Utilização do comércio eletrônico como estratégia de empresas do ramo gráfico para atendimento do segmento de profissionais médicos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Utilização do comércio eletrônico como estratégia de empresas do ramo gráfico para atendimento do segmento de profissionais médicos"

Transcrição

1 Utilização do comércio eletrônico como estratégia de empresas do ramo gráfico para atendimento do segmento de profissionais médicos Milton de Abreu Campanario Doctor of Philosophy Cornell University; Diretor do Programa de Pós-Graduação em Administração Uninove. São Paulo [Brasil] Emerson Antônio Maccari Mestre em Mestrado Em Administração FURB; Professor da Graduação Uninove. São Paulo [Brasil] Cibele Barsaline Martins Mestrando em Administração Uninove. São Paulo [Brasil] Demócrates Schmidt Nos últimos anos vem se observando um acréscimo significativo na utilização dos recursos da Tecnologia de Informação nas transações econômicas. No Brasil, desde o fim do século passado, com o uso disseminado dos computadores e a versatilidade da internet business associados à melhoria da logística de distribuição, o uso do comércio eletrônico nas negociações vem ganhando destaque. A partir deste contexto, este artigo ilustra os fatores importantes desse tipo de comércio para empresas do ramo gráfico que buscam atender ao nicho dos profissionais médicos brasileiros. Para a realização do estudo, utilizou-se o método de pesquisa exploratória, com uma amostra de 60 médicos da cidade de Curitiba, Paraná. Como resultado, observou-se que as vendas de material gráfico pela internet business são promissoras e tendem a aumentar com o passar dos anos. Porém, deverão ser observadas às questões relativas à comodidade, acessibilidades, possibilidade de personalização e prazo de entrega. Palavras-chave: Comércio eletrônico; Informação; Internet business; Produtos gráficos. Cadernos de Pós-Graduação, São Paulo, v. 3, n. 2, p ,

2 1 Introdução Os mais remotos relatos sobre o comércio entre os seres humanos falam da utilização de diferentes ferramentas e mecanismos, mantinham em sua base, duas pessoas em contato direto olho no olho, uma fornecendo e outra adquirindo o produto ou serviço, motivo da negociação. Hoje, as ferramentas utilizadas são o telefone, o fax, a internet business, entre outros veículos que facilitam o processo de negociação com as pessoas. Essa estrutura tecnológica permite que boa parte dos negócios seja realizada sem a necessidade do contato direto entre comprador e fornecedor. Com o advento da Tecnologia da Informação, a internet business e o comércio eletrônico passaram a representar um papel significativo no volume de negócios feitos que está se tornando a base das negociações virtuais da atualidade. Nesta direção de acordo com Daft (2004), nos últimos anos, a maioria das organizações incorporou a internet business como parte de sua estratégia de tecnologia da informação, reconhecendo seu potencial para expandir suas operações globalmente e melhorar os processos comerciais, alcançando novos clientes e aproveitando ao máximo seus recursos, com a utilização do e-business como mola propulsora dessa estratégia. Esse mecanismo pode ser definido como negócio qualquer que ocorre, via processos digitais, em uma rede de computadores em vez de um espaço físico. Hoje mais comumente usado, se refere às conexões eletrônicas pela internet business com os clientes, parceiros, fornecedores, funcionários ou outros elementos-chave. Já o e-commerce é um termo mais limitado que se relaciona especificamente com as trocas comerciais ou transações que ocorrem eletronicamente. 136 Estudos realizados no ano 2000 pela empresa de consultoria Ernest & Yang já indicavam essa tendência. De acordo com o Centro Incubador de Empresas Tecnológicas (CIETEC, 2001) constataram que 60% da população americana está conectada no mundo ponto.com. O comércio eletrônico em transações pela internet business tem evoluído muito desde a sua introdução. No caso do Brasil, segundo dados do Instituto Brasileiro de Pesquisa e Estatística (IBOPE, 2004), ao fazer um balanço do uso da rede em nosso país em 2004, o Web Brasil destaca o aumento da utilização da Banda Larga (os usuários residenciais de alta velocidade aumentaram 20% em 2004) e o crescimento dos sites de comunidades e , que já respondem por mais de 30% do tempo total de uso da Web. O crescimento da internet business para realizar esse tipo de transações pode ser observado em todos os setores, inclusive o de materiais gráficos, que apresenta poucas mudanças entre o produto vendido pela internet business e o comprado diretamente do fornecedor ou adquirido no comércio tradicional. Um exemplo de sucesso de venda de produtos pela internet business pode ser verificado nas vendas da InterActiveCorp, ou IAC, que faturou 6,3 bilhões de dólares e lucraram 170 milhões em 2003 com comércio eletrônico. A IAC comercializa uma grande gama de produtos, mas têm força especialmente nas áreas em que a Amazon.com, empresa que faz jus ao título de grande loja de departamentos da internet, não está presente. A IAC vende, em geral, produtos mais caros que livros ou CDs, como passagens aéreas, reservas de hotéis, ingressos para shows e até financiamentos imobilários. (REVISTA EXAME, 2004) Cadernos de Pós-Graduação, São Paulo, v. 3, n. 2, p , 2004.

3 A partir deste panorama, um estudo sobre a comercialização de materiais gráficos pela internet business torna-se importante, uma vez que o mercado de impressos, que inclui calendários, convites e impressos em geral, notas fiscais em blocos, timbrados e talões de cheques responde por 8% do mercado gráfico nacional, movimentou cerca de 770 milhões de reais em 2003 (ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA GRÁFICA, 2003). Estratificando para o nicho dos profissionais liberais, no caso os médicos, esse mercado se mostra bastante promissor, pois, de acordo com o Portal Médico (2004), existem mais de 300 mil médicos no país, com estimativa de consumo de receituários médicos de 77 blocos por ano, a um preço médio de 8,15 reais, o que representa um mercado potencial de 188 milhões de reais. A partir dessa constatação, este artigo busca identificar os fatores importantes no comércio eletrônico para empresas do ramo gráfico, que buscam atender à classe de médicos brasileiros. 2 A indústria gráfica no Brasil De acordo com dados da Associação Brasileira da Indústria Gráfica (ABIGRAF, 2003), órgão representativo desse segmento, o mercado gráfico nacional vem representando, nos últimos cinco anos, cerca de 1% do produto interno bruto (PIB). Algo em torno de 6 bilhões de dólares são movimentados anualmente por este setor. Se comparado ao PIB industrial, esse percentual sobe para cerca de 3%. Assim, o mercado gráfico brasileiro que empregou, em 2001, perto de 200 mil trabalhadores, distribuídos em cerca de 15 mil estabelecimentos, constitui um expressivo e forte setor da indústria nacional. Ainda segundo dados disponíveis da Abigraf (2003), a maioria dos estabelecimentos gráficos brasileiros 59% do total está localizada na região Sudeste; outros 20%, na região Sul; 11%, na região Nordeste; 7%, na região Centro-Oeste e 3% na região Norte. Observase, então, que cerca de 80% de todas as atividades gráficas do país estão concentradas nos estados de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Paraná e Santa Catarina. Segundo Ranevsky (2002) o segmento gráfico brasileiro vem intensificando os investimentos na modernização e aumento da capacidade fabril nos últimos anos. Adicionalmente, assiste-se à entrada de grupos internacionais por meio de novas gráficas, aquisição de concorrentes locais ou associações. Um dos principais efeitos desse movimento foram as várias inovações que não se restringiram ao setor de impressão e acabamento, mas foram importantes também no segmento de pré-impressão. Com isso, o mercado passou a ter acesso a soluções que facilitaram a produção e reduziram custos e prazos. Por outro lado, a demanda não acompanhou o mesmo ritmo dos investimentos realizados pelas gráficas, todavia vêem-se boas perspectivas para o Brasil, mesmo com as sucessivas oscilações econômicas. Segundo o mesmo autor, as constantes mudanças no setor gráfico trarão grandes desafios para as empresas deste ramo, e apenas aquelas que conseguirem adaptar-se rapidamente às novas regras continuarão nesse segmento. Além disso, será preciso ter criatividade e determinação para acompanhar o crescimento do mercado editorial e gráfico brasileiro e as inovações tecnológicas que incidem neste setor. Cadernos de Pós-Graduação, São Paulo, v. 3, n. 2, p ,

4 3 A revolução da tecnologia da informação Drucker (2002) afirma que o impacto da revolução da tecnologia da informação está apenas começando, no entanto, a informação, a inteligência artificial ou o efeito dos computadores nos processos de decisão das empresas e, ainda, a determinação de políticas ou estratégias não produzirão impacto em nossas vidas e nem nas organizações. O comércio eletrônico (e-commerce), este sim, será o causador desse impacto, movido pela emergência explosiva da internet business, que se firmará como o canal mais importante de distribuição de bens, serviços e empregos nas áreas administrativa e gerencial. Segundo este autor, a revolução da tecnologia da informação se encontra no mesmo ponto em que a Revolução Industrial esteve no início da década de 1820, quando a máquina a vapor inventada 40 anos antes pelo engenheiro escocês James Watt ( ) foi adaptada a um equipamento industrial de fiação de algodão. Salvaguardadas as devidas proporções, o computador é hoje símbolo e impulsionador da revolução da tecnologia da informação, assim como a máquina a vapor o foi para a Revolução Industrial. Para ilustrar, o mesmo autor salienta que, em 1929, graças à Revolução Industrial, surgiu um produto que revolucionaria, de fato, economias, sociedades e políticas mundiais: a estrada de ferro. Mais que um invento, a máquina a vapor que, atrelada a um vagão, transportava carga ou pessoas, deu a estas um sentimento de mobilidade real. Com a estrada de ferro, o horizonte dessas pessoas se ampliou e o mundo encolheu. 138 Entretanto, desde o aparecimento dos computadores, na década de 1940, não houve nenhum avanço significativo que não fosse de diminuição do tempo e dos recursos aplicados aos processos de fabricação ou fornecimento de produtos ou serviços. É certo que a utilização de recursos computacionais no manuseio das informações, nas áreas de produção e comercialização de produtos, cresceu vertiginosamente, amadureceu e, hoje, tem sólidas raízes nas empresas. Nesse processo, a informação pode ser considerada um dos mais importantes componentes de produção de uma empresa o que lhe permite manter-se competitiva em seu mercado de atuação (OLIVEIRA, 1999). Drucker (2002) esse processo está gerando um boom novo e distinto, provocando transformações aceleradas na economia, na sociedade e na política. É graças ao comércio eletrônico que empresas estão perdendo (ou ganhando) sua clientela do dia para a noite, muitas vezes competindo com concorrentes nunca imagináveis, geralmente de outras partes do país ou mesmo de outros países. O comércio eletrônico criou um novo campo de competição, em que, de acordo com Contador (1996), a tecnologia se caracteriza como uma arma de apoio e de grande importância para a obtenção da vantagem competitiva, diferentemente da maioria das armas que são de combate. Nesta direção Porter (1992), já afirmava que o desenvolvimento tecnológico só poderia ser convertido em vantagem competitiva se: 1) esse desenvolvimento conseguir reduzir o custo ou aumentar a diferenciação; 2) a liderança tecnológica da empresa for sustentável; 3) o pioneirismo tecnológico representar uma vantagem competitiva mesmo depois de desaparecer a liderança tecnológica; e 4) o desenvolvimen- Cadernos de Pós-Graduação, São Paulo, v. 3, n. 2, p , 2004.

5 to tecnológico aprimorar a estrutura geral do ramo de negócio, mesmo que seja copiado. O mercado está-se globalizando graças aos avanços das comunicações e da internet business como veículo para o mercado eletrônico. A exemplo da percepção das pessoas sobre a diminuição das distâncias criada pela estrada de ferro, na dimensão da geografia mental do comércio eletrônico, a distância desapareceu, o que torna cada vez mais difícil separar o mundo real do mundo virtual. São fatores importantes nesse empreendimento: redução no custo de estoque, fabricação planejada em função da manutenção de estoque adequado, eficiência na distribuição, redução dos custos de venda, eficiência no atendimento ao cliente, construção de um novo instrumento de venda que atua 24 horas por dia, sete dias por semana e sem limite geográfico, recrutamento e utilidade na educação de funcionários, além de ser um excelente canal nas pesquisas relacionadas a Marketing. 4 Mundo real versus mundo virtual A crescente utilização dos ambientes informatizados está gerando tamanha quantidade de transações e de atividades eletrônicas em todas as esferas da vida, que o conjunto pode ser classificado como uma nova dimensão da nossa sociedade e que passa a ser chamado de mundo virtual (RODRIGUES, 2002). No mundo real, para abrir um negócio em determinado lugar os custos de instalação são altíssimos. Na internet business, porém, para construção de um site atrativo e aplicável, o mais importante é ter criatividade e conhecimento. Haverá custos de contratação de tecnologia, aquisição de equipamentos, mas são custos relativamente baixos se comparados aos do mundo real. O mundo real exige espaço físico e maior investimento de capital, enquanto a internet business focaliza o conhecimento e exige apenas investimentos para centralizar a circulação efetiva das informações. Com investimentos iniciais menores, é possível construir uma nova empresa com pequeno capital, reduzindo, assim, as barreiras para alcançar o sucesso. 5 O comércio eletrônico (ecommerce) O comércio eletrônico mundial tem pouco mais de seis anos de vida, e o brasileiro, aproximadamente três. É um setor ainda em formação e, portanto, pode constituir-se numa ótima oportunidade de negócio para organizações não virtuais (FELIPINI, 2003). Ressalte-se que a primeira questão, quando se fala em comércio eletrônico, considerando a internet business como novo canal de comercialização associando-o ao sucesso ou fracasso de um empreendimento, é determinar o público atual e definir o público futuro, a médio prazo. Nos Estados Unidos da América (EUA), por exemplo, existem cerca de 160 milhões de internautas; em Cuba, 60 mil. São dois extremos e, seguramente, o sucesso de um negócio em Cuba tem um componente de risco muito maior que nos EUA. No Brasil, segundo estudos realizados em 2001, para o Centro Incubador de Empresas Tecnológicas (Cietec), numa incubadora de tecnologia da Universidade de São Paulo (USP), existem aproximadamente 13 milhões de internautas, Cadernos de Pós-Graduação, São Paulo, v. 3, n. 2, p ,

6 ou seja, 7,6% da população de 170 milhões de habitantes. A taxa de crescimento tem sido de 18,8% ao mês, desde julho de 1997, o que representa um crescimento acumulado de mais de 1000% no número de usuários. É um número pequeno se considerados os 60% de penetração da população dos EUA, mas extremamente elevado se levar em conta os índices de Cuba, o outro extremo (CIETEC, 2001). Outro fator que se deve observar é o potencial de crescimento da participação brasileira. Este mesmo estudo mostra três cenários de previsão para crescimento de internautas no Brasil nos próximos dez anos. Se entre os cenários apresentados para o ano de 2011 for analisado o mais favorável, o crescimento de internautas e, portanto, de público potencial para compras via internet business superará em três vezes o número atual. As previsões são muito favoráveis para o desenvolvimento de negócios via internet business, mas as empresas precisam, cada vez mais se preparar desenvolverem vantagens competitivas duradouras. 6 Método da pesquisa O método de pesquisa utilizado foi à exploratória, que visa prover o pesquisador de maior conhecimento do tema ou problema da pesquisa (MATTAR, 1996). Este tipo de pesquisa é também apropriado quando se deseja conhecer mais profundamente um assunto e estabelecer o desenvolvimento ou criação de hipóteses explicativas para fatos e fenômenos a serem estudados. Neste caso específico, escolheu-se estudar o universo da classe médica na cidade de Curitiba, por se tratar de uma classe médica grande e consolidada Definição do universo e amostra Para Legrain e Magain (1992), escolher um universo para aplicar uma pesquisa não é tarefa simples e tem por regra a consideração de três elementos básicos: a representatividade em relação às características socioeconômicas da população pesquisada, a homogeneidade das opiniões expressas e precisão dos resultados obtidos. A partir da caracterização do universo, é necessário definir a amostra que Mattar (1996) trata de dois tipos: a amostragem probabilística e a não-probabilística. Para ele, amostragem probabilística é aquela em que cada elemento da população tem uma chance conhecida e diferente de zero de ser selecionado para compor a amostra, enquanto a não probabilística é aquela em que os elementos que comporão a amostra dependem, ao menos em parte, do julgamento do pesquisador. Mattar também indica em seus estudos que a primeira razão para fazer uso da amostragem não probabilística é a de não existir alternativa viável para se atingir 100% do universo. Como a pesquisa foi direcionada para o aspecto de identificação de pessoas físicas e o uso de impressos (receituário médico), omitiu-se o endereço de todos os médicos que possuem registro no guia telefônico da cidade de Curitiba. Isso resultou num universo de pesquisa de 225 profissionais. Para a coleta dos dados foi utilizada a pesquisa postal, gerando uma amostra de 60 profissionais. 7 Análise dos resultados Os dados aqui apresentados denotam o resultado da pesquisa de campo realizada com profissionais liberais da área médica presen- Cadernos de Pós-Graduação, São Paulo, v. 3, n. 2, p , 2004.

7 tes na lista telefônica da cidade de Curitiba, excluindo-se os registros de clínicas e de médicos veterinários. As observações são as que seguem: Gráfico 1: Tipo do impresso utilizado Observou-se que cerca de 66% dos profissionais pesquisados utilizam papel pré-impresso em gráfica, e a prescrição dos medicamentos aos pacientes é feita manualmente. Observou-se ainda que, em 23% dos casos, a prescrição é feita em computador, mas com papel impresso adquirido em gráfica. Isso nos leva a um potencial de usuários de papel com impressão em gráfica de 87% dos pesquisados. Ainda foi visto que 13% dos médicos usam papel em branco e fazem sua prescrição ora manual, ora no computador. Observou-se que aproximadamente 50% dos profissionais adquirem blocos de receituários uma vez por ano. Como cerca de 25% dos pesquisados respondentes elaboram compras semestrais, conclui-se que 75% compra a totalidade dos blocos uma única vez por ano ou, no máximo, em duas vezes. Os demais respondentes compram de maneira mais pulverizada durante o ano, dos quais 9% compram a cada dois meses, como maior incidência observada. Tabela 1: Estimativa de volume consumido de receituários médicos por mês Faixas pesquisadas Valor central da faixa Percentual pesquisado Quantidade ponderada para a soma Até % 12 De 101 a 300 De 301 a 500 De 501 a 1000 Acima de % % % % 34 Consumo médio em folhas (mês) 320 Consumo médio em folhas/dia (20 dias úteis) Consumo médio em blocos 50 folhas (mês) 16 6,4 Gráfico 2: A freqüência das compras de receituários médicos A observação dos dados levantados mostra que 59% do consumo de folhas de receituário médico está entre 101 e 500 folhas. Na elaboração da média ponderada, verifica-se um consumo diário, por médico, de 16 folhas, ou seja, 6,4 blocos de 50 folhas por mês. Se considerarmos 20 dias úteis, esse número chega a um total de 320 folhas por mês. Associando-se estes dados aos do gráfico anterior, verifica-se que 43% dos médicos compram, de uma única vez, os 77 blocos de 50 fo- Cadernos de Pós-Graduação, São Paulo, v. 3, n. 2, p ,

8 lhas que usam anualmente e 27% adquirem o material em duas vezes. Tabela 2. Estimativa de valor pago por bloco de receituário médico Faixas pesquisadas (R$) Percentual da pesquisa Mínimo (R$) Médio (R$) Máximo (R$) Mínimo (R$) Médio (R$) Máximo (R$) Até 5 24% 0 2, ,6 1,2 Gráfico 3: Tempo no exercício da profissão De 5 a 10 52% 5 7,5 10 2,61 3,91 5,22 De 10 a 15 De 15 a 20 Acima de 20 11% 10 12,5 15 1,09 1,36 1,63 13% 15 17,5 20 1,96 2,28 2,61 0% Valor por bloco de 50 folhas (R$) 5,65 8,15 10,65 Observou-se que a grande maioria dos profissionais possui mais de 15 anos na função, portanto pessoas com idade acima dos 40 anos. Considerando-se que um estudante se gradua em medicina entre 23 e 25 anos, trata-se, de profissionais maduros, com muita experiência e não pertencentes à geração ponto.com, mas à anterior. Neste item, pode-se observar que mais da metade dos respondentes declarou pagar entre 5 e 10 reais por um bloco de 50 folhas receituário médico impresso. Os valores declarados, se ponderados da mesma forma que os dados de consumo, levam-nos ao valor médio aproximado de 8,15 reais por bloco de 50 folhas, o que, em tese, poderia ser usado para determinar o potencial de mercado deste produto, no país. Assim, se levarmos em conta que há médicos no país (PORTAL MÉDICO, 2004) e tomarmos para estimativa de consumo somente os localizados nas capitais, os médicos x 8,15 reais x 77 blocos nos levariam ao mercado potencial de aproximadamente 97 milhões de reais anuais apenas com receituários médicos impressos. Gráfico 4: Uso do computador Apesar de a população pesquisada ser mais madura, o gráfico acima ilustra que 96% dos profissionais têm acesso a computadores e a maioria (46%) os utiliza no consultório, ou em casa (39%). Esta informação reforça a tese da viabilidade do comércio eletrônico neste segmento de mercado, pois a cultura do uso 142 Cadernos de Pós-Graduação, São Paulo, v. 3, n. 2, p , 2004.

9 da internet business é algo mais recente e, portanto, privilégio da atual geração e as gerações futuras. possibilidades de escolha de produtos, opção de 29% das escolhas feitas. Apenas 7% dos entrevistados enfatizaram o preço como item que mais agradou quando optaram pela internet business. Assim, observa-se que, na maioria das vezes, outros fatores podem ser decisivos para o processo de compra, que não pura e simplesmente o preço. Gráfico 5: Uso da internet business No gráfico acima, observa-se que as opções pesquisar assuntos da área médica e comunicar-se ( ) foram as mais assinaladas, com 37% e 33% das respostas, respectivamente. Cabe destacar que, a compra de produtos pela Internet já faz parte da vida de 7% dos pesquisados. Gráfico 7: Compras de receituários médicos pela internet business Neste item, verificou-se que 12% dos respondentes comprariam os blocos de receituário médico pela internet business e 38% afirmaram que não o fariam. Ao analisar esses resultados de forma isolada, a resposta talvez indica um potencial de 50% dos médicos com propensão a utilizar esse canal para suas compras. Gráfico 6: Se efetuou compra por internet business, o que mais agradou? A maioria dos respondentes, 60%, enxerga que comprar pela internet business significa comodidade. A segunda opção mais escolhida foi que essa forma de aquisição permite mais Gráfico 8: Motivação para comprar receituários médicos via internet business Cadernos de Pós-Graduação, São Paulo, v. 3, n. 2, p ,

10 Esta pergunta foi respondida pelos profissionais que comprariam ou que, de acordo com a resposta anterior, talvez comprassem pela internet business. Para estes, a opção escolhida por 42% foi a que confirma a necessidade de personalização do modelo de receituário médico, ou seja, comprariam se pudessem escolher o modelo que fosse o seu, personalizado. Isso é extremamente relevante para ser considerado no momento do desenvolvimento de qualquer solução, já que fatores de custo de obtenção estão intimamente relacionados à não-padronização ou semi-padronização dos modelos. Outro dado importante é que 33% dos pesquisados responderam que comprariam se o processo da compra fosse fácil, indicando a necessidade de apresentar uma solução, não apenas da interface gráfica das páginas na internet business, mas também de todo o processo logístico da aquisição, após a confirmação do pedido eletrônico. para receber sua encomenda. 14% dos respondentes valorizam, sobremaneira, a urgência da entrega e, finalmente, há 8% que julgam ser o período de duas semanas um prazo razoável para receber a encomenda feita. De acordo com os dados levantados, em modelo comercializado do produto em questão, para se atingir a maioria deve-se estabelecer um ciclo total para a negociação, o que engloba desde o fechamento do pedido com a venda, sua produção até a entrega, num prazo máximo de uma semana. Gráfico 10: A forma de pagamento Gráfico 9: O prazo de recebimento da compra Essa pergunta foi elaborada e aplicada, para direcionar e estabelecer a logística de distribuição do modelo de comercialização a ser proposto. Para 45% dos profissionais, o prazo de três a cinco dias seria o ideal. Outros 33% concordam em aguardar entre cinco e dez dias Estabelecer um processo de cobrança via boleto bancário é preferência da maioria e tem facilidade de elaboração, haja vista que já existem mecanismos pelos quais, por meio de um convênio com bancos e instituições financeiras, se consegue proporcionar à pessoa que compra via internet business a opção de imprimir um boleto, já preenchido, em sua própria impressora. Todavia, essa forma de pagamento apresenta a desvantagem de o comprador ter a opção de desistir do pagamento, o que, na visão do vendedor, não é bom negócio, pois no caso de estoques já comprometidos com a encomenda e, em se tratando de produtos customizados, individualizados, o não-recebimento implica a perda do lote produzido. Neste caso, 144 Cadernos de Pós-Graduação, São Paulo, v. 3, n. 2, p , 2004.

11 o ideal é o pagamento por cartão de crédito, que é garantido pelas administradoras, ou mesmo por boleto, mas condicionando a produção ao pagamento deste. 7 Considerações finais Atualmente, a maioria das organizações tem a internet business e o comércio eletrônico (e-commerce) incorporados como parte de sua estratégia de tecnologia de informação. Com o uso do comércio eletrônico, essas organizações estão conseguindo fazer mais negócios, a um custo de transação menor, se comparado ao mercado tradicional. Nesse sentido, observou-se que é promissora a venda de material gráfico pela internet business para o nicho de profissionais liberais (médicos) da cidade de Curitiba. Como a pesquisa foi realizada com profissionais que possuíam mais de 15 anos na função, portanto com idade superior a 40, e esses indicaram que utilizavam a internet business com freqüência, alguns para realizar suas compras, podemos inferir que a tendência é de crescimento na utilização da internet business para compras pela atual geração de médicos, bem como pelas futuras. Percebe-se também que, em relação ao tipo de material gráfico mais utilizado por profissionais liberais, 87% dos pesquisados utilizam papel pré-impresso em gráfica e a prescrição dos medicamentos a seus pacientes é feita de forma manual ou em computador, o que indica que esse tipo de profissional prefere os modelos impressos em gráficas, que já possuem apresentação profissional, e não simplesmente folhas brancas ou até mesmo impressas em seu computador. Quanto à freqüência das compras, verifica-se que 70% desses profissionais compram a totalidade dos blocos que usarão no período de um ano, de uma única vez ou no máximo em duas vezes. Este dado é interessante, pois os custos decorrentes das impressões dos blocos poderiam ser inviáveis se os pedidos fosse feitos várias vezes por ano, impossibilitando uma melhor programação da empresa fornecedora. Outro ponto importante refere-se ao processo de compra, pagamento e entrega do material gráfico. Neste item, verifica-se que, para satisfazer a maioria dos profissionais, o tempo de ciclo total da negociação, englobando o fechamento do pedido com a venda, sua produção e entrega, deverá ser, no máximo, uma semana. Além disso, a empresa fornecedora deverá estabelecer um processo de cobrança via cartão de crédito, cujo pagamento é garantido pelas administradoras de cartão, ou mesmo via boleto, condicionando a produção à quitação deste, evitando, assim, possíveis prejuízos e cancelamento por parte do profissional. Finalmente, quando se analisam os resultados desta pesquisa, observa-se um cenário extremamente favorável para a venda de material gráfico pela internet business, especialmente pelo perfil dos novos profissionais liberais, mais acostumados ao convívio com ferramentas computacionais da atualidade. E-commerce as a strategy for graphic arts companies catering to doctors In recent years, a relevant increase has been observed in the utilization of Information Technology resources in trade exchanges. In Brazil, since the end of last century, the high utilization of computers and the versatility of the Internet Business, together with an Cadernos de Pós-Graduação, São Paulo, v. 3, n. 2, p ,

12 improvement in distribution logistics, have intensified the use of electronic commerce in business transactions. In this context, this paper highlights the important factors of that kind of commerce for graphic arts companies serving the market niche of Brazilian doctors. An exploratory research was conducted, with a sample of 60 doctors working in Curitiba, in the Brazilian state of Paraná. Results showed that graphic material sales through the Internet are promising and tend to grow up in the future. However, issues related to comfort, accessibility, customization and delivery date must be considered. Key words: E-commerce. Graphic arts products. Information. Internet business. Referências ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA GRÁFICA. Estatísticas do mercado gráfico brasileiro. Disponível em: <http://www.abigraf.org.br/>. Acesso em: 7 out CENTRO INCUBADOR DE EMPRESAS TECNOLÓGICAS. Pesquisa de tendências da internet business no Brasil Disponível em: <http://www. e-commerce.org.br>. Acesso em: 15 nov CONTADOR, J. C. Modelo para aumentar a competitividade industrial. 2 ed. São Paulo: Edgard Blücher, DAFT, R. L. Administração. 6. ed. Chicago: South- Western College Pub, 2004, 880 p. DRUCKER, P. F. O melhor de Peter Drucker: o homem, a administração, a sociedade. São Paulo: Nobel, xii, 570p. Tradução de: The essential Drucker. FELIPINI, D. Comércio eletrônico: Disponível em <http://www.e-commerce.org.br>. Acesso em: 13 nov INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E ESTATÍSTICA. Sites de comunidades e comunicação predominam na Internet Brasileira. Disponível em: raredirect?temp=5&proj=portalibope&pub=t&db =caldb&comp=ibope//netratings&docid=f5a8bc 3A1EC355D383256FF50069C1BF. Acesso em Acesso em: 21 nov LEGRAIN, Marc; MAGAIN, Daniel. Estudo de mercado. São Paulo: Makron Books, MATTAR, Fauze Najib. Pesquisa de marketing. Ed. compacta. Sao Paulo: Atlas, p. OLIVEIRA, J. F. Uma reflexão dos impactos da tecnologia no Brasil: a visão da sociedade, das empresas e dos sindicatos. 3 ed. São Paulo: Érica, PORTAL MÉDICO. Total de inscritos e ativos no Brasil. Estatísticas. Brasília, DF: CFM, Disponível em: <http://www.portalmedico.org. br/index.asp?opcao=estatisticas&portal=>. Acesso em: 3 mar PORTER, M. E. Vantagem competitiva. 5. ed. Rio de Janeiro : Campus, p, il. Traducao de: Competitiva advantage. E RANEVSKY, V. Os desafios do mercado gráfico no Brasil em Disponível em: <http://www. signdesign.com.br>. Acesso em: 15 nov RODRIGUES, L. C. Business intelligence: the management information system next step. In: MANAGEMENT INFORMATION SYSTEMS THIRD INTERNATIONAL CONFERENCE ON MANAGEMENT INFORMATION SYSTEMS INCORPORATING GIS & REMOTE, Hlakidiky, Anais. Hlakidiky: Wessex Institute of Technology, p , REVISTA EXAME. O rei do comércio eletrônico. São Paulo, n. 823, cad. Tecnologia 30/07/ Cadernos de Pós-Graduação, São Paulo, v. 3, n. 2, p , 2004.

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Comércio Eletrônico em Números

Comércio Eletrônico em Números Comércio Eletrônico em Números Evolução do E-commerce no Brasil 23 milhões é um grande número. 78 milhões 23 milhões Enorme potencial de crescimento no Brasil Mas fica pequeno se comprarmos com o número

Leia mais

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce).

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). A natureza global da tecnologia, a oportunidade de atingir

Leia mais

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico Apostila Comércio Eletrônico e-commerce Professor: Edson Almeida Junior Material compilado por Edson Almeida Junior Disponível em http://www.edsonalmeidajunior.com.br MSN: eajr@hotmail.com E-Mail: eajr@hotmail.com

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof. Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof. Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof. Odilon Zappe Jr Vantagens e Desvantagens do Comércio Eletrônico Vantagens Aumento do número de contatos da empresa com fornecedores e com outras empresas do mesmo ramo, e

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar as diversas estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar a tecnologia da informação para fazer frente às forças competitivas que as empresas enfrentam.

Leia mais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Introdução O Brasil já tem 4,7 milhões de microempreendedores individuais, segundo dados de janeiro de 2015 da Receita

Leia mais

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES): EBERSON EVANDRO DA SILVA GUNDIN, PAULO

Leia mais

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel E-BUSINESS Profª. Kelly Hannel AGENDA Evolução da internet nos negócios Conceitos de E-BUSINESS e COMÉRCIO ELETRÔNICO Identificando tendências do E-BUSINESS Quadro das interações possíveis no meio eletrônico

Leia mais

Evolução do Desempenho Logístico no Varejo Virtual do Brasil

Evolução do Desempenho Logístico no Varejo Virtual do Brasil Evolução do Desempenho Logístico no Varejo Virtual do Brasil Leonardo Uehara Resumo Este artigo apresenta a evolução do desempenho logístico no setor de e-commerce B2C no Brasil ao longo do ano de 2000.

Leia mais

Varejo virtual ERA DIGITAL. por Tânia M. Vidigal Limeira FGV-EAESP

Varejo virtual ERA DIGITAL. por Tânia M. Vidigal Limeira FGV-EAESP ERA DIGITAL Varejo virtual Ovolume de operações registrado recentemente no âmbito do comércio eletrônico atesta que a Internet ainda não chegou às suas últimas fronteiras. Vencidas as barreiras tecnológicas

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

HSM Management Update nº16 - Janeiro 2005

HSM Management Update nº16 - Janeiro 2005 Pesquisa realizada com empresas industriais paulistas revela que a Internet e outras tecnologias de informação estão provocando uma revolução silenciosa na manufatura, mas continuam sendo subutilizadas.

Leia mais

Desembaraço. Informações da indústria como você nunca viu

Desembaraço. Informações da indústria como você nunca viu Desembaraço Informações da indústria como você nunca viu Introdução É uma ferramenta dominada pela geração Y, mas que foi criada pela geração X. Ela aproxima quem está longe e tem distanciado quem está

Leia mais

E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS

E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS Central de Cases E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS www.espm.br/centraldecases Central de Cases E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS Preparado pelo Prof. Vicente Martin Mastrocola, da ESPM SP. Disciplinas

Leia mais

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce...

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce... Sumário Bleez Agência Digital... 3 Quem sou eu... 4 Introdução... 5 Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7 Quem está comprando no ecommerce... 10 Por que os brasileiros estão comprando mais... 12 O

Leia mais

Fornecedores. Apresentação. www.grupoquantica.com. Nosso desafio é o seu sucesso!

Fornecedores. Apresentação. www.grupoquantica.com. Nosso desafio é o seu sucesso! Fornecedores www.grupoquantica.com Apresentação 2010 A idéia Fundado e idealizado por Cleber Ferreira, Consultor de Marketing e Vendas, autor do livro Desperte o Vendedor Interior com Técnicas de Vendas

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014 Resumo Introdução O Comércio Eletrônico é um dos aspectos relevantes no ambiente empresarial atual e tem recebido atenção especial das empresas nos últimos anos, primeiro por ser considerado como uma grande

Leia mais

Comércio Eletrônico FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE

Comércio Eletrônico FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Comércio Eletrônico FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Definição Toda atividade de compra e venda realizada com recursos eletrônicos; Uso de mecanismos eletrônicos para a

Leia mais

Nas áreas urbanas, 44% da população está conectada à internet. 97% das empresas e 23,8% dos domicílios brasileiros estão conectados à internet.

Nas áreas urbanas, 44% da população está conectada à internet. 97% das empresas e 23,8% dos domicílios brasileiros estão conectados à internet. Algumas pesquisa realizada recentemente, revelaram resultados surpreendentes sobre o uso da Internet nas empresas no Brasil. Neste artigo interpreta alguns dados e lhe revela as soluções que podem ajudar

Leia mais

A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS

A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Gestão e Tecnologia da Informação IFTI1402 T25 A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS Marcelo Eustáquio dos Santos

Leia mais

versa A solução definitiva para o mercado livreiro. Aumente a eficiência de seu negócio Tenha uma solução adequada para cada segmento

versa A solução definitiva para o mercado livreiro. Aumente a eficiência de seu negócio Tenha uma solução adequada para cada segmento Aumente a eficiência de seu negócio O Versa é um poderoso software de gestão de negócios para editoras, distribuidoras e livrarias. Acessível e amigável, o sistema foi desenvolvido especificamente para

Leia mais

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente.

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente. Mário Sérgio Azevedo Resta CONSULTOR TÉCNICO EM NEGÓCIOS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro Educação a Distância Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. A única diferença é a sala de aula que fica em suas

Leia mais

Ingresso Março 2015 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba

Ingresso Março 2015 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba Ingresso Março 2015 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba MBA em Gestão de Vendas e Relacionamento O programa desenvolve conhecimentos e habilidades que possibilitem ao profissional atender de

Leia mais

E-COMMERCE: UM ESTUDO DIRIGIDO AO CONSUMO DE LIVROS E ARTIGOS TEXTUAIS PELA COMUNIDADE ACADÊMICA

E-COMMERCE: UM ESTUDO DIRIGIDO AO CONSUMO DE LIVROS E ARTIGOS TEXTUAIS PELA COMUNIDADE ACADÊMICA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 E-COMMERCE: UM ESTUDO DIRIGIDO AO CONSUMO DE LIVROS E ARTIGOS TEXTUAIS PELA COMUNIDADE ACADÊMICA Gustavo Antonie Risso 1, Marcela Bortotti Favero 2 RESUMO:

Leia mais

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Maio de 2010 Conteúdo Introdução...4 Principais conclusões...5 Dados adicionais da pesquisa...14 Nossas ofertas de serviços em mídias sociais...21

Leia mais

DIFERENCIAIS SERVIÇOS. 1. Desenvolvimento De Sites Personalizados

DIFERENCIAIS SERVIÇOS. 1. Desenvolvimento De Sites Personalizados DIFERENCIAIS Acredito que o desenvolvimento de soluções para Internet não é um trabalho qualquer, deve-se ter certa experiência e conhecimento na área para projetar sistemas que diferenciem você de seu

Leia mais

Tecnologias da Informação e da. e Organizacionais

Tecnologias da Informação e da. e Organizacionais Tecnologias da Informação e da Comunicação nos Cenários Econômicos e Organizacionais A evolução tecnológica acompanhando a mudança organizacional Os negócios na era eletrônica O comércio eletrônico Cadeias

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

INDICADORES DE MERCADO

INDICADORES DE MERCADO INDICADORES DE MERCADO SUMÁRIO EXECUTIVO Nessa edição dos Indicadores de Mercado, desenvolvido pelo Comitê de Marketing do IAB Brasil, são apresentados os dados consolidados do primeiro semestre de 2007,

Leia mais

Universidade Anhembi Morumbi On-line. Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. Tudo a um clique de você.

Universidade Anhembi Morumbi On-line. Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. Tudo a um clique de você. Universidade Anhembi Morumbi On-line. Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. Tudo a um clique de você. Educação a Distância Anhembi Morumbi Agora você pode estudar em uma universidade internacional

Leia mais

MARKETING NA INTERNET

MARKETING NA INTERNET MARKETING NA INTERNET HUGO HOCH CONSULTOR DE MARKETING ER. BAURU SEBRAE-SP hugoh@sebraesp.com.br Marketing na Internet O que é? o Marketing na Internet, também referido como: i-marketing, web marketing,

Leia mais

2 Business to Consumer

2 Business to Consumer 2 Business to Consumer Business to consumer (B2C) é o segmento dentro do comércio eletrônico que abrange qualquer transação em que uma companhia ou organização vende seus produtos ou serviços para as pessoas

Leia mais

Pós-Graduação Business Intelligence

Pós-Graduação Business Intelligence Pós-Graduação Business Intelligence Tendências de Mercado de Business Intelligence Aula 01 Negócios e Tecnologia da Informação Objetivos da Aprendizagem Discutir as pressões corporativas e as reações que

Leia mais

Evolução do Desempenho Logístico no Varejo Virtual do Brasil

Evolução do Desempenho Logístico no Varejo Virtual do Brasil Evolução do Desempenho Logístico no Varejo Virtual do Brasil Leonardo Uehara 1. O e-commerce e a Logística Muitas controvérsias surgem quando se fala no futuro do e-commerce no Brasil. Raríssimas empresas

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Manual do Sistema "Venda - Gerenciamento de Vendas, Estoque, Clientes e Financeiro" Editorial Brazil Informatica

Manual do Sistema Venda - Gerenciamento de Vendas, Estoque, Clientes e Financeiro Editorial Brazil Informatica Manual do Sistema "Venda - Gerenciamento de Vendas, Estoque, Clientes e Financeiro" Editorial Brazil Informatica I Venda - Gerenciamento de Vendas, Estoque, Clientes e Financeiro Conteúdo Part I Introdução

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

TERMO DE USO TERMOS DE USO DO CLIENTE

TERMO DE USO TERMOS DE USO DO CLIENTE TERMO DE USO TERMOS DE USO DO CLIENTE A) APLICABILIDADE 1. Os presentes termos de uso são aplicáveis aos Usuários da INTERNET POOL COMÉRCIO ELETRONICO LTDA, inscrita no CNPJ/MF sob o nº 09.491.113/0001-01,

Leia mais

Logistica e Distribuição. Responsabilidades. O Fluxo do Processamento do Pedido. Mas quais são as atividades da Logística?

Logistica e Distribuição. Responsabilidades. O Fluxo do Processamento do Pedido. Mas quais são as atividades da Logística? Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição A Atividade de Processamento de Pedidos e Aquisição/Programação de Produtos Primárias Apoio 1 2 Responsabilidades O Fluxo

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1 4 OBJETIVOS OBJETIVOS A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS Como a tecnologia de Internet mudou propostas de valor e modelos de negócios

Leia mais

Prof. Lucas Santiago

Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Administração de Sistemas de Informação Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação são classificados por

Leia mais

Welcome Call em Financeiras. Categoria Setor de Mercado Seguros

Welcome Call em Financeiras. Categoria Setor de Mercado Seguros Categoria Setor de Mercado Seguros 1 Apresentação da empresa e sua contextualização no cenário competitivo A Icatu Seguros é líder entre as seguradoras independentes (não ligadas a bancos de varejo) no

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO PONTA GROSSA

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO PONTA GROSSA FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO ANÁLISE CONJUNTURAL DO MÊS DE JANEIRO DE 2014 PONTA GROSSA Este relatório, referente ao mês de Janeiro de 2014, da Pesquisa Conjuntural

Leia mais

Educação além dos limites da sala de aula

Educação além dos limites da sala de aula Educação além dos limites da sala de aula Como a Brightspace passou a fazer parte da vida de 20.000 alunos da Universidade Tiradentes Visão Geral Com mais de 50 anos de tradição e reconhecido pioneirismo

Leia mais

Estudo de caso. Varejo/Atacado Força de vendas Estudo de caso comercial

Estudo de caso. Varejo/Atacado Força de vendas Estudo de caso comercial Estudo de caso Representantes de vendas da Diarco otimizam o sistema de pedidos em mais de 50.000 lojas em todo o país com a Mobile Empresa: Diarco é a principal empresa de comércio atacadista de auto-atendimento

Leia mais

Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com

Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5 Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Introdução Mudança no ambiente empresarial; Ligação com o desenvolvimento de tecnologia da informação. Características

Leia mais

Muito ALÉM de uma simples LOJA VIRTUAL. Vanessa Kupczik

Muito ALÉM de uma simples LOJA VIRTUAL. Vanessa Kupczik Muito ALÉM de uma simples LOJA VIRTUAL. Vanessa Kupczik Mestre em Design (UFPR). MBA e pós-graduação em Marketing (UFPR). Pós-graduada em Web Design (PUCPR). Graduação em Desenho Industrial (UFPR). Técnico

Leia mais

PERFIL DOS USUÁRIOS DE E-COMMERCE EM GUAÍBA

PERFIL DOS USUÁRIOS DE E-COMMERCE EM GUAÍBA PERFIL DOS USUÁRIOS DE E-COMMERCE EM GUAÍBA João Antonio Jardim Silveira 1 Amilto Muller ¹ Luciano Fagundes da Silva ¹ Luis Rodrigo Freitas ¹ Marines Costa ¹ RESUMO O presente artigo apresenta os resultados

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

TIC Microempresas 2007

TIC Microempresas 2007 TIC Microempresas 2007 Em 2007, o Centro de Estudos sobre as Tecnologias da Informação e da Comunicação do NIC.br, no contexto da TIC Empresas 2007 1, realizou pela primeira vez um estudo sobre o uso das

Leia mais

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Sistemas web e comércio eletrônico Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Tópicos abordados Arquitetura do e-commerce Aspectos importantes do e-commerce Modelos de negócios Identificação do modelo

Leia mais

Orbitall. Autora: Carolina Fernandes Corrêa Leite. Orientadora: Profa. Ms. Ana Maria Santiago Jorge de Melo. Universidade Presbiteriana Mackenzie

Orbitall. Autora: Carolina Fernandes Corrêa Leite. Orientadora: Profa. Ms. Ana Maria Santiago Jorge de Melo. Universidade Presbiteriana Mackenzie Orbitall Autora: Carolina Fernandes Corrêa Leite Orientadora: Profa. Ms. Ana Maria Santiago Jorge de Melo Universidade Presbiteriana Mackenzie Introdução O setor de cartões de crédito tem crescido a taxas

Leia mais

1 Descrição do Problema 1.1.Introdução

1 Descrição do Problema 1.1.Introdução 14 1 Descrição do Problema 1.1.Introdução Desde a década de 90, a Internet tem-se mostrado importante instrumento na vida cotidiana do consumidor, não somente para ampliar a pesquisa de informações sobre

Leia mais

EMPREENDEDOR. Aqui está a oportunidade certa para seu sucesso.

EMPREENDEDOR. Aqui está a oportunidade certa para seu sucesso. EMPREENDEDOR Aqui está a oportunidade certa para seu sucesso. Introdução O que é a DIVULGGARE A micro franquia DIVULGGARE Como funciona o sistema de micro franquia DIVULGGARE Fórmula para o sucesso Produtos

Leia mais

Ingresso Março 2015. Outubro 2014. Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba

Ingresso Março 2015. Outubro 2014. Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba Ingresso Março 2015 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba MBA em Marketing Digital Desenvolver profissionais para atuarem na era digital, com visão estratégica e conhecimento técnico para planejar

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

Estratégia e Regras do Negócio: E-Commerce. O que é e-commerce?

Estratégia e Regras do Negócio: E-Commerce. O que é e-commerce? E-Commerce O que é e-commerce? Comércio electrónico ou e-commerce é um conceito aplicável a qualquer tipo de negócio ou transação comercial que implique a transferência de informação através da Internet.

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING

UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING Monique Michelon 1 Lorete Kossowski 2 RESUMO O empreendedorismo no Brasil vive hoje um cenário promissor,

Leia mais

O QUE PRECISAMOS SABER PARA IMPLANTAR UM COMÉRCIO ELETRÔNICO BEM SUCEDIDO

O QUE PRECISAMOS SABER PARA IMPLANTAR UM COMÉRCIO ELETRÔNICO BEM SUCEDIDO O QUE PRECISAMOS SABER PARA IMPLANTAR UM COMÉRCIO ELETRÔNICO BEM SUCEDIDO CONCEITUAÇÃO Comércio Eletrônico (E-Commerce provém de Electronic Commerce ) - termo usado para identificar um sistema comercial

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Objetivos. Universo. Transformação. Administração 10/10/2012. Entender as definições de e-business e e- commerce;

Objetivos. Universo. Transformação. Administração 10/10/2012. Entender as definições de e-business e e- commerce; Objetivos Administração Profª Natacha Pouget Módulo: Gestão de Inovação e Ativos Intangíveis Tema da Aula: E-Business e Tecnologia da Informação I Entender as definições de e-business e e- commerce; Conhecer

Leia mais

Cartão BNDES. Guia Cartão BNDES

Cartão BNDES. Guia Cartão BNDES Guia O é destinado para micro, pequenas e médias empresas para o financiamento da compra de equipamentos, serviços e insumos. As vendas com o cartão BNDES são realizadas exclusivamente no Portal (www.cartaobndes.gov.br)

Leia mais

Um sistema financeiro saudável, ético e eficiente é condição essencial para o desenvolvimento econômico, social e sustentável do País.

Um sistema financeiro saudável, ético e eficiente é condição essencial para o desenvolvimento econômico, social e sustentável do País. Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária 2013 Um sistema financeiro saudável, ético e eficiente é condição essencial para o desenvolvimento econômico, social e sustentável do País. OBJETIVOS A Pesquisa

Leia mais

Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária 2013 O Setor Bancário em Números

Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária 2013 O Setor Bancário em Números Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária 2013 O Setor Bancário em Números Um sistema financeiro saudável, ético e eficiente é condição essencial para o desenvolvimento econômico, social e sustentável do

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS O PODER DA INFORMAÇÃO Tem PODER quem toma DECISÃO Toma DECISÃO correta quem tem SABEDORIA Tem SABEDORIA quem usa CONHECIMENTO Tem CONHECIMENTO quem possui INFORMAÇÃO (Sem

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. Vendas, Loja Virtual e Gestão de Comissões

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. Vendas, Loja Virtual e Gestão de Comissões Bloco Comercial Vendas, Loja Virtual e Gestão de Comissões Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos Vendas, Loja Virtual e Gestão de Comissões, que se encontram no Bloco

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 A GSMA representa os interesses da indústria mundial de comunicações móveis. Presente em mais de 220 países, a GSMA

Leia mais

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização: Comércio Eletrônico FTS Faculdade Taboão da Serra Curso de Administração de Sistemas de Informações Disciplina: Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

Indicadores. COMITÊ DE MARKETING Outubro/2007

Indicadores. COMITÊ DE MARKETING Outubro/2007 Indicadores COMITÊ DE MARKETING Outubro/2007 Introdução Comprovando as projeções otimistas da entidade o número de usuários residenciais de internet passou de 20 milhões. Diversos fatores contribuíram

Leia mais

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI)

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) 1. Funcionamento do EDI 2. EDI tradicional X WEB EDI 3. EDI Tradicional 4. WEB EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) EDI: Electronic Data Interchange Troca

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO E - COMMERCE UM ESTUDO DE CASO NA LOJASMEL

A IMPORTÂNCIA DO E - COMMERCE UM ESTUDO DE CASO NA LOJASMEL 1 A IMPORTÂNCIA DO E - COMMERCE UM ESTUDO DE CASO NA LOJASMEL Jaqueline Kelly Stipp 1 Jéssica Galindo de Souza 2 Luana Alves dos Santos Lemos 3 Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO Esse artigo tem como objetivo

Leia mais

Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Intranet e Extranet Rede privada baseada na mesma tecnologia utilizada na internet, sendo sua única diferença o objetivo por trás

Leia mais

II. Visão Geral do e-business

II. Visão Geral do e-business II. Visão Geral do e-business 1. e-commerce X e-business 2. Vantagens do e-business 3.Problemas na Internet 4. Tipos de e-business 5. Categorias de e-business 6. Ferramentas de Comércio Eletrônico 7. Dimensões

Leia mais

Manual Prático do Usuário

Manual Prático do Usuário Página 12 Saiba mais Em quanto tempo seu cliente recebe o produto Como é emitida a Nota fiscal e recolhido os impostos Pergunte ao Suporte Todos os pedidos serão enviados em até 24 horas úteis, após a

Leia mais

Introdução. 1. O que é e-commerce?

Introdução. 1. O que é e-commerce? Introdução As vendas na internet crescem a cada dia mais no Brasil e no mundo, isto é fato. Entretanto, dominar esta ferramenta ainda pode ser um mistério tanto para micro quanto para pequenos e médios

Leia mais

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente.

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. As interações com os clientes vão além de vários produtos, tecnologias

Leia mais

Fábrica Digital - Como a Tecnologia da Informação suporta a Inovação. Daniel Bio SAP Brasil

Fábrica Digital - Como a Tecnologia da Informação suporta a Inovação. Daniel Bio SAP Brasil Fábrica Digital - Como a Tecnologia da Informação suporta a Inovação Daniel Bio SAP Brasil Atuação e presença em +120 países, 37 idiomas Cerca de 54.000 funcionários 7 Centros Globais de Suporte, oferecendo

Leia mais

Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil.

Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil. Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01 PROMOVA A INTEGRAÇÃO ENTRE AS ÁREAS DE SUA

Leia mais

Wagner K. Arendt Coordenador de TI FCDL/SC

Wagner K. Arendt Coordenador de TI FCDL/SC Wagner K. Arendt Coordenador de TI FCDL/SC sua empresa na Internet A criação de um site é uma regra geral para empresas que querem sobreviver em um mercado cada vez mais agressivo e um mundo globalizado,

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Como sua empresa pode

Como sua empresa pode Como sua empresa pode [ O guia de segmentação por IP ] Tecnologia de Inteligência de IP e de geolocalização O método de encontrar a localização física e geográfica de um usuário com base unicamente em

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Comércio Eletrônico Um breve histórico Comércio compra, venda, troca de produtos e serviços; Incrementado pelos Fenícios, Árabes, Assírios e Babilônios uso

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA

TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA 1 TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA Alan Nogueira de Carvalho 1 Sônia Sousa Almeida Rodrigues 2 Resumo Diversas entidades possuem necessidades e interesses de negociações em vendas, e através desses

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral

Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral Estratégia de negócio, estratégias de segmentação e posicionamento. Análise do potencial de demanda. Definição da missão. liderança.

Leia mais

www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO *

www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO * CENTRO DE INFORMÁTICA APLICADA PROGRAMA DE EXCELÊNCIA DE NEGÓCIOS NA ERA DIGITAL PESQUISA FGV COMÉRCIO ELETRÔNICO NO MERCADO BRASILEIRO www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO * COORDENADOR:

Leia mais

Cartões Private Label

Cartões Private Label Cartões Private Label Quando implementar? Como ativar? Por que ir além? Walter Rabello Quando Implementar Como Ativar Por que Ir além O que é Private Label? Para quem trabalha no mercado de cartões: Cartão

Leia mais