TÍTULO: GASTOS COM MEDICAMENTOS PELOS IDOSOS RESIDENTES EM MUNICÍPIO COM ALTA COBERTURA DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TÍTULO: GASTOS COM MEDICAMENTOS PELOS IDOSOS RESIDENTES EM MUNICÍPIO COM ALTA COBERTURA DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA"

Transcrição

1 TÍTULO: GASTOS COM MEDICAMENTOS PELOS IDOSOS RESIDENTES EM MUNICÍPIO COM ALTA COBERTURA DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FARMÁCIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS AUTOR(ES): SYLVIA FORTES RESTREPO ORIENTADOR(ES): AYLENE EMÍLIA MORAES BOUSQUAT, MARLENE ROSIMAR DA SILVA VIEIRA

2 1. Resumo O objetivo do presente estudo foi analisar e estimar o gasto médio com medicamentos utilizados por indivíduos com 60 anos ou mais de idade, no município de Praia Grande, São Paulo, Brasil. Foi realizado um estudo de corte transversal, com base populacional realizado através de inquérito domiciliar. Foram calculados os gastos com medicamentos obtidos no setor público e privado juntos e analisado sua classe terapêutica química de acordo com a sua composição. Foram 289 idosos entrevistados, no qual 177 consumiram medicamentos nos últimos quinze dias. Foi observado um gasto médio de R$ 87,30 com medicamentos utilizados pelos participantes. Os grupos terapêuticos dos medicamentos mais utilizados foram os do sistema cardiovascular, trato alimentar e metabolismo e sistema nervoso. Palavras-chave: gasto com medicamentos, uso de medicamentos, estratégia saúde da família 2. Introdução No período de 2001 a 2011 o número de idosos brasileiros com 60 anos ou mais aumentou de 15,5 milhões de pessoas para 23,5 milhões, representando assim cerca de 12,03% da população brasileira (IBGE 2013). Em 2020 seremos o sexto país do mundo com maior número de idosos (VERAS, 2007). Uma população em processo de envelhecimento, representa aumento das condições crônicas de saúde, porque estas alterações afetam mais este segmento da população. Mais de 80% dos idosos fazem uso de no mínimo um medicamento e cerca de 34% deles consomem cinco ou mais medicamentos simultaneamente (TEIXEIRA; LEFEVRE, 2001; ANJOS et all, 2009). O gasto familiar com medicamentos cresceu imensamente na segunda metade do século XXI, comprometendo grande parcela da renda das famílias. Este comprometimento é mais impactante para os idosos, que como visto anteriormente, consome um rol elevado de medicamentos. A maioria dos idosos brasileiros possui rendimento mensal de até 1 salário mínimo, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD,2011). Sendo que o

3 gasto médio mensal com medicamentos é desigual entre idosos que recebem até um salário mínimo e os que recebem mais de dez salários mínimos. A população idosa com menores recursos financeiros gasta cerca de 4,1% de seu rendimento com remédios, enquanto os idosos com mais recursos financeiros gastam cerca de 1,9% de seu rendimento total, segundo a Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) (GARCIA et all, 2013). Este cenário cobra novas pesquisas que dialoguem com a realidade sociodemográfica brasileira no século XXI, sendo também de grande importância os programas que garantem o acesso a medicamentos gratuitos ou com descontos, como a Farmácia de Alto Custo do SUS e o Programa Farmácia Popular, respectivamente. (ANJOS et all 2009). A maior aquisição e distribuição de medicamentos destinados ao tratamento de doenças crônicas pelo setor público é de suma importância, pois assim reduzirá a necessidade de aquisição no comercio (LIMA, M.G; 2008). 3. Objetivos No presente trabalho teve como objetivo analisar o gasto médio mensal com medicamentos utilizados por indivíduos com 60 anos ou mais residentes no município de Praia Grande, São Paulo, Brasil. 4. Metodologia Caracterização do Estudo Este é um estudo de corte transversal, com base populacional, realizado através de inquérito domiciliar. Esta iniciação científica já concluída está inserida no Projeto Mix Público Privado na Utilização de Serviços de Atenção Primária, com financiamento do CNPq que foi realizado no Município de Praia Grande, no período de outubro de 2012 até maio de 2013, coordenado pela Professora Aylene Bousquat. A presente iniciação avaliou os gastos com medicamentos pelos idosos de Praia Grande, com idade igual ou superior a 60 anos, no qual foram estimados, analisados e calculados seus gastos com medicamentos.

4 Instrumento O instrumento utilizado na pesquisa foi dividido em perguntas específicas para as condições socioeconômicas, dados do domicílio, e relativas ao sexo feminino, masculino e crianças. E também pacientes hipertensos, diabéticos e uso de medicamentos e serviços de saúde. Modo de Aplicação dos questionários A aplicação dos questionários foi realizada por 20 entrevistadores que foram previamente treinados, sendo dois alunos de iniciação científica, uma mestranda em Saúde Coletiva e duas mestres em Saúde Coletiva que coordenam o campo da pesquisa, os demais entrevistadores foram os ACS de Praia Grande. As entrevistas foram feitas em duplas, face a face com os moradores, utilizando o netbook. Em média as entrevistas duram de 40 minutos a 1 hora, porque todos os moradores necessitam responder seu questionário individualmente, então varia de acordo com o número de moradores do domicílio. Aspectos éticos A proposta desta pesquisa foi registrada no Comitê de Ética da Universidade Católica de Santos. A qual foi submetida à apreciação do Comitê e obteve parecer favorável à sua realização, parecer nº Os entrevistados assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, atendendo à Resolução 196/96 do Ministério da Saúde para pesquisa com seres humanos. 5. Desenvolvimento Plano de análise Foi realizada uma análise através do banco de dados do inquérito domiciliar de todos os medicamentos citados como utilizados pelos indivíduos com 60 anos ou mais do município de Praia Grande, no qual foi pesquisado o preço máximo pago ao comercio pela aquisição de tais medicamentos, segundo a lista de preços de medicamentos da Câmara de Regulação do

5 Mercado de Medicamentos (CMED), Anvisa, do mês de outubro de Com base nas informações sobre princípio ativo, apresentação farmacêutica, laboratórios e nos valores com o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) de 18%, relativo ao estado de São Paulo, considerando os medicamentos genéricos por ter preço menor que medicamentos de referência e intercambialidade confiável. Foi realizada uma média de valor para o medicamento cujo entrevistado não recordava o valor pago pela aquisição. Este valor médio foi obtido a partir de todos os preços de medicamentos dos laboratórios disponíveis na lista da CMED. Foi padronizando os mesmos com a forma farmacêutica de comprimidos ou drágeas e capsulas, com a menor dosagem possível nos casos de medicamentos sem relato de posologia e forma farmacêutica. A determinação do preço considerou a unidade posológica de cada medicamento e a posologia padrão do mesmo em sua indicação principal. Estes dados foram analisados através do bulario disponibilizado no site da Anvisa. As categorias terapêuticas consideradas na classificação dos medicamentos foram os presentes no ATC. O gasto foi expresso na unidade de moeda corrente no Brasil, o Real (R$). Os medicamentos manipulados, insulinas, fitoterápicos, homeopáticos, anestésicos locais, injetáveis odontológicos e de notificação simplificada não foram incluídos pela ausência de instrumento de padronização de preços. Os gastos foram descritos por meio de medidas de tendência central (média, mediana) e de dispersão (desvio padrão). A análise estatística foi realizada empregando-se o programa SPSS 11.5 (SPSS Inc., Chicago, Estados Unidos). 6. Resultados O estudo incluiu 1086 indivíduos, sendo que 9,3% foram perdas e recusas, resultando em 985 pessoas entrevistadas. Houve predomínio do sexo feminino (62,9%) e idade entre 19 e 104 anos, com média de 48,4 anos. Destes 985 entrevistados, 289 são idosos, no qual apenas 177 responderam sim à pergunta você usou medicamentos nos últimos quinze dias?,

6 totalizando 61,2% dos idosos entrevistados. Foram analisados neste trabalho apenas os dados de quem usou medicamentos nos últimos 15 dias. A tabela 1 descreve a amostra de idosos que utilizaram medicamentos e o obtiveram tanto no sistema público como no sistema privado. Tabela 1 Perfil dos idosos que consumiram medicamentos nos últimos 15 dias anteriores à entrevista domiciliar. Variável Idosos n % Total ,0 Sexo Masculino 63 35,6 Feminino ,4 Idade (anos) ou mais Nível econômico E 5 2,8 D 16 9 A,B,C ,2 Escolaridade Analfabeto/até 3.a série Fundamental 61 34,4 Até 4.a série Fundamental 49 27,7 Fundamental Completo 32 18,1 Médio Completo/Sup. Incompleto 26 14,7 Superior Completo 7 4 NSA 2 1,1 Trabalho Ativo 37 20,9 Inativo ,1 Possui programa especial

7 Sim 4 2,3 Não ,7 Doença crônica Hipertensão Diabetes Mellitus 57 32,2 Cobertura ESF Sim ,7 Não 43 24,3 Convênio Sim 51 28,8 Não ,2 Utilizou serviço de saúde nos últimos 12 meses Sim ,3 Não 42 23,7 Serviço de saúde de referencia Sistema público ,7 Sistema privado 40 22,6 Sem referencia 3 1,7 Indicação dos medicamentos Médico ou dentista do SUS ,9 Médico ou dentista do convênio 55 31,1 Recebeu orientação quanto aos medicamentos Sim ,3 Não 3 1,7 Entre os idosos, a média de idade foi de 69,3 anos, sendo a mediana de 67,6 anos e um desvio padrão de 7, As idades variaram de 60 a 102 anos. Entre os idosos, 64,4% eram do sexo feminino e 35,6% do sexo masculino. Possuem convenio cerca de 51 idosos (28,7%), enquanto 126 idosos (71,3%) não possuem convenio. Foi observada uma elevada porcentagem de hipertensos na população idosa de Praia Grande, que possui 116 idosos com hipertensão arterial sistêmica (65,2%), enquanto apenas 62 idosos não possuem a doença (34,8%). Quando a diabetes mellitus, apenas 57 idosos declararam possuir a doença (32,2%). Quanto ao nível econômico, a maioria dos idosos pertencia ao estrato C1 com um percentual de 37,3%, seguidos de C2 com 54 idosos totalizando 30,5%, a faixa de renda B2 com 18,1% dos idosos, faixa D com 9% de idosos, faixa E

8 com apenas 2,8% de idosos, faixa B1 com 1,7% dos idosos e por final a faixa A2 com apenas 0,6% no qual compõe apenas um idoso. A maioria dos idosos possui uma baixa escolaridade, com 34,4% dos idosos sendo analfabetos ou cursado até a 3ª série do ensino fundamental e 27,7% cursado até a 4ª série do ensino fundamental. Dos 177 idosos que consumiram medicamentos, a maior parte dos mesmos não recebem nenhum programa especial (97,7%) e apenas 4 idosos (2,3%) possuem algum programa especial, sendo eles 1 idoso que possui o benefício de prestação e 3 possuem programa do governo federal Bolsa Família. Estão inativos no mercado de trabalho 140 idosos (79,1%) e apenas 37 (20,9%) estão ativos no mercado. Quanto à renda familiar, a grande maioria dos idosos possui uma renda de 1 a 3 salários mínimos (64,4%), visto que o salário mínimo no ano de 2012 era de R$ 622,00. Possuem uma renda familiar menor que um salário mínimo 11,3% dos idosos e apenas 4 idosos possuem renda familiar de 6 a 10 salários mínimos. Utilizaram o serviço de saúde nos últimos 12 meses 135 idosos (76,3%) e uma pequena composição de 42 idosos relata não ter utilizado o serviço de saúde (23,7%). O sistema público de saúde é referência para 134 dos 177 idosos que utilizaram medicamentos (75,7%). O sistema privado de saúde é referência para 40 idosos (22,6%) e apenas 3 idosos relatam não possuir nenhuma referência de saúde (1,7%). Conforme demonstra a Tabela 2, receberam indicação para uso do medicamento pelo médico ou dentista do convenio/privado cerca de 55 idosos (31,1%), e destes apenas 40 idosos possuem convenio e 15 idosos não os possuem. E receberam indicação para uso do medicamento pelo médico ou dentista do SUS 122 idosos (68,9%), no qual 11 idosos possuem convenio e 111 não os possuem. A maioria dos idosos, 178 (98,3%), receberam orientação para o uso de medicamentos, sendo que apenas 3 idosos não recebeu nenhuma orientação quanto ao uso correto dos medicamentos. Tabela 2 Analise da indicação de medicamentos por parte do sistema publico e privado de saúde e o uso de convenio pelos idosos que consumiram medicamentos nos últimos 15 dias anterior à entrevista domiciliar Variável Medico ou dentista do convênio/privado Medico ou dentista do SUS

9 n % n % Convenio Sim 40 78, ,6 Não 15 11, ,1 A média de gasto com medicamentos totais, ou seja, tanto do sistema público quanto do sistema privado juntos foi de 87,2994 com um desvio padrão de 110, São cobertos pelo ESF 134 idosos (75,7%), sendo que apenas 43 idosos (24,3%) não possuem cobertura pelo mesmo. Os 134 idosos que são cobertos pelo ESF possuem um gasto médio maior com medicamentos que os 43 idosos que não possuem cobertura, com uma média de gasto respectivamente de 99,0570 e 50,6595. Tabela 3 Analise do gasto médio dos idosos que consumiram medicamentos nos últimos 15 dias anterior a entrevista domiciliar quanto à cobertura da Estratégia Saúde da Família Variável n Média de gasto Cobertura de ESF Sim ,0570 Não 43 50,6595 Total ,2994 Os idosos consumiram 474 medicamentos, que variou de 1 a 10 medicamentos utilizados por pessoa. Segundo a ATC (Anatomical Therapeutic Chemical) que, desde 1996, passou a ser reconhecido pela Organização Mundial de Saúde como padrão internacional para os estudos de utilização de drogas, as classes terapêuticas mais utilizadas pelos idosos que adquiriram medicamentos no sistema público de saúde foram respectivamente: sistema cardiovascular com 196 medicamentos, trato alimentar e metabolismo com 80 medicamentos utilizados e sistema nervoso com 49 medicamentos utilizados. A classe terapêutica mais utilizada pelos idosos que adquiriram medicamentos no setor privado também foram respectivamente: 46 medicamentos do sistema cardiovascular, 24 medicamentos do trato alimentar e metabolismo e 15 medicamentos do sistema nervoso.

10 O gasto médio mensal com medicamentos utilizados pelos idosos do município de Praia Grande se apresentou elevado, considerando que 75,7% dos idosos possuem uma renda familiar menor que 3 salários mínimos e que o salário mínimo no ano de 2012, no qual foi realizado o inquérito domiciliar, era de R$ 622,00. Podemos considerar que alguns idosos podem ter deixado de adquirir algum medicamento necessário ao seu tratamento devido a dificuldades financeiras, situação está que pode ter diminuído o real valor dos gastos com medicamentos. Assim como o gasto pode também ter sido elevado, pois o valor máximo praticado pela câmara de regulação de preços dos medicamentos não é absoluto, sendo que há muitas drogarias que praticam vendas com descontos em seus preços de forma a chamar a atenção do cliente, sendo assim o idoso pode ter pagado um valor menor que o valor máximo pago pelo consumidor determinado pela CMED. A alta porcentagem de idosos de Praia Grande portadores de hipertensão arterial sistêmica está de acordo com outros estudos desta faixa etária, por ser uma doença crônica que tanto afeta aos idosos. Assim como as classes terapêuticas de medicamentos mais utilizados tanto pelo sistema público quanto pelo sistema privado também estão de acordo com a literatura. Segundo a Tabela 3, o gasto médio com medicamentos é maior no setor público que no setor privado, porem isto indica que o idoso tem mais acesso a medicamentos se o mesmo estiver coberto pela Estratégia Saúde da Família do que sem ter sua cobertura. É necessário, portanto, ampliar esta cobertura para que toda população de idosos de Praia Grande possa ter um maior acesso aos medicamentos e diminua seu gasto efetivo com o setor privado, ou mesmo deixe de dar continuidade ao seu tratamento de uso continuo devido à falta de recursos financeiros para adquiri-lo. 7. Considerações finais Este estudo nos apresenta o quanto é importante às ações da Estratégia Saúde da Família voltadas para o acesso a saúde e medicamentos da população, assim como a promoção do uso racional, de modo que diminua o impacto que o gasto causa na renda do idosos. Portanto, os resultados apresentados neste

11 estudo podem ser úteis para auxiliar no planejamento de ações de saúde voltadas a melhorar o acesso a medicamentos e a elaboração de novas políticas de saúde e acesso a medicamentos voltados aos idosos. 8. Fontes consultadas IBGE INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA. SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS. UMA ANALISE DAS CONDIÇOES DE VIDA DA POPULAÇÃO BRASILEIRA. Disponível em: <ftp://ftp.ibge.gov.br/indicadores_sociais/sintese_de_indicadores_sociais_20 12/SIS_2012.pdf> Acesso em 27 de Agosto de 2015 IBGE- INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA. INFOGRAFICO E DADOS BASICOS. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/cidadesat/painel/painel.php?codmun=354100> Acesso em 27 de Agosto de 2015 ANJOS, G.L; IRIE, R.M; SILVA, J.A.B; YOSHINAGA, A.M. SBGG (Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia) - Proporção dos gastos com medicamentos em relação à aposentadoria de idosos residentes em área urbana de Jundiaí, São Paulo. Disponível em: <http://www.sbgg.org.br/profissionais/arquivo/revista/volume3- numero3/artigo03.pdf> Acesso em 27 de Agosto de 2015 VERGAS,R. Fórum. Envelhecimento populacional e as informações de saúde do PNAD: demandas e desafios contemporâneos. Introdução. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=s x &script=sci_arttext> Acesso em 27 de Agosto de 2015 TEIXEIRA,J.J.V.; LEFÈVRE,F. - A prescrição medicamentosa sob a ótica do paciente idoso. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s > Acesso em 27 de Agosto de 2015

12 GARCIA, L.P.; MAGALHÃES, L.C.G.; SANT ANNA, A.C.; FREITAS, L.R.S.; AUREA, A.P. Dimensões do acesso a medicamentos no Brasil: Perfil e desigualdades dos gastos das famílias, segundo as pesquisas de orçamentos familiares e Rio de Janeiro,2013. Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/pdfs/tds/td_1839.pdf> Acesso em 27 de Agosto de 2015 OMRAM, A. R. The epidemiologic transition: a theory of the epidemiology of population change. Bulletin of the World Health Organization. 79(2), p Organização Pan-Americana da Saúde. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação da estratégia saúde da família. Eugênio Vilaça Mendes. Brasília. OPAS/OMS LAING, R.; WANING, B.; GRAY, A.; FORD, N.; HOEN, E. 25 Years of the WHO essential medicines lists: progress and challenges. Lancet, v.361, n.9370, p , MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria n. 1105, de 5 de julho de Estabelece normas, responsabilidades e recursos a serem aplicados no financiamento da Assistência Farmacêutica na Atenção Básica e define o Elenco Mínimo Obrigatório de Medicamentos nesse nível de atenção à saúde. Diário Oficial da União, Brasília, DF,

A AIDS NA TERCEIRA IDADE: O CONHECIMENTO DOS IDOSOS DE UMA CASA DE APOIO NO INTERIOR DE MATO GROSSO

A AIDS NA TERCEIRA IDADE: O CONHECIMENTO DOS IDOSOS DE UMA CASA DE APOIO NO INTERIOR DE MATO GROSSO A AIDS NA TERCEIRA IDADE: O CONHECIMENTO DOS IDOSOS DE UMA CASA DE APOIO NO INTERIOR DE MATO GROSSO SATO, Camila Massae 1 Palavras-chave: Idoso, AIDS, conhecimento Introdução A população idosa brasileira

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese 2014 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese Dieese Subseção Força Sindical 19/09/2014 PESQUISA NACIONAL POR AMOSTRA DE DOMICILIOS - PNAD 2013 Síntese dos Indicadores POPULAÇÃO A Pesquisa

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS Michele Muller 1 Gabriele Bester Hermes 2 Liziane Maahs Flores 3 1 Apresentadora, Acadêmica do Curso

Leia mais

IMPACTO DO PROGRAMA HIPERDIA NO ACESSO A MEDICAMENTOS DE USO CONTÍNUO EM IDOSOS DO SUL E NORDESTE DO BRASIL

IMPACTO DO PROGRAMA HIPERDIA NO ACESSO A MEDICAMENTOS DE USO CONTÍNUO EM IDOSOS DO SUL E NORDESTE DO BRASIL IMPACTO DO PROGRAMA HIPERDIA NO ACESSO A MEDICAMENTOS DE USO CONTÍNUO EM IDOSOS DO SUL E NORDESTE DO BRASIL Vera Maria Vieira Paniz Anaclaudia Gastal Fassa, Luiz Augusto Facchini; Andréa Dâmaso Bertoldi;

Leia mais

GASTOS COM MEDICAMENTOS E FORNECIMENTO GRATUITO PELO SUS EM POPULAÇÃO COBERTA PELO PSF. Andréa Dâmaso Bertoldi Aline Lins Camargo Aluísio J D Barros

GASTOS COM MEDICAMENTOS E FORNECIMENTO GRATUITO PELO SUS EM POPULAÇÃO COBERTA PELO PSF. Andréa Dâmaso Bertoldi Aline Lins Camargo Aluísio J D Barros GASTOS COM MEDICAMENTOS E FORNECIMENTO GRATUITO PELO SUS EM POPULAÇÃO COBERTA PELO PSF Andréa Dâmaso Bertoldi Aline Lins Camargo Aluísio J D Barros Introdução o Gastos com saúde oneram orçamentos familiares

Leia mais

RELATÓRIO DO TRABALHO DE CAMPO

RELATÓRIO DO TRABALHO DE CAMPO Universidade Federal de Pelotas Departamento de Medicina Social Programa de Pós-graduação em Epidemiologia RELATÓRIO DO TRABALHO DE CAMPO Doutoranda: Elaine Thumé Orientador: Luiz Augusto Facchini Pelotas

Leia mais

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros 1 of 5 11/26/2010 2:57 PM Comunicação Social 26 de novembro de 2010 PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009 Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros O número de domicílios

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

ENVELHECIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO: O DESAFIO DA CAPACIDADE FUNCIONAL

ENVELHECIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO: O DESAFIO DA CAPACIDADE FUNCIONAL ENVELHECIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO: O DESAFIO DA CAPACIDADE FUNCIONAL Jorcely Victório Franco 1 José Rodrigo de Moraes 2 Palavras-chave: Envelhecimento; Funcionalidade; Modelo RESUMO O envelhecimento

Leia mais

PROCESSO DE TRABALHO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ENQUANTO MORADOR E TRABALHADOR DE SAÚDE INSERIDO NO MESMO TERRITÓRIO

PROCESSO DE TRABALHO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ENQUANTO MORADOR E TRABALHADOR DE SAÚDE INSERIDO NO MESMO TERRITÓRIO 1322 PROCESSO DE TRABALHO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ENQUANTO MORADOR E TRABALHADOR DE SAÚDE INSERIDO NO MESMO TERRITÓRIO Janyelle Silva Mendes¹;Juliana Alves Leite Leal² 1. Graduanda do Curso de Enfermagem,

Leia mais

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade 1) Nos últimos dez anos a renda media dos brasileiros que caiu a taxa de 0.6% ao ano, enquanto o dos pobres cresceu 0.7%, já descontados o crescimento

Leia mais

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal Diretoria de Pesquisas Departamento Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal Data 06/04/16 Histórico INVESTIGAÇÃO DO TEMA TIC 2001... 2005 2008 2009 2011 2012

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE CONSUMIDORES DE DROGAS LICITAS E ILICITAS EM UM CAPS II

CORRELAÇÃO ENTRE CONSUMIDORES DE DROGAS LICITAS E ILICITAS EM UM CAPS II 929 CORRELAÇÃO ENTRE CONSUMIDORES DE DROGAS LICITAS E ILICITAS EM UM CAPS II Ana Paula Fernandes de Lima Demarcina Weinheimer Jussara Terres Larissa Medeiros Tarlise Jardim Vanessa Campos Camila Jacques

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DOS MACROPROCESSOS BÁSICOS DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE

ORGANIZAÇÃO DOS MACROPROCESSOS BÁSICOS DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE Fortaleza Maio, 2013 SAÚDE 1 ORGANIZAÇÃO DOS MACROPROCESSOS BÁSICOS DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE OFICINA 3 CADASTRO FAMILIAR E DIAGNÓSTICO LOCAL MANAUS - Julho, 2013 1 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE Secretário

Leia mais

Índice. 1. Os preços dos planos de saúde são controlados? 2. Como funcionam as regras de reajuste. 3. Quais as regras de reajuste dos planos

Índice. 1. Os preços dos planos de saúde são controlados? 2. Como funcionam as regras de reajuste. 3. Quais as regras de reajuste dos planos Índice FenaSaúde na Redação Reajuste dos Planos de Saúde Apresentação 6 1. Os preços dos planos de saúde são controlados? 8 2. Como funcionam as regras de reajuste dos planos de saúde? 3. Quais as regras

Leia mais

Seguro-Saúde. Guia para Consulta Rápida

Seguro-Saúde. Guia para Consulta Rápida Seguro-Saúde. Guia para Consulta Rápida O que é seguro? 6 O que é Seguro-Saúde? 6 Como são os contratos de Seguro-Saúde? 7 Como ficaram as apólices antigas depois da Lei nº 9656/98? 8 Qual a diferença

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

Mudanças demográficas e saúde no Brasil Dados disponíveis em 2008

Mudanças demográficas e saúde no Brasil Dados disponíveis em 2008 Mudanças demográficas e saúde no Brasil Dados disponíveis em 2008 José Cechin Superintendente Executivo Carina Martins Francine Leite Nos últimos meses, vários relatórios publicados por diferentes instituições

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE ALTERAÇÕES DE EQUILÍBRIO E A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS

A RELAÇÃO ENTRE ALTERAÇÕES DE EQUILÍBRIO E A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS A RELAÇÃO ENTRE ALTERAÇÕES DE EQUILÍBRIO E A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS Autor José André Ramos Gouveia; Orientadora: Isabella Dantas da Silva; Co-autores: Lorena Maria Brito Neves Pereira; Gabriela Brasileiro

Leia mais

SINTOMAS DEPRESSIVOS, VARIÁVEIS SOCIODEMOGRÁFICAS E MORBIDADES AUTORREFERIDAS EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS

SINTOMAS DEPRESSIVOS, VARIÁVEIS SOCIODEMOGRÁFICAS E MORBIDADES AUTORREFERIDAS EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS SINTOMAS DEPRESSIVOS, VARIÁVEIS SOCIODEMOGRÁFICAS E MORBIDADES AUTORREFERIDAS EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS Karoline de Lima Alves UFPB/ e-mail: krol_lima_17@hotmail.com 1 Marcella Costa Souto Duarte UFPB/

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Assunto: O perfil da Extrema Pobreza no Brasil com base nos dados preliminares do universo do Censo 2010. 1. INTRODUÇÃO O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Leia mais

Memorias Convención Internacional de Salud Pública. Cuba Salud 2012. La Habana 3-7 de diciembre de 2012 ISBN 978-959-212-811-8

Memorias Convención Internacional de Salud Pública. Cuba Salud 2012. La Habana 3-7 de diciembre de 2012 ISBN 978-959-212-811-8 A Promoção da Saúde no Brasil e o Programa Academia da Saúde: um relato de experiência (Apresentação oral: Power point datashow) Monique Alves Padilha Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca ENSP/Fiocruz

Leia mais

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS A POPULAÇÃO IDOSA NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE SETEMBRO - 2008 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Areado, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 282,6 km² IDHM 2010 0,727 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 13731 hab. Densidade demográfica

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO USUÁRIO DO CRAS CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA DE PASSOS: Perfil dos usuários do CRAS Novo Horizonte Passos/MG

CARACTERIZAÇÃO DO USUÁRIO DO CRAS CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA DE PASSOS: Perfil dos usuários do CRAS Novo Horizonte Passos/MG 1 CARACTERIZAÇÃO DO USUÁRIO DO CRAS CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA DE PASSOS: Perfil dos usuários do CRAS Novo Horizonte Passos/MG Adriana de Souza Lima Queiroz 1 Cynthia Silva Machado 2 RESUMO Esta

Leia mais

Sumário Executivo. Amanda Reis. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Sumário Executivo. Amanda Reis. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Comparativo entre o rendimento médio dos beneficiários de planos de saúde individuais e da população não coberta por planos de saúde regional e por faixa etária Amanda Reis Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

O EMPREGO DOMÉSTICO. Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Região Metropolitana de São Paulo. Abril 2007

O EMPREGO DOMÉSTICO. Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Região Metropolitana de São Paulo. Abril 2007 O EMPREGO DOMÉSTICO Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Abril 2007 Perfil de um emprego que responde por 17,7% do total da ocupação feminina e tem 95,9% de seus postos de trabalho

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Botelhos, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 335,24 km² IDHM 2010 0,702 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 14920 hab. Densidade

Leia mais

Avaliação Econômica. Relação entre Desempenho Escolar e os Salários no Brasil

Avaliação Econômica. Relação entre Desempenho Escolar e os Salários no Brasil Avaliação Econômica Relação entre Desempenho Escolar e os Salários no Brasil Objetivo da avaliação: identificar o impacto do desempenho dos brasileiros na Educação Básica em sua renda futura. Dimensões

Leia mais

INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO

INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO Rosângela Alves Almeida Bastos - Universidade Federal da Paraíba- email: rosalvesalmeida2008@hotmail.com Maria das Graças Melo Fernandes

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL Ruanna Gonçalves Holanda 1, Hellen Pollyanna

Leia mais

Inquéritos em saúde e nutrição disponíveis no Brasil

Inquéritos em saúde e nutrição disponíveis no Brasil Inquéritos em saúde e nutrição disponíveis no Brasil Amanda de Moura Souza Instituto de Estudos em Saúde Coletiva Universidade Federal do Rio de Janeiro Sumário Inquéritos Tipos de Inquéritos Domiciliar

Leia mais

A DEMANDA POR SAÚDE PÚBLICA EM GOIÁS

A DEMANDA POR SAÚDE PÚBLICA EM GOIÁS Título: A DEMANDA POR SAÚDE PÚBLICA EM GOIÁS Projeto de pesquisa: ANÁLISE REGIONAL DA OFERTA E DA DEMANDA POR SERVIÇOS DE SAÚDE NOS MUNICÍPIOS GOIANOS: GESTÃO E EFICIÊNCIA 35434 Autores: Sandro Eduardo

Leia mais

A PolíticA que faz muitos brasileiros voltarem A sorrir.

A PolíticA que faz muitos brasileiros voltarem A sorrir. A PolíticA que faz muitos brasileiros voltarem A sorrir. POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE BUCAL PROGRAMA BRASIL SORRIDENTE Durante anos a Odontologia esteve à margem das políticas públicas de saúde. O acesso

Leia mais

Acesso a Transferências de Renda de Programas Sociais

Acesso a Transferências de Renda de Programas Sociais Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação detrabalho e Rendimento Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Inclusão, Diversidades e EJA

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Inclusão, Diversidades e EJA Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Inclusão, Diversidades e EJA Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Santos, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 281,35 km² IDHM 2010 0,840 Faixa do IDHM Muito Alto (IDHM entre 0,8 e 1) (Censo 2010) 419400 hab. Densidade

Leia mais

LABORATÓRIO DE CONTABILIDADE

LABORATÓRIO DE CONTABILIDADE LABORATÓRIO DE CONTABILIDADE Prof. Cássio Marques da Silva 2015 IRPF 2015 Declaração de Ajuste Anual sobre o Imposto sobre a Renda Pessoa Física 1 IRPF - CARACTERÍSTICAS É um tributo federal; Incidente

Leia mais

Universalizar a educação primária

Universalizar a educação primária Universalizar a educação primária META 2 terminem um ciclo completo de ensino. Garantir que, até 2015, todas as crianças, de ambos os sexos, Escolaridade no Estado de São Paulo O aumento sistemático das

Leia mais

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL META Refletir sobre as características da população brasileira como fundamento para a compreensão da organização do território e das políticas de planejamento e desenvolvimento

Leia mais

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos não Transmissíveis Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Secretaria Municipal da Saúde da Prefeitura Municipal de Porto Alegre PORTO ALEGRE

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA: O ENVELHECIMENTO E A QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS

AUDIÊNCIA PÚBLICA: O ENVELHECIMENTO E A QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS AUDIÊNCIA PÚBLICA: O ENVELHECIMENTO E A QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS BRASÍLIA, Julho de 2014 1 Proteção Social entre os Idosos (pessoas com 60 anos ou mais de idade) - Brasil 2 Cobertura Social entre os

Leia mais

GT Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço. Trabalho, Inovação e Sustentabilidade. Modalidade da apresentação: Comunicação oral

GT Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço. Trabalho, Inovação e Sustentabilidade. Modalidade da apresentação: Comunicação oral GT Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço. Trabalho, Inovação e Sustentabilidade. Modalidade da apresentação: Comunicação oral Emprego Doméstico: Evolução ou Precarização? (2004-2014) Resumo: O presente

Leia mais

3 O Panorama Social Brasileiro

3 O Panorama Social Brasileiro 3 O Panorama Social Brasileiro 3.1 A Estrutura Social Brasileira O Brasil é um país caracterizado por uma distribuição desigual de renda. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Percepção do estado de saúde Autoavaliação da saúde A avaliação do estado de saúde consiste na percepção que os indivíduos possuem de sua própria saúde. Por conseguinte, é um indicador

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Alto Boa Vista, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2248,35 km² IDHM 2010 0,651 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5247 hab. Densidade

Leia mais

A participação do Idoso na econômia das famílias da Região do Grande ABC

A participação do Idoso na econômia das famílias da Região do Grande ABC A participação do Idoso na econômia das famílias da Região do Grande ABC Não podemos acrescentar dias em nossas vidas, mas podemos acrescentar vida em nossos dias Cora Coralina 1 - Introdução Este trabalho

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE EXERCÍCIO DE IDOSOS COM LOMBALGIA E SUA INTERFERÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE EXERCÍCIO DE IDOSOS COM LOMBALGIA E SUA INTERFERÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA 1 AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE EXERCÍCIO DE IDOSOS COM LOMBALGIA E SUA INTERFERÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA FEITOSA P. O. ; FELIPE D. M. Resumo: Entre os declínios fisiológicos relacionados ao envelhecimento

Leia mais

CBL/BRACELPA/SNEL/ABRELIVROS Retrato da Leitura no Brasil. XIV Mercado Comprador

CBL/BRACELPA/SNEL/ABRELIVROS Retrato da Leitura no Brasil. XIV Mercado Comprador XIV Mercado Comprador 159 1 Quem é 159 Compradores COMPRAS DE DE LIVRO NO NO BRASIL 100% da população alfabetizada com mais de 1 anos 0% 159 Mercado Comprador PENETRAÇÃO DE DE COMPRAS DE DE LIVROS Representa

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Sorriso, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 9382,37 km² IDHM 2010 0,744 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 66521 hab. Densidade

Leia mais

Cerca de 13% das famílias endividadas têm encargos com a dívida superiores a 40% do seu rendimento

Cerca de 13% das famílias endividadas têm encargos com a dívida superiores a 40% do seu rendimento Inquérito à Situação Financeira das Famílias 2010 25 de maio de 2012 Cerca de 13% das famílias endividadas têm encargos com a dívida superiores a 40% do seu rendimento O Inquérito à Situação Financeira

Leia mais

ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO MÉDICA: UM ESTUDO NA CIDADE DE JOÃO PESSOA/PB.

ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO MÉDICA: UM ESTUDO NA CIDADE DE JOÃO PESSOA/PB. ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO MÉDICA: UM ESTUDO Introdução NA CIDADE DE JOÃO PESSOA/PB. MsC. Elídio Vanzella Professor da Estácio e Ensine Faculdades Email: evanzella@yahoo.com.br O crescimento da população

Leia mais

CENSO ESCOLAR EDUCACENSO O ITEM COR/RAÇA NO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA

CENSO ESCOLAR EDUCACENSO O ITEM COR/RAÇA NO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO GERAL DO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA CENSO ESCOLAR

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA DO USO DE MEDICAMENTOS NO BAIRRO SANTA FELICIDADE, CASCAVEL PR.

EPIDEMIOLOGIA DO USO DE MEDICAMENTOS NO BAIRRO SANTA FELICIDADE, CASCAVEL PR. EPIDEMIOLOGIA DO USO DE MEDICAMENTOS NO BAIRRO SANTA FELICIDADE, CASCAVEL PR. Janaína Pelosi Bezerra (PIBIC/UNIOESTE/PRPPG), Vanessa Cristine Beck, Éverson Andrade, Ligiane de Lourdes Silva, Poliana Vieira

Leia mais

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Capítulo 3 Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Maria Inês Monteiro Mestre em Educação UNICAMP; Doutora em Enfermagem USP Professora Associada Depto. de Enfermagem

Leia mais

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007 Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO PARA O ACESSO À PÓS-GRADUAÇÃO FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO

CURSO DE FORMAÇÃO PARA O ACESSO À PÓS-GRADUAÇÃO FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UFBA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO - PROEXT FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - FFCH PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS - PPGS PROGRAMA A COR DA BAHIA CURSO

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Rio de Janeiro, 21/09/2012 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho

Leia mais

FICHA BIBLIOGRÁFICA. Título: Perfil da Mulher Metalúrgica do ABC. Autoria: Subseção DIEESE/Metalúrgicos do ABC

FICHA BIBLIOGRÁFICA. Título: Perfil da Mulher Metalúrgica do ABC. Autoria: Subseção DIEESE/Metalúrgicos do ABC FICHA BIBLIOGRÁFICA Título: Perfil da Mulher Metalúrgica do ABC Autoria: Subseção DIEESE/Metalúrgicos do ABC Equipe técnica responsável: Fausto Augusto Junior; Zeíra Mara Camargo de Santana; Warley Batista

Leia mais

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Ministério das Comunicações Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD Suplementar 2013 Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular

Leia mais

Projeto de Extensão. Um Olhar Para a Realidade e o Resgate da Dignidade.

Projeto de Extensão. Um Olhar Para a Realidade e o Resgate da Dignidade. Projeto de Extensão Um Olhar Para a Realidade e o Resgate da Dignidade.. Prof (a) Orientador(a): Ysmênia Aguiar Pontes Bolsistas: José Carlos Ferreira Gomes; Marcos Ant de Carvalho Fonte: www.ebc.com.br

Leia mais

ACESSO E USO DE BASES PÚBLICAS DE DADOS SECUNDÁRIOS EM NUTRIÇÃO E SAÚDE: PESQUISA NACIONAL DE SAÚDE, 2013

ACESSO E USO DE BASES PÚBLICAS DE DADOS SECUNDÁRIOS EM NUTRIÇÃO E SAÚDE: PESQUISA NACIONAL DE SAÚDE, 2013 ACESSO E USO DE BASES PÚBLICAS DE DADOS SECUNDÁRIOS EM NUTRIÇÃO E SAÚDE: PESQUISA NACIONAL DE SAÚDE, 2013 CRISTIANO SIQUEIRA BOCCOLINI - ICICT/Fiocruz cristiano.boccolini@icict.fiocruz.br Concepção Metodologia

Leia mais

São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO E OS TRABALHADORES Pulverizado, com uma grande concentração de empresas de pequeno porte - mais de 60% dos trabalhadores estão

Leia mais

FUTUROS POSSÍVEIS DA SAÚDE SUPLEMENTAR NO BRASIL

FUTUROS POSSÍVEIS DA SAÚDE SUPLEMENTAR NO BRASIL FUTUROS POSSÍVEIS DA SAÚDE SUPLEMENTAR NO BRASIL André Medici 16º. Congreso Latino-Americano de Serviços de Saúde São Paulo, 26 de Maio de 2011 PRINCIPAIS PONTOS A SEREM ABORDADOS A Saúde Suplementar Hoje

Leia mais

VI Jornada Nacional de Economia da Saúde

VI Jornada Nacional de Economia da Saúde VI Jornada Nacional de Economia da Saúde Gastos com saúde das famílias brasileiras: composição e desigualdades nas Unidades da Federação, Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 Eixo: Financiamento

Leia mais

Eugênio Vilaça: Solução para o setor saúde está na rede

Eugênio Vilaça: Solução para o setor saúde está na rede Eugênio Vilaça: Solução para o setor saúde está na rede Entrevista do Dr. Eugênio Vilaça Mendes, dentista de formação, com especialização em planejamento de saúde e ex-consultor da Organização Pan-Americana

Leia mais

Nº 07 / 13 TEMA: As Crianças em Goiás

Nº 07 / 13 TEMA: As Crianças em Goiás TEMA: As Crianças em Goiás O dia das crianças foi instituído em 1924 pelo então presidente Arthur Bernardes, mas a data passou várias anos desprezada e apenas ganhou notoriedade na década de 1960. Infelizmente

Leia mais

O uso do Crédito por consumidores que não possuem conta corrente

O uso do Crédito por consumidores que não possuem conta corrente O uso do Crédito por consumidores que não possuem conta corrente Maio de 2015 Slide 1 OBJETIVOS DO ESTUDO Mapear atitudes e comportamentos das pessoas que não possuem conta corrente em banco com relação

Leia mais

Diretoria de Pesquisas. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009. crianças, adolescentes e adultos no Brasil

Diretoria de Pesquisas. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009. crianças, adolescentes e adultos no Brasil Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Gerência da Pesquisa de Orçamentos Familiares Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 Antropometria e estado nutricional de crianças, adolescentes

Leia mais

"ANÁLISE DO CUSTO COM MEDICAMENTOS E DO RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES MORBIDAMENTE OBESOS ANTES E APÓS A REALIZAÇÃO DA CIRURGIA BARIÁTRICA"

ANÁLISE DO CUSTO COM MEDICAMENTOS E DO RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES MORBIDAMENTE OBESOS ANTES E APÓS A REALIZAÇÃO DA CIRURGIA BARIÁTRICA "ANÁLISE DO CUSTO COM MEDICAMENTOS E DO RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES MORBIDAMENTE OBESOS ANTES E APÓS A REALIZAÇÃO DA CIRURGIA BARIÁTRICA" SHOSSLER ¹, T.S.; FREITAS ¹, G.; LOPES ², E.; FRASNELLI ¹,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Palmas Secretaria Municipal da Educação Diretoria do Ensino Fundamental

Prefeitura Municipal de Palmas Secretaria Municipal da Educação Diretoria do Ensino Fundamental ABERTURA Prefeitura Municipal de Palmas Secretaria Municipal da Educação Diretoria do Ensino Fundamental EDITAL N. 003/2013 do Processo de seleção para Alfabetizadores do Programa Brasil Alfabetizado/Palmas

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Pesquisa Mensal de Emprego PME Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Algumas das principais

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007 MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ESPECIAL NEGROS Novembro de 2008 NOVEMBRO de 2008 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007 Na Região Metropolitana de Belo Horizonte

Leia mais

mat fin 2008/6/27 13:15 page 53 #50

mat fin 2008/6/27 13:15 page 53 #50 mat fin 2008/6/27 13:15 page 53 #50 Aula 4 DESCONTO NA CAPITALIZAÇ ÃO SIMPLES O b j e t i v o s Ao final desta aula, você será capaz de: 1 entender o conceito de desconto; 2 entender os conceitos de valor

Leia mais

RELATÓRIO. Participantes

RELATÓRIO. Participantes RELATÓRIO Da audiência pública para discutir o cenário do fornecimento de órteses e próteses no Brasil, realizada, no dia 7 de julho de 2009, conjuntamente pela Comissão de Assuntos Sociais (CAS) e pela

Leia mais

2.1. As inscrições estarão abertas no período de 10 de fevereiro a 05 de maio de 2014.

2.1. As inscrições estarão abertas no período de 10 de fevereiro a 05 de maio de 2014. EDITAL Nº 01/2014 PROCESSO DE SELEÇÃO A Universidade Federal do Tocantins UFT, por meio da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós- Graduação PROPESQ, torna pública a abertura de inscrições para selecionar candidatos

Leia mais

PESQUISA 1 PESQUISA 2 PESQUISA 3 PESQUISA 4 PESQUISA 5 PESQUISA 6

PESQUISA 1 PESQUISA 2 PESQUISA 3 PESQUISA 4 PESQUISA 5 PESQUISA 6 Monique e Rita PESQUISA 1 PESQUISA 2 PESQUISA 3 PESQUISA 4 PESQUISA 5 PESQUISA 6 TÍTULO DA PESQUISA AUTORES/ANO Uso de tabaco por estudantes adolescentes portugueses e fatores associados. Fraga, S., Ramos,

Leia mais

A PRÁTICA DA TERAPIA OCUPACIONAL NA ESTIMULAÇÃO COGNITIVA DE IDOSOS QUE FREQUENTAM CENTRO DE CONVIVÊNCIA.

A PRÁTICA DA TERAPIA OCUPACIONAL NA ESTIMULAÇÃO COGNITIVA DE IDOSOS QUE FREQUENTAM CENTRO DE CONVIVÊNCIA. A PRÁTICA DA TERAPIA OCUPACIONAL NA ESTIMULAÇÃO COGNITIVA DE IDOSOS QUE FREQUENTAM CENTRO DE CONVIVÊNCIA. MEDEIROS 1, Halessandra; MORAES 2, Berla; PEDROSA 3, Mayra; RIBEIRO 4, Lys. RESUMO Este estudo

Leia mais

Tema do Projeto: REMUNERAÇÃO IGUAL PARA HOMENS E MULHERES

Tema do Projeto: REMUNERAÇÃO IGUAL PARA HOMENS E MULHERES Federação de Associações de Mulheres de Negócios do Brasil CNPJ- 32901555/0001-09 Nome do Projeto: TRABALHO IGUAL. SALÁRIO IGUAL Tema do Projeto: REMUNERAÇÃO IGUAL PARA HOMENS E MULHERES Nome das Organizações

Leia mais

O IMPACTO DA DOR CRÔNICA NA VIDA DAS PESSOAS QUE ENVELHECEM

O IMPACTO DA DOR CRÔNICA NA VIDA DAS PESSOAS QUE ENVELHECEM O IMPACTO DA DOR CRÔNICA NA VIDA DAS PESSOAS QUE ENVELHECEM Eliane de Sousa Leite. Universidade Federal de Campina Grande/UFCG. Email: elianeleitesousa@yahoo.com.br. Jéssica Barreto Pereira. Universidade

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Hipertensão. Diabetes mellitus. Obesidade abdominal.

PALAVRAS-CHAVE Hipertensão. Diabetes mellitus. Obesidade abdominal. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA 1 ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PET-Saúde

Leia mais

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 1) Conjuntura Econômica Em função dos impactos da crise econômica financeira mundial, inciada no setor imobiliário

Leia mais

Orientadora, Docente do Curso de Nutrição do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS.

Orientadora, Docente do Curso de Nutrição do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS. ATUAÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA PACIENTES COM DIABETES NA ATENÇÃO BASICA UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 1 BOEIRA, Giana 2 ; CADÓ, Thaís 3 ; FRIGO, Letícia 4 ; MANFIO, Francieli 5 ; MATTOS, Karen 6 ; PIAIA, Eveline

Leia mais

Formação de cuidadores de idosos: avanços e retrocessos na política pública de cuidados no Brasil

Formação de cuidadores de idosos: avanços e retrocessos na política pública de cuidados no Brasil Formação de cuidadores de idosos: avanços e retrocessos na política pública de cuidados no Brasil Daniel Groisman dgroisman@fiocruz.br Introdução Caso 1: Dona Felicidade, de Belém do Pará A crise no cuidado

Leia mais

MAIS DA METADE DOS CAPIXABAS NÃO POSSUI PLANO DE SAÚDE

MAIS DA METADE DOS CAPIXABAS NÃO POSSUI PLANO DE SAÚDE MAIS DA METADE DOS CAPIABAS NÃO POSSUI PLANO DE SAÚDE Emmanuelle Serrano Queiroz Em alguns países, as despesas com saúde já correspondem a mais de 10% do PIB. E, um fator que será determinante para o aumento

Leia mais

Mercado de Trabalho. O idoso brasileiro no. NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* 1- Introdução

Mercado de Trabalho. O idoso brasileiro no. NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* 1- Introdução NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* O idoso brasileiro no Mercado de Trabalho 30 1- Introdução A análise da participação do idoso nas atividades econômicas tem um caráter diferente das análises tradicionais

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DA RENDA NO BRASIL EM 1999 1. Palavras-chaves: desigualdade, pobreza, equações de rendimento, distribuição de renda.

DISTRIBUIÇÃO DA RENDA NO BRASIL EM 1999 1. Palavras-chaves: desigualdade, pobreza, equações de rendimento, distribuição de renda. DISTRIBUIÇÃO DA RENDA NO BRASIL EM 1999 1 Rodolfo Hoffmann 2 RESUMO Este trabalho analisa a distribuição da renda no Brasil e em seis regiões do país, utilizando os dados da PNAD de 1999. É examinada a

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ACS Assessoria de Comunicação Social Brasília DF março 2005 2005: Ano da qualidade da Educação Básica Qualidade na Educação Básica 1 2 Qualidade na Educação Básica QUALIDADE NA EDUCAÇÃO

Leia mais

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013 GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO SST DIRETORIA DE TRABALHO E EMPREGO DITE COORDENAÇÃO ESTADUAL DO SISTEMA NACIONAL DE EMPREGO SINE SETOR

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste/Centro de Ciências da Saúde - Departamento de Enfermagem - Guarapuava PR

Universidade Estadual do Centro-Oeste/Centro de Ciências da Saúde - Departamento de Enfermagem - Guarapuava PR PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE IDOSOS INTERNADOS NA CLINICA MÉDICA E CLÍNICA CIRÚRGICA EM UM HOSPITAL DE GUARAPUAVA PARANÁ Michele Teixeira (CVI-UNICENTRO), Evani Marques Pereira (UNICENTRO), Evani Marques Pereira

Leia mais

Fontes de financiamento da saúde pública no Brasil. Brasília, 07 de maio de 2013

Fontes de financiamento da saúde pública no Brasil. Brasília, 07 de maio de 2013 Fontes de financiamento da saúde pública no Brasil Brasília, 07 de maio de 2013 Perspectivas geral federal estados e municípios privado Há ações de saúde tipicamente públicas, de execução direta pelo Estado,

Leia mais

PERFIL DE IDOSOS USUÁRIOS DE ÁLCOOL ACOMPANHADOS EM UMA UNIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA

PERFIL DE IDOSOS USUÁRIOS DE ÁLCOOL ACOMPANHADOS EM UMA UNIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA PERFIL DE IDOSOS USUÁRIOS DE ÁLCOOL ACOMPANHADOS EM UMA UNIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA Iluska Pinto da Costa Universidade Federal de Campina Grande; email: lucosta.ufcg@gmail.com Janaíne Chiara

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012 Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012 Rio de Janeiro, 19 / 06 / 2013 1 - Introdução 2 - Objetivos 3 - Coleta dos Dados 4 - Instrumentos de Coleta 5 - Temas abordados 6 - Universo da Pesquisa 7 - Análise

Leia mais

Gastos com medicamentos para tratamento da Doença de Alzheimer pelo Ministério da Saúde, 2007-2011

Gastos com medicamentos para tratamento da Doença de Alzheimer pelo Ministério da Saúde, 2007-2011 Gastos com medicamentos para tratamento da Doença de Alzheimer pelo Ministério da Saúde, 2007-2011 Marina Guimarães Lima, Cristiane Olinda Coradi Departamento de Farmácia Social da Faculdade de Farmácia

Leia mais

CONSUMO DOMICILIAR E USO RACIONAL DA ÁGUA EM ÁREAS DE BAIXA RENDA: PESQUISA DE OPINIÃO

CONSUMO DOMICILIAR E USO RACIONAL DA ÁGUA EM ÁREAS DE BAIXA RENDA: PESQUISA DE OPINIÃO CONSUMO DOMICILIAR E USO RACIONAL DA ÁGUA EM ÁREAS DE BAIXA RENDA: PESQUISA DE OPINIÃO Ana Garcia Mirian Santos Dijara Conceição Adriana Machado Asher Kiperstok REDE DE TECNOLOGIAS LIMPAS DA BAHIA PPG

Leia mais

O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE

O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE ISSN: 1981-3031 O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE Eva Pauliana da Silva Gomes 1. Givanildo da Silva 2. Resumo O presente

Leia mais

E-COMMERCE COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR FRENTE ÀS TRANSAÇÕES ON-LINE 1. Tahinan Pattat 2, Luciano Zamberlan 3.

E-COMMERCE COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR FRENTE ÀS TRANSAÇÕES ON-LINE 1. Tahinan Pattat 2, Luciano Zamberlan 3. E-COMMERCE COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR FRENTE ÀS TRANSAÇÕES ON-LINE 1 Tahinan Pattat 2, Luciano Zamberlan 3. 1 Trabalho de conclusão de curso de Administração da Unijuí 2 Aluno do Curso de Administração

Leia mais

PESQUISA INDUSTRIAL ANUAL DE EMPRESA (PIA-Empresa) FONTE DE DADOS O cadastro básico de seleção da PIA-Empresa é obtido a partir do Cadastro Central

PESQUISA INDUSTRIAL ANUAL DE EMPRESA (PIA-Empresa) FONTE DE DADOS O cadastro básico de seleção da PIA-Empresa é obtido a partir do Cadastro Central PESQUISA INDUSTRIAL ANUAL DE EMPRESA (PIA-Empresa) FONTE DE DADOS O cadastro básico de seleção da PIA-Empresa é obtido a partir do Cadastro Central de Empresas - CEMPRE, cuja gestão está sob a responsabilidade

Leia mais