As Ferramentas de SCM e o Suporte do CMM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "As Ferramentas de SCM e o Suporte do CMM"

Transcrição

1 As Ferramentas de SCM e o Suporte do CMM Como é que as ferramentas de SCM (Software Configuration Management) podem ajudar na melhoria de processos de acordo com o modelo CMM (Capability Maturity Model)? Este artigo aborda o ponto de vista da Rational. No entanto, o leitor poderá extrapolar para outras ferramentas análogas, ou mesmo para o modelo SPICE (Software Process Improvement and Capability determination), também conhecida por norma ISO/IEC Uma vez que a Rational fornece soluções de desenvolvimento de software, vê-se frequentemente envolvida em actividades de melhoramento de processos, utilizando para isso o modelo CMM for Software (SW-CMM) do SEI (Software Engineering Institute). Evidentemente, as ferramentas de desenvolvimento de software, por si só, não são suficientes para garantir bons níveis de maturidade dos processos, mas podem ajudar. As ferramentas da Rational a que se refere este artigo são as de gestão das alterações e de configurações, ou seja, o ClearCase e o ClearQuest. Estas duas ferramentas são utilizadas em conjunto com a gestão unificada das alterações (ou UCM - Unified Change Management). Recorde-se que a UCM é a abordagem da Rational para a gestão das alterações no desenvolvimento de sistemas de software, desde os requisitos à disponibilização do produto. Isto quer dizer que esta abordagem abarca todo o ciclo de desenvolvimento, definindo a forma de gerir as alterações de requisitos, de modelos de desenho, de documentação, de componentes, de casos de teste e de código fonte. A UCM coloca o enfoque em dois conceitos importantes: actividade e artefacto. Uma actividade é uma porção de trabalho a realizar destinada a provocar avanços no estado do projecto. Uma actividade pode ter origem num assunto levantado numa reunião, num defeito introduzido numa base de dados de defeitos, ou num pedido de melhoria enviado por um cliente. As actividades estão ligadas às funcionalidades e aos requisitos do produto. Um artefacto é um item (normalmente um ficheiro) que deve estar sob controlo de versões. Num nível mais conceptual, os artefactos podem ser requisitos, testes, modelos visuais, código, planos de projecto, etc. Ou seja, podem ser basicamente qualquer item que o projecto precise de gerir e de controlar. Um dos aspectos fortes mais importantes da UCM reside no facto de ligar as actividades utilizadas para planear e acompanhar o progresso dos projectos aos artefactos que estão em constante mudança evolutiva.

2 O que é o CMM O SEI tem estado envolvido no melhoramento de processos de software há cerca de uma década e o seu modelo SW-CMM fornece orientações para a melhoria de processos de software. Estas orientações incluem informação sobre práticas chave da indústria que devem ser implementadas para ajudarem a garantir o sucesso dos projectos de software. O modelo CMM prevê cinco níveis de maturidade: Nível 1. As organizações não têm um ambiente estável para o desenvolvimento e manutenção de software. Nível 2. As organizações dispõem de controlos de gestão de software básicos. Nível 3. As organizações utilizam boas práticas de engenharia de software aquando da standardização dos seus processos de software. Nível 4. As organizações especificam objectivos de qualidade quantitativos, tanto para os produtos de software, como para os processos. Nível 5. As organizações concentram a sua atenção na melhoria contínua dos processos. Actualmente, a maior parte das organizações de software funcionam no Nível 1 de maturidade. Muitas delas pretendem alcançar o Nível 4 e o Nível 5, mas obtêm grandes benefícios nos Níveis 2 e 3 e ficam-se por aí. O modelo SEI SW-CMM divide os cinco níveis de maturidade referidos atrás em áreas de processo chave (ou KPAs Key Process Areas). Por sua vez, estas últimas são ainda divididas em cinco aspectos comuns: Compromisso (commitment) o que tem de ser feito para estabelecer o processo? Capacidade (ability) quais os pré-requisitos necessários para se ser bem sucedido? Actividade (activity) quais as funções, actividades e artefactos que são necessários? Medição (measurement) quais as medições e análises que são necessárias para avaliar o progresso? Verificação (verification) como é que a organização valida a conformidade do processo? É no contexto destes cinco aspectos comuns que o CMM fornece linhas de orientação para a melhoria dos processos de software para todas as KPAs em cada nível. Apesar do CMM fornecer orientações genéricas e alguns exemplos das funções, actividades e artefactos que podem ser utilizados para implementar as práticas chave, deixa que os detalhes de implementação se adeqúem às necessidades específicas daqueles que procuram aumentar a maturidade dos seus processos de software. Esses detalhes incluem a selecção do conjunto de métodos, técnicas e ferramentas mais adequados a implementar, bem como a sua implementação na altura certa e com as pessoas correctas. Para uma maior familiarização com o modelo SW-CMM, convirá visitar o site do SEI em Suporte do CMM pela UCM e pelas ferramentas da Rational Nível 2 De seguida, descreve-se (em linhas gerais) a forma como das ferramentas Rational ClearCase e ClearQuest suportam cada KPA do Nível 2. KPA Gestão de Requisitos. A utilização da UCM com o ClearCase e o ClearQuest fornece suporte CMM sempre que os requisitos de sistema alocados ao software são alterados. Os artefactos do ClearCase afectados pelas alterações têm que ser associados a uma actividade na UCM. Consequentemente, só os documentos e o

3 código afectados, que são agora consistentes com os requisitos actualizados, fazem parte da baseline a ser disponibilizada. KPA Planeamento de Projectos de Software. O plano de desenvolvimento de software de um projecto e as suas alterações podem ser geridas e controladas utilizando o ClearCase e o ClearQuest. Os diagramas de distribuição do ClearQuest podem ser utilizados para ver a quem foram atribuídos os pedidos de alterações (em quantidade e por data), permitindo assim uma boa distribuição e calendarização das actividades pelos recursos. KPA Supervisão e Acompanhamento de Projectos de Software. A utilização do addin Project Tracker do ClearQuest permite que os progressos reportados nesta ferramenta possam ser transferidos automaticamente para o Microsoft Project. Desta forma, um gestor de projecto pode actualizar em qualquer altura o plano de projecto com a informação mais actualizada e fidedigna. Além disso, as alterações aprovadas (objecto de compromissos) que afectam o projecto de software são comunicadas utilizando a funcionalidade de notificação via do ClearQuest. KPA Gestão de Subcontratos de Software. Ao exigir-se que os subcontratados utilizem a UCM com o ClearCase e o ClearQuest, está-se a disponibilizar um suporte significativo para a gestão efectiva do seu progresso ao longo do tempo. Além disso, os ClearCase e ClearQuest Multi-site podem ser utilizados para gerir as configurações e as alterações no caso de subcontratados geograficamente dispersos. KPA Garantia da Qualidade de Software. O plano de garantia da qualidade de software de um projecto e as suas alterações podem ser geridas e controladas através da utilização do ClearCase e do ClearQuest. Este último pode ser utilizado para documentar e acompanhar os desvios identificados nas actividades de software e nos work-products. Estas funcionalidades fornecem uma visibilidade apropriada sobre os produtos que estão a ser construídos. KPA Gestão de Configurações de Software. Detalham-se a seguir mais em pormenor os aspectos desta KPA, uma vez que estão relacionados directamente com as capacidades da UCM, do ClearCase e do ClearQuest. Compromisso Compromisso 1. O projecto segue uma política organizacional escrita para a implementação da gestão de configurações de software. Quando é especificada uma política organizacional para a SCM, podem ser implementadas políticas de nível de projecto na UCM. Esta última inclui um conjunto de políticas de projecto que podem ser adoptadas para reforçar as práticas de desenvolvimento entre os membros de uma equipa de projecto. Com a especificação de políticas podemos melhorar a comunicação entre os membros da equipa de projecto e minimizar os problemas aquando da integração do seu trabalho. Por exemplo, pode-se implementar uma política que exija aos especialistas em desenvolvimento a actualização das suas áreas de trabalho com as baselines mais recentes do projecto antes de disponibilizarem trabalho para o fluxo de integração. As políticas UCM podem ser implementadas tanto a partir do ClearCase como do ClearQuest. Capacidades Capacidade 1. Existe ou está estabelecido um Software Configuration Control Board (SCCB), que tem autoridade para gerir as baselines do projecto de software. A utilização da UCM, do ClearCase e do ClearQuest permite funções SCCB como Gestor de Projecto, Gestor de Controlo de Alterações e Gestor de Configuração. A UCM gere o processo de baseline, controla as baselines estabelecidas pelo SCCB e fornece ao SCCB a informação necessária sobre cada alteração analisada. Capacidade 2. Existe um grupo que é responsável pela coordenação e implementação da SCM para o projecto (ou seja, o grupo SCM).

4 A UCM, o ClearCase e o ClearQuest permitem que os membros do grupo SCM nomeadamente os gestores de projecto e os especialistas em desenvolvimento efectuem a gestão da biblioteca de baselines de software, procedam à geração de relatórios SCM e garantam a manutenção das actualizações para as baselines de software. Capacidade 3. São disponibilizados fundos e recursos adequados para a realização das actividades de SCM. A UCM permite que todas as funções do projecto desenvolvam actividades de SCM. O ClearCase e o ClearQuest gerem essas actividades e os seus artefactos. A informação armazenada nestas ferramentas pode ser utilizada para financiar adequadamente as actividades de SCM. Capacidade 4. Os membros do grupo SCM recebem formação relativamente aos objectivos, procedimentos e métodos para a realização das suas actividades de SCM. Os profissionais com formação Rational disponibilizam educação e formação, soluções de Deployment e QuickStart, consultoria e suporte técnico a nível mundial. O ClearCase e o ClearQuest também disponibilizam funcionalidades de ajuda online e tutoriais para efeitos de aprendizagem. Capacidade 5. Os membros do grupo de engenharia de software e de outros grupos relacionados com software obtêm formação para realizarem as suas actividades de SCM. Aplica-se o mesmo que foi dito na Capacidade 4. Actividades Actividade 1. É preparado um plano SCM para cada projecto de software, de acordo com um procedimento documentado. A Rational disponibiliza várias ferramentas para documentar o plano SCM, incluindo o RUP (Rational Unified Process), o Rose, o ClearCase e o ClearQuest. Estas duas últimas ferramentas fornecem várias funcionalidades que podem ser incorporadas no plano SCM, nomeadamente listas automáticas, gestão do espaço de trabalho pessoal e desenvolvimento paralelo através de ramificações (branching) e fusões (merging) ilimitadas. Actividade 2. É utilizado um plano SCM documentado e aprovado como base para a realização das actividades de SCM. A UCM implementa o plano SCM e fornece evidências de que o plano está a ser concretizado através da utilização de funcionalidades de auditoria, de relatório e de gráficos. Actividade 3. Foi estabelecido um sistema de biblioteca de gestão de configurações como repositório para as baselines de software. O ClearCase fornece um repositório seguro e escalável concebido especificamente para o armazenamento de todos os activos do projecto. Além disso, as suas views dinâmicas fornecem acesso ao repositório com base no estatuto, para garantir que só são acedidos os artefactos relacionados com uma actividade. Actividade 4. Os work-products a serem colocados sob gestão de configurações são identificados. O ClearCase e o ClearQuest não limitam a utilização, o tipo ou a dimensão de qualquer espécie de work-product. O RUP fornece orientações para ajudar na determinação dos work-products de software a serem colocados sob o controlo da gestão de configurações. A UCM permite que os work-products sejam organizados em componentes (grupos de elementos de ficheiros relacionados que são desenvolvidos, integrados e disponibilizados em conjunto). Actividade 5. Os pedidos de alterações e a comunicação de problemas para todos os itens/unidades de configuração são iniciados, registados, analisados, aprovados e acompanhados de acordo com um procedimento documentado. A UCM fornece uma solução integrada para a gestão das alterações. O fluxo de

5 trabalho definido no plano SCM é implementado através de um modelo de estado ClearQuest. A UCM exige que qualquer alteração a um item de configuração seja associada a um pedido de alteração. Além disso, a UCM fornece várias funcionalidades para simplificar a gestão dos pedidos de alterações e dos itens de configuração, incluindo um modelo de estado totalmente costumizável, permissões baseadas em estatuto para controlar o movimento dos pedidos de alterações ao longo do processo SCM e notificação automática de alterações para os estados e campos. Actividade 6. As alterações às baselines são controladas de acordo com um procedimento documentado. A UCM exige que qualquer alteração a um item de configuração seja associada a um pedido de alteração. O pedido de alteração regista o conjunto de ficheiros que são criados ou modificados por um especialista em desenvolvimento para concluir uma tarefa. Os pedidos de alterações que são identificados para disponibilizar são agrupados em baselines. Desta forma, a UCM fornece documentação completa sobre aquilo que está incluído numa versão. Actividade 7. São criados produtos a partir da biblioteca de baselines de software e a sua disponibilização é controlada de acordo com um procedimento documentado. A UCM implementa o plano SCM para permitir o controlo e a documentação de actividades incluídas nas baselines. Estas últimas são testadas para assegurar a qualidade e a fiabilidade dos work-products. Também são atribuídos níveis de promoção para indicar os resultados dos testes. Isto assegura a integridade dos produtos construídos a partir da biblioteca de baselines de software. Actividade 8. O estado dos itens/unidades de configuração é registado de acordo com um procedimento documentado. A UCM exige que qualquer alteração a um item de configuração seja associada a um pedido de alteração. O pedido de alteração regista o conjunto de ficheiros que são criados ou modificados por um especialista em desenvolvimento para concluir uma tarefa. O plano SCM é implementado ao longo do modelo de estado ClearQuest. O estado de cada pedido de alteração é indicado pelo estado conforme registado na base de dados ClearQuest. Esta ferramenta disponibiliza funcionalidades de interrogação (query), de gráficos e de relatórios para monitorizar o estado dos pedidos de alterações. Actividade 9. São criados relatórios standard a documentar as actividades de SCM e os conteúdos da baseline de software. Estes relatórios são disponibilizados aos grupos e indivíduos afectados. O ClearQuest fornece funcionalidades de interrogação, de gráficos e de relatórios para monitorizar o estado das actividades de SCM. Estas queries, gráficos e relatórios são organizados em pastas públicas e privadas. As pastas públicas podem ser partilhadas entre as equipas, ao longo de uma organização, ou de uma empresa. O ClearCase cria e guarda um registo de evento sempre que um elemento é modificado ou fundido. Muitos dos comandos ClearCase incluem opções de selecção e de filtragem que podem ser utilizadas para criar relatórios baseados nesses registos. A abrangência de tais relatórios pode cobrir um único elemento, um conjunto de objecto, ou Versioned Object Bases (VOBs) completas. Actividade 10. As auditorias de baselines de software são conduzidas de acordo com um procedimento documentado. A UCM permite criar baselines. Estas baselines identificam o método em que foi criada a baseline, os pedidos de alterações e uma versão de todos os elementos num ou mais itens de configuração. A baseline representa a configuração completa do sistema nesse ponto. Além disso, os conteúdos de uma baseline podem ser comparados dos os da sua predecessora, ou com os de qualquer outra baseline existente. A UCM também fornece uma funcionalidade de auditoria que permite a monitorização de qualquer função de uma construção de software, ou a criação de um registo de configuração.

6 Medição Medição 1. As medições são efectuadas e utilizadas para determinar o estado das actividades de SCM. O ClearQuest fornece funcionalidades de interrogação, de gráficos e de relatórios para monitorizar o estado das actividades de SCM. Como exemplos de métricas recolhidas out-of-the-box podemos referir o estado (Assigned, Open, Closed), a prioridade, a severidade, a data de submissão, a data de modificação e a resolução. Verificação Verificação 1. As actividades de SCM são analisadas com a gestão sénior periodicamente. A UCM facilita a recolha, organização e apresentação de dados associados às actividades de SCM. Podem ser concebidas queries, gráficos e relatórios com o objectivo de sumariar os dados do projecto para a gestão sénior. Por exemplo, são disponibilizados gráficos que apresentam as tendências das novas actividades versus as actividades já resolvidas. Verificação 2. As actividades de SCM são analisadas com o gestor de projecto de forma periódica e com uma orientação para os eventos. Como já foi referido na Verificação 1, a UCM facilita a recolha, organização e apresentação de dados associados às actividades de SCM. Podem ser concebidas queries, gráficos e relatórios para ajudar a equipa de desenvolvimento a gerir as actividades de SCM. De igual modo, podem ser concebidas queries para recolher informação em intervalos específicos de tempo. Também podem ser activadas notificações por com base em eventos específicos, nomeadamente a introdução de uma nova actividade. Verificação 3. O grupo SCM audita periodicamente as baselines de software para verificar a sua conformidade com a documentação que define essas baselines. Ver a explicação da Actividade 10. Verificação 4. O grupo da garantia da qualidade de software analisa e/ou audita as actividades e os work-products de SCM e comunica os resultados. Ver explicação da Actividade 10. Também convém sublinhar que o processo de auditoria pode ser implementado através da ferramenta ClearQuest. Os registos que acompanham os detalhes da auditoria (incluindo o estado da auditoria) podem ser geridos através do ClearQuest. A documentação, os relatórios e outros artefactos da auditoria podem ser ligados aos registos da auditoria e/ou tornarem-se objecto de versões com o ClearCase. A comunicação do estado da auditoria pode então ser efectuada utilizando as funcionalidades de relatório, de interrogação e de gráficos que são disponibilizadas pelo ClearQuest. Convém notar, no entanto, que estes registos de auditoria especializados não estão incluídos no esquema out-of-the-box do ClearQuest, embora possam ser concretizados utilizando as ferramentas de costumização do ClearQuest. Suporte do CMM pela UCM e pelas ferramentas da Rational Nível 3 A UCM suporta as Práticas Chave do Nível 3 do CMM através da gestão dos artefactos produzidos para um ciclo de vida de software definido. Suporta as KPAs Enfoque do Processo Organizacional, Definição do Processo Organizacional e Programa de Formação porque fornece automação para o processo definido e permite a incorporação das políticas e orientações de SCM enquanto decorre o processo de SCM. Estas ferramentas também suportam as KPAs Gestão de Software Integrada, Engenharia de Produto de Software e Coordenação Intergrupo porque permitem desenvolvimento paralelo e espaços de trabalho pessoais, além de garantirem a integridade do processo SCM. A KPA Análise Conjunta (Peer Review) é suportada porque permitem o acesso fácil aos artefactos de desenvolvimento que estão a ser

7 analisados e reportam o seu estado e progresso. Mais especificamente, um dos pontos fortes do ClearQuest reside na sua capacidade para gerir o impacto das alterações, incluindo o acompanhamento, a medição e o reporting. Esta ferramenta de gestão das alterações permite que uma equipa de projecto, além de recolher os pedidos de alterações, também recolha meta-dados sobre as alterações. Estes meta-dados (por exemplo, magnitude da gravidade e do impacto nos custos), aliados a um modelo bem definido do estado da gestão das alterações, podem conter toda a informação essencial para gerir a eficácia da integração do projecto. Por exemplo, pode ser criada uma métrica de gestão de projecto para recolher o número e a magnitude dos principais impactos adversos não antecipados para o projecto de software, acompanhados ao longo do tempo. Suporte do CMM pela UCM e pelas ferramentas da Rational Níveis 4 e 5 O ClearQuest fornece um conjunto robusto de métricas de projecto para controlar quantitativamente o desempenho do processo de software (Nível 4) e para analisar os defeitos (Nível 5), a fim de se tomarem medidas específicas que possam ajudar a prevenir a ocorrência de futuros defeitos e a optimizar o processo de desenvolvimento de software. Um dos aspectos fortes desta ferramenta tem a ver com o facto de poder ajudar a recolher meta-dados de pedidos de alterações e depois medir e reportar o estado da alteração. Uma equipa de projecto pode recolher detalhes descritivos sobre um defeito, a origem desse defeito e/ou o seu estado corrente no processo correctivo. Se estiverem a ser utilizadas outras ferramentas da solução Rational Suite, então alguma da informação anterior poderá ser recolhida directamente a partir do repositório da solução integrada de ferramentas. Por exemplo, as unidades que contêm o defeito ou o script de teste em que ocorreu o defeito poderiam ter sido identificados com base no repositório de testes da Rational quando o defeito foi escrito no Test Manager. No caso de se utilizarem outras ferramentas, qualquer membro do projecto que utilize a interface Web do ClearQuest poderá introduzir toda esta informação. Uma vez recolhidos os meta-dados, o ClearQuest fornece as queries, os gráficos e os relatórios para monitorar o estado das actividades de SCM através da utilização desses meta-dados (por exemplo, número e gravidade dos defeitos). Apesar da maior parte das métricas deste tipo não serem disponibilizadas out-of-the-box, o ClearQuest vem com funcionalidades de query, de gráficos e de relatórios fáceis de utilizar para a criação de queries de acompanhamento dos defeitos. Podem ser criados gráficos para detalhar os defeitos em função da sua gravidade, bem como para acompanhar o seu estado durante o processo de correcção. As ferramentas da Rational foram concebidas para ajudar as organizações ou os projectos a alcançar todos os níveis de maturidade previstos pelo modelo SEI SW- CMM. Mas apesar das ferramentas Rational ClearCase e ClearQuest, conjuntamente com a UCM permitirem responder às necessidades dos clients em termos de CMM, não existe nenhuma ferramenta que se possa afirmar como a solução para todos os problemas. Baseado no artigo How Rational Configuration and Change Management Products Support the Software Engineering Institute's Software Capability Maturity Model, de Bill Cottrell e John Viehweg, especialistas em engenharia de software na Rational Software.

8 Tel: (+351) / 2 Fax: (+351) Internet:

Os Cinco Níveis de Maturidade na Gestão de Requisitos

Os Cinco Níveis de Maturidade na Gestão de Requisitos Os Cinco Níveis de Maturidade na Gestão de Requisitos Ter maturidade significa ser capaz de ver o contexto e efectuar boas escolhas. No âmbito de uma empresa, significa basear as decisões numa compreensão

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 CMM: DEFINIÇÃO Capability Maturity Model Um modelo que descreve como as práticas

Leia mais

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207 Qualidade de : Visão Geral ISO 12207: Estrutura s Fundamentais Aquisição Fornecimento s de Apoio Documentação Garantia de Qualidade Operação Desenvolvimento Manutenção Verificação Validação Revisão Conjunta

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio do CMM Após várias décadas de promessas não cumpridas sobre ganhos de produtividade e qualidade na aplicação de novas metodologias

Leia mais

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação O funcionamento dos sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas organizações um papel cada vez mais crítico na medida em que

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Início Qualidade de Software Álvaro Rocha amrocha@ufp.pt http://www.ufp.pt/~amrocha Início>Tópicos Tópicos 1. Fundamentos 2. Qualidade e Maturidade do Processo de SW ISO 9000, ISO 12207, SW-CMM, TRILLIUM;

Leia mais

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial 2 PRIMAVERA BSS Qpoint Rumo à Excelência Empresarial Numa era em que a competitividade entre as organizações é decisiva para o sucesso empresarial, a aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance

Leia mais

Ferramentas de Engª de Requisitos

Ferramentas de Engª de Requisitos Análise e Conc epç ão de Sist em as de Inform aç ão )HUUDPHQWDVGH(QJ GH5HTXLVLWRV Carla Ferreira carla.ferreira@dei.ist.utl.pt Ferramentas Genéricas Ferramentas Especializadas Ferramenta (lider de mercado)

Leia mais

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM por Engº João Barata (jbarata@ctcv.pt), CTCV Inovação Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro 1. - INTRODUÇÃO Os sub-sistemas de gestão, qualquer que seja o seu

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

Estudo do CMM e do CMMI

Estudo do CMM e do CMMI Estudo do CMM e do CMMI Autores Félix Carvalho Rodrigues fcrodrigues@inf.ufrgs.br Georgina Reategui gg@inf.ufrgs.br Manuela Klanovicz Ferreira mkferreira@inf.ufrgs.br Motivação Grande quantidade de projetos

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade e Auditorias (Mestrado em Engenharia Alimentar) Gestão da Qualidade (Mestrado em Biocombustívies) ESAC/João Noronha Novembro

Leia mais

GIBDQA: GESTÃO INTEGRADA DE BASES DE DADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA

GIBDQA: GESTÃO INTEGRADA DE BASES DE DADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA GIBDQA: GESTÃO INTEGRADA DE BASES DE DADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA Sandra CARVALHO 1, Pedro GALVÃO 2, Cátia ALVES 3, Luís ALMEIDA 4 e Adélio SILVA 5 RESUMO As empresas de abastecimento de água gerem diariamente

Leia mais

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas Análise de Sistemas Conceito de análise de sistemas Sistema: Conjunto de partes organizadas (estruturadas) que concorrem para atingir um (ou mais) objectivos. Sistema de informação (SI): sub-sistema de

Leia mais

ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa

ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa Neste artigo clarifica-se os objectivos do ILM (Information Life Cycle Management) e mostra-se como estes estão dependentes da realização e manutenção

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

Implemente a sua solução de Gestão de Marketing, Vendas e Serviço de Clientes, em menos de 7 dias.

Implemente a sua solução de Gestão de Marketing, Vendas e Serviço de Clientes, em menos de 7 dias. GoldMine QuickStart Implemente a sua solução de Gestão de Marketing, Vendas e Serviço de Clientes, em menos de 7 dias. O GoldMine é uma ferramenta de gestão da relação com os clientes (CRM-Costumer Relationship

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Business Process Management. A Gestão Colaborativa dos Processos e da sua Performance em QPR

Business Process Management. A Gestão Colaborativa dos Processos e da sua Performance em QPR Business Process Management A Gestão Colaborativa dos Processos e da sua Performance em QPR Quais são os desafios típicos das empresas na Gestão de Processos? > Criar e manter a informação associada aos

Leia mais

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade Introdução Desenvolvido segundo um modelo de bases de dados relacionais, podem ser realizadas personalizações à medida de cada empresa, em conformidade com o Sistema de Informação existente e diversas

Leia mais

Software. A Tecnologia Comanda o Sonho. da investigação para o mercado. Boas Práticas na SCM. SCM e CMM

Software. A Tecnologia Comanda o Sonho. da investigação para o mercado. Boas Práticas na SCM. SCM e CMM Software de Engenharia de Software Agosto 2004 (distribuição gratuita) n.º 16 www.engenharia-software.com Boas Práticas na SCM Quando se implementam novas ferramentas de SCM (Software Configuration Management),

Leia mais

PMBok & CMM + CMMi Resumo

PMBok & CMM + CMMi Resumo PMBok & CMM + CMMi PMBok & CMM + CMMi Resumo Mauro Sotille, PMP mauro.sotille@pmtech.com.br www.pmtech.com.br Fontes SEI/Carnegie Mellon University Apresentação: Gerência de Projetos de Software, José

Leia mais

SIPTEST System Intelligent Process Testing. Estado da arte na prática de testes tendo como referência o CMMI

SIPTEST System Intelligent Process Testing. Estado da arte na prática de testes tendo como referência o CMMI SIPTEST System Intelligent Process Testing. Estado da arte na prática de testes tendo como referência o CMMI SIPTEST - System Intelligent Testing Link Consulting,SA Pág. 0 de 10 Índice 1 Introdução...

Leia mais

CMM - Capability Maturity Model

CMM - Capability Maturity Model Tema da Aula Normas e Padrões de Qualidade em II CMM Prof. Cristiano R R Portella portella@widesoft.com.br CMM - Capability Maturity Model Desenvolvido pelo SEI (Instituto de Engenharia de ) Carnegie Mellon

Leia mais

CMM Capability Maturity Model. Silvia Regina Vergilio

CMM Capability Maturity Model. Silvia Regina Vergilio CMM Capability Maturity Model Silvia Regina Vergilio Histórico O DoD patrocinou a fundação do SEI (Software Engineering Institute) na Universidade de Carnegie Mellon (Pittsburg) com o objetivo de propor

Leia mais

Gestão de Serviços Suporte (Concentra-se na execução do dia-a-dia e no suporte a serviços de TI)

Gestão de Serviços Suporte (Concentra-se na execução do dia-a-dia e no suporte a serviços de TI) Introdução ao ITIL ITIL de Serviços Suporte (Concentra-se na execução do dia-a-dia e no suporte a serviços de TI) Service-Desk de Configurações de Incidentes de Problemas de Alterações de Versões de Serviços

Leia mais

Capítulo 5: CMM, o Capability Maturity Model

Capítulo 5: CMM, o Capability Maturity Model Capítulo 5: CMM, o Capability Maturity Model Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO9000-3 Capítulo 5: CMM Capítulo 6:

Leia mais

Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias

Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias Índice Quem Somos O SGI da AMBISIG; A implementação do SGIDI na AMBISIG; Caso de Sucesso. Quem somos? Somos uma empresa com 16 anos de experiência

Leia mais

CES-32 e CE-230 Qualidade, Confiabilidade e Segurança de Software. Tendências, Perspectivas e Ferramentas de Qualidade em Engenharia de Software (4)

CES-32 e CE-230 Qualidade, Confiabilidade e Segurança de Software. Tendências, Perspectivas e Ferramentas de Qualidade em Engenharia de Software (4) CURSO de GRADUAÇÃO e de PÓS-GRADUAÇÃO do ITA 2º SEMESTRE 2002 CES-32 e CE-230 Qualidade, Confiabilidade e Segurança de Software Eng. Osvandre Alves Martins e Prof. Dr. Adilson Marques da Cunha Tendências,

Leia mais

ISO/IEC 20000 DOIS CASOS DE SUCESSO DE CLIENTES QUALIWORK

ISO/IEC 20000 DOIS CASOS DE SUCESSO DE CLIENTES QUALIWORK ISO/IEC 20000 DOIS CASOS DE SUCESSO DE CLIENTES QUALIWORK A Norma ISO/IEC 20000:2011 Information technology Service management Part 1: Service management system requirements é uma Norma de Qualidade que

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fernando L. F. Almeida falmeida@ispgaya.pt Principais Modelos Capability Maturity Model Integration (CMMI) Team Software Process and Personal Software Process (TSP/PSP)

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009)

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009) CMMI Governo do ES (CESPE 2009) Na versão 1.2 do CMMI, 111 os níveis de capacidade são definidos na abordagem de estágios. 112 os níveis de maturidade são definidos na abordagem contínua. 113 existem seis

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Eneida Rios¹ ¹http://www.ifbaiano.edu.br eneidarios@eafcatu.gov.br Campus Catu 1 Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Conteúdos Fatores humanos de qualidade

Leia mais

efagundes com GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4

efagundes com GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4 GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4 1 CobIT Modelo abrangente aplicável para a auditoria e controle de processo de TI, desde o planejamento da tecnologia até a monitoração e auditoria de

Leia mais

Software da Impressora

Software da Impressora Software da Impressora Acerca do Software da Impressora O software Epson inclui o controlador de impressão e o EPSON Status Monitor 3. O controlador de impressão é um software que permite controlar a impressora

Leia mais

Avisos do Banco de Portugal. Aviso do Banco de Portugal nº 5/2008

Avisos do Banco de Portugal. Aviso do Banco de Portugal nº 5/2008 Avisos do Banco de Portugal Aviso do Banco de Portugal nº 5/2008 Em sede do compromisso para uma "Better Regulation", assumido pelo Conselho Nacional de Supervisores Financeiros, foi proposta, nomeadamente,

Leia mais

Plataforma integrada para testes em arquitecturas orientadas a serviços

Plataforma integrada para testes em arquitecturas orientadas a serviços Plataforma integrada para testes em arquitecturas orientadas a serviços Índice Introdução... 2 A solução... 2 Plataforma Integrada (principais características)... 4 Eliminar limitações à execução de testes

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software

Processo de Desenvolvimento de Software Unidade IV Introdução aos Padrões de PDS Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo da Unidade 1. CMM / CMMI 2. SPICE 3. ISO 12207 4. MPS/BR CMM - Capability Maturity Model CMM Capability

Leia mais

www.asrconsultoria.com.br

www.asrconsultoria.com.br www.asrconsultoria.com.br Garantia da Qualidade de Processo e Produto Direitos de Uso do Material Material desenvolvido pela ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade Ltda. É permitido o uso deste material

Leia mais

WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida

WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida Flagsoft, Lda 2015 Índice 1. Introdução...3 2. Integrador - Interface com o utilizador...4 3. Registo de actividade - Folha de horas...5 4. Agenda e colaboração...7

Leia mais

3 ao Quadrado - Agenda Web

3 ao Quadrado - Agenda Web 3 ao Quadrado - Agenda Web Relatório de Gestão de Projectos de Software - Grupo A - LEIC 2001/2002 http://gnomo.fe.up.pt/gps01a João Montenegro - ei97023@fe.up.pt André Teixeira - ei97024@fe.up.pt Carlos

Leia mais

Manual do Nero ControlCenter

Manual do Nero ControlCenter Manual do Nero ControlCenter Nero AG Informações sobre direitos de autor e marcas O manual do Nero ControlCenter e todo o seu conteúdo estão protegidos pelos direitos de autor e são propriedade da Nero

Leia mais

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação O Business Analytics for Microsoft Business Solutions Navision ajuda-o a ter maior controlo do seu negócio, tomar rapidamente melhores decisões e equipar os seus funcionários para que estes possam contribuir

Leia mais

TRANSIÇÃO DA ISO 9001:2000 PARA ISO 9001:2008 DOCUMENTO SUMÁRIO DE ALTERAÇÕES ALTERAÇÕES QUE PODEM AFECTAR O SISTEMA

TRANSIÇÃO DA ISO 9001:2000 PARA ISO 9001:2008 DOCUMENTO SUMÁRIO DE ALTERAÇÕES ALTERAÇÕES QUE PODEM AFECTAR O SISTEMA TRANSIÇÃO DA ISO 9001:2000 PARA ISO 9001:2008 DOCUMENTO SUMÁRIO DE ALTERAÇÕES A nova norma ISO 9001, na versão de 2008, não incorpora novos requisitos, mas apenas alterações para esclarecer os requisitos

Leia mais

System Quality Assurance

System Quality Assurance System Quality Assurance Visão Reduzir os custos inerentes à existência de defeitos em produção, em sistemas de alta complexidade funcional e de elevada heterogeneidade tecnológica, através de um conjunto

Leia mais

Controlo interno das instituições de auditoria do governo

Controlo interno das instituições de auditoria do governo SEMINÁRIO SOBRE O DESENVOLVIMENTO DE TÉCNICAS DE AUDITORIA 26 27.02.2009 Controlo interno das instituições de auditoria do governo Autor: Lau Tak Kun (Terence) Comissariado da Auditoria de Macau Índice

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno PHC dteamcontrol Interno A gestão remota de projectos em aberto A solução via Internet que permite acompanhar os projectos em aberto em que o utilizador se encontra envolvido, gerir eficazmente o seu tempo

Leia mais

Qualidade de Software Aula 6 / 2010. luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br

Qualidade de Software Aula 6 / 2010. luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br Qualidade de Software Aula 6 / 2010 Prof. Dr. Luís Fernando Garcia luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br Introdução As três dimensões críticas Introdução Começando MAL CMMI Impeditivos CMMI Desculpas CMMI

Leia mais

CR.Doc. Management Platform for Clients and Documents

CR.Doc. Management Platform for Clients and Documents CR.Doc Management Platform for Clients and Documents Agenda Introdução O que é o CR.Doc? Principais funcionalidades Demonstração O que é o CR.Doc? O CR.doc é um novo conceito de Sistema Integrado de CRM

Leia mais

CONCURSO ESCOLAS DA NOVA GERAÇÃO REGULAMENTO

CONCURSO ESCOLAS DA NOVA GERAÇÃO REGULAMENTO CONCURSO ESCOLAS DA NOVA GERAÇÃO REGULAMENTO Enquadramento geral Um dos principais desafios que se colocam à sociedade portuguesa é o do desenvolvimento de uma Sociedade de Informação, voltada para o uso

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos PHC TeamControl CS A gestão de equipas e de departamentos A solução que permite concretizar projectos no tempo previsto e nos valores orçamentados contemplando: planeamento; gestão; coordenação; colaboração

Leia mais

Delfraro Rodrigues Douglas M Gandini José Luiz CMM. Capability Maturity Model

Delfraro Rodrigues Douglas M Gandini José Luiz CMM. Capability Maturity Model Delfraro Rodrigues Douglas M Gandini José Luiz CMM Capability Maturity Model O que é o CMM? Modelo para avaliação da maturidade dos processos de software de uma organização Identificação das práticas chave

Leia mais

Gestão de Configurações II

Gestão de Configurações II Gestão de Configurações II Bibliografia Livro: Software Configuration Management Patterns: Effective Teamwork, Practical Integration Gestão de Projecto 14 Padrões de Gestão Os padrões de gestão de configurações

Leia mais

Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa CURSO DE GPS. Módulo x. (Aula Prática) GPSURVEY. Processamento de Bases GPS.

Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa CURSO DE GPS. Módulo x. (Aula Prática) GPSURVEY. Processamento de Bases GPS. Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa CURSO DE GPS Módulo x (Aula Prática) GPSURVEY Processamento de Bases GPS (Carlos Antunes) INTRODUÇÃO O GPSurvey é o mais recente programa de processamento

Leia mais

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Norma ISO 9000 Norma ISO 9001 Norma ISO 9004 FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO REQUISITOS LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA MELHORIA DE DESEMPENHO 1. CAMPO

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno O módulo PHC dteamcontrol Interno permite acompanhar a gestão de todos os projectos abertos em que um utilizador se encontra envolvido. PHC dteamcontrol Interno A solução via Internet que permite acompanhar

Leia mais

Índice. Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação?

Índice. Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação? Índice Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação? Como efectuar uma operação de confirmação de estimativas? Como aceder ao Serviço de Certificação

Leia mais

O que é CMMI? Base do CMMI. Melhorando o processo é possível melhorar-mos o software. Gerais. Processo. Produto

O que é CMMI? Base do CMMI. Melhorando o processo é possível melhorar-mos o software. Gerais. Processo. Produto Gerais Processo Produto Propostas NBR ISO 9000:2005 define principios e vocabulário NBR ISO 9001:2000 define exigências para sistema de gerência de qualidade NBR ISO 9004:2000 apresenta linha diretivas

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE O modelo CMM Capability Maturity Model foi produzido pelo SEI (Software Engineering Institute) da Universidade Carnegie Mellon (CMU), em Pittsburgh, EUA, por um grupo

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS 1 Necessidade das base de dados Permite guardar dados dos mais variados tipos; Permite

Leia mais

PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL

PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL Regulamento EMAS (EC Nº. 761/2001) A organização deve estabelecer e manter um ou mais procedimento para identificar os aspectos ambientais das suas actividades, produtos

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Qualidade de Software: Visão Geral

Qualidade de Software: Visão Geral Qualidade de Software: Visão Geral Engenharia de Software 1 Aula 05 Qualidade de Software Existem muitas definições de qualidade de software propostas na literatura, sob diferentes pontos de vista Qualidade

Leia mais

Na APCER, o Microsoft Dynamics CRM é central na gestão comercial e na obtenção de indicadores

Na APCER, o Microsoft Dynamics CRM é central na gestão comercial e na obtenção de indicadores Microsoft Dynamics CRM Customer Solution Case Study APCER Na APCER, o Microsoft Dynamics CRM é central na gestão comercial e na obtenção de indicadores Sumário País Portugal Sector Serviços Perfil do Cliente

Leia mais

Manual de actualização passo a passo do Windows 8 CONFIDENCIAL 1/53

Manual de actualização passo a passo do Windows 8 CONFIDENCIAL 1/53 Manual de passo a passo do Windows 8 CONFIDENCIAL 1/53 Índice 1. 1. Processo de configuração do Windows 8 2. Requisitos do sistema 3. Preparativos 2. Opções de 3. 4. 5. 6. 1. Personalizar 2. Sem fios 3.

Leia mais

REFER GESTOR DA INFRAESTRUTURA FERROVIÁRIA PORTUGUESA

REFER GESTOR DA INFRAESTRUTURA FERROVIÁRIA PORTUGUESA REFER GESTOR DA INFRAESTRUTURA FERROVIÁRIA PORTUGUESA 20120717 REFER GESTOR DA INFRAESTRUTURA FERROVIÁRIA PORTUGUESA 1. Refer: Gestor da Infraestrutura Ferroviária 2. Caracterização da Actividade de Manutenção

Leia mais

Processo de Desenvolvimento II. Processo de Desenvolvimento

Processo de Desenvolvimento II. Processo de Desenvolvimento Processo de Desenvolvimento II Processo de Desenvolvimento Street Java Engenharia de Software 2 Capítulo 2 & 3 3 Espiral Barry Bohem 4 Espiral DETERMINAR OBJECTIVOS, ALTERNATIVAS, RESTRIÇÕES Orçamento

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

7 Conclusões. 7.1 Retrospectiva do trabalho desenvolvido. Capítulo VII

7 Conclusões. 7.1 Retrospectiva do trabalho desenvolvido. Capítulo VII Capítulo VII 7 Conclusões Este capítulo tem como propósito apresentar, por um lado, uma retrospectiva do trabalho desenvolvido e, por outro, perspectivar o trabalho futuro com vista a implementar um conjunto

Leia mais

Software Open Source e Integração Contínua no Instituto de Informática Ferramentas de Integração Contínua

Software Open Source e Integração Contínua no Instituto de Informática Ferramentas de Integração Contínua Software Open Source e Integração Contínua no Instituto de Informática Ferramentas de Integração Contínua Janeiro 2015 Área de Desenvolvimento Departamento de Arquitetura e Desenvolvimento Agenda Processo

Leia mais

GESTÃO DOCUMENTAL E FLUXOS DE TRABALHO

GESTÃO DOCUMENTAL E FLUXOS DE TRABALHO GESTÃO DOCUMENTAL E FLUXOS DE TRABALHO 2 GESTÃO DOCUMENTAL VANTAGENS Informação sempre acessível, acesso fácil e rápido Redução do espaço, custos de armazenamento e impressão Redução da duplicação de dados

Leia mais

Indice. Parte I - Um Modelo de Gestão de Projectos. Introdução... 1

Indice. Parte I - Um Modelo de Gestão de Projectos. Introdução... 1 r Indice Introdução.......................................... 1 Parte I - Um Modelo de Gestão de Projectos 1- Características da Gestão de Projectos 11 1.1 Definição de Projecto 11 1.2 Projectos e Estratégia

Leia mais

Acronis Backup & Recovery 10 Server para Linux. Update 5. Guia da Instalação

Acronis Backup & Recovery 10 Server para Linux. Update 5. Guia da Instalação Acronis Backup & Recovery 10 Server para Linux Update 5 Guia da Instalação Índice 1 Antes da instalação...3 1.1 Componentes do Acronis Backup & Recovery 10... 3 1.1.1 Agente para Linux... 3 1.1.2 Consola

Leia mais

F U N D A Ç Ã O E D U C A C I O N A L S Ã O J O S É. MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI)

F U N D A Ç Ã O E D U C A C I O N A L S Ã O J O S É. MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI) 1 MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI) Teresinha Moreira de Magalhães 1 Lúcia Helena de Magalhães 2 Fernando Machado da Rocha 3 Resumo Este trabalho visa apresentar uma

Leia mais

Âmbito dos serviços de controlo de saúde da Compellent

Âmbito dos serviços de controlo de saúde da Compellent Descrição do serviço Controlo de Saúde de SAN Dell Compellent Visão geral do serviço A presente Descrição do Serviço ( Descrição do Serviço ) é celebrada entre si, o cliente ( você ou Cliente ), e a entidade

Leia mais

IBM SmartCloud para Social Business. Manual do Utilizador do IBM SmartCloud Engage e IBM SmartCloud Connections

IBM SmartCloud para Social Business. Manual do Utilizador do IBM SmartCloud Engage e IBM SmartCloud Connections IBM SmartCloud para Social Business Manual do Utilizador do IBM SmartCloud Engage e IBM SmartCloud Connections IBM SmartCloud para Social Business Manual do Utilizador do IBM SmartCloud Engage e IBM SmartCloud

Leia mais

manual instalação e configuração v13 1

manual instalação e configuração v13 1 manual instalação e configuração v13 1 Conteúdo Introdução... 3 Conteúdo do DVD:... 3 Instalação e configuração do ERP... 4 Instalação do ERP... 4 Configuração do ERP... 6 Como actualização de versão...

Leia mais

Planificações 2012/2013. Tecnologias da Informação e Comunicação. 2ºAno. Escola Básica Integrada de Pedome. C E F Apoio à Família e à Comunidade

Planificações 2012/2013. Tecnologias da Informação e Comunicação. 2ºAno. Escola Básica Integrada de Pedome. C E F Apoio à Família e à Comunidade Planificações 2012/2013 Tecnologias da Informação e Comunicação C E F Apoio à Família e à Comunidade 2ºAno Escola Básica Integrada de Pedome Grupo Disciplinar de Informática Planificação a Longo Prazo

Leia mais

ARQUIVO DIGITAL e Gestão de Documentos

ARQUIVO DIGITAL e Gestão de Documentos ARQUIVO DIGITAL e Gestão de Documentos TECNOLOGIA INOVAÇÃO SOFTWARE SERVIÇOS A MISTER DOC foi constituída com o objectivo de se tornar uma referência no mercado de fornecimento de soluções de gestão de

Leia mais

Governo societário de Sistemas de Informação

Governo societário de Sistemas de Informação Governo societário de Sistemas de Proposta de princípios e recomendações para o governo societário de Sistemas de «Governo do Sistema de : O conjunto de práticas relativas à tomada de decisões políticas

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

Direcção Regional de Educação do Algarve

Direcção Regional de Educação do Algarve MÓDULO 1 Folha de Cálculo 1. Introdução à folha de cálculo 1.1. Personalização da folha de cálculo 1.2. Estrutura geral de uma folha de cálculo 1.3. O ambiente de da folha de cálculo 2. Criação de uma

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR. Relatório de auditoria para efeitos de supervisão prudencial das empresas de seguros

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR. Relatório de auditoria para efeitos de supervisão prudencial das empresas de seguros PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Relatório de auditoria para efeitos de supervisão prudencial das empresas de seguros O revisor oficial de contas (ROC) é reconhecido na legislação e regulamentação em vigor

Leia mais

Gestão de Projetos CMMI e outros modelos de referência

Gestão de Projetos CMMI e outros modelos de referência Gestão de Projetos CMMI e outros modelos de referência Autora: Ivanise M. Gomes IO SEPG Manager Mercosur General Motors do Brasil, IS&S Agenda Ø Introdução Ø Visão Estratégica Ø Malcolm Baldrige Ø ISO

Leia mais

PCCRBE 1 - Manual de procedimentos técnicos para a criação de catálogos colectivos

PCCRBE 1 - Manual de procedimentos técnicos para a criação de catálogos colectivos PCCRBE 1 - Manual de procedimentos técnicos para a criação de catálogos colectivos 1. Introdução O objectivo deste documento é a criação de um memorando que sirva de apoio à instalação e manutenção do

Leia mais

OGFI 2015 Group Project BAI07 Primeiro Relatório

OGFI 2015 Group Project BAI07 Primeiro Relatório Primeiro Relatório 62473 Pedro Vasconcelos 63563 Francisco Ferreira 73440 Filipe Correia 74211 Carolina Ferreirinha 82665 Nkusu Quivuna Sumário Este documento é o primeiro relatório de um projeto de análise

Leia mais

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1 Introdução CMMI O propósito da qualidade é estabelecer um diferencial competitivo, através de contribuições como redução de defeitos, redução de custos, redução de retrabalho e aumento da produtividade,

Leia mais

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Uma abordagem voltada para a qualidade de processos e produtos Prof. Paulo Ricardo B. Betencourt pbetencourt@urisan.tche.br Adaptação do Original de: José Ignácio Jaeger

Leia mais

Serviço a Pedido ( On Demand ) da CA - Termos e Política de Manutenção Em vigor a partir de 1 de Setembro de 2010

Serviço a Pedido ( On Demand ) da CA - Termos e Política de Manutenção Em vigor a partir de 1 de Setembro de 2010 Serviço a Pedido ( On Demand ) da CA - Termos e Política de Manutenção Em vigor a partir de 1 de Setembro de 2010 A Manutenção do Serviço a Pedido ( On Demand ) da CA consiste numa infra-estrutura de disponibilidade

Leia mais

Negócios à Sua dimensão

Negócios à Sua dimensão Negócios à Sua dimensão O seu Software de Gestão acompanha-o? O ArtSOFT pode ser a solução de gestão da sua empresa. O ArtSOFT Profissional permite o controlo total sobre a gestão da sua empresa, assegura

Leia mais