RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO"

Transcrição

1 1. IDENTIFICAÇÃO DO DESTINATÁRIO 1.1. Interessado CPRP - Gerência de Monitoramento de Relações entre Prestadoras 1.2. Responsável TIAGO BRAGA BORGO 1.3. Referência Fiscalização realizada em atendimento à Solicitação de Serviço de Fiscalização SSF, registrada na pasta nº RADARPVCPA disponível no Radar - Sistema de Gestão e Acompanhamento das Atividades de Fiscalização da Anatel. 2. OBJETO DA FISCALIZAÇÃO 2.1 ENTIDADE FISCALIZADA Nome YMPACTUS COMERCIAL LTDA - ME Serviço Endereço da Sede Serviço de Comunicação Multimídia - SCM Av. Nossa Senhora dos Navegantes, n sl e 2003, Ed. Petro Towers Bairro: Enseada do Suá Município: Vitória UF: ES 3. OBJETIVO DA FISCALIZAÇÃO Verificar se a empresa YMPACTUS COMERCIAL LTDA-ME (representante no Brasil da Telexfree) atua de forma irregular com relação ao serviço comercializado (VoIP). 4. INTRODUÇÃO 4.1. Fundamentação Legal A seguir estão citados os dispositivos legais que dão competência à Anatel e ao Agente de Fiscalização, para executar a fiscalização referenciada no item 1.3 supra.

2 Geral O presente trabalho se fundamenta no Parágrafo Único, do Artigo Primeiro, combinado com o Inciso XI do artigo 19, ambos da Lei Geral de Telecomunicações Nº 9.472, de 16 de Julho de 1997 (LGT) Funcional Os Agentes de Fiscalização relacionados no item 8, são titulares da competência para o exercício da atividade fiscalizadora de que trata o item anterior, bem como lhes são asseguradas as prerrogativas de promover a interdição de estabelecimentos, instalações ou equipamentos, assim como a apreensão de bens ou produtos, e de requisitar, quando necessário, o auxílio de força policial federal ou estadual, em caso de desacato ou embaraço ao exercício de suas funções, nos termos do Artigo Terceiro da Lei Nº , de 20 de maio de 2004, combinado com o Artigo 208 do Regimento Interno da Anatel, aprovado pela Resolução nº 270, de 19 de julho de Específico A fiscalização do objeto mencionado no item 2 deste Relatório, sem prejuízo das demais normas integrantes do ordenamento jurídico brasileiro, se fundamenta na seguinte regulamentação: Lei Geral de Telecomunicações nº 9.472, de 16 de julho de 1997; Regulamento dos Serviços de Telecomunicações, aprovado pela Resolução nº 73, de 25 de novembro de 1998; Regulamento do Serviço de Comunicação Multimídia, aprovado pela Resolução nº 272, de 9 de agosto de 2001; e Regulamento do Serviço de Comunicação Multimídia [NOVO], aprovado pela Resolução nº 614, de 28 de maio de Período de realização da Fiscalização 18/03/2013 à 31/05/ PROCEDIMENTOS APLICADOS Em atendimento ao documento referenciado no item 1.3, realizou-se no período citado no item 4.2, trabalho de fiscalização na YMPACTUS COMERCIAL LTDA - ME, na abrangência e profundidade requeridas pelo objetivo de tal solicitação, conforme a seguir demonstrado Procedimentos utilizados na obtenção de evidências Para obtenção de provas ou evidências adequadas e suficientes, que comprovem e fundamentem o objetivo da fiscalização descrito no item 3, foram adotados os seguintes procedimentos e técnicas de fiscalização, a seguir transcritos:

3 5.1.1 CONTEXTUALIZAÇÃO Trata-se a presente demanda da verificação sobre a situação da empresa YMPACTUS COMERCIAL LTDA perante a legislação de telecomunicações. A entidade é representante no Brasil da empresa americana TELEXFREE. A denúncia recebida pela Anatel questiona sobre a legalidade do serviço de telefonia comercializado pela TELEXFREE. Tal serviço se resume a um plano no valor de U$49,90 (cerca de R$100,00) mensais que dá ao usuário assinante o direito de ligar, a partir de um software instalado no computador, para qualquer número fixo ou móvel do Brasil, assim como para vários outros países. Maiores detalhes do plano constam no Anexo I, extraídos da página da empresa (www.telexfree.com). Desta feita, os fiscais iniciaram os trabalhos mediante pesquisas preliminares no site da empresa, assim como análise de reportagens diversas sobre o tema. Posteriormente, agendou-se uma reunião no dia 25/03/13, às 09h, na sede da empresa, situada no vigésimo andar do Ed. Petro Towers, na Av. Nossa Senhora dos Navegantes, n sl e Enseada do Suá - Vitória/ES. Ao se identificarem, os agentes de fiscalização foram recebidos pelo advogado da empresa, HORST FUCHS. Os fiscais questionaram sobre a ausência de CARLOS COSTA sócio proprietário da YMPACTUS uma vez que a reunião estava marcada com a sua presença. FUCHS argumentou que CARLOS COSTA estava em Brasília resolvendo outras pendências do Poder Público, mas que estava ali para prestar os devidos esclarecimentos que fossem necessários. A procuração contida no Anexo IV formaliza a condição de representante da empresa. FUCHS explicou que o serviço do plano oferecido é um software para ser instalado em qualquer computador, o qual permite ligações entre computadores ou do computador para qualquer celular ou fixo do Brasil, além de vários outros países. No ato da fiscalização foi realizada uma demonstração do funcionamento do serviço (chamada de PC para celular). Afirmou também que o usuário não recebe um número válido (recurso de numeração) e por isso não é possível receber chamadas de números fixos e/ou móveis, mas apenas originar ligações para estes a partir do aplicativo. Acrescentou ainda que não utiliza o sistema Call Back. Em suma, neste serviço o assinante liga de um telefone qualquer para o número da prestadora (ex: um 0800) insere sua senha e o número de telefone desejado, desligando em seguida. Logo após, o sistema interliga os terminais e o usuário recebe a chamada, não gerando custo para o assinante. Em pesquisa realizada nos sistemas internos da Agência (em 26/03/13), não foi encontrado nenhum cadastro com o CNPJ da YMPACTUS ( / ). No Anexo II consta o espelho do CNPJ da entidade, extraído do site da Receita Federal. Nota-se que o nome fantasia registrado é o mesmo da empresa norte-americana: TELEXFREE INC. Consta no Anexo III um vídeo do dia 15/03/2013, extraído do YouTube (http://www.youtube.com/watch?v=v_gsmza3cps), em que o próprio CARLOS COSTA apresentado como Diretor de Marketing da TELEXFREE explica o funcionamento da empresa,

4 abordando no trecho a partir de 2m25s o serviço de telefonia VoIP prestado. Destaque para o momento em que afirma que no Brasil não existe parceria com as operadoras de telefonia fixa e móvel, mas que ela existe apenas nos EUA. Ainda segundo CARLOS COSTA, a YMPACTUS tão somente administra o serviço no país, cabendo à empresa americana a comercialização. Alguns dias após a data da citada reunião, o representante (e advogado) da entidade HORST FUCHS entregou os seguintes documentos à fiscalização: Procuração Ympactus x Costa&Fuchs Advogados; Contrato Particular entre Ympactus x Telexfree; CNH de Carlos Costa; e 4ª Alteração Contratual da Ympactus. Todos esses documentos estão no Anexo IV. Sobre o Contrato Particular, observa-se que o objeto é prestação de serviços de divulgação da CONTRATADA para a CONTRATANTE e a cessão do uso da marca TELEXFREE da CONTRATANTE para a CONTRATADA. A 4ª Alteração Contratual traz o novo quadro societário da empresa, formado por Carlos Roberto Costa, Carlos Nathaniel Wanzeler e James Matthew Merril. Ainda, o último documento aponta o objetivo social da empresa: A sociedade tem por objetivo: - Intermediação e agenciamento de serviços e negócios em geral - CNAE: /04. - Portais, provedores de conteúdo e outros serviços de informação na internet CNAE: /00. Por fim, da análise dos documentos obtidos, constata-se que os proprietários da TELEXFREE INC. são os mesmos sócios da YMPACTUS: Carlos Roberto Costa, James Matthew Merril e Carlos Nathaniel Wanzeler, sendo este último, inclusive, o proprietário dos domínios na internet telexfree.com e telexfree.com.br. A pesquisa obtida na internet ("whois") comprova a propriedade dos domínios e consta no Anexo V. Nota-se ainda que, para o caso do domínio telexfree.com.br, aparece a entidade WORLDXCHANGE INTERMEDIAÇÃO E NEGÓCIOS LTDA, cuja 'ID' responsável consta o nome de Carlos Wanzeler, sócio-proprietário dessa empresa. Feito este introdutório, passamos a abordar o serviço de VoIP produto comercializado pela entidade e objeto dessa fiscalização SERVIÇO PRESTADO PELA TELEXFREE Para permitir um melhor esclarecimento do serviço comercializado foi agendada em 14/05/13 uma reunião na sede da Anatel/ES com a presença dos representantes da empresa ora fiscalizada (a Ata consta no Anexo VI). Anteriormente, foram realizadas pesquisas na internet e no site da entidade, além dos documentos obtidos com o representante da empresa. O produto comercializado permite realizar (originar) ligações a partir de um software instalado no computador. O usuário assinante faz o download do aplicativo e o instala em seu PC. Após inserir os dados cadastrais e senha, é possível ligar para qualquer fixo ou móvel do Brasil a partir do PC. Segundo aquilo que se verificou durante a atividade, somente é possível originar chamadas do aplicativo para terminais fixos e móveis. O software não recebe chamadas de outros terminais, salvo apenas aquelas ligações feitas de outros PCs, com o mesmo software instalado.

5 Segundo os representantes (vide Ata do Anexo VI), a empresa não presta o serviço de Call Back (comentado na seção 5.1.1) e não possui 0800 para tal. Não se obteve nenhuma prova material que contrariasse o relato dos representantes. Ainda conforme os esclarecimentos da reunião, os representantes afirmaram que a YMPACTUS responde de forma subsidiária por questões relacionadas ao serviço, inclusive perante o PROCON (se demandado) SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES E O SERVIÇO VoIP A Lei Geral de Telecomunicações (LGT), Lei n , de 16 de julho de 1997, estabelece que serviço de telecomunicações é o conjunto de atividades que possibilita a oferta de capacidade de transmissão, emissão ou recepção, por fio, radioeletricidade, meios ópticos ou qualquer outro processo eletromagnético, de símbolos, caracteres, sinais, escritos, imagens, sons ou informações de qualquer natureza. A oferta de capacidade de transmissão, emissão ou recepção de informações pressupõe a existência de uma infraestrutura de telecomunicações (ex.: cabo metálico; fibra óptica; radiofrequência, etc.), fornecida pela prestadora com o emprego de tecnologias diversas e que permita ao assinante telecomunicar-se. Nesse contexto a LGT estabelece que para a exploração de serviço de telecomunicações no Brasil, em regime privado, há a necessidade de uma autorização da Anatel (artigo 131, LGT). Isso significa que a empresa que pretenda explorar serviço de telecomunicações no País, seja para uso próprio, seja para prestação a terceiros, deverá obter previamente uma autorização da Anatel, que dê suporte à exploração da atividade. A LGT, por meio do seu artigo 61, define Serviço de Valor Adicionado (SVA) como a atividade que acrescenta, a um serviço de telecomunicações que lhe dá suporte e com o qual não se confunde, novas utilidades relacionadas ao acesso, armazenamento, apresentação, movimentação ou recuperação de informações. O SVA não constitui serviço de telecomunicações, classificando-se seu provedor como usuário do serviço de telecomunicações que lhe dá suporte, com os direitos e deveres inerentes a essa condição. Logo, para o provimento do SVA não se faz necessária uma autorização da Anatel. Nessa linha, é assegurado aos interessados o uso das redes de serviços de telecomunicações para prestação de serviços de valor adicionado, sem a necessidade de autorização emitida pela Anatel. Ou seja, o provedor de VoIP, quando caracterizado como SVA, poderá desenvolver atividade que acrescentará a um serviço de telecomunicações que lhe dará suporte a novas utilidades relacionadas ao acesso, armazenamento, apresentação, movimentação ou recuperação de informações. Dessa forma, à luz da legislação e da regulamentação do setor de telecomunicações, o provimento de aplicação utilizando a tecnologia VoIP pode ocorrer de duas formas distintas: como serviço de valor adicionado (artigo 61, LGT) ou como serviço de telecomunicações (artigo 60, LGT).

6 O VoIP (do inglês Voice over Internet Protocol) é uma tecnologia que usa a Internet ou as redes IP privadas como suporte para a comunicação de voz, substituindo ou complementando os sistemas de telefonia convencionais. O VoIP em si não é um serviço de telecomunicações (artigo 60 da LGT), mas sim uma tecnologia, e, como órgão regulador, a Anatel tem por diretriz não regulamentar tecnologias, mas apenas os serviços de telecomunicações que delas se utilizam. O que irá caracterizá-lo como um ou outro dependerá das condições de prestação. Vejamos a seguir: Se a comunicação de voz efetuada entre dois computadores pessoais ou similares utiliza programa (software) específico e recursos de áudio do próprio equipamento e com acesso limitado a usuários que possuam tal programa, não há configuração de um serviço de telecomunicações, mas Serviço de Valor Adicionado (SVA) que utiliza o acesso à Internet (rede do SCM) como meio para viabilizar a comunicação. Complementando o parágrafo anterior, um assinante de um serviço de telecomunicações (ex.: banda larga ADSL, 3G, etc.) pode contratar um provedor de VoIP e utilizar aquele serviço de telecomunicações como suporte para o uso de aplicação VoIP (restrito na internet). Neste caso específico, como o provedor de VoIP não prestará o serviço de telecomunicações, não haverá a necessidade de uma autorização da Anatel para o desenvolvimento da atividade que, neste caso, estará caracterizada como serviço de valor adicionado. Por outro lado, caso o provedor de VoIP forneça a infraestrutura e a respectiva capacidade de transmissão e recepção de informações ao assinante, estará provendo serviço de telecomunicações e precisará de uma autorização prévia da Anatel para desenvolver essa atividade. Se houver a comunicação de voz de forma irrestrita com acesso a usuários de outros serviços de telecomunicações, assim como da possibilidade do uso de numeração específica recurso este objeto de controle pelo órgão regulador brasileiro caracteriza-se aí um serviço de telecomunicações de interesse coletivo para o qual é imprescindível uma autorização prévia da Agência e cuja prestação deve estar em conformidade com a regulamentação da Anatel ANÁLISE DOS SERVIÇOS COMERCIALIZADOS Após a descrição dos serviços oferecidos pela entidade (5.1.2), passamos agora a abordar a legislação específica do setor de telecomunicações. Na seção anterior, abordou-se os preceitos da LGT. Quanto ao Regulamento do Serviço de Comunicação Multimídia (SCM), aprovado pela Resolução n. 272, de 9 de agosto de 2001 [ver NOTA ao final desta seção], este traz a sua definição conforme a transcrição a seguir: Art. 3º O Serviço de Comunicação Multimídia é um serviço fixo de telecomunicações de interesse coletivo, prestado em âmbito nacional e internacional, no regime privado, que possibilita a oferta de capacidade de transmissão, emissão e recepção de informações multimídia, utilizando quaisquer meios, a assinantes dentro de uma área de prestação de serviço. Parágrafo único. Distinguem-se do Serviço de Comunicação Multimídia, o Serviço Telefônico Fixo Comutado destinado ao uso do público em geral (STFC) e os serviços de comunicação eletrônica de massa, tais como o Serviço de Radiodifusão, o Serviço de TV a Cabo, o Serviço de Distribuição de Sinais Multiponto Multicanal (MMDS) e o Serviço de Distribuição de Sinais de Televisão e de Áudio por Assinatura via Satélite (DTH). (grifo adicionado)

7 O artigo 66 proíbe que o prestador de SCM oferte tráfego telefônico por meio da rede de SCM quando este é realizado simultaneamente originado e terminado nas redes do STFC: Art. 66. Na prestação do SCM não é permitida a oferta de serviço com as características do Serviço Telefônico Fixo Comutado destinado ao uso do público em geral (STFC), em especial o encaminhamento de tráfego telefônico por meio da rede de SCM simultaneamente originado e terminado nas redes do STFC. (grifo adicionado) Desta feita, caso o autorizado para o SCM não respeite essa regra, estará prestando então o STFC. Como no caso em tela não se observou esta modalidade, não podemos afirmar que a empresa pratica o STFC, mas sim o SCM. Afasta-se também esta afirmação (prestação do STFC) quando verificou-se que a entidade não utiliza recursos de numeração (o usuário do aplicativo não recebe um número válido). Outro ponto importante a ser observado é com relação ao curso das chamadas. Estas se originam no computador do assinante, sendo que em algum determinado momento sai da internet (rede do SCM) e entra na rede de telefonia pública fixa ou móvel (STFC ou SMP). Neste momento ocorre uma interconexão. Outras interconexões entre prestadoras podem ocorrer até a chamada chegar no terminal do assinante (dependerá de sua prestadora). Em relação à interconexão, cumpre esclarescer que somente prestadoras autorizadas de serviços de telecomunicações podem realizá-la. O texto a seguir traz a sua definição, extraída do artigo 3º - V do Regulamento Geral de Interconexão (Res. nº 410/2005): ligação de Redes de Telecomunicações funcionalmente compatíveis, de modo que os Usuários de serviços de uma das redes possam comunicar-se com Usuários de serviços de outra ou acessar serviços nela disponíveis. Salienta-se também a possibilidade da contratação de terceiros, por parte do autorizado do SCM, para o desenvolvimento de atividades relacionadas ao serviço, sem isentar-lhe das responsabilidades perante a Agência,conforme dispõe o artigo 48 do Regulamento do SCM: Art. 48. Constituem direitos da prestadora, além dos previstos na Lei n.º 9.472, de 1997, na regulamentação pertinente e os discriminados no termo de autorização para prestação do serviço: I - empregar equipamentos e infraestrutura que não lhe pertençam; II - contratar com terceiros o desenvolvimento de atividades inerentes, acessórias ou complementares ao serviço. 1º A prestadora, em qualquer caso, continuará responsável perante a Anatel e os assinantes pela prestação e execução do serviço. Neste ponto, após toda essa análise, façamos os seguintes questionamentos sob o ponto de vista do usuário: 1) Por alguma razão, caso o assinante não consiga realizar uma chamada, a quem ele irá recorrer? Obviamente uma prestadora autorizada não irá reconhecê-lo como usuário. Como a Anatel se posicionaria perante o caso?; 2) Caso o usuário não efetue o pagamento dessa mensalidade (pré-paga), seu serviço continuará liberado? Isto é, sem o 'crédito' pré-pago quitado, este usufruirá do serviço? Ora, é a própria entidade quem controla a liberação do serviço (realização das chamadas) para os usuários adimplentes ou inadimplentes, assim como o controle do tráfego de voz (contratado de terceiros).

8 A partir das informações prestadas pelos representantes da empresa na reunião ocorrida no dia 14/05/13 (Anexo VI), foi informado que a YMPACTUS responde de forma subsidiária pelo serviço. Ainda que a entidade tenha alegado manter contrato com empresa estrangeira ou terceiros para encaminhar as chamadas, e que esta possivelmente possui acordos de interconexão, quem efetivamente presta o serviço perante os usuários brasileiros é a empresa ora fiscalizada. Em outras palavras, não é permitido que uma empresa sem qualquer outorga da Agência contrate uma estrutura de telecomunicações de empresas autorizadas e passe a prestar um serviço de telecomunicações perante os usuários. O contrato firmado com o usuário, disponível no site da empresa (http://www.telexfree.com/public/file/contrato_prestacao_servicos.pdf) consta no Anexo VII. Ressalta-se o trecho da Cláusula Décima Segunda: A CONTRATANTE reconhece, por este instrumento, que a CONTRATADA, dada à natureza e as características, não constitui um Serviço Telefônico Fixo Comutado (STFC), e não tem como objetivo substituir o serviço de telefonia fixa e/ou móvel, tratando exclusivamente de encaminhamento de chamadas telefônicas pelo Sistema de Comunicação Multimídia (SCM), estando assim condicionado as instabilidades da Internet no Brasil e no mundo. NOTA: Cabe salientar que já na fase de conclusão do presente relatório foi publicado o novo Regulamento do SCM, aprovado pela Resolução nº 614, de 28/05/13, o qual passou a vigorar na data de sua publicação (31/05/2013), revogando a anterior (Res. nº 272/2001). Desta forma, fez-se uma análise dos dispositivos correlatos, envolvidos nesta fiscalização. Nota-se que pela nova norma, os itens abordados constam no artigo 3º e 41, transcritos a seguir: Art. 3º O SCM é um serviço fixo de telecomunicações de interesse coletivo, prestado em âmbito nacional e internacional, no regime privado, que possibilita a oferta de capacidade de transmissão, emissão e recepção de informações multimídia, permitindo inclusive o provimento de conexão à internet, utilizando quaisquer meios, a Assinantes dentro de uma Área de Prestação de Serviço. 1º A prestação do SCM não admite a transmissão, emissão e recepção de informações de qualquer natureza que possam configurar a prestação de serviços de radiodifusão, de televisão por assinatura ou de acesso condicionado, assim como o fornecimento de sinais de vídeos e áudio, de forma irrestrita e simultânea, para os Assinantes, na forma e condições previstas na regulamentação desses serviços. 2º Na prestação do SCM não é permitida a oferta de serviço com as características do Serviço Telefônico Fixo Comutado destinado ao uso do público em geral (STFC), em especial o encaminhamento de tráfego telefônico por meio da rede de SCM simultaneamente originado e terminado nas redes do STFC. (grifo adicionado) [...] Art. 41. Constituem direitos da Prestadora, além dos previstos na Lei nº 9.472, de 1997, na regulamentação pertinente e os discriminados no Termo de Autorização para prestação do serviço: I - empregar equipamentos e infraestrutura que não lhe pertençam; e, II - contratar com terceiros o desenvolvimento de atividades inerentes, acessórias ou complementares ao serviço. 1º A Prestadora, em qualquer caso, continua responsável perante a Anatel e os Assinantes pela prestação e execução do serviço.

9 5.2. Resultados obtidos: Diante de todo o exposto na seção 5.1, esta fiscalização entende que a empresa deveria possuir uma outorga de SCM, além de contratos de interconexão com as demais prestadoras de telefonia fixa e móvel para terminar suas chamadas no país. Não se trata de SVA (art. 61 da LGT), uma vez que as chamadas não estão restritas apenas à rede SCM utilizada pelo usuário (ligações entre softwares, PC <=> PC). Caso assim fosse, seria apenas um conteúdo trafegado sobre um serviço de internet previamente contratado pelo usuário (ex.: Velox, NET, GVT, etc.), sendo então caracterizado como SVA. Conforme consta na Ata da reunião de 14/05/13 (Anexo VI), os representantes da empresa solicitaram 15 dias para encaminhar documentos que fossem considerados pertinentes ao assunto. Até a data do fechamento desta atividade (05/06/2013), e já com 22 dias transcorridos, não foi apresentado nenhum documento Efeitos em relação ao objetivo da fiscalização: Dos resultados obtidos pela fiscalização, pode-se enumerar os seguintes efeitos: Para o serviço Dentro do escopo abordado, não se identificou irregularidades pertinentes ao SMP ou outro serviço de telecomunicações Para o usuário Garantir que os direitos dos usuários sejam preservados mediante a prestação de serviços por empresas devidamente regularizadas, com qualidade, dentro dos padrões e normas expedidas pela Agência quando for o caso Para a Administração Pública Ao atender à denúncia oriunda da sociedade, a Anatel cumpriu com seu papel de fiscalizar os serviços de telecomunicações Para a Administração do bem fiscalizado Buscou-se averiguar se havia prestação de serviço de telecomunicações (SCM, STFC ou SMP) de forma irregular por parte da empresa denunciada. Por tudo aquilo que foi exposto, não se identificou irregularidades Benefícios auferidos pelo infrator Receita auferida com a exploração comercial do serviço sem antes passar pelo devido processo de autorização do SCM, incluindo-se aí os custos da respectiva outorga.

10 6. CONCLUSÃO Diante dos fatos e documentos apresentados neste relatório, esta fiscalização conclui que a empresa fiscalizada deve possuir outorga do SCM para prestar o serviço ora comercializado Infrações e dispositivos infringidos Prestar e explorar o Serviço de Comunicação Multimídia (SCM) sem a devida Autorização expedida pela Anatel Art. 131 da LGT (Lei n /97) Possíveis Sanções: As possíveis sanções são aquelas previstas no art. 173 da LGT c/c o Regulamento de Aplicação de Sanções Administrativas, aprovado pela Resolução nº 589/ Possíveis Autuações: Como consequência das infrações constatadas, emitiu-se o Auto de Infração nº 0001ES e instaurou-se o Procedimento para Apuração de Descumprimento de Obrigações - PADO nº /2013. Por força do caput do artigo 173 c/c o artigo 183, ambos da LGT, será encaminhado à Polícia Federal o Termo de Representação para as providências cabíveis na esfera penal. 7. RELAÇÃO DE ANEXOS Anexo I Plano Telexfree Anexo II CNPJ Telexfree Anexo III Vídeo informativo Telexfree Anexo IV Documentos entregues pela Telexfree Anexo V Domínios (internet) Anexo VI Ata da Reunião de 14/05/13 Anexo VII Contrato de prestação do serviço 8. RESPONSÁVEIS PELA REALIZAÇÃO DO TRABALHO DANIEL QUINTÃO FERREIRA JOSIAS PEREIRA DE BARCELOS

11 ASSINATURAS Responsável pela confecção do relatório DANIEL QUINTÃO FERREIRA - UO021FI Responsável pela conferência do relatório MAXWEL DE SOUZA FREITAS - UO021 Responsável pela aprovação do relatório MAXWEL DE SOUZA FREITAS - UO021

12 RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO

SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA RODRIGO SANTANA DOS SANTOS ANATEL

SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA RODRIGO SANTANA DOS SANTOS ANATEL 1 SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA RODRIGO SANTANA DOS SANTOS ANATEL 2 Sumário Conceitos Gerais SCM em Números Proteção e Defesa de Direitos dos Assinantes Regulamentos em Estudo 3 Conceitos Gerais Lei

Leia mais

SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMIDIA (SCM)

SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMIDIA (SCM) Seminário O Projeto da Anatel para o Novo Cenário SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMIDIA (SCM) Luiz Tito Cerasoli Conselheiro Jarbas José Valente Superintendente de Serviços de Comunicação de Massa São Paulo,

Leia mais

Anatel. Regulamentação e Licenciamento para Cidades Digitais. Porto Alegre Wireless 3º Encontro Nacional de Banda Larga para Municípios

Anatel. Regulamentação e Licenciamento para Cidades Digitais. Porto Alegre Wireless 3º Encontro Nacional de Banda Larga para Municípios Anatel Regulamentação e Licenciamento para Cidades Digitais Porto Alegre Wireless 3º Encontro Nacional de Banda Larga para Municípios Porto Alegre, 4 de junho de 2009. Eng. Mauricio Peroni Especialista

Leia mais

Serviço de Comunicação Multimídia - SCM

Serviço de Comunicação Multimídia - SCM Serviço de Comunicação Multimídia - SCM Carlos Evangelista Gerência de Outorga e Licenciamento de Estações - ORLE Superintendência de Outorga e Recursos à Prestação - SOR Agência Nacional de Telecomunicações

Leia mais

CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO. Por Leonardo Mussi da Silva

CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO. Por Leonardo Mussi da Silva CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO Por Leonardo Mussi da Silva Evolução do sistema telefônico como tudo começou 1875 Alexander Graham Bell e Thomas Watson, em projeto dedicado a telegrafia, se depararam com

Leia mais

SCM Conceitos, Conflitos e sua Aplicação para VoIP

SCM Conceitos, Conflitos e sua Aplicação para VoIP SCM Conceitos, Conflitos e sua Aplicação para VoIP Este tutorial apresenta o conceito da licença de Serviço de Comunicação Multimídia (SCM), os conflitos com outros serviços de telecomunicações e sua aplicabilidade

Leia mais

TERMO DE SUBLICENCIAMENTO E AUTORIZAÇÃO DE USO DE SOFTWARE

TERMO DE SUBLICENCIAMENTO E AUTORIZAÇÃO DE USO DE SOFTWARE TERMO DE SUBLICENCIAMENTO E AUTORIZAÇÃO DE USO DE SOFTWARE GLOBAL VILLAGE TELECOM S.A., com sede na cidade de Maringá, estado do Paraná, na Rua João Paulino Vieira Filho, nº 752, 2º andar, Novo Centro,

Leia mais

LEI Nº 8.977, DE 6 DE JANEIRO DE 1995

LEI Nº 8.977, DE 6 DE JANEIRO DE 1995 LEI Nº 8.977, DE 6 DE JANEIRO DE 1995 Dispõe sobre o Serviço de TV a Cabo e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO

Leia mais

Painel IV Aspectos Jurídicos de VoIP. Prof. Dr. Cláudio R. M. Silva

Painel IV Aspectos Jurídicos de VoIP. Prof. Dr. Cláudio R. M. Silva Painel IV Aspectos Jurídicos de VoIP Prof. Dr. Cláudio R. M. Silva 1 Participantes * Cláudio Rodrigues Muniz da Silva DCO / UFRN; * Fabiano André de Sousa Mendonça DPUB / UFRN; * Lívio Peixoto do Nascimento

Leia mais

CAPÍTULO I OBJETO E ÁREA DE PRESTAÇÃO

CAPÍTULO I OBJETO E ÁREA DE PRESTAÇÃO TERMO DE AUTORIZAÇÃO Nº 94/2014/ORLE/SOR ANATEL TERMO DE AUTORIZAÇÃO PARA EXPLORAÇÃO DO SERVIÇO DE ACESSO CONDICIONADO, QUE ENTRE SI CELEBRAM A AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL E TELECOMUNICACOES

Leia mais

CAPÍTULO I OBJETO E ÁREA DE PRESTAÇÃO

CAPÍTULO I OBJETO E ÁREA DE PRESTAÇÃO TERMO DE AUTORIZAÇÃO Nº 33/2015/ORLE/SOR ANATEL TERMO DE AUTORIZAÇÃO PARA EXPLORAÇÃO DO SERVIÇO DE ACESSO CONDICIONADO, QUE ENTRE SI CELEBRAM A AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL E OXMAN TECNOLOGIA

Leia mais

Contrato de Adesão CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC)

Contrato de Adesão CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC) Contrato de Adesão CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC) O texto deste Contrato foi submetido à aprovação da Agência Nacional de Telecomunicações - ANATEL, estando sujeito a

Leia mais

O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo

O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo 1 Lara Haje Laboratório de Políticas de Comunicação (LaPCom)

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. TELEBRÁS

TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. TELEBRÁS PÁG. 1 DE 13 PRÁTICA DE SERVIÇO DE BANDA LARGA REQUISITOS MÍNIMOS PARA OS PRESTADORES DE SERVIÇO DO PROGRAMA NACIONAL DE BANDA LARGA - PNBL Sumário 1.OBJETIVO... 2 2.CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 3.DEFINIÇÕES...

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 247, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2000

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 247, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2000 ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 247, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2000 REGULAMENTO PARA ARRECADAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO DAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARA O FUNDO DE UNIVERSALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

A Regulação dos Serviços de Telecomunicações Convergentes para a Inclusão Social

A Regulação dos Serviços de Telecomunicações Convergentes para a Inclusão Social A Regulação dos Serviços de Telecomunicações Convergentes para a Inclusão Social 50 0 PAINEL TELEBRASIL 2006 Angra dos Reis, RJ, 2 de junho de 2006 José Leite Pereira Filho Conselheiro Diretor Conselheiro

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014 Institui a Política de Integração e Segurança da Informação do Sistema de Cadastro Ambiental Rural e dá outras providências. A MINISTRA DE ESTADO DO

Leia mais

NORMA SOBRE REGISTRO DE INTENÇÃO DE DOAÇÃO A INSTITUIÇÃO DE UTILIDADE PÚBLICA, UTILIZANDO SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES

NORMA SOBRE REGISTRO DE INTENÇÃO DE DOAÇÃO A INSTITUIÇÃO DE UTILIDADE PÚBLICA, UTILIZANDO SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES NORMA SOBRE REGISTRO DE INTENÇÃO DE DOAÇÃO A INSTITUIÇÃO DE UTILIDADE PÚBLICA, UTILIZANDO SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES 1 - DO OBJETIVO 1.1. Esta Norma tem por objetivo estabelecer condições para prestação

Leia mais

VoIP e sua Inserção no Ambiente Regulatório Hoje

VoIP e sua Inserção no Ambiente Regulatório Hoje VoIP e sua Inserção no Ambiente Regulatório Hoje Este tutorial apresenta uma visão do ponto de vista técnico e regulatório da tecnologia VoIP, que transforma o serviço de Voz tradicional num serviço que

Leia mais

OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SMI/Nº 1/2015 São Paulo, 8 de janeiro de 2015

OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SMI/Nº 1/2015 São Paulo, 8 de janeiro de 2015 OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SMI/Nº 1/2015 São Paulo, 8 de janeiro de 2015 Aos Custodiantes de Valores Mobiliários ( custodiantes ) Assunto: Adaptação à Instrução CVM Nº 542/2013 Prezados Senhores, 1. Nos termos

Leia mais

9R]VREUH,35HJXODomRDFDPLQKR

9R]VREUH,35HJXODomRDFDPLQKR Š%XVFD/HJLVFFMXIVFEU 9R]VREUH,35HJXODomRDFDPLQKR 5RGQH\GH&DVWUR3HL[RWR A comunicação na Internet se estabelece a partir de um SURWRFROR. O termo deriva do grego SURWRFROORQ ( uma folha de papel colada

Leia mais

SENADO FEDERAL CONSULTORIA LEGISLATIVA

SENADO FEDERAL CONSULTORIA LEGISLATIVA SENADO FEDERAL CONSULTORIA LEGISLATIVA NOTA TÉCNICA Nº 812, DE 2003 Referente à STC nº 200302750, da Secretaria- Geral da Mesa, que solicita, a pedido do Conselho de Comunicação Social, a elaboração de

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA - CCTCI

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA - CCTCI COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA - CCTCI PROJETO DE LEI Nº 6835, DE 2010 Dispõe sobre a obrigatoriedade de instalação de pontos de acesso sem fio à Internet nas ERB Estações

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA N 31, DE 31 DE JULHO DE 2009

CONSULTA PÚBLICA N 31, DE 31 DE JULHO DE 2009 CONSULTA PÚBLICA N 31, DE 31 DE JULHO DE 2009 Proposta de Alteração do Regulamento sobre Condições de Uso de 2.690 MHz. O CONSELHO DIRETOR DA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES, no uso das atribuições

Leia mais

PROJETO DE LEI N., DE DE FEVEREIRO DE 2007. (Do Senhor Dep. Paulo Bornhausen) CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS

PROJETO DE LEI N., DE DE FEVEREIRO DE 2007. (Do Senhor Dep. Paulo Bornhausen) CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS PROJETO DE LEI N., DE DE FEVEREIRO DE 2007. (Do Senhor Dep. Paulo Bornhausen) Dispõe sobre a organização e exploração das atividades de comunicação social eletrônica e dá outras providências. CAPÍTULO

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0115/2006

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0115/2006 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0115/2006 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. João Maia)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. João Maia) PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. João Maia) Dispõe sobre o serviço de comunicação eletrônica de massa e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1 Para fins desta lei e da sua regulamentação,

Leia mais

Legislação de Telecomunicações

Legislação de Telecomunicações Legislação de Telecomunicações Objetivos Conhecer sobre a entidade responsável pela regulamentação na área Como o orgão legislador influência a área de redes Saber definir o que vem a ser serviço de valor

Leia mais

A oferta será realizada pela VIVO nas seguintes condições:

A oferta será realizada pela VIVO nas seguintes condições: REGULAMENTO Duo Negócios A oferta será realizada pela VIVO nas seguintes condições: 1. Das Definições Para esta, aplicam-se as seguintes definições: 1.1. : Oferta especial para a aquisição dos produtos

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado (CCT)

AUDIÊNCIA PÚBLICA. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado (CCT) AUDIÊNCIA PÚBLICA Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado (CCT) Assunto INFORMAÇÕES ACERCA DA APROVAÇÃO PELA AGÊNCIA REGULADORA DE LICENÇA PARA A TELEFÔNICA PRESTAR

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0135/2007

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0135/2007 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0135/2007 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFRA ESTRUTRA E DE TELEFONIA.

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFRA ESTRUTRA E DE TELEFONIA. CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFRA ESTRUTRA E DE TELEFONIA. Pelo presente instrumento particular de Contrato de Prestação de Serviços de Telefonia (doravante designado simplesmente Contrato ) o

Leia mais

CONTRATO DE LICENÇA DE USO DE SOFTWARE

CONTRATO DE LICENÇA DE USO DE SOFTWARE CONTRATO DE LICENÇA DE USO DE SOFTWARE Ao aceitar eletronicamente este contrato, depois de aceito todas as condições do contrato, o cliente estará automaticamente aderindo e concordando com todos os termos

Leia mais

Câmara dos Deputados Comissão de Defesa do Consumidor. - Serviço de TV por Assinatura -

Câmara dos Deputados Comissão de Defesa do Consumidor. - Serviço de TV por Assinatura - Agência Nacional de Telecomunicações Superintendência de Serviços de Comunicação de Massa Câmara dos Deputados Comissão de Defesa do Consumidor - Serviço de TV por Assinatura - Ara Apkar Minassian Superintendente

Leia mais

4. O QUANDO QUISER não possui qualquer responsabilidade pelo CONTEÚDO existente no SITE do ANUNCIANTE;

4. O QUANDO QUISER não possui qualquer responsabilidade pelo CONTEÚDO existente no SITE do ANUNCIANTE; TERMO DE USO DO QUANDO QUISER O presente TERMO DE USO regula as condições gerais de uso dos serviços oferecidos pelo QUANDO QUISER (www.quandoquiser.com.br), da empresa N. O. S. SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO

Leia mais

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO Fale Light PLANO ALTERNATIVO N 068 - LC

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO Fale Light PLANO ALTERNATIVO N 068 - LC PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO Fale Light PLANO ALTERNATIVO N 068 - LC Empresa Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. EMBRATEL. Nome do Plano Plano Fale Light PAS 068 Modalidade do STFC Local. Descrição

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 13, DE 08 DE MAIO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 13, DE 08 DE MAIO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 13, DE 08 DE MAIO DE 2014. Estabelece as diretrizes e os critérios para requerimento e obtenção de outorga do direito de uso dos recursos hídricos por meio de caminhão-pipa em corpos de água

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RESOLUÇÃO N. 20 DE 9 DE AGOSTO DE 2012. Dispõe sobre a certificação digital no Superior Tribunal de Justiça e dá outras providências. O PRESIDENTE DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA, usando da atribuição

Leia mais

ANEXO I TERMO PVST / SPV N.º 131/2008 ANATEL

ANEXO I TERMO PVST / SPV N.º 131/2008 ANATEL ANEXO I TERMO PVST / SPV N.º 131/2008 ANATEL TERMO DE AUTORIZAÇÃO PARA EXPLORAÇÃO DO SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA, DE INTERESSE COLETIVO, QUE ENTRE SI CELEBRAM A AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO NET FONE VIA EMBRATEL PLANO ALTERANTIVO N 036 - LC

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO NET FONE VIA EMBRATEL PLANO ALTERANTIVO N 036 - LC PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO NET FONE VIA EMBRATEL PLANO ALTERANTIVO N 036 - LC Empresa Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. EMBRATEL. Nome do Plano Plano NET FONE VIA EMBRATEL PAS 036 Modalidade

Leia mais

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 497, DE 3 DE JUNHO DE 2011, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 515/11.

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 497, DE 3 DE JUNHO DE 2011, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 515/11. TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 497, DE 3 DE JUNHO DE 2011, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 515/11. Dispõe sobre a atividade de agente autônomo de investimento. A PRESIDENTE DA

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 057/2009

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 057/2009 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 057/2009 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

PORTARIA N 1279, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010

PORTARIA N 1279, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010 PORTARIA N 1279, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010 O DIRETOR DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE TRÂNSITO - DENATRAN, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 19 da Lei nº. 9.503, de 23 de setembro de 1997, que instituiu

Leia mais

Bibliografia. Termos comuns em VoIp. Termos comuns em VoIp. Programa de Telecomunicações

Bibliografia. Termos comuns em VoIp. Termos comuns em VoIp. Programa de Telecomunicações Introdução a conceitos de hardware e software de computador. Introdução a sistemas operacionais: Microsoft Windows e Linux. Conceitos básicos e utilização de aplicativos para edição de textos, planilhas

Leia mais

ÂMBITO E FINALIDADE DAS DEFINIÇÕES INICIAIS

ÂMBITO E FINALIDADE DAS DEFINIÇÕES INICIAIS Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas em bolsas e mercados de balcão organizado por meio da rede mundial de computadores e dá outras providências. O PRESIDENTE DA

Leia mais

PROJETO BÁSICO. Serviço de Comunicação Multimídia

PROJETO BÁSICO. Serviço de Comunicação Multimídia PROJETO BÁSICO Serviço de Comunicação Multimídia xxxxxxxxxx, xx de xxxxx de 2009 PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. n 272 da Anatel - SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) O B J E T O SOLICITAÇÃO DE

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0162/2006

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0162/2006 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0162/2006 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

Convergência e direito do consumidor. Estela Waksberg Guerrini Idec

Convergência e direito do consumidor. Estela Waksberg Guerrini Idec 1 Convergência e direito do consumidor Estela Waksberg Guerrini Idec Como fica o consumidor no ambiente de convergência, quando a regulação não acompanha as mudanças na oferta de serviços? 2 3 Uma empresa

Leia mais

COMERCIAL CABO TV SÃO PAULO LTDA

COMERCIAL CABO TV SÃO PAULO LTDA São Paulo, 16 de outubro de 1998 À Agência Nacional de Telecomunicações Superintendência de Serviços de Comunicação de Massa SAS - Quadra 06 - Bloco H - 2º andar - Biblioteca 70313-900 - Brasília - DF

Leia mais

Regulamento Oferta LIVE TIM Empresas 16/12/2013 a 31/03/2015

Regulamento Oferta LIVE TIM Empresas 16/12/2013 a 31/03/2015 Regulamento Oferta LIVE TIM Empresas 16/12/2013 a 31/03/2015 1. INTRODUÇÃO 1.1 Esta Promoção é realizada pela TIM Celular S/A, prestadora de SCM, com sede na Avenida Giovanni Gronchi, número 7.143, Cidade

Leia mais

MANUAL DA EMPRESA DESENVOLVEDORA DE PROGRAMA APLICATIVO FISCAL - PAF-ECF (RESPONSÁVEL TÉCNICO)

MANUAL DA EMPRESA DESENVOLVEDORA DE PROGRAMA APLICATIVO FISCAL - PAF-ECF (RESPONSÁVEL TÉCNICO) SECRETARIA DA FAZENDA DE GOIÁS SUPERINTENDÊNCIA DA RECEITA ESTADUAL GEAF - GERÊNCIA DE ARRECADAÇÃO E FISCALIZAÇÃO COAF - COORDENAÇÃO DE AUTOMAÇÃO FISCAL MANUAL DA EMPRESA DESENVOLVEDORA DE PROGRAMA APLICATIVO

Leia mais

PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. nº 272 da Anatel SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) OBJETO

PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. nº 272 da Anatel SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) OBJETO PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. nº 272 da Anatel SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) OBJETO OUTORGA DE SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA SCM sendo um serviço fixo de telecomunicações de interesse

Leia mais

PROJETO DE LEI N O, DE 2007. (Do Sr. MICHEL TEMER)

PROJETO DE LEI N O, DE 2007. (Do Sr. MICHEL TEMER) PROJETO DE LEI N O, DE 2007. (Do Sr. MICHEL TEMER) Dispõe sobre as empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança e dá outras Providências. O Congresso nacional decreta: CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

Sessão de 16 de dezembro de 2015 RECURSO Nº - 61.641 ACÓRDÃO Nº 14.396 RECORRENTE CENTRO EDUCACIONAL NOSSA SENHORA AUXILIADORA

Sessão de 16 de dezembro de 2015 RECURSO Nº - 61.641 ACÓRDÃO Nº 14.396 RECORRENTE CENTRO EDUCACIONAL NOSSA SENHORA AUXILIADORA PUBLICAÇÃO DA DECISÃO DO ACÓRDÃO No D.O. 14 / 03 / 2016 Fls.: 08 SERVIÇO PÚBLICO ESTADUAL Rubrica: ID 42833175 Sessão de 16 de dezembro de 2015 SEGUNDA CÂMARA RECURSO Nº - 61.641 ACÓRDÃO Nº 14.396 INSCRIÇÃO

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES RESOLUÇÃO CFC N.º 1.166/09 Dispõe sobre o Registro Cadastral das Organizações Contábeis. regimentais, O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e RESOLVE: CAPÍTULO I

Leia mais

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO COMBO TRIO COM VIVO FIXO VOIP

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO COMBO TRIO COM VIVO FIXO VOIP REGULAMENTO DA PROMOÇÃO COMBO TRIO COM VIVO FIXO VOIP Esta Promoção é realizada pela Vivo, nas seguintes condições. 1. Das Definições A promoção decorre de oferta conjunta de serviços convergentes de telecomunicações

Leia mais

I PARTE (SERVIÇOS DIÁRIOS) II PARTE (ENSINO E INSTRUÇÃO) III PARTE (ASSUNTOS GERAIS E ADMINISTRATIVOS)

I PARTE (SERVIÇOS DIÁRIOS) II PARTE (ENSINO E INSTRUÇÃO) III PARTE (ASSUNTOS GERAIS E ADMINISTRATIVOS) GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA E DEFESA SOCIAL POLÍCIA MILITAR DO PARÁ AJUDÂNCIA GERAL ADITAMENTO AO BG Nº 064 03 ABR 2012 Para conhecimento dos Órgãos subordinados

Leia mais

II Semana de Engenharia de Telecomunicações - SETEL - 2013

II Semana de Engenharia de Telecomunicações - SETEL - 2013 II Semana de Engenharia de Telecomunicações - SETEL - 2013 Lívio Peixoto do Nascimento Gerente Anatel/RN UFRN Natal - RN Outubro/2013 Agenda Convergência Tecnológica Evolução dos Marcos Regulatórios Avaliação

Leia mais

CONTRATO DE ACESSO AO IEPREV ON LINE

CONTRATO DE ACESSO AO IEPREV ON LINE CONTRATO DE ACESSO AO IEPREV ON LINE Pelo presente instrumento particular entre as partes, de um lado o Instituto de Estudos Previdenciários IEPREV, com endereço na Rua Timbiras, 1940, salas 510, 511 e

Leia mais

Resolução nº 194 RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004.

Resolução nº 194 RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004. RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004. APROVA A NORMA PARA A HOMOLOGAÇÃO DE ACORDO OPERACIONAL ENTRE EMPRESAS BRASILEIRAS E ESTRANGEIRAS DE NAVEGAÇÃO PARA TROCA DE ESPAÇOS NO TRANSPORTE MARÍTIMO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO MATEUS ESTADO DO ESPÍRITO SANTO GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO MATEUS ESTADO DO ESPÍRITO SANTO GABINETE DO PREFEITO 1 LEI Nº. 949/2010 INSTITUI A NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS E DISPÕE SOBRE A DECLARAÇÃO MENSAL DO IMPOSTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA - ISSQN. O Prefeito Municipal de São Mateus,

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 389, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 (Em vigor a partir de 01/01/2016) Dispõe sobre a transparência das informações no âmbito da saúde suplementar, estabelece a obrigatoriedade da

Leia mais

TERMO DE ADESÃO/ REGULAMENTO OFERTA CABO FONE MAIS

TERMO DE ADESÃO/ REGULAMENTO OFERTA CABO FONE MAIS TERMO DE ADESÃO/ REGULAMENTO OFERTA CABO FONE MAIS CABO SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES LTDA., pessoa jurídica de direito privado, com sede na Rua Senador José Ferreira de Souza nº 1916 Bairro Candelária,

Leia mais

PLANO BÁSICO LOCAL- PB01

PLANO BÁSICO LOCAL- PB01 PLANO BÁSICO LOCAL- PB01 1. EMPRESA ALPHA NOBILIS CONSULTORIA E SERVIÇOS LTDA. - BRASTEL 2. NOME DO PLANO Plano Básico Local 3. MODALIDADE DO STFC COBERTA Local. 4. DESCRIÇÃO RESUMIDA Habilitação: é o

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça EMBARGOS DE DIVERGÊNCIA EM RESP Nº 456.650 - PR (2003/0223462-0) RELATOR : MINISTRO JOSÉ DELGADO R.P/ACÓRDÃO : MINISTRO FRANCIULLI NETTO EMBARGANTE : ESTADO DO PARANÁ PROCURADOR : CÉSAR AUGUSTO BINDER

Leia mais

TERMO DE ADESÃO AO OI GESTOR MÓVEL

TERMO DE ADESÃO AO OI GESTOR MÓVEL TERMO DE ADESÃO AO OI GESTOR MÓVEL TNL PCS S.A., sociedade anônima, autorizatária para a exploração do Serviço Móvel Pessoal (SMP), com sede na Cidade do Rio de Janeiro, Estado do Rio de Janeiro, na Rua

Leia mais

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO COMBO TRIO

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO COMBO TRIO REGULAMENTO DA PROMOÇÃO COMBO TRIO Esta Promoção é realizada pela COMERCIAL CABO TV SÃO PAULO S/A, com sede na Capital do Estado de São Paulo, na Rua Dr. Rafael de Barros, 209 8º andar Bairro Paraíso e

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO COMARCA DE SÃO PAULO FORO CENTRAL - FAZENDA PÚBLICA/ACIDENTES 8ª VARA DE FAZENDA PÚBLICA

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO COMARCA DE SÃO PAULO FORO CENTRAL - FAZENDA PÚBLICA/ACIDENTES 8ª VARA DE FAZENDA PÚBLICA fls. 1 SENTENÇA Processo nº: Impetrante: Impetrado: 1013166-69.2013.8.26.0053 - Mandado de Segurança HELLO BRAZIL TELECOMUCICAÇÕES LTDA. DIRETOR DO DEPARTAMENTO DE RENDAS MOBILIARIAS DA SECRETARIA DAS

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO Pelo presente instrumento, de um lado HERÁCLITO PEREIRA GUEDES-ME, (TURBÃONET), empresa situada no município de Aparecida de Goiânia-GO, Praça A- 2, Quadra 219, Lote 04,

Leia mais

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO Promoção Especial para Funcionários COOPERFEMSA

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO Promoção Especial para Funcionários COOPERFEMSA REGULAMENTO DA PROMOÇÃO Promoção Especial para Funcionários COOPERFEMSA Esta Promoção é realizada pela COMERCIAL CABO TV SÃO PAULO S/A, com sede na Capital do Estado de São Paulo, na Rua Dr. Rafael de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2015.

RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2015. RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2015. Estabelece as informações contábeis e societárias a serem apresentadas pelas Concessionárias de Serviço Público de Infraestrutura Aeroportuária e pelos administradores dos

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Direto. Direito Administrativo 3 Serviço Telefônico Fixo Comutado (STFC)

Universidade de Brasília Faculdade de Direto. Direito Administrativo 3 Serviço Telefônico Fixo Comutado (STFC) Universidade de Brasília Faculdade de Direto Direito Administrativo 3 Serviço Telefônico Fixo Comutado (STFC) Débora Bosco 13/0061509 Igor Martins Silva 13/0028258 Luiz Claudio Gomes da Silva Junior 12/0127164

Leia mais

PORTARIA Nº 126, DE 12 DE MARÇO DE 2014.

PORTARIA Nº 126, DE 12 DE MARÇO DE 2014. PORTARIA Nº 126, DE 12 DE MARÇO DE 2014. Dispõe sobre a implantação e o funcionamento do processo eletrônico no âmbito do Ministério das Comunicações. O MINISTRO DE ESTADO DAS COMUNICAÇÕES, no uso das

Leia mais

TERMO DE SUBLICENCIAMENTO E AUTORIZAÇÃO DE USO DE SOFTWARE

TERMO DE SUBLICENCIAMENTO E AUTORIZAÇÃO DE USO DE SOFTWARE TERMO DE SUBLICENCIAMENTO E AUTORIZAÇÃO DE USO DE SOFTWARE GLOBAL VILLAGE TELECOM S.A., com sede na cidade de Maringá, estado do Paraná, na Rua João Paulino Vieira Filho, nº 752, 2º andar, Novo Centro,

Leia mais

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 494, de 2008

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 494, de 2008 1 Disciplina a forma, os prazos e os meios de preservação e transferência de dados informáticos mantidos por fornecedores de serviço a autoridades públicas, para fins de investigação de crimes praticados

Leia mais

TERMO DE USO - SERVIÇO VIVO TORPEDO LEMBRETE

TERMO DE USO - SERVIÇO VIVO TORPEDO LEMBRETE TERMO DE USO - SERVIÇO VIVO TORPEDO LEMBRETE 1. OBJETO: 1.1. O presente Instrumento tem por objeto regular a o acesso e a utilização do serviço VIVO Torpedo Lembrete (doravante VIVO Torpedo Lembrete ),

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-602-R00

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-602-R00 MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-602-R00 AUTOS DE INFRAÇÃO E MULTAS 03/2014 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 Brasília, 17 de março de 2014. Aprovado, Fabio Faizi Rahnemay Rabbani 3 PÁGINA INTENCIONALMENTE

Leia mais

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO 088-LC

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO 088-LC PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO 088-LC Empresa Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. EMBRATEL. Nome do Plano Via Fone Fale Simples Modalidade do STFC Local. Descrição Resumida A adesão a este plano

Leia mais

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 490, DE 24 DE JANEIRO DE 2008 REGULAMENTO DE CONSELHO DE USUÁRIOS DO STFC CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Este Regulamento estabelece as regras básicas para implantação,

Leia mais

REGULAMENTO DA OFERTA TIM CASA FIXO BRASIL + MÓVEL TIM BRASIL (1/9/2015 a 20/12/2015)

REGULAMENTO DA OFERTA TIM CASA FIXO BRASIL + MÓVEL TIM BRASIL (1/9/2015 a 20/12/2015) REGULAMENTO DA OFERTA TIM CASA FIXO BRASIL + MÓVEL TIM BRASIL (1/9/2015 a 20/12/2015) Empresa Participante: INTELIG TELECOMUNICAÇÕES LTDA., com sede na Rua Fonseca Teles, nº 18, A30, bloco B, Térreo, São

Leia mais

MANUAL DA EMPRESA DESENVOLVEDORA DE PROGRAMA APLICATIVO FISCAL - PAF-ECF

MANUAL DA EMPRESA DESENVOLVEDORA DE PROGRAMA APLICATIVO FISCAL - PAF-ECF SECRETARIA DA FAZENDA DE GOIÁS SUPERINTENDÊNCIA DA RECEITA ESTADUAL GEAF - GERÊNCIA DE ARRECADAÇÃO E FISCALIZAÇÃO COAF - COORDENAÇÃO DE AUTOMAÇÃO FISCAL MANUAL DA EMPRESA DESENVOLVEDORA DE PROGRAMA APLICATIVO

Leia mais

REGULAMENTO. "Promoção Fale Fixo Ilimitado Preferidos Claro" EMBRATEL S.A. e NET SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO S.A.

REGULAMENTO. Promoção Fale Fixo Ilimitado Preferidos Claro EMBRATEL S.A. e NET SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO S.A. REGULAMENTO "Promoção Fale Fixo Ilimitado Preferidos Claro" EMBRATEL S.A. e NET SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO S.A. 1. Este regulamento é exclusivo para a "Promoção Fale Fixo Ilimitado e Preferidos Claro realizada

Leia mais

CONTRATO DE ADESÃO AO PLANO ALTERNATIVO PLANO SUPER LIGAÇÃO 15 TARIFA ÚNICA TODO DIA TODA HORA

CONTRATO DE ADESÃO AO PLANO ALTERNATIVO PLANO SUPER LIGAÇÃO 15 TARIFA ÚNICA TODO DIA TODA HORA CONTRATO DE ADESÃO AO PLANO ALTERNATIVO PLANO SUPER LIGAÇÃO 15 TARIFA ÚNICA TODO DIA TODA HORA Por este instrumento, em que são partes: de um lado a TELEFÔNICA BRASIL S.A., concessionária do Serviço Telefônico

Leia mais

TERMO DE ADESÃO AOS SERVIÇOS DE ACESSO A INTERNET (SCM)

TERMO DE ADESÃO AOS SERVIÇOS DE ACESSO A INTERNET (SCM) TERMO DE ADESÃO AOS SERVIÇOS DE ACESSO A INTERNET (SCM) Pelo presente instrumento, de um lado TURBO 10 TELECOMUNICAÇÕES LTDA sociedade com sede na R. CURITIBA 1626 SALA 2 CENTRO CÉU AZUL - PR, inscrita

Leia mais

PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE Nº DE 2014 (Do Sr. Luiz Fernando Machado)

PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE Nº DE 2014 (Do Sr. Luiz Fernando Machado) PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE Nº DE 2014 (Do Sr. Luiz Fernando Machado) Propõe que a Comissão de Fiscalização Financeira e Controle com o auxílio do Tribunal de Contas da União e do Ministério Público

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS & RECURSOS HUMANOS IPEA, 21 de MAIO de 2014 - EXTRA Nº 05 INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA

GESTÃO DE PESSOAS & RECURSOS HUMANOS IPEA, 21 de MAIO de 2014 - EXTRA Nº 05 INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA Boletim GESTÃO DE PESSOAS & RECURSOS HUMANOS IPEA, 21 de MAIO de 2014 - EXTRA Nº 05 INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA nº 078, DE 20 DE MAIO DE 2014. Institui a sala de pesquisa em dados

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

A disciplina jurídica da banda larga no Brasil à luz das experiências estadunidense e europeia.

A disciplina jurídica da banda larga no Brasil à luz das experiências estadunidense e europeia. A disciplina jurídica da banda larga no Brasil à luz das experiências estadunidense e europeia. Victor Epitácio Cravo Teixeira Mestrando em Direito Universidade de Brasília UnB Objetivo Analisar o tratamento

Leia mais

REGULAMENTO. Promoção Forme o Seu TRIO

REGULAMENTO. Promoção Forme o Seu TRIO REGULAMENTO Promoção Forme o Seu TRIO Esta Promoção é realizada pela TELECOMUNICAÇÕES DE SÃO PAULO S/A Telesp, com sede na Rua Martiniano de Carvalho, 851, São Paulo/SP, CNPJ/MF nº 02.558.157/001-62, (doravante

Leia mais

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO 093-LC

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO 093-LC PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO 093-LC Empresa Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. EMBRATEL. Nome do Plano Plano 093 Local Modalidade do STFC Local. Descrição Resumida A adesão a este plano de serviço

Leia mais

RESPOSTA A PEDIDO DE IMPUGNAÇÃO

RESPOSTA A PEDIDO DE IMPUGNAÇÃO RESPOSTA A PEDIDO DE IMPUGNAÇÃO Trata-se de resposta a pedido de impugnação apresentado pela sociedade empresária INCORP TECHNOLOGY INFORMÁTICA LTDA EPP, referente ao Edital de Pregão Eletrônico n.º 21/2014.

Leia mais

PORTARIA SSER N.º 17 DE 28 DE SETEMBRO DE 2009

PORTARIA SSER N.º 17 DE 28 DE SETEMBRO DE 2009 Portaria SSER Publicada no D.O.E. de 29.09.2009, pág. 05 Este texto não substitui o publicado no D.O.E Índice Remissivo: Letra E - Emissor de Cupom Fiscal (ECF) PORTARIA SSER N.º 17 DE 28 DE SETEMBRO DE

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES CONSELHO DIRETOR RESOLUÇÃO No- 623, DE 18 DE OUTUBRO DE 2013 Aprova o Regulamento de Conselho de Usuários. O CONSELHO DIRETOR DA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES,

Leia mais

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO NET FONE VIA EMBRATEL PLANO ALTERNATIVO N 095-LC

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO NET FONE VIA EMBRATEL PLANO ALTERNATIVO N 095-LC Empresa PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO NET FONE VIA EMBRATEL PLANO ALTERNATIVO N 095-LC Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. EMBRATEL. Nome do Plano Plano NET FONE VIA EMBRATEL PAS 095-LC Modalidade

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI Nº 9.461, DE 04 DE MARÇO DE 2011.

RIO GRANDE DO NORTE LEI Nº 9.461, DE 04 DE MARÇO DE 2011. RIO GRANDE DO NORTE LEI Nº 9.461, DE 04 DE MARÇO DE 2011. Dispõe sobre a simplificação do atendimento público prestado ao cidadão, ratifica a dispensa do reconhecimento de firma em documentos produzidos

Leia mais

RG (Registro Geral) CPF (Cadastro de Pessoa Física) Comprovante de Endereço (Máximo de 90 dias da emissão)

RG (Registro Geral) CPF (Cadastro de Pessoa Física) Comprovante de Endereço (Máximo de 90 dias da emissão) Documentos Necessários RG (Registro Geral) CPF (Cadastro de Pessoa Física) Comprovante de Endereço (Máximo de 90 dias da emissão) TERMOS DE USO DO SITE EM LEILÕES "ON-LINE" E ELETRÔNICO A) O USUÁRIO, que

Leia mais

Av. Augusto Severo, 84 Glória Cep: 20021-010 Rio de Janeiro RJ - Brasil

Av. Augusto Severo, 84 Glória Cep: 20021-010 Rio de Janeiro RJ - Brasil TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 012 /2003 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

TERMO DE ADESÃO/REGULAMENTO OFERTA CABO FONE MAIS EMPRESARIAL

TERMO DE ADESÃO/REGULAMENTO OFERTA CABO FONE MAIS EMPRESARIAL TERMO DE ADESÃO/REGULAMENTO OFERTA CABO FONE MAIS EMPRESARIAL CABO SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES LTDA., pessoa jurídica de direito privado, com sede na Avenida Senador José Ferreira da Costa nº 1916 Bairro

Leia mais

Contrato de Prestação de Provimento de Serviços de Conexão a Internet

Contrato de Prestação de Provimento de Serviços de Conexão a Internet Página 1 de 9 Contrato de Prestação de Provimento de Serviços de Conexão a Internet Pelo presente instrumento de um lado TELEXPERTS TELECOMUNICAÇÕES, empresa com sede no Rio de Janeiro, na Av. das Américas,

Leia mais