Perguntas e Respostas. Aviso 07 - Promoção da Mobilidade Urbana Sustentável 2014

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Perguntas e Respostas. Aviso 07 - Promoção da Mobilidade Urbana Sustentável 2014"

Transcrição

1 Perguntas e Respostas Aviso 7 - Promoção da Mobilidade Urbana Sustentável 14 ÂMBITO GERAL 1. O que é o FEE Fundo de Eficiência Energética? O Fundo de Eficiência Energética (FEE) é um instrumento financeiro que foi criado pelo Decreto-Lei n.º5/, de de Maio, tendo como objetivos: financiar os programas e medidas previstas no Plano Nacional de Ação para a Eficiência Energética (PNAEE), incentivar a eficiência energética por parte dos cidadãos e das empresas, apoiar projetos de eficiência energética e promover a alteração de comportamentos nesta matéria. Este Fundo, através de Avisos específicos, apoia projetos de eficiência energética em áreas como os transportes, os edifícios, a prestação de serviços, a indústria e os serviços públicos, que contribuam para a redução do consumo final de energia, de forma eficiente e otimizada. 2. Qual o enquadramento do Aviso 7 - Promoção da Mobilidade Urbana Sustentável 14 O Aviso obedece ao disposto na Portaria n.º26/11, de de janeiro, que aprovou o Regulamento de Gestão do FEE, estabelecendo o regime de apoio financeiro aos projetos elegíveis pelo Fundo, disponível em O Aviso prevê a possibilidade de financiamento de candidaturas que contemplem a elaboração de Planos de Mobilidade e Transportes (PMT) e Planos de Mobilidade de Empresas e Polos Geradores e Atratores de Deslocações (PMEP), considerando as Diretrizes Nacionais para a Mobilidade, o Guia para a elaboração de PMT e o Guia para a elaboração de PMEP, promovidos pelo Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT). 3. O que são Planos de Mobilidade e Transportes (PMT) e Planos de Mobilidade de Empresas e Polos Geradores e Atratores de Deslocações (PMEP)? Um Plano de Mobilidade e Transportes (PMT) é uma figura de Plano de iniciativa municipal ou intermunicipal, que se define como um: Instrumento que estabelece a estratégia global de intervenção em matéria de organização das acessibilidades e gestão da mobilidade, definindo um conjunto de ações e medidas que contribuam para a implementação e promoção de um modelo de mobilidade mais sustentável: Compatível com o desenvolvimento económico; Indutor de uma maior coesão social; Orientado para a proteção do ambiente. Um Plano de Mobilidade de Empresas e Polos Geradores e Atratores de Deslocações (PMEP) é uma figura de Plano cuja iniciativa é sobretudo das entidades gestoras de polos geradores ou atractores de deslocações (designadamente: unidades empregadoras, Perguntas e Respostas Aviso 7 - Promoção da Mobilidade Urbana Sustentável 14 v1 1

2 universidades, hospitais, outros equipamentos coletivos e serviços), que se define como um instrumento de planeamento que pretende apoiar uma organização na gestão mais eficiente da mobilidade induzida pela sua atividade, através do desenvolvimento e implementação de um conjunto integrado de medidas ajustadas às características de cada empresa ou pólo, ao perfil de atividade e suas exigências e às necessidades específicas de deslocação dos seus colaboradores, visitantes e fornecedores. Visa objetivos de sustentabilidade, ou seja, reduzir os impactes (económicos, sociais e ambientais) negativos provocados pelas deslocações diárias, racionalizar a gestão dos recursos, reduzir custos e alcançar ganhos operacionais. 4. Quem pode candidatar-se? Podem candidatar-se: para os Planos de Mobilidade e Transportes (PMT), as autarquias e as comunidades intermunicipais; para os Planos de Mobilidade de Empresas e Polos Geradores e Atratores de Deslocações (PMEP), empresas e entidades empregadoras e gestoras de polos e equipamentos. 5. Quais são as condições necessárias que os projetos devem respeitar para se poderem candidatar ao Aviso? Os PMT suscetíveis de apoio devem respeitar, obrigatoriamente, as seguintes condições: a) Dispor de uma comissão de acompanhamento, constituída pela entidade promotora, pelos operadores de transportes locais, pelo IMT, pela ADENE, e quando aplicável pela respetiva autoridade metropolitana de transportes, bem como pelos principais stakeholders locais do setor da mobilidade e transportes e por organizações representativas dos interesses dos cidadãos; b) Estar previsto e delineado um programa de participação dos interessados e de auscultação pública nas fases de diagnóstico, conceção, elaboração das propostas, decisão, implementação e monitorização; c) Ser demonstrado o preenchimento das condições expressas nos artigos 3.o e 4.o do Regulamento, na medida do aplicável; d) Não se encontrarem iniciados materialmente à data de apresentação da candidatura, sendo, no entanto, admissíveis candidaturas de Planos em que tenha já sido efetuado o 1º pagamento correspondente à adjudicação; e) Ser assumido pela entidade promotora o compromisso da publicitação e divulgação públicas do Plano; f) Contemplar uma metodologia que inclua uma avaliação ex-ante das medidas a propor, nomeadamente no que diz respeito às externalidades ambientais e energéticas; g) Incluir uma metodologia para elaboração de plano de monitorização, que contemple, para além dos indicadores identificados nos documentos referenciados no ponto 2 do respetivo Aviso, uma avaliação, discriminada por medida, do impacto esperado em termos de redução de consumo de energia e emissões de gases com efeito de estufa Perguntas e Respostas Aviso 7 - Promoção da Mobilidade Urbana Sustentável 14 v1 2

3 e poluentes atmosféricos, nos termos de referência a determinar pela Comissão Executiva do PNAEE; h) O compromisso da entidade promotora de sujeitar o PMT, com a identificação das respetivas medidas e plano de monitorização, à aprovação dos respetivos órgãos executivos e deliberativos; i) Estar em situação de cumprimento, se aplicável, do Regulamento da Gestão do Consumo de Energia para o Sector dos Transportes (Portaria no 228/9, de 27 de março). Caso a entidade beneficiária não esteja em cumprimento da referida legislação, esta deverá assumir o compromisso de desenvolver o procedimento até ao final do projeto. Os PMEP suscetíveis de apoio devem respeitar, obrigatoriamente, as seguintes condições: a) A inclusão de uma metodologia de acompanhamento, participação e auscultação da elaboração do Plano por grupos alvos (colaboradores, visitantes, fornecedores), pela autarquia local, operadores de transportes, outras entidades e interessados; b) Ser assumido pela entidade promotora o compromisso de o Plano incluir ações de divulgação e promoção de cada medida ou do seu conjunto; c) Contemplar uma metodologia que inclua uma avaliação ex-ante das medidas a propor, nomeadamente quanto ao impacto expectável das mudanças dos padrões de mobilidade dos destinatários das medidas, bem como no que diz respeito às externalidades ambientais e energéticas; d) Incluir uma metodologia para elaboração de plano de monitorização que contemple, para além dos indicadores identificados nos documentos referenciados no ponto 2 do respetivo Aviso, uma avaliação, discriminada por medida, do impacto esperado em termos de redução de consumo de energia e emissões de gases com efeito de estufa e poluentes atmosféricos, nos termos de referência a determinar pela Comissão Executiva do PNAEE; e) O compromisso de aprovação do PMEP, com a identificação das respetivas medidas e plano de monitorização a concretizar pela entidade promotora. 6. Como faço prova de que se dispõe de uma comissão de acompanhamento, de acordo com o exigido aos promotores de PMT? Os promotores dos PMT deverão fazer menção na memória descritiva à criação de uma comissão de acompanhamento constituído pelos principais agentes intervenientes (stakeholders) locais, incluindo representantes da sociedade civil (i.e. organizações que representem os interesses dos cidadãos). A participação do IMT e da ADENE deverá também estar considerada, não sendo porém necessário submeter qualquer comprovativo do envolvimento destas entidades em sede de candidatura. Adicionalmente, o promotor deverá submeter uma declaração de compromisso assinada (minuta b6) na qual, entre outros aspectos, se compromete a criar a referida comissão de acompanhamento. 7. O que se entende por não ter sido iniciado materialmente à data de apresentação da candidatura? Perguntas e Respostas Aviso 7 - Promoção da Mobilidade Urbana Sustentável 14 v1 3

4 À data de apresentação da candidatura não poderão ter sido iniciados quaisquer trabalhos técnicos previstos para a elaboração dos projetos, exceto as atividades de preparação dos mesmos, nos quais se incluem consultas ao mercado e concursos públicos, desde que tenha não tenha havido mais do que um pagamento, correspondente à adjudicação dos trabalhos. 8. O promotor não está em situação de cumprimento do Regulamento da Gestão do Consumo de Energia para o Sector dos Transportes (Portaria no 228/9, de 27 de março), ainda que este lhe seja aplicável (ser uma empresa de transportes ou empresa com frota própria consumidora intensiva de energia, com um consumo anual superior a 5 tep). Pode submeter uma candidatura? Sim, se e só se o promotor assumir o compromisso de desenvolver o procedimento de até ao final do projeto, ficando o último pagamento condicionado à realização de todo o processo imposto pelo referido regulamento (que se entende por cumprido após a submissão do Plano de Racionalização de Consumos de Energia PREn à DGEG). 9. Que despesas são consideradas como não elegíveis no âmbito deste Aviso? No âmbito do presente Aviso não são elegíveis despesas com data anterior à da submissão da candidatura, exceto o eventual pagamento correspondente à adjudicação dos trabalhos. Adicionalmente não são consideradas elegíveis as despesas com o IVA associado ao custo das operações, caso este seja recuperável. Quando o beneficiário for uma entidade pública, também não são elegíveis as despesas que tenham sido realizadas para dar cumprimento a procedimentos de contratação pública, legislação ambiental e de ordenamento do território, e demais regras e princípios aplicáveis.. São consideradas elegíveis as despesas com recursos humanos do promotor, caso este opte por não contratar externamente o trabalho e pretenda executar parte (ou a totalidade) dos trabalhos com recursos próprios? Não. No âmbito do presente Aviso não são elegíveis as despesas com recursos internos do promotor, ainda que estes realizem trabalho no âmbito do projeto. O incentivo FEE é materializado através do cofinanciamento de prestação de serviços externa (contra apresentação de faturas). 11. Caso as despesas efetivamente realizadas no âmbito da execução do projeto sejam superiores às despesas previstas, submetidas por altura da candidatura, estas poderão ser consideradas elegíveis? Não. Só são consideradas elegíveis as despesas previstas indicadas no formulário de candidatura, e aprovadas pela Comissão Executiva do PNAEE no processo de avaliação. Assim, a parte que exceda estes valores será da responsabilidade da entidade promotora. 12. Caso a duração prevista para a execução das operações ultrapasse o prazo máximo de 3 meses para os PMT e 12 meses para os PMEP, o que poderá acontecer? Perguntas e Respostas Aviso 7 - Promoção da Mobilidade Urbana Sustentável 14 v1 4

5 Os prazos previstos no presente Aviso iniciam a sua contagem na data de celebração de contrato de cofinanciamento e terminam na data de apresentação do relatório final da operação, pelo que na prática é possível que os projetos ultrapassem os prazos mencionados, caso os trabalhos sejam iniciados antes da celebração do contrato de cofinanciamento. Ainda assim, caso não seja possível concluir a operação no prazo máximo previsto no contrato, o beneficiário poderá submeter um pedido de reprogramação para a execução integral da operação, sujeita a aprovação pela Comissão Executiva do PNAEE. 13. Como posso formalizar a minha candidatura? A candidatura deve ser exclusivamente submetida através de formulário eletrónico, disponível na página online do sistema de informação e gestão do FEE ( sendo obrigatório o registo prévio do beneficiário para acesso à área reservada do portal. O formulário da candidatura deve ser devidamente preenchido e necessariamente acompanhado por todos os documentos de apresentação obrigatória indicados no Aviso. 14. Quais os documentos que devem ser submetidos com a candidatura? Para além do preenchimento do formulário disponível online (acesso através da Área Pessoal ), é necessário submeter os seguintes documentos: Para todos os tipos de entidades (independentemente da sua natureza jurídica): Declaração da existência de meios técnicos, físicos, financeiros e de recursos humanos adequados ao projeto; Declaração da existência de contabilidade organizada; Declaração de compromisso do beneficiário assinada; Memória descritiva. Para entidades privadas: Certidão de inexistência da dívidas à Autoridade Tributária e Aduaneira; Certidão de inexistência de dívidas à Segurança Social. As minutas da memória descritiva e das declarações estão disponíveis em: Urbana-Sustent%C3%A1vel-14.aspx Adicionalmente, e para reforçar a fundamentação das despesas elegíveis (nomeadamente no caso dos trabalhos já terem sido adjudicados), o candidato pode submeter o(s) orçamento(s) com parte ou totalidade das despesas elegíveis. 15. Na fase de candidatura, é obrigatório apresentar faturas ou orçamentos do projeto de investimento? Depende. Caso o projeto ainda não tenha sido adjudicado, para efeitos de submissão de candidatura, é apenas necessário fundamentar as estimativas de despesas apresentadas. Perguntas e Respostas Aviso 7 - Promoção da Mobilidade Urbana Sustentável 14 v1 5

6 Caso o Plano já tenha sido adjudicado, é obrigatória a apresentação da proposta financeira que suporte a despesas a incorrer, propostas para apoio. No entanto, os documentos definitivos, que comprovam a realização do investimento e o pagamento das respetivas despesas, devem ser apresentados em fase posterior à assinatura do contrato de financiamento. 16. Os limites previstos no ponto 9.1 do Aviso incluem o correspondente IVA? Os limites estabelecidos não contemplam IVA, exceto para a situação prevista no ponto 6.2. Neste caso (em que o IVA dos bens e serviços adquiridos não é recuperável pelo beneficiário), o valor correspondente ao IVA está incluído no valor máximo de cofinanciamento. 17. A dotação orçamental prevista poderá vir a ser reforçada? Sim. Compete à Comissão Executiva do PNAEE a decisão de reforço das verbas afetas a cada Aviso. Qualquer alteração ao valor será comunicado em Poderá a data para a entrega das candidaturas ser alterada? Sim, a decisão de alteração do prazo para entrega das candidaturas cabe à Comissão Executiva do PNAEE. Designadamente, no caso de no limite do prazo definido para vigência do Aviso os projetos aprovados não esgotarem a verba dotada, poderá haver lugar ao prolongamento do prazo. A decisão de alteração do prazo será sempre publicitada em Quem avalia o mérito do projeto? O mérito do projeto é avaliado pela Comissão Executiva do PNAEE que nomeará, para o efeito, uma Comissão de Avaliação Técnica (CAT) constituída, no mínimo, por um representante do IMT e um representante da ADENE.. Como é feita a ponderação dos critérios de avaliação do mérito? A avaliação do mérito do projeto é feita de acordo com a matriz de ponderação apresentada em anexo. 21. De que forma se realizam os pagamentos do FEE? A aprovação da candidatura dá lugar à assinatura de contrato de financiamento entre o FEE e o beneficiário do projeto. A relação financeira estabelece-se a partir deste momento e o pagamento do montante total aprovado será efetuado com a validação do relatório de execução final, comprovando a realização integral do investimento, nos moldes aprovados e contratados. Perguntas e Respostas Aviso 7 - Promoção da Mobilidade Urbana Sustentável 14 v1 6

7 Anexo: Modelo de Avaliação do Mérito do Projeto O Mérito do Projeto será avaliado de acordo com a fórmula de cálculo MP=,5A+,5B, sendo aplicadas as seguintes ponderações dos critérios e subcritérios de seleção: Critérios/Subcritérios Ponderação A. Qualidade da operação,5 A.1 Coerência e razoabilidade, A.2 Qualidade técnica, económica e financeira,4 B. Contributo para Objetivos PNAEE,5 Estes critérios e subcritérios de avaliação irão ser analisados segundo a metodologia que se segue: Ponderação do critério global (%) A1 (%) A2 (8%) Ponderação do subcritério (%) 14% 6% Se tem equipa 3%; Se não Descritor Pontuação ( - ) A.1.a) Justificação da necessidade e relevância estratégica do Plano face à situação do território ou da empresa/polo em termos de mobilidade Fraca justificação da necessidade do Plano, nomeadamente quanto à importância do investimento na promoção de uma mobilidade mais sustentável no território (ou empresa/polo) e sua estratégia de desenvolvimento (ou crescimento), ainda que sejam apresentados alguns argumentos quanto à relevância da mobilidade no contexto sociodemográfico e dinâmicas territoriais (ou dinâmicas associadas à atividade da empresa/polo) Boa justificação da necessidade do Plano, com apresentação de argumentos que demonstram a sua importância na promoção de uma mobilidade mais sustentável no território (ou empresa/polo) e sua estratégia de desenvolvimento (ou crescimento), ainda que não tenha sido demonstrada explicitamente a relevância da mobilidade no contexto socio-demográfico e/ou nas dinâmicas territoriais (ou perfil de atividade da empresa/polo), ou vice-versa Muito boa justificação da necessidade do Plano, com apresentação de argumentos que demonstram a sua importância na promoção de uma mobilidade mais sustentável no território (ou empresa/polo) e sua estratégia de desenvolvimento (ou crescimento), e que demonstram ainda a relevância da mobilidade no contexto sociodemográfico e/ou nas dinâmicas territoriais (ou perfil de atividade da empresa/polo) A.1.b) Enquadramento do estudo em documentos estratégicos e de orientação técnica aplicáveis, internacionais e nacionais Ausência ou fraco enquadramento do Plano no contexto das políticas nacionais/europeias/internacionais Bom enquadramento do Plano no contexto das políticas nacionais/europeias/internacionais Excelente enquadramento do Plano no contexto das políticas nacionais/europeias/internacionais, demonstrando uma clara compreensão das prioridades estratégicas em termos de mobilidade e desenvolvimento sustentável A.2.a) Consistência dos objetivos estratégicos a atingir e explicitação dos seus fundamentos com base num breve diagnóstico dos principais problemas existentes Perguntas e Respostas Aviso 7 - Promoção da Mobilidade Urbana Sustentável 14 v 7

8 Ponderação do critério global (%) Ponderação do subcritério (%) Descritor Pontuação ( - ) 35% Os objetivos estratégicos apresentados são genéricos e/ou pouco coerentes e/ou o diagnóstico prévio do território/empresa/polo, não permitindo identificar inequivocamente os principais problemas existentes Os objetivos estratégicos apresentados são claros, e coerentes com o diagnóstico prévio do território ou empresa/polo mas o promotor não demonstra eficazmente um enquadramento com as demais prioridades/políticas do(s) município(s) ou empresa(s) Os objetivos estratégicos apresentados são claros e estão fundamentados de forma robusta, e são coerentes com o diagnóstico prévio do território/empresa/polo, evidenciando consistência com os restantes objetivos estratégicos e prioridades/políticas globais do(s) município(s) ou empresa(s) A.2.b) Metodologia para a elaboração do plano: recolha e tratamento de informação, desenvolvimento do plano, participação dos interessados e auscultação pública, publicitação e divulgação pública e monitorização A metodologia é pouco credível e/ou os elementos apresentados são genéricos, remetendo apenas para as diretrizes recomendadas nos documentos orientadores indicados no Aviso A metodologia é credível e coerente com as diretrizes incluídas nos documentos orientadores indicados no Aviso, Se tem equipa mas não evidencia maturidade na fase de preparação do projeto %; Se não A metodologia é credível, coerente com as diretrizes incluídas nos documentos orientadores indicados no Aviso, e 25% apresenta um grau de preparação avançado, demonstrando maturidade na fase de prévia do projeto (p.e. termos de referência/requisitos técnicos mínimos elaborados tendo por base uma caracterização prévia do território/empresa/polo, planeamento das atividades detalhado, análise preliminar de stakeholders, definição dos recursos técnico-financeiros necessários para a elaboração do trabalho, compreensão dos documentos orientadores e análise crítica, promovendo a inovação metodológica, os mecanismos de gestão/acompanhamento do projeto por parte do promotor em caso de subcontratação estão consolidados) A.2.c) Estimativa de custos do plano a partir da média apresentada pelas candidaturas (Preço do Plano per capita - Média de preço dos Planos per capita)/média de preço dos Planos per capita >,25 % -,15 (Preço do Plano per capita - Média de preço dos Planos per capita)/média de preço dos Planos per capita,25 (Preço do Plano per capita - Média de preço dos Planos per capita)/média de preço dos Planos per capita < -,15 A.2.d) Composição e experiência da equipa do plano e parcerias envolvidas, quando aplicável As evidências apresentadas revelam uma equipa com competências técnicas diminutas para executar de forma eficaz o trabalho proposto (ainda que com experiência comprovada nas respetivas áreas) As evidências apresentadas revelam uma equipa com competências técnicas multidisciplinares que abarcam % parcialmente as áreas temáticas que o projeto proposto impõe (ainda que com experiência comprovada nas respetivas áreas); ou revelam uma equipa com competências técnicas multidisciplinares que abarcam a totalidade das áreas temáticas que o projeto proposto impõe, com experiência não comprovada em trabalhos prévios similares, reunindo apenas parcialmente os recursos técnicos necessários para executar de forma eficaz o trabalho As evidências apresentadas revelam uma equipa com competências técnicas multidisciplinares que abarcam a Perguntas e Respostas Aviso 7 - Promoção da Mobilidade Urbana Sustentável 14 v 8

9 Ponderação do critério global (%) B (%) Ponderação do subcritério (%) % 5% 5% Descritor Pontuação ( - ) totalidade das áreas temáticas que o projeto proposto impõe, bem como experiência comprovada em trabalhos prévios similares, reunindo todos os recursos técnicos necessários para executar de forma eficaz o trabalho A.2.e) Relevância do ponto de vista do universo abrangido (população ou nº de colaboradores/visitantes) Pouca relevância estratégica do universo abrangido: Interconcelhio no caso dos PMT; Menos de colaboradores no caso dos PMEP. Média relevância estratégica do universo abrangido: Concelhio com menos de 5 habitantes no caso dos PMT; Entre e 15 colaboradores no caso dos PMEP. Muita relevância estratégica do universo abrangido: Concelhio com mais de 5 habitantes no caso dos PMT; Mais de 15 colaboradores no caso dos PMEP. B. a) Projeção estimada de alterações na repartição modal, decorrentes das medidas a propor no âmbito dos Planos (PMT ou PMEP) adequandoas aos impactos e metas definidos no PNAEE (justificada em termos de redução de tep O impacte estimado em termos de alterações na repartição modal é pouco credível e/ou fundamentado de forma 7 pouco coerente O impacte estimado em termos de alterações na repartição modal é credível, mas a sua fundamentação baseia-se 14 em pressupostos genéricos O impacte estimado em termos de alterações na repartição modal é credível e a sua fundamentação é robusta B. b) Coerência em termos de promoção de uma mobilidade sustentável, mais eficiente e de baixo carbono Os contributos previstos do Plano para a promoção de uma mobilidade sustentável são pouco coerentes (e/ou estão pouco fundamentados) com os objetivos preconizados pelo PNAEE, nomeadamente em termos de redução da 7 intensidade carbónica e emissões de gases com efeito de estufa, e reforço da diversificação das fontes de energia primária Os contributos previstos do Plano para a promoção de uma mobilidade sustentável são coerentes com os objetivos preconizados pelo PNAEE (mas a sua fundamentação é incipiente) nomeadamente em termos de redução da 14 intensidade carbónica e emissões de gases com efeito de estufa, e reforço da diversificação das fontes de energia primária Os contributos previstos do Plano para a promoção de uma mobilidade sustentável são coerentes (e estão muito bem fundamentados) com os objetivos preconizados pelo PNAEE, nomeadamente em termos de redução da intensidade carbónica e emissões de gases com efeito de estufa, e reforço da diversificação das fontes de energia primária. Há um claro entendimento por parte dos promotores do potencial contributo do Plano para a sustentabilidade do sector dos transportes Perguntas e Respostas Aviso 7 - Promoção da Mobilidade Urbana Sustentável 14 v 9

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA (FEE) Candidaturas a apoios financeiros do FEE, dirigidos às áreas da Mobilidade e dos Transportes

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA (FEE) Candidaturas a apoios financeiros do FEE, dirigidos às áreas da Mobilidade e dos Transportes Divulgação do IMT FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA (FEE) Candidaturas a apoios financeiros do FEE, dirigidos às áreas da Mobilidade e dos Transportes Dia 3 de março, irá abrir um concurso para apresentação

Leia mais

Perguntas e Respostas. Aviso 06 - Enchimento de Pneus a Nitrogénio 2014

Perguntas e Respostas. Aviso 06 - Enchimento de Pneus a Nitrogénio 2014 ÂMBITO GERAL Perguntas e Respostas Aviso 6 - Enchimento de Pneus a Nitrogénio 14 1. O que é o FEE Fundo de Eficiência Energética? O Fundo de Eficiência Energética (FEE) é um instrumento financeiro que

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS Fundo de Eficiência Energética PERGUNTAS E RESPOSTAS Aviso 13 Incentivo à promoção da Eficiência Energética II 2015 ÍNDICE ÂMBITO GERAL... 3 1. O que é o FEE Fundo de Eficiência Energética?... 3 2. Qual

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS Fundo de Eficiência Energética PERGUNTAS E RESPOSTAS Aviso 09 - Auditoria Elevadores Edifícios Serviços 2015 Perguntas e Respostas Aviso 09 - Auditoria Elevadores Edifícios Serviços 2015 v0 0 ÍNDICE ÂMBITO

Leia mais

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Apresentação do Aviso 10 Edifício Eficiente 2015 FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA (FEE) Decreto-Lei nº 50/2010, de 20 Maio O Fundo de Eficiência Energética (FEE) é um instrumento

Leia mais

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Apresentação do Aviso 12 Requalificação de Sistemas Solares Térmicos 2015 FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA (FEE) Decreto-Lei nº 50/2010, de 20 Maio O Fundo de Eficiência Energética

Leia mais

Regulamento. 5. O Concurso 50/50, promovido pelo ACM, IP, lançado pela primeira vez em 2015, assume um carácter experimental.

Regulamento. 5. O Concurso 50/50, promovido pelo ACM, IP, lançado pela primeira vez em 2015, assume um carácter experimental. Regulamento PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL Artigo 1º Âmbito 1. O Alto Comissariado para as Migrações, I.P. (doravante ACM, I.P.) propõe a dinamização de um concurso de ideias, denominado Concurso 50/50, destinado

Leia mais

CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS SISTEMA DE APOIO ÀS AÇÕES COLETIVAS TRANSFERÊNCIA DE CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO Índice 1. Objetivo temático, prioridade de investimento e objetivo

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO. Nota Justificativa

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO. Nota Justificativa Regulamento de Concessão de Incentivos ao Investimento REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Nota Justificativa A elaboração do presente Regulamento tem como objetivo criar um conjunto

Leia mais

Folha de Apoio ao preenchimento dos documentos que constituem o Pedido de Pagamento

Folha de Apoio ao preenchimento dos documentos que constituem o Pedido de Pagamento Folha de Apoio ao preenchimento dos documentos que constituem o Pedido de Pagamento Apoio ao preenchimento do Relatório Final de Operação (RFO) Para ajudar no preenchimento do Relatório Final de Operação

Leia mais

Capítulo I Disposições Gerais. Artigo 1.º Âmbito e finalidades

Capítulo I Disposições Gerais. Artigo 1.º Âmbito e finalidades REGULAMENTO: PARTIS - PRÁTICAS ARTÍSTICAS PARA INCLUSÃO SOCIAL Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º Âmbito e finalidades 1. A Fundação Calouste Gulbenkian tem vindo a apoiar ao longo dos anos diversas

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL DA 2014-2020 (MADEIRA 14-20) EIXO PRIORITÁRIO 3 Reforçar a Competitividade das Empresas PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI) 3.b Desenvolvimento

Leia mais

Mecanismos de apoio e incentivo à Eficiência energética

Mecanismos de apoio e incentivo à Eficiência energética Mecanismos de apoio e incentivo à Eficiência energética Victor Francisco CTCV - Responsável Gestão e Promoção da Inovação [victor.francisco@ctcv.pt] Workshop Setorial da Cerâmica e do Vidro CTCV 14.12.12

Leia mais

VALE EMPREENDEDORISMO

VALE EMPREENDEDORISMO V A L E E M P R E E N D E D O R I S M O Page 1 VALE EMPREENDEDORISMO (PROJETOS SIMPLIFICADOS DE EMPREENDEDORISMO) Março 2015 V A L E E M P R E E N D E D O R I S M O Pag. 2 ÍNDICE 1. Enquadramento... 3

Leia mais

Promoção Porto e Norte de Portugal - Imaterial -

Promoção Porto e Norte de Portugal - Imaterial - Eixo Prioritário II Valorização Económica de Recursos Específicos Promoção Porto e Norte de Portugal - Imaterial - Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas Promoção Porto e Norte

Leia mais

PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE. Deliberações CMC POR: 6/12/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012 ÂMBITO

PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE. Deliberações CMC POR: 6/12/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012 ÂMBITO PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE Deliberações CMC POR: 6/12/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012 PATRIMÓNIO CULTURAL ENTRADA EM VIGOR EM 9/08/2012 NA REDAÇÃO DADA PELA DELIBERAÇÃO

Leia mais

AVISO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA NO USO DE RECURSOS (PO SEUR)

AVISO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA NO USO DE RECURSOS (PO SEUR) AVISO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA NO USO DE RECURSOS (PO SEUR) EIXO PRIORITÁRIO 3 PROTEGER O AMBIENTE E PROMOVER A EFICIÊNCIA DOS RECURSOS

Leia mais

SIDER. Guia para o preenchimento do Formulário de Pedido de Pagamento do Incentivo

SIDER. Guia para o preenchimento do Formulário de Pedido de Pagamento do Incentivo REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA ECONOMIA DIREÇÃO REGIONAL DE APOIO AO INVESTIMENTO E À COMPETITIVIDADE SIDER Guia para o preenchimento do Formulário de Pedido de Pagamento do Incentivo

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO. Preâmbulo

PROJETO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO. Preâmbulo PROJETO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Preâmbulo A elaboração do presente Regulamento tem como objetivo criar um conjunto de regras e princípios que permitam dotar o Município

Leia mais

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Comissão Executiva do Plano Nacional de Ação para a Eficiência Energética (PNAEE) Decisão sobre as candidaturas submetidas ao Aviso 07 Promoção da Mobilidade Urbana Sustentável

Leia mais

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE Deliberações CMC POR: 17/04/2009, 14/08/2009, 20/04/2010, 4/04/2011, 30/01/2012 e 20/03/2012 EQUIPAMENTOS PARA A COESÃO LOCAL ENTRADA EM VIGOR EM 21/03/2012

Leia mais

Regulamento Municipal para a Concessão de Apoios ao Associativismo. Preâmbulo

Regulamento Municipal para a Concessão de Apoios ao Associativismo. Preâmbulo MUNICIPIO DE ARCOS DE VALDEVEZ Regulamento Dr. Francisco Rodrigues de Araújo, Presidente da Câmara Municipal de Arcos de Valdevez: Faz público que a Assembleia Municipal de Arcos de Valdevez, na sua sessão

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO A INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL E DEMAIS ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DO CONCELHO DE PINHEL

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO A INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL E DEMAIS ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DO CONCELHO DE PINHEL REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO A INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL E DEMAIS ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DO CONCELHO DE PINHEL Junho 2013 PREÂMBULO Considerando o quadro legal de atribuições

Leia mais

Sistema de Apoio às Ações Coletivas (SIAC)

Sistema de Apoio às Ações Coletivas (SIAC) Eixo Prioritário I Competitividade, Inovação e Conhecimento Sistema de Apoio às Ações Coletivas (SIAC) Impulso Jovem Aviso de Abertura de Convite Público para Apresentação de Candidaturas Sistema de Apoio

Leia mais

Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos Sociais

Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos Sociais Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos Sociais Aviso Apresentação de Candidaturas Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos

Leia mais

Artigo 1.º. Âmbito e objeto

Artigo 1.º. Âmbito e objeto PROJETO DE REGULAMENTO DO CONCURSO PÚBLICO PARA A SELEÇÃO DE INFRAESTRUTURAS DE INVESTIGAÇÃO E SUA INTEGRAÇÃO NO ROTEIRO NACIONAL DE INFRAESTRUTURAS DE INVESTIGAÇÃO DE INTERESSE ESTRATÉGICO Artigo 1.º

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS Fundo de Eficiência Energética PERGUNTAS E RESPOSTAS Aviso 12 Requalificação de Sistemas Solares Térmicos 2015 Perguntas e Respostas Aviso 12 Requalificação de Sistemas Solares Térmicos 2015 v0 0 ÍNDICE

Leia mais

Norma de Pagamentos. Os incentivos a conceder revestem a forma de subsídio não reembolsável.

Norma de Pagamentos. Os incentivos a conceder revestem a forma de subsídio não reembolsável. Norma de Pagamentos 1. Âmbito Nos termos do previsto no Contrato de Concessão de Incentivos estabelece-se a norma de pagamentos aplicável ao Empreende Jovem Sistema de Incentivos ao Empreendedorismo. O

Leia mais

EIXO 1 COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EM CONTÍNUO N.

EIXO 1 COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EM CONTÍNUO N. EIXO 1 COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO REGULAMENTO ESPECÍFICO: SISTEMA DE APOIO A ÁREAS DE ACOLHIMENTO EMPRESARIAL E LOGÍSTICA AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EM

Leia mais

REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira

REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira PG 02 NOTA JUSTIFICATIVA O presente regulamento promove a qualificação das

Leia mais

Área Metropolitana do. Porto 2007-2013. Programa Territorial de Desenvolvimento. Optimização da Gestão de Resíduos Sólidos

Área Metropolitana do. Porto 2007-2013. Programa Territorial de Desenvolvimento. Optimização da Gestão de Resíduos Sólidos Área Metropolitana do Porto 2007-2013 Programa Territorial de Desenvolvimento Optimização da Gestão de Resíduos Sólidos Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas - AMP - RS/1/2009

Leia mais

3. Tipologia das operações As grandes áreas de intervenção no âmbito do presente AAC são as seguintes: 1 de 9

3. Tipologia das operações As grandes áreas de intervenção no âmbito do presente AAC são as seguintes: 1 de 9 Convite para Apresentação de Candidaturas Aviso Nº ACORES-56-2015-14 Eixo Prioritário 7 Transportes sustentáveis e principais redes de infraestruturas. Prioridade de Investimento 7.2 Melhoria da mobilidade

Leia mais

Folha de Apoio ao preenchimento dos documentos que constituem o Pedido de Pagamento

Folha de Apoio ao preenchimento dos documentos que constituem o Pedido de Pagamento Folha de Apoio ao preenchimento dos documentos que constituem o Pedido de Pagamento Apoio ao preenchimento do Relatório Final de Operação (RFO) Para ajudar no preenchimento do Relatório Final de Operação

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais ESTATUTOS DO CONSELHO DAS FINANÇAS PÚBLICAS Aprovados pela Lei n.º 54/2011, de 19 de outubro, com as alterações introduzidas pelo artigo 187.º da Lei n.º 82-B/2014, de 31 de dezembro (Grafia adaptada em

Leia mais

Fondo Europeo de Desarrollo Regional

Fondo Europeo de Desarrollo Regional Anúncio da Autoridade de Gestão (Vice-secretaria da Economia e Assuntos Económicos com a União Europeia do Governo das Canárias), pelo qual se dá publicidade à primeira convocatória do Programa Operacional

Leia mais

FINANCIAMENTO DE UNIDADES DE I&D (2015-2020)

FINANCIAMENTO DE UNIDADES DE I&D (2015-2020) FINANCIAMENTO DE UNIDADES DE I&D (2015-2020) FAQ SOBRE A ELEGIBILIDADE DE DESPESAS Aquisição de instrumentos e equipamento científico e técnico, enquadráveis em Despesa Direta "Aquisição de instrumentos

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO II SISTEMAS AMBIENTAIS E DE PREVENÇÃO, GESTÃO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS (FUNDO DE COESÃO) CÓDIGO DO AVISO: POVT - POVT-35-2013-59

EIXO PRIORITÁRIO II SISTEMAS AMBIENTAIS E DE PREVENÇÃO, GESTÃO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS (FUNDO DE COESÃO) CÓDIGO DO AVISO: POVT - POVT-35-2013-59 CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURA EIXO PRIORITÁRIO II SISTEMAS AMBIENTAIS E DE PREVENÇÃO, GESTÃO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS (FUNDO DE COESÃO) DOMÍNIO DE INTERVENÇÃO PREVENÇÃO E GESTÃO DE RISCOS REGULAMENTO

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação Empresarial da Região Autónoma da Madeira - Inovar 2020.- Portaria n.º 86/2016 de 2 de Março de 2016

Sistema de Incentivos à Inovação Empresarial da Região Autónoma da Madeira - Inovar 2020.- Portaria n.º 86/2016 de 2 de Março de 2016 FICHA TÉCNICA INOVAR 2020 Sistema de Incentivos à Inovação Empresarial da Região Autónoma da Madeira - Inovar 2020.- Portaria n.º 86/2016 de 2 de Março de 2016 Introdução O INOVAR 2020, Sistema de Incentivos

Leia mais

PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE. Deliberações CMC POR: 18/06/2010, 25/11/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012

PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE. Deliberações CMC POR: 18/06/2010, 25/11/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012 PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE Deliberações CMC POR: 18/06/2010, 25/11/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012 ECONOMIA DIGITAL E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO - ENTRADA EM VIGOR

Leia mais

CTE Elegibilidades 2014 2020

CTE Elegibilidades 2014 2020 CTE Elegibilidades 2014 2020 Nota: O Comité de Acompanhamento de cada Programa poderá definir normas de elegibilidade adicionais próprias atenção aos termos da convocatória Sessão de esclarecimentos sobre

Leia mais

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 26/2007/A de 19 de Novembro de 2007 Regulamenta o Subsistema de Apoio ao Desenvolvimento da Qualidade e Inovação O Decreto Legislativo Regional

Leia mais

CIRCULAR. N.Refª: 98/2015 Data: 02/12/15. ASSUNTO: ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 2/2015 Projetos de Formação-Ação Modalidade Projetos Conjuntos

CIRCULAR. N.Refª: 98/2015 Data: 02/12/15. ASSUNTO: ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 2/2015 Projetos de Formação-Ação Modalidade Projetos Conjuntos CIRCULAR N.Refª: 98/2015 Data: 02/12/15 ASSUNTO: ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 2/2015 Projetos de Formação-Ação Modalidade Projetos Conjuntos Exmos. Senhores, No seguimento da publicação do Aviso 34/SI/2015 e

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURA AO FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURA AO FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Fundo de Eficiência Energética AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURA AO FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Edifício Eficiente 2015 AVISO 10 - Edifício Eficiente 2015 FEE - Fundo de Eficiência Energética 19-02-2015

Leia mais

REGULAMENTO. Contratação de doutorados para o Sistema Científico e Tecnológico Nacional

REGULAMENTO. Contratação de doutorados para o Sistema Científico e Tecnológico Nacional REGULAMENTO Contratação de doutorados para o Sistema Científico e Tecnológico Nacional O programa do XVII Governo Constitucional e o seu Compromisso com a Ciência apontam o rápido desenvolvimento científico

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de dezembro, alterado pelos Decretos

Leia mais

REGULAMENTO. Preâmbulo

REGULAMENTO. Preâmbulo REGULAMENTO Preâmbulo O espírito de iniciativa, a criatividade, a capacidade de detectar e aproveitar oportunidades, de assumir o risco e formar decisões, constituem premissas essenciais para o sucesso

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL FATORES DE COMPETITIVIDADE E PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE SISTEMA DE APOIOS À MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA

PROGRAMA OPERACIONAL FATORES DE COMPETITIVIDADE E PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE SISTEMA DE APOIOS À MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA PROGRAMA OPERACIONAL FATORES DE COMPETITIVIDADE E PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE Deliberações CMC POFC: 16/10/2007, 14/08/2009, 10/09/2010, 7/12/2010, 4/04/2011, 11/04/2012 e 10/08/2012

Leia mais

Artigo 3º Bolsas de Investigação para Frequência de Estágios

Artigo 3º Bolsas de Investigação para Frequência de Estágios PROGRAMA OPERACIONAL DE VALORIZAÇÃO DO POTENCIAL HUMANO E COESÃO SOCIAL DA RAM EIXO I EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO FORMAÇÃO AVANÇADA DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO DE FORMAÇÃO AVANÇADA E QUALIFICAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

SISTEMA DE APOIO A ÁREAS DE ACOLHIMENTO EMPRESARIAL E LOGÍSTICA DISPOSIÇÕES GERAIS

SISTEMA DE APOIO A ÁREAS DE ACOLHIMENTO EMPRESARIAL E LOGÍSTICA DISPOSIÇÕES GERAIS PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO DO NORTE, CENTRO, ALENTEJO E ALGARVE Deliberações CMC POR: 28/03/2008, 14/08/2009, 20/04/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012 SISTEMA DE APOIO A ÁREAS

Leia mais

Regulamento Específico Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos Acções Materiais

Regulamento Específico Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos Acções Materiais Regulamento Específico Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos Acções Materiais Programa Operacional Valorização do Território Deliberações CMC POR: 26/03/2008, 17/04/2009, 14/08/2009, 20/04/2010,

Leia mais

Município de Oliveira do Hospital PROJETO DO REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS

Município de Oliveira do Hospital PROJETO DO REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS PROJETO DO REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS O Município de Oliveira do Hospital entende como de interesse municipal as iniciativas empresariais que contribuem para o desenvolvimento e dinamização

Leia mais

Versão Consolidada. Portaria n.º 482/2009, de 6 de Maio

Versão Consolidada. Portaria n.º 482/2009, de 6 de Maio Portaria n.º 482/2009, de 6 de Maio O Regulamento (CE) n.º 1698/2005, do Conselho, de 20 de Setembro, relativo ao apoio ao desenvolvimento rural pelo Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural (FEADER),

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A PROJETOS DE CRIAÇÃO NAS ÁREAS DE CINEMA, DANÇA E TEATRO. Enquadramento

REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A PROJETOS DE CRIAÇÃO NAS ÁREAS DE CINEMA, DANÇA E TEATRO. Enquadramento REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A PROJETOS DE CRIAÇÃO NAS ÁREAS DE CINEMA, DANÇA E TEATRO 2016 Enquadramento A Fundação Calouste Gulbenkian concede, através do Programa de Língua e Cultura Portuguesas

Leia mais

CÓDIGO DO AVISO: POVT-35-2013-63

CÓDIGO DO AVISO: POVT-35-2013-63 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EIXO PRIORITÁRIO II SISTEMAS AMBIENTAIS E DE PREVENÇÃO, GESTÃO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS (FUNDO DE COESÃO) TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO PREVENÇÃO E GESTÃO DE RISCOS

Leia mais

Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projetos e Despesas TIC FAQ

Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projetos e Despesas TIC FAQ Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projetos e Despesas TIC FAQ Folha de Controlo Nome do Documento: FAQs Evolução do Documento Versão Autor Data Comentários

Leia mais

Art. 3º. As propostas devem ser apresentadas por professores mensalistas do quadro de docentes, nas seguintes condições:

Art. 3º. As propostas devem ser apresentadas por professores mensalistas do quadro de docentes, nas seguintes condições: EDITAL Nº 049/2015 CHAMADA DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA 2016 A Diretoria de Pós graduação e Extensão, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo Regimento Geral do Centro Universitário

Leia mais

Comissão Europeia Direção-Geral do Desenvolvimento e da Cooperação - EuropeAid

Comissão Europeia Direção-Geral do Desenvolvimento e da Cooperação - EuropeAid Comissão Europeia Direção-Geral do Desenvolvimento e da Cooperação - EuropeAid Guia Prático dos procedimentos aplicáveis aos Orçamentos-programa (abordagem projeto) Versão 4.0 Dezembro de 2012 ÍNDICE 1.

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURA AO FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURA AO FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Fundo de Eficiência Energética AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURA AO FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Edifício Eficiente 2012 AVISO 03 - Edifício Eficiente 2012 FEE - Fundo de Eficiência Energética 21-11-2012

Leia mais

CANDIDATURAS À MEDIDA FORMAÇÃO-AÇÃO PARA PME

CANDIDATURAS À MEDIDA FORMAÇÃO-AÇÃO PARA PME CANDIDATURAS À MEDIDA FORMAÇÃO-AÇÃO PARA PME Destinatários do projeto Micro, Pequenas e Médias empresas com: Dimensão até 250 trabalhadores Localizadas nas regiões Norte, Centro e Alentejo Estatuto PME

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS Fundo de Eficiência Energética PERGUNTAS E RESPOSTAS Aviso 10 Edifício Eficiente 2015 Perguntas e Respostas Aviso 10 Edifício Eficiente 2015 v0 0 ÍNDICE 1. O que é o FEE Fundo de Eficiência Energética?...

Leia mais

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º. Objecto

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º. Objecto CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento estabelece as condições de acesso das operações a apoiar no âmbito da Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos, para:

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO II SISTEMAS AMBIENTAIS E DE PREVENÇÃO, GESTÃO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS (FUNDO COESÃO)

EIXO PRIORITÁRIO II SISTEMAS AMBIENTAIS E DE PREVENÇÃO, GESTÃO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS (FUNDO COESÃO) CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS www.povt.qren.pt EIXO PRIORITÁRIO II SISTEMAS AMBIENTAIS E DE PREVENÇÃO, GESTÃO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS (FUNDO COESÃO) DOMÍNIO DE INTERVENÇÃO RECUPERAÇÃO DE

Leia mais

Portaria 560/2004, de 26 de Maio

Portaria 560/2004, de 26 de Maio Portaria 560/2004, de 26 de Maio Aprova o Regulamento Específico da Medida «Apoio à Internacionalização da Economia A Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 17 de Junho, publicada em 26 de

Leia mais

Projetos Conjuntos. Guia do Beneficiário. 1.ª Fase Aviso nº 1/2013. Direção-Geral das Atividades Económicas

Projetos Conjuntos. Guia do Beneficiário. 1.ª Fase Aviso nº 1/2013. Direção-Geral das Atividades Económicas Projetos Conjuntos Guia do Beneficiário 1.ª Fase Aviso nº 1/2013 Direção-Geral das Atividades Económicas ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 1. CONTRATAÇÃO DE INCENTIVOS... 4 1.1 Publicação da Decisão de Concessão

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS PROGRAMA OPERACIONAL VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO Deliberações CMC POVT: 15/10/2007, 19/02/2008, 6/02/2012, 8/08/2012 e 2/10/2013 RECUPERAÇÃO DO PASSIVO AMBIENTAL ENTRADA EM VIGOR EM 3/10/2013 NA REDAÇÃO

Leia mais

EMISSOR: Presidência do Conselho de Ministros e Ministério da Economia e do Emprego

EMISSOR: Presidência do Conselho de Ministros e Ministério da Economia e do Emprego DATA: Segunda-feira, 31 de dezembro de 2012 NÚMERO: 252 SÉRIE I, 4º SUPLEMENTO EMISSOR: Presidência do Conselho de Ministros e Ministério da Economia e do Emprego DIPLOMA: Portaria n.º 432-B/2012 SUMÁRIO:

Leia mais

Instrumentos de operacionalização do PNAEE. Seminário "Alto Minho 2014-2020 Ponte de Lima, 15 de julho de 2014

Instrumentos de operacionalização do PNAEE. Seminário Alto Minho 2014-2020 Ponte de Lima, 15 de julho de 2014 Instrumentos de operacionalização do PNAEE Seminário "Alto Minho 2014-2020 Ponte de Lima, 15 de julho de 2014 Fundo de Eficiência Energética Objetivo: O Fundo tem como objetivo financiar os programas e

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 7 de outubro de 2015. Série. Número 154

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 7 de outubro de 2015. Série. Número 154 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 7 de outubro de 2015 Série Suplemento Sumário SECRETARIA REGIONAL DA INCLUSÃO E ASSUNTOS SOCIAIS Portaria n.º 184/2015 Cria e regula o funcionamento

Leia mais

Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge

Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge Objetivos Contribuir para o incremento de uma nova cultura empresarial, baseada no conhecimento e na inovação, introduzindo uma cultura de risco e vontade empreendedora, através do estímulo ao aparecimento

Leia mais

Candidatura 2010 ENERGIA. Utilização racional de energia e eficiência energético - ambiental em equipamentos colectivos IPSS e ADUP

Candidatura 2010 ENERGIA. Utilização racional de energia e eficiência energético - ambiental em equipamentos colectivos IPSS e ADUP Candidatura 2010 ENERGIA Utilização racional de energia e eficiência energético - ambiental em equipamentos colectivos IPSS e ADUP ÍNDICE: 1. ENQUADRAMENTO 2. EIXO 2 APOIO AS ENERGIAS RENOVÁVEIS 3. OBJECTIVOS

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS Fundo de Eficiência Energética PERGUNTAS E RESPOSTAS Aviso 11 Hotelaria - Incentivo à promoção da Eficiência Energética 2015 ÍNDICE 1. O que é o FEE Fundo de Eficiência Energética?... 3 2. Qual o enquadramento

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO DOMÍNIO DA COMPETITIVIDADE

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO DOMÍNIO DA COMPETITIVIDADE 07 de abril de 2015 REGULAMENTO ESPECÍFICO DO DOMÍNIO DA COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO Foi publicada no passado dia 27 de fevereiro a Portaria n.º 57-A/2015 que aprova o Regulamento Específico

Leia mais

SISTEMA DE APOIO AO FINANCIAMENTO E PARTILHA DE RISCO DA INOVAÇÃO (SAFPRI)

SISTEMA DE APOIO AO FINANCIAMENTO E PARTILHA DE RISCO DA INOVAÇÃO (SAFPRI) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Nº 03 / SAFPRI / 2009 SISTEMA DE APOIO AO FINANCIAMENTO E PARTILHA DE RISCO DA INOVAÇÃO (SAFPRI) CONSTITUIÇÃO OU REFORÇO DE FUNDOS DE CAPITAL DE RISCO (FCR) PROJECTOS FASE

Leia mais

Concurso de 2014 ANEXO XIV

Concurso de 2014 ANEXO XIV Concurso de 2014 ANEXO XIV PROGRAMA DE APOIO AO CINEMA SUBPROGRAMA DE APOIO À EXIBIÇÃO 1. Âmbito O ICA apoia a exibição de obras nacionais, europeias, ou de outros países cuja distribuição em Portugal

Leia mais

Promoção Porto e Norte de Portugal - Imaterial -

Promoção Porto e Norte de Portugal - Imaterial - Eixo Prioritário II Valorização Económica de Recursos Específicos Promoção Porto e Norte de Portugal - Imaterial - Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas Promoção Porto e Norte

Leia mais

Planos de Mobilidade e Transportes (PMT) e Planos de Mobilidade Urbana Sustentável (SUMP / PMUS): Diferenças e Semelhanças

Planos de Mobilidade e Transportes (PMT) e Planos de Mobilidade Urbana Sustentável (SUMP / PMUS): Diferenças e Semelhanças Planos de Mobilidade e Transportes (PMT) e Planos de Mobilidade Urbana Sustentável (SUMP / PMUS): Diferenças e Semelhanças Faustino Gomes TIS.pt Planeamento da Mobilidade Urbana Sustentável 1º Workshop

Leia mais

Projetos Estratégicos. Normas de execução financeira. 1. Âmbito do financiamento

Projetos Estratégicos. Normas de execução financeira. 1. Âmbito do financiamento Projetos Estratégicos Normas de execução financeira 1. Âmbito do financiamento 1.1. As verbas atribuídas destinam-se a financiar as despesas do projeto aprovado, com observância da legislação em vigor,

Leia mais

TERMO DE ACEITAÇÃO DA DECISÃO DE APROVAÇÃO

TERMO DE ACEITAÇÃO DA DECISÃO DE APROVAÇÃO DA DECISÃO DE APROVAÇÃO Entidade Beneficiária Principal: Acrónimo e Designação do Projecto: Referência PAD 2003-2006: Considerando que, por despacho do Ministro Adjunto do Primeiro-Ministro, foi aprovada

Leia mais

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Aviso 10 Edifício Eficiente 2015 LNEC - LABORATÓRIO NACIONAL DE ENGENHARIA CIVIL DIREÇÃO EXECUTIVA DO PNAEE LISBOA, 29/06/2015 O que é? Fundo de Eficiência Energética (FEE):

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 17/2015 Regulamento Relativo ao Pessoal Docente Especialmente Contratado da Universidade de Évora

ORDEM DE SERVIÇO Nº 17/2015 Regulamento Relativo ao Pessoal Docente Especialmente Contratado da Universidade de Évora ORDEM DE SERVIÇO Nº 17/2015 Regulamento Relativo ao Pessoal Docente Especialmente Contratado da Universidade de Évora Considerando que cabe às instituições de ensino superior aprovar a regulamentação necessária

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO MUNICÍPIO DE S. PEDRO DO SUL GABINETE DE DESPORTO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

Leia mais

Decreto-Lei nº 24/2007 De 30 de Julho

Decreto-Lei nº 24/2007 De 30 de Julho Decreto-Lei nº 24/2007 De 30 de Julho A estratégia de desenvolvimento sustentável e harmonioso do país, tendo por paradigma a melhoria contínua das condições de vida dos cabo-verdianos, só pode ser bem

Leia mais

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Preâmbulo A Câmara Municipal de Nordeste tem vindo a apoiar ao longo dos anos de forma directa e organizada toda a actividade desportiva no concelho

Leia mais

CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS SISTEMA DE APOIO À INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA - ( PROGRAMAS INTEGRADOS DE IC&DT de acordo com alínea d) do artigo 103º do RECI) CONVITE NORTE - 45-2015

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 140/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 140/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 140/XII Exposição de Motivos A reorganização dos sectores das águas e dos resíduos é um dos grandes desafios a que o Governo se propõe, em vista da resolução de problemas ambientais

Leia mais

PROPOSTA DE CANDIDATURA PARTE B (ANEXO TÉCNICO) SISTEMA DE INCENTIVOS À INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO (SI I&DT) AVISO Nº 32/SI/2015

PROPOSTA DE CANDIDATURA PARTE B (ANEXO TÉCNICO) SISTEMA DE INCENTIVOS À INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO (SI I&DT) AVISO Nº 32/SI/2015 PROPOSTA DE CANDIDATURA PARTE B (ANEXO TÉCNICO) SISTEMA DE INCENTIVOS À INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO (SI I&DT) AVISO Nº 32/SI/2015 PROJETOS DEMONSTRADORES INDIVIDUAIS Título do projeto /

Leia mais

Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana

Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas de Programas de Acção PRU/2/2008 Grandes Centros Política de Cidades - Parcerias

Leia mais

REGULAMENTO DA UNIDADE DE VIGILÂNCIA PEDIÁTRICA da SOCIEDADE PORTUGUESA DE PEDIATRIA PORTUGUESE PAEDIATRIC SURVEILLANCE UNIT (UVP-SPP / PPSU)

REGULAMENTO DA UNIDADE DE VIGILÂNCIA PEDIÁTRICA da SOCIEDADE PORTUGUESA DE PEDIATRIA PORTUGUESE PAEDIATRIC SURVEILLANCE UNIT (UVP-SPP / PPSU) REGULAMENTO DA UNIDADE DE VIGILÂNCIA PEDIÁTRICA da SOCIEDADE PORTUGUESA DE PEDIATRIA PORTUGUESE PAEDIATRIC SURVEILLANCE UNIT (UVP-SPP / PPSU) Para que a Pediatria portuguesa e as nossas crianças portadoras

Leia mais

Regulamento do Serviço de Consulta Psicológica da Universidade da Madeira

Regulamento do Serviço de Consulta Psicológica da Universidade da Madeira Regulamento do Serviço de Consulta Psicológica da Universidade da Madeira Preâmbulo No âmbito dos novos desafios, exigências e problemas que se colocam às universidades nacionais e internacionais e aos

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A PROJETOS DE INTERNACIONALIZAÇÃO EM CINEMA 2015. Enquadramento

REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A PROJETOS DE INTERNACIONALIZAÇÃO EM CINEMA 2015. Enquadramento REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A PROJETOS DE INTERNACIONALIZAÇÃO EM CINEMA 2015 Enquadramento A Fundação Calouste Gulbenkian (Fundação) concede, através do Programa Gulbenkian de Língua e Cultura Portuguesas

Leia mais

Orientação de Gestão 3.Rev.2 (2013) Procedimentos de Verificações de Gestão Sistema de Incentivos do ON.2

Orientação de Gestão 3.Rev.2 (2013) Procedimentos de Verificações de Gestão Sistema de Incentivos do ON.2 Orientação de Gestão 3.Rev.2 (2013) Procedimentos de Verificações de Gestão Sistema de Incentivos do ON.2 1. ENQUADRAMENTO 1.1. De acordo com a alínea b) do artigo 60.º do Regulamento (CE) n.º 1083/2006,

Leia mais

CRITÉRIOS DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO DESPORTIVO, RECREATIVO, CULTURAL E SOCIAL

CRITÉRIOS DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO DESPORTIVO, RECREATIVO, CULTURAL E SOCIAL CRITÉRIOS DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO DESPORTIVO, CRITÉRIOS DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO DESPORTIVO, RECREATIVO, CULTURAL E SOCIAL INTRODUÇÃO O Movimento Associativo

Leia mais

Bolsas ES Jovem / NOS Alive. FAQ s

Bolsas ES Jovem / NOS Alive. FAQ s Bolsas ES Jovem / NOS Alive FAQ s I FINALIDADE DO PROGRAMA ES JOVEM 1. Qual é a finalidade do programa ES Jovem? Este programa tem como finalidade dar a conhecer o setor da economia social aos jovens,

Leia mais

1.º MÉRITO DO PROJECTO

1.º MÉRITO DO PROJECTO SISTEMA DE APOIO A ENTIDADES DO SISTEMA CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO NACIONAL CRITÉRIOS DE SELECÇÃO O Regulamento do Sistema de Apoio a Entidades do Sistema Científico e Tecnológico Nacional definiu as regras

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira FORMULÁRIO DE CANDIDATURA programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira FORMULÁRIO DE CANDIDATURA PROGRAMA DE APOIO ÀS PESSOAS COLECTIVAS

Leia mais

O Solar- Térmico na Melhoria da Eficiência Energética. www.kleanenergie.c om www.selfenergysolu tions.eu 1

O Solar- Térmico na Melhoria da Eficiência Energética. www.kleanenergie.c om www.selfenergysolu tions.eu 1 O Solar- Térmico na Melhoria da Eficiência Energética www.kleanenergie.c om www.selfenergysolu tions.eu 1 Áreas de Actividade Fornecedor Equipamentos de Energias Renováveis a Escolas. Fornecedor Equipamento

Leia mais

REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO NA FREGUESIA DA MISERICÓRDIA

REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO NA FREGUESIA DA MISERICÓRDIA REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO DE APOIOS SOCIAIS A CIDADÃOS RESIDENTES NA FREGUESIA DA MISERICÓRDIA Artigo 1.º (Objeto) O presente Regulamento define a natureza, os objetivos e as condições de atribuição

Leia mais

Referencial Elaboração do Contrato de Consórcio

Referencial Elaboração do Contrato de Consórcio Aviso N.º 33/SI/2015 Referencial Elaboração do Contrato de Consórcio Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (SI I&DT) Projetos em Co-Promoção 30 de novembro de 2015 CONTRATO

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL AO CHILE SANTIAGO DO CHILE 01 a 06 de OUTUBRO 2016 2 DESCRIÇÃO:

MISSÃO EMPRESARIAL AO CHILE SANTIAGO DO CHILE 01 a 06 de OUTUBRO 2016 2 DESCRIÇÃO: 23 MISSÃO EMPRESARIAL AO CHILE SANTIAGO DO CHILE 01 a 06 de OUTUBRO 2016 2 DESCRIÇÃO: A Missão encontra-se integrada no Projeto Conjunto da AIDA, INOV_MARKET, que tem como principais objetivos promover

Leia mais

REGULAMENTO PARA PLANOS DE COMERCIALIZAÇÃO E VENDA. Capítulo I. Objecto e condições de elegibilidade das candidaturas. Artigo 1º.

REGULAMENTO PARA PLANOS DE COMERCIALIZAÇÃO E VENDA. Capítulo I. Objecto e condições de elegibilidade das candidaturas. Artigo 1º. REGULAMENTO PARA PLANOS DE COMERCIALIZAÇÃO E VENDA Capítulo I Objecto e condições de elegibilidade das candidaturas Artigo 1º (Objecto) O Presente Regulamento tem por objecto a fixação das condições de

Leia mais