas, 12 de abril de 2017 (OR. en) Secretário-Geral da Comissão Europeia, assinado por Jordi AYET PUIGARNAU, Diretor Conselho da União Europeia Bruxelas, 12 de abril de 2017 (OR. en) 8199/17 NOTA DE ENVIO de: data de receção: 10 de abril de 2017 para: n. doc. Com.: DENLEG 31 AGRI 197 SAN 150 DELACT 71 Secretário-Geral

Leia mais

ANEXOS DECISÃO DELEGADA (UE) /... DA COMISSÃO

ANEXOS DECISÃO DELEGADA (UE) /... DA COMISSÃO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 3.5.2019 C(2019) 3211 final ANNEXES 1 to 4 ANEXOS da DECISÃO DELEGADA (UE) /... DA COMISSÃO que complementa a Diretiva 2008/98/CE do Parlamento Europeu e do Conselho no que

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE E DA SEGURANÇA DOS ALIMENTOS

COMISSÃO EUROPEIA DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE E DA SEGURANÇA DOS ALIMENTOS COMISSÃO EUROPEIA DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE E DA SEGURANÇA DOS ALIMENTOS Bruxelas, 27 de fevereiro de 2018 AVISO ÀS PARTES INTERESSADAS SAÍDA DO REINO UNIDO E NORMAS DA UE NOS DOMÍNIOS DA SAÚDE E BEM-ESTAR

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) L 53/134 PT 23.2.2018 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) 2018/249 DA COMISSÃO de 15 de fevereiro de 2018 relativo à de taurina, beta-alanina, L-alanina, L-arginina, ácido L-aspártico, L-histidina, D,L-isoleucina,

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE E DA SEGURANÇA DOS ALIMENTOS DIREÇÃO-GERAL DA AGRICULTURA E DO DESENVOLVIMENTO RURAL

COMISSÃO EUROPEIA DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE E DA SEGURANÇA DOS ALIMENTOS DIREÇÃO-GERAL DA AGRICULTURA E DO DESENVOLVIMENTO RURAL COMISSÃO EUROPEIA DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE E DA SEGURANÇA DOS ALIMENTOS DIREÇÃO-GERAL DA AGRICULTURA E DO DESENVOLVIMENTO RURAL Bruxelas, 1 de fevereiro de 2018 Rev1 AVISO ÀS PARTES INTERESSADAS SAÍDA DO

Leia mais

L 172/14 Jornal Oficial da União Europeia

L 172/14 Jornal Oficial da União Europeia PT L 172/14 Jornal Oficial da União Europeia 25.6.2013 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) N. o 601/2013 DA COMISSÃO de 24 de junho de 2013 relativo à de acetato de cobalto (II) tetra-hidratado, carbonato de

Leia mais

REGULAMENTOS. (Texto relevante para efeitos do EEE)

REGULAMENTOS. (Texto relevante para efeitos do EEE) 30.4.2016 PT L 116/3 REGULAMENTOS REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) 2016/672 DA COMISSÃO de 29 de abril de 2016 que aprova o ácido peracético como substância ativa existente para utilização em s biocidas dos

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia L 289/33

Jornal Oficial da União Europeia L 289/33 PT 31.10.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 289/33 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) N. o 1060/2013 DA COMISSÃO de 29 de outubro de 2013 relativo à da bentonite como aditivo em alimentos para todas as

Leia mais

Proposta de DECISÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

Proposta de DECISÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 14.11.2017 COM(2017) 643 final 2017/0297 (COD) Proposta de DECISÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que altera a Decisão 2003/17/CE do Conselho no que se refere à equivalência

Leia mais

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS PT 23.5.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 136/1 II (Atos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) N. o 469/2013 DA COMISSÃO de 22 de maio de 2013 relativo à de DL-metionina, sal

Leia mais

Rastreabilidade - enquadramento legal. Alda Maria Santos ASAE - DRLVT Óbidos, 6 de Abril de 2006

Rastreabilidade - enquadramento legal. Alda Maria Santos ASAE - DRLVT Óbidos, 6 de Abril de 2006 Rastreabilidade - enquadramento legal Alda Maria Santos ASAE - DRLVT Óbidos, 6 de Abril de 2006 Considerandos Elevado nível de protecção da vida e da saúde humana É necessário considerar todos os aspectos

Leia mais

REGULAMENTO DELEGADO (UE) /... DA COMISSÃO. de

REGULAMENTO DELEGADO (UE) /... DA COMISSÃO. de COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 6.11.2018 C(2018) 7151 final REGULAMENTO DELEGADO (UE) /... DA COMISSÃO de 6.11.2018 que altera o anexo II do Regulamento Delegado (UE) n.º 1062/2014 relativo ao programa de

Leia mais

ANEXOS. Proposta de Diretiva do Parlamento Europeu e do Conselho. relativa a regras comuns para o mercado interno da eletricidade

ANEXOS. Proposta de Diretiva do Parlamento Europeu e do Conselho. relativa a regras comuns para o mercado interno da eletricidade COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 23.2.2017 COM(2016) 864 final ANNEXES 1 to 5 ANEXOS da Proposta de Diretiva do Parlamento Europeu e do Conselho relativa a regras comuns para o mercado interno da eletricidade

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

9e4fb39a76d24653b38d7b4305cf5a09

9e4fb39a76d24653b38d7b4305cf5a09 DL 74/2017 2017.03.31 Ministra\o d O Regulamento (UE) 1169/2011, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 25 de outubro de 2011, relativo à prestação de informação aos consumidores sobre os géneros alimentícios,

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) L 58/14 PT REGULAMENTO (UE) 2017/378 DA COMISSÃO de 3 de março de 2017 que altera o anexo I do Regulamento (CE) n. o 1334/2008 do Parlamento Europeu e do Conselho no que diz respeito a determinadas substâncias

Leia mais

Procedimento de Notificação de Organismos, no âmbito do Regulamento (UE) n.º 305/2011, relativo aos Produtos de Construção

Procedimento de Notificação de Organismos, no âmbito do Regulamento (UE) n.º 305/2011, relativo aos Produtos de Construção PORTUGUESE INSTITUTE FOR QUALITY Rua António Gião, 2 2829-513 CAPARICA PORTUGAL Tel (+ 351) 21 294 81 00 Fax (+ 351) 21 294 81 01 E-mail: ipq@ipq.pt URL: www.ipq.pt Procedimento de Notificação de Organismos,

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) 16.3.2016 PT L 70/7 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) 2016/370 DA COMISSÃO de 15 de março de 2016 que aprova a substância ativa pinoxadene, em conformidade com o Regulamento (CE) n. o 1107/2009 do Parlamento

Leia mais

Conselho da União Europeia Bruxelas, 17 de maio de 2017 (OR. en)

Conselho da União Europeia Bruxelas, 17 de maio de 2017 (OR. en) Conselho da União Europeia Bruxelas, 17 de maio de 2017 (OR. en) 9384/17 DENLEG 44 AGRI 273 SAN 203 NOTA DE ENVIO de: Comissão Europeia data de receção: 17 de maio de 2017 para: n. doc. Com.: D050363/02

Leia mais

Orientações Regras e procedimentos das Centrais de Valores Mobiliários (CSD) aplicáveis em caso de incumprimento de participantes

Orientações Regras e procedimentos das Centrais de Valores Mobiliários (CSD) aplicáveis em caso de incumprimento de participantes Orientações Regras e procedimentos das Centrais de Valores Mobiliários (CSD) aplicáveis em caso de incumprimento de participantes 08/06/2017 ESMA70-151-294 PT Índice 1 Âmbito de aplicação... 3 2 Definições...

Leia mais

Maria Celeste da Costa Bento

Maria Celeste da Costa Bento Chefe de Divisão de Controlo da Cadeia Agroalimentar e Melarias Estabelecimentos As Instalações do setor alimentar que detenham, manipulem ou laborem géneros alimentícios de origem animal, designadamente

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE E DA SEGURANÇA DOS ALIMENTOS

COMISSÃO EUROPEIA DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE E DA SEGURANÇA DOS ALIMENTOS Ref. Ares(2016)1441978-23/03/2016 COMISSÃO EUROPEIA DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE E DA SEGURANÇA DOS ALIMENTOS Direção F - Auditorias e análises no domínio da saúde e dos alimentos DG(SANTE) 2015-7442 - MR RELATÓRIO

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia L 90/71

Jornal Oficial da União Europeia L 90/71 28.3.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 90/71 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) N. o 300/2013 DA COMISSÃO de 27 de março de 2013 que altera o Regulamento (UE) n. o 605/2010 que estabelece as condições

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia. (Atos não legislativos) REGULAMENTOS

Jornal Oficial da União Europeia. (Atos não legislativos) REGULAMENTOS 13.1.2016 L 8/1 II (Atos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) 2016/24 DA COMISSÃO de 8 de janeiro de 2016 que impõe condições especiais à importação de amendoins provenientes do

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 16 de abril de 2013 (17.04) (OR. en) 8481/13 DENLEG 34 AGRI 240

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 16 de abril de 2013 (17.04) (OR. en) 8481/13 DENLEG 34 AGRI 240 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 16 de abril de 2013 (17.04) (OR. en) 8481/13 DENLEG 34 AGRI 240 NOTA DE ENVIO de: Comissão Europeia data de receção: 11 de abril de 2013 para: Secretariado-Geral do

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 21.6.2019 COM(2019) 270 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO sobre as disposições da Diretiva (UE) 2015/2302 do Parlamento Europeu e do Conselho,

Leia mais

REGULAMENTOS. (Texto relevante para efeitos do EEE)

REGULAMENTOS. (Texto relevante para efeitos do EEE) L 125/10 REGULAMENTOS REGULAMENTO (UE) 2015/786 DA COMISSÃO de 19 de maio de 2015 que define critérios de aceitabilidade dos processos de descontaminação aplicáveis aos produtos destinados à alimentação

Leia mais

Conselho da União Europeia Bruxelas, 4 de maio de 2017 (OR. en)

Conselho da União Europeia Bruxelas, 4 de maio de 2017 (OR. en) Conselho da União Europeia Bruxelas, 4 de maio de 2017 (OR. en) 8769/17 DENLEG 36 AGRI 241 SAN 177 NOTA DE ENVIO de: Comissão Europeia data de receção: 2 de maio de 2017 para: n. doc. Com.: D050364/02

Leia mais

ANEXOS. Proposta de DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

ANEXOS. Proposta de DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Estrasburgo, 16.1.2018 COM(2018) 33 final ANNEXES 1 to 5 ANEXOS da Proposta de DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativa aos meios portuários de receção de resíduos provenientes

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DAS AUDITORIAS INTERNAS DE 2009

RELATÓRIO ANUAL DAS AUDITORIAS INTERNAS DE 2009 RELATÓRIO ANUAL DAS AUDITORIAS INTERNAS DE 2009 1. Introdução O Gabinete de Auditorias (GA) foi estabelecido pelo Despacho nº 1736, de 29 de Abril de 2008, publicado no Diário da República nº 122, II Série,

Leia mais

Envia-se em anexo, à atenção das delegações, o documento da Comissão D009364/03.

Envia-se em anexo, à atenção das delegações, o documento da Comissão D009364/03. CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 22 de Dezembro de 2010 (22.12) (OR. en) 18255/10 COMER 241 NOTA DE ENVIO de: Secretário-Geral da Comissão Europeia, assinado por Jordi AYET PUIGARNAU, Director data

Leia mais

CONTROLO E CERTIFICAÇÃO EM AGRICULTURA BIOLÓGICA

CONTROLO E CERTIFICAÇÃO EM AGRICULTURA BIOLÓGICA CONTROLO E CERTIFICAÇÃO EM AGRICULTURA BIOLÓGICA SATIVA Controlo e Certificação de Produtos Av. Visconde de Valmor, 11, 3º. 1000-289 Lisboa Tel: 217991100 Fax: 217991119 sativa@sativa.pt www.sativa.pt

Leia mais

REGULAMENTO DELEGADO (UE) 2015/852 DA COMISSÃO

REGULAMENTO DELEGADO (UE) 2015/852 DA COMISSÃO 2.6.2015 L 135/13 REGULAMENTO DELEGADO (UE) 2015/852 DA COMISSÃO de 27 de março de 2015 que completa o Regulamento (UE) n. o 508/2014 do Parlamento Europeu e do Conselho no respeitante aos casos de incumprimento

Leia mais

(Actos não legislativos) REGULAMENTOS

(Actos não legislativos) REGULAMENTOS 8.9.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 237/1 II (Actos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO (UE) N. o 790/2010 DA COMISSÃO de 7 de Setembro de 2010 que altera os anexos VII, X e XI do Regulamento

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) L 30/10 6.2.2015 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) 2015/175 DA COMISSÃO de 5 de fevereiro de 2015 que fixa condições especiais aplicáveis às importações de goma de guar originária ou expedida da Índia devido

Leia mais

REGULAMENTO DELEGADO (UE) /... DA COMISSÃO. de

REGULAMENTO DELEGADO (UE) /... DA COMISSÃO. de COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 16.2.2017 C(2017) 805 final REGULAMENTO DELEGADO (UE) /... DA COMISSÃO de 16.2.2017 que altera o Regulamento Delegado (UE) n.º 640/2014, que completa o Regulamento (UE) n.º

Leia mais

Controlos Oficiais de Trichinella Impacto da aplicação do Regulamento n.º 216/2014

Controlos Oficiais de Trichinella Impacto da aplicação do Regulamento n.º 216/2014 CONGRESSO NACIONAL DA INDÚSTRIA PORTUGUESA DE CARNES Controlos Oficiais de Trichinella Impacto da aplicação do Regulamento n.º 216/2014 06 de Maio de 2014 Direção Geral de Alimentação e Veterinária Direção

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) L 142/48 29.5.2019 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) 2019/890 DA COMISSÃO de 27 de maio de 2019 que impõe condições especiais à importação de amendoins provenientes da Gâmbia e do Sudão e que altera o Regulamento

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) 14.11.2012 Jornal Oficial da União Europeia L 314/5 REGULAMENTO (UE) N. o 1063/2012 DA COMISSÃO de 13 de novembro de 2012 que altera o Regulamento (UE) n. o 142/2011 que aplica o Regulamento (CE) n. o

Leia mais

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO L 281/14 Jornal Oficial da União Europeia 23.10.2013 DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO de 21 de outubro de 2013 que altera o anexo E, parte 1, da Diretiva 92/65/CEE do Conselho no que diz respeito ao modelo

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA DIREÇÃO-GERAL DO MERCADO INTERNO, DA INDÚSTRIA, DO EMPREENDEDORISMO E DAS PME

COMISSÃO EUROPEIA DIREÇÃO-GERAL DO MERCADO INTERNO, DA INDÚSTRIA, DO EMPREENDEDORISMO E DAS PME COMISSÃO EUROPEIA DIREÇÃO-GERAL DO MERCADO INTERNO, DA INDÚSTRIA, DO EMPREENDEDORISMO E DAS PME Bruxelas, 1 de fevereiro de 2019 PERGUNTAS E RESPOSTAS RELATIVAS À SAÍDA DO REINO UNIDO DA UNIÃO EUROPEIA

Leia mais

Higiene dos Géneros Alimentícios

Higiene dos Géneros Alimentícios Higiene dos Géneros Alimentícios RASTREABILIDADE, HIGIENE E SEGURANÇA ALIMENTAR DGFCQA DGV Direcção-Geral de Veterinária Fiscalização e Controlo da Qualidade Alimentar Ana Paula Bico Setembro de 2006 Segurança

Leia mais

Sessão de Esclarecimento

Sessão de Esclarecimento Direção de Serviços de Sanidade Vegetal CERTIFICAÇÃO DE MATERIAL DE PROPAGAÇÃO DE VIDEIRA Sessão de Esclarecimento Legislação e cadeia de decisão Comissão europeia DG Sanco Diretiva 68/193/CEE e suas alterações

Leia mais

L 252/26 Jornal Oficial da União Europeia

L 252/26 Jornal Oficial da União Europeia L 252/26 Jornal Oficial da União Europeia 19.9.2012 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) N. o 844/2012 DA COMISSÃO de 18 de setembro de 2012 que estabelece as disposições necessárias à execução do procedimento

Leia mais

Conselho da União Europeia Bruxelas, 26 de outubro de 2016 (OR. en)

Conselho da União Europeia Bruxelas, 26 de outubro de 2016 (OR. en) Conselho da União Europeia Bruxelas, 26 de outubro de 2016 (OR. en) 13738/16 NOTA DE ENVIO de: Comissão Europeia data de receção: 21 de outubro de 2016 para: n. doc. Com.: D046374/04 Assunto: Secretariado-Geral

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia L 109/47

Jornal Oficial da União Europeia L 109/47 30.4.2009 Jornal Oficial da União Europeia L 109/47 DECISÃO DA COMISSÃO de 28 de Abril de 2009 que autoriza a colocação no mercado de oleorresina de licopeno de tomate como novo ingrediente alimentar,

Leia mais

REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) /... DA COMISSÃO. de

REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) /... DA COMISSÃO. de COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 18.12.2018 C(2018) 8876 final REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) /... DA COMISSÃO de 18.12.2018 que estabelece regras específicas no que respeita ao procedimento a seguir para efetuar

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 21 de setembro de 2012 (OR. en) 2012/0023 (COD) PE-CONS 42/12 MI 467 PHARM 58 SAN 170 ECO 98 ENT 165 CODEC 1829 OC 372

UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 21 de setembro de 2012 (OR. en) 2012/0023 (COD) PE-CONS 42/12 MI 467 PHARM 58 SAN 170 ECO 98 ENT 165 CODEC 1829 OC 372 UNIÃO EUROPEIA PARLAMENTO EUROPEU CONSELHO 2012/0023 (COD) PE-CONS 42/12 Bruxelas, 21 de setembro de 2012 (OR. en) MI 467 PHARM 58 SAN 170 ECO 98 ENT 165 CODEC 1829 OC 372 ATOS LEGISLATIVOS E OUTROS INSTRUMENTOS

Leia mais

[notificada com o número C(2016) 1423] (Apenas faz fé o texto em língua dinamarquesa)

[notificada com o número C(2016) 1423] (Apenas faz fé o texto em língua dinamarquesa) 16.3.2016 L 70/27 DECISÃO DE EXECUÇÃO (UE) 2016/376 DA COMISSÃO de 11 de março de 2016 que autoriza a colocação no mercado de 2 -O-fucosil-lactose como novo ingrediente alimentar, nos termos do Regulamento

Leia mais