INFO E TECNO-EXCLUSÃO NO BRASIL: CONCEITOS QUE AINDA EXPRESSAM A REALIDADE?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFO E TECNO-EXCLUSÃO NO BRASIL: CONCEITOS QUE AINDA EXPRESSAM A REALIDADE?"

Transcrição

1 ISSN: INFO E TECNO-EXCLUSÃO NO BRASIL: CONCEITOS QUE AINDA EXPRESSAM A REALIDADE? Maria Alice Campagnoli Otre¹ RESUMO: A partir de dados apontados em relatórios reconhecidos nacional e internacionalmente, como a Pesquisa TIC domicílios e empresas, o TIC Educação e o comscore The Brazilian Online Audience, de 2011, além de IBGE 2005 e o Digital economy rankings 2010: Beyond e-readiness, pudemos levantar, por meio de pesquisa documental, alguns dados relacionados ao Brasil que apontam evoluções e estagnações no que diz respeito à democratização das TICs (Tecnologias de Informação e Comunicação). Diversas situações como o acesso à educação e o poder aquisitivo concentrado em determinadas regiões contribuem para desigualdades latentes no que diz respeito ao alcance da internet, sua potência, a qualidade do uso, a utilização de mídias móveis, entre outros. Para ancorar esses dados, apoiamo-nos também em revisão de literatura para trazer à discussão Manuel Castells, Rogério Santanna, e outros, que debatem a info e a tecno-exclusão no Brasil. Palavras-chave: TICs. Info e tecno-exclusão. Brasil. RESUMEN: Por medio de datos reconocidos a nivel nacional e internacional, como el informe TIC domicílios e empresas, el TIC Educação y el comscore The Brazilian Online Audience, de 2011, además de los datos de IBGE 2005 y del Digital economy rankings 2010: Beyond e-readiness, pudimos conocer, por medio de investigación documental, algunos datos relacionados al Brasil que apuntan desarrollos y estancamientos con respecto a la democratización de las TICs (Tecnologías de Información y Comunicación). Diversas situaciones tales como el acceso a la educación y el poder adquisitivo concentrado en determinadas regiones, contribuyen a las desigualdades latentes sobre el alcance de Internet, su potencia, la calidad del uso, la utilización de los medios móviles, entre otras cosas. Para fijar estos datos, nos basamos también en revisión de la literatura con Manuel Castells, Rogério Santanna, y otros que discuten la info y tecno-exclusión en Brasil. PALABRAS LLAVE: TICs. Informes. Brasil. Info-exclusión. Tecno-exclusión. ¹ Doutoranda em Comunicação pela Universidade Metodista de São Paulo. Coordenadora do Núcleo de Pesquisa da Faculdade de Ensino Superior do Interior Paulista FAIP/FAEF. Comunicação & Mercado/UNIGRAN - Dourados - MS, vol. 02, n. 04, p , jan-jul 2013

2 C. Otre, Maria Alice 42 INTRODUÇÃO O Brasil, país continental, conhecido por suas riquezas (naturais, materiais, culturais) e desigualdades, parece querer entrar de vez na era das TICs (Tecnologias de Informação e Comunicação). Diversas pesquisas e relatórios trazem à tona a tendência das TICs no mundo, em países específicos e também em regiões. Baseados em alguns desses dados, buscamos situar o panorama brasileiro quanto ao acesso às variáveis tecnológicas, tais como infraestutura de conexão, forma de acesso, quantidade e localização de internautas, uso das TICs na educação, entre outras coisas. Dentre os relatórios utilizados estão Pesquisa TIC domicílios e empresas, o TIC Educação, e o comscore The Brazilian Online Audience, de 2011, além do Censo do IBGE (2005) e o Digital economy rankings 2010: Beyond e-readiness, de Vale destacar que os dados obtidos, devido às diferentes metodologias, amostras e tipo de abordagem utilizados, por vezes são contraditórios ou incoerentes. Não pretendemos, porém, identificar o correto e o errado, já que cada pesquisa explica detalhadamente sua metodologia justificando os resultados; mas apontar as disparidades, o que se faz necessário para que não tenhamos o resultado de um relatório como retrato único e verdadeiro quanto às estatísticas nacionais. Trabalharemos esses dados com o objetivo de discutir conceitos como o de Manuel Castells, principalmente os de info e tecno-exclusão (2004). Afinal, os dados têm mostrado qual panorama sobre o Brasil? O país que fora pouco atingido pelas crises mundiais, que apresenta boas taxas de crescimento, que tem aumentado significativamente a renda de sua população, também tem alterado visivelmente o acesso da população às TICs? Essas experiências digitais atingem de maneira igualitária todo o território e comunidades? Quão longe estamos de uma democratização justa das TICs? Essas são algumas perguntas que nos servem como norte para que possamos refletir sobre a realidade do Brasil frente às TICs. Começaremos trabalhando conceitos como TICs, suas benesses e problemas, além de info e tecno-exclusão. A ERA DAS TICS Não é de hoje que se fala das Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) e de uma sociedade organizada em rede. Manuel Castells, um dos grandes estudiosos dos fenômenos digitais, destaca que no fim do segundo milênio da Era Cristã, vários acontecimentos de importância histórica transformaram o cenário social da vida humana. Segundo o autor, uma revolução tecnológica concentrada nas tecnologias da informação, que começou a remodelar a base material da sociedade em ritmo acelerado (2004, p. 39). Está claro, porém, no pensamento de Castells, os limites da relação entre tecnologia e transformação da sociedade. Comunicação & Mercado/UNIGRAN - Dourados - MS, vol. 0X, n. 0X, p , jan-jul 2013

3 INFO E TECNO-EXCLUSÃO NO BRASIL: CONCEITOS QUE AINDA EXPRESSAM A REALIDADE? 43 É claro que a tecnologia não determina a sociedade. Nem a sociedade escreve o curso da transformação tecnológica, uma vez que muitos fatores, inclusive criatividade e iniciativa empreendedora, intervêm no processo de descoberta científica, inovação tecnológica e aplicações sociais, de forma que o resultado final depende de um complexo padrão interativo (CASTELLS, 2004, p.43). Não se pode, conquanto, desconsiderar a importância dessas variáveis para o mundo moderno. Ao considerarmos os parâmetros que tínhamos de tempo e distância, de presença e ausência, vê-se que a realidade que nos rodeia passa necessariamente pela tecnologia. Computação ubíqua, cloud computing, realidade virtual ou aumentada, a explosão das mídias móveis e o avanço da telefonia. Conceitos que passam a fazer parte do nosso dia a dia e a partir dos quais nos programamos, movemos, trabalhamos, estudamos, nos relacionamos. São diversas novas realidades colocadas, novas formas de interação, novos benefícios e -porque não -, novos problemas também. O primeiro dos problemas a ser colocado neste artigo, como foco principal, seria quão rotineiras essas tecnologias realmente são. Ou ainda, quem realmente tem a possibilidade de se organizar, trabalhar, estudar e tantas outras atividades por meio das TICs? Quando o tema é tecnologia, incorremos constantemente no erro de considerar comuns, conhecidas e até mesmo ultrapassadas, ferramentas que, devido à rapidez com a qual evoluem, são substituídas. O fato é que a sociedade globalizada e em rede que parece tão claramente efetivada, não garante ainda igualdade a todos os povos e regiões de participar, interagir e, mais ainda, emitir informação/conteúdo/opinião nesta realidade. Atento a essa situação desde 2002², Manuel Castells elabora os conceitos de info e tecno-exclusão, sobre os quais vamos nos debruçar. INFO E TECNO-EXCLUSÃO Se até os dias atuais o mundo não deu conta de resolver problemas como a fome, moradia digna, questões de saúde pública e outras situações com as quais lutamos desde o começo dos tempos, não era de se esperar uma democratização rápida e eficaz de um bem cultural tão recente. A questão da info e da tecno-exclusão vai além do que geralmente lhe é atribuído: acesso à internet. A info-exclusão fundamental não se mede pelo número de acessos à Internet, mas sim pelas conseqüências que tanto a ligação como a falta de ligação comportam, porque a Internet, como demonstra este livro, não é apenas uma tecnologia: é o instrumento tecnológico e a forma organizativa que distribui o poder da informação, a geração de conhecimentos e a capacidade de ligar-se em rede em qualquer âmbito da atividade humana (CASTELLS, 2004, p. 311). ² No livro A galáxia internet, traduzido para o português em 2004 Comunicação & Mercado/UNIGRAN - Dourados - MS, vol. 02, n. 04, p , jan-jul 2013

4 C. Otre, Maria Alice 44 Nesta realidade de info e tecno-exclusão, Castells situa uma centralização geográfica e de classe no acesso às TICs quem dirá na qualidade de seu uso-, o que não se difere muito dos outros tipos de exclusão que conhecemos. Ao falar da internet, ele aponta: Contudo, as condições nas quais se está a produzir a difusão da internet, na maioria dos países, estão a criar uma profunda info-exclusão. Os centros urbanos mais importantes, as atividades globalizadas e os grupos sociais de maior nível educativo estão a entrar nas redes globais baseadas na internet, enquanto que a maior parte das regiões e das pessoas continua desligada (2004, p. 304). Apesar de os conceitos não definirem apenas o acesso à internet, temos que considerar que se já falta o acesso, quem dirá as outras variáveis. Segundo o autor este seria um requisito prévio para superar a desigualdade numa sociedade cujas funções principais e cujos grupos sociais dominantes estão cada vez mais organizados em torno da internet (CASTELLS, 2004, p. 288). Citando autores como Wellman (2001) e Wilbon (2003), Cristiano Aguiar Lopes argumenta a medida da exclusão quando os cidadãos não têm acesso à internet. Segundo ele, Quando falamos de redes digitais, estamos falando sobre uma inerente rede social. Hoje, as redes digitais são instituições sociais, integradas ao dia-a-dia contemporâneo. Portanto, quando um cidadão não tem acesso às TICs, não se trata de ele simplesmente não ter acesso a uma tecnologia, e sim a uma instituição social, resultando, portanto, em exclusão social. Logo, onde quer que exista uma minoria com acesso desigual às TICs, o que temos é mais uma exclusão, que se soma às muitas tradicionais já existentes (LOPES, 2007, p. 2). E como o acesso às TICs poderia então ajudar os países em desenvolvimento, se muitas vezes nem suas necessidades primárias foram supridas? Para Castells, O desenvolvimento sem internet seria equivalente à industrialização sem eletricidade durante a era industrial. É devido a isto que a afirmação tantas vezes ouvida relativamente à necessidade de começar pelos problemas reais do terceiro mundo, ou seja, a saúde, a educação, a água, a eletricidade e outras necessidades, antes de se pensar no desenvolvimento da internet, revela um profundo desconhecimento das questões que realmente importam hoje em dia. Com efeito, sem uma economia e um bom sistema de gestão baseados na Internet, é praticamente impossível que um país seja capaz de gerar os recursos necessários para cobrir as suas necessidades de desenvolvimento, numa base sustentável, ou seja, econômica, social e ecologicamente sustentável (CASTELLS, 2004, p. 311). Lopes (2007, p.3) corrobora com Castells ao apontar que a adoção das TICs contribui para acelerar o crescimento dos países em desenvolvimento: Esse progresso acelerado é possível devido à possibilidade de que os países em desenvolvimento absorvam experiências já testadas nos países desenvolvidos, reduzindo assim custos, aumentando a produtividade e reduzindo a distância entre os dois grupos. É verdade que, no nível macroeconômico, há poucas evidências de que essa aceleração ocorra, mas no nível microeconômico existem diversos casos de empresas que utilizaram com sucesso as TICs para queimar etapas de desenvolvimento (LOPES, 2007, p. 3). Comunicação & Mercado/UNIGRAN - Dourados - MS, vol. 0X, n. 0X, p , jan-jul 2013

5 INFO E TECNO-EXCLUSÃO NO BRASIL: CONCEITOS QUE AINDA EXPRESSAM A REALIDADE? 45 O autor não fecha os olhos, porém às diversas dificuldades que os países que estão à margem dessa realidade sofrem. Também é necessário ter em mente que os países em desenvolvimento têm, em geral, capacidade reduzida para aproveitar as oportunidades dadas pelas TICs devido a sérias restrições de infra-estrutura e, principalmente, de capacitação tecnológica (LOPES, 2007, p. 3). Para Castells, esse é realmente um dos grandes problemas para os fenômenos da info e tecno-exclusão, O uso diferencial da internet no mundo em vias de desenvolvimento deve-se principalmente à enorme diferença na infra-estrutura de telecomunicações, aos fornecedores de serviços e de conteúdos Internet, assim como às estratégias que estão a ser utilizadas para combater esta diferença (CASTELLS, 2004, p. 304). No momento em que produziu seu livro, o autor levantou ainda como obstáculos o fato de que em 2002, 87% dos sites estavam na língua inglesa, o que dificulta o acesso a informações pelos que não dominam o idioma, uma realidade bem próxima para nós latino-americanos e brasileiros (CASTELLS, 2004, p. 294). Outro problema claro neste círculo exclusório, é a rapidez com a qual as tecnologias evoluem, fator que não contribui para que todos caminhem no mesmo momento evolutivo da ciência e tecnologia, já que fatores como educação e condição econômica e social interferem na aquisição e competência em lidar com os produtos. Em uma das suas muitas previsões que deram certo, Castells dizia em Portanto, é bastante provável que, quando as massas tiverem por fim acesso à internet através da linha telefônica, as elites globais já se tenham escapado para um círculo superior do ciberespaço (p. 297). O autor continua dizendo que Assim que uma fonte de desigualdade tecnológica parece diminuir, surge outra nova: o acesso diferencial ao serviço de banda larga de alta velocidade (que atualmente utiliza tecnologias tais como a Rede Digital de Serviços Integrados (RDIS), a Linha Digital de Subscritor (DSL), os modems por cabo e, num futuro próximo, o acesso à internet de base sem fios (WAP), que por agora, enquanto escrevo essas linhas é apenas de banda estreita) (CAS- TELLS, 2004, p.297). Manuel Castells aponta uma coincidência durante os anos 90 que relacionou o desenvolvimento da nova economia e a difusão da internet com um aumento considerável da desigualdade econômica no mundo, assim como a polarização, pobreza e exclusão social (2004, p ). Segundo o autor em termos gerais, o hiato entre o mundo desenvolvido e o mundo em vias de desenvolvimento, relativamente à produtividade, tecnologia, rendimento, benefícios sociais e nível de vida aumentou durante a década de 90, apesar de o autor apresentar alguns avanços na China, Índia, Brasil, México, Argentina, por exemplo. Castells faz a ressalva, porém, que correlação não é o mesmo que causalidade, portanto, para o autor, os problemas sociais e ambientais apontados não deveriam obrigatoriamente estar relacionados com o processo de globalização e desenvolvimento econômico regido pela internet. Comunicação & Mercado/UNIGRAN - Dourados - MS, vol. 02, n. 04, p , jan-jul 2013

6 C. Otre, Maria Alice 46 Mas estão. Poderíamos dizer que, nas condições sociais e institucionais atualmente vigentes no nosso mundo, o novo sistema tecno-econômico contribui para o desenvolvimento desigual, fazendo com que aumente simultaneamente a riqueza e a pobreza, a produtividade e a exclusão social, com seus efeitos diferencialmente distribuídos em diversas áreas do mundo e grupos sociais (2004, p. 307). E ainda completa. Como a Internet se encontra no epicentro do novo modelo sócio-técnico de organização, este processo global de desenvolvimento desigual é, provavelmente, a expressão mais dramática da info-exclusão (CASTELLS, 2004, p. 307). Também não se pode lidar com os problemas relacionados à info e tecno-exclusão como algo que não interfere no plano social e na cultura que se recria a partir de cada ferramenta incorporada. O autor apresenta grande preocupação quanto às futuras gerações, já que nem todos são nativos digitais como costumam ser chamados os nascidos a partir da década de 80/90. A vantagem que uma minoria de lares está a usufruir nas utilizações e serviços proporcionados pela Internet, aos quais apenas acedem aqueles com mais recursos, converter-se-á provavelmente numa fonte de considerável desigualdade cultural e social no futuro, já que as crianças da primeira geração Internet estão a crescer em ambientes tecnológicos muito diversos (CASTELLS, 2004, p. 298). O fato é que a internet e as novidades relacionadas às TICs não têm como retroceder. Encenam um movimento frenético de crescimento, inovações e incorporação no dia a dia dos que a elas conseguem aceder. É preciso, portanto, que se pense em estratégias e políticas públicas que busquem diminuir o hiato existente entre os que estão on e os que ainda estão offline, ou em standby, já que conhecem as tecnologias, mas não conseguem usufruir delas com constância. Segundo o relatório Digital economy rankings 2010: Beyond e-readiness, que estuda os impactos das TICs na economia e na sociedade, alguns países, como a Finlândia têm ido tão longe a ponto de consagrar em lei o acesso Internet como um direito humano básico, uma pesquisa recente da BBC de usuários de Internet constatou que 87% das pessoas de 27 países acreditam que este deve ser realmente o caso. O mesmo relatório traz em sua conclusão que as metas estão mudando, mas os imperativos dos países para extraírem o máximo de benefícios econômicos e sociais com o uso da tecnologia digital permanecem (ECO- NOMIST, 2012, p. 17). O relatório elenca então cinco passos importantes para o maior desenvolvimento das TICs, que citamos em linhas gerais: Assegurar à população acesso a preços justos para todas as conexões possíveis fixas e móveis. Estabelecer as TICs como um ponto focal da educação e garantir que os alunos em todos os níveis aprendam a usar a tecnologia digital em seu benefício. Possibilitar o fornecimento em larga escala de bens e serviços on-line que ofereçam utilidade real para cidadãos e empresas. Comunicação & Mercado/UNIGRAN - Dourados - MS, vol. 0X, n. 0X, p , jan-jul 2013

7 INFO E TECNO-EXCLUSÃO NO BRASIL: CONCEITOS QUE AINDA EXPRESSAM A REALIDADE? 47 Incentivar a inovação e o espírito empresarial, para criar as melhores possibilidades de TIC habilitando mudanças para filtrar através da economia. Assegurar que o sistema judicial não coloque algemas indevidas sobre o uso da tecnologia e, ao mesmo tempo, proporcionar proteção adequada para as pessoas e organizações. Diante dessas informações e reflexões, propusemo-nos a discutir como o Brasil tem se posicionado quanto às temáticas levantadas. Afinal, o que os relatórios mundiais e nacionais dizem sobre o país que tem conquistado o respeito internacional pela sua performance durante as crises mundiais, destaque nas taxas de crescimento, de diminuição de desemprego e de fortalecimento como nação? VERDE, AMARELO E PRETO Embora tenha alcançados ótimos índices de crescimento também no que diz respeito à incorporação das TICs e desenvolvimento da internet no Brasil, o país de dimensões continentais ainda apresenta áreas sombrias de exclusão digital e desigualdades sociais e educacionais, que tingem o verde-amarelo de preto, representando a escuridão quanto à era digital, a nova era das luzes. E tudo começa com a posse de um computador, que no Brasil ainda é considerado um problema a ser combatido, já que diferentes realidades exprimem distintos números de evolução (ou não) da democratização das TICs no país. As diferenças setoriais (urbano e rural), regionais e econômicas (renda familiar) no crescimento da posse de computador no país requerem atenção, especialmente por indicarem possível ampliação das desigualdades de inclusão digital. Reduzir essas desproporcionalidades é fundamental para que as distâncias sociais, principalmente em relação à inclusão digital, não se intensifiquem ao longo dos próximos anos (TIC DOMICILIOS, 2011, p.141). No relatório citado (ECONOMIST, 2012, p. 3-4), que avalia a relação entre economia, TICs e sociedade, o Brasil aparece ocupando a 42ª posição, atrás do México (41), África do Sul (40) e Chile (30). O relatório mediu Conectividade e infraestrutura tecnológica, o ambiente de negócios, o ambiente social e cultural, o ambiente legal, política e visão governamental; além dos consumidores e adoção de negócios. Em 2009, o país ocupava a mesma posição. Mais do que fixarmos nossos olhares para um ranking, traremos à tona algumas variáveis exploradas em outras pesquisas de dentro e fora do país para nos situarmos. Começamos a apresentar os dados da pesquisa comscore The Brazilian Online Audience, de fevereiro de A pesquisa traz dados mundiais de que 1,324 bilhões de pessoas, com mais de 15 anos, acessavam a internet em dezembro de Esse número representou um crescimento de 8% com relação a Ao mesmo tempo, o relatório aponta que a América Latina teve um crescimento de 15%, em usuários online, obtendo 111,4 milhões de internautas. Segundo os resultados, o Brasil tem 40 milhões de usuários de internet, o que o coloca como o 8 país em audiência na internet no mundo. Para os pesquisadores, o Brasil tem a maior população on-line da América Comunicação & Mercado/UNIGRAN - Dourados - MS, vol. 02, n. 04, p , jan-jul 2013

8 C. Otre, Maria Alice 48 Latina, com um universo estendido estimado em 77,3 milhões de usuários, maior do que a população total da França ou do Reino Unido. A média de horas navegadas pelos internautas brasileiros é de 24,3 horas por mês (COMSCORE, 2011, p. 17). O crescimento da população on-line no Brasil também é surpreendente: 20% de 2009 para 2010, o maior índice registrado na América Latina. Outro dado interessante apontado pelo relatório é a jovialidade dos internautas brasileiros. Segundo o comscore (2011, p. 20), 63% da audiência de internet no Brasil tem entre 15 e 35 anos. Em comparação, apenas 53% da população online global está no mesmo grupo de idade. Quanto ao gênero dos internautas, o comscore (2011, p. 22) aponta que 51,1% são homens, enquanto 48,9% são mulheres, uma diferença muito pequena se considerarmos outras esferas de desigualdades entre homens e mulheres no país, como cargos de chefia, diferenças salariais etc. Os números que se apresentam positivos e nos deixam otimistas quanto à inserção tecnológica do brasileiro, no que diz respeito à internet, começam, porém, a mostrar suas desigualdades. Segundo o relatório (2011, p. 25) o Norte representa 2% da população online do país, seguido pelo Centro -Oeste (6%); Nordeste 11%, Sul 13% e Sudeste 68%. Se por um lado já era de se esperar que Norte, Nordeste e Centro-Oeste tivessem baixa audiência, o Sul do país aparece como uma surpresa do relatório, já que é composto por estados com alto índice educacional e economicamente fortes. Vale aqui fazer uma ressalva comparativa de que quando a fonte usada é o TIC Domicílios, os dados parecem se alterar bruscamente, mas exigem uma leitura mais cuidadosa. É válido destacar, porém, que nesta pesquisa, são avaliados os lares da região, em porcentagens e não a proporção que a região representa no total do País, como o comscore. Quando o assunto é domicílio com acesso à internet, temos os seguintes dados para o ano de 2010: Norte com 14%, Centro-Oeste com 33%, Nordeste com 11%, Sudeste com 36% e Sul com 30% de lares com acesso. Diante desses dados, o relatório traz alguns destaques: Nos últimos seis anos, a proporção de domicílios com computadores na área urbana mais do que dobrou no país: de 17%, em 2005, para 39%, em Nesse período, a taxa composta de crescimento anual foi de 18%, mas em 2010 o crescimento foi de apenas 8% em relação a Quanto à posse da conexão de Internet nos domicílios urbanos, a proporção passou de 13%, em 2005, para 31%, em Nesse período, a taxa composta de crescimento anual foi de 19%, e em 2010 a taxa de crescimento foi de 15% em relação a 2009 (TIC DOMICILIOS, 2011, p.137). Insistimos em retomar o fato de que só o acesso não significa que há ou não info ou tecno-exclusão. A qualidade do acesso também precisa ser verificada, já que, conforme Castells (2004, p. 297) a velocidade e a largura da banda são obviamente essenciais para que se cumpra a promessa da Internet. Segundo o TIC Domicílios (2011, p.137), o Brasil registra, em 2010, um crescimento expressivo das conexões de tipo banda larga fixa. A proporção de domi- Comunicação & Mercado/UNIGRAN - Dourados - MS, vol. 0X, n. 0X, p , jan-jul 2013

9 INFO E TECNO-EXCLUSÃO NO BRASIL: CONCEITOS QUE AINDA EXPRESSAM A REALIDADE? 49 cílios com essa conexão cresceu 9 pontos percentuais. Destacam-se também as conexões de banda larga móvel (modem 3G), que saíram de 4%, em 2009, para 10%, em Em artigo produzido por Rogério Santanna no mesmo relatório (TIC DOMICÍLIOS, 2011, p. 57), ele problematiza a expansão da banda larga, contextualizando-a com a realidade brasileira. Segundo o autor, A prestação desses serviços [banda larga] hoje está focada nas classes A e B que residem nas regiões ricas dos centros urbanos, mercado-alvo prioritário dos serviços oferecidos pelas grandes operadoras atuantes no setor. Um percentual de 90% desse mercado no país é controlado por apenas cinco empresas, que não demonstram muito interesse em levar banda larga ao conjunto da população. [...] Não por acaso o Brasil está abaixo da média mundial em densidade de banda larga, diferentemente do que acontece com a telefonia fixa e móvel. Um estudo elaborado pela International Communication Union (2009 e 2010) mostra que, descontando-se os impostos, a estimativa de preço da banda larga no Brasil em 2008 era de US$ 47, enquanto na Argentina este valor caía para US$ 38. Nos Estados Unidos, o custo estava em US$ 15, e não é por acaso que naquele país esses serviços chegam a 25% da população. O mesmo levantamento aponta que o preço da banda larga no Brasil caiu para 28 dólares no ano seguinte, descontando-se os impostos. Mas, apesar de o preço relativo ter sido reduzido quase pela metade em um ano, a penetração não respondeu na mesma proporção, devido à concentração geográfica dos serviços nas regiões Sul e Sudeste do país (SANTANNA, 2011, p.57). Retomando as desigualdades regionais, o autor tece sua crítica ao levantar que O mercado ignorou a entrada de cerca de 30 milhões de pessoas na Classe C, o que ampliou ainda mais a demanda por conexão e expôs a dificuldade das atuais operadoras em inovar seu modelo de negócios. Na região Nordeste, a economia cresce a taxas superiores às registradas na China. No entanto, essa região possui um dos piores índices de acesso à banda larga do Brasil, com apenas 9% de penetração, segundo dados da Anatel. Nos estados da região Norte, a situação é ainda pior: a penetração cai para 8%. O percentual de conectividade de estados como Amapá, Pará e Roraima corresponde a 4,18%, 5,99% e 5,28%, respectivamente³ (SANTANNA, 2011, p ). Como solução, Rogério Santanna (2011, p. 58) aponta que o governo federal brasileiro lançou, em maio de 2010, o Programa Nacional de Banda Larga (PNBL), que pretende levar o serviço a cerca de 40 milhões de domicílios até O artigo destaca ainda que a meta atribuída à Telebrás é conectar com Internet de baixo custo e alta velocidade municípios localizados em 26 estados, mais o Distrito Federal, atendendo a 88% da população brasileira até Com essa proposta, o governo elevaria, segundo os dados, o número de domicílios com acesso a Internet banda larga no país de cerca de 12 milhões, em 2009, para entre 35 e 40 milhões em ³ Nota citada pelo autor: Disponível em blicacao=dados%20informativos%20-%20banda%20larga&caminhorel=null&filtro=1&documentopath= pdf. Comunicação & Mercado/UNIGRAN - Dourados - MS, vol. 02, n. 04, p , jan-jul 2013

10 C. Otre, Maria Alice 50 Quanto à velocidade de conexão, o Brasil tem atualmente 39% dos domicílios com acesso à internet usufruindo de uma velocidade de até 1Mbps. Outros 24% têm entre mais de 1 até 2Mbps. Mais de 2Mbps corresponde a apenas 15% do total enquanto 21% não sabe ou não respondeu. Para além da questão da internet, elencamos também outros fatores que avaliam a presença das TICs nos lares pesquisados. As tabelas abaixo, retiradas do próprio relatório (TIC Domicílios, 2011) nos dão uma maior facilidade de visualização. Comunicação & Mercado/UNIGRAN - Dourados - MS, vol. 0X, n. 0X, p , jan-jul 2013

11 INFO E TECNO-EXCLUSÃO NO BRASIL: CONCEITOS QUE AINDA EXPRESSAM A REALIDADE? 51 Fonte: TIC Domicílios, Anexos. O telefone celular, por exemplo, já ocupa praticamente a mesma margem da quantidade de aparelhos de rádio nos lares brasileiros (84 contra 86%). O impacto disso para a ampliação das redes sem fio ou 3G é imenso, assim como a possibilidade de que as pessoas consumam informação de uma maneira diferente. É curioso, porém, notar que quando foram questionados pelo motivo de não terem internet em casa, 49% dos entrevistados que têm computador em casa, mas não têm internet alegaram o custo como empecilho. No âmbito regional, há diferenças evidentes no acesso às TIC, resultantes de desigualdades socioeconômicas. Tais discrepâncias regionais podem ser mais bem compreendidas a partir do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) 4. As regiões Norte e Nordeste são as que apresentam menores IDH, enquanto os maiores são registrados nas regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste. Isso se deve, sobretudo, à geografia econômica do Brasil, que concentra a produção, a atividade econômica e a renda nas regiões de maior IDH (TIC DOMICÍLIOS, 2011, p. 134). A falta de disponibilidade na área, que tem a ver com infraestrutura, alcançou índice de 23%. A resposta que mais surpreende, foi dada por 16% dos entrevistados: não tem necessidade ou interesse. Se as pessoas não sentem sequer a necessidade de acesso ao mundo virtual, é porque algo está errado no seu desenvolvimento ou utilização. Outros 16% apontaram acessar em outro local e 12% declararam a falta de habilidade como principal fator para que não tenha internet em casa, outra resposta preocupante para um país que pretende sair da 4 Segundo o relatório, indicador utilizado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), composto de três dimensões saúde, educação e qualidade de vida e medido a partir de quatro indicadores: expectativa de vida da população, média de anos de estudo da população, expectativa de vida escolar e PIB (Produto Interno Bruto) per capita. Fonte: PNUD. Human Development Report Disponível em Comunicação & Mercado/UNIGRAN - Dourados - MS, vol. 02, n. 04, p , jan-jul 2013

12 C. Otre, Maria Alice 52 fase do em desenvolvimento. Como os governos, escolas e outras instituições estão se preparando para suprir essa defasagem de conhecimento? Dentre os entrevistados 10% informaram que o custo-benefício não vale a pena e 5% preocupam-se com a segurança. É possível que se verifique além de uma sub-utilização das tecnologias, o despreparo principalmente no âmbito legislativo e de segurança para se lidar com o avanço tecnológico. As pessoas estão preocupadas com isso. Outras informações referentes às TICs também foram pinçadas do comscore, com algumas curiosidades. Segundo o relatório, o brasileiro utiliza o dobro de serviço de mensagens instantâneas em relação ao mundo. Além disso, houve aumento de 25% em usuários de internet banking de 2009 para O relatório aponta ainda que sete de cada dez brasileiros visitaram um site de varejo em dezembro de 2010 e que o Brasil é o país que mais visita este tipo de site na América Latina. Vale aqui uma ressalva para a importância da democratização das TICs para a economia do país. São novas possibilidades de mercado que, se ampliadas, contribuem para o desenvolvimento do país na geração de emprego e movimentação financeira, por exemplo. O relatório traz também um fato que estamos acostumados a ouvir falar: o crescimento de participação nas redes sociais do Brasil foi o dobro em relação ao mundo. Neste ranking, o Brasil é o maior usuário de Twitter do mundo; além de ter verificado um aumento de 33% no uso do YouTube, febre principalmente entre os jovens. Outra curiosidade é que enquanto no mundo o acesso a sites de notícia é de 60,3%, e o de blog é 50%, no Brasil, 58,8% refere-se a acesso a sites de notícia e 71,1% a blogs. Verifica-se, dessa forma, ainda uma utilização do mundo virtual no Brasil mais relacionado com o entretenimento, fator importante de ser pensado quando se fala na qualidade das informações acessadas e na possibilidade de que alterem a situação dos países em desenvolvimento por meio do acesso às TICs. CONSIDERAÇÕES FINAIS Além das desigualdades verificadas no Brasil, que possibilitam encontrarmos realidades completamente diferentes segundo a região ou a classe social, atribui-se como problema de acesso às TICs os baixos índices de desenvolvimento humano, índices educacionais e poucas políticas públicas voltadas à aquisição de tecnologias até mesmo entre professores, como mostrou o TIC Educação. De toda forma, o TIC Domicílios aponta também uma mudança no que diz respeito ao perfil do usuário de internet, o que pode ser um indício de que as desigualdades começam a diminuir: há maior presença na rede de brasileiros com menor grau de escolaridade e de classes sociais mais baixas, possivelmente em função da mobilidade social e do crescimento significativo da classe C no país (2011, p. 138). Por mais que o Brasil se destaque na América Latina e alguns dados mostrem grandes evoluções, o caminho é ainda longo e espinhoso, pois exige que se pense em muitas esferas sociais, políticas, econômicas e culturais Comunicação & Mercado/UNIGRAN - Dourados - MS, vol. 0X, n. 0X, p , jan-jul 2013

13 INFO E TECNO-EXCLUSÃO NO BRASIL: CONCEITOS QUE AINDA EXPRESSAM A REALIDADE? 53 capazes de contribuir com o avanço tecnológico. No que diz respeito aos conceitos trabalhados por Castells, percebe-se que passo a passo o país avança no que diz respeito às TICs, porém, quando determinada camada antes excluída tem acesso a certa tecnologia, o rápido processo evolutivo das ferramentas trata de encaminhar-lhe novamente ao mundo dos superficialmente conectados. É preciso um mutirão envolvendo educação, setor privado e políticas públicas para que o hiato diminua. Este artigo não pretende esgotar a elucidação nem análise dos dados importantíssimos trazidos pelos relatórios apresentados. São mais de 1000 páginas com gráficos, tabelas e análises que merecem um olhar cuidadoso dos interessados em aprofundar a discussão em áreas específicas das TICs no Brasil. Serve, conquanto, ao propósito de que saiamos da sensação de tecnologias ubíquas que nos ganham a cada dia e olhemos para os diversos brasis que nos avizinham. Comunicação & Mercado/UNIGRAN - Dourados - MS, vol. 02, n. 04, p , jan-jul 2013

14 C. Otre, Maria Alice 54 REFERÊNCIAS CASTELLS, Manuel. A galáxia internet: reflexões sobre Internet, Negócios e Sociedade. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, ECONOMIST Intelligence Unit. Digital economy rankings 2010: Beyond e-readiness. Disponível em graphics.eiu.com/upload/eiu_digital_economy_rankings_2010_final_web.pdf. LOPES, Cristiano Aguiar. Exclusão Digital e a Política de Inclusão Digital no Brasil o que temos feito? In: Revista de Economía Política de las Tecnologías de la Información y Comunicación vol. IX, n. 2, mayo ago. / Disponível em: Acesso em: 10 de fevereiro de SANTANNA, Rogério. Democracia no acesso vai aprofundar uso de novas aplicações da Internet. In: Pesquisa sobre o uso das tecnologias de informação e comunicação no Brasil : TIC Domicílios e TIC Empresas São Paulo: Comitê Gestor da Internet no Brasil, TIC DOMICÍLIOS e TIC Empresas São Paulo: Comitê Gestor da Internet no Brasil, Disponível em Acesso em 20 de fevereiro de 2012 TIC EDUCAÇÃO Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nas escolas brasileiras. São Paulo: Comitê Gestor da Internet no Brasil, Disponível em Acesso em 14 de fevereiro de 2012, Comunicação & Mercado/UNIGRAN - Dourados - MS, vol. 0X, n. 0X, p , jan-jul 2013

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional 08/09/2010-10h00 Pesquisa visitou mais de 150 mil domicílios em 2009 Do UOL Notícias A edição 2009 da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

Uso e Posse de Computador e Internet, Barreiras de Acesso, Uso do Celular, Intenção de Aquisição

Uso e Posse de Computador e Internet, Barreiras de Acesso, Uso do Celular, Intenção de Aquisição TIC DOMICÍLIOS 2007 Uso e Posse de Computador e Internet, Barreiras de Acesso, Uso do Celular, Intenção de Aquisição PESQUISA SOBRE O USO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO NO BRASIL 2008 NIC.BR

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

Pesquisa sobre Provedores de Serviços Internet no Brasil. São Paulo, 30 de novembro de 2011

Pesquisa sobre Provedores de Serviços Internet no Brasil. São Paulo, 30 de novembro de 2011 Pesquisa TIC Provedores 2011 Coletiva de Imprensa Pesquisa sobre Provedores de Serviços Internet no Brasil São Paulo, 30 de novembro de 2011 CGI.br Comitê Gestor da Internet no Brasil NIC.br Núcleo de

Leia mais

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina CH/EM Caro Aluno, Esta oficina tem por objetivo analisar as principais características de um dos principais indicadores socioeconômicos utilizados na

Leia mais

Acesso à Internet e direitos do consumidor: balanço e perspectivas

Acesso à Internet e direitos do consumidor: balanço e perspectivas Acesso à Internet e direitos do consumidor: balanço e perspectivas Mesa 1: Acesso à banda larga: onde chegamos com o PNBL e o que temos pela frente Brasília, 3 de Junho de 14 CGI.br Comitê Gestor da Internet

Leia mais

IDH do Brasil melhora, mas país cai no ranking Mudança se deve a desempenho melhor de outro país

IDH do Brasil melhora, mas país cai no ranking Mudança se deve a desempenho melhor de outro país Material embargado até dia 9 de novembro, às 11h do Brasil IDH do Brasil melhora, mas país cai no ranking Mudança se deve a desempenho melhor de outro país O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do Brasil

Leia mais

Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras. Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem

Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras. Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem Maio, 2014 1 Índice 1. Introdução 3 2. Cenário do acesso

Leia mais

Workshop de Telecomunicações da FIESP

Workshop de Telecomunicações da FIESP Workshop de Telecomunicações da FIESP A Qualidade da Banda Larga no Brasil Alexandre Barbosa Cetic.br São Paulo 27 de agosto de 15 Trajetória do CETIC.br Países da América Latina e PALOPs 1995 5 12 q Produção

Leia mais

mudanças qualitativas radicais na vida econômica, social e política das nações.

mudanças qualitativas radicais na vida econômica, social e política das nações. PRONUNCIAMENTO DO MINISTRO EDUARDO CAMPOS NA SOLENIDADE DE INSTALAÇÃO DA III ASSEMBLÉIA GERAL DA ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DE PARLAMENTARES PARA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (IPAIT), NA CÂMARA DOS DEPUTADOS,

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

São Paulo, 24 de novembro de 2005

São Paulo, 24 de novembro de 2005 São Paulo, 24 de novembro de 2005 CGI.br divulga indicadores inéditos sobre a internet no país Além de apresentar as pesquisas sobre penetração e uso da rede em domicílios e empresas, a entidade anuncia

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros 1 of 5 11/26/2010 2:57 PM Comunicação Social 26 de novembro de 2010 PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009 Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros O número de domicílios

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

TIC Domicílios 2007 Habilidades com o Computador e a Internet

TIC Domicílios 2007 Habilidades com o Computador e a Internet TIC Domicílios 007 Habilidades com o Computador e a Internet DESTAQUES 007 O estudo sobre Habilidades com o Computador e a Internet da TIC Domicílios 007 apontou que: Praticamente metade da população brasileira

Leia mais

O Impacto Sócio-Econômico da Banda Larga

O Impacto Sócio-Econômico da Banda Larga Instituto de Inovação com TIC O Impacto Sócio-Econômico da Banda Larga [ Flávia Fernandes Julho/2010] Banda Larga Internet A Internet supera a produtividade combinada do telefone, transporte e eletricidade

Leia mais

Indicadores Anefac dos países do G-20

Indicadores Anefac dos países do G-20 Indicadores Anefac dos países do G-20 O Indicador Anefac dos países do G-20 é um conjunto de resultantes de indicadores da ONU publicados pelos países: África do Sul, Alemanha, Arábia Saudita, Argentina,

Leia mais

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz Estudo Estratégico n o 5 Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz PANORAMA GERAL ERJ é o estado mais urbano e metropolitano

Leia mais

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro A CONTRIBUIÇÃO DO CDES PARA O DEBATE DA CONSOLIDAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

Leia mais

Destaques TIC Domicílios 2007 Uso e Posse de Computador e Internet, Barreiras de Acesso, Uso do Celular, Intenção de aquisição

Destaques TIC Domicílios 2007 Uso e Posse de Computador e Internet, Barreiras de Acesso, Uso do Celular, Intenção de aquisição Destaques TIC Domicílios 2007 Uso e Posse de Computador e Internet, Barreiras de Acesso, Uso do Celular, Intenção de aquisição De maneira geral, os dados indicam que houve um forte aumento da posse e o

Leia mais

Keynote speech by Senator Walter Pinheiro

Keynote speech by Senator Walter Pinheiro II LATIN AMERICAN PUBLIC POLICY FORUM ON INTERNET, E- COMMERCE AND MOBILE TECHNOLOGIES Economic, Social and Cultural Impact on Latin America's Development Keynote speech by Senator Walter Pinheiro Discussion

Leia mais

PESQUISA SOBRE O USO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E DE COMUNICAÇÃO NO BRASIL DESTAQUES 2008

PESQUISA SOBRE O USO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E DE COMUNICAÇÃO NO BRASIL DESTAQUES 2008 PESQUISA SOBRE O USO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E DE COMUNICAÇÃO NO BRASIL DESTAQUES 2008 A pesquisa TIC Domicílios 2008 traz uma importante novidade: a expansão do estudo para a área rural do país,

Leia mais

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Ministério das Comunicações Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD Suplementar 2013 Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

Ministério das Comunicações

Ministério das Comunicações Sumário 1. Perfil do país 2. Dados Setoriais 3. Programa Nacional de Banda Larga 4. Marco Civil da Internet Perfil do País 30,0% Taxa de analfabetismo (população com mais de 15 anos de idade) 20,0% 10,0%

Leia mais

Plano Nacional. de Banda Larga. Brasília, 05 de maio de 2010

Plano Nacional. de Banda Larga. Brasília, 05 de maio de 2010 Plano Nacional de Banda Larga Brasília, 05 de maio de 2010 Sumário 1. Importância Estratégica 2. Diagnóstico 3. Objetivos e Metas 4. Ações 5. Investimento 6. Governança e Fórum Brasil Digital 2 1. Importância

Leia mais

Empreendedora. Inovação e Gestão. Introdução ao empreendedorismo

Empreendedora. Inovação e Gestão. Introdução ao empreendedorismo Inovação e Gestão Empreendedora atuação empreendedora no brasil desenvolvimento da teoria do empreendedorismo diferenças entre empreendedores, empresários, executivos e empregados Introdução ao empreendedorismo

Leia mais

TIC DOMICÍLIOS 2012. Panorama da Inclusão digital no Brasil. Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação no Brasil

TIC DOMICÍLIOS 2012. Panorama da Inclusão digital no Brasil. Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação no Brasil Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação TIC DOMICÍLIOS 12 Panorama da Inclusão digital no Brasil Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação no

Leia mais

ser alcançada através de diferentes tecnologias, sendo as principais listadas abaixo: DSL (Digital Subscriber Line) Transmissão de dados no mesmo

ser alcançada através de diferentes tecnologias, sendo as principais listadas abaixo: DSL (Digital Subscriber Line) Transmissão de dados no mesmo 1 Introdução Em 2009, o Brasil criou o Plano Nacional de Banda Larga, visando reverter o cenário de defasagem perante os principais países do mundo no setor de telecomunicações. Segundo Ministério das

Leia mais

O Brasil e a Internet Ubíqua: Avanços e Perspectivas

O Brasil e a Internet Ubíqua: Avanços e Perspectivas ARTIGO O Brasil e a Internet Ubíqua: Avanços e Perspectivas AUTORES Antonio Eduardo Ripari Neger Presidente da Associação Brasileira de Internet (ABRANET). Engenheiro formado pela Unicamp, advogado formado

Leia mais

TERESINA ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO

TERESINA ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO TERESINA ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO Teresina (PI), Setembro 2014 1 ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH-m) As informações deste estudo são extraídas do site do Programa das Nações Unidas - PNUD,

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

Larga Brasil 2005-2010

Larga Brasil 2005-2010 Barômetro Cisco de Banda Larga Brasil 2005-2010 Resultados de Junho de 2010 Preparado para Meta de Banda Larga em 2010 no Brasil: 15 milhões de conexões Elaborado por IDC Copyright 2010 IDC. Reproduction

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE CONEXÃO: DESAFIOS DO SÉCULO XXI

POLÍTICAS PÚBLICAS DE CONEXÃO: DESAFIOS DO SÉCULO XXI POLÍTICAS PÚBLICAS DE CONEXÃO: DESAFIOS DO SÉCULO XXI Claudionei Lucimar Gengnagel UPF Fernanda Nicolodi UPF Resumo: A pesquisa que se apresenta irá discutir a importância e a necessidade de políticas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão. 1 de 5 A educação que movimenta o desenvolvimento Natalino Salgado Filho O ano de 2011 encerra com uma notícia que, aparentemente, parece muito alvissareira para o Brasil. O país ultrapassou a Grã Bretanha

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C Mídias sociais como apoio aos negócios B2C A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

TIC Domicílios 2007 Comércio Eletrônico

TIC Domicílios 2007 Comércio Eletrônico TIC Domicílios 2007 Comércio Eletrônico DESTAQUES 2007 O Estudo sobre Comércio Eletrônico da TIC Domicílios 2007 apontou que: Quase a metade das pessoas que já utilizaram a internet declarou ter realizado

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Santos, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 281,35 km² IDHM 2010 0,840 Faixa do IDHM Muito Alto (IDHM entre 0,8 e 1) (Censo 2010) 419400 hab. Densidade

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Alto Boa Vista, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2248,35 km² IDHM 2010 0,651 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5247 hab. Densidade

Leia mais

SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES

SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES NO BRASIL COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA SENADO FEDERAL EDUARDO LEVY BRASÍLIA, 04 DE NOVEMBRO DE 2014 crescimento do setor de telecomunicações

Leia mais

DIA DA INCLUSÃO DIGITAL UMA PARCERIA QUE DEU CERTO

DIA DA INCLUSÃO DIGITAL UMA PARCERIA QUE DEU CERTO DIA DA INCLUSÃO DIGITAL UMA PARCERIA QUE DEU CERTO Formación y superación de la exclusión Silene Fernandes Bicudo Núcleo de Novas Tecnologias UNIVAP silene@univap.br Ana Maria Soares Comitê para Democratização

Leia mais

Qualidade da Internet Banda Larga

Qualidade da Internet Banda Larga Qualidade da Internet Banda Larga Secretaria de Transparência Coordenação de Controle Social DataSenado Novembro de 2014 www.senado.leg.br/datasenado 1 Um terço dos entrevistados já ouviu falar do Programa

Leia mais

FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO

FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO Fevereiro 2016 A MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O que mais incomoda no discurso/posição que a mulher

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Areado, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 282,6 km² IDHM 2010 0,727 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 13731 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese 2014 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese Dieese Subseção Força Sindical 19/09/2014 PESQUISA NACIONAL POR AMOSTRA DE DOMICILIOS - PNAD 2013 Síntese dos Indicadores POPULAÇÃO A Pesquisa

Leia mais

PANORAMA MUNDIAL DA EDUCAÇÃO E O BRASIL: CENÁRIOS E PERSPECTIVAS

PANORAMA MUNDIAL DA EDUCAÇÃO E O BRASIL: CENÁRIOS E PERSPECTIVAS PANORAMA MUNDIAL DA EDUCAÇÃO E O BRASIL: CENÁRIOS E PERSPECTIVAS Márcio de Souza Pires, Dr.¹ A educação mundial é fortemente analisada e acompanhada por importantes instituições, em busca de avanços no

Leia mais

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro?

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro? População mundial Leia as manchetes abaixo: População mundial superará 9,2 bilhões em 2050, estima ONU BBC Brasil Casais ricos burlam lei do filho único na China BBC Brasil A população mundial atingiu

Leia mais

ABRIL 2010. Redes Sociais: revolução cultural na Internet. Ano 2 Número 2

ABRIL 2010. Redes Sociais: revolução cultural na Internet. Ano 2 Número 2 ABRIL 2010 Redes Sociais: revolução cultural na Internet Ano 2 Número 2 SUMÁRIO EXECUTIVO As redes sociais: revolução cultural na Internet Apresentação Definindo as redes sociais As redes sociais formam

Leia mais

Brasil avança, mas é quarto país mais desigual da América Latina, diz ONU

Brasil avança, mas é quarto país mais desigual da América Latina, diz ONU Brasil avança, mas é quarto país mais desigual da América Latina, diz ONU Estudo faz balanço de serviços urbanos básicos, como a gestão dos resíduos sólidos. (Foto: Reprodução) Apesar do crescimento econômico,

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Botelhos, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 335,24 km² IDHM 2010 0,702 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 14920 hab. Densidade

Leia mais

13ª EDIÇÃO OUT 2013 F/RADAR PANORAMA DO BRASIL NA INTERNET

13ª EDIÇÃO OUT 2013 F/RADAR PANORAMA DO BRASIL NA INTERNET 13ª EDIÇÃO OUT 2013 F/RADAR PANORAMA DO BRASIL NA INTERNET AGENDA METODOLOGIA PANORAMA GERAL GRANDES APRENDIZADOS F/RADAR METODOLOGIA TÉCNICA Pesquisa quantitativa, com abordagem pessoal em pontos de fluxo

Leia mais

DETERMINANTES DA POBREZA E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL: ANÁLISE DA ECONOMIA BRASILEIRA ENTRE 1994 E 2014. RESUMO

DETERMINANTES DA POBREZA E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL: ANÁLISE DA ECONOMIA BRASILEIRA ENTRE 1994 E 2014. RESUMO DETERMINANTES DA POBREZA E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL: ANÁLISE DA ECONOMIA BRASILEIRA ENTRE 1994 E 2014. Cleber Yutaka Osaku 1 ; Alexandre de Souza Correa 2. UFGD/FACE - Caixa Postal - 364 - Dourados/MS,

Leia mais

Escola de Artes, Ciências e Humanidades EACH/USP

Escola de Artes, Ciências e Humanidades EACH/USP Escola de Artes, Ciências e Humanidades EACH/USP CURSO DE GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS TRABALHO DE GESTÃO DE PROCESSOS E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1º SEMESTRE DE 2010 PROFESSOR JOSÉ CARLOS VAZ São Paulo,

Leia mais

O Brasil e as Metas de Desenvolvimento do Milênio

O Brasil e as Metas de Desenvolvimento do Milênio www.pnud.org.br Embargado até 8 de julho de 2003 www.undp.org/hdr2003 Contatos do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento: Nova Iorque: William Orme Tel:(212) 906-5382 william.orme@undp.org Londres:

Leia mais

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 A GSMA representa os interesses da indústria mundial de comunicações móveis. Presente em mais de 220 países, a GSMA

Leia mais

Educação é a chave para um desenvolvimento duradouro...

Educação é a chave para um desenvolvimento duradouro... Educação é a chave para um desenvolvimento duradouro...enquanto os líderes mundiais se preparam para um encontro em Nova York ainda este mês para discutir o progresso dos Objetivos de Desenvolvimento do

Leia mais

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 PANORAMA GERAL Na última década, o Brasil passou por profundas mudanças

Leia mais

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável Este artigo é cópia fiel do publicado na revista Nu e va So c i e d a d especial em português, junho de 2012, ISSN: 0251-3552, . Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Sorriso, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 9382,37 km² IDHM 2010 0,744 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 66521 hab. Densidade

Leia mais

,QLTXLGDGHVHP6D~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD

,QLTXLGDGHVHP6D~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD ,QLTXLGDGHVHP6D~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD 'RFXPHQWRDSUHVHQWDGRSRURFDVLmRGRODQoDPHQWRGD &RPLVVmR1DFLRQDOVREUH'HWHUPLQDQWHV6RFLDLVHP6D~GHGR %UDVLO&1'66 0DUoR ,QLTXLGDGHVHPVD~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD

Leia mais

Aula 4 A FOME NO MUNDO CONTEMPORÂNEO. Christian Jean-Marie Boudou

Aula 4 A FOME NO MUNDO CONTEMPORÂNEO. Christian Jean-Marie Boudou Aula 4 A FOME NO MUNDO CONTEMPORÂNEO OBJETIVOS Compreender a abordagem geográfica da fome; Discorrer sobre fome e desnutrição; Conhecer a problemática de má distribuição de renda e alimentos no Brasil

Leia mais

Desenvolvimento e Subdesenvolvimento: O que é preciso saber para começar entender?

Desenvolvimento e Subdesenvolvimento: O que é preciso saber para começar entender? Desenvolvimento e Subdesenvolvimento: O que é preciso saber para começar entender? PIB - Produto Interno Bruto. Ele representa o montante de todas as riquezas do país, quanto maior o PIB, mais alto o nível

Leia mais

Brasileiro faz plano de banda larga dos EUA

Brasileiro faz plano de banda larga dos EUA Brasileiro faz plano de banda larga dos EUA 4 de outubro de 2009 O brasileiro Carlos Kirjner, nomeado pelo presidente Barack Obama para o cargo de conselheiro do diretor-geral da Comissão Federal de Comunicações

Leia mais

Perspectivas & Oportunidades do Mercado Segurador frente aos Novos Consumidores. Marco Antonio Rossi Presidente

Perspectivas & Oportunidades do Mercado Segurador frente aos Novos Consumidores. Marco Antonio Rossi Presidente Perspectivas & Oportunidades do Mercado Segurador frente aos Novos Consumidores Marco Antonio Rossi Presidente AGENDA I O Universo dos Novos Consumidores 2 O Mundo do Seguros 3- Perspectivas e Oportunidades

Leia mais

Banda Larga não é luxo

Banda Larga não é luxo Pesquisas recentes mostram que o acesso à internet ainda está longe de ser universal no Brasil, apesar de ser considerado um direito básico pelas organizações civis Banda Larga não é luxo Juliana Krapp

Leia mais

Medição das TIC no contexto nacional: o caso do Brasil Maputo, Moçambique 7 de Julho de 2015

Medição das TIC no contexto nacional: o caso do Brasil Maputo, Moçambique 7 de Julho de 2015 Medição das TIC no contexto nacional: o caso do Brasil Maputo, Moçambique 7 de Julho de 2015 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO Dimensões das TIC e Políticas Públicas Apresentação de indicadores sobre os seguintes

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais

O CONSUMIDOR MOBILE. Uma visão global

O CONSUMIDOR MOBILE. Uma visão global O CONSUMIDOR MOBILE Uma visão global A PRÓXIMA POTÊNCIA EM MÍDIA Quando a primeira chamada foi realizada por um telefone móvel em 1973, o protótipo utilizado tinha bateria com duração de 30 minutos e levava

Leia mais

ABRIL DE 2012. Provedores de Internet no Brasil: Inclusão Digital e Infraestrutura Ano 4 Número 1

ABRIL DE 2012. Provedores de Internet no Brasil: Inclusão Digital e Infraestrutura Ano 4 Número 1 ABRIL DE 2012 Provedores de Internet no Brasil: Inclusão Digital e Infraestrutura Ano 4 Número 1 SUMÁRIO EXECUTIVO Apresentação A inclusão digital no Brasil depende fundamentalmente da expansão da infraestrutura

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br 1 BuscaLegis.ccj.ufsc.br BALBONI, Mariana (coord. executiva). Pesquisa Sobre o Uso das Tecnologias da Informação e da Comunicação no Brasil: TIC Domicílios e TIC Empresas 2007. São Paulo: Comitê Gestor

Leia mais

Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nas Escolas Brasileiras TIC Educação

Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nas Escolas Brasileiras TIC Educação Pesquisa TIC Educação 2010 Coletiva de Imprensa Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nas Escolas Brasileiras TIC Educação São Paulo, 09 de Agosto de 2011 CGI.br Comitê Gestor

Leia mais

As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil

As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil MÓDULO 4 - Relações Étnico-Raciais unidade 2 TEXTO 4 As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil Você já pensou em como as desigualdades raciais muitas vezes

Leia mais

de 1,000 (um) for o IDH, melhor a qualidade de vida de sua população.

de 1,000 (um) for o IDH, melhor a qualidade de vida de sua população. RESULTADOS O Espírito Santo que se deseja em 2015 é um Estado referência para o País, na geração de emprego e renda na sua indústria, com conseqüente eliminação das desigualdades entre os municípios capixabas.

Leia mais

A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI

A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI Roland Anton Zottele 1, Friedhilde M. K. Manulescu 2 1, 2 Faculdade de Ciências

Leia mais

Editorial. Plano de Melhoria Contínua promete mudanças positivas na OnSet

Editorial. Plano de Melhoria Contínua promete mudanças positivas na OnSet Informativo 2013 Índice Editorial - Pág. 1 Novas Contratações - Pág. 2 Aniversariantes - Pág. 3 TI e Telecom na Mídia - Pág. 4 News OnSet - Pág. 5 Eu faço a OnSet - Pág. 7 Editorial Plano de Melhoria Contínua

Leia mais

DISCURSO DO SECRETÁRIO-GERAL DA ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS, JOSÉ MIGUEL INSULZA, NA SESSÃO DE ABERTURA DA QUARTA CÚPULA DAS AMÉRICAS

DISCURSO DO SECRETÁRIO-GERAL DA ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS, JOSÉ MIGUEL INSULZA, NA SESSÃO DE ABERTURA DA QUARTA CÚPULA DAS AMÉRICAS DISCURSO DO SECRETÁRIO-GERAL DA ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS, JOSÉ MIGUEL INSULZA, NA SESSÃO DE ABERTURA DA QUARTA CÚPULA DAS AMÉRICAS Mar del Plata, 4 de novembro de 2005. Senhor Presidente da Nação

Leia mais

A ERA DIGITAL E AS EMPRESA

A ERA DIGITAL E AS EMPRESA A ERA DIGITAL E AS EMPRESA Em 1997 o Brasil já possuia 1,8 MILHÕES de usuários Brasil O 5 Maior país em extensão territorial Brasil 5 Vezes campeão do Mundo Brasil O 5 Maior país em número de pessoas conectadas

Leia mais

Trilha 3 Banda larga no Brasil e inclusão digital: o que fazer?

Trilha 3 Banda larga no Brasil e inclusão digital: o que fazer? e inclusão digital: o que fazer? Coordenador da Trilha Eduardo Fumes Parajo (CGI.br, Abranet) Oradores iniciais indicados pelo setores do CGI.br: 3º Setor Beá Tibiriçá (Coletivo Digital) e Paulo Lima (Saúde

Leia mais

Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular. Edição n 05

Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular. Edição n 05 Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular Edição n 05 Junho de 2010 2 Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular Edição n 05 O objetivo geral deste estudo foi investigar as percepções gerais

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2008

PROJETO DE LEI N o, DE 2008 PROJETO DE LEI N o, DE 2008 (Da Sra. Elcione Barbalho) Altera a Lei n.º 9.998, de 17 de agosto de 2000, estendendo o uso dos recursos do Fundo de Universalização das Telecomunicações (Fust) à prestação

Leia mais

Northern Telecom Ltd (Nortel). Isto devido ao seu atraso na substituição da tecnologia analógica pela digital.

Northern Telecom Ltd (Nortel). Isto devido ao seu atraso na substituição da tecnologia analógica pela digital. MOTOROLA A empresa alcançou um faturamento global da ordem de US$ $37.6 bilhões em 2000. É líder mundial em sistemas e serviços eletrônicos avançados. Atuando de maneira globalizada em 45 países, mais

Leia mais

5 Análise dos indicadores educacionais do Brasil

5 Análise dos indicadores educacionais do Brasil 5 Análise dos indicadores educacionais do Brasil A fome de instrução não é menos deprimente que a fome de alimentos. Um analfabeto é um espírito subalimentado. Saber ler e escrever, adquirir uma formação

Leia mais

Barômetro Cisco de Banda Larga Brasil 2005-2010

Barômetro Cisco de Banda Larga Brasil 2005-2010 Barômetro Cisco de Banda Larga Brasil 2005-2010 Resultados de Junho/2008 Preparado para Meta de Banda Larga em 2010 no Brasil: 15 milhões de conexões Mauro Peres, Country Manager IDC Brasil Copyright 2008

Leia mais

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO 1. Crescimento Econômico Conceitua-se crescimento econômico como "o aumento contínuo do Produto Interno Bruto (PIB) em termos globais e per capita,

Leia mais

Relatório brasileiro sobre desenvolvimento social

Relatório brasileiro sobre desenvolvimento social Relatório brasileiro sobre desenvolvimento social LUIZ FELIPE LAMPREIA OPRESENTE RELATÓRIO sobre desenvolvimento social foi elaborado pelo Governo Brasileiro no âmbito do processo preparatório da Cúpula

Leia mais

ABRANET Associação Brasileira de Provedores Internet

ABRANET Associação Brasileira de Provedores Internet ABRANET Associação Brasileira de Provedores Internet APRESENTAÇÃO PARA O SENADO FEDERAL COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO e INFORMÁTICA Audiência Pública sobre Conteúdo Audiovisual

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Indicador ANEFAC dos países do G-20 Edição 2013. Por Roberto Vertamatti*

Indicador ANEFAC dos países do G-20 Edição 2013. Por Roberto Vertamatti* Indicador ANEFAC dos países do G-20 Edição 2013 Por Roberto Vertamatti* Brasil recua novamente para a 15ª posição por não melhorar índices de saúde, educação e renda e piorar em relação a pobreza e desigualdade

Leia mais

Brechas Digitais: direito à comunicação nas regiões do Cone Sul e Brasil por Vera Vieira

Brechas Digitais: direito à comunicação nas regiões do Cone Sul e Brasil por Vera Vieira Brechas Digitais: direito à comunicação nas regiões do Cone Sul e Brasil por Vera Vieira BRASIL 2 BRASIL (Dados IBGE, 2010 e Governo Federal, 2011) População: mais de 190 milhões de habitantes Brancos:

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Características Gerais dos Indígenas: Resultados do Universo

Censo Demográfico 2010. Características Gerais dos Indígenas: Resultados do Universo Censo Demográfico 2010 Características Gerais dos Indígenas: Resultados do Universo Rio de Janeiro, 10 de agosto de 2012 Identificação da população indígena nos Censos Demográficos do Brasil 1991 e 2000

Leia mais

Fórum de Diálogo IBAS

Fórum de Diálogo IBAS Fórum de Diálogo IBAS, e do Sul Integração SUL-SUL Fórum de Mulheres FÓRUM De DIÁLOGO IBAS, e do Sul O Fórum IBAS é uma iniciativa trilateral entre, e do Sul, desenvolvida para promover a cooperação Sul-

Leia mais

Introdução. A Internet de Todas as Coisas está pronta para gerar pelo menos US$ 613 bilhões em lucros empresariais mundiais no. ano de 2013.

Introdução. A Internet de Todas as Coisas está pronta para gerar pelo menos US$ 613 bilhões em lucros empresariais mundiais no. ano de 2013. Internet de Todas as Coisas (IoE). 10 principais descobertas da Pesquisa Índice de valor da IoE da Cisco com 7.500 responsáveis pela tomada de decisão em 12 países Joseph Bradley Jeff Loucks Andy Noronha

Leia mais