6. Programação Inteira

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "6. Programação Inteira"

Transcrição

1 Pesquisa Operacional II 6. Programação Inteira Faculdade de Engenharia Eng. Celso Daniel Engenharia de Produção Programação Inteira São problemas de programação matemática em que a função objetivo, bem como as restrições, são lineares, porém uma ou mais variáveis de decisão podem apenas assumir valores inteiros. Esse problema pode apresentar dois tipos básicos: Programação Inteira Total - onde todas as variáveis de decisão são do tipo inteiro. Programação Inteira Mista - onde apenas uma parte das variáveis são do tipo inteiro, enquanto outras são do tipo real.

2 Programação Inteira A primeira idéia que pode vir à mente é resolver o problema como se fosse um problema de programação linear e arredondar os valores ótimos encontrados para cada uma das variáveis de decisão inteiras. Para problemas de grande porte, isto geralmente gerará uma solução aceitável (próxima do ótimo real) sem a violação de nenhuma das restrições. Para problemas menores, esse tipo de procedimento poderá nos levar a soluções inviáveis ou não ótimas. onde: Programação Inteira (,,..., n ) (,,..., n ) ( n ) Otimizar: z = f x, x,..., x sujeito a: g x x x b g x x x b 2 2 = M M g ( x, x,..., x m n) bm x, x,..., x são inteiros (,,..., ) = n 2 n n (,,..., ) = ( =,..., n i i2 2 in n ) f x x x cx cx cx g x x x a x a x a x i n n 2

3 Programação Inteira Problema Relaxado A todo problema de programação inteira está associado um problema com a mesma função-objetivo e as mesmas restrições, com exceção da condição de variáveis inteiras. A esse problema se dá o nome de Problema Relaxado. Programação Inteira Solução Gráfica Ma8x + 6x s.a. x + x x + 00x x + 6x 42 30x + 0x 35 x 3x 0 x, x 0 e inteiros () (2) (3) (4) (5) (2) () (4) (3) (5) 3

4 Programação Inteira Solução Gráfica Ma8x + 6x s.a. x + x x + 00x x + 6x 42 30x + 0x 35 x 3x 0 x, x 0 e inteiros Solução Ótima para PL Relaxado (5,28 ; 5,74) Programação Inteira Solução Gráfica Solução Aproximada do PL Relaxado Ótimo (5 ; 5) (5,28 ; 5,74) Solução Ótima para PL Relaxado (5,28 ; 5,74) Solução Ótima para Problema Inteiro (6 ; 3) 4

5 Programação Inteira PL Relaxado Em um problema de MAXIMIZAÇÃO, o valor ótimo da função-objetivo, do Problema Relaxado, sempre representa um limite superior ao respectivo Problema Inteiro. Em um problema de MINIMIZAÇÃO, o valor ótimo da função-objetivo, do Problema Relaxado, sempre representa um limite inferior ao respectivo Problema Inteiro. Programação Inteira PL Relaxado Nenhum ponto inteiro vizinho ao ponto ótimo do problema relaxado é necessariamente viável. Mesmo que um dos vizinhos seja viável. Não é necessariamente o ponto ótimo inteiro. Não é obrigatoriamente uma solução aceitável. Solução Ótima para PL Relaxado Solução Ótima para Prog.Inteira 5

6 Programação Inteira Solução por Enumeração Uma idéia que pode resultar em uma solução para um problema de programação inteira é a de se enumerar todas as possíveis soluções. De forma exaustiva, o valor da função-objetivo é calculado para todas as soluções viáveis e é escolhido aquele que apresente o maior valor (no caso de maximização) ou o menor valor (no caso de minimização). Programação Inteira Solução por Enumeração O problema com essa tática de solução está no fato de que ela só consegue ser aplicada a problemas pequenos. O número de combinações possíveis de soluções cresce de forma exponencial, isto é, de forma muito rápida: Ex.: Um PLI com 00 variáveis de decisão do tipo binárias (assumem 0 ou ) terá até 2 00 soluções viáveis, isto é,, soluções possíveis. 6

7 Programação Inteira é mais utilizado atualmente para resolução de problemas do tipo PLI ou PLI misto. É uma metodologia geral para solução de PLI e PLI misto, e existem diversas variantes para tratar diversos tipos de problemas específicos. A idéia geral é a de se dividir o conjunto de soluções viáveis em subconjuntos sem interseções entre si, calculando-se os limites superior e inferior para cada subconjunto, e então eliminando certos subconjuntos de acordo com regras pré-estabelecidas. Programação Inteira Algoritmo de Branch-and-Bound Comparativamente ao PL correspondente, o PI levará muito mais tempo para obter um valor ótimo. Isso está ligado ao fato que diversos problemas de PL são resolvidos sucessivamente para se obter a solução de um PI. Se o problema for interrompido no meio do processo uma solução aproximada do problema inteiro pode ser gerada. 7

8 A divisão do problema é interrompida quando uma das condições a seguir é satisfeita. Essas condições são chamadas de testes de sondagem (TS): (TS ) (TS 2) Programação Inteira Algoritmo de Branch-and-Bound O problema relaxado é infactível. A solução ótima do problema relaxado é inteira. (TS 3) O valor de qualquer solução factível do problema relaxado é pior que o valor da melhor solução factível atual (solução incumbente). Quando uma dessas três condições ocorre, o subproblema pode ser descartado (sondado), pois todas as suas soluções factíveis estão implicitamente enumeradas. Exemplo Max + x sa.. 7x + 4x 3 x, x 0 x, x inteiros Na Figura (a) têm-se os pontos que representam as soluções factíveis do problema (todos os pontos inteiros que satisfazem as restrições). O problema de programação linear (PPL) obtido ao desconsiderarmos as restrições de integralidade das variáveis inteiras é conhecido como a relaxação linear do PPI (ver Figura (b)). PPI Ótimo = 39 PPL (a) Ótimo = 33 (b) 8

9 Exemplo Resolvendo o problema relaxado tem-se que: Valor ótimo da solução: 39 Valores das variáveis =.86 e =0 Z=39 =.86 =0 Logo o valor de não é inteiro, então dividimos o problema em dois subproblemas: um onde consideramos o valor de 2, que vamos chamar de subproblema A; outro consideramos, chamado de subproblema B. Exemplo Suproblema A Max + x sa.. 7x + 4x 3 x 2 x, x 0 Subproblema B Max + x sa.. 7x + 4x 3 x x, x 0 Infactível A Ótimo = 37.5 B 9

10 Exemplo Não encontramos solução factível ao resolver o problema A, então aplicando o TS podemos eliminá-lo. Resolvendo o subproblema B temos Z = 37.5, = e =.5: Agora não é inteiro, logo particionamos o problema em dois considerando o subproblema C com a variável e o subproblema D com 2. Z=39 =.86 =0 2 A TS Z=37.5 = =.5 B Exemplo Suproblema C Max + x 2 sa.. 7x + 4x 3 x x x, x 0 Subproblema D Max + x 2 sa.. 7x + 4x 3 x x 2 x, x 0 Ótimo = 32 C D Ótimo = 37 0

11 Exemplo Z=39 =.86 =0 2 A TS Z=37.5 = =.5 B C TS2 Z=32 = = Z=37 =0.7 =2 D 2 Exemplo A solução do subproblema C é igual a 32, = e =, as duas variáveis são inteiras, logo considerando o TS2 este problema pode ser sondado. Resolvendo o subproblema D temos Z=37, =0.7 e =2: note que a variável novamente não é inteira, então particionamos o subproblema gerando dois novos subproblemas como mostramos a seguir.

12 Exemplo Suproblema E Max + x 2 sa.. 7x + 4x 3 x x 2 x 0 x, x 0 Subproblema F Max + x 2 sa.. 7x + 4x 3 x x 2 x x, x 0 F Infactível E Ótimo =35.75 Exemplo Z=39 =.86 =0 2 A TS Z=37.5 = =.5 B C TS2 Z=32 = = Z=37 =0.7 =2 D 2 0 E Z=35.75 =0 =3.25 F TS 2

13 Exemplo O problema F é infactível, logo podemos usar TS e eliminá-lo. O subproblema E tem solução igual a e =0 e =3.25. Suproblema G Max + x 2 2 sa.. 7x + 4x 3 x x 2 x 0 x 3 x, x 0 Subproblema H Max + x 2 2 sa.. 7x + 4x 3 x x 2 x 0 x 4 x, x 0 Exemplo Z=39 =.86 =0 2 A TS Z=37.5 = =.5 B C TS2 Z=32 = = Z=37 =0.7 =2 D 2 0 E Z=35.75 =0 =3.25 F TS 3 G Z=33 =0 TS2 =3 H TS 4 3

14 Exemplo Resolvendo o subproblema G obtemos Z=33, =0 e =3, logo a solução é inteira, portanto aplicando o TS2 este problema pode ser sondado. O subproblema H não tem solução factível e também pode ser sondado por TS. Temos que nenhum nó pode ser ramificado, logo, a melhor solução inteira encontrada é dada pelo problema G e éa solução ótima do problema. Na resolução do exemplo através do método B&B podemos observar que muitas soluções não precisaram ser avaliadas explicitamente. Isso fica mais claro quando se resolve problemas maiores. Programação Inteira Algoritmo de Branch-and-Bound A solução obtida num problema PLI ou PLI misto contém menos informações que o PL correspondente. Algumas diferenças são: Inexistência de análise de sensibilidade. Esta análise deve ser efetuada alterando-se o problema e obtendo-se nova solução. Não provê informação similar ao preço de sombra. Muitos softwares que realizam programação inteira são parte integrante de pacotes de PL e produzem análise de sensibilidade, independente desta não ter valor no âmbito de programação inteira. Nestes casos devemos desconsiderar estas análises. 4

15 Usando Solver do Excel Definindo Variáveis Inteiras e Binárias Lindo Variáveis Inteiras e Binárias Os comandos adicionais abaixo são colocados após o comando END ao final das restrições: FREE <Variável> - Remove os limites de não negatividade imposta a todas as variáveis por default. GIN <Variável> inteira geral. INT <Variável> inteira binária. - Faz a <Variável> uma variável - Faz a <Variável> uma variável 5

16 Problema de Orçamento de Capital Caso LCL Tecnologia S/A A LCL Tecnologia S/A tem que planejar seus gastos em P&D. A empresa pré-selecionou 4 projetos e deve escolher dentre esses quais deve priorizar em função de restrições orçamentárias. Os dados relevantes encontram-se na tabela abaixo. Proj NPV(8%) (mil R$) $05.99 $28.90 $36.4 $7.38 Capital Disponível Ano Capital Requerido em mil R$ Ano 2 Ano 3 Ano 4 Ano Variáveis de Decisão Caso LCL Tecnologia S/A, se o projeto i for selecionado x = i =,2,3, 4. i 0, se o projeto i não for selecionado Função Objetivo = Maximizar o somatório NPV. Ma05.99x x x x 3 4 6

17 Caso LCL Tecnologia S/A Restrições Orçamentárias: 70x + 80x + 90x + 50x Ano 3 4 5x + 20x + 20x + 30x 70 - Ano x + 40x 70 - Ano x + 5x + 30x 70 - Ano x + 0x + 20x + 20x 70 - Ano Caso LCL Tecnologia S/A O Modelo Ma05.99x x x x 3 4 s.a. 70x + 80x + 90x + 50x x + 20x + 20x + 30x x + 40x x + 5x + 30x x + 0x + 20x + 20x x 0,, i =,2,3, 4 i { } 7

18 Caso LCL Tecnologia S/A Solver do Excel Caso LCL Tecnologia S/A Solver do Excel 8

19 Caso LCL Tecnologia S/A Solver do Excel Variáveis Binárias e Condições Lógicas As variáveis binárias também se prestam a selecionar alternativas que sejam condicionais. No exemplo anterior imagine que não mais de um dos projetos, 3 e 4 pudesse ser selecionado. Deveríamos então adicionar:. x x x Se apenas um dos projetos e apenas um dos projetos, 2 e 4 tivesse que ser escolhido obrigatoriamente, deveríamos incluir:. x x x = 9

20 Variáveis Binárias e Condições Lógicas Imagine agora que o projeto dependa de uma tecnologia que deve ser desenvolvida pelo projeto 2, isto é, o projeto só pode ser aprovado se e somente se o projeto 2 for aceito. Deveríamos então incluir: x = 0, x2 = 0 nenhum dos projetos aceitos x =, x2 = ambos os projetos aceitos x x2 0 x = 0, x2 = apenas o projeto 2 foi aceito x =, x2 = 0 inviável Caso LCL Equipamentos S.A. A LCL Equipamentos S.A. produz três tipos de furadeiras que necessitam de tempos diferentes na linha de montagem. Para que cada tipo de furadeira seja fabricada, um custo de preparação da fabrica é incorrido. Suponha que todas as furadeiras do mesmo tipo serão produzidas de uma só vez (apenas uma preparação por tipo). Abaixo os dados relevantes à análise do problema. Tipo Tipo 2 Tipo 3 Total Disponível Montagem Pintura Lucro Unitário Preparação 2h/unid 3h/unid R$50 R$ h/unid 2h/unid R$60 R$ ,5h/unid 2,5h/unid R$65 R$ h 500h 20

21 Caso LCL Equipamentos S.A. Variáveis Binárias Variáveis de Decisão x = Quantidade a ser produzida do produto i ( i =,2,3) i, se x > 0 i y = i =,2,3 i 0, se x = 0 i Função Objetivo Max 50x + 60x + 65x 5000y 4000y 3000y 3 3 Caso LCL Equipamentos S.A. Variáveis Binárias Restrições de Produção 2x + 3x2 + 2,5x x + 2x + 2,5x Restrições de ligação de Variáveis x 600y x 600y 2 2 x 600y 3 3 Obs : 600 é um nº que é grande o suficiente. 2

22 Caso LCL Equipamentos S.A. { } O Modelo Max 50x + 60x + 65x 5000y 4000y 3000y sujeito a: 2x + 3x + 2,5x 600 3x + 2x + 2,5x 500 x 600y x 600y x 600y x 0, i =,2,3 y 0, i =,2, i i Caso LCL Equipamentos S.A. Variáveis Binárias =B7*B0 22

23 Caso LCL Equipamentos S.A. Variáveis Binárias Caso LCL Equipamentos S.A. Variáveis Binárias 23

24 Exercício Resolver o problema abaixo utilizando o algoritmo Branch-and-Bound: Max 3x + 3x s.a. x + 4x 2 6x + 4x 24 x, x 0 e inteiros Referências Bibliográficas LACHTERMACHER, G., Pesquisa operacional na tomada de decisão (modelagem em Excel). 2ª edição, revista e atualizada, Editora Campus, HILLIER, F. S. Introdução à pesquisa operacional. Rio de Janeiro, Editora Campus, 988. GOLDBARG, M. C. e LUNA, H. P., Otimização combinatória e programação linear: modelos e algoritmos. 2ª edição, Editora Campus, Rio de Janeiro,

AULA 08 PROGRAMAÇÃO LINEAR INTEIRA. Eduardo Camargo de Siqueira PESQUISA OPERACIONAL TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

AULA 08 PROGRAMAÇÃO LINEAR INTEIRA. Eduardo Camargo de Siqueira PESQUISA OPERACIONAL TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS AULA 08 PROGRAMAÇÃO LINEAR INTEIRA Eduardo Camargo de Siqueira PESQUISA OPERACIONAL TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO Os problemas de Programação Linear Inteira podem ser entendidos

Leia mais

Programação Inteira Conteúdos da Seção Programação Inteira Problema Relaxado Solução Gráfica Solução por Enumeração Algoritmo de Branch-And-Bound

Programação Inteira Conteúdos da Seção Programação Inteira Problema Relaxado Solução Gráfica Solução por Enumeração Algoritmo de Branch-And-Bound Programação Inteira Conteúdos da Seção Programação Inteira Problema Relaado Solução Gráfica Solução por Enumeração Algoritmo de Branch-And-Bound Solução Ecel Solução no Lindo Caso LCL Tecnologia S.A. Variáveis

Leia mais

PRO 528 - Pesquisa Operacional II. 5. Análise econômica e análise de sensibilidade

PRO 528 - Pesquisa Operacional II. 5. Análise econômica e análise de sensibilidade Pesquisa Operacional II 5. Análise econômica e análise de sensibilidade Faculdade de Engenharia Eng. Celso Daniel Engenharia de Produção Interpretação econômica do problema dual Cada variável w ii do do

Leia mais

2. A FERRAMENTA SOLVER (EXCEL)

2. A FERRAMENTA SOLVER (EXCEL) Faculdade de Engenharia Eng. Celso Daniel Engenharia de Produção 2. A FERRAMENTA SOLVER (EXCEL) Diversas ferramentas para solução de problemas de otimização, comerciais ou acadêmicos, sejam eles lineares

Leia mais

Pesquisa Operacional. Análise de Sensibilidade. Evanivaldo Castro Silva Júnior

Pesquisa Operacional. Análise de Sensibilidade. Evanivaldo Castro Silva Júnior Pesquisa Operacional Análise de Sensibilidade Evanivaldo Castro Silva Júnior Conteúdo abordado o Preço de Sombra Shadow Price o Custo Reduzido Reduced Cost o Intervalos de Validação Caso Motorela Celulares

Leia mais

Utilização do Solver na solução de problemas de PL

Utilização do Solver na solução de problemas de PL Utilização do Solver na solução de problemas de PL Solver é um programa para otimização linear, nãolinear e inteira. Vantagens: implementado na planilha Excel; várias funções algébricas do Excel são aceitas

Leia mais

Pesquisa Operacional na Tomada de Decisões. Conteúdos do Capítulo. Programação Linear. Lindo. s.t. Resolvendo Programação Linear Em um Microcomputador

Pesquisa Operacional na Tomada de Decisões. Conteúdos do Capítulo. Programação Linear. Lindo. s.t. Resolvendo Programação Linear Em um Microcomputador ª Edição Pesquisa Operacional na Tomada de Decisões Resolvendo Programação Linear Em um Microcomputador Gerson Lachtermacher,00 Programação Linear Software Versão Windows e comandos Formulação do problema

Leia mais

4 Estudo de caso: Problema de seqüenciamento de carros

4 Estudo de caso: Problema de seqüenciamento de carros 4 Estudo de caso: Problema de seqüenciamento de carros O problema de seqüenciamento de carros em linhas de produção das indústrias automobilísticas é um tipo particular de problema de escalonamento que

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES NA RESOLUÇÃO DE UM PROBLEMA DE PROGRAMAÇÃO LINEAR. Cintia da Silva Araújo, Tiago de Souza Marçal, Magda Aparecida Nogueira

UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES NA RESOLUÇÃO DE UM PROBLEMA DE PROGRAMAÇÃO LINEAR. Cintia da Silva Araújo, Tiago de Souza Marçal, Magda Aparecida Nogueira UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES NA RESOLUÇÃO DE UM PROBLEMA DE PROGRAMAÇÃO LINEAR Cintia da Silva Araújo, Tiago de Souza Marçal, Magda Aparecida Nogueira 1 Centro de Ciências Agrárias-Universidade Federal do Espírito

Leia mais

Programação Matemática - Otimização Linear

Programação Matemática - Otimização Linear Programação Matemática - Otimização Linear Professora: Maristela Oliveira dos Santos Auxilio 2009: Victor C.B. Camargo Auxilio 2010 - PAE: Marcos Mansano Furlan Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação

Leia mais

AV1 - MA 12-2012. (b) Se o comprador preferir efetuar o pagamento à vista, qual deverá ser o valor desse pagamento único? 1 1, 02 1 1 0, 788 1 0, 980

AV1 - MA 12-2012. (b) Se o comprador preferir efetuar o pagamento à vista, qual deverá ser o valor desse pagamento único? 1 1, 02 1 1 0, 788 1 0, 980 Questão 1. Uma venda imobiliária envolve o pagamento de 12 prestações mensais iguais a R$ 10.000,00, a primeira no ato da venda, acrescidas de uma parcela final de R$ 100.000,00, 12 meses após a venda.

Leia mais

Programação Linear. SOLVER EXCEL Prof. José Luiz. Solução via Excel

Programação Linear. SOLVER EXCEL Prof. José Luiz. Solução via Excel Programação Linear SOLVER EXCEL Prof. José Luiz Solução via Excel 1. Organizar os dados na planilha 1. Reservar células na planilha para representar o coeficiente de cada variável de decisão no modelo

Leia mais

Metodologia para seleção de amostras de contratos de obras públicas (jurisdicionados) utilizando a programação linear aplicativo Solver

Metodologia para seleção de amostras de contratos de obras públicas (jurisdicionados) utilizando a programação linear aplicativo Solver REVISTA Metodologia para seleção de amostras de contratos de obras públicas (jurisdicionados) utilizando a programação linear aplicativo Solver André Mainardes Berezowski 1 Resumo Trata da apresentação

Leia mais

Dificuldades de Modelos de PNL. Onde está a solução ótima? Outro exemplo: Condição ótima Local vs. Global. 15.053 Quinta-feira, 25 de abril

Dificuldades de Modelos de PNL. Onde está a solução ótima? Outro exemplo: Condição ótima Local vs. Global. 15.053 Quinta-feira, 25 de abril 15.053 Quinta-feira, 25 de abril Teoria de Programação Não-Linear Programação Separável Dificuldades de Modelos de PNL Programa Linear: Apostilas: Notas de Aula Programas Não-Lineares 1 2 Análise gráfica

Leia mais

Programação Inteira. Fernando Nogueira Programação Inteira 1

Programação Inteira. Fernando Nogueira Programação Inteira 1 Programação Inteira Fernando Nogueira Programação Inteira A Programação Inteira pode ser entendida como uma caso específico da Programação Linear, onde as variáveis devem ser inteiras (ou ao menos, parte

Leia mais

Investigação Operacional

Investigação Operacional Licenciatura em Engenharia de Comunicações Licenciatura em Engenharia Electrónica Industrial e Computadores Investigação Operacional Exercícios de Métodos para Programação Linear Grupo de Optimização e

Leia mais

Inteligência Artificial Prof. Marcos Quinet Pólo Universitário de Rio das Ostras PURO Universidade Federal Fluminense UFF

Inteligência Artificial Prof. Marcos Quinet Pólo Universitário de Rio das Ostras PURO Universidade Federal Fluminense UFF Inteligência Artificial Prof. Marcos Quinet Pólo Universitário de Rio das Ostras PURO Universidade Federal Fluminense UFF No capítulo anterior... Estratégias de busca auxiliadas por heurísticas (A*, BRPM)

Leia mais

A otimização é o processo de

A otimização é o processo de A otimização é o processo de encontrar a melhor solução (ou solução ótima) para um problema. Eiste um conjunto particular de problemas nos quais é decisivo a aplicação de um procedimento de otimização.

Leia mais

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante Capítulo 2 Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante 2.1 Introdução Neste capítulo, chamamos atenção para o fato de que o conjunto dos números representáveis em qualquer máquina é finito, e portanto

Leia mais

SOLVER(EXCEL): MANUAL DE REFERÊNCIA

SOLVER(EXCEL): MANUAL DE REFERÊNCIA SOLVER(EXCEL): MANUAL DE REFERÊNCIA Aloísio de Castro Gomes Júnior Marcone Jamilson Freitas Souza Projeto patrocinado pelo programa PRÓ-ATIVA da UFOP DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS AVANÇADOS DO EXCEL EM FINANÇAS (PARTE II): ATINGIR META E SOLVER

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS AVANÇADOS DO EXCEL EM FINANÇAS (PARTE II): ATINGIR META E SOLVER UTILIZAÇÃO DE RECURSOS AVANÇADOS DO EXCEL EM FINANÇAS (PARTE II): ATINGIR META E SOLVER! Planilha entregue para a resolução de exercícios! Quando usar o Atingir Meta e quando usar o Solver Autor: Francisco

Leia mais

7 - Análise de redes Pesquisa Operacional CAPÍTULO 7 ANÁLISE DE REDES. 4 c. Figura 7.1 - Exemplo de um grafo linear.

7 - Análise de redes Pesquisa Operacional CAPÍTULO 7 ANÁLISE DE REDES. 4 c. Figura 7.1 - Exemplo de um grafo linear. CAPÍTULO 7 7 ANÁLISE DE REDES 7.1 Conceitos Básicos em Teoria dos Grafos Diversos problemas de programação linear, inclusive os problemas de transporte, podem ser modelados como problemas de fluxo de redes.

Leia mais

UNIDADE 3 MEDIDAS DE POSIÇÃO E DISPERSÃO OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM

UNIDADE 3 MEDIDAS DE POSIÇÃO E DISPERSÃO OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM Unidade 2 Distribuições de Frequências e Representação Gráfica UNIDADE 3 MEDIDAS DE POSIÇÃO E DISPERSÃO OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM Ao finalizar esta Unidade, você deverá ser capaz de: Calcular

Leia mais

2012.2. Fundamentos da Aprendizagem Digital. Profº Luiz André

2012.2. Fundamentos da Aprendizagem Digital. Profº Luiz André 2012.2 Fundamentos da Aprendizagem Digital Profº Luiz André 2 Conceitos Básicos Operadores Para construir as fórmulas do Excel, primeiro precisa-se conhecer os operadores matemáticos e de igualdade. Veja-os

Leia mais

PROGRAMAÇÃO MATEMÁTICA APLICADA AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

PROGRAMAÇÃO MATEMÁTICA APLICADA AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS PROGRAMAÇÃO MATEMÁTICA APLICADA AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Marcio Briesemeister (UNISOCIESC ) marcio_bri@ig.com.br Milton Procopio de Borba (UNISOCIESC ) milton_borba@terra.com.br Este trabalho tem como

Leia mais

DICAS PARA CÁLCULOS MAIS RÁPIDOS ARTIGO 06

DICAS PARA CÁLCULOS MAIS RÁPIDOS ARTIGO 06 DICAS PARA CÁLCULOS MAIS RÁPIDOS ARTIGO 06 Este é o 6º artigo da série de dicas para facilitar / agilizar os cálculos matemáticos envolvidos em questões de Raciocínio Lógico, Matemática, Matemática Financeira

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO VOLUME 3

ADMINISTRAÇÃO VOLUME 3 UNIVERSIDADE DE UBERABA ADMINISTRAÇÃO ETAPA V VOLUME Organização Raul Sérgio Reis Rezende ROTEIRO DE ESTUDO 1 Aplicações da programação linear no ambiente de gestão Objetivos: Ao final dos estudos deste

Leia mais

28 de agosto de 2015. MAT140 - Cálculo I - Derivação Impĺıcita e Derivadas de Ordem Superior

28 de agosto de 2015. MAT140 - Cálculo I - Derivação Impĺıcita e Derivadas de Ordem Superior MAT140 - Cálculo I - Derivação Impĺıcita e Derivadas de Ordem Superior 28 de agosto de 2015 Derivação Impĺıcita Considere o seguinte conjunto R = {(x, y); y = 2x + 1} O conjunto R representa a reta definida

Leia mais

Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias

Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Programação I Prof. Bruno Vilela Oliveira bruno@cca.ufes.br http://www.brunovilela.webnode.com.br Aulas 2-3-4-5-6-7-8 Lógica Algoritmos Portugol

Leia mais

Índice de Exercícios. Exercício 1.

Índice de Exercícios. Exercício 1. Índice de Exercícios Exercício 1...1 Exercício 2...2 Exercício 3...4 Exercício 4...7 Exercício 5. (Ficha de trabalho de Metrologia e Qualidade módulo 4)...8 Exercício 6. (Ficha de trabalho de Metrologia

Leia mais

4. Metodologia. Capítulo 4 - Metodologia

4. Metodologia. Capítulo 4 - Metodologia Capítulo 4 - Metodologia 4. Metodologia Neste capítulo é apresentada a metodologia utilizada na modelagem, estando dividida em duas seções: uma referente às tábuas de múltiplos decrementos, e outra referente

Leia mais

PROGRAMAÇÃO LINEAR COMO FERRAMENTA AUXILIADORA NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS EM UMA EMPRESA DE SERVIÇOS

PROGRAMAÇÃO LINEAR COMO FERRAMENTA AUXILIADORA NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS EM UMA EMPRESA DE SERVIÇOS PROGRAMAÇÃO LINEAR COMO FERRAMENTA AUXILIADORA NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS EM UMA EMPRESA DE SERVIÇOS Elvis Magno da Silva, autor Douglas Ribeiro Lucas, co-autor Vladas Urbanavicius Júnior, co-autor

Leia mais

Prof. Daniela Barreiro Claro

Prof. Daniela Barreiro Claro Prof. Daniela Barreiro Claro SQL, SQL3 e OQL são linguagens declarativas O SGBD deve processar e otimizar estas consultas antes delas serem efetivamente executadas Uma consulta possui muitas estratégias

Leia mais

Programação Dinâmica. Programa do PA. Técnicas Avançadas de Projeto. Aulas Anteriores. Introdução. Plano de Aula. Técnicas de Projeto de Algoritmos

Programação Dinâmica. Programa do PA. Técnicas Avançadas de Projeto. Aulas Anteriores. Introdução. Plano de Aula. Técnicas de Projeto de Algoritmos Programação Dinâmica Técnicas de Projeto de Algoritmos Aula 13 Alessandro L. Koerich Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) Ciência da Computação 7 o Período Engenharia de Computação 5 o Período

Leia mais

Linear Solver Program - Manual do Usuário

Linear Solver Program - Manual do Usuário Linear Solver Program - Manual do Usuário Versão 1.11.0 Traduzido por: Angelo de Oliveira (angelo@unir.br/mrxyztplk@gmail.com) 1 Introdução Linear Program Solver (LiPS) é um pacote de otimização projetado

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. PROFESSOR: Andrey DISCIPLINA: Técnicas Alternativas de Programação AULA: 11 APRESENTAÇÃO Nesta aula serão discutidos os conceitos relacionados

Leia mais

LEAN E A TEORIA DAS RESTRIÇÕES

LEAN E A TEORIA DAS RESTRIÇÕES Pós Graduação em Engenharia de Produção Ênfase na Produção Enxuta de Bens e Serviços (LEAN MANUFACTURING) LEAN E A TEORIA DAS RESTRIÇÕES Exercícios de Consolidação - gabarito - Prof. Eduardo G. M. Jardim,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS VISANDO O APRENDIZADO DA PROGRAMAÇÃO LINEAR

DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS VISANDO O APRENDIZADO DA PROGRAMAÇÃO LINEAR DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS VISANDO O APRENDIZADO DA PROGRAMAÇÃO LINEAR Patrícia Oliveira de Souza Escola de Engenharia Industrial e Metalúrgica de Volta Redonda da UFF Av. dos Trabalhadores

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL

PESQUISA OPERACIONAL PARTE I Para os exercícios de programação linear abaixo, apresentar a modelagem do problema, a solução algébrica e a solução gráfica: 1. Uma confecção produz dois tipos de vestido: um casual e um de festa.

Leia mais

Pedro Ribeiro 2014/2015

Pedro Ribeiro 2014/2015 Programação Dinâmica Pedro Ribeiro DCC/FCUP 2014/2015 Pedro Ribeiro (DCC/FCUP) Programação Dinâmica 2014/2015 1 / 56 Números de Fibonacci Sequência de números muito famosa definida por Leonardo Fibonacci

Leia mais

Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos

Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos Por Allan J. Albrecht Proc. Joint SHARE/GUIDE/IBM Application Development Symposium (October, 1979), 83-92 IBM Corporation, White Plains, New York

Leia mais

C O B I T Control Objectives for Information and related Technology

C O B I T Control Objectives for Information and related Technology C O B I T Control Objectives for Information and related Technology Goiânia, 05 de Janeiro de 2009. Agenda Evolução da TI Desafios da TI para o negócio O que é governança Escopo da governança Modelos de

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO E RESOLUÇÃO DE MODELOS MATEMÁTICOS UTILIZANDO A PLANILHA EXCEL

IMPLEMENTAÇÃO E RESOLUÇÃO DE MODELOS MATEMÁTICOS UTILIZANDO A PLANILHA EXCEL IMPLEMENTAÇÃO E RESOLUÇÃO DE MODELOS MATEMÁTICOS UTILIZANDO A PLANILHA EXCEL 1. INTRODUÇÃO Este tutorial apresenta, passo-a-passo, o processo de implementação e resolução de modelos matemáticos na planilha

Leia mais

INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital

INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital 5 INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital 1.1 Processo de decisão de orçamento de capital A decisão de investimento de longo prazo é a decisão financeira mais

Leia mais

Uma expressão básica em SQL consiste em três cláusulas: select, from e where.

Uma expressão básica em SQL consiste em três cláusulas: select, from e where. Introdução a Banco de Dados O.K. Takai; I.C.Italiano; J.E. Ferreira. 67 8 A Linguagem SQL A linguagem SQL é um padrão de linguagem de consulta comercial que usa uma combinação de construtores em Álgebra

Leia mais

Programação Inteira. Advertência

Programação Inteira. Advertência Departamento de Informática Programação Inteira Métodos Quantitativos LEI 2006/2007 Advertência Autores João Moura Pires (jmp@di.fct.unl.pt) Susana Nascimento (snt@di.fct.unl.pt) Este material pode ser

Leia mais

Tecnologia da Informação Prof. Mário Henrique de Souza Pardo Resumo Aula 4

Tecnologia da Informação Prof. Mário Henrique de Souza Pardo Resumo Aula 4 Tecnologia da Informação Prof. Mário Henrique de Souza Pardo Resumo Aula 4 1 MS-Excel Aplicando funções às suas fórmulas de Excel (continuação) Serão vistas, nesta aula as funções de busca e referência

Leia mais

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS ANACLETO G. 1 1. INTRODUÇÃO Este estudo tem a finalidade de apuração dos resultados aplicados pelos

Leia mais

1. Resolução de problemas de Programação Linear utilizando Excel

1. Resolução de problemas de Programação Linear utilizando Excel 1. Resolução de problemas de Programação Linear utilizando Excel O software Excel resolve problemas de Programação Linear através da ferramenta Solver. Retomando um problema de Programação Linear já citado,

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO INTEGRADA DO MINISTÉRIO DA FAZENDA - PMIMF MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA ATORES DA REDE DE INOVAÇÃO 2 O MODELO CONTEMPLA: Premissas e diretrizes de implementação Modelo

Leia mais

MAXIMIZAÇÃO DO RESULTADO ATRAVÉS DA MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO E DA PROGRAMAÇÃO LINEAR

MAXIMIZAÇÃO DO RESULTADO ATRAVÉS DA MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO E DA PROGRAMAÇÃO LINEAR MAXIMIZAÇÃO DO RESULTADO ATRAVÉS DA MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO E DA PROGRAMAÇÃO LINEAR Corrar, Luiz João Cunha, Darliane* Feitosa, Agricioneide* Professor e Mestrandas em Contabilidade e Controladoria Faculdade

Leia mais

Técnicas de Computação Paralela Capítulo III Design de Algoritmos Paralelos

Técnicas de Computação Paralela Capítulo III Design de Algoritmos Paralelos Técnicas de Computação Paralela Capítulo III Design de Algoritmos Paralelos José Rogado jose.rogado@ulusofona.pt Universidade Lusófona Mestrado Eng.ª Informática e Sistemas de Informação 2013/14 Resumo

Leia mais

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel. 04-98/4-98 Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Podemos epressar o produto de quatro fatores iguais a.... por meio de uma potência de base e epoente

Leia mais

Probabilidade - aula I

Probabilidade - aula I e 27 de Fevereiro de 2015 e e Experimentos Aleatórios e Objetivos Ao final deste capítulo você deve ser capaz de: Entender e descrever espaços amostrais e eventos para experimentos aleatórios. Interpretar

Leia mais

Exercícios Adicionais

Exercícios Adicionais Exercícios Adicionais Observação: Estes exercícios são um complemento àqueles apresentados no livro. Eles foram elaborados com o objetivo de oferecer aos alunos exercícios de cunho mais teórico. Nós recomendamos

Leia mais

Utilização do SOLVER do EXCEL

Utilização do SOLVER do EXCEL Utilização do SOLVER do EXCEL 1 Utilização do SOLVER do EXCEL José Fernando Oliveira DEEC FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO MAIO 1998 Para ilustrar a utilização do Solver na resolução de

Leia mais

Exemplos: Pág 5 FUNÇÕES. UC Extensão - Excel Docente: André Luiz Silva de Moraes OPERADORES BOOLEANOS

Exemplos: Pág 5 FUNÇÕES. UC Extensão - Excel Docente: André Luiz Silva de Moraes OPERADORES BOOLEANOS Roteiro 1: Planilhas Eletrônicas > funções Objetivos Manipular e editar planilhas eletrônicas; Utilizar Operadores de texto, booleanos; Utilizar comandos para o desenvolvimento de funções; Explorar as

Leia mais

LISTA SOBRE MODELAGEM DE PROBLEMAS DE PROGRAMAÇÃO INTEIRA

LISTA SOBRE MODELAGEM DE PROBLEMAS DE PROGRAMAÇÃO INTEIRA LISTA SOBRE MODELAGEM DE PROBLEMAS DE PROGRAMAÇÃO INTEIRA 1) [Alocação de Recursos] A Capitão Caverna S.A., localizada em Pedra Lascada, aluga 3 tipos de barcos para passeios marítimos: jangadas, supercanoas

Leia mais

PROBLEMA DE TRANSPORTE: MODELO E MÉTODO DE SOLUÇÃO

PROBLEMA DE TRANSPORTE: MODELO E MÉTODO DE SOLUÇÃO PROBLEMA DE TRANSPORTE: MODELO E MÉTODO DE SOLUÇÃO Luciano Pereira Magalhães - 8º - noite lpmag@hotmail.com Orientador: Prof Gustavo Campos Menezes Banca Examinadora: Prof Reinaldo Sá Fortes, Prof Eduardo

Leia mais

Álgebra. SeM MiSTéRio

Álgebra. SeM MiSTéRio Álgebra SeM MiSTéRio Série SeM MiSTéRio Alemão Sem Mistério Álgebra Sem Mistério Cálculo Sem Mistério Conversação em Alemão Sem Mistério Conversação em Espanhol Sem Mistério Conversação em Francês Sem

Leia mais

1. Introdução. Avaliação de Usabilidade Página 1

1. Introdução. Avaliação de Usabilidade Página 1 1. Introdução Avaliação de Usabilidade Página 1 Os procedimentos da Avaliação Heurística correspondem às quatro fases abaixo e no final é apresentado como resultado, uma lista de problemas de usabilidade,

Leia mais

Relatórios. Manual. Pergamum

Relatórios. Manual. Pergamum Relatórios Manual Pergamum Manual PER-MAN-005 Estatísticas Circulação de Materiais - Geral Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 1-4 1.1 PESQUISANDO ESTATÍSITICAS E RELATÓRIOS... 1-10 1.2 UTILIZANDO O MÓDULO RELATÓRIOS...

Leia mais

Simulação e Gerenciamento de Manufatura. Quadro comparativo entre o Max-Prod e seu principal concorrente (Software importado)

Simulação e Gerenciamento de Manufatura. Quadro comparativo entre o Max-Prod e seu principal concorrente (Software importado) Simulação e Gerenciamento de Manufatura Quadro comparativo entre o Max-Prod e seu principal concorrente (Software importado) Max-Prod Software importado Simulação e Otimização da Carga de Máquinas e Sequenciamento

Leia mais

TEXTO DE REVISÃO: Uso da calculadora científica e potências de 10.

TEXTO DE REVISÃO: Uso da calculadora científica e potências de 10. TEXTO DE REVISÃO: Uso da calculadora científica e potências de 10. Caro aluno (a): No livro texto (Halliday) cap.01 - Medidas alguns conceitos muito importantes são apresentados. Por exemplo, é muito importante

Leia mais

Pesquisa Operacional. Componentes de um modelo de PL

Pesquisa Operacional. Componentes de um modelo de PL Pesquisa Operacional Introdução à Modelagem de Problemas Lineares Recursos Escasso. Componentes de um modelo de PL O modelo Matemático é composto por: Função Objetivo (eq. Linear, Ex.: Lucro) Restrições

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 UTILIZAÇÃO DA FERRAMENTA SOVER PARA MAXIMIZAR O LUCRO EM UMA PRODUÇÃO DE GASOLINA Ana Carolina Borges Silva 1 ; Ana Paula Silva 2 1,2 Universidade de Uberaba carolina.borges87@gmail.com, msanapaulas@gmail.com

Leia mais

Soluções via.net para otimização de processos paramétricos com Autodesk Inventor.

Soluções via.net para otimização de processos paramétricos com Autodesk Inventor. Soluções via.net para otimização de processos paramétricos com Autodesk Inventor. Michel Brites dos Santos MAPData A parametrização quando possível já é uma forma de otimizar o processo de criação na engenharia.

Leia mais

MOQ 43 PESQUISA OPERACIONAL. Professor: Rodrigo A. Scarpel rodrigo@ita.br www.mec.ita.br/~rodrigo

MOQ 43 PESQUISA OPERACIONAL. Professor: Rodrigo A. Scarpel rodrigo@ita.br www.mec.ita.br/~rodrigo MOQ PESQUISA OPERACIONAL Professor: Rodrigo A. Scarpel rodrigo@ita.br www.mec.ita.br/~rodrigo Programa do curso: Semana Conteúdo Apresentação da disciplina. Formulação em programação matemática (PM). Introdução

Leia mais

Unidade 3 Função Logarítmica. Definição de logaritmos de um número Propriedades operatórias Mudança de base Logaritmos decimais Função Logarítmica

Unidade 3 Função Logarítmica. Definição de logaritmos de um número Propriedades operatórias Mudança de base Logaritmos decimais Função Logarítmica Unidade 3 Função Logarítmica Definição de aritmos de um número Propriedades operatórias Mudança de base Logaritmos decimais Função Logarítmica Definição de Logaritmo de um número Suponha que certo medicamento,

Leia mais

COMO CALCULAR O PRINCIPAL INDICADOR PARA MEDIR A EFICIÊNCIA FINANCEIRA DE UMA

COMO CALCULAR O PRINCIPAL INDICADOR PARA MEDIR A EFICIÊNCIA FINANCEIRA DE UMA COMO CALCULAR O PRINCIPAL INDICADOR PARA MEDIR A EFICIÊNCIA FINANCEIRA DE UMA EMPRESA E ENTRE VÁRIAS EMPRESAS Comparar uma empresa em relação a ela mesma (evolução histórica) Comparar uma empresa em relação

Leia mais

Diagrama de Casos de Uso

Diagrama de Casos de Uso Diagrama de Casos de Uso Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Booch, G. et al. The Unified Modeling Language User Guide Medeiros,

Leia mais

UFFLP: Integrando Programação Inteira Mista e Planilhas de Cálculo

UFFLP: Integrando Programação Inteira Mista e Planilhas de Cálculo UFFLP: Integrando Programação Inteira Mista e Planilhas de Cálculo Artur Pessoa Eduardo Uchoa Engenharia de Produção UFF Roteiro Aula 1 Apresentação geral da UFFLP Criação de modelos básicos com UFFLP

Leia mais

LINDO: MANUAL DE REFERÊNCIA

LINDO: MANUAL DE REFERÊNCIA LINDO: MANUAL DE REFERÊNCIA Aloísio de Castro Gomes Júnior Marcone Jamilson Freitas Souza Projeto patrocinado pelo programa PRÓ-ATIVA da UFOP DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

Aula 4 Estatística Conceitos básicos

Aula 4 Estatística Conceitos básicos Aula 4 Estatística Conceitos básicos Plano de Aula Amostra e universo Média Variância / desvio-padrão / erro-padrão Intervalo de confiança Teste de hipótese Amostra e Universo A estatística nos ajuda a

Leia mais

Aula 2 - Cálculo Numérico

Aula 2 - Cálculo Numérico Aula 2 - Cálculo Numérico Erros Prof. Phelipe Fabres Anhanguera Prof. Phelipe Fabres (Anhanguera) Aula 2 - Cálculo Numérico 1 / 41 Sumário Sumário 1 Sumário 2 Erros Modelagem Truncamento Representação

Leia mais

MANUTENÇÃO CORRETIVA 01.12.11

MANUTENÇÃO CORRETIVA 01.12.11 1 MANUTENÇÃO CORRETIVA 2 Objetivo Geral da aula Conhecer a manutenção corretiva; Ver como cada passo do atendimento é registrado; 3 Manutenção corretiva Existem casos onde a prevenção é essencial e onde

Leia mais

APLICAÇÃO DA TEORIA DAS FILAS NO SISTEMA DE ATENDIMENTO DE UMA EMPRESA DO RAMO ALIMENTÍCIO

APLICAÇÃO DA TEORIA DAS FILAS NO SISTEMA DE ATENDIMENTO DE UMA EMPRESA DO RAMO ALIMENTÍCIO APLICAÇÃO DA TEORIA DAS FILAS NO SISTEMA DE ATENDIMENTO DE UMA EMPRESA DO RAMO ALIMENTÍCIO Ana Victoria da Costa Almeida (anavictoriaalmeida@yahoo.com.br / UEPA) Kelvin Cravo Custódio (kelvim_scb9@hotmail.com

Leia mais

Aula 1: Introdução à Probabilidade

Aula 1: Introdução à Probabilidade Aula 1: Introdução à Probabilidade Prof. Leandro Chaves Rêgo Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção - UFPE Recife, 07 de Março de 2012 Experimento Aleatório Um experimento é qualquer processo

Leia mais

As técnicas mais difundidas para avaliar propostas de investimentos são:

As técnicas mais difundidas para avaliar propostas de investimentos são: 18 CAPÍTULO 1 INVESTIMENTO A LONGO PRAZO (continuação) 2. Técnicas de Orçamento de Capital 2.1 Técnicas de análise de Orçamento de Capital As técnicas de análise de orçamentos de capital são utilizadas

Leia mais

fx-82ms fx-83ms fx-85ms fx-270ms fx-300ms fx-350ms

fx-82ms fx-83ms fx-85ms fx-270ms fx-300ms fx-350ms O uso da Calculadora Científica (Casio fx) fx-82ms fx-83ms fx-85ms fx-270ms fx-300ms fx-350ms Prof. Ms. Renato Francisco Merli 2013 1 Sumário 1. Antes de Começar... 2 2. Cálculos Básicos... 8 3. Cálculos

Leia mais

CPV O Cursinho que Mais Aprova na GV

CPV O Cursinho que Mais Aprova na GV CPV O Cursinho que Mais Aprova na GV FGV ADM Objetiva Prova A 03/junho/01 matemática 01. Em um período de grande volatilidade no mercado, Rosana adquiriu um lote de ações e verificou, ao final do dia,

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados I 01/2013. Estruturas Condicionais e de Repetição (parte 2) Pedro O.S. Vaz de Melo

Algoritmos e Estruturas de Dados I 01/2013. Estruturas Condicionais e de Repetição (parte 2) Pedro O.S. Vaz de Melo Algoritmos e Estruturas de Dados I 01/2013 Estruturas Condicionais e de Repetição (parte 2) Pedro O.S. Vaz de Melo Problema 1 Suponha que soma (+) e subtração (-) são as únicas operações disponíveis em

Leia mais

A TEORIA DOS GRAFOS NA ANÁLISE DO FLUXOGRAMA DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UFF

A TEORIA DOS GRAFOS NA ANÁLISE DO FLUXOGRAMA DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UFF RELATÓRIOS DE PESQUISA EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, v.13, Série B. n.3, p. 20-33. A TEORIA DOS GRAFOS NA ANÁLISE DO FLUXOGRAMA DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UFF Pedro Henrique Drummond Pecly Universidade

Leia mais

Guia de utilização da notação BPMN

Guia de utilização da notação BPMN 1 Guia de utilização da notação BPMN Agosto 2011 2 Sumário de Informações do Documento Documento: Guia_de_utilização_da_notação_BPMN.odt Número de páginas: 31 Versão Data Mudanças Autor 1.0 15/09/11 Criação

Leia mais

Resolver os problemas do item 4.5 pelo simplex

Resolver os problemas do item 4.5 pelo simplex Universidade Federal de Itajubá Instituto de Engenharia de Produção e Gestão Pesquisa Operacional Exemplo 4.6.4 Uso de softwares Prof. Dr. José Arnaldo Barra Montevechi Resolver os problemas do item 4.5

Leia mais

Resolução de sistemas lineares

Resolução de sistemas lineares Resolução de sistemas lineares J M Martínez A Friedlander 1 Alguns exemplos Comecemos mostrando alguns exemplos de sistemas lineares: 3x + 2y = 5 x 2y = 1 (1) 045x 1 2x 2 + 6x 3 x 4 = 10 x 2 x 5 = 0 (2)

Leia mais

O USO DA FERRAMENTA SOLVER DO EXCEL NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PROGRAMAÇÃO LINEAR

O USO DA FERRAMENTA SOLVER DO EXCEL NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PROGRAMAÇÃO LINEAR O USO DA FERRAMENTA SOLVER DO EXCEL NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PROGRAMAÇÃO LINEAR João Batista de Jesus FATEC-JAHU Célio Favoni 2 FATEC-JAHU Resumo Este trabalho expõe de maneira sintetizada as funcionalidades

Leia mais

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Prof. Dr. Sergio Pilling (IPD/ Física e Astronomia) II Métodos numéricos para encontrar raízes (zeros) de funções reais. Objetivos:

Leia mais

INSTITUTO TECNOLÓGICO

INSTITUTO TECNOLÓGICO PAC - PROGRAMA DE APRIMORAMENTO DE CONTEÚDOS. ATIVIDADES DE NIVELAMENTO BÁSICO. DISCIPLINAS: MATEMÁTICA & ESTATÍSTICA. PROFº.: PROF. DR. AUSTER RUZANTE 1ª SEMANA DE ATIVIDADES DOS CURSOS DE TECNOLOGIA

Leia mais

1. Método Simplex. Faculdade de Engenharia Eng. Celso Daniel Engenharia de Produção. Pesquisa Operacional II Profa. Dra. Lílian Kátia de Oliveira

1. Método Simplex. Faculdade de Engenharia Eng. Celso Daniel Engenharia de Produção. Pesquisa Operacional II Profa. Dra. Lílian Kátia de Oliveira Faculdade de Engenharia Eng. Celso Daniel Engenharia de Produção. Método Simple.. Solução eata para os modelos de Programação Linear O modelo de Programação Linear (PL) reduz um sistema real a um conjunto

Leia mais

www.pontodosconcursos.com.br

www.pontodosconcursos.com.br Olá pessoal! Resolverei neste artigo as primeiras questões da prova do Banco do Brasil realizado em 010 pela FCC. Estamos lançando no Ponto um curso de exercícios específico para este concurso de 011 (edital

Leia mais

O comportamento conjunto de duas variáveis quantitativas pode ser observado por meio de um gráfico, denominado diagrama de dispersão.

O comportamento conjunto de duas variáveis quantitativas pode ser observado por meio de um gráfico, denominado diagrama de dispersão. ESTATÍSTICA INDUTIVA 1. CORRELAÇÃO LINEAR 1.1 Diagrama de dispersão O comportamento conjunto de duas variáveis quantitativas pode ser observado por meio de um gráfico, denominado diagrama de dispersão.

Leia mais

CONCEITOS PRINCÍPIOS CONSIDERAÇÕES. Economia da Engenharia

CONCEITOS PRINCÍPIOS CONSIDERAÇÕES. Economia da Engenharia INTRODUÇÃO CONCEITOS PRINCÍPIOS CONSIDERAÇÕES A Eng. Econômica objetiva a análise econômica de decisão sobre investimentos, considerando o custo do capital empregado. ETAPAS DA ANÁLISE: 1) Análise técnica

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL -PLANO DE ENSINO. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

PESQUISA OPERACIONAL -PLANO DE ENSINO. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. PESQUISA OPERACIONAL -PLANO DE ENSINO Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. Ementa Origem, conceitos, objetivos e aplicações da Pesquisa Operacional. O Processo de Modelagem; Modelos de Otimização; Modelos

Leia mais

Curso: Engenharia de Software com Ênfase em Padrões de Software (UECE Universidade Estadual do Ceará) RUP

Curso: Engenharia de Software com Ênfase em Padrões de Software (UECE Universidade Estadual do Ceará) RUP Conceitos RUP RUP, abreviação de Rational Unified Process (ou Processo Unificado da Rational), é um processo de Engenharia de software criado pela Rational Software Corporation(a qual foi incorporada pela

Leia mais

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Análise Quantitativa de Riscos. Análise Quantitativa de Riscos. Análise Quantitativa de Riscos

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Análise Quantitativa de Riscos. Análise Quantitativa de Riscos. Análise Quantitativa de Riscos SENAC Pós-Graduação em Segurança da Informação: Análise de Riscos Parte 5 Leandro Loss, Dr. Eng. loss@gsigma.ufsc.br http://www.gsigma.ufsc.br/~loss Roteiro Análise de Qualitativa Quantitativa Medidas

Leia mais

Programação em papel quadriculado

Programação em papel quadriculado 4 NOME DA AULA: Programação em papel quadriculado Tempo de aula: 45 60 minutos Tempo de preparação: 10 minutos Objetivo principal: ajudar os alunos a entender como a codificação funciona. RESUMO Ao "programar"

Leia mais

APLICAÇÕES DA CURVA s NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

APLICAÇÕES DA CURVA s NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS CONCEITOS GERAIS : A curva S representa graficamente o resultado da acumulação das distribuições percentuais, parciais, relativas à alocação de determinado fator de produção (mão de obra, equipamentos

Leia mais

UNIDADE 4 FUNÇÕES 2 MÓDULO 1 FUNÇÃO QUADRÁTICA 1 - FUNÇÃO QUADRÁTICA. 103 Matemática e Lógica Unidade 04. a > 0 a < 0 > 0

UNIDADE 4 FUNÇÕES 2 MÓDULO 1 FUNÇÃO QUADRÁTICA 1 - FUNÇÃO QUADRÁTICA. 103 Matemática e Lógica Unidade 04. a > 0 a < 0 > 0 1 - FUNÇÃO QUADRÁTICA UNIDADE 4 FUNÇÕES 2 MÓDULO 1 FUNÇÃO QUADRÁTICA 01 É toda função do tipo f(x)=ax 2 +bx+c, onde a, b e c são constantes reais com a 0. Ou, simplesmente, uma função polinomial de grau

Leia mais