Utilização do TSP para a Gerência de Equipes Nível 2 do CMMI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Utilização do TSP para a Gerência de Equipes Nível 2 do CMMI"

Transcrição

1 Utilização do TSP para a Gerência de Equipes Nível 2 do CMMI Samuel Dall Agnol 1, Juliana Silva Herbert 1 1 ESICenter UNISINOS Universidade do Vale do Rio dos Sinos Av. Unisinos, 950 CEP São Leopoldo RS Brasil Abstract.The use of models and methodologies scientifically developed is gaining maturity and visibility due to the increasing concern of software developers with the common problems of their area. Although TSP does not describe methods that address all process areas of CMMI, this combination represents an ideal strategy to make process improvement projects faster in software development companies. This paper presents the adherence of TSP methods to the CMMI and the description of a process for the development of systems based on COTS to address the CMMI process area not covered by TSP. Resumo. A utilização de modelos e metodologias desenvolvidos cientificamente como o CMMI e o TSP têm ganhado, recentemente, maturidade e visibilidade, em função do aumento da preocupação das empresas de desenvolvimento de software com os problemas típicos da área. Embora o TSP não descreva métodos para cobrir todas as áreas de processo do CMMI, esta combinação configura uma ótima estratégia para acelerar projetos de melhoria de processos em organizações de desenvolvimento de software. Este trabalho apresenta, portanto, a aderência entre os métodos do TSP ao CMMI e a descrição de um processo para desenvolvimento de sistemas baseados em COTS para atender a área de processo do CMMI não coberta pelo TSP. 1. Introdução Nos últimos anos, as organizações de desenvolvimento de software têm aumentado sua percepção em relação aos problemas que tipicamente ocorrem neste contexto. Software com defeitos, prazos e orçamentos não cumpridos e insatisfação de clientes, são eventos muito mais freqüentes do que se deseja [SOM03]. Desde a década de 1970, existe um consenso na comunidade de Engenharia de Software de que estes problemas estão, em grande parte, relacionados ao fato de que o desenvolvimento de software é muitas vezes realizado de forma "artesanal", isto é, através de métodos improvisados pelos desenvolvedores, onde o sucesso depende muito mais de seu talento individual (nem sempre abundante) do que de uma sólida formação acompanhada de métodos formais que dirijam suas atividades [SOM03]. Um exemplo de modelo que de alguma forma considera estes métodos formais é o CMMI (Capability Maturity Model Integration) que é um framework focado no processo de desenvolvimento de software. Ele foi desenvolvido através de observações das melhores 107

2 práticas nas organizações de software e reflete uma coletânea de experiências e expectativas de muitas delas [JAL99]. Embora este modelo seja completo e abrangente, segundo o SEI/CMU (Software Engineering Institute/ Carnegie Mellon University) [DAV03], a preocupação dele está em descrever o quê uma organização em certo nível de maturidade deve praticar. O CMMI não orienta como a empresa deve implementar suas áreas de processo para atingir os níveis de excelência propostos pelo modelo. Esta lacuna pode ser preenchida com as diversas metodologias para desenvolvimento de software. Neste artigo, considera-se o TSP (Team Software Process) [HUM00]. A alta aderência de métodos do TSP com as práticas propostas pelo CMMI acelera processos de melhoria de software baseados neste modelo e permite que altos níveis de excelência sejam obtidos em tempos menores que a utilização de outras metodologias [DAV03, NAV03]. Por isso este artigo apresenta uma proposta de métodos de desenvolvimento de software que atendam todas as áreas de processo do nível 2 do CMMI. A proposta está fortemente embasada no uso de TSP, porém para área de Gerência de Acordos com Fornecedores é utilizado um processo baseado em COTS (Commercial off-the-shelf), visto que o TSP não endereça nenhum método neste aspecto. 1.1 Objetivos do trabalho Sommerville [SOM03] aponta como principal causa dos problemas de qualidade de software o fato de que as organizações precisam competir para sobreviver. O chamado preço definido para ganhar espreme cronogramas e orçamentos para ganhar o contrato de desenvolvimento. Em conseqüência deste sistema, a qualidade do produto é afetada diretamente. Com base nisso o trabalho descrito neste artigo teve como objetivo principal identificar, à luz do referencial teórico, métodos para desenvolvimento de software alinhados ao nível 2 do modelo CMMI. Acredita-se que o auxílio de métodos comprovados para o desenvolvimento de software possa diminuir o impacto sobre a qualidade dos produtos de software provocado pela competição acirrada do mercado atual. Em contra-partida o alinhamento dos métodos ao CMMI garante adequação dos métodos a um modelo de qualidade estabelecido e aceito mundialmente [JAL99]. Além disso, são objetivos parciais do trabalho: identificar as áreas de processo do CMMI através de revisão bibliográfica; identificar os métodos para desenvolvimento de software do TSP; estabelecer relações entre os métodos identificados e as melhores práticas propostas pelo CMMI. 1.2 Metodologia Para alcançar os objetivos propostos, uma série de atividades foi realizada, cada uma gerando um resultado importante para a composição deste trabalho: Determinação dos objetivos: as fases seguintes estão baseadas no objetivo principal deste trabalho que é identificar métodos de desenvolvimento de software à luz do referencial teórico. 108

3 Elaboração do plano de trabalho: o plano elaborado, muitas vezes, é provisório e passa por reformulações sucessivas [GIL91]. O plano adotado para este trabalho compreende: o identificar as fontes bibliográficas para o embasamento sobre o CMMI. Foram utilizados, nesta etapa, os artigos e relatórios técnicos publicados pelo SEI/CMU, instituto mantenedor do modelo CMMI; o leitura destes artigos com especial atenção às áreas de processo descritas no modelo; o descrever os métodos propostos pelo TSP e descrever os relacionamentos entre estes métodos e as áreas de processo do CMMI. Identificação das fontes: nesta etapa foram identificadas as fontes capazes de fornecer as respostas adequadas para atingir o objetivo proposto. As fontes identificadas estão listadas na Seção Referências. Leitura do material: segundo Gil [GIL91] a leitura que se faz na pesquisa bibliográfica deve servir os seguintes objetivos: o identificar as informações e os dados constantes do material impresso; o estabelecer relações entre as informações e os dados obtidos com o problema proposto; o analisar a consistência das informações e dados apresentados pelos autores. Redação do trabalho: nesta etapa será confeccionado o relatório apresentando: o problema que deu origem à investigação, a delimitação dos objetivos, o contexto do trabalho e as conclusões obtidas. 1.3 Estrutura do Artigo Esta seção apresentará resumidamente cada seção deste artigo. A presente seção apresentou brevemente a motivação, os objetivos e a metodologia de desenvolvimento deste artigo. Na segunda e terceira seção, serão apresentados os conceitos do CMMI e TSP respectivamente, mais relevantes para este trabalho. Já na Seção 4, será apresentada a aderência entre os métodos do TSP e as práticas propostas pelo CMMI. Em seguida, na Seção 5, será apresentado brevemente um processo para desenvolvimento de software baseado em COTS. Esta abordagem é necessária para cobrir a lacuna deixada pelo TSP na área de processo de gerência de acordos com fornecedores do CMMI. Na Seção 6 será apresentado um caso prático de aplicação dos métodos propostos pelo TSP numa empresa de desenvolvimento de software. A Seção 7 traz as conclusões deste artigo. Nele estão as dificuldades encontradas e os resultados obtidos, bem como as possíveis extensões futuras deste trabalho. 2. CMMI O CMMI é um framework que possui os elementos necessários para tornar um processo de desenvolvimento de software mais eficiente e controlado [BAR02] e foi construído para integrar os diferentes modelos criados a partir do sucesso alcançado pelo CMM para software. O termo disciplina foi adotado para representar os diferentes corpos de 109

4 conhecimento integrados no CMMI. Para atingir os objetivos propostos (métodos para o desenvolvimento de software), este trabalho adotará as disciplinas de Engenharia de Software e Engenharia de Sistemas como guias porque segundo o SEI/CMU [SEI04], estas disciplinas são escolhidas pela grande maioria das organizações que implementam processos de melhoria em desenvolvimento de software. Além disso, o CMMI introduziu duas representações para apresentar seu conteúdo. Este trabalho adotou a representação por estágios pois além de prover uma seqüência comprovada de melhorias, iniciando com práticas básicas e evoluindo através de um caminho pré-definido de níveis sucessivos, permite comparações no âmbito da uma organização, ou entre organizações; e é a representação mais utilizada por organizações de software segundo os resultados de avaliação do CMMI reportados 1 ao SEI/CMU [SEI04]. Na representação por estágios os níveis de maturidade são uma forma de priorizar as ações de melhoria de tal forma que se aumente a maturidade do processo de software. Com exceção do nível 1 (considerado imaturidade organizacional), todos os níveis restantes (gerenciado, definido, quantitativamente gerenciado e em otimização) são compostos de PAs (Process Areas) que tratam aspectos de cada componente do processo. A PA é um conjunto de práticas relacionadas em uma determinada área que, quando executadas coletivamente, satisfazem um conjunto de objetivos considerados importantes para executar significantes melhorias naquela área. O nível 2 do CMMI (objeto deste trabalho) é composto das PAs: Gerência de Requisitos, Planejamento de Projetos, Acompanhamento e Controle de Projetos, Gerenciamento de Acordos com Fornecedores, Medição e Análise, Garantia de Qualidade de Produto e Processo e Gerenciamento de Configuração. Portanto, este estudo estará focado em demonstrar a aderência entre as práticas relacionadas em cada PA do CMMI com os métodos propostos por Humphrey [HUM00] na metodologia TSP. 3. Metodologia TSP O objetivo do TSP é criar um ambiente de trabalho em equipe que suporte o trabalho individual disciplinado e mantenha-o direcionado à equipe [DAV03]. O TSP faz uso do PSP (Personal Software Process [HUM97]) para guiar o trabalho individual dos desenvolvedores de software, mostrando-lhes como medir seu trabalho e utilizar estes dados para melhorar seu desempenho. Basicamente os métodos do PSP são utilizados pelos desenvolvedores no seu trabalho rotineiro. Além disso, a metodologia TSP conduz o desenvolvimento de software através de vários ciclos rápidos até atingir o produto final. Cada ciclo guia a equipe através de sete passos: lançamento, estratégia, planejamento, requisitos, projeto, implementação, teste e postmortem. Em cada ciclo os desenvolvedores repetem os mesmos passos (Figura 1) e aumentam o produto construído no ciclo anterior [HUM00] (duzentas e vinte e três) avaliações foram reportadas ao SEI/CMU entre abril de 2002 e março de 2004 utilizando-se o método SCAMPI classe A versão 1.1 para avaliar organizações que implementaram o modelo CMMI versão 1.1 [SEI04] 110

5 3. Componentes do TSP O TSP fornece um framework simples e bem definido do processo que será usado para construção do software. Além disso a metodologia fornece orientação específica na formação de equipes, dispensando especial atenção na definição dos papéis e responsabilidades de cada membro, bem como na definição dos objetivos de cada um [HUM00]. Para compor este framework o TSP utiliza-se de scripts de processo (Tabela 2) e formulários (Tabela 1). Os scripts de processo descrevem detalhadamente as atividades que devem ser executadas em cada etapa do processo de desenvolvimento. Já os formulários são utilizados para coletar e apresentar os dados usados no controle do processo. Para completar os componentes do TSP são utilizados também definições de padrões e sugestões de métricas para controlar o processo. Os componentes do TSP serão confrontados contras as práticas específicas do CMMI no nível 2 para determinar o nível de aderência das duas abordagens. Necessidade de produto Ciclo 1 - Lançamento Estratégia 1 Plano 1 Requisitos 1 Projeto 1 Implementação 1 Teste 1 Postmortem 1 Ciclo 2 - Lançamento Estratégia 2 Plano 2 Requisitos 2 Projeto 2 Implementação 2 Teste 2 Postmortem 2 Ciclo 3 - Lançamento Estratégia 3 Plano 3 Requisitos 3 Projeto 3 Implementação 3 Teste 3 Postmortem 3 Figura 1 - Estrutura e fluxo do TSP. Produto final Versão final 111

6 Tabela 1 - Formulários do TSP Formulário Abrev Formulário Abrev Requisição de alteração da configuração CCR Formulário da estratégia STRAT Relatório de posição da configuração CSR Sumário dos defeitos injetados SUMDI Informações do membro da equipe INFO Sumário dos defeitos removidos SUMDR Relatório de inspeções INS Sumário do plano SUMP Rastreabilidade dos riscos do projeto ITL Plano de qualidade SUMQ Registro de defeitos LOGD Sumário de tamanho SUMS Registros de tempos LOGT Sumário de tempo de desenvolvimento SUMT Registros de testes LOGTEST Sumário de tarefas SUMTASK Avaliação da equipe e dos pares PEER Modelo de planejamento de tarefas TASK Proposta de melhorias de processo PIP Relatório de posição semanal WEEK Modelo de planejamento cronograma SCHEDULE Tabela 2 - Scripts de processo do TSP Formulário Abrev Formulário Abrev Projeto (Design) DES Desenvolvimento dos requisitos REQ Processo de desenvolvimento do software DEV Gerenciamento de configuração de software SCM Implementação IMP Desenvolvimento da estratégia STRAT Inspeção INS Teste de sistema e integração TEST Lançamento do projeto LAU Teste unitário UT Desenvolvimento do plano PLAN Reuniões semanais WEEK Postmortem PM 4. O TSP e o nível 2 do CMMI O objetivo desta seção é de justificar a escolha do TSP como processo de desenvolvimento de software que acelera os esforços de evolução para o CMMI demonstrando a alta aderência entre as duas abordagens. Por se tratar de um assunto demasiadamente extenso não é objetivo esgotá-lo (certamente existe conteúdo suficiente para um estudo exclusivo desta questão). Portanto, casos como as práticas genéricas que no CMMI são apresentadas ao final de cada PA para demonstrar como cada prática deve ser aplicada exclusivamente naquela PA, serão apresentadas apenas uma vez no modo mais amplo abordando apenas a aderência ao TSP de cada grupo de práticas genéricas. Cabe registrar também que, devido ao escopo deste trabalho, será coberta apenas a aderência entre o TSP e as PAs do nível dois do CMMI. Grande parte do embasamento deste capítulo foi obtida em estudos do SEI [DAV03a] que relatam o mapeamento dos componentes do TSP com o SW-CMM. Isto foi possível devido ao fato do CMMI ser a evolução natural do SW-CMM e a similaridade entre as duas versões ser extremamente alta [SEI02]. Estudos do SEI [DAV00] apontam para forte aderência entre o SW-CMM e o TSP porém algumas lacunas são salientes. Cita-se como exemplo a total ausência de cobertura do TSP para área de gerenciamento de acordos com fornecedores, justificada pelo SEI [DAV03a] na ausência de necessidade pelas empresas que adotam o TSP. Para assegurar um framework completo de métodos para atender o nível 2 do CMMI será descrita na Seção 5 a base de um processo para montagem de sistemas baseados em COTS. 112

7 4.1 TSP e o grupo de práticas genéricas Durante a etapa de lançamento do projeto do TSP assegura-se que os fundos e recursos, ferramentas e habilidades necessárias serão providos, desta forma as práticas para habilidades a executar são atendidas. Para o grupo de práticas de direção da implementação o TSP direciona procedimentos específicos e detalhados para gerência de configuração e, construção e revisão do plano geral para o projeto. Já na verificação da implementação o TSP envolve a gerência no lançamento do projeto e no entendimento e confirmação dos planos para a equipe. Além de definir vários marcos, reuniões de revisão e relatórios para atender as práticas deste grupo. Enquanto isso no grupo de compromissos para executar o TSP não direciona a criação de políticas organizacionais, entretanto o comportamento de suas equipes usualmente é consistente com as políticas já existentes na organização. 4.2 Medições e Análises O objetivo das Medições e Análise é desenvolver e sustentar a capacidade de medição que é usada para suportar as informações de gerenciamento necessárias. [SEI02] A Tabela 3 exibe de forma resumida as práticas específicas da PA de Medições e Análise do CMMI e seu relacionamento com os elementos do TSP [DAV03a, HUM00]. Tabela 3 - TSP X Medições e Análises MEDIÇÕES E ANÁLISE SG 1 Alinhar atividades de medição e análise: Atividades e objetivos de medição são Na etapa de lançamento do projeto são definidos os objetivos do projeto, os dados que deverão ser coletados para avaliar o progresso do projeto e a periodicidade que estes dados serão alinhados com as informações necessárias avaliados pela equipe. identificadas e os objetivos. SP 1.1 Definir e estabelecer objetivos de medição Script LAU, PLAN, DES e formulários TASK, WEEK, LOGT, LOGD SP 1.2 Especificar métricas Padrões de qualidade SP 1.3 Especificar coleção de dados e procedimentos de armazenamento Script PLAN, formulários TASK, SUMQ, LOGD, LOGT SP 1.4 Especificar procedimentos de análise Não endereçado SG 2 Prover resultados de medição: O TSP provê diversos formulários que exibem o andamento do Resultados de medições que endereçam asprojeto composto pelo resultado das medições feitas até o informações necessárias identificadas e os momento. Ao final da etapa de Postmortem é produzido um objetivos são disponibilizados relatório incluindo as principais medições feitas durante o projeto. SP 2.1 Coletar dados de medição Script PLAN, forms. LOGD e LOGT SP 2.2 Analisar dados de medição Script Postmortem, revisão do projeto SP 2.3 Armazenar dados e resultados Formulários LOGD e LOGT, SUMP SP 2.4 Comunicar os resultados Script Postmortem 4.3 Planejamento de Projetos O objetivo do planejamento de projetos é estabelecer e manter planos que definam as atividades do projeto. [SEI02] 113

8 A Tabela 4 exibe de forma resumida as práticas específicas da PA de Planejamento de Projetos do CMMI e seu relacionamento com os elementos do TSP [DAV03a, HUM00]. Tabela 4 - TSP X Planejamento de Projetos PLANEJAMENTO DE PROJETOS SG 1 Estabelecer Estimativas: Estabelecer e manter estimativas dos Equipes TSP documentam e rastreiam estimativas utilizando processos definidos de estimativa parâmetros para o planejamento do projeto SP 1.1 Estimar o escopo do projeto Script e formulário STRAT SP 1.2 Estabelecer estimativas de produtos de trabalho e atributos de tarefa Scripts LAU, STRAT e PLAN, forms. SUMS, TASK e SCHEDULE SP 1.3 Definir o ciclo de vida do projeto Script e formulário STRAT SP 1.4 Determinar estimativas de custo e esforço Scripts LAU, STRAT e PLAN, forms. SUMS, TASK e SCHEDULE SG 2 Desenvolver um plano de projeto: Um Equipes TSP utilizam a etapa de lançamento para criar e plano de projeto é estabelecido e mantido comodocumentar um plano com as atividades e responsabilidades base para gerenciar o projeto SP 2.1 Definir o cronograma e o orçamento Script PLAN, forms. TASK, SCHEDULE e WEEK SP 2.2 Identificar os riscos do projeto Script STRAT e formulário ITL SP 2.3 Planejar dados para o gerenciamento Script LAU SP 2.4 Planejar os recursos para o projeto Script PLAN, forms. TASK, SCHEDULE para cada membro SP 2.5 Planejar as necessidades de conhecimentos Script LAU, formulário INFO e habilidades SP 2.6 Planejar o envolvimento dos stakeholders Não endereçada SP 2.7 Estabelecer o plano de projetos Script PLAN, formulário SUMP SG 3 Obter o compromisso para o plano: O membro no papel de gerente do projeto, obtém o Compromissos para o plano são estabelecidos ecompromisso de todos para o projeto, porém a organização mantidos deve determinar qual será a participação e como serão feitos compromissos com pessoas externas a organização. SP 3.1 Rever planos que afetam o projeto Script LAU, STRAT e PLAN, formulário SUMP e STRAT SP 3.2 Reconciliar diferenças entre estimativas e disponibilidade recursos Script PLAN, formulários TASK e SCHEDULE SP 3.3 Obter os compromissos para o plano Não endereçada 4.4 Monitoramento e Controle de Projetos O objetivo do monitoramento e controle de projetos é prover o conhecimento necessário do progresso da execução do projeto que propicie a tomada de ações corretivas apropriadas quando detectados desvios significantes do planejado. [SEI02] A Tabela 5 exibe de forma resumida as práticas específicas da PA de Monitoramento e Controle de Projetos do CMMI e seu relacionamento com os elementos do TSP [DAV03a, HUM00]. 114

9 Tabela 5 - TSP X Monitoramento e Controle de Projetos MONITORAMENTO E CONTROLE DE PROJETOS SG 1 Monitorar o projeto através do plano: Desempenho atual e progresso do projeto são monitorados através do plano de projeto As equipes TSP monitoram os resultados atuais e desempenho através dos planos periodicamente (normalmente em semanas). Membros da equipe monitoram seus planos individuais diariamente. SP 1.1 Monitorar os parâmetros do plano de projeto Script PLAN, formulários SUMP, TASK e SCHEDULE SP 1.2 Monitorar os compromissos com o plano Script PLAN, formulários SUMP, TASK e SCHEDULE SP 1.3 Monitorar os riscos do projeto Formulário ITL SP 1.4 Monitorar os dados de gerenciamento Script PLAN, formulários SUMP, TASK e SCHEDULE SP 1.5 Monitorar o envolvimento dos stakeholders Não endereçada SP 1.6 Conduzir revisões de progresso do projeto Especificação de papéis, Script PLAN, forms. SUMP, TASK e SCHEDULE SP 1.7 Conduzir revisões nos Milestones (marcos do projeto) Especificação de papéis, Script PLAN, formulários SUMP, SUMQ, SUMS, TASK e SCHEDULE SG 2 Gerenciar ações corretivas: Ações corretivas são gerenciadas para serem aplicadas quando o desempenho ou os resultados do projeto desvia significantemente do planejado As equipes do TSP fazem pequenos ajustes aos planos periodicamente (normalmente semanas) para minimizar os desvios entre os resultados atuais e o planejado. Quando o desvio é significativo, as equipes relançam o projeto para replanejar seu trabalho. SP 2.1 Avaliar cada assunto (Coletar e analisar cada assunto para determinar a ação corretiva apropriada a tomar) Especificação de papéis, Script PLAN, forms. SUMP, TASK e SCHEDULE SP 2.2 Tomar ações corretivas Script PLAN SP 1.3 Gerenciar as ações corretivas (analisar resultados das ações corretivas para determinar a efetividade na correção do problema) Especificação de papéis, reuniões periódicas de revisão, Postmortem 5. COTS Segundo a definição de Pressman [PRE02], COTS são componentes comprados de terceiros, prontos para uso no projeto atual e plenamente válidos. A montagem de sistemas baseados em COTS atende uma alternativa específica do desenvolvimento de software e permite que este trabalho aborde métodos para todas as áreas do CMMI. Este trabalho adotou para estudos o APCS (Assembly Process for COTS-Based Systems), descrito pelo SEI/CMU [CAR03]. No mais alto nível o APCS é um processo em espiral contendo uma série de iterações, cada qual com forma e atividades similares. Além das atividades iterativas para desenvolvimento do software o APCS apóia-se sobre outros dois grupos de atividades de extrema importância para o sucesso do processo: 115

10 organizacionais (pervasive): são atividades que tendem em longo prazo e estão no escopo da organização; executivas (executive): são atividades dirigidas a eventos e estão direcionadas à tomada de decisões. As atividades iterativas começam com planejamento, seguidas de um período de exploração, montagem de um protótipo executável e finalmente a avaliação do sistema como parte da preparação para a próxima iteração. Está implícito que a duração de cada iteração geralmente é breve devido à rápida prototipagem e que as iterações ocorrem até que o sistema esteja construído e aceitável para deployment [CAR03]. 5.1 COTS X CMMI O objetivo da Gerência de Acordos com Fornecedores é gerenciar a aquisição de produtos de fornecedores para que exista um acordo formal. [SEI02] A Tabela 6 apresenta graficamente a aderência de um processo COTS ao CMMI. Tabela 6 - COTS X CMMI GERÊNCIA DE ACORDOS COM FORNECEDORES SG 1 Estabelecer acordos com fornecedores: Acordos com fornecedores são estabelecidos e mantidos O auxilio do fornecedor será um diferencial positivo na construção do sistema e isto pode ser garantido através de bons acordos com fornecedores. COTS SP 1.1 Determinar tipo de aquisição Uma vez definida a estratégia de utilizar COTS o tipo de aquisição já está definido. SP 1.2 Selecionar fornecedores Uma vez decidido que a funcionalidade será atendida por um COTS, deve-se selecionar dentre os fornecedores que implementam a funcionalidade desejada. SP 1.3 Estabelecer acordos com fornecedore Um acordo formal é necessário quando um COTS é adquirido. SG 2 Satisfazer acordos com fornecedores: Acordos com fornecedores são satisfeitos pelo fornecedor e pelos responsáveis pelo projeto Além de estabelecer acordos com fornecedores é crucial para o sucesso do projeto baseado em COTS que os compromissos estabelecidos nos acordos sejam cumpridos por ambos os lados. COTS SP 2.1 Rever produtos COTS A construção do protótipo permite que os produtos COTS sejam revisados para identificar se atendem o que está descrito nos acordos de aquisição firmados. SP 2.2 Executar os acordos com Não endereçada fornecedores SP 2.3 Aceitar os produtos adquiridos Até a etapa de avaliação os produtos já passaram pela revisão, testes e auditorias pertinentes ao processo de desenvolvimento de software provendo para esta fase argumentos suficientes para aprovar ou reprovar o produto. SP 2.4 Transição de produtos Cada ciclo do processo inicia com uma fase de planejamento para garantir que a integração de cada COTS ao projeto será eficiente e tranqüila. 116

11 6. Aplicação de conceitos de melhoria de processos A TDS Sistemas de Informação LTDA (www.tds.com.br) é uma pequena empresa de desenvolvimento de software. Fundada em 1993 e instalada em Bento Gonçalves, RS. A partir do ano 2000 a TDS concentrou seus esforços na construção de um único produto (software de gestão empresarial) para oferecer aos seus clientes. Desde então, os projetos desenvolvidos pela empresa estão focados em adicionar novas funcionalidades e criar novas versões deste produto. Os clientes da TDS são, em sua maioria, pequenas e médias empresas e a equipe da TDS, atualmente, é composta por 8 membros. A quase totalidade dos projetos da TDS era concluída com sucesso, porém não eram raros os casos em que houvesse atrasos no cronograma, ou que demandassem mais recursos que os previstos para que o cronograma fosse cumprido; gerando, assim, prejuízos que sempre foram absorvidos pela empresa. A oportunidade para aplicação dos conceitos de melhoria de processo surgiu durante o desenvolvimento de um trabalho de final de curso graduação [DAL04] e seguiu os conceitos e métodos apresentados neste artigo. Dentre os métodos aplicados, destacam-se: aumento do detalhamento dos requisitos do projeto antes do início da implementação para diminuir ambigüidades; coleta dos tempos gastos nas atividades desenvolvidas e utilização destes dados como embasamento para estimar prazos nos novos projetos; utilização de métricas confiáveis para o entendimento das causas que provocavam as principais falhas nos projetos; uso de milestones para avaliar produtos de trabalho e detectar erros e desvios do plano de projeto antes que este chegue ao final. A TDS está aplicando melhorias gradativamente, no entanto já é possível notar uma reação positiva em relação às mudanças já implantadas. 7. Considerações Finais A primeira constatação é que, mesmo não cobrindo todas as áreas de processo do CMMI, a aderência do TSP ao modelo do SEI/CMU é suficientemente alta para ser utilizado para acelerar processos de melhoria de processo baseadas no CMMI. Disciplina, treinamento e comprometimento (da alta gerência e dos membros da equipe). Estes três fatores são fundamentais para o processo de melhoria e principalmente para que a metodologia TSP seja usada corretamente e com sucesso pela organização que à escolheu. Tanto o CMMI como o TSP guiam somente o processo da organização. Este aspecto permite a utilização, sem restrições, de conceitos que estão em destaque como UML ou PMBOK. Por outro lado, a falta de uma ferramenta que auxiliem os membros da equipe na coleta e compilação dos dados torna-o de difícil aplicação como está proposto. Embora Humphrey proponha uma ferramenta em [HUM00], a falta de recursos computacionais nesta ferramenta dificulta sua utilização por equipes com membros geograficamente distribuídos, por exemplo, desenvolvedores localizados em cidades diferentes. 117

12 Por fim, é inegável a importância das abordagens como o TSP para que o desenvolvimento de software abandone a imagem artesanal e seja considerada uma atividade com embasamento científico capaz de produzir produtos de qualidade comprovada de modo eficaz como o fazem outras ciências tais como a engenharia, nas suas mais variadas áreas, a medicina, o direito e outras ciências. Referências [BAR02] BARTIÉ, Alexandre. Garantia da qualidade de software: adquirindo maturidade organizacional. Rio de Janeiro, Elsevier, [CAR03] CARNEY, David J.; OBERNDORF, Patricia A.; PLACE, Patrick R.H. A Basis for an Assembly Process for COTS-Based Systems (COTS), Software Engineering Institute, CMU/SEI-2003-TR-010, Maio [DAL04] DALL AGNOL, Samuel, Métodos de Desenvolvimento de Software para os Processos do Nível 2 do CMMI: Proposta de Framework, Unisinos, Julho [DAV00] DAVIS, Noopur; MCHALE, James, The TSP At Any CMM Level, Software Engineering Institute, [DAV03] DAVIS, Noopur; MULLANEY, Julia, The Team Software Process (TSP) in Practice: A Summary of Recent Results, Software Engineering Institute, CMU/SEI-2003-TR-014, Março [DAV03a] DAVIS, Noopur; MCHALE Jim, Relating the Team Software Process (TSP) to the Capability Maturity Model for Software (SW-CMM), Software Engineering Institute, CMU/SEI-2002-TR008, Março [GIL91] GIL, Antônio Carlos, Como elaborar projetos de pesquisa, 3ª ed. São Paulo: Atlas, [HUM97] HUMPHREY, Watts S., Introduction to the Personal Software Process, Addison Wesley Longman, [HUM00] HUMPHREY, Watts S., Introduction to the Team Software Process, Addison Wesley Longman, [JAL99] JALOTE, P. CMM in practice: processes for executing software projects at Infosys, Addison Wesley Longman, [NAV03] NAVAIR News Release ECL , AV-8B JSSA Team Soars to Level 4, Naval Air Systems Command, Naval Air Warfare Center, Weapons Division, China Lake, CA, 10 de Janeiro de [PRE02] PRESSMAN, Roger S., Engenharia de software, 5ª ed., McGraw-Hill, [SEI02] CMMI for Software Engineering, Version 1.1, Staged Representation Software Engineering Institute, CMU/SEI-2002-TR-029, [SEI04] Process Maturity Profile, Software Engineering Institute, Março [SOM03] SOMMERVILLE, Ian, Engenharia de software, 6ª ed., Addison Wesley,

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio do CMM Após várias décadas de promessas não cumpridas sobre ganhos de produtividade e qualidade na aplicação de novas metodologias

Leia mais

Proposta de Implementação de Qualidade de Software na Organização

Proposta de Implementação de Qualidade de Software na Organização Proposta de Implementação de Qualidade de Software na Organização Daniel Gonçalves Jacobsen 1 Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre Porto Alegre RS Brasil daniel@flete.com.br Abstract. This article describes

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos Bacharel em Sistemas de Informação Faculdade de Informática de Presidente Prudente Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) thiago@visioncom.com.br;

Leia mais

Estudo do CMM e do CMMI

Estudo do CMM e do CMMI Estudo do CMM e do CMMI Autores Félix Carvalho Rodrigues fcrodrigues@inf.ufrgs.br Georgina Reategui gg@inf.ufrgs.br Manuela Klanovicz Ferreira mkferreira@inf.ufrgs.br Motivação Grande quantidade de projetos

Leia mais

Modelos de Maturidade. Porque estudar um Modelo de Maturidade? Descrevem as características de processos efetivos;

Modelos de Maturidade. Porque estudar um Modelo de Maturidade? Descrevem as características de processos efetivos; Versão 1.1 - Última Revisão 16/08/2006 Porque estudar um Modelo de Maturidade? Segundo o Standish Group, entidade americana de consultoria empresarial, através de um estudo chamado "Chaos Report", para

Leia mais

Profa. Dra. Ana Paula Gonçalves Serra prof.anapaula@saojudas.br

Profa. Dra. Ana Paula Gonçalves Serra prof.anapaula@saojudas.br Modelos de Processo Pessoal e de Equipe na Melhoria da Qualidade em Produção de Software Profa. Dra. Ana Paula Gonçalves Serra prof.anapaula@saojudas.br Agenda Importância das Pessoas / Constatações Compromisso

Leia mais

CMM. Model: : Um Modelo para Melhoria do Processo (de Produção) de Software. Capability. Maturity. Odisnei Galarraga odisnei@atlas.unisinos.

CMM. Model: : Um Modelo para Melhoria do Processo (de Produção) de Software. Capability. Maturity. Odisnei Galarraga odisnei@atlas.unisinos. CMM Capability Maturity Model: : Um Modelo para Melhoria do Processo (de Produção) de Software Odisnei Galarraga odisnei@atlas.unisinos.br 8/3/2002 Pró-Reitoria de Administração - Diretoria de Serviços

Leia mais

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207 Qualidade de : Visão Geral ISO 12207: Estrutura s Fundamentais Aquisição Fornecimento s de Apoio Documentação Garantia de Qualidade Operação Desenvolvimento Manutenção Verificação Validação Revisão Conjunta

Leia mais

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) CMMI Conceitos básicos 113 CMMI integra as disciplinas de engenharia de sistemas e de engenharia de software em um único framework de melhoria de processos. 114 No tocante às disciplinas de engenharia

Leia mais

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1 Introdução CMMI O propósito da qualidade é estabelecer um diferencial competitivo, através de contribuições como redução de defeitos, redução de custos, redução de retrabalho e aumento da produtividade,

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com marcosmoraisdesousa.blogspot.com Sistemas de informação Engenharia de Software II Gerenciamento de Qualidade CMMI e MPS.BR

Leia mais

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior Disponível em www.pasteurjr.blogspot.com 1-Estrutura do MPS-Br ( Softex, 2009) O MPS.BR1 é um programa mobilizador,

Leia mais

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE 1. INTRODUÇÃO 1.1 Finalidade Este documento define um framework de execução de processos de software, denominado Spider-PE (Process Enactment),

Leia mais

ESTUDO E AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PROCESSO GESTÃO DE REQUISITOS DE ACORDO COM A NORMA CMMI NÍVEL 2 NA EMPRESA SWQUALITY

ESTUDO E AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PROCESSO GESTÃO DE REQUISITOS DE ACORDO COM A NORMA CMMI NÍVEL 2 NA EMPRESA SWQUALITY ESTUDO E AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PROCESSO GESTÃO DE REQUISITOS DE ACORDO COM A NORMA CMMI NÍVEL 2 NA EMPRESA SWQUALITY FABRÍCIO DE ALMEIDA OLIVEIRA ANA CRISTINA ROUILLER UFLA - Universidade Federal de Lavras

Leia mais

Qualidade de Software Aula 6 / 2010. luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br

Qualidade de Software Aula 6 / 2010. luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br Qualidade de Software Aula 6 / 2010 Prof. Dr. Luís Fernando Garcia luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br Introdução As três dimensões críticas Introdução Começando MAL CMMI Impeditivos CMMI Desculpas CMMI

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Planejamento e Gerenciamento Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução; Pessoas, Produto, Processo e Projeto; Gerência de

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Análise dos Requisitos de Software Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução Tipos de requisitos Atividades Princípios da

Leia mais

www.asrconsultoria.com.br

www.asrconsultoria.com.br www.asrconsultoria.com.br Garantia da Qualidade de Processo e Produto Direitos de Uso do Material Material desenvolvido pela ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade Ltda. É permitido o uso deste material

Leia mais

Melhoria da Qualidade de Produto e de Processo de Software a partir da Análise de Indicadores de Teste

Melhoria da Qualidade de Produto e de Processo de Software a partir da Análise de Indicadores de Teste Melhoria da Qualidade de Produto e de Processo de Software a partir da Análise de Indicadores de Teste ERIKA DE FREITAS NITA CI&T SYSTEMS S/A www.cit.com.br Resumo Atualmente, a maioria das empresas de

Leia mais

Gerenciamento de Qualidade

Gerenciamento de Qualidade UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Qualidade Engenharia de Software 2o. Semestre de

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte II Agenda sumária dos Processos em suas categorias e níveis de maturidade

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS CMMI E METODOLOGIAS ÁGEIS Os métodos de desenvolvimento Ágeis e

Leia mais

CMMI: Capability Maturity Model Integration

CMMI: Capability Maturity Model Integration CMMI: Capability Maturity Model Integration Adriano J. Holanda http://holanda.xyz 21/10/2015 Adriano J. Holandahttp://holanda.xyz CMMI: Capability Maturity Model Integration CMMI: Capability Maturity Model

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Universidade São Judas Tadeu Profª Dra. Ana Paula Gonçalves Serra Engenharia de O Processo Uma Visão Genérica Capítulo 2 (até item 2.2. inclusive) Engenharia de - Roger Pressman 6ª edição McGrawHill Capítulo

Leia mais

Objetivos. Histórico. Out/11 2. Out/11 3

Objetivos. Histórico. Out/11 2. Out/11 3 Objetivos Histórico Evolução da Qualidade Princípios de Deming CMMI Conceitos Vantagens Representações Detalhamento Gerenciamento Comparação Out/11 2 Histórico SW-CMM (Software Capability Maturity Model):

Leia mais

C.M.M. Capability Maturity Model Modelo de Maturidade da Capacidade

C.M.M. Capability Maturity Model Modelo de Maturidade da Capacidade UNISUL Universidade do Sul de Santa Catarina. Campus da Grande Florianópolis Pedra Branca. CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE ALUNO: Volnei A. Caetano Palhoça 02 de Junho de 2000 C.M.M. Capability

Leia mais

Capítulo 6: PSP. Capítulo 6: PSP Personal Software Process

Capítulo 6: PSP. Capítulo 6: PSP Personal Software Process Capítulo 6: PSP Personal Software Process Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO9000-3 Capítulo 5: CMM Capítulo 6: PSP

Leia mais

Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática

Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática www.asrconsultoria.com.br Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática Copyright ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade 1 Direitos de Uso do Material Material desenvolvido pela ASR Consultoria

Leia mais

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Dayana Henriques Fonseca 1, Frederico Miranda Coelho 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais

F U N D A Ç Ã O E D U C A C I O N A L S Ã O J O S É. MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI)

F U N D A Ç Ã O E D U C A C I O N A L S Ã O J O S É. MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI) 1 MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI) Teresinha Moreira de Magalhães 1 Lúcia Helena de Magalhães 2 Fernando Machado da Rocha 3 Resumo Este trabalho visa apresentar uma

Leia mais

3. Metodologias de Gerenciamento de Riscos

3. Metodologias de Gerenciamento de Riscos 3. Metodologias de Gerenciamento de Riscos A complexidade que caracteriza a implantação de um sistema ERP é uma das maiores preocupações das organizações que pretendem desenvolver projetos desta natureza.

Leia mais

Qualidade de Software: Visão Geral

Qualidade de Software: Visão Geral Qualidade de Software: Visão Geral Engenharia de Software 1 Aula 05 Qualidade de Software Existem muitas definições de qualidade de software propostas na literatura, sob diferentes pontos de vista Qualidade

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Aula 05 MPS.BR (ago/12) Melhoria de Processo do Software Brasileiro Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Agenda Descrição sumária do MPS.BR - Melhoria de Processo do Software

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fernando L. F. Almeida falmeida@ispgaya.pt Principais Modelos Capability Maturity Model Integration (CMMI) Team Software Process and Personal Software Process (TSP/PSP)

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE O modelo CMM Capability Maturity Model foi produzido pelo SEI (Software Engineering Institute) da Universidade Carnegie Mellon (CMU), em Pittsburgh, EUA, por um grupo

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 CMM: DEFINIÇÃO Capability Maturity Model Um modelo que descreve como as práticas

Leia mais

Controle de métricas no processo de desenvolvimento de software através de uma ferramenta de workflow

Controle de métricas no processo de desenvolvimento de software através de uma ferramenta de workflow Controle de métricas no processo de desenvolvimento de software através de uma ferramenta de workflow Gustavo Zanini Kantorski, Marcelo Lopes Kroth Centro de Processamento de Dados Universidade Federal

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Recursos e Cronograma

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Recursos e Cronograma Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Recursos e Cronograma Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução; Recursos; Pessoal; Software; Hardware; Outros recursos;

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software

Processo de Desenvolvimento de Software Unidade IV Introdução aos Padrões de PDS Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo da Unidade 1. CMM / CMMI 2. SPICE 3. ISO 12207 4. MPS/BR CMM - Capability Maturity Model CMM Capability

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

Qualidade de software

Qualidade de software Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Petrolina - FACAPE Curso: Ciência da Computação Disciplina:Projeto de Sistemas Qualidade de software cynaracarvalho@yahoo.com.br Qualidade de software Qualidade

Leia mais

Capability Maturity Model Integration - CMMI

Capability Maturity Model Integration - CMMI Capability Maturity Model Integration - CMMI Para Desenvolvimento Versão 1.2 M.Sc. Roberto Couto Lima ÍNDICE 1. Definição ------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Uma Implementação do Processo de Garantia da Qualidade usando a Spider-QA, a Spider-CL e o Mantis

Uma Implementação do Processo de Garantia da Qualidade usando a Spider-QA, a Spider-CL e o Mantis Uma Implementação do Processo de Garantia da Qualidade usando a Spider-QA, a Spider-CL e o Mantis Rodrigo Araujo Barbalho 1, Marília Paulo Teles 2, Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira 1,2 1 Faculdade de Computação

Leia mais

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009)

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009) CMMI Governo do ES (CESPE 2009) Na versão 1.2 do CMMI, 111 os níveis de capacidade são definidos na abordagem de estágios. 112 os níveis de maturidade são definidos na abordagem contínua. 113 existem seis

Leia mais

CMMI - nível 2: um projeto da MSA para melhoria de processos de desenvolvimento de software Ana Silva e Cássia Leite

CMMI - nível 2: um projeto da MSA para melhoria de processos de desenvolvimento de software Ana Silva e Cássia Leite CMMI - nível 2: um projeto da MSA para melhoria de processos de desenvolvimento de software Ana Silva e Cássia Leite Atualmente, a idéia de utilizar modelos para promover melhorias e capacitação sobre

Leia mais

CMM - Capability Maturity Model

CMM - Capability Maturity Model Tema da Aula Normas e Padrões de Qualidade em II CMM Prof. Cristiano R R Portella portella@widesoft.com.br CMM - Capability Maturity Model Desenvolvido pelo SEI (Instituto de Engenharia de ) Carnegie Mellon

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

Definição do Framework

Definição do Framework Definição do Framework 1. Introdução 1.1. Finalidade Este documento tem por finalidade apresentar o mapeamento dos processos de Definição de Processo Organizacional e Avaliação e Melhoria do Processo dos

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais

O que é CMMI? Base do CMMI. Melhorando o processo é possível melhorar-mos o software. Gerais. Processo. Produto

O que é CMMI? Base do CMMI. Melhorando o processo é possível melhorar-mos o software. Gerais. Processo. Produto Gerais Processo Produto Propostas NBR ISO 9000:2005 define principios e vocabulário NBR ISO 9001:2000 define exigências para sistema de gerência de qualidade NBR ISO 9004:2000 apresenta linha diretivas

Leia mais

Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software

Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software Martim Chitto Sisson Centro Tecnológico Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Florianópolis SC Brasil martim@inf.ufsc.br Abstract. This

Leia mais

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software?

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? 21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? Qualidade de software é uma preocupação real e esforços têm sido realizados na busca pela qualidade dos processos envolvidos em seu desenvolvimento

Leia mais

CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION. Prof. Késsia R. C. Marchi

CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION. Prof. Késsia R. C. Marchi CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION Prof. Késsia R. C. Marchi Modelos de maturidade Um modelo de maturidade é um conjunto estruturado de elementos que descrevem características de processos efetivos.

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte I Agenda Processos CMMI Definição Histórico Objetivos Características Representações

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE PRODUTOS DE SOFTWARE QUANTO A SUA ADERÊNCIA AO CMMI FOR SERVICE

AVALIAÇÃO DE UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE PRODUTOS DE SOFTWARE QUANTO A SUA ADERÊNCIA AO CMMI FOR SERVICE AVALIAÇÃO DE UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE PRODUTOS DE SOFTWARE QUANTO A SUA ADERÊNCIA AO CMMI FOR SERVICE Autoria: Natércia Ponte Nogueira, Andreia Rodrigues, Adriano Albuquerque, Alessandro Câmara RESUMO.

Leia mais

Melhoria de Processos CMMi

Melhoria de Processos CMMi Melhoria de Processos CMMi Prof. Marcelo Maia 1 O que é o CMMI? Um modelo previamente comprovado de melhoria de processos na organização; Um framework para organizar e priorizar atividades de melhoria;

Leia mais

PMBok & CMM + CMMi Resumo

PMBok & CMM + CMMi Resumo PMBok & CMM + CMMi PMBok & CMM + CMMi Resumo Mauro Sotille, PMP mauro.sotille@pmtech.com.br www.pmtech.com.br Fontes SEI/Carnegie Mellon University Apresentação: Gerência de Projetos de Software, José

Leia mais

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Eneida Rios¹ ¹http://www.ifbaiano.edu.br eneidarios@eafcatu.gov.br Campus Catu 1 Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Conteúdos Fatores humanos de qualidade

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo QUALIDADE DE SOFTWARE - PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

PSP Personal Software Process. MO409 Engenharia de Software I Bruno Abreu - RA 030020 Henrique Souza - RA 008876

PSP Personal Software Process. MO409 Engenharia de Software I Bruno Abreu - RA 030020 Henrique Souza - RA 008876 PSP Personal Software Process MO409 Engenharia de Software I Bruno Abreu - RA 030020 Henrique Souza - RA 008876 Setembro/2004 Introdução O PSP Origem 1989 Watts Humphrey Foco e objetivos Motivações Introdução

Leia mais

Introdução à Qualidade de Software

Introdução à Qualidade de Software FACULDADE DOS GUARARAPES Introdução à Qualidade de Software www.romulocesar.com.br Prof. Rômulo César (romulodandrade@gmail.com) 1/41 Objetivo do Curso Apresentar os conceitos básicos sobre Qualidade de

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI INTRODUÇÃO Aumento da Importância do Software Software está em tudo: Elemento crítico

Leia mais

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Uma abordagem voltada para a qualidade de processos e produtos Prof. Paulo Ricardo B. Betencourt pbetencourt@urisan.tche.br Adaptação do Original de: José Ignácio Jaeger

Leia mais

Introdução a CMMI. Paulo Ricardo Motta Gomes Renato Miceli Costa Ribeiro

Introdução a CMMI. Paulo Ricardo Motta Gomes Renato Miceli Costa Ribeiro Introdução a CMMI Paulo Ricardo Motta Gomes Renato Miceli Costa Ribeiro Campina Grande, 29 de setembro de 2008 Agenda Processos Motivação Sintomas de falha de processo Aprimoramento de Processos O Framework

Leia mais

A Importância do Controle da Qualidade na Melhoria de Processos de Software. Ana Liddy Cenni de Castro Magalhães

A Importância do Controle da Qualidade na Melhoria de Processos de Software. Ana Liddy Cenni de Castro Magalhães A Importância do Controle da Qualidade na Melhoria de Processos de Software Ana Liddy Cenni de Castro Magalhães Agenda Contextualização da Qualidade Dificuldades na construção de software Possíveis soluções

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

Lista de Exercícios - COBIT 5

Lista de Exercícios - COBIT 5 Lista de Exercícios - COBIT 5 1. O COBIT 5 possui: a) 3 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios b) 3 volumes, 5 habilitadores, 7 princípios c) 5 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios d) 5 volumes, 5 habilitadores,

Leia mais

Uma análise das Metodologias Ágeis FDD e Scrum sob a Perspectiva do Modelo de Qualidade MPS.BR

Uma análise das Metodologias Ágeis FDD e Scrum sob a Perspectiva do Modelo de Qualidade MPS.BR SCIENTIA PLENA VOL 6, NUM 3 2010 www.scientiaplena.org.br Uma análise das Metodologias Ágeis FDD e Scrum sob a Perspectiva do Modelo de Qualidade MPS.BR F. G. Silva; S. C. P. Hoentsch, L. Silva Departamento

Leia mais

MODELO SPICE Software Improvement and Capacibilty Determination Avalia o software com foco na melhoria de seus processos (identifica pontos fracos e

MODELO SPICE Software Improvement and Capacibilty Determination Avalia o software com foco na melhoria de seus processos (identifica pontos fracos e MODELO SPICE Software Improvement and Capacibilty Determination Avalia o software com foco na melhoria de seus processos (identifica pontos fracos e fortes, que serão utilizados para a criação de um plano

Leia mais

Exercícios: Governança de TI Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com PRIMEIRA BATERIA. PMBoK

Exercícios: Governança de TI Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com PRIMEIRA BATERIA. PMBoK Exercícios: Governança de TI Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com PRIMEIRA BATERIA PMBoK 1. (FCC/ANALISTA-MPU 2007) De acordo com o corpo de conhecimento da gerência de projetos, as simulações

Leia mais

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Evandro Polese Alves Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória - ES - Brasil

Leia mais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais Tecnologia e Mídias Digitais PUC SP Prof. Eduardo Savino Gomes 1 Afinal, o que vem a ser Gestão? 2 Gestão/Gerir/Gerenciar Gerenciar, administrar, coordenar

Leia mais

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT O que é? Um framework contendo boas práticas para

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

Unidade VI GOVERNANÇA DE TI. Profa. Gislaine Stachissini

Unidade VI GOVERNANÇA DE TI. Profa. Gislaine Stachissini Unidade VI GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Capability Maturity Model Integration CMMI SW-CMM (Software Capability Maturity Model): prove informações para o aprimoramento de processos de desenvolvimento

Leia mais

Institucionalização da Gerência de Configuração no Desenvolvimento de Software de uma Organização

Institucionalização da Gerência de Configuração no Desenvolvimento de Software de uma Organização Institucionalização da Gerência de Configuração no Desenvolvimento de uma Organização Rodrigo Duran, Marcelo Mendes Marinho, Rejane M. da Costa Figueiredo, Káthia Marçal de Oliveira Pró-Reitoria de Pós-Graduação

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software André Mesquita Rincon Instituto de Informática/Universidade Federal de Goiás (UFG) Goiânia GO Brasil Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas/Fundação

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE introdução As mudanças que estão ocorrendo nos clientes e nos ambientes de negócios altamente competitivos têm motivado as empresas a modificarem

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Engenharia de Software I Aula 3 e 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de

Leia mais

Uma Arquitetura de Processos para ISO 9001:2000 e SW- CMM Nível 3

Uma Arquitetura de Processos para ISO 9001:2000 e SW- CMM Nível 3 Uma Arquitetura de Processos para ISO 9001:2000 e SW- CMM Nível 3 Carlo Giovano Pires, Fabiana Marinho, Gabriela Telles, Márcia Sampaio Instituto Atlântico, Rua Chico Lemos, 946, 60822-780, Fortaleza -

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 2 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 2-26/04/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

Estudo de caso para implantação do modelo MR-MPS-SV

Estudo de caso para implantação do modelo MR-MPS-SV Estudo de caso para implantação do modelo MR-MPS-SV Giovani Hipolito Maroneze 1, Jacques Duílio Branches 1 1 Departamento de Computação Universidade Estadual de Londrina (UEL) Caixa Postal 10.001 86.057-970

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação Centro de Ciências Agrárias Departamento de Computação Visão Geral do Processo de Desenvolvimento de Software Introdução à Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação COM06850-2015-II Prof.

Leia mais

Gerência de Risco em Processos de Qualidade de Software: uma Análise Comparativa

Gerência de Risco em Processos de Qualidade de Software: uma Análise Comparativa Gerência de Risco em Processos de Qualidade de Software: uma Análise Comparativa Cristine Martins Gomes de Gusmão, Hermano Perrelli de Moura Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)

Leia mais

(C) A-C-E-F-H (D) A-G-F-H (E) A-G-I. Exercícios: Governança de TI Walter Cunha PRIMEIRA BATERIA. PMBoK COBIT

(C) A-C-E-F-H (D) A-G-F-H (E) A-G-I. Exercícios: Governança de TI Walter Cunha PRIMEIRA BATERIA. PMBoK COBIT Exercícios: Governança de TI Walter Cunha PRIMEIRA ATERIA (C) A-C-E-F-H (D) A-G-F-H (E) A-G-I PMoK 1. (FCC/ANALISTA-MPU 2007) De acordo com o corpo de conhecimento da gerência de projetos, as simulações

Leia mais

APLICACAÇÃO DE METRICAS E INDICADORES NO MODELO DE REFERENCIA CMMI-Dev NIVEL 2

APLICACAÇÃO DE METRICAS E INDICADORES NO MODELO DE REFERENCIA CMMI-Dev NIVEL 2 APLICACAÇÃO DE METRICAS E INDICADORES NO MODELO DE REFERENCIA CMMI-Dev NIVEL 2 Renan J. Borges 1, Késsia R. C. Marchi 1 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí, PR Brasil renanjborges@gmail.com, kessia@unipar.br

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

Delfraro Rodrigues Douglas M Gandini José Luiz CMM. Capability Maturity Model

Delfraro Rodrigues Douglas M Gandini José Luiz CMM. Capability Maturity Model Delfraro Rodrigues Douglas M Gandini José Luiz CMM Capability Maturity Model O que é o CMM? Modelo para avaliação da maturidade dos processos de software de uma organização Identificação das práticas chave

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO Autora: LUCIANA DE BARROS ARAÚJO 1 Professor Orientador: LUIZ CLAUDIO DE F. PIMENTA 2 RESUMO O mercado atual está cada vez mais exigente com

Leia mais

GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO

GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO Estevanir Sausen¹, Patricia Mozzaquatro² ¹Acadêmico do Curso de Ciência da Computação ²Professor(a) do Curso de Ciência da Computação Universidade de Cruz Alta (UNICRUZ)

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 3 Planejamento e Aula 8 do Projeto Aula 08 do Projeto SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 ACOMPANHAMENTO DO PROJETO... 3 1. do Progresso...

Leia mais

Processo de Software

Processo de Software Processo de Software Uma importante contribuição da área de pesquisa de processo de software tem sido a conscientização de que o desenvolvimento de software é um processo complexo. Pesquisadores e profissionais

Leia mais

Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos

Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO GERÊNCIA DO ESCOPO GERÊNCIA DO TEMPO GERÊNCIA DE CUSTO GERÊNCIA DA QUALIDADE Desenvolvimento do Plano

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software

Padrões de Qualidade de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software Engenharia de Software I Aula 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de Software) Padrões de Qualidade

Leia mais

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combining the ISO 10006 and PMBOK to ensure successful projects 1 Por Michael Stanleigh Tradução e adaptação para fins didáticos

Leia mais