Red Econolatin Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Red Econolatin Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas"

Transcrição

1 Red Econolatin Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Fevereiro 2014 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS EM ECONOMIA POLÍTICA. 1. SITUACIÓN ECONÓMICA ACTIVIDAD ECONÓMICA Em janeiro, a atividade econômica brasileira permanece lenta e as expectativas do empresariado estão menos otimistas, porem apesar desta na confiança dos empresários em geral em relação à economia brasileira, houve um crescimento de 36,9% no volume de investimentos privados em 2013, particularmente aplicados nas fábricas do setor automotivo do Estado de São Paulo. No entanto, o ritmo de expansão da atividade econômica brasileira deve se manter relativamente estável em comparação a O consumo continua em baixo crescimento e em ritmo mais moderado do que o observado em anos recentes. A inflação apresenta tendência de se elevar o que traz expectativas quanto ao aumento da taxa de juros oficial pelo Banco Central, para adequar os preços ao regime de metas da inflação. O setor que vinha apresentando a maior dinâmica em 2013 cresceu taxas menores do que as anteriores porem o maior crescimento da economia mundial e a alta do dólar, deve favorecer a economia brasileira e as indústrias estão se preparando para o aumento da demanda global externa esperada, e para o aumento da produtividade. No entanto a velocidade destas transformações continua muito lenta.

2 SECTOR EXTERIOR No ano de 2013 o país apresentou o pior resultado no comércio externo em 13 anos, quando o superávit da balança comercial foi 87% inferior ao de Este desempenho foi reflexo de um conjunto de ocorrências, desde a crise nas principais economias do mundo, que afetou a venda de produtos exportados até a fraca produção nacional de petróleo e derivados e aumento da demanda interna por combustível, que foi importado. Nos 12 meses de 2013 acumulados, as exportações totais do Brasil caíram 1% em relação a 2012 e as importações bateram recorde, subindo 6,5%. No total das contas externas, houve também déficit que não foi coberto por investimentos diretos e o saldo nas transações correntes ficou negativos e 50% acima do déficit de Porém o Banco Central, acredita que um real mais desvalorizado em 2013 e o maior crescimento esperado para a economia global mudem este desempenho nos meses que virão Paralelamente a esta situação, a queda mais forte do peso argentino ocorrida colocou em alerta investidores do mercado brasileiro, associandose às notícias de menor dinamismo da China, compradora de produtos brasileiros e dos sinais de redução dos estímulos nos EUA. Outro fator que repercutiu no déficit das contas externas foi o aumento dos gastos de turistas brasileiros no exterior, tendo em vista a valorização do real em alguns momentos, ao mesmo tempo em que os gastos de estrangeiros aqui não cresceram na mesma velocidade. No entanto, os especialistas acreditam que o setor externo irá contribuir para o crescimento da economia brasileira em 2014, devido à desaceleração esperada para a demanda interna e para as importações, que conjuntamente com a taxa de câmbio mais desvalorizada, deve levar a um superávit maior da balança comercial. SECTOR PÚBLICO Y POLÍTICA FISCAL O governo federal anunciou que em 2013 cumpriu sua meta de economia de gastos para pagamento da dívida pública (de 1,5% do PIB), ou seja, chamado superávit primário. Este resultado foi obtido graças a receitas extraordinárias no final de Porém ainda não foram computados resultados para os estados e municípios, e as estimativas são de que a

3 meta total do setor público de 2,3% no ano não deve ser atingida, ficando em 2%, o que é suficiente para manter estável a dívida pública. Estes resultados ocorreram apesar de que a arrecadação foi recorde. A meta para 2014 ainda não foi definida pelo governo federal, porém na proposta de Orçamento de 2014, a meta mínima do governo federal é de 1,1% do PIB, abaixo da fixada para 2013, de 1,5% do PIB. Os maiores gastos serão devidos ao período pré-eleitoral para a escolha de novo presidente, com a candidatura de reeleição da presidente Dilma. Dessa maneira, o governo continuou ampliando gastos, principalmente nas áreas de saúde, educação e social, a economia teve que ser reduzida. Nas contas oficiais, a renúncia fiscal também foi recorde no ano passado, com as medidas de alívio de impostos e contribuições, resultando em que o governo teria deixado de arrecadar R$ 77,8 bilhões, particularmente com a redução da contribuição previdenciária sobre a folha de pagamentos. Apesar do benefício concedido a mais de 50 setores, a receita do tributo subiu 3% acima da inflação. EMPLEO Resultados publicados neste mês sobre empregos no ano de 2013 mostram que a geração de empregos formais, ou seja, o número de novas vagas, tiveram em 2013 uma queda de 14,1% em relação aos registrados em 2012, em virtude do baixo crescimento do PIB. Os economistas esperam que o ritmo de criação de vagas deve se manter em 2014 semelhante ao de O governo federal planejou a organização de reuniões com centrais sindicais e empregadores em março para discutir mudanças nas regras do seguro-desemprego e do abono salarial. O IBGE, que calcula oficialmente as taxas sobre o mercado de trabalho, divulgou uma nova pesquisa trimestral sobre a taxa de desocupação, baseada em metodologia mais abrangente que mensura o país como um todo, enquanto a metodologia anterior que vinha sendo publicada mensalmente representava uma amostra das regiões metropolitanas. Dessa forma, pela metodologia anterior a taxa de desocupação do 2º trimestre de 2013 era de 5,9% e pela nova metodologia ficou em 7,4. No entanto não se deve confundir a taxa de desocupação com taxa de desemprego (que é superior) 1 em um mercado de trabalho com as características do brasileiro. A desaceleração do emprego formal também coincidiu com a desaceleração da renda do trabalho, que resultou da freada do crédito para o consumo, do 1 Para maiores detalhes, veja-se Kon, A., Pleno emprego no Brasil: interpretando os conceitos e indicadores, Revista Economia & Tecnologia, Volume 8, Número 2, p. 5-22, Abr/Jun 2012

4 menor reajuste do salário mínimo, da confiança reduzida de empresários, além de inflação (que corrói a renda) e juros mais altos. POLÍTICA MONETARIA E INFLACIÓN Em janeiro, o Banco Central elevou a taxa de juros oficial SELIC, em 0,5% para o patamar de 10,5% ao ano, como política de combate à inflação que continua prevalecer. O Banco comunicou a possibilidade de um novo aumento dos juros em fevereiro, se a inflação não ceder. O Índice de Preços ao Consumidor Avançado (IPCA) indicador oficial da inflação fechou 2013 em 5,91% ficando abaixo do teto da meta (6,5%), mas acima do centro da meta (4,5%) e acima do ano de 2012 (5,8%), e a expectativa dos analistas é que neste ano de 2014 o índice continue rondando os 6%. A inflação preocupa mais o governo que o PIB fraco. Esta alta vem sendo puxada por alimentos e gasolina, com tendências a continuar pressionando nos primeiros meses do ano de No ano de 2013, os preços livres do controle direto ou indireto do governo subiram mais que a inflação: 7,29%, maior alta em dez anos, o que preocupa o governo. Naquele ano, a inflação foi contida pela redução dos preços da energia elétrica, promovida pelo governo, e pela suspensão de aumentos de ônibus e talvez não haja mais margem para a continuidade de segurar estes preços monitorados que estão onerando consideravelmente o setor público. Para este ano eleitoral, os analistas esperam mais pressão sobre a inflação, tendo em vista aumento dos gastos governamentais. MERCADOS FINANCIEROS O aumento da taxa Selic para 10,5% alterou o ambiente financeiro do país, pois, como esta taxa serve de referência para o custo do crédito e a remuneração dos investimentos, seu aumento tem o efeito de encarecer empréstimos e estimular aplicações financeiras, diminuindo o consumo e a pressão sobre os preços. O que se observa sempre, é que os juros médios ao consumidor são bem mais altos que a Selic, nas diversas linhas de crédito, mas a taxa básica não é o único fator para sua definição. Nas taxas cobradas pelos bancos ao conceder crédito, entram itens como custo operacional e risco de calote. Os especialistas calculam que com a Selic a 10,50%, a taxa média cobrada de pessoas físicas em empréstimos ficará em 93,17% anuais (5,64% ao mês). Em 2013 o juro médio das linhas de crédito fechou em valor equivalente a mais de 9 vezes o da Selic, mas, quando a taxa básica era a mínima histórica, essa diferença era ainda maior: superava 12 vezes,

5 porém a diferença entre o juro ao consumidor e a taxa básica, continua muito considerável. Os analistas recomendam cautela nos investimentos financeiros, com a expectativa de que a Selic atinja brevemente 11% ao ano e persistem um sentimento de aversão ao risco que leva a maior seletividade do mercado para investimentos financeiros mis sólidos, tendo em vista a retração da liquidez do mercado internacional, que partiu dos Estados Unidosl. TIPO DE CAMBIO As preocupações com o ritmo da economia brasileira e com o cenário externo fraco mais uma vez empurraram o dólar para cima e a Bolsa para baixo. Os analistas observam indícios que sugerem a continuidade da alta do dólar em relação ao real em Isso se dá porque o país teve em 2013, a maior saída de dólares desde 2002 e as preocupações de investidores com a possível redução da nota do Brasil por agências de classificação de risco. Alem disso, a elevação do Imposto sobre Operações Financeiras, decidida no fim de 2013 pelo governo para gastos no exterior em cartões pré-pagos e de débito pode não conseguir frear as despesas em dólar dos brasileiros. A alta do dólar vem ocorrendo em alguns momentos apesar da atuação programada do Banco Central brasileiro, que interfere no mercado. Porém, em outros momentos de janeiro, o real viveu uma fase de valorização ante o dólar e economistas afirmam que a expectativa de novas altas da taxa de juros tem aumentado a atratividade de investimentos no país, o que afeta o câmbio. Quanto mais altos os juros, maior é a tendência de valorização da moeda, pois cria a perspectiva de que recursos estrangeiros adicionais entrem no país para ganhar com a taxa mais elevada. Por outro lado, o país tem mantido um nível de juros mais alto do que o de muitos de seus concorrentes na disputa por investimentos. A perspectiva de entrada investimentos financeiros já influi nos negócios no mercado futuro e afeta a cotação da moeda. 2. PERSPECTIVAS ECONÓMICAS Com o desempenho da inflação em crescimento em 2013 surpreendeu e levou à perspectiva de que o Banco Central manterá o ritmo de alta dos juros em 0,5% na próxima reunião do Copom. Até agora, a expectativa era que o Copom, comitê que define a trajetória da taxa Selic (referência para economia), começasse o ano eleitoral com doses menores de juros, de 0,25%, porem as estimativas do mercado financeiro são de maior elevação. Para o Ministério da Fazenda, o IPCA de 2014 ficará abaixo dos, mas o

6 desempenho do câmbio é uma grande incógnita, porem há previsão de maior depreciação do real, com o dólar superando a marca dos R$ 2,50 no período eleitoral. O aumento nos juros ajudaria a segurar essa evolução. Outra perspectiva também desfavorável, a respeito do ritmo menor de criação de vagas e da renda mais pressionada pela inflação, que levaria à tendência de que o desemprego volte a crescer em 2014 (estimado em 1%), não em razão de demissões pelas empresas mas sim, porque mais indivíduos irão procurar emprego para completar o orçamento da família, aumentando assim a força de trabalho, ao mesmo tempo em que a oferta de vagas será menor. Esta piora deve acontecer, até mesmo com as vagas temporárias que podem ser criadas na Copa e nas eleições. O FMI voltou a reduzir a previsão de crescimento para o Brasil, de uma previsão anterior de 2,5% ao ano para 2,3%. 3. SITUACIÓN POLÍTICA A presidente está preocupada com a elevação continuada de preços e adotou politicamente a estratégia do controle de preços neste ano eleitoral, como prioridade política. Esta avaliação é de um ministro, que considera que Dilma ganhou a eleição em 2010 com inflação a 5,9%, em um momento no qual o nível de renda era menor que o atual e a taxa de desemprego era maior que hoje. Por outro lado, o ambiente político conturbado e as manifestações contra a deficiência de serviços públicos vem resultado em reuniões políticas com os assessores governamentais, visando uma estratégia adequada e a decisão quanto às intervenções nos mercados rotineiras do governo, desde que as decisões políticas têm impacto nos planos de investimento das empresas,

Red Econolatin Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin   Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Outubro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

É o Fim do Novo Normal? Desafios para o Ambiente Econômico-Financeiro Global e as Implicações para o Brasil 2013/14

É o Fim do Novo Normal? Desafios para o Ambiente Econômico-Financeiro Global e as Implicações para o Brasil 2013/14 É o Fim do Novo Normal? Desafios para o Ambiente Econômico-Financeiro Global e as Implicações para o Brasil 2013/14 Apresentação - Conceituar o que é o Novo Normal - Balanço do atual ambiente externo -

Leia mais

Red Econolatin Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin   Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Abril 2014 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Red Econolatin Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin  Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Red Econolatin Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin  Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Janeiro 2014 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

PIB. PIB Trimestral 3,9% 2,6% 2,3% 2,3%

PIB. PIB Trimestral 3,9% 2,6% 2,3% 2,3% PIB O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) divulgou nesta última sextafeira, 29 de Maio, os dados do Produto Interno Bruto (PIB) referentes ao primeiro trimestre de 2015. Análise preliminar

Leia mais

Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 4º trimestre de 2013

Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 4º trimestre de 2013 Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 4º trimestre de 2013 Elaboração: Vice-Presidência de Finanças VIFIN Diretoria Executiva de Finanças e Mercado de Capitais - DEFIN Superintendência Nacional de

Leia mais

Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 1º trimestre de 2013

Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 1º trimestre de 2013 Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 1º trimestre de 2013 Elaboração: Vice-Presidência de Finanças VIFIN Diretoria Executiva de Finanças e Mercado de Capitais - DEFIN SN de Planejamento Financeiro

Leia mais

Instituto de Economia - Gastão Vidigal. Boletim de Conjuntura

Instituto de Economia - Gastão Vidigal. Boletim de Conjuntura Instituto de Economia - Gastão Vidigal Boletim de Conjuntura Novembro - 2018 Rua Boa Vista, 51 7º andar Cep: 01014-911 www.acsp.com.br ieconomia@acsp.com.br 1 Adeus Ano Velho, Feliz Ano Novo! O ano que

Leia mais

O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008

O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008 NIVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008 Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo tem o objetivo de apresentar

Leia mais

EconoWeek 31/08/2015. juros e a China prevaleceram na semana.

EconoWeek 31/08/2015. juros e a China prevaleceram na semana. 31/08/2015 EconoWeek DESTAQUE INTERNACIONAL O embate entre indicadores econômicos americanos, na sua maioria acima das expectativas média dos analistas, o Federal Reserve, a necessidade premente de elevação

Leia mais

Red Econolatin Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin   Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Outubro 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Desempenho negativo da Construção e das Indústrias de Transformação prejudicam o setor industrial

Desempenho negativo da Construção e das Indústrias de Transformação prejudicam o setor industrial Desempenho negativo da Construção e das Indústrias de Transformação prejudicam o setor industrial De acordo com os dados das Contas Nacionais Trimestrais do IBGE, a economia brasileira cresceu 0,1% no

Leia mais

Conjuntura Econômica do Brasil Agosto de 2013

Conjuntura Econômica do Brasil Agosto de 2013 1 Conjuntura Econômica do Brasil Agosto de 2013 Profa. Anita Kon 1 Último dado Dado Anterior Tend. PIB pm (1990=100) 2004 I. 13* 1,9 1,4 I. 13** 0,6 0,6 Expectativas de mercado (% de crescimento 2013 2,49

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 28 de janeiro e 02 de fevereiro de 2016 Analistas consultados: 25 PROJEÇÕES E EXPECTATIVAS DE MERCADO FEBRABAN

Leia mais

O cenário econômico ainda repleto de incertezas

O cenário econômico ainda repleto de incertezas O cenário econômico ainda repleto de incertezas 1 As incertezas continuam As dúvidas ainda não foram reduzidos com o novo cenário político que se desenha. Entretanto, as possibilidades agora estão direcionadas

Leia mais

Red Econolatin Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin   Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Abril 2011 Profa. Anita Kon Assistente: Emmanuel Nakamura PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA

Leia mais

Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 3º trimestre de 2013

Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 3º trimestre de 2013 Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 3º trimestre de 213 Elaboração: Vice-Presidência de Finanças VIFIN Diretoria Executiva de Finanças e Mercado de Capitais - DEFIN Superintendência Nacional de Planejamento

Leia mais

6,38 6,83-6, ,20-3,49-6,58-20,35 47,10 69,00 5,71 6, ,15-3,49-6,65-20,30-69,50 5,76

6,38 6,83-6, ,20-3,49-6,58-20,35 47,10 69,00 5,71 6, ,15-3,49-6,65-20,30-69,50 5,76 6,52 6,76 7,04 6,30 3,39 3,46 45,20 3,48 6,68 20,00 47,00 66,06 6,00 6,38 6,83 6,28 45,20 3,49 6,58 20,35 47,10 69,00 5,71 6,35 45,15 3,49 6,65 20,30 69,50 5,76 (9) (5) 4,90 5,04 5,06 5,39 3,45 3,41 10,50

Leia mais

Copom deve manter juros estáveis em 11% ao ano pela 4ª vez seguida

Copom deve manter juros estáveis em 11% ao ano pela 4ª vez seguida O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central se reúne nesta quarta-feira (29) e deve manter a taxa básica de juros da economia brasileira novamente inalterada em 11% ao ano, segundo a expectativa

Leia mais

PANORAMA CONJUNTURAL. Indústria mantém fraco dinamismo. Março de 2018 Publicado em Maio de 2018

PANORAMA CONJUNTURAL. Indústria mantém fraco dinamismo. Março de 2018 Publicado em Maio de 2018 PANORAMA CONJUNTURAL Indústria mantém fraco dinamismo Março de 2018 Publicado em Maio de 2018 Os dados da indústria em geral em março assim como da de transformação apresentaram em relação a fevereiro

Leia mais

Inflação, nível de atividade e setor externo: o desempenho dos principais indicadores da economia brasileira

Inflação, nível de atividade e setor externo: o desempenho dos principais indicadores da economia brasileira NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Inflação, nível de atividade e setor externo: o desempenho dos principais indicadores da economia brasileira Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O

Leia mais

Os Efeitos Econômicos da Seca

Os Efeitos Econômicos da Seca Fevereiro - 2014 1 Os Efeitos Econômicos da Seca A ausência de chuvas tem afetado negativamente a produção agrícola, notadamente no caso dos grãos, como milho e soja. Esse choque climático, por sua vez,

Leia mais

SUMÁRIO. Empresas no Simples. Inadimplência. Síntese. Inflação PIB. Crédito. Empreendedorismo. Juros. Expediente. Emprego. Confiança.

SUMÁRIO. Empresas no Simples. Inadimplência. Síntese. Inflação PIB. Crédito. Empreendedorismo. Juros. Expediente. Emprego. Confiança. Novembro/2018 < > 02 SUMÁRIO Síntese Inflação 03 05 Empresas no Simples Inadimplência 09 PIB Juros 04 06 10 Exportações Confiança Emprego 07 08 11 Crédito 14 Empreendedorismo 13 Expediente Núcleo de Inteligência

Leia mais

Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 1º trimestre de 2014

Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 1º trimestre de 2014 Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 1º trimestre de 2014 Elaboração: Vice-Presidência de Finanças VIFIN Diretoria Executiva de Finanças e Mercado de Capitais - DEFIN Superintendência Nacional de

Leia mais

Red Econolatin Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin  Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Marzo 2011 Profa. Anita Kon Assistente: Emmanuel Nakamura PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA

Leia mais

O Dilema da Política Monetária

O Dilema da Política Monetária Junho - 2014 1 O Dilema da Política Monetária Em sua última reunião, pela segunda vez consecutiva, o Conselho de Política Monetária (COPOM) decidiu por unanimidade manter a taxa SELIC inalterada no nível

Leia mais

Red Econolatin Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin  Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Dezembro 2013 Prof.ª Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Red Econolatin Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin   Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

PERSPECTIVAS Antonio Carlos Borges

PERSPECTIVAS Antonio Carlos Borges PERSPECTIVAS 2005 O QUE ESPERAR DE 2005 1. Nível de investimentos mais elevado: 24% do PIB 2. Demanda interna ganha importância na manutenção do ritmo de crescimento 3. O final do ano pode ser mais complexo

Leia mais

Oi, seja bem-vindo ao nosso relatório de gestão de abril-2018.

Oi, seja bem-vindo ao nosso relatório de gestão de abril-2018. Oi, seja bem-vindo ao nosso relatório de gestão de abril-2018. Sou o Rafael Pires, da equipe de gestão do Warren e estou muito feliz que você está conosco. Nossa equipe de gestão estará sempre construindo

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO AVONPREV

RELATÓRIO DE GESTÃO AVONPREV RELATÓRIO DE GESTÃO AVONPREV Abril/2018 No Brasil, os indicadores de atividade sugerem recuperação mais lenta no primeiro trimestre. A economia teve desempenho modesto em fevereiro e cresceu ligeiramente

Leia mais

Julho de 2013 Deterioração da conjuntura leva a nova revisão da taxa de crescimento para 2013 Gráfico 1 Componentes do IPCA,

Julho de 2013 Deterioração da conjuntura leva a nova revisão da taxa de crescimento para 2013 Gráfico 1 Componentes do IPCA, Julho de 2013 Deterioração da conjuntura leva a nova revisão da taxa de crescimento para 2013 Em 2013, a economia brasileira vem experimentando uma redução do ritmo de crescimento do consumo em razão da

Leia mais

Balanço 2016 Perspectivas PIB e Performance do Agronegócio

Balanço 2016 Perspectivas PIB e Performance do Agronegócio PIB e Performance do Agronegócio 15 16 Balanço 2016 Perspectivas 2017 Perspectivas 2017 MESMO COM A ECONOMIA BRASILEIRA VOLTANDO PARA OS EIXOS EM 2017, O AGRONEGÓCIO NOVAMENTE DEVERÁ SER O SETOR COM MAIOR

Leia mais

Instituto de Economia - Gastão Vidigal. Boletim de Conjuntura

Instituto de Economia - Gastão Vidigal. Boletim de Conjuntura Instituto de Economia - Gastão Vidigal Boletim de Conjuntura Outubro - 2018 Rua Boa Vista, 51 7º andar Cep: 01014-911 www.acsp.com.br ieconomia@acsp.com.br 1 Efeitos Conjunturais e Estruturais dos Impostos

Leia mais

Os sérios desafios da economia. Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016

Os sérios desafios da economia. Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016 Os sérios desafios da economia Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016 1 Os números da economia brasileira que o novo governo precisa enfrentar 11,089 milhões Número de desempregados no Brasil,

Leia mais

BALANÇO DE 2008 E PERSPECTIVAS PARA 2009 SETOR DA BORRACHA Rio Grande do Sul

BALANÇO DE 2008 E PERSPECTIVAS PARA 2009 SETOR DA BORRACHA Rio Grande do Sul Janeiro de 2009 BALANÇO DE 2008 E PERSPECTIVAS PARA 2009 SETOR DA BORRACHA Rio Grande do Sul SINBORSUL Sindicato das Indústrias de Artefatos de Borracha no Estado do Rio Grande do Sul PERSPECTIVAS PARA

Leia mais

Boletim de. Recessão avança com diminuição lenta da inflação em 2015 Inflação e desemprego

Boletim de. Recessão avança com diminuição lenta da inflação em 2015 Inflação e desemprego Julho de 2015 Recessão avança com diminuição lenta da inflação em 2015 Inflação e desemprego No primeiro semestre do ano de 2015, a inflação brasileira acumulou variação de 8,1% ao ano, superando em mais

Leia mais

2004 Resultados e Expectativas

2004 Resultados e Expectativas 2004 Resultados e Expectativas Palestra Novembro 2004 1 Introdução Introdução 1 - Os sinais de crescimento econômico passam a ter características mais definitivas 2 - Há evidências de incremento do nível

Leia mais

SUMÁRIO. Empresas no Simples. Inadimplência. Síntese. Inflação PIB. Crédito. Empreendedorismo. Juros. Expediente. Emprego. Confiança.

SUMÁRIO. Empresas no Simples. Inadimplência. Síntese. Inflação PIB. Crédito. Empreendedorismo. Juros. Expediente. Emprego. Confiança. Abril/2018 < > 02 SUMÁRIO Síntese Inflação 03 05 Empresas no Simples Inadimplência 09 PIB Juros 04 06 10 Exportações Confiança Emprego 07 08 11 Crédito 14 Empreendedorismo 13 Expediente Núcleo de Inteligência

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Dezembro de 2014 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial no Ano de 2014... 4 3.

Leia mais

Conjuntura Econômica do Brasil Abril de 2013

Conjuntura Econômica do Brasil Abril de 2013 1 Conjuntura Econômica do Brasil Abril de 2013 Profa. Anita Kon 1 Último dado Dado Anterior Tend. PIB pm (1990=100) 2004 IV. 12* 1,4 0,9 Δ IV. 12** 0,6 0,4 Expectativas de mercado (% de crescimento 2012

Leia mais

Indústria e Investimentos recuam no 2º trimestre e Economia Brasileira mantém ritmo lento de crescimento

Indústria e Investimentos recuam no 2º trimestre e Economia Brasileira mantém ritmo lento de crescimento Indústria e Investimentos recuam no 2º trimestre e Economia Brasileira mantém ritmo lento de crescimento Os dados das Contas Nacionais Trimestrais do IBGE mostram que economia brasileira cresceu 0,2% no

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA.

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA. NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA. Marcelo Curado * I. Atividade Econômica A análise dos indicadores macroeconômicos sobre a evolução recente da atividade econômica corrobora a noção de

Leia mais

Cenários para Doméstico - Político e Econômico Global EUA e China

Cenários para Doméstico - Político e Econômico Global EUA e China Cenários para 2017 2018 Doméstico - Político e Econômico Global EUA e China 1 O FIM DE UM CICLO... 2 ... O INÍCIO DE OUTRO 3 Cenário Doméstico Político e Econômico 4 Cenário AGENDA PESADA Principais TEMAS

Leia mais

Boletim de Indicadores Econômicos. Estado de São Paulo

Boletim de Indicadores Econômicos. Estado de São Paulo DIEESE SUBSEÇÃO SINAFRESP Rua Maria Paula, 123 17º andar São Paulo e-l: susinafresp@dieese.org.br PABX: (11) 3113-4000 Boletim de Indicadores Econômicos Estado de São Paulo Julho de 2014 1. Introdução

Leia mais

-0,09 Indice de setembro 2018 Ìndice de setembro de Índice de agosto de 2018

-0,09 Indice de setembro 2018 Ìndice de setembro de Índice de agosto de 2018 ANO 6 NÚMERO 74 SETEMBR0 DE 2018 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Há poucos dias após a escolha do novo Presidente da República, no campo econômico são

Leia mais

Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006

Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006 Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006 1 Cenário Econômico Regra básica: Cenário Internacional é dominante. Oscilações de curto prazo são determinadas exogenamente. 2 Cenário Internacional União monetária

Leia mais

PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA. Gustavo Loyola

PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA. Gustavo Loyola PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA Gustavo Loyola Cenário Internacional 3 Desaceleração suave nos próximos anos, mas ainda com crescimento em ritmo elevado Crescimento moderado, limitado pela necessidade

Leia mais

Os desafios da economia. Economista Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Outubro/2014

Os desafios da economia. Economista Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Outubro/2014 Os desafios da economia Economista Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Outubro/2014 Os desafios da economia Correção dos rumos da política econômica. Muito mais do que necessidade: É inevitável. Sem ajustes:

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 01/2016

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 01/2016 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 01/2016 Data: 08/01/2016 Participantes Efetivos: Wagner de Jesus Soares Presidente, Mariana Machado de Azevedo Economista, Rosangela Pereira

Leia mais

Superintendência de Planejamento, Orçamento e Custos

Superintendência de Planejamento, Orçamento e Custos Superintendência de Planejamento, Orçamento e Custos Atividade Econômica PIB - Crescimento anual (%) 4, 4,1 4,5 3,2 3,1 3,5 2,1 1,7 2, 4,8 3,6 2, 2 211 212 213 214 215 216 217* 218* * Projeções do FMI

Leia mais

Conjuntura econômica: Cenários e Desafios

Conjuntura econômica: Cenários e Desafios Conjuntura econômica: Cenários e Desafios Sinergia -abril de 2014 Patrícia Toledo Pelatieri Elementos para Reflexão O cenário recente é carregado de muita incerteza, o que gera um pessimismo muito além

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 11/2016

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 11/2016 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 11/2016 Data: 07/06/2016 Participantes Efetivos: Wagner de Jesus Soares Presidente, Mariana Machado de Azevedo Economista, Rosangela Pereira

Leia mais

O PIB no 1º Trimestre de 2018

O PIB no 1º Trimestre de 2018 PANORAMA CONJUNTURAL O PIB no 1º Trimestre de 2018 Abril de 2018 Publicado em Junho de 2018 Os números divulgados pelo IBGE para o PIB no primeiro trimestre de 2018 confirmam a lenta recuperação da economia

Leia mais

Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 2º trimestre de 2013

Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 2º trimestre de 2013 Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 2º trimestre de 13 Elaboração: Vice-Presidência de Finanças VIFIN Diretoria Executiva de Finanças e Mercado de Capitais - DEFIN 1 mai/8 ago/8 nov/8 fev/9 mai/9

Leia mais

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO Real perde para seus pares Expectativas No aguardo do encaminhamento da PEC da Previdência na CCJ, o dólar encerrou a semana cotado a R$ 3,93, com o real se depreciando em 1,17%. Isso significou um pior

Leia mais

Exterior. Ano II Jul/14. Rafael Lima Batista André Ribeiro Luciano Nakabashi

Exterior. Ano II Jul/14. Rafael Lima Batista André Ribeiro Luciano Nakabashi No segundo trimestre de 2014, o Brasil apresentou um saldo na balança comercial de US$ 3,504 bilhões. No total foram exportados US$ 59,706 bilhões e importados US$ 56,202. Esse desempenho positivo se deve,

Leia mais

Conjuntura econômica e perspectivas: Brasil e Bahia Superintendência de Desenvolvimento Industrial (SDI) Gerência de Estudos Técnicos

Conjuntura econômica e perspectivas: Brasil e Bahia Superintendência de Desenvolvimento Industrial (SDI) Gerência de Estudos Técnicos Conjuntura econômica e perspectivas: Brasil e Bahia Superintendência de Desenvolvimento Industrial (SDI) Gerência de Estudos Técnicos Data de fechamento: 27/03/2019 Indicadores Conjunturais da Economia

Leia mais

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO Encaminhamento favorável Expectativas A decisão do Copom em manter a taxa básica em 6,50% a.a. enfatizou o balanço de riscos para inflação, particularmente a reação dos prêmios à evolução das reformas

Leia mais

COMENTÁRIO ECONÔMICO Avaliação da Economia no 3T17

COMENTÁRIO ECONÔMICO Avaliação da Economia no 3T17 COMENTÁRIO ECONÔMICO Avaliação da Economia no 3T17 No terceiro trimestre de 2017 (3T17) foram apresentados dados presentes e de expectativas mais positivos da economia brasileira do que nos trimestres

Leia mais

Terça 28 de março 05:00 IPC (semanal) FIPE. 08:00 Sondagem da Construção (mar) FGV - INCC-M (mar) FGV

Terça 28 de março 05:00 IPC (semanal) FIPE. 08:00 Sondagem da Construção (mar) FGV - INCC-M (mar) FGV Informe Semanal 45/2017 Publicado em 29 de março de 2017 Brasil Relatório Focus 10/03/2017 Agenda da Semana Conjuntura ISAE SUMÁRIO EXECUTIVO DA SEMANA Segunda 27 de março Sondagem do Consumidor (mar)

Leia mais

INDX registra alta de 0,41% em outubro

INDX registra alta de 0,41% em outubro INDX registra alta de 0,41% em outubro Dados de Outubro/12 Número 68 São Paulo O Índice do Setor Industrial (INDX), composto pelas ações mais representativas do segmento, encerrou o mês de outubro de 2012

Leia mais

COMENTÁRIO ECONÔMICO Primeiro trimestre (1T18): Mais uma queda dos juros e crescimento moderado

COMENTÁRIO ECONÔMICO Primeiro trimestre (1T18): Mais uma queda dos juros e crescimento moderado Primeiro trimestre (1T18): Mais uma queda dos juros e crescimento moderado Em março e até meados de abril, o que avaliamos é que a economia brasileira está mostrando crescimento bastante moderado em 2018.

Leia mais

Red Econolatin Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin  Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Dezembro 2012 Prof.ª Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Conjuntura. Boletim de EMPREGO E SALÁRIOS DO SETOR DE SERVIÇOS SE RECUPERAM NO INÍCIO DE T.1 PIB por setor de atividade, R$ Bilhões

Conjuntura. Boletim de EMPREGO E SALÁRIOS DO SETOR DE SERVIÇOS SE RECUPERAM NO INÍCIO DE T.1 PIB por setor de atividade, R$ Bilhões Março de 2018 EMPREGO E SALÁRIOS DO SETOR DE SERVIÇOS SE RECUPERAM NO INÍCIO DE 2018 Crescimento do PIB dos serviços foi de 0,5% em 2017 Em 2017, o PIB brasileiro apresentou crescimento em relação ao ano

Leia mais

Red Econolatin Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin   Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Abril 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Informativo de Mercado Mensal

Informativo de Mercado Mensal Informativo de Mercado Mensal Outubro/2015 DESTAQUES Passado setembro com forte volatilidade, o mês de outubro foi marcado pela cautela diante de incertezas com o ajuste fiscal, com desdobramentos no campo

Leia mais

Informativo de Mercado Mensal

Informativo de Mercado Mensal Informativo de Mercado Mensal Março/2016 DESTAQUES O mês de março/16 foi marcado pela continuidade do movimento global de risk on e também pelos desdobramentos políticos no Brasil que avançaram e aceleraram

Leia mais

Curitiba, 5 de Setembro de SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2011 DATA BASE OUTUBRO 2011

Curitiba, 5 de Setembro de SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2011 DATA BASE OUTUBRO 2011 Curitiba, 5 de Setembro de 2011. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2011 DATA BASE OUTUBRO 2011 1) Conjuntura Econômica Em 2010, a economia brasileira cresceu 7,5%. Esse resultado expressivo foi puxado

Leia mais

Instituto de Economia - Gastão Vidigal. Boletim de Conjuntura

Instituto de Economia - Gastão Vidigal. Boletim de Conjuntura Instituto de Economia - Gastão Vidigal Boletim de Conjuntura Dezembro - 2018 Rua Boa Vista, 51 7º andar Cep: 01014-911 www.acsp.com.br ieconomia@acsp.com.br 1 Que Venha a Reforma da Previdência! Mais uma

Leia mais

Perspectivas econômicas

Perspectivas econômicas Perspectivas econômicas 5º seminário Abecip Ilan Goldfajn Economista-chefe e Sócio Itaú Unibanco Maio, 2015 2 Roteiro Recuperação em curso nas economias desenvolvidas. O Fed vem adiando o início do ciclo

Leia mais

Conjuntura econômica e perspectivas: Brasil e Bahia Superintendência de Desenvolvimento Industrial (SDI) Gerência de Estudos Técnicos

Conjuntura econômica e perspectivas: Brasil e Bahia Superintendência de Desenvolvimento Industrial (SDI) Gerência de Estudos Técnicos Conjuntura econômica e perspectivas: Brasil e Bahia Superintendência de Desenvolvimento Industrial (SDI) Gerência de Estudos Técnicos Data de fechamento: 26/09/2018 1 Indicadores Conjunturais da Economia

Leia mais

Economia volta a crescer, após ano perdido

Economia volta a crescer, após ano perdido TENDÊNCIAS Economia volta a crescer, após ano perdido (Atualizado em 10/01/2011) Por Neuto Gonçalves dos Reis* Embora tenha sido um ano perdido, a economia brasileira recuperou gradativamente o ritmo pré-crise.

Leia mais

Análise Conjuntural: Variáveis- Instrumentos e Variáveis- meta

Análise Conjuntural: Variáveis- Instrumentos e Variáveis- meta Análise Conjuntural: Variáveis- Instrumentos e Variáveis- meta Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h;p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Estrutura da Apresentação Variáveis- instrumentos:

Leia mais

Juros sobem acompanhando mercado americano, alta do dólar e fiscal ruim no Brasil;

Juros sobem acompanhando mercado americano, alta do dólar e fiscal ruim no Brasil; 01-nov-2013 Juros sobem acompanhando mercado americano, alta do dólar e fiscal ruim no Brasil; Dólar inicia novembro em alta respondendo aos dados ruins de economia brasileira; Ibovespa em ligeira queda

Leia mais

MAIO/2019 VAMOS DE DADOS? UMA VOLTA PELO BRASIL E SEUS PRINCIPAIS PARCEIROS COMERCIAIS FERNANDA CONSORTE

MAIO/2019 VAMOS DE DADOS? UMA VOLTA PELO BRASIL E SEUS PRINCIPAIS PARCEIROS COMERCIAIS FERNANDA CONSORTE MAIO/2019 VAMOS DE DADOS? UMA VOLTA PELO BRASIL E SEUS PRINCIPAIS PARCEIROS COMERCIAIS FERNANDA CONSORTE 2005.I 2005.IV 2006.III 2007.II 2008.I 2008.IV 2009.III 2010.II 2011.I 2011.IV 2012.III 2013.II

Leia mais

Red Econolatin Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin   Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junho 2014 Prof.ª Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

SUMÁRIO. Empresas no Simples. Confiança. Síntese. Inflação PIB. Emprego. Empreendedorismo. Juros. Expediente. Exportações

SUMÁRIO. Empresas no Simples. Confiança. Síntese. Inflação PIB. Emprego. Empreendedorismo. Juros. Expediente. Exportações Janeiro/2019 < > 02 SUMÁRIO Síntese Inflação Confiança 03 05 08 PIB 04 Juros 06 Exportações 07 Emprego 11 Empresas no Simples 14 Empreendedorismo 13 Expediente Núcleo de Inteligência Institucional da Unidade

Leia mais

Economia Brasileira cresce 0,8% no terceiro trimestre de 2018 com crescimento em todos setores e componentes da demanda

Economia Brasileira cresce 0,8% no terceiro trimestre de 2018 com crescimento em todos setores e componentes da demanda Economia Brasileira cresce 0,8% no terceiro trimestre de 2018 com crescimento em todos setores e componentes da demanda De acordo com os dados das Contas Nacionais Trimestrais do IBGE, a economia brasileira

Leia mais

Impactos da Crise Mundial sobre a Economia Brasileira

Impactos da Crise Mundial sobre a Economia Brasileira Impactos da Crise Mundial sobre a Economia Brasileira Centro das Indústrias do Estado de São Paulo - CIESP Campinas (SP) 29 de julho de 2009 1 CIESP Campinas - 29/07/09 Crise de 2008 breve histórico Início:

Leia mais

A semana em revista. Relatório Semanal 08/06/2015

A semana em revista. Relatório Semanal 08/06/2015 Relatório Semanal 08/06/2015 A semana em revista No cenário doméstico, os principais destaques da semana foram os dados da Pesquisa Industrial Mensal e o resultado da reunião do COPOM. A produção industrial

Leia mais

Produto Interno Bruto - PIB Var. 12 meses contra 12 meses anteriores (%) Atividades selecionadas, 2016

Produto Interno Bruto - PIB Var. 12 meses contra 12 meses anteriores (%) Atividades selecionadas, 2016 Maio/2017 2ª edição Maio/2017 2ª edição 1 - Introdução O Boletim Economia em Foco, em sua segunda edição, traça um panorama da economia brasileira e fluminense por meio da análise de indicadores econômicos

Leia mais

BOLETIM ECONOMIA & TECNOLOGIA Informativo do Mês de Setembro de 2010

BOLETIM ECONOMIA & TECNOLOGIA Informativo do Mês de Setembro de 2010 O Informativo Mensal de Conjuntura faz parte das publicações e análises efetuadas pela equipe técnica do Boletim Economia & Tecnologia publicado trimestralmente. O Informativo apresenta uma análise rápida

Leia mais

INDX registra alta de 1,46% em Junho

INDX registra alta de 1,46% em Junho 15-abr-11 6-mai-11 27-mai-11 17-jun-11 8-jul-11 29-jul-11 19-ago-11 9-set-11 30-set-11 21-out-11 11-nov-11 2-dez-11 23-dez-11 13-jan-12 3-fev-12 24-fev-12 16-mar-12 6-abr-12 27-abr-12 18-mai-12 8-jun-12

Leia mais

Seminário de Análise Conjuntural. 10 de Dezembro de 2018

Seminário de Análise Conjuntural. 10 de Dezembro de 2018 Seminário de Análise Conjuntural 10 de Dezembro de 2018 1 Apresentações Abertura Armando Castelar Cenário internacional e política monetária José Júlio Senna Cenário Macro Silvia Matos Cenário Político

Leia mais

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO Mantidos os roteiros Seguindo o roteiro, o Copom manteve a taxa básica de juros inalterada em 6,5% a.a., em linha com as expectativas do mercado. Da mesma forma, o Federal Reserve manteve a taxa básica

Leia mais

JUNHO/2019 VAMOS DE DADOS? UMA VOLTA PELO BRASIL E SEUS PRINCIPAIS PARCEIROS COMERCIAIS FERNANDA CONSORTE

JUNHO/2019 VAMOS DE DADOS? UMA VOLTA PELO BRASIL E SEUS PRINCIPAIS PARCEIROS COMERCIAIS FERNANDA CONSORTE JUNHO/2019 VAMOS DE DADOS? UMA VOLTA PELO BRASIL E SEUS PRINCIPAIS PARCEIROS COMERCIAIS FERNANDA CONSORTE 2005.I 2005.IV 2006.III 2007.II 2008.I 2008.IV 2009.III 2010.II 2011.I 2011.IV 2012.III 2013.II

Leia mais

SUMÁRIO. Empresas no Simples. Inadimplência. Síntese. Inflação PIB. Crédito. Empreendedorismo. Juros. Expediente. Emprego. Confiança.

SUMÁRIO. Empresas no Simples. Inadimplência. Síntese. Inflação PIB. Crédito. Empreendedorismo. Juros. Expediente. Emprego. Confiança. Maio/2018 < > 02 SUMÁRIO Síntese Inflação 03 05 Empresas no Simples Inadimplência 09 PIB Juros 04 06 10 Exportações Confiança Emprego 07 08 11 Crédito 14 Empreendedorismo 13 Expediente Núcleo de Inteligência

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA. O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2006

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA. O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2006 NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2006 Lucas Lautert Dezordi * Guilherme R. S. Souza e Silva ** Introdução Esta seção do

Leia mais

PIB se mantém em queda pelo décimo primeiro trimestre consecutivo

PIB se mantém em queda pelo décimo primeiro trimestre consecutivo PIB se mantém em queda pelo décimo primeiro trimestre consecutivo Conforme apresentado na Figura 1, o PIB da economia brasileira vem apresentando queda desde o segundo trimestre de 2014. No quarto trimestre

Leia mais

Conjuntura. Boletim de REDUÇÃO DOS JUROS E AUMENTO DA LIQUIDEZ INDICAM PERSPECTIVAS MELHORES PARA PIB por setor de atividade, R$ Bilhões

Conjuntura. Boletim de REDUÇÃO DOS JUROS E AUMENTO DA LIQUIDEZ INDICAM PERSPECTIVAS MELHORES PARA PIB por setor de atividade, R$ Bilhões Setembro de 2017 REDUÇÃO DOS JUROS E AUMENTO DA LIQUIDEZ INDICAM PERSPECTIVAS MELHORES PARA 2017 PIB dos serviços O padrão de crescimento do PIB brasileiro melhorou consideravelmente no segundo trimestre

Leia mais

SUMÁRIO. Empresas no Simples 14. Inadimplência 09. Síntese 03. Inflação 05 PIB 04. Crédito 10. Empreendedorismo. Juros 06. Expediente.

SUMÁRIO. Empresas no Simples 14. Inadimplência 09. Síntese 03. Inflação 05 PIB 04. Crédito 10. Empreendedorismo. Juros 06. Expediente. Março/2018 SUMÁRIO < > 02 Síntese 03 Inflação 05 Inadimplência 09 Empresas no Simples 14 PIB 04 Juros 06 Crédito 10 Empreendedorismo 13 Expediente Núcleo de Inteligência Institucional da Unidade de Gestão

Leia mais

A recessão avança. Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Novembro/2015

A recessão avança. Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Novembro/2015 A recessão avança Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Novembro/2015 Este não é o final de ano que queríamos O retrato da economia Tempo fechado Para o Brasil retomar o crescimento é urgente que a

Leia mais

Boletim Macro IBRE. Seminário de Perspectivas para de Dezembro de 2017

Boletim Macro IBRE. Seminário de Perspectivas para de Dezembro de 2017 Seminário de Perspectivas para 2018 11 de Dezembro de 2017 1 APRESENTADORES PRINCIPAIS PONTOS De acordo com a datação do Codace (Comitê de Datação de Ciclos Econômicos), a atual recessão se iniciou no

Leia mais

186/15 02/12/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

186/15 02/12/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 186/15 02/12/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Novembro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Outubro

Leia mais

Red Econolatin Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin  Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Agosto 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

ATIVIDADE ECONÔMICA. Junho de 2009

ATIVIDADE ECONÔMICA. Junho de 2009 Principais pontos Relatório de Inflação Banco Central ATIVIDADE ECONÔMICA As medidas anticíclicas vêm se traduzindo em melhoras recentes. A economia brasileira apresenta sinais de gradual recuperação.

Leia mais

Workshop IBBA : Classe C

Workshop IBBA : Classe C (*) Veja última página para informações de investidor e completa listagem da equipe. Workshop IBBA : Classe C Ilan Goldfajn Economista-chefe Itaú Unibanco Roteiro Cenário internacional de ajuste de transações

Leia mais

Conjuntura econômica e perspectivas: Brasil e Bahia Superintendência de Desenvolvimento Industrial (SDI) Gerência de Estudos Técnicos

Conjuntura econômica e perspectivas: Brasil e Bahia Superintendência de Desenvolvimento Industrial (SDI) Gerência de Estudos Técnicos Conjuntura econômica e perspectivas: Brasil e Bahia Superintendência de Desenvolvimento Industrial (SDI) Gerência de Estudos Técnicos Data de fechamento: 24/04/2019 Indicadores Conjunturais da Economia

Leia mais