AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E A GESTAO DE TI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E A GESTAO DE TI"

Transcrição

1 AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E A GESTAO DE TI Maria Amélia Pereira de Vasconcellos1 Marta Alves de Souza2 Helder Rodrigues da Costa3 RESUMO Há uma grande expectativa acerca das aplicações da Tecnologia da Informação (TI), que possibilitam novas alternativas de estratégias de negócios para as micro e pequenas empresas (MPE). Este trabalho analisa o universo das MPE no país, mostrando sua relevância e principais características. Nesse contexto apresenta os impactos que a disseminação do uso da TI pode promover na gestão das MPE e os principais inibidores do uso eficiente da TI. A base para elaboração deste trabalho foi a pesquisa Empresa Digital, realizada pela empresa Vox Populi para o Banco do Brasil S.A., que buscou conhecer a gestão, capacitação e infraestrutura disponível na utilização de recursos de TI pelas MPE e sua aplicação aos negócios. Conclui-se que ainda que o processo de inclusão digital das MPE não esteja concluído, o problema central não é o acesso aos recursos de TI, mas o que fazer com eles, sendo necessário introduzir nas MPE uma visão empresarial, baseada numa mudança na forma de gerenciar o próprio negócio e compreender a riqueza de informações que se pode obter com o uso da TI. Palavras-chave: Tecnologia da Informação. Micro e pequenas empresas. Gestão da informação. Impacto organizacional. Abstract There are great expectations about the applications of Information Technology (IT) that enable new alternative business strategies for micro and small enterprises (MSE). This paper analyzes the universe of MSE in the country, showing their relevance and their main characteristics. In this context presents the impact that widespread use of IT can promote the management of MSE and the main inhibitors of efficient use of IT. The basis for the preparation of this work was the Digital Enterprise Research, undertaken by Vox Populi for Banco do Brasil SA, which sought to know the management, training and infrastructure available in the utilization of IT resources by MSE and its application to business. We conclude that although the process of digital inclusion of MSE is not completed, the central problem is not access to IT resources, but what to do with them being necessary to introduce in the MSE a business vision, based on a change in to manage their own business and understand the wealth of information that can be achieved with the use of IT. Keywords: Information Technology. Micro and small enterprises. Information management. Organization Impact. 1 Pós-graduanda em Gestão em TI SENAC Governador Valadares/MG. 2 Mestre em Administração e Planejamento de Sistemas de Informação PUCCAMP /Especialista em Informática em Educação (UFLA). 3 Mestre em Ciências e Técnicas Nucleares pela Universidade Federal de Minas Gerais UFMG. Coordenador do Curso de Gestão em Tecnologia da Informação SENAC MG.

2 1 INTRODUÇÃO um portal No mundo globalizado, a TI (Tecnologia da Informação) se apresenta como de acesso a diversos mercados e importante aliada das empresas para que possam competir de forma sustentável, com controle de custos, ganhos de produtividade, conhecimento e acesso a mercados, facilidade de relacionamento com clientes e fornecedores. Neste cenário, as MPE (micro e pequenas empresas) passam a ter importante papel, em virtude de sua capacidade de gerar empregos e de mobilizar o crescimento regional. Isso se torna particularmente relevante quando se verifica que as MPE: - cobrem cerca de 80% da atividade total do segmento de comércio e serviços considerando-se a receita ou o efetivo empregado (BINTES, 2005); - o número total de MPE variou de 95,5% em 1985 para 97,6% em 2004 enquanto que as médias e grandes reduziram sua participação no mesmo período (BINTES, 2005). A definição de micro e pequenas empresas (MPE) varia conforme o critério adotado pelos países ou pelas instituições. No Brasil, o porte é definido principalmente pelo número de empregados permanentes, porém, algumas instituições ainda as avaliam pelo nível de faturamento. Tabela 1 Classificação Brasileira das Micro e Pequenas Empresas Classificações Micro Empresas Pequenas Empresas N.º de funcionários SEBRAE (Comércio e Serviços) SEBRAE (Indústria) Receita Bruta Anual Simples Estatuto das MPE Fonte: (AGRASSO NETO; ABREU, 2009, p. 32) Até R$ ,00 Até R$ , Até R$ ,00 Até R$ ,00 Contudo, levando-se em conta a heterogeneidade do universo das MPE, das regiões em que estão inseridas, dos modelos de gestão muitas vezes referenciados em culturas locais, o acesso a novas tecnologias pode vir a configurar importante barreira a ser transposta sob pena de ver sua competitividade comprometida. Diante do contexto de uma economia globalizada e tecnologicamente orientada, surge uma questão para reflexão e discussão: estariam as MPE aptas a absover as novas tecnologias de informação, considerando-se suas particularidades?

3 Manter essas empresas em atividade é um desafio. Mais de 50% delas não sobrevivem a mais de 5 anos de atividades e somente uma pequena fração das sobreviventes desenvolvem atividades de inovação e possuem metodologias de alta performance (SEBRAE, 2005). Este trabalho analisa, com base em pesquisa encomendada pelo Banco do Brasil S.A. a Vox Populi, o universo das MPE no país, mostrando sua relevância econômica, social e estrutural e suas principais características, bem como o impacto que a disseminação da TI pode promover na gestão dessas empresas, bem como os principais inibidores do uso eficiente dati pelas mesmas. Trabalha-se aqui com o conceito de TI como o conjunto de processos, rotinas e ferramentas que permitem a produção de dados, informações e eventos cujo registro e consolidação proporcionam a obtenção de informações destinadas a orientar decisões comerciais, estratégicas, sociais, operacionais, isoladamente ou em conjunto, visando obter melhoria do desempenho empresarial. Assim, este trabalho se justifica pela necessidade de compreender melhor a gestão, capacitação e infraestrutura disponível na utilização de recursos de TI pelas MPE e sua aplicação aos negócios com vistas a contribuir para o melhor desempenho desse importante segmento econômico. 2 REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 ALGUMAS DEFINIÇÕES SOBRE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Vive-se em uma era em que as técnicas computacionais e as telecomunicações convergem para um ponto comum, tornando-se difícil separá-las. Pode-se afirmar, portanto, que o conjunto de tecnologias resultantes da utilização simultânea e integrada de informática e telecomunicações tem sido chamado de TI. CAMPOS FILHO (1994) define TI como um conjunto de software e hardware com funções de processamento de informações que incluem coleta, transmissão, armazenamento, manipulação e recuperação de dados. Todas essas tarefas podem estar incluídas em microcomputadores, conectados em redes ou não, mainframes, scanners (leitoras de códigos de barras), estações de trabalho, softwares tais como planilhas eletrônicas de dados ou banco de dados, além de outros. Para o citado autor, a TI é um conjunto de dispositivos baseados em computadores capazes de trabalhar com as informações, auxiliando os processos de gestão.

4 Contudo, a simples introdução dos recursos provenientes da TI não é garantia de resolução de todos dos problemas. Apesar de que, sem o seu emprego, certos benefícios não serão obtidos, bem como alguns problemas específicos podem ficar sem solução. Assim, devese analisar as situações em que o uso da TI é recomendado. Aconselha-se seu uso em circunstâncias em que haja um grande volume de serviços e de transações repetitivas; se existem muitos cálculos; se há estabilidade nas operações; se há necessidade de alta precisão e tempo de resposta reduzido (BIO, 1985), podendo representar vantagens em relação aos sistemas de informações manuais. A Tecnologia da Informação TI tem assumido um caráter dualista fundamental. Primeiro, pode ser utilizada para automatizar operações. Entende-se automatizar quando aplicações visam substituir o esforço e a qualificação humana, por uma tecnologia que permita que os mesmos processos sejam executados a um custo menor, obtendo-se um controle maior e uma melhor continuidade (WALTOM, 1993). O segundo aspecto é o fato de utilizar a TI para criar informações, pois ainda que uma tecnologia vise apenas automatizar, ela gera informações sobre os processos envolvidos no trabalho. Isso vem a ser informatizar, pois não apenas inclui, como vai além da automação. No ambiente de um escritório, a TI inclui o processamento de textos, planilhas eletrônicas, correio eletrônico, videoconferências, sistemas de apoio à decisão e sistemas especialistas (WALTOM, 1993). Apesar de muitos administradores reconhecerem o poder informacional da nova tecnologia, às vezes, acabam não alcançando o resultado desejado. WALTOM (1993) conclui que se uma empresa deseja tirar o máximo de proveito da informatização, é preciso inovar a organização. 2.2 PARTICULARIDADES ORGANIZACIONAIS DAS MPE Diversos autores (SOLOMON, 1986; LEONE; 1991; WALTOM, 1993) delinearam algumas características classificando-as como sendo mais comumente encontradas nas MPE, capazes de caracterizar esse ambiente específico:. utilizam frequentemente o trabalho próprio ou de familiares;. não possuem administração especializada fora da empresa, embora tenha um nível de maturidade baixo;. não apresentam produção em escala;

5 . possuem estreita relação pessoal do proprietário com empregados, clientes e fornecedores;. têm forte dependência dos mercados e de fontes de suprimentos próximas;. a direção é pouco especializada e a administração é essencialmente pessoal, pois quanto menor o negócio, mais informal será; recursos comerciais e pessoais se confundem;. as pequenas empresas fazem investimentos a curto prazo dependendo de rápidos retornos sobre seus investimentos;. há grande heterogeneidade entre as pequenas empresas, dificultando os estudos e as pesquisas;. as pequenas empresas possuem dirigentes com grande tenacidade, caracterizando-se por muitas horas de trabalho, disposição para enfrentar tempos difíceis, grande energia e com forte capacidade de iniciativa. A MPE pode ser definida como aquela administrada ou dirigida por uma única pessoa cujas competências decisórias ficam a cargo do proprietário e não são delegadas. Tudo fica sob o peso de sua gestão centralizada e de sua própria avaliação. Normalmente o empresário de uma MPE sente-se incapaz de exercer qualquer pressão ou controle nos acontecimentos futuros no setor e, ainda, se a empresa for jovem, falta-lhe uma longa experiência operacional aumentando assim, a sensação de incerteza com respeito ao futuro (GOLD, 1986). 2.3 ESPECIFIDADES DA MPE Analisar as características das pequenas empresas é essencial para obter maior compreensão da gestão das empresas desse porte e propor medidas práticas a fim de minimizar suas dificuldades, auxiliando na sua sobrevivência. Essas características específicas das pequenas empresas foram denominadas especificidades por LEONE (1999) e podem ser classificadas em três tipos: a) Especificidades Organizacionais: as empresas possuem sua estrutura organizacional pequena e centralizada. O poder decisório é centralizado, onde seu proprietário ou dirigente é quem discute diretamente com seus clientes, procurando conhecer suas necessidades e fazer a apresentação de seu produto.

6 b) Especificidades Decisionais: baseiam-se as tomadas de decisão nas experiências obtidas, no julgamento ou mesmo no conhecimento imediato, claro e espontâneo do proprietário, centralizando em si todas as decisões. c) Especificidades Individuais: é caracterizada pelo papel predominante do proprietário na organização, confundindo-se pessoa física com pessoa jurídica. Sendo assim, os objetivos e perspectivas das MPE se vêem afetados por percursos individuais do seu proprietário. 2.4 BARREIRAS AO USO DA TI PELAS MPE Há algum tempo, o ambiente competitivo se processava de forma mais lenta e as mudanças tecnológicas eram gerenciáveis e amenas. Porém, atualmente, o ambiente competitivo que os negócios enfrentam é severo e cruel. As mudanças ocorrem de forma cada vez mais veloz. Consequentemente, os dirigentes de pequenas empresas necessitam de uma arma poderosa tal como o processo de gestão estratégica para lidar com tal ambiente hostil (ZUBOFF, 1994). O gerenciamento efetivo das pequenas empresas contribui diretamente para o potencial econômico e para o crescente desenvolvimento da economia nacional por prover um vínculo com uma base de mercado mais desenvolvida. Por esta razão, o aprofundamento das análises sobre as técnicas de gestão das empresas, auxiliadas pelo uso das tecnologias da informação adequadas ao seu ambiente, pode significar uma melhora consistente na utilização de informações estratégicas e, consequentemente melhorar a competitividade desse setor (O BRIEN, 2003). Apesar do uso da TI nas pequenas empresas estar em constante progresso, ainda é considerado fraco em comparação com sua aplicação em médias e grandes empresas. Além disso, apesar das tendências indicarem aumento da aplicação da TI em pequenas empresas, há que se considerar o fato de que são empregadas essencialmente para realizar tarefas operacionais e administrativas, em vez de cumprir propósitos estratégicos ou auxiliar na tomada de decisões (O BRIEN, 2003). O aumento a capacidade tecnológica foi acompanhado por declínio dos preços, disponibilizando uma grande quantidade de processamento até para os menores escritórios. Mesmo assim, há uma grande dificuldade de aderência dos produtos disponíveis

7 no mercado às formas de gestão características de uma MPE. Isso ocorre em razão de a maioria das pesquisas de TI bem como o desenvolvimento de software serem realizados em grandes empresas, o que torna os resultados dessas pesquisas uma realidade para grandes empresas, com seus problemas, soluções e benefícios, não necessariamente aplicáveis a organizações menores (O BRIEN, 2003). Em virtude das dificuldades de adaptação em relação às tecnologias disponíveis, as micro e pequenas empresas as evitam, afirmando que se trata de algo complicado. Entretanto, com o incremento da evolução tecnológica, houve um grande avanço em termos técnicos e também em termos de interface com o usuário. De acordo com a exposição de alguns autores (ALBERTINI, 2001; BERALDI, 2002; LEONE, 1999), alguns obstáculos podem ser expostos, representando os principais entraves à implantação de tecnologias da informação nas pequenas empresas:. custos, geralmente elevados, exigindo grandes investimentos face aos limitados recursos financeiros;. a maior parte das pesquisas é realizada em grandes empresas, explorando suas realidades, não propriamente aplicáveis nos ambientes das pequenas empresas;. as pequenas empresas possuem dificuldades em aderir a produtos disponíveis no mercado, uma vez que são complexos demais para o seu ambiente específico;. ao absorver a tecnologia, o faz de modo lento;. dificuldades em alimentar o sistema com informações corretas;. forte resistência por parte dos funcionários que temem ser substituídos pela tecnologia;. falta do proprietário/dirigente para se inteirar do processo de implantação de novas tecnologias, bem como para obter um bom treinamento. 2.5 VANTAGENS NO USO DE TI Apesar das diversas dificuldades iniciais, PRATES (2002) constatou que após o processo de implantação da TI em pequenas empresas, houve a percepção da sua importância, fruto do aumento da capacidade de trabalho e, consequentemente, da competitividade. Além disso, os dirigentes dos pequenos negócios também acabaram apoiando a implantação da TI por perceberem que não haveria outra maneira de permanecer no negócio, melhorando seus controles gerenciais e aumentando a produtividade. Assim, as pequenas empresas que superarem seus obstáculos e empregarem

8 eficientemente seus recursos em TI poderão obter muitas vantagens, conforme destacam diversos autores (BERALDI, 2002; LEONE, 1999; PRATES, 2002):. maior compreensão das funções produtivas e do controle interno das operações;. redução da redundância de operações e aumento da continuidade, em virtude do aumento de velocidade de resposta;. integração da empresa, que permite o aumento na velocidade dos negócios, por melhorar o desempenho dos processos e o aumento da flexibilidade de produção;. redução de custos por automatizar tarefas que manualmente consumiriam muito tempo e que, posteriormente, passaram a economizar tempo e dinheiro, aumentando a produtividade e eliminando a monotonia das tarefas repetitivas;. melhora no atendimento ao cliente, satisfazendo-o pelo uso de tecnologias simples e acessíveis como uma linha telefônica e um identificador de chamadas que o identifique a fim de lhe oferecer um atendimento personalizado, servindo-o melhor por identificar suas necessidades e preferências;. maior integração por proporcionar vendas maiores para clientes potenciais, através de portais B2B, ferramenta essencial para a comunicação com parceiros de negócios e clientes. Vender pela Internet é um recurso disponível inclusive às micro e pequenas empresas;. melhora nas informações, uma vez que sistemas de informática específicos as filtram, tornando-as mais condensadas e relevantes;. maior disponibilidade de informações mais precisas para o processo decisório e em tempo oportuno;. aprimora a capacidade de reconhecer antecipadamente os problemas e oportunidades;. melhora no processo produtivo, por se focar nas tarefas mais importante, obtendo mais produtividade e competitividade;. redução dos problemas relacionados ao gerenciamento da informação e do custo de execução desse processo. 3 METODOLOGIA Este trabalho baseia-se em pesquisa realizada pela empresa Vox Populi, sob encomenda do Banco do Brasil S.A., através de dados coletados por survey telefônico realizado a partir de questionários estruturados programados através de sistema de CATI Computer Aided Telephone Interview. O público alvo dessa pesquisa é formado pelas micro e pequenas empresas, clientes

9 do Banco do Brasil S.A., com limite de crédito vigente, sem restrições cadastrais e com mais de 03 anos de constituição. A amostra compõe-se de 977 entrevistas, desenhadas para gerar resultados para as regiões geográficas brasileiras, faixa de faturamento e setor de atuação da empresa. Tal pesquisa ocorreu no periodo de abril a junho de Essa pesquisa é de natureza descritiva, com análise qualitativa, tendo em vista que o desenvolvimento de competências tecnológicas, no nível organizacional, é um processo caracterizado pela combinação de elementos técnicos e recursos diversos. O método qualitativo justifica-se, sobretudo, por ser uma forma adequada de entender a natureza de um fenômeno social em sua complexidade. Segundo Richardson et al. (1985), a abordagem qualitativa procura descrever a complexidade de determinado problema, analisar a interação de certas variáveis, compreender e classificar processos dinâmicos, vividos pela organização, e entender particularidades do seu comportamento. A partir dos dados levantados na pesquisa realiza-se uma revisão crítica, com base em referencial teórico, que abarca as especificidades do processo de informatização das empresas de menor porte, visando formular propostas concretas de inclusão digital do segmento. 4 DADOS E ANÁLISE DA PESQUISA 4.1 DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL Apresentam-se abaixo as principais características da amostra utilizada na pesquisa Vox Populi Por tipo de município A amostra está distribuída por tipo de município nas seguintes proporções:. capital, 24,1% dos entrevistados;. interior, 66,3% dos entrevistados;. região metropolitana, 9,6% dos entrevistados.

10 4.1.2 Por porte da empresa Por faixa de faturamento as empresas componentes da amostra dividem-se em :. Microempresas, 77, 1%;. Empresas de pequeno porte, 19%;. Médias empresas, 2,0%;. Empresas de grande porte, 1,9% Por distribuição geográfica A distribuição das empresas pesquisadas, por região geográfica, pode ser observada na tabela 2, a seguir: Tabela 2 : Distribuição amostral por porte e região. Porte Região Micro Pequeno Médio Grande Norte 74,9 22,3 1,6 1,2 Nordeste 81,4 15,1 1,8 1,7 Sudeste 78,5 17,8 2,3 1,4 Sul 72,8 22,2 2,7 2,3 Centro-Oeste 74,4 22,3 0,4 2,9 Fonte: Vox Populi (2006) 4.2 ESTRUTURA DE TI DAS EMPRESAS PESQUISADAS A pesquisa evidenciou (tabela 3) que significativa parcela das microempresas, 45,2%, não possui computadores de mesa, proporção que cai para 35,2% nas pequenas empresas. Das

11 empresas que ainda não possuem computador, 68,7% das micro e 57,9% das pequenas argumentaram não ter necessidade, devido ao porte da empresa, outros 12,3% das micro e 21,6% das pequenas apontaram problemas financeiros para não ter computador. Das empresas que possuem ao menos um computador, 82,0% das micro e 73,5% das pequenas afirmaram possuir acesso à Internet, ou por banda larga ou via discada, ou ambas, demonstrando alto grau de interligação à rede mundial. Tabela 3: Posse de recursos de TI pelas empresas entrevistadas. Faixa de Faturamento Equipamentos Geral Até 60 mil Mais de 60 até 500 mil Fax 70,2 48,1 60,9 Computador de mesa 74,3 54,8 64,8 Impressora 69,8 50,2 58,8 Fonte: Vox Populi (2006) A partir da posse de equipamentos de TI, a empresa Vox Populi criou uma variável que expressa o grau de informatização das empresas pesquisadas. Para cada equipamento ou sistema que a empresa possui foi somado um ponto (telefone celular, fax, handheld, impressora, computador de mesa, notebook, computadores ligados em rede e acesso à Internet), sendo o resultado final agregado em categorias:. nenhum ( a empresa não possui nenhum equipamento investigado);. baixo (de 01 a 03 equipamentos);. médio (de 04 a 05 equipamentos);. alto ( de 06 a 08 equipamentos). O resultado indicou que 38,6% das micro e 47% das pequenas empresas possui grau de informatização de médio para alto, sendo que as microempresas que não têm qualquer grau

12 de informatização foi de 31,4%, proporção que cai para 23,2% quando se trata de pequenas empresas. 4.3 UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TI PELAS EMPRESAS. Para avaliar o nível de integração mantido entre a empresa e instituições com as quais se relaciona, o instituto de pesquisa perguntou às empresas que possuem acesso à Internet:. os tipos de atividades de integração com outras empresas, bancos e associações, habitualmente realizadas pela empresa;. a utilização de softwares livres ou exclusivos para realizar as atividades;. as atividades realizadas pelo entrevistado;. a necessidade de a empresa trabalhar com softwares ou meios que permitam os tipos de integração investigados. Das respostas obtidas constata-se que 25,4% das micro e 45,8% das pequenas empresas utilizam a Internet para troca de dados com instituições financeiras. Observe-se que este número é de 55% na média das empresas pesquisadas. Para resumir, a informação detalhada anteriormente, além de inúmeros outros dados que omitimos nesta resumida apresentação, foi criada pela Vox Populi, uma variável informação. que expressa a intensidade com que as organizações utilizam os sistemas de Para isto, para cada atividade realizada pelas empresas que possuem computadores, seja por meio da Internet ou softwares, foi somado um ponto, e a pontuação final agregada em categorias:. nenhuma utilização (não realize nenhuma das atividades investigadas);. baixo grau de utilização (de 01 a 05 atividades);. médio grau de utilização (de 06 a 10 atividades);. alto grau de utilização (de 11 a 15 atividades). Através desse indicador constatou-se que 79,3% das micro, e 76,4% das pequenas empresas possuem baixo ou nenhum grau de utilização, demonstrando um

13 elevado grau de exclusão digital dessas empresas quando comparamos tais proporções com a das grandes empresas, que atingem 66,6% de médio ou alto grau de utilização. Apesar desse dado desfavorável, quase 80% das micro e 85% das pequenas empresas afirmam ter política de investir em TI. Agregue-se a isso que mais de 46% das micro e mais de 48% das pequenas empresas alegaram ter necessidade de maior informatização em seus processos. Das empresas que alegaram baixa necessidade de informatização em seus processos, mais de 15% das micro e mais de 30% das pequenas empresas alegaram que já possuem os recursos de que necessitam e 69,7% das micro e 54,4% das pequenas empresas afirmaram que não há demanda pois a empresa é pequena ou realiza manualmente seus processos. 4.4 ANÁLISE CRÍTICA DOS DADOS. Merece destaque o fato de que quase dois terços das micro e pequenas empresas afirmaram não buscar informação. Tais dados confirmam a opinião de diversos autores sobre os fatores que limitam o uso da TI pelas pequenas empresas, principalmente:. custos, geralmente elevados, exigindo grandes investimentos face aos seus limitados recursos financeiros;. as pequenas empresas possuem dificuldades em aderir a produtos disponíveis no mercado, uma vez que são complexos demais para o seu ambiente específico;. ao absorver a tecnologia, o fazem de modo lento;. dificuldades em lidar com a TI, uma vez que sempre exige certo nível de conhecimento cujo ambiente carece de pessoal qualificado;. falta de tempo do proprietário dirigente para se inteirar do processo de implantação de novas tecnologias, bem como para obter um bom treinamento. Em resumo, as micro e pequena empresas, ainda que vivenciando um processo de significativa inserção no mundo digital, conservam limitações específicas e necessitam de assessoramento para sua completa inclusão digital. O micro e pequeno empreendedor ainda não tem as qualificações técnicas necessárias para fazer tal migração do mundo analógico para o digital. Tais mudanças passam, portanto, pela qualificação do empreendedor e ampliação de seus horizontes de gestão, permitindo-lhe visualizar as vantagens da TI para seu empreendimento.

14 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E SUGESTÕES A partir da pesquisa encomendada pelo Banco do Brasil S.A. à Vox Populi traçou-se uma radiografia do setor de micro e pequenas empresas, avaliando seu grau de informatização, suas deficiências, seus pontos fortes e suas fragilidades. Chegou-se à conclusão que, ainda que exista um significativo grau de informatização dessas empresas, há muito ainda a ser feito a fim de obter sua plena inclusão digital, principalmente do ponto de vista de qualificação de gestão, visto que o micro e o pequeno empresário têm dificuldades de visualizar as vantagens da inclusão digital e, conforme demonstrado, tende a considerar que seu negócio é pequeno demais para necessitar desses recursos. É necessário facilitar que o micro e o pequeno empresário obtenham uma nova visão sobre a gestão de seu negócio e a necessidade de se incorporar à sociedade digital. A partir desta nova visão, seguindo suas características e alcançando a eficácia, é possível gerar inúmeras vantagens competitivas que podem proporcionar benefícios com seu uso, como o aumento da qualidade das informações, pois as mesmas são filtradas para uma tomada de decisão correta; eliminação de trabalho rotineiro e controles administrativos evitando a repetição dos mesmos, possibilitando maior produtividade; melhorando o relacionamento com os fornecedores e o poder de barganha com os mesmos; maior capacidade de perceber antecipadamente as ameaças e oportunidades; menores custos com a agilidade dos processos. Quando a MPE souber aproveitar destes benefícios, poderão criar novas estratégias para o sucesso de seus negócios, tornando assim uma ferramenta auxiliar essencial nas atividades da empresa, integrando-a com o meio interno e externo a fim de derrubar as barreiras existentes e obter a excelência nos produtos e serviços que desenvolve. Pode-se responder à pergunta elaborada na introdução deste artigo da seguinte forma: as MPE podem absorver a TI, desde que haja um esforço concentrado para se introduzir uma nova visão empresarial, baseada numa mudança na forma de enxergar e controlar o próprio negócio assim como compreender a riqueza de informações que se pode obter com o uso da TI. Portanto, a Tecnologia da Informação possui grande importância no ambiente das micro e pequenas empresas, visto que a mesma otimiza seus processos melhorando sua estrutura e cultura organizacional, além de acrescentar valor comercial aos negócios, ou

15 seja, é um nstrumento voltado a criar e sustentar a competitividade em meio à concorrência, gerando maiores lucros para o micro e pequeno empresário. REFERÊNCIAS AGRASSO NETO, M.; ABREU, A. F. Tecnologia da Informação: manual de sobrevivência da nova empresa. São Paulo: Arte e Ciência Villipress, ALBERTINI, A.L. Valor estratégico dos projetos de tecnologia da informação. Revista de Administração de Empresas. São Paulo, v. 41, n 3, p , jul/set, BERALDI, L.C. Pequena empresa e tecnologia da informação: recomendações e roteiro de aplicação para a melhoria da competitividade dos fabricantes de móveis do pólo moveleiro de Mirassol SP. 283f. Tese (Doutorado) Escola de Engenharia de São Carlos; Universidade de São Paulo, São Carlos: USP, BINDES, Fábio et al. Fatores Condicionantes e Taxas de Sobrevivência e Mortalidadedas Micro e Pequenas Empresas no Brasil Disponível em: <http://www.biblioteca.sebrae.com.br>. Acesso em: 06 de jun BIO, S.R.. Sistemas de Informação: um enfoque gerencial. São Paulo: Atlas, CAMPOS FILHO, M.P. Os sistemas de informação e as modernas tendências da tecnologia e dos negócios. Revista de Administração de Empresas, v.34, nº 6, p.33-45, nov/dez, GOLD, R.A. Planejamento prático para pequenas empresas. In: Coleção Harvard de Administração. São Paulo, Nova Cultural, v. 9, p. 7-34, LEONE, N.M.C.P.G. As especificidades ds pequenas e médias empresas. Revista de Administração, São Paulo, v.29, n 3, p , jul/set,1999. O BRIEN, J. Sistemas de informação e as decisões gerenciais na era da Internet. São Paulo: Saraiva, 2003.

16 PRATES, G.A. Tecnologia da informação em pequenas empresas: analisando empresas do interior paulista. Revista de Administração de Empresas. São Paulo, v.3, n 4, p.84-91, out/dez, RICHARDSON, Roberto J. et al. Pesquisa Social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas, SOLOMON, S. A grande importância da pequena empresa: a pequena empresa nos Estados Unidos, no Brasil e no mundo. Rio de Janeiro: Editorial Nórdica, WALTON, R.. Tecnologia da Informação: o uso da TI pelas empresas que obtêm vantagem competitiva. São Paulo: Atlas, ZUBOFF, S. Automatizar/Informatizar: as duas faces da tecnologia inteligente. São Paulo: Revista de Administração de Empresas, v. 34, n. 6, p , nov/dez, 1994.

AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E A GESTAO DE TI. Maria Amélia Pereira de Vasconcellos 1 Marta Alves de Souza 2 Helder Rodrigues da Costa 3

AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E A GESTAO DE TI. Maria Amélia Pereira de Vasconcellos 1 Marta Alves de Souza 2 Helder Rodrigues da Costa 3 AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E A GESTAO DE TI Maria Amélia Pereira de Vasconcellos 1 Marta Alves de Souza 2 Helder Rodrigues da Costa 3 Resumo Há uma grande expectativa acerca das aplicações da Tecnologia

Leia mais

SG FOOD (SISTEMA GERÊNCIAL DE LANCHONETES EM GERAL) JUNIOR, M. P.A.; MODESTO, L.R. Resumo

SG FOOD (SISTEMA GERÊNCIAL DE LANCHONETES EM GERAL) JUNIOR, M. P.A.; MODESTO, L.R. Resumo SG FOOD (SISTEMA GERÊNCIAL DE LANCHONETES EM GERAL) JUNIOR, M. P.A.; MODESTO, L.R. Resumo A Tecnologia da Informação (TI) faz parte do cotidiano da sociedade moderna, mesmo as pessoas que não têm acesso

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

AT&S Ganha Eficiência e Agilidade de Negócio com Melhor Gestão de TI

AT&S Ganha Eficiência e Agilidade de Negócio com Melhor Gestão de TI CUSTOMER SUCCESS STORY Março 2014 AT&S Ganha Eficiência e Agilidade de Negócio com Melhor Gestão de TI PERFIL DO CLIENTE Indústria: Manufatura Empresa: AT&S Funcionários: 7.500 Faturamento: 542 milhões

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

ASPECTOS DE SISTEMAS GERENCIAIS NO CONTEXTO EMPRESARIAL

ASPECTOS DE SISTEMAS GERENCIAIS NO CONTEXTO EMPRESARIAL ASPECTOS DE SISTEMAS GERENCIAIS NO CONTEXTO EMPRESARIAL ASPECTS OF MANAGEMENT SYSTEMS IN ENTERPRISE CONTEXT Gabriela Concolin Schimidt Centro Universitário Filadélfia UniFil Prof. Rodrigo Duarte Seabra

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

XVIII JORNADA DE ENFERMAGEM EM HEMODINÂMICA.

XVIII JORNADA DE ENFERMAGEM EM HEMODINÂMICA. . Qualificando o desempenho operacional utilizando ferramentas de Tecnologia de Informação. sfl.almada@gmail.com Enfª Sueli de Fátima da Luz Formação: Bacharel em Enfermagem e Obstetrícia Universidade

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

#Fluxo. da Mobilidade de Informação na. Indústria da Construção Civil: Pesquisa e resultados recentes

#Fluxo. da Mobilidade de Informação na. Indústria da Construção Civil: Pesquisa e resultados recentes #Fluxo da Mobilidade de Informação na Indústria da Construção Civil: Pesquisa e resultados recentes introdução Muitas foram as áreas da indústria que se beneficiaram dos avanços tecnológicos voltados ao

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são palestras

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com. Conceitos - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação - Dados x Informações Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.br Definição de Sistema Uma coleção de objetos unidos por alguma forma

Leia mais

A GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS. Fernanda Cristina da Silva Alvim 1

A GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS. Fernanda Cristina da Silva Alvim 1 1 A GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS Fernanda Cristina da Silva Alvim 1 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) faz parte da nossa vida, mesmo as pessoas que não têm

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA ENTREGA ESPECIAL Na economia globalizada 24/7 de hoje, a logística e a gestão de armazéns eficientes são essenciais para o sucesso operacional. O BEUMER Group possui

Leia mais

Sistemas e Sistemas de Informação

Sistemas e Sistemas de Informação Sistemas e Sistemas de Informação 1) Defina pensamento sistêmico. É pensar na empresa como um sistema. A empresa não é vista como um conjunto de partes independentes, buscando alcançar objetivos isolados,

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA

SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÕES Um Sistema de Informação não precisa ter essencialmente

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS O PODER DA INFORMAÇÃO Tem PODER quem toma DECISÃO Toma DECISÃO correta quem tem SABEDORIA Tem SABEDORIA quem usa CONHECIMENTO Tem CONHECIMENTO quem possui INFORMAÇÃO (Sem

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: UM MODELO DE ABORDAGEM ABRAHAM B. SICSÚ

GESTÃO ESTRATÉGICA DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: UM MODELO DE ABORDAGEM ABRAHAM B. SICSÚ GESTÃO ESTRATÉGICA DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: UM MODELO DE ABORDAGEM ABRAHAM B. SICSÚ 1 Contextualizando a Apresentação Gestão do Conhecimento, primeira abordagem: TI + Tecnologias Organizacionais

Leia mais

Fundamentos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação

Fundamentos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação Objetivo da Aula Tecnologia e as Organizações, importância dos sistemas de informação e níveis de atuação dos sistemas de informação Organizações & Tecnologia TECNOLOGIA A razão e a capacidade do homem

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO *

www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO * CENTRO DE INFORMÁTICA APLICADA PROGRAMA DE EXCELÊNCIA DE NEGÓCIOS NA ERA DIGITAL PESQUISA FGV COMÉRCIO ELETRÔNICO NO MERCADO BRASILEIRO www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO * COORDENADOR:

Leia mais

Tecnologias da Informação e da. e Organizacionais

Tecnologias da Informação e da. e Organizacionais Tecnologias da Informação e da Comunicação nos Cenários Econômicos e Organizacionais A evolução tecnológica acompanhando a mudança organizacional Os negócios na era eletrônica O comércio eletrônico Cadeias

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Redesenhando a forma como empresas operam e envolvem seus clientes e colaboradores no mundo digital. Comece > Você pode construir de fato uma

Leia mais

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini SI- Sistemas de Informação Professora: Mariana A. Fuini INTRODUÇÃO A informação é tudo na administração de uma organização. Mas para uma boa informação é necessário existir um conjunto de características

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

5 Análise dos resultados

5 Análise dos resultados 5 Análise dos resultados Neste capitulo será feita a análise dos resultados coletados pelos questionários que foram apresentados no Capítulo 4. Isso ocorrerá através de análises global e específica. A

Leia mais

Oracle Financing: A Maneira Mais Rápida e Acessível de Adquirir Soluções de TI

Oracle Financing: A Maneira Mais Rápida e Acessível de Adquirir Soluções de TI Oracle Financing: A Maneira Mais Rápida e Acessível de Adquirir Soluções de TI Para competir com eficácia, as empresas da atualidade precisam se adaptar a um ambiente tecnológico que sofre rápidas mudanças.

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

O USO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS* THE USE AND DEVELOPMENT OF SOFTWARE IN MICRO AND SMALL ENTERPRISES

O USO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS* THE USE AND DEVELOPMENT OF SOFTWARE IN MICRO AND SMALL ENTERPRISES O USO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS* THE USE AND DEVELOPMENT OF SOFTWARE IN MICRO AND SMALL ENTERPRISES Rodolfo Miranda Pereira 1 Tania Fatima Calvi Tait 2 Donizete Carlos

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Simplificando a TECNOLOGIA

Simplificando a TECNOLOGIA 3 Simplificando a TECNOLOGIA SEGURANÇA DESENVOLVIMENTO BANCO DE DADOS S O L U Ç Õ ES E M T E C N O L O G I A MISSÃO VISÃO Contribuir com o sucesso dos Clientes através da Ser a melhor provedora de Soluções

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

Análise de custo projetado da plataforma SAP HANA

Análise de custo projetado da plataforma SAP HANA Um estudo Total Economic Impact da Forrester Encomendado pela SAP Diretora do projeto: Shaheen Parks Abril de 2014 Análise de custo projetado da plataforma SAP HANA Economia de custo proporcionada pela

Leia mais

Introdução sobre Implantação de Sistema ERP em Pequenas Empresas. Prof Valderi R. Q. Leithardt

Introdução sobre Implantação de Sistema ERP em Pequenas Empresas. Prof Valderi R. Q. Leithardt Introdução sobre Implantação de Sistema ERP em Pequenas Empresas Prof Valderi R. Q. Leithardt Objetivo Esta apresentação tem por objetivo mostrar tanto os benefícios como as dificuldades da implantação

Leia mais

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Uma estrutura de apoio à Inovação Eliza Coral, Dr. Eng., PMP Outubro, 2010 Diretrizes Organizacionais Missão Contribuir para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial SIG

Sistema de Informação Gerencial SIG Sistema de Informação Gerencial SIG O SIG abrange a empresa Estratégico Tático Operacional Conceitos Básicos: DADO: Qualquer elemento identificado em sua forma bruta que, por si só, não conduz a compensação

Leia mais

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Fábio Pires 1, Wyllian Fressatti 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil pires_fabin@hotmail.com wyllian@unipar.br RESUMO. O projeto destaca-se

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização 1 Tipos de SI Depende do tipo de apoio a ser oferecido Deve-se levar em consideração: Usuários operações (entrada +processamento + saída) destino

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

Gestão da comunicação para projetos na área da construção civil

Gestão da comunicação para projetos na área da construção civil Gestão da comunicação para projetos na área da construção civil Objetivo Desenvolver um mecanismo para gestão da comunicação entre os clientes e executores de projetos na área da construção civil. Objetivos

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Capítulo 8 Decorrências da Teoria Neoclássica: Tipos de Organização

Capítulo 8 Decorrências da Teoria Neoclássica: Tipos de Organização Capítulo 8 Decorrências da Teoria Neoclássica: Tipos de Organização ESTRUTURA LINEAR Características: 1. Autoridade linear ou única. 2. Linhas formais de comunicação. 3. Centralização das decisões. 4.

Leia mais

ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET

ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET AULA 05 ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET JAMES A. O BRIEN MÓDULO 01 Páginas 26 à 30 1 AULA 05 DESAFIOS GERENCIAIS DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu PORTFÓLIO ESPECIALIZAÇÃO / MBA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Sumário ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE... 2 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO... 2 ÁREA: COMUNICAÇÃO E LETRAS...

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Gestão Aplicada a TIC AULA 05. Prof. Fábio Diniz

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Gestão Aplicada a TIC AULA 05. Prof. Fábio Diniz FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Gestão Aplicada a TIC AULA 05 Prof. Fábio Diniz FTIN FORMAÇÃO TÉCNICA EM INFORMÁTICA GESTÃO DA INFORMATIZAÇÃO EMPRESARIAL Na aula anterior Project Charter.

Leia mais

Ricardo Scheurer Sonda Supermercado

Ricardo Scheurer Sonda Supermercado Tema: Apresentador: Plano Diretor de Tecnologia da Informação Ricardo Scheurer Sonda Supermercado Objetivo desta palestra será resolver as seguintes questões: Porque fazer um PDTI? Quais os benefícios

Leia mais

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1.

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Gestão de Projetos de TI Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1.1 2 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 3 1 Leitura

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

04/04/2014. Antes de 1940

04/04/2014. Antes de 1940 Prof. William Costa Rodrigues Eng. Agrônomo Um Sistema de Informação Gerenciais é um instrumento administrativo que contribui efetivamente para a otimização das comunicações e do processo decisório nas

Leia mais

V CINFORM Encontro Nacional de Ciência da Informação. Política de Informação Pública

V CINFORM Encontro Nacional de Ciência da Informação. Política de Informação Pública V CINFORM Encontro Nacional de Ciência da Informação Política de Informação Pública Salvador, 28 a 30 de junho de 2004 Política de Informação Pública Inclusão Digital de Micro e Pequeno Empresa Telecentros

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações.

Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações. Supply Chain Finance 2011 Supply Chain Finance 2011 3 Supply Chain Finance 2011 Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações. Autor: Vanessa

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Por que utilizar o modelo ITIL

Por que utilizar o modelo ITIL Por que utilizar o modelo ITIL... O que não é definido não pode ser controlado... O que não é controlado não pode ser medido... O que não é medido não pode ser melhorado Empregado para definir, controlar,

Leia mais

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança.

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança. EMC Consulting Estratégia visionária, resultados práticos Quando a informação se reúne, seu mundo avança. Alinhando TI aos objetivos de negócios. As decisões de TI de hoje devem basear-se em critérios

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso

Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso 1. Muitas organizações estão utilizando tecnologia da informação para desenvolver sistemas

Leia mais

Avaliação da Eficiência Energética do Grande Cliente. Eng. Gilson Nakagaki COPEL Distribuição S.A. Gilson.nakagaki@copel.com

Avaliação da Eficiência Energética do Grande Cliente. Eng. Gilson Nakagaki COPEL Distribuição S.A. Gilson.nakagaki@copel.com 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Avaliação da Eficiência Energética do Grande Cliente Eng. Gilson Nakagaki COPEL Distribuição S.A. Gilson.nakagaki@copel.com RESUMO Em razão da abertura de

Leia mais

Perfil. Nossa estratégia de crescimento reside na excelência operacional, na inovação, no desenvolvimento do produto e no foco no cliente.

Perfil. Nossa estratégia de crescimento reside na excelência operacional, na inovação, no desenvolvimento do produto e no foco no cliente. Institucional Perfil A ARTSOFT SISTEMAS é uma empresa Brasileira, fundada em 1986, especializada no desenvolvimento de soluções em sistemas integrados de gestão empresarial ERP, customizáveis de acordo

Leia mais

Serviços em Nuvem: Oportunidade para Operadoras Parte III

Serviços em Nuvem: Oportunidade para Operadoras Parte III Serviços em Nuvem: Oportunidade para Operadoras Parte III Este artigo introduz os conceitos de computação em nuvem, Cloud Computing, e a insere no contexto de mercado de serviços ao apresenta-la como uma

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: Redes de Computadores MISSÃO DO CURSO Com a modernização tecnológica e com o surgimento destes novos serviços e produtos, fica clara a necessidade de profissionais

Leia mais

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com Quem somos? A BEATRIZ DEHTEAR KM apresenta a seus clientes uma proposta totalmente inovadora para implementar a Gestão do Conhecimento Organizacional. Nosso objetivo

Leia mais

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Sobre esta aula Sistema de informação nos negócios Sistemas de informação no apoio ao processo de tomada de decisão Sistemas colaborativos

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais