COMUNICAÇÃO, TELECOMUNICAÇÃO E PROVEDORES DE ACESSO A INTERNET: UMA TRILOGIA INOVADORA E SEUS ASPECTOS TRIBUTÁRIOS ÁREA TEMÁTICA: TEMA LIVRE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMUNICAÇÃO, TELECOMUNICAÇÃO E PROVEDORES DE ACESSO A INTERNET: UMA TRILOGIA INOVADORA E SEUS ASPECTOS TRIBUTÁRIOS ÁREA TEMÁTICA: TEMA LIVRE"

Transcrição

1 1 COMUNICAÇÃO, TELECOMUNICAÇÃO E PROVEDORES DE ACESSO A INTERNET: UMA TRILOGIA INOVADORA E SEUS ASPECTOS TRIBUTÁRIOS AUTORAS: ÁREA TEMÁTICA: TEMA LIVRE Márcia Josienne Monteiro Chacon Av. Conde da Boa Vista, 1317, apto.404, Boa Vista, Recife/PE Brasil CEP Telefones: (81) CRC/PE /O Magna Regina de Souza Lima Rua Capitão Francisco Ramos, 160 UR4, Recife/PE Brasil CEP Telefone: CRC/PE /P-5 PUBLICAÇÃO/DIVULGAÇÃO : In: VII ENECON. Dias 15 a 17 de junho., 2005, Teresina/PI.. omunicação, Telecomunicação e Provedores de Acesso a Internet: Uma trilogia inovadora e seus aspectos

2 2 RESUMO: As mudanças tecnológicas em curso têm gerado enorme surpresa em todas as áreas do convívio social. Situações ou casos antes tratados como ficção científica já fazem parte do dia-a-dia das pessoas e desafiam os cientistas e técnicos de todas os setores. Quanto ao conhecimento, estamos na fase de perplexidade, de aproximação, de problematização. No futuro, os esforços científicos, terão de aprofundar suas percepções e construir os elementos necessários para que se lide com estas novas realidades, inclusive com a Internet, que de acordo com a economia digital está forçando uma nova maneira de pensar e exigindo novas abordagens do projeto e planejamento empresariais, compelindo os empresários a interagir de uma maneira diferente com seus fornecedores, concorrentes e parceiros. Diante dessas informações, o problema que se apresenta é: qual o entendimento dos usuários da grande rede sobre comunicação, telecomunicação e provedores de acesso a Internet? O objetivo desse estudo foi enumerar conceitos e investigar o conhecimento dos usuários da Internet sobre o assunto e como se comportam em relação à tributação dos provedores. A Teoria da Comunicação tem influenciado o desenvolvimento de diversos ramos do conhecimento humano, principalmente no campo das pesquisas relacionadas com neurologia, tecnologias de mídia, lingüística, psicologia, psiquiatria, teoria das organizações, desenvolvimento dos sistemas de informações, economia, pedagogia, entre outras. Termos como comunicação, telecomunicação e provedores de acesso a Internet são vocábulos que apesar de simples quando postos juntos traduzem uma infinidade de complicações. Conclui-se que grande parte do universo de usuários da Internet possui dúvidas sobre o significado de comunicação, telecomunicação e provedores de acesso a Internet. Para que a taxação de serviços dos provedores de acesso a Internet seja realizada, algumas mudanças na legislação deveram ocorrer, tais como: definição do que seja fato gerador, sujeito ativo e passivo e objeto da causa tributária. PALAVRAS-CHAVE: Provedores de Internet, tributação, serviços de acesso.

3 3 INTRODUÇÃO Diante da nova roupagem econômica, passa-se a testemunhar as transformações radicais na forma de vida que vem sendo evidenciada ao longo dos anos. Destaca-se, entre os vários fenômenos observados e vivenciados, a chamada Revolução da Informação. Expressões como "Era da Informação", "Sociedade da Informação", "Nova Economia", entre outras, anunciam as mudanças em curso, algumas delas tão-somente na sua fase inaugural. É importante destacar que a informação sempre esteve presente na sociedade humana. Portanto, a revolução da Informação não fez surgir nada de novo como a codificação ou armazenamento e a transmissão da informação. Entretanto, este fenômeno está modificando profundamente as formas de existência, produção, posse, propriedade e transmissão da mesma. As mudanças tecnológicas em curso têm gerado enorme surpresa em todas as áreas do convívio social. Afinal, situações ou casos antes tratados como ficção científica já fazem parte do dia-a-dia das pessoas e desafiam os cientistas e técnicos de todas os setores. As considerações realizadas neste trabalho são parciais. Conspiram contra elas a complexidade, a novidade e a vertiginosa velocidade das mudanças. Assim, quanto ao conhecimento, estamos na fase de perplexidade, de aproximação, de problematização. No futuro, inexoravelmente, os esforços científicos, terão de aprofundar suas percepções e construir os elementos necessários para que se lide com estas novas realidades, inclusive com a Internet, que de acordo com a economia digital está forçando uma nova maneira de pensar e exigindo novas abordagens do projeto e planejamento empresariais, compelindo os empresários a interagir de uma maneira diferente com seus fornecedores, concorrentes e parceiros. Diante dessas informações, o problema que se apresenta é: qual o entendimento dos usuários da grande rede sobre comunicação, telecomunicação e provedores de acesso a

4 4 Internet? Dessa forma, o objetivo desse estudo é enumerar conceitos e investigar o conhecimento dos usuários da Internet sobre o assunto e como se comportam em relação à tributação dos provedores. Para alcance do objetivo geral, são estabelecidos três objetivos específicos: 1) identificar o significado dos vocábulos comunicação, telecomunicação e provedores de acesso a Internet; 2) analisar a questão da tributação dos provedores de acesso à internet sob as óticas do ICMS e do ISS; e 3) observar como se interpretam os usuários desses serviços e qual sua opinião através de um questionário fechado direcionado a 300 usuários. O trabalho está dividido em quatro seções. Após esta introdução, apresentam-se as características da Internet, seu início e expansão. A seção dois traz o referencial sobre Comunicação, Telecomunicação e Provedores de acesso a Internet. Na seção três questiona-se a tributação dos provedores de acesso a Internet e apresentam-se os resultados do questionário enviado aos usuários de serviços da Internet. A última seção traz as considerações e recomendações finais sobre as explorações do estudo. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA A internet A Internet surge por volta de Nesse momento o propósito era conectar a Arpanet - Advanced Research and Projects Agency, Agência norte-americana a quatro universidades. Mudanças relacionada a grande rede que ora surgia possibilitando a interligação de várias universidades ocorreu nos anos seguintes. A proposta inicial era que se algo acontecesse a uma dessas redes, ou circuitos, o restante deveria funcionar normalmente, dessa forma não acarretaria perda de informações. Marcellos (2004) esclarece que o caminho seguido pela Internet ao longo do tempo foi: a) Primeiras redes: Arpanet; b) Redes internacionais: ESNET, NSFNET, Ebone; c) Múltiplas redes internacionais: internet;

5 5 d) Redes internacionais multifuncionais. No Brasil, a internet surge em meados de 1988, também com objetivos acadêmicos. A partir de 1993 a Internet deixa o campo acadêmico e ruma para a exploração comercial. O vocábulo Internet, ainda novo, apesar de sua longa trajetória, praticamente não possui definição nos dicionários brasileiros. O Ministério das Comunicações através da Portaria 148 de 31/05/1995 define como sendo: o nome genérico que designa o conjunto de redes, os meios de transmissão e comutação, roteadores, equipamentos e protocolos necessários à comunicação entre computadores, bem como o softwere e os dados contidos nestes computadores. Através de telefones, computadores, televisões, microfones, qualquer pessoa tem acesso à internet. Para Marcellos (2004) a Internet está submetendo todos os ramos da economia a uma mudança fundamental, na forma de realizar negócios, sendo isso resultado de uma revolução, fruto dos instrumentos integrados de gestão que ligam compradores e vendedores em uma única e complexa rede. As empresas precisam trabalhar e necessitam de maior agilidade em suas decisões junto a fornecedores e alguns casos também vale considerar interligações junto a concorrentes, respondendo dessa forma às mudanças de mercado. A relação social está sendo influenciada pelas relações tecnológicas e econômicas, sob essa ótica, a Internet facilita a comunicação entre todos os seres. A Comunicação Nos dias de hoje, definir comunicação não é tarefa muito fácil. Poderia-se dizer que é uma notícia ou algum tipo de aviso que uma pessoa faz para outra. A Teoria da Comunicação de acordo com Lima, Chacon e Vasconcelos (2004) é uma das abordagens das metodologias de pesquisa que ocupa posição relevante visto que não tem sentido emitir determinadas demonstrações se não for para informar e estas não forem

6 6 utilizadas satisfatoriamente pelos usuários. Essa teoria foi desenvolvida por Claude Shannon (1949), sob abordagem matemática para solucionar problemas referentes à transmissão de sinais no campo das telecomunicações, e pode auxiliar na compreensão da forma sistêmica em determinados processos. A referida teoria apresenta os seguintes elementos, conforme modelo gerado por Shannon: fonte, emissor, mensagem, canal e receptor, que podem contribuir para eficácia do processo de comunicação. Smith (apud DIAS FILHO, 2001) destaca que a Teoria da Comunicação tem influenciado o desenvolvimento de diversos ramos do conhecimento humano, principalmente no campo das pesquisas relacionadas com neurologia, tecnologias de mídia, lingüística, psicologia, psiquiatria, teoria das organizações, desenvolvimento dos sistemas de informações, economia, pedagogia, entre outras. Cada componente que constitui o processo de comunicação pode influenciar o grau de fidelidade atingido na transmissão da mensagem. No entanto, segundo o autor, em termos de influência sobre a eficiência geral do processo, o receptor é o elemento crítico. Ao ponderar tal assertiva, percebe-se que o nível de entendimento do usuário para a decodificação da mensagem é o fator maior (...) na mesma obra, destaca o quão imprescindível é que o receptor compreenda o código empregado na mensagem, do contrário, o esforço ao preparar e enviá-la terá sido inútil. Segundo Bloomfield (apud DIAS FILHO, 2001): A preocupação com o receptor é um princípio orientador para qualquer fonte de comunicação[...] quando a fonte escolhe um código para mensagem, deve escolher um que seja conhecido do receptor. [...] a única justificativa para a existência da comunicação é o receptor, o alvo ao qual tudo é destinado. Nesse contexto, para que se consiga fornecer para o usuário, devidamente identificado, quanta informação solicita e qual a finalidade do uso da informação faz-se necessário ainda muita pesquisa. A fim de que se possa saber o nível de conhecimento do usuário a respeito das informações que deseja receber. De acordo com Vasconcelos e Viana (2002) o conhecimento é o contexto maior da informação. Desta forma, é imprescindível que se lance mão da reflexão sobre a qualidade do

7 7 preparo do usuário (seu background), bem como seus interesses para que a colisão de objetivos logre êxito. Segundo Libonati e Souto Maior (1996) dentro da perspectiva da Teoria da Comunicação, o produto do sistema de informação constitui o canal ou veículo de comunicação com seu meio ambiente sócio-econômico. A sua análise (ou interpretação) deve propiciar aos diversos agentes econômicos (usuários), que interagem com o meio, tomadas de decisões relevantes. O esquema que segue representa como se dá o ciclo da comunicação. CANAL DE COMUNICAÇÃO EMISSOR MENSAGEM RECEPTOR RUÍDO FEEDBACK Fonte: Souto Maior (1994) A partir do esquema observa-se ainda o elemento ruído que pode distorcer a informação ocasionando uma comunicação falha. Necessário se faz conhecer alguns tipos de ruídos, que no nosso caso são característicos e próprios das grandes redes que compõem o complexo Internet. Nos dicionários o vocábulo comunicação quer dizer: aviso, notícia, comunicado, participação, amizade, convivência, intimidade. Ex: É plebeu, mas tem comunicação com a nobreza. Acesso, passagem, corredor.

8 8 A Constituição Federal Título VIII, Capítulo V, declara, ao cuidar da comunicação social em seu artigo 220, que: A manifestação do pensamento, a criação, a expressão e a informação, sob qualquer forma, processo ou veiculo não sofrerão qualquer restrição, observado o disposto nessa Constituição. Sob essa ótica, existe uma denotação que a comunicação a que se refere corresponde a veiculação de idéias, mensagens, informações ou relacionamentos entre pessoas. O veiculo de comunicação, pois, podem ser o mais variado possível, cartas, periódicos, livros, revistas, jornais, televisão, Internet, ligações telefônicas e as mais diversas formas de telecomunicações. Diante do expostos já se pode ter uma idéia formada do que seja comunicação, porém qual o significado do termo serviço de comunicação contido no artigo 155 da constituição federal? Art. 155, compete aos Estados e ao Distrito Federal instituírem impostos sobre :... II. Operações relativas à circulação de mercadorias e sobre prestações de serviços de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação, ainda que as prestações se iniciem no exterior. A luz do artigo acima qual serviço de comunicação pode ser tributado pelo ICMS? Na linguagem dos que escreveram o direito econômico, o espírito da economicidade é o que justifica a incidência. Se alguém escreve um bilhete ou uma simples carta contendo dizeres de sua própria vida, ou um convite de aniversário e pede para um mensageiro entregar, não estaria caracterizando um serviço de comunicação, pois, não basta a comunicação, é necessário haver a prestação de serviço para que a comunicação exista, e que pode, conforme os enunciados acima, incorrer na incidência do tributo.

9 9 A Telecomunicação De acordo com Marcellos (2002) O legislador federal exerceu a aludida competência constitucional ao editar a Lei n. 9472, de 16 de junho de 1997, a denominada Lei Geral de Telecomunicações LGT. Portanto, essa é a norma competente que deve pautar o trabalho interpretativo em questão. A lei das telecomunicações é quem cabe decidir quais sejam os serviços de comunicação. Um serviço que for vinculado ao segmento de comunicação, mas não configurar serviço de telecomunicação, poderia ser incidido pelo ICMS, bastando que o legislador o considere serviço de comunicação, embora não represente serviço de telecomunicação. A Lei de telecomunicações em seu artigo 60 define quais são os serviços de telecomunicações: Art. 60 Serviço de telecomunicações é o conjunto de atividades que possibilita a oferta de telecomunicação. 1º Telecomunicação é a transmissão, emissão ou recepção, por fio, radioeletricidade, meios ópticos ou qualquer outro processo eletromagnético, de símbolos, caracteres, sinais, escritos, imagens, sons ou informações de qualquer natureza. 2º Estação de telecomunicações é o conjunto de equipamentos ou aparelhos, dispositivos e demais meios necessários à realização de telecomunicação, seus acessórios e periféricos, e, quando for o caso, as instalações que as abrigam e complementam, inclusive terminais portáteis"; A LGT define, em seu artigo 60, serviço de telecomunicações como o conjunto de atividades que possibilita a oferta de telecomunicação, através de diversas de qualquer natureza e define a estação de telecomunicação como o conjunto que suporta essa atividade.

10 10 De acordo com essa Lei, afasta-se a interpretação de que se um serviço for vinculado ao segmento de comunicação, mas não configurar serviço de telecomunicação, poderia ser incidido pelo ICMS, bastando que o os responsáveis pelas leis estaduais considerasse serviços de "comunicação". Assim, se o serviço estiver vinculado ao setor de telecomunicação, mas não for considerado serviço de telecomunicação por quem tem competência de definição fiscal, não será serviço de comunicação. Ou são serviços de telecomunicações, por estarem vinculados a telecomunicações, ou não são meios de comunicação. De acordo com Martins (2002) presta serviço de comunicação não aquele que participa da própria relação comunicativa, mas sim aquele que realiza uma atividade consistente em dar condições materiais para que uma relação comunicativa se instaure. Ou seja, presta o serviço àquele que cuida de fornecer a infra-estrutura seja mecânica, eletrônica e/ou técnica para a comunicação, instalando equipamentos e sistemas que permitam essa relação. Pode-se exemplificar, neste caso, os serviços de telefonia e telegrafia. Os provedores de acessos à internet De acordo com Marcellos (2004) não há um consenso sobre a classificação de provedores, vistos que muitas vezes estes se encaixam em mais de uma definição, classificando-se em: provedor de acesso a Internet; provedor de hospedagem; provedor de ; provedor de conteúdo; provedor de backbone. Podem-se considerar os provedores de acesso a Internet, como sendo as instituições que se conectam a Internet, disponibilizando o acesso a terceiros. Quando a pessoa se conecta a Internet o provedor de acesso atribui um endereço conhecido como IP- Internet Protocol, criando com isso um arquivo que identifica a pessoa que está ligada aquela porta.

11 11 Para Marcellos (2004) provedores de acesso são viabilizadores da ligação de usuários com a rede, ou seja, liberadores do espaço virtual (...) os serviços prestados pelos provedores de acesso a internet são considerados como serviços de monitoramento do acesso do internauta à rede, onde os provedores colocam à disposição softweres e equipamentos que irão proporcionar a sua navegação pelo sistema. O funcionamento da rede não é uma tarefa muito fácil. A partir do momento em que uma pessoa solicita a conexão, partes diversas que fazem girar os negócios na Internet entram em movimentos rápidos, interligados através de pequenas partes constituindo um verdadeiro sistema. Bio (apud CATELLI, 1999) define sistema como sendo um conjunto de elementos interdependentes, ou um todo organizado, ou partes que interagem formando um todo unitário e complexo. Como partes desse complexo sistema, pode-se enumerar a partir do provedor: a hospedagem; roteador; serviço Web; servidor de aplicação; servidor de banco de dados; sistema de armazenamento; segurança contra ataques, invasões e roubo de dados; atendimento a clientes e jogos de marketing; publicações; integração de aplicações; logística, entre outras. Quando se inicia uma mensagem, as partes são conectadas de tal forma que nada se perca no caminho, criando um pacote de informações, que assume uma seqüência até que esse pacote seja entregue ao seu destino, ou seja, o receptor da mensagem. A LGT define, em seu artigo 60, serviço de telecomunicações como o conjunto de atividades que possibilita a oferta de telecomunicação, que, por sua vez, pode ser considerada como a transmissão, emissão ou recepção, por fio, radioeletricidade, meios ópticos ou qualquer outro processo eletromagnético, de símbolos, caracteres, sinais, escritos, imagens, sons ou informações de qualquer natureza ( 1º do art. 60). O serviço prestado pelo provedor de acesso à Internet, que consiste em conectar o usuário à rede mundial, depende da anterior prestação de um serviço de telecomunicação que

12 12 pode ser telefonia ou cabo, que sem esse sustentáculo a comunicação não será eventualmente realizada. Em seu art. 61 a LGT determina do que são os provedores: Art. 61 Serviço de valor adicionado é a atividade que acrescenta, a um serviço de telecomunicações que lhe dá suporte e com o qual não se confunde, nova utilidade relacionada ao acesso, armazenamento, apresentação, movimentação ou recuperação de informações. 1º Serviço de valor adicionado não constitui serviço de telecomunicações, classificando-se seu provedor como usuário do serviço de telecomunicações que lhe dá suporte, com os direitos e deveres inerentes a essa condição. 2º É assegurado aos interessados o uso das redes de serviços de telecomunicações para prestação de serviços de valor adicionado, cabendo à Agência, para assegurar esse direito, regular os condicionamentos, assim como o relacionamento entre aqueles e as prestadoras de serviços de telecomunicações. Sob esse aspecto, convém lembrar que a competência para legislar sobre esta matéria é privativa da União, não cabendo aos Estados definir quais são os meios de telecomunicação. Ocorre que a lei de telecomunicações, claramente, exclui os serviços prestados pelos provedores como serviços de telecomunicação, em seu artigo 61, 1º, quando se refere a estes como serviços adicionais, auxiliares, mas não são serviços de telecomunicação, como não o seriam todos aqueles prestados como suporte às telecomunicações, desde a limpeza desses estabelecimentos, quando terceirizados, até aqueles enunciados no dispositivo acima. Sob essa visão pode se considerar os provedores de acesso à internet como sujeitos passivos do ICMS? Ou do ISS? É necessário que se observe sob que âmbito encontra-se o provedor e este permite distinguir claramente qual o ambiente em que se dá a transmissão da mensagem.

13 13 ICMS ou ISS, eis a questão! Castro (2004) citando o Ministro Pertence, esclarece que o conceito de mercadoria efetivamente não inclui os bens incorpóreos, como os direitos em geral: mercadoria é bem corpóreo objetos de atos de comércio ou destinados a sê-lo (...) bem incorpóreo sobre o qual, não se cuidando de mercadoria, efetivamente não pode incidir o ICMS... Primeiro, devemos ressaltar uma incongruência entre a premissa destacada e a conclusão da decisão tomada. Com efeito, se somente a mercadoria, como bem corpóreo, pode sofrer a incidência do ICMS, então, no software de prateleira, composto pela base física e pelas instruções de programação (em arquivos magnéticos), a tributação estaria recaindo sobre o substrato material. Ocorre que o valor da base física é ínfimo, praticamente desprezível, na composição final do preço do produto exposto à venda. Portanto, a incidência tributária efetivamente deve ser dirigida para a parte predominante e substancial do software de prateleira, ou seja, os programas residentes nos arquivos magnéticos (...) no caso do conceito de "mercadoria", sua referência mais remota no campo do direito privado, encontrada no art. 191 do Código Comercial editado no século passado, já contemplava elementos não tangíveis, buscando abarcar todos os objetos do comércio independentemente da forma. Este, inclusive, é o sentido mais corrente e adequado para a idéia de mercadoria: aquilo que é objeto de compra ou venda ou aquilo que se comprou e que se expõe à venda. Portanto, a mercadoria virtual, ente não palpável, pode e deve ser aceita como objeto do chamado comércio eletrônico para efeitos de tributação. Em junho de 2001 o Supremo Tribunal de Justiça STJ - decidiu que os provedores que comercializam o acesso a Internet deveriam recolher o ICMS Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços, caracterizando que esses provedores estão prestando serviços de comunicação e por isso devem recolher o ICMS. Dessa forma, os provedores de acesso gratuito ficaram de fora, pois, o imposto só deveria incidir sobre a prestação de serviço oneroso, o que não era o caso destes. Em junho de 2003, o mesmo STJ, decidiu que os provedores não deveriam recolher o ICMS. Marcellos (2004) comenta o parecer da 2ª. Turma do STJ:

14 14 O conceito de comunicação contido na Constituição Federal, para efeito de tributação do ICMS, é restrito, por envolver apenas o serviço de comunicação (...) A restrição conceitual é óbvia, porque se assim não fosse, seria fonte geradora do ICMS o fato de alguém se comunicar com outrem pela palavra escrita ou falada (...) os provedores agem como monitores ou facilitadores do usuário, colocando a disposição de seus clientes equipamentos e softwares que dão acesso e facilitam a utilização do sistema. Mas, em verdade, são ambos, provedores e usuários tomadores de serviços de comunicação, cujo suporte maior e imprescindível é o serviço de telecomunicação. Excluindo a hipótese do pagamento do ICMS resta ainda o entendimento de que o provedor de acesso a Internet poderia pagar o ISS, embora essa questão só seria resolvida a posteriori pelo Supremo Tribunal Federal. Partindo desse pressuposto a lei que regula o ISS necessitaria ser taxativa, se somente os serviços elencados no rol da lei são incidentes do ISS e se serviços que determinadas atividades são excluídas da cobrança pelo Estado, os municípios talvez, partindo da interpretação do parecer da segunda turma do STJ possa incluir mais esse serviço em sua lista de cobranças, desde que estes serviços possuam características próximas ao já elencados na referida lista. Aplicação da pesquisa empírica Após verificar que termos como comunicação, telecomunicação e provedores de acesso a Internet são vocábulos que apesar de simples quando postos juntos traduzem uma infinidade de complicações e quando se refere ao fato de ser ou não tributados os provedores, objetos desse estudo, houve a necessidade de sair à procura de identificar se as pessoas, que utilizam esses serviços, sabiam o que significavam os vocábulos referidos e se concordavam ou não com a sua tributação e qual tipo, se ICMS ou ISS. Para responder ao questionário, composto de apenas cinco perguntas fechadas, foram escolhidas pessoas que possuíssem prática tributária contadores -, vivenciassem a legislação tributária advogados e se utilizassem da Internet internautas. As questões foram enviadas por com a informação de que não seria necessário que se identificassem e que seus endereços eletrônicos seriam mantidos em sigilo por uma questão de ética.

15 15 O universo da pesquisa constou de 300 entrevistados, onde 100 (cem) questionários foram direcionados para contadores, dos quais obteve-se resposta de 45 o que corresponde a 45%; outros 100 (cem) foram direcionados a advogados, obtendo-se resposta de 33 questionários, o correspondente a 33% e mais 100 (cem) foi distribuído aleatoriamente entre internautas, dos quais foram recebidos 25 questionários, correspondentes a 25%. Do total de 300 questionários enviados, obteve-se 103 respostas. As questões eram bem simples e fechadas apenas com o intuito de observar o nível de conhecimento dos entrevistados. Todos os questionários foram enviados pela Internet. As respostas constam como nos quadros abaixo: I.A palavra Comunicação significa: Contadore s Advogados Internautas É uma notícia ou algum tipo de aviso que uma pessoa envia para outra. Para que exista é necessário os seguintes elementos, fonte, emissor, mensagem, canal e receptor. É a manifestação do pensamento, a criação, a expressão e a informação, sob qualquer forma, processo Aviso, notícia, mensagem, comunicado. 3 5 Refere-se à veiculação de idéias, mensagens, informações ou relacionamentos entre pessoas TOTAL

16 16 II.O termo Telecomunicação quer dizer: Contadore s Advogado Internautas O conjunto de atividades que possibilita a oferta de telecomunicação É tudo que é suportado por aparelhos telefônicos ou televisivos É a transmissão, emissão ou recepção, por fio, radioeletricidade, meios ópticos ou qualquer outro processo eletromagnético. É o conjunto de equipamentos ou aparelhos, dispositivos e demais meios necessários à realização de telecomunicação, seus acessórios e periféricos, e, quando for o caso, as instalações que as abrigam e complementam, inclusive terminais portáteis. É a transmissão de símbolos, caracteres, sinais, escritos, imagens, sons ou informações de qualquer natureza TOTAL III.O que são Provedores de acesso a Internet? Contadore s Advogados Internaut as São viabilizadores da ligação de usuários com a rede, ou seja, liberadores do espaço virtual. Serviço de valor adicionado, acrescentando um valor ao serviço de telecomunicações que lhe dá suporte e com o qual não se confunde. É o serviço prestado que consiste em conectar o usuário à rede mundial. São as instituições que se conectam a Internet, disponibilizando o acesso a terceiros. É conjunto de atividades que possibilita a oferta de telecomunicação TOTAL

17 17 IV.Os Provedores de acesso a Internet são tributados? Contadores Advogados Internautas Sim Não TOTAL V.Se a resposta (4) for sim, por qual imposto? Contadores Advogados Internautas ICMS ISS TOTAL Após a pesquisa, observa-se que a diversidade de opiniões não só a questão a tributação por ser um assunto relativamente novo, como também relacionado ao significado, ou seja, o que se entende por comunicação, telecomunicação e provedores de Internet são respostas consideravelmente diferenciadas.

18 18 CONCLUSÃO Essa nova economia onde se apóia a era digital encontra obstáculos sobre os quais ainda deverá passar uma boa parte de tempo. No Brasil, a quantidade de impostos e tributos que são pagos pelos contribuintes aparece como uma grande carga, sem considerar a legislação que de tão extensa, vez por outra, obrigam contribuintes a interpretações errôneas e com isso conseqüências outras surgem sem que seja a correta. Conclui-se que uma grande parte do universo de usuários da Internet possui dúvidas sobre o significado de comunicação, telecomunicação e provedores de acesso a Internet. Um percentual ínfimo considera que os provedores deveriam ser tributados. Ao se considerar a legislação na forma em que se encontra poder-se-ia dizer que, os provedores de acesso a Internet não estão sujeitos ao ICMS e nem ao ISS, visto que a lista taxativa de serviços não prevê a atividade exercida pelos provedores de acesso como tributável e elencada. Não sendo, pois, serviços de telecomunicações, mas apenas adicionais, auxiliares dos serviços de comunicação, a utilização de veículo do provedor, ou seja, da linha telefônica, é tributada, por ser serviço de telecomunicação, não estão sujeitos ao ICMS e, por não constarem da lista de serviços, não estão também sujeitos ao ISS. As prefeituras não poderiam cobrar o Imposto Sobre Serviços (ISS) dos provedores de acesso à Internet porque os serviços que prestam aos seus clientes não estão expressamente previstos na legislação tributária. Para que a taxação de serviços dos provedores de acesso a Internet seja realizada, algumas mudanças na legislação deverão ocorrer, tais como: definição do que seja fato gerador, sujeito ativo e passivo e objeto da causa tributária.

19 19 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ARANZA, Roque. ICMS. São Paulo. Malheiros, BEIJA, Osvaldo Bispo de. Tópicos específicos do ICMS referentes ao comércio eletrônico. Palestra. Seminário Internacional Comércio Eletrônico e Tributação. Dia 13 de junho de ESAF. Brasília-DF. BRANCO, Fábio Gonçalves Castelo. A incidência do ICMS sobre os serviços de comunicação prestados pelos provedores de acesso à Internet. Artigo. Disponível em: Acesso em 12/12/2004. BRASIL, Constituição Federal do Brasil., Código Tributário Nacional., Decreto-Lei nr , Legislação do ICMS de Pernambuco., Ver decreto do ISS de Recife., Portaria 148/95, do Ministro do Estado das Comunicações., Lei 9.472/1997. Lei Geral das Telecomunicações. CATELLI, Armando (Organizador). Controladoria Uma abordagem da gestão econômica Gecon FIPECAFI. São Paulo. Atlas, DIAS FILHO, José Maria. A Linguagem Utilizada na Evidenciação Contábil: Uma análise de sua compreensibilidade à luz da Teoria da Comunicação. Revista Contabilidade & Finanças FIPECAFI FEA- USP, São Paulo, v.13, n. 24, p , jul/dez

20 20 GRECO, Marco Aurelio. Internet e Direito. Editora Dialética. São Paulo GUSMÃO, Cláudia Regina. Parecer PGFN/CAT/Nº 1.093/97. Disponível em: Acesso em: 12/12/2004. LIMA, MAGNA REGINA. CHACON, MÁRCIA JOSIENNE MONTEIRO. VASCONCELOS, MÉRCIA MARIA FERNANDES. Uma proposta para melhor visualização das prestações de contas municipais: Uma abordagem a partir das teorias da comunicação e semiótica. XVII Congresso Brasileiro de Contabilidade. Santos, LOBO, C. A. da Silveira. Tributação do software de prateleira. Artigo. Revista Consulex nº MARTINS, Ives Gandra da Silva. Tributação na Internet. Jus Navigandi, Teresina, a.6, n.57, jul Disponível em: Acesso em 26/11/2004. A reforma da constituição: em defesa da revisão constitucional. Fev, Disponível em: Acesso em 26/11/2004. MARCELLOS, Paulo Sérgio. Aspectos tributários do comércio eletrônico (e-commerce) e a visão do OCDE sobre sua tributação. XVII Congresso Brasileiro de Contabilidade. Santos. Out/2004., A figura do auditor fiscal tributário frente ao e-commerce. XVII Congresso Brasileiro de Contabilidade. Santos. Out/2004. SOUTO MAIOR, Verônica Cunha. A evidenciação da informação contábil e o processo de análise de investimentos. Trabalho de Conclusão de Curso. Recife. UFPE: 1994.

CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO. Por Leonardo Mussi da Silva

CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO. Por Leonardo Mussi da Silva CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO Por Leonardo Mussi da Silva Evolução do sistema telefônico como tudo começou 1875 Alexander Graham Bell e Thomas Watson, em projeto dedicado a telegrafia, se depararam com

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Incidência Tributária sobre operações comerciais envolvendo software Fabiano Pereira dos Santos I Introdução; II Conceito de software; III A questão tributária; IV - Jurisprudência;

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça EMBARGOS DE DIVERGÊNCIA EM RESP Nº 456.650 - PR (2003/0223462-0) RELATOR : MINISTRO JOSÉ DELGADO R.P/ACÓRDÃO : MINISTRO FRANCIULLI NETTO EMBARGANTE : ESTADO DO PARANÁ PROCURADOR : CÉSAR AUGUSTO BINDER

Leia mais

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 ASPECTOS HISTÓRICOS Em passado remoto, o Estado de São Paulo tentou instituir a cobrança do ICMS na importação de mercadorias e o fez por decreto.

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E ANALISTA (EXCETO PARA O CARGO 4 e 8) GABARITO 1. (CESPE/2013/MPU/Conhecimentos Básicos para os cargos 34 e 35) Com a cloud computing,

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador FLEXA RIBEIRO

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador FLEXA RIBEIRO PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA, sobre o Projeto de Lei do Senado n 501, de 2013 Complementar, que altera a Lei Complementar n 116, de 31 de

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Locacao de Bens Moveis

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Locacao de Bens Moveis Locacao 03/04/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1. Lei Complementar 116/2003... 3 3.2. Mensagem 362/2003... 4 3.3.

Leia mais

A TRIBUTAÇÃO DOS SERVIÇOS PRESTADOS PELAS PROVEDORAS DA INTERNET

A TRIBUTAÇÃO DOS SERVIÇOS PRESTADOS PELAS PROVEDORAS DA INTERNET A TRIBUTAÇÃO DOS SERVIÇOS PRESTADOS PELAS PROVEDORAS DA INTERNET ELIANA CALMON ALVES Ministra do Superior Tribunal de Justiça A Constituição Federal determina que sobre a prestação de serviços de comunicação

Leia mais

VOIP e o ICMS-comunicação

VOIP e o ICMS-comunicação VOIP e o ICMS-comunicação Elaborado em 02.2007. Fernando Awensztern Pavlovsky Bacharel em Direito pela Fundação Armando Álvares Penteado. Especialista em Direito Tributário pela Pontifícia Universidade

Leia mais

Fato gerador do ISS. Kiyoshi Harada*

Fato gerador do ISS. Kiyoshi Harada* Fato gerador do ISS Kiyoshi Harada* Este é um tema aparentemente pacífico, mas na prática vem causando muitas dúvidas. senão confusões. Façamos considerações pertinentes para melhor explicitar o aspecto

Leia mais

TÍTULO: "COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR"

TÍTULO: COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR TÍTULO: "COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR" CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DE RIO PRETO

Leia mais

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS Acórdão: 14.710/01/2ª Impugnação: 40.010105776-02 Impugnante: CTBC Celular S.A. Proc. S. Passivo: José Roberto Camargo/Outros PTA/AI: 01.000138911-28 Inscrição Estadual: 702.042559.0063 Origem: AF/Uberlândia

Leia mais

As alterações tecnológicas na internet e os conflitos de incidência entre o ICMS e o ISS

As alterações tecnológicas na internet e os conflitos de incidência entre o ICMS e o ISS As alterações tecnológicas na internet e os conflitos de incidência entre o ICMS e o ISS Luciano Garcia Miguel Doutorando PUC/SP e diretor da Consultoria Tributária em SP Origem do problema Estrutura do

Leia mais

milenaresende@fimes.edu.br

milenaresende@fimes.edu.br Fundação Integrada Municipal de Ensino Superior Sistemas de Informação A Internet, Intranets e Extranets milenaresende@fimes.edu.br Uso e funcionamento da Internet Os dados da pesquisa de TIC reforçam

Leia mais

9R]VREUH,35HJXODomRDFDPLQKR

9R]VREUH,35HJXODomRDFDPLQKR Š%XVFD/HJLVFFMXIVFEU 9R]VREUH,35HJXODomRDFDPLQKR 5RGQH\GH&DVWUR3HL[RWR A comunicação na Internet se estabelece a partir de um SURWRFROR. O termo deriva do grego SURWRFROORQ ( uma folha de papel colada

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br ICMS no Contrato de Demanda Reservada de Potência de Energia Elétrica Tenille Gomes Freitas* 1. ICMS O ICMS (imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre

Leia mais

A Tributação dos Serviços Prestados pelas Provedoras da Internet

A Tributação dos Serviços Prestados pelas Provedoras da Internet A Tributação dos Serviços Prestados pelas Provedoras da Internet Eliana Calmon Ministra do Superior Tribunal de Justiça A Constituição Federal determina que sobre a prestação de serviços de comunicação

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N.º 171, DE 2012 (Do Sr. Carlos Bezerra)

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N.º 171, DE 2012 (Do Sr. Carlos Bezerra) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N.º 171, DE 2012 (Do Sr. Carlos Bezerra) Modifica a Lista de Serviços anexa à Lei Complementar nº 116, de 31 de julho de 2003, que dispõe sobre o Imposto

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 628.046 - MG (2004/0007362-1) RELATOR : MINISTRO CASTRO MEIRA RECORRENTE : TASK SOFTWARE LTDA ADVOGADO : JOSÉ FRANCISCO DE OLIVEIRA SANTOS E OUTROS RECORRIDO : ESTADO DE MINAS GERAIS

Leia mais

IMPORTAÇÃO POR CONTA E ORDEM À LUZ DO CONVÊNIO ICMS Nº 36, DE 26 DE MARÇO DE 2010

IMPORTAÇÃO POR CONTA E ORDEM À LUZ DO CONVÊNIO ICMS Nº 36, DE 26 DE MARÇO DE 2010 IMPORTAÇÃO POR CONTA E ORDEM À LUZ DO CONVÊNIO ICMS Nº 36, DE 26 DE MARÇO DE 2010 Rinaldo Maciel de Freitas * Nas operações de comércio exterior, é preciso entender a existência de duas modalidades de

Leia mais

ICMS FRACIONAMENTO DA BASE DE CÁLCULO EM ELEMENTOS AUTÔNOMOS JOSÉ EDUARDO SOARES DE MELO FESDT/GRAMADO 23.10.14

ICMS FRACIONAMENTO DA BASE DE CÁLCULO EM ELEMENTOS AUTÔNOMOS JOSÉ EDUARDO SOARES DE MELO FESDT/GRAMADO 23.10.14 ICMS FRACIONAMENTO DA BASE DE CÁLCULO EM ELEMENTOS AUTÔNOMOS JOSÉ EDUARDO SOARES DE MELO FESDT/GRAMADO 23.10.14 I. TELECOMUNICAÇÕES Incidência: Prestação de serviços de comunicação, por qualquer meio,

Leia mais

MANUAL DO CIDADÃO MÓDULO NFSe SEFAM

MANUAL DO CIDADÃO MÓDULO NFSe SEFAM MANUAL DO CIDADÃO MÓDULO NFSe SEFAM Índice Introdução 3 Legislação 4 A quem se destina o Módulo Cidadão SEFAM NFSe 5 Configuração Mínima para acesso ao SEFAM NFSe 6 Como ter acesso ao produto SEFAM NFSe

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores é um conjunto de equipamentos que são capazes de trocar informações e compartilhar recursos entre si, utilizando protocolos para se comunicarem e

Leia mais

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo!

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo! SAD Gestor ERP Módulo Estoque Cadastro de Produto Escrita Fiscal Seja Bem Vindo! Introdução O planejamento tributário deve fazer parte do cotidiano da empresa. É uma decisão estratégica que pode determinar

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

9. Quais as características a tecnologia de conexão à Internet denominada ADSL A) Conexão permanente, custo variável, linha telefônica liberada e

9. Quais as características a tecnologia de conexão à Internet denominada ADSL A) Conexão permanente, custo variável, linha telefônica liberada e 9. Quais as características a tecnologia de conexão à Internet denominada ADSL A) Conexão permanente, custo variável, linha telefônica liberada e velocidade maior do que as linhas tradicionais. B) Conexão

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE

POLÍTICA DE PRIVACIDADE POLÍTICA DE PRIVACIDADE Caro Assinante, O presente escrito estabelece e explica a Política de Privacidade da SOCIAL COMICS ENTRETENIMENTO LTDA, adiante também mencionada por SOCIAL COMICS e/ou PLATAFORMA.

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Os caminhos da tributação dos provedores de acesso Lais Vieira Cardoso* Sumário: I Resumo; II O conceito de provedores de acesso; III - Tributação dos provedores de acesso: ICMS

Leia mais

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços.

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. 1 Apresentação: O Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços ou SIG-ISS é um sistema para gerenciamento do Imposto sobre

Leia mais

INTRODUÇÃO A REDES DE COMPUTADORES (DEFINIÇÕES) Prof. Msc. Hélio Esperidião

INTRODUÇÃO A REDES DE COMPUTADORES (DEFINIÇÕES) Prof. Msc. Hélio Esperidião INTRODUÇÃO A REDES DE COMPUTADORES (DEFINIÇÕES) Prof. Msc. Hélio Esperidião O QUE É? Uma Rede de Computadores é formada por um conjunto de equipamentos(módulos processadores - MPs) capazes de trocar informações

Leia mais

Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR

Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação do CEFOR como parte das exigências do curso de Especialização em

Leia mais

NOTA FISCAL ELETRÔNICA - NF-e

NOTA FISCAL ELETRÔNICA - NF-e NOTA FISCAL ELETRÔNICA - NF-e NOTA FISCAL ELETRÔNICA - NF-e Informações Gerais 1. O que é a Nota Fiscal Eletrônica NF-e? Podemos conceituar a Nota Fiscal Eletrônica como sendo um documento de existência

Leia mais

PRINCIPAIS DIFICULDADES PARA A APLICAÇÃO DO SPED CONTÁBIL E FISCAL 1

PRINCIPAIS DIFICULDADES PARA A APLICAÇÃO DO SPED CONTÁBIL E FISCAL 1 PRINCIPAIS DIFICULDADES PARA A APLICAÇÃO DO SPED CONTÁBIL E FISCAL 1 FERNANDES, Alexandre Roberto Villanova 2 ; KIRINUS, Josiane Boeira 3 1 Trabalho de Pesquisa _URCAMP 2 Curso de Ciências Contábeis da

Leia mais

Sessão de 16 de dezembro de 2015 RECURSO Nº - 61.641 ACÓRDÃO Nº 14.396 RECORRENTE CENTRO EDUCACIONAL NOSSA SENHORA AUXILIADORA

Sessão de 16 de dezembro de 2015 RECURSO Nº - 61.641 ACÓRDÃO Nº 14.396 RECORRENTE CENTRO EDUCACIONAL NOSSA SENHORA AUXILIADORA PUBLICAÇÃO DA DECISÃO DO ACÓRDÃO No D.O. 14 / 03 / 2016 Fls.: 08 SERVIÇO PÚBLICO ESTADUAL Rubrica: ID 42833175 Sessão de 16 de dezembro de 2015 SEGUNDA CÂMARA RECURSO Nº - 61.641 ACÓRDÃO Nº 14.396 INSCRIÇÃO

Leia mais

Portal de Fornecedores Não-Revenda

Portal de Fornecedores Não-Revenda Portal de Fornecedores Não-Revenda Introdução ao Portal e Requisitos Técnicos Consulte nesta orientação os processos iniciais para cadastro e acesso ao Portal de Fornecedores Não Revenda assim como os

Leia mais

1-RELATÓRIO 2- FUNDAMENTAÇÃO 2-1 QUANTO AO IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS-ISS PARECER: 42 / 2009

1-RELATÓRIO 2- FUNDAMENTAÇÃO 2-1 QUANTO AO IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS-ISS PARECER: 42 / 2009 PARECER: 42 / 2009 ASSUNTO: Consulta sobre necessidade ou não de apresentação de nota fiscal de serviços ou de circulação de mercadorias para o recebimento de pagamento de valores de locação de automóvel

Leia mais

SERVIÇOS DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

SERVIÇOS DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA PARECER QUANTO A DEDUTIVIDADE DA BASE DE CÁLCULO, BEM COMO DA EMISSÃO DE NOTAS FISCAIS PELOS TERCEIROS VINCULADOS AOS SERVIÇOS DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA Na caracterização da atividade de publicidade

Leia mais

1-RELATÓRIO 2- FUNDAMENTAÇÃO PARECER: 41 / 2009

1-RELATÓRIO 2- FUNDAMENTAÇÃO PARECER: 41 / 2009 PARECER: 41 / 2009 ASSUNTO: Descabimento da exigência de nota fiscal de serviços para pagamento de valores de aluguel contratados com a Administração Pública. ENTIDADE INTERESSADA: UESPI- Universidade

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO COMARCA DE SÃO PAULO FORO CENTRAL - FAZENDA PÚBLICA/ACIDENTES 8ª VARA DE FAZENDA PÚBLICA

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO COMARCA DE SÃO PAULO FORO CENTRAL - FAZENDA PÚBLICA/ACIDENTES 8ª VARA DE FAZENDA PÚBLICA fls. 1 SENTENÇA Processo nº: Impetrante: Impetrado: 1013166-69.2013.8.26.0053 - Mandado de Segurança HELLO BRAZIL TELECOMUCICAÇÕES LTDA. DIRETOR DO DEPARTAMENTO DE RENDAS MOBILIARIAS DA SECRETARIA DAS

Leia mais

"ISS e questões polêmicas Decisões judiciais relevantes em 2012/2013" Primeiro Seminário Alterações Fiscais - 2013

ISS e questões polêmicas Decisões judiciais relevantes em 2012/2013 Primeiro Seminário Alterações Fiscais - 2013 www.pwc.com/br "ISS e questões polêmicas Decisões judiciais relevantes em 2012/2013" Primeiro Seminário Alterações Fiscais - 2013 Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil Abril 2013 Agenda Seção

Leia mais

TRIBUTAÇÃO NA NUVEM. Tax Friday 21 de outubro de 2011 AMCHAM - RJ

TRIBUTAÇÃO NA NUVEM. Tax Friday 21 de outubro de 2011 AMCHAM - RJ TRIBUTAÇÃO NA NUVEM Tax Friday 21 de outubro de 2011 AMCHAM - RJ PROGRAMA 1. INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS APLICÁVEIS 2. PRINCIPAIS OPERAÇÕES E ASPECTOS TRIBUTÁRIOS POLÊMICOS INTRODUÇÃO À

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web;

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; CONCEITOS INICIAIS Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; O que é necessário para se criar páginas para a Web; Navegadores; O que é site, Host, Provedor e Servidor Web; Protocolos.

Leia mais

Coordenação Geral de Tributação

Coordenação Geral de Tributação Fl. 12 Fls. 1 Coordenação Geral de Tributação Solução de Consulta Interna nº 2 Data 14 de janeiro de 2014 Origem DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DE SÃO PAULO DERAT. ASSUNTO:

Leia mais

A EMENDA CONSTITUCIONAL 87 E PARTILHA DO ICMS ENTRE OS ESTADOS O QUE VAI MUDAR PARA SUA EMPRESA

A EMENDA CONSTITUCIONAL 87 E PARTILHA DO ICMS ENTRE OS ESTADOS O QUE VAI MUDAR PARA SUA EMPRESA Meus Caros, A EMENDA CONSTITUCIONAL 87 E PARTILHA DO ICMS ENTRE OS ESTADOS O QUE VAI MUDAR PARA SUA EMPRESA Fizemos esse manual no formato - perguntas e respostas- com o objeto de ajudá-lo na emissão de

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA - CCTCI

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA - CCTCI COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA - CCTCI PROJETO DE LEI Nº 6835, DE 2010 Dispõe sobre a obrigatoriedade de instalação de pontos de acesso sem fio à Internet nas ERB Estações

Leia mais

Apresentação. Planejamento tributário como técnica de economizar impostos indiretos nos limites da lei. Parte I - Economia de Impostos, 1

Apresentação. Planejamento tributário como técnica de economizar impostos indiretos nos limites da lei. Parte I - Economia de Impostos, 1 Apresentação Prefácio à 11ª edição Prefácio à 10ª edição Prefácio à 9ª edição Prefácio à 8ª edição Prefácio à 7ª edição Prefácio à 6ª edição Nota à 5ª edição Prefácio Planejamento tributário como técnica

Leia mais

QUE SISTEMA TRIBUTÁRIO ESTÁ SENDO PENSADO PARA O BRASIL COM A RETOMADA DA DISCUSSÃO SOBRE A REFORMA TRIBUTÁRIA

QUE SISTEMA TRIBUTÁRIO ESTÁ SENDO PENSADO PARA O BRASIL COM A RETOMADA DA DISCUSSÃO SOBRE A REFORMA TRIBUTÁRIA *José Antonio de França I CONTEXTUALIZAÇÃO O Sistema Tributário Brasileiro é um sistema complexo, composto por muitos impostos, taxas e contribuições de competência Federal, Estadual e Municipal. A tarefa

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE SEGUROS UNIMED

POLÍTICA DE PRIVACIDADE SEGUROS UNIMED POLÍTICA DE PRIVACIDADE SEGUROS UNIMED Este documento, denominado Política de Privacidade, tem por finalidade estabelecer as regras sobre a obtenção, uso e armazenamento dos dados e informações coletados

Leia mais

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem 2.1 Introdução Caro Pós-Graduando, Nesta unidade, abordaremos o Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) que será utilizado no curso: o Moodle. Serão

Leia mais

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NFS-e. Prefeitura Municipal de Tupãssi

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NFS-e. Prefeitura Municipal de Tupãssi NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NFS-e Prefeitura Municipal de Tupãssi PERGUNTAS E RESPOSTAS O QUE É A NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NFS-e? R NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA (NFS-e) é um documento

Leia mais

TRATAMENTO TRIBUTÁRIO DIFERENCIADO PARA AS FARMÁCIAS DE MANIPULAÇÃO

TRATAMENTO TRIBUTÁRIO DIFERENCIADO PARA AS FARMÁCIAS DE MANIPULAÇÃO TRATAMENTO TRIBUTÁRIO DIFERENCIADO PARA AS FARMÁCIAS DE MANIPULAÇÃO Eduardo Augusto Cordeiro Bolzan 1 As farmácias de manipulação, aqui entendidos aqueles estabelecimentos de aviamento, manipulação 2 de

Leia mais

D E C R E T O Nº 9460 de 30 de novembro de 2011

D E C R E T O Nº 9460 de 30 de novembro de 2011 Publicado em 09/12/2011 no Diário Oficial nº 362. D E C R E T O Nº 9460 de 30 de novembro de 2011 (Altera e acrescenta dispositivos ao Decreto n 8063, de 15 de outubro de 2007, ampliando funcionalidades

Leia mais

É o relatório, passa-se a opinar.

É o relatório, passa-se a opinar. São Paulo, 18 de outubro de 2013. A ABMI ASSOCIAÇAO BRASILEIRA DA MUSICA INDEPENDENTE Ref: Parecer EC75-2013 Transmitido para o endereço eletrônico: lpegorer@abmi.com.br Prezada Sra. Luciana, O breve parecer

Leia mais

TRIBUTAÇÃO NAS NUVENS Uma Regulação em Debate

TRIBUTAÇÃO NAS NUVENS Uma Regulação em Debate TRIBUTAÇÃO NAS NUVENS Uma Regulação em Debate Workshop Divisão Tributária 18.04.2013 CIESP - CAMPINAS PROGRAMA 1. BREVE INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO EM NUVEM 2. PRINCIPAIS OPERAÇÕES E ASPECTOS TRIBUTÁRIOS POLÊMICOS

Leia mais

Política de Privacidade

Política de Privacidade Política de Privacidade Este documento tem por objetivo definir a Política de Privacidade da Bricon Security & IT Solutions, para regular a obtenção, o uso e a revelação das informações pessoais dos usuários

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 110, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 110, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 110, DE 2015 Institui programa de concessão de créditos da União no âmbito do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física, denominado Nota Fiscal Brasileira, com o objetivo de incentivar

Leia mais

TRANSPORTADOR REVENDEDOR RETALHISTA DE COMBUSTÍVEIS - TRR

TRANSPORTADOR REVENDEDOR RETALHISTA DE COMBUSTÍVEIS - TRR TRANSPORTADOR REVENDEDOR RETALHISTA DE COMBUSTÍVEIS - TRR ASSUNTO: Operações interestaduais. De início, ressalte-se que, para efeito deste trabalho, toda alusão genérica feita a Estado é extensiva ao Distrito

Leia mais

ICMS NÃO-INCIDÊNCIA SOBRE LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DESTINADOS À PRESTAÇÃO DO SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO 1

ICMS NÃO-INCIDÊNCIA SOBRE LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DESTINADOS À PRESTAÇÃO DO SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO 1 ICMS NÃO-INCIDÊNCIA SOBRE LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DESTINADOS À PRESTAÇÃO DO SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO 1 ANDRÉ MENDES MOREIRA Doutor em Direito Econômico e Financeiro pela USP Mestre em Direito Tributário

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02 Sumário Pág. I) OBJETIVO 02 II) ESTRUTURA DO CURSO 1) Público alvo 02 2) Metodologia 02 3) Monografia / Trabalho final 02 4) Avaliação da aprendizagem 03 5) Dias e horários de aula 03 6) Distribuição de

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS/RS Tratamento tributário na emissão da NF-e com Diferimento Parcial e Escrituração

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS/RS Tratamento tributário na emissão da NF-e com Diferimento Parcial e Escrituração ICMS/RS Tratamento tributário na emissão da NF-e com Diferimento Parcial e Escrituração 06/11/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções:

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: PROJETO DE PESQUISA Antonio Joaquim Severino 1 Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: 1. Define e planeja para o próprio orientando o caminho a ser seguido no desenvolvimento do trabalho

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Tópicos Avançados II 5º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 5: Certificado Digital e Nota

Leia mais

RC e a Internet: noções gerais. Prof. Eduardo

RC e a Internet: noções gerais. Prof. Eduardo RC e a Internet: noções gerais Prof. Eduardo Conceitos A Internet é a rede mundial de computadores (rede de redes) Interliga milhares de dispositivos computacionais espalhados ao redor do mundo. A maioria

Leia mais

Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais

Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais Penélope da Silva Almeida SANTOS Universidade Sagrado Coração

Leia mais

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET Autores: OROMAR CÓRDOVA GILBERTO ALVES LOBATO COPEL Companhia Paranaense

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO PROCESSO DE EMISSÃO DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS NO MUNICIPIO DE BELO HORIZONTE

ESPECIFICAÇÃO DO PROCESSO DE EMISSÃO DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS NO MUNICIPIO DE BELO HORIZONTE ESPECIFICAÇÃO DO PROCESSO DE EMISSÃO DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS NO MUNICIPIO DE BELO HORIZONTE Guilherme Bertoldo Anastácio 1 Raphael Ribeiro Gomide 2 Maria Renata Silva Furtado 3 RESUMO Na

Leia mais

Você pode não perceber, mas nós estamos sempre presentes

Você pode não perceber, mas nós estamos sempre presentes Centro de Informática e Automação do Estado de Santa Catarina Você pode não perceber, mas nós estamos sempre presentes Missão Marco Legal Atuação do CIASC Sistemas Data Center Rede Governo Responsabilidade

Leia mais

GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA

GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA SUMÁRIO >> Introdução... 3 >> O que é a nota fiscal eletrônica?... 6 >> O que muda com esse novo modelo de documento fiscal?... 8 >> O DANFE - Documento Acessório

Leia mais

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012.

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012. PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012. DECRETO N 1426/2012 Regulamenta a entrega da Declaração Mensal de Serviços Eletrônica por prestadores e tomadores de serviços e dá outras

Leia mais

Manual de Credenciamento para Emissão do CT-e

Manual de Credenciamento para Emissão do CT-e Manual de Credenciamento para Emissão do CT-e Versão 1.0 Outubro/2009 Manaus/AM Sumário Apresentação... 2 Conceitos Básicos... 3 Requisitos... 5 Credenciamento... 6 Fase de Homologação... 7 o Fase de Testes...

Leia mais

Sistemas de Produtividade

Sistemas de Produtividade Sistemas de Produtividade Os Sistemas de Produtividade que apresentaremos em seguida são soluções completas e podem funcionar interligadas ou não no. Elas recebem dados dos aplicativos de produtividade,

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA EMBED CorelDRAW.Graphic.12 Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001.

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

Informática Básica. Internet Intranet Extranet

Informática Básica. Internet Intranet Extranet Informática Básica Internet Intranet Extranet Para começar... O que é Internet? Como a Internet nasceu? Como funciona a Internet? Serviços da Internet Considerações finais O que é Internet? Ah, essa eu

Leia mais

Art. 3º A informação a que se refere o art. 2º compreenderá os seguintes tributos, quando influírem na formação dos preços de venda:

Art. 3º A informação a que se refere o art. 2º compreenderá os seguintes tributos, quando influírem na formação dos preços de venda: DECRETO Nº 8.264, DE 5 DE JUNHO DE 2014 Regulamenta a Lei nº 12.741, de 8 de dezembro de 2012, que dispõe sobre as medidas de esclarecimento ao consumidor quanto à carga tributária incidente sobre mercadorias

Leia mais

INFORMÁTICA PRODUTOS E PROGRAMAS

INFORMÁTICA PRODUTOS E PROGRAMAS atualizado em 21/10/2015 2 ÍNDICE INTRODUÇÃO...5 1. PROGRAMA DE COMPUTADOR ( SOFTWARE ) NÃO PERSONALIZADO...7 1.1. Saída Interna...7 1.1.1. Isenção...7 1.1.2. Crédito Presumido...7 1.2. Saída Interestadual...8

Leia mais

Simples Nacional e o Planejamento Tributário RESUMO

Simples Nacional e o Planejamento Tributário RESUMO 1 Simples Nacional e o Planejamento Tributário Marcos A. Nazário De Oliveira marcosadinavi@gmail.com Egresso do curso de Ciências Contábeis Rafael Antônio Andrade rfaandrade@msn.com Egresso do curso de

Leia mais

SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA RODRIGO SANTANA DOS SANTOS ANATEL

SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA RODRIGO SANTANA DOS SANTOS ANATEL 1 SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA RODRIGO SANTANA DOS SANTOS ANATEL 2 Sumário Conceitos Gerais SCM em Números Proteção e Defesa de Direitos dos Assinantes Regulamentos em Estudo 3 Conceitos Gerais Lei

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

A TEORIA DOS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO MATEMÁTICA DE PROFESSORES EM AMBIENTES VIRTUAIS *

A TEORIA DOS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO MATEMÁTICA DE PROFESSORES EM AMBIENTES VIRTUAIS * A TEORIA DOS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO MATEMÁTICA DE PROFESSORES EM AMBIENTES VIRTUAIS * Joserlene Lima Pinheiro Universidade Estadual do Ceará Marcilia Chagas

Leia mais

ATA - Exercícios Informática Carlos Viana. 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

ATA - Exercícios Informática Carlos Viana. 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA - Exercícios Informática Carlos Viana 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA EXERCÍCIOS CARLOS VIANA 22 - ( ESAF - 2004 - MPU - Técnico Administrativo ) O

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE

POLÍTICA DE PRIVACIDADE POLÍTICA DE PRIVACIDADE Veja como protegemos suas informações. 1. DA ABRANGÊNCIA DESTA POLÍTICA DE PRIVACIDADE a. Como a Advisenet usa informações pessoais? Este documento explicita a forma pela qual a

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO OS 004/DINFO/2013 05/11/2013

ORDEM DE SERVIÇO OS 004/DINFO/2013 05/11/2013 A DIRETORIA DE INFORMÁTICA DINFO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UERJ, no uso de suas atribuições legais, estabelece: Art. 1º: Para fins de normatização da Política de Uso da Rede de Dados

Leia mais

Ampliação do Conceito de Estabelecimento e a Responsabilidade Solidária. Lei Nº 13.918 de 22 de dezembro de 2009. Setembro/2010. www.simonaggio.adv.

Ampliação do Conceito de Estabelecimento e a Responsabilidade Solidária. Lei Nº 13.918 de 22 de dezembro de 2009. Setembro/2010. www.simonaggio.adv. Ampliação do Conceito de Estabelecimento e a Responsabilidade Solidária Lei Nº 13.918 de 22 de dezembro de 2009 Setembro/2010 1 O ESTABELECIMENTO E O CÓDIGO CIVIL O estabelecimento como objeto de direito

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

AG8 Informática. Esta apostila foi retirada do www.comocriarsites.net. Como Criar Sites HTML - notícia importante! www.comocriarsites.

AG8 Informática. Esta apostila foi retirada do www.comocriarsites.net. Como Criar Sites HTML - notícia importante! www.comocriarsites. Esta apostila foi retirada do www.comocriarsites.net Como Criar Sites HTML - notícia importante! www.comocriarsites.net Venha conhecer o novo Como Criar Sites HTML, agora é um mega portal para webmasters,

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

A S S I P I ICMS IMPORTADOS RESOLUÇÃO 13

A S S I P I ICMS IMPORTADOS RESOLUÇÃO 13 A S S I P I ICMS IMPORTADOS RESOLUÇÃO 13 1 RESOLUÇÃO 13 X DECRETO 4316/95 RESOLUÇÃO 13 DECRETO 4316 COMENTÁRIOS Art. 1º A alíquota do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL 06/05/2013 ATENÇÃO I: De acordo com a Portaria n.º 252/2012 do Ministério da Justiça (MJ), as prestações de contas das entidades qualificadas e tituladas

Leia mais

2.2 Resultado com mercadorias 2.3 Impostos que afetam as mercadorias 2.4 Critérios de avaliação do estoque

2.2 Resultado com mercadorias 2.3 Impostos que afetam as mercadorias 2.4 Critérios de avaliação do estoque Disciplina: Contabilidade Comercial I Período: 2º Tipo: I Professor: Evaldo Modesto de Ávila Curso: Ciências Contábeis Assunto: Texto Semestre: 2º Nome: Nº: Apostila : Turma: ÚNICA Turno: NOITE Data: 002

Leia mais

4 Mercado setor de telecomunicações

4 Mercado setor de telecomunicações 4 Mercado setor de telecomunicações Nesta sessão é apresentada uma pequena visão geral do mercado de telecomunicações no Brasil, com dados históricos dos acontecimentos mais relevantes a este trabalho,

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Nível de Aplicação Responsável por interagir com os níveis inferiores de uma arquitetura de protocolos de forma a disponibilizar

Leia mais

26/2/2014. Numero de Web Sites no mundo. 1993 1996 1999 Agosto/2002

26/2/2014. Numero de Web Sites no mundo. 1993 1996 1999 Agosto/2002 História da Internet? No final dos anos 50, os EUA formaram uma instituição de investigação, a qual designaram por ARPA (Advanced Research Projec Agency). O objectivo desta instituição, parte integrante

Leia mais

Política de uso de dados

Política de uso de dados Política de uso de dados A política de dados ajudará você a entender como funciona as informações completadas na sua área Minhas Festas. I. Informações que recebemos e como são usadas Suas informações

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 5, ANO III MAIO DE 2011 1 ESTADO NÃO PODE RECUSAR CRÉDITOS DE ICMS DECORRENTES DE INCENTIVOS FISCAIS Fiscos Estaduais não podem autuar

Leia mais