PROFISSÃO: TERAPIA OCUPACIONAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROFISSÃO: TERAPIA OCUPACIONAL"

Transcrição

1 PROFISSÃO: TERAPIA OCUPACIONAL Instruções Leia atentamente e cumpra rigorosamente as instruções que seguem, pois elas são parte integrante das provas e das normas que regem esse Concurso ou Processo Seletivo. 1. Atente-se aos avisos contidos no quadro da sala. 2. Seus pertences deverão ser armazenados dentro do saco plástico fornecido pelo fiscal. Somente devem permanecer em posse do candidato caneta esferográfica de material transparente com tinta azul ou preta de ponta grossa, documento de identidade, lanche e água, se houver. A utilização de qualquer material não permitido em edital é expressamente proibida, acarretando a imediata exclusão do candidato. 3. Verifique se o cargo constante na capa deste caderno é aquele para o qual realizou a inscrição. 4. Cada questão oferece 5 (cinco) alternativas de respostas, representadas pelas letras A, B, C, D e E, sendo apenas 1 (uma) a resposta correta. 5. Será respeitado o tempo para realização da prova conforme previsto em edital, incluindo o preenchimento da grade de respostas. 6. Os dois últimos candidatos deverão retirar-se da sala de prova ao mesmo tempo, devendo assinar a Ata de Prova. 7. Nenhuma informação sobre o conteúdo das questões será dada pelo fiscal. 8. No caderno de prova, o candidato poderá rabiscar, riscar e calcular. 9. Os gabaritos preliminares da prova objetiva serão divulgados na data descrita no Cronograma de Execução desse Concurso ou Processo Seletivo. 10. Certifique-se de que este caderno contém 40 (quarenta) questões. Caso contrário, solicite ao fiscal da sala a sua substituição. Boa prova! V1_31/10/201710:14:27

2 SAÚDE COLETIVA: LEGISLAÇÃO, POLÍTICA E ORGANIZAÇÃO DO SUS QUESTÃO 01 Teixeira et al. (1998) caracterizam o processo de territorialização como o uso inteligente da epidemiologia, através da "microlocalização dos problemas de saúde, a intervenção no âmbito populacional pautada no saber epidemiológico e a apropriação de informações acerca do territórioprocesso na definição de prioridades em termos de problemas e grupos, o mais aproximadamente possível, o que se refletirá na definição das ações mais adequadas, visando à integralidade, à intersetorialidade, à efetividade e à equidade". Frente ao exposto, assinale a alternativa correta sobre modelo assistencial e vigilância da saúde. A) A tecnologia médica, com a sua atuação em equipe de saúde, é o meio principal para garantia de políticas públicas saudáveis, minimizando danos e riscos, atendendo, dessa forma, as necessidades e determinantes dos modos de vida e saúde. B) Tecnologias de comunicação social, de planejamento e programação local situacional e tecnologias médico-sanitárias são meios de trabalho para estruturar campanhas sanitárias, programas especiais, sistemas de vigilância epidemiológica e sanitária. C) Políticas públicas saudáveis, ações intersetoriais, intervenções específicas (promoção, prevenção e recuperação) e operações sobre problemas e grupos populacionais são formas de organização do modelo de vigilância da saúde, cujo objeto é minimizar danos e riscos, atuando sobre as necessidades e determinantes dos modos de vida e saúde. D) A vigilância da saúde tem como eixo central os modos de transmissão e fatores de risco, sendo a equipe de saúde com a população os sujeitos dos processos. E) O Modelo Sanitarista, com a organização de campanhas sanitárias, programas especiais e sistemas de vigilância epidemiológica e sanitária, tem como objeto a minimização de riscos e danos, considerando determinantes dos modos de vida e saúde. QUESTÃO 02 O processo de municipalização e descentralização é o caminho seguido na construção do Sistema Único de Saúde (SUS). A diversidade relacionada às questões políticas, culturais, de infraestrutura, de financiamento e de conhecimentos técnicos provocam desigualdades e dificultam os avanços de efetivação do sistema de saúde. As iniquidades na acessibilidade dos serviços podem ser minimizadas com a organização da Rede de Atenção à Saúde (RAS), cujas características de regionalização e integração para a atenção às condições agudas e crônicas são estratégias, que podem modificar o quadro de iniquidades observadas na acessibilidade dos serviços. Assinale a alternativa INCORRETA em relação ao que é essencial ao funcionamento da Rede de Atenção à Saúde. A) Atenção à saúde centrada no indivíduo, na família e na comunidade, tendo em conta as particularidades culturais, gênero, assim como a diversidade da população. B) Ação intersetorial e abordagem dos determinantes da saúde e da equidade em saúde. C) Sistema de governança diverso, com o propósito de criar para cada componente que compõe a Rede de Atenção à Saúde uma missão, uma visão e estratégias. D) Uma extensa gama de estabelecimentos de saúde que presta serviços de promoção, prevenção, diagnóstico, tratamento, gestão de casos, reabilitação e cuidados paliativos e integra os programas focalizados em doenças, riscos e populações específicas, tais como os serviços de saúde individuais e coletivos. E) População e território definidos com amplo conhecimento de suas necessidades e preferências, que determinam a oferta de serviços de saúde.

3 QUESTÃO 03 Um desafio permanente da gestão do SUS é o fortalecimento dos vínculos interfederativos, necessários à consolidação do Sistema. As Comissões Intergestores, enquanto instâncias de pactuação consensual entre os entes federativos para a organização e o funcionamento das ações e serviços de saúde integrados em redes de atenção à saúde, constituem-se em foros permanentes de negociação, articulação e decisão entre os gestores na construção de consensos federativos, em cada nível da organização do Sistema: regional, estadual e nacional do SUS. Níveis de Organização do Espaço da Gestão no SUS UNIÃO ESTADO REGIÕES DE SAÚDE REDE DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE MUNICÍPIOS Fonte: DAI/SGEP/MS De acordo com o Decreto nº 7.508/2011, é de competência exclusiva da CIT a pactuação: A) Dos critérios para o planejamento integrado das ações e serviços de saúde da Região de Saúde, em razão do compartilhamento da gestão. B) Da rede de atenção à saúde, definindo as suas portas de entrada. C) Do planejamento regional de acordo com o Plano de Saúde de cada ente federado, aprovado no respectivo Conselho de Saúde. D) Das regras de continuidade do acesso às ações e serviços de saúde, atendendo ao princípio da integralidade, mediante o referenciamento do cidadão a serviços localizados em outras regiões de saúde do Estado. E) Das responsabilidades individuais e solidárias de cada ente federativo na Região de Saúde. CIT CIB CIR QUESTÃO 04 O Decreto nº 7.508/2011, ao regulamentar a Lei Orgânica da Saúde (Lei nº 8.080/1990) no que diz respeito à organização do SUS, ao planejamento da Saúde, à assistência, à saúde e à articulação interfederativa, aponta novos desafios na gestão desse Sistema e institui o Contrato Organizativo da Ação Pública da Saúde (COAP) como a figura jurídica que dará concretude aos compromissos de cada ente federado frente a objetivos comuns, discutidos e consensuados em cada região de saúde, respeitando a diversidade federativa e garantindo a segurança jurídica necessária a todos. De acordo com o art. 36 do referido Decreto, são disposições essenciais do Contrato Organizativo da Ação Pública de Saúde: I. Identificação das necessidades de saúde locais e regionais. II. Critérios de avaliação dos resultados e forma de monitoramento eventuais. III. Indicadores e metas de saúde. IV. Oferta de ações e serviços de vigilância em saúde, promoção, proteção e recuperação da saúde em âmbito regional e interregional. Quais estão corretas? A) Apenas I, II e III. B) Apenas I, II e IV. C) Apenas I, III e IV. D) Apenas II, III e IV. E) I, II, III e IV. QUESTÃO 05 O art. 5º do Decreto nº 7.508/2011 estabelece que, para ser instituída, a Região de Saúde deve conter, no mínimo, ações e serviços de Atenção primária, tais como: A) Atenção ambulatorial e hospitalar, vigilância em saúde e assistência farmacêutica. B) Urgência e emergência, atenção ambulatorial especializada e hospitalar e vigilância sanitária. C) Urgência e emergência, atenção psicossocial e atenção ambulatorial. D) Urgência e emergência, atenção social, atenção hospitalar e vigilância em saúde. E) Urgência e emergência, atenção psicossocial, atenção ambulatorial especializada e hospitalar e vigilância em saúde.

4 QUESTÃO 06 De acordo com o art. 35 da Lei nº 8.080/1990, para o estabelecimento de valores a serem transferidos a Estados, Distrito Federal e Municípios, será utilizada a combinação de critérios, segundo análise técnica de programas e projetos. Analise as assertivas abaixo sobre os critérios, assinalando V, se verdadeiros, ou F, se falsos. ( ) Perfil epidemiológico da população a ser coberta. ( ) Previsão do plano quinquenal de investimentos da rede. ( ) Desempenho técnico, econômico e financeiro no período anterior. ( ) Perfil demográfico da região. ( ) Características quantitativas e qualitativas da rede de saúde na área. A ordem correta de preenchimento dos parênteses, de cima para baixo, é: A) V V V V V. B) V F F V V. C) F V F F F. D) F V V V F. E) F F F F F. QUESTÃO 07 De acordo com o art. 1º da Lei nº 8.142/1990, o SUS, de que trata a Lei nº 8.080/1990, contará, em cada esfera de governo, sem prejuízo das funções do Poder Legislativo, com as seguintes instâncias colegiadas: Conferência de Saúde e o Conselho de Saúde. Sobre a Conferência de Saúde, é correto afirmar que ela reunir-se-á a cada quatro anos com a representação dos: A) Vários segmentos sociais, para avaliar a situação de saúde e propor as diretrizes para a formulação da política de saúde nos níveis correspondentes, convocada pelo Poder Executivo ou, extraordinariamente, por esta ou pelo Conselho de Saúde. B) Vários segmentos sociais, para avaliar a situação de saúde e propor as diretrizes para a formulação da política de saúde nos níveis correspondentes, convocada exclusivamente pelo Poder Executivo. C) Vários segmentos sociais, para avaliar a situação de saúde e propor as diretrizes para a formulação da política de saúde, convocada exclusivamente pelo Conselho de Saúde. D) Usuários e gestores, para propor as diretrizes para a formulação da política de saúde, convocada pelo Conselho de Saúde. E) Gestores e usuários, para avaliar a situação de saúde e propor as diretrizes para a formulação da política de saúde nos níveis correspondentes, convocada pelo Poder Executivo. QUESTÃO 08 Cecilio (1997), em Modelos tecnoassistenciais em saúde: da pirâmide ao círculo, uma possibilidade a ser explorada, descreveu que a pirâmide é a tradução de regionalização e hierarquização dos serviços. Para o Movimento Sanitário, essa figura clássica é fundamental para representar o modelo tecnoassistencial do SUS por várias razões, EXCETO: A) Está indissociavelmente ligada à ideia de expansão da cobertura e democratização do acesso aos serviços de saúde para todos os brasileiros. B) A hierarquização garantiria o acesso, para o paciente que entrou pela porta de entrada, a todas as possibilidades tecnológicas que o sistema de saúde dispusesse para enfrentar a dor, a doença e o risco da morte. C) A pirâmide seria um orientador seguro para a priorização de investimentos, tanto em recursos humanos como na construção de novos equipamentos, na medida em que seria mais fácil perceber onde estariam localizadas as reais necessidades da população. D) A proximidade do serviço de saúde da residência do usuário seria um facilitador, tanto do acesso como possibilitaria a criação de vínculos entre a equipe e a clientela. E) O espaço da rede básica seria então o locus privilegiado para a testagem e construção de um modelo sanitarista, prevendo a necessidade de campanhas em saúde. QUESTÃO 09 Almeida Filho (2010) relaciona os elementos estruturais do modelo biomédico suposto como flexneriano. Nesse sentido, assinale a alternativa que apresenta elementos estruturais do modelo biomédico. A) Biologismo, Individualismo, Especialização, Exclusão de práticas alternativas, Tecnificação do cuidado à saúde, Ênfase na prática preventiva. B) Mecanicismo, Biologismo, Individualismo, Especialização, Exclusão de práticas alternativas, Tecnificação do cuidado à saúde, Ênfase na prática curativa. C) Tecnificação do cuidado à saúde, Medicina Social e Preventiva, Mecanicismo, Biologismo, Especialização. D) Tecnificação do cuidado à saúde, Mecanicismo, Biologismo, Especialização, Ênfase na Medicina Sanitarista. E) Mecanicismo, Biologismo, Especialização, Tecnificação do cuidado à saúde, Ênfase na prática da Medicina Social.

5 QUESTÃO 10 Morosini e Fonseca (2017) entendem ser necessário coordenar esforços para que o debate sobre a atenção básica possa ser simultaneamente aprofundado e capilarizado, resgatando a ideia de ampla participação social. Afirmam, ainda, que a base sobre a qual esse debate deveria se dar é o compromisso com o atendimento das necessidades de saúde da população e a responsabilidade de preservar as orientações que consolidam a atenção básica como espaço de institucionalização da saúde como um direito de todos e um dever do Estado. Considerando a Política Nacional de Atenção Básica/2012, são características do processo de trabalho das equipes de Atenção Básica, EXCETO: A) O processo de trabalho das equipes exige de seus atores (trabalhadores, gestores e usuários) capacidade de análise, intervenção e autonomia para o estabelecimento de práticas transformadoras, a gestão das mudanças e o estreitamento dos elos entre concepção e execução do trabalho. B) O planejamento e organização da agenda de trabalho deve ser individualizado pelos profissionais que compõe a equipe de saúde, e recomenda-se a divisão de agenda segundo critérios de problemas de saúde, ciclos de vida, sexo e patologias. C) Realizar atenção à saúde na Unidade Básica de Saúde, no domicílio, em locais do território (salões comunitários, escolas, creches, praças etc.) e em outros espaços que comportem a ação planejada. D) Desenvolver ações educativas que possam interferir no processo de saúde-doença da população, no desenvolvimento de autonomia, individual e coletiva, e na busca por qualidade de vida pelos usuários. E) Praticar cuidado familiar e dirigido a coletividades e grupos sociais que visa propor intervenções que influenciem os processos de saúde-doença dos indivíduos, das famílias, das coletividades e da própria comunidade. QUESTÃO 11 A Ambiência na Saúde se refere ao tratamento dado ao espaço físico entendido como espaço social, profissional e de relações interpessoais que deve proporcionar atenção acolhedora, resolutiva e humana (BRASIL, 2006). Em relação a esse tema, analise as assertivas abaixo, assinalando V, se verdadeiras, ou F, se falsas. ( ) A Ambiência é uma das diretrizes da Política Nacional de Humanização no SUS. ( ) Para a produção das Ambiências no espaço físico da saúde, torna-se necessário um olhar normativo, tecnicista e regulador. É a inclusão dessas outras dimensões que se propõe valorizar na diretriz da Ambiência. ( ) Na diretriz da Ambiência, para efeitos didáticos de implementação, destacam-se três eixos principais que devem ser trabalhados de forma articulada: o espaço de encontros entre os sujeitos, a produção de saúde e de subjetividades; o espaço como ferramenta facilitadora do processo de trabalho; e o espaço que visa à confortabilidade. ( ) A confortabilidade valoriza questões referentes ao pertenciamento aos territórios e ao acesso. ( ) A discussão da Ambiência pode contribuir para a discussão dos processos de trabalho, como por exemplo, através da proposição de espaços e salas com uso específico para cada profissional, necessários para a não fragmentação do trabalho. A ordem correta de preenchimento dos parênteses, de cima para baixo, é: A) F F V V F. B) V V F F V. C) V F V V F. D) F V V F F. E) V F F F V.

6 QUESTÃO 12 A epidemiologia usa métodos quantitativos para estudar a ocorrência de doenças nas populações humanas e para definir estratégias de prevenção e controle. Com base nessa temática, assinale a alternativa correta. A) Prevalência indica o número de casos novos ocorridos em um certo período de tempo em uma população específica, enquanto incidência refere-se ao número de casos (novos e velhos) encontrados em uma população definida em um determinado ponto no tempo. B) As taxas de mortalidade são particularmente úteis na investigação de doenças que apresentam baixa letalidade, como, por exemplo, a maioria das doenças mentais, doenças musculoesqueléticas, artrite reumatoide, varicela e caxumba. C) Determinantes de saúde referem-se a aspectos de hábitos pessoais ou de exposição ambiental, que está associado ao aumento da probabilidade de ocorrência de alguma doença. D) Se os casos incidentes não são resolvidos e continuam por todo o tempo, então eles tornam-se casos prevalentes. Nesse caso, prevalência = incidência x duração. E) A epidemiologia usa métodos qualitativos para estudar a ocorrência de doenças nas populações humanas e para definir estratégias de prevenção e controle. QUESTÃO 13 Em relação às condições de saúde assinale a alternativa correta. A) A divisão entre doenças transmissíveis e doenças crônicas não transmissíveis é largamente utilizada, em especial pela epidemiologia, e também se presta para referenciar a organização dos sistemas de atenção à saúde. B) A tipologia das condições agudas e das condições crônicas de saúde está orientada, principalmente, por algumas variáveis-chave contidas no conceito de condição de saúde: primeira, o tempo de duração da condição de saúde; segunda, a forma de enfrentamento pelo sistema de atenção à saúde; e, por fim, o modo como se estrutura o sistema de atenção à saúde. C) Os eventos agudos e condições agudas significam a mesma coisa, e é comum que ocorram, também, nas condições crônicas. D) O custo econômico das condições crônicas é baixo. Isso se dá porque as pessoas portadoras das doenças mantêm suas atividades de trabalho; os gestores de saúde conseguem manejar melhor essas condições; e a sociedade em geral apresenta pouca perda de produtividade e de qualidade de vida. E) A crise contemporânea dos sistemas de atenção à saúde reflete o desencontro entre a situação de dupla ou tripla carga das doenças e um sistema de atenção à saúde voltado predominantemente para responder às condições crônicas e aos eventos crônicos, de forma reativa, episódica e fragmentada.

7 QUESTÃO 14 Em relação aos Sistemas e Redes de Atenção à Saúde (RASs), analise as assertivas abaixo: I. Os sistemas de atenção à saúde que se organizam de forma hierarquizada, em atenção básica, atenção de média e de alta complexidade, apresentam sérios problemas teóricos e operacionais, pois se fundamentam em um conceito de complexidade em que a atenção primária à saúde é menos complexa do que a atenção no nível secundário e terciário. II. Os serviços de menor densidade tecnológica como os de Atenção Primária de Saúde devem ser concentrados; ao contrário, os serviços de maior densidade tecnológica, como hospitais, tendem a ser dispersos. III. Nas RASs, a concepção de hierarquia é substituída pela de poliarquia e o sistema organiza-se sob a forma de uma rede horizontal de atenção à saúde, onde não há uma hierarquia entre os diferentes pontos de atenção à saúde. IV. As RASs apresentam uma singularidade: não há um centro de comunicação específico dentro do sistema, visto que ela é organizada de forma horizontal. Quais estão corretas? A) Apenas I e III. B) Apenas II e IV. C) Apenas I, II e III. D) Apenas I, II e IV. E) Apenas II, III e IV. QUESTÃO 15 Entre os atributos e funções da Atenção Primária de Saúde estão: o primeiro contato, a longitudinalidade, a integralidade, a coordenação e a comunicação. Considerando essa informação, relacione a Coluna 1 à Coluna 2. Coluna 1 1. Primeiro Contato. 2. Longitudinalidade. 3. Integralidade. 4. Coordenação. 5. Comunicação. Coluna 2 ( ) Implica a existência do aporte regular de cuidados pela equipe de saúde e seu uso consistente ao longo do tempo, em um ambiente de relação mútua de confiança e humanizada entre equipe de saúde, indivíduos e famílias. ( ) Significa a prestação, pela equipe de saúde, de um conjunto de serviços que atendam às necessidades da população adscrita nos campos da promoção, da prevenção, da cura, do cuidado e da reabilitação, a responsabilização pela oferta de serviços em outros pontos de atenção à saúde e o reconhecimento adequado dos problemas biológicos, psicológicos e sociais que causam as doenças. ( ) Implica a acessibilidade e o uso de serviços para cada novo problema ou novo episódio de um problema para os quais se procura atenção à saúde. ( ) Significa ter condições de ordenar os fluxos e contrafluxos das pessoas, dos produtos e das informações entre os diferentes componentes das redes. ( ) Conota a capacidade de garantir a continuidade da atenção, através da equipe de saúde, com o reconhecimento dos problemas que requerem seguimento constante e se articula com a função de centro de comunicação das RASs. A ordem correta do preenchimento dos parênteses, de cima para baixo, é: A) B) C) D) E)

8 QUESTÃO 16 Em relação ao prontuário clínico, assinale e alternativa INCORRETA. A) É um elemento fundamental na gestão da atenção à saúde uma vez que, dele, derivam fluxos importantes para alimentar os sistemas de informação em saúde, inclusive o sistema de gestão financeira. B) Não pertence ao médico ou aos outros profissionais de saúde, ele pertence à instituição que oferta os serviços. C) É um instrumento fundamental para a organização do processo decisório clínico, uma vez que padroniza a informação de saúde que é heterogênea, inerentemente produzida, complexa e pouco estruturada. D) As suas características fundamentais são a privacidade, a confidencialidade e a segurança das informações. E) Os prontuários eletrônicos únicos podem ser parte de um sistema mais amplo de registro eletrônico de saúde. QUESTÃO 17 Há diferenças importantes entre os modelos do Centro de Especialidades Médicas e dos Pontos de Atenção Secundária de uma Rede de Atenção à Saúde (RAS). Considerando essa afirmativa, relacione a Coluna 1 à Coluna 2. Coluna 1 1. Centro de Especialidades Médicas. 2. Pontos de Atenção Secundária de uma Rede de Atenção à Saúde (RAS). Coluna 2 ( ) Planejamento da oferta. ( ) Planejamento das necessidades. ( ) Sistema aberto. ( ) Sistema fechado. ( ) Autogoverno. ( ) Governo pela APS. QUESTÃO 18 Dentre as principais dimensões em que as mudanças na Atenção à Saúde devem acontecer estão: a atenção prescritiva/centrada na doença e atenção colaborativa/centrada na pessoa e na família; a atenção não programada e atenção programada; e, a atenção uniprofissional e a atenção multiprofissional. Com base nesse tema, assinale a alternativa correta. A) A atenção prescritiva/centrada na doença consiste em uma agenda comum, na troca de informações, nas decisões compartilhadas e no estabelecimento de relações de confiança, de respeito e empáticas entre a equipe de saúde e as pessoas usuárias dos sistemas de atenção à saúde. B) O envolvimento proativo das pessoas usuárias é seguido de uma diminuição das prescrições médicas e um aumento do custo da atenção à saúde. C) A alfabetização sanitária consiste no grau de acumulação, pelas pessoas usuárias dos sistemas de atenção à saúde, de capacidades para obter, desenvolver, processar e compreender as informações básicas que as permitam tomar decisões e utilizar plenamente os serviços em benefício de sua saúde. D) Os eventos agudos das condições crônicas devem ser respondidos por meio da atenção programada. E) A relação hierárquica no modo de trabalho ocorre quando cada membro da equipe é valorizado por sua condição de prestador de serviços significativos e imprescindíveis para a melhoria da saúde. A ordem correta do preenchimento dos parênteses, de cima para baixo, é: A) B) C) D) E)

9 QUESTÃO 19 Em relação à Regulação do Acesso, analise as assertivas abaixo, assinalando V, se verdadeiras, ou F, se falsas. ( ) Os sistemas de acesso regulado à atenção à saúde constituem-se de estruturas operacionais que medeiam uma oferta determinada e uma demanda por serviços de saúde, através de uma fila de espera, onde as demandas são colocadas por ordem de chegada ao sistema. ( ) No SUS, não há uma diferenciação entre a regulação assistencial e regulação do acesso, visto que ambas fazem a mediação das demandas dos usuários com os serviços. ( ) O médico regulador pode intervir no agendamento de consultas e exames especializados. ( ) O sistema de acesso regulado é um dos principais sistemas logísticos das Redes de Atenção à Saúde. A ordem correta de preenchimento dos parênteses, de cima para baixo, é: A) V F F V. B) F V V F. C) F F V V. D) V V F F. E) F V F V. QUESTÃO 20 Dentre os componentes da definição de Bioética, segundo Van Rensselaer Potter, estão: ética, humildade, competência interdisciplinar, e senso de humanidade. Com base nos componentes citados, relacione a Coluna 1 à Coluna 2. Coluna 1 1. Bioética e a Ética. 2. Bioética e a Humildade. 3. Bioética e a competência interdisciplinar. 4. Bioética e o senso de humanidade. Coluna 2 ( ) Deveres do ser humano para com outro ser humano, e de todos para com a humanidade. ( ) Consequência apropriada que segue a afirmação posso estar errado e exige responsabilidade de aprender com as experiências e conhecimentos disponíveis. ( ) As condições necessárias para que ocorra são: a existência de uma linguagem comum; objetivos comuns; reconhecimento da necessidade de considerar diferenças existentes; domínio dos conteúdos específicos de cada um dos participantes; e elaboração de uma síntese complementar. ( ) Muitas vezes, é utilizada como adjetivo, com a finalidade de qualificar uma pessoa ou uma instituição como sendo boa, adequada ou correta, mas o ideal é sempre utilizá-la na forma adverbial, ou seja, ela própria merecendo ser qualificada em adequada ou inadequada, mas não pressupondo no seu sentido substantivo, sempre se associe ao bom, ao adequado e ao correto. A ordem correta do preenchimento dos parênteses, de cima para baixo, é: A) B) C) D) E)

10 432_TO_NS_10/11/201717:08:48 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÃO 21 Estudos realizados na cidade de São Carlos SP identificaram a prevalência de problemas de saúde mental em 43% das crianças que frequentam o Ensino Fundamental I. Qual o instrumento utilizado pelos autores que observaram os dados obtidos no estudo? A) Medida de performance ocupacional canadense COPM. B) Questionário de dificuldades e capacidades. C) Escala de resiliência. D) Mini mental. E) Inventário de habilidades de vida independente. QUESTÃO 22 Qual o percentual, de acordo com o Ministério da Saúde, sobre a população de crianças e adolescentes que sofrem de transtorno mental no Brasil? A) 2 a 6%. B) 5 a 8%. C) 10 a 20%. D) 15 a 30%. E) 20 a 40%. QUESTÃO 23 No estudo realizado por Pereira et al. (2014), a categoria lazer apontou problemas de desempenho dos adolescentes relacionados: A) A dificuldades financeiras e de locomoção. B) A atividades de lazer e ocupação. C) A atividades familiares e de trabalho. D) A atividades de vida diária e de socialização. E) À recreação tranquila e socialização. QUESTÃO 25 Para Yasui apud Ferigato et al. (2016), a reforma psiquiátrica é um processo: A) Civilizador. B) Humanizador. C) Apaziguador. D) Tecnológico. E) Moralizador. QUESTÃO 26 Para Ferigato et al. (2016), os residenciais terapêuticos nunca serão uma casa como outra qualquer, porém ela NÃO deve se constituir em: A) Espaço de moradia. B) Setting de trabalho. C) Comunidade alternativa. D) Laboratório de experimento. E) Clínica doméstica. QUESTÃO 27 Na Oficina de Ação, o maior desejo de Camélia é o retorno à sua terra natal, pois sofre com a ruptura desta cadeia operatória, que não foi restabelecida. Segundo as autoras do artigo, Camélia não consegue construir novas cadeias, pois está presa aos afetos cotidianos do passado e com isso, ela NÃO estabelece: A) Uma assiduidade na frequência da Oficina de Ação. B) Um padrão ótimo de desempenho ocupacional. C) Vínculo com o serviço. D) Coordenação de ação e emoção com os lugares, objetos e sujeitos ao seu redor. E) Disposição para realização das atividades cotidianas na Oficina de Ação. QUESTÃO 24 As categorias descritas nos itens abaixo foram identificadas no estudo realizado por Lussi, Matsukuro e Hahn (2011) para o desenvolvimento de práticas em oficinas de geração de renda e/ou cooperativas no Estado de São Paulo, EXCETO: A) Vínculo da unidade. B) Tempo de funcionamento. C) Tipos de usuários envolvidos. D) Inserção dos produtos no mercado. E) Gestão dos fundos. QUESTÃO 28 Os componentes abaixo listados compõem a rede de cuidados da pessoa com deficiência, EXCETO: A) Atenção básica. B) Atenção hospitalar de urgência. C) Atenção à reabilitação profissional. D) Atenção especializada em reabilitação auditiva, física, intelectual, visual, ostomia e múltiplas deficiências. E) Atenção hospitalar de emergência. TERAPIA OCUPACIONAL

11 432_TO_NS_10/11/201717:08:48 QUESTÃO 29 A Portaria nº 793/2012 descreve sobre a rede de cuidado à pessoa com deficiência e como se opera a implementação da rede de cuidado à pessoa com deficiência. Analise as assertivas abaixo sobre as fases da implantação da rede de cuidados a pessoa com deficiência: I. Diagnóstico e desenho regional da rede de cuidado da pessoa com deficiência. II. Adesão à rede de cuidado à pessoa com deficiência. III. Contratualização dos usuários. IV. Implantação e acompanhamento pelo município à pessoa com deficiência. Quais estão corretas? A) Apenas III. B) Apenas IV. C) Apenas I e II. D) Apenas II e III. E) Apenas III e IV. QUESTÃO 30 A política de saúde mental para crianças e adolescentes opera a partir de dois principais focos de ação e organização. Quais são eles? A) Definição de equipe de trabalho e manutenção do CAPSi. B) Ações intersetoriais e redes de serviços. C) Definição territorial e ações domiciliares. D) Implantação de oficinas e intervenções familiares. E) Implantação e manutenção dos CAPSi e articulação de uma rede intersetorial. QUESTÃO 31 No artigo As residências terapêuticas e a clínica do cotidiano: contribuições da terapia ocupacional (FERIGATO et al., 2016), as autoras fazem uma reflexão crítica sobre o papel da terapia ocupacional nos serviços de residenciais terapêuticos e identificam quatro planos de intervenção que os terapeutas ocupacionais podem desenvolver à luz, dentre outras coisas, da cotidianidade das instituições. Assinale entre as alternativas abaixo os quatro planos identificados. A) Intervenção na casa; intervenção junto aos moradores; intervenção no território e comunidade e junto à equipe multidisciplinar e intersetorial. B) Formação de setting terapêutico, intervenção no tempo e rotina, intervenção junto aos moradores; intervenção nas trocas sociais e junto à equipe multidisciplinar e intersetorial. C) Intervenção na casa; intervenção junto aos moradores; intervenção junto a hospitais gerais de referência e junto à equipe multidisciplinar do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) de referência. D) Intervenção na casa; intervenção junto aos moradores; intervenção no território e comunidade e junto à equipe multidisciplinar do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) de referência. E) Formação de setting terapêutico; intervenção junto aos moradores; intervenção no território e comunidade e junto à equipe multidisciplinar do CAPS de referência. TERAPIA OCUPACIONAL

12 432_TO_NS_10/11/201717:08:48 QUESTÃO 32 No artigo de Fejes et al. (2016), as autoras abordam o uso de álcool e outras drogas como atividades ocupacionais na vida de mulheres em tratamento em Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (CAPS AD) e fazem uma crítica à forma como parte significativa dos serviços lida com essa questão. Assinale a alternativa que identifique tal crítica conforme apresentado no artigo. A) A redução de danos é uma proposta de tratamento que faz parte do rol de intervenções nos projetos terapêuticos singulares, mas deixam à parte as intervenções no território. B) Dentre as várias atividades do CAPS AD, se destaca a que promove a possibilidade de falar do uso prazeroso que a droga e/ou o álcool proporcionam, focando, assim, somente no uso e não na perspectiva de criação, por exemplo, de atividades de trabalho. C) O cuidado é pautado, sobretudo, na Política Nacional sobre Drogas e não no sujeito. D) A redução de danos não é considerada como possibilidade de tratamento e é vista, por grande parte dos profissionais, como incentivo ao uso de drogas e álcool. E) O sucesso do tratamento está na possibilidade do usuário lidar de forma positiva com a recaída. QUESTÃO 33 Assinale a alternativa que identifica um dos problemas levantados no estudo realizado por Taño e Matsukura (2014) sobre os Centros de Atenção Psicossocial Infantil (CAPSi). A) Não possuem espaço físico suficiente para as intervenções grupais. B) Os serviços atendem uma população muito maior do que a prevista nas portarias. C) Realizam muitas ações nos territórios e comunidades dos usuários. D) As intervenções terapêuticas se resumem a atendimentos grupais. E) As estratégias de cuidado estão respaldadas na Rede de Atenção Psicossocial. QUESTÃO 34 De acordo com o Decreto nº 7.508/2011, a região de saúde, para ser instituída, deve conter, no mínimo, ações e serviços de: I. Atenção primária. II. Urgência e emergência. III. Atenção psicossocial. IV. Atenção ambulatorial especializada e hospitalar. V. Programa de Atenção Domiciliar. VI. Vigilância em saúde. Quais estão corretas? A) Apenas III, IV e V. B) Apenas IV, V e VI. C) Apenas I, II, III e V. D) Apenas I, II, IV, V e VI. E) Apenas I, II, III, IV e VI. QUESTÃO 35 Assinale a alternativa que apresenta uma das diretrizes da RAPS. A) Organização dos serviços em rede de atenção à saúde regionalizada, com estabelecimento de ações setorizadas para garantir a organização do fluxo do cuidado. B) Promoção da distinção, reconhecendo os determinantes sociais da saúde. C) Ênfase em serviços de base territorial e comunitária, diversificando as estratégias de cuidado com participação e controle social dos usuários e de seus familiares. D) Ênfase em serviços de base hospitalar e de urgência e emergência, aumentando o escopo de estratégias de cuidado. E) Desenvolvimento da lógica do cuidado centrado nas necessidades das pessoas com transtornos mentais, com exceção daqueles decorrentes do uso de substâncias psicoativas. QUESTÃO 36 Assinale a alternativa que indica uma medida para o sucesso da prática de geração de renda dos serviços de saúde mental descritos no artigo Reabilitação psicossocial: oficinas de geração de renda no contexto da saúde mental (2011). A) A integração entre as políticas de saúde mental e de economia solidária. B) A necessidade de ações que envolvam a intersetorialidade entre os serviços de saúde. C) Um maior contato com a realidade dos usuários participantes das oficinas. D) Troca de experiências entre os usuários. E) A reforma da legislação brasileira sobre a atenção psicossocial. TERAPIA OCUPACIONAL

13 432_TO_NS_10/11/201717:08:48 QUESTÃO 37 Na proposta de intervenção terapêutica ocupacional, tendo como matriz teórica o conceito de cadeias operatórias, propostas por Lorenzon e Marquetti (2016), a prática da terapia ocupacional é uma forma de: A) Recompor, organizar e renovar o cotidiano do sujeito. B) Organizar antigas rotinas, perdidas durante o processo de adoecimento do sujeito. C) Recompor, organizar e renovar novas ou antigas cadeias operatórias do sujeito. D) Recompor, organizar e renovar estritamente novas cadeias operatórias do sujeito. E) Recompor e renovar novas relações do sujeito com o ambiente de trabalho assistido. QUESTÃO 38 Ribeiro et al. (2008) abordam as novas formas de cuidar em saúde mental à luz da terapia ocupacional. Assinale a alternativa INCORRETA em relação a essa nova forma de cuidado. A) Não deve ser apenas um instrumento de intervenção para controle e eliminação do mal-estar psíquico. B) Os Terapeutas Ocupacionais devem ser facilitadores do processo de transformação do sujeito. C) Deve contribuir para que a vida coletiva e as existências individuais sejam mais interessantes, abertas e criativas. D) O novo campo de ação em saúde mental percorre as subjetividades dos usuários dos serviços, passa por todos os atores envolvidos no processo do cuidar e estendese à família e à comunidade onde o sujeito deve estar e ser inserido. E) O Terapeuta Ocupacional deve emprestar seu poder contratual para a efetivação e enriquecimento das trocas sociais na população que assiste, e isso deve ocorrer de preferência dentro dos alicerces institucionais. QUESTÃO 39 A convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência da ONU reafirma e reitera que as pessoas com deficiência devem ter acesso a todos os bens e serviços da saúde sem discriminação (BRASIL, 2013). A fim de garantir esse direito, foi criado em 2012, por meio do Viver sem Limites, a Rede de Cuidados à Pessoa com Deficiência com objetivo de: A) Implantação, qualificação e monitoramento das ações de reabilitação nos estados e municípios. B) Implantação e qualificação das equipes de reabilitação nos estados e municípios. C) Qualificação e monitoramento, pelo Estado, das ações de reabilitação nos municípios. D) Garantir o repasse de verbas federais e estaduais aos municípios que aderissem ao programa Viver sem Limites. E) Garantir a articulação entre serviços, garantindo a não duplicidade de atendimentos. QUESTÃO 40 Assinale a alternativa correta sobre a Portaria nº 4.279/2010. A) Regulamenta as diretrizes operacionais dos pactos pela vida e gestão. B) Estabelece diretrizes para a organização da Rede de Atenção à Saúde no âmbito do SUS. C) Estabelece a regionalização como uma diretriz do SUS. D) Regulamenta os financiamentos para o SUS. E) Regulamenta o número mínimo de profissionais nos Núcleos de Apoio a Saúde da Família I (NASF I). TERAPIA OCUPACIONAL

Panorama das Redes de Atenção à Saúde.

Panorama das Redes de Atenção à Saúde. Panorama das Redes de Atenção à Saúde. Saúde Direito de todos e dever do Estado CONSTITUIÇÃO FEDERAL Lei 8.080 Lei 8.142 DECRETO 7.508 Lei 12.401 Lei 12.466 Lei complementar 141 1986 1988 1990 1991 1993

Leia mais

CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DE SÃO PAULO. Implicações na prática da Assistência à Saúde no SUS. Mar/2012

CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DE SÃO PAULO. Implicações na prática da Assistência à Saúde no SUS. Mar/2012 CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DE SÃO PAULO Implicações na prática da Assistência à Saúde no SUS Mar/2012 O SUS HOJE IDSUS aponta problemas de acesso e de qualidade do sistema na maioria

Leia mais

Regionalização e Rede de Atenção à Saúde: CONCEITOS E DESAFIOS. Jorge Harada

Regionalização e Rede de Atenção à Saúde: CONCEITOS E DESAFIOS. Jorge Harada Regionalização e Rede de Atenção à Saúde: CONCEITOS E DESAFIOS Jorge Harada Voltando no tempo... Estado autoritário, controlador, centralizador Sistema de Saúde Fragmentado Restrição de acesso Sem participação

Leia mais

Oficina Processo. de Trabalho na. Atenção Básica

Oficina Processo. de Trabalho na. Atenção Básica Oficina Processo de Trabalho na Atenção Básica Conceito Atenção Básica A Atenção Básica é o conjunto de ações de saúde individuais, familiares e coletivas que envolvem promoção, prevenção, proteção, diagnóstico,

Leia mais

NOTA TÉCNICA 41 /2012. Institui a Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS).

NOTA TÉCNICA 41 /2012. Institui a Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). NOTA TÉCNICA 41 /2012 Institui a Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). INTRODUÇÃO As doenças crônicas não transmissíveis constituem o problema

Leia mais

Legislação do SUS. Prof.ª Andrea Paula

Legislação do SUS. Prof.ª Andrea Paula Legislação do SUS LEI ORGÂNICA DA SAÚDE 8.080/90 Prof.ª Andrea Paula Art. 1º Esta lei, em todo o território nacional, as ações e serviços de saúde, executados ou, em caráter ou, por pessoas naturais ou

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS. a) Mortalidade infantil b) Saúde do idoso c) Mortalidade materna d) Doenças emergentes e endêmicas e) Mortalidade por câncer.

POLÍTICAS PÚBLICAS. a) Mortalidade infantil b) Saúde do idoso c) Mortalidade materna d) Doenças emergentes e endêmicas e) Mortalidade por câncer. POLÍTICAS PÚBLICAS 1. O enunciado toda a equipe é corresponsável pela atenção aos problemas de saúde, assim como pelas práticas de promoção da saúde, respeitando as competências e limites de cada categoria

Leia mais

CURSO: Desafios da Implantação dos Dispositivos do Decreto 7.508

CURSO: Desafios da Implantação dos Dispositivos do Decreto 7.508 XXVIII Congresso de Secretários Municipais de do Estado de São Paulo CURSO: Desafios da Implantação dos Dispositivos do Decreto 7.508 CRS Coordenadoria de Regiões de da Secretaria de Estado da de São Paulo

Leia mais

POLÍTICA DE SAÚDE MENTAL. Prof. Domingos de Oliveira

POLÍTICA DE SAÚDE MENTAL. Prof. Domingos de Oliveira POLÍTICA DE SAÚDE MENTAL Prof. Domingos de Oliveira DIRETRIZES E POLÍTICA DE SAÚDE MENTAL A Política de Saúde Mental instituída no Brasil através da Lei Federal No 10.216/01, tem como premissa fundamental

Leia mais

Política Nacional de Atenção Básica. Portaria nº 648/GM de 28 de Março de 2006

Política Nacional de Atenção Básica. Portaria nº 648/GM de 28 de Março de 2006 Política Nacional de Atenção Básica Portaria nº 648/GM de 28 de Março de 2006 ! A Atenção Básica caracteriza-se por um conjunto de ações de saúde no âmbito individual e coletivo que abrangem a promoção

Leia mais

Prefeitura de Natal-RN

Prefeitura de Natal-RN Prefeitura de Natal-RN Legislação do SUS 16. (Prefeitura de Natal-RN/Makiyama/CKM/2016) Ambiência na Saúde refere-se ao tratamento dado ao espaço físico entendido como espaço social, profissional e de

Leia mais

Circular 577/2012 São Paulo, 04 de dezembro de 2012.

Circular 577/2012 São Paulo, 04 de dezembro de 2012. Circular 577/2012 São Paulo, 04 de dezembro de 2012. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) TERMO DE REFERÊNCIA PARA ESTRUTURAÇÃO DA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL - RAPS/SUS Diário Oficial do Estado nº 226 Seção

Leia mais

Articulação das Regiões de Saúde: definição de responsabilidades e compromissos dos Entes Federados

Articulação das Regiões de Saúde: definição de responsabilidades e compromissos dos Entes Federados Jorge Harada - Diretor do Departamento de Articulação Interfederativa, unidade da Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa (DAI/SGEP/MS) Articulação das Regiões de Saúde: definição de responsabilidades

Leia mais

XXVI CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DE SÃO PAULO REDES DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA NO SUS

XXVI CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DE SÃO PAULO REDES DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA NO SUS XXVI CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DE SÃO PAULO REDES DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA NO SUS MARÍLIA Março/2012 1 REGIONALIZAÇÃO NO SUS ALGUNS CONCEITOS IMPORTANTES 1988: CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1990:

Leia mais

Redes de Atenção à Saúde. Profa. Fernanda Barboza

Redes de Atenção à Saúde. Profa. Fernanda Barboza Redes de Atenção à Saúde Profa. Fernanda Barboza APRESENTAÇÃO DA PROFESSORA ENFª DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO e COACH PARA CONCURSOS; ATUEI NO HOSPITAL SARAH POR 8 ANOS; PRINCIPAIS CONCURSOS NA ENFERMAGEM:

Leia mais

ATENÇÃO A SAÚDE. Seminário Nacional do Pró Saúde e PET Saúde. Brasília, 19 de outubro de 2011

ATENÇÃO A SAÚDE. Seminário Nacional do Pró Saúde e PET Saúde. Brasília, 19 de outubro de 2011 CONSOLIDANDO A INTEGRALIDADE DA ATENÇÃO A SAÚDE Seminário Nacional do Pró Saúde e PET Saúde Brasília, 19 de outubro de 2011 AGENDA PRIORITÁRIA A saúde no centro da agenda de desenvolvimento do país e o

Leia mais

Oficina Processo. de Trabalho na. Atenção Básica

Oficina Processo. de Trabalho na. Atenção Básica Oficina Processo de Trabalho na Atenção Básica O que esperamos? Proporcionar que gestores aprofundem o debate sobre alguns temas que são caros na qualidade da Atenção Básica, a partir do processo de trabalho

Leia mais

ENFERMAGEM ATENÇÃO BÁSICA E SAÚDE DA FAMÍLIA. Parte 1. Profª. Lívia Bahia

ENFERMAGEM ATENÇÃO BÁSICA E SAÚDE DA FAMÍLIA. Parte 1. Profª. Lívia Bahia ENFERMAGEM ATENÇÃO BÁSICA E SAÚDE DA FAMÍLIA Parte 1 Profª. Lívia Bahia - Atenção à Saúde É tudo que envolve o cuidado com a saúde do ser humano; Inclui ações e serviços de promoção, prevenção, reabilitação

Leia mais

EBSERH QUESTÕES COMENTADAS LEGISLAÇÃO APLICADA AO SUS CONCURSO EBSERH PARÁ AOCP/2016. Prof.ª Natale Souza

EBSERH QUESTÕES COMENTADAS LEGISLAÇÃO APLICADA AO SUS CONCURSO EBSERH PARÁ AOCP/2016. Prof.ª Natale Souza EBSERH QUESTÕES COMENTADAS LEGISLAÇÃO APLICADA AO SUS CONCURSO EBSERH PARÁ AOCP/2016 NÍVEL MÉDIO/TÉCNICO TARDE Prof.ª Natale Souza Olá queridos concurseiros EBSERH, vamos continuar os estudos? Vários editais

Leia mais

Residência Multiprofissional em Saúde Redes de Atenção à Saúde

Residência Multiprofissional em Saúde Redes de Atenção à Saúde Parte 1 Residência Multiprofissional em Saúde Redes de Atenção à Saúde A RAS é definida como um arranjo organizativo de ações e serviços de saúde, de diferentes densidades tecnológicas que, integradas

Leia mais

1ª Revisão - SUS EBSERH Banca: CESPE l CEBRASPE

1ª Revisão - SUS EBSERH Banca: CESPE l CEBRASPE 1ª Revisão - SUS EBSERH 2018 Banca: CESPE l CEBRASPE 1 2 Evolução Histórica da Saúde Pública no Brasil 3 4 5 1. (TRT 8ª/CESPE/2016) Assinale a opção que apresenta a correta relação entre a legislação indicada

Leia mais

PROFISSÃO: NUTRIÇÃO Instruções

PROFISSÃO: NUTRIÇÃO Instruções PROFISSÃO: NUTRIÇÃO Instruções Leia atentamente e cumpra rigorosamente as instruções que seguem, pois elas são parte integrante das provas e das normas que regem esse Concurso ou Processo Seletivo. 1.

Leia mais

Qualificação da Gestão

Qualificação da Gestão Qualificação da Gestão O que é o SUS Instituído pela Constituição de 1988, o Sistema Único de Saúde SUS é formado pelo conjunto das ações e serviços de saúde sob gestão pública Com direção única em cada

Leia mais

Regulamenta a LOS 8.080/90 e dispõe sobre:

Regulamenta a LOS 8.080/90 e dispõe sobre: Decreto 7.508/11 Conceitos cobrados em provas! Introdução No artigo de hoje versarei sobre os principais conceitos que o Decreto 7.508/11 traz em seu texto - tema constante em concursos e seleções. Vamos

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM AUDITORIA E GESTÃO EM SERVIÇOS INTEGRADOS DE SAÚDE. Módulo: Atenção a Saúde nos Municípios

ESPECIALIZAÇÃO EM AUDITORIA E GESTÃO EM SERVIÇOS INTEGRADOS DE SAÚDE. Módulo: Atenção a Saúde nos Municípios ESPECIALIZAÇÃO EM AUDITORIA E GESTÃO EM SERVIÇOS INTEGRADOS DE SAÚDE Módulo: Atenção a Saúde nos Municípios Modelos Tecnoassistenciais em Saúde M.SC. Helen Lima Novembro 2009 Combinações tecnológicas estruturadas

Leia mais

Redes de Atenção à Saúde no SUS Adriano de Oliveira DARAS/SAS/MS

Redes de Atenção à Saúde no SUS Adriano de Oliveira DARAS/SAS/MS Redes de Atenção à Saúde no SUS Adriano de Oliveira DARAS/SAS/MS 12 de setembro de 2011 Articulação para Produção da Saúde RAS Assistência à Saúde Vigilância em Saúde Promoção da Saúde Vasos Comunicantes

Leia mais

Teste Legislação do SUS Concurso Saúde Maceió Prof.: Rafael Azeredo

Teste Legislação do SUS Concurso Saúde Maceió Prof.: Rafael Azeredo Teste Legislação do SUS Concurso Saúde Maceió -2012 Prof.: Rafael Azeredo 1. Pode-se classificar com Região de Saúde segundo o decreto 7508/11 a alternativa: a) Acordo de colaboração firmado entre entes

Leia mais

Art. 1º Este Decreto regulamenta a Lei 8.080/90, para dispor sobre a organização, o planejamento, a assistência e a articulação interfederativa.

Art. 1º Este Decreto regulamenta a Lei 8.080/90, para dispor sobre a organização, o planejamento, a assistência e a articulação interfederativa. Legislação do SUS DECRETO 7.508 de 28 de Junho de 2011 Prof.ª: Andréa Paula Art. 1º Este Decreto regulamenta a Lei 8.080/90, para dispor sobre a organização, o planejamento, a assistência e a articulação

Leia mais

CONGRESSO DAS SECRETARIAS MUNICIPAIS DE SAÚDE 2015

CONGRESSO DAS SECRETARIAS MUNICIPAIS DE SAÚDE 2015 CONGRESSO DAS SECRETARIAS MUNICIPAIS DE SAÚDE 2015 MESA Regionalização nas diferentes redes de atenção: COAP e Regulação Secretaria Estadual de Saúde Assessoria Técnica e de Planejamento ASSTEPLAN Porto

Leia mais

ANEXO 2 TEMÁTICAS E CATEGORIAS DAS EXPERIÊNCIAS

ANEXO 2 TEMÁTICAS E CATEGORIAS DAS EXPERIÊNCIAS ANEXO 2 TEMÁTICAS E CATEGORIAS DAS EXPERIÊNCIAS TEMÁTICA CATEGORIA ESPECIFICAÇÃO DE RELATO Inclui relatos sobre práticas na elaboração e acompanhamento dos Instrumentos: 1.A FERRAMENTAS DO PLANEJAMENTO

Leia mais

PLANEJAMENTO REGIONAL INTEGRADO, Onde Estamos e Para Onde Vamos: PPI/PGAS, Plano Regional de Redes, Espaços de Governança Regional

PLANEJAMENTO REGIONAL INTEGRADO, Onde Estamos e Para Onde Vamos: PPI/PGAS, Plano Regional de Redes, Espaços de Governança Regional VIII CONGRESSO COSEMS/PI Governança e Regionalização no SUS Luis Correia 05 e 06/09/2018 PLANEJAMENTO REGIONAL INTEGRADO, Onde Estamos e Para Onde Vamos: PPI/PGAS, Plano Regional de Redes, Espaços de Governança

Leia mais

Luis Correia/PI, 05 de setembro de 2018

Luis Correia/PI, 05 de setembro de 2018 VIII Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado do Piauí Governança e Regionalização no SUS e V Mostra de Experiências Exitosas Municipais do Estado do Piauí Luis Correia/PI, 05 de setembro

Leia mais

Implementação dos Dispositivos do Decreto 7508/11

Implementação dos Dispositivos do Decreto 7508/11 Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde Implementação dos Dispositivos do Decreto 7508/11 CONGRESSO COSEMS-SP Ubatuba, 02 de abril de 2014. Decreto 7.508/11 Regulamenta a Lei nº 8.080, de

Leia mais

1) Sobre as regiões de saúde instituídas pelo Decreto nº 7508, de 28 de junho de 2011, considere as seguintes afirmações.

1) Sobre as regiões de saúde instituídas pelo Decreto nº 7508, de 28 de junho de 2011, considere as seguintes afirmações. FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DE CAMPINA GRANDE CURSO: MEDICINA COMPONENTE CURRICULAR: SAÚDE COLETIVA IV (quarto período) DOCENTE: BETÂNIA LINS /ADRIANA AMORIM 1) Sobre as regiões de saúde instituídas

Leia mais

ATENÇÃO BÁSICA. A produção do cuidado em Rede MARÇO/ 2017

ATENÇÃO BÁSICA. A produção do cuidado em Rede MARÇO/ 2017 ATENÇÃO BÁSICA m A produção do cuidado em Rede MARÇO/ 2017 Política Nacional de Atenção Básica Portaria MS n 2488 de 21de outubro de 2011 A Atenção Básica caracteriza-se por um conjunto de ações de saúde,

Leia mais

Cuidados em Oncologia: o Desafio da Integralidade. Gelcio Luiz Quintella Mendes Coordenador de Assistência Instituto Nacional de Câncer

Cuidados em Oncologia: o Desafio da Integralidade. Gelcio Luiz Quintella Mendes Coordenador de Assistência Instituto Nacional de Câncer Cuidados em Oncologia: o Desafio da Integralidade Gelcio Luiz Quintella Mendes Coordenador de Assistência Instituto Nacional de Câncer O que é integralidade? s.f. 1 qualidade do que é integral, 1.1 reunião

Leia mais

Saúde Coletiva Prof (a) Responsável: Roseli Aparecida de Mello Bergamo

Saúde Coletiva Prof (a) Responsável: Roseli Aparecida de Mello Bergamo Saúde Coletiva Prof (a) Responsável: Roseli Aparecida de Mello Bergamo Conteúdo da Unidade 2.1 Organização do Sistema Único de Saúde - SUS Principais tendências na política de saúde do Brasil 1. Sanitarismo

Leia mais

Conselho de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo Dr. Sebastião de Moraes - COSEMS/SP CNPJ / CARTA DE ARARAQUARA

Conselho de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo Dr. Sebastião de Moraes - COSEMS/SP CNPJ / CARTA DE ARARAQUARA CARTA DE ARARAQUARA Os Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo, reunidos em Araraquara, no X Congresso e XXI Encontro de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo, posicionam-se

Leia mais

Pacto de Gestão do SUS. Pacto pela Vida. Pacto em Defesa do SUS

Pacto de Gestão do SUS. Pacto pela Vida. Pacto em Defesa do SUS Pacto de Gestão do SUS Pacto pela Vida Pacto em Defesa do SUS PACTO PELA SAÚDE Conjunto de reformas institucionais do SUS. Pacto entre União, Estados e Municípios. Objetivo - promover inovações nos processos

Leia mais

MEDICINA DE FAMÍLIA E COMUNIDADE I INTRODUÇÃO PROF. MS. ALEX MIRANDA RODRIGUES.

MEDICINA DE FAMÍLIA E COMUNIDADE I INTRODUÇÃO PROF. MS. ALEX MIRANDA RODRIGUES. MEDICINA DE FAMÍLIA E COMUNIDADE I INTRODUÇÃO PROF. MS. ALEX MIRANDA RODRIGUES. Objetivos desta aula. Ao final desta aula você deverá: Identificar a Medicina de Família e Comunidade como uma especialidade

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde. dos Trabalhadores da Saúde. Educação Permanente para Trabalhadores de Saúde

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde. dos Trabalhadores da Saúde. Educação Permanente para Trabalhadores de Saúde CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde Educação Permanente para Trabalhadores de Saúde Evelyne Nunes Ervedosa Bastos Gilmara Maria Batista Tavares Fortaleza/CE

Leia mais

Possibilidades e desafios

Possibilidades e desafios V Encontro Nacional IMPLEMENTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR Possibilidades e desafios 27 a 29 Setembro 2011 Diretriz 3 - Garantia da integralidade na atenção à Saúde do Trabalhador Leticia

Leia mais

QUESTÕES DE RESIDÊNCIAS USP e UFPR 2018

QUESTÕES DE RESIDÊNCIAS USP e UFPR 2018 QUESTÕES DE RESIDÊNCIAS USP e UFPR 2018 1. (RESIDÊNCIA/USP/2018) De acordo com a Política de Humanização, a Clínica Ampliada constitui uma diretriz para o trabalho em equipe no contexto do Sistema Único

Leia mais

Integração Atenção Básica e Vigilância em Saúde

Integração Atenção Básica e Vigilância em Saúde Integração Atenção Básica e Vigilância em Saúde Contextualização da Integração Atenção Básica e Vigilância em Saúde 1999 - Fundação Nacional de Saúde inicia o processo de descentralização para os municípios

Leia mais

DECRETO 7508/11 E O PROCESSO DE PACTUAÇÃO TRIPARTITE. CONGRESSO DO COSEMS - SÃO PAULO Marília - SP. Mar/12

DECRETO 7508/11 E O PROCESSO DE PACTUAÇÃO TRIPARTITE. CONGRESSO DO COSEMS - SÃO PAULO Marília - SP. Mar/12 DECRETO 7508/11 E O PROCESSO DE PACTUAÇÃO TRIPARTITE CONGRESSO DO COSEMS - SÃO PAULO Marília - SP Mar/12 FORTALECIMENTO DO SUS Lei 8080/90 - art. 8º - As ações e serviços de saúde, executados pelo SUS,

Leia mais

Os componentes da Gestão Estratégica e Participativa do SUS

Os componentes da Gestão Estratégica e Participativa do SUS Os componentes da Gestão Estratégica e Participativa do SUS Natal/RN, agosto 2014 XIII Congresso de Prefeituras e Secretarias Municipais de Saúde do Rio Grande do Norte SUS 25 anos: avanços e enfrentamentos

Leia mais

Saúde Mental: Como cai na prova de Enfermagem. Prof.ª Natale Souza

Saúde Mental: Como cai na prova de Enfermagem. Prof.ª Natale Souza Saúde Mental: Como cai na prova de Enfermagem Prof.ª Natale Souza Um pouco de história... A atual política de saúde mental brasileira é resultado da mobilização de usuários, familiares e trabalhadores

Leia mais

Diretrizes Aprovadas nos Grupos de Trabalho ou na Plenária Final. Por Ordem de Votação nos Eixos Temáticos

Diretrizes Aprovadas nos Grupos de Trabalho ou na Plenária Final. Por Ordem de Votação nos Eixos Temáticos Diretrizes Aprovadas nos Grupos de Trabalho ou na Plenária Final Por Ordem de nos Eixos Temáticos Brasília (DF), 1 a 4/12/2015 Eixo 1 - Direito à Saúde, Garantia de Acesso e Atenção de Qualidade Diretriz

Leia mais

Carta do Rio de Janeiro

Carta do Rio de Janeiro Carta do Rio de Janeiro Os Secretários Municipais de Saúde, reunidos no III Congresso Estadual de Secretarias Municipais de Saúde do Rio de Janeiro, nos dias 17 e 18 de junho de 2011, na cidade do Rio

Leia mais

Curso Especialização em Saúde Pública

Curso Especialização em Saúde Pública Curso Especialização em Saúde Pública Curso Especialização em Saúde Pública Inserido na política de saúde do Estado do Paraná/SESA Perspectiva de uma Gestão Pública voltada para resultados Consonância

Leia mais

Exemplos de integração socio -sanitárias em atenção básica: a experiência de São Paulo. Carmen L. A. de Santana

Exemplos de integração socio -sanitárias em atenção básica: a experiência de São Paulo. Carmen L. A. de Santana Exemplos de integração socio -sanitárias em atenção básica: a experiência de São Paulo Carmen L. A. de Santana 2014 Princípios do SUS 1) 1) 3) 4) 5) Acesso universal, Equidade da oferta de serviços, Descentralização,

Leia mais

Revisão - SUS SES-PE

Revisão - SUS SES-PE Revisão - SUS SES-PE Banca AOCP garantido mediante políticas sociais e econômicas; Saúde DIREITO de todos e dever do Estado (CF/88, art.196) visa à redução do risco de doença e de outros agravos; objetiva

Leia mais

CONCURSOS EBSERH QUESTÕES COMENTADAS LEGISLAÇÃO APLICADA AO SUS TEMA: DECRETO 7.508/11

CONCURSOS EBSERH QUESTÕES COMENTADAS LEGISLAÇÃO APLICADA AO SUS TEMA: DECRETO 7.508/11 CONCURSOS EBSERH QUESTÕES COMENTADAS LEGISLAÇÃO APLICADA AO SUS TEMA: DECRETO 7.508/11 DECRETO 7.508/11 Olá concurseiros EBSERH, vamos estudar um pouco? Trago para vocês neste artigo, 05 questões comentadas

Leia mais

I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas que abrangem múltiplas facetas da realida

I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas que abrangem múltiplas facetas da realida A atuação do Assistente Social na e a interface com os demais níveis de complexidade Inês Pellizzaro I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas

Leia mais

Atenção Básica: organização do trabalho na perspectiva da longitudinalidade e da coordenação do cuidado

Atenção Básica: organização do trabalho na perspectiva da longitudinalidade e da coordenação do cuidado Atenção Básica: organização do trabalho na perspectiva da longitudinalidade e da coordenação do cuidado XXX Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo 13/abril/2016 O SUS e a Atenção

Leia mais

PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011(*)

PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011(*) PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011(*) Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental, incluindo aquelas com necessidades decorrentes do uso de crack,

Leia mais

DECRETO FEDERAL REGULAMENTAÇÃO DA LEI DOU 29/6/2011

DECRETO FEDERAL REGULAMENTAÇÃO DA LEI DOU 29/6/2011 DECRETO FEDERAL REGULAMENTAÇÃO DA LEI 8080- DOU 29/6/2011 DECRETO No 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011 Regulamenta a Lei no 8.080, de 19 de setembro e 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único

Leia mais

III - Portas de Entrada - serviços de atendimento inicial à saúde do usuário no SUS;

III - Portas de Entrada - serviços de atendimento inicial à saúde do usuário no SUS; Decreto Nº 7508 DE 28/06/2011 (Federal) Regulamenta a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência à

Leia mais

B. PRIORIDADES E OBJETIVOS DO PACTO PELA VIDA. Prioridades e objetivos a serem pactuados, mas que não demandam preenchimento do quadro o abaixo.

B. PRIORIDADES E OBJETIVOS DO PACTO PELA VIDA. Prioridades e objetivos a serem pactuados, mas que não demandam preenchimento do quadro o abaixo. B. PRIORIDADES E OBJETIVOS DO PACTO PELA VIDA Prioridades e objetivos a serem pactuados, mas que não demandam preenchimento do quadro o abaixo. Prioridades Federais Saúde do Idoso Disponibilizar a Caderneta

Leia mais

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011 DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011 Regulamenta a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência à

Leia mais

A implantação de CAPS no estado do Paraná: situação atual e perspectivas. Coordenação Estadual de Saúde Mental Agosto 2013

A implantação de CAPS no estado do Paraná: situação atual e perspectivas. Coordenação Estadual de Saúde Mental Agosto 2013 A implantação de CAPS no estado do Paraná: situação atual e perspectivas Coordenação Estadual de Saúde Mental Agosto 2013 Situação Atual - Portaria 336/2002 - CAPS - Portaria 245/2005 incentivo implantação

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICADA AO SUS QUESTÕES COMENTADAS EBSERH Lagarto- Se 2017 Gabarito preliminar Prof.ª Natale Souza

LEGISLAÇÃO APLICADA AO SUS QUESTÕES COMENTADAS EBSERH Lagarto- Se 2017 Gabarito preliminar Prof.ª Natale Souza LEGISLAÇÃO APLICADA AO SUS QUESTÕES COMENTADAS EBSERH Lagarto- Se 2017 Gabarito preliminar Prof.ª Natale Souza Olá pessoal, trago hoje cinco questões comentadas, da disciplina Legislação Aplicada ao SUS,

Leia mais

PROJETO - Elaboração do Diagnóstico e Avaliação do Atual Estágio de Desenvolvimento das RESUMO EXECUTIVO

PROJETO - Elaboração do Diagnóstico e Avaliação do Atual Estágio de Desenvolvimento das RESUMO EXECUTIVO PROJETO - Elaboração do Diagnóstico e Avaliação do Atual Estágio de Desenvolvimento das Redes Regionais da Atenção à Saúde nas regiões priorizadas pelo Projeto de Fortalecimento da Gestão Estadual da Saúde

Leia mais

RAPS. Saúde Mental 26/08/2016. Prof.: Beto Cruz PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011(*)

RAPS. Saúde Mental 26/08/2016. Prof.: Beto Cruz PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011(*) Saúde Mental Prof.: Beto Cruz betocais2@gmail.com PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011(*) Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades

Leia mais

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL As Redes de Atenção à Saúde Portaria 4279/2010 Redes de Atenção à Saúde - A Rede de Atenção à Saúde é definida como arranjos organizativos de ações e serviços de saúde, de

Leia mais

Núcleo de Atenção Integral na Saúde da Família. Coordenação da Política Nacional de Promoção da Saúde/SE Coordenação de Gestão da Atenção Básica/SAS

Núcleo de Atenção Integral na Saúde da Família. Coordenação da Política Nacional de Promoção da Saúde/SE Coordenação de Gestão da Atenção Básica/SAS Núcleo de Atenção Integral na Saúde da Família Coordenação da Política Nacional de Promoção da Saúde/SE Coordenação de Gestão da Atenção Básica/SAS SUS - Princípios Gerais 1 - A Saúde Como Direito de Todos

Leia mais

Princípios e Diretrizes Sistema Único de Saúde

Princípios e Diretrizes Sistema Único de Saúde Princípios e Diretrizes Sistema Único de Saúde 1 DOS PRINCÍPIOS E DIRETRIZES Lei Orgânica da Saúde Lei n. 8.080 de 19 de setembro de 1990. Art. 7º: I - universalidade de acesso aos serviços de saúde em

Leia mais

PORTARIAS DE DIRETRIZES PARA REGULAÇÃO e INCENTIVO DE CUSTEIO PARA COMPLEXOS REGULADORES

PORTARIAS DE DIRETRIZES PARA REGULAÇÃO e INCENTIVO DE CUSTEIO PARA COMPLEXOS REGULADORES Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Regulação, Avaliação e Controle de Sistemas Coordenação-Geral de Regulação e Avaliação PORTARIAS DE DIRETRIZES PARA REGULAÇÃO e INCENTIVO DE CUSTEIO PARA COMPLEXOS

Leia mais

Rede de Atenção à Saúde. Dra Angela Maria Blatt Ortiga

Rede de Atenção à Saúde. Dra Angela Maria Blatt Ortiga apresentam Rede de Atenção à Saúde Dra Angela Maria Blatt Ortiga Objetivos: Apresentar a regulamentação e o conceito da rede de atenção á saúde (RAS); Fundamentos, Atributos e Elementos Constitutivos da

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PÚBLICO Nº 001/2018 CADERNO DE QUESTÕES. 2 de 6 ASSINATURA PREFEITURA MUNICIPAL DE DIVISA NOVA ESTADO DE MINAS GERAIS

PROCESSO SELETIVO PÚBLICO Nº 001/2018 CADERNO DE QUESTÕES. 2 de 6 ASSINATURA PREFEITURA MUNICIPAL DE DIVISA NOVA ESTADO DE MINAS GERAIS 2 de 6 QUESTÃO 01 O que fica estabelecido entre os artigos 196 à 200, da Constituição Federal do Brasil 1988? Assinale a alternativa correta a) A saúde é um dever de todos e um direito do Estado. b) A

Leia mais

QUESTIONÁRIO REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL

QUESTIONÁRIO REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL Diagnóstico e Avaliação do Atual Estágio de Desenvolvimento das Redes Regionais da Atenção à Saúde nas regiões priorizadas pelo Projeto de Fortalecimento da Gestão Estadual da Saúde 2016 QUESTIONÁRIO REDE

Leia mais

ANEXO I ATRIBUIÇÕES DAS EQUIPES DE REFERÊNCIA EM SAÚDE E RESPONSABILIDADES SETORIAIS INTERFEDERATIVAS

ANEXO I ATRIBUIÇÕES DAS EQUIPES DE REFERÊNCIA EM SAÚDE E RESPONSABILIDADES SETORIAIS INTERFEDERATIVAS ANEXO I ATRIBUIÇÕES DAS EQUIPES DE REFERÊNCIA EM SAÚDE E RESPONSABILIDADES SETORIAIS INTERFEDERATIVAS 1. Atribuições das equipes de referência em saúde As equipes de referência em saúde preconizadas nesta

Leia mais

MÓDULO 2 PROCESSO DE TRABALHO COLABORATIVO EM SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA CELINA RAGONI DE MORAES CORREIA / CAROLINA CARDOSO MANSO

MÓDULO 2 PROCESSO DE TRABALHO COLABORATIVO EM SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA CELINA RAGONI DE MORAES CORREIA / CAROLINA CARDOSO MANSO MÓDULO 2 PROCESSO DE TRABALHO COLABORATIVO EM SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA CELINA RAGONI DE MORAES CORREIA / CAROLINA CARDOSO MANSO GABARITO DAS QUESTÕES NORTEADORAS QUESTÃO NORTEADORA 1: Histórias

Leia mais

REDE ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA À PESSOA COM DEFICIÊNCIA

REDE ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA À PESSOA COM DEFICIÊNCIA REDE ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA À PESSOA COM DEFICIÊNCIA REDE ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA À PESSOA COM DEFICIÊNCIA A assistência à pessoa com deficiência no Brasil foi pautada por ações assistencialistas e/ou

Leia mais

Alexandre de Araújo Pereira

Alexandre de Araújo Pereira SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO BÁSICA / SAÚDE DA FAMÍLIA: CO-RESPONSABILIDADE NO TERRITÓRIO III MOSTRA NACIONAL DE III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA BRASÍLIA 08/2008 Alexandre de Araújo Pereira

Leia mais

Curso de Pós-Graduação: Saúde Coletiva com Ênfase em Saúde da Família (Abordagem Multiprofissional)

Curso de Pós-Graduação: Saúde Coletiva com Ênfase em Saúde da Família (Abordagem Multiprofissional) Curso de Pós-Graduação: Saúde Coletiva com Ênfase em Saúde da Família (Abordagem Multiprofissional) O Curso de Pós-Graduação em Saúde Coletiva com Ênfase em Saúde da Família: uma abordagem multiprofissional

Leia mais

Projeto Implantação de Linha de Cuidado: Distúrbio de Voz Relacionado ao Trabalho DVRT. Rede e Linha de Cuidado

Projeto Implantação de Linha de Cuidado: Distúrbio de Voz Relacionado ao Trabalho DVRT. Rede e Linha de Cuidado Projeto Implantação de Linha de Cuidado: Distúrbio de Voz Relacionado ao Trabalho DVRT Rede e Linha de Cuidado FATORES DETERMINANTES E CONDICIONANTES DA SAÚDE (LEI 8.080/90) Moradia Educação Alimentação

Leia mais

SAÚDE MENTAL NO SUS E OS CENTROS DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL

SAÚDE MENTAL NO SUS E OS CENTROS DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL SAÚDE MENTAL NO SUS E OS CENTROS DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL Prof. João Gregório Neto 2013 REFORMA PSIQUIÁTRICA Ampla mudança do atendimento público em Saúde Mental, objetivando garantir o acesso da população

Leia mais

PROVA DISCURSIVA PROCURADOR

PROVA DISCURSIVA PROCURADOR PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE/RS PROCURADORIA-GERAL DO MUNICÍPIO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO PROVA DISCURSIVA PROCURADOR Instruções Leia atentamente e cumpra rigorosamente as instruções

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PÚBLICO RETIFICAÇÃO

PROCESSO SELETIVO PÚBLICO RETIFICAÇÃO GOVERNO DA PARAIBA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DA PARAÍBA (SES-PB) CENTRO FORMADOR DE RECURSOS HUMANOS DA PARAIBA (CEFOR-RH/PB) COMISSÃO DA RESIDÊNCIA MÉDICA (COREME) COMISSÃO DA RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL

Leia mais

2 1. (Pref. Morrinhos-CE/PRÓ-MUNICÍPIO/2016) A Política Nacional de Humanização (PNH) foi concebida para toda a rede SUS, visando, sobretudo, a qualidade do atendimento. São aspectos relevantes da humanização,

Leia mais

Reconhecimento de Redes de Atenção à Saúde

Reconhecimento de Redes de Atenção à Saúde Reconhecimento de Redes de Atenção à Saúde Programa de Apoio aos Programas de Residência em Área Profissional de Saúde Módulo I Políticas Públicas de Saúde Euzi Adriana Bonifácio Rodrigues Consultora Técnica

Leia mais

ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: VIGILÂNCIA EM SAÚDE

ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: VIGILÂNCIA EM SAÚDE ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: VIGILÂNCIA EM SAÚDE Instruções Leia atentamente e cumpra rigorosamente as instruções que seguem, pois elas são parte integrante das provas e das normas que regem esse Concurso ou

Leia mais

Linhas gerais e desafios da Política Nacional da Atenção Básica. Setembro, 2012

Linhas gerais e desafios da Política Nacional da Atenção Básica. Setembro, 2012 Linhas gerais e desafios da Política Nacional da Atenção Básica Portaria 2488 Setembro, 2012 Política Nacional de Atenção Básica Portaria n. 2488, de 21 de outubro de 2011. AAtençãoBásica é oprimeiropontodeatençãoàsaúde

Leia mais

CONTROLE SOCIAL e PARTICIPAÇÃO NO SUS: O PAPEL DO CONSELHO ESTADUAL DE SAÚDE

CONTROLE SOCIAL e PARTICIPAÇÃO NO SUS: O PAPEL DO CONSELHO ESTADUAL DE SAÚDE CONTROLE SOCIAL e PARTICIPAÇÃO NO SUS: O PAPEL DO CONSELHO ESTADUAL DE SAÚDE EDERSON ALVES DA SILVA Vice-Presidente Conselho Estadual de Saúde de Minas Gerais conselhoestadualdesaudemg@gmail.com O Sistema

Leia mais

EIXO 1 SAÚDE DE POPULAÇÕES ESPECÍFICAS E VULNERÁVEIS

EIXO 1 SAÚDE DE POPULAÇÕES ESPECÍFICAS E VULNERÁVEIS RESULTADO FINAL DA OFICINA DE SELEÇÃO DE PRIORIDADES DE PESQUISA EM SAÚDE PARA A EDIÇÃO 2015/2016 DO PROGRAMA PESQUISA PARA O SUS: GESTÃO COMPARTILHADA EM SAÚDE (PPSUS) DO ESTADO DE ALAGOAS (AL) A Fundação

Leia mais

Secretaria da Saúde abre inscrições do Projeto QualificaAPSUS Ceará para os municípios do Estado

Secretaria da Saúde abre inscrições do Projeto QualificaAPSUS Ceará para os municípios do Estado Secretaria da Saúde abre inscrições do Projeto QualificaAPSUS Ceará para os municípios do Estado A Secretaria da Saúde do Estado (SESA) está dando início ao Projeto de Qualificação da Atenção Primária

Leia mais

ENFERMAGEM LEGISLAÇÃO EM SAÚDE

ENFERMAGEM LEGISLAÇÃO EM SAÚDE ENFERMAGEM LEGISLAÇÃO EM SAÚDE Sistema Único de Saúde - SUS: Constituição Federal, Lei Orgânica da Saúde - Lei nº 8.080 de 1990 e outras normas Parte 19 Profª. Tatianeda Silva Campos Pacto de Gestão do

Leia mais

Contrato Organizativo de Ação Pública da Saúde - COAP

Contrato Organizativo de Ação Pública da Saúde - COAP NOTA TÉCNICA 03/2015 Contrato Organizativo de Ação Pública da Saúde - COAP Brasília, 02 de março de 2015 1 INTRODUÇÃO O Contrato Organizativo da Ação Pública da Saúde é um acordo de colaboração firmado

Leia mais

III Conferência Municipal de Saúde Mental

III Conferência Municipal de Saúde Mental III Conferência Municipal de Saúde Mental Apresentação 1.A III Conferência Municipal de Saúde Mental, vem para reafirmar os princípios da Reforma Psiquiátrica Brasileira, com base na Lei 10.216 de 2001,

Leia mais

Construção da Linha Regional de Cuidado do Sobrepeso e Obesidade. Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição (CGAN/DAB/SAS) Ministério da Saúde

Construção da Linha Regional de Cuidado do Sobrepeso e Obesidade. Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição (CGAN/DAB/SAS) Ministério da Saúde Construção da Linha Regional de Cuidado do Sobrepeso e Obesidade Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição (CGAN/DAB/SAS) Ministério da Saúde OBESIDADE E SOBREPESO NO BRASIL 20 18 16 14 12 10 8 6 4 2

Leia mais

Capacitação em Eventos

Capacitação em Eventos Diretrizes para implementação da Vigilância em Saúde do Trabalhador no SUS Capacitação em Eventos V Encontro Nacional da RENAST Área de Produção Editorial e Gráfica Núcleo de Comunicação Secretaria de

Leia mais

Pacto de Gestão do SUS. Pacto pela Vida. Pacto em Defesa do SUS

Pacto de Gestão do SUS. Pacto pela Vida. Pacto em Defesa do SUS Pacto de Gestão do SUS Pacto pela Vida Pacto em Defesa do SUS PACTO PELA SAÚDE O Pacto pela Vida é o compromisso entre os gestores do SUS em torno de prioridades que apresentam impacto sobre a situação

Leia mais

A Reforma Sanitária e Gerencial do SUS em Sergipe

A Reforma Sanitária e Gerencial do SUS em Sergipe e Gerencial do SUS A Reforma Sanitária define o papel do Estado na gestão como produtor de serviço complementar aos municípios, indutor de políticas e coordenador de sistema assentado sobre os princípios

Leia mais

Quinta das LIVES COM A PROFESSORA NATALE SOUZA. Solicite a entrada no grupo: https://www.facebook.com/grou ps/ /?

Quinta das LIVES COM A PROFESSORA NATALE SOUZA. Solicite a entrada no grupo: https://www.facebook.com/grou ps/ /? Quinta das LIVES COM A PROFESSORA NATALE SOUZA Todas as quintas DICAS DE RESIDÊNCIAS; RESOLUÇÃO DE QUESTÕES; CUPONS DE DESCONTOS E MUITO MAIS. Solicite a entrada no grupo: https://www.facebook.com/grou

Leia mais

Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora

Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Coordenação Geral de Saúde do Trabalhador Política Nacional de Saúde do Trabalhador

Leia mais

DICAS ESSENCIAIS PARA CANDIDATOS E QUESTÕES COMENTADAS DE CONCURSOS DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE.

DICAS ESSENCIAIS PARA CANDIDATOS E QUESTÕES COMENTADAS DE CONCURSOS DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE. 4 DICAS ESSENCIAIS www.multiresidencia.com.br PARA CANDIDATOS E QUESTÕES COMENTADAS DE CONCURSOS DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE Dica 1 Ao escolher a vaga de Residência Multiprofissional em Saúde

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS ATENÇÃO PRIMÁRIA A SAÚDE

POLÍTICAS PÚBLICAS ATENÇÃO PRIMÁRIA A SAÚDE POLÍTICAS PÚBLICAS ATENÇÃO PRIMÁRIA A SAÚDE CONCEITO DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE (APS) A APS é a atenção à saúde essencial baseada em - métodos e tecnologias, cientificamente fundamentados e socialmente

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua A LEI ORGÂNICA DA SAÚDE (LEI 8080/1990) o SUS é constituído pelo conjunto de ações e serviços de saúde, prestados por órgãos e instituições

Leia mais