MATRIZ DE SANTO ANTÔNIO DE ITATIAIA, MG: HISTÓRIA E ESTADO DE CONSERVAÇÃO.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MATRIZ DE SANTO ANTÔNIO DE ITATIAIA, MG: HISTÓRIA E ESTADO DE CONSERVAÇÃO."

Transcrição

1 MATRIZ DE SANTO ANTÔNIO DE ITATIAIA, MG: HISTÓRIA E ESTADO DE CONSERVAÇÃO. Gutvilen, Alexandre (1); Silva, Fernanda (2); Pedrosa, Joicidele(3); Isenchmid, Julia(4); Paiva, Tatiana (5). 1. Instituto Federal de Minas Gerais, IFMG. Graduação em Tecnologia de Conservação e Restauro de Bens Imóveis. 2. Instituto Federal de Minas Gerais, IFMG. Graduação em Tecnologia de Conservação e Restauro de Bens Imóveis. 3. Instituto Federal de Minas Gerais, IFMG. Graduação em Tecnologia de Conservação e Restauro de Bens Imóveis. 4. Instituto Federal de Minas Gerais, IFMG. Graduação em Tecnologia de Conservação e Restauro de Bens Imóveis. 5. Instituto Federal de Minas Gerais, IFMG. Graduação em Tecnologia de Conservação e Restauro de Bens Imóveis. RESUMO Este artigo pretende registrar a história da Igreja Matriz de Santo Antônio de Itatiaia, distrito de Ouro Branco, Minas Gerais. Há pouco material publicado sobre essa que é uma das primeiras igrejas do estado e que remete ao começo do século XVIII. Palavras-Chave: Matriz, Patrimônio, Conservação.

2 INTRODUÇÃO São muitos anos de história. Pedra sobre pedra, lavra e entalhe, prata e douramento. Uma herança a que nossos avós nos legaram. É responsabilidade nossa transmitir esta herança a nossos filhos.(cdi/iphan-bh, 2014). Esta frase, que aparece em uma reportagem de jornal, quando noticiava a restauração da Igreja Matriz de Itatiaia, distrito de Ouro Branco, retrata o desejo de passar a diante a história de uma igreja tão importante para Minas Gerais. Neste artigo, procuraremos tratar dessa herança, que é uma das joias do estado, explorando seus aspectos construtivos e arquitetônicos bem como o histórico das intervenções. Encontrados no acervo do IPHAN de Belo Horizonte, são analisados os seguintes documentos: Inventário de 1814, feito pela Irmandade do Santíssimo Sacramento. Cartas dos anos de 1949,1951 e 1952 entre o chefe do 3º distrito do DPHAN, Sylvio de Vasconcellos, e o Diretor Geral, Rodrigo Melo Franco de Andrade. O levantamento cadastral, realizado pelo Instituto Pró-Memória, junto ao Ministério da Educação e Cultura e Secretaria da Cultura, em 1983, que impulsiona o processo de tombamento e restauração e, faz um levantamento vasto dos documentos da igreja desde 1714, passando pelos livros das irmandades, livro de notas e visitas, termo de visitas canônicas e paroquiais, etc. Além da restauração realizada pelo IPHAN, em O inventário de bens móveis e integrados, do Pró-Memória, de 1989, e outros documentos mais recentes entre 1991 e 2014, que dão um panorama do estado atual da edificação. ITATIAIA: DO POVOADO AO DISTRITO DE OURO BRANCO Itatiaia, que hoje é distrito de Ouro Branco, certamente tem sua origem ainda no final do século XVII, uma vez que já, em 1712, há o primeiro registro de batismo na atual igreja de Santo Antônio, matriz do distrito. Sua origem está ligada, portanto, aos primeiros registros de ocupação do território mineiro, embora, os documentos apresentados aqui, digam pouco sobre a vida da comunidade. Para chegar a Vila Rica, uma das principais opções de trajeto de paulistas e cariocas passava por Itatiaia.

3 A HISTÓRIA DAS INTERVENÇÕES NA EDIFICAÇÃO As datas apresentadas no texto foram retiradas do levantamento cadastral feito em 1983 pelo Instituto Pró-Memória, baseado na documentação do Arquivo Eclesiástico da Arquidiocese de Mariana. Foi realizado um levantamento de toda documentação encontrada da Igreja. A história da edificação tem dois momentos construtivos. O primeiro, da capela primitiva, de pau-a-pique, ainda existente, data de E o segundo refere-se a construção da nave, em pedra que teve início em 1741 com os pedidos de construção pelos cônegos do Rio de Janeiro, em visita à igreja, mas que se estende até o começo do século XIX com a construção em condições de uso, embora não finalizado. (Livro da Irmandade / CDI IPHAN- BH, 2014). A capela primitiva, data de 1714 em função do primeiro registro de batismo realizado na igreja. Em 20 de agosto daquele ano. Mas pode ter sua origem no final do século XVII, tomando relevância no começo do século seguinte, quando realizava batizados. A presença da pia batismal evidencia um fato: a igreja tinha importância e procura. Do contrário, os batizados poderiam ser realizados em Ouro Branco ou Ouro Preto. Importância que se confirma, por documento de 1733, quando por ocasião da visita canônica do Doutor Manoel da Roza Coutinho, é descrita a capela primitiva com a presença de 5 altares além de quantidade vasta de alfaias e prataria. Em 1752 a Paróquia eleva-se à colativa, reforçando sua importância na região. A capela primitiva nos remete a arquitetura religiosa do Vale do Piranga, recebendo forte influência no partido, com a presença das tribunas e em que os corredores laterais tornamse capela do santíssimo e sacristia. Como descreve a arquiteta Delmarí Ângela Ribeiro: Como é típico das construções religiosas, desde o setecentos no Vale do Piranga, seu partido é retangular e não apresenta torres. A nave central se articula com a capela-mor pelo arco-cruzeiro e duas naves laterais onde se sobrepõem as tribunas. A capela-mor é ladeada pela Capela do Santíssimo e Sacristia. O frontispício apresenta composição tradicional com portada principal sobreposta por duas janelas rasgadas na altura do coro e duas janelas sineiras nas tribunas.(ribeiro, 2011). Certamente os construtores da capela primitiva estão seguindo como parâmetros as capelas da região do Vale do Piranga. Mas, é com os pedidos de uma nova igreja que podemos concluir mais a respeito desse volume da igreja.

4 Com a visita de Antônio Pereira Cunha em 1741, que ordena a construção de uma nova igreja é que indícios são dados sobre a capela primitiva. Os desejos de uma nova igreja na região são estimulados pelo estado de degradação desta capela. Nesta mesma visita o cônego ainda aclama às irmandades da região: (...) esperamos que as irm. des desta fregs. a concorrão com o que poderem p. a que nella com mais decência possão ter colocadas as imagens dos s tos que são de sua devoção. Assim, atendendo, coube às Irmandades do Santíssimo Sacramento e de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos e São Benedito, a encomenda.(chuva 1986 apud CDI/IPHAN-BH, 2015). Em 1742, numa visita pastoral, João da Cruz reforça a necessidade de se construir uma nova igreja, e em 1744, alega que Itatiaia encontra-se sem igreja capaz. Já em 1761, D. José dos Santos diz em carta: como achey a Capella Mor com as paredes arruínadas e também a da Sachrstia, mando ao R. do. Par. co recorra ao mesmo Sn. r. para que por Sua Real Grandeza queira reedificar a dta. Capella Mor e Sacristia de pedra visto ser de madra e barro a que se acha arruínada, ou (ilegível) dar hua ajuda de custo para o mesmo reedificil de que tanto se caresse(...). (Livro de Tombo, nº36.folha apud CDI/IPHAN-BH, 2014). Os documentos mostram que a capela primitiva passava por momento difícil em que o processo de ruína impulsionava o desejo pela reconstrução completa da igreja, colocando essa volume a baixo para dar lugar a construção da igreja toda em pedra, como tornou-se comum na segunda metade do século XVIII, nessa região de Minas Gerais. O curioso é que mesmo com tantos pedidos a capela primitiva não foi demolida, mas recuperada e incorporada na nova igreja. Em 1732, por exemplo, a Irmandade do Rosário dos Pretos anota pello que se dispendêo com a tinta para a capella.. Em 22 de abril de 1744, uma visita pastoral registra que: Nam com pequeno sentim to., achei esta freg. a sem igreja capas pela (ilegível) e pouco zello dos seus fregueses, pois o que esta principiado senão augmentada, caem (ilegível) que se fazem os officios Divinos nam está com a decencia neces. ra, pelo que exhorto, e mando aos fregueses desta freguesia cuidem em acabar a Igreja no terno de quatro meses, ao menos, a Capella Mor, para que nella esteja com mais decência o S. mo. Sacram. to, enão o fazendo no dito tempo o R. do Vig ro comsumirá o Sacramento, e em quanto não houver lugar com mais decencia o nam terá no Sacrario, o que o (ilegível) de baixo da pena de Suspensam ipso facto. (Livro da Irmandade, 1730/ fls. dat. transcrição. Folha 33, CDI/IPHAN-BH, 2014).

5 A necessidade era urgente e, nesse caso, não poderia esperar a construção da nova igreja, como aponta registro de visita paroquial. O estado de ruínas da capela primitiva trouxe a ordem da proibição de uso do sacrário, e consequentemente da hóstia consagrada. Em 1800, a Irmandade do Santíssimo Sacramento paga por um conserto no telhado da capela-mor. E em 1824 um documento do livro de notas da igreja fala da capela de madeira, reedificada de novo, toda forrada, e pintada e campada. Mas pela proximidade da data do telhado, recém feito, acreditamos que trata-se, aqui, de obras de reparação, provavelmente na argamassa de cobertura, dando um aspecto novo a porção primitiva da igreja. A partir de 1785, os documentos das irmandades apontam compras para as obras da nova igreja. As datas alcançam 1800, com a caiação da igreja. A criação do Inventário feito pela Irmandade do Santíssimo Sacramento, em 1814 pode apontar para um funcionamento ativo no começo do século XIX, uma vez que representavam, (os inventários), uma maneira de se registrar os bens e o acervo material, de 31 objetos de prata, 25 ornamentos e 18 imagens. Igreja nova, em pedra, compondo a nave, e capela primitiva compondo a capela-mor. É possível ver claramente que Trata-se de dois momentos diferentes, uma vez que os dois volumes pouco conversam arquitetonicamente. Um, mais antigo, de pau-a-pique com estrutura em madeira evidente, influenciado pela arquitetura do Vale do Piranga. Outro mais recente, de fins do século XVIII e começo do XIX, seguindo os ritmos da Serra de Ouro Preto. O SÉCULO XX Em uma lista enviada por Sylvio de Vasconcellos em 10 de novembro de 1949 à Rodrigo Melo Franco de Andrade, são sugeridos alguns exemplares da arquitetura mineira para o livro de tombo porque assim ficaremos a salvo de dificuldades futuras frente aos possível danos que venha/s a sofrer. (CDI/IPHAN-BH, 2015). Nesta lista, destaque para a Matriz de Itatiaia e de Cachoeira do Campo que, merecem sua inscrição imediatamente. Oito dias depois vem a resposta, dando início ao processo de tombamento. Em 1952, contudo, antes que se concretizasse o tombamento, uma tempestade derruba o telhado da nave, como descreve, em carta de Pe. Marcelino Braglia ao presidente Getúlio Vargas, Em 5 de janeiro de (...)Há cinco anos que pedi ao Patrimônio Artístico Histórico Nacional mandar consertar e restaurar a Igreja Matriz de S.Antônio de Itatiaia que atendendo ao meu pedido enviou técnicos para examina-

6 la.(...)como, porém, demorou-se em atacar o serviço fizeram-se os maiores sacrifícios para ela não cair. Não se pode fazer mais devido a população do lugar ser pequena e paupérrima. (...) Há poucos dias soube, sem sua grande surpresa, porém, que não resistindo a um forte temporal ruiu fragorosamente uma grande parte do telhado da frente e tanto o trono como sua capela mor estão em péssimas condições. É a Igreja mais antiga do município de Ouro Preto. Todos os que conhecem sua história e apreciam seu valor artístico, são unanimes em dizer que ela bem merece os cuidados todos do poder civil como eclesiástico, e, que seria um crime abandona-la a fúria do tempo.( Carta do Padre Marcelino Braglia, encaminhada ao presidente Getúlio Vargas em 5 de janeiro de CDI/IPHAN-BH, 2015). Na carta, o padre deixa claro o seu laço afetivo com a Igreja. E diz que o estado de degradação avança na medida em que os reparos não são ofertados pelo Estado. Também aponta a população como uma comunidade muito pobre que não pode fazer muito para a melhoria da igreja. A carta é encaminhada por Sylvio de Vasconcellos, junto ao levantamento fotográfico da igreja e, em 8 meses as obras de reparo tiveram início. Curioso notar que os reparos do telhado da nave em 1952 são orçados e aparecem em recibos de compra de material e pagamento dos serviços de execução. Mas, em 1983, na primeira grande restauração da igreja, o telhado já está em ruina novamente, uma vez que é todo refeito. Essa observação é importante porque aponta um problema estrutural grave no telhado, visto que recorrentemente passa por reformas. PÓS TOMBAMENTO Aqui, serão analisados os projetos de restauração. Sobretudo, o projeto de 1983, quando a Matriz é tombada e restaurada. Outros projetos mais recentes nos ajudam a compreender o estado de conservação atual da Matriz e nos trazem os diagnósticos, que mostram, por exemplo, as origens dos problemas na cobertura da nave. O Diretor da 7ª DR SEC/Pró Memória, no dia 21 de junho de 1983, escreveu ao Exmo. Sr Coordenador do PCH, que teria verificado pessoalmente o lamentável estado de conservação da Igreja e foi entendido a extrema necessidade da intervenção imediata. A partir dessa vistoria são iniciados os trabalhos de restauração e tombamento da igreja. Destaque para a Capela-Mor, que além da cobertura, teve seu sistema construtivo parcialmente refeito. Dessa vez com tijolo queimado, no lugar do pau-a-pique. O diagnóstico levantado nesse projeto verificou que existia uma sobrecarga do telhado que junto ao

7 desnível do terreno empurra a parede da fachada lateral direita da nave, causando danos da vedação e cobertura. A parede da nave na lateral direita, apresenta pequeno desaprumo devido talvez à um assentamento do terreno. Mas aparenta estar estabilizada sem nenhum comprometimento quanto a estrutura. Isto, porém, parece ser a causa do rompimento da sambladura da linha do frechal com desmoronamento de parte do telhado e da trinca existente na parede do frontispício. A cobertura está bastante deteriorada principalmente na nave, onde está 30% arruinada. Este fato aconteceu em 22 de janeiro de 1980 devido ao rompimento da sambladura entre a linha e o frechal. Anteriormente este trecho já havia desabado conforme informações dos moradores. Nas tesouras restantes, as linhas estão desarticuladas do frechal devido talvez ao desaprumo da parede lateral direita. A alvenaria da capela-mor e corredores laterais era em pau-a-pique com a estrutura aparente. Mas devido ao estado avançado de deterioração que as paredes externas se encontravam, estas foram substituídas por alvenaria de tijolo mantendo, porém a estrutura aparente. Quando este serviço foi executado, foram entaipados vãos de porta e janela na lateral esquerda e criados chanfros na parede posterior. As paredes internas da capela-mor mantem ainda o pau-a-pique original. (Projeto de Conservação e restauração da Matriz de Santo Antônio de Itatiaia, apud CDI/IPHAN-BH, 2015). Infelizmente o projeto não descreve detalhadamente a ação de recuperação, mas é possível que não se tenha feito uma amarração do telhado adequadamente, ou tenham acreditado que apesar dos danos, o fato da estrutura não ter sido comprometida pouparia a amarração. Isso porque o problema do telhado volta, logo após a restauração. Em 1984 o tombamento em nível federal é homologado, como aponta o comunicado oficial de tombamento em 23 de março daquele ano. Tenho a satisfação de levar ao conhecimento da Exa. o tombamento definitivo da Igreja de Santo Antônio de Itatiaia, bem como todo o acervo móvel nela existente, situada no município de Ouro Branco Minas Gerais, ocorrido com a homologação da Exma. Sra. Ministra da Educação e Cultura, Profa. Esther de Figueiredo Ferraz, em 14 de setembro de 1983, em conformidade com o disposto no artigo 1º da Lei de 15 de dezembro de (CDI/IPHAN-BH, 2015). Dando um salto no tempo, por falta de documentação encontrada, no dia 02 de abril de 1991, mais uma vez, informações sobre o estado de conservação da igreja e da

8 indisponibilidade de recursos e emergência de realizações das obras, são explorados em cartas. Pedidos para que a prefeitura forneça os recursos necessários para a execução de obras de pequena complexidade como reparo do telhado, cobertura da Capela Mor, instalação do sino da torre direita, troca de fechadura da porta lateral e instalação do pináculo da torre esquerda são feitos pelo Dr. Sílvio José Mapa. Em ofício do gabinete 13º IPHAN de 1998, foi encaminhado as Brochuras do Inventário de Bens Móveis e Integrados. Percebe-se no documento uma preocupação quanto à segurança na divulgação das informações contidas neste inventário. Isso deve-se ao fato, de que, em 1996, foram roubadas 19 imagens, das quais apenas a imagem de São João Batista Menino foi recuperada e restaurada, em Esse roubo que até hoje é lembrado com muita tristeza pelos moradores de Itatiaia ainda causa preocupação pois desde então o acesso à igreja é restrito bem como é restrita a autorização para fotografar seu interior. Outras restaurações são executadas nos anos de 1996, 1999, 2001 e 2003 em caráter de urgência, por conta da infiltração no interior da igreja, rachaduras nas laterais do monumento, deslocamento de telhas e problemas no telhado da nave. Em 2003 o IPHAN comunicou a avaliação e acompanhamento dos serviços como: demolição do reboco, reparo do telhado, revisão geral do telhado, tratamento das madeiras, pintura externa com PVA LATEX e limpeza dos forros. O encaminhamento dos projetos complementares de iluminação e instalações elétricas, tubulação para som, sistema de proteção contra descargas atmosféricas foram encaminhados em 2005, para análise e aprovação, tendo os projetos assinados por Luis Fernando Rispolli Alves. Os mesmos projetos foram aprovados no dia 26 de agosto de 2005 e executados em Desde de 4 de novembro de 2014 a igreja passa por mais uma restauração, sobretudo dos bens móveis. Estão sendo restaurados os retábulos, arco cruzeiro, imagens e taboado. Esta tem o patrocínio do Governo de Minas e do BNDES, tendo os recursos através da Lei Federal de Incentivo à Cultura. DA ICONOGRAFIA ÀS INTERPRETAÇÕES E DATAÇÕES A iconografia da igreja passa por dois momentos de criação. Um no final do século XVIII, e outro provavelmente do começo do século XX. Apenas o primeiro aparece nos documentos do IPHAN, por meio dos registros de pagamento aos artistas pelas irmandades. O segundo, que apresenta um artista popular no frontão, e possivelmente também na feitura dos púlpitos de pedra sabão, são posteriores, provavelmente do começo do século XX.

9 Muitos elementos não aparecem na documentação quanto a sua criação, como os sinos, cruzeiro, pias de água benta, púlpitos de pedra e as duas fases da portada. O medalhão central de pedra encimando a porta da igreja apresenta ornamentos em C e rocalhas, características do rococó, provavelmente esculpidas por volta de No centro, se encontra esculpido um cordão de três nós mostrando que a igreja pertence a uma ordem franciscana, lírios e um livro indicando a devoção a Santo Antônio e o Ostensório por se tratar de uma Igreja matriz. Nas laterais do medalhão foram acrescentadas, na segunda fase iconográfica, mais duas imagens também esculpidas em pedra. Um cajado, duas chaves e uma mitra. Símbolos que fazem alusão a São Pedro, nova invocação, do século XIX, nessa região. Em 1792, começam os trabalhos artísticos da igreja com Serafim Gonçalves do Espírito Santo, na feitura dos púlpitos. Esses em madeira. Ainda neste ano, Manoel Ribeiro Roza inicia a pintura e douramento de toda igreja, e Lourenço Rodrigues Souza talha o altar de N.S. Rosário. Manoel Ribeiro Roza foi um artista de grande valor na região e sua participação na pintura e douramento de toda a matriz indica o grande destaque que se pretendia dar à igreja naquele momento. A restauração que iniciou em 2014 podem trazer por meio das prospecções algum indício de sua obra, que já não se encontra evidente. Em 1814 a igreja registra no inventário da Irmandade do Santíssimo Sacramento, 18 imagens talhadas. Dez anos depois, em 1824 os registros apontam para os cinco retábulos prontos, e pia batismal com a pequena grade, que ainda estão lá. O retábulo do altar mor apresenta características do rococó e a sua devoção é ao Santo Antônio, santo franciscano e junino. Imagem provavelmente do século XIX que veio a substituir a antiga imagem roubada em Abaixo do trono se encontram as imagens de São Sebastião, no lado evangelho e, no lado epistola, Nossa Senhora da Conceição. Ambas do século XIX. Nos nichos laterais, aparece, no lado evangelho São Joaquim e no lado da epístola Santa Barbara, padroeira dos mineiros, também do século XVIII. Os retábulos colaterais apresentam características populares do século XIX. O retábulo do lado evangelho é dedicado a Nossa Senhora da Piedade, imagem também do século XIX e do lado epistola ao Nosso Senhor dos Passos. Neste altar também se encontra a imagem de São Domingues de Gusmão do século XVIII. Os retábulos laterais apresentam características eruditas e estilo rococó. O lado do evangelho é dedicado a Nossa Senhora do Rosário, entalhado por Lourenço Rodrigues Souza entre A imagem é provavelmente do século XIX. O retábulo lateral do

10 lado epistola é atribuído a Francisco Vieira Sevas, entalhado no final do século XVIII com características próprias de Servas como a utilização de coroamentos em Arbaleta, sanefas, volutas laterais impulsionando pra frente e rocalhas flamejantes. Este retábulo é dedicado a Sant Anna Mestra, imagem do século XVIII. Logo abaixo de Sant Anna se encontra São João menino, imagem do século XVIII, com suas vestes em couro de cordeiro e estandarte. Na pintura, a igreja não possui um acervo aparente. Somente na sacristia há uma pintura no forro com elementos em C e uma flor nas cores ocre e cinza. No centro há uma Tarja oval delimitada por frisos curvos também em cinza ocre e rosa. No centro da tarja há duas figuras de anjos. Trata-se de uma pintura a têmpora - técnica que deixa a pintura com aparência aquarelada - datada do século XIX, tosca e de característica bem popular. DESCRIÇÃO ARQUITETÔNICA: DO TRAÇO À OBRA. UMA LEITURA DO PARTIDO DA MATRIZ. Como já mencionado, a Igreja apresenta duas etapas distintas de construção no final do século XVIII e princípio do século XIX. A fachada frontal é formada por embasamento de pedra em quartzo, com socos retangulares nas bases das quatro pilastras que delimitam a fachada frontal. Apresenta porta de duas folhas central almofadadas com bandeira fixa sobreposta por arco de pedra e verga curva com moldura do tipo canga de boi encimada por sobrevergas em dois C s, terminados em volutas, centrados por uma concha dentro de uma plumagem estilizada com curvas recortadas. Acima da sobreverga está o medalhão de pedra com duas fases de realização (século XVIII e XIX). O medalhão é ladeado por duas portas balcão de madeira em duas folhas e peitoril de balaustrada de madeira com sobrevergas trabalhadas em curvas, contracurvas e conchas. O entablamento é feito pela cimalha em pedra, sendo todos esses elementos de quartzo. Após a cimalha, o frontão ondulado aberto emoldurado em curvas e contracurvas é ornamentado por óculo central em pedra e, acima desse, pequeno nicho, sendo seu coroamento feito por acrotério ornamentado por concha ladeada por curvas e contracurvas, anjos e cruz de pedra. As torres sineiras ladeiam o frontão, sendo sua cobertura em cúpula de pequenas proporções e coruchéu em cada extremidade. A torre da lateral esquerda não possui sino, presente apenas na lateral direita. As fachadas laterais são divididas por dois tipos construtivos. Na nave a alvenaria é de pedra e, na capela-mor, a alvenaria é de tijolo maciço com estrutura de madeira aparente. O

11 volume da nave possui altura mais elevada em relação a capela-mor, onde se encontram os corredores laterais no nível térreo e a tribuna e corredores no nível superior. Nessa porção, os pilares possuem soco simples e o entablamento é feito por cimalha. As fachadas laterais são simétricas em relação à capela-mor e nave, com exceção de um marco de uma porta cega existente na fachada lateral direita na nave. As fachadas laterais da capela-mor são pouco recuadas em relação a nave, estando praticamente alinhadas e possuem dois óculos ovais protegidos por gradil de ferro na nave e um óculo circular envidraçado na capela-mor. A porta de acesso aos corredores laterais da capela-mor são de madeira e possui verga reta e uma folhas simples assim como a janela. A fachada posterior apresenta fachada cega, sem nenhuma abertura. A estrutura de madeira é aparente. O embasamento, possivelmente em taipa de pilão, é bem marcado, assim como nas fachadas laterais onde a alvenaria é de tijolos maciços. A cobertura da igreja é em telhado de duas águas na nave e na capela mor. O volume lateral da capela-mor possui telhado em uma água seguindo a inclinação do telhado da capela-mor. O telhado é em telha cerâmica do tipo calha e bica. Na cobertura da nave há pináculos na extremidade dos fundos. O arremate entre a alvenaria e telhado na parte da nave é feito por cimalha e na parte mais antiga da capela na porção lateral por cachorro e guarda-pó. A planta da igreja é composta de nave, capela-mor, corredores laterais, coro, torres laterais, galerias laterais superiores, sacristia e tribunas no corpo da capela-mor. Além disso, há o altar-mor, o arco cruzeiro, dois altares colaterais, dois altares laterais, dois púlpitos, pia batismal e pia de água benta. A grade de separação nave é de balaustrada reta com laterais em duas secções separadas por pilaretes se secção quadrada, montantes e peitoril retos com frisos. Sua parte da frente divide-se em duas partes sem cancela e seus balaústres são torneados. O arco cruzeiro é revestido de madeira com perda da policromia, apresenta embasamento em molduras com painéis e centro liso sendo seu fuste reto com bordas molduradas e centro almofadado. Seu entablamento é emoldurado e a cimalha é larga e o arco pleno possui bordas molduradas. O acesso a igreja é feito pela porta central situada na fachada frontal ou pela porta existente nas fachadas laterais que dão acessos aos corredores laterais que ladeiam a capela-mor. As aberturas para ventilação e iluminação da igreja estão situada no nível do coro. Na nave se abrem quatro óculos protegidos por gradil e na capela-mor há também um óculo circular envidraçado em cada lateral. As fachadas laterais possuem porta em madeira assim como janela de uma folha simples. O acesso ao coro e a tribuna são feitos por escada de madeira,

12 já o acesso lateral a cada púlpito é feito por escada de pedra através de portas existentes em cada lado da nave. O acesso as torres sineiras é feito através de alçapões. A alvenaria da capela-mor e corredores laterais era em pau-a-pique de estrutura aparente. Devido ao estado avançado de deterioração que as paredes externas se encontravam, foram substituídas por alvenaria de tijolos maciços mantendo a estrutura de madeira aparente. Foram entaipados os vãos de porta e janela lateral esquerda e criados chanfros na parede posterior. As paredes internas da capela-mor e as paredes dos fundos mantém ainda o pau-a-pique original. O revestimento é feito em argamassa de terra, areia e cal, bem como a pintura a base de cal. O piso da nave e capela-mor é em tabuado corrido sobre barrotes de madeira, assim como da sacristia, coro e dos corredores laterais superiores. Os corredores laterais da capela-mor no nível térreo são em piso cerâmico de tijolo de barro. No corredor lateral esquerdo, entre a porta externa entaipada e a porta de acesso à capela-mor, o piso foi cimentado e riscado de forma quadrangular imitando o tijolo de barro do restante do cômodo. O batistério possui piso de pedra. O forro da nave, assim como o forro da capela-mor e coro é de madeira de tabuado liso abobadado pintado na cor branca. O entablamento do forro é feito por cimalha de madeira também na cor branca. O forro da sacristia é plano de tabuado liso e possui pintura. Os corredores laterais superiores e a tribuna não possuem forro. CONSIDERAÇÕES FINAIS Tendo a Conservação e Restauro como fio condutor, o trabalho propôs registrar um pouco da história da matriz que é certamente uma das igrejas de mais prestigio em Minas Gerais, por ser uma das mais antigas obras da arquitetura religiosa na região. A celebração de batizados desde o começo do século XVIII e a participação de artistas importantes na construção da nave são indícios disso. A preocupação com a preservação, conservação e restauro da igreja, sempre que necessário, foram medidas de grande valor para a salvaguarda deste bem. REFERÊNCIAS CDI- Centro de Documentação e Informação. IPHAN, Belo Horizonte, Consulta ao acervo.

5 DESCRIÇÃO DETALHADA DO BEM CULTURAL

5 DESCRIÇÃO DETALHADA DO BEM CULTURAL 57 5 DESCRIÇÃO DETALHADA DO BEM CULTURAL O conjunto arquitetônico da residência de Antônio de Rezende Costa, que hoje abriga a Escola Estadual Enéas de Oliveira Guimarães foi pelos autores do presente

Leia mais

O Barroco no Brasil. Capitulo 11

O Barroco no Brasil. Capitulo 11 O Barroco no Brasil Capitulo 11 O Barroco no Brasil se desenvolveu do século XVIII ao início do século XIX, época em que na Europa esse estilo já havia sido abandonado. Um só Brasil, vários Barrocos O

Leia mais

3.3 O Largo do Carmo e seu entorno

3.3 O Largo do Carmo e seu entorno 3.3 O Largo do Carmo e seu entorno O Largo do Carmo, como ainda é conhecido o espaço público na frente das igrejas da Ordem Primeira e Terceira do Carmo, e ao lado do Teatro Vasques. Seu entorno conserva

Leia mais

PROPOSTA DE RESTAURAÇÃO PARA A IGREJA DE SANTO ANTÔNIO EM BELÉM/PA. Aluna: Stephanie Mendes Orientadora: Profa. Dra. Thais Sanjad

PROPOSTA DE RESTAURAÇÃO PARA A IGREJA DE SANTO ANTÔNIO EM BELÉM/PA. Aluna: Stephanie Mendes Orientadora: Profa. Dra. Thais Sanjad PROPOSTA DE RESTAURAÇÃO PARA A IGREJA DE SANTO ANTÔNIO EM BELÉM/PA Aluna: Stephanie Mendes Orientadora: Profa. Dra. Thais Sanjad Século XVIII Brasil disseminação da a arquitetura Barroca Construções Religiosas

Leia mais

situação e ambiência códice AII - F06 - Vass denominação Fazenda São Luiz da Boa Sorte localização Km 85 da Rodovia Lúcio Meira (BR 393)

situação e ambiência códice AII - F06 - Vass denominação Fazenda São Luiz da Boa Sorte localização Km 85 da Rodovia Lúcio Meira (BR 393) Parceria: denominação Fazenda São Luiz da Boa Sorte códice AII - F06 - Vass localização Km 85 da Rodovia Lúcio Meira (BR 393) município Barra do Piraí época de construção século XIX estado de conservação

Leia mais

CASA DA CULTURA natural Pouso Alegre Minas Gerais

CASA DA CULTURA natural Pouso Alegre Minas Gerais CASA DA CULTURA Situado à Rua Tiradentes n.º 264, fazendo esquina com Rua Dr. Licurgo Leite, o casarão dos Leite, como era chamada a atual Casa da Cultura, foi construído aproximadamente no final da década

Leia mais

Barroco Mineiro. Prof. Percival Tirapeli, Instituto de Artes da UNESP

Barroco Mineiro. Prof. Percival Tirapeli, Instituto de Artes da UNESP Barroco Mineiro Prof. Percival Tirapeli, Instituto de Artes da UNESP Mapa da Estrada Real, por onde escoava o ouro encontrado pelos bandeirantes paulistas em 1692. O Caminho Velho iniciava NO Rio de Janeiro

Leia mais

Peças sacras centenárias são corroídas pelo tempo e atacadas por insetos em Minas

Peças sacras centenárias são corroídas pelo tempo e atacadas por insetos em Minas Peças sacras centenárias são corroídas pelo tempo e atacadas por insetos em Minas Especialista sugere medidas seguras para proteção de acervo corroído pelo tempo. O que os olhos não veem, o patrimônio

Leia mais

Igrejinha no Centro de Itajaí (SC) passa por primeira restauração

Igrejinha no Centro de Itajaí (SC) passa por primeira restauração Igrejinha no Centro de Itajaí (SC) passa por primeira restauração Investimento ultrapassa R$ 2,7 milhões e prazo de conclusão é de dois anos. Foto: Lucas Correia / Agencia RBS Antes mesmo de Itajaí se

Leia mais

Belo Horizonte (MG) - Capela do Colégio Sagrado Coração de Jesus ganha reforma e será reaberta em breve

Belo Horizonte (MG) - Capela do Colégio Sagrado Coração de Jesus ganha reforma e será reaberta em breve Belo Horizonte (MG) - Capela do Colégio Sagrado Coração de Jesus ganha reforma e será reaberta em breve Escola é considerada um marco da história educacional de Belo Horizonte. Adriana Vilaça tinha 11

Leia mais

5.11. Programa de Registro do Patrimônio Histórico e Edificado. Revisão 00 NOV/2013

5.11. Programa de Registro do Patrimônio Histórico e Edificado. Revisão 00 NOV/2013 PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.11 Programa de Registro do Patrimônio Histórico e Edificado NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 2 2. Justificativa... 4 3. Objetivos... 5 4.

Leia mais

Casa do Mundo Rural de Prados

Casa do Mundo Rural de Prados Casa do Mundo Rural de Prados A Casa do Mundo Rural de Prados, pretende retratar uma época em que a agricultura, associada à pastorícia eram as principais actividades económicas da população, praticando

Leia mais

Jesuítas : Arte e Ciência: o legado da Companhia de Jesus na América Latina

Jesuítas : Arte e Ciência: o legado da Companhia de Jesus na América Latina Jesuítas : Arte e Ciência: o legado da Companhia de Jesus na América Latina Simpósio Nacional : Bicentenário da Restauração da Companhia de Jesus (1814-2014) Parte II Prof. Dr. Percival Tirapeli Instituto

Leia mais

Uberlândia (MG) - Tombada, Estação Sobradinho está caindo ao pedaços

Uberlândia (MG) - Tombada, Estação Sobradinho está caindo ao pedaços Uberlândia (MG) - Tombada, Estação Sobradinho está caindo ao pedaços Apesar da pompa dos dizeres Patrimônio Histórico Cultural, prédio parece, na verdade, um imóvel abandonado ao tempo. (Foto: Celso Ribeiro)

Leia mais

13. Proteção Legal Existente: não tem 14. Proteção Legal Proposta: Tombamento

13. Proteção Legal Existente: não tem 14. Proteção Legal Proposta: Tombamento Página 81 de 112 basculante, com vedações em vidro. A decoração externa é composta de pequenas colunas torsas e frontões arqueados coroados com telhas tipo capa e canal e cimalha. 13. Proteção Legal Existente:

Leia mais

Ficha 02 1. Município: Delfim Moreira. 8. Uso atual: Culto religioso.

Ficha 02 1. Município: Delfim Moreira. 8. Uso atual: Culto religioso. Página 25 de 128 Ficha 02 1. Município: Delfim Moreira. 3. Designação: Capela São Lázaro. 5. Propriedade: Privada eclesiástica - Paróquia de Delfim Moreira. 7. Situação de ocupação: Próprio. 9. Proteção

Leia mais

Inventário de Identificação de Bens Culturais Imóveis do Sistema Ferroviário

Inventário de Identificação de Bens Culturais Imóveis do Sistema Ferroviário Instituto Estadual do Patrimônio Cultural Secretaria de Estado de Cultura RJ Inventário de Identificação de Bens Culturais Imóveis do Sistema Ferroviário Denominação: Estação de Barão de Juparanã Localização:

Leia mais

ATIVIDADE 02 A PRESERVAÇÃO DO NOSSO PATRIMÔNIO CULTURAL

ATIVIDADE 02 A PRESERVAÇÃO DO NOSSO PATRIMÔNIO CULTURAL ATIVIDADE 02 A PRESERVAÇÃO DO NOSSO PATRIMÔNIO CULTURAL O patrimônio cultural de uma comunidade é o conjunto de referências que compõem o seu dia-a-dia e fazem com que ela tenha uma memória e uma história

Leia mais

DIRECÇÃO-GERAL DOS EDIFÍCIOS E MONUMENTOS NACIONAIS

DIRECÇÃO-GERAL DOS EDIFÍCIOS E MONUMENTOS NACIONAIS DIRECÇÃO-GERAL DOS EDIFÍCIOS Página 1 de 7 Igreja e edifício da Misericórdia de Proença-a-Velha IPA Monumento Nº IPA PT020505110016 Designação Igreja e edifício da Misericórdia de Proença-a-Velha Localização

Leia mais

CARACTERÍSTICAS ARQUITETÔNICAS E INTERVENÇÕES NA IGREJA DE SÃO JOÃO.

CARACTERÍSTICAS ARQUITETÔNICAS E INTERVENÇÕES NA IGREJA DE SÃO JOÃO. CARACTERÍSTICAS ARQUITETÔNICAS E INTERVENÇÕES NA IGREJA DE SÃO JOÃO. A Igreja de São João, contida nas ilustrações, chegou ao início do século XX portando uma trajetória histórica de três séculos de uso

Leia mais

situação e ambiência denominação Fazenda São Geraldo códice AIV - F07 - PS localização Antiga estrada para Rio das Flores município Paraíba do Sul

situação e ambiência denominação Fazenda São Geraldo códice AIV - F07 - PS localização Antiga estrada para Rio das Flores município Paraíba do Sul Parceria: denominação Fazenda São Geraldo códice AIV - F07 - PS localização Antiga estrada para Rio das Flores município Paraíba do Sul época de construção séc. XIX detalhamento do estado de conservação

Leia mais

Placa de obra: Haverá a colocação em local visível de placa de obra, metálica, fixada em estrutura de madeira, conforme padrão fornecido SOP.

Placa de obra: Haverá a colocação em local visível de placa de obra, metálica, fixada em estrutura de madeira, conforme padrão fornecido SOP. MEMORIAL DESCRITIVO RECONSTRUÇÃO DO ALBERGUE JUNTO AO PRESIDIO ESTADUAL DE VACARIA RS. VACARIA RS. GENERALIDADES: Este Memorial Descritivo tem a função de propiciar a perfeita compreensão do projeto e

Leia mais

Alegre. Câmara Municipal. de Porto PROC. N. 5555/05 P.L.L. N. 261/05 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

Alegre. Câmara Municipal. de Porto PROC. N. 5555/05 P.L.L. N. 261/05 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Breve Histórico da Paróquia São João Batista Levantamento de dados da realização da Festa do Padroeiro Dados coletados através do Livro Tombo e depoimentos Organização: Lucas Bernardes

Leia mais

PROJETO BÁSICO RESTAURO DA CASA DA MEMÓRIA

PROJETO BÁSICO RESTAURO DA CASA DA MEMÓRIA PROJETO BÁSICO RESTAURO DA CASA DA MEMÓRIA Apresentação Partindo da premissa de que a memória é a imagem viva de tempos passados ou presentes e que os bens, que constituem os elementos formadores do patrimônio,

Leia mais

situação e ambiência denominação Fazenda Santana códice AIII - F15 - Val localização Rodovia RJ-151, 3º distrito, Santa Isabel do Rio Preto

situação e ambiência denominação Fazenda Santana códice AIII - F15 - Val localização Rodovia RJ-151, 3º distrito, Santa Isabel do Rio Preto Parceria: denominação Fazenda Santana códice AIII - F15 - Val localização Rodovia RJ-151, 3º distrito, Santa Isabel do Rio Preto município Valença época de construção séc. XIX detalhamento do estado de

Leia mais

PRECIOSA DESCOBERTA ARQUEOLÓGICA NO VALE DO RIO DAS MORTES 1

PRECIOSA DESCOBERTA ARQUEOLÓGICA NO VALE DO RIO DAS MORTES 1 PRECIOSA DESCOBERTA ARQUEOLÓGICA NO VALE DO RIO DAS MORTES 1 José Antônio de Ávila Sacramento (membro do Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Cultural de São João del-rei - MG) No ano de 1810,

Leia mais

Roteiros Turísticos. [arte colonial]

Roteiros Turísticos. [arte colonial] Roteiros Turísticos [arte colonial] Ouro Preto [Arte Colonial] A Praça Tiradentes é o ponto central da cidade, como se fosse um divisor. A partir dela, podem-se programar as visitas. Como Ouro Preto possui

Leia mais

Instituto Estadual do Patrimônio Cultural. Inventário de Identificação dos Reservatórios da CEDAE. Secretaria de Estado de Cultura - RJ

Instituto Estadual do Patrimônio Cultural. Inventário de Identificação dos Reservatórios da CEDAE. Secretaria de Estado de Cultura - RJ Instituto Estadual do Patrimônio Cultural Secretaria de Estado de Cultura - RJ Inventário de Identificação dos Reservatórios da CEDAE Denominação: Reservatório do Morro do Inglês. Localização: Ladeira

Leia mais

DOSSIÊ DE TOMBAMENTO DA CASA DA FESTA DE JUCA SURDO

DOSSIÊ DE TOMBAMENTO DA CASA DA FESTA DE JUCA SURDO DOSSIÊ DE TOMBAMENTO DA CASA DA FESTA DE JUCA SURDO Porteirinha MG Março de 2002 INTRODUÇÃO O dossiê aqui apresentado quer ser, em primeiro lugar, um registro documental da história e das características

Leia mais

Parque do Engenho Central e Mirante 2002

Parque do Engenho Central e Mirante 2002 Anexo 1.34 Parque do Engenho Central e Mirante 2002 1. EDIFÍCIO HISTÓRICO Endereço: Rua Maurice Allain, 454, Vila Rezende, Piracicaba SP, Brasil. Autoria: desconhecida. Data do Projeto: final da década

Leia mais

Resgate da Memória ANO 2, Nº 4. ABR.2015

Resgate da Memória ANO 2, Nº 4. ABR.2015 116 A história de uma cidade pode ser contada de diversas maneiras: por meio de livros, vídeos, sons e a partir de histórias passadas de gerações em gerações. Nesta seção, a Revista buscou uma maneira

Leia mais

JOSÉ DA CONCEIÇÃO E SILVA

JOSÉ DA CONCEIÇÃO E SILVA ENTALHADORES E SANTEIROS ENTALHADORES E SANTEIROS DO BARROCO 1 A. FASE FREI DOMINGOS DA CONCEIÇÃO Escultor, entalhador e santeiro, nasceu em Matosinhos, Portugal, em c. 1643. Aprendeu o ofício de escultor

Leia mais

CONVENTO DE SANTA MARIA DE MOSTEIRÓ

CONVENTO DE SANTA MARIA DE MOSTEIRÓ CONVENTO DE SANTA MARIA DE MOSTEIRÓ Fig. 269 Localização e orientação do Convento de Santa Maria de Mosteiró. Fig. 270 - Planta do Convento de Santa Maria de Mosteiró, primeiro piso, 1980. IHRU: DGEMN/DREMN,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ARQUITETÔNICO - REFORMA

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ARQUITETÔNICO - REFORMA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ARQUITETÔNICO - REFORMA Projeto:... REFORMA POSTO DE SAÚDE Proprietário:... PREFEITURA MUNICIPAL DE IRAÍ Endereço:... RUA TORRES GONÇALVES, N 537 Área a Reformar:... 257,84

Leia mais

Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo

Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal de Cultura Departamento do Patrimônio Histórico Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São

Leia mais

ÍNDICE P3 > MAPA P4 > IGREJA DE S. PEDRO P5 > IGREJA DE SÃO FRANCISCO P6 > IGREJA DE NOSSA SENHORA DA CONSOLAÇÃO E SANTOS PASSOS

ÍNDICE P3 > MAPA P4 > IGREJA DE S. PEDRO P5 > IGREJA DE SÃO FRANCISCO P6 > IGREJA DE NOSSA SENHORA DA CONSOLAÇÃO E SANTOS PASSOS ÍNDICE P3 > MAPA P4 > IGREJA DE S. PEDRO P5 > IGREJA DE SÃO FRANCISCO P6 > IGREJA DE NOSSA SENHORA DA CONSOLAÇÃO E SANTOS PASSOS P7 > IGREJA DE NOSSA SENHORA DA OLIVEIRA P8 > IGREJA DE NOSSA SENHORA DO

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA DA CÂMARA DE VEREADORES DE CANOAS - RS

MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA DA CÂMARA DE VEREADORES DE CANOAS - RS RODRIGUES & AGUINAGA PROJETOS LTDA. Av. Francisco Talaia de Moura, 545 CEP: 91170-090 - Porto Alegre/RS. CNPJ: 09.077.763/0001-05 MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA DA CÂMARA DE VEREADORES DE CANOAS - RS 1 1.

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA 1. JUSTIFICATIVA: Considerando que os serviços de manutenção predial são imprescindíveis e de natureza contínua. Ademais, existem fatores diversos que influenciam na preservação

Leia mais

Programa de Equipamentos Urbanos de Utilização Colectiva

Programa de Equipamentos Urbanos de Utilização Colectiva Programa de Equipamentos Urbanos de Utilização Colectiva (Despacho 7187/MCOTA/2003) 2006/2009 Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Algarve Direcção de Serviços de Apoio Jurídico e Administração

Leia mais

Arquitetura Colonial

Arquitetura Colonial Arquitetura Colonial Introdução l Arquitetura colonial corresponde ao período de 1500 até 1822 l os colonizadores adaptaram as correntes estilísticas da Europa ao Brasil: l condições materiais e sócio-econômicas

Leia mais

AL - Obras restauram convento franciscano de Penedo

AL - Obras restauram convento franciscano de Penedo AL - Obras restauram convento franciscano de Penedo Pintura original de Virgem Imaculada revela gestação do Cristo As obras em curso na Igreja de Nossa Senhora dos Anjos estão restaurando cores originais

Leia mais

Teatro e Bar no Morro da Urca 1986

Teatro e Bar no Morro da Urca 1986 Anexo 1.12 Teatro e Bar no Morro da Urca 1986 1. EDIFÍCIO HISTÓRICO Endereço: Rio de Janeiro RJ, Brasil. Autoria: desconhecida. Data do Projeto: 1912. Data da Construção: 1913. Área do Terreno: não foram

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL CESÁRIO COIMBRA

ESCOLA ESTADUAL CESÁRIO COIMBRA ESCOLA ESTADUAL CESÁRIO COIMBRA No dia dois de Dezembro de 1.910, foi assinado contrato entre a câmara municipal e o senhor Francisco Leonardo Cerávolo, para a construção do prédio do grupo escolar. Aos

Leia mais

situação e ambiência códice AII-F01-Vass denominação Fazenda Visconde de Cananéia localização Rodovia Lucio Meira (BR-393) Estrada de Cananéia

situação e ambiência códice AII-F01-Vass denominação Fazenda Visconde de Cananéia localização Rodovia Lucio Meira (BR-393) Estrada de Cananéia Parceria: denominação Fazenda Visconde de Cananéia códice AII-F01-Vass localização Rodovia Lucio Meira (BR-393) Estrada de Cananéia município Vassouras época de construção século XIX estado de conservação

Leia mais

PROJETO BÁSICO I - DISPOSIÇÕES GERAIS I.1 - INTRODUÇÃO

PROJETO BÁSICO I - DISPOSIÇÕES GERAIS I.1 - INTRODUÇÃO PROJETO BÁSICO OBJETO: Obras de Engenharia para Reforma e Ampliação do CAIC THEOPHILO DE SOUZA PINTO. Localizado na Rua Praça do Terço, s/nº - Nova Brasília - Bonsucesso Rio de Janeiro. I- DISPOSIÇÕES

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA AS OBRAS DE REFORMA DO GINÁSIO POLIESPORTIVO LOIOLA PASSARINHO E CONSTRUÇÃO DO ANEXO.

MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA AS OBRAS DE REFORMA DO GINÁSIO POLIESPORTIVO LOIOLA PASSARINHO E CONSTRUÇÃO DO ANEXO. SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO CASTANHAL (PA) MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA AS OBRAS DE REFORMA DO GINÁSIO POLIESPORTIVO LOIOLA PASSARINHO E CONSTRUÇÃO DO ANEXO. ABRIL/2014 REFORMA

Leia mais

situação e ambiência denominação Fazenda Saudade e Capela de Santa Maria Eterna códice AIII - F05 - RF localização Rodovia RJ145, distrito-sede

situação e ambiência denominação Fazenda Saudade e Capela de Santa Maria Eterna códice AIII - F05 - RF localização Rodovia RJ145, distrito-sede denominação Fazenda Saudade e Capela de Santa Maria Eterna códice AIII - F05 - RF localização Rodovia RJ145, distrito-sede município Rio da Flores época de construção séc. XIX detalhamento do estado de

Leia mais

ANALISE PARA TOMBAMENTO - INVENTÁRIO DE BENS CULTURAIS DA IGREJA MATRIZ SÃO JOÃO BATISTA DE PIRAPOZINHO.

ANALISE PARA TOMBAMENTO - INVENTÁRIO DE BENS CULTURAIS DA IGREJA MATRIZ SÃO JOÃO BATISTA DE PIRAPOZINHO. ANALISE PARA TOMBAMENTO - INVENTÁRIO DE BENS CULTURAIS DA IGREJA MATRIZ SÃO JOÃO BATISTA DE PIRAPOZINHO. 157 Camila Le Bourlegat, Mariane Olivo, Fabrícia Dias da Cunha de Moraes Fernandes Borges Universidade

Leia mais

situação e ambiência códice AII - F01 - PF denominação Fazenda Todos os Santos localização Estrada Sacra Família do Tíngua, nº.

situação e ambiência códice AII - F01 - PF denominação Fazenda Todos os Santos localização Estrada Sacra Família do Tíngua, nº. Parceria: denominação Fazenda Todos os Santos códice AII - F01 - PF localização Estrada Sacra Família do Tíngua, nº. 300 Graminha município Engenheiro Paulo de Frontin época de construção século XIX estado

Leia mais

A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal

A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal 1. Introdução O patrimônio cultural de cada comunidade pode ser considerado a sua cédula de identidade. Por isso, cada vez mais os municípios necessitam

Leia mais

situação e ambiência códice AII-F05-Vass denominação Fazenda São Roque localização Rodovia BR 393 - Km 49,5 - Bairro Bacia da Pedra

situação e ambiência códice AII-F05-Vass denominação Fazenda São Roque localização Rodovia BR 393 - Km 49,5 - Bairro Bacia da Pedra Parceria: denominação Fazenda São Roque códice AII-F05-Vass localização Rodovia BR 393 - Km 49,5 - Bairro Bacia da Pedra município Vassouras época de construção século XIX estado de conservação detalhamento

Leia mais

INVENTÁRIO DE PROTEÇÃO DO ACERVO CULTURAL CAPINÓPOLIS - MINAS GERAIS

INVENTÁRIO DE PROTEÇÃO DO ACERVO CULTURAL CAPINÓPOLIS - MINAS GERAIS INVENTÁRIO DE PROTEÇÃO DO ACERVO CULTURAL CAPINÓPOLIS - MINAS GERAIS ESTRUTURAS ARQUITETÔNICAS Nº BI/02 1. Município: Capinópolis - MG 2. Distrito: Sede 3. Designação: Escola Municipal Aurelisa Alcântara

Leia mais

PATRIMÔNIO EM PROSA E VERSO: a correspondência de Rodrigo Melo Franco de Andrade para Augusto Meyer. Laura Regina Xavier

PATRIMÔNIO EM PROSA E VERSO: a correspondência de Rodrigo Melo Franco de Andrade para Augusto Meyer. Laura Regina Xavier PATRIMÔNIO EM PROSA E VERSO: a correspondência de Rodrigo Melo Franco de Andrade para Augusto Meyer Laura Regina Xavier Justificativa Escolhemos o tema Patrimônio, tendo em vista a nossa realidade profissional,

Leia mais

Alguns elementos estruturais e decorativos do retábulo da Sagrada Família da Igreja matriz de Mondim da Beira, Tarouca *

Alguns elementos estruturais e decorativos do retábulo da Sagrada Família da Igreja matriz de Mondim da Beira, Tarouca * CARLA SOFIA FERREIRA QUEIRÓS 503 Revista da Faculdade de Letras CIÊNCIAS E TÉCNICAS DO PATRIMÓNIO Porto 2006-2007 I Série vol. V-VI, pp. 503-508 Alguns elementos estruturais e decorativos do retábulo da

Leia mais

Circuito Pedonal e Cultural da freguesia de Romãs

Circuito Pedonal e Cultural da freguesia de Romãs Romãs A atual freguesia de Romãs, data do século XVI, em resultado do desmembramento, da grande Paróquia de Santa Maria de Gulfar que formou ainda Decermilo, Vila Longa, Silvã de Baixo e Silva de Cima,

Leia mais

Educação Patrimonial / Turismo Subprefeitura de Parelheiros

Educação Patrimonial / Turismo Subprefeitura de Parelheiros Educação Patrimonial / Turismo Subprefeitura de Parelheiros Bens preservados em destaque: A. Igreja e Cemitério de Parelheiros B. Igreja e Cemitério de Colônia C. Vila e Estação Ferroviária Evangelista

Leia mais

PLANO DE MANUTENÇÃO E CONSERVAÇÃO DE EDIFICAÇÕES DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

PLANO DE MANUTENÇÃO E CONSERVAÇÃO DE EDIFICAÇÕES DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE PLANO DE MANUTENÇÃO E CONSERVAÇÃO DE EDIFICAÇÕES DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2010 PLANO DE MANUTENÇÃO E CONSERVAÇÃO DE EDIFICAÇÕES Apresentação Este plano, preparado pela União

Leia mais

PROPOSTA DE RESTAURAÇÃO PARA O CONJUNTO DE OBRAS DE ARTE SOB A GUARDA DO INSTITUTO HISTÓRICO DA CIDADE DE PITANGUI/MG. Belo Horizonte, Agosto de 2013

PROPOSTA DE RESTAURAÇÃO PARA O CONJUNTO DE OBRAS DE ARTE SOB A GUARDA DO INSTITUTO HISTÓRICO DA CIDADE DE PITANGUI/MG. Belo Horizonte, Agosto de 2013 PROPOSTA DE RESTAURAÇÃO PARA O CONJUNTO DE OBRAS DE ARTE SOB A GUARDA DO INSTITUTO HISTÓRICO DA CIDADE DE PITANGUI/MG Belo Horizonte, Agosto de 2013 Obra nº 01 Designação: Menino Época: Século XVIII Atribuição:

Leia mais

Vila Cova de Alva. São Pedro do Sul

Vila Cova de Alva. São Pedro do Sul Pinhel Vila Cova de Alva São Pedro do Sul Fig. 895 Tipologias das fachadas principais, com três variantes, duas com um eixo de vãos, uma rematando em empena e outra em frontão triangular, vazado por óculo,

Leia mais

REABILITAÇÃO DA ABÓBADA DA CAPELA-MOR DA IGREJA DE N.ª S.ª DA GRAÇA

REABILITAÇÃO DA ABÓBADA DA CAPELA-MOR DA IGREJA DE N.ª S.ª DA GRAÇA REABILITAÇÃO DA ABÓBADA DA CAPELA-MOR DA IGREJA DE N.ª S.ª DA GRAÇA J. MASCARENHAS L. BELGAS F.G. BRANCO Prof. Eng.ª Civil Prof. Eng.ª Civil Prof. Eng.ª Civil IPT IPT Univ. Lúrio Tomar; Portugal Tomar;

Leia mais

- - primeira qualidade de primeira 1.8 - Execução dos Serviços e Acesso à Obra

- - primeira qualidade de primeira 1.8 - Execução dos Serviços e Acesso à Obra MEMORIAL DESCRITIVO OBRA : AMPLIAÇÃO DE ESCOLA EM ALVENARIA PROPRIETÁRO: PREFEITURA MUNICIPAL DE ERECHIM - ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL CARAS PINTADAS ENDEREÇO: PARTE DA CHÁCARA NUMERO 19 LOTE

Leia mais

São Paulo (SP) - Conheça sua Cidade: hotel abandonado desperta curiosidade

São Paulo (SP) - Conheça sua Cidade: hotel abandonado desperta curiosidade São Paulo (SP) - Conheça sua Cidade: hotel abandonado desperta curiosidade Internauta enviou dúvida sobre hotel abandonado na avenida Brigadeiro Luiz Antônio. Comecei a trabalhar na região há anos e já

Leia mais

Curitiba/PR - Palacete do Batel será restaurado

Curitiba/PR - Palacete do Batel será restaurado Curitiba/PR - Palacete do Batel será restaurado O Palacete do Batel está em obras. Um projeto, encomendado pelos proprietários do imóvel, com o aval do Conselho Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico

Leia mais

DOSSIÊ DE TOMBAMENTO DAS IMAGENS DOS TRÊS REIS MAGOS

DOSSIÊ DE TOMBAMENTO DAS IMAGENS DOS TRÊS REIS MAGOS DOSSIÊ DE TOMBAMENTO DAS IMAGENS DOS TRÊS REIS MAGOS PORTEIRINHA - MG MARÇO DE 2002 INTRODUÇÃO Este dossiê contém as informações sobre as três imagens dos Santos Reis, que pertencem a Igreja de Santos

Leia mais

Locais a Visitar na Vila de Almodôvar

Locais a Visitar na Vila de Almodôvar Locais a Visitar na Vila de Almodôvar Igreja Matriz de Almodôvar A matriz é o monumento mais visitado do Concelho de Almodôvar e é dedicada a Santo Ildefonso, sendo que D. Dinis doou-a à Ordem de Santiago,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE CATALÃO SECRETARIA DE 0BRAS 1.0 INTRODUÇÃO 2.0 DISPOSIÇÕES GERAIS

MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE CATALÃO SECRETARIA DE 0BRAS 1.0 INTRODUÇÃO 2.0 DISPOSIÇÕES GERAIS MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: Nova Instalação da SEMMAC LOCAL: Rua Dr. Lamartine Pinto de Avelar, 2338. Setor Ipanema. Catalão GO TIPO DE SERVIÇO: Reforma e Ampliação. 1.0 INTRODUÇÃO A finalidade do presente

Leia mais

Igrejas paulistas: barroco e rococó

Igrejas paulistas: barroco e rococó Igrejas paulistas: barroco e rococó Vanessa Proença Título da obra: Igrejas paulistas: barroco e rococó. Autor: Percival Tirapeli 1 Um grande catálogo: é essa a impressão que o livro nos passa. A proposta

Leia mais

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 14. MUROS

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 14. MUROS DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 14. MUROS Av. Torres de Oliveira, 76 - Jaguaré CEP 05347-902 - São Paulo / SP MUROS Os muros são construções feitas de alvenaria de blocos de concreto ou tijolos, que tem a

Leia mais

DINOP / CENOP LOGÍSTICA CURITIBA (PR)

DINOP / CENOP LOGÍSTICA CURITIBA (PR) Curitiba, 16 de Janeiro de 2015 ESCLARECIMENTO N.º 05 TOMADA DE PREÇOS 2014/14641(7419) - Contratação de reforma, sem ampliação, de agência incorporada, Agência Itajaí/Besc (SC), para adequação de ambiência.

Leia mais

REVITALIZAÇÃO DA ÁREA DA CASA DAS RETORTAS PROJETO DE TFG APRESENTADO À UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

REVITALIZAÇÃO DA ÁREA DA CASA DAS RETORTAS PROJETO DE TFG APRESENTADO À UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Revista Brasileira de Arqueometria, Restauração e Conservação. Vol.1, No.4, pp. 200-205 Copyright 2007 AERPA Editora REVITALIZAÇÃO DA ÁREA DA CASA DAS RETORTAS PROJETO DE TFG APRESENTADO À UNIVERSIDADE

Leia mais

Proposta de Seguro de Habitação

Proposta de Seguro de Habitação Tomador de seguro Segurado Nome: Morada: Localidade: Código Postal: Email: Profissão: Data de nascimento: N.º contribuinte: Data de início pretendida: Local de risco Morada: Localidade: Código Postal:

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura 1 via; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo

Leia mais

BENS IMÓVEIS. DISTRITO: Sede. USO ATUAL: Institucional

BENS IMÓVEIS. DISTRITO: Sede. USO ATUAL: Institucional Página 1 de 6 IPAC N º08/2012 BENS IMÓVEIS MUNICÍPIO: DISTRITO: Sede DESIGNAÇÃO: Asilo São Vicente de Paulo ENDEREÇO: Rua Coronel Severiano, 131 - Fundinho USO ATUAL: Institucional PROPRIEDADE/ SITUAÇÃO

Leia mais

CURSO COMPLETO DE PROJETO DE MÓVEIS

CURSO COMPLETO DE PROJETO DE MÓVEIS CURSO COMPLETO DE PROJETO DE MÓVEIS Módulo 05 Projeto de Móveis CURSO COMPLETO DE PROJETO DE MÓVEIS MÓDULO 05 Aula 03 Assuntos a serem abordados: 04. Desenhos que Compõem um Projeto de Detalhamento de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS001 CANTEIRO DE OBRAS Revisão: 03 Dez./13 SUMÁRIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS001 CANTEIRO DE OBRAS Revisão: 03 Dez./13 SUMÁRIO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS001 CANTEIRO DE OBRAS Revisão: 03 Dez./13 SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS. Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre

MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS. Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre INDICE 1. GENERALIDADES 1.1. OBJETOS E DADOS 1.2. NORMAS 1.3. PLANTAS 2. INTERPRETAÇÃO 3. PRÉDIO 3.1.

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura via física e via digital; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e

Leia mais

HISTÓRIA DA ARQUITETURA COMO FERRAMENTA DE PRESERVAÇÃO O CASO DA RESTAURAÇÃO DO ANTIGO HOTEL SETE DE SETEMBRO

HISTÓRIA DA ARQUITETURA COMO FERRAMENTA DE PRESERVAÇÃO O CASO DA RESTAURAÇÃO DO ANTIGO HOTEL SETE DE SETEMBRO Revista Brasileira de Arqueometria, Restauração e Conservação. Vol.1, No.2, pp. 036-040 Copyright 2007 AERPA Editora HISTÓRIA DA ARQUITETURA COMO FERRAMENTA DE PRESERVAÇÃO O CASO DA RESTAURAÇÃO DO ANTIGO

Leia mais

Grupo escultórico; Ornatos menores; Esquadrias; Alvenarias externas;

Grupo escultórico; Ornatos menores; Esquadrias; Alvenarias externas; Como metodologia do projeto de restauro, a fim de identificar as camadas pictóricas das fachadas do edifício, foram executadas diversas prospecções estratigráficas, distribuídas entre os seguintes elementos:

Leia mais

situação e ambiência denominação Fazenda São Paulo códice AIII - F01 - Val localização Estrada VL-55, 6º distrito, Conservatória município Valença

situação e ambiência denominação Fazenda São Paulo códice AIII - F01 - Val localização Estrada VL-55, 6º distrito, Conservatória município Valença Parceria: denominação Fazenda São Paulo códice AIII - F01 - Val localização Estrada VL-55, 6º distrito, Conservatória município Valença época de construção séc. XIX detalhamento do estado de conservação

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA E ADAPTAÇÃO DO 2 PELOTÃO/2 CIA DO 5º BATALHÃO DO CBMMG PARA IMPLANTAÇÃO DE BASE DESCENTRALIZADA DO SAMU - 192

MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA E ADAPTAÇÃO DO 2 PELOTÃO/2 CIA DO 5º BATALHÃO DO CBMMG PARA IMPLANTAÇÃO DE BASE DESCENTRALIZADA DO SAMU - 192 MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA E ADAPTAÇÃO DO 2 PELOTÃO/2 CIA DO 5º BATALHÃO DO CBMMG PARA IMPLANTAÇÃO DE BASE DESCENTRALIZADA DO SAMU - 192 CONSIDERAÇÕES GERAIS O presente memorial tem por objetivo especificar

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS PROJETO DE RESTAURO ANTIGA CASA DE CAMARA E CADEIA MUSEU DE HISTÓRIA DA CIDADE APRESENTAÇÃO O Município de Florianópolis localiza-se em um espaço territorial de excepcional

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA BAIRRO

Leia mais

SOLAR DA IMPERATRIZ - PROJETO DE RESTAURO PESQUISA HISTÓRICA

SOLAR DA IMPERATRIZ - PROJETO DE RESTAURO PESQUISA HISTÓRICA SOLAR DA IMPERATRIZ - PROJETO DE RESTAURO PESQUISA HISTÓRICA 1. INTRODUÇÃO A pesquisa histórica levada a cabo pela equipe da 6ª CR do IPHAN e que esteve agregada ao Edital de Licitação do Projeto de Restauro

Leia mais

Reabilitação de Edifícios Antigos e Sustentabilidade

Reabilitação de Edifícios Antigos e Sustentabilidade João Appleton Abril de 2010 A sustentabilidade corresponde a um conceito recente que, pode dizerse, substituiu o de análise custo/benefício, no que refere à construção e reabilitação de edifícios. A noção

Leia mais

PINTURAS DE TREZENTOS ANOS DESCOBERTAS NAS PARIETAIS DA CAPELA-MOR DA IGREJA MATRIZ DE CONCEIÇÃO DO MATO DENTRO

PINTURAS DE TREZENTOS ANOS DESCOBERTAS NAS PARIETAIS DA CAPELA-MOR DA IGREJA MATRIZ DE CONCEIÇÃO DO MATO DENTRO PINTURAS DE TREZENTOS ANOS DESCOBERTAS NAS PARIETAIS DA CAPELA-MOR DA IGREJA MATRIZ DE CONCEIÇÃO DO MATO DENTRO SENRA, Dulce Azeredo (1); DIAS, Tereza (2); GODOY, Sandra (3) 1 - dulce.azeredo@gmail.com

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO versão 04

MEMORIAL DESCRITIVO versão 04 MEMORIAL DESCRITIVO versão 04 Arquitetônico Hidrossanitário EMPREENDIMENTO: Edifício Residencial ÁREA CONSTRUIDA: 2.323,60 m² ÁREA DO TERRENO: 1.474,00 m² LOCALIZAÇÃO: Rua Ianne Thorstemberg, n 344 Bairro

Leia mais

HISTÓRIA DO PRÉDIO DO MUSEU DA ESCOLA CATARINENSE

HISTÓRIA DO PRÉDIO DO MUSEU DA ESCOLA CATARINENSE HISTÓRIA DO PRÉDIO DO MUSEU DA ESCOLA CATARINENSE UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC Reitor: Prof. Antonio Heronaldo de Souza Vice Reitor: Prof. Marcus Tomasi Coordenação do Museu da Escola

Leia mais

PARÓQUIA DE S. JOÃO BAPTISTA DE VILA DO CONDE REGULAMENTO PARA MATRIMÓNIOS

PARÓQUIA DE S. JOÃO BAPTISTA DE VILA DO CONDE REGULAMENTO PARA MATRIMÓNIOS PARÓQUIA DE S. JOÃO BAPTISTA DE VILA DO CONDE REGULAMENTO PARA MATRIMÓNIOS Reconhecendo a Igreja que o dia do Casamento é um dos dias mais especiais na vida do futuro casal e que a Igreja toma parte da

Leia mais

Arquitetura e Urbanismo nas Cidades Brasileiras Contemporâneas. Embu das Artes

Arquitetura e Urbanismo nas Cidades Brasileiras Contemporâneas. Embu das Artes Arquitetura e Urbanismo nas Cidades Brasileiras Contemporâneas Embu das Artes A produção literária referente à arquitetura e urbanismo sempre foi caracterizada pela publicação de poucos títulos, baixa

Leia mais

QUI-BIO. Laboratório de Química e Biologia PROGRAMA ENSINO MÉDIO INTEGRAL ENSINO INTEGRAL 2014 MEMORIAL DESCRITIVO DE REFORMA

QUI-BIO. Laboratório de Química e Biologia PROGRAMA ENSINO MÉDIO INTEGRAL ENSINO INTEGRAL 2014 MEMORIAL DESCRITIVO DE REFORMA 1/11 MEMORIAL DESCRITIVO DE REFORMA INTRODUÇÃO A escolha das salas a serem adequadas para o Laboratório de Química e Biologia, para a Sala de Preparo e para o Laboratório de Matemática e Física deverá

Leia mais

Ana Carolina Vieira KRÜGER 2 Lucas KOTOVICZ 3 Sandra NODARI 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR

Ana Carolina Vieira KRÜGER 2 Lucas KOTOVICZ 3 Sandra NODARI 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR Roteiro de Não Ficção: Cardápio da Madrugada 1 Ana Carolina Vieira KRÜGER 2 Lucas KOTOVICZ 3 Sandra NODARI 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR RESUMO A série de reportagens "Cardápio da Madrugada" foi

Leia mais

DECRETO Nº 2.557, DE 10 DE MARÇO DE 2008.

DECRETO Nº 2.557, DE 10 DE MARÇO DE 2008. DECRETO Nº 2.557, DE 10 DE MARÇO DE 2008. Altera a redação do Decreto nº 2.378, de 16 de agosto de 2006, que regulamenta a Lei Complementar nº 112, de 25 de julho de 2006, e dispõe sobre a Autorização

Leia mais

Convento de Nossa Senhora do Carmo. IPA Monumento Nº IPA PT010303490087. Designação Convento de Nossa Senhora do Carmo

Convento de Nossa Senhora do Carmo. IPA Monumento Nº IPA PT010303490087. Designação Convento de Nossa Senhora do Carmo Page 1 of 6 Convento de Nossa Senhora do Carmo IPA Monumento Nº IPA PT010303490087 Designação Convento de Nossa Senhora do Carmo Localização Braga, Braga, São Vicente Acesso R. do Carmo, Tv. do Carmo,

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II 1 O PROJETO ASPECTOS IMPORTANTES PARA O ELETRICISTA

Leia mais

IFES/CAMPUS DE ALEGRE - ES PROJETO BÁSICO

IFES/CAMPUS DE ALEGRE - ES PROJETO BÁSICO IFES/CAMPUS DE ALEGRE - ES PROJETO BÁSICO Especificação Destinada Construção do Núcleo de Empresas Junior INTRODUÇÃO A execução dos serviços referente Construção do Núcleo de Empresas Junior, obedecerá

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DO TURISMO SUSTENTÁVEL PÓLO TURÍSTICO DO VALE DO JEQUITINHONHA. Volume 4 PATRIMÔNIO HISTÓRICO E CULTURAL

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DO TURISMO SUSTENTÁVEL PÓLO TURÍSTICO DO VALE DO JEQUITINHONHA. Volume 4 PATRIMÔNIO HISTÓRICO E CULTURAL FUNDAÇÃO JOÃO P INHEIRO G o v e r n o d e M i n a s G e r a i s 1 PLANO DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DO TURISMO SUSTENTÁVEL PÓLO TURÍSTICO DO VALE DO JEQUITINHONHA Volume 4 PATRIMÔNIO HISTÓRICO E CULTURAL

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA E ADAPTAÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA CENTRAL DE REGULAÇÃO DO SAMU NA ÁREA DE TELEATENDIMENTO DA 9ª RISP

MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA E ADAPTAÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA CENTRAL DE REGULAÇÃO DO SAMU NA ÁREA DE TELEATENDIMENTO DA 9ª RISP MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA E ADAPTAÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA CENTRAL DE REGULAÇÃO DO SAMU NA ÁREA DE TELEATENDIMENTO DA 9ª RISP CONSIDERAÇÕES GERAIS O presente memorial tem por objetivo especificar os serviços

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.281

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.281 Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.281 Estabelece normas e procedimentos para recuperação, manutenção e valorização de edifícios, obras e monumentos tombados, sujeitos ao tombamento vizinho ou identificados

Leia mais

ESTRUTURAS ARQUITETÔNICAS E URBANÍSTICAS

ESTRUTURAS ARQUITETÔNICAS E URBANÍSTICAS ESTRUTURAS ARQUITETÔNICAS E URBANÍSTICAS 01. Município: Uberlândia 02. Distrito: Sede 03. Designação: Igreja Nossa Senhora do Rosário 04. Endereço: Praça Rui Barbosa s/n Centro 05. Propriedade: Propriedade

Leia mais